OS MEUS DESEJOS PARA TODOS

RecadosOnline.com

segunda-feira, 15 de março de 2010

16 DE MARÇO DE 2010 - REZAR NA QUARESMA e SANTOS DO DIA

16 DE MARÇO

TERÇA-FEIRA – 3ª SEMANA DA QUARESMA

João 5, 1-3a.5-16

“LEVANTA-TE, PEGA NO TEU CATRE E ANDA.”

*************

Jesus diz estas palavras ao paralítico que encontrou na sinagoga mas também a ti.

Jesus pergunta-te se queres ser curado.

Se queres desbloquear o coração (até antes das pernas).

Para que possas voltar a correr.

A viver com entusiasmo.

Com fidelidade ao Evangelho.

Pega no teu catre.

Pega em todas as resistências que te afastam do Senhor.

Os teus medos, a indiferença, tudo o que paralisa o teu coração e a tua mente.

E anda!

»»»»»»»»»

Senhor, dá-me a coragem de enfrentar os medos que me paralisam.

Que o teu amor e a tua bondade desbloqueiem o meu coração.

E eu possa correr ao encontro dos outros para os amar e servir.

 

************************

edisal@edisal.salesianos.pt

www.edisal.salesianos.pt

NOTA:  Ver nota em 17-Fevereiro-2010

António Fonseca  -  www.aarfonseca@hotmail.com

=============================

+++++++++++++++++++++++++++++++++++++

***************************************************************************

SANTOS DO DIA DE HOJE

16 DE MARÇO DE 2010

Abraham Kidunaia de Edesa, Santo
Março 16   -  Anacoreta

Abraham Kidunaia de Edesa, Santo

Abraham Kidunaia de Edesa, Santo

Anacoreta

Martirológio Romano: Em Edesa, na antiga Síria, São Abraham, anacoreta, cuja vida foi descrita pelo diácono Santo Efrén.
Etimologicamente: Abraham = Aquele que é pai de muitos povos. 
O admirável varão santo Abraham (ou Abraão), cuja vida nos deixou escrita santo Efrén, nasceu nas cercanias de Edesa na Mesopotâmia, de pais muito ricos, os quais o amavam ternamente, e foi tanta a instância que lhe fizeram para que se casasse, e tantas as lágrimas que derramou a mãe, que só para não os entristecer disse que se casaria.
Prepararam-se as festas e bodas, e havendo durado seis dias o regozijo, ao sétimo, ao tempo que toda a casa estava ocupada em convites, músicas, bailes e danças, saiu Abraham secretamente dela e foi encerrar-se numa gruta que distava a mais ou menos Encontraram-no ali ao cabo de dezassete dias, e o santo falou a seus pais com tanto espírito de Deus, que até conseguiu de sua esposa que consentisse numa perpétua separação. Tudo quanto possuía na terra era uma túnica de pelo de cabra, um manto, uma escudela para comer e beber, e uma esteira de juncos para se deitar.
Nesta vida havia passado já alguns anos quando o bispo de Edesa lhe mandou que se ordenasse de sacerdote e evangelizasse uma população de gentios muito obstinados que havia na diocese. Três anos gastou o santo na obra de os converter: apedrejaram-no, deixaram-no como morto, arrastaram-no três vezes pelas ruas; mas finalmente se renderam, e se deitaram.a seus pés para que os baptizasse.
Voltou-se depois Abraham para o seu antigo encerramento, e nesta altura uma sobrinha sua chamada María ficou órfã aos sete anos de sua idade, e a levaram ao santo; o qual a pôs numa cela imediata à sua e ali por uma pequena janela a instruía nas coisas de Deus. 
Mas como a  poucos anos de seu recolhimento visse a donzela a perder-se pela tentação de um moço que em hábito de monge foi a visitar o santo, em lugar de arrepender-se de seu pecado, se foi a uma cidade, que estava dali a duas jornadas, e com hábito de secular, galã e lascivo se entrou numa casa para perder-se de todo.
Teve Abraham revelação da queda de sua sobrinha, e desejoso de tirar aquela alma das garras do dragão infernal e restitui-la a Jesus Cristo, buscou um cavalo, e vestido de soldado, se foi à cidade e á casa onde María vivia, à qual falou com tão ternas palavras, que compungida e cheia de confusão se desfez em lágrimas,
Sem ousar olhar a cara de seu tio. «Não te desesperes, filha, –disse-lhe o santo- porque não há chaga tão incurável que com o sangue de Cristo não se possa curar». Voltou logo María à sua antiga morada, onde se deu de tal sorte à penitência, que foi um perfeito retrato da santidade de seu tio, e finalmente companheira de sua glória em seu ditoso trânsito.

ORAÇÃO

Oh Deus,
que cada ano nos alegras com a festa,
de teu confessor,
o bem-aventurado Abraham,
dá-nos tua graça para que
celebrando a nova vida
de que goza na glória,
imitemos suas virtuosas acções na terra.
Por Jesus Cristo, nosso Senhor.
Ámen.

Benedicta de Assis, Beata
Março 16   -  Abadessa

Benedicta de Asís, Beata

Benedicta de Assis, Beata

Ingressou nas Clarissas de Assis em 1214, sucedeu a Santa Clara no governo do mosteiro de São Damiano, permanecendo nesse cargo até 1260.
Pôde assistir à construção da basílica em honra de Santa Clara, e à mudança das Clarissas desde o local anexo à velha igreja de São Jorge.
Morreu de causas naturais no ano 1260.
Seus restos se encontram na Basílica de Santa Clara de Assis.

Heriberto de Colónia, Santo
Março 16   -  Bispo

Heriberto de Colonia, Santo

Heriberto de Colónia, Santo

Bispo

Martirológio Romano: Em Colónia, na Alemanha, santo Heriberto, bispo, que, sendo chanceler do imperador Otón III, foi eleito à força para a sede episcopal, desde onde iluminou constantemente o clero e o povo com o exemplo de suas virtudes, que também recomendava na pregação (1021).
Etimologicamente: Heriberto = Aquele que é temido na batalha, é de origem germânica.

Nasceu em Worms, no ano 970, morreu em 16 de Março de 1021 em Colónia.
Foi arcebispo de Colónia, chanceler do imperador Otón III e fundador da abadia de Deutz.
Heriberto era filho do duque Hugo de Worms. Após estudar na escola da catedral de Worms, sua cidade natal, passou algum tempo no mosteiro beneditino de Gorza, situado no ducado de Lorena.
Depois deste período foi Nesse mesmo ano o rei Otón III o nomeou chanceler para Itália e quatro anos mais tarde, também para Alemanha, cargo que manteve até à morte do imperador em 23 de Janeiro de 1002.
Como chanceler, Heriberto se converteu no conselheiro mais importante de Otón III, a quem acompanhou a Roma em 996 e 997. Todavia estava em Itália quando em 999 foi eleito arcebispo de Colónia.
Recebeu a investidura eclesiástica e o pálio de parte do papa Silvestre II em 9 de Julho de 999 na cidade italiana de Benevento, sendo consagrado na Catedral de Colónia em dia de Natal desse mesmo ano. 
No ano 1002 esteve presente no leito de morte do imperador em Paterno.
Quando regressava a Alemanha com os restos do imperador e a insígnia imperial, foi feito prisioneiro por um tempo pelo futuro rei Enrique II, a cuja candidatura Heriberto se havia oposto inicialmente.
Tão cedo como Enrique foi eleito novo rei, em 7 de Junho de 1002, mudou de postura para passar a reconhecer ao novo rei e servi-lo fielmente, acompanhando-o a Roma em 1004 e mediando entre o monarca e a Casa de Luxemburgo entre outras obras.
Sem embargo Heriberto nunca ganhou a total confiança de Enrique II até ao ano 1021, quando o rei reconheceu seu erro e pediu perdão ao arcebispo, o mesmo ano da morte do santo.
Heriberto fundou o mosteiro beneditino e a igreja de Deutz, a que fez generosos donativos e onde se encontra seu túmulo. Heriberto foi considerado santo já em vida. 
O papa Gregório VII o canonizou entre 1073 e 1075. Sua festa se celebra no mesmo dia de seu falecimento, em 16 de Março.

• Juan de Brébeuf, Santo
Março 16   -  Mártir

Juan de Brébeuf, Santo

Juan de Brébeuf, Santo

Mártir Jesuíta

Martirológio Romano: Na região dos hurões, no Canadá, paixão de são Juan de Brébeuf, presbítero da Companhia de Jesus, que enviado desde França para a missão do Hurón, morreu por Cristo depois de ingentes trabalhos, atormentado com grande crueldade por alguns pagãos do lugar. Sua memória, com a dos companheiros, se celebra o dia 19 de Outubro (1649).

É o padroeiro dos jesuítas do Canadá e um dos mais insignes missionários da Companhia de Jesus.

Nascimento e pátria
Juan
nasce em 25 de Março de 1593, em Condé sur Vire, na Normandía oriental, França.
Pertence a uma família de terra tenentes e granjeiros. Seus pais são ricos, e bem considerados dentro de sua classe, e em toda a região. São católicos decididos, apesar do predominante calvinismo de Normandía.

Sua formação
 
O mestre da escola, ou talvez o sacerdote da paróquia de Condé sur Vire, o ensina a ler e a escrever.
Devido à posição da família, Juan estuda depois na Academia da vizinha cidade de Saint Lô. Mais tarde dá começo aos estudos humanísticos na Universidade de Caen.

