OS MEUS DESEJOS PARA TODOS

RecadosOnline.com

terça-feira, 29 de dezembro de 2009

TOMÁS BECKET, Santo e outros - 29 de Dezembro

SANTOS DESTE DIA
Tomás Becket, Santo
Tomás Becket, Santo
Bispo e mártir
Martirológio Romano: Santo Tomás Becket, bispo e mártir, que por defender a justiça e a Igreja foi obrigado a desterrar-se da sede Canterbury e da própria Inglaterra, voltando ao cabo de seis anos à sua pátria, onde padeceu muito até que foi assassinado na catedral pelos esbirros do rei Enrique II, emigrando para Cristo (1170).
Etimologia: Tomás = gémeo; vem do aramaico.
Uma das mais adivinhadas eleições do grande soberano inglês, Enrique II, foi a de seu chanceler na pessoa de Tomás Becket. Havia nascido em Londres em 1118 de pai normando, e foi ordenado arquidiácono e colaborador do arcebispo de Canterbury, Teobaldo. Como chanceler do reino, Tomás se sentia perfeitamente nos seus anseios: tinha ambição, audácia, beleza e um destacado gosto pela magnificência. Quando era necessário sabia ser valente, sobretudo quando se tratava de defender os bons direitos de seu príncipe, de quem era íntimo amigo e companheiro nos momentos de descanso e de diversão. 
O arcebispo Teobaldo morreu em 1161, e Enrique II, graças ao privilégio que lhe havia concedido o Papa, pôde eleger a Tomás como sucessor para a sede primaz de Canterbury. Ninguém, e muito menos o rei, se imaginava que um personagem tão “mencionado” se ia a transformar imediatamente num grande defensor dos direitos da Igreja e num zeloso pastor de almas. Mas Tomás havia advertido a seu rei: “Senhor, se Deus permite que eu seja arcebispo de Canterbury, perderei a amizade de Vossa Majestade”.
Tomás Becket, Santo
Tomás Becket, Santo

