OS MEUS DESEJOS PARA TODOS

RecadosOnline.com

terça-feira, 23 de fevereiro de 2010

23 de FEVEREIRO de 2010 - REZAR NA QUARESMA e SANTOS DO DIA

23 DE FEVEREIRO

TERÇA-FEIRA – 1ª SEMANA DA QUARESMA

Mateus 6, 7-15

“rezai assim...”

*************

Como rezar? Para Jesus, é inútil perder tempo a dizer muitas palavras.

Ele convida a pores-te com serenidade e confiança diante do Pai. Ele sabe aquilo de que tu precisas, mesmo antes que tu o digas.

Rezar bem é, acima de tudo, aprender a confiar em Deus.

As palavras usadas… importam pouco.

 

»»»»»»»»»

Tu, Senhor, que me falas ao coração, ajuda-me a abrir o meu coração à tua Palavra.

Tu que me conheces melhor do que eu mesmo, aumenta a minha fé

E eu irei orientar a minha vida para Ti.

Não já com palavras mas com gestos concretos de serviço e perdão aos meus irmãos.

edisal@edisal.salesianos.pt

www.edisal.salesianos.pt

NOTA:  Ver nota em 17-Fevereiro-2010

António Fonseca  -  www.aarfonseca@hotmail.com

 

****************************************

»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»

+++++++++++++++++++++++

SANTOS DO DIA DE HOJE

23 DE FEVEREIRO DE 2010

Policarpo de Esmirna, Santo
Fevereiro 23   -  Bispo e Mártir

Policarpo de Esmirna, Santo

Policarpo de Esmirna, Santo

Bispo e Mártir

Martirológio Romano: Memória de são Policarpo, bispo e mártir, discípulo de são João e o último dos testemunhos dos tempos apostólicos, que em tempo dos imperadores Marco Antonino e Lúcio Aurélio Cómodo, quando contava já quase noventa anos, foi queimado vivo no anfiteatro de Esmirna, na Ásia, em presença do procônsul e do povo, enquanto dava graças a Deus Pai por o haver contado entre os mártires e deixado participar do cálix de Cristo (c. 155).
São Policarpo, bispo de Esmirna, conheceu de perto ao “apóstolo João e os outros que haviam visto ao Senhor”, e foi “instruído por testemunhas oculares da vida do Verbo”. Por isso ele se apresenta a nós como a testemunha da vida apostólica e como o homem da tradição viva “sempre de acordo com as Escrituras”. Os trechos citados pertencem a uma carta sua aos cristãos de Filipos na Macedónia, que lhe haviam pedido alguma exortação e a cópia de eventuais cartas do santo bispo de Antioquia, Ignácio, de que ele havia sido amigo.
Policarpo era sobretudo um homem de governo. Não tinha a qualidade de escritor e pensador como Santo Ignácio, nem desejava como ele ser “triturado” pelas feras do circo para “chegar a Deus”. Ao contrário, se manteve escondido “por causa da humilde desconfiança em si próprio”. Era ancião e sabia que não se podia confiar muito em suas forças. Mas quando foi descoberto num celeiro e reconduzido à cidade, demonstrou a serena valentia de sua fé.
Conhecemos a comovedora conclusão de sua vida graças a um documento fechado um ano depois do martírio de São Policarpo, que teve lugar em 23 de Fevereiro do ano 155. É uma carta da “Igreja de Deus peregrina em Esmirna, a Igreja de Deus peregrina em Filomelio e também a todas as paróquias de qualquer lugar da Igreja santa e católica”. É uma narração muito importante sob o aspecto histórico, hagiográfico e litúrgico. Ao procônsul Stazio Quadrato, que o exorta a renegar de Jesus, contesta movendo a cabeça: “Desde há 86 anos o sirvo e nunca me fez nenhum mal: ¿como poderia blasfemar de meu Rei que me há redimido?”.Te posso fazer queimar vivo”, insiste o procônsul. E Policarpo: “O fogo com que me ameaças queima por um momento, depois passa; eu em troca temo o fogo eterno da condenação”. 
Enquanto no anfiteatro de Esmirna se está queimando vivo, “não como uma carne que se assa, mas sim como um pão que se cozinha”, o mártir eleva ao Senhor uma estupenda oração, breve mas intensa: “Bendito sejas sempre, oh Senhor; que teu nome adorável seja glorificado por todos os séculos, por Jesus Cristo pontífice eterno e omnipotente, e que se te renda toda a honra com ele e com o Espírito Santo, pelos séculos dos séculos”. De improviso esse corpo queimado ficou reduzido a cinzas. “Apesar distoescriba o autor dessa carta, que recomenda fazer ler às outras Igrejasnós recolhemos um ou outro osso, que conservamos como ouro e pedras preciosas”.

