OS MEUS DESEJOS PARA TODOS

RecadosOnline.com

quinta-feira, 11 de março de 2010

Notícias de Agência Ecclesia – Digital

In: Agência Ecclesia

 

Igreja e Estado na I República

Segundo número da Edição Digital da Agência Ecclesia para o Centenário da República

O segundo número da Edição Digital da Agência ECCLESIA para o Centenário da República é dedicado às relações Igreja-Estado, com destaque para a Lei de Separação de 1911.

Esta publicação é um projecto editorial que, ao longo deste ano de 2010, oferece aos leitores 10 números com informação relativa ao Centenário da República. Artigos de opinião, notícias e acontecimentos em agenda são conteúdos que se disponibilizam nesta edição digital.

Todos estão relacionados com o Centenário da República: porque apresentam os acontecimentos ocorridos há 100 anos ou porque relatam iniciativas que hoje os assinalam.

Em cada número, é publicada também uma entrevista a investigadores da temática da República de 1910. Nesta edição, a análise às relações entre a Igreja e o Estado, nomeadamente à Lei da Separação de 1911, percorre a entrevista ao Pe. João Seabra.

Esta edição digital da Agência ECCLESIA, pela sua especificidade editorial, centra atenções nas reportagens, entrevistas e artigos de opinião que salientem o factor religioso em todo o narrar histórico em torno do ano de 1910 e nos eventos que, durante este ano de 2010, o assinalam.

Lei da Separação

As mudanças ocorridas sequência do 5 de Outubro de 1910 estenderam-se, naturalmente, à vida da Igreja. Ajudar a perceber esses dinamismos é um dos objectivos da obra “O Estado e a Igreja em Portugal no Início do Século XX. A Lei da Separação de 1911”, do Pe. João Seabra (Principia, 2009).

Em entrevista à Agência ECCLESIA, este especialista recorda que muitos sacerdotes foram presos e deportados para fora das suas paróquias. Bispos e padres foram espoliados dos Paços e casas paroquiais, muitas igrejas foram fechadas.

Para lá da imensidão do património perdido, contudo, o Pe. João Seabra centra a sua atenção na luta da Igreja Católica pela independência e não-sujeição, contra uma acção republicana que considera antidemocrática e contrária aos valores da liberdade.

Muitas pessoas, lamenta, não sabem o que se passou ou limitam-se a uma leitura superficial dos acontecimentos, ignorando que por detrás da Separação estava, em verdade, um programa político que visava a erradicação do catolicismo.

“Há muitas coisas na Lei que tornariam a Igreja completamente submetida ao Estado e só não ficou assim porque adoptou uma prática de desobediência civil, de resistência activa e passiva", alerta o especialista.

Para o sacerdote do Patriarcado de Lisboa, "é muito importante para compreender o conflito que aconteceu perceber que a Igreja, os Bispos, não pretendiam a manutenção do estatuto da religião de Estado".

O Pe. João Seabra alerta que "não devemos iludir-nos com os efeitos da perseguição: as perseguições fazem mal, a Igreja ficou muito mal-tratada na perseguição republicana".

Neste conflito com os republicanos, destaca, os Bispos sacrificam a questão do património por causa de outros valores que consideram mais importantes: "Quando os Bispos fazem a sua pastoral, em 1911, dizendo que não se podem aceitar as cultuais, sabem que vão ficar sem paço episcopal; quando os párocos obedecem à pastoral do Bispo, sabem que vão perder a casa paroquial. Isto aconteceu de Norte a Sul do país, para não ceder na libertas ecclesiae, na liberdade de Igreja".

"O que estava em causa era uma forma de governo eclesial contrária à doutrina da Igreja e uma forma de remuneração do clero que o punha sujeito ao Estado. Para não aceitar estas duas coisas, para não abdicar da liberdade, a Igreja abdicou do património", conclui.

Nacional | Agência Ecclesia | 2010-03-09 | 16:35:51 | 4564 Caracteres |

INICIO | EDITORIAL | NACIONAL | INTERNACIONAL | DOCUMENTOS | DOSSIER | ENTREVISTA | AGENDA | ESTANTE | FOTOS | ÁUDIO | VÍDEO | TEMAS | AUTORES | TODAS AS NOTÍCIAS

Recolha e transcrição por António Fonseca, do Boletim digital da Agência Ecclesia – 11-03-2010

11 de MARÇO de 2010 - REZAR NA QUARESMA e SANTOS DO DIA

11 DE MARÇO

QUINTA-FEIRA – 3ª SEMANA DA QUARESMA

Lucas 11, 14-23

“SE EU EXPULSO OS DEMÓNIOS COM  O DEDO DE DEUS É PORQUE CHEGOU ATÉ VÓS O REINO DE DEUS”

*************

Ás vezes, o nosso coração não quer abrir os olhos à bondade de Deus.

