OS MEUS DESEJOS PARA TODOS

Imagens e Frases de Natal Religioso

segunda-feira, 2 de fevereiro de 2009

CARTA AOS EFÉSIOS - S. PAULO

Cartas de São Paulo
Carta aos Efésios
VIDA PLENA EM CRISTO
Introdução
As quatro cartas aos Filipenses, a Filémon, aos Colossenses e aos Efésios formam o grupo das cartas do cativeiro. As três primeiras foram muito provavelmente escritas em Éfeso, entre os anos 55-57. As cartas aos Efésios e Colossenses talvez tenham sido escritas na mesma ocasião; é o que se deduz da semelhança entre elas e pelo facto de mencionarem Tíquico como portador de ambas (Ef 6,21; Cl 4,7). O Apóstolo parece não conhecer pessoalmente os destinatários dessas duas cartas. Isto leva-nos a pensar que a carta aos Efésios, na origem, não teve destinatário preciso; talvez fosse uma circular destinada às comunidades da região vizinha de Éfeso; e alguns chegam a pensar que seria a mesma carta dirigida à Igreja de Laodiceia, citada em Cl 4,16. Note-se que a expressão «em Éfeso» (Ef 1,1) falta em diversos manuscritos antigos.
A carta aos Efésios é fruto de longa e amadurecida meditação teológica. Contemplando o projecto de Deus para a salvação da Humanidade, o olhar de Paulo concentra-se em Jesus Cristo no Céu. É a ideia central da carta. Cristo, porém, não está longe do mundo nem dos homens. De facto, a sua soberania engloba toda a Criação e com ela toda a Humanidade, que assim constituem o seu Corpo, a Igreja, na qual se manifesta o grande mistério agora revelado, ou seja: em Cristo, Deus reúne todos os homens na paz e na unidade, excluindo quaisquer separações de raça ou de origem religiosa. Cristo é o centro e ápice do eterno projecto de Deus, é o caminho da reconciliação e reunião de todos os homens no único povo de Deus. A Igreja abarca a Humanidade inteira, e Paulo contempla-a nas dimensões do Universo. Ela é descrita sob três imagens: esposa (5,22-23), corpo (1,23; 4,16) e edifício (2,19-22). Deste modo, o Apóstolo relembra os laços íntimos e orgânicos que unem os homens a Cristo e entre si na comunidade, para a levar ao pleno desenvolvimento. A carta aos Efésios é a carta do mistério da Igreja.
1
Endereço e saudação
[1]Paulo, Apóstolo de Jesus Cristo pela vontade de Deus, aos cristãos que estão em Éfeso e fiéis em Jesus Cristo. 2Que a graça e a paz da parte de Deus nosso Pai e do Senhor Jesus Cristo estejam convosco.
A graça não tem limites
3 Bendito seja o Deus e Pai de nosso SenhorJesus Cristo: Ele nos abençoou com todas as bênçãos espirituais, no Céu,em Cristo. 4 Ele nos escolheu em Cristo antes de criar o mundo para que sejamos santos e sem defeito diante d’Ele, no amor. 5 Ele nos predestinou para sermos seus filhos adoptivos por meio de Jesus Cristo,conforme a benevolência da sua vontade, 6 para o louvor da sua glória e da graça que Ele derramou abundantemente sobre nós por meio do seu Filho querido. 7 Por meio do sangue de Cristo é que fomos libertos, e n’Ele as nossas faltas foram perdoadas, conforme a riqueza da sua graça. 8 Deus derramou sobre nós essa graça, abrindo-nos para toda a sabedoria e inteligência. 9 Ele fez-nos conhecer o mistério da sua vontade,a livre decisão que havia tomado outrora 10de levar a História à sua plenitude, reunindo o Universo inteiro, tanto as coisas celestes como as terrestres, sob uma só Cabeça, Cristo. 11Em Cristo recebemos a nossa parte na herança, conforme o projecto d’Aquele que tudo conduz segundo a sua vontade: fomos predestinados 12a ser o louvor da sua glória, nós, que já antes esperávamos em Cristo. 13Em Cristo, também vós ouvistes a Palavra da verdade, o Evangelho que vos salva. Em Cristo, ainda, acreditastes, e fostes marcados com o selo do Espírito prometido, o Espírito Santo, 14que é a garantia da nossa herança, enquanto esperamos a completa libertação do povo que Deus adquiriu para o louvor da sua glória.
