OS MEUS DESEJOS PARA TODOS

Imagens e Frases de Natal Religioso

quinta-feira, 26 de fevereiro de 2009

EM FAVOR DO VERDADEIRO CASAMENTO

De A VOZ PORTUCALENSE de 25/Fevereiro/2009 permito-me transcrever a Nota Pastoral do Conselho Permanente da Conferência Episcopal Portuguesa, a propósito da perspectiva que foi aberta recentemente pelo Partido Socialista, através duma proposta que irá ser apresentada à Assembleia da República "uniões homossexuais por meio de casamento", uma "aberração" inventada por algumas pessoas ditas "progressistas"...
Em favor do verdadeiro casamento

Nota Pastoral do Conselho Permanente da Conferência Episcopal Portuguesa

Veio a público recentemente a intenção de, na próxima legislatura, ser proposta à Assembleia da República uma lei que equipare as uniões homossexuais ao casamento das famílias constituídas na base do amor entre um homem e uma mulher.

Sem se pronunciar agora sobre a questão mais geral da homossexualidade, o Conselho Permanente da Conferência Episcopal não pode deixar de lamentar esta tentativa de desestruturar a sociedade portuguesa com a adopção de leis que, longe de contribuírem para o seu progresso e unidade, manifestam antes uma concepção desfocada dos valores que se encontram na base do nosso modo de viver, entre os quais o casamento e a família têm um lugar privilegiado. 1. A verdade da vida humana assenta na complementaridade do homem e da mulher. É esta complementaridade dos sexos, expressa de um modo eminente no dom total e perene do amor entre um homem e uma mulher, por princípio aberto à geração de novas vidas, que está na base antropológica da família. Só assim esta pode desempenhar a relevantíssima função de célula base da sociedade, que assegura a sua renovação harmoniosa. Isso mesmo é universalmente assumido pelas diferentes culturas e civilizações, é afirmado pela revelação judaico-cristã, e assim o reconhece implicitamente a nossa Constituição da República e explicitamente o Código Civil Português.

2. Defendemos a verdade dos conceitos de casamento e família. Pretender redefini-los seria porta aberta para diversos modelos alternativos à sua autenticidade genuína, o que constituiria fonte de perturbação para adolescentes e jovens, com a sua identidade em estruturação, e enfraqueceria a instituição da família, célula base de todas as sociedades. A família, fundada no casamento entre um homem e uma mulher, tem o direito a ver reconhecida a sua identidade única, inconfundível e incomparável, sem misturas nem confusões com outras formas de convivência. 3. A homossexualidade é um fenómeno conhecido desde a antiguidade, caracterizado pela expressão preferencial da afectividade e da sexualidade entre pessoas do mesmo sexo. Se, por vezes, ela constitui apenas uma etapa transitória no desenvolvimento da criança ou adolescente, o seu prolongamento pela idade jovem e adulta denota a existência de problemas de identidade pessoal.

A Igreja rejeita todas as formas de discriminação ou marginalização das pessoas homossexuais e dispõe se a acolhê-las fraternalmente e a ajudá-las a superar as dificuldades que, em não poucos casos, acarretam grande sofrimento. Contudo, fiel à razão, à palavra de Deus e aos ensinamentos recebidos, a Igreja não pode deixar de considerar que a sexualidade humana vivida no casamento só encontra a sua verdade e plenitude na união amorosa de um homem e de uma mulher. 4. Não nos pronunciamos agora sobre eventuais modos com que o Estado possa ir ao encontro dos problemas e aspirações das pessoas homossexuais. Rejeitamos, contudo, que a união entre pessoas do mesmo sexo possa ser equiparada à família estavelmente constituída através do casamento entre um homem e uma mulher, e o mesmo se diga de uma lei que permita a adopção de crianças por homossexuais. Tal constituiria uma alteração grave das bases antropológicas da família e com ela de toda a sociedade, colocando em causa o seu equilíbrio. 5. Queremos ainda chamar a atenção para a necessidade de iniciativas que ajudem as famílias estavelmente constituídas a superar os problemas económicos que muitas atravessam, que as valorizem como lugar primordial de educação dos filhos e que favoreçam a sua importância na vida social.

Conselho Permanente da Conferência Episcopal Portuguesa, 20 de Fevereiro de 2009
http://voz-portucalense.pt
LOUVADO SEJA DEUS, LOUVADO SEJA NOSSO SENHOR JESUS CRISTO E SUA MÃE MARIA SANTÍSSIMA, POR TODOS OS SÉCULOS DOS SÉCULOS. AMÉN.
António Fonseca

sem título

Meus amigos: Algo se está passando com o meu blogue. Desde o passado dia 20, que tenho tido imensas dificuldades em poder inserir mensagens, pois primeiro era o Internet Explorer que não me deixava acessar, aparecendo sempre com um quadro de aviso a informar que o blogue não podia ser visto, porque o Internet Explorer não o conseguia detectar. Coloquei depois o sistema Mozzila Firefox que me permitiu ainda no Domingo dia 22, inserir uma mensagem sobre a realização das QUARENTA HORAS DE ADORAÇÃO AO SANTÍSSIMO que se levou a efeito precisamente na Paróquia do Santíssimo Sacranmento, no Porto. Desde então até agora não mais consegui voltar a escrever nem voltar a encontrar o meu blog, embora o tenha tentado algumas vezes - não todos os dias, confesso - mas hoje apenas ao fim de duas horas, consegui finalmente entrar... Parece que o http://Blogger.com efectuou algumas remodelações no sistema, mas não informou os seus clientes - pelo menos eu ainda não sei de nada até agora - !!! Dou aqui esta explicação que julgo necessária e vamos ver se a consigo publicar. Entretanto vou ver se consigo saber o que é que se está passando, para sucederem estas situaqções, que são tudo, menos agradáveis. Se calhar vou ter que recomeçar de novo, se as dificuldades se tornarem insuperáveis e ou troco este blog por um novo, no blogger.com, ou faço outro com o mesmo nome no windows live, ou no sapo.pt, ou no yahoo.com ou noutro qualquer. Vamos ver... e o que for há soar.
LOUVADO SEJA DEUS POR TODOS OS SÉCULOS DOS SÉCULOS, AMÉN António Fonseca