Com os jesuítas

Juan de Brébeuf tem 16 anos quando a Companhia de Jesus abre um Colégio na cidade de Caen. Ele se inscreve ali para os estudos de filosofia. 
O Colégio é clausurado no ano seguinte, em 1610, mas os jesuítas mantém uma Residência na cidade. Juan continua sob a guia espiritual de seus antigos mestres.
De novo na Universidade de Caen, termina a filosofia e faz uns cursos de teologia moral. Não tem ainda determinado se deve oferecer-se como seminarista ao bispo de Bayeux ou ingressar na Companhia de Jesus.
Em 1614 faz seu discernimento vocacional. Tem então 21 anos. Se decide pela Companhia de Jesus mas posterga seu ingresso por assuntos familiares.
Regressa a Condé sur Vire para dirigir e administrar as quintas de sua família. Três anos depois, aos 24 de idade, pede formalmente a admissão na Companhia de Jesus.
 

O noviciado

A um de Novembro de 1617, Juan de Brébeuf chega a Rouen montando a cavalo. 
A primeira impressão do Mestre de noviços é a de ter ante si a um normando dos velhos tempos. Com a idade é mais velho que os outros. A estatura é excepcional, uma cabeça mais alto. É muito enxuto de carnes, largo de  costas e bem proporcionado. Tem feições muito normandas: nariz proeminente, lábios grossos, lóbulos elevados e uns olhos que fitam de frente e sem temor.
Em 8 de Novembro, termina a Primeira prova e se incorpora na vida da comunidade. Seus companheiros, uns cinquenta, são mais novos que ele, e quase todos são normandos. 
Faz o mês de Exercícios espirituais, e se acabam as dúvidas se deve ser sacerdote ou irmão.
Em 8 de Novembro de 1619, pronuncia os votos perpétuos de pobreza, castidade e obediência na Companhia de Jesus.

***************************************************+++++++++++++++++***************************************************

Caros amigos:

A partir desta altura, não me é possível, em tempo útil, proceder à tradução de espanhol para português, dos capítulos que se seguem na biografia de JUAN DE BRÉBEUF, SANTO e Mártir jesuíta no Canadá, pois o que falta é muito longo, pelo que mais uma vez me permito encaminhá-los para o site http://es.catholic.net/santoral, onde poderão ler (em espanhol) tudo o que concerne ao

O magistério,
 À ordenação sacerdotal, A vocação para o Canadá,  Preparativos, O mundo americano, Quebec, Fundação de uma Missão entre os hurones, A missão dos algonquines, De novo entre os hurones, Entre os hurones, Expulsão do novo mundo, Em França, A Terceira Prova,  O regresso ao Canadá, A Missão de Ihonatiria, As epidemias,  O fundador de missões,  O voto de martírio, A colheita do missionário,  Um novo Superior,  A guerra com os iroqueses,  A Missão de Santa María,  A Missão entre os índios neutrais, Um descanso em Quebec,  Uma dor que desgarra,  Noticias alarmantes,  Outro ano de angústia,  Uma surpresa incrível, Por terceira vez em Huronia, A nova Missão de Santa María, Noticias dos iroqueses,  Noticias de seu amigo Isaac Jogues, 
O martírio de Antonio Daniel,  A continuação do trabalho,  De novo os iroqueses,  As torturas,  A morte, e finalmente A glorificação.

São Juan de Brébeuf foi canonizado em 26 de Junho de 1930, conjuntamente com Santo Isaac Jogues, São René Goupil, São Juan de La Lande, Santo António Daniel, Santo Gabriel Lalement, São Carlos Garnier e São Natal Chabanel.
Todos eles são os padroeiros da evangelização de América do Norte.

Juan Amias e Roberto Dalby, Beatos
Março 16   -  Mártires

Juan Amias y Roberto Dalby, Beatos

Juan Amias e Roberto Dalby, Beatos

Presbíteros e Mártires

Martirológio Romano: Em York, em Inglaterra, beatos Juan Amias e Roberto Dalby, presbíteros e mártires, que sob a rainha Isabel I foram condenados à pena capital por ser sacerdotes, aceitando com alegria o suplicio (1589).
Juan Amias e Roberto Dalby eram de Yorkshire. Depois de seus estudos no Colégio de Douai en Reims, foram ordenados sacerdotes e partiram para a missão de Inglaterra, onde morreram em 1589. Amias, que era viúvo e monge trapense, missionou por sete ou oito anos em Inglaterra antes de ser capturado; Dalby, que havia sido ministro protestante, fazia um ano que havia regressado a Inglaterra, quando foi preso.
Não muitos detalhes de seus labores parecem ser exactos, mas temos uma descrição gráfica de suas mortes no manuscrito do Dr. Champney citado por Challoner. Este diz: "Em dezasseis de Março deste ano, Juan Amias e Roberto Dalby, sacerdotes do seminário de Douai, foram executados em York, acusados de alta traição, pelo crime de ser sacerdotes ordenados pela autoridade da Sede de Roma e haver regressado a Inglaterra a exercer seu ministério para benefício das almas de seus vizinhos. Tinha eu vinte anos, quando fui testemunha ocular do glorioso combate destes santos homens. À vista da constância e mansidão deles, regressei a casa convencido da fé católica, em que hei permanecido pela graça de Deus… porque era visível nesses santos servidores de Deus tanta mansidão unida a tão singular constância, que alguém tenha facilmente dito que eram ovelhas levadas ao matadouro".
Depois de descrever a execução de Juan Amias e Roberto Dalby agrega: "Os guardas estavam muito atentos para impedir que algum dos que se haviam reunido a ver a execução leva-se alguma pertença ou sangue dos mártires. Ainda assim, uma pessoa, que me pareceu uma grande dama, não sem dificuldade, abrindo passo entre a multidão, chegou ao lugar onde jaziam seus corpos despedaçados, juntou suas mãos e levantou os olhos ao céu, o que comoveu fundamente aos presentes. Disse também umas palavras que eu não pude ouvir devido ao tumulto e ruído. Imediatamente se elevou um clamor contra ela, como idólatra e foi retirada daí; mas não pude saber se foi levada à prisão ou não".

Outros Santos e Beatos
Março 16   -  Completando o santoral deste dia

Otros Santos y Beratos

Outros Santos e Beatos

Santos Hilário, bispo, e Taciano, mártires


Em Aquileia, no território de Veneza, santos Hilário, bispo, e Taciano, mártires (s. inc.).


São Papas, mártir


Em Selêucia, na Pérsia, são Papas, oriundo de Licaónia, que,após muitos tormentos, enfrentou o martírio pela fé de Cristo (s. IV).

São Julián, mártir


Em Anazarbo, na Cilicia, são Julián, o qual, atormentado por longo tempo, foi metido com serpentes num saco e precipitado ao mar (s. IV).


Santa Eusébia, abadesa

Em Artois, de Neustria, santa Eusébia, abadessa de Hamay, que, após a morte de seu pai, com sua santa mãe Rictrude se retirou para a vida monástica e, ainda  adolescente, foi eleita abadessa depois de sua avó santa Gertrudis (c. 680).


São Juan Sordi ou Cacciafronte, monge, bispo e mártir


Em Vicenza, no território de Veneza, beato Juan Sordi ou Cacciafronte, bispo e mártir, o qual, sendo abade, foi exilado por sua fidelidade ao papa, e eleito depois bispo de Mântua e trasladado para a sede de Vicenza, morreu em defesa da liberdade eclesiástica, assassinado por um sicário (1181).

http://es.catholic.net/santoral

Recolha, transcrição e tradução de espanhol para português por António Fonseca

15 de MARÇO de 2010 - REZAR NA QUARESMA e SANTOS DO DIA

15 DE MARÇO

SEGUNDA-FEIRA – 3ª SEMANA DA QUARESMA

João 4, 43-54

“Vai, o teu filho vive…”

*************

Fé admirável deste homem e deste pai!

Sem grandes palavras, ele sente quem é Jesus.

Ele sabe que Jesus está do lado da vida.

Sabe que Jesus quer a vida e a felicidade de todos e também do filho que ele ama.

E sabe que Jesus não é um mágico que controla uma qualquer tecnologia desconhecida.

Jesus actua com o poder de Deus.

E na sua fé sincera, este homem sabe que Jesus, em nome de Deus, pode trazer a cura a qualquer lugar.

 

»»»»»»»»»

Ajuda-me, Senhor, a encontrar de novo a força da fé.

A viver cada um dos meus dias à luz da tua Palavra.

A descobrir em cada acontecimento os sinais da tua bondade.

A avançar sempre mais para a vida verdadeira que só Tu ofereces.

 

************************

edisal@edisal.salesianos.pt

www.edisal.salesianos.pt

NOTA:  Ver nota em 17-Fevereiro-2010

António Fonseca  -  www.aarfonseca@hotmail.com

=============================

+++++++++++++++++++++++++++++++++++++

***************************************************************************

SANTOS DO DIA DE HOJE

15 DE MARÇO DE 2010

Luisa de Marillac, Santa
Março 15   -  Padroeira da Assistência Social

Luisa de Marillac, Santa

Luisa de Marillac, Santa

Fundadora, com São Vicente de Paulo,das Filhas da Caridade.

Martirológio Romano: Em París, - França, santa Luisa de Marillac, viúva, que com o exemplo formou o Instituto de Irmãs da Caridade para ajuda dos necessitados, completando assim a obra delineada por são Vicente de Paulo (1660).
Etimologicamente: Luisa = Aquela que é famosa na guerra, é de origem germânica.