Agradecimento e pedido
15Tenho ouvido falar da fé que tendes no Senhor Jesus e do vosso amor para com todos os cristãos. 16Por isso, não cesso de dar graças a vosso respeito, quando vos menciono nas minhas orações. 17Que o Deus de nosso Senhor Jesus Cristo, o Pai a quem pertence a glória, vos dê um espírito de sabedoria que vos revele Deus e faça que O conheçais profundamente. 18Que vos ilumine os olhos da mente, para que compreendais a esperança para a qual Ele vos chamou; para que entendais como é rica e gloriosa a herança destinada ao seu povo; 19e compreendais o grandioso poder com que Ele age em favor de nós que acreditamos, conforme a sua força poderosa e eficaz. 20Ele manifestou-a em Cristo, quando O ressuscitou dos mortos e O fez sentar-Se à sua direita no Céu, 21muito acima de qualquer principado, autoridade, poder e soberania, e de qualquer outro nome que se possa nomear, não só no presente, mas também no futuro. 22De facto, Deus colocou tudo debaixo dos pés de Cristo e colocou-O acima de todas as coisas, como Cabeça da Igreja, 23a qual é o seu corpo, a plenitude d’Aquele que plenifica tudo em todas as coisas.
2
Salvos pela graça
1Vós estáveis mortos por causa das faltas e pecados que cometíeis. 2Outrora vivíeis nessas faltas e pecados, seguindo o modo de pensar deste mundo, seguindo o príncipe do poder do ar, o espírito que agora age nos homens desobedientes. 3Antigamente também nós andávamos como eles, submetidos aos desejos da carne, obedecendo aos caprichos do instinto e da imaginação; como os outros, éramos, por natureza, merecedores da ira de Deus. 4Mas Deus, que é rico em misericórdia, pelo grande amor com que nos amou, 5deu-nos a vida juntamente com Cristo, quando estávamos mortos por causa das nossas faltas. Fostes salvos pela graça! 6Na pessoa de Jesus Cristo, Deus ressuscitou-nos e fez-nos sentar no Céu. 7Assim, com a sua bondade para connosco em Jesus Cristo, Ele quis mostrar para os tempos futuros a incomparável riqueza da sua graça.
8De facto, fostes salvos pela graça, por meio da fé; e isto não vem de vós, mas é dom de Deus. 9Isto não vem das obras, para que ninguém se encha de orgulho. 10Porque foi Deus quem nos fez, e em Jesus Cristo fomos criados para as boas obras que Deus já havia preparado, a fim de que nos ocupássemos com elas.
Todos reunidos em Cristo
11Lembrai-vos de que vós, pagãos de nascimento, éreis chamados incircuncisos por aqueles que se dizem circuncidados, devido à circuncisão que se faz na carne com mão humana. 12Lembrai-vos de que nesse tempo estáveis sem Cristo, afastados da cidadania de Israel, estranhos para as alianças da promessa, sem esperança e sem Deus neste mundo. 13Mas agora, em Jesus Cristo, vós que estáveis longe fostes trazidos para perto, graças ao sangue de Cristo. 14Cristo é a nossa paz. De dois povos, Ele fez um só. Na sua carne derrubou o muro da separação: o ódio. 15Aboliu a Lei dos mandamentos e preceitos. Ele quis, a partir do judeu e do pagão, criar em Si mesmo um homem novo, estabelecendo a paz. 16Quis reconciliá-los com Deus num só corpo, por meio da cruz; foi nela que Cristo matou o ódio. 17Ele veio anunciar a paz a vós, que estáveis longe, e a paz àqueles que estavam perto. 18Por meio de Cristo, podemos, uns e outros, apresentar-nos diante do Pai, num só Espírito.
19Vós, portanto, já não sois estrangeiros nem hóspedes, mas concidadãos do povo de Deus e membros da família de Deus. 20Pertenceis ao edifício que tem como alicerce os Apóstolos e os profetas; e o próprio Jesus Cristo é a pedra principal dessa construção. 21Em Cristo, toda a construção se ergue, bem ajustada, para formar um templo santo no Senhor. 22Em Cristo, também vós sois integrados nessa construção, para vos tornardes morada de Deus, por meio do Espírito.
3
Paulo e o mistério de Cristo
1Por isso, é que eu, Paulo, estou prisioneiro de Cristo em favor de vós, os pagãos... 2Certamente ouvistes falar do modo como a graça de Deus me foi confiada em vosso benefício. 3Foi por revelação que Deus me fez conhecer o mistério que acabo de expor brevemente. 4Lendo esta carta, podereis entender a percepção que eu tenho do mistério de Cristo. 5Deus não manifestou esse mistério às gerações passadas da mesma forma com que o revelou agora, pelo Espírito, aos seus santos Apóstolos e profetas: 6em Jesus Cristo, por meio do Evangelho, os pagãos são chamados a participar da mesma herança, a formar o mesmo corpo e a participar da mesma promessa. 7Eu fui feito ministro desse Evangelho pelo dom da graça que Deus me concedeu através do seu poder eficaz. 8A mim, o menor de todos os cristãos, foi dada a graça de anunciar aos pagãos a incalculável riqueza de Cristo, 9e de esclarecer a todos como se realiza o mistério que esteve sempre escondido em Deus, o Criador do Universo. 10Deste modo, os principados e as autoridades no Céu doravante conhecem, graças à Igreja, a multiforme sabedoria de Deus, 11conforme o projecto eterno que Ele executou em Jesus Cristo nosso Senhor. 12N’Ele ousamos aproximar-nos de Deus com aquela confiança que a fé em Cristo nos dá. 13Peço-vos: não fiqueis abatidos com as tribulações que eu enfrento por vossa causa, pois elas são motivo de glória para vós.
