OS MEUS DESEJOS PARA TODOS

RecadosOnline.com

sábado, 30 de maio de 2009

JUSTINO, SANTO (e outros)-1 de JUNHO

 
 
Justino, Santo
Mártir, Junho 1
 
Justino, Santo
Justino, Santo

Mártir

Filósofo cristão e cristão filósofo, como com razão foi definido, Justino (que nasceu em princípios do século II em FIavia Neápolis—Nablus—, a antiga Siquem, em Samaria, de familia pagã) pertence a esse grande número de pensadores que em todo o período da história da Igreja tem tratado de fazer uma síntese da provisional sabedoría humana e das inalteráveis afirmações da revelação cristã. O itinerário de sua conversão a Cristo passa através da experiência estóica, pitagórica, aristotélica e neoplatónica. Daquí o desembocar quase ineviável, o melhor providencial, até à Verdade integral do cristianismo.
O mesmo conta que, insatisfeito das respostas que lhe davam as diversas filosofías, se retirou a um lugar deserto,à beira do mar, a meditar, e que um ancião a que havia confiado sua desilusão o contestou que nenhuma filosofía podía satisfazer o espírito humano, porque a razão é incapaz por sí só de garantir a plena possessão da verdade sem uma ajuda divina.
Assim foi como Justino descobriu o cristianismo aos trinta anos; se converteu em convencido pregador e, para proclamar ao mundo esta feliz descoberta, escreveu suas duas Apologías. A primeira a dedicou no ano 150 ao imperador Antonino Pío e ao filho Marco Aurélio, e também ao Senado e ao povo romano. Escreveu outras obras, pelo menos umas oito. Entre elas a mais importante á intitulada Diálogo com Trifón, e se recorda porque abre o caminho à polémica antijudaica na literatura cristã. Mas as duas Apologías seguem sendo o documento mais importante, pois graças a estes escritos sabemos como se explicava o cristianismo nesse tempo e como se celebravam os ritos litúrgicos, sobretudo a administração do baptismo e a celebração da Eucaristía. Aquí não se encontram argumentos filosóficos, mas sim testemunhos comovedores de vida na primitiva comunidade cristã, da que Justino está feliz de pertencer: “Eu, um de eles...”. Semelhante afirmação podia custar-lhe a vida. E, com efeito, Justino pagou com a vida sua pertença à Igreja.
Havia ido a Roma, e ali foi denunciado por Crescêncio, um filósofo com quem Justino havia disputado muito tempo. O magistrado que o julgou, Rústico, também era um filósofo estóico, amigo e confidente de Marco Aurélio. Mas para o magistrado, Justino não era mais que um cristão, igual a seus companheiros, todos condenados à decapitação por sua fé em Cristo. Todavia hoje se conservam actas autênticas do martírio de Justino.
Felix de Nicósia, Santo
Religioso Capuchinho, Junho 1
 
