OS MEUS DESEJOS PARA TODOS

RecadosOnline.com

quinta-feira, 22 de janeiro de 2009

CARTA AOS CORÍNTIOS - CAP VIII - S. PAULO

2. As carnes sacrificadas aos ídolos
8
Só o amor sabe discernir
1Quanto às carnes sacrificadas a ídolos, «sabemos que todos nós temos conhecimento». Mas o conhecimento envaidece; o amor é que constrói. 2Quando alguém julga ter alcançado o saber, é porque ainda não sabe onde está o verdadeiro conhecimento. 3Ao contrário, se alguém ama a Deus, é conhecido por Deus. 4Portanto, quanto ao consumo de carnes imoladas a ídolos, «sabemos que um ídolo não é nada no mundo, e não existe outro deus a não ser o Deus único». 5É verdade que existem aqueles que são chamados deuses, tanto no Céu como na Terra, e neste sentido há muitos deuses e muitos senhores. 6Contudo para nós existe um só Deus: o Pai. D’Ele tudo procede, e é para Ele que existimos. E há um só Senhor, Jesus Cristo, por quem tudo existe e por meio do qual também nós existimos. 7Mas nem todos têm esse conhecimento. Alguns, até há pouco acostumados ao culto dos ídolos, comem a carne dos sacrifícios como se fosse realmente oferecida aos ídolos. E a consciência deles, que é fraca, fica manchada. 8Não são os alimentos que nos aproximam de Deus: se deixamos de comer, nada perdemos; e se comemos, nada lucramos. 9Cuidai, porém, que a vossa liberdade não se torne ocasião de queda para os fracos. 10Tu tens a consciência esclarecida: mas alguém te vê sentado à mesa num templo de ídolo, será que esse alguém, tendo consciência fraca, não se verá arrastado a comer carne sacrificada aos ídolos? 11Deste modo, por causa do conhecimento que tendes, perecerá o fraco, esse irmão pelo qual Cristo morreu. 12Se pecais assim contra os próprios irmãos e feris a consciência deles, que é fraca, é contra Cristo que pecais. 13Ora, se um alimento for motivo de queda para o meu irmão, deixarei de comer carne para sempre, a fim de não causar a queda do meu irmão.
««««««««««««««««««««««««««««««««reflexão»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»
8,1-24: No ano 48, houve grande fome na Judeia e em Jerusalém (Act 11,28), por causa da colheita fraca do ano precedente, que tinha sido sabático, no qual os judeus não semeiam, para que a terra possa descansar. Para atender à situação, organizou-se uma ajuda económica a Jerusalém, Paulo prometeu que, nas suas missões entre os pagãos, daria atenção aos irmãos de Jerusalém (cf. Gl 2,10). Aqui ele aconselha as Igrejas de Corinto e da sua província a realizarem a colecta que já haviam decidido fazer (cf. 1Cor 16,1). Salienta que essa ajuda material é uma graça de Deus, muito maior para quem oferece do que para quem recebe. Além disso, como se tratava de somas elevadas, Paulo preocupa-se que a colecta seja administrada por pessoas de confiança.
António Fonseca
segue-se Capítulo 9 - mas só amanhã dia 23, pois já é quase meia noite.
LOUVADO SEJA NOSSO SENHOR JESUS CRISTO

