OS MEUS DESEJOS PARA TODOS

RecadosOnline.com

segunda-feira, 12 de janeiro de 2009

A CRISE ESTÁ: DEUS TAMBÉM ESTÁ !

Estou contigo Artemísia Merlo e permito-me transcrever no meu blog, o e.mail que me enviaste agora, pois também é esse o meu pensamento hoje:
Amigos boa tarde, Eu espero que desta vez Jesus me permita voltar! Apesar de estar um pouco afastada do grupo, não deixo de rezar por todos um só dia! Todas as missas que assisto, sempre coloco na intenção de todos nós e das pessoas do
Caderno de Orações! Por testemunha, só tenho Jesus. Estou muito sobrecarregada de trabalho e sempre que tento me libertar acontece um fato novo! Sei que estou sendo testada por isso estou sempre firme nas minhas convicções. Este texto é para todos aqueles que colocam sua fé nas mãos dos homens! Para estes não existe solução! Mas para os FILHOS do Homem. Tudo é passageiro, para tudo tem solução! Para isso é preciso somente acreditar! Jesus Cristo eu confio em ti! Louvado seja Deus! (Artemísia) A CRISE ESTA AÍ; DEUS TAMBÉM ESTÁ
Deus é maior do que todas as crises mundiais e financeiras Hoje, Deus quer falar sobre a necessidade de você ser um homem e uma mulher incendiados no fogo do Espírito Santo. Ouvimos em todas as mídias seculares (Rádio, TV e Internet) que 2009 será um ano de crise, um ano difícil. As projeções são de crise financeira, que vai desencadear crises familiares, pois, sem dinheiro para comprar as coisas necessárias para a casa, marido e mulher entram em pé de guerra. Humanamente falando, ficamos preocupados com o futuro do mundo e das nossas vidas. Mas nós cristãos não podemos nos deixar levar por essa onda de incertezas e de medo. Eu digo para você, em nome de Jesus, que 2009 será uma bênção para aqueles que confiam no Senhor!
Precisamos nos colocar na fé. Se todo mundo disser que o ano será difícil, você diz o contrário. Mergulhe na bênção. Temos de confiar que 2009 não será um inferno econômico, mas uma bênção para os filhos de Deus.
Na Bíblia, existem cerca de 30 mil promessas de Deus, promessas de prosperidade, felicidade e alegria. Nenhuma crise vai tirar de nós essas promessas do Senhor.
No entanto, elas só são cumpridas no coração daqueles que crêem. Agarre-as! O Espírito Santo precisa estar com você o tempo todo, porque é Ele quem vai manter reavivada a sua fé. Ou você crê ou você não crê.
Tome posse dessa verdade: 2009 será um ano de graça. Não caia na incredulidade. Você precisa ser realista; não alienado. Precisamos crer no invisível, não no visível. Deus é maior do que todas as crises mundiais e financeiras. Deus não vai abandonar você.
Precisamos nos organizar para receber a bênção.
No Evangelho de São Mateus 15, 29-39, encontramos:
Jesus saiu daquela região e voltou para perto do mar da Galiléia. Subiu a uma colina e sentou-se ali. Então numerosa multidão aproximou-se dele, trazendo consigo mudos, cegos, coxos, aleijados e muitos outros enfermos. Puseram-nos aos seus pés e ele os curou, de sorte que o povo estava admirado ante o espetáculo dos mudos que falavam, daqueles aleijados curados, de coxos que andavam, dos cegos que viam; e glorificavam ao Deus de Israel.
Jesus, porém, reuniu os seus discípulos e disse-lhes:
"Tenho piedade esta multidão: eis que há três dias está perto de mim e não tem nada para comer. Não quero despedi-la em jejum, para que não desfaleça no caminho."
Disseram-lhe os discípulos:
"De que maneira procuraremos neste lugar deserto pão bastante para saciar tal multidão?"