• Lázaro Pintor, São
Fevereiro 23   -  Monge

Lazaro Pintor, San

Lazaro Pintor, San

Fevrero 23
Pintor

Etimologicamente significa “ ajuda de Deus”. Vem da língua hebraica.
Nasceu no seio de uma família pagã na Geórgia, ao lado do monte Cáucaso.
Apenas cumpriu a idade necessária, saiu de casa para ir para Constantinopla, centro cultural e religioso daqueles tempos.
Foi nesta grande cidade onde abraçou a fé cristã. E o fez num dos mosteiros mais fervorosos de quantos visitou por aqueles sítios.
Eram os anos em que se havia desencadeado uma guerra terrível contra as imagens. Provinha esta contenda dos iconoclastas, quer dizer, de gente que não podia ver as imagens.
De ordinário, um dos trabalhos a que costumavam dedicar-se os monges, era a pintura de imagens. Não davam tempo para restituir as imagens que destrocavam nos templos.
Os próprios imperadores publicavam éditos em que condenavam a pintura de imagens do Senhor e da Virgem ou dos santos.
Os monges seguiam pintando sem fazer caso dos éditos. Lázaro era um bom monge e um melhor pintor.
De facto, Teófilo, sucedeu no trono a seu pai Miguel, ano 829. Voltou a promulgar um édito condenando a pena de morte a quem pintasse imagens.
Se inteirou de que Lázaro pintava muitas e bem. Então o mandou prender. Lhe deram tais pauladas que o deram por morto. 
A imperatriz Teodora, que era cristã, foi a ver a Lázaro com a intenção de escondê-lo na igreja de são João.
Aqui se restabeleceu das pauladas e começou a pintar de novo, começando pela figura do Precursor de Jesus.
Quando Teófilo morreu, a imperatriz e seu filho Miguel III no  ano 855.
¡Felicidades a quem leve este nome!

Rafaela Ybarra, Beata
Fevereiro 23   -  Fundadora

Rafaela Ybarra, Beata

Rafaela Ybarra, Beata

Fundadora

Etimologicamente significa “medicina de Deus”. Vem da língua hebraica.
Em qualquer hemisfério, o consumo exerce uma atracção irresistível e capta as forças humanas. O consumo engendra injustiças que desembocam na violação dos direitos de dois terços da humanidade. O consumo deixa atrás de foi o amor a seus filhos e a todos aqueles que necessitavam de caridade tanto material como espiritual.
Não há estado a que se proíba a santidade. Rafaela é um exemplo claro de como suas obrigações familiares não fossem obstáculo para que chegasse acima da santidade. 
Mas entre suas preferências caritativas destaca , sem dúvida alguma, as meninas e as jovens.
Eram tempos difíceis na cidade industrial. Chegavam de todas partes em busca de trabalho. Estavam expostas a todo tipo de perigos.
¿Que fez então a fundadora de “As religiosas dos Santos Anjos Custódios?”
Se entregou plenamente a fundar casas ou pisos para acolhê-las. E, além disso, montou oficinas para sua formação profissional.
Todo Bilbao se sentia a gosto colaborando com esta mulher santa.
Seu carisma ficou plasmado nas residências – oficinas. Este carisma se sintetiza nestas palavras: "Doçura nos meios e firmeza nos fins; o que não alcance o amor, não o conseguirá o temor".
Sem o consumo, sua obra segue viva na Igreja em suas comunidades e obras por Espanha e muitas outras nações de América latina.
Morreu santamente em Bilbao em 1900. João Paulo II a levou aos altares em Setembro de 1984.
¡Felicidades a quem leve este nome!