Enraizados e alicerçados no amor
14É por isso que eu dobro os joelhos diante do Pai, 15de quem recebe o nome toda a família, no Céu e na Terra. 16Que Ele Se digne, segundo a riqueza da sua glória, fortalecer-vos a todos no seu Espírito, para que o homem interior de cada um se fortifique. 17Que Ele faça habitar Cristo no vosso coração pela fé. Enraizados e alicerçados no amor, 18tornar-vos-ei capazes de compreender, com todos os cristãos, qual é a largura e o comprimento, a altura e a profundidade, 19de conhecer o amor de Cristo, que supera qualquer conhecimento, para que fiqueis repletos de toda a plenitude de Deus. 20Deus, por meio do seu poder que age em nós, pode realizar muito mais do que pedimos ou imaginamos; 21a Ele seja dada a glória na Igreja e em Jesus Cristo por todas as gerações, para sempre. Ámen!
4
Unidade na diversidade
1Por isso, eu, prisioneiro no Senhor, peço que vos comporteis de modo digno da vocação que recebestes. 2Sede humildes, amáveis, pacientes e suportai-vos uns aos outros no amor. 3Mantende entre vós laços de paz, para conservar a unidade do Espírito.
4Há um só corpo e um só Espírito, assim como fostes chamados a uma só esperança:
5há um só Senhor, uma só fé, um só baptismo.
6Há um só Deus e Pai de todos, que está acima de todos, que age por meio de todos e está presente em todos.
7Cada um de nós, entretanto, recebeu a graça na medida que Cristo a concedeu. 8Por isso diz a Escritura: «Subiu às alturas levando prisioneiros; distribuiu dons aos homens». 9Que quer dizer «subiu»? Quer dizer que primeiro desceu aos lugares mais baixos da Terra. 10Aquele que desceu é o mesmo que subiu acima de todos os céus, para plenificar o Universo. 11Foi Ele quem estabeleceu alguns como Apóstolos, outros como profetas, outros como evangelistas e outros como pastores e mestres. 12Assim, Ele preparou os cristãos para o trabalho do ministério que constrói o Corpo de Cristo.
13A meta é que todos juntos nos encontremos unidos na mesma fé e no conhecimento do Filho de Deus, para chegarmos a ser o homem perfeito que, na maturidade do seu desenvolvimento, é a plenitude de Cristo. 14Então, já não seremos crianças, arrastados pelas ondas e levados para cá e para lá por qualquer vento de doutrina, presos pela artimanha dos homens e pela astúcia com que eles nos induzem ao erro. 15Pelo contrário, vivendo um amor autêntico, cresceremos sob todos os aspectos em direcção a Cristo, que é a Cabeça. 16Ele organiza e dá coesão ao corpo inteiro, através de uma rede de articulações, que são os membros, cada um com a sua actividade própria, para que o corpo cresça e se construa a si próprio no amor.
Do homem velho para o homem novo
17Portanto, em nome do Senhor, vos digo e recomendo: não vivais como os pagãos, cuja mente é vazia. 18A sua inteligência tornou-se cega e vivem muito longe da vida de Deus, porque o endurecimento do seu coração é que os mantém na ignorância. 19Perderam a sensibilidade e deixaram-se levar pela libertinagem, entregando-se com avidez a todo o tipo de imoralidade. 20Não foi assim que aprendestes a conhecer Cristo, 21se é que de facto Lhe destes ouvidos e fostes mesmo instruídos segundo a verdade que há em Jesus. 22Deveis deixar de viver como vivíeis antes, como homem velho que se corrompe com paixões enganadoras. 23É preciso que vos renoveis pela transformação espiritual da inteligência 24e vos revistais do homem novo, criado segundo Deus na justiça e na santidade que vem da verdade.
