OS MEUS DESEJOS PARA TODOS

RecadosOnline.com

domingo, 14 de março de 2010

14 DE MARÇO DE 2010 - REZAR NA QUARESMA e SANTOS DO DIA

14 DE MARÇO

DOMINGO – 3ª SEMANA DA QUARESMA

Lucas 15, 1-3.-11-32

“ESTE MEU FILHO ESTAVA MORTO E VOLTOU À VIDA, ESTAVA PERDIDO E ENCONTROU-SE”

*************

A história do filho pródigo é a nossa história.

Por isto ou por aquilo, esquecemos o que é importante e vamos procurar a felicidade fora do amor verdadeiro.

Assim vem o isolamento, a tristeza.

Mas a história do Pai sempre capaz de perdoar e de fazer festa com o nosso regresso é também a nossa história.

Para todos nós, o Pai está à espera.

 

»»»»»»»»»

Tu, Pai de todos nós, sempre nos acolhes, depois dos nossos fracassos.

A tua casa e o teu abraço estão sempre à nossa espera.

Em Ti não há acusações nem ajustes de contas.

Há somente perdão e bondade que se torna festa e vida nova.

 

************************

edisal@edisal.salesianos.pt

www.edisal.salesianos.pt

NOTA:  Ver nota em 17-Fevereiro-2010

António Fonseca  -  www.aarfonseca@hotmail.com

=============================

+++++++++++++++++++++++++++++++++++++

***************************************************************************

SANTOS DO DIA DE HOJE

14 DE MARÇO DE 2010

Matilde, Santa
Março 14  -  Rainha

Matilde, Santa

Matilde, Santa

Matilde era descendente do célebre Widukind, capitão dos saxões em sua longa luta contra Carlomagno, como filha de Dietrich, conde de Westfalia e de Reinhild, vástago da real casa de Dinamarca. Quando a menina nasceu no ano 895, foi confiada ao cuidado de sua avó paterna, a abadessa do convento de Erfut. Ali, sem se afastar muito de seu lar, Matilde se educou e cresceu até se converter numa jovenzita que sobressaia a suas companheiras em beleza, piedade e ciência, segundo se diz. A seu devido tempo se casou com Enrique, filho do duque Otto de Saxónia, a quem chamavam "o caçador". O matrimónio foi excepcionalmente feliz e Matilde exerceu sobre seu esposo uma moderada, mas edificante influência. Precisamente depois do nascimento de seu primogénito, Otto, aos três anos de casados, Enrique sucedeu a seu pai no ducado. Mais ou menos a princípios do ano 919, o rei Conrado morreu sem deixar descendência e o duque foi elevado ao trono de Alemanha. Não cabe dúvida de que sua experiência de soldado valente e hábil lhe resultou muito útil, posto que sua vida foi uma luta constante em que triunfou muitas vezes de maneira notável. 
O próprio Enrique e seus súbditos atribuíram seus êxitos, tanto às orações da rainha, como a seus próprios esforços. Esta seguia vivendo na humildade que a havia distinguido de menina. A seus cortesãos e a seus servidores, mais lhes parecia uma mãe amorosa que sua rainha e senhora; nenhum dos que acudiram a ela em demanda de ajuda ficou defraudado. Seu esposo rara vez lhe pedia contas de suas esmolas ou se mostrava irritado por suas práticas piedosas, com a absoluta certeza de sua bondade e confiando nela plenamente. Depois de vinte e três anos de matrimónio, o rei Enrique morreu de apoplexia, em 936. Quando a avisaram que seu esposo havia morrido, a rainha estava na igreja e aí se ficou, voltando sua alma ao pé do altar numa fervente oração por ele. Em seguida pediu a um sacerdote que oferecesse o santo sacrifício da missa pelo eterno descanso do rei e, tirando as jóias que levava, as deixou sobre o altar como prenda de que renunciava, desde esse momento, às pompas do mundo.
Haviam tido cinco filhos: Otto, mais tarde imperador; Enrique o Tendencioso; São Bruno, posteriormente arcebispo de Colónia; Gerberga que se casou com Luis IV, rei de França e Hedwig, a mãe de Hugo Capeto. Apesar de que o rei havia manifestado seu desejo de que seu filho mais velho, Otto, lhe sucedesse no trono, Matilde favoreceu a seu filho Enrique e persuadiu a alguns nobres para que votassem por ele; não obstante, Otto, resultou eleito e coroado. Enrique não aceitou de boa gana renunciar a suas pretensões e promoveu uma rebelião contra seu irmão, mas foi derrotado e solicitou a paz. Otto o perdoou e, pela intercessão de Matilde, o nomeou duque de Baviera. A rainha levou desde então uma vida de completo auto-sacrifício; suas jóias haviam sido vendidas para ajudar aos pobres e era tão pródiga em suas dádivas, que deu motivo a críticas e censuras. Seu filho Otto a acusou de haver ocultado um tesouro e de mal gastar os ingressos de sua coroa; lhe exigiu que rendesse contas de tudo quanto havia gasto e enviou espias a vigiar seus movimentos e registar seus donativos.

