OS MEUS DESEJOS PARA TODOS

RecadosOnline.com

sábado, 20 de março de 2010

20 de MARÇO de 2010 - REZAR NA QUARESMA e SANTOS DO DIA

20 DE MARÇO

SÁBADO – 3ª SEMANA DA QUARESMA

João 7. 40-53

“Havia desacordo entre eles acerca de Jesus”

*************

Tantas opiniões diferentes sobre tudo.

E também sobre Jesus de Nazaré.

“É filho de Deus”.

“É um mito.”

Como fazes tu para descobrir a verdade sobre Jesus?

Podes ir atrás da voz da maioria.

Ou podes deixar-te tocar pela sua presença.

Ele chama por ti mas não Se impõe.

Ele desafia-te sem roubar a tu a liberdade.

Ele convida-te mas não te julga.

Que posição tomas?

 

»»»»»»»»»

Ajuda-me, Jesus, a distinguir as tuas palavras, livres e libertadoras,

da conversa fiada com que sou bombardeado todos os dias.

***********************

edisal@edisal.salesianos.pt

www.edisal.salesianos.pt

NOTA:  Ver nota em 17-Fevereiro-2010

António Fonseca  -  www.aarfonseca@hotmail.com

=============================

+++++++++++++++++++++++++++++++++++++

***************************************************************************

SANTOS DO DIA DE HOJE

20 DE MARÇO DE 2010

 

Martín Dumiense, ou Martinho de Dume, Santo
Março 20   -  Bispo, Março 20

Martín Dumiense,  Santo

Martín Dumiense, Santo

Apóstolo dos suevos

Martirológio Romano: Em Braga, em Portugal, são Martín de Dumio (Dume) ou Martim Dumiense, bispo, que sendo oriundo de Panónia, regeu primeiro a sede de Dumio e depois a de Braga, e com seu zelo e pregação os suevos abandonaram a heresia arriana e abraçaram a fé católica.
Etimologicamente: Martín = Referente ao Deus Marte, é de origem latina.

São Martinho de Braga, também conhecido como Martinho de Dumio ou Martín Dumiense. Bispo, teólogo e escritor eclesiástico hispano de origem panónica, chamado o «Apóstolo dos suevos» (Panónia, em 510-520 - Braga, 579-580).
Dumio (Dume), situado geograficamente perto de Braga - a capital do reino dos suevos -, distingue do outro Martinho de França a nosso Martinho. Foi o apóstolo dos suevos os que converteu ao catolicismo. 
O testemunho de santo Isidoro de Sevilha assinala em 560 como data da conversão. Eram os suevos um povo indomável e o terror de Roma; atravessaram as Provincias e passaram suas fronteiras; se trasladaram das ribeiras do Rhin para as do Minho; arrasaram os francos e passaram os Pirenéus; logo se repartem as terras de Galiza e põem sua capital em Braga; chegaram a baixar até à Bética e conquistaram Sevilha nas terras lhanas. Transcorre a vida do santo no século VI.
San Martín Dumiense, segundo conhecemos pelo epitáfio de seu túmulo que escreveu ele próprio, era oriundo de Panónia, na actual Hungria. Deve ter nascido entre 510 e 520. Quis viver o dom da fé nas mesmas fontes. Peregrina a Palestina com a avidez de conhecer, pisar, beijar e tocar a terra de Cristo; ali aproveita seu tempo entre oração, mortificação, e o estudo do grego que o contacta com os primeiros santos Padres. Logo passa por Roma, onde morreu e vive Pedro. Atravessa o reino dos francos onde se encontra com os suevos e aproveita a oportunidade de fazer apostolado com este povo.
Karriarico, rei suevo arriano -haviam caído os suevos no arrianismo pela actividade do gálata Ayax, enviado por Teodorico- mandou embaixada nobre para pedir na afamada e milagrosa tumba de são Martín de Tours o portento da cura de seu filho. Era já a segunda vez que o fazia, a primeira missão não deu o resultado apetecido; agora manda a oferenda do peso de seu filho em ouro e prata e apresenta a promessa de conversão se obtiver do santo de Tours o que humildemente pede. E se cura o vástago do rei suevo. É a ocasião para deixar o arrianismo. São Gregório de Tours narrará, como testemunha presencial, -deixando no relato a poeira da lenda- o rogo da dupla embaixada e a posterior conversão do bravo povo suevo.
Assim foi como passou el presbítero húngaro Martín a Galécia, de mão de seus quase paisanos, os belicosos emigrantes centro europeus. Em Dumio funda um mosteiro para o louvor divino, a oração, o recolhimento, a difusão da fé e a atenção do povo ¡Bem conhecida tem a necessidade da oração para estender o Evangelho! Talvez tenha conhecido o estilo de Arlés e possivelmente teve referências da regra de são Bento, mas aqui os monges se governam ao ritmo que marca o abade -e já bispo- Martín de Dumio.