25Por isso, abandonai a mentira: cada um diga a verdade ao seu próximo, pois somos membros uns dos outros. 26Se vos irardes, não pequeis; o Sol não se ponha sobre a vossa ira. 27Não deis ocasião ao diabo. 28Quem roubava, não roube mais; antes, ocupe-se trabalhando com as próprias mãos em algo útil e tenha assim que repartir com os pobres. 29Que nenhuma palavra inconveniente saia da vossa boca; ao contrário, se for necessário, dizei uma boa palavra, que seja capaz de edificar e fazer bem aos que ouvem.
30Não entristeçais o Espírito Santo, com que Deus vos marcou para o dia da libertação. 31Afastai de vós qualquer aspereza, desdém, raiva, gritaria, insulto, e toda a espécie de maldade. 32Sede bons e compreensivos uns com os outros, perdoando-vos mutuamente, assim como Deus vos perdoou em Cristo.
5
Imitar a Deus
1Sede imitadores de Deus, como filhos queridos. 2Vivei no amor, assim como Cristo nos amou e Se entregou a Deus por nós, como oferta e vítima, como perfume agradável. 3Fornicação, impureza e avareza não sejam nem assunto de conversa entre vós, pois isso não convém a cristãos. 4O mesmo se diga a respeito de piadas indecentes, picantes ou maliciosas. São coisas inconvenientes. Em vez disso, dai graças a Deus.
5Podeis estar certos de uma coisa: nenhuma pessoa imoral, impura ou avarenta — pois a avareza é uma idolatria — jamais terá herança no reino de Cristo e de Deus. 6Ninguém vos engane com argumentos vazios, porque essas coisas atraem a ira de Deus sobre os desobedientes. 7Não sejais seus cúmplices! 8Outrora éreis trevas, mas agora sois luz no Senhor. Por isso, comportai-vos como filhos da luz. 9O fruto da luz consiste em toda a bondade, justiça e verdade. 10Procurai discernir o que é agradável ao Senhor. 11Não participeis das obras infrutuosas das trevas; pelo contrário, denunciai tais obras. 12Dá até vergonha dizer o que eles fazem às escondidas. 13Porém, tudo o que é denunciado torna-se manifesto pela luz, 14pois tudo o que se torna manifesto é luz. É por isso que se diz: «Desperta, tu que dormes. Levanta-te dentre os mortos e Cristo te iluminará».
15Estai atentos à maneira como viveis: não vivais como tolos, mas como homens sensatos, 16aproveitando o tempo presente, porque os dias são maus. 17Não sejais insensatos; antes, procurai compreender a vontade do Senhor. 18Não vos embriagueis com vinho, que leva à libertinagem, mas procurai a plenitude do Espírito. 19Juntos recitai salmos, hinos e cânticos inspirados, cantando e louvando ao Senhor de todo o coração. 20Agradecei sempre a Deus Pai por todas as coisas, em nome de nosso Senhor Jesus Cristo.
Submissos uns aos outros
21Sede submissos uns aos outros no temor de Cristo. 22As mulheres sejam submissas aos seus maridos, como ao Senhor. 23De facto, o marido é a cabeça da sua esposa, assim como Cristo, salvador do Corpo, é a cabeça da Igreja. 24E assim como a Igreja está submissa a Cristo, assim também as mulheres sejam submissas em tudo aos seus maridos.
25Maridos, amai as vossas mulheres, como Cristo amou a Igreja e Se entregou por ela; 26assim, Ele a purificou com o banho de água e a santificou pela Palavra, 27para apresentar a Si mesmo uma Igreja gloriosa, sem mancha nem ruga ou qualquer outro defeito, mas santa e imaculada.
28Portanto, os maridos devem amar as suas mulheres como aos seus próprios corpos. Quem ama a sua mulher, está amando a si mesmo. 29Ninguém odeia a sua própria carne; pelo contrário, nutre-a e cuida dela, como Cristo faz com a Igreja, 30porque somos membros do seu corpo. 31Por isso o homem deixará seu pai e sua mãe e unir-se-á à sua mulher, e os dois serão uma só carne. 32Este mistério é grande: eu refiro-me a Cristo e à Igreja. 33Portanto, cada um de vós ame a sua mulher como a si mesmo, e a mulher respeite o seu marido.
6
1Filhos, obedecei a vossos pais no Senhor, pois isso é justo. 2«Honra teu pai e tua mãe» é o primeiro mandamento, e vem acompanhado de uma promessa: 3«para que sejas feliz e tenhas vida longa sobre a Terra». 4Pais, não deis aos filhos motivo de revolta contra vós; criai os filhos, educando-os e corrigindo-os como quer o Senhor. 5Escravos, obedecei aos vossos senhores nesta vida, com temor e tremor, com simplicidade de coração, como a Cristo. 6Não sirvais somente quando vigiados ou para que os homens vos elogiem, mas sede como servos de Cristo, que cumprem de todo o coração a vontade de Deus. 7Servi de bom grado, como se servísseis ao Senhor e não a homens. 8Vós sabeis que cada um, escravo ou livre, receberá do Senhor o bem que tiver feito.