Felix de Nicosia, Santo
Felix de Nicosia, Santo

Religioso Capuchinho

Nasceu no ano 1715 em Nicósia (Sicília), no seio de uma família humilde e muito religiosa. Cedo teve que trabalhar no ofício de seu defunto pai, que era sapateiro, para ajudar aos seus. Após receber várias negativas, conseguiu ser admitido na Ordem capuchinha. Feita a profissão, o enviaram ao convento de seu povo, onde por espaço de mais de quarenta anos exerceu o ofício de esmoler, desenvolvendo um intenso apostolado popular e itinerante, entre gentes de todas as classes. Era analfabeto, mas tinha a ciência da caridade e da humildade. Suas maiores devoções foram a paixão  de Cristo, a Eucaristía e a Virgem das Dores. Realizou sempre trabalhos humildes e destacou por sua obediência e paciência, espírito de sacrifício e amor às crianças e aos pobres e enfermos. Morreu em 31 de Maio de 1787 em Nicósia. O canonizou Bento XVI no ano 2005, e sua festa se celebra em 1 de Junho.
S. Félix (no século, Filippo Giacomo Amoroso) nasceu em Nicósia em 5 de Novembro de 1715. Seu pai era sapateiro remendão e ele mesmo trabalhou desde jovem numa sapataria. Muito piedoso e religioso desde sua infância, aspirava à vida religiosa e, quando morreram seus pais, acudiu aos capuchinhos solicitando o ingresso, mas não foi admitido. Perseverou em sua pretensão durante anos até  que foi admitido em 1743 no convento de Mistretta, onde fez a profissão religiosa como irmão leigo e tomou o nome de frei Félix de Nicósia.
Enviado ao convento de Nicósia, acompanhou primeiro ao irmano esmoler pelas ruas da cidade e logo foi hortelão, cozinheiro, sapateiro, enfermeiro, porteiro e sobretudo, durante mais de quarenta anos, esmoler, oficio este que lhe permitiu pôr-se em contacto com muita gente a quem edificou e fez muito bem. Sua estranha espiritualidade e grandes virtudes, como a humildade, l mansidãoe, a caridade, atrairam até ele a atenção dos fieles, que se encomendaban a sus oraciones y decían recibir de Dios por medio de ellas grandes favores, incluso milagres. O guardião do convento submeteu muitas vezes à prova sua obediência e humildade, comprovando que frei Félix era com efeito tão santo como parecia. Levava uma vida austeríssima, com grandes jejuns e mortificações. Devotíssimo da Eucaristía, se passava não poucas horas da noite ante o sacrário, e era assim mesmo muito fervorosa sua devoção a  Virgem María.
Cheio de méritos morreu em seu convento de Nicósia em 31 de Maio de 1787. Foi beatificado pelo papa Leão XIII em 12 de Fevereiro de 1888, e canonizado pelo papa Bento XVI em 23 de Outubro de 2005.
Juan Pelingotto, Beato
Terceiro Franciscano, Junho 1
 
Juan Pelingotto, Beato
Juan Pelingotto, Beato

Penitente da Terceira Ordem (1240•1304)

Seu culto foi aprovado por S.S. Bento XV em 13 de novembro de 1918.
Juan Pelingotto nasceu em Urbino em 1240, filho de um rico mercador de telas que bem cedo, se bem com má vontade, teve de permitir-lhe dedicar-se livremente aos exercicios de piedade. Aos onze anos já o havia iniciado no comércio.
Vestiu o hábito da Terceira Ordem da penitência na igreja de Santa María dos Anjos, a primeira igreja franciscana de Urbino, e como fiel imitador do Seráfico Padre, vivía austeramente. O amor pelos pobres o movía a privar-se ainda do necessário para socorre-los; humilíssimo, ao cair na conta de que seus concidadãos o tinham em grande estima, para despistá-los se fez louco, mas enquanto mais procurava ocultar-se, mais manifestas fazia Deus suas virtudes.
Em 1300 foi a Roma para ganhar o jubileu decretado por
Bonifácio VIII. Era a primeira vez que ia à cidade eterna e não era conhecido por ninguém; sem embargo, um desconhecido ao encontrar-se com ele, indicou-o a seus companheiros dizendo: “¿Não é este aquele santo homem de Urbino?”. Outros vários factos manifestaram claramente que o Senhor quería fazer conhecer sua santidade. De regresso a sua cidade natal, intensificou sua vida espiritual desejando ardentemente a pátria celestial. Foi atacado por uma gravíssima doença que o reduziu pronto às últimas, e o fez perder até a fala, que recuperou completamente só nos últimos días de sua vida terrena. Soube ser imitador do Seráfico Padre incluso na dor. 
O demónio não cessava de molestar com horríveis tentações a este terceiro penitente que sempre havia guardado intacta a pureza de sua alma. Andava repitindo: “¿Porque me molestas? ¿Porque me atiras à cara coisas que nunca cometi e nas quais nunca consenti?”. E abandonando-se confiado nos braços da misericórdia divina, com voz forte disse: “E agora, vamos com toda confiança!”. Um dos presentes disse: “Padre, ¿aonde vais?”. “Ao Paraíso!”, respondeu. Dito isto, seu rosto se pôs belíssimo, seus membros se distenderam e, pouco depois expirou serenamente. Era o primeiro de Junho de 1304; tinha 64 anos de idade.
João havía pedido que o sepultassem na Igreja de S. Francisco, mas num primeiro tempo não se cumpriu sua vontade: teve solemes funerais e foi sepultado num cemitério franciscano, no claustro do convento. Deus glorificou bem pronto a seu fiel servidor. Tantas foram as graças que se diziam obtidas por sua intercessão, tanto era o concurso dos fieis a seu sepulcro, que os irmãos exumaram seus restos e os levaram à igreja de S. Francisco. Aumentando-se os prodigios se erigiu um altar sobre seu túmulo, onde se celebraram missas em sua honra. 
Seu culto continuou através dos séculos.
João Baptista Scalabrini, Beato
Bispo Fundador, Junho 1
 