Não conseguimos ver a sua beleza já presente na nossa vida.

Este é o tempo para procurar o dedo de Deus no mundo, a presença do seu Reino no meio de nós.

»»»»»»»»»

Abre-me os olhos para a luz.

Para a beleza da Tua presença amiga.

Ensina-me a acreditar de novo que Tu estás perto.

Que a vida pode ser lugar de encontro conTigo.

************************

edisal@edisal.salesianos.pt

www.edisal.salesianos.pt

NOTA:  Ver nota em 17-Fevereiro-2010

António Fonseca  -  www.aarfonseca@hotmail.com

=============================

+++++++++++++++++++++++++++++++++++++

***************************************************************************

SANTOS DO DIA DE HOJE

11 DE MARÇO DE 2010

Eulógio de Córdoba, Santo
Março 11   -  Presbítero e Mártir

Eulogio de Córdoba, Santo

Eulógio de Córdoba, Santo

Presbítero e Mártir

Martirológio Romano: Em Córdoba, na região de Andaluzia, em Hispânia, santo Eulógio, presbítero e mártir, degolado por sua preclara confissão de Cristo. Sua memória litúrgica se celebra em 9 de Janeiro (859).
Etimologicamente: Eulógio = Aquele que fala bem.

Dizem que Santo Eulógio é a maior glória de Espanha no século nono. Viveu na cidade de Córdoba, que estava ocupada pelos muçulmanos ou maometanos, os quais somente permitiam ir a missa aos que pagavam um imposto especial por cada vez que foram ao templo, e castigavam com pena de morte ao que falara em público de Jesus Cristo, fora do templo.
Nasceu no ano 800 de uma família que se conservava ferventemente católica no meio da apostasia geral quando a maioria dos católicos havia abandonado a fé por medo ao governo muçulmano. Este santo será o que logrará renovar o fervor pela religião católica em sua cidade e os arredores.
Seu avô, que se chamava também Eulógio, o ensinou desde pequeno a que cada vez que o relógio da torre dava as horas, dissesse uma pequena oração, por exemplo: "Deus meu, vem em meu auxilio, Senhor, vem depressa a socorrer-me".
Teve por mestre a um dos maiores sábios de seu tempo, o famoso Esperaindeo, o qual o formou muito bem em filosofia e outras ciências. Como companheiros de estudos teve a Pablo Alvarez, o qual foi sempre seu grande amigo e escreveu mais tarde a vida de Santo Eulógio com todos os detalhes que logrou ir coleccionado.

PROBLEMAS TÉCNICOS IMPEDEM-ME DE CONTINUAR A TRADUÇÃO DESTA BIOGRAFIA, ,PELO QUE OS MEUS EVENTUAIS LEITORES, DEVERÃO CONSULTAR O SITE HTTP://ES.CATHOLIC.NET/SANTORAL PARA SABER MAIS SOBRE SANTO EULÓGIO. OBRIGADO E DESCULPEM. António Fonseca


Eulogio de Córdoba, Santo

Eulógio de Córdoba, Santo

Um soldado o esbofeteou na face direita e nosso santo lhe apresentou a face esquerda e foi novamente esbofeteado. Logo o levaram ao lugar de suplício e lhe cortaram a cabeça. Pouco depois martirizaram também a Santa Lucrécia.
Santo Eulógio: ¡Consegue-nos um grande entusiasmo por nossa religião!.

Constantino de Escócia, Santo
Março 11   -  Rei e Mártir

Constantino de Escocia, San

Constantino de Escócia, Santo

Rei e Mártir

Constantino é um nome afortunado e o demonstra a longa lista de santos que o levaram, começando pelo próprio imperador Constantino, cujo culto se estendeu rapidamente em todo o Oriente e se fixou a festa para  21 de Maio junto com a de sua mãe, santa Elena. No Ocidente seu culto se limitou às regiões de Sicília, Calábria e Sardenha, pela influência bizantina nesses lugares.
Hoje a Igreja latina celebra a festa de outro Constantino, também rei, que coroou sua atormentada vida com o martírio.
Sua devoção se difundiu sobretudo na Grã Bretanha e Irlanda. 
No inicio de sua juventude levava uma vida desregrada, tanto em público como em privado, manchando-se com várias culpas, como assassinatos e sacrilégio; para ficar mais livre para suas conquistas amorosas, se havia divorciado de sua mulher. Mas depois, sendo todavia jovem, foi tocado pela graça, se converteu e cambiou radicalmente de vida. Em primeiro lugar abandonou o trono e o poder e, para expiar seus pecados, se retirou ao mosteiro irlandês de Rathan.
Era a época de grande florescimento do monaquismo irlandês, que havia começado com a pregação de são Patrício e continuado nos séculos seguintes graças ao bom número de santos. Sob a guia de santa Columba, o ex-rei Constantino se fez sacerdote depois de sete anos de vida penitente e de estudo da Sagrada Escritura; depois regressou a Escócia, não já com as insígnias reais, mas sob o humilde traje de monge, a pregar o Evangelho.
Foi neste período quando o país se converteu ao cristianismo, assumindo o nome de “Scotia”, que até esse tempo havia pertencido a Irlanda.
Constantino havia ido a construir o Reino de Deus na terra onde havia cometido tantas maldades, já sanadas pelo perdão de Deus e pelo grande testemunho de seu amor a Cristo. Com efeito, Constantino recebeu a palma do martírio na Escócia, onde foi assassinado por alguns pagãos fanáticos, por sua fé no Evangelho que ia pregando pelas ruas e praças. 
É considerado o primeiro mártir de Escócia

