OS MEUS DESEJOS PARA TODOS

RecadosOnline.com

domingo, 18 de abril de 2010

18 DE ABRIL DE 2010 - SANTOS DO DIA

PERFECTO (ou PERFEITO) de Córdoba, Santo
Abril 18   -  Mártir

Perfecto de Córdoba, Santo

Perfecto de Córdoba, Santo

Mártir

Perfeito é o primeiro mártir da perseguição muçulmana na Córdova dos califas. Já pelo ano de 824 tinham sido martirizados dois cristãos oriundos de Sevilha, mas a série grande dor mártires, imolados em Córdova pelo furor de Abderramão II e Moamed, começa em 850 com  S. Perfeito. Por isso Santo Eulógio, ao contar a história deles, apresenta uma introdução majestosa, a recordar o modo como o Martirológio Romano anuncia o nascimento de Nosso senhor Jesus Cristo.

Reinando para sempre Nosso Senhor Jesus Cristo, no ano da sua Encarnação 850, da era (espanhola) 888; do consulado de Abderramão, 29; no tempo em que tinha na Espanha aumentado em riqueza e dignidade o povo árabe, ocupando por duro privilégio quase toda a Ibéria; quando Córdova (chamada antigamente Patrícia e sendo hoje cidade régia) chegou ao ápice do seu esplendor…, gemendo a Igreja ortodoxa sob o seu duríssimo jugo, e achando-se em perigo de morte, nasceu em Córdova o presbítero Perfeito, de santa memória, educado sob a direcção de pedagogo da basílica de Santo Aciseclo, onde aprendeu as sagradas disciplinas, distinguindo-se pela erudição literária e conhecimentos da língua árabe”.

São Perfeito devia ser o ecónomo da comunidade de clérigos que servia a Igreja de Santo Aciseclo. Os  negócios domésticos obrigavam-no a andar com frequência pelas duas partes da cidade. Um dia, um grupo de maometanos perguntou-lhe que diziam os cristãos sobre o profeta Maomé. Pediu-lhes segredo e eles prometeram-no. Então, em lingua árabe. disse-lhes que, segundo os cristãos e o Evangelho, Maomé era inimigo de Deus e falso profeta que, depois de mergulhar os seus no lodo, os queria levar aos tormentos do inferno.

Naquele dia calaram-se. Mas pouco depois, passava ele pelo mesmo bairro e uma multidão furiosa, semelhante a enxame enfurecido, lançou-se sobre Perfeito e arrastou-o até ao tribunal do cádi: “Este homem  blasfemou do profeta (a bênção e a paz sobre este); já sabes o castigo que merece”. Segundo o Corão, todo aquele que blasfemava contra Maomé era réu de morte. Num primeiro momento de surpresa, perfeito negou que tivesse blasfemado. Apesar de tudo, mandou o juiz que o encarcerassem num calabouço, caverna imunda, onde eram aprisionados os maiores criminosos. Aqui recuperou a serenidade, resgatando a momentânea cobardia com vida de oração e penitência. Confessava em alta voz a sua fé e blasfemava contra Mafoma e a sua doutrina.

A execução fixou-se para o dia primeiro da festa solene que seguia o Ramadão, a qual foi naquele ano a 18 de Abril. Multidão imensa cobria a planura espaçosa, que hoje se chama Campo da Verdade, do outro lado da ponte romana. O chefe da prece chegou, montado no seu esplêndido alazão. Vinha pregar o discurso da Páscoa. “Deus é grande”, disse muitas vezes, respondeu em coro a multidão, “e Maomé o seu profeta”. E referiu-se ao sacerdote que jazia na prisão como blasfemo. A multidão pediu a sua cabeça: “Venha o blasfemo”.

Perfeito tinha passado vários meses na cadeia. Estava maduro para o martírio. No caminho confirmou as suas maldições contra Maomé e fez profissão solene e pública da sua fé em Cristo. Diante do cadafalso continuou blasfemando de Maomé, até que o verdugo fez rolar a sua cabeças. Alguns dos presentes enfureceram-se contra o seu corpo, pisando-lhe o sangue. Mas Deus desafrontou a honra do mártir. No rio havia um enxame de embarcaçõezinhas; uma delas, com oito tripulantes, afundou-se, e afogaram-se duas pessoas. Também o seu juiz morreu pouco depois, como o Santo predissera, obrigado a tomar um veneno que destinara para o sultão. www.jesuitas.pt

 

 

María de la Encarnación, Beata

beata maria da encarnação 
Abril 18   -  Mãe e fundadora do Carmelo Teresiano em França

María de la Encarnación, Beata

María de la Encarnación, Beata

Mãe e fundadora do Carmelo Teresiano em França

Berta Avrillot, nascida em 1565, casou-se aos 16 anos com Pedro Acarie, que pertencia como ela a uma antiga família parisiense. Dessa união nasceram seis filhos. Desde os 22 anos, e durante toda a vida, teve raptos e êxtases. Obedecendo a Santa Teresa que lhe apareceu, mandou vir para França religiosas espanholas da sua reforma e fundou, para elas e para quem as seguisse, quatro conventos.