Martín Dumiense,  Santo

Martín Dumiense, Santo


Regula a vida do clero formando-os segundo os cânones e os acordos dos concílios espanhóis e africanos; atende zeloso ao campesinato onde abundam as superstições pagãs, célticas e germânicas. Encarrega a seu monge Pascásio a tradução de "As palavras dos anciãos" e ele próprio traduz "As sentenças dos Padres egípcios"; escreve para os seus outras saborosas obras de piedade, ascéticas e doutrinais, - Formula vitae honestae e De correctione rusticorum- como tratados curtos e monográficos que resumam sabedoria humana ao estilo de Séneca e espírito cristão.
Contribuiu para a conversão dos suevos ao catolicismo. No concílio de Braga de 561 -como um precursor de santo Ildefonso no III de Toledo- se há logrado a conversão do rei e do povo, se estabelece a unidade e se tem o gozo de escutar a fórmula de baptismo "no nome do Pai e do Filho e do Espírito Santo".
Morreu no ano 580.
Os suevos foram um povo germânico procedente do norte de Europa. Seu assentamento primitivo se encontra na zona do mar Báltico, chamado pelos romanos Mare Suebicum. Tácito os menciona, ainda que chama suevos a todos os povos germânicos deste (marcomanos, quados, turingios e alamanos).


• María Josefa Sancho de Guerra, Santa
Março 20  - Fundadora, Março 20

María Josefa  Sancho de Guerra,  Santa

María Josefa Sancho de Guerra, Santa

Fundadora da Congregação das Irmãs Servas de Jesus

Martirológio Romano: Em Bilbao, do País Vasco, em Espanha, santa María Josefa del Corazón de Jesús Sancho de Guerra, virgem, que fundou a Congregação das Irmãs Servas de Jesús e as formou especialmente para o cuidado dos enfermos e dos pobres (1912).
Etimologicamente: María = eminência, excelsa. É de origem hebraica.

Uma vida entregue aos enfermos

I
VIDA e OBRAS

Santa María Josefa del Corazón de Jesús, filha primogénita de Bernabé Sancho, carpinteiro, e de Petra de Guerra, ama de casa, nasceu em Vitória (Espanha) em 7 de Setembro de 1842, e foi baptizada ao dia seguinte. Segundo o costume vigente então, foi confirmada dois anos mais tarde, em 10 de agosto de 1844. Órfã de pai na idade de sete anos, a mãe a preparou para a Primeira Comunhão, que recebeu aos dez anos. Aos quinze anos, foi enviada a Madrid a casa de alguns parentes para completar sua educação e formação. Características de sua infância e meninice, foram: uma forte piedade na Eucaristía e a Virgem María, uma inclinação e sensibilidade para com os pobres e os enfermos e uma inclinação ao retiro.
Regressa a Vitória aos 18 anos e manifesta a sua mãe o desejo de entrar num mosteiro, por sentir-se atraída para a vida claustral.
De adulta, Santa Maria Josefa,  repetia: «Nasci com a vocação religiosa». Só que, a julgar pelas circunstâncias, se deduz que passou por várias experiências, não sem distintas sugestões de prudentes eclesiásticos antes de encontrar a forma definitiva de sua vocação. De facto, esteve a ponto de entrar nas Concepcionistas contemplativas de Aranjuez em 1860, mas foi impedida por uma grave enfermidade de tifo. Sua mãe a ajudou a superar a desilusão.