Ordenado sacerdote em 3 de Junho de 1162 e consagrado bispo ao dia seguinte, Tomás Becket não tardou em indispor-se com o soberano. As “Constituições” de 1164 haviam restabelecido certos direitos abusivos do rei caídos em desuso. Por isso Tomás Becket não quis reconhecer as novas leis e escapou às iras do rei fugindo para França, onde passou seis anos de desterro, levando uma vida ascética num mosteiro cisterciense.
Restabelecida com o rei uma paz formal, graças aos conselhos de moderação do Papa Alejandro III, com quem se encontrou, Tomás pôde regressar a Canterbury e foi recebido triunfalmente pelos fieis, a quem ele saudou com estas palavras: “Hei regressado para morrer entre vós”. Como primeiro acto desautorizou os bispos que haviam feito pactos com o rei, aceitando as “Constituições”, e desta vez o rei perdeu a paciência e deixou escapar esta frase imprudente: “¿Quem me tirará de entre os pés a este cura intrigante?”.
Houve quem se encarregou disso. Quatro cavaleiros armados saíram para Canterbury. Avisou-se o arcebispo, mas ele permaneceu em seu posto: “O medo à morte não pode fazer-nos perder de vista a justiça”. Recebeu aos sicários do rei na catedral, revestido com os ornamentos sagrados. Deixou-se apunhalar sem opor resistência, murmurando: “Aceito a morte pelo nome de Jesús e pela Igreja”. Era em 23 de Dezembro de 1170. Três anos depois o Papa Alejandro III o inscreveu na lista dos santos.
David, Santo
David, Santo
Rei, antepassado de Jesus
Martirológio Romano: Comemoração de são David, rei e profeta, filho de Jessé betlehemita, quem encontrou graça ante Deus e foi ungido com o santo óleo pelo profeta Samuel para reger o povo de Israel. Mudou para a cidade de Jerusalém a arca do Senhor, e o Senhor lhe jurou que sua descendência permaneceria para sempre, porque dele nasceria Jesus Cristo segundo a carne.
Etimologia: David = aquele que é amado, é de origem hebraica.
Na Bíblia, o nome de David só o ostenta o segundo rei de Israel, o bisneto de Booz e Ruth (Ruth 4 18 ss.). Era o mais jovem dos oito filhos de Isaí, ou Jessé (I Reis 16 8; cf. I Cro 2 13), um pequeno proprietário da tribo de Judá que habitava em Belém, onde nasceu David. Nosso conhecimento da vida e características de David se deriva exclusivamente das páginas de Sagrada Escritura (ver I R 16; II R 2; I Cro 2, 3 y 10-19; Ruth 4 18-22) e os títulos de muitos Salmos. Segundo a cronologia usual, David nasceu em 1085 (AC) e reinou de 1055 a 1015 a.C. Recentes escritores hão datado seu reinado, deduzindo-o de inscrições assírias, uns 30 ou 50 anos mais tarde. Pelas limitações, não é possível dar mais que um esboço dos eventos de sua vida e uma simples estimação de suas características e sua importância na história do povo eleito, como rei, salmista, profeta e imagem do Messias. 
A história de David se divide em três períodos: (1) antes de sua elevação ao trono; (2) seu reinado, em Hebrón sobre Judá e em Jerusalém sobretudo Israel, até seu pecado; (3) seu pecado e seus últimos años. Aparece primeiro na história sagrada como um jovem pastor que cuidava os rebanhos de seu pai nos campos próximos a Belém, "ruivo, de belos olhos e formosa presença”.
Samuel, o profeta e último dos juízes, foi enviado a ungi-lo em lugar de Saul. a quem Deus havia recusado por sua desobediência. Os relatos de David não parecem ter reconhecido a importância desta unção que o marcou como sucessor ao trono depois da morte de Saul.
Durante um período de doença, quando um espírito maligno atormentava a Saul, David foi levado à corte para aliviar o rei tocando a harpa. Ganhou la gratidão de Saul e o pôs à frente do exército, mas sua estadia na corte foi breve. Mais tarde, enquanto seus três irmãos mais velhos estavam no campo, lutando sob Saul contra os Filisteus, David foi enviado ao acampamento com alguns comestíveis e prendas; ali ouviu as palavras com que o gigante, Golias de Gat, desafiava a todo Israel a um combate singular e ele se ofereceu para matar ao filisteu com a ajuda de Deus. Sua vitória sobre Golias provocou a derrota do inimigo. As perguntas de Saul a Abner neste momento, parecem implicar que ele nunca havia visto antes a David, sem embargo, como temos visto, David já havia estado na corte. Se hão feito várias conjecturas para explicar esta dificuldade. Como a passagem faz pensar numa contradição no texto hebreu, é omitido pela tradução dos Setenta, alguns autores aceitaram o texto grego em preferência ao hebraico. Outros supõem que a ordem das narrações se há confundido em nosso texto hebraico actual. Uma solução mais simples e mais provável mantém que, na segunda ocasião Saul só perguntou a Abner pela família de David e sobre sua infância. Antes não havia prestado atenção a estas coisas. 