Cláudia Russo, Serva de Deus
Março 11   -  Fundadora

Claudia Russo, Sierva de Dios

Cláudia Russo, Serva de Deus

Fundadora

Esta laboriosa napolitana não sonhava que um dia seria a fundadora de “As pobres Filhas da Visitação de Maria”, quando veio ao mundo em Barra (Nápoles) em 18 de Novembro de 1889, foi a quinta de dez filhos.
Quem a conheceu –já que morreu em 11 de Março de 1964– conta que era uma rapariga tão sensível e tão intuitiva respeito aos pobres, que qualquer coisa que lhe fizessem para meter-se com eles ou algum outro desaire, o sentia como se o fizessem a ela mesma. 
O encontro com pessoas de valia pessoal, sempre aportam riquezas e ideias para as emular. Cláudia teve a sorte de conhecer em Nápoles a hoje Beata Catalina Volpicelli.
Tanto influiu nela o gesto e a amabilidade daquela fundadora que, desde então, lhe entrou, por inspiração divina, o desejo de consagrar sua vida servindo a Deus através dos mais necessitados.
Como ocorreu já muitas vezes ao longo da história da Igreja, se uniu com várias amigas íntimas e com uma vivência profunda da vida cristã.
Entre todas elas trabalhavam e prestavam sua assistência aos pobres do bairro em que viviam. Para isso pediam esmola, trabalhavam inclusive de noite no campo para que nenhum pobre fosse para a cama sem ter comido algo.
Deus, ao ver sua generosidade e sua entrega à porção evangélica por excelência, que são os mais necessitados, a animou a que fundasse a “Casa dos Pobres”. 
No ano seguinte, em 20 de Junho de 1926, este grupo de raparigas formou a primeira comunidade religiosa com sete jovens como religiosas e doze anciãs como colaboradoras.
Como obra que vinha de Deus e no do capricho destas jovens, Deus lhe deu muitas vocações e campos de apostolado nas paróquias e em casas para os pobres. 
A Santa Sede aprovou esta congregação nova em 25 de Fevereiro do ano 1947.
Seu processo de beatificação iniciou no ano 1971
¡Felicidades a quem leve este nome!

Sofrónio de Jerusalém, Santo
Março 11   -  Patriarca

Sofronio de Jerusalén, Santo

Sofrónio de Jerusalém, Santo

Sofrónio nasceu em Damasco e desde pequeno estudou tão excessivamente, que esteve a ponto de ficar cego; mas graças a isso o santo chegou a ser tão versado em filosofia grega, que recebeu o sobrenome de "o sofista".
Junto com seu amigo, o célebre ermitão Juan Mosco, viajou muito por Síria, Ásia Menor e Egipto, onde tomou o hábito de monge, no ano 580. Os dois amigos viveram juntos durante vários anos na "laura" de São Sabas e no mosteiro de Teodósio, perto de Jerusalém.
Seu desejo de maior mortificação os levou a visitar aos famosos ermitãos de Egipto. Depois foram a Alexandria, onde o patriarca São Juan el Limosnero lhes rogou que permanecessem dois anos em sua diocese o ajudar a reformá-la e a combater a heresia. Na dita cidade foi onde Juan Mosco escreveu o "Prado Espiritual", que dedicou a São Sofrónio. Juan Mosco morreu no ano 620, em Roma, a onde havia ido em peregrinação.
São Sofrónio retornou a Palestina e foi eleito patriarca de Jerusalém, por sua piedade, saber e ortodoxia.

PROBLEMAS TÉCNICOS IMPEDEM-ME DE CONTINUAR A TRADUÇÃO DESTA BIOGRAFIA, ,PELO QUE OS MEUS EVENTUAIS LEITORES, DEVERÃO CONSULTAR O SITE HTTP://ES.CATHOLIC.NET/SANTORAL PARA SABER MAIS SOBRE SANTO SOFRÓNIO DE JERUSALÉM. OBRIGADO E DESCULPEM. António Fonseca


HTTP://ES.CATHOLIC.NET/SANTORAL

Recolha, transcrição e tradução de espanhol para portuguêsde algumas das biografias (!!!)por António Fonseca