OS MEUS DESEJOS PARA TODOS

RecadosOnline.com

sexta-feira, 10 de abril de 2009

O QUE DISSERAM OS SANTOS

O que disseram os santos
Lo que han dicho los santos
Lo que han dicho los santos
O QUE DISSERAM OS SANTOS
G Santa Gema Galgani
"Jesus, Dono meu... Quando minha cabeça se acerque à tua, faz-me sentir a dor dos espinhos que te pregaram. Quando meu peito se recline sobre o teu, faz que eu sinta a lança que te trespassou".
São Gregório Magno
"Passou o tempo das perseguições, mas também nossa paz tem um martírio próprio: não dobramos já nosso pescoço debaixo do ferro, mas com a espada do espírito nós mesmos matamos os desejos carnais de nossa alma". "A prova do amor está nas obras.Onde o amor existe se operam grandes coisas e quando deixa de operar deixa de existir".
H
Santo Ignácio de Antioquía
"Os que fazem profissão de pertencer a Cristo se distinguem por suas obras" "Operando segundo o que falam e dando-se a conhecer pelo que fazem sem falar"
Santo Ignácio de Loyola
"Senhor, se tão maravilhosas são as pálidas imágens tuas, ¡que insondável e admirável será tua mesma grandiosidade!". "Podemos sofrer que nos façam vantagem noutras coisas, mas não na obediência". "Ensinanos, bom Senhor, a servir-te como mereces: a dar sem contar o custo, a lutar sem contar as feridas, a trabalhar e a não buscar descanso, a trabalhar sem pedir recompensa excepto saber que fazemos tua vontade".
I
San Ireneu
"A nudez da desobediência de Eva foi desatado pela obediência de Maria; o que atou a virgem Eva pela incredulidade, a virgem Maria o desatou pela fé"
J
São João Crisóstomo
"Quando o amor de Deus obtêm a vontade da alma produz nela um insaciável desejo de trabalhar pelo Amado".
São João da Cruz
"A alma que está enamorada de Deus é uma alma gentil, humilde e paciente". "O Senhor apareceu a São João, com a cruz às costas e lhe disse: "João, pede-me o que queiras", e o Santo respondeu: " Padecer, Senhor, e ser por Vós desprezado". "O amor não consiste em grandes coisas, senão em ter grande desnudez e padecer pelo Amado" "No ocaso de nossas vidas seremos julgados no amor". "Não penses que o agradar a Deus está em trabalhar muito como em trrabalhar com boa vontade, sem propriedade e respeito«". "O céu é firme e não está sujeito a geração, e as almas que são de naturaleza celestial são firmes, não estão sujeitas a engendrar apetites nem outra qualquer coisa, por que se parecem a Deus na sua maneira, que não se move para sempre". "A árvore húmida invadida pelo fogo: primeiro fumo, logo crepita; depois chama; finalmente brasa".
Santa Joana de Chantal
"Oh Deus meu! Irmãs minhas, ¿em que outra coisa devemos comprazermo-nos senão em fablar de Deus, da eternidade, da felicidade de nossa vocação, do amor e fidelidade que devemos de ter para adquirir com perfeição o espírito de nosso Instituto e orar para conservá-lo cuidadosamente?"
L
São Luís Maria Griñón de Monfort
"Antes da Comunhão... suplica a esta bondosa Mãe que te empreste seu coração para receber nele a seu Filho com suas próprias disposições." "Com efeito, toda a perfeição cristã consiste: 1. Em querer ser santo: "Ele que queira vir comigo" 2. Em abnegarse: "que renegue de si mesmo" 3. Em padecer: "que carregue com sua cruz" 4. Em trabalhar: "e me siga" (Amigos da Cruz)
M
Santa Margarita Maria
"Apesar de toda a oposição, este Divino Coração eventualmente triunfará. Ditosos os que hão sido instrumentos para estabelecer seu Reinado". "Aceita o que te manda o Sagrado Coração de Jesus Cristo para unir-te a si." "Este divino Coração é pura doçura, humildade e paciência, portanto, devemos esperar... Ele sabe quando actuar." "Recorda que a perfeição consiste em conformar a vida e as acções totalmente às virtudes sagradas do Coração de Jesus, especialmente sua paciência, sua mansidão, sua humildade e sua caridade. Como resultado, nossa vida interior e exterior chega a ser uma imagem viva d'Ele". "Só o coração humilde puede entrar en el Sagrado Corazón de Jesús, conversar con Él, amarle y ser amado de Él". "El Sagrado Corazón de nuestro Soberano Dueño es una fuente inagotable que anhela derramarse en los corazones humildes, vacíos y desprendidos de todo, y prontos a sacrificarse a su servicio por mucho que cueste a la naturaleza". "Al Corazón de Jesús le agradan mucho los servicios de los pequeños y humildes de corazón, y paga con bendiciones sus trabajos". "Halla purísimo placer en las almas anonadadas que son totalmente suyas y todo lo poseen en Él, cuando están desposeídas de si propias". "En sobreviniendo la humillación, regocijáos, porque entraréis muy adentro en el Corazón de Jesús". "Abrazaos humildemente con las cosas que más os humillen y anonaden, como medios muy al caso para hacer que triunfe el dulce y amable Corazón de Jesús, y reine el vuestro en el suyo." "Juzgo que os hace especial merced en daros a conocer y haciendo que améis vuestra abyección; porque no hay medio más eficaz que ése para penetrar y permanecer en la amistad del Sagrado Corazón de Jesús." "Es un cordial a propósito para dar la vida de la gracia a vuestra alma, y la del puro amor a vuestro corazón y a todas las buenas acciones. En fin, la virtud del Sagrado Corazón de Jesús abate hasta nosotros su grandeza, si nos halla anonadados en el amor de nuestra pequeñez, y cuidará de levantaros a su unión al paso de todo aquello que resplandece a los ojos de las criaturas. Con esto todo está dicho". "¡Dios mío! ¡Que tesoro tan inmenso es el amor a la pequeñez y a nuestra propia abyección! ¡Qué no debiéramos hacer y padecer por alcanzarlo! El alma que tanto bien posee, esta segura y nada puede faltarle, porque el Todopoderoso en ella se complace y recrea". "Mirad, pues, este camino humilde como el verdadero, trazado por Él, y el más indefectible para llegar a Él. ¿Qué teméis en un sendero tan seguro como el de las humillaciones, en donde la mejor de todas nos viene sin repararlo siquiera? Porque la humildades de tal naturaleza, que desaparece en el punto mismo que la echamos de ver en nosotros." "Solo en el total desasimiento de vos mismo y de todo lo que no es Dios hallaréis la verdadera paz y dicha perfecta, porque no teniendo nada, lo hallaréis todo en el sagrado Corazón de Jesús." "Sed pobre de todo, y el Corazón de Jesús os enriquecerá." "Vaciaos de todo, y Él os henchirá." "Olvidáos de vos mismo y entregáos a Él, y Él tendrá cuenta y cuidado de vos." "No puedo deciros más sino que el anonadamiento de vos mismo os elevará a la unión del Soberano Bien. Olvidándoos, lo poseeréis, y abandonándoos a Él, Él os poseerá." "Y ¿que mayor bien que no ser nada para el mundo ni para nosotros mismos, por ser poseídos de Dios y poseerle a "El solo?" "Mi divino maestro, dice, me era asiduo compañero en los oficios que tenía que hacer a todas horas. En este tiempo recibí gracias tan extraordinarias, sobre todo en el misterio de la Pasión, que nunca las había sentido iguales; y esto causó en mí un tan grande amor a la Cruz, que no puedo vivir un instante sin padecer, pero en silencio, sin consuelo ni alivio, y morir con este Soberano de mi alma, abrumada por la cruz de toda clase de padecimientos; esto ha durado toda mi vida, la cual por su misericordia se ha pasado toda en este linaje de ejercicios, que son los del puro amor". "Guardad siempre vuestro interior en silencio, hablando poco con las criaturas y mucho con Dios, padeciendo y trabajando por su amor". "Tened los sentidos interiores y exteriores en el Sagrado Corazón de nuestro Señor, imponiéndoles un profundo silencio: silencio interior, cercenando pensamientos inútiles y sutilezas del amor propio, para disponernos a oír al voz del esposo; silencio en todo lo que pueda seros a voz materia de alabanza y excusa, de censura y acusación a los otros; silencio en los ímpetus con que la naturaleza inmortificada pretenda mostrar alegría o descontento en cosas tristes..., y este silencio será para honrar el de Jesús solitario en el Santísimo Sacramento. Por este medio aprenderéis a conversar con su Sagrado Corazón y a amarle en silencio". "La afición a nuestro menosprecio en el Corazón de Jesús, nos basta para honrar los misterios de su santa muerte y pasión; y Cristo desea que le honremos guardando este sagrado silencio, como Él, en todas las ocasiones de humillación y trabajo; porque os confieso que no hay cosa que tanto me contente, como la taciturnidad que guardó tan exactamente en el discurso de la pasión, A imitación suya, no abramos la boca sino para orar por los que nos afligen y maltratan". "Habéis de mostraros mansos en llevar con paciencia los desabrimientos, genialidades y molestias del prójimo, sin desazonarnos por las contrariedades que os ocasionen; al contrario, hacedle de buen grado los servicios que podáis, porque éste es el modo de granjear la amistad y gracia del Sagrado Corazón de Jesús". "Buscar ocasión de contentarle con el ejercicio de la santa caridad, sintiendo y hablando bien de vuestros prójimos, asistiendo a los pobres cuando podáis, espiritual o corporalmente, mirando a Jesucristo en persona de ellos, y no haciéndoles cosa que no quisiéramos que con nosotros se hiciese". "Tened con todos paciencia, para merecer que todos