OS MEUS DESEJOS PARA TODOS

RecadosOnline.com

quarta-feira, 20 de maio de 2009

EUGÉNIO DE MAZENOD, Santo (eoutros)-21-MAIO

Eugenio de Mazenod, Santo
Bispo e Fundador Maio 21
Eugenio de Mazenod, Santo
Eugenio de Mazenod, Santo

Bispo e Fundador dos Oblatos de María Inmaculada

Carlos José Eugenio de Mazenod nasceu em Aix-en-Provence, França, em 1 de agosto de 1782. Seu pai ocupava um importante cargo político pelo que a familia gozava de uma posição acomodada. O pequeno Eugenio possuia um temperamento autoritário e irascível; mas também uma grande nobreza de coração: numa ocasião, movido pela compaixão, trocou suas roupas com as de um menino carvoeiro.
Na primavera de 1794, a família teve que abandonar o país por razões políticas estabelecendo-se em Veneza. Eugénio, sendo estrangeiro, não tinha amigos nem ia à escola. Um sacerdote, o P. Bartolo Zaneli, o tomou sob o seu cuidado de modo informal. Graças a esta amizade, Eugénio começou a sentir-se atraído pelo sacerdócio. Posteriormente, sempre por razões políticas, os Mazenod mudaram-se para a Sicília para voltar mais tarde a França. Durante este período, Eugénio levou uma intensa vida social, cuja frivolidade e superficialidade o aborrecia e enfastiava. Assim, insatisfeito e desejoso de um sentido mais profundo para sua existência, em 12 de Outubro de 1808 chamou às portas do seminário de S. Sulpicio. Devido a sua maturidade e zelo pelas almas, os superiores do seminário o promoveram três anos mais tarde às sagradas ordens. En octubre de 1812 comenzó su ministerio sacerdotal en la región de Provenza, dedicándose especialmente a los pobres. Queriendo remediar el empobrecimiento espiritual de éstos a causa de la reciente revolución laicizante, fundó en Aix una asociación de sacerdotes seculares. Sus miembros recorrían la Provenza predicando en provenzal y de modo sencillo, buscando sobre todo la instrucción del pueblo en la doctrina cristiana. La asociación pronto se convirtió en la congregación de los Oblatos de María Inmaculada. León XII la aprobó, a pesar de la oposición de algunos obispos franceses, diciendo: “Me agrada esta sociedad; sé el bien que hace y quiero favorecerla”.
La misión del P. Mazenod como fundador hasta cierto punto había terminado, pero aún le esperaba un nuevo encargo: la diócesis de Marsella. El P. Eugenio, o mejor, Mons. Eugenio Mazenod tomó posesión el 24 de diciembre de 1837. Todo el espíritu de la congregación por él fundada se derramó sobre Marsella. En su deseo de estar cerca del pueblo, todos los días recibía a las personas desde las 10:00 de la mañana hasta las 2:00 de la tarde, sin necesidad de cita. Realizaba frecuentes visitas pastorales y pidió a sus sacerdotes que predicaran de forma sencilla explicando el credo, la santa misa y el evangelio. Luchó incansablemente por la libertad de enseñanza hasta lograr, con la promulgación de la ley Falloux, el derecho a la clase de religión. Creó 22 nuevas parroquias, edificó numerosas iglesias —entre ellas la misma catedral— y se establecieron 31 congregaciones religiosas en su diócesis. A pesar de su intensa actividad apostólica y de los sacrificios que ésta imponía a su cuerpo, pudo gozar de una larga vida. El obispo que predicaba en provenzal y había hecho de los pobres sus hijos predilectos, partió para el abrazo con el Padre el 21 de mayo de 1861, a la edad de 79 años. Fue canonizado el 3 de diciembre de 1995 por el papa Juan Pablo II.
Mártires Mexicanos do século XX (S. Cristóbal Magallanes e companheiros)
25 Mártires Mexicanos, Maio 21
Mártires Mexicanos de siglo XX (San Cristóbal Magallanes y compañeros)
Mártires Mexicanos de siglo XX (San Cristóbal Magallanes y compañeros)