9Senhores, tratai os vossos servos do mesmo modo. Deixai de lado as ameaças: bem sabeis que tanto eles como vós tendes o mesmo Senhor, que está no Céu e não faz distinção de pessoas.
A vida cristã é luta
10Quanto ao mais, fortalecei-vos no Senhor e na força do seu poder.
11Vesti a armadura de Deus para poderdes resistir às manobras do diabo. 12A nossa luta, de facto, não é contra homens de carne e osso, mas contra os principados e as autoridades, contra os dominadores deste mundo de trevas, contra os espíritos do mal, que habitam as regiões celestes. 13Por isso vesti a armadura de Deus para que, no dia mau, possais resistir e permanecer firmes, superando todas as provas. 14Ficai, portanto, bem firmes: cingidos com o cinturão da verdade, vestidos com a couraça da justiça, 15os pés calçados com o zelo para propagar o evangelho da paz; 16tende sempre na mão o escudo da fé, e assim podereis apagar as flechas inflamadas do Maligno. 17Ponde o capacete da salvação e empunhai a espada do Espírito, que é a Palavra de Deus.
18Rezai incessantemente no Espírito, com toda a espécie de orações e súplicas, vigílias, intercedendo, sem cansaço, por todos os cristãos.
19Rezai também por mim: que a Palavra seja colocada na minha boca, para anunciar ousadamente o mistério do Evangelho, 20do qual sou embaixador aprisionado. Que eu possa anunciá-lo com ousadia, como é meu dever.
Saudações finais
21Desejo que também vós saibais qual é a minha situação e o que estou fazendo. Tíquico, o irmão querido e fiel ministro no Senhor, dar-vos-á todas as notícias. 22Eu o envio, para que recebais notícias nossas e sejais reconfortados. 23Aos irmãos, a paz, o amor e a fé, da parte de Deus Pai e do Senhor Jesus Cristo. 24A graça esteja com todos aqueles que amam nosso Senhor Jesus Cristo com amor perene.
»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»» reflexão «««««««««««««««««««««««««««««
[1]1,1-2: Quanto à indicação «em Éfeso», cf. Introdução.
3-14: Paulo desenvolve um hino de louvor em forma de «bênção», frequente no Antigo Testamento. O louvor é uma resposta do homem ao Deus que se manifesta através de um acto de salvação ou mediante a revelação de um mistério.
Deus Pai é o sujeito e a fonte de toda a acção criadora e salvadora. E tudo o que Deus Pai realiza no homem e no Mundo, fá-lo através de seu Filho Jesus Cristo: escolhe (vv. 4-5), liberta (vv. 6-7), reúne tudo em Cristo (vv. 8-10), entrega a herança prometida (vv. 11-12) e concede o dom do Espírito Santo (vv. 13-14).
6: A expressão «para o louvor da sua glória» (cf. vv. 12 e 14) mostra que o sentido último da vida humana é louvar a Deus. O louvor é, portanto, acto de consciência: declarando Deus como o único absoluto, o homem reconhece que as criaturas são relativas. O louvor é devido somente a Deus.
9-10: O mistério é o projecto com que Deus se propõe levar a História à sua plena realização, reunindo em Cristo tudo o que existe.
15-23: Pela fé, os cristãos possuem uma sabedoria que supera qualquer outro conhecimento: sabem que Deus manifestou em Jesus Cristo a sua força, destronizando todos os poderes que até agora aprisionam a vida, e libertando os homens para uma esperança nova diante do futuro. Nesta carta, a Igreja ideal identifica-se praticamente com o Reino e, portanto, ultrapassa meras concretizações históricas. Como corpo e plenitude de Cristo, ela torna-se a meta para a qual caminhamos. Paulo refere-se a uma Igreja santa, a um modelo ideal que exige conversão contínua da Igreja real que vive na História.
2,1-10: Paulo opõe duas épocas e dois modos de viver: sem Cristo e com Cristo. Sem Cristo é o mundo pagão, cuja mentalidade, modo de pensar e de agir manifestam a presença activa do mal, que é o egoísmo que assume formas individuais e colectivas, dividindo os homens. Com Cristo surge a nova forma de viver: o amor que gera doação e comunhão, através das obras que continuam a acção de Jesus Cristo, realizando o projecto de Deus. A nova forma de viver, porém, é graça de Deus que já foi dada aos homens através do testemunho de Jesus Cristo. A vida cristã é a passagem contínua de um modo de viver para o outro.