Nasceu em París em 1591, Filha de Louis de Marillac, senhor de Ferrieres. Perdeu a sua mãe desde muito jovem, mas teve uma boa educação, graças, em parte, aos monges de Poissy, a cujos cuidados foi confiada por um tempo, e em parte, à instrução pessoal de seu próprio pai, que morreu quando ela tinha pouco mais de quinze anos. Luisa havia desejado fazer-se irmã capuchinha, mas o que então era seu confessor, capuchinho ele próprio, a dissuadiu disso por causa de sua débil saúde. Finalmente se lhe encontrou um esposo digno: António Le Gras, homem que parecia destinado a uma distinta carreira e que ela aceitou. Tiveram um filho. No período em que António esteve gravemente enfermo, ela o cuidou com esmero e completa dedicação. Desgraçadamente, Luisa sucumbiu a  tentação de considerar esta enfermidade como um castigo por não haver mostrado seu agradecimento a Deus, que a cumulava de bênçãos, e estas angústias de consciência foram motivos de longos períodos de dúvidas e aridez espiritual. Teve, sem embargo, a boa fortuna de conhecer a São Francisco de Sales, que passou alguns meses em París, durante o ano 1619. Dele recebeu a direcção mais sábia e compreensiva. Mas París não era o lugar do santo.
Um pouco antes da morte de seu esposo, Luisa fez voto de não contrair matrimónio de novo e dedicar-se totalmente ao serviço de Deus. Depois, teve uma estranha visão espiritual em que sentiu dissipadas suas dúvidas e compreendeu que havia sido escolhida para levar a cabo uma grande obra no futuro, soba direcção de um director a quem ela não conhecia ainda. António Le Gras morreu em 1625. Mas já então Luisa havia conhecido a "Monsieur Vicente", que mostrou ao principio certa renúncia em ser seu confessor, mas por fim consentiu. São Vicente naquele tempo estava organizando suas "Conferências de Caridade", com o objectivo de remediar a espantosa miséria que existia entre a gente do campo, para isso necessitava uma boa organização e um grande número de cooperadores. A supervisão e a direcção de alguém que infundisse absoluto respeito e que tivesse, por sua vez, o tacto suficiente para ganhar  os corações e mostrar-lhes o bom caminho com seu exemplo.

Luisa de Marillac, Santa

Luisa de Marillac, Santa

 

CAROS AMIGOS: A PARTIR DAQUI CONVIDO-OS A ENTRAR NO SITE HTTP://ES.CATHOLIC.NET/SANTORAL, PARA SABER MAIS SOBRE SANTA LUISA DE MARILLAC, DADA A EXTENSÃO DA SUA BIOGRAFIA. OBRIGADO E DESCULPEM. António Fonseca


Lucrécia de Córdoba, Santa
Março 15   -  Mártir

Lucrecia de Córdoba, Santa

Lucrécia de Córdoba, Santa

Mártir

Martirológio Romano: Na cidade de Córdoba, na região hispânica de Andaluzia, santa Lucrécia (Leocricia), virgem e mártir, que, nascida de família muçulmana, ocultamente abraçou a fé de Cristo e, detida em casa junto com santo Eulógio, quatro dias depois do martírio deste passou à glória eterna ao ser degolada (859).

Santa Lucrécia, foi uma donzela cordobesa, filha de pais muçulmanos.
Habitava por então em Córdoba, Santo Eulógio, varão famoso por sua sabedoria, seus dotes de prudência, e quando era preciso seu arrojo e valentia. A Lucrécia lhe fascinava a ideia de um Deus entregue inteiramente aos homens por amor, com um amor de benevolência, quer dizer, amor de gratuidade absoluta. Querendo instruir-se no cristianismo, acudiu ao santo.
Santo Eulógio se encarregou com todo carinho de sua educação cristã. Sabia ao que se expunha com este labor de catequista. Mas nunca teve medo em seu coração. Era consciente de que os pais de Lucrécia se opunham a que deixasse a religião muçulmana.
Quando Lucrécia viu que não podia viver com seus pais porque estes lhe faziam a vida impossível, se foi a casa de santo Eulógio, que a recebeu com grande caridade, e como tinha muitas ocupações pastorais, a entregou a sua irmã
Amilona.
Os pais de Lucrécia começaram a procurar a sua filha, cuja desaparição já haviam denunciado aos juízes. Ao encontrá-la, como ela se negasse a abjurar do cristianismo, lhe deram morte decapitando-a e a atiraram ao rio Guadalquivir. Os cristãos, inteirados de sua execução, recolheram seus restos e os enviaram para Oviedo.

Eva de San Martín de Lieja, Beata
Março 15   -  Monja

Eva de San Martín de Lieja, Beata

Eva de San Martín de Lieja, Beata

Monja de Claustro

Etimologicamente significa “a que dá vida”. Vem da língua hebraica.
Este nome, que levam tantas raparigas de qualquer cultura, aparece, de uma forma mais clara, no livro titulado “Vida da
beata Juliana”, sua amiga íntima.
Eram tão amigas que em tudo confiavam. Delas surgiu a celebração da festa de Corpus.
Veio ao mundo em 1205. O ambiente em que se educou não era o mais propicio para alimentar uma profunda vida cristã. Era um mar de dúvidas.
Pouco a pouco, sem embargo, Juliana lhe foi aclarando todo seu rico manancial –ainda que inexplorado– de sua alma estupenda.
A amizade sincera ajuda em momentos cruciais da existência. Guiada, pois, por sua amiga entrou no convento de são Martín de Lieja (Bélgica).
Teve a fortuna de que a visitasse a miúdo sua amiga. Lhe confiava o gozo que sentia de haver fundado um instituto dedicado à glorificação do Sacramento da Eucaristia.
Por diversas circunstâncias, Juliana teve que sair para estar junto a sua amiga Eva no mesmo convento. Aqui foi onde Eva constatou pessoalmente as arrebatamentos místicos de sua amiga.
Ao principio duvidava de que os tivesse. Se convenceu mais tarde do alto grau de santidade de sua amiga e dos êxtases com que Deus a presenteava.
Graças às duas, o Papa Urbano IV publicou a Bula em que anunciava a instituição da festa de Corpus para toda a Igreja.
Esta Bula é um documento importante da data da instituição, em agosto- Setembro do ano 1264.
Justamente, no ano seguinte morria em odor de santidade. Se lhe dê de forma indistinta o título de santa ou beata.
Seus restos mortais por uma ou outras razões foram daqui para ali até 18 de Dezembro de 1746, data em que se colocaram no altar de são Martín. Sua popularidade vai sempre unida a Juliana.
Seu culto é aprovado em 1902 por León XIII.
¡Felicidades a quem leve este nome!

Artemide Zatti, Beato
Março 15   -  Médico

Artemide Zatti, Beato

Artemide Zatti, Beato

Religioso da Sociedade de São Francisco de Sales

Martirológio Romano: Na cidade de Viedma, na República Argentina, beato Artémides Zatti, religioso da Sociedade de São Francisco de Sales, que se distinguiu por seu zelo missionário e estabelecendo-se na Patagónia, passou toda sua vida num hospital dessa região, ajudando com fortaleza de ânimo, paciência e humildade aos necessitados (1951).

Artémide Zatti nasceu em Boretto (Reggio Emilia) em 12 de Outubro de 1880. Não tardou em experimentar a dureza do sacrifício, tanto que aos nove anos já ganhava o jornal como peão. Obrigada pela pobreza, a família Zatti, a princípios de 1897, emigrou para Argentina e se estabeleceu em Bahía Blanca. O jovem Artémides começou em seguida a frequentar a paróquia dirigida pelos Salesianos, encontrando no pároco dom Carlos Cavalli, homem piedoso e de extraordinária bondade, seu director espiritual. Foi este que o orientou para a vida salesiana. Tinha 20 anos quando entrou no aspirantado de Bernal.

CAROS AMIGOS: A PARTIR DAQUI CONVIDO-OS A ENTRAR NO SITE HTTP://ES.CATHOLIC.NET/SANTORAL, PARA SABER MAIS SOBRE BEATO ARTÉMIDE ZATTI, DADA A EXTENSÃO DA SUA BIOGRAFIA. OBRIGADO E DESCULPEM. António Fonseca