Cristóbal Magallanes e 24 companheiros mártires

Em 1917 foi promulgada no México uma nova Constitução, firmada pelo presidente Don Venusiano Carranza. estava inspirada em princípios anticlericais e provocou uma era de violenta perseguição religiosa. Em 1926, sob a presidência de Don Plutarco Elías Calles, a perseguição se fez mais violenta, com a expulsão de alguns sacerdotes, o encerramento de escolas privadas e de obras de beneficência.
Foram muitos os fieis que sofreram o martírio por defender sua fé, dentre eles apresentamos agora a vinte e cinco que foram proclamados santos da Igreja por João Paulo II. Os 25 santos canonizados em 21 de
Mártires Mexicanos de siglo XX (San Cristóbal Magallanes y compañeros)
Mártires Mexicanos de siglo XX (San Cristóbal Magallanes y compañeros)
Maio de 2000 foram:
Cristobal Magallanes Jara, Sacerdote Roman Adame Rosales, Sacerdote Rodrigo Aguilar Aleman, Sacerdote Julio Alvarez Mendoza, Sacerdote Luis Batis Sainz, Sacerdote Agustin Caloca Cortés, Sacerdote Mateo Correa Magallanes, Sacerdote Atilano Cruz Alvarado, Sacerdote Miguel De La Mora De La Mora, Sacerdote Pedro Esqueda Ramirez, Sacerdote Margarito Flores Garcia, Sacerdote Jose Isabel Flores Varela, Sacerdote David Galvan Bermudez, Sacerdote Salvador Lara Puente, Laico Pedro de Jesús Maldonado Lucero, Sacerdote Jesus Mendez Montoya, Sacerdote Manuel Morales, Laico Justino Orona Madrigal, Sacerdote Sabas Reyes Salazar, Sacerdote Jose Maria Robles Hurtado, Sacerdote David Roldan Lara, Laico Toribio Romo Gonzalez, Sacerdote Jenaro Sanchez Delgadillo David Uribe Velasco, Sacerdote Tranquilino Ubiarco Robles, Sacerdote Para ver as biografías dos Mártires Mexicanos do século XX Haz Click AQUI
Paterno de Vannes, Santo
Bispo, Maio 21
Paterno de Vannes, Santo
Paterno de Vannes, Santo

Bispo

Martirológio Romano: Em Dariorige (hoje Vannes), na Bretanha Menor, comemoração de S. Paterno, bispo, de quem se conta que neste día foi ordenado bispo no concílio provincial reunido por S. Perpétuo de Tours nesta mesma sede (c. 460-490). Etimologicamente: Paterno = Pai, é de origem latina.
S. PATERNO DE VANNES nasceu provavelmente em Poitiers, França, e chegou a ser bispo de Vannes, nesse mesmo país. A diferença dos demais bispos fundadores de diocese na Bretanha, S. Paterno não era de origem bretã. Por seu nome, sua origem talvez haja sido galo romano. Sem embargo se desconhecem muitos detalhes acerca de sua vida.
Ao que parece, um concílio do ano 465 celebrado por seis bispos resolveu a necessidade ou a contingência de nomear um bispo para Vannes, e o cargo recaiu em S. Paterno. Luego de fijar los límites del nuevo obispado, San Paterno enfrentó difíciles conflictos, tanto con los partidarios de un cristianismo local de tradición celta, como los de un cristianismo de corte más bien galo-romano. Una inmigración de bretones que regresaba de la Gran Bretaña vino a complicarle la situación, pues tenía que conciliar a gente con ideas y experiencias distintas. Dentro de este contexto, San Paterno fue un artífice de la unidad, y durante un tiempo supo mantener el equilibrio con las distintas facciones en pugna. Sin embargo, las intrigas y la incomprensión lo forzaron a dimitir y a exilarse, por lo que se retiró a la soledad de una ermita, donde murió en penitencia y en el olvido total. En 1964, el papa Paulo VI declaró a San Paterno santo patrono de la diócesis de Vannes. SAN PATERNO DE VANNES nos enseña la importancia de transmitir y mantener la unidad entre grupos con intereses distintos.
Manuel Gómez González, Beato
Sacerdote e Mártir, Maio 21
Manuel Gómez González, Beato
Manuel Gómez González, Beato

