OS MEUS DESEJOS PARA TODOS

RecadosOnline.com

sábado, 20 de junho de 2009

UM ANO COM SÃO PAULO (52)

3 de Outubro
SAUDAÇÃO AOS FILIPENSES (Fil. 1, 1-2)
Na saudaçâo vêm os nomes dos remetentes, Paulo e Timóteo, um dos melhores colaboradores de Paulo talvez também em Filipos. Em vez do título corrente de "apóstolo" aqui aparece "servos", título tradicional no Antigo e Novo Testamento.
É a primeira vez que no Novo Testamento é empregada a palavra "bispos" que não podemos precisar se designa realmente bispos ou simples sacerdotes.
1 Paulo e Timóteo, servos de Jesus Cristo, a todos os santos em Jesus Cristo, que se acham em Filipos, juntamente com os bispos e diáconos:
2 A vós, graça e paz da parte de Deus, nosso Pai, e da parte do Senhor Jesus Cristo!
Frase para recordar:
Graça e paz da parte de Deus, nosso Pai, e da parte do Senhor Jesus Cristo!
4 de Outubro
ACÇÃO DE GRAÇAS E SÚPLICA (Fil. 1, 3-11)
Após a costumada acção de graças, o apóstolo manifesta os seus sentimentos de carinho por esta comunidade que não só recebeu a mensagem evangélica como até cooperou na sua difusão. Esta carta é muito pessoal. Nela Paulo deixa estravazar o seu coração terno por esta comunidade amiga.
Negrito
3 Dou graças ao meu Deus, cada vez que de vós me lembro.
4 Em todas as minhas orações, rezo sempre com alegria por todos vós,
5 recordando-me da cooperação que tendes dado na difusão do Evangelho, desde o primeiro dia até agora.
6 Estou persuadido de que aquele que iniciou em vós esta obra excelente lhe dará o acabamento até ao dia de Jesus Cristo.
7 É justo que eu tenha bom conceito de todos vós, porque vos trago no coração, por terdes tomado parte na graça que me foi dada, tanto na minha prisão como na defesa e na confirmaçao do Evangelho.
8 Deus me é testemunha da ternura que vos consagro a todos, pelo entranhado amor de Jesus Cristo!
9 Peço, na minha oração, que a vossa caridade se enriqueça cada vez mais de compreensão e critério,
10 com que possais discernir o que é mais perfeito e vos torneis puros e irrepreensíveis para o dia de Cristo,
11 cheios de frutos da justiça, que provêm de Jesus Cristo, para a glória e louvor de Deus.
Frase para recordar:
Deus me é testemunha da ternura que vos consagro a todos, pelo entranhado amor deJesus Cristo!
5 de Outubro
PROGRESSO DO EVANGELHO (Fil. 1, 12-19)
Se a prisão de Paulo pode parecer, à primeira vista, uma desgraça, não o foi efectivamente porque lhe deu mais visibilidade e pôs a descoberto a razão porque tinha sido preso: não por ter infligido a lei romana mas por pregar Jesus Cristo ressucitado. Há quem, por inveja ou intriga, pregue Jesus. Paulo alegra-se porque, seja qual for o pretexto, o importante é que Cristo seja anunciado.
12 Meus irmãos, quero fazer-vos saber que os acontecimentos que me envolvem estão redundando em maior proveito do Evangelho.
13 Em todo o pretório e por tosda a parte tornouj-se conhecido que é por cauisa de Crosto que estou poreso.
14 A maior parte dos irmãos, perante a notícia das minhas cadeias, ganhou nova confiança no Senhor e maior entusiasmo para anunciar sem temor a palavra de Deus.