Juan Bautista Scalabrini, Beato
Juan Bautista Scalabrini, Beato

Fundador das Congregações de Missionários de S. Carlos (Escalabrinianos) e das Irmãs Apóstolas do Sagrado Coração

Juan Bautista Scalabrini nasceu e foi baptizado em 8 de Julho de 1839 em Fino Monasco (Como, Itália). Era o terceiro de oito filhos de uma familia muito religiosa, de classe média. Estudou no instituto «Volta de Como». Ingressou no seminário diocesano, onde realizou seus estudos de filosofía e teología. Recebeu a ordenação sacerdotal em 30 de Maio de 1863. Durante seus primeiros anos de sacerdócio foi professor e logo reitor do seminário comasco de Santo Abundio; em 1870 foi nomeado pároco de S. Bartolomeu. 
Nomeado bispo de Piacenza pelo Papa Pío IX, recebeu a consagração episcopal em 30 de Janeiro de 1876. Desenvolveu uma actividade pastoral e social muito ampla: visitou cinco vezes as 365 paróquias da diocese, a metade das quais só se podia chegar a cavallo ou a pé; celebrou três sínodos, um deles dedicado ao culto eucarístico, difundindo entre todos os fieis a comunhão frequente e a adoração perpétua; reorganizou os seminários e reformou os estudos eclesiásticos, antecipando a reforma tomista de Leão XIII; consagrou duzentas igrejas; foi incansável na administração dos sacramentos e na pregação; impulsionou o povo a professar um amor activo à Igreja e ao Papa, fomentando a verdade, a unidade e a caridade. 
Praticou de forma heróica a caridade assistindo a enfermos de cólera, visitando aos enfermos e aos encarcerados, socorrendo aos pobres e às famílias em desgraça, e sendo generoso no perdão. Salvou da fome a milhares de camponeses  e operários, despojando-se de tudo, vendendo seus cavalos, assim como o cálice e a cruz peitoral que lhe deu o Papa Pío IX
Fundou um instituto para surdomudas, sociedades de mútua ajuda, associações operárias, caixas rurais, cooperativas e outras formas de Acção Católica. 
Pío IX o definiu «apóstolo do catecismo», porque fez o possível para que o ensinaram em todas as paróquias sob a forma de escola, incluso para os adultos. Ideou e presidiu ao primeir Congresso catequístico nacional de 1889 e fundou o primeiro periódico catequístico italiano. 
Ante el desarrollo dramático de la emigración italiana, que se convirtió en fenómeno de masas, desde el comienzo de su episcopado se hizo apóstol de millones de italianos, que vivían en otros países, a menudo en condiciones de semi-esclavitud, y corrían el peligro de abandonar su fe o la práctica religiosa. 
El 28 de noviembre de 1887, fundó la congregación de los Misioneros de San Carlos (Escalabrinianos), aprobada por León XIII, para proporcionar asistencia religiosa, moral, social y legal a los emigrantes. Impulsó a santa Francisca Javier Cabrini, la madre de los emigrantes, a partir rumbo a América en 1889 para encargarse de los niños, los huérfanos y los enfermos italianos. Él mismo fundó, el 25 de octubre de 1895, la congregación de Hermanas Apóstoles del Sagrado Corazón. De sus enseñanzas nacieron en 1961 las Misioneras Seglares Escalabrinianas. 
Su intensa actividad episcopal tenía su origen e inspiración profunda en una fe ilimitada en Jesucristo. Su programa era: «Hacerme todo a todos para ganarlos a todos para Cristo». Estaba profundamente enamorado de la Eucaristía: pasaba horas en adoración delante del Santísimo; durante la jornada le hacía muchas visitas y hasta quiso ser sepultado con todo lo necesario para la celebración de la santa misa.  Sentía gran pasión por la cruz y una tierna devoción a la Virgen, que se manifestaba en sus homilías y peregrinaciones a santuarios marianos. Este amor le llevó a entregar las joyas de su madre para la corona de la Virgen.  Falleció el 1 de junio de 1905, fiesta de la Ascensión del Señor. Sus últimas palabras fueron: «¡Señor, estoy listo. Vamos!».  Fue beatificado por S.S. Juan Pablo II el 9 de noviembre de 1997. Reproducido con autorización de Vatican.va
lfonso Navarrete, Beato
Mártir en Japón, Junio 1
 
