OS MEUS DESEJOS PARA TODOS

RecadosOnline.com

quarta-feira, 31 de março de 2010

31 DE MARÇO DE 2010 - REZAR NA QUARESMA e SANTOS DO DIA

31 DE MARÇO

QUINTA-FEIRA – 5ª FEIRA SANTA

Mateus 26, 14-25

“ENTRISTECIDOS, PERGUNTAVAM-LHE: SEREI EU, SENHOR?”

************

Judas deixa de acreditar em Jesus e na sua proposta de amor.

E rapidamente encontra um substituto para encher o vazio que ficou  no seu coração:

trinta moedas de prata.

O pecado, o de Judas e o nosso, é esta escolha insensata de procurar alegria fora do amor, longe de Cristo.

 

»»»»»»»»»

ConTigo, Jesus, vivo em esperança e não tenho medo das minhas fraquezas.

A teu lado, Jesus, acredito no amor à maneira de Deus.

Nesse amor generoso que supera todos os obstáculos e que faz, crescer a vida.

 

***********************

edisal@edisal.salesianos.pt

www.edisal.salesianos.pt

NOTA:  Ver nota em 17-Fevereiro-2010

António Fonseca  -  www.aarfonseca@hotmail.com

=============================

+++++++++++++++++++++++++++++++++++++

***************************************************************************

SANTOS DO DIA DE HOJE

31 DE MARÇO DE 2010

 

Renovato (Renato), Santo
Março 31   -  Bispo de Mérida

Renovato (Renato), Santo

Renovato (Renato), Santo

Bispo

Etimologicamente: Renato = Aquele que volta a nascer, é de origem latina.
Etimologicamente: Renovato = Aquele que há sido restaurado, é de origem latina.

O XIV bispo de Mérida, Renovato, cerra a época gloriosa de santidade e esplendor emeritense: foi um varão equitativo, justo e engenhoso. Mestre acabado por sua doutrina e exemplaridade de vida.
Depois de governar a Igreja durante muitos anos morreu na paz de Deus no ano 633.
Seu corpo, junto com os de seus bispos predecessores (Masona e Inocente), descansam sepultados com as maiores honras numa mesma cripta em Mérida, na cripta da Igreja martirial de Santa Eulália. Ante seus sepulcros se deram contínuos sinais de protecção; daqui que seu culto se iniciasse por assentimento ou aclamação da igreja local na liturgia, ao uso da época. 
É o último biografado pelo autor das "Vitas" que diz: ´O santo Renato, homem adornado de todas as virtudes; godo de origem, nascido e insigne pelo lustre de sua família. Era esbelto de corpo, de distintos modos, de singular estatura... era maior ainda por dentro sua formosura, inundado na posse do Espírito Santo.
Antes havia sido abade do mosteiro de Cauliana. Se distinguiu nas artes e nas ciências eclesiásticas, especialmente nas Sagradas Escrituras. Seu agudo engenho o fez mestre de não poucos discípulos.
Sua festa se celebra em 31 de Março.

• Benjamin, Santo
Março 31   -  Diácono e Mártir, Março 31

Benjamin, Santo

Benjamin, Santo

Diácono e Mártir

Martirológio Romano: No lugar de Argol, na Pérsia, são Benjamim, diácono, que ao pregar insistentemente a palavra de Deus, consumou seu martírio com canas agudas entre suas unhas, em tempo do rei Vararane V (c. 420).
Etimologicamente: Benjamin = Aquele que é o último nascido ou Filho de dita, é de origem hebraica.