15 É verdade que alguns pregam Cristo por inveja de mim e por discórdia, mas outros fazem-no com toda a boa vontade.
16 Estes, por caridade, sabendo que tenho por missão a defesa do Evangelho;
17 aqueles, ao contrário, pregam Cristo por espírito de intriga, e não com recta intenção, no intuito de agravar o meu sofrimento nesta prisão.
18 Mas não faz mal! Contanto que de todas as maneiras, por pretexto ou por verdade, Cristo seja anunciado, nisto não só me alegro, mas sempre me alegrarei.
19 Pois sei que isto me resultará em salvação, graças às vossas orações e ao socorro do Espírito de Jesus Cristo.
Frase para recordar:
Contanto que Cristo seja anunciado, nisto não só me alegro mas sempre me alegrarei.
6 de Outubro
VIDA OU MORTE? (Fil. 1, 20-26)
Paulo está perante um dilema: vida ou morte. A escolha não depende dele mas dos romanos. Mas, se fosse ele a escolher, não saberia que escolher: por um lado desejava morrer para estar com Cristo; por outro, deejava viver para continuar com os filipenses porque ainda lhes é necessário para os confirmar na fé.
Parece-lhe que o Senhor Jesus lhe reserva esta segunda opção.
20 O meu ardente desejo e a minha esperança são que em nada serei confundido, mas que, hoje como sempre, Cristo será glorificado no meu corpo (tenho toda a certeza disto), quer pela minha vida quer pela minha morte.
21 Porque para mim o viver é Cristo e morrer é lucro.
22 Mas, se o viver no corpo é útil para o meu trabalho, não sei então o que devo preferir.
23 Sinto-me pressionado dos dois lados; por uma parte, desejaria morrer para estar com Cristo - o que seria imensamente melhor;
24 mas, por outra parte, continuar a viver é mais necessário, por causa de vós.
25 Persuadido disto, sei que ficarei e continuarei convosco, para proveito vosso e consolação da vossa fé.
26 Assim, a minha volta para junto de vós dar-vos-á um novo motivo de alegria em Cristo Jesus.
Frase para recordar:
Para mim viver é Cristo e o morrer é lucro.
7 de Outubro
APELO À CONSTÂNCIA (Fil. 1, 27-30)
Paulo recomenda aos cristãos que tenham uma conduta irrepreensível por causa do Evangelho. Não se trata apenas de boas maneiras numa sociedade civilizada por causa da harmonia no convívio. A razão é outra: o evangelho.
Por isso, terão também de padecer. O que aqui está em causa é a pessoa por quem se padece: Cristo.
27 Cumpre, somente, que vos mostreis em vosso proceder dignos do Evangelho de Cristo. Quer eu vá ter convosco quer permaneça ausente, desejo ouvir que estais firmes num só espírito, lutando unanimemente pela fé do Evangelho,
28 sem vos deixardes intimidar em nada pelos vossos adversários. Isto para eles é motivo de perdição, mas para vós é salvação. E é a vontade de Deus,
29 porque a vós vos é dado não somente crer em Cristo, mas ainda sofrer por ele.
30 Sustentais o mesmo combate que me tendes visto travar e no qual sabeis que eu continuo agora.
Frase para recordar:
Em, vosso proceder, mostrai-vos dignos do Evangelho de Cristo.
Do livro
UM ANO COM SÃO PAULO,
do Pde Januário Santos
Recolha e transcrição de
António Fonseca