CARTA AOS CORÍNTIOS - CAP VII - S. PAULO

III. RESPOSTA A DIVERSOS PROBLEMAS
1. Estados de vida
7
Matrimónio ou celibato?
1Passemos agora ao que me escrevestes: «É bom que o homem se abstenha de mulher». 2Todavia, para evitar a imoralidade, cada homem tenha a sua esposa, e cada mulher o seu marido. 3O marido cumpra o dever conjugal para com a esposa, e a esposa faça o mesmo com o marido. 4A esposa não é dona do seu próprio corpo, mas sim o marido. Do mesmo modo, o marido não é dono do seu próprio corpo, mas sim a esposa. 5Não se recusem um ao outro, a não ser que estejam de comum acordo e por algum tempo, para se entregarem à oração; depois disso, voltem a unir-se, a fim de que Satanás não os tente por não poderem dominar-se. 6Digo isto como concessão, e não como ordem. 7Eu gostaria que todos os homens fossem como eu. Mas cada um recebe de Deus o seu dom particular; um tem este dom, e outro tem aquele.
8Aos solteiros e às viúvas, digo que seria melhor que ficassem como eu. 9Mas, se não são capazes de dominar os seus desejos, então casem-se, pois é melhor casar-se do que ficar abrasado. 10Aos que estão casados, ordeno. Aliás, não eu, mas o Senhor: a esposa não se separe do marido; 11e caso venham a separar-se, não se case de novo, ou então reconcilie-se com o marido. E o marido não se divorcie da sua esposa. Viver unido ou separar-se? — 12Aos outros, sou eu que digo, não o Senhor: Se algum irmão tem esposa que não é cristã, e ela concorda em viverem juntos, não se divorcie dela. 13E se alguma mulher tem marido que não é cristão, e ele concorda em viverem juntos, não se divorcie dele. 14Pois o marido não cristão é santificado pela esposa cristã; e a esposa não cristã é santificada pelo marido cristão. Se assim não fosse, os seus filhos seriam impuros, quando na realidade são consagrados a Deus. 15Se o não cristão quiser separar-se, que se separe. Nesse caso, o irmão ou irmã não estão vinculados, pois foi para viver em paz que Deus nos chamou. 16Na verdade, ó mulher, como podes ter a certeza de que salvarás o teu marido? E tu, marido, como podes saber que salvarás a tua mulher?
Qual a novidade de ser cristão?
17De resto, cada um continue a viver na condição em que o Senhor o colocou, tal como vivia quando foi chamado. É o que ordeno em todas as Igrejas. 18Alguém foi chamado à fé quando já era circuncidado? Não procure disfarçar a sua circuncisão. Alguém não era circuncidado quando foi chamado à fé? Não se faça circuncidar. 19Não tem nenhuma importância estar ou não estar circuncidado. O que importa é observar os mandamentos de Deus. 20Cada um permaneça na condição em que se encontrava quando foi chamado. 21Eras escravo quando foste chamado? Não te preocupes com isso. Mas, se podes tornar-te livre, não deixes passar a oportunidade. 22Porque o escravo, que foi chamado no Senhor, é liberto no Senhor. Da mesma forma, aquele que era livre quando foi chamado, é escravo de Cristo. 23Alguém pagou alto preço pelo vosso resgate: não vos torneis escravos de homens. 24Irmãos, cada um permaneça diante de Deus na condição em que se encontrava quando foi chamado.
E a virgindade?
25Quanto às pessoas virgens, não tenho nenhum preceito do Senhor. Porém, como homem que pela misericórdia do Senhor é digno de confiança, dou apenas um conselho: 26considero boa a condição das pessoas virgens, por causa das angústias presentes. Claro, é bom que o homem continue assim. 27Estás ligado a uma mulher? Não te separes. Não estás ligado a uma mulher? Não procures mulher. 28Contudo, se casares, não estarás a cometer pecado; e se uma virgem se casar, não comete pecado. No entanto essas pessoas terão que suportar fardos pesados, e eu desejaria poupar-vos. 29Uma coisa vos digo, irmãos: o tempo tornou-se breve. De agora em diante, aqueles que têm esposa comportem-se como se não a tivessem; 30aqueles que choram, como se não chorassem; aqueles que se alegram, como se não se alegrassem; aqueles que compram, como se não possuíssem; 31os que tiram partido deste mundo, como se não desfrutassem. Porque a aparência deste mundo é passageira. 32Eu gostaria que estivésseis livres de preocupações. Quem não tem esposa, cuida das coisas do Senhor e do modo de agradar ao Senhor. 33Quem tem esposa, cuida das coisas do mundo e de como agradar à esposa, 34e fica dividido. Assim também, a mulher solteira e a virgem cuidam das coisas do Senhor, a fim de serem santas de corpo e espírito. Mas a mulher casada cuida das coisas do mundo e de como possa agradar ao marido. 35Digo isto para o vosso bem, não para armar uma cilada; simplesmente para que façais o que é mais nobre e possais permanecer sem distracção junto do Senhor.
Como decidir?
36Se alguém, transbordando de paixão, acha que não conseguirá respeitar a noiva, e que as coisas devem seguir o seu curso, faça o que quiser. Não peca; que se casem. 37Ao contrário, se alguém, por firme convicção, sem constrangimento e no pleno uso da sua vontade, resolve respeitar a sua noiva, está agindo bem. 38Portanto, quem se casa com a sua noiva faz bem; e quem não se casa, procede melhor ainda.
As viúvas podem casar-se de novo?
39A esposa está ligada ao marido durante todo o tempo em que ele viver. Se o marido morrer, ela ficará livre para casar-se com quem quiser; mas apenas no Senhor. 40A meu ver, porém, ela será mais feliz se ficar como está. Penso que eu também possuo o Espírito de Deus.
««««««««««««««««««««««««««««««««««reflexão»»»»»»»»»»»»»»»»»» 6,14-7,1: O trecho seria mais compreensível em 1Cor 5,9, onde Paulo fala de recado anterior: os fiéis não se misturem com aqueles que se comportam mal, isto é, com os irmãos que voltaram aos costumes pagãos (cf. Introdução). 7,2-16: Paulo recorda o problema que havia surgido e a carta anterior, e que deve ter sido bastante enérgica (cf. 2,1-11), tanto que fez com que os Coríntios se arrependessem, aderissem a Paulo e se indignassem contra os inimigos. Aqui revela-se a profunda afectividade deste missionário, que se entrega de corpo e alma à evangelização. ver http://diocese-porto.pt ver http://ecclesia.pt/anopaulino segue o capítulo 7 António Fonseca