O rei Yezdigerd, filho de Sapor II pôs fim à cruel perseguição dos cristãos que havia sido levado a cabo na Pérsia durante o reinado de seu pai. Sem embargo, o bispo Abdas com um zelo mal entendido incendiou o Pireu o templo do fogo, principal objecto de culto dos persas. 
O rei ameaçou com destruir todas as igrejas dos cristãos, a menos que o bispo reconstruísse o templo, mas este se recusou a fazê-lo; o rei o mandou a matar e iniciou uma perseguição geral que durou 40 anos.
Um dos primeiros mártires foi Benjamin, diácono. Depois de ter sido golpeado, esteve encarcerado durante um ano.
Benjamin era um jovem de um grande zelo apostólico o bem dos outros. Falava com fluida eloquência.
Inclusive havia conseguido muitas conversões entre os sacerdotes de Zaratustra. Os meses que passou na cadeia serviram-lhe para pensar, orar, meditar e escrever.
Nestas circunstâncias chegou à cidade um embaixador do imperador bizantino e o pôs em liberdade. E disse ao rei Yezdigerd: "Te digo que tu não tiveste culpa alguma no incêndio do templo e não tens que lamentar-te de nada".
¿Não me farão nada os magos?, perguntou o rei ao embaixador. Não, tranquilo. Não converterá a ninguém, acrescentou o embaixador.
Sem embargo, desde que o puseram em liberdade, Benjamin começou com maior brio e ímpeto seu trabalho apostólico e converteu a muitos magos fazendo-lhes ver que algum dia brilhará em seus olhos e em sua alma a luz verdadeira.
De não ser assim –dizia – eu mesmo sofrerei o castigo que o Senhor reserva aos seguidores que não tiram a refulgir os talentos que Ele lhes deu.
Esta vez não quis intervir o embaixador. Mas pouco depois, o rei o encarcerou de novo e mandou que lhe dessem castigos até à morte,sendo logo decapitado
Morreu ao redor do ano 420.
¡Felicidades a quem leve este nome!

• Balbina de Roma, Santa
Março 31   -  Virgem e Mártir

Balbina de Roma, Santa

Balbina de Roma, Santa

Virgem e Mártir

Martirológio Romano: Em Roma, comemoração de santa Balbina, cujo título situado em Aventino mostra a veneração que se tributou a seu nome (antes de 595).
Etimologicamente: Balbina = Aquela com dificuldade para falar, é de origem latina.

Se encontram em Roma recordações de Santa Balbina em três pontos diferentes, que estão relacionados com as primeiras antiguidades da Cristandade nessa cidade. 
No relato puramente legendário do martírio de Santo Alejandro (acta SS., Maii, I, 367 sqq.) se menciona ao tribuno Quirino, que morreu mártir e foi enterrado na catacumba de Praetextatus sobre a Via Ápia.
Sua graça foi estimada com grande veneração e se descreve nos velhos itinerários (guias para os peregrinos) das catacumbas romanas. A tradição diz que sua filha Balbina, que havia sido baptizada por Santo Alejandro e que passou sua vida sendo solteira, foi enterrada logo depois da morte de seu pai na mesma catacumba. 
A festa de Santa Balbina se celebra em 31 de Março. Usuardo fala dela em seu martirológio, e seu relato de Santa Balbina se apoia nos registos do martírio de Santo Alejandro.
Existe outra Balbina cujo nome foi dado a uma catacumba (como Balbinae) que se estende entre a Via Ápia e a Via Ardeatina, a pouca distância da pequena Igreja chamada Domine quo vadis (onde vais Senhor).
Sobre este cemitério no século quarto o Papa Marcos num epitáfio do século sexto e nas firmas do Conselho romano (595) em tempos do Papa Gregório I. Esta igreja foi erigida num antigo e amplo salão. Seu santo titular se supõe é idêntico com Santa Balbina que foi enterrada nas catacumbas de Praetextatus e cujos ossos junto com os de seu pai foram trazidos aqui em data mais tardia. Sem embargo, não é seguro que os dois nomes se refiram à mesma pessoa.
¡Felicidades a quem leve este nome!