LUÍS GONZAGA, Santo (e outros) 21 - JUNHO

Luis Gonzaga, Santo
Religioso, Junho 21
Luis Gonzaga, Santo
Luis Gonzaga, Santo

Religioso

Ferrante Gonzaga, marqués de Castiglione delle Stiviere e irmão do duque de Mantua, havia querido que seu primogénito Luis, que nasceu em 9 de Março de 1568, seguisse suas pegadas de soldado e comandante no exército imperial. Aos cinco anos, Luis vestía já uma pequena couraça, com casco e penacho e cinturão com espada, e brincava detrás do exército paterno, aprendendo os rudes soldados no uso das armas e seu colorido vocabulário. Um día aproveitou a distração de um sentinela e prendeu fogo à pólvora de um pequeno troço de artilharía. Ficou desmaiado mas não assustado. Mas esse menino daría fama à familia dos Gonzaga, mas com outras armas. O enviaram a Florença como pagem do grã duque de Toscana, mas aos dez anos lhe imprimiu a sua vida uma direcção muito precisa, fazendo voto de perpétua virgindade.
Uma viagem a Espanha, onde viveu uns dois anos como pagem do Infante Don Diego, lhe serviu para dedicar-se ao estudo da filosofía na universidade de Alcalá de Henares e á leitura de livros devotos, como o Compêndio da doutrina espiritual de Frei Luis de Granada. Aos doze anos, depois de haver recebido a primeira Comunhão de mãos de San Carlos Borromeo, resolveu entrar na Companhía de Jesús. Mas necessitou outros dois anos para vencer a oposição do pai, que o enviou às cortes de Ferrara, Parma e Turim. "Até os príncipes- escreverá mais tarde- são cinza como os pobres: talvez cinzas mais fétidas".
Luis Gonzaga, Santo
Luis Gonzaga, Santo
Para que sua alma se perfumasse com as virtudes cristãs, Luis renunciou ao título e à herença paterna, e aos catorze anos entrou no noviciado romano da Companhía de Jesus, sob a direcção de San Roberto Belarmino. Esqueceu totalmente sua origem nobre e escolheu para si os cargos mais humildes, dedicando-se ao serviço dos doentes, sobretudo durante a epidemia de peste que afligiu a Roma em 1590. Ficou contagiado provavelmente por um acto de piedade: havia encontrado na rua um doente e, sem pensar duas vezes, pegou nele às costas e o levou ao hospital onde prestava seus serviços.
Morreu aos 23 anos, no día que ele havia anunciado: era em 21 de Junho de 1591. O corpo de San Luis, patrono da juventude, se encontra em Roma, na igreja de San Ignácio. Este santo, vítima de certa hagiografía amaneirada, apesar das aparências, era de um temperamento forte. As duras penitências a que se submeteu são o sinal de uma determinação não común até uma meta que se havia fixado desde sua infância.
Inocencio de Mérida, Santo
bispo, Junho 21
Inocencio de Mérida, Santo
Inocencio de Mérida, Santo

Bispo

Sua vida fez honra a seu nome.
Parece que sua candidez e humildada preencheram seu ministério em Mérida, capital da provincia Lusitana, no tempo da Espanha visigoda.
Se conta dele que sua santidade e penitência as punha ao serviço para pedir as chuvas, tão desejadas nos tempos de seca, presidindo a rogativas, que sempre eram escutadas pelo Omnipotente.
Quando o elegeram para ser consagrado bispo, era, segúndo se dizia, o último na ordem dos diáconos. E o consagraram para servir a diocese emeritense como sucessor do grande bispo visigodo Masona que abriu a «Idade de Ouro» do episcopado de Mérida. «Depois dele foi eleito um virtuoso varão, de suma santidade e lhaneza, chamado Inocêncio, cuja condição a expressa bem seu próprio nome. Inocente, em verdade, e cándido; que a ninguém julgou, a ninguém condenou, a ninguém ajuizou; e viveu humilde e piedoso todos os días de sua vida»
Assistiu ao Concilio de Toledo do ano 610 que preside San Leandro de Sevilla em tempos de Gundemaro.
Esteve poucos anos à frente de sua sede.
Sua festa é em 21 de junho.
Rodolfo de Bourges, Santo
bispo, Junho 21
Rodolfo de Bourges, Santo
Rodolfo de Bourges, SantoB