CARTA AOS CORÍNTIOS - CAP VI - S. PAULO

6
2. Julgamento em tribunais pagãos
1Quando alguém de vós tem uma questão com outro, como ousais levar o caso para ser julgado pelos pagãos e não pelos membros da comunidade? 2Então vós não sabeis que os cristãos é que vão julgar o mundo? E se é por vós que o mundo vai ser julgado, sereis vós indignos de julgar coisas menos importantes? 3Não sabeis que nós haveremos de julgar os anjos? Quanto mais as coisas da vida quotidiana! 4No entanto, quando tendes processos desta vida para serem julgados, tomais como juízes pessoas que não têm autoridade na Igreja. 5Digo isto para que vos envergonheis. Será que entre vós não existe ninguém suficientemente sábio para servir de juiz entre os irmãos? 6No entanto, um irmão é intimado em juízo por outro irmão, e isto diante de infiéis! 7Só o facto de existirem questões entre vós já mostra que falhastes completamente. Não seria melhor sofrer uma injustiça? Não seria melhor ser roubado? 8Pelo contrário, sois vós que roubais e cometeis injustiça; e isto com os próprios irmãos! 9Não sabeis que os injustos não herdarão o Reino de Deus? Não vos iludais! Nem os imorais, nem os idólatras, nem os adúlteros, nem os depravados, 10nem os efeminados, nem os sodomitas, nem os ladrões, nem os avarentos, nem os bêbados, nem os caluniadores irão herdar o Reino de Deus. 11Alguns de vós eram assim. Mas lavastes-vos, fostes santificados e reabilitados pelo Nome do Senhor Jesus Cristo e pelo Espírito do nosso Deus.
3. A imoralidade
12«Posso fazer tudo o que quero». Sim, mas nem tudo me convém. «Posso fazer tudo o que quero», mas não deixarei que nada me escravize. 13«Os alimentos são para o estômago e o estômago para os alimentos». Sim, mas Deus destruirá tanto aquele como estes. Ora, o corpo não é para a imoralidade mas para o Senhor; e o Senhor é para o corpo. 14Deus, que ressuscitou o Senhor, ressuscitar-nos-á também pelo seu poder. 15Não sabeis que os vossos corpos são membros de Cristo? Tomarei, então, os membros de Cristo para os fazer membros de uma prostituta? Claro que não! 16E vós não sabeis que aquele que se une a uma prostituta forma com ela um só corpo? Pois assim está na Escritura: «Os dois serão uma só carne». 17Ao contrário, aquele que se une ao Senhor forma com Ele um só espírito. 18Fugi da imoralidade. Qualquer outro pecado que o homem comete é exterior ao seu corpo; mas quem se entrega à imoralidade peca contra o seu próprio corpo. 19Ou não sabeis que o vosso corpo é templo do Espírito Santo, que está em vós e vos foi dado por Deus? Vós já não pertenceis a vós mesmos. 20Alguém pagou alto preço pelo vosso resgate. Portanto, glorificai a Deus no vosso corpo.
««««««««««««««««««««««««««««reflexão»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»
6,3-10: A veracidade de um Apóstolo está no seu empenho total pela obra de Deus. Aquilo que o distingue é o contraste entre as riquezas da sua alma apaixonada e os modestos recursos humanos de que dispõe. É por isso que o Apóstolo se apresenta sempre como sinal de contradição dentro da sociedade.
11-13: Após o longo parêntese formado por 2,14-6,10, Paulo volta a reflectir sobre a situação da comunidade.
6,14-7,1: O trecho seria mais compreensível em 1Cor 5,9, onde Paulo fala de recado anterior: os fiéis não se misturem com aqueles que se comportam mal, isto é, com os irmãos que voltaram aos costumes pagãos (cf. Introdução).
António Fonseca