Sacerdote e Mártir

Nasceu em 29 de Maio de 1877 em As Neves (perto de Tui, província de Pontevedra, Espanha). Ao dia seguinte foi baptizado na igreja paroquial. Era o filho primogénito de José Gómez Rodríguez e Josefa González Durán. Recebeu a confirmação em 20 de Setembro de 1878.
Depois dos estudos de primária no seu povo natal, entrou no seminário menor diocesano de S. Pelayo, em Tui. Logo passou ao seminário maior, onde fez os estudos de filosofía e teologia. Recebeu a ordenação sacerdotal em 24 de Maio de 1902.
Durante el breve período de tiempo que permaneció en su diócesis, ejerció el ministerio sacerdotal como coadjutor en la parroquia de As Neves, pero en 1905, con los debidos permisos, se incardinó en la vecina archidiócesis de Braga (Portugal). Allí, su primer cargo fue el de párroco de Nossa Senhora di Extremo, en Valdevez (1906-1911). Luego fue trasladado a las parroquias de Taias y Barroças, en Monsão, donde estuvo hasta 1913 cuando, a causa de la persecución religiosa en Portugal, le permitieron partir para Brasil. En este nuevo destino, después de una breve estancia en Río de Janeiro, monseñor Miguel de Lima Valverde, lo acogió en la diócesis de Santa María (Rio Grande do Sul). Cuando el párroco de Saudade, João Antônio Faria, también él de la archidiócesis de Braga, tuvo que volver a Portugal por enfermedad de su padre, don Manuel lo sustituyó durante varios meses; al regresar don João, le ayudó como coadjutor hasta que, a fines del año 1915, el obispo nombró al padre Manuel párroco de Nonoai. En su parroquia, que tenía una extensión inmensa, promovió y organizó la catequesis; impulsó la participación de los fieles en las santas misas y en los sacramentos. Con tenacidad y gran celo apostólico logró vencer la indiferencia de mucha gente; asimismo, contribuyó a mejorar la calidad de vida de los fieles. Allí llevó a cabo una labor pastoral tan intensa que en ocho años cambió el rostro de la parroquia, cuidando también de los indios. Recorrió a lo largo y a lo ancho el territorio de su vasta parroquia, fundando pequeñas comunidades. Dado que no había escuelas en aquellos lugares, abrió una en su propia casa; en ella enseñaba gratuitamente a niños y adolescentes. Además, como había gran carestía de todo, con espíritu de iniciativa, construyó un horno para la fabricación de ladrillos; así pudo edificar la casa parroquial y viviendas para la población, que destinó a los más pobres, los cuales no necesitaban pagar alquiler. Restauró la iglesia y se esforzó por fomentar el cultivo de arroz y patatas. Como atestiguan quienes le conocieron, era un sacerdote alegre y caritativo. Sufría con los que sufrían. Hacía siempre el bien. Sepultaba a los muertos y ayudaba a las viudas. Carmelinda Daronch Socal, hermana del acólito Adílio, muerto mártir con don Manuel, atestiguó: "Era muy amable y respetado por todos. Era considerado la persona más importante del lugar. Aconsejaba a las personas. Era caritativo. Poseía un carisma muy especial. Don Manuel enseñaba a orar, a leer y a escribir. Sus misas eran muy hermosas. Yo participaba siempre en las celebraciones con mi familia". Otra hermana de Adílio, Zolmira, también da un testimonio de su admiración por el santo párroco: "Don Manuel era una persona muy amiga de mi familia. Él y mi padre dialogaban con frecuencia. Fue él quien me dio la primera Comunión. Todos los parroquianos lo admiraban porque era una de las pocas personas que se preocupaba de la gente e instruía a los fieles. Don Manuel era simpático, amable, humilde; tenía buenas relaciones con todos. Era un hombre trabajador, recorría todos los lugares a lomos de su asno". En varias ocasiones debió ocuparse incluso de la vecina parroquia de Palmeiras das Missões, en calidad de administrador, en la región de Colônia Militar, cerca del río Uruguay, en las inmediaciones de la frontera con Argentina. Fue precisamente en el territorio de esta segunda parroquia encomendada a su cuidado pastoral donde sufrió el martirio. En el mes de mayo de 1924, el obispo de Santa María, monseñor Àtico Eusébio da Rocha, le pidió que fuera a visitar a un grupo de colonos brasileños de origen alemán instalados en la floresta de Três Passos. El padre Manuel celebró la Semana santa en la parroquia de Nonoai; luego emprendió el viaje, acompañado del joven Adílio, sin preocuparse de los peligros de esa región, sacudida por movimientos revolucionarios. La primera etapa fue Palmeiras das Missões —distante 80 km—, donde administró los sacramentos. Prosiguió después su viaje hasta Braga y, luego, a Colônia Militar donde, el 20 de mayo de 1924, celebró por última vez la santa misa. Los fieles indígenas avisaron al sacerdote del peligro que correría si penetraba en la floresta, pero él no les hizo caso, porque ardía en deseos de llevarles la gracia divina. Al llegar a un emporio, en busca de informaciones sobre cómo llegar a los colonos de Três Passos, se encontraron con algunos militares que, amablemente, se ofrecieron para acompañarlos. En verdad, se trataba de una emboscada organizada premeditadamente. El padre Manuel y su fiel monaguillo Adílio, que entonces sólo tenía dieciséis años, en realidad fueron llevados a una zona remota de la floresta, donde los esperaban los jefes militares para asesinarlos. Un testigo narra: "No había