bispo de Bourges

Etimologicamente significa “glorioso”. Vem da língua alemã.
Este bispo, que morreu em 21 de junho do ano 866, era filho do conde de Cahors.
Tão boa educação lhe deram os pais que não tiveram a menor dúvida em deixar que fosse ele que elegesse o lugar, a vocação e a livre vontade para viver religiosamente.
Esta libertad se transgrede hoy por otros motivos que, por supuesto, no tienen que ver nada con la libertad del hijo a la hora de seguir su vocación. Hoy prima el dinero ante todo y sobre todo. Rodolfo llegó a ser obispo de Bourges. El abad Bertrand de Solignac y otros benedictinos célebres lo habían preparado muy bien para ser monje y abad en varios monasterios. Con este bagaje cultural religioso y un buen grado de santidad, aceptó gustoso el nombramiento de obispo de Bourges. Durante su episcopado asistió a varios sínodos. El más importante, sin duda alguna, fue el Meaux en el 845. Pero no solamente se preocupaba de estar al día en cosas o temas de la Iglesia, sino que también se dedicaba a la gente pobre, a fundar nuevos monasterios en su diócesis. Quedan de sus escritos un Sumario de Instrucciones Pastorales dedicadas al clero. Consta de 45 capítulos. Tenía un gran talento para la diplomacia. Tan acertadamente supo solucionar todos los problemas que se presentaron en su tiempo, que todo el mundo le llamaba cariñosamente “El Padre de la patria”. Una de sus grandes tareas pastorales fue la educación y la enseñanza centradas en la comunión diaria. Murió hacia el año 866. ¡Felicidades a quien lleve este nombre!
José Isabel Flores Varela, Santo
Mártir Mexicano, Junho 21
José Isabel Flores Varela, Santo
José Isabel Flores Varela, Santo
Nasceu em Santa María da Paz, da paróquia de São Juan Bautista del Teúl, Zac. (Arquidiocese de Guadalajara), em 28 de Novembro de 1866. Capelão de Matatlán, da paróquia de Zapotlanejo, Jal. (Arquidiócese de Guadalajara).
Por 26 anos derramou a caridade de seu ministério nessa capelanía, sendo para todos um pai bondoso e abnegado que os edificou com sua pobreza, seu espírito de sacrificio, sua piedade e sua sabedoría.
Um antigo companheiro, a quem o Padre Flores havia protegido, o denunciou ante o cacique de Zapotlanejo e foi preso em 18 de junho de 1927, quando se encamihava a uma ranchería para celebrar a Eucaristía.
Fue encerrado en un lugar degradante, atado y maltratado; el cacique le hizo escuchar música al mismo tiempo que le ofrecía: «Oye, qué bonita música, si afirmas acatando las leyes, te dejo en libertad». Sin alterarse, el mártir le expresó: «Yo voy a oír una música mejor en el cielo». El Padre José Isabel cumplía la palabra expresada varias veces: «Antes morir que fallarle a Dios». El 21 de junio de 1927 fue conducido, en la noche, al camposanto de Zapotlanejo. Intentaron ahorcarlo pero no pudieron. Ordenó el jefe que le dispararan, pero el soldado, que reconoció al sacerdote que lo había bautizado, se negó a hacerlo, entonces enfurecido el verdugo asesinó al soldado. Misteriosamente las armas no hicieron fuego contra el Padre Flores por lo que uno de aquellos asesinos sacó un gran cuchillo y degolló al valeroso mártir. El Papa Juan Pablo II lo canonizó, junto a outros 24 mártires méxicanos em 21 de Maio de 2000.
Tomás de Orvieto, Beato
Servita, Junho 21
Tomás de Orvieto, Beato
Tomás de Orvieto, Beato
O beato Tomás nasceu em Orvieto, cidade de Umbría, no fim do século XIII ou princípios do XIV.
