OS MEUS DESEJOS PARA TODOS

Imagens e Frases de Natal Religioso

sexta-feira, 12 de fevereiro de 2010

NOVOS SANTOS

 

In: Agência Ecclesia – Bol. 12-02-2010

 

Bento XVI vai proclamar seis novos santos

 

Bento XVI convocou um consistório público para a canonização de seis beatos, que decorrerá no próximo dia 19 de Fevereiro, Sexta-feira.

Destaque para a canonização de Mary Helen Mackillop (1842-1909), que fundou a Congregação das Irmãs de São José do Sagrado Coração e se tornará a primeira santa nascida na Austrália.

Entre os futuros santos está a espanhola Cândida María de Jesús Cipitria e Barriola, fundadora das Filhas de Jesus, nascida a 31 de Maio de 1845 e falecida em Agosto de 1912.

Também serão proclamados santos o polaco Stanislaw Soltys Kazimierczyk (1433-1489), sacerdote dos Cónegos Regulares Lateranenses; o canadiano Alfred Bessette (1845-1937), da Congregação da Santa Cruz, e as religiosas italianas Giulia Salzano (1846-1929), fundadora da Congregação das Irmãs Catequistas do Sagrado Coração, e Camilla Battista da Varano (1458-1524), da Ordem de Santa Clara.

 
Internacional | Agência Ecclesia | 2010-02-12 | 17:02:12 | 1127 Caracteres | Bento XVI

Partilhar

Recolha e transcrição do Boletim da Agência Ecclesia, de 12-02-2010 por António Fonseca

http://ecclesia.pt

CÁRITAS AJUDA O HAITI – 908 MIL €UROS

 

In:  AGÊNCIA ECCLESIA

 

Ajuda da Cáritas chega ao Haiti

caritas.org

A Cáritas Portuguesa recolheu já mais de 908 mil Euros para a população do Haiti, através da sua campanha de recolha de fundos, valor a aplicar nas acções de emergência e reconstrução a favor das vítimas do sismo do passado dia 12 de Janeiro.

No terreno, a organização católica já providenciou alimentação a mais de 200 mil pessoas e distribuiu bens não perecíveis a mais de 25 mil. A ajuda tem sido disponibilizada em vários locais de Port-au-Prince e noutras localidades afectadas, tais como Jacmel e Léogâne.

Além do trabalho desenvolvido nos campos de deslocados, a Cáritas mobilizou 32 comunidades paroquiais e 58 padres haitianos, alargando a sua rede de distribuição a mais pessoas.

Na área da saúde destacam-se as actividades desenvolvidas pelo hospital S. Francisco de Sales. Através do programa de emergência, foi possível adquirir novos equipamentos e apetrechar três salas de operações – que realizam uma média de 12 intervenções cirúrgicas por dia.

Foi ainda reparado o laboratório de raio-X e foi criado um banco de sangue. Este hospital, que já pertencia à rede da Cáritas do Haiti, não ruiu com o sismo e tem sido uma referência.

Duas clínicas em Léogâne atenderam 3250 pacientes, distribuíram pastilhas de purificação de água a 400 famílias e realizaram 12 acções de formação na área da saúde. Ainda neste sector, está em curso uma campanha de sensibilização através de folhetos e rádios locais.

Quanto ao saneamento, estão a ser construídas latrinas em 3 locais: Accra, Bureau de Mines e no Hospital S. Francisco de Sales.

Segundo a Cáritas, a situação dos campos informais de deslocados poderá gerar um grave problema de saúde pública. Neste sentido, estão a ser estudados sistemas de saneamento à volta dos campos, de forma a deslocar as pessoas para zonas mais organizadas e mais seguras.

Os colaboradores da organização católica estão a preparar mais kit’s de alojamento temporário (plásticos, madeiras, cordas, esteiras, cobertores, fogões) que serão distribuídos a 35 mil residentes do campo de Pétionville Country Club.

Com o passar do tempo, aumentam as preocupações, pois aproxima-se a época de furacões que anualmente atinge o Haiti.

Antes do sismo, a Cáritas local apoiava 9565 crianças, através dos seus 101 orfanatos e centros para crianças, distribuídos por Port-au-Prince e Les Cayes. Com o terramoto, aumentaram os esforços para com este grupo vulnerável.