POR FAVOR, VER MAIS SOBRE SANTA MARIA JOSEFA SANCHO DE GUERRA, NO SITE HTTP://ES.CATHOLIC.NET/SANTORAL, por não me ser possível a sua tradução completa devido à sua extensão. Obrigado e desculpem-me. António Fonseca.

Juan Nepomuceno, Santo
Março 20   -  Presbítero e Mártir, Março 20

Juan Nepomuceno, Santo

Juan Nepomuceno, Santo

Mártir

Martirológio Romano: Em Praga, na Bohemia, são Juan Nepomuceno, presbítero e mártir, que por defender a Igreja sofreu muitas injúrias por parte do rei Venceslau IV e, exposto a tormentos e torturas, ainda respirando foi atirado ao rio Moldava (1393).
Etimologicamente: Juan = Deus é misericórdia, é de origem hebraica.

Nasceu em Bohemia (antiga Checoslováquia) no ano 1250, num povo chamado Nopomuc, daí o sobrenome Nepomuceno. O apelido de sua família era Wolfin.
Foi pároco de Praga e obteve o doutorado na Universidade de Pádua. Depois ocupou o alto posto de Vigário Geral do Arcebispado. 
O rei de Praga, Wenceslao, se deixava levar por duas terríveis paixões, a cólera e os zelos e dizem as antigas crónicas que sendo Juan Nepomuceno confessor da rainha, se lhe ocorreu ao rei que o santo lhe devia contar os pecados que a rainha lhe havia dito em confissão, e ao não conseguir que lhe revelasse estes segredos, se propôs matá-lo. Logo o rei teve outro grande desgosto, consistiu em que o monarca se propunha apoderar-se de um convento para regalar as riquezas que ali havia a um familiar. O Vigário Juan Nepomuceno se opôs a isto rotundamente, já que evidentemente esses bens pertenciam a Santa Igreja. 
O rei mandou matar ao padre Juan; o ataram dobrado, com a cabeça pegada sobre pés, e logo, foi lançado ao rio Moldava. Isto ocorreu no ano 1393. Os vizinhos recolheram o cadáver para lhe dar santa sepultura.
Em 1725, mais de 300 anos depois do sucesso, uma comissão de sacerdotes, médicos e especialistas encontraram que a língua do mártir se encontrava incorrupta, aparentemente seca e cinzenta. De repente, em presença de todos começou a tomar aparência de ser a de uma pessoa viva. Todos se puseram de joelhos ante este milagre. Foi o quarto milagre que realizou o santo antes de ser proclamado oficialmente como tal.

Juan Nepomuceno, Santo

Juan Nepomuceno, Santo


São Juan Nepomuceno foi considerado padroeiro dos confessores, porque preferiu morrer antes que revelar os segredos da confissão. Em Praga, na ponte desde a qual foi deitado ao rio, se conserva uma imagem deste grande santo, e muitas pessoas, ao passar por ali lhe rezam devotamente.
San Juan Nepomuceno é padroeiro de Bohemia e Morávia, e do segredo de confissão. Também é considerado padroeiro da fama e o bom nome. Suas relíquias se guardam em Praga, na igreja metropolitana de São Vito.

Daniel, Santo
Março 20   -  Profeta do Antigo Testamento, Março 20

Daniel, Santo

Daniel, Santo

Profeta do Antigo Testamento

Etimologicamente: Daniel = Aquele que Deus é seu juiz, é de origem hebraica.

Os dados acerca deste santo os sabemos pelo livro de Daniel, na Bíblia Sagrada
Pertencia a uma família importante de Jerusalém. Era muito inteligente e estudioso e de agradável presença. Quando o rei Nabucodonosor invadiu a Jerusalém o levou prisioneiro a Babilónia junto com outros jovens. Ao dar-se conta das qualidades deste adolescente, Nabucodonosor o faz instruir em todas as ciências políticas e sociais de seu país.
Sendo este profeta todavia muito jovem, uns juízes quiseram fazer pecar a uma mulher casada e como ela não aceitou as infames pretensões deles, a caluniaram inventando que a haviam visto pecar com um jovem. A gente acreditou na calúnia e a levavam para a matar a pedradas, quando apareceu Daniel. Chamou aos dois juízes e os interrogou um por um, por separado, e lhes perguntou: "¿Onde estava Susana quando ela cometeu a falta?" Um respondeu: "Debaixo de uma acácia". E o outro disse: "Debaixo de uma azinheira." Então Daniel lhes disse: "Vocês estavam acostumados a fazer pecar a mulheres sem fé e sem valor, mas agora se encontraram a uma mulher que crê e é valente. Sua formosura os seduziu e acreditaram poder fazer que ela ofendesse a Deus, mas não o lograram. Agora terão a paga de seu delito". E o povo condenou a morte a estes dois impuros caluniadores e louvou a Deus pela sabedoria que havia concedido a Daniel.