Pergunta-lhes Jesus:
"Quantos pães tendes?"
"Sete, e alguns peixinhos",
responderam eles.
Mandou, então, a multidão assentar-se no chão, tomou os sete pães e os peixes e abençoou-os. Depois os partiu e os deu aos discípulos, que os distribuíram à multidão. Todos comeram e ficaram saciados, e, dos pedaços que restaram, encheram sete cestos. Ora, os que se alimentaram foram quatro mil homens, sem contar as mulheres e as crianças. Jesus então despediu o povo, subiu para a barca e retornou à região de Magadã”.
Essa passagem fala sobre a segunda multiplicação dos pães. Quanto mais a crise apertar, mais Jesus vai se manifestar. Ele quer realizar prodígios, milagres e sinais.
Não tenha medo, Ele vai cuidar de você. Ele proverá o necessário para você e sua família.
"Deus provê, Deus proverá, sua misericórdia não faltará".
É preciso organizar-se para que a bênção chegue até você. Semeie fé e colha fé em 2009. Não podemos ficar dispersos como as outras pessoas, não podemos nos desesperar com essa crise financeira mundial. Não faltará nada para você e, se faltar, peça a Deus a graça da fé para enxergar o motivo dessa falta.
Às vezes, ela pode ser para o nosso amadurecimento no amor do Senhor e na esperança.
Humanamente falando, passaremos por um "vale escuro", então, precisamos andar com os olhos da nossa fé. Precisamos mostrar para o mundo que confiamos em Deus, por isso, não tememos nada. Não se desespere, o Senhor está criando novos céus e nova terra. Mesmo que você esteja no "vale escuro", agarre as promessas de Deus para você.
O seu Ano Novo será diferente se você deixar o Senhor ser o centro da sua casa.
(Flavinho) Louvado seja Deus ! (Artemísia)

ver: artemisia48@yahoo.com.br

www.gruporosamistica2@yahoogrupos.com.br

LOUVADO SEJA DEUS

PARA SEMPRE E SUA MÃE

MARIA SANTÍSSIMA

António Fonseca

Ano Paulino - Uma proposta pastoral

Meus Amigos:
Apesar de estar diminuido fisicamente, por ter partido o braço esquerdo, conforme disse na mensagem anterior, transcrevo em seguida a mensagem Nota Pastoral da Conferência Episcopal Portuguesa, (de Maio de 2008)que me limitei a transcrever directamente do site da www.diocese-porto.pt, embora tendo feito salientar alguns títulos.
Ano Paulino, uma proposta pastoral Nota Pastoral da Conferência Episcopal Portuguesa Introdução
1
. O Papa Bento XVI proclamou um "Ano Paulino", para celebrar os 2000 anos do nascimento de São Paulo, com início na Solenidade dos Apóstolos Pedro e Paulo, a 29 de Junho de 2008, e a terminar um ano depois. Este Ano Paulino coincide, no tempo, com uma outra proposta feita pelo Santo Padre a toda a Igreja: a convocação de um Sínodo sobre a Palavra de Deus na vida e na missão da Igreja. Esta simultaneidade sugere‐nos a convergência dos dois temas nas propostas pastorais. Paulo, grande Apóstolo da Palavra, pode ser o nosso guia para descobrirmos, mais profundamente, o lugar da Palavra de Deus na vida e na missão da Igreja.