Falecendo o marido em 1613, pediu para ser admitida entre as carmelitas, sendo-lhe designado o Convento de Amiens para fazer o noviciado. Depois da tomada de hábito, exclamou com transportes de alegria: “Eis-me agora mais pobre do que os que pedem esmola”. Os seus vestidos seculares foram recolhidos com cuidado e muitos doentes ficaram curados pelo contacto com eles.

Só estava contente com os mais baixos empregos da casa. Fez os votos no leito, num quarto que dava para a capela. Tomou o nome de Maria da Encarnação, em honra do mistério que era celebrado no dia da profissão. Foi eleita prioresa de Amiens, mas recusou o cargo com tanta insistência que os eleitores tiveram de desistir. Foi por isso elevada a subprioresa sua filha mais velha, que ali era religiosa com duas irmãs; e a mãe, na qualidade de conversa, jurou-lhe obediência de joelhos.

Foi no convento de carmelitas de Pontoise, para onde fora enviada para o fazer prosperar, que a Irmã Maria da Encarnação passou a última parte da sua vida. Caiu doente a 7 de Fevereiro de 1618. Às vezes, deixando-se abismar no amor divino, parecia insensível a tudo e só repetia: “Que misericórdia, senhor! Que bondade para com uma pobre criatura!” rezava muitas vezes os salmos 21 e 101, que descrevem de modo sublime e patético os sofrimentos de Nosso senhor Jesus Cristo na Paixão. Na Quarta-feira santa desse ano de 1618, recebeu o Sagrado Viático e Quinta-feita Santa de Páscoa entregou a alma ao Senhor. Nesse momento, o director espiritual da casa parou de rezar o Subvenite e disse: “Neste momento que vos falo, a defunta goza já da vista de Deus”. Foi beatificada por Pio VI.  www.jesuitas.pt

Ver mais em www.carmel.net.org e www.EWTN.org

Atanásia ou Anastásia, Santa
Abril 18 Abadesa, 18 de abril

Atanasia o Anastasia, Santa

Atanásia ou Anastásia, Santa

Abadessa

Martirologio Romano: Na ilha Egina, santa Atanásia, viúva, que viveu como solitária e foi também ecúmena, ilustre por suas virtudes e observância monástica (s. IX).

Santa Atanásia ou Anastásia (século IX) Nasceu e morreu na ilha de Egina, Grécia.
Aspiraba a la vida religiosa, pero fue obligada a casarse dos veces. La primera vez con un hombre rico y bastante joven. Formaron un matrimonio feliz hasta que murió su marido defendiendo el puerto de Egina del que pretendían apoderarse los musulmanes procedentes de España. Las leyes de la isla forzaban a las viudas jóvenes a contraer un nuevo matrimonio, ya que ésta se había despoblado tras la guerra. Su nuevo esposo, más rico aún que el primero, era un hombre bueno y misericordioso con los pobres, igual que ella. Se dedicaban juntos a la oración y a socorrer a los indigentes.
Cuando llegaron a la vejez, se separaron para preparar su muerte cada uno por su cuenta. Anastasia se quedó en su palacio que transformó en convento y dirigió una comunidad de religiosas. Las monjas llevaban una vida extremadamente austera moderada bajo la hábil guía de un abad llamado Matías, que les sugirió que se mudaran a un lugar más solitario: Tamia.
Allí, el monasterio creció y prosperó. La fama de Atanasia llegó a oídos de la emperatriz de Constantinopla, Teodora, esposa del Emperador Teófilo el Iconoclasta. Ésta le pidió que fuera a Constantinopla, para ayudarla a restaurar la veneración de las imágenes. Allí permaneció Atanasia durante siete años. De regreso a Tamia, cayó gravemente enferma, pese a lo cual, siguió asistiendo al oficio divino hasta la víspera de su muerte.
¡Felicidades a quien lleve este nombre!

Francisco Solano, Santo
Abril 18   -  Presbítero Franciscano

Francisco Solano, Santo

Francisco Solano, Santo

Presbítero Franciscano
Evangelizador de América

Martirologio Romano: Em Lima, capital do Peru, são Francisco Solano, presbítero da Ordem dos Irmãos Menores, que para salvar almas percorreu em todas as direcções a América Meridional, ensinando com palavras e com milagres os índios e aos próprios colonizadores espanhóis a novidade da vida cristã (1610).
Etimológicamente: Francisco = Aquele que porta a bandeira, é de origem germânica.