Daniel, Santo

Daniel, Santo

Os inimigos da religião acusaram a Daniel porque três vezes cada dia se ajoelhava no chão de sua casa a adorar e rezar a Deus. Em castigo foi deitado ao fosso onde havia leões sem comer. Mas Deus fez o milagre de que os leões não o atacaram, e isto fez que o rei acreditasse no verdadeiro Deus. 
O jovem se abstinha de tomar bebidas alcoólicas e de consumir alimentos proibidos pela Lei de Moisés, e Deus em troca lhe concedeu uma imensa sabedoria, com a qual logrou escalar os mais altos postos de governo até chegar a ser primeiro ministro sob os governos de Nabucodonosor, Baltasar, Dárío e Ciro. A sua grande sabedoria, a sua habilidade para governar e a sua santidade deve ele que apesar das mudanças de governo conseguira conservar seu cargo durante o reinado de quatro reis.
Daniel recebeu de Deus a graça de revelar sonhos e visões. Sonhou Nabucodonosor que estava vendo uma estátua imensa com cabeça de ouro, peito de prata, pernas de ferro e pés de barro e que uma pedrita se desprendia do monte e ia crescendo até chegar e chocar com a estátua e a fazer em pó. E Daniel lhe explicou que este m terceiro muito forte como de ferro e outro mais débil como de barro, e que a verdadeira religião, que ao principio seria muito pequena, iria crescendo até lograr dominar todos os reinos. Isto se cumpriu com a religião de Cristo que começou sendo tão pequenina e agora está estendida por todo o mundo e é mais poderosa que qualquer reino da terra.
Deus anunciou que o rei Nabucodonosor por haver cometido maldades e ser orgulhoso, o ia tornar louco. Nabucodonosor pediu a Daniel que rogasse a Deus que lhe mudasse o castigo por alguma boa obra, e o Senhor lhe disse que para se livrar dos castigos tinha que dar esmolas aos pobres. 
O rei Baltasar cometeu o pecado de empregar os cálices sagrados do altar de Deus para tomar licor numa festa, e estando nisto apareceu uma mão misteriosa que escrevia três palavras na parede: Mene, Tequel, Uparsin. O rei se assustou muito e o profeta Daniel lhe explicou: "Mene significa pesado. É que Deus pesou suas obras e resultou  faltas de peso para receber prémios. Tequel significa medido. Deus mediu suas obras e não dão a medida para receber glória. Uparsin significa dividido. É que seu reino será dividido e passado a outros". 
E nessa mesma noite chegaram os inimigos do reino e mataram a Baltasar e dividiram seu reino e o passaram aos persas.
Daniel foi um profeta tão estimado que pôde corrigir aos próprios chefes de governo de seu tempo e suas correcções foram recebidas com boa vontade. Ante o povo apareceu sempre como um homem iluminado por Deus e de uma conduta exemplar e como um crente de uma profunda piedade e devoção.
Em alguns santorais sua festa se assinala para  21 de Julho, em outros para  20 de Março.

• José Bilczewski, Santo
Março 20   -  Arcebispo, Março 20

José Bilczewski, Santo

José Bilczewski, Santo

Arcebispo

Martirológio Romano: Em Lviv, na Ucrânia, São José Bilczewski, bispo dos latinos, que se dedicou com grande caridade à formação dos costumes e da doutrina do clero e do povo latinos, e durante a guerra fez de tudo para ajudar aos pobres e necessitados (1923).
Etimologicamente: José = Aquele a que Deus ajuda, é de origem hebraica.