Basta pensar que ele é o autor sagrado mais frequentemente lido na Liturgia. A Palavra de Deus é o Verbo eterno de Deus, a mensagem do coração de Deus que Ele quer comunicar aos seres humanos. A Palavra revelada é apenas o meio sacramental, expressão do mistério da encarnação, que nos pode levar a escutar a Palavra viva de Deus. Paulo tem uma consciência muito profunda dessa origem divina da Palavra. As suas principais cartas antecedem cronologicamente os outros escritos do Novo Testamento. Paulo confessa que o Evangelho que anuncia o recebeu directamente de Jesus Cristo, tendo sido confirmado pelos outros apóstolos. Aos Gálatas ele escreve: "Com efeito, faço‐vos saber, irmãos, que o Evangelho que por mim foi anunciado, não o conheci à maneira humana; pois eu não o recebi nem aprendi de homem algum, mas por uma revelação de Jesus Cristo" (Gal. 1,11‐12). Com Paulo, a Igreja pode fazer esta descoberta da Palavra viva, a que Deus quer dirigir ao Seu povo, Palavra que brota do coração de Deus. Paulo pode guiar‐nos em todos os caminhos de escuta da Palavra: na celebração da Páscoa; na evangelização, como primeiro anúncio de Jesus Cristo; no aprofundamento da fé, em processo catequético; na fidelidade a Deus, vivendo segundo as exigências da Palavra; no fortalecimento da esperança, pois toda a Palavra de Deus nos abre para o horizonte da eternidade. Paulo e a nova fronteira da evangelização 2. Paulo protagonizou, na sua experiência de Apóstolo, o alargamento do horizonte dos destinatários do Evangelho, problema actual na relação da Igreja com a sociedade. A Igreja primitiva viveu dramaticamente este problema: o Evangelho era destinado aos judeus e os novos discípulos de Jesus deviam sujeitar‐se à circuncisão e obedecer às normas legais do povo judaico, ou era também para os pagãos que, uma vez convertidos a Cristo, ficavam a pertencer ao Povo de Deus, obedecendo apenas às exigências do Espírito e não a leis especificamente judaicas? Paulo, nascido judeu, formado na escola do Mestre Gamaliel, que nunca renegou o seu amor e a sua pertença ao Povo de Israel, ao verdadeiro Israel de Deus (cf. Rom 9,1ss), é o grande protagonista deste alargamento do horizonte da evangelização. Identifica aí a sua graça própria: "A mim, o menor de todos os santos, foi dada a graça de anunciar aos gentios a insondável riqueza de Cristo" (Ef 3,8), de tal modo que aqueles que se convertem a Cristo são "concidadãos dos santos, membros da casa de Deus" (2,19). Este alargar do horizonte do anúncio do Evangelho é o desafio feito à Igreja por João Paulo II, lançando‐a para uma nova evangelização. É que a Igreja também hoje corre o risco de limitar o 2º anúncio de Jesus Cristo àqueles que continuam no seu redil, compreendem a sua linguagem e conhecem as suas leis, e tem dificuldade em anunciar Jesus Cristo a uma sociedade cada vez mais secularizada. As sociedades contemporâneas, apesar de muito diferentes das sociedades do Império Romano do século I, têm traços comuns: estão profundamente marcadas pelo hedonismo e pelo materialismo, reduzindo o problema de Deus ao arbítrio e à decisão humana, fiel a ritos, mas incapaz de reconhecer o Deus vivo e transcendente. Por outro lado, em ambas se notam sintomas de insatisfação, que pode transformar‐se em abertura à surpresa vivificante do anúncio de Jesus Cristo. Paulo teve desilusões e sucessos e pode inspirar a Igreja actual a discernir, nos anseios dos homens e mulheres do nosso tempo, aberturas à Palavra de Deus. Ela é chamada a ler, nas