A Cáritas do Haiti está a fazer uma avaliação cuidada de forma a prevenir riscos e assegurar a protecção das crianças.

Conor O’Loughlin, da Cáritas Irlanda, defende que “temos de assegurar que a resposta humanitária internacional providencia alimentos, água e abrigo, que salvam vidas, mas também que proteja de abusos, violência e exploração dos mais vulneráveis”.

Mais informações sobre a campanha e a ajuda em curso no Haiti em www.caritas.pt

Fotos

Internacional | Agência Ecclesia | 2010-02-12 | 12:38:35 | 3770 Caracteres | Haiti

Recolha e transcrição do Boletim da Agência Ecclesia, de 12-02-2010 por António Fonseca

http://ecclesia.pt

12 de FEVEREIRO de 2010 - SANTOS DO DIA

SANTOS DO DIA DE HOJE 

SEXTA-FEIRA, 2 DE FEVEREIRO DE 2010

Eulália de Barcelona, Santa
Fevereiro 12   -  Virgem e Mártir

Eulalia de Barcelona, Santa

Eulália de Barcelona, Santa

Virgem e Mártir

Martirológio Romano: Na cidade de Barcelona, na Hispânia Tarraconense, memória de santa Eulália, virgem e mártir (in. s. IV).
Etimologia: Eulália = Aquela que fala eloquentemente, é de origem grega.
Segundo a tradição cristã, santa Eulália viveu perto de Barcina, Hispânia (actual Barcelona, Espanha) nos tempos do imperador Diocleciano (284-305) durante o século III ou IV, sendo papa são Marcelino.

Eulalia de Barcelona, Santa

Eulália de Barcelona, Santa

Durante a perseguição dos cristãos na região, Eulália, uma rapariga de entre 13 e 15 anos escapou de uma casa de campo onde seus pais a haviam encerrado para que não se entregasse às autoridades, abertamente confessou sua fé e foi entregue ao martírio.
Foi vítima de diferentes tormentos e morreu na cruz, se bem que hajam sérias dúvidas sobre a historicidade da narração de seu martírio.
De acordo com a tradição, um destes tormentos consistiu em lançá-la rodando dentro de um tonel cheio de vidros partidos pela rua (actualmente chamada Baixada de Santa Eulália - Bajada de Santa Eulalia-), onde há uma imagem da santa numa pequena capela.
Diz a lenda que foi cravada desnuda numa cruz de forma de ´X´ (forma conhecida como cruz de Santa Eulália). Naquele momento para preservar sua intimidade lhe cresceram os cabelos e começou a nevar.
Foi canonizada e se considera santa tanto pela Igreja Católica Romana, como pela Ortodoxa.
Seus despojos foram localizados em 878 pelo bispo Frodoino e trasladados solenemente para a catedral.