A vitória de David sobre Golias ganhou a amizade entranhável de Jonatán, o filho de Saul. Obteve um lugar permanente na corte, mas, como chefe de mil homens buscou novos riscos para ganhar a mão de Merab, a filha mais velha de Saul: mas, apesar da promessa do rei, foi dada a Adriel de Mejolá. Mical, a outra filha de Saul, estava enamorada de David, e, com a esperança de que finalmente fosse morto pelos Filisteus, seu pai prometeu dá-la em matrimónio, com tal de que David matasse a cem Filisteus. David teve êxito e se casou com Mical. Este êxito, sem embargo, fez temer mais a Saul e finalmente o induziu a ordenar que devesse matar-se a David. Por mediação de Jonatán foi perdoado durante um tempo, mas o ódio de Saul o obrigou finalmente a fugir da corte.
Primeiro foi a Ramá e desde ali, com Samuel, a Nayot. Os grandes esforços de Saul para assassiná-lo eram frustradas pela interposição directa de Deus. Uma entrevista com Jonatán o convenceu de que a reconciliação com Saul era impossível e de que, para o resto do reino, ele era um desterrado e um bandido. Em Nob, David e seus companheiros foram armados pelo sacerdote Ajimélec, que depois foi acusado de conspiração e assassinado com todos seus sacerdotes. De Nob, David foi à corte de Aquis, rei de Gat, de onde escapou da morte fingindo loucura. Em seu retorno se converteu em cabeça de uma banda de aproximadamente quatrocentos homens, alguns parentes seus outros desesperados, que se reuniram na cova ou refúgio de Adulán. Pouco tempo depois seu número chegou a seiscentos. David libertou a cidade de Queilá dos filisteus, mas foi obrigado a fugir de novo de Saul. Sua seguinte morada foi o deserto de Zif, memorável pela visita de Jonatán e pela aleivosia dos zifitas que avisaram o rei. David se livrou pela chamada a Saul para recusar um ataque dos filisteus. Nos desertos de Engadí esteve de novo em grande perigo; mas, quando Saul estava à sua mercê, ele generosamente lhe perdoou a vida. A aventura com Nabal, o matrimónio de David com Abigail, e uma segunda ocasião recusada de matar a Saul, foram seguidas pela decisão de David de oferecer seus serviços a Aquis de Gat e assim pôr fim à perseguição de Saul. Como vassalo do rei filisteu, se estabeleceu em Sicelag, desde onde fez incursões às tribos vizinhas, devastando suas terras e não deixando com vida homem nem mulher. Pretendendo que estas expedições eram contra seu próprio povo de Israel, se assegurou o favor de Aquis. Sem embargo, quando os filisteus se prepararam em Afec para empreender a guerra contra Saul, os outros príncipes não foram partidários de confiar em David, e ele regressou a Sicelag. Durante sua ausência havia sido atacada pelos amalecitas. David os perseguiu, destruiu suas forças e recuperou todo seu botim. Entretanto havia tido lugar a fatal batalha no monte de Gelboé, na que Saul e Jonatán foram mortos. A elegia comovedora, que se conserva para nós em II Reis 1, é um arranque de pesar de David por sua morte.
Por mandato de Deus, David, que tinha agora trinta anos, subiu a Hebrón para reclamar o poder real. Os homens de Judá o aceitaram como rei e foi ungido de novo, solene e publicamente. Por influência de Abner, o resto de Israel permanecia fiel a Isbóset, filho de Saul. Abner atacou as forças de David, mas foi derrotado em Gabaón. A guerra civil continuou durante algum tempo, mas o poder de David aumentava continuamente. Em Hebrón teve seis filhos: Amnón, Quilab, Absalón, Adonías, Sefatías, e Yitreán. Como resultado de uma rixa com Isbóset, Abner fez manobras para levar a todo Israel sob  o poder de David; sem embargo, foi aleivosamente assassinado por Joab, sem o consentimento do rei. Isbóset foi assassinado por dois benjamitas e David foi aceite por todo Israel e ungido rei. Seu reinado em Hebrón sobre Judá havia durado sete anos e meio.