Alfonso Navarrete, Beato
Alfonso Navarrete, Beato

Mártir

Nace en Logroño, España, el 21 de septiembre de 1571. Es hijo del convento de San Pablo de Valladolid. Embarca para Manila en 1598 y vuelve a España en 1602, pero vuelve a Filipinas al frente de una expedición misionera en 1611. Fue enviado inmediatamente al Japón, siendo allí vicario provincial de la misión. El mismo se presentó voluntariamente a confesar su fe y a sufrir el martirio, muriendo decapitado, después de numerosos tormentos, en la isla de Tokasima el 1 de junio de 1617. Sus virtudes más salientes fueron la piedad, la misericordia, la gratitud y la devoción al rosario. Encabeza la lista de los numerosos mártires beatificados por Pío IX el 7 de julio de 1867.
 
Iñigo de Oña, Santo
Abad, Junio 1
 
San Iñigo, decoroso ornamento de la Orden de San Benito, nació en Calatayud, ciudad antiquísima y muy noble de la corona de Aragón.  Sus padres fueron mozárabes, esto es, cristianos mezclados con los árabes, los cuales dieron a Iñigo una educación con forme a las piadosas máximas del Evangelio. Llegado el ilustre joven a edad competente, dejó su patria, sus padres y sus cuantiosos bienes, y se retiró a los montes Pirineos, donde pasó algún tiempo. en la contemplación de las grandezas divinas; mas llegando a su noticia la santidad de los monjes que vivían en el célebre monasterio de san Juan de la Peña, establecido en lo alto de las montañas de Jaca, resolvió abrazar la regla de san Benito.  Hecha ya su solemne profesión, cuando era amado y venerado de todos los monjes por sus eminentes virtudes, alcanzó licencia del esclarecido abad, llamado Paterno, para retirarse a un espantoso desierto de las montañas de Aragón, donde resucitó con sus austeridades las imágenes de penitencia que se leen de los solitarios de la Tebaida, de la Nitria y de la Siria; y donde atraía a gran número de gentes que aprovechaban sus saludables instrucciones.  Mas habiendo fallecido por este tiempo el primer abad del monasterio de Oña, llamado García, y desean do el rey Sancho nombrar un digno sucesor del difunto, envió tres veces embajadores al santo para que aceptase aquel cargo y aun pasó el mismo rey personal mente al desierto y logró al fin rendirle y traerlo consigo a aquel monasterio.  En su gobierno practicó con gran eminencia todas las virtudes del más perfecto prelado, a los pobres oprimidos pagaba sus créditos, buscábales para mantenerlos y vestirlos, libró a muchos presos de las cárceles, redimió cautivos y obró esclarecidos milagros.  Cuando le acometió su última enfermedad en un pueblo llamado Solduengo y tomó al anochecer el camino para Oña a fin de consolar a sus hijos, se le aparecieron dos ángeles en figura de dos hermosísimos niños vestidos de blanco con sus hachas encendidas, los cuales le acompañaron hasta el monasterio. Era el 1 de junio de 1057. En la hora de su muerte se llenó el ámbito de su celda de un resplandor celestial y se oyó una voz que dijo: Ven, alma dichosa, a gozar de la bienaventuranza de tu Señor.  Celebráronse con gran pompa sus funerales, y no sólo los cristianos, sino también los judíos y los moros concurrieron a sus exequias y rasga ron sus vestiduras con grandes muestras de sentimiento.  Fue canonizado por el Papa Alejandor IV el año 1259.
http://es.catholic.net/santoral
Recolha, transcrição e tradução de
António Fonseca