CARTA AOS CORÍNTIOS - CAP V - S. PAULO

II. ESCÂNDALOS CONTRA O TESTEMUNHO
5
1. Incesto
1Todos dizem que entre vós existe imoralidade, e tal imoralidade que não se encontra nem mesmo entre os pagãos, a ponto de uma pessoa conviver com a mulher do seu pai. 2E vós encheis-vos de orgulho em vez de ficardes tristes, para que o autor desse mal seja eliminado do meio de vós. 3Pois bem! Ausente de corpo, mas presente em espírito, como se estivesse presente, eu já fiz o julgamento daquele que fez isso. 4Em nome de nosso Senhor Jesus, vós e o meu espírito reunidos em assembleia com o poder de nosso Senhor Jesus, 5vamos entregar esse homem a Satanás; humanamente ele ficará arrasado, mas o seu espírito será salvo no dia do Senhor. 6O motivo do orgulho que tendes não é coisa digna! Não sabeis que um pouco de fermento leveda a massa toda? 7Purificai-vos do velho fermento, para serdes massa nova, já que sois sem fermento. De facto, Cristo, nossa páscoa, foi imolado. 8Portanto, celebremos a festa, não com o velho fermento, nem com fermento de malícia e perversidade, mas com pães sem fermento, isto é, na sinceridade e na verdade. 9Na minha carta, escrevi-vos para não vos relacionardes com gente imoral. 10Não quis dizer que devíeis separar-vos dos imorais deste mundo, ou dos avarentos, ladrões e idólatras; se assim fosse teríeis que sair deste mundo! 11Não! Escrevi que não deveis associar-vos com alguém que traz o nome de irmão, e no entanto é imoral, avarento, idólatra, caluniador, beberrão ou ladrão. Com pessoas assim, não deveis nem sequer sentar-vos à mesa. 12Porventura, compete a mim julgar aqueles que estão fora? Não são os de dentro que deveis julgar? 13Deus é quem vai julgar os que estão fora. Afastai do meio de vós o homem mau.
«««««««««««««««««««««««««««««««reflexão»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»
5,11-13: Os Coríntios estão divididos: uns reprovam os excessos de Paulo; outros acham-no prudente de mais. De facto, ele sabe tomar propositadamente atitudes contraditórias: entrega-se totalmente ao serviço do Evangelho; e, ao mesmo tempo, sabe agir com moderação em favor dos Coríntios. Na realidade, ele é guiado por uma só convicção: anunciar e testemunhar o Evangelho.
5,14-6,2: Os inimigos de Paulo dizem que ele não é Apóstolo porque não foi testemunha ocular da vida terrestre de Jesus, nem Lhe conheceu as palavras e actos. Por isso, não pode ser testemunha do Evangelho. No entanto, o Apóstolo mostra que o Evangelho não é a simples história de Jesus, mas o anúncio da sua morte e ressurreição, que restaura a condição humana, vence a alienação causada pelo pecado e inaugura uma nova era. A cruz de Jesus anuncia o fim da inimizade com Deus e inaugura uma nova era de reconciliação universal. Enquanto esperamos o dia da ressurreição, Deus escolheu Apóstolos para exercer o ministério da reconciliação. Por meio deles, o Senhor Jesus continua a sua actividade na Terra e convoca todos os homens: «reconciliai-vos com Deus».
segue-se capítulo 6
António Fonseca

CARTA AOS CORÍNTIOS - CAP IV - S. PAULO

4

Só Deus pode julgar
1Que os homens nos considerem como servidores de Cristo e administradores dos mistérios de Deus. 2Ora, o que se espera dos administradores é que sejam dignos de confiança. 3Quanto a mim, pouco me importa ser julgado por vós ou por qualquer tribunal humano. Nem eu me julgo a mim mesmo. 4É verdade que a minha consciência de nada me acusa, mas isso não significa que eu esteja inocente: quem me julga é o Senhor. 5Ele porá às claras tudo o que se esconde nas trevas e manifestará as intenções dos corações. Então, cada um vai receber de Deus o louvor que lhe corresponde.
Cristãos acomodados e Apóstolos perseguidos
6Irmãos, vós obrigastes-me a aplicar estas verdades a Apolo e a mim. Aprendei a não vos sentirdes superiores por serdes partidários de um contra o outro. 7Vejamos: em que és mais do que os outros? O que é que possuis que não tenhas recebido? 8Já estais ricos e satisfeitos e sentis-vos reis sem nós! Tomara mesmo que vos tivésseis tornado reis; assim nós também poderíamos reinar convosco! 9Pelo que vejo, Deus reservou o último lugar para nós que somos Apóstolos, como se estivéssemos condenados à morte, porque nos tornámos espectáculo para o mundo, para os anjos e para os homens! 10Nós somos loucos por causa de Cristo; e vós, como sois prudentes em Cristo! Nós somos fracos, vós sois fortes! Vós sois bem considerados, nós somos desprezados! 11Até agora passámos fome, sede, frio e maus tratos; não temos lugar certo para morar; 12e esgotamo-nos, trabalhando com as nossas próprias mãos. Somos amaldiçoados, e abençoamos; perseguidos, e suportamos; 13caluniados, e consolamos. Até hoje somos considerados como o lixo do mundo, o esterco do universo.
Testemunho que educa
14Não escrevo estas coisas para vos envergonhar, mas para vos chamar a atenção, como se faz com filhos queridos. 15De facto, ainda que tivésseis dez mil pedagogos em Cristo, não teríeis muitos pais, porque fui eu quem vos gerou em Jesus Cristo, através do Evangelho. 16Portanto, dou-vos um conselho: sede meus imitadores. 17Foi para isso que vos enviei Timóteo, meu filho amado e fiel no Senhor; ele fará com que vos lembreis das minhas normas de vida em Jesus Cristo, aquelas mesmas que eu ensino por toda a parte, em todas as Igrejas. 18Alguns encheram-se de orgulho, como se eu nunca mais fosse visitar-vos. 19Contudo, se o Senhor quiser, brevemente irei ter convosco, e então verei não o que esses orgulhosos dizem, mas o que fazem.20Pois o Reino de Deus não consiste em palavras, mas em poder. 21Que preferis: que vos visite com a vara, ou com amor e suavidade?
««««««««««««««««««««««««««««««««««reflexão»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»
4,1-6: Escolhido para o ministério da nova aliança, o Apóstolo não pode falsificar o Evangelho em busca de uma glória pessoal. Iluminado por Cristo, ele torna-se, pelo testemunho, luz para iluminar toda a consciência que não se deixa seduzir pelos deuses deste mundo, isto é, pelas forças que pervertem a vida humana.