en particular los pobres, acudan a vosotros en sus necesidades. Tened a todo el mundo por amigo y a nadie por enemigo, en cuanto según Dios sea posible". "Yo te amo corazón amabilísimo, como a mi soberano Bien, mi dicha, mi alegría y el único digno del amor de todos los corazones". "Cuando te levantes, entra en el Sagrado Corazón de Jesús y conságrale tu cuerpo, tu alma, tu corazón y tu ser por completo, para solamente vivir por su amor y gloria". "Puedo ver, tan claro como el día, que una vida que no tiene el amor de Jesucristo vive la mas grande miseria". "Aplíquense ha amar y sufrir amando. Cuando adquirimos la perfecta sabiduría, entonces haremos todo lo que Dios desea de nosotros". "Cuando uno ama, todo habla de amor, hasta nuestros trabajos que requieren nuestra total atención pueden ser un testimonio de nuestro amor". "Debemos amar al Santo de los Santos, para hacernos santos: quien nos puede impedir esto, si tenemos un corazón para amar y un corazón para sufrir". "Muere o conquista... No puede haber ninguna reserva en el amor". "Has todo por amor y para el amor, haciendo buen uso del tiempo presente, y no estés ansioso sobre el futuro". "Para hacer buen uso del tiempo ama ardientemente y constantemente; debemos entregarnos totalmente al amor, dejando que actúe por nosotros". "Nuestro corazón es tan pequeño, que no caben en él dos amores; y habiendo sido creado sólo para el divino, no puede tener descanso cuando se halla con otro". "Que tu lema sea: El Amor me ha conquistado, solo El puede poseer mi corazón". "Ámalo con todas tus fuerzas, piensa siempre en Él, deja que Él haga contigo y para ti todo lo que Él deseé, no ansíes nada mas". "Que el Sagrado Corazón logre en ti todos sus designios y que Él sea tu fortaleza, para que tu puedas con valentía cargar el peso de tus responsabilidades". "Amor, gloria y alabanzas sean dadas por siempre al Corazón de nuestro adorable Salvador, que es todo amor, todo amoroso y todo amable". "Yo clamo al Sagrado Corazón de mi amadísimo Jesús, que es mi único tesoro, que te regale de la abundancia de su puro amor". "Las mas amargas tristezas son dulzuras en su adorable Corazón, donde todo se cambia al amor". "Hemos de procurar en lo posible penetrar dentro de este Corazón adorable, haciéndonos muy pequeños, por la humilde confesión de nuestra nada". "Si obras, sea tan sólo por los impulsos del Corazón de Jesús; muere en silencio delante de El a todo lo que es natural o humano". "¡Oh Corazón divino! A ti me adhiero y en ti me pierdo. Sólo de ti quiero vivir, por ti y para ti". "Hallo en el Sagrado Corazón de mi Jesús todo lo que falta a mi pobreza, porque está rebosando de misericordia. No he hallado remedio más eficaz en mis afiliaciones que el Sagrado Corazón de mi adorable Jesús". "Basta que le conozcan; después este Divino Corazón se encargará de llenar con la unción de su gracia los corazones que Él escogió". "Debemos consumirnos y transformarnos, sin otro remedio, en esta ardiente hoguera del Sagrado Corazón de Nuestro adorable Dueño, sin salir de ella jamás". "Si supieras cuán dulce es amar a Dios, ningún trabajo os parecería intolerable en razón de conseguir este amor". "Escondedme, dulce Salvador mío, en el sagrario de vuestro costado y en vuestro adorable Corazón, fragua encendida del puro amor y así estaré seguro". "El adorable Corazón de Jesús debe ser el santificador y consumador de los nuestros con los santos incendios de su puro amor". "Basta amar al Santo de los Santos, para llegar a ser santos" "Nuestro Señor quisiera veros adelantar a pasos largos en la senda de su amor... No regateéis con Él más tiempo, entregádselo todo, y Él hará que lo halléis todo en su Divino Corazón". "Andad despacio, procurando adaptar vuestra vida interior y exterior al modelo de la humilde mansedumbre del Corazón de Jesús". "Puesto que quien ama es todopoderoso amemos y ninguna cosa se nos hará cuesta arriba". "El sagrado Corazón de Jesús sabe bien lo que pasa en el vuestro, y por esto permite vuestras penas. Guardad paz y someteos a las disposiciones que tome sobre vuestras almas. Al fin hallaréis la victoria y la paz en el Sagrado Corazón". "¿Qué tenéis vosotros que temer, si este Sagrado Corazón os rodea con su poder, como con un muro inexpugnable a los asaltos del enemigo?" "¡Señor, mi corazón es vuestro! No permitáis le ocupe cosa sino Vos que sois el galardón de mis victorias y el apoyo de mi debilidad". "Como el amor hace uno a los amantes, si queréis ser amado de Jesús habéis de ser manso como Él, y humilde como Él". "¡Cuan obligados estáis al Sagrado Corazón de nuestro buen Maestro, que tanto os ama! Amadle a Él en retorno con todo el amor de que sois capaces y tributadle toda bendición y toda gloria". "Este Divino Corazón os hará que experimentéis los efectos de su generosa mano, si confiáis plenamente en su amorosa bondad". "Vuestro Corazón ha de ser el trono de vuestro Amado, retornándole amor por amor, guardándole aquella lealtad que más le guste, según Él os dé a conocer. Entregamiento total por el amor, en el amor, al amor, sin tasa ni restricción". "Amad y haced lo que queréis, porque quien posee el amor todo lo posee". "El amor nada quiere de corazones divididos; lo quiere todo o nada. El amor os lo hará todo fácil". "Vayamos, pues, con filial confianza, y arrojémonos en sus brazos, extendidos por el amor en la cruz para recibirnos. Digámosle a menudo: Dios mío, Vos sois mi Padre; tened compasión de mí, según vuestra misericordia". "¡Ah! Si pudierais entender la gran caridad de Nuestro Señor para con vosotros, veríais claro que sus permisiones y disposiciones son puro amor". "El Corazón de Jesús os pide confianza en su bondad para que experimentéis la dulzura y fuerza de su asistencia en vuestras necesidades, la cual irá siempre al paso de la confianza". "El Sagrado Corazón de Nuestro Señor Jesucristo hará en todo mis veces si le dejo obrar. Querrá, amará, deseará por mí, y suplirá todas mis faltas". "Entra en este Sagrado Corazón como convidado al banquete de amor de tu único y perfecto amigo, que quiere embriagarte con el deleitoso vino de su puro amor". "Jesucristo es el solo y verdadero amigo de nuestros corazones, que han sido creados para Él solo; por esto no pueden hallar contento, descanso ni hartura sino en sólo Él". "Haced las cosas todas en el amor y para el amor, porque el amor da mérito y realce a todas las cosas". Jesús a Santa Margarita Maria "Te daré Mi Corazón, pero primero debes constituirte en Su holocausto". "Reconoce, pues que nada puedes sin Mi; Yo no dejaré nunca de socorrerte, con tal que tengas siempre tu nada y tu debilidad abismadas en mi fortaleza." "Déjame hacer cada cosa a su tiempo, pues quiero que seas ahora el entretenimiento de mi amor, el cual desea divertirse contigo a su placer, como hacen los niños con sus muñecos.. Es menester que te abandones así sin otras miras ni resistencia alguna, dejándome hallar mi contento a tus expensas; pero nada perderás en ello." "Está siempre pronta y dispuesta a recibirme, porque quiero en adelante hacer en ti mi morada, para conversar y entretenerme contigo." "Sabes que soy un Maestro santo, y enseño la santidad. Soy puro y no puedo sufrir la más pequeña mancha. Por lo tanto, es preciso que andes en mi presencia con simplicidad de corazón e intención pura. Pues no puedo sufrir el menor desvío, y te daré a conocer que si el exceso de mi amor me ha movido a ser tu Maestro para enseñarte y formarte en mi manera y según mis designios, no puedo soportar las almas tibias y cobardes, y que, si soy manso para sufrir tus flaquezas, no seré menos severo y exacto en corregir tus infidelidades." "¿Por que te atormentas? Haz lo que está en tu poder, y Yo supliré lo demás que te falte. Pues nada pido tanto en este Sacramento, como un corazón contrito y humillado que con voluntad sincera de no desagradarme más, se acuse sin doblez. Entonces perdono sin tardanza, y se sigue de ahí una perfecta enmienda." "Mi amor reina en el padecimiento, triunfa en la humildad y goza en la unidad". Oración a Nuestro Señor en calidad de Rey en el Santísimo Sacramento. «Yo os adoro, ¡oh Jesús, Rey poderoso!, en este trono de amor y de misericordia. Recibidme por esclavo y siervo vuestro, y perdonad mis repugnancias y rebeldías al soberano dominio que tenéis sobre mi alma. ¡Ah Rey benigno! Acordáos que no podríais ser en efecto misericordioso si carecieseis de vasallos miserables. Alargad, os ruego, vuestra liberal mano y remediad mi extra indigencia con el precioso tesoro de vuestro santo amor, que al fin no es otra cosa sino Vos mismo; despojándome de todo este miserable amor propio y de todos estos pueriles humanos respetos que me tienen como asido y encadenado. Venid, ¡Soberano Rey mío!, a romper mis ataduras y a librarme de esta mala servidumbre y a establecer vuestro imperio en mi corazón. Quiero reinar en el vuestro por una ardiente caridad con mi prójimo, no hablando de él sino caritativamente, sufriéndole, excusándole, haciendo y queriendo para él lo que yo quisiera hiciesen conmigo, no permitiendo que mi lengua suelte palabra alguna ofensiva o de resentimiento. Así no habrá cosa que me