Para alcançar com maior seguança a pátria celestial, no qual estavam concentrados todos seus pensamentos e anseios, decidiu consagrar-se completamente a Deus numa familia religiosa e, por seu acendrado afecto à Virgem, pediu e foi admitido na Ordem dos Servos de santa María. Nele resplandeceu com luz meridiana as virtudes típicas dos Servos, consideradas como carisma de nossa Ordem: a humildade, a caridade fraternal, o espírito de serviço, a misericórdia. Com efeito, - como se lê nos Anais da Ordem -; “com o objecto de dedicar-se de uma vez para sempre ao serviço da Virgem […] e de seus servos”, pediu ser agregado no número dos frades que a gente chama “leigos”.
Durante muchos años pidió limosna de puerta en puerta y, ejerciendo este oficio, mostró suma afabilidad, paciencia y caridad- Sentía una entrañable compasión por los pobres, a quienes no sólo daba con alegría de lo que sobraba de la mesa de los frailes, sino también del sustento que le era necesario. Dios miró con agrado la sencillez con que el Beato desempeñaba su actividad y según el testimonio de antiguos escritores, manifestó su aprobación con diversos prodigios. Las imágenes del beato Tomás, algunas de ellas notables por sus antigüedad y valor artístico, lo representan cargado con la alforja y llevando una ramita de higuera en la mano o dando, en pleno invierno, unos a higos a una mujer embarazada deseoso de esos frutos. En tales imágenes los artistas han querido expresar la solicitud de este hombre de Dios para con todos los que pedían su ayuda, y su poder de intercesión ante Dios, del cual podía obtener milagros. El humilde siervo de la Virgen murió en Orvieto, el año 1343, como se lee en la Crónica de fray Miguel Poccianti; su cuerpo recibió honrosa sepultura en la iglesia de los Siervos de esta misma ciudad. Por los milagros, cada vez más frecuentes, los habitantes de Orvieto muy pronto empezaron a tributarle una gran devoción y a celebrar su memoria. Este culto, popular e inmemorable, fue ratificado y confirmado por el papa Clemente XIII en el año 1768.
Lázaro, Santo
Leproso, Junho 21
Lázaro, Santo
Lázaro, Santo
Este é um caso insólito, ainda que não único; A fusão de um Lázaro são e santo com outro Lázaro leproso e fictício, mas suporte de um modelo de santidade evangélica, contado e aprovado pelo mesmo Jesús: è aqui que reside a fusão.
As fontes verídicas para um resultado incorrecto, mas rico em consequências de arte, devoção e caridade muito valiosas.» são os dois relatos evangélicos seguintes e bem conhecidos de todos: A ressurreição, por Jesus Cristo, de seu amigo Lázaro de Betânia (Jn, XI,1-44 y XII,1-11) e a parábola do pobre ulceroso Lázaro e o rico Epulón (Lc, XVI,16-31).
El amigo y hospedero de Jesús era sanote y por esto mismo, no venía a la medida para referencia directa con los de piel enferma y , por esto, segregados de la sociedad, pero era acogedor. El de la parábola carece de cuerpo, pero sí que se le presenta llagado, también con el nom bre de Lázaro y etiquetado por Cristo como ciudadano apto para el cielo o santo modélico, en especial para santos leprosos y asimilados. La coincidencia del nombre y posesión de virtudes: caridad acogedora en el hombre de Betania y la humildad postulante en el modelo para padecidos, son genes estupendos para crear un tipo: en esta circunstancia. San Lázaro. Ya que las dos fuentes evangélicas las tenemos todos a mano ¿para qué copiarlas aquí? Pero, visto lo visto, parece conveniente, por el sentir devocional y artístico de los siglos, que no conviene una dicotomía y que debe seguir en los altares la imagen del Lázaro leproso, remite a un ideal de santi ficación rubricado por Cristo, y celebrar al Lázaro sano y acogedor u hospedero en las liturgias.
http://es.catholic.net/santoral Recolha, transcrição e tradução completa ou incompleta de António Fonseca