11-22: A participação de judeus e pagãos no único povo de Deus é sinal concreto do homem novo. A morte de Cristo derrubou o muro de separação que a Lei colocava entre judeus e pagãos; surgiu assim o novo Israel, a Igreja, que se abre para todos os homens e os coloca sob uma cabeça única, Cristo. O Evangelho fará cair todas as diferenças. Por mais que surjam sociedades classistas, as suas leis e instituições injustas cairão, ou derrubadas pela violência, ou desprestigiadas por sacrificarem os seus povos, em lugar de os ajudarem.
3,1-13: O mistério é o centro do anúncio de Paulo, e está inseparavelmente ligado à sua vocação de missionário entre os pagãos. Esse mistério é o projecto de Deus, que se realizou em Jesus Cristo e que manifesta toda a sua grandeza na Igreja, através do ministério de Paulo: os pagãos são chamados a pertencer ao povo de Deus.
14-21: O Apóstolo quer que os cristãos conheçam profundamente a Deus e experimentem todas as dimensões do amor de Cristo por nós, para que o próprio Cristo possa habitar no coração de cada um. E isso acontecerá se os cristãos viverem uma autêntica vida comunitária que tenha o amor como raiz e alicerce. A realidade nova trazida por Cristo vai além de todo o conhecimento e só pode ser experimentada na vivência do amor.
4,1-16: O alicerce e raiz do amor tem como finalidade conservar a unidade do Corpo de Cristo (4,1-6). Mas unidade não significa uniformização, pois Deus concede dons diferentes a cada pessoa (4,7-13). Essa unidade na diversidade dá coesão à comunidade para que ela não seja dominada por doutrinas que a despedacem (4,14-16).
1-6: O aspecto central da vida cristã é a unidade. Com efeito, a acção de Deus em Jesus Cristo unifica toda a realidade. Os cristãos devem ser exemplo vivo dessa unidade, que supera as divisões humanas.
7-13: A diversidade dos dons que cada um recebeu de Cristo não pode ser fonte de divisão, inveja e competição na comunidade. Paulo relembra que a variedade de dons é desejada por Cristo, para que cada um se coloque ao serviço de todos. Os dons relembrados no v. 11 são os carismas de governo e ensino, importantes para a comunidade permanecer unida no conhecimento e no compromisso da fé.
14-16: Vivendo o amor autêntico que preserva a unidade e respeita a diversidade, a comunidade torna-se capaz de discernir as falsas doutrinas e manter sempre vivo o esforço e a tensão que a leva a crescer sempre mais, tornando-se a verdadeira Igreja de Cristo.
17-32: Paulo convida os cristãos à conversão contínua. Essa conversão começa no baptismo, onde o cristão deixa o homem velho (modo de vida pagão) para se revestir do homem novo (a justiça que vem pela vida segundo o Espírito). Nos vv. 25-32, Paulo dá exemplos concretos do que significa essa passagem: da mentira para a verdade; do roubo para o trabalho honesto, que leve a partilhar com os que nada têm; da palavra inconveniente para a palavra construtiva; do comportamento egoísta para a generosidade recíproca.
5,1-20: Paulo traz uma série de exortações e conselhos para que os cristãos vivam autenticamente a sua fé. Os vv. 1-2 apresentam o princípio que rege a vida nova: imitar a Deus, vivendo o amor, como viveu Jesus Cristo. Por outras palavras, os cristãos são e devem viver como filhos de Deus, tendo como modelo supremo o acto de amor de Cristo na cruz, onde entregou a sua vida por todos. A vida nova compreende a renovação de todas as atitudes do homem: esta é a resposta livre ao dom de Deus.
5,21-6,9: Paulo analisa as três relações fundamentais da família antiga: mulher-marido, filhos-pais, escravos-patrões. Não busca modificar o aspecto externo e jurídico dessas relações, mas quer que elas se renovem a partir de dentro, para serem vividas com mentalidade nova, em coerência com tudo aquilo que se aprendeu e se recebeu de Cristo. Para o sentido geral das exortações, cf. nota em Cl 3,18-4,1.
5,21: Este versículo apresenta uma espécie de princípio fundamental que terá três diferentes aplicações nos versículos seguintes. A submissão de que fala pode ser compreendida como forma de amor, caracterizado pela humildade e doação. O temor de Cristo apresenta a motivação: assim como Cristo é o Salvador de todos, também será o juiz de todos. Este princípio fundamental atinge a todos indistintamente.
22-33: Paulo compara a relação entre Jesus Cristo e a Igreja com a visão do matrimónio na sociedade antiga, onde a mulher devia submeter-se inteiramente ao marido. De facto, Cristo é chefe e salvador da Igreja, e esta deve submeter-se a Ele como seu Senhor. Numa concepção actual de relação marido-mulher, onde existe igualdade de direitos e deveres, Paulo certamente faria outro tipo de aplicação.