pasado media hora cuando repentinamente se escucharon varios disparos procedentes del bosque, a poca distancia de donde nos encontrábamos. Eran las nueve de la mañana del miércoles 21 de mayo de 1924. Nos preguntábamos a qué habían disparado los soldados. Luego, cuando, media hora después, volvieron los militares, nadie se atrevía a decir nada, por miedo a los revolucionarios, y menos a ir al bosque a averiguar lo que había pasado. Podía haber sucedido cualquier cosa. Al día siguiente, jueves, por la tarde, aparecieron dos asnos sin aparejos, comiendo. El campesino del lugar, al no conocerlos, los echó de allí; por la tarde, llegaron a la tierra del señor Diesel, el cual reconoció que eran los asnos del sacerdote y del muchacho. Sin perder un instante, montó a caballo y fue de prisa hasta la capilla católica de Três Passos. Al llegar, preguntó: ¿Ha llegado el padre Manuel para celebrar la misa? Le respondieron que no. Entonces dedujeron que los habían matado en la floresta de Feijão Miúdo". Efectivamente, don Manuel Gómez González y Adílio Daronch, en un altozano, habían sido maltratados, y luego atados a dos árboles y fusilados, muriendo así por odio a la fe cristiana y a la Iglesia católica. Reproducido con autorización de Vatican.va
Adilio Daronch, Beato
Acólito Mártir, Maio 21
Adilio Daronch, Beato
Adilio Daronch, Beato
Nasceu em 25 de Outubro de 1908 numa família descendente de emigrantes de Itália. Seus avós, Sebastiano Daronch e Francesca Schena, Chegaram a Brasil em 1890, junto com seus filhos Luigi, Vincenzo, Giovanna Maria e Pietro, o pai de Adílio. Se estabeleceram perto de Rio de Janeiro, mas Pietro, com a idade de 18 anos, mudou-se para Dona Francisca (distante 30 km) para trabalhar como aprendiz de sapateiro e talabartero. Em 15 de Janeiro de 1905, se casou com Judithe Segabinazzi. O novo matrimónio se instalou em Dona Francisca, onde nasceram seus três primeiros filhos: Herminia, Abílio Francisco e Adílio. Sem embargo, alguns anos depois, a família teve que mudar-se para Passo Fundo e depois para Nonoai.
Pietro y Judithe formaron un ambiente familiar unido y profundamente religioso. Eran muy caritativos. Dado que tenían una farmacia, aprovechaban la ocasión para ayudar a muchos enfermos que no tenían recursos: distribuían medicinas, sobre todo en el tiempo de la epidemia de fiebre española, en 1918, que mató a millones de personas en todo el mundo. Pietro murió el 5 de mayo de 1923 y Judithe el 23 de marzo de 1932. Adílio era un niño sencillo y religioso. Le gustaba mucho orar y acompañar al párroco don Manuel. Sobre todo le ayudaba en las misas como monaguillo. Cuando don Manuel recibió el encargo de dirigirse a la floresta de Três Passos, cerca de la frontera con Argentina, para realizar una visita pastoral a un grupo de colonos brasileños de origen alemán, tenía decidido llevar como acompañante a Cândido dos Santos, pero este se enfermó. Entonces pidió a Judithe Daronch que le permitiera llevarse a su hijo Adílio. Así la divina Providencia condujo al joven acólito hasta la gloria del martirio. Reproducido con autorización de Vatican.va
Juan Mopinot (Hno. León), Beato
Mártir Lasallista, Maio 21
Juan Mopinot (Hno. León), Beato
Juan Mopinot (Hno. León), Beato
O Irmão León, era também da comunidade de Moulins e acompanhou na prisão ao Irmão Roger, seu Director.
Juan Mopinot, como se chamava civilmente, havia nascido em Reims, na paróquia de Santiago, de tantos recordações nas orígens do Instituto dos Irmãos das Escolas Cristãs, em 12 de Dezembro de 1724. Foi baptizado pelo Padre Huberto Vuyart, sacerdote da paróquia.
Estudió con los Hermanos en la escuela de Thillois. Ingresó en el noviciado de San Yon el 14 de enero de 1744, con 19 años. Con el Hábito recibió el nombre de Hno. León. El 1º de noviembre de 1749 emitió los votos perpetuos. De su estancia en Moulins hay un testimonio que dice: «Casi todas las personas distinguidas de la ciudad habían recibido la primera instrucción con el Hno. León». Fue también detenido, como el Hno. Roger, el 11 de junio de 1793.
En el acta de confiscación de la escuela, en 1792, se dice que en el cuarto del Hno. León había: «un somier, un jergón, un colchón, una manta, un armario pequeño con dos puertas y un cajón abajo, y una candela de cobre». El Hno. León tenía 68 años cuando fue encarcelado. Como otros presos, había esperado que a causa de la edad avanzada no sería deportado. Pero las autoridades no tuvieron ninguna conmiseración. En la «Positio», citando al abate Labiche, se dice: «Figura en la lista de los que iban a ser deportados el 31 de marzo de 1794. Luego lo encontramos en Rochefort. Embarcado en "Les Deux-Associés ", su estancia fue corta en el navio, pues murió el 21 de mayo. Lo enterraron en la isla de Aix». Y el abate Labiche añade: «No puedo elogiar mejor al Hno. León que diciendo que era un santo. Tenía entre todos nosotros esa fama, y la merecía. La muerte, por lo demás, no hizo sino confirmar esta opinión favorable. Este santo hombre había conservado, en una edad muy avanzada, la jovialidad de la la juventud». En medio de sus sufrimientos, el Hno. León había mantenido constantemente una serenidad sobrenatural y un deseo vehemente de ver a Dios. htpp://es.catholic.net/santoral Recolha, transcrição e tradução parcial de António Fonseca