turbe para que mi Rey halle en mí imperio de paz. Amén». Santa Maria Goretti "La Santa Eucaristía es la perfecta expresión del amor de Jesucristo por el hombre, es la quintaesencia de todos los misterios de su vida." Santa Matilde "Sólo Yo comprendo perfectamente cómo me inmolo todos los días sobre el altar por la salvación de los fieles, lo que no pueden comprender absolutamente ni los querubines ni ninguna potencia celestial." Santa Micaela del Santísimo Sacramento "Los santos no nacieron santos; llegaron a la santidad después de una larga continuidad de vencimientos propio." San Maximiliano Kolbe "Tenemos que ganar el mundo entero y cada alma, ahora y en el futuro hasta el final de los tiempos, para la Inmaculada y a través de ella, para el Corazón Eucarístico de Jesús". P San Pedro Canisio "Me parecía que contemplaba el corazón de vuestro cuerpo sagrado con mis propios ojos, como si me lo abrierais y me dijerais que bebiera de él como una fuente , invitándome a saciarme de las aguas de la salvación en estos manantiales vuestros. Me invadieron ansias de que las aguas de la fe, esperanza y caridad fluyeran de vuestro corazón al mío." San Pedro Fabro "Bebe la preciosa sangre y agua que brotan del costado del Señor y sana tu alma con Longinos. Pero no esperes mayores signos de su bondad divina aparte de su humanidad doliente, pues después de todo esto Cristo resucitó de entre los muertos y ya no sufrirá más." San Policarpo "Por tanto, perseveren en su conducta y sigan el ejemplo del Señor, sin odiar a nadie y ayudándose mutuamente con la bondad del Señor". T Santa Teresa de los Andes "¡Oh démonos a El! ¿Qué son cincuenta años y aún cien de vida, comparados con la eternidad? Sacrificio aquí en el destierro, gloria sin fin en la patria. Y ¿qué es el sacrificio, qué es la cruz sino cielo cuando en ella está Jesucristo?" "Jesús mío, ahora he visto que todo lo del mundo es vanidad. Que solo una cosa es necesaria: amarte y servirte con fidelidad, parecerme o asemejarme en todo a Ti. En eso consistirá toda mi ambición." "¡Oh, soy feliz! Pues puedo decir con verdad, que el único amor de mi corazón ha sido El". "Jesús me pide que sea santa. Que haga con perfección mi deber. Que el deber es la cruz". "Mi espejo ha de ser María. Puesto que soy su hija, debo parecerme a Ella y así me pareceré a Jesús". "María, eres la Madre del Universo. Quién no se anima al verte tan tierna, tan compasiva, a descubrir sus íntimos tormentos? Si es pecador, tus caricias lo enternecen. Si es tu fiel devoto, tu presencia solamente enciende la llama viva del amor divino". "Donde me llevan soy feliz... Vivir siempre muy alegres. Dios es alegría infinita". "La voluntad de Dios es un alimento espiritual que fortifica el alma que se entrega a El gustosa". "Los corazones de los hombres aman un día y al otro son indiferentes. Solo Dios no cambia". "He visto que la felicidad en el mundo no existe. Siempre su trato me deja un vacío que lo llena por completo Nuestro Señor". "Por Jesús he preferido ser pobre y trabajar. Ya que El por mi amor se hizo pobre, yo por amor a El quiero serlo". "¡Que cosa más rica es para el alma que ama pasar la vida junto al Sagrario! Después que comulgo me siento en el cielo, y dominada por el amor infinito de Dios". "Jesucristo, ese loco de amor, me ha vuelto loca. Es martirio el que padezco al ver que corazones agradecidos a las criaturas no lo sean con aquel que lo sustenta, que les da la vida y los sostiene; que les da y ha dado todo, hasta darse el mismo". "Ocupémonos del prójimo, de servirle, aunque nos cueste repugnancia. De esta manera conseguiremos que el trono de nuestro corazón sea ocupado por su Dueño, por Dios". "Dios en cada momento me sostiene. Todo cuanto veo me habla de su poderío infinito y de su amor. Uniéndome a su Ser divino me santifico, me perfecciono, me divinizo". "El alma unida a Dios se diviniza de tal manera que llega a pensar, a desear y obrar conforme a Jesucristo". "¿Hay algo más grande que Dios? ¿Hay algo más grande que un alma divinizada? ¿No es ésta la mayor grandeza a que puede aspirar el hombre?" "Dios es amor y alegría y El nos la comunica. Solo Dios basta. Fuera de El no hay felicidad posible". Santa Teresa de Jesús "...Procuremos siempre mirar las virtudes y cosas buenas que viéremos en los otros y tapar sus defectos con nuestros grandes pecados... tener a todos por mejores que nosotros..." "Para mí la oración es un impulso del corazón, una sencilla mirada al cielo, un grito de agradecimiento y de amor en las penas como en las alegrías." "Tener gran confianza... Quiere su Majestad y es amigo de ánimas animosas, como vayan con humildad y ninguna confianza e sí." "Guíe su Majestad por donde quisiere. Ya no somos nuestros, sino suyos." "Tu deseo sea de ver a Dios; tu temor, si le has de perder; tu dolor, que no le gozas, y tu gozo, de lo que te puede llevar allá, y vivirás con gran paz." "Nada te turbe, Nada te espante, Todo se pasa, Dios no se muda, La paciencia, Todo lo alcanza; Quien a Dios tiene Nada le falta: Solo Dios basta". "Dios no ha de forzar nuestra voluntad; toma lo que le damos; mas no se da a sí del todo hasta que nos damos del todo". "¡Oh hermosura que excedéis A todas las hermosuras! Sin herir dolor hacéis, Y sin dolor deshacéis, el amor de las criaturas. ¡Oh nudo que así juntáis Dos cosas tan desiguales! No sé por qué os desatáis, Pues atado fuerza dais A tener por bien los males. Juntáis quien no tiene ser Con el ser que no se acaba: Sin acabar acabáis, Sin tener que amar amáis Engrandecéis nuestra nada". "Quizás no sabemos qué es amar, y no me espantaré mucho; porque no está en el mayor gusto, sino en la mayor determinación de desear en todo a Dios y procurar en cuanto pudiéremos, no ofenderle". ""Parezcámonos en algo a nuestro Rey, que no tuvo casa, sino en le portal de Belén adonde nació y la cruz adonde murió". "En Cristo mi confianza, Y de El sólo mi asimiento, En sus cansancios mi aliento, Y en su imitación mi holganza. Aquí estriba mi firmeza, Aquí mi seguridad, La prueba de mi verdad, La muestra de mi firmeza". "Harta misericordia nos hace a todos los que quiere Su Majestad entendamos que es El, el que está en el Santísimo Sacramento. Mas que le vean descubiertamente y comunicar sus grandezas y dar de sus tesoros, no quiere sino a los que entiende que mucho desean, porque estos son sus verdaderos amigos". "No hay que menester alas para ir a buscar a Dios, sino ponerse en soledad y mirarle dentro de sí". "Quienes de veras aman a Dios, todo lo bueno aman, todo lo bueno favorecen, todo lo bueno lo dan, con los buenos se juntan siempre y los favorecen y defienden." "El amor de Dios no ha de ser fabricado en nuestra imaginación, sino probado por obras". "No le parece que ha de haber cosa imposible a quien ama". "Mire yo a mi Amado y mi Amado a mí; mire El por mis cosas y yo por las suyas". "Sólo amor es el que da valor a todas las cosas". "Siempre he visto en mi Dios harto mayores y más crecidas muestras de amor de lo que yo he sabido pedir ni desear". "¿Quien no temerá habiendo gastado parte de la vida en no amar a su Dios?" "¡Oh Señor y verdadero Dios mío! Quien no os conoce, no os ama". "Considero yo muchas veces, Cristo mío, cuán sabrosos y cuán deleitosos se muestran vuestros ojos a quien os ama, y Vos, Bien mío, queréis mirar con amor". "Use siempre hacer muchos actos de amor, porque encienden y enternecen el alma". "La perfección verdadera es amor de Dios y del prójimo".s "Quien no amare al prójimo no os ama, Señor mío". "El amor de Dios es el árbol de la vida en medio del paraíso terrenal". "El amor de Dios se adquiere resolviéndonos a trabajar y a sufrir por Él". "La mejor manera de descubrir si tenemos el amor de Dios es ver si amamos a nuestro prójimo". Santa Teresa de Lisieux "La santidad no consiste en tal o cual práctica, sino en una disposición del corazón (del alma) que nos hace humildes y pequeños en los brazos de Dios, conscientes de nuestra nonada y confiados hasta la audacia en la bondad del Padre." "Con la práctica fiel de las virtudes más humildes y sencillas, has hecho Madre mía, visible a todos el camino recto del Cielo." "Pido a Jesús que me atraiga a las llamas de su amor, que me una tan estrechamente a sí, que sea Él quien viva y obre en mí". "Vuestro amor me previno desde la infancia, creció conmigo, y ahora es un abismo cuya profundidad me es imposible medir". "Me preguntas por un método para alcanzar la perfección. Yo conozco el amor _ y solo el amor". "El amor puede hacer todas las cosas". "Solo cuenta el amor y la obediencia". Santo Tomas de Aquino "No hay lengua capaz de explicar las dulzuras de este Sacramento, pues en la Sagrada Comunión bebemos la dulzura en la propia fuente". "La Eucaristía produce una transformación progresiva en el cristiano. Es el Sol de las familias y de las Comunidades". V San Vicente de Paúl "La caridad es el centro que une a la comunidad con Dios y a todos sus miembros entre si; contribuye a la unión de los corazones y los vincula indisolublemente a Dios". "Una buena forma de ejercitarnos en el amor a Cristo es manteniéndolo presente en nuestras mentes siempre que sea posible".