David teve êxito em suas sucessivas guerras, fazendo de Israel um estado independente e provocando que seu próprio nome fosse respeitado por todas as nações circundantes. Uma notável façanha foi, ao princípio de seu reinado, a conquista da cidade jebusita de Jerusalém, a que fez capital de seu reino, “a cidade de David”, o centro político da nação. Construiu um palácio, tomou mais esposas e concubinas, e engendrou mais filhos e filhas. Havendo-se libertado do jugo dos filisteus, resolveu fazer de Jerusalém o centro religioso de seu povo, transportando a Arca da Aliança (ver artigo) desde Baalá (Quiriat Yearín). A trouxe para Jerusalém e a pôs na nova tenda construída pelo rei. Depois, quando propôs construir um templo para ela, lhe foi dito, pelo profeta Natán, que Deus havia reservado esta tarefa para seu sucessor. Em prémio à sua piedade, lhe foi feita a promessa de que Deus lhe construiria a uma casa e estabeleceria seu reino para sempre.
Não há detalhes sobre as diversas guerras empreendidas por David; só temos alguns factos isolados. A guerra com os amonitas é recordada de um modo mais completo porque, quando seu exército estava no campo durante esta campanha, David cometeu os pecados de adultério e assassinato, atraindo por isso grandes calamidades para ele e sua casa. Estava então na plenitude de seu poder, era um governante respeitado por todas as nações, do Eufrates ao Nilo. Depois de seu pecado com Betsabé e o assassinato indirecto de Urías seu marido, David a converteu em sua esposa. Passou um ano de arrependimento por seu pecado, mas sua contrição foi tão sincera que Deus o perdoou ainda que, ao mesmo tempo, lhe anunciou os severos sofrimentos que lhe sucederiam. O espírito com que David aceitou estas penas o fez em todo tempo modelo de penitentes. O incesto de Amnón e o fratricídio de Absalón (ver artigo) trouxeram a vergonha e a aflição a David. Absalón permaneceu três anos no desterro. Quando foi chamado de regresso, David o manteve em desgraça durante dois anos mais e então o restaurou na sua anterior dignidade, sem nenhum sinal de arrependimento. Molesto pelo tratamento de seu pai, Absalón se consagrou durante os seguintes quatro anos a seduzir a gente e finalmente se proclamou rei em Hebrón. David foi colhido de surpresa e obrigado a fugir de Jerusalém. As circunstâncias de sua fuga se narram na Escritura com grande simplicidade e patético. A recusa de Absalón do conselho de Ajitófel e seu consequente atraso na perseguição do rei, fez possível a este último reunir suas forças e vencer em Majanáin onde Absalón morreu. David retornou triunfante a Jerusalém. Uma grande rebelião sob Seba foi reprimida rapidamente no Jordão.
Neste ponto da narração de II de Reis lemos que “houve fome, nos dias de David, durante três anos consecutivos”, em castigo pelo pecado de Saul contra os gabaonitas. A sua chamada, sete da família de Saul foram entregues para ser crucificados. Não é possível fixar a data exacta da fome. Em outras ocasiões, David mostrou grande compaixão com os descendentes de Saul, sobretudo com Mefibóset, o filho de seu amigo Jonatán. Depois de uma breve menção de quatro expedições contra os filisteus, o escritor sagrado recorda um pecado de orgulho por parte de David em sua resolução de fazer um censo do povo. Como penitência por este pecado, se lhe permitiu escolher entre fome, derrotas ou peste. David escolheu a terceira e em três dias morreram 70.000. Quando o anjo estava a ponto de ferir Jerusalém, Deus se apiedou e cessou a peste. David foi enviado a oferecer um sacrifício na era de Arauná, o lugar do futuro templo.
Os últimos dias de David foram perturbados pela ambição de Adonías, cujos planos para a sucessão foram frustrados por Natán, o profeta, e Betsabé, a mãe de Salomão. O filho que nasceu depois do arrependimento de David, foi eleito com preferência sobre seus irmãos mais velhos. Para assegurar-se que Salomão lhe sucederia no trono, David o havia ungido publicamente. As últimas palavras recolhidas do ancião rei são uma exortação a Salomão a ser fiel a Deus, premiar aos serventes fieis e para castigar aos maus. David faleceu com a idade de setenta anos, após ter reinado em Jerusalém trinta e três anos. Foi enterrado no Monte Sión. São Pedro disse que seu túmulo todavia existia no dia de Pentecostes, quando o Espírito Santo desceu sobre os Apóstolos (Hch 2 29). David é honrado pela Igreja como um santo. Se lhe cita no Martirológio romano, em 29 de Dezembro. 