UM ANO COM SÃO PAULO (26)

CONTINUAÇÃO (26)
Do livro "Um ano com São Paulo" da Editorial Missões - Cucujães, escrito pelo Pde. Januário dos Santos, com os textos bíblicos retirados da BÍBLIA SAGRADA, (tradução dos Monges de Maredsous) e publicado em Junho de 2008, passo a transcrever (com a devida vénia) alguns dos textos dos Actos dos Apóstolos e das Epístolas de S. Paulo, - ali inseridos - desde 19 de Abril:
Até (6/Maio) transcrevi textos dos Actos dos Apóstolos. A partir desta data inicia-se a transcrição da Epístola Aos Romanos, que tal como a anterior (e todas as seguintes) seguem a ordem dos dias do calendário, conforme aliás está apresentado no livro Um Ano com São Paulo.
NA EDIÇÃO DE HOJE, PASSO A TRANSCREVER AS PALAVRAS DE S. PAULO SEM SER EM ITÁLICO, COMO VINHA FAZENDO ATÉ AGORA; APENAS O FAREI QUANDO APAREÇAM FRASES ESCRITAS POR PROFETAS, OU SALMOS OU AINDA PALAVRAS DITAS POR DEUS NOSSO SENHOR... ... E TAMBÉM NUM TIPO DE LETRA UM POUCO MAIOR...
Dias 14, 15, 16, 17 e 18 de MAIO
SUBMISSÃO ÀS AUTORIDADES (Rom. 13, 1-7)
Paulo fala aqui da obediência às autoridades e da contribuição que todos devem dar para o bem da comunidade. Quando o Apóstolo escreveu isto à minúscula comunidade de Roma, já reinava Nero mas ainda não tinha rebentado a perseguição aos cristãos. Supõe-se que as autoridades sejam legitimas e honestas.
1 Cada qual seja submisso às autoridades constituidas, porque não há autoridade que não venha de Deus; as que existem forma instituidas por Deus. 2 Assim, aquele que resiste à autoridade opõe-se à ordem estabelecida por Deus; e os que a ela se opõem, atraem sobre si a condenação. 3 Em verdade, as autoridades inspiram temor, não porém a quem pratica o bem, mas sim a quem faz o mal! Não queres temer a autoridade? Faz o bem e terás o seu louvor. 4 Porque ela é instrumento de Deus para teu bem. Mas se fizeres o mal, teme, porque não é à toa que usa a espada; é ministro de Deus, para fazer justiça e para exercer a ira contra aquele que pratica o mal. 5 Portanto, é necessário sunbmeter-se, não somente por temor do castigo, mas também por dever de consciência. 6 É também por essa razão que pagais os impostos, pois os magistrados são ministros de Deus, quando exercem pontualmente esse ofício. 7 Pagai a cada um o que lhe compete; o imposto, a quem deveis o imposto; o tributo, a quem deveis o tributo; o temor e o respeito, a quem deveis o temor e o respeito.
Frase para recordar: Faz o bem e terás o louvor da autoridade
AMOR MÚTUO (Rom. 13, 8-10)
Podemos definir a vida cristã como uma vida de amor: amar a Deus e amar o próximo. Devemos amar porque o amor supera todos os outros sentimentos por mais nobres que sejam.
8 A ninguém fiqueis devendo coisa alguma, a não ser o amor recíproco; porque aquele que ama o seu próximo cumpriu toda a lei. 9 Pois os preceitos: Não cometerás adultério, não matarás, não furtarás, não cobiçarás, e ainda outros mandamentos que existem, resumem-se nestas palavras: Amarás o teu próximo como a ti mesmo. 10 A caridade não pratica o mal contra o próximo. Portanto, a caridade é o pleno cumprimento da lei.
Frase para recordar: O amor é o pleno cumprimento.
VILGILÂNCIA E PUREZA (Rom. 13, 11-14)
A exortação sobre a conduta da vida cristã termina com uma recomendação escatológica. Precisamos de nos preparar para o dia do Senhor: deixarmos as obras das trevas e revestirmo-nos das armas da luz.