TRÍDUO PASCAL - 6ª Feira Santa

SAGRADO TRÍDUO PASCAL

SEXTA-FEIRA DA PAIXÃO DO SENHOR

Leitura do Livro de Isaías Is 52, 13-53. 12

Vede como vai prosperar o meu servo: subirá, elevar-se-á, será exaltado. Assim como, à sua vista, muitos se encheram de espanto – tão desfigurado estava o seu rosto que tinha perdido toda a aparência de um ser humano assim se hão-de encher de assombro muitas nações e, diante dele, os reis ficarão calados, porque hão-de ver o que nunca lhes tinham contado e observar o que nunca tinham ouvido. Quem acreditou no que ouvimos dizer? A quem se revelou o braço do Senhor? O meu servo cresceu diante do Senhor como um rebento, como raiz numa terra árida, sem distinção nem beleza para atrair o nosso olhar nem aspecto agradável que possa cativar-nos. Desprezado e repelido pelos homens, homem de dores, acostumado ao sofrimento, era como aquele de quem se desvia o rosto, pessoa desprezível e sem valor para nós. Ele suportou as nossas enfermidades e tomou sobre si as nossas dores. Mas nós víamos nele um homem castigado, ferido por Deus e humilhado. Ele foi trespassado por causas das nossas culpas e esmagado por causa das nossas iniquidades. Caiu sobre ele o castigo que nos salva: pelas suas chagas fomos curados. Todos nós, como ovelhas, andávamos errantes, cada qual seguia o seu caminho. E o Senhor fez cair sobre ele as faltas de todos nós. Maltratado, humilhou-se voluntariamente e e não abriu a boca. Foi eliminado por sentença iníqua, mas, quem se preocupa com a sua sorte? Foi arrancado da terra dos vivos e ferido de morte pelos pecados do meu povo. Foi-lhe dada sepultura entre os ímpios e um túmulo no meio dos malfeitores, embora não tivesse cometido injustiça nem se tivesse encontrado mentira na sua boca. Aprouve ao Senhor esmagá-lo pelo sofrimento. Mas, se oferecer a sua vida como sacrifício de expiação, terá uma descendência duradoira, viverá longos dias e a obra do Senhor prosperará em suas mãos. Terminados os sofrimentos, verá a luz e ficará saciado na sua sabedoria. O justo, meu servo, justificará a muitos e tomará sobre si as suas iniquidades. Por isso, Eu lhe darei as multidões como prémio e terá parte nos despojos no meio dos poderosos; porque ele próprio entregou a sua vida à morte e foi contado entre os malfeitores, tomou sobre si as culpas das multidões e intercedeu pelos pecadores.

Palavra do Senhor

Salmo Responsorial Salmo 30 (31)

Pai, em vossas mãos entrego o meu espírito.

Em vós Senhor, me refugio, jamais serei confundido,

Pela possa justiça, salvai-me.

Em vossas mãos entrego o meu espírito

Senhor, Deus fiel, salvai-me.

Tornei-me o escárnio dos meus inimigos,

O desprezo dos meus vizinhos

E o terror dos meus conhecidos:

Todos evitam passar por mim.

Esqueceram-me como se eu fosse um morto,

Tornei-me como um objecto abandonado.

Eu, porém, confio no Senhor:

Disse: «Vós sois o meu Deus,

Nas vossas mãos está o meu destino».

Livrai-me das mãos dos meus inimigos

E de quantos me perseguem.

Fazei brilhar sobre mim a vossa face,

Salvai-me pela vossa bondade.

Tende coragem e animai-vos,

Vós todos que esperais no Senhor

Leitura da Epístola aos Hebreus (4, 15-16; 5, 7-9)

Irmãos: Tendo nós um Sumo-sacerdote que penetrou ou Céus, Jesus, Filho de Deus, permaneçamos firmes na profissão da nossa fé. Na verdade, nós não temos um sumo-sacerdote incapaz de Se compadecer das nossas fraquezas. Pelo contrário, Ele mesmo foi provado em tudo, à nossa semelhança, excepto no pecado. Vamos, portanto, cheios de confiança, ao trono da graça, a fim de alcançarmos misericórdia e obtermos a graça de um auxílio oportuno. Nos dias da sua vida mortal, Ele dirigiu preces e súplicas, com grandes clamores e lágrimas, Àquele que O podia livrar da morte, e foi atendido por causa da sua piedade. Apesar de ser Filho, aprendeu a obediência no sofrimento. E, tendo atingido a Sua plenitude, tornou-Se, para todos os que Lhe obedecem, causa da salvação eterna.

Palavra do Senhor.

Glória a Vós, Senhor, Filho do Deus vivo.

Cristo obedeceu até à morte e morte de cruz.

Por isso Deus o exaltou e Lhe deu um nome que está acima de todos os nomes,

Glória a Vós, Senhor, Filho do Deus vivo.

.

Paixão de Nosso Senhor Jesus Cristo, (forma longa) Jo 18, 1-19, 42)

N – Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São João.

Naquele tempo, Jesus saiu com os seus discípulos para o outro lado da torrente do Cédron. Havia lá um jardim, onde ele entrou com os seus discípulos. Judas, que O ia entregar, conhecia também o local, porque Jesus Se reunira lá muitas vezes com os discípulos. Tomando consigo uma companhia de soldados e alguns guardas, enviados pelos príncipes dos sacerdotes e pelos fariseus, Judas chegou ali, com archotes, lanternas e armas. Sabendo Jesus tudo o que Lhe ia acontecer, adiantou-se e perguntou-lhes:

J «A quem buscais?»

N – Eles responderam-Lhe:

R - «A Jesus de Nazaré».

N Jesus disse-lhes:

J - «Sou Eu».

N Judas, que O ia entregar, também estava com eles. Quando Jesus lhes disse: «Sou Eu», recuaram e caíram por terra, Jesus perguntou-lhes novamente:

J - «A quem buscais?»

N – Eles responderam:

R - «A Jesus de Nazaré».

N – Disse-lhes Jesus:

J - «Já vos disse que sou Eu, Por isso, se é a Mim que buscais, deixai que estes se retirem».