Juan Bautista Ferreres Boluda, Beato
Juan Bautista Ferreres Boluda, Beato
Sacerdote e Mártir
Martirológio Romano: Na localidade de São Miguel de los Reyes, na mesma região, beato Juan Bautista Ferreres Boluda, presbítero da Companhia de Jesus e mártir, que durante a perseguição contra a fé em Espanha, imitando a paixão de Cristo, conseguiu a palma do martírio (1936).
Padre Juan Bautista Ferreres Boluda nasceu em Olleira (Valentia) em 27 de Novembro de 1861 e entrou na Companhia de Jesus em 1888, onde se fez sacerdote.
Era mestre de Teologia Moral e de Direito Canónico no teologato de Sarriá.
Morreu em Valência no lugar chamado “Picadero Paterna” em 29 de Dezembro de 1936 em consequência dos maus tratos recebidos.
Tinha 75 años.

Enrique Juan Requena, Beato
Enrique Juan Requena, Beato
Mártir
Martirológio Romano: No povo de Picadero de Paterna, na região de Valência, Espanha, beatos mártires Enrique Juan Requena, presbítero, e José Perpiñá Nácher, os quais lutaram nobremente por Cristo (1936).
Etimologia: Enrique = Aquele que é chefe de lar. É de origem germânica.
Enrique Juan Requena nasceu em Aielo de Malferit, em Espanha, em 19 de Janeiro de 1883 e foi sacerdote da Arquidiocese de Valência. Ao  estalido da guerra civil e da feroz perseguição religiosa que atravessou Espanha, foi chamado a testemunhar com sangue sua fé em Cristo.
Foi executado por conseguinte perto de Picadero Paterna em 29 de Dezembro de 1936 junto com José Aparicio Sanz e José Perpiña Nácher. (ver biografias a seguir). 
O Papa João Paulo II o beatificou em 11 Março de 2001 com outras 232 vítimas da mesma perseguição
José Perpiñá Nácher, Beato
José Perpiñá Nácher, Beato
Mártir
Martirologio Romano: No povo de Picadero de Paterna, na região de Valência, Espanha, beatos mártires Enrique Juan Requena, presbítero, e José Perpiñá Nácher, os quais lutaram nobremente por Cristo (1936).
José Perpiña Nácher, fiel laico, nasceu em 22 de Fevereiro de 1911 em Sueca, perto de Valência -Espanha.
Foi baptizado em 25 de Fevereiro 25 de 1911 e recebeu a primeira comunhão pelo mês de Maio de 1919, sempre na igreja da paróquia de São Pedro Apóstolo de sua cidade natal.
Telegrafista de profissão, prestou seus serviços na nave “Buenos Aires”.
Graduado em Jurisprudência, o fizeram secretário do Sindicato da Policia Rural.
Trabalhou muito pelos pobres, sobretudo como advogado sem cobrar por seus serviços.
Se uniu à Acção Católica e a Adoração Nocturna.
Homem muito devoto, era usual que recebesse a Eucaristia periodicamente e distinguiu-se por servir a sua comunidade como catequista e periodista.
Em Abril 22 de 1935 se casou com Francisca Bosch Pieva na igreja paroquial da Santíssima Virgem de Sales, mas a relação durou desgraçadamente muito pouco.
Com o estalido da guerra civil e a feroz perseguição religiosa que a caracterizou, foi preso em 3 de Setembro de 1936 e em 29 de Dezembro seguinte sofreu o martírio por ódio à fé cristã no Picadero Paterna.
Junto a ele também morreram José Aparicio Sanz (ver biografia a seguir) e Enrique Juan Requena (ver biografia anterior). 
O Papa João Paulo II o beatificou em 11 de Março de 2001 com outras 232 vítimas da mesma perseguição.
José Aparicio Sanz, Beato
José Aparicio Sanz, Beato
Presbítero y Mártir
Martirológio Romano: Na cidade de Paterna, na região de Valência, em Espanha, beato José Aparicio Sanz, presbítero e mártir, que derramou seu sangue por Cristo quando decorria a perseguição contra a fé (1936). 
O P. José Aparicio Sanz nasceu em 12 de Março de 1893 em Enguera. Seus pais foram Manuel Aparicio Sanz e Leonor Sanz Sanz, que o educaram num ambiente profundamente cristão, dando sinais desde muito menino de piedade e vocação sacerdotal.
Logo depois de finalizar seus estudos secundários, ingressou no Colégio de Vocações Eclesiásticas de São José, de Valência. Depois passou ao Seminário Conciliar Central de Valência, que então tinha o ramo de Universidade Pontifícia, onde foi um seminarista modelo tanto por sua aplicação ao estudo como por suas virtudes.
Foi ordenado sacerdote em 17 de Junho de 1916 pelo bispo de Segorbe, o também Servo de Deus frei Luis Amigó Ferrer. No dia 30 do mesmo mês celebrou sua primeira Missa em sua paróquia natal, a arciprestal de São Miguel de Enguera. Exerceu seu primeiro ministério sacerdotal na vigararia de Benalí, onde, além de seu bom exemplo, deixou a recordação da reconstrução da igreja e da casa abadia.