Nasceu em Wilamowice, actualmente diocese de Bielsko-Zywiec, então arquidiocese de Cracóvia (Polónia), em 26 de Abril de 1860. Fez os estudos primários na sua cidade natal e em Kety; os secundários em Wadowice; logo ingressou no seminário diocesano de Cracóvia.
Recebeu a ordenação sacerdotal em 6 de Julho de 1884. Por suas qualidades intelectuais foi destinado a aperfeiçoar seus estudos: na universidade de Viena se doutorou em teologia, em 1886; prosseguiu seus estudos em Roma e Paris, e em 1890 fez o exame de habilitação  na universidade Jaguellónica de Cracóvia. Já na sua diocese, se dedicou à pastoral. Ao ano seguinte foi nomeado professor de etologia dogmática na universidade de Lvov; mais tarde chegou a ser primeiro decano da faculdade teológica e logo reitor da universidade. Como professor foi muito apreciado pelos estudantes; ao mesmo tempo, gozava da estima e amizade de seus companheiros, os professores. Se dedicou com esmero ao trabalho científico. Escreveu algumas obras de arqueologia cristã.

POR FAVOR, VER MAIS SOBRE SANTO JOSÉ BILCZESKI, NO SITE HTTP://ES.CATHOLIC.NET/SANTORAL, por não me ser possível a sua tradução completa devido à sua extensão. Obrigado e desculpem-me. António Fonseca.

• Ambrósio Sansedoni, Beato
Março 20   -  Presbítero Dominicano, Março 20

Ambrosio Sansedoni, Beato

Ambrósio Sansedoni, Beato

Presbítero Dominicano

Martirológio Romano: Em Siena, na Toscana, beato Ambrósio Sansedonio, presbítero da Ordem de Pregadores, que foi discípulo de santo Alberto Magno, e ainda que fosse exímio em doutrina e pregação, se mostrou ao mesmo tempo simples para com todos (1287).
Etimologicamente: Ambrósio = Aquele que é de natureza divina, é de origem grego

Nasceu em Siena, em 16 de Abril de 1220, da família nobre de Sansedoni , morreu no ano 1286.
Quando tinha um ano Ambrósio foi curado de uma deformidade congénita, na igreja dominicana, de Santa María Magdalena. Enquanto era menino e jovem se notou seu amor à caridade, exercitada especialmente aos peregrinos, aos enfermos nos hospitais, e prisioneiros. Entrou no noviciado do convento Dominicano em sua cidade natal na idade de dezassete anos, foi enviado a París para continuar seus estudos filosóficos e teológicos sob Alberto o Grande, e teve como companheiro ali a Santo Tomás de Aquino. Em 1248 foi enviado com Santo Tomás a Colónia onde ensinou nas escolas Dominicanas.
No ano 1260 foi um dos missionários do grupo de gente que evangelizaram Hungria. Em 1266 Siena foi posto sob uma interdição por haver apoiado a causa do Imperador Federico II, logo a inimizade com a Santa Sede. Os sienenses pediram a Ambrósio que defendesse sua causa ante o Pontífice Soberano, e o fez com tanto êxito que obteve para sua cidade natal o perdão completo e a renovação de todos seus privilégios.
Os sienenses cedo desfizeram sua aliança, uma segunda vez Ambrósio obteve o perdão para eles. Ele trouxe uma reconciliação entre o Imperador Conrado de Alemanha e o Papa Clemente X. Perto desta época foi eleito bispo de sua cidade natal, mas recusou o cargo. Por um tempo, se dedicou a pregar sobre a Cruzada, e logo, a pedido do Papa Gregório X, motivou os estudos, os quais as últimas guerras haviam praticamente suspendido para ser reunidos no convento Dominicano em Roma.
Depois da morte do Papa Gregório X, Ambrósio se retirou a um dos conventos de sua Ordem de onde foi convocado por Inocêncio V e enviado como Legado Papal a Toscaza. Restaurou a paz entre Veneza e Génova, e entre Florença e Pisa. Seu nome foi incluído no Martirológio Romano em 1577. Seus biógrafos exibem sua vida como uma de humildade perfeita. Ele amava a poesia, e muitas lendas se contam sobre suas vitórias acerca de tentações carnais. Foi renomeado como pregador apostólico. Sua oratória, simples mais que elegante, era mais convincente e efectiva. Seus sermões, ainda que uma vez fossem recopiados, agora não existem.
¡Felicidades a quem leve este nome!