N – Assim se cumpriam as palavras que Ele tinha dito: «De aqueles que Me deste, não perdi nenhum». Então, Simão Pedro, que tinha uma espada, desembainhou-a e feriu um, servo do sumo-sacerdote, cortando-lhe a orelha direita. O servo chamava-se Malco. Mas Jesus disse a Pedro:

J - «Mete a tua espada na bainha. Não hei-de beber o cálice que meu Pai me deu?»

N – Então, a companhia de soldados, o oficial e os guardas dos judeus apoderaram-se de Jesus e manietaram-nO, Levaram-n’O primeiro a Anás, por ser sogro de Caifás, que era o sumo-sacerdote nesse ano. Caifás é que tinha dado o seguinte conselho aos judeus: «Convém que morra um só homem pelo povo». Entretanto, Simão Pedro seguia Jesus com outro discípulo, Esse discípulo era conhecido do sumo-sacerdote e entrou com Jesus no pátio do sumo-sacerdote, enquanto Pedro ficava à porta, do lado de fora. Então o outro discípulo, conhecido do sumo-sacerdote, falou à porteira e levou Pedro para dentro. A porteira disse a Pedro:

R - «Tu não és dos discípulos desse homem?»

N – Ele respondeu:

R - «Não sou».

N – Estavam ali presentes os servos e os guardas, que, por causa do frio, tinham acendido um braseiro e se aqueciam. Pedro também se encontrava com eles a aquecer-se. Entretanto, o sumo-sacerdote interrogou Jesus acerca dos seus discípulos e da sua doutrina, Jesus respondeu-lhes:

J - «Falei abertamente ao mundo. Em, e não disse nada em segredo. Porque me interrogas? Pergunta aos que Me ouviram o que lhes disse: eles bem sabem aquilo de que lhes falei.

N – A estas palavras, um dos guardas que estava ali presente deu uma bofetada a Jesus e disse-Lhe:

R - «É assim que respondes ao sumo-sacerdote?»

N Jesus respondeu-lhe:

J «Se falei mal, mostra-Me em quê. Mas, se falei bem, porque Me bates?»

N – Então Anás mandou Jesus manietado ao sumo-sacerdote Caifás. Simão Pedro continuava ali a aquecer-se. Disseram-lhe então:

R - «Tu não és também um dos seus discípulos?»

N – Ele negou, dizendo:

R - «Não sou».

N – Replicou um dos servos do sumo-sacerdote, parente daquele a quem Pedro cortara a orelha:

R - «Então eu não te vi com Ele no jardim?»

NPedro negou novamente e logo um galo cantou. Depois levaram Jesus da residência de Caifás ao Pretório. Era de manhã cedo. Eles não entraram no pretório, para não se contaminarem e assim poderem comer a Páscoa. Pilatos veio cá fora ter com eles e perguntou-lhes:

R - «Que acusação trazeis contra este homem?»

N – Eles responderam-lhe:

R - «Se não fosse malfeitor, não t’O entregávamos».

N – Disse-lhes Pilatos:

R - «Tomai-O vós próprios, e julgai-O segundo a Vossa lei».

N – Os judeus responderam:

R - «Não nos é permitido dar a morte a ninguém».

N – Assim se cumpriram as palavras que Jesus tinha dito, ao indicar de que morte ia morrer. Entretanto, Pilatos entrou novamente no pretório, chamou Jesus e perguntou-Lhe:

R - «Tu és o Rei dos judeus?».

NJesus respondeu-lhe:

J - «É por ti que o dizes, ou foram outros que to disseram de Mim?»

N – Disse-Lhe Pilatos:

R - «Porventura eu sou judeu? O teu povo e os sumos-sacerdotes é que Te entregaram a mim. Que fizeste?»

N – Jesus respondeu:

J - «O meu reino não é deste mundo. Se o meu reino fosse deste mundo, os meus guardas lutariam para que Eu não fosse entregue aos judeus. Mas o meu reino não é daqui».

N – Disse-Lhe Pilatos:

R - «Então, Tu és Rei?»

N Jesus respondeu-lhe:

J - «É como dizes: Sou Rei. Para isso nasci e vim ao mundo, a fim de dar testemunho da verdade. Todo aquele que é da verdade escuta a minha voz».

N – Disse-Lhe Pilatos:

R - «Que é a verdade?»

N – Dito isto, saiu novamente para fora e declarou aos judeus:

R - «Não encontro neste homem culpa nenhuma. Mas vós estais habituados a que eu vos solte alguém pela Páscoa. Quereis que vos solte o Rei dos judeus?»

N – Eles gritaram de novo:

R - «Esse não. Antes Barrabás».

N – Barrabás era um salteador. Então Pilatos mandou que levassem Jesus e O açoitassem. Os soldados teceram uma coroa de espinhos, colocaram-Lha na cabeça e envolveram Jesus num manto de púrpura. Depois aproximaram-se d’Ele e diziam:

R - «Salvé, Rei dos judeus».

N – E davam-Lhe bofetadas. Pilatos saiu novamente para fora e disse:

R - «Eu vo-lO trago aqui fora, para saberdes que não encontro n’Ele culpa nenhuma»

N Jesus saiu, trazendo a coroa de espinhos e o manto de púrpura. Pilatos disse-lhes:

R - «Eis o homem».

N – Quando viram Jesus, os príncipes dos sacerdotes e os guardas gritaram:

R - «Crucifica-O Crucifica-O».

N – Disse-lhes Pilatos:

R - «Tomai-O vós mesmos e crucificai-O, que eu não encontro n’Ele culpa alguma».

N – Responderam-lhe os judeus:

R - «Nós temos uma lei e, segundo a nossa lei, deve morrer, porque Se fez Filho de Deus».

N – Quando Pilatos ouviu estas palavras, ficou assustado. Voltou a entrar no pretório e perguntou a Jesus:

R - «Donde és Tu

N – Mas Jesus não lhe deu resposta. Disse-Lhe então Pilatos:

R - «Não me falas? Não sabes que tenho poder para Te soltar e para Te crucificar?»

N Jesus respondeu-lhe:

J - «Nenhum poder terias sobre Mim, se não te fosse dado do alto. Por isso, quem Me entregou a ti, tem maior pecado».

N – A partir de então, Pilatos procurava libertar Jesus. Mas os judeus gritavam:

R - «Se o libertares, não és amigo de César: todo aquele que se faz rei é contra César».

N – Ao ouvir estas palavras, Pilatos trouxe Jesus para fora e sentou-se no tribunal, no lugar chamado “Lagedo”, em hebraico “Gabatá”. Era a Preparação da Páscoa, por volta do meio dia. Disse então aos judeus:

R - «Eis o vosso Rei

N – Mas eles gritaram:

R - «À morte, à morte! Crucifica-O!»

N – Disse-lhes Pilatos:

R - «Hei-de crucificar o vosso Rei

N – Replicaram-lhe os príncipes dos sacerdotes:

R - «Não temos outro Rei senão César».

N – Entregou-lhes então Jesus, para ser crucificado. E eles apoderaram-se de Jesus. Levando a cruz, Jesus saiu para o chamado Lugar do Calvário, que em hebraico se diz Gólgota. Ali O crucificaram, e com Ele mais dois: um de cada lado e Jesus no meio. Pilatos escreveu ainda um letreiro e colocou-o no alto da cruz; nele estava escrito: «Jesus de Nazaré, Rei dos judeus». Muitos judeus leram esse letreiro, porque o lugar onde Jesus tinha sido crucificado era perto da cidade. Estava escrito em hebraico, grego e latim. Diziam então a Pilatos os príncipes dos sacerdotes dos judeus:

R - «Não escrevas: ‘Rei dos Judeus’, mas que ele afirmou: ‘Eu sou o Rei dos judeus?’»

NPilatos retorquiu:

R - «O que escrevi, está escrito».

N – Quando crucificaram Jesus, os soldados tomaram suas vestes, das quais fizeram quatro lotes, um para cada soldado, e ficaram também com a túnica. A túnica não tinha costura: era tecida de alto a baixo como um todo. Disseram uns aos outros:

R - «Não a rasguemos, mas lancemos sortes, para ver de quem será».

N - Assim se cumpria a escritura: «Repartiram entre si as minhas vestes, deitaram sortes sobre a minha túnica». Foi o que fizeram os soldados. Estavam junto à cruz de Jesus, a sua Mãe, a irmã de Sua Mãe, Maria, mulher de Cléofas e Maria Madalena. Ao ver Sua Mãe e o discípulo que Ele amava, Jesus disse a Sua Mãe:

J - «Mulher, eis o Teu Filho».

N – Depois disse ao discípulo:

J - «Eis a tua Mãe».

N – E a partir daquele momento, o discípulo recebeu-A em sua casa. Depois, sabendo que tudo estava consumado e para que se cumprisse a Escritura, Jesus disse:

J - «Tenho sede».

N – Estava ali um vaso cheio de vinagre. Prenderam a uma vara, uma esponja embebida em vinagre e levaram-Lha à boca. Quando Jesus tomou o vinagre, exclamou:

J - «Tudo está consumado».