Benito (Bento) de Aniane, Santo
Fevereiro 12   -  Monge

Benito de Aniane, Santo

Benito de Aniane, Santo

Monge

Martirológio Romano: No mosteiro de San Cornélio de Indam, na Germânia, trânsito de são Benito, abade de Aniano (ou de Aniane), que propagou a Regra beneditina, confeccionou un Consuetudinário para uso de monges e trabalhou com empenho na instauração da liturgia romana (821).
Etimologia: Benito = Benedito = Aquele a que Deus bendiz, é de origem latino.
Benito foi filho de Aigulfo de Maguelone; servia de escanciador ao rei Pepino e a seu filho Carlomagno. Com a idade de vinte anos resolveu procurar o Reino de Deus com todo seu coração. Tomou parte na campanha de Lombardia, mas, depois de se ter quase afogado em Tesino, perto de Pavía, tratando de salvar a seu irmão,fez voto de abandonar o mundo por completo. À sua volta a Languedoc, confirmou sua determinação por conselho de um ermitão chamado Widmar, e foi à abadia de Saint-Seine, a vinte e quatro kilómetros de Dijon, onde o admitiram como monge. Passou ali dois anos e meio aprendendo a vida monástica e chegou ao domínio de si mesmo por meio de severas austeridades. Não satisfeito com guardar a regra de São Benito, praticava outros pontos de perfeição que encontrou prescritos nas regras de São Pacómio e São Basílio. Quando o abade morreu, os irmãos estavam dispostos a elegê-lo para que o substituísse, mas não quis aceitar o cargo, porque sabia que havia monges que se opunham a tudo o que fosse reforma sistemática.
Con este motivo, Benito abandonó Saint-Seine y, al regresar a Languedoc, construyó una pequeña ermita junto al arroyo Aniane, en sus propias tierras. Aquí vivió algunos años en privación voluntaria, orando continuamente a Dios para que le enseñara a hacer su voluntad. Algunos ermitaños, de los cuales uno era el santo Widmar, se pusieron bajo su dirección. Ganaban su sustento con el trabajo manual, vivían a pan y agua, excepto los domingos y grandes fiestas, cuando añadían un poco de vino o leche, si se los daban de limosna. El superior trabajaba con ellos en los campos y algunas veces se dedicaba a copiar libros. Cuando el número de sus discípulos aumentó, Benito dejó el valle y construyó un monasterio en un sitio más espacioso. Amaba tanto la pobreza, que por mucho tiempo utilizó cálices de madera o vidrio o peltre para celebrar la misa, y si le daban ornamentos valiosos de seda, los obsequiaba a otras iglesias. Sin embargo, posteriormente, cambió su modo de pensar sobre este punto, y construyó un claustro y una majestuosa iglesia adornada con pilares de mármol, y la dotó de cálices de plata, ricos ornamentos; además compró libros para la biblioteca. En breve tuvo muchos religiosos bajo su dirección. Al mismo tiempo, llevaba al cabo la inspección general de todos los monasterios de Provenza, Languedoc y Gascuña, y llegó a ser, con el tiempo, el director y supervisor de todos los monasterios del imperio; reformó a muchos con tan buen tino, que no encontró gran oposición. El que principalmente recibió su influencia fue el monasterio de Gellone, fundado por San Guillermo de Aquitania en 804.
Para tenerlo a la mano, el emperador Luis el Piadoso obligó a Benito primero a habitar en la abadía de Maurmünster, en Alsacia, y después, como todavía quería tenerlo más cerca, construyó un monasterio en el Inde, conocido más tarde como Cornelimünster, a unos 11 kilómetros de Aquisgrán, residencia del emperador y su corte. Benito vivió en el monasterio, pero continuó ayudando a la restauración de la observancia monástica por toda Francia y Alemania. A él se debe principalmente, la redacción de los cánones para la reforma de los monjes del concilio de Aquisgrán en 817. En ese mismo año presidió la asamblea de abades para poner en vigor el restablecimiento de la disciplina. Su estatutos, los Capitula de Aquisgrán, fueron añadidos a la regla de San Benito e impuestos a todos los monjes del imperio. Benito también escribió el "Codex Regularum" (Código de Reglas), una colección de todas las reglas monásticas existentes en su tiempo; compiló asimismo un libro de homilías para uso de los monjes, sacado de las obras de los Padres de la Iglesia; pero su obra más importante fue la "Concordia Regularum," la "Concordancia de Reglas," en la cual compara las reglas de San Benito de Nursia con las de otros patriarcas de la observancia monástica para mostrar su semejanza.
Este gran restaurador del monasticismo en el occidente, agotado por las mortificaciones y fatigas, sufrió mucho de continuas enfermedades en sus últimos días. En 821 murió tranquilamente, en Inde, a la edad de setenta y un años. Grande como era la energía e influencia de San Benito de Aniane, hay que admitir que su plan para una revolución pacífica de la vida monástica no pudo ser llevado al cabo como él había proyectado. De acuerdo con Edmund Bishop, la idea que tenía Benito y su patrono, el emperador Luis, era ésta:
Todas las casas habían de reducirse a una uniformidad absoluta de disciplinas, observancia, y aun hábito, de acuerdo con el modelo de Inde; se nombrarían visitadores para que vigilaran la observancia de la regla según las constituciones. El nuevo plan sería lanzado en la asamblea de abades en Aquisgrán en 817. "Pero planear es una cosa," el Sr. Bishop agrega, "y llevar al cabo es otra. Es claro que en la asamblea general de abades, Benito, respaldado como estaba por el emperador para conservar la paz y poder llevar a cabo reformas substanciales, tuvo que renunciar a muchos detalles de observancia que él estimaba mucho. Parece que esto mismo afirma su biógrafo y amigo Ardo, quien había observado todo personalmente. Sin embargo, los decretos de esta asamblea, de la cual era Benito al mismo tiempo autor, alma y vida fueron un punto decisivo en la historia de los benedictinos, porque éstos formaron la base de la legislación y práctica posterior. Después del gran fundador, Benito de Nursia, ningún otro hombre ha influido tanto en el monasticismo occidental como lo hizo el segundo Benito, el de Aniane." ("Liturgia Histórica," 1918, pp. 212-213).
Pocos de los entendidos en esta materia tienen tanto derecho para opinar sobre la historia monástica del siglo nueve, como Edmud Bishop.
Estas palabras suyas forman un tributo notable a la obra que el gran reformador monástico llevó al cabo; pero, como ha señalado Dom David Knowles, su influencia fue bastante diferente de la de Benito de Nursia: "Benito de Aniane nunca fue un guía espiritual para monjes."
¡ Felicidades a quienes lleven este nombre!