(PELA SUA GRANDE EXTENSÃO, NÃO ME É POSSÍVEL, EM TEMPO ÚTIL EFECTUAR A TRADUÇÃO COMPLETA DA BIOGRAFIA DE SANTA MATILDE, PELO QUE OS MEUS POSSÍVEIS LEITORES, PODERÃO PROCURAR EM HTTP://ES.CATHOLIC.NET/SANTORAL, O RESTO DA MESMA. AS MINHAS DESCULPAS E OBRIGADO. António Fonseca)

• Arnaldo, Beato
Março 14   -  Abade

Arnaldo, Beato

Arnaldo, Beato

Abade de Santa Justina de Pádua
Etimologicamente significa “forte e valente”. Vem da língua alemã.
Deus confia a todos uma ou várias pessoas. Mais ou menos, todos hão recebido um dom pastoral para escutar a outro e chegar a captar o que lhe faz mal. Escutar, para aplanar o terreno e preparar os caminhos de Cristo.
Desde muito jovem entrou no mosteiro de santa Justina, ao lado de Pádua.
Tanta era sua devoção, sua austeridade de vida e seu exemplo vivente para os irmãos, que o elegeram abade os 24 anos.
Era uma pessoa muito inteligente e, como tal, se dedicou a defender os direitos dos mosteiros reivindicando antigos privilégios.
Um destes privilégios era que o abade tinha direito a participar na eleição do bispo.
Também restaurou o mosteiro e fez outros novos.
Quando o rei Ezelino se apoderou de Pádua no ano 1237, meteu na cadeia ao abade do outro mosteiro. Arnaldo fugiu.
Em 1238 o rei Federico II devolveu o mosteiro aos monges e inclusive ficou com eles durante dois meses.
Mas a história é coisa distinta da vida religiosa. Apenas se marchou o imperador, Ezelino prendeu a Arnaldo e o encerrou numa fortaleza comendo pão e água.
Desta forma, lentamente foi perdendo a saúde,até que morreu no dia dez de Fevereiro de 1246.
Apenas se foi o rei, seus restos se trasladaram a santa Justina.
¡Felicidades a quem leve este nome!

Giacomo Cusmano, Beato
Março 14   -  Fundador

Giacomo Cusmano, Beato

Giacomo Cusmano, Beato

O Beato Giacomo Cusmano nasceu no dia 15 de Março do ano 1834 na cidade de Palermo, Itália. 
Ficou órfão de mãe quando tinha apenas 3 anos de idade, é educado por monjas Vicentinas. Desde sua meninice mostrou uma grande sensibilidade ao sofrimento dos demais.
Terminados seus estudos superiores na Universidade Jesuíta Máximo, inscreveu-se na faculdade de medicina e cirurgia, graduando-se os 21 anos de idade. Por sua generosidade e desinteresse se voltou "doutor dos pobres".
Mas a voz de Deus, cada vez mais imperiosa, empurra o jovem doutor a completar e enriquecer sua nobre profissão com a dedicação e consagração total a Deus e, por amor a Ele, aos pobres. Abraçou sua vocação eclesiástica e se ordenou sacerdote em 22 de Dezembro de 1860.
Em 12 de Fevereiro de 1867 se fundou a Associazione del Boccone del Povero, composta por sacerdotes e homens e mulheres laicos, sob a presidência de Monsenhor Naselli, Arcebispo de Palermo, que benzeu a obra, recebendo logo a bênção papal, instituindo-se canonicamente em 1868.
Em 23 de Maio de 1880, festa da Santíssima Trindade, entrega o hábito às primeiras monjas. Em 4 de Outubro de 1884 entrega o hábito aos primeiros fraternos e em 21 de Novembro de 1887 se reúne a Comunidade Missionária que já levava algum tempo servindo aos pobres, fundando-se assim oficialmente as Congregações das Servas e os Servos dos Pobres.
Abre hospitais, casas para anciãos pobres e abandonados e para órfãos. O chamavam o "Padre dos Pobres."
Morre, com fama de santidade, em 14 de Março de 1888 em Palermo, estranhado por todos, sem distinção de classes sociais, ideológicas ou partidárias.
Beatificado por sua Santidade João Paulo II em 30 de Outubro de 1983.
A obra fundada por ele se estendia -até à data de publicação deste artigo- por Itália, Roménia, Estados Unidos, México, Brasil, Camarões, Uganda, República Democrática do Congo, Filipinas e Índia.

http://es.catholic.net/santoral

Recolha, transcrição e tradução de espanhol para português por António Fonseca