11 Isto é tanto mais importante porque sabeis em que tempo vivemos. Já é hora de despertardes do sono. A salvação está mais perto do que quando abraçámos a fé. 12 A noite vai adiantada, e o dia vem chegando. Despojemo-nos das obras das trevas e vistamo-nos das armas da luz. 13 Comportemo-nos honestamente como em pleno dia: nada de orgias, nada de bebedeira; nada de desonestidades nem dissoluções; nada de contendas, nada de ciúmes. 14 Ao contrário, revesti-vos do Senhor Jesus Cristo e não sigais os desejos da carne nem lhe satisfaçais os apetites.
Frase para recordar: Revesti-vos do Senhor Jesus Cristo e não sigais os desejos da carne.
DEVER DE TOLERÂNCIA (Rom. 14, 1-12)
Toda a actuação do cristão se deve pautar pela compreensão caridosa.
1 Acolhei aquele que é fraco na fé com bondade, sem discutir as suas opiniões. 2 Um crê que pode comer de tudo; outro, que é fraco, só come legumes. 3 Quem come de tudo não despreze aquele que não come. Quem não come não julgue aquele que come, porque Deus o acolhe do mesmo modo. 4 Quem és tu, para julgares um servo de outros? Que esteja firme ou caía, isso é lá com o seu senhor. Mas ele estará firme, porque poderoso é Deus para o sustentar. 5 Um faz distinção entre dia e dia; outro, porém, considera iguais todos os dias. Cada um proceda segundo a sua convicção. 6 Quem distingue o dia faz assim pelo Senhor. Quem come de tudo, fá-lo pelo Senhor, porque dá graças a Deus. E quem não come, abstém-se pelo Senhor, e igualmente dá graças a Deus. 7 Nenhum de nós vive para si, e ninguém morre para si. 8 Se vivemos, vivemos para o Senhor, se morremos, morremos para o Senhor: Quer vivamos quer morramos, pertencemos ao Senhor. 9 Para isso é que morreu Cristo e retomou a vida, para ser o Senhor tanto dos mortos como dos vivos. 10 Porque julgas, então, o teu irmão? Ou porque desprezas o teu irmão? Todos temos que comparecer perante o tribunal de Deus. 11 Porque está escrito: Por minha vida, diz o Senhor, diante de mim se dobrará todo o joelho e toda a língua dará glória a Deus (Is 45,23). 12 Assim. pois cada um, de nós dará conta de si mesmo a Deus.
Frase para recordar: Pertencemos ao Senhor.
EVITAR O ESCÂNDALO DOS FRACOS (Rom. 14, 13-23)
Não escandalizes o irmão mais fraco por uma questão de comida porque nenhuma coisa é impura em si mesma.
13 Deixemos, pois, de nos julgar uns aos outros, antes, preocupai-vos em não pôr um tropeço diante do vosso irmão ou dar-lhe ocasião de queda.
14 Sei e estou convencido no Senhor Jesus de que nenhuma coisa é impura em si mesma: somente o é para quem a considera impura. 15 Ora, se por uma questão de comida, entristeces o teu irmão, já não vives segundo a caridade. Pela comida não causes a perdição daquele por quem Cristo morreu! 16 Não venha a tornar-se objecto de calúnia a tua vantagem. 17 O Reino de Deus não é comida nem bebida, mas justiça, paz e gozo no Espírito Santo. 18 Quem deste modo serve a Cristo, agrada a Deus e goza da estima dos homens. 19 Portanto, apliquemo-nos no que contribui para a paz e para a mútua edificação. 20 Não destruas a obra de Deus por questão de comida. Todas as coisas, na verdade, são puras, mas o que é mau para um homem é o facto de comer provocando um escândalo. 21 Bom é não comer carne, nem beber vinho, nem outra coisa que para o teu irmão possa ser uma ocasião de queda. 22 Tens uma convicçâo: guarda-a para ti mesmo, diante de Deus. Feliz é aquele que não se condena a si mesmo no acto a que se decide. 23 Mas, aquele que come apesar das suas dúvidas, condena-se, por não se guiar pela convicção. Tudo o que não procede da convicção é pecado.
Frase para recordar: Não destruas a obra de Deus por questão de comida.
UM ANO COM SÃO PAULO Pde Januário dos Santos Ed. Editorial Missões Cucujães-2008 António Fonseca