N – E inclinando a cabeça, expirou. (pausa).

N – Por ser a Preparação, e para que os corpos não ficassem na cruz durante o sábado, - era um grande dia aquele sábado – os judeus pediram a Pilatos que se lhes quebrassem as pernas e fossem retirados. Os soldados vieram e quebraram as pernas ao primeiro, depois ao outro que tinha sido crucificado com ele. Ao chegarem a Jesus, vendo-O já morto, não Lhe quebraram as pernas, mas um dos soldados trespassou-Lhe o lado com uma lança, e logo saiu sangue e água. Aquele que viu é que dá testemunho e o seu testemunho é verdadeiro. Ele sabe que diz a verdade, para que também vós acrediteis. Assim aconteceu para se cumprir a Escritura: «Hão-de olhar para Aquele que trespassaram». Depois disto, José de Arimateia, que era discípulo de Jesus, embora oculto por medo dos judeus, pediu licença a Pilatos para levar o corpo de Jesus. Pilatos permitiu-lho. José veio então tirar o corpo de Jesus. Veio também Nicodemos, aquele que, antes, tinha ido de noite ao encontro de Jesus. Trazia uma mistura de quase cem libras de mirra e aloés. Tomaram o corpo de Jesus e envolveram-no em ligaduras juntamente com os perfumes, como é costume sepultar entre os judeus. No local em que Jesus tinha sido crucificado, havia um jardim e, no jardim, um sepulcro novo, no qual ainda ninguém fora sepultado. Foi aí que, por causa da Preparação dos judeus, porque o sepulcro ficava perto, depositaram Jesus.

Palavra da salvação.

de[af1]

SUGESTÕES LITÚRGICAS

Terminada a narração da Paixão, terá lugar uma breve homília. Segue-se a oração universal e a adoração da Cruz. Neste dia os fiéis são convidados a darem a sua oferta para os Lugares Santos. Depois da adoração da Cruz, prepara-se o altar para a comunhão.

Neste dia, e amanhã, a Igreja não celebra a Eucaristia. Em tudo, observem-se as orientações do Missal Romano, podendo utilizar-se para maior comodidade a separata “Semana Santa”.

A entrada e saída são feitas em silêncio.

In: Cadernos Litúrgicos – Voz Portucalense

António Fonseca

EZEQUIEL, Santo (e outros)-10-ABRIL

Ezequiel, Santo
Profeta, Abril 10
Ezequiel, Santo
Ezequiel, Santo

Profeta

Quando vive, já terminou o império assírio com a queda de Nínive; agora os poderosos são os calduos, com Nabucodonosor. É uma época dificil para o povo de Israel. Em Jerusalém reina Joaquim, filho do piedoso rei Josías que morreu na batalha de Megiddo (609 a. C.). Num primeiro momento, Joaquim tenta afastar o colosso babilónico, mas termina unindo-se em coalisão com pequenas potências contra Nabucodonosor. Jeremias já deu a voz de alerta, sugerindo a submissão, mas o orgulho dos eleitos faz isso impossível. Em 598 os babilónios põem cerco a Jerusalém e Judá capitula. Seu preço á a deportação de grande parte da população, entre eles o rei Jeconías, filho de Joaquim que morreu durante o assédio. Com os deportados vai também o jovem Ezequiel que será o profeta do exilio.

Duas etapas marcam sua acção profética.

A primeira é antes da destrucção de Jerusalém pelos caldeus (598 a. C.). Aqui o homem de Deus se encontra com um povo racialmente orgulhoso e cheio de falso optimismo, fruto da presunção. "¿Como vai Deus abandonar-nos? ¡Estão as Promessas! É impossível uma catástrofe total". Assim falavam perante os requerimentos do profeta. É verdade que século e meio antes havia permitido Deus a desaparição de Samaría, o Reino do Norte; mas Jerusalém é outra coisa; Yahwéh habita nela. Pensavam que passaría como em tempos de Senaquerib, um século antes, quando teve que abandonar o assédio por uma intervenção milagrosa; agora Deus repetiría o prodígio. Ezequiel não pensa como eles. Afirma e prega que Jerusalém será destruída com o Templo. Diz a todos que chegou a hora do castigo divino para o povo israelita pecador; só resta aceitar com compunção e humildade os designios punitivos de Yahwéh. A esta altura o profeta tem uma missão ingrata porque é um agouro de males futuros e próximos. Para a gente simples e as autoridades passa por ser considerado como um judeu desprezável que não tem categoria para compreender os altos desígnios do Povo; é um derrotista cego de pessimismo.
A segunda fase de sua profecía se desenvolve uma vez consumada a catástrofe. Agora há que levantar os ânimos oprimidos; deve dar esperanças luminosas sobre um porvir melhor. Acreditavam os seus compatriotas deportados que Deus se havia excedido no castigo, o que lhes havia feito carregar com os pecados dos antepassados. "¡Nossos pais comeram os agraços e nós sofrimos dos dentes!", é o grito unânime de protesto. Ezequiel se preocupará em fazer-lhes ver que Deus há sido justo e que o castigo não tem outra finalidade senão a de os purificar antes de passar a uma nova etapa gloriosa nacional.
E isto faz Ezequiel empregando um estilo que não tem nada que ver com o dos profetas pre-exílicos Amós, Oseas, Isaías e Jeremías; não goza de sua simplicidade e frescor. Ezequiel pertence à classe sacerdotal, está cavalgando entre duas épocas e se aproxima à literatura apocalíptica do judaísmo tardío. Frequentemente sua mensagem vem expressando com o simbolismo das visões e também com o simbolismo de sua própria existência. É conhecidísima a visão "dos quatro viventes" (c. 1) em que, toda a criação simbolizada no homem, o touro, o leão e a águia, são o trono do Criador que vem triunfante e esplendoroso a visitar os exilados de Mesopotâmia. E o expressivo conteúdo da visão do "campo cheio de ossos" (c. 37) que revivem pelo poder de Yahwéh, cobrindo-se de nervos e carne, cobrando vida novamente. Ou a outra do "Templo de que nasce uma torrente de águas" (c. 47) para regar e fazer feroz a nova terra com plenitude edénica. Em todas elas está viva a mensagem de restauração nacional; voltará do exilio um povo purificado e virá com certeza uma teocracia messiânica.
Foi a vida profética de Ezequiel um período de vinte años (593-573) de ampla actividade para salvar as esperanças messiânicas de seus companheiros de infortúnio, ao derrubar-se a monarquia israelita. Talvez hoje na Igreja convenha também um novo tipo religioso que, surgido em horas de aturdimento e desalento geral, seja instrumento de Deus para salvar a crise de consciência que traz o desmoronamento dos princípios. Bem pode estar o secreto em copiar a fidelidade de Ezequiel.
Fulberto de Chartres, Santo
Bispo, Abril 10
Fulberto de Chartres, Santo
Fulberto de Chartres, Santo
Fulberto de Chartres (St. Fulbert) (v. 960 - 1028) Bispo de Chartres, amigo e discípulo de Gerberto de Aurillac. Sábio de renome, docente em ciências profanas, teólogo e científico, passou à história por ser o mestre de obra da reconstrução da esplêndida catedral de Chartres, depois do incêndio na noite de 7 de Setembro 1020. Ignora-se o seu lugar de nascimento exacto e a data do mesmo mas estima-se que podía ser originário de Picardía. Seu nome provém do alemão "volk" - povo e "bert" - brilhante, a tradução sería algo como "brilhante do povo".
Ao contrário de seus predecessores e de seus sucessores no episcopado de Chartres, todos filhos de familias nobres, Fulberto provinha de familia humilde. Se educou em Reims, onde muito provávelmente recebeu parte de sua formação de parte do arcebispo Gerberto d’Aurillac, futuro Papa de nome Silvestre II, conhecido por ser o "Papa do Ano Mil". Está documentada sua permanência em Reims ao longo do ano 984. Foi enviado logo a Chartres onde ensinou durante 20 anos antes de ser nomeado Bispo desta cidade com a idade de 50 anos (no ano 1007). Ali fundou uma escola de grande fama e notoriedade, a Escola de Chartres, de carácter neoplatónico e neopitagórico, que destacou principalmente em filosofía, matemáticas e astronomía, além de teología.
Morre em 10 de abril 1028. Desde 10 de abril 1861, a Igreja celebra sua festividade nesta data.
Foi um afamado mestre em teología mas também ensinou gramática, retórica, dialéctica, aritmética e geometría. Fulberto foi qualificado por seus contemporâneos como o «venerável Sócrates da academia de Chartres». Um ponto destacado requere o seu ensino acerca de astronomia e do manejo deoastrolábio, aprendido provavelmente em Reims através do arcebispo Gerberto que havia residido em Gerona e viajado pela Espanha muçulmana tomando contacto com a astronomía árabe. Devido tanto a seu cargo e posição como a sua profunda e extensa formação Fulberto manteve contacto constante e directo com os homens mais poderosos de sua época. Neste dominio, seu talento se fez notar depois do lamentável incêndio de sua catedral em 1020. Seu carisma lhe permitiu obter financiamento não somente dos particulares e grémios da cidade, mas também dos grandes de Europa, incluidos alguns soberanos pagãos como Knut, rei saxão de Dinamarca.
Foi preceptor de Roberto, filho do rei Hugo Capeto que mais tarde, já como rei Roberto II de França, conhecido como "o piedoso" o nomearía Bispo de Chartres, em 1007. Foi um Bispo consciente da necessidade de independência da Igreja. Foi conselheiro de numerosos príncipes e reis, entre outros de Inglaterra, Húngria e Dinamarca.
Gema Galgani, Santa
Virgem, Abril 10
Gema Galgani, Santa
Gema Galgani, Santa