• Clemente María Hofbauer, Santo
Março 15   -  Redentorista

Clemente María Hofbauer, Santo

Clemente María Hofbauer, Santo

Foi o segundo fundador da Congregação de Redentoristas, chamado o “Apóstolo de Viena".
Nasceu em Tasswitz, Morávia, em 26 de Dezembro de 1751; morreu em Viena em 15 de Março de 1821. O nome de família de Dvorak era melhor conhecido por seu equivalente alemão. Foi o mais jovem de doze meninos, e filho de um carniceiro. Tinha seis anos quando seu pai morreu.
Seu grande desejo foi ser sacerdote, mas sua família sendo incapaz para lhe dar a educação necessária, forçou a que fosse ajudante de padeiro; consagrando todo seu tempo de descanso ao estudo.
Era servente no mosteiro de premonstratensiano de Bruck, no período de 1771 a 1775. Viveu durante algum tempo como ermitão.
Quando o Imperador José II aboliu os ermitãos em Viena, foi trabalhar uma vez mais como padeiro.
Logo depois de duas peregrinações a Roma foi novamente um ermitão (1782-3); este tempo esteve sob a protecção de Barnaba Chiaramonti, Bispo de Tivoli, que depois sucederia ao Papa Pío VII; ele tomou o nome de Clemente, pelo que foi melhor conhecido.
Uma vez que retornou a Viena, a generosidade dos benfeitores fez possível que regressasse à universidade e completasse seus estudos.
Em 1784 realizou uma terceira peregrinação a pé a Roma, foi com o amigo, Thaddäus Hübl, e ambos foram recebidos no noviciado redentorista de São Giuliano no Esquilino.
Depois de um curto período de prova, fizeram sua profissão em 19 de Março de 1785, e foram ordenados sacerdotes uns dias mais tarde.
Foram enviados a fins desse mesmo ano, a fundar uma casa a norte dos Alpes, São Alfonso, que todavia estava vivo profetizando com êxito. Foi impossível, sob o mandato de José II, fundar uma casa em Viena, por isso, Clemente e Thaddäus voltaram a Varsóvia. Ali o rei Estanislao Poniatowski, a requerimento do núncio, fez que existisse um lugar em São Benno, a igreja nacional alemã, a disposição deles.
Aqui, em 1795, eles viram o fim da independência polaca. Os trabalhos realizados por Clemente e seus companheiros em Viena, de 1786 a 1808, foram incríveis. Além de São Benno, outra igreja grande foi reservada para eles, onde se pregaram sermões em francês, e havia aulas diárias de instrução para protestantes e judeus.
Além disto, Clemente fundou um hospício e uma escola para rapazes. Seu assistente principal, Thaddäus Hübl, morreu em 1807. No ano seguinte foram suprimidas com base em ordens de París, a casa em Varsóvia e três outras casas que Clemente havia fundado. Os redentoristas foram expulsos do  Grã Ducado. Clemente junto a um de seus companheiros, foi a Viena, onde durante os últimos doze anos de sua vida serviu como capelão e director de um convento ursulino.
Durante esses anos exerceu um verdadeiro apostolado que se estendeu a todas as classes sociais na capital, desde o Imperador Francisco. Incapaz para fundar uma casa regular para sua congregação, a que sem embargo se estabeleceu (imediatamente logo de sua morte) tal e como havia predito, se dedicou às conversões e à capacitação de homens jovens. "Eu sei de três homens com energia sobre-humana", havia dito seu amigo, Werner, "Napoleon, Goethe, e Hofbauer Clemente". "a Religião na Áustria", disse Pío VII, "há perdido seu apoio principal". De facto Clemente Hofbauer foi o factor chave, mais que qualquer outro, para a desaparição do
josefinismo.
Foi beatificado por Leão XIII, em 29 de Janeiro de 1888. Canonizado em 20 de Maio de 1909.

Juan Adalberto Balicki, Beato
Março 15   -  Sacerdote

Juan Adalberto Balicki, Beato

Juan Adalberto Balicki, Beato

Presbítero

Martirológio Romano: Em Przemysl, cidade de Polónia, beato Juan Adalberto Balicki, presbítero, que se dedicou com ardor ao exercício de seu ministério em favor do povo de Deus, demonstrando uma especial disposição para pregar o Evangelho e assistir a às jovens descarriladas (1948).

Juan Adalberto Balicki nasceu em 25 de Janeiro de 1869 em Staromiescie, Polónia (hoje o distrito de Rzeszow). Morreu de pneumonia e TBC em Przemysl em 15 de Março de 1948.
Educação
Juan Adalberto viu a luz no seio de uma família profundamente religiosa e, ainda que materialmente pobre, eram ricos em honestidade e virtude. De 1876-1888 assistiu às escolas de Rzeszow sob a guia de educadores de alto nível e com amor pela cultura polaca. Em Setembro de 1888 entrou no Seminário diocesano de Przemysl. Depois de quatro anos de estudo preparação espiritual, em 20 de Julho de 1892 foi ordenado. 
O bispo o enviou para que fosse pastor auxiliar na paróquia de Polna. Foi apreciado como um homem de oração, confessor paciente e pregador dotado. Depois de aproximadamente um ano, o enviaram a Roma para seguir sua formação na Pontifícia Universidade Gregoriana. Durante seus quatro anos de estudo (1893-1897), era consciente de sua dupla responsabilidade: como sacerdote, para continuar fazendo progressos na perfeição Cristã, e como estudante, para completar seus estudos.
Sua aproximação espiritual à teologia foi fruto posterior a seu período de aprendizagem. Escutava as conferências pela manhã. Pela tarde lia os autores de referência e, sobre todos, a Santo Tomás de Aquino. Então ia à capela para orar sobre o que havia estudado. Usou seu tempo livre em Roma para visitar as urnas dos Apóstolos e os quartos dos santos. Era uma maneira concreta de aprendizagem sobre a fé.

Professor de teologia, prefeito de estudos. Reitor de seminário. Direcção espiritual e confissão. Segunda Guerra Mundial: restrições e deterioração de saúde. Modelo de Sacerdote Diocesano.
Foi beatificado por João Paulo II em Cracóvia (Polónia) em 18 de Agosto de 2002.
Reproduzido com autorização de
Vatican.va

traduzido por Xavier Villalta

CAROS AMIGOS: Para verem estes pontos assinalados a verde, convido-os a procurarem-nos no site http://es.catholic.net/santoral já que não me foi possível efectuar a sua tradução em tempo útil. Obrigado e desculpem-me. António Fonseca

Plácido Riccardi, Beato
Março 15   -  Monge Beneditino

Plácido Riccardi, Beato

Plácido Riccardi, Beato

Tomás Riccardi nasceu em 24 de Junho de 1844 em Trevi, pequena cidade de Hungria. Seu pai fabricava azeite de oliva e tinha um comércio de especiarias; gozava de uma grande fortuna, que lhe permitiu pôr a seu filho no convento para nobres de Trevi, onde estudou humanidades. Tomás era um bom aluno; Gostava de teatro e música; se confessava regularmente,mas na sua piedade não havia nada excessivo.
Em 1865, foi a Roma para estudar filosofia no Angélico, célebre colégio dos dominicanos. Ainda que ele declarou que não tinha vocação religiosa, certamente por este lado era por onde buscava orientar sua vida. Conheceu e admirou aos dominicanos e aos jesuítas, mas, pouco atraído pelo apostolado activo e menos ainda pela agitação da cidade, se apresentou à abadia de São Paulo Extramuros, que, situada en pleno campo, lhe oferecia a solidão, o recolhimento, e a vida de oração que desejava.

CAROS AMIGOS: Devido à extensão desta biografia sobre BEATO TOMÁS RICCARDI, não me é possível efectuar a sua tradução completa pelo que os envio para o site http://es.catholic.net/santoral para saberem mais sobre a sua vida. Obrigado e desculpem-me. António Fonseca

 • Zacarias, Santo
Março 15   -  XCI Papa

Zacarías, Santo

Zacarias, Santo

XCI Papa

Reinou de 741 a 752. Se desconhece o ano de seu nascimento. Morreu em Março de 752.
Zacarias provinha de uma família grega que vivia na Calábria. Seu pai- segundo o "Liber Pontificalis"- se chamava Policrónio. Muito provavelmente Zacarias era um diácono da Igreja Romana e com esse carácter firmou os decretos do Concilio Romano de 732. Sepultado seu predecessor, Gregório III, em 29 de Novembro de 741, em seguida foi eleito por unanimidade, consagrado e elevado ao trono de Pedro em 5 de Dezembro do mesmo ano. Seu biógrafo em"Liber Pontificalis" o descreve como um homem afável e de temperamento conciliatório, caritativo para com o clero e todos os demais. 
O novo Papa sempre se mostrou hábil e conciliatório em suas acções e foi por isso que sempre teve êxito no que empreendeu. Pouco depois de sua eleição mandou informar disso a Constantinopla. É de notar que sua synodica (carta) não ia dirigida ao patriarca iconoclasta Anastásio, mas sim à Igreja de Constantinopla. Os enviados do Papa também levavam uma carta para o imperador. Constantino V. Coprónimo havia sucedido a León III à morte deste (18 Junho, 741). Sem embargo, o cunhado de Constantino, Artabasdo, em 742 se levantou contra o novo imperador e se estabeleceu em Constantinopla, de modo que quando o enviado papal chegou a essa cidade, já encontrou a Artabasdo como governante. Até ao ano 743 as cartas papais se fechavam de acordo ao ano do reinado de Constantino V, mas a partir de 744 começaram a apegar-se ao reinado de Artabasdo. Não obstante, os enviados papais nunca estabeleceram relações próximas com o usurpador em Constantinopla, apesar deste último restabelecer o culto às imagens. Logo que Constantino V recuperou o trono os enviados do Papa lhe entregaram as cartas em que Zacarias o exortava a restabelecer a doutrina e a prática da Igreja com relação ao culto às imagens. O imperador recebeu amigavelmente aos núncios e entregou à Igreja de Roma as povoações de Nimfa e Norbia, em Itália, cujos territórios se estendiam até ao mar.
Ao ascender Zacarias ao papado, a situação da cidade e o ducado de Roma era muito delicada. Luitprando, rei dos lombardos, estava preparando uma nova incursão ao território romano. O Duque Trasamundo de Espoleto, com quem o Papa Gregório III se havia aliado contra  Luitprando, não respeitou sua palavra de ajudar aos romanos a reconquistar as cidades que haviam sido tomadas pelos lombardos. Como consequência, Zacarias abandonou a aliança com Trasamundo e tratou de proteger os interesses de Roma e de seu território usando sua influência pessoal com Luitprando. Para isso viajou a Terni para entrevistar-se com o rei lombardo, que o recebeu com todas as honras possíveis. Zacarias obteve que Luitprando devolvesse as cidades de Ameria, Horta, Polimartium e Blera, e todo o património da Igreja Romana que os lombardos haviam levado como despojos durante os trinta anos anteriores. Também conseguiu uma trégua de vinte anos entre o Ducado de Roma e os lombardos.