buscas e inquietações humanas, os "sinais dos tempos", indicativos da necessidade e do desejo da salvação (cf. G.S. nn. 4 e 11). O evangelizador possuído por Jesus Cristo 3. Paulo revela‐nos, no testemunho da sua vida, o dinamismo sobrenatural da evangelização: a força que brota do encontro com Cristo ressuscitado. Tudo começou na sua conversão, com a revelação pessoal de Jesus Cristo, afirmando uma verdade perene: só quem se converte a Jesus Cristo, pode ser evangelizador. Para Paulo tudo começou na estrada de Damasco, onde Cristo ressuscitado se lhe manifesta e lhe faz o chamamento de pôr todo aquele zelo com que perseguia os cristãos, com os quais Jesus Se identifica, ao serviço do Evangelho, a boa‐nova da salvação. "Quem és Tu Senhor?" "Eu Sou Jesus a Quem tu persegues" (cf. Act. 26,12‐16). Paulo nunca mais duvidará que o Evangelho que anuncia o recebeu naquele momento. Ele próprio o confessa aos cristãos de Corinto: "transmiti‐vos em primeiro lugar o que eu próprio havia recebido: que Cristo morreu pelos nossos pecados, segundo as Escrituras e foi sepultado; que foi ressuscitado ao terceiro dia, segundo as Escrituras e apareceu a Cefas, depois aos doze (…). Depois disso (…) apareceu‐me também a mim" (1Cor. 15,3‐8). Paulo considera esta a sua graça própria, a escolha misericordiosa de Deus: "pela graça de Deus sou o que sou; e a graça que me foi dada não foi estéril" (1Cor. 15,10). Toda a vida de Paulo se situa depois deste encontro, vive dele, em plena alegria (cf. Fil. 1,21; Gal. 2,20), o mais é lixo (cf. Fil. 3,8); "Ai de mim se não anunciar o Evangelho!" (1Cor. 9,16) – e dá testemunho dos efeitos desse encontro: "O Reino de Deus (…) é justiça e paz e alegria no Espírito Santo" (Rom. 14,17); por isso, Paulo esquece o que fica para trás e atira‐se para as coisas que estão à sua frente (cf. Fil. 3,13). Não admira que inicie as suas Cartas com a saudação nova da graça e da paz de Deus, Nosso Pai, e do Senhor Nosso, Jesus Cristo, e as termine sempre com a graça do Senhor Nosso, Jesus Cristo… E o autor do Livro dos Actos dos Apóstolos fecha o Livro deixando Paulo em Roma "a anunciar o Reino de Deus e a ensinar o que diz respeito ao Senhor Jesus Cristo" (Act. 28,31). Esta fidelidade de Paulo a Jesus Cristo sugerir‐nos‐á caminhos de conversão para todos os evangelizadores, também eles chamados a deixarem‐se possuir por Jesus Cristo para poderem anunciar o Seu Evangelho.
4. O alargamento do anúncio do Evangelho aos descrentes e aos que abandonaram a vida cristã, supõe evangelizadores com as características exigidas pela nova evangelização. No dizer de João Paulo II, esses evangelizadores têm de ser possuídos de um novo ardor, porque o seu testemunho é um primeiro anúncio de natureza querigmática. As Igrejas de Portugal necessitam de repensar estes dois elementos da nova evangelização. É preciso identificar, preparar e enviar esses evangelizadores. Na pedagogia e nas atitudes a primeira evangelização é diferente da catequese. E muitas crianças, jovens e adultos que inserimos nas nossas catequeses organizadas, precisavam desse anúncio querigmático. A generalidade da juventude, as famílias, os leigos chamados a evangelizar o meio em que estão inseridos, urgem o reforço de uma pastoral querigmática. O Ano Paulino pode ajudar‐nos a sistematizar essa pastoral específica, porque Paulo foi o maior evangelizador de todos os tempos. Ele continua a ser exemplo inspirador do ardor da evangelização e da natureza específica do anúncio querigmático.
Um novo ardor!