6,1-9: A vida é uma renovação total das relações, onde o respeito é devido a todos: os pais também devem respeitar os filhos. Quanto ao relacionamento entre senhores e escravos, Paulo não faz uma crítica à estrutura social do seu tempo; porém, salientando que todos são iguais perante Deus, anuncia uma transformação radical das relações, sejam quais forem os papéis e os deveres sociais (cf. carta a Filémon e notas correspondentes).
10-20: A vida cristã é uma luta contínua contra o mal, e as armas para o combate são: verdade, justiça, testemunho do Evangelho, fé, Palavra de Deus. Para os antigos, o mal era personificado por demónios e forças invisíveis que dominam os homens (Principados, Autoridades, Poderes, Soberanias). Traduzindo o mítico para o histórico, poderíamos falar de estruturas que geram egoísmo, injustiça, ódio, opressão e morte.
21-24: Sobre Tíquico, cf. Introdução e a nota a Cl 4,7-9.
HTTP://DIOCESE-PORTO.PT HTTP://ECCLESIA.PT/ANOPAULINO
LOUVADO SEJA DEUS,
LOUVADO SEJA NOSSO SENHOR JESUS CRISTO,
LOUVADA SEJA SUA MÃE MARIA SANTISSIMA,
POR TODOS OS SÉCULOS DOS SÉCULOS. ´
AMÉN.
António Fonseca

CARTA A FILÉMON - S. PAULO

NOTA PRÉVIA:
Meus amigos e Irmãos em Cristo.
Na sexta feira passada, dia 30/1 fui ao Hospital de S. João para uma consulta externa de Ortopedia, pensando que iria ser-me retirado o gesso do braço esquerdo que fracturei em 11 de Janeiro no acidente que tive em minha casa. Porém, após ter sido retirado o gesso, constatei que afinal o braço ainda me doía bastante; efectuei uma radiografia e fui depois à consulta, na qual o médico me informou que o osso partido ainda não estava em condições pelo que teria de ser colocado novo gesso pelo menos, até 27 de Fevereiro, o que foi feito.
Resulta daí que continuo impossibilitado de escrever normalmente durante este longo período, pelo que volto a transcrever as Cartas de S. Paulo, recolhidas através do site da http://diocese-porto.pt conforme vinha fazendo, dado que será muito dificil retomar em breve a transcrição das leituras do livro "Um ano a caminhar com S. Paulo" que estavam a ser reescritas por mim, como já havia informado anteriormente.
No entanto, julgo que não se perderá nada com a troca, pois as Cartas são possivelmente mais importantes do que os extractos das mesmas, e por isso embora o meu trabalho seja um pouco mais facilitado, talvez seja mais elucidativo, porquanto o seu teor completo será desconhecido por muitos de nós - penso eu.
Assim retomo, as referidas transcrições e para já aí está a Carta a FILÉMON. Depois passarei às que restantes que ainda não publiquei. Bem hajam, pela vossa compreensão.
Cartas de São Paulo
Carta a Filémon
EM CRISTO TODOS SÃO IRMÃOS
Introdução
De todas as cartas de Paulo, esta a Filémon é a mais breve e pessoal, a única escrita inteiramente de próprio punho. Paulo está na prisão, provavelmente em Éfeso. O facto de Onésimo voltar com Tíquico para Colossos (Cl 4,7-9) faz supor que esta carta foi escrita na mesma data que a carta aos Colossenses. Filémon parece ser membro importante da Igreja de Colossos, e é muito provavelmente o chefe do grupo que se reúne em sua casa (vv. 1-2). É uma carta de recomendação em favor de Onésimo, um escravo que fugiu ao seu patrão, Filémon, provavelmente depois de o ter roubado (v. 18). Onésimo procurou o apoio de Paulo, que estava na prisão, e acabou por se converter ao cristianismo (v. 10). Paulo devolve-o a Filémon, pedindo-lhe que o trate como irmão (v. 16). Paulo não pensava certamente em criticar o estatuto da escravidão, comum no seu tempo, provocando assim uma revolução social. Os cristãos ainda não tinham força para exigir transformações estruturais da sociedade. Mas o Apóstolo, implicitamente, declara que a estrutura vigente não é legítima. De facto, mostrando que as relações dentro da comunidade cristã devem ser fraternas, Paulo esvazia completamente o estatuto da escravidão e a desigualdade entre as classes. Em Cristo todos são irmãos, com os mesmos direitos e deveres. Só Cristo é o Senhor.