Buenaventura (Tornielli) de Forli, Beato
Março 31   -  Sacerdote Servita

Buenaventura (Tornielli) de Forli, Beato

Buenaventura (Tornielli) de Forli, Beato

Presbítero Servita

Martirológio Romano: Em Udine, no território de Veneza, beato Buenaventura Tornielli, presbítero da Ordem dos Servos de María, que com sua pregação por diversas regiões de Itália moveu o povo à penitência, falecendo já octogenário, enquanto pregava um sermão quaresmal (1491).
Etimologicamente: Buenaventura = Aquele que possui boa fortuna, é de origem latino.

O Beato Buenaventura Tornielli, nasceu em Forli no ano 1411, e pertenceu a uma família acomodada.
Parece que não ingressou na Ordem dos Servitas senão em 1448, quando tinha trinta e sete anos de idade, mas seu fervor e austeridade de vida cedo lhe permitiram recuperar o tempo perdido.
Depois de sua ordenação, se preparou para o trabalho apostólico com um ano de retiro e cedo começou a pregar com maravilhosa eloquência e muito êxito.
Foi comissionado especialmente pelo Papa Sixto IV, para empreender esta missão apostólica e seus sermões produziram uma notável reforma de vida em todos os Estados papais e e nas províncias de Toscana e Veneza. 
Em fins de 1488, foi eleito vigário geral de sua ordem, oficio em que deu mostras de suas grandes qualidades administrativas e de sua caridade.
Ele, sem embargo, continuou ainda seu trabalho missionário e apenas havia terminado sua pregação de Quaresma em Udine, quando em Quinta-feira Santa de 1491 (31 de Março), foi chamado por Deus, esgotado pela idade e as penalidades da vida que havia levado.
Suas relíquias foram finalmente levadas a Veneza, onde seu culto se acrescentou por causa das muitas curas milagrosas.
Este culto foi confirmado em 1911 pelo Papa Pío X.

Natália Tulasiewicz, Beata
Março 31   -  Mártir

Natalia Tulasiewicz, Beata

Natália Tulasiewicz, Beata

Mártir Laica

Martirológio Romano: Na aldeia de Ravensbrück, na Alemanha, beata Natália Tulasiewicz, mártir, que ao ser ocupada Polónia militarmente foi recolhida num campo de concentração pelos nazis e, por causa da inalação de gases, entregou sua alma ao Senhor (1945).
Etimologicamente: Natália = Aquela que há nascido, é de origem latina.

Natália Tulasiewicz nasceu na região polaca de Rzeszów na Polónia em 9 de Abril de 1906. Se cria num ambiente familiar católico e os valores aprendidos no lar não os perderá quando mais adiante se instale na cidade de Poznan. Todo o contrário. Natália não faz oposições entre suas ânsias juvenis de entrega e de serviço com a vivência sincera de sua fé. Ela há entendido que a vida e a fé vão da mão e que a santidade pode ser vivida no quotidiano. Por estes tempos os laicos vão tomando maior consciência de sua missão de santificar o mundo e Natália se une ao grande movimento de apostolado laical que se dá na Igreja, convertendo-se numa entusiasta animadora deste tipo de apostolado.
A meados de Setembro de 1939, a católica Polónia vai a sofrer um dos períodos mais dolorosos de sua história. Quase simultaneamente é invadida por oeste pela Alemanha nazi de Hitler e por este pelo Exército Vermelho soviético de Estaline. Estes dois regimes eram abertamente contrários ao catolicismo e no lapso de poucos anos exterminaram a mais de seis milhões de polacos.
A Natália, como a toda sua geração, lhe tocou presenciar com impotência como sua nação era aniquilada. Ela confiava em Deus e sabia que o mal nunca tem a última palavra, por mais que por momentos pareça invencível. Carregada de valor se entrega a infundir esperança entre seus compatriotas, animando-os a esperar no Senhor e a confiar-se à sua protecção. Mas seu apostolado não se ficou nos conselhos, ao inteirar-se de que muitas mulheres polacas estavam sendo enviadas a Alemanha a realizar trabalhos forçados, ela parte livremente com elas para poder ajudá-las espiritualmente.
Em Abril de 1944 a GESTAPO, que era a polícia secreta política do regime nazi, descobre sua acção e a prendeu. Foi atrozmente torturada e humilhada publicamente para ser logo enviada ao campo de concentração de Rawensbruck. Era Sexta-feira Santa de 1945, suas forças são poucas logo depois dos mau tratos sofridos; sem embargo, esta admirável mulher sai de sua barraca e proclama um emotivo discurso sobre a Paixão e Ressurreição do Senhor que enche de esperança aos crentes. O Senhor tem um formoso gesto de ternura até sua filha Natália, pois dois dias depois, em 31 de Março, Domingo de Ressurreição, é trasladada a câmara de gás onde entrega sua alma ao Senhor da Vida.
Em 13 de Junho de 1999, o Papa João Paulo II, beatificou a 108 vítimas da perseguição nazi, entre os quais se encontrava a laica Natália Tulasiewicz.
Para ver mais sobre os 108 mártires de Polónia durante a Segunda Guerra Mundial faz "click"
AQUI