Francisco de Jesús María e José Palau e Quer, Beato
Março 20   -  Sacerdote Carmelita, Março 20

Francisco de Jesús María y José  Palau y Quer, Beato

Francisco de Jesús María e José Palau e Quer, Beato

Presbítero Carmelita

Martirológio Romano: Em Tarragona, em Espanha, beato Francisco de Jesús, María e José Palau e Quer, presbítero da Ordem de Carmelitas Descalços, que no ministério suportou graves perseguições e, acusado falsamente, foi relegado para a ilha de Ibiza e abandonado por todos (1872).

Francisco Palau e Quer nasceu em 29 de Dezembro de 1811 em Aitona, Lérida (Espanha). 
Em 1828 entrou no seminário de Lérida. Completado o triénio de estudos filosóficos e concluído o primeiro curso de teologia, em 1832 passou à Ordem dos Carmelitas Descalços onde no ano seguinte emitiu os votos. Obrigado pelas circunstâncias políticas a viver como enclaustrado, pôde receber a Ordenação Sacerdotal em Barbastro em 1836. Depois de um longo período de permanência em França (1840 - 1851), regressou a Espanha e se dedicou ao ministério da pregação e das missões populares, especialmente em Barcelona e nas ilhas Baleares.
Aqui foi onde pelos anos de 1860 - 1861 se ocupou da organização de alguns grupos femininos dando origem ao que hoje chamamos Irmãs Carmelitas Missionárias Teresianas e Irmãs Carmelitas Missionárias. Também fundou uma família de Irmãos da Caridade, hoje extinta. Morreu em Tarragona em 20 de Março de 1872.
¡Felicidades a quem leve este nome!

Bautista Spagnoli, Beato
Março 20  -  Presbítero Carmelita, Março 20

Bautista Spagnoli, Beato

Bautista Spagnoli, Beato

Presbítero Carmelita

Martirológio Romano: Em Mântua, na Lombardia, beato Bautista Spagnoli, presbítero da Ordem dos Carmelitas, que fomentou a paz entre os príncipes e reformou a mesma Ordem, da qual foi nomeado propósito pelo papa León X (1516).
Etimologicamente: Bautista = Aquele que pode baptizar, é de origem grego.

Nasce em Mântua em 17 de Abril de 1477 de pai de origem espanhol (daqui o apelido). Entrou nos Carmelitas de Ferrara, professando os votos religiosos em 1464. Mestre de teologia em Bolonha (1475), desempenhou numerosos cargos em diversos conventos e por seis vezes exerceu o oficio de Vigário Geral de sua Congregação de reforma (chamada Mantuana) e no final de sua vida foi Prior Geral de toda a Ordem (1513-16).
Sua actividade não se limitou à família carmelita. Em 1513 foi convidado a participar no Concilio Lateranense; e em 1515 encarregado pelo Papa León X da missão diplomática para restabelecer a paz entre o rei de França e o duque de Milão. Se distinguiu essencialmente pelo espírito e pela denúncia da galopante corrupção de seu tempo, e expressou sua ânsia reformadora com óptimos recursos literários e com um vibrante discurso em 1489 na basílica vaticana diante do Papa e dos cardeais. Tudo isto não o separava de sua vida interior e da especial devoção a María.
Foi amigo de insignes humanistas e de ilustres personagens da época, participando no mundo da cultura. Proclamado por Erasmo o "Virgilio cristão" (mais de cinquenta mil são seus versos latinos, além de outras obras em prosa) deve ser incluído entre os melhores poetas de seu tempo; isto é também confirmado pelas numerosíssimas edições de seus escritos.
Morreu em Mântua em 20 de Março de 1516. O corpo, incorrupto, se conserva na igreja catedral desta cidade. O culto do beato foi confirmado por Leão XIII em 17 de Dezembro de 1885.

Hupólito (Ippolito) Galantini, Beato
Março 20   -  Laico fundador, Março 20

Hupólito (Ippolito) Galantini, Beato

Hupólito (Ippolito) Galantini, Beato

Fundador da Congregação da Doutrina Cristã de Florença.