(Caros Amigos: A partir deste ponto, encaminho-os para o site http://es.catholic.net/santoral, onde poderão consultar o resto da biografia do PAPA SÃO ZACARIAS, dado que é bastante longa e não tive possibilidade de a traduzir completamente. As minhas desculpas e Obrigado. António Fonseca)

Pío Conde Conde, Beato
Março 15   -  Sacerdote e Mártir

Pío Conde Conde, Beato

Pío Conde Conde, Beato

Pío Conde nasceu em Portela, província de Ourense, Espanha em 4 de Janeiro de 1887 e foi baptizado no dia seguinte. 
Fez o noviciado em Barcelona realizando sua profissão religiosa sendo ordenado em 3 de Fevereiro de 1906.
Realizou seu apostolado em colégios de Madrid, Valência, Salamanca, Santander, Béjar, Sarria, sendo director em alguns deles.
Iniciada a revolução, foi vítima dos milicianos por sua condição de sacerdote sendo preso e enviado para ser julgado num tribunal de Valência, mas foi assassinado na viagem. Era 15 de Março de 1937.
Beatificado por Sua Santidade Bento XVI em 28 de Outubro de 2007, junto a outros
498 mártires da perseguição contra a fé em Madrid e Sevilha.

NOTA de António Fonseca:

Embora o dia comemorativo dos 498 Mártires da perseguição à Fé em Espanha, esteja marcado para 6 de Novembro no calendário de Es.Catholic.Santoral, e dado que se faz referência a esta efeméride na biografia antecedente PIO CONDE CONDE, Beato, achei por bem, incluir hoje aqui os seus nomes

498 Mártires da Perseguição à FÉ em Espanha, Beatos

Mártires, Novembro 6

498 Mártires de la Persecución a la FE en España, Beatos

498 Mártires da Perseguição à FÉ em Espanha, Beatos

498 mártires que deram a vida por Cristo durante a perseguição religiosa dos anos trinta do século XX em Espanha foram beatificados em 28 de Outubro por Sua Santidade Bento XVI.
Eles derramaram seu sangue pela fé durante a perseguição religiosa em Espanha, nos anos mil novecentos trinta e quatro, trinta e seis e trinta e sete. Entre eles há bispos, sacerdotes, religiosos, religiosas e fieis laicos, mulheres e homens; três de eles tinham dezasseis anos e o maior setenta e oito.
Este grupo tão numeroso de beatos manifestaram até o martírio seu amor a Jesus Cristo, sua fidelidade à Igreja Católica e sua intercessão ante Deus por todo o mundo. Antes de morrer perdoaram a quem os perseguiam –e mais, rezaram por eles–, como consta nos processos de beatificação instruídos nas arquidioceses de Barcelona, Burgos, Madrid, Mérida-Badajoz, Oviedo, Sevilla e Toledo; e na diocese de Albacete, Ciudad Real, Cuenca, Gerona, Jaén, Málaga e Santander.