7-15: A vida de Paulo parece frustração e fracasso diante do êxitoque os novos mestres de doutrina conseguem. O prestígio fácil, porém, não é sinal de Evangelho autêntico. Este provoca sempre conflitos e perseguições, fazendo que a testemunha participe do caminho de Jesus em direcção à morte e à ressurreição. E um primeiro aspecto dessa ressurreição já se manifesta no testemunho vivo da comunidade, que foi gerada pelo testemunho do Apóstolo, cuja fraqueza humana se torna instrumento da força de Deus.

4,16-5,10: Para quem não tem fé, a morte é o fim de tudo. Mas, para quem está comprometido na fé e segue a Jesus, a morte é uma passagem para a dimensão definitiva da vida. O nosso corpo mortal desgasta-se e desfaz-se na vida terrestre; mas, através da ressurreição, Deus leva o nosso ser à vida plena. Paulo emprega uma imagem muito familiar no Oriente: quando retomam a caminhada, os nómadas do deserto desmontam a tenda do acampamento porque o deserto não é a sua moradia estável. O mesmo acontece connosco: este mundo é o lugar onde vivemos e construímos a nossa história, cujo fim é a comunhão e participação na própria vida divina.
em seguida capítulo 5
António Fonseca

CARTA AOS CORÍNTIOS - CAP III - S. PAULO

3
Imaturidade na fé
1Quanto a mim, irmãos, não pude falar-vos como a homens perfeitos na fé, mas apenas a uma gente fraca, como a crianças em Cristo. 2Dei--vos a beber leite, não alimento sólido, pois não o podíeis suportar. Nem mesmo agora podeis, 3pois ainda vos deixais levar por instintos egoístas. De facto, se entre vós há invejas e contendas, não será pelo facto de serdes guiados por instintos egoístas e por vos comportardes como qualquer um? 4Quando alguém declara: «Eu sou de Paulo», e outro diz: «Eu sou de Apolo», não estareis a comportar-vos como qualquer um?
Retrato do agente de pastoral
5Quem é Apolo? Quem é Paulo? Apenas servidores, através dos quais fostes levados à fé; cada um deles agiu conforme os dons que o Senhor lhe concedeu. 6Eu plantei, Apolo regou, mas era Deus que fazia crescer. 7Assim, aquele que planta não é nada, e aquele que rega também não é nada: só Deus é que conta, pois é Ele quem faz crescer. 8Aquele que planta e aquele que rega são iguais; e cada um vai receber o seu próprio salário, segundo a medida do seu trabalho. 9Nós trabalhamos juntos na obra de Deus, mas o campo e a construção de Deus sois vós.
10Eu, como bom arquitecto, lancei os alicerces conforme o dom que Deus me concedeu; outro constrói por cima do alicerce. Mas cada um veja como constrói! 11Ninguém pode colocar um alicerce diferente daquele que já foi posto: Jesus Cristo. 12Se alguém constrói sobre o alicerce com ouro, prata, pedras preciosas, madeira, feno ou palha, 13a obra de cada um ficará em evidência. No dia do julgamento, a obra ficará conhecida, pois o julgamento vai ser através do fogo, e o fogo provará o que vale a obra de cada um. 14Se a obra construída sobre o alicerce resistir, o operário receberá uma recompensa. 15Aquele, porém, que tiver a sua obra queimada, perderá a recompensa. Entretanto, o operário salvar-se-á, mas como alguém que escapa de incêndio. 16Não sabeis que sois templo de Deus e que o Espírito de Deus habita em vós? 17Se alguém destrói o templo de Deus, Deus o destruirá. Pois o templo de Deus é santo, e esse templo sois vós.