Sereno, São
Fevereiro 23   -  Mártir

 

Etimologicamente significa “tranquilo, pacífico, transparente”. Vem da língua latina. 
O crente não olha para trás, mas que põe seus olhos em Cristo para tirar até diante. Confia plenamente no Evangelho. Este é quem te dá as fontes de teu júbilo interior.
Hoje estás ante um mártir cristão do século IV. Longe no tempo, mas próximo por sua forma viva de viver o cristianismo. 
É tão belo seu nome como um céu de primavera.
Igualmente é bela a lenda que se atribui a este jovem. Trabalhava como jardineiro e floricultor. Era grego de origem.
Ao contacto com a natureza, pensou que o melhor para sua vida, era entregar-se ao Senhor por inteiro, levando um estilo de vida semelhante ou igual a muitos tantos outros ermitãos.
Sua grande paixão eram as flores e os jardins. Para ele constituíam um meio para fazer continuamente oração e contemplação.
Desde estas coisas naturais, ele se remontava com facilidade ao Criador de todas elas.
Diz que suas flores eram as mais belas de Panónia.
Se conta que um dia viu passear só por seu jardim a mulher de um general. Era a coisa mais normal ontem, hoje e amanhã. Mas o raro é que estava passeando sozinha à hora do meio-dia.
Estava proibido por aquele tempo essa hora de saída. Sereno lhe fez ver que não era o mais adequado.
Esta advertência a sentiu muito mal. Ela contou a seu marido. E este, sem duvidar o mínimo, mandou os soldados para que prendessem a Sereno. Não foi a julgamento por ser cristão, mas por difamação. O julgamento foi uma farsa. Lhe cortaram a cabeça.
¡Felicidades a quem leve este nome!

Romina ou Romana, Santa
Fevereiro 23   -  Biografia

Mártir de amor a Cristo e aos outros

Etimologicamente Romina é uma forma derivada de Romana e significa “senhora de Roma”. Sua festa se celebra em 23 de Fevereiro em recordação de Santa Romana virgem, mártir em Todi (cidade italiana) no século IV.
Esta rapariga sentiu muito cedo em sua vida a vocação religiosa. Aos dez anos se marchou de casa e foi para o monte de Soratte São Silvestre para receber o baptismo.
Uma vez que se fez cristã, foi para Todi. Lá buscou um lugar en que pudesse viver sozinha em constante oração e com profunda fé.
Pronto sua fama de santa chegou aos ouvidos dos cristãos. Muitos deles e delas se acercaram e seguiram sua forma de viver santamente.
Era filha de Calfurnio, governador de Roma. Uma vez que abraçou a fé em Cristo, renunciou a todo o luxo  e comodidades que bem pudera haver tido por sua família e avoengo.
Hoje em dia, no monte em que viveu feliz como ermitã, há uma inscrição que afirma:” em 23 de Fevereiro em Todi, a santa Romana virgem recebeu o baptismo nesta cova em que realizou milagres e sua glória cobrou fama. Esta inscrição é difícil de ler.
Elegeu esse lugar para sentir-se mais unida ao Papa são Silvestre porque admirava sua santidade. Daqui surgiu o facto de que se le chame a este Lugar Monte são Silvestre. 
O papa costumava enviar-lhe consolos espirituais. Uma vez lhe disse:” Volta quando floresçam as rosas”. E ainda que fosse pleno inverno e tudo estava gelado, uma manhã voltou a são Silvestre com uma rosa florida.
Se encaminhou só para a cidade de Todi. Tão querida era que iam a vê-la e se uniam a ela na oração. Era o ano 324.
Seu corpo foi sepultado na gruta ou cova. Morreu santamente ante muitas pessoas. Se construiu um altar em que se celebravam muitas missas. Em 1301 foi trasladado seu corpo à igreja de são Fortunato. Foi uma mártir de amor a Cristo e aos outros.
¡Felicidades a quem leve este nome!
Nada te turve, nada te espante. Só Deus basta” (Santa Teresa de Ávila).

http://es.catholic.net/Santoral

Recolha, transcrição e tradução de espanhol para português por António Fonseca