Virgem

A história desta santa, tão perto de nós pelo tempo (1878-1903) e pelos costumes da vida quotidiana, tem coisas incríveis pelos fenómenos místicos de que foi protagonista.
Em certos períodos de sua atormentada vida suportou vexames de toda a espécie. O demónio aparecia-lhe até sob a figura do confessor para sugerir-lhe obscenidades. Outras vezes aparecía-lhe como um anjo luminoso; quando se via desmascarado, desaparecia numa grande chama vermelha deixando no chão uma estrela de cinza. Às vezes a golpeava e a deixava exânime no chão, onde a encontravam com o rosto tumefacto e com os ossos deslocados. Mas a animava a miúdo a companhia de Cristo, da Virgem e de seu anjo custódio. Assim contou ela mesma, por obediência, os acontecimentos que precederam o misterioso fenómeno dos estigmas: “Era a noite de 8 de Junho de 1899, quando de repente senti uma dor interna de meus pecados... Apareceu Jesus, com todas as feridas abertas; mas dessas feridas já não saía sangue, mas saíam umas chamas de fogo, que vieram tocar a minhas mãos, meus pés e meu coração. Pensei que morria...
As chagas que se haviam aberto apareciam cada semana das oito da noite de quinta-feira até às três da tarde de sexta-feira, acompanhadas com o êxtase. Ante estes fenómenos misteriosos, que foram logo motivo de curiosidade dos vizinhos de Lucca onde vivia Gema, a gente començou a chamá-la: “a menina da graça”. Era uma jovenzita crescida rapidamente e amadurecida pela experiência da dor. Era filha de um farmacêutico da provincia de Lucca, e quando tinha oito anos perdeu a mãe. Cuidaram dela os sete irmãos. Poucos anos depois morreu também o pai e ela, curada prodigiosamente duma grave enfermidade que a atormentava, pediu para entrar no convento, mas sua petição foi recusada. Foi recebida em casa do cavalheiro Mateo Giannini, e ali levou uma vida muto retirada, serena e obediente às directivas do padre espiritual e das Irmãs passionistas que se preocuparam com ela. Debaixo das luvas e do modestíssimo vestido ocultava os sinais de sua participação na paixão de Cristo. Entretanto as manifestações de sua santidade haviam superado os límites do bairro e da cidade. Muitos, que haviam ido a sua casa movidos pela curiosidade, saíam transformados em seu espírito. A doença óssea que a havia atacado desde muito jovem voltou a aparecer e a fazia sofrer atrozmente. Compreendeu que seu calvário estava para terminar. Mas em sua humildade não cria ter pago suficientemente com a moeda do sofrimento o privilégio de haver sido associada à paixão de Cristo. Morreu aos 25 anos, em 11 de abril de 1903. era a manhã de sábado santo. Canonizada por S.S. Pío XII em 2 de Maio de 1940
Antonio Neyrot de Rivoli, Beato
Mártir Dominicano, Abril 10
Antonio Neyrot de Rivoli, Beato
Antonio Neyrot de Rivoli, Beato
(1420-1460) Nasceu em Rívoli, Italia, ao redor do ano 1423. Ingressou nos dominicanos de Florência e nessa época de sua vida não se destacou precisamente pelo seu fervor. Numa viagem de Sicilia a Nápoles foi preso por uns corsários e levado para Tunís. Abraçou o Islão e contraiu matrimónio, mas nem sua nova religião nem o seu novo estado civil o fizeram feliz. Sabedor por mercadores genoveses que seu mestre S. Antonino havia morrido e fazia milagres, começou a encomendar-se à sua intercessão e obteve a graça de se converter.. Retomou o seu hábito de dominicano, e se dispôs a percorrer a cidade de Tunís, proclamando sua fé cristã.
Enquanto chorava seus pecados de joelhos ante o verdugo, a multidão impaciente se abalançou sobre ele e o matou. Depois passearam o seu cadáver peas ruas. António não tardou em ser venerado como mártir em Itália e Clemente XIII confirmou seu culto em 1767.
Marco Fantuzzi de Bolonia, Beato
Franciscano, Abril 10
Marco Fantuzzi de Bolonia, Beato
Marco Fantuzzi de Bolonia, Beato
Nascido em Bolonha aproximadamente no ano 1405, quando tinha 25 anos, logo dá um brilhante passo pela universidade na área das artes liberaiss1 ingressando nos Frades Menores no convento de S. Paulo em Monte.
Infatigável servo da Palavra, realizou uma famosa pregação Quaresmal em S. Petrónio (1455), e se dedicou à predigação popular inspirando-se em grandes modelos de seu tempo, como por exemplo S. Bernardo de Siena, S. Juan de Capistrano ou Santiago de la Marca.
Foi um arauto da Palabra em muitos lares de Itália, como Norcia, Mantova, Milán, Florence, Bolonia. Eleito por três ocasiões Vigário Geral da Ordem, trabalhou com firmeza e caridade evangélica para salvaguardar o movimento reformatório franciscano visitando vários conventos na Europa, Oriente e Terra Santa.
Em Bolonha promoveu a fundação do Mosteiro de Corpus Christi e o nascimento do Monte de Piedade. Morreu em Piacenza, logar de sua pregação quaresmal, seus restos mortais se guardam na igreja de Santa María de Campagna.
Seu culto foi confirmado por S.S. Pío IX em 1868.
1Artes liberais: Termo que designava os estudos que tinham como propósito oferecer conhecimentos gerais e destrezas intelectuais antes que destrezas profissionais ou ocupacionais especializadas, eram:
° a gramática, lingua "la lengua"; ° a dialéctica, tropus "las figuras"; ° a retórica, ratio "la razón"; ° a aritmética, numerus "los números"; ° a geometría, angulus "los ángulos"; ° a astronomía, astra "los astros"; y ° a música, tonus "los cantos".
Miguel de los Santos, Santo
Trinitário, Abril 10
Miguel de los Santos, Santo
Miguel de los Santos, Santo
(1591-1624)
Nasceu S. Miguel dos Santos em Vich, Catalunha, em 29 de Setembre de 1501. Desde a idade de cinco anos descobriu sua piedade. Indo com seus irmãos a uma vinha de seu pai, se desnudou e estendeu sobre uns espinhos, por amor de Deus e por imitar a S. Francisco. Aos doze anos passou a Barcelona e foi recebido no convento da Santíssima Trindade.
Havendo sabido que na Reforma Trinitária se observava a primitiva regra, partiu para Pamplona, onde o S. João Bautista da Concepción, fundador, lhe deu o hábito descalço, chamando-se desde então Frei Miguel de los Santos.
De Pamplona foi a Madrid, e por vários motivos fez a sua profissão em Alcalá de Henares. Recebeu a ordem sacerdotal por obediência. Jejuava com rigor, e só nas quinta-feiras e domingos comia pão e bebia água uma vez por dia.
Por obediência aceitou o cargo de superior. Em 1 de Abril de 1615 se senti doente e, recebido o Santo Viático, expirou no dia 10 do mesmo mês, aos trinta e três anos de idade, em Valladolid, onde se venera hoje o seu corpo.
Magdalena de Canossa, Santa
Fundadora, Abril 10
Magdalena de Canossa, Santa
Magdalena de Canossa, Santa