Vós sois de Cristo 18Ninguém se iluda. Se alguém de vós pensa que é sábio segundo os critérios deste mundo, torne-se louco para chegar a ser sábio; 19pois a sabedoria deste mundo é loucura diante de Deus. De facto, a Escritura diz: «Deus apanha os sábios na sua própria esperteza». 20E ainda: «O Senhor conhece os pensamentos dos sábios e sabe que são um sopro». 21Portanto, ninguém coloque o seu orgulho nos homens, pois tudo vos pertence: 22Paulo, Apolo, Pedro, o mundo, a vida, a morte, as coisas presentes e as futuras. Tudo é vosso; 23mas vós sois de Cristo e Cristo é de Deus. »»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»reflexão«««««««««««««««««««««««««««««« 3,1-6: O que confirma a autenticidade da missão de um Apóstolo não é uma simples carta de recomendação dada por autoridades externas, mas o testemunho vivo da comunidade, que foi reunida e evangelizada pelo Apóstolo. É assim que se constitui a nova aliança anunciada pelos profetas e escrita pelo Espírito na vida dos homens e dos povos (cf. Jr 31,31-33; Ez 11,19).

7-18: Paulo contrapõe a antiga e a nova aliança. A primeira, que foi concluída por Moisés, tinha valor passageiro e era aliança de morte; de facto, a Lei denuncia o pecado, mas não dá forças para o vencer. Comentando o véu de Moisés (cf. Êx 34,29-35), Paulo afirma que o mesmo véu cobre agora o rosto dos judeus, que absolutizam a aliança antiga e não compreendem ser Cristo a aliança nova e definitiva, que conduz à vida como força de libertação e fonte de liberdade. A luz do Ressuscitado reflecte-se na vida dos fiéis e transfigura-a de forma cada vez mais profunda. Ver http://diocese-porto.pt/ Ver http://ecclesia.pt/anopaulino SEGUE-SE CAPÍTULO 4 António Fonseca

CARTA AOS CORÍNTIOS - CAP II - S. PAULO

2
A sabedoria de Deus
1Irmãos, eu mesmo, quando fui ter convosco, não me apresentei com o prestígio da oratória ou da sabedoria para vos anunciar o mistério de Deus. 2Entre vós, eu não quis saber outra coisa a não ser Jesus Cristo, e Jesus Cristo crucificado. 3Estive no meio de vós cheio de fraqueza, receio e tremor; 4a minha palavra e a minha pregação não tinham brilho nem artifícios para seduzir os ouvintes, mas a demonstração residia no poder do Espírito, 5para que acrediteis, não por causa da sabedoria dos homens, mas por causa do poder de Deus. 6Na realidade, é aos perfeitos na fé que falamos de uma sabedoria que não foi dada por este mundo, nem pelas autoridades passageiras deste mundo. 7Ensinamos uma coisa misteriosa e escondida: a sabedoria de Deus, aquela que Ele projectou desde o princípio do mundo para nos levar à sua glória. 8Nenhuma autoridade do mundo conheceu tal sabedoria, pois se a tivessem conhecido não teriam crucificado o Senhor da glória. 9Mas, como diz a Escritura: «O que os olhos não viram, os ouvidos não ouviram e o coração do homem não percebeu, foi isso que Deus preparou para aqueles que O amam». Deus, porém, revelou-o a nós pelo Espírito. 10Pois o Espírito sonda todas as coisas, até mesmo as profundidades de Deus. 11Quem conhece a fundo a vida íntima do homem é o espírito do homem que nele reside. Da mesma forma, só o Espírito de Deus conhece o que está em Deus. 12Quanto a nós, não recebemos o espírito do mundo, mas o Espírito que vem de Deus, para conhecermos os dons da graça de Deus. 13Para falar desses dons, não usamos a linguagem ensinada pela sabedoria humana, mas a linguagem que o Espírito ensina, falando de realidades espirituais em termos espirituais. 14Fechado em si mesmo, o homem não aceita o que vem do Espírito de Deus. É uma loucura para ele, e não pode compreender, porque são coisas que devem ser avaliadas espiritualmente. 15Ao contrário, o homem espiritual julga a respeito de tudo, e por ninguém é julgado. 16Pois, quem conhece o pensamento do Senhor para Lhe dar lições? Nós, porém, temos o pensamento de Cristo.
»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»reflexão«««««««««««««««««««««««««««««
2,1-16: Paulo não se serviu de artifícios humanos para anunciar o Evangelho aos Coríntios. Pelo contrário, foi através da sua fraqueza que ele anunciou o cerne do projecto de Deus: Jesus crucificado. Se os Coríntios chegaram à fé, foi pelo Espírito que agiu neles através de Paulo. Os cristãos que aprofundaram a fé possuem a verdadeira sabedoria, que consiste no seguinte: Deus salva o mundo por meio de Jesus Cristo. Esta compreensão da fé é obra do Espírito; o homem que só confia na sua própria capacidade não consegue atingir essa compreensão.
Segue-se Capítulo 3
António Fonseca