Antigamente se recordava a São Francisco Solano em 18 de Abril, o Martirológio Romano actual o festeja em 14 de Julho
Aquellos primeros misioneros que vinieron a nuestras tierras americanas junto con los conquistadores son de una grandeza casi sobrehumana. Entre ellos descuella la figura imponente de San Francisco Solano, el de una vida apostólica inconcebible que hoy vamos a presentar. ¿Cómo es posible realizar tanto trabajo en sólo veinte años, desde las costas de Panamá hasta las inmensidades peruanas, argentinas y uruguayas, para finalizar sus días de nuevo en el soñado Perú?...
Nace en Andalucía, ingresa en la Orden de San Francisco, y es un religioso y sacerdote sabio y santo.

Ver mais sobre SÃO FRANCISCO SOLANO, em http://es.catholic.net/santoral. (AF)

e em www. EWTN.org

Andrés Hibernón, Beato
Abril 18   -  Franciscano

Andrés Hibernón, Beato

Andrés Hibernón, Beato

O Beato Andrés, irmão professo primeiro na Observância e depois nos Descalços franciscanos, nasceu em Múrcia e morreu em Gandía (Valência). Se distinguiu por sua austeridade e vida de oração, que esteve acompanhada de carismas extraordinários, assim como pelo fiel cumprimento dos ofícios conventuais e a particular atenção aos pobres e necessitados. Suas devoções favoritas foram a Sagrada Eucaristía e a Virgem Maria no mistério de sua Imaculada Conceição.

Ver mais sobre Vida secular de Andrés Hibernón. Beato em http://es.catholic.net/santoral

 

Andrés de Montereale, Beato
Abril 18   -  Agostinho

Andrés de Montereale, Beato

Andrés de Montereale, Beato

Veio à luz deste mundo na pequena localidade de Mascioni, província de L’Aquila (Itália), no seio de uma modesta família de campesinos. Ainda que desconheçamos a data exacta de seu nascimento, é muito provável que tivesse lugar dentro do primeiro decénio do século. Se diz que aos catorze anos entrou no vizinho convento dos agostinhos de Montereale. Certamente em 1431 figura como estudante de teologia em Rimini, e nos anos sucessivos em Pádua e Ferrara, logrando os graus de leitor e bacharel. Em 1438 explicou no studio et universitate Senensi os livros das Sentenças, e poucos anos depois obteve o título de mestre em sagrada teologia.

Ver mais sobre BEATO ANDRÉS DE MONTEREALE em http://es.catholic.net/santoral. (AF)

 

Román Archutowski, Beato
Abril 18   -  Sacerdote e Mártir

Román Archutowski, Beato

Román Archutowski, Beato

Román Archutowski, sacerdote da Arquidiocese de Varsóvia, vítima do nazismo por ódio à sua fé cristã.
Morreu no povo de Majdanek, próximo a Lublin, em 18 de Abril de 1943. 
O Papa João Paulo II o elevou à glória dos altares em 13 de Junho de 1999 junto com outras 107 vítimas daquela perseguição.
Para ver mais sobre os 108 mártires Polacos durante a segunda guerra mundial faz "click" AQUI

Savina (SABINA) Petrilli, Beata
Abril 18   -  Fundadora

Savina Petrilli, Beata

Savina Petrilli, Beata

Fundadora da Congregação
das Irmãs dos Pobres de Santa Catalina de Siena

Nasceu em 29 de Agosto de 1851 em Siena, Itália.
Un año después, a causa de una enfermedad, recibiría la unción. Su infancia y adolescencia estuvieron marcadas por sufrimientos físicos debidos a su mala salud. A los 10 años, al recibir la primera comunión sintió la llamada a hacerse religiosa.
En 1869, durante una audiencia, el beato Pío IX le dijo. «Camina sobre las huellas de Catalina de Siena y sigue sus ejemplos».
Esto la animó a fundar una nueva familia religiosa. En 1872, con permiso del obispo, fundó la Congregación de las Hermanas de los Pobres de Santa Catalina de Siena.
Inicialmente la obra se dedicó a los huérfanos, después abrazó otros apostolados de alivio a la miseria y el sufrimiento.
Redactó una Regla muy austera, convencida de que sólo con el empeño y la renuncia a uno mismo se puede ayudar a los pobres. Los últimos 30 años de su vida sufrió una grave enfermedad degenerativa. Murió el 18 de abril de 1923 en Siena.
El Papa Juan Pablo II la beatificó el 24 de abril de 1988. HTTP://ES.CATHOLIC.NET/SANTORAL

Ver também no livro SANTOS DE CADA DIAWWW.JESUITAS.PT, as biografias de BEATA SABINA PETTRILLI e BEATO TIAGO DE OLDO Confessor (1404)

http://es.catholic.net/santoral e www.jesuitas.pt

Recolha, transcrição e tradução por António Fonseca