UM ANO COM SÃO PAULO (36)

Dia 9 de Julho
CRIANÇAS NA MALÍCIA (1ª Cor. 14, 20-25)
Se um estranho entrar numa assembleia em que todos falam ao mesmo tempo em línguas pode pensar que está numa reunião de loucos. Se, porém, todos profetizam ele sente-se interpelado e dirá: realmente Deus está convosco.
20  Irmãos, não sejais crianças quanto ao modo de julgar: na malícia, sim, sede crianças; mas quanto ao julgamento, sede homens.
21  Na lei está escrito: Será por gente de língua estrangeira e por lábios estrangeiros que falarei a este povo; e nem assim me ouvirão, diz o Senhor (Is 28, 11s).
22  Assim, as línguas são sinal, não para os fiéis, mas para os infiéis; enquanto as profecias são um sinal, não para os infiéis, mas para os fiéis.
23  Se, pois, numa assembleia da igreja inteira todos falarem, em línguas, e se entrarem homens simples ou infiéis, não dirão que estais loucos?
24  Se, porém, todos profetizarem, e entrar ali um infiel ou um homem simples, por todos é convencido, por todos é julgado;
25  os segredos do seu coração tornam-se manifestos. Emtão, prostrado com a face em terra, adorará a Deus e proclamará que Deus está realmente entre nós.
Frase para recordar:  
Sede crianças, na malícia. Quanto ao julgamento, sede homens.
10 de Julho
USO DOS DONS NAS ASSEMBLEIAS  (1ª Cor. 14, 26-29)
Paulo quer assembleias participadas mas muito ordenadas. Todos podem e devem dar a sua contribuição nalgum cântico, ensinamento, revelação, profecia ou línguas para edificar a todos. Mas faça-se tudo ordenadamente. Os versículos referentes à atitude das mulheres, que devem permanecer caladas, parece ser uma interpolação posterior feita por um grupo conservador.
26  Em suma, que dizer, irmãos?  Quando vos reunis, quem dentre vós tem um cântico, um ensinamento, uma revelação, um discurso em línguas, uma interpretação a fazer, que isto se faça de modo a edificar.
27  Se há quem fala em línguas, não falem senão dois ou três, quando muito, e cada um por sua vez, e haja alguém que interprete.
28  Se não houver intérprete, fiquem calados na reunião, e falem consigo mesmos e com Deus.
29  Quanto aos profetas, falem dois ou três, e os outros julguem.
11 de Julho
USO DOS DONS NAS ASSEMBLEIAS (2)  (1ª Cor. 14, 30-40)
30  Se for feita uma revelação a algum dos assistentes, cale-se o primeiro.
31  Todos, um após outro, podeis profetizar, para todos aprenderem e serem todos exortados.
32  O espírito dos profetas deve estar-lhes submisso.
33  porquanto Deus não é Deus de confusão, mas de paz.
34  Como em todas as igrejas dos santos, as mulheres estejam caladas nas assembleias: não lhes é permitido falar, mas devem estar submissas, como também ordena a lei.
35  Se querem aprender alguma coisa, perguntem-na em casa aos seus maridos, porque é inconveniente para uma mulher falar na assembleia.
36  Porventura foi dentre vós que saiu a palavra de Deus? Ou veio ela tão somente para vós?
37  Se alguém se julga profeta ou agraciado com dons espirituais, reconheça que as coisas que vos escrevo são um mandamento do Senhor.
38  Mas, se alguém quiser ignorá-lo, que o ignore!
39  Assim, pois, irmãos, aspirai ao dom de profetizar; porém, não impeçais falar em línguas.
40  Mas faça-se tudo com dignidade e ordem.
Frase para recordar:  