Juana de Toulouse, Beata
Março 31 Virgem

Juana de Toulouse, Beata

Juana de Toulouse, Beata

Virgem

Martirológio Romano: Em Toulouse, em França, beata Juana, virgem, da Ordem das Carmelitas (s. XV).
Etimologicamente: Juana = versão feminina do nome Juan = Deus é misericórdia, é de origem hebraica.

A princípios do ano 1240, os Irmãos Carmelitas de Palestina se estabeleceram em Toulouse.
Vinte e cinco anos depois, quando São Simón Stock cruzou Toulouse a caminho de Bordéus, se lhe aproximou uma mulher chamada Juana, a qual lhe suplicou que a admitisse na sua ordem. 
O prior Juan a admitiu, a cobriu com o hábito carmelita e lhe permitiu fazer o voto de perpétua castidade. No que foi possível, Juana observou estritamente a regra de Santo Alberto de Jerusalém e foi venerada, não só como a primeira terceira carmelita, mas como a fundadora das terceiras.
Diariamente frequentava a igreja dos padres e combinava a penitência com o amor, privando-se quase das coisas necessárias da vida para ajudar aos pobres e enfermos.
Costumava também dirigir os jovens nas práticas da santidade para os preparar a entrar na ordem carmelita. Costumava levar consigo uma imagem do Redentor crucificado, que ela estudava como se fosse um livro. 
A Beata Juana foi sepultada na igreja dos carmelitas de Toulouse e a sua tumba acudiam em grande número todos aqueles que buscavam sua intercessão.
Foi venerada durante 600 anos e seu corpo foi várias vezes custodiado como relíquia, especialmente em 1805, quando um pequeno livro de orações manuscrito foi encontrado a seu lado. 
O anterior é um resumo da história da Beata Juana, cujo culto foi confirmado em 11 de Fevereiro de 1895.

Guido de Ponposa, Santo
Março 31   -  Abade

Guido de Ponposa, Santo

Guido de Ponposa, Santo

Abade

Martirológio Romano: Em Borgo São Domnino, na região de Parma, são Guido, abade do mosteiro de Ponposa, em que recebeu a muitos discípulos e restaurou os edifícios, preocupando-se de modo especial pela oração, a contemplação e o culto divino, e buscando viver na solidão, atento só a Deus (1046).
Etimologicamente: Guido = Aquilo que é de madeira ou relativo ao bosque, é de origem germânica.