UM ANO COM SÃO PAULO (25)

CONTINUAÇÃO (25)
Do livro "Um ano com São Paulo" da Editorial Missões - Cucujães, escrito pelo Pde. Januário dos Santos, com os textos bíblicos retirados da BÍBLIA SAGRADA, (tradução dos Monges de Maredsous) e publicado em Junho de 2008, passo a transcrever (com a devida vénia) alguns dos textos dos Actos dos Apóstolos e das Epístolas de S. Paulo, - ali inseridos - desde 19 de Abril:
Até (6/Maio) transcrevi textos dos Actos dos Apóstolos. A partir desta data inicia-se a transcrição da Epístola Aos Romanos, que tal como a anterior (e todas as seguintes) seguem a ordem dos dias do calendário, conforme aliás está apresentado no livro Um Ano com São Paulo.
NA EDIÇÃO DE HOJE, PASSO A TRANSCREVER AS PALAVRAS DE S. PAULO SEM SER EM ITÁLICO, COMO VINHA FAZENDO ATÉ AGORA; APENAS O FAREI QUANDO APAREÇAM FRASES ESCRITAS POR PROFETAS, OU SALMOS OU AINDA PALAVRAS DITAS POR DEUS NOSSO SENHOR... ... E TAMBÉM NUM TIPO DE LETRA UM POUCO MAIOR...
Dias 9, 10, 11, 12 e 13 de MAIO
SALVAÇÃO DE ISRAEL (Rom. 11, 25-32)
Se Deus permitiu que judeus e pagãos caissem na infidelidade foi para mostrar a sua misericórdia as todos os que pela fé aceitaram a salvação.
25 Não quero, irmãos, que ignoreis este mistério, para que não vos gabeis da vossa sabedoria: esta cegueira de uma parte de Israel só durará até que haja entrado a totalidade dos pagãos. 26 Então Israel em peso será salvo, como está escrito: Virá de Sião o libertador, apartará de Jacob a impiedade. 27 E esta será a minha aliança com eles, quando eu tirar os seus pecados (Is 59,20s; 27,9). Se, quanto ao Evangelho, eles são inimigos de Deus, para proveito vosso, quanto à eleição eles são muito queridos por causa de seus pais. 29 Pois os dons e o chamamento de Deus são irrevogáveis. 30 Assim como vós antes fostes desobedientes a Deus, e agora obtivestes misericórdia com a desobediência deles, 31 assim eles são incrédulos agora, em consequência da misericórdia feita a vós, para que eles também mais tarde alcancem, por sua vez, a misericórdia. 32 Deus encerrou a todos estes homens na desobediência para usar com todos de misericórdia.
Frase para recordar: Deus encerrou a todos estes homens na desobediência para usar com todos de misericórdia.
LOUVOR À SABEDORIA DIVINA (Rom. 11, 33-36)
Perante o mistério insondável da sabedoria e da bondade de Deus, Paulo extasia-se e deixa brotar do seu coração entusiasmado um pequenino hino de admiração e de louvor ao que é princípio, meio e fim de tudo.
33 Ó abismo da riqueza, da sabedoria e da ciência de Deus! Quão impenetráveis são os seus juízos e inexploráveis os seus caminhos! 34 Quem pode compreender o pensamento do Senhor? Quem jamais foi o seu conselheiro? 35 Quem lhe deu primeiro, para que lhe seja retribuído? 36 D'Ele, por Ele e para Ele são todas as coisas. A Ele glória por toda a eternidade! Amén.
Frase para recordar: A Ele a glória por toda a eternidade! Amén.
A VERDADEIRA RELIGIÃO (Rom. 12, 1-2)
A vivência cristã, no dia a dia, tem o valor de um sacrifício que Deus aceita. Mais que fazer muitos actos de louvor a Deus é preciso fazer da vida um contínuo acto de amor a Deus.