CARTA A FILÉMON
Endereço e saudação
1[1]Paulo, prisioneiro de Jesus Cristo, e o irmão Timóteo, a Filémon, nosso amigo e colaborador, 2e também à irmã Ápia, a Arquipo, nosso companheiro de luta, e à Igreja que se reúne em casa de Filémon. 3Que a graça e a paz da parte de Deus, nosso Pai, e do Senhor Jesus Cristo estejam convosco.
Agradecimento e pedido
4Dou graças ao meu Deus sempre que me lembro de ti nas minhas orações. 5De facto, ouço falar do amor e da fé que tens para com o Senhor Jesus e em favor de todos os cristãos. 6Peço a Deus que a participação que tens na fé seja eficaz para compreenderes que todos os bens que temos são para Cristo.
Uma nova relação entre os homens
7Caro irmão: o teu amor tem-me dado muita alegria e coragem, pois graças a ti os cristãos sentem-se tranquilos. 8Tenho toda a liberdade em Cristo para te ordenar o que deves fazer, 9mas prefiro pedir por amor. Quem faz este pedido sou eu, o velho Paulo, agora também prisioneiro de Jesus Cristo. 10Peço-te em favor de Onésimo, o filho que eu gerei na prisão. 11Antes ele era inútil para ti, mas agora é útil, tanto para ti, como para mim. 12Vou enviar-to novamente; ele é como se fosse o meu próprio coração.
13Gostaria que ele ficasse comigo para me servir em teu lugar, enquanto estou preso por causa do Evangelho. 14Eu, porém, não quis fazer nada sem o teu consentimento. Não quero que a tua bondade seja forçada, mas espontânea. 15Talvez Onésimo se tenha afastado de ti por algum tempo, para que o recuperes para sempre. 16Agora tê-lo-ás, não já como escravo, mas muito mais do que escravo: tê-lo-ás como irmão querido; ele é querido para mim, e sê-lo-á muito mais para ti, seja como homem, seja como cristão.
17Assim, se me consideras como irmão na fé, recebe Onésimo como se fosse eu mesmo. 18Se te causou algum prejuízo ou te deve alguma coisa, põe isso na minha conta. 19Eu, Paulo, escrevo com a minha própria mão: eu pagarei... É claro que não preciso de te lembrar que também me deves a tua própria vida. 20Sim, irmão, permite-me que abuse da tua bondade no Senhor. Conforta, em Cristo, o meu coração.
21Escrevo na certeza de que me vais obedecer, e sei que farás mais ainda do que te estou a pedir. 22Peço também que prepares um quarto para mim, porque espero ser-vos devolvido, graças às orações que estais a fazer.
Saudações finais
23Saudações de Épafras, meu companheiro de prisão em Jesus Cristo, 24como também de Marcos, Aristarco, Demas e Lucas, meus colaboradores.
25A graça do Senhor Jesus Cristo esteja convosco.
»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»» reflexão «««««««««««««««««««««««««««««
[1]1-3: Embora a carta interesse particularmente a Filémon, é dirigida a toda a comunidade que se reúne em sua casa. Poderíamos suspeitar que Paulo tem intenção de fazer uma catequese à comunidade, a partir de um caso particular: a atitude do chefe da comunidade para com o escravo fugitivo teria sérias consequências para o testemunho cristão.
4-6: O comportamento em relação aos irmãos demonstra a fé e o amor que se tem por Jesus. Paulo convida Filémon a dar um testemunho prático e eficaz da própria fé: mostrar que tudo o que tem, inclusive Onésimo, pertence a Cristo.
7-12: Paulo considera Onésimo como filho, porque foi graças a eleque Onésimo se converteu. O nome Onésimo significa «útil».
13-16: Pedindo a Filémon que trate Onésimo como irmão, Paulo mostra que o Evangelho põe fim às diferenças entre os homens e esvazia completamente o estatuto da escravidão.
17-20: Paulo assume inteira responsabilidade, propondo-se pagar pessoalmente o dano causado pela fuga de Onésimo. Mas lembra também que Filémon foi convertido por Paulo, a quem deve, por isso, a própria vida. Deste modo, o Apóstolo mostra que há valores muito mais importantes do que qualquer dívida material.
21-22: Embora Paulo não queira recorrer à própria autoridade (v. 8), espera que Filémon obedeça às suas sugestões, e faça mais do que lhe é pedido. Talvez esteja veladamente a sugerir que Filémon liberte Onésimo.
23-25: Sobre as pessoas citadas cf. a nota em Cl 4,10-18.
LOUVADO SEJA DEUS PAI
LOUVADO SEJA NOSSO SENHOR JESUS CRISTO
LOUVADA SEJA SUA MÃE MARIS SANTISSIMA
PARA TODO O SEMPRE
António Fonseca