CARTA AOS CORÍNTIOS - CAP I - S. PAULO

1
Endereço e saudação
1 Paulo, Apóstolo de Jesus Cristo por vontade e chamamento de Deus, e o irmão Sóstenes, 2à Igreja de Deus que está em Corinto. Dirigimo-nos àqueles que foram santificados em Jesus Cristo e chamados a ser santos, juntamente com todos os que invocam em todo o lugar o Nome de Nosso Senhor Jesus Cristo, Senhor deles e nosso. 3Graça e paz vos sejam dadas da parte de Deus nosso Pai e do Senhor Jesus Cristo.
Agradecimento
4Sem cessar, agradeço a Deus por vossa causa, em vista da graça de Deus que vos foi concedida em Jesus Cristo. 5Pois em Jesus é que recebestes todas as riquezas, tanto da palavra como do conhecimento. 6Na verdade, o testemunho de Cristo tornou-se firme em vós, 7a tal ponto que não vos falta nenhum dom, a vós que esperais a Revelação de nosso Senhor Jesus Cristo. 8É Ele que também vos fortalecerá até ao fim, para que não sejais acusados no Dia de nosso Senhor Jesus Cristo. 9O Deus que vos chamou para a comunhão com o seu Filho Jesus Cristo, nosso Senhor, Ele é fiel.
I. DIVISÕES NA COMUNIDADE

Cristo está dividido?

10Peço-vos, irmãos, em nome de nosso Senhor Jesus Cristo: mantende-vos de acordo uns com os outros, para que não haja divisões. Sede estreitamente unidos no mesmo espírito e no mesmo modo de pensar. 11Meus irmãos, alguns da casa de Cloé informaram-me de que entre vós existem contendas. 12Eu explico-me. É que uns dizem: «Eu sou de Paulo E outros: «Eu sou de Apolo E outros mais: «Eu sou de Pedro Outros ainda: «Eu sou de Cristo 13Será que Cristo está dividido? Será que Paulo foi crucificado em vosso favor? Ou será que fostes baptizados em nome de Paulo?
14Agradeço a Deus o facto de eu não ter baptizado ninguém de vós, a não ser Crispo e Caio. 15Portanto, ninguém pode dizer que foi baptizado em meu nome. 16Ah! Sim. Baptizei também a família de Estéfanas. Fora deles, não me lembro de ter baptizado mais alguém.
Deus subverte os projectos humanos
17De facto, Cristo não me enviou a baptizar, mas a anunciar o Evangelho, sem recorrer à sabedoria da linguagem, a fim de que não se torne inútil a cruz de Cristo. 18Pois a linguagem da cruz é loucura para aqueles que se perdem. Mas, para aqueles que se salvam, para nós, é poder de Deus. 19Pois a Escritura diz: «Destruirei a sabedoria dos sábios e rejeitarei a inteligência dos inteligentes». 20Onde está o sábio? Onde está o homem culto? Onde está o argumentador deste mundo? Porventura Deus não tornou louca a sabedoria deste mundo? 21De facto, quando Deus mostrou a sua sabedoria, o mundo não reconheceu a Deus através da sabedoria. Por isso, através da loucura que pregamos, Deus quis salvar os que acreditam. 22Os judeus pedem sinais e os gregos procuram a sabedoria; 23nós, porém, anunciamos Cristo crucificado, escândalo para os judeus e loucura para os pagãos. 24Mas, para aqueles que são chamados, tanto judeus como gregos, Ele é o Messias, poder de Deus e sabedoria de Deus. 25A loucura de Deus é mais sábia do que os homens e a fraqueza de Deus é mais forte do que os homens. 26Portanto, irmãos, vós que recebestes o chamamento de Deus, vede bem quem sois: entre vós não há muitos intelectuais, nem muitos poderosos, nem muitos da alta sociedade. 27Mas Deus escolheu o que é loucura no mundo, para confundir os sábios; e Deus escolheu o que é fraqueza no mundo, para confundir o que é forte. 28E aquilo que o mundo despreza, acha vil e diz que não tem valor, foi isso que Deus escolheu para destruir o que o mundo pensa que é importante. 29Deste modo, nenhuma criatura se pode orgulhar na presença de Deus. 30Ora, é por iniciativa de Deus que existis em Jesus Cristo, o qual Se tornou para nós sabedoria que vem de Deus, justiça, santificação e libertação, 31a fim de que, como diz a Escritura: «Aquele que se gloria, que se glorie no Senhor».
»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»
reflexão«««««««««««««««««««««««««««««««««««««««««««««««««««««««««
1,1-3: Desde o início, Paulo já salienta o aspecto da unidade, que é um dos temas fundamentais da carta: o único Senhor das Igrejas é Jesus Cristo. 4-9: A evangelização da comunidade de Corinto foi completa: ela recebeu a riqueza do Evangelho e da sabedoria da vida cristã. Este é outro tema importante da carta. Resta à comunidade perseverar no testemunho de Jesus Cristo até ao fim. 10-16: O que faz a unidade da comunidade cristã é o baptismo em nome de Jesus e a submissão a Ele como único Senhor. Os evangelizadores e chefes são apenas instrumentos para levar a comunidade a Jesus Cristo. Absolutizando as pessoas, ela divide-se, submetendo-se a outros senhores e falsificando a função dos chefes. 17-31: O projecto de Deus é contrário aos projectos dos homens. Os homens valorizam e dão lugar aos ricos, aos poderosos, aos intelectuais, aos que têm posição social, beleza física, facilidade de expressão, etc. Consequentemente, desprezam e não dão importância àqueles que não se encaixam nestes padrões. Deus, porém, subverte a sociedade e os projectos humanos: para estabelecer e realizar os seus projectos, Ele alia-Se aos pobres, fracos e simples, porque estes não são auto-suficientes e abrem-se a Deus. É na pobreza e fraqueza destes que Deus manifesta a sua força (cf. 2Cor 12,9). E a manifestação máxima do poder e da graça de Deus é Jesus crucificado, pois a cruz é o símbolo da fraqueza, do fracasso e da vergonha, porque nela eram executados os criminosos. A ver dadeira comunidade cristã é a dos pobres: ela está aliada à sabedoria do projecto de Deus; por isso, é portadora da novidade que provoca transformações radicais.