Evangelizar não é uma estratégia e não se reduz a um programa: é uma paixão de amor por Jesus Cristo e pelos nossos irmãos e irmãs. Com Paulo, o ardor da evangelização brota da sua paixão por Jesus Cristo. O encontro com Cristo na estrada de Damasco mudou a sua vida. Aos Filipenses confessa ter sido completamente apanhado por Jesus Cristo "para o conhecer na força da sua ressurreição e na comunhão com os seus sofrimentos, conformando‐me com Ele na morte, para ver se atinjo a ressurreição de entre os mortos" (Fil 3,10‐11). A sua vida reduz‐se à identificação com Cristo: "Para mim viver é Cristo" (Fil 1,21; cf. Gal 2,20); tudo o mais é lixo (cf. Fil 3,8). Esta identificação é com a Páscoa de Jesus, na Sua morte e ressurreição: "Nós pregamos um Cristo crucificado, escândalo para os judeus e loucura para os gentios", mas para os que são chamados [...], Ele é poder de Deus e sabedoria de Deus" (1Co 1,23‐24). Esta paixão por Jesus Cristo e a certeza de que na Sua Cruz se decidiu o novo destino humano, geram em Paulo a urgência da evangelização, em que ele se sente como cooperador de Deus (cf. 1Co 3,9). "Ai de mim, se eu não evangelizar!" (1Co 9,16). A evangelização é o seu futuro, o sentido do tempo que lhe resta para viver, o que o leva a relativizar o seu passado (cf. Fil 3,13).
O anúncio querigmático
Paulo distingue a pregação querigmática, em que faz o anúncio de Jesus Cristo, da catequese às Igrejas para o aprofundamento da identificação com Cristo. O primeiro anúncio é de Jesus Cristo salvador, morto e ressuscitado, mas com a particularidade de se adaptar aos destinatários. Aos judeus ele anuncia Jesus como o Messias esperado e a plena realização de todas as Escrituras (cf. Act 9,20.22; 13,16ss). Aos gentios anuncia Jesus ressuscitado com desafio à conversão "dos ídolos a Deus, para servir o Deus vivo e verdadeiro" (1Tes 1,9). Este anúncio aos gentios é o grande desafio das suas viagens apostólicas, embora nunca descurando o anúncio aos judeus. Ousou mesmo, sem recusar o diálogo, enfrentar o mundo da cultura helenista, marcada por várias sabedorias e pelo sincretismo filosófico e religioso. Foi talvez a sua pregação no Areópago de Atenas que o levou a convencer‐se mais de que só com as sabedorias humanas não se chega à sabedoria da Cruz (cf. Act 17,16ss). Neste Ano Paulino, temos de pressentir por que caminhos nos conduziria Paulo, se partilhasse hoje, connosco, a missão evangelizadora da Igreja.
4 A exigência do percurso catequético
5. Paulo tem a consciência viva de que o anúncio de Jesus Cristo, que leva à fé, introduz no caminho da salvação ou da justificação, conceito que valoriza pois sente que a salvação humana repõe o justo relacionamento com Deus, em Cristo, que é justiça de Deus (cf. 1Co 1,30; 2Co 5,21). Trata‐se da coerência da fé, ou da "obediência da fé", como gosta de lhe chamar (Rom 1,5). Compromete a vida toda, durante toda a vida, exprime‐se na "obra da fé" (1 Tes 1,3), toca o seu auge na vivência da caridade (cf. Gal 5,6), projecta‐nos, na esperança, para a plenitude da vida eterna (cf Rom 5,1‐11; 8,18‐39). Não é só compreensão, é, sobretudo, entrega e coerência de vida, é identificação com Cristo, na Sua morte e ressurreição. A é o grande acontecimento da vida do cristão. É que, no Evangelho, "é revelada a justiça de Deus, que vem da fé e conduz à fé, conforme está escrito: «o justo viverá da fé» (Rom 1,17). A fé reaviva‐se com a escuta permanente da Palavra de Deus, o Evangelho de Jesus Cristo. Ela é "Palavra de vida" (Fil 2,16), o crescimento da Igreja identifica‐se com a vitalidade da Palavra (cf. Act 19,20). O caminho catequético leva, sobretudo, à identificação com Cristo. O baptismo, sacramento pelo qual os que acreditaram em Jesus Cristo, através da Palavra, entram na comunidade dos discípulos, para caminharem em Igreja, consiste em morrer com Cristo, para com Ele ressuscitar (cf. Rom 6,3‐11). Este morrer com Cristo, o sepultar o homem velho, mostra