Humbelina, (ou Umbelina) Beata
Fevereiro 12   -   Abadessa

Humbelina, Beata

Humbelina, Beata

Abadessa

Martirológio Romano: No mosteiro de July, na região de Troyes, em França, beata Humbelina, prioresa que, convertida por seu irmão são Bernardo de uma vida mundana, com o consentimento de seu marido abraçou a vida monástica (1136).
Etimologia: Humbelina = Aquela que guia aos seus, é de origem germânica.
Modernamente, para crescer como pessoa crente,é muito importante aderir a um grupo. Este te ajuda muito a amadurecer em teu caminho de fé, e te alenta quando te faz falta. Todos necessitamos sentir-nos seres vivos. E o grupo te impulsiona justamente a isso.
Foi uma religiosa do século XII. Sua família vivia tão profundamente a vida cristã que todos foram religiosos ou religiosas.
Quando detrás, no fundo em frente de uma pessoa se encontra uma família a carta cabal, é normal que nesse ambiente reine a concórdia e o afã por escalar a meta mais importante desta vida: a santidade.
Ao falar um dia com seu padre acerca de sua vocação religiosa, este lhe disse: Mira a neve que há sobre o Monte Jura. É muito bela a panorâmica. É certo. Mas o que mais importa é que essa neve se converterá em água que regue estas terras.
Sem ela, tudo seria um deserto em que não cresce nada.ai
Os monges encerrados nos mosteiros parecem inúteis, mas são a fonte de que mana o bem espiritual para todos os demais.
Outra vez perguntava Humbelina: ¿Como servir melhor a Deus?
Então falou com prudência e alegria a seu marido acerca de seu propósito de meter-se a monja. 
E sem duvidar muito, se marchou ao convento de Jully, em que já estavam sua cunhada Isabel e sua sobrinha Adelina
À morte de Isabel, foi ela quem ocupou o cargo de abadessa do mosteiro.
Havia uma sã competição. A mais sã que existe: lutar por ver quem é melhor e mais santo ou santa.
Seu irmão são Bernardo lhe disse um dia que previa que ia a ser santa. Quando lhe chegou o momento final, foram seus irmãos a vê-la passar à Casa do Pai.
Seu culto foi confirmado em 1763.
¡Felicidades a quem leve este nome!
Comentários ao P. Felipe Santos
: al Santoral">al Santoral">al Santoral">fsantossdb@hotmail.com