En 1917 fue trasladado a Santa María de Oliva, como coadjutor, y, al tratarse de una parroquia mayor, pudo tener más campo para desarrollar sus actividades en todos los sectores de la pastoral, añadiendo a ello el alto espíritu de caridad que demostró durante la epidemia de gripe del año 1918, que afectó gravemente a numerosas poblaciones valencianas.
Más tarde pasó a Luchente, parroquia de la que tomó posesión el 16 de octubre de 1921 y lugar apropiado para el desarrollo de su profunda devoción eucarística. Tal vez desde entonces comenzó a firmar sus escritos como director espiritual de almas y escritor místico con el título de "Centinela de mi Sagrario". De este pueblo, santificado por el prodigio de los Corporales de Daroca, hizo un centro de irradiación y atracción eucarísticas.
En 1930, cuando tenía 37 años, fue nombrado arcipreste de su población natal, Enguera, parroquia que dirigió hasta coronar su vida de apóstol con el martirio. Fue en esta parroquia donde culminó su trabajo pastoral iniciado anteriormente en otros pueblos, y en todos los campos, aspectos y matices del apostolado dejó huellas indelebles de la fuerza de su espíritu. Al estallar la revolución española de 1936, el P. José Sanz reaccionó como verdadero sacerdote católico. El 11 de octubre de 1936 fue detenido por unos milicianos en casa de su familia, siendo trasladado a la Cárcel Modelo donde encontró a otros feligreses. Estos feligreses le pidieron al P. Sanz que interceda y pida clemencia al Comité de Enguera, que los habaía encarcelado, al estar cerca las fiestas navideñas. El sacerdote accedió y el resultado fue que pusieron en libertad a unos y a otros les martirizaron, entre ellos el fiel sacerdote. Durante los meses que permaneció en cautiverio, el P. Sanz animó a sus compañeros a sufrir el martirio por Cristo y a perdonar de corazón a sus ejecutores, pues la recompensa del "cielo" estaba esperando por ellos. Fue ejecutado el 29 de diciembre de 1936 en Paterna. Sus restos descansan en la Capilla del Santísimo de la parroquia de Enguera.
Gerardo Cágnoli de Valenza, Beato
Gerardo Cágnoli de Valenza, Beato
Religioso Franciscano
Martirológio Romano: Em Palermo, de Sicília, beato Gerardo Cagnoli, religioso da Ordem de Irmãos Menores, que durante muito tempo fez vida eremítica (1342). 
O culto que desde tempo imemorial se tributava em Palermo e outras partes, a este franciscano, foi confirmado por Pío X em 13 de Maio de 1908.
Gerardo nasceu em 1270. Era o único filho de uma nobre família do norte de Itália. Aos dez anos de idade perdeu a seu pai. Sua mãe morreu alguns anos depois.
Resistiu aos conselhos de seus parentes que queriam casá-lo e, distribuiu seus bens entre os pobres. 
Até aos quarenta anos, viveu como ermitão nos sítios más inóspitos de Sicília.
A princípios do século XIV, se falou muito da santidade e milagres de São Luis de Anjou, que havia renunciado ao trono que o esperava para se fazer franciscano.
Gerardo, tomando-o por padroeiro, ingressou na mesma ordem em redor de 1310. 
A simplicidade e devoção com que cumpriu seus deveres de irmão leigo, foram a admiração de todos.
Um dia de festa, quando ele era cozinheiro do convento, ficou absorto em oração e se  esqueceu de preparar a comida. Quando a meio da manhã o guardião se inteirou de que nem sequer havia acendido o fogo, repreendeu o irmão por seu descuido. Sem se importar com isso, Gerardo se dirigiu à cozinha. Assistido por um jovem desconhecido, de radiante beleza, conseguiu preparar, para a hora fixada, o banquete mais delicioso que a comunidade havia jamais provado.
A intercessão do Beato Gerardo se atribuíram muitos milagres. Por exemplo, numa ocasião, encontrou chorando um menino que havia partido uma jarra de cristal que levava a sua mãe; o irmão Gerardo recolheu os fragmentos, os benzeu e entregou ao menino a jarra em perfeito estado.
Para os milagres de cura empregava o aceite da lâmpada do altar de seu padroeiro, São Luis. Vivia a pão e água, dormia sobre uma tábua, se disciplinava até sair sangue e, com frequência, era arrebatado em êxtases a vários palmos sobre o solo, rodeado de um halo luminoso.
Deus o chamou a Si em 29 de Dezembro de 1345. Os restos mortais do Beato Gerardo Cágnoli repousam no templo de São Francisco em Palermo, a poucos passos da porta do convento que por longos anos foi testemunho de sua santidade.
Guillermo (William) Howard, Beato
Guillermo (William) Howard, Beato
Mártir