PAULO de Tarso para o Mundo

Guia de aprofundamento
discussão e reflexão
Elaboração de Pe. Tiago Perego, ssp
Nota: Este guia acompanha o DVD "PAULO de Tarso para o Mundo"
UMA LUZ NO CÉU (Act 9, 13)
De Tarso a Damasco
Aprofundemos o texto
Um episódio-chave
A primeira parte de Paulo: de Tarso para o Mundo apresenta a vida de Paulo, desde o nascimento à "conversão". O encontro entre Saulo e Cristo no caminho de Damasco ocupa a parte central da narração, dando o justo relevo a um episódio essencial não somente para Paulo, mas também para toda a história do cristianismo. A experiência de Damasco deve ser vista tendo em fundo duas cidades - Tarso e Jerusalém - onde Saulo vive três dimensões importantes da sua existência: o confronto com as outras culturas, típico de uma cidade portuária como Tarso; o aprofundamento da Tora, característico da formação em Jerusalém; e o zelo extremo e radical que se manifesta na sua obstinação contra o cristianismo nascente e na hostilidade à sua posição em relação à lei e ao templo.
Textos de referência
Act 9, 1-9; Act. 22, 3-21; Act 26, 9-20; 1
Cor 9, 16-17; 1 Cor 15, 8-10;
Gl 1, 11-17;
Fl 3, 4-12;
1 Tm 1,13
O centro da narração
A luz do céu, a voz do ressuscitado, a queda no chão, o espanto dos companheiros de viagem... Os Actos dos Apóstolos recorrem a um vasto leque de imagens para exprimir o que acontece no mundo interior de Saulo. No entanto, só uma leitura atenta do episódio de Act 9, 1-9 nos ajuda a perceber qual é realmente o elemento para que o autor do texto deseja atrair a nossa atenção. O esquema que se apresenta abaixo pode esclarecer: o relato é disposto segundo uma série de paralelismos que convergem numa pergunta fundamental: "Quem és Tu, Senhor?" Lucas não narrou o episódio duma assentada: a página de Act 9 é uma das provas mais evidentes de como os autores sagrados transmitiram o seu testemunho com todo o cuidado, deixando-se inspirar e guiar pelo Espírito de Deus.
ESQUEMA DE ACT 9, 1-9
D
Quem és Tu, Senhor?
C C1
Saulo, Saulo, porque me persegues? Eu sou Jesus a quem tu persegues.
B B1
Estava a caminho... Os companheiros de viagem..
uma luz intensa vinda do céu..., ouvindo a voz...
caindo por terra.. Saulo ergueu-se...
uma voz que lhe dizia... não via nada...
A A1
Para Damasco... Entrou em Damasco...
para os levar... levado
algemados... pela mão...
A narração pode ser "desenhada" em forma de pirâmide.
As duas cenas apresentadas em A e A1 constituem o quadro do encontro com Cristo. Pauloparte com a intenção de levar para a cadeia, em Jerusalém, os fiéis de Damasco, mas é ele quem será conduzido à cidade, levado pela mão, prisioneiro duma dupla cegueira, interior e exterior. As duas cenas apresentadas em B e B1 narram o que acontece no exterior, ao longo do caminho; enquanto vai de viagem, surge uma luz, cai por terra e ouve-se uma voz vinda do céu. Os mesmos elementos são retomados em B1: fala-se da viagem, da voz, de que Paulo se levanta do chão e já nâo vê mais nada.
C e C1, pelo contrário, concentram-se na voz celeste, cuja mensagem indica a identidade deJesus, e na insistência sobre a perseguição.
No centro de toda a estrutura está a pergunta: "Quem és Tu, Senhor?". Percebida a estrutura, a intenção do autor torna-se mais clara: Lucas considera Paulo depositário de uma revelação. Não são a luz vinda do céu nem a queda no chão que estão em primeiro plano, mas o encontro com Cristo. Daqui brota a extraordinária revelaçâo que há-de iluminar três grandes verdades: a identidade de Saulo, que recebe uma nova leitura de si mesmo; a identidade de Cristo, que revive a sua Páscoa na sua Igreja perseguida; e a identidade da comunidade, lugar privilegiado no qual Cristo toma forma. A "transfiguraçâo" de Paulo nasce desta revelaçâo.
Quatro curiosidades
* Perseguia... em que sentido? O vocábulo usado em grego para indicar a acção de Saulorevela uma violência verbal e física.
* Porque foi que os cristãos se refugiaram em Damasco? Os crentes fogem para Damascopara evitar a hostilidade dos irmãos judeus. De facto, Damasco era uma cidade suficientemente grande para se poderem confundir na multidão e bastante próxima para se mudarem para lá.
* O sumo sacerdote também tinha autoridade sobre Damasco? Não. Tinha, porém, uma autoridade moral e espiritual sobre os judeus lá residentes. Saulo limita-se a prender os dissidentes, mas só poderá fazê-lo com a colaboração das autoridades locais.