LISTA POR ORDEM ALFABÉTICA

 
1 - Abilio Sáiz López, O.P. – 2 - Adelfa Soro Bo, O.P.  - 3 - Adolfo Jaime (António Serra Hortal), F.S.C.  - 4 - Adolfo Mariano (Mariano Anel Andreu), F.S.C. – 5 - Agapio (José Luis Carrera Comas), F.S.C.  - 6 - Agapito León (Remigio Olalla Aldea), F.S.C.  - 7 - Agrícola Rodríguez G. de los Huertos Sac. Dioc.  - 8 - Agustín Renedo Martino, O.S.A.  - 9 - Alberto (Nestor Vivar Valdivielso), F.M.S.  - 10 - Alfonso del Sagrado Corazón de María, O.C.D. – 11 - Alfredo Fanjul Acebal, O.P.  - 12 - Alonso Sánchez Hernández-Raner, O.F.M.  - 13 – Álvaro Santos Cejudo, Laico  - 14 - Amado Cubeñas Diego-Madrazo, O.P.  - 15 - Anastasio Díez García, O.S.A.  - 16 - Anastasio Garzón González, S.D.B.  - 17 - Anastasio González Rodríguez, O.F.M.  - 18 - Anastasio María Dorca Coromina, O.Carm.  - 19 - Andrés Corsino M. Solé Rovira, O.Carm.  - 20 - Andrés Gómez Sáez, S.D.B.  - 21 - Andrés Jiménez Galera, S.D.B.  - 22 - Andrés Majadas Málaga, O.F.M.  - 23 - Ángel Andrés (Lucio Izquierdo López), F.M.S.  - 24 - Ángel Hernández-Ranera de Diego, O.F.M.  - 25 - Ángel María Prat Hostench, O.Carm.  - 26 - Ángel María Presta Batlle, O.Carm.  - 27 - Ángel Pérez Santos, O.S.A.  - 28 - Ángeles (Mercedes Tuní Ustech), A.A.S.C.  - 29 - Anselmo (Aniceto Falgueras Casellas), F.M.S.  - 30 - Antero Mateo García, Laico  - 31 - Antolín (Antonio Roig Alibau), F.M.S.  - 32 - Antolín Astorga Díaz, O.S.A.  - 33 - Antonio Cid Rodríguez, S.D.B.  - 34 - Antonio Enrique Canut Isús, S.D.B.  - 35 - Antonio Fernández Camacho, S.D.B.  - 36 - Antonio María Arriaga Anduiza, O.S.A.  - 37 - Antonio María de Jesús, O.C.D.  - 38 - Antonio Mohedano Larriva, S.D.B.  - 39 - Antonio Pancorbo López, S.D.B.  - 40 - Antonio Rodrigo Anton, O.F.M.  - 41 - Antonio Rodríguez Blanco, Sac. Dioc.  - 42 - Antonio Sáez de Ibarra López, O.F.M.  - 43 - Antonio Torrero Luque, S.D.B.  - 44 - Antonio Varona Ortega, O.P.  - 45 - Apolonia Lizarraga del Santísimo Sacramento, C.C.V.  - 46 - Arnoldo Julián (Jesús Juan Otero), F.S.C.  - 47 - Arturo García de la Fuente, O.S.A. – 48 - Avelino Rodríguez Alonso, O.S.A.  - 49 - Balbino Villarroel Villarroel, O.S.A.  - 50 - Bartolomé Blanco Márquez, Laico  - 51 - Bartolomé Rodríguez Soria, Sac. Dioc.  - 52 - Baudillo (Pedro Ciordia Hernández), F.M.S.  - 53 - Belarmina de Jesús (Belarmina Pérez Martínez), A.A.S.C. – 54 - Benedicto José (José Bardalet Compte), F.S.C.  - 55 - Benigno Prieto del Pozo, O.F.M.  - 56 - Benito Alcalde González, O.S.A.  - 57 - Benito Clemente (Félix España Ortiz), F.S.C.  - 58 - Benito Garnelo Álvarez, O.S.A.  - 59 - Benito Rodríguez González, O.S.A.  - 60 - Benito Velasco Velasco, O.S.A.  - 61 - Bernabé (Casimiro Riba Pi), F.M.S.  - 62 - Bernardino Álvarez Melcón, O.S.A.  - 63 - Bernardino Calle Franco, O.S.A. – 64 - Bernardino Irurzun Otermín, O.P.  - 65 - Bernardo (Plácido Fábrega Juliá), F.M.S.  - 66 - Blasa de María (Juana Pérez de Labeaga García), A.A.S.C.  - 67 - Borja de Jesús (Mª Zenona Aranzábal Barrutia), A.A.S.C.  - 68 -
Buenaventura García Paredes, O.P.  - 69 - Cándido Alberto (José Ruiz de la Torre), F.S.C.  - 70 - Carlos Jorge (Dalmacio Bellota Pérez), F.S.C.  - 71 - Carlos Rafael (Carlos Brengaret, Pujol), F.M.S.  - 72 - Carmelo Juan Pérez Rodríguez, S.D.B.  - 73 - Casta de Jesús (Teresa Vives y Missé), A.A.S.C.  - 74 - Catalina Caldés Socias, O.F.M.  - 75 - Cayetano José (Ramón Palos Gascón), F.S.C.  - 76 - Cecilia (Concepción Iglesias del Campo), A.A.S.C.  - 77 - Celestino Antonio (Ismael Barrio Marquilla), F.S.C.  - 78 - Celestino José Alonso Villar, O.P.  - 79 - Cipriano Alguacil Torredenaida, O.P.  - 80 - Cipriano Polo García, O.S.A.  - 81 - Cirilo Pedro (Cecilio Manrique Arnáiz), F.S.C.  - 82 - Claudio Julián García San Roma, O.S.A.  - 83 - Clemente de los Sagrados Corazones (Clemente López Yagüe), O.C.D.  - 84 - Conrado Rodríguez Gutiérrez, O.S.A.  - 85 - Constancio de S. José (José Mata Luis), O.C.D.  - 86 - Constantino Malumbres Francés, O.S.A.  - 87 - Crisóstomo (José Llorach Bretó), F.S.C.  -  88 - Cristóbal Iturriaga-Echevarría, O.P.  -  89 - Cruz Laplana y Laguna, Bispo – 90 - Dámaso Arconada Merino, O.S.A.  - 91 - Dámaso Luis (Antolín Martínez Martínez), F.S.C.  - 92 - Daniel de la Sagrada Pasión (Daniel Mora Nine), O.C.D.  - 93 - Daniela de San Bernabé, C.M.  - 94 - Diego Hompanera París, O.S.A.  - 95 - Dionisio Luis (Mateo Molinos Coloma), F.S.C.  - 96 - Dionisio Martín (José Cesari Mercadal), F.M.S.  - 97 - Dionisio Terceño Vicente, O.S.A.  - 98 - Dionisio Ullívarri Barajuán, S.D.B. – 99 - Domingo Alonso de Frutos, O.F.M. – 100 - Domingo Sánchez Lázaro, Sac. Dioc. – 101 - Edmundo Ángel (Pedro Masó Llagostera), F.S.C.  - 102 - Eduardo del Niño Jesús, O.C.D.  - 103 - Eduardo González Santo Domingo, O.P.  - 104 - Eduardo María Serrano Buj, O.Carm.  - 105 - Eleuterio Marne Mansilla, O.P.  - 106 - Elías María Garre Egea, O.Carm.  - 107 - Eliseo de Jesús Crucificado (Esteban Cuevas Casquero), O.C.D.  - 108 - Eliseo M. Fontdecava Quiroga, O.Carm.  - 109 - Eliseo María Maneus Besalduch, O.Carm.  - 110 - Eliseo Miguel Largo, O.P.  - 111 - Eliseo Vicente (Vicente Alberich Lluch), F.S.C.  - 112 - Emerío José (José Plana Rebugent), F.S.C.  - 113 - Emilio Arce Díez, S.D.B.  - 114 - Emilio Camino Noval, O.S.A.  - 115 - Enrique Canal Gómez, O.P.  - 116 - Enrique Izquierdo Palacios, O.P.  - 117 - Enrique Sáiz Aparicio, S.D.B.  - 118 - Enrique Serra Chorro, O.S.A.  - 119 - Enrique Vidaurreta Palma, Sac. Dioc.  - 120 - Epifanio Gómez Álvaro, O.S.A.  - 121 - Epifanio, (Fernando Suñer Estrach) F.M.S.  - 122 - Esiquio José (Baldomero Margenat Puigmitjá), F.S.C.  - 123 - Esperanza de la Cruz, C.M.  - 124 - Estanislao García Obeso, O.P.  - 125 - Estanislao Víctor (Augusto Cordero Fernández), F.S.C.  - 126 - Esteban Cobo Sanz, S.D.B.  - 127 - Esteban García García, S.D.B. – O.S.A.  - 128 - Esteban Vázquez Alonso, S.D.B.  - 129 - Eufrasio del Niño Jesús (Barredo Fernández), O.C.D. .  - 130 - Eugenio Andrés Amo, O.P.  - 131 - Eugenio Cernuda Febrero, O.S.A.  - 132 - Eusebio Andrés (Eusebio Roldán Vielba), F.S.C.  - 133 - Eusebio del Niño Jesús (Ovidio Fernández Arenillas), O.C.D.  - 134 - Eustaquio (Luis Villanueva Montoya), F.S.C.  - 135 - Federico Cobo Sanz, S.D.B.  - 136 - Federico Herrera Bermejo, O.F.M.  - 137 - Felipa (Felipa Gutiérrez Garay), A.A.S.C.  - 138 - Felipe Barba Chamorro, O.S.A.  - 139 - Felipe José (Fermín Latienda Azpilicueta) , F.M.S.  - 140 - Felipe José (Pedro Juan Álvarez Pérez), F.S.C.  - 141 - Félix Alonso Muñiz, O.P.  - 142 - Félix de la Virgen del Carmen (Luis Gómez de Pablo), O.C.D.  - 143 - Félix Echevarría Gorostiaga, O.F.M.  - 144 - Félix Gómez-Pinto Piñero, O.F.M.  - 145 - Félix González Bustos, Sac. Dioc.  - 146 - Félix González Tejedor, S.D.B.  - 147 - Félix José (José Trilla Lastra), F.S.C.  - 148 - Félix León (Felíx Ayúcar Eraso), F.M.S.  - 149 - Félix Maroto Moreno, O.F.M.  - 150 - Félix Paco Escartín, S.D.B.  - 151 - Fernando Español, Sac. Dioc.  - 152 - Fernando M. Llovera Puigsech, O.Carm.  - 153 - Florencio Alonso Ruiz, O.S.A.  - 154 - Florencio Arnaiz Cejudo, S.M.  - 155 - Florencio Miguel (Ruperto García Arce), F.S.C.  - 156 - Florencio Rodríguez Guemes, S.D.B.  - 157 - Fortunato Andrés (Fortunto Ruíz Peña), F.M.S.  - 158 - Fortunato Arias Sánchez, Sac. Dioc.  - 159 - Fortunato Merino Vegas, O.S.A.  - 160 - Francésc Mayol Oliver, M.SS.CC. – 161 - Francisca de la Encarnación (María Francisca Espejo y Martos), O.SS.T.  - 162 - Francisco Alfredo (Francisco Mallo Sánchez), F.S.C.  - 163 - Francisco Carlés González, O.F.M.  - 164 - Francisco Edreira Mosquera, S.D.B.  - 165 - Francisco Fernández Escosura, O.P.  - 166 - Francisco Fuente Puebla, O.S.A.  - 167 - Francisco José Martín López de Arroyave, S.D.B.  - 168 - Francisco López – 169 - Gasco Fernández- Largo, Sac. Dioc.  - 170 - Francisco Magín (Antonio Tost Llavería), F.S.C.  - 171 - Francisco Maqueda López, Subdiácono  - 172 - Francisco Marcos del Río, O.S.A.  - 173 - Francisco Míguez Fernández, S.D.B.  - 174 - Froilán Lanero Villadangos, O.S.A.  - 175 - Frumencio (Julio García Galarza), F.M.S. -  176  - Gabino Olaso Zabala, O.S.A. – 177 - Gabriel de la Anunciación, O.C.D. – 178 -  Gabriel Eduardo (Segismundo Hidalgo Martínez), F.M.S. – 179 - Gabriela de San Juan de la Cruz, C.M.  - 180 - Gaudencio (Juan Tubau Perello), F.M.S.  - 181 - Gerardo Gil Leal, O.S.A.  - 182 - Gerardo Pascual Mata, O.S.A.  - 183 - Germán Caballero Atienza, O.P.  - 184 - Germán Martín Martín, S.D.B.  - 185 - Gil Felipe (Felipe Ruíz Peña), F.M.S.  - 186 - Gregório Díez Pérez, O.P.  - 187 - Heliodoro Merino Merino, O.S.A.  - 188 - Heliodoro Ramos García, S.D.B.  - 189 - Herlinda (Aúrea González Fernández), A.A.S.C.  - 190 - Hermenegildo Lorenzo (Modesto Sáez Manzanares), F.S.C.  - 191 - Hermilo de San Eliseo (Pedro Ramón Rodríguez Calle), O.C.D.  - 192 - Hermógenes (Antonio Badía Andalé), F.M.S.  - 193 - Higinio de Mata Díez, S.D.B.  - 194 - Higinio Roldán Iriberri, O.P.  - 195 - Hilarión Eugenio (Eugenio Cuesta Padierna), F.S.C.  - 196 - Honesto María (Francisco Pujol Espinalt), F.S.C.  - 197 - Honorato Alfredo (Agustín Pedro Calvo), F.S.C.  - 198 - Honorio Hernández Martín, S.D.B.  - 199 - Hugo Julián (Julián Delgado Díez), F.S.C.  - 200 - Ildefonso Luis (José Llorach Bretó), F.S.C. – 201 - Indalecio María (Marcos Morón Casas), F.S.C.  - 202 - Inocencio García Díez, O.P.  - 203 - Isabelino Carmona Fernández, O.P.  - 204 - Isaías María (Victoriano Martínez Martín), F.M.S. - 205 - Isidro Mediavilla Campo, O.S.A.  - 206 - Isidro Ordoñez Díez, O.P.  - 207 - Ismael (Nicolás Ran Goñi), F.M.S.  - 208 - Jacinto García Riesco, O.P. – 209 - Jacinto Martínez Ayuela, O.S.A.  - 210 - Jacob Samuel (José Enrique Chamayou Oulés), F.S.C.  - 211 - Jaime Bertino (Antonio Jaume Secases), F.S.C.  - 212 - Jaime de Santa Teresa, O.C.D.  - 213 - Jaime Ramón (Jaime Morella Bruguera), F.M.S.  - 214 - Jesús Largo Manrique, O.S.A. – 215 - Jesús Villaverde Andrés, O.P.  - 216 - Joaquín de la Madrid Arespacochaga, Sac. Dioc. - 217 - Joaquín de San José, O.C.D.  - 218 - Joaquín García Ferrero, O.S.A.  - 219 - Joaquín Ochoa Salazar, S.M. - 220 - Jorge de San José, O.C.D.  - 221 - Josafat Roque (Urbano Corral González), F.S.C.  - 222 - José Agustín del Santísimo Sacramento (Tomás Mateos Sánchez), O.C.D.  - 223 - José Agustín Fariña Castro, O.S.A. - 224 - José Álvarez Rodríguez, O.F.M.  - 225 - José Antonio Pérez García, O.S.A.  - 226 - José Aurelio Calleja del Hierro, O.S.A.  - 227 - José Benito (José Mas Pujobrás), F.S.C.  - 228 - José Blanco Delgado, S.D.B.  - 229 - José Carmelo (Gregorio Faci Molins), F.M.S. – 230 - José Casas Ros, Seminarista  - 231 - José Dalmau Regas, O.S.A.  - 232 - José de Jesús María (José Vicente Hormaechea y Apoitia), O.SS.T.  - 233 -José de Vega Pedraza, O.F.M.  - 234 - José Delgado Pérez, O.P.  - 235 - José Federico (Nicolás Pereda Revuelta), F.M.S.  - 236 - José Gafo Muñiz, O.P.  - 237 - José Gando Uña, O.S.A.  - 238 - José Gutiérrez Arranz, O.S.A.  - 239 - José Joaquín Esnaola Urteaga, O.S.A.  - 240 - José Limón Limón, S.D.B.  - 241 - José López Piteira, O.S.A.  - 242 - José López Tascón, O.P.  - 243 - José Luis Palacio Muñiz, O.P.  - 244 - José María Azurmendi Mugarza, O.F.M.  - 245 - José María Cánovas Martínez, Sac. Dioc.  - 246 - José María Celaya Badiola, S.D.B.  - 247 - José María de la Dolorosa (Vicente Álamo Jiménez), O.C.D.  - 248 - José María Escoto Ruiz, O.Carm.  - 249 - José María García Tabar, O.P.  - 250 - José María Laguía Puerto, O.P.  - 251 - José María López Carrillo, O.P.  - 252 - José María Palacio Montes, O.P. – 253 - José Mariano de los Ángeles, O.C.D. – 254 - José Menéndez García, O.P.  - 255 - José Noriega González, O.S.A. – 256 - José Peque Iglesias, O.S.A. – 257 - José Polo Benito, Sac. Dioc. – 258 - José Prieto Fuentes, O.P.  - 259 - José Santonja Pinsach, O.P.  - 260 - José Villanova Tormo, S.D.B. – 261 - Josefa de Jesús (Josefa Boix Riera), A.A.S.C.  - 262 - Josefina Sauleda Paulis, O.P. – 263 - Juan Baldajos Pérez, O.S.A.  - 264 - Juan Codera Marqués, S.D.B.  - 265 - Juan Crespo Calleja, O.P.  - 266 - Juan Crisóstomo (Juan Pelfort Planell), F.M.S.  267 - Juan de Jesús María (Juan Otazua y Madariaga), O.SS.T.  - 268 - Juan de la Virgen del Castellar (Juan Francisco Joya y Corralero), O.SS.T.  - 269 - Juan de Mata (Jesús, Mechon Franco), F.M.S.  - 270 - Juan de Mata Díez, Laico    - 271 - Juan Herrero Arroyo, O.P.  - 272 - Juan José de Jesús Crucificado, O.C.D.  - 273 - Juan Larragueta Garay, S.D.B.  - 274 - Juan Luis Hernández Medina, S.D.B.  - 275 - Juan María Puigmitjá Rubió, O.Carm.  - 276 - Juan Mendibelzúa Ocerin, O.P.  - 277 - Juan Monedero Fernández, O.S.A.  - 278 - Juan Pérez Rodríguez, O.S.A.  - 279 - Juan Sánchez Sánchez, O.S.A.  - 280 - Julián Navío Colado, O.F.M.  - 281 - Julián Zarco Cuevas, O.S.A.  - 282 - Julio Alfonso (Valeriano Ruíz Peral), F.S.C.  - 283 - Julio Marcos Rodríguez, O.S.A.  - 284 - Julio María Fincias, O.S.A.  - 285 - Julio Melgar Salgado, Sac. Dioc.  - 286 - Justino Alarcón Vera, Sac. Dioc.  - 287 - Justo Arévalo y Mora, Sac. Dioc.  - 288 - Justo Juanes Santos, S.D.B.  - 289 - Ladislao Luis (Isidro Muñoz Antolín), F.S.C.  - 290 - Lamberto Carlos (Jaime Mases Boncompte), F.S.C.  - 291 - Laureano Carlos (Pedro Sitjes Puig), F.M.S.  - 292 - Laurentino (Mariano Alonso Fuente), F.M.S.  - 293 - León Justino (Francisco del Valle Villar), F.S.C.  - 294 - Leonardo José (José María Aragonés Mateu), F.S.C.  - 295 - Leoncio Arce Urrutia, O.P.  - 296 - Leoncio Lope García, O.S.A.  - 297 - Leónides (Jerónimo Messegue Ribera), F.M.S.  - 298 - Leónides Francisco (Colóm González), F.S.C.  - 299 - Leopoldo José (Florentino Redondo Insausti), F.M.S.  - 300 - Liberio González Nombela, Sac. Dioc.  - 301 - Licarión (Ángel Roba Osorno), F.M.S.  - 302 - Lino Fernando (Victor Gutierrez Gómez), F.M.S.  - 303 - Lorenzo Arribas Palacio, O.S.A.  - 304 - Lorenzo Gabriel (José Figuera Rey), F.S.C.  - 305 - Lorenzo Santiago (Emilio Martínez de la Pera y Álava), F.S.C.  - 306 - Lucas de San José, O.C.D.  - 307 - Luciano Pablo (Germán García García), F.S.C.  - 308 - Luciano Ramos Villafruela, O.S.A.  - 309 - Lucila María de Jesús (Lucía González García), A.A.S.C.  - 310 - Lucinio Ruiz Valtierra, O.S.A.  - 311 - Ludovico María Ayet Canós, O.Carm.  - 312 - Luis Abia Melendro, O.S.A. Luis Blanco Álvarez, O.S.A.  - 313 - Luis de Jesús (Joseph-Louis Marcou Pecalvel) , F.S.C.  - 314 - Luis de San Miguel de los Santos (Luis de Erdoiza y Zamalloa), O.SS.T.  - 315 - Luis Echevarría Gorostiaga, O.F.M.  - 316 - Luis Furones Furones (Arenas), O.P.  - 317 - Luis Gutiérrez Calvo, O.S.A.  - 318 - Luis María de la Merced, O.C.D.  - 319 - Luis Martínez Alvarellos, S.D.B.  - 320 - Luis Suárez Valdés, O.S.A.  - 321 - Luisa de la Eucaristía (Luisa Pérez Andriá), A.A.S.C.  - 322 - Mª Dolores de Jesús Crucificado (Mª Dolores Monzón Rosales), A.A.S.C.  - 323 - Mª Dolores de la Santíssima Trinidad (Mª Dolores Hernández Santorcuato), A.A.S.C.  - 324 - Macario Sánchez López, O.S.A.  - 325 - Magdalena (Magdalena Pérez), A.A.S.C.  - 326 - Magdalena Fradera Ferragutcasas, C.M.F.  - 327 - Mamerto Carchano Carchano, Sac. Dioc.  - 328 - Manuel Álvarez Álvarez, O.P.  - 329 - Manuel Álvarez Rego de Seves, O.S.A.  - 330 - Manuel Borrajo Míguez, S.D.B.  - 331 - Manuel Fernández Ferro, S.D.B.  - 332 - Manuel Formigo Giráldez, O.S.A.  - 333 - Manuel Gómez Contioso, S.D.B.  - 334 - Manuel Gutiérrez Ceballos, O.P.  - 335 - Manuel Martín Pérez, S.D.B.  - 336 - Manuel Moreno Martínez, O.P.  - 337 - Manuel Santiago Santiago, O.P.  - 338 - Manuela del Sagrado Corazón (Manuela Arriola Uranga), A.A.S.C.  - 339 - Marcelino Ovejero Gómez, O.F.M.  - 340 - Marcelo de Santa Ana, O.C.D.  - 341 - Marcos Guerrero Prieto, O.S.A.  - 342 - Marcos Pérez Andrés, O.S.A.  - 343 - María de la Presentación (María García Ferreiro), A.A.S.C.  - 344 - María del Cármen Zaragoza Zaragoza, O.P.  - 345 - María del Carmen Fradera Ferragutcasas, C.M.F.  - 346 - María Patrocinio de San José, O.Carm.  - 347 - María Refugio de San Ángelo, C.M.  - 348 - María Rosa Adrover Martí, O.P.  - 349 - María Rosa Fradera Ferragutcasas, C.M.F.  - 350 - Mariano de San José (Santiago Altolaguirre Altolaguirre), O.SS.T.  - 351 - Mariano León (Santos López Martínez), F.S.C.  - 352 - Mariano Revilla Rico, O.S.A.  - 353 - Martín Lozano Tello, O.F.M.  - 354 - Martiniano (Isidro Serrano Fabón), F.M.S.  - 355 - Mateo Garolera Masferrer, S.D.B.  - 356 - Matías Espeso Cuevas, O.S.A.  - 357 - Máxima de San José (Emilia Echeverría Fernández), A.A.S.C.  - 358 - Maximino Fernández Marínas, O.P.  - 359 - Máximo Valle García, O.S.A.  - 360 - Melchor del Espíritu Santo (Melchor Rodríguez Villastrigo), O.SS.T. – 361 - Melchor del Niño Jesús (Melchor Martín Monge) O.C.D.  - 362 - Melchor Martínez Antuña, O.S.A.  - 363 - Miguel Beato Sánchez, Sac. Dioc.  - 364 - Miguel Cerezal Calvo, O.S.A.  - 365 - Miguel de Jesús (Jaime Puigferrer Mora), F.S.C.  - 366 - Miguel Díaz Sánchez, Sac. Dioc.  - 367 - Miguel Ireneo (Leocadio Rodríguez Nieto) , F.M.S.  - 368 - Miguel Iturraran Laucirica, O.S.A.  - 369 - Miguel Lasaga Carazo, S.D.B.  - 370 - Miguel Léibar Garay, S.M.  - 371 - Miguel María Solér Sala, O.Carm.  - 372 - Miguel Menéndez García, O.P.  - 373 - Miguel Molina de la Torre, S.D.B.  - 374 - Miguel Peiró Victori, Laico  - 375 - Miguel Rodríguez González, O.P.  - 376 - Miguel Sanrromán Fernández, O.S.A.  - 377 - Miguel Zarragúa Iturriaga, O.F.M.  - 378 - Miquel Pons Ramis, M.SS.CC.  - 379 - Miquela Rullan Ribot, O.F.M.  - 380 - Narciso Estenaga Echevarría, Bispo  - 381 - Nazario del Sagrado Corazón (Nazario del Valle González), O.C.D.  - 382 - Nemesio Díez Fernández, O.S.A.  - 383 - Nemesio García Rubio, O.S.A. – 384 - Nicasio Romo Rubio, O.P.  - 385 - Nicolás de la Torre Merino, S.D.B.  - 386 - Nicolás de Mier Francisco, O.S.A.  - 387 - Olegario Ángel (Eudaldo Rodas Mas), F.S.C.  - 388 - Onofre (Salvio Tolosa Alsina), F.S.C.  - 389 - Otilia Alonso González, O.P.  - 390 - Ovidio Beltrán (Esteban Anuncibay Letona), F.S.C.  - 391 - Pablo Caballero López, S.D.B.  - 392 - Pablo García Sánchez, S.D.B.  - 393 - Pascual de Castro Herrera, S.D.B.  - 394 - Pau Noguera Trias, M.SS.CC.  - 395 - Pedro Alonso Fernández, O.S.A.  - 396 - Pedro Artolozaga Mellique, S.D.B.  - 397 - Pedro Buitrago Morales, Sac. Dioc.  - 398 - Pedro Carbajal Pereda, O.S.A.  - 399 - Pedro de la Varga Delgado, O.S.A.  - 400 - Pedro Ferrer Marín, O.Carm.  - 401 - Pedro Ibañez Alonso, O.P.  - 402 - Pedro José de los Sagrados Corazones (Pedro Jiménez Vallejo), O.C.D.  - 403 - Pedro Luis Luis, O.P.  - 404 - Pedro Martínez Ramos, O.S.A.  - 405 - Pedro Simón Ferrero, O.S.A.  - 406 - Pedro Tomás de la Virgen del Pilar, O.C.D.  - 407 - Pedro Tomás María Prat Coldecarrera, O.Carm.  - 408 - Pedro Vega Ponce, O.P.  - 409 - Perfecto Carrascosa Santos, O.F.M.  - 410 - Perfecto de la Virgen del Carmen (Perfecto Domínguez Monge) O.C.D.  411 - Pío Conde Conde, S.D.B.  - 412 - Plácido del Niño Jesús (José Luis Collado Oliver), O.C.D.  - 413 - Porfirio (Leoncio Pérez Gómez), F.M.S.  - 414 - Prima de Jesús ( Mª Prima Ipiña Malzárraga), A.A.S.C.  - 415 - Primitivo Sandín Miñambres, O.S.A.  - 416 - Prisciliano (José Mir Pons), F.M.S.  - 417 - Prudencia Canyelles Ginesta, Laica  - 418 - Prudencio de la Cruz (Prudencio Gueréquiz y Guezuraga), O.SS.T.  - 419 - Purificación de María (Purificación Martínez Vera), A.A.S.C.  - 420 - Rafale Rodríguez Mesa, S.D.B.  - 421 - Raimundo Eloy (Narciso Serra Rovira), F.S.C.  - 422 - Ramiro Alonso López, O.S.A.  - 423 - Ramón Alberto (Feliciano Ayúcar Eraso), F.M.S.  - 424 - Ramón de la Virgen del Carmen (José Grijalvo Medel), O.C.D.  - 425 - Ramón Eirín Mayo, S.D.B.  - 426 - Ramón Tejado Librado, O.F.M.  - 427 - Ramona Fossas Románs, O.P.  - 428 - Ramona Perramón Vila, O.P. – 429 - Reginalda Reginalda Picas Planas, O.P.  - 430 - Reginaldo Hernández Ramírez, O.P.  - 431 - Ribogerto A. de Anta y de Barrio, Sac. Dioc.  - 432 - Ricardo Marcos Reguero, O.S.A.  - 433 - Ricardo Pla Espí, Sac. Dioc.  - 434 - Román Martín Mata, O.S.A.  - 435 - Romualdo de Santa Catalina, O.C.D.  - 436 - Rosa Jutglar Gallart, O.P.  - 437 - Rosaura de María (Rosa López Brochier), A.A.S.C.  438 - Ruperta (Concepción Vázquez Áreas), A.A.S.C.  439 - Sabino Ayastuy Errasti, S.M.  - 440 - Sabino Hernández Laso, S.D.B.  - 441 - Sabino Rodrigo Fierro, O.S.A. – 442 - Salvador Fernández Pérez, S.D.B. – 443 - Samuel Pajares García, O.S.A. – 444 -Santiago (Serafín Zugaldía Lacruz), F.M.S.  - 445 - Santiago de Jesús (Santiago Arriaga y Arrien), O.SS.T.  - 446 - Santiago Franco Mayo, O.P. 447 - Santiago María (Santiago Sáiz Martínez), F.M.S.  - 448 - Santiago Mate Calzada, O.F.M.  - 449 - Santos (Santos Escudero Miguel), F.M.S.  - 450 - Saturnino Ortega Montealegre, Sac. Dioc.  - 451 - Saturnino Río Rojo, O.F.M.  - 452 - Segundo de Santa Teresa (Segundo García y Cabezas), O.SS.T.  - 453 - Senén García González, O.S.A.  - 454 - Severino Montes Fernández, O.S.A.  - 455 - Silvio (Victoriano Gómez Gutierrez), F.M.S.  - 456 - Simò Reynes Solivellas, M.SS.CC.  - 457 - Simón Miguel Rodríguez, O.F.M.  - 458 - Sinforosa de la Sagrada Familia (Sinforosa Díaz Fernández), A.A.S.C.  - 459 - Sulpicia del Buen Pastor (Dionisia Rodríguez de Anta), A.A.S.C.  - 460 - Teodosio Rafael (Diodoro López Hernando), F.S.C.  - 461 - Teódulo (Lucio Zudarie Aramendia), F.M.S.  - 462 - Teódulo González Fernández, S.D.B.  - 463 - Teófilo Montes Calvo, O.P.  - 464 - Teresa Cejudo Redondo, Laica  - 465 - Teresa Prats Martí, O.P.  - 466 - Tirso de Jesús María (Gregorio Sánchez Sancho), O.C.D.  - 467 - Tomás Alonso Sanjuán, S.D.B.  - 468 - Tomás Gil de la Cal, S.D.B.  - 469 - Tomás Sánchez López, O.S.A.  - 470 - Ubaldo Revilla Rodríguez, O.S.A.  - 471 - Valentín Díez Serna, O.F.M. 472 - Valentín Gil Arribas, S.D.B.  - 473 - Valeriano Luis (Nicolás Alberich Lluch), F.S.C.  - 474 - Vicente Álvarez Cienfuegos, O.P.  - 475 - Vicente Justino (Vicente Fernández Castrillo), F.S.C.  - 476 - Vicente Majadas Málaga, O.F.M.  477 - Vicente Peña Ruiz, O.P.  478 - Vicente Rodríguez Fernández, O.P.  - 479 - Vicente Toledano Valenciano, Sac. Dioc.  - 480 - Víctor Chumillas Fernández, O.F.M.  481 - Víctor Conrado (José Ambrós Dejuán), F.M.S.  - 482 - Víctor Cuesta Villalba, O.S.A.  - 483 - Víctor Gaitero González, O.S.A.  - 484 - Víctor García Ceballos, O.P.  - 485 - Victoriano Fernández Reinoso, S.D.B.  - 486 - Victoriano Ibáñez Alonso, O.P.  - 487 - Victorino José (José Blanch Roca), F.M.S.  - 488 - Victorio (Martín Anglés Oliveras), F.S.C.  - 489 - Vidal Luis Gómara, O.P. – 490 - Vidal Ruiz Vallejo, O.S.A.  - 491 - Virgilio Edreira Mosquera, S.D.B.  - 492 - Virgilio, (Trifón Lacunza Unzu) , F.M.S.  - 493 - Vito José (José Miguel Elola Arruti), F.M.S.  - 494 - Vivencio (Juan Núñez Casado), F.M.S.  - 495 - Vulfrano (Ramón Mill Arán), F.M.S. – 496 - Eufrosino María Raga Nadal, O.Carm- 497 - Esteban García Suárez, - 498 - Juan Duarte Martín, Diácono