Virgem, fundadora da familia Canosiana, Filhos e Filhas da Caridade

MAGDALENA DE CANOSSA, mulher que acreditou no Amor do Senhor Jesus, foi enviada pelo Espírito entre os irmãos mais necessitados a que serviu com coração de mãe e ardor de apóstola.
Nasce em Verona em 1 de Março de 1774 de nobre e rica familia, terceira nascida de seis irmãos. Através de etapas muito dolorosas, como a morte de seu pai, as segundas núpcias de sua mãe, a doença e a incompreensão, o Senhor a guiou por caminhos imprevisiveis que Magdalena intenta recorrer com muitos esforços.
UMA CHAMADA
Atraída pelo Amor de Deus, aos 17 anos deseja consagrar sua vida a Ele e por duas vezes intenta a experiência do Carmelo. Mas o seu Espírito solicita-a interiormente a percorrer um novo caminho: deixar-se amar por Jesus, o Crucificado, pertencer a Ele só para dedicar-se completamente a seus irmãos afligidos por distintas pobrezas.
Volta a sua familia e, obrigada por eventos dolorosos e trágicas situações históricas de fins do século XVIII, encerra em secredo de seu coração a vocação e participa na vida do Palácio Canossa aceitando a gestão do grandioso património familiar.
UM DOM
Com empenho e dedicação, Magdalena cumpre com seus deveres diários e amplía seu círculo de amigos, ficando disponível à misteriosa acção do Espírito que, pouco a pouco, plasma seu coração e a faz partícipante da paixão do Padre para o homem, demonstrada no dom completo e supremo de Jesus Crucificado, no exemplo de María, a Virgem Mãe Dolorosa.
Presa por esta caridade, Magdalena ouve o grito dos pobres famintos de pão, instrução, compreensão e da Palavra de Deus. Ela os descobre nos bairros periféricos de Verona, onde os reflexos da Revolução francesa, as subsequentes dominações de Imperadores estrangeiros e as Páscoas de Verona, haviam deixado sinais de patente devastação e de sofrimento humano.
UM PROJECTO
Magdalena busca e encontra as primeiras companheiras chamadas a seguir Cristo pobre, casto, obediente e enviadas a testemunhar sua incondicionada Caridade entre os irmãos. Em 1808, superadas as últimas oposições de sua familia, Magdalena deixa definitivamente o Palácio Canossa para começar, no bairro mais pobre de Verona, aquela que interiormente reconhece como a vontade do Senhor: servir aos mais necessitados con o coração totalmente plasmado em Cristo.
UMA PROFECÍA
¡A Caridad é um fogo que inflama! Magdalena está disposta ao Espírito que a guia também entre os pobres de outras cidades: Venecia, Milán, Bérgamo, Trento ... Em poucos decénios, as fundações da Canossa se multiplicam, a familia religiosa cresce ao serviço do Reino.
O amor por Cristo Morto e Ressuscitado arde no coração de Magdalena que, com suas companheiras, volve-se em testemunho do mesmo Amor em cinco sectores específicos: a escola de caridade pelo crescimento integral da pessoa; a catequese a todas as classes, privilegiando aos mais longínquos; a assistência sobretudo às enfermas nos hospitais; seminários residenciais para formar mestras, que trabalhassem no campo, e preciosas colaboradoras dos párocos nas actividades pastorais; cursos de exercícios espirituais anuais para as damas da alta nobreza, com o fim de animá-las espiritualmente e envolvê-las nos diferentes âmbitos caritativos.
Mais tarde, esta actividade é dirigida a qualquer classe de pessoas.
Ao redor da figura e da obra de Magdalena nascem constantemente outros testemunhos da Caridade: a Naudet, o Rosmini, o Provolo, o Steeb, o Bertoni, a Campostrini, a Verzeri, a Renzi, os Cavanis, o Leonardi, todos fundadores de outras Familias religiosas.
UMA FAMILIA
A Institução das Filhas da Caridade obtém, entre 1819 e 1820, a aprovação eclesiástica nas diferentes dioceses onde as Comunidades já estão presentes. Em 23 de Dezembro de 1828, Sua Santidade León XII aprova a Constitução do Instituto com o Breve Si Nobis.
Depois de repetidas intenções negativas com D. António Rosmini e com D. António Provolo, até ao fim de sua vida, Magdalena consegue iniciar também o Instituto masculino que projectou já desde 1799.
Em Veneza, em 23 de Maio de 1831, abre o primeiro oratório dos Filhos da Caridade para a formação cristã dos jóvens e dos adultos, entregando-o ao Sacerdote veneziano D. Francesco Luzzo, coadjuvado por dois laicos de Bérgamo: Giuseppe Carsana e Benedetto Belloni.
Magdalena acaba sua intensa e fecunda existência terrena com a idade de 61 anos. Morre em Verona em 10 de abril de 1835 assistida por suas Filhas. Era Sexta-feira Santa.
UMA MISSÃO
¡Façam conhecer sobretudo a Jesus Cristo! A grande paixão do coração de Magdalena, é a grande herança que as Filhas e os Filhos da Caridade estão chamados a viver, uma disponibilidade radical, "dispostos pelo divino serviço a ir a qualquer povo, ainda o mais longínquo" (Magdalena, Ep. II / I, p. 266).
As Filhas da Caridade cruzam o Oceano até ao Extremo Oriente em 1860. Hoje são cerca de 4000, presentes nos cinco continentes, divididas em 24 Organismos.
Os Filhos da Caridade são cerca de 200 e trabalham em distintas cidades de Itália e do ultramar.
Irmãs e Irmãos Canosianos chamados "ad Gentes" tratam de entender e acolhem "as sementes do verbo", presentes em cada cultura e, com seus testemunhos, anunciam "o que hão visto, ouvido e contemplado...": o Amor do Pai que em Jesus Cristo alcança a todos os homens para que haja vida e, em este dar e recibir, o carisma se enriquece e se volta fecundo para o Reino.
O carisma que é o Espírito Santo em Magdalena seguramente não esgota sua vitalidade na realização dos dois Institutos. Como consequência, distintos grupos laicos encontram em Magdalena e em seu dom, sua especial maneira de viver a fé, de testemunhar a caridade nos distintos âmbitos apostólicos das distintas comunidades cristãs.
UM CANTO DE GRATIDÃO
A Igreja nos propõe a todos a Magdalena, e em especial, a seus Filhos e Filhas, como um testemunho do Amor gratuito e fiel de nosso Deus. A Ele damos graças pelo dom desta Mãe e Irmã e por sua intercessão pedimos podê-lo amar como Ela, por cima de qualquer outra coisa e facê-lo conhecer aos homens de nosso tempo, vivendo nossa específica vocação.
ORAÇÃO
Deus Omnipotente e Eterno
que dás a teus Santos uma grande luz
e um forte sustentar para a debilidade humana,
digna-te escutar nossa oração por
intercessão de Santa Magdalena de Canossa.
Dá-nos a graça de seguir a Cristo
humilde e pobre e de caminhar,
como Maria,
na fidelidade a tua Palavra,
para chegar até Ti
e participar um dia de tua glória
com todos os santos.
Por Cristo Nosso Senhor.
Amén
Reproduzido com autorização de Vatican.va http://es-catholic.net/santoral
Os mártires colombianos
da comunidade de San Juan de Dios
En 1934 estalló en España una cruel persecución contra los católicos por parte de los comunistas, masones y de la extrema izquierda. En pocos meses fueron destruidos en España más de mil templos católicos y gravemente averiados más de dos mil. Desde 1936 hasta 1939, los comunistas españoles asesinaron a 4100 sacerdotes seculares; 2300 religiosos; 283 religiosas y miles de laicos. Unas de las víctimas de esta persecución fueron siete jóvenes colombianos, hermanos de la Comunidad de San Juan de Dios, que estaban estudiando y trabajando en España a favor de los que padecían enfermedades mentales y se encontraban en condición de abandono. Sus nombres eran: Juan Bautista Velásquez, Esteban Maya, Melquíades Ramírez de Sonsón, Eugenio Ramírez, Rubén de Jesús López, Arturo Ayala y Gaspar Páez Perdomo de Tello. La Comunidad colombiana los había enviado a España a perfeccionar sus estudios de enfermería, y a asistir a los enfermos que vivían en un centro médicos ubicado en Ciempozuelos cerca de Madrid. Hasta dicho lugar, llegó personal del gobierno comunista español quienes les ordenaron abandonar el plantel y dejarlo en manos de empleados marxistas desconocedores de la medicina y de la dirección de centros médicos. Los siete jóvenes fueron hechos prisioneros y llevados a una cárcel de Madrid. Gracias a la intersección de la cancillería colombiana en el país, los jóvenes consiguieron su libertad, y ya su comunidad religiosa había gestionado los pasajes y viáticos para su retorno al país natal. Sin embargo, antes de abordar el tren que los transportaría a Barcelona, de donde partirían a Colombia, oficiales del gobierno comunista español los asesinaron cruelmente. El Cónsul de Colombia en España los identificó en el Hospital Clínico del país, y dio aviso a la congregación religiosa. Pese a las protestas por parte del gobierno colombiano y de la cancillería en España, el gobierno comunista realizó ninguna investigación pertinente, dejando sin castigo alguno a los responsables del asesinato de los religiosos. El Papa Juan Pablo II beatificó a los siete religiosos en 1992, convirtiéndose en los primeros beatos del país latinoamericano.
Esta última referência foi retirada de http://peque-semillitas.blogspot.com - de Felipe Urca (Argentina) Compilação de António Fonseca