Irmãos, aspirai ao dom de profetizar, porém, não impeçais falar em línguas.
12 de Julho  
CERTEZA DA RESSURREIÇÃO DE JESUS (1ª Cor. 15, 1-11)
O capítulo 15 da primeira carta aos Coríntios abre com uma introdução sobre a fé pregada por Paulo e que é fundamental conservar intacta e inabalável. O fundamental dessa fé é a morte e a ressurreição de Jesus, verdade atestada por numerosas testemunhas, 
a quem o Senhor apareceu, e também pelo próprio Paulo que se considera 
"como um aborto".
1    Eu vos lembro, irmãos, o Evangelho que vos preguei, e que tendes acolhido, no qual estais firmes.
2    Por ele sereis salvos, se o conservardes como vo-lo preguei. De outra forma, em vão teríeis abraçado a fé.
3    Eu transmiti-vos primeiramente o que eu mesmo havia recebido; que Cristo morreu por nossos pecados, segundo as Escrituras;
4   foi sepultado, e ressuscitou ao terceiro dia, segundo as Escrituras,
5   apareceu a Cefas e em seguida aos Doze.
6   Depois apareceu a mais de quinhentos irmãos de uma vez, dos quais a maior parte ainda vive (e alguns são já falecidos),
7   depois apareceu a Tiago, em seguida a todos os apóstolos.
8   E, em último lugar, apareceu-me também a mim, como a um abortivo.
9   Porque eu sou o menor dos apóstolos, e não sou digno de ser chamado apóstolo, porque persegui a Igreja de Deus.
10  Mas, pela graça de Deus, sou o que sou, e a graça que ele me deu não tem sido inútil. Ao contrário, tenho trabalhado mais do que todos eles; não eu, mas a graça de Deus que está comigo.
11  Portanto, seja eu ou sejam eles, assim pregamos, e assim acreditastes.
Frase para recordar:  
Pela graça de Deus sou o que sou, e a graça que Ele me deu não tem sido inútil.
13 de Julho
NECESSIDADE DA RESSURREIÇÃO DE JESUS  (1ª Cor. 15, 12-19)
Talvez por influência da filosofia grega, alguns coríntios afirmavam que não havia ressurreição.
Que sentido teria a alma liberta do corpo vir encerrar-se outra vez nele? Paulo argumenta: a ressurreição de Cristo está dirigida para a nossa. Se não acontecer a nossa, também não aconteceu a de Cristo. Nesse caso, somos os mais dignos de compaixão de todos os mortais porque acreditamos em falsas testemunhas e nos propomos uma vida de renúncia e austeridade por nada.
12  Ora, se se prega que Jesus ressuscitou dentre os mortos, como dizem alguns de vós que não há ressurreição dos mortos?
13  Se não há ressurreição dos mortos, nem Cristo ressuscitou.
14  Se Cristo não ressuscitou, é vã  a nossa pregação, e também é vã a nossa fé.
15  Além disso, seríamos convencidos de ser falsas tesetemunhas de Deus, por termos dado testemunho contra Deus, afirmando que ele ressuscitou a Cristo, ao qual não ressuscitou (se os mortos não ressuscitam).
16  Pois, se os mortos não ressuscitam, também Cristo não ressuscitou.
17  E se o Cristo não ressuscitou, é inútil a vossa fé, e ainda estais nos vossos pecados.
18  Também estão perdidos so que morrem em Cristo.
19  Se é só para esta vida que temos colocado a nossa esperança em Cristo, somos, de todos os homens, os mais dignos de lástima.
Frase para recordar:   
Se temos a nossa esperança em Cristo só para esta vida mortal somos, entre todos os homens, os mais dignos de lástima.
Do livro UM ANO COM SÃO PAULO, do Pde Januário Santos
Recolha e trancrição de António Fonseca