NOTAS. A Numeração aqui descriminada é da minha inteira responsabilidade e por esse motivo os três últimos nomes não estão pela ordem alfabética  correcta, pelo que solicito as maiores desculpas. Também optei por não efectuar a tradução dos nomes nem das siglas, mantendo assim a designação em espanhol. Obrigado. António Fonseca

 
SIGLAS ORDENS RELIGIOSAS


A.A.S.C     -  Adoratrices Esclavas del Santísimo Sacramento y Caridad
C.C.V.       -  Carmelitas de la Caridad - Vedruna
C.M.          -  Carmelitas Misioneras
C.M.F.      -  Misioneras del Corazón de María
F.H.M.      -  Franciscanas Hijas de la Misericordia
F.M.S.      -  Hermanos Maristas de la Enseñanza
F.S.C.      -  Hermanos de las Escuelas Cristianas - La Salle
M.SS.CC.   Misioneros de los Sagrados Corazones
O.C.D.     -  Carmelitas Descalzos
O.Carm.  -  Carmelitas. Orden del Carmen
O.F.M.      -  Orden Franciscana - Franciscanos
O.P.         -  Orden de Predicadores - Dominicos
O.S.A.      -  Orden de San Agustín - Agustinos
O.SS.T.    -  Orden de la Santísima Trinidad - Trinitarios
S.D.B.      -  Sociedad Salesianos de Don Bosco - Salesianos
S.M.         -  Compañía de María - Marianistas

  http://es.catholic.net/santoral

 

Recolha, transcrição e tradução parcelar de algumas das biografias, dada a grande extensão das mesmas – nomeadamente esta última – por António Fonseca