bem a convicção de Paulo de que o cristão é chamado a uma vida nova, em que se manifesta a epifania da graça, na força do Espírito (cf. Rom 8,5‐17; Col 3,5‐17). Na sua catequese, Paulo não separa a vida pessoal do cristão da vida da Igreja: o cristão caminha em Igreja e não é apenas o indivíduo que se identifica com Cristo, mas toda a Igreja se identifica com Cristo. Ela é o corpo de Cristo (cf. Rom 12,15; 1Co 12, 12‐30; Ef 1,22s; 4,4‐6; Col 2,19), é a sua esposa (cf. Ef 5,25‐32), retomando a velha imagem do amor esponsal de Deus pelo Seu Povo. Esta descoberta da vida nova em Cristo é uma autêntica iniciação à vida, é a iniciação cristã, chamar‐se‐lhe‐á mais tarde. É uma descoberta, de surpresa em surpresa, até à alegria do estar para sempre com o Senhor. É uma caminhada catecumenal, porque aprofunda continuamente a alegria do seu início: a fé em Jesus Cristo e o mergulhar n’Ele, no Baptismo. O Ano Paulino oferece‐nos estímulo para aperfeiçoar a nossa catequese e conceber a acção pastoral como um meio de aprofundar um processo contínuo de iniciação cristã.
Prioridade da experiência comunitária da fé
6. Para Paulo o Evangelho é uma força de comunhão. Jesus Cristo, ao atrair cada um a si, pela fé, deseja a Igreja onde se vive a caridade, a comunhão com Deus, por Jesus Cristo e com os irmãos. Paulo concebe a sua missão como um edificar contínuo da Igreja que Jesus Cristo, deseja e ama. O seu principal instrumento catequético são as suas cartas, todas elas directa ou indirectamente, dirigidas às Igrejas. Estas são o seu interlocutor. Catequizando as Igrejas, faz uma catequese sobre a Igreja. Paulo acentua, antes de mais, a identificação da Igreja com o próprio Cristo. A união a Cristo, realizada no baptismo, é tão profunda, que a Igreja é a nova dimensão do Corpo de Cristo, a nova fase do mistério da encarnação (cf. 1Co 12,27; Rom 12,5). Deste novo corpo, Cristo é a cabeça, porque a Igreja vive e alimenta‐se da plenitude de Cristo ressuscitado (cf. Ef 1,22‐23; Col 1,18; 3,19). Paulo encarna, na sua solicitude pelas comunidades, o amor e a ternura de Jesus Cristo pela Igreja (cf. 2 Co 11,2‐3, 29; 1 Tes 2,7‐12). O facto de as Igrejas serem a expressão da Igreja que Jesus Cristo quer e ama, faz da comunhão na fé e na caridade a grande exigência da unidade. Esta unidade não é a uniformidade humana, mas a participação da unidade de Cristo com o Pai, no Espírito. Paulo exprime quase sempre esta dimensão transcendente da comunhão e da unidade, nas saudações com que inicia as suas cartas às Igrejas (Cf Rom 1,7; 1 Co 1,3). A unidade das Igrejas é preocupação contínua de Paulo e causa de muito sofrimento. Antes de mais a preocupação de garantir que as Igrejas que nasceram da sua missão junto dos gentios, estejam em comunhão com as Igrejas da Palestina, constituídas, sobretudo, por cristãos vindos do judaísmo. Leva as Igrejas da gentilidade a partilharem os seus bens com as Igrejas mais pobres da Palestina (cf. Rom 15,25‐27; 1Co 16,1‐4; 2 Co 8‐9; Gal 2,10). Mas para ele é sobretudo importante que a fé seja a mesma. Essa preocupação leva‐o a Jerusalém, para se encontrar com os outros Apóstolos, e a reconhecer a primazia de Pedro (cf. Gal 1,18s; 2,1‐10). A efervescência carismática em algumas Igrejas daquele tempo é um problema real para esta construção da unidade. Os princípios que o orientam são de uma actualidade flagrante: não há dons do Espírito estritamente para benefício individual, mas são dons para toda a Igreja e só esta é o juiz do seu discernimento (cf. 1 Co 12‐14; Rom 12,3‐8; Ef 4,1‐16). O Ano Paulino oferece‐nos ocasião de uma reflexão pastoral sobre a verdade da Igreja e a maneira de construir a unidade da comunhão, na imensa variedade de carismas que voltaram a enriquecer a Igreja do nosso tempo. As estruturas da CEP são chamadas a estar mais atentas a esta realidade que, se constitui uma riqueza da Igreja, é também o seu principal desafio na construção da unidade.