VISITAÇÃO DE NOSSA SENHORA - 31-MAIO

 
Visitação da Virgem
Como ia cheia da graça de Deus, inundou a casa de sua prima de bênçãos, 31 de Maio
 
Visitación de la Virgen
Visitación de la Virgen

Maio 31

Etimologicamente significa “o mesmo”. Vem do latim.

A Virgem Maria, iluminada por Deus, sentiu vivos desejos de ir a visitar a sua prima santa Isabel. Em sua avançada idade, estava embaraçada porque para Deus nada há impossível.
Teve muito em conta as palavras de S. Paulo aos Corintios:" A caridade é serviçal, não busca só o seu próprio interesse, e suporta tudo".
Um grande apóstolo da Igreja universal, santo AmbrósiNegritoo, disse estas palavras acerca deste dia:"Foi Maria a que se adiantou para saudar a primeira. Ela é a que sempre se adianta a dar demostrações de carinho a quem ama".
Maria não busca reputação, fama ou afagos como sucede em muitas das visitas de nossos dias.
Como ia cheia da graça de Deus, inundou a casa de sua prima de bênçãos.
"Tão pronto ouviu Isabel a saudação de Maria, saltou de gozo o menino em seu ventre e Isabel ficou cheia do Espírito Santo".
Sua prima, muto agradecida, lhe disse:" Bendita és tu entre as mulheres e bendito é o fruto de teu ventre. ¿De onde a mim que a mãe de meu Senhor venha a visitar-me? Apenas chegou a meus ouvidos a voz de tua saudação saltou de gozo o menino em meu ventre".
A Virgem Maria levou a Jesus àquela casa. Se fosses um creente como Deus manda, farias exactamente igual. O cristão é portador da Boa Nova de Deus, seu mensageiro, o arauto que anuncia a boa nova.
Outro santo universal que se distinguiu por seu acendrado amor à Virgem disse estas palavras:" Desde este instante da Visitação, Maria foi constituida em “Canal imenso” por meio do qual a bondade de Deus envía até nós as quantidades mais admiráveis de graças, favores e bênçãos".
Uma das chaves da Bíblia é saber comunicar aos demais ass mensagens de Deus. Às vezes a gente sente vergonha. É uma pena que, ante tanta desgraça como anunciam os meios de comunicação social, não haja crentes que se dediquem a anunciar boas notícias.
Comentários do P. Felipe Santos: fsantossdb@hotmail.com ¡Feliz dia a quem leve este nome!

http://es.catholic.net/santoral

Recolha, transcrição e tradução de

António Fonseca

UM ANO COM SÃO PAULO (35)