* Porque é que Lucas narra três vezes o encontro de Damasco? Para sublinhar a incidência deste acontecimento na história do cristianismo. Os três contextos são minuciosamente escolhidos por Lucas: em Act 9, é o contexto do caminho; em Act 22, o templo (o mundo judaico); e, em Act 26, é o pretório (o mundo pagão).
DA PALAVRA À VIDA
Paulo, fonte de conversões
As páginas que, nos Actos dos Apóstolos e nas cartas de Paulo, se referem à revelação na estrada de Damasco não permaneceram fechadas na Bíblia: atravessaram a história, tornando-se, por sua vez, fonte de conversão. O termo "conversão" evoca uma "inversão de rota", uma mudança profunda de perspectiva, uma nova maneira de ler Deus, de nos lermos a nós próprios e de ler a história. Há diversos rostos e nomes que, a partir da experiência e dos escritos de Paulo, exprimem essa novidade de vida inesperada, tornando-se, juntamente com ele, sinal de como pode ser forte a acção da Graça de Deus. Parece-nos significativo dar algum espaço a dois destes rostos, convidando a aprofundar as suas vidas. Trata-se de figuras que influenciaram muito a história do cristianismo e continuam a inspirar profundamente a caminhada de muitos crentes.
Agostinho.
Este jovem, é "grande" ainda antes de se converter... É-o pela sua sede: Agostinho não se contenta com o que lhe é dado. Procura, aprofunda, indaga e... "diverte-se", excedendo-se um pouco. Deus apanha-o com uma frase de Paulo: ao ouvi-la, Agostinho sente um frémito no coração. É uma frase da carta aos Romanos: "Como quem vive em pleno dia, comportemo-nos honestamente: nada de comezainas ou bebedeiras, nada de devassidão e libertinagem, nada de discórdias e de invejas. Pelo contrário, revesti-vos do Senhor Jesus Cristo e não vos entregueis às coisas da carne, satisfazendo os seus desejos" (Rm 13, 13-14). estas palavras mudam a sua vida: a partir de então, Agostinho será grande, não pela sua sede na busca, mas pelo amor àquele que o cativou e que, finalmente, ele encontrou.
Teresa de Lisieux.
Tendo entrado no Carmelo, Teresa procura o sonho que Deus tem guardado para ela, com a docilidade das almas simples. A resposta chega, uma vez mais, de Paulo, com uma das páginas mais belas do seu epistolário: "Aspirai aos bens do alto. Aliás, vou mostrar-vos um caminho que ultrapassa todos os outros. Ainda que eu fale as línguas dos homens e dos anjos, se não tiver amor, sou com um bronze que soa ou como um címbalo que retine..." (1 Cor 12, 31-13,1). É o hino à caridade de 1 Cor 13. Ao ouvi-lo, Teresa sente que as palavras do hino escondem a essência da sua vocação: o amor. Daí em diante, faz delas um programa de vida e, embora permanecendo no Carmelo, o seu coração expande-se até abraçar o mundo.
Palavras-chave
Procurar - Conversão - Graça - Revelação
A VIDA TORNA-SE LITURGIA
25 de Janeiro: festa da Conversão de São Paulo
Nesta data, a Igreja celebra a Conversão de São Paulo, festa litúrgica de origem galicana (século VI). Paralela à memória da Cátedra de São Pedro (22 de Fevereiro), ela convida a reflectir na força da Graça de Deus, fonte de todos os caminhos da santidade. Na Europa do Norte, o dia 25 de Janeiro foi, durante muito tempo, festa de preceito. Actualmente, nesta data, termina a Semana de Oração pela Unidade dos Cristãos: o testemunho de Paulo recorda que qualquer percurso de comunNegritohâo começa sempre com um veemente desejo de conversão e com docilidade à Graça de Deus.
Oração
Dobro os joelhos diante de ti, ó Pai,
de quem toda a paternidade nos céus e na terra recebe o nome.
Peço que me concedas, segundo a riqueza da tua glória,
que eu seja poderosamente fortalecido,
pelo teu Espírito, no homem interior.
Que Jesus Cristo habite, pela fé, no meu coração
e, assim, radicado/a e fundado/a na caridade,
eu esteja emn condiçoes de compreender, com todos os santos,
qual é a largura, o comprimento, a altura
e a profundidade do amor de Cristo,
que ultrapassa todo o conhecimento,
para que, deste modo, eu fique repleto/a de toda a sua plenitude.
A frase:
"Paulo vem de Saulo como um cordeiro saído de um lobo. Antes adversário, depois apóstolo; antes, perseguidor, depois testemunha do Evangelho."
Agostinho, Padre da Igreja, Confissões (século IV)
(Continua)
1ª recolha
20.06.2009
António Fonseca