São Guido nasceu perto de Ravena e seus pais estavam orgulhosos dele. Principalmente para os agradar, foi muito cuidadoso em seu aspecto exterior e em sua vestimenta. Sem embargo, uma vez, foi severamente castigado por esta forma de vaidade.
Foi a Ravena, onde se celebrava a festa patronal de Santo Apolinário, e, despojando-se de suas finas roupas, as deu aos pobres e vestiu as mais andrajosas que pôde encontrar. Para vergonha de seus pais, partiu para Roma com esta indumentária e, durante sua permanência ali, recebeu a tonsura. Por inspiração divina se pôs sob a direcção de um ermitão chamado Martín, que vivia numa pequena ilhota no rio Pó.
Durante três anos permaneceram juntos e depois, o solitário o enviou à abadia de Pomposa, perto de Ferrara, para que aprendesse a vida monástica numa grande comunidade. Esse mosteiro e o de São Severo, em Ravena, estavam na realidade sob a direcção do ermitão, que decidia a nomeação dos superiores.
Os sobre salientes méritos de Guido foram tais, que mereceu altos cargos, e chegou a ser abade, primeiro de São Severo e depois de Pomposa, por nomeação de Martín, confirmado pela votação dos monges. Sua reputação arrastou a muitos (incluindo a seu pai e a seu irmão) a unir-se à comunidade, de sorte que o número de monges foi duplicado e se fez necessário que Guido construísse outro mosteiro para acomodá-los a todos.
Depois de um tempo, delegou a outros a parte administrativa de seu oficio e se concentrou no aspecto puramente espiritual, especialmente na direcção das almas. Em certas épocas do ano, costumava retirar-se a uma cela, distante aproximadamente cinco kilómetros da abadia, onde levava uma vida de tão intensa devoção e inquebrantável abstinência, que parecia sustentar-se com o jejum e a oração.
Especialmente durante a Quaresma, tratava seu corpo com tal severidade, que suas torturas poderiam dificilmente superar-se e ainda assim, era extraordinariamente terno com os monges, que lhe tinham grande devoção. São Pedro Damião, que a pedido seu, deu lições de Sagrada Escritura na abadia de Pomposa durante dois anos, dedicou a São Guido seu livro De Perfectio ne Monachorum. Apesar de haver sido um santo, Guido não escapou à perseguição.
Por alguma razão, Heriberto, arcebispo de Ravena, concebeu um ódio acerbo contra ele e se decidiu em verdade a destruir seu mosteiro. Advertido do ataque que se aproximava, a única medida de defesa do abade foi um jejum de três dias em companhia de toda sua comunidade. Quando o arcebispo e seus soldados chegaram às portas da abadia, Guido saiu a recebê-los, e com o maior respeito e humildade, os conduziu à igreja. O coração de Heriberto se comoveu: pediu perdão ao abade, e prometeu protegê-lo dali em diante.

Guido de Ponposa, Santo

Guido de Ponposa, Santo

No final de sua vida, São Guido de Ponposa, se retirou para a solidão, mas foi chamado a Piacenza pelo imperador Enrique III, que havia chegado a Itália e desejava consultar o abade, de cuja santidade e sabedoria tinha grandes referências. O ancião obedeceu muito a seu pesar e se despediu ternamente de seus irmãos, dizendo-lhes que nunca mais veria seus rostos. Havia chegado a Borgo San Donino, perto de Parma, quando foi atacado repentinamente por uma enfermidade, de que morreu ao terceiro dia.
Se originou uma disputa pela custódia de seu corpo entre Pomposa e Parma. O imperador dirimiu a questão, fazendo levar as relíquias à igreja de São Juan Evangelista, em Speyer, que mais tarde foi rebaptizada com o nome de São Guido-Stift.
¡Felicidades a quem leve seu nome!

Outros Santos e Beatos
Março 31   -  Completando o santoral deste dia

Otros Santos y Beatos

Outros Santos e Beatos

Santo Agilolfo, bispo

Em Colónia, em Austrásia, santo Agilolfo, bispo, preclaro pela austeridade de vida e a pregação (751/752).

Beato Cristóbal Robinson, presbítero e mártir

Em Carlisle, em Inglaterra, comemoração do beato Cristóbal Robinson, presbítero e mártir, que foi testemunha do martírio de são Juan Boste y, finalmente, sob a rainha Isabel I, também, em dia desconhecido, foi justiçado só por ser sacerdote, recebendo a palma da glória (1597).

http://es.catholic.net/santoral

 

Recolha, Transcrição e tradução por António Fonseca