Corresponsabilidade na missão 7. A paixão por Jesus Cristo, Paulo transmitiu‐a aos outros cristãos, infundindo neles o mesmo ardor pela missão. Esta torna‐se, assim, expressão da caridade, na comunhão da Igreja. Paulo percebeu que toda a Igreja é chamada a ser, com os Apóstolos, corresponsável na missão. Agregou ao seu ministério cooperadores zelosos: presbíteros, que "trabalham na palavra e na instrução" (1Tim. 5,17), cristãos, mulheres e homens, empenhados no "trabalho do amor" (1Ts. 1,3). No final da Carta aos Romanos refere‐se a eles com grande afecto: "Saudai Priscila e Áquila, meus colaboradores em Cristo Jesus, pessoas que, pela minha vida, expuseram a sua cabeça. Não sou apenas eu a estar‐lhes agradecido, mas todas as Igrejas dos gentios" (Rom. 16,3‐4). Alguns destes colaboradores na missão tornaram‐se muito próximos de Paulo, como Timóteo, Tito, Silas, partilhando com ele toda a aventura da missão. Alguns deles eram enviados pelas comunidades para junto de Paulo, garantindo o contacto permanente com o Apóstolo e sendo, junto dele, a expressão do amor das comunidades. É o caso de Epafrodito, que é enviado para acompanhar Paulo (cf. Fil. 2,19‐30). Podemos aprender com Paulo o fundamento da verdadeira corresponsabilidade dos cristãos na missão da Igreja, aspecto de grande actualidade quando o Concílio tornou claro que a Igreja é o verdadeiro sujeito da missão e que todos os baptizados são corresponsáveis, segundo a sua graça própria ou o ministério que lhes foi entregue. A importância e especificidade do ministério ordenado não pode significar a clericalização da Igreja.
Propostas de meios pastorais para a vivência do Ano Paulino 8. Como acabámos de ver, o Ano Paulino oferece uma ocasião riquíssima para o nosso serviço às Igrejas. Cada uma encontrará os meios que considere os mais adaptados para o viver e celebrar. No entanto a Conferência Episcopal, órgão ao serviço da unidade de todas as Igrejas de Portugal, propõe a todas os seguintes instrumentos pastorais:
8.1. "Um ano a caminhar com São Paulo". Trata‐se de um itinerário catequético, tendo Paulo como guia, que além do conhecimento mais profundo do Apóstolo, nos fará percorrer, durante 52 semanas, as principais etapas do caminho cristão. Apresenta um tema para cada semana do ano e destina‐se, além das pessoas individualmente, às famílias, aos grupos paroquiais, à pastoral juvenil, aos Movimentos. 8.2. A vivência da Liturgia. Os textos de São Paulo são dos que mais continuamente são lidos na Liturgia. Propomos, durante este ano, uma valorização destes textos, sobretudo nas homilias, não esquecendo que a Liturgia é a grande catequese da Igreja. A Comissão Nacional de Liturgia preparará elementos que ajudem os pastores das comunidades a realizar este objectivo. 8.3. Estudos sobre São Paulo. A Faculdade de Teologia, nos seus diversos Centros e Escolas filiadas, oferecerá ao Povo de Deus, sessões de estudos paulinos. 8.4. Valorização de outras ofertas, particularmente a apresentada pela família Paulista (Padres, Irmãs paulistas e Pias discípulas). 8.5. A festa da conversão de São Paulo, no próximo ano, será celebrada ao Domingo. Será organizada uma grande celebração nacional nesse dia, na Igreja da Santíssima Trindade, em Fátima, centrada num aspecto englobante da doutrina de Paulo. 9. Ao celebrar o Ano Paulino, queremos ter o Apóstolo Paulo como guia inspirador da nossa missão de pastores, de todos os evangelizadores, de quantos, neste mundo secularizado, querem viver connosco a aventura da Igreja.