1 Eu vos exorto, pois, irmãos, pela misericórdia de Deus, a oferecerdes os vossos corpos em sacrifício vivo, santo, agradável a Deus: é este o vosso culto espiritual. 2 Não vos conformeis com este mundo, mas transformai-vos pela renovação do vosso espírito, para que possais discernir qual é a vontade de Deus, o que é bom, o que lhe agrada e o que é perfeito.
Frase para recordar: Não vos conformeis com este mundo.
O BEM COMUM, ANTES DE TUDO (Rom. 12, 3-8)
Ninguém se deve julgar superior aos outros. Todos nós temos dons e carecemos de dons. Somos membros de um corpo em que cada membro tem a sua função. O importante é que exerçamos bem a nossa própria função.
3 Em virtude da graça que me foi dada, recomendo a todos e a cada um: não façais de vós próprios uma opinião maior do que convém, mas um conceito razoavelmente modesto, de acordo com o grau de fé que Deus vos distribuiu. 4 Pois, como num só corpo temos muitos membros e cada um dos nossos membros tem diferentes funções, 5 assim nós, embora sejamos muitos, formamos um só corpo em Cristo, e cada um de nós é membro um do outro. 6 Temos dons diferentes conforme a graça que nos foi conferida. Aquele que tem o dom da profecia, exerça-o conforme a fé. 7 Aquele que é chamado ao ministério, dedique-se ao ministério. Se tem o dom de ensinar, que ensine; 8 o dom de exortar, que exorte; aquele que distribui as esmolas, faça-o com simplicidade; aquele que preside, presida com zelo; aquele que exerce a misericórdia, que o faça com afabilidade.
Frase para recordar: Temos dons diferentes conforme a graça que nos foi conferida.
CARIDADE FRATERNA (Rom. 12, 9-21)
Paulo exorta, com palavras simples, a prática da caridade que é favorecida pela humildade.
9 Que a vossa caridade não seja fingida. Aborrecei o mal, apegai-vos solidamente ao bem. 10 Amai-vos mutuamente com afeição terna e fraternal. Rivalizai em honrar-vos uns aos outros. 11 Não relaxeis o vosso zelo. Sede fervorosos de espírito. Servi o Senhor. 12 Sede alegres na esperança, pacientes na tribulação e perseverantes na oração. 13 Socorrei as necessidades dos fiéis. Esmerai-vos na prática da hospitalidade. 14 Abençoai os que vos perseguem; abençoai-os, e não os amaldiçoeis. 15 Alegrai-vos com os que se alegram; chorai com os que choram, 16 Viver em boa harmonia uns com os outros. Não vos deixeis levar pelo gosto das grandezas; afeiçoai-vos às coisas modestas. Não sejais sábios aos vossos próprios olhos. 17 Não pagueis a ninguém o mal com o mal. Aplicai-vos a fazer o bem diante de todos os homens. 18 Se for possível, quando depender de vós, vivei em paz com todos os homens. 19 Nao vos vingueis uns dos outros, caríssimos, mas deixai agir a ira de Deus, porque está escrito: A mim a vingança; a mim exercer a justiça, diz o Senhor (Deut 32, 35). 20 Se o teu inimigo tiver fome, dá-lhe de comer, se tiver sede, dá-lhe de beber. Procedendo assim, amontoarás carvôes em brasa sobre a sua cabeça (Prov 25,21s). 21 Não te deixes vencer pelo mal, mas triunfa do mal com o bem.
Frase para recordar: Triunfa do mal com o bem.
UM ANO COM SÃO PAULO Pde Januário dos Santos Ed. Editorial Missões Cucujães-2008 António Fonseca