ver: http://diocese-porto.pt

ver: http://ecclesia.pt/anopaulino

SEGUE-SE 2º CAPÍTULO

António Fonseca

CARTA AOS CORÍNTIOS - S. PAULO

Carta aos Coríntios
PRIMEIRA CARTA AOS CORÍNTIOS
COMO SUPERAR OS CONFLITOS NA COMUNIDADE
Introdução

Corinto era uma rica cidade comercial, com mais de 500.000 habitantes, na maioria escravos. Nesse porto marítimo acotovelava-se gente de todas as raças e religiões à procura de vida fácil e luxuosa, criando ambiente de imoralidade e ganância. A riqueza escandalosa de uma minoria estava ao lado da miséria de muitos. Surgiu, inclusive, uma expressão: «Viver à moda de Corinto», que significava viver no luxo e na orgia.
Paulo, entre os anos 50 e 52, permaneceu aí durante dezoito meses (Act 18,1-18) e fundou uma comunidade cristã formada por pessoas da camada mais modesta da população (1Cor 1,26-28).
A primeira carta aos Coríntios foi escrita em Éfeso, provavelmente no ano 56. A comunidade já reproduzia, de certa maneira, o ambiente que se vivia na cidade. Ela também estava dividida: os grupos litigavam entre si, cada um apoiando-se na autoridade de algum pregador do Evangelho. Por isso, o primeiro objectivo de Paulo na carta é restabelecer a unidade, advertindo que o único chefe é Cristo, e Este não está dividido. Paulo aproveita da situação para traçar um retrato do verdadeiro agente de pastoral (1Cor 1-4). Depois, passa a denunciar os escândalos que invadem a comunidade: incesto, julgamento em tribunais pagãos, a imoralidade, e vai elaborando uma teologia do corpo: este é templo do Espírito Santo (1Cor 5-6).
Em seguida, responde a diversas perguntas formuladas pelos Coríntios. Na primeira série, procura orientar os cristãos sobre os estados de vida (1Cor 7): matrimónio ou celibato? divórcio ou indissolubilidade? o que pensar da virgindade? como devem comportar-se os noivos? as viúvas podem casar-se de novo? Em tudo isso, onde está a originalidade cristã? Ao responder sobre a questão da carne sacrificada aos ídolos (1Cor 8-10), coloca o fundamento da verdadeira liberdade cristã: o respeito pelos outros.
A carta também apresenta normas para que haja ordem e autêntico culto cristão nas assembleias litúrgicas (1Cor 11-14): entra na debatida questão do véu das mulheres; denuncia as diferenças de classe nas celebrações eucarísticas, e aí é taxativo: Eucaristia sem amor fraterno é impossível. Salienta igualmente que os carismas que fervilham na comunidade só têm sentido quando estão ao serviço dos irmãos, e se estão subordinados ao dom maior, que é o amor.
Por fim (1Cor 15), citando exemplos da natureza e da própria ressurreição de Cristo, demonstra que a ressurreição dos corpos é inquestionável: o cerne da fé é a certeza de que a vida vence a morte.
Em seguida o 1º Capítulo (cf. http://diocese-porto.pt) (cf. http://ecclesia.pt/anopaulino) António Fonseca