Dia 4 de Julho
EXCELÊNCIA DA CARIDADE (1ª Cor. 12, 31; 1ª Cor. 13, 1-3)
O início do capítulo 13 da primeira carta aos Coríntios é uma das mais belas páginas da literatura mundial sobre o Amor. Aqui não se canta o amor humano, eros, mas o amor espiritual, ágape, que o Espírito de Deus infunde na alma do cristão. Do versículo 4 a 7 enumeram-se quinze características do Amor.
 31 - Aspirai aos dons superiores. E agora, ainda vou indicar-vos o caminho mais excelente de todos.
1   Ainda que eu falasse as línguas dos homens e dos anjos, se não tiver caridade, sou como o bronze que soa, ou como o címbalo que retine.
2   Mesmo que eu tivesse o dom da profecia, e conhecesse todos os mistérios e toda a ciência; mesmo que tivesse toda a fé, a ponto de transportar montanhas, se não tiver caridade, não sou nada.
3   Ainda que distribuisse todos os meus bens em sustento dos pobres, e ainda que entregasse o meu corpo para ser queimado, se não tiver caridade, de nada valeria.
Frase para recordar:  
Se não tiver caridade, não sou nada.
Dia 5 de Julho
HINO À CARIDADE  (1ª Cor. 13, 4-13)
4   A caridade é paciente, a caridade é bondosa. Não tem inveja. A caridade não é orgulhosa. Não é arrogante.
5  Nem escandalosa. Não busca os seus próprios interesses, não se irrita, não guarda rancor.
6   Não se alegra com a injustiça, mas rejubila-se com a verdade.
7   Tudo desculpa, tudo crê, tudo espera, tudo suporta.
8   A caridade jamais acabará. As profecias desaparecerão, o dom das línguas cessará, o dom da ciência findará.
9   A nossa ciência é parcial, a nossa profecia é imperfeita.
10  Quando chegar o que é perfeito, o imperfeito desaparecerá.
11  Quando eu era criança, falava como criança, pensava como criança, raciocinava como criança. Desde que me tornei homem, eliminei as coisas de criança.
12  Hoje vemos como num espelho, confusamente; mas então veremos face a face. Hoje conheço em parte mas então conhecerei totalmente como eu sou conhecido.
13  Por ora subsistem a fé, a esperança e a caridade, as três. A maior delas, porém, é a caridade.
´
Frase para recordar:  
Agora subsistem a fé, a esperança e a caridade, as três. A maior delas, porém, é a caridade.
Dia 6 de Julho
O DOM DA PROFECIA SUPERIOR AO DOM DAS LÍNGUAS  (1ª Cor. 14, 1-5)
A profecia está acima do dom de falar em línguas, porque a profecia contribui para a edificação da comunidade enquanto o dom das línguas, ou glossolalia, é de proveito pessoal. É como falar uma língua desconhecida perante os ouvintes ou um instrumento produzir sons confusos dos quais ninguém pode chegar a uma melodia conhecida.
1   Empenhai-vos em procurar a caridade. Aspirai igualmente aos dons espirituais, mas sobretudo ao da profecia.
2   Aquele que fala em línguas não fala aos homens, senão a Deus: ninguém o entende, pois fala coisas misteriosas, sob a acção do Espírito.
3   Aquele, porém, que profetiza fala aos homens, para edificá-los, exortá-los e consolá-los.
4   Aquele que fala em línguas edifica-se em si mesmo mas o que profetiza, edifica a assembleia.
5   Ora, desejo que todos faleis em línguas, porém, muito mais desejo que profetizeis.  Maior é quem profetiza do que quem fala em línguas a não ser que este as interprete, para que a a assembleia receba edificação.
Dia 7 de Julho
O DOM DA PROFECIA SUPERIOR AO DOM DAS LÍNGUAS  (2) - (1ª Cor. 14, 6-12)
6   Suponhamos, irmãos, que eu fosse ter convosco falando em línguas, de que vos aproveitaria, se a minha palavra não vos desse revelação, nem ciência, nem profecia ou doutrina?
7   É o que se dá com os instrumentos inanimados de música, por exemplo a flauta ou a harpa: se não produzirem sons distintos, como se poderá reconhecer a música tocada?
8   Se a trombeta só der sons confusos, quem se preparará para a batalha?
9   Assim também vós: se a vossa língua, só profere palavras ininteligíveis, como se compreenderá o que dizeis?  Sereis como quem fala ao vento.
10 Há no mundo grande quantidade de línguas e todas são compreensíveis.
11  Porém, se desconhecer o sentido das palavras, serei um estrangeiro para quem me fala e ele será também um estrangeiro para mim.
12  Assim, uma vez que aspirais aos dons espirituais, procurai tê-los em abundância para edificação da Igreja.
Frase para recordar:  
Aspirai a dons espirituais sobretudo ao da profecia.
Dia 8 de Julho
ORAR COM O ESPÍRITO E COM O ENTENDIMENTO  (1ª Cor. 14, 13-19)
Quem fala em línguas peça o dom de as interpretar e de expor o seu conteúdo à assembleia para instruir os outros. Paulo tem o dom das línguas mas, para falar a uma assembleia, ele prefere dizer cinco palavras que todos entendam a dez mil misteriosas que os ouvintes não compreendam.
13  Por isso, quem fala em línguas, peça na oração o dom de as interpretar.
14  Se eu oro em virtude do dom das línguas, o meu espírito ora, mas o meu entendimento fica sem fruto.
15  Então que fazer? Orarei com o espírito, mas orarei também com o entendimento; cantarei com  o espírito, mas cantarei também com  o entendimento.
16  De outra forma, se só renderes graças com o espírito, como dirá "Amén" às tuas acções de graças aquele que ocupar o lugar dos simples?
17  Sem dúvida, as tuas acções de graças podem ser belas, mas o outro não é edificado.
18  Graças a Deus que possuo o dom de línguas superior a todos vós.
19  Mas prefiro falar na asembleia cinco palavras que compreendo, para instruir também os outros, a falar dez mil palavras em línguas.
Frase para recordar:  
Orarei em espírito mas orarei também com o entendimento. 
Do livro
UM ANO COM SÃO PAULO
do Pde Januário dos Santos
Recolha e transcrição de
António Fonseca