Tomás Hemmeford e companheiros,

Jacobo Fenn, Juan Nutter, Juan Munden, Jorge Haydock, Beatos


Fevereiro 12   -  Presbíteros e Mártires

Tomás Hemmeford y compañeros, Beatos

Tomás Hemmeford e companheiros, Beatos

Presbíteros e Mártires

Martirológio Romano: Em Londres, em Inglaterra, beatos mártires Tomás Hemmeford, Jacobo Fenn, Juan Nutter, Juan Munden e Jorge Haydock, presbíteros, que, por fidelidade à Igreja romana e ante a pretensão da rainha Isabel I de se atribuir o primado no espiritual, foram condenados a morte, e esquartejados enquanto ainda respiravam (1584).
Tomás Hemmeford nasceu em Dorsetshire (hoje Dorset), um condado de Inglaterra. Estudou em Oxford e, convertido ao catolicismo, foi a culminar seus estudos religiosos no Colégio Inglês em Roma. Ordenado sacerdote em 1583 retornou a sua pátria.
Jacobo Fenn nasceu em Montacute, Inglaterra. Fez seus estudos no internato de Corpus Christi College e em Gloucester Hall da Universidade de Oxford. Se casou e foi professor. Logo depois de enviuvar, ingressou no colégio inglês em Reims (França) empreendendo estudos religiosos, se ordenou de sacerdote em 1580.
Juan Nutter irmão do beato Robert Nutter, nasceu em Burnley, Inglaterra. Estudou em Saint John´s College de Cambridge, mas para continuar seus estudos religiosos se mudou para o colégio inglês em Reims (França). Foi ordenado sacerdote em 1581.
Juan Munden nasceu em Coltley, Inglaterra, estudou em New College de Oxford, e seus estudos religiosos os segue no colégio inglês em Reims (França). Foi ordenado sacerdote em 1582.
Suas normais vidas sacerdotais tiveram contexto dentro da trágica perseguição perpetrada contra a Igreja Católica pelos monarcas britânicos. Naquele período a rainha Isabel I, que desejava se reconhecesse sua supremacia inclusive no âmbito espiritual, condenou à morte a muitos católicos por sua fidelidade ao Romano Pontífice, entre eles os jesuítas Tomás Hemmeford, Jacobo Fenn, Juan Nutter e Juan Munden, junto a Jorge Haydock, sacerdote do vicariato apostólico de Inglaterra. Todos eles foram esquartejados vivos em Tyburn, perto de Londres, em 12 de Fevereiro de 1584.
Estes mártires foram beatificados em 15 de Dezembro de 1929 pelo Papa Pío XI, e desde esse dia o Martirológio Romano comemora o dia de hoje seu nascimento ao reino dos céus.

Outros Santos e Beatos
Fevereiro 12   -  Completando o santoral deste dia

Otros Santos y Beatos

Outros Santos e Beatos

Santos Saturnino e companheiros mártires de Abitinia, mártires

Em Cartago, cidade de África, comemoração dos santos mártires de Abitinia, que durante a perseguição sob o imperador Diocleciano, por haver-se reunido para celebrar a eucaristia dominical contra o estabelecido pela autoridade, foram presos pelos magistrados da colónia e os soldados de guarda. Conduzidos a Cartago e interrogados pelo procônsul Anulino, apesar dos tormentos confessaram sua fé cristã e a impossibilidade de renunciar à celebração do sacrifício do Senhor, derramando seu sangue em lugares e momentos distintos (304). Estes são os nomes:

santos Saturnino, presbítero, com quatro filhos:

Saturnino júnior e Félix, leitores, e Maria e Hilarión, ainda criança; Dativo ou Sanator, Félix, outro Félix, Emérito e Ampélio, leitores; Rogaciano, Quinto, Maximiano ou Máximo, Telica ou Tacelita, outro Rogaciano, Rogato, Januário, Cassiano, Victoriano, Vicente, Ceciliano, Restituta, Prima, Eva, outro Rogaciano, Giválio, outro Rogato, Pompónia, Januária, Saturnina, Martín, Clautos, Félix júnior, Margarita, Mayor, Honorata, Victorino, Pelusio, Fausto, Daciano, Matrona, Cecília, Victoria, Berectina, virgem cartaginesa, Secunda, Matrona e outra Januária,

um total de 48 mártires.


São Melécio, bispo


Comemoração de são Melécio, bispo de Antioquia, que, por defender a fé de Nicea, foi exilado várias vezes e faleceu enquanto presidia ao primeiro Concilio Ecuménico de Constantinopla. São Gregório de Nisa e são João Crisóstomo exaltaram sua figura (381).

Santo António, “Cauleas”, bispo


Em Constantinopla (Istambul, hoje na Turquia), santo António, apelidado “Cauleas”, bispo, que em tempo do imperador León VI trabalhou denodadamente para assegurar a paz e a unidade na Igreja (901).


São Ludano, laico

 
No lugar de Northeim, em Alsácia, junto ao rio Ill, são Ludano, oriundo de Escócia, que descansou no Senhor enquanto peregrinava ao sepulcro dos santos apóstolos (1202).

http://es.catholic.net/santoral

Recolha, transcrição e tradução de espanhol para português (incompleta) por António Fonseca