Martirológio Romano: Em Florença, na Toscana, beato Hipólito Galantini, fundador da Confraria da Doutrina Cristã, que realizou um egrégio labor na instrução catequética das crianças e da gente simples (1619).
Etimologicamente: Hipólito = Aquele que doma cavalos, é de origem grego.

Nasceu em Florença, de obscuro parentesco, em 12 de Outubro de 1565; morreu em 20 de Março de 1619.
Quando era menino, uma milagrosa cura fez que seus pensamentos se enfocaram ao serviço de Deus e se fez devoto dos ensinamentos da verdade da religião cristã na igreja jesuíta de Florença. Tinha somente 12 anos quando chamou a atenção do Arcebispo Alejandro de Medici (depois seria León XI), que lhe deu a igreja de Santa Lucía em Prato, a fim de que realizasse ali seu trabalho.

POR FAVOR, VER MAIS SOBRE • Hupólito (Ippolito) Galantini, Beato , NO SITE HTTP://ES.CATHOLIC.NET/SANTORAL, por não me ser possível a sua tradução completa. Obrigado e desculpem-me. António Fonseca.


• Cutberto, Santo
Março 20   -  Bispo

Cutberto, Santo

Cutberto, Santo

Bispo

Martirológio Romano: Na ilha de Farne, em Northumbria, trânsito de san Cutberto, bispo de Lindisfarne, que no ministério pastoral se distinguiu pela diligência que antes demonstrou no mosteiro e no ermo, harmonizando pacificamente as austeridades e género de vida dos celtas com os costumes romanos (687).
Etimológicamente: Cutberto = Aquele que está cultivado, é de origem germânico

São Cutberto, depois de haver sido pastor e soldado, entrou no mosteiro de Melrose, onde se distinguiu por suas austeridades. Chegou a ser prior e se consagrou, em seguida, a converter e a consolar espiritualmente aos campesinos de Normandía.
Não contente com ensinar-lhes as verdades da fé, aliviou seus sofrimentos por meio de numerosos milagres. Depois de haver sido prior também em Lindisfarne, foi-se retirando a ermos cada vez mais solitários. 
O rei Egfrido foi pessoalmente a buscá-lo a Farne para o persuadir a que aceitasse o episcopado.
Morreu no ano 687.

Outros Santos e Beatos
Março 20   -  Completando o santoral deste dia

Otros Santos y Beatos

Outros Santos e Beatos

Santo Arquipo, santo do Novo Testamento


Comemoração de santo Arquipo, companheiro nos combates do apóstolo são Paulo, que o recorda nas cartas a Filemón e aos Colossenses (s. I).

Santos Pablo, Cirilo e outros, mártires

Em Antioquia, de Síria, santos Pablo, Cirilo e outros, mártires (s. inc).


Santo Urbicio, bispo


Em Metz, na Gália Bélgica, santo Urbicio, obispo (c. 450).


Santo Vulframno, monge e bispo

No mosteiro de Fantanelle, em Neustria (hoje França), sepultura de santo Vulframno, o qual, sendo monge, foi eleito bispo de Sens e se dedicou a evangelizar aos frisios. Finalmente, voltou ao citado mosteiro, ali descansou em paz (c. 700).


São Nicetas, bispo e confessor

Comemoração de são Nicetas, bispo de Apolónia, em Macedónia, que por dar culto às santas imagens foi desterrado pelo imperador León o Arménio (733).


Santos Vinte santos monges de São Sabas, monges e mártires


Na laura de São Sabas, na Palestina, martírio de vinte santos monges, que foram afogados com fumo na igreja da Mãe de Deus pelos sarracenos que haviam invadido o mosteiro (797).


Beata Juana Véron, virgem e mártir

Em Erenée, na região de Mayenne, em França, beata Juana Véron, virgem e mártir, que se entregou ao cuidado de crianças e enfermos, e por haver ocultado dos perseguidores a sacerdotes durante a Revolução Francesa, foi guilhotinada (1794).

 

http://es.catholic.net/santoral

 

Recolha, transcrição e tradução completa de espanhol para português - nuns casos e incompleta noutros, - por António Fonseca