Martirológio Romano: Em Londres, em Inglaterra, beato Guillermo Howard, mártir, que, sendo visconde de Stafford, professou a fé católica e por isto foi acusado de conspiração contra o rei Carlos II, morrendo degolado por amor a Cristo (1680).
Nasceu em 30 de Novembro de 1614.
Neto de São Felipe Howard, sendo visconde de Stafford, professou a fé católica e por isto foi acusado de conspiração contra o rei Carlos II, encarcerado na tristemente célebre Torre de Londres.
Morrendo degolado em Londres, Inglaterra em 29 de Dezembro de 1680.


Otros Santos y Beatos
Outros Santos e Beatos
São Trófimo, bispo

Em Arlés, da Provença, na Gália, são Trófimo, considerado como o primeiro bispo desta cidade (s. III).

São Libósio, bispo  mártir

Em Cartago, são Libósio, bispo de Vaga e mártir, que no concílio de Cartago afirmou acerca do baptismo dos hereges: Cristo disse no Evangelho: Eu sou a verdade, e não disse: Eu sou o costume (c. 258).
São Martiniano, bispo

Em Milão, da Ligúria, são Martiniano, bispo (c. 431).
 
São Marcelo, abade

Em Constantinopla, são Marcelo, abade do mosteiro dos Acemetes no Bósforo, onde dia e noite, sem parar, se cantavam salmos
(c. 480).

São Ebrulfo, abade

Em Oroër, de Neustria, são Ebrulfo, abade do mosteiro de Saint-Fuscien, no tempo do rei Childerberto (c. 596).

Santos Benedicta Ion Kyong-nyon
e seis companheiros, mártires

Em Seul, de Coreia, santos Benedicta Ion Kyong-nyon, viúva e catequista, e seis companheiros, mártires, todos os quais sofreram muitos suplícios por causa do nome de cristão, acabando degolados (1839).
Seus nomes são:
Pedro Ch’oe Ch’ang-hub, catequista;
Bárbara Cho Chungi, viúva de são Sebastián Nam I-gwam;
Magdalena Han Yong-i, viuda;
Isabel Chong Chong-hye,
virgem, filha de santa Cecília Yu So-sa e irmã de san Pablo Chong Hasang;
Bárbara Ko Sun-i,
mulher de san Agustín Pak Chong-won; e
Magdalena Yi Yongdog,
virgem, irmã de santa Catalina Yi.


Recolha, transcrição e tradução incompleta por António Fonseca