Fátima, 6 de Maio de 2008
António Fonseca

COMUNICAÇÃO PESSOAL

Meus amigos:
VENHO DAR-VOS CONHECIMENTO DE QUE ONTEM, DIA 11-JANEIRO TIVE UM ACIDENTE NA CASA DE BANHO DE MINHA RESIDÊNCIA, DO QUAL RESULTOU TER PARTIDO LONGITUDINALMENTE O MEU BRAÇO ESQUERDO, MAIS PROPRIAMENTE O "CÚBITO".
ACONTECEU ISTO POR VOLTA DAS 6 E MEIA DA MANHÃ E TIVE QUE ME DESLOCAR AO HOSPITAL DE S. JOÃO NUMA AMBULÂNCIA DO INEM,
ONDE CHEGUEI ÀS 8 HORAS.
PERMANECI LÁ TODO O DIA !!! ATÈ ÀS 21 HORAS !!!
EMBORA ME TENHAM ENGESSADO O BRAÇO, DEPOIS DE TER FEITO DUAS RADIOGRAFIAS, ENTENDERAM QUE ME DEVIAM EFECTUAR OUTROS EXAMES - ECG, TENSÃO ARTERIAL, MAIS UMA RADIOGRAFIA, ANÁLISES DE SANGUE, ETC., POIS QUERIAM SABER SE ALGO TINHA ACONTECIDO PARA EU TIVESSE ATIRADO O BRAÇO CONTRA A PAREDE DE TIJOLEIRA DO QUARTO DE BANHO, INCONSCIENTEMENTE, POIS AINDA AGORA ESTOU SEM SABER COMO ACONTECEU ...
DOS EXAMES EFECTUADOS NÃO RESULTOU NENHUMA CONCLUSÃO, SOBRE O ACONTECIDO, POIS ESTAVA TUDO ABSOLUTAMENTE NORMAL, SEGUNDO OS MÉDICOS ME INFORMARAM.
E ESTA HEM?
O QUE É CERTO É QUE VOU ESTAR COM O BRAÇO ENGESSADO PARA JÁ ATÉ AO DIA 30 DE JANEIRO, ALTURA EM QUE ME DEVE SER RETIRADO O GESSO - SE TUDO CORRER BEM, ESPERO !!!
POR ISSO VOU ESTAR IMPEDIDO DURANTE ALGUM TEMPO, - PELO MENOS ATÉ ME PASSAREM AS DORES - DE ESCREVER ALGO NESTE BLOG, DADO QUE SÓ POSSO MOVIMENTAR A MÂO DIREITA.
GRAÇAS A DEUS, FOI O BRAÇO ESQUERDO, PORQUE SE FOSSE O DIREITO NÃO PODIA FAZER NADA !!!
CAROS AMIGOS, ADEUS ATÉ AO MEU REGRESSO, QUE ESPERO SEJA BREVE.
GRAÇAS E LOUVORES SEJAM DADOS ETERNAMENTE A NOSSO SENHOR JESUS CRISTO E A SUA MÂE MARIA SANTÍSSIMA.
António Fonseca