OS MEUS DESEJOS PARA TODOS

RecadosOnline.com

domingo, 13 de junho de 2010

Nº 1035 - 13 DE JUNHO DE 2010 - SANTOS DO DIA

 

 

António de Lisboa, (e de Pádua) Santo
Junho 13   -  Presbítero e Doutor da Igreja

 

san-antonio-de-padua

Antonio de Lisboa (e de Pádua ) Santo

Presbítero e Doutor da Igreja

Um  dos santos que mais cativaram o coração e as estima do povo cristão foi Santo António. Chama-se-lhe, segundo a frase famosa de Leão XIII, «o santo de todo o mundo»; mas é conhecido, amado e invocado preferentemente pelo povo humilde, que vislumbrou nela o distribuidor dos tesouros celestiais e o protector decidido dos interesses dos pobres. A história, principalmente a mais abriga biografia do santo Lisboeta ou Paduano, conhecida pelo nome de Assídua, dá-nos em síntese um perfeito esboço do mesmo. Escassas e imprecisas são as notícias dos primeiros biógrafos sobre o berço e a infância do santo. Nenhum deles indica o ano do nascimento, que modernamente podemos colocar em 1191 ou 1192. Foram seus pais, Martinho de Bulhões e Teresa Taveira. Segundo o mais antigo biógrafo, nasceu em Lisboa, cidade «situada nos confins da terra», numa casa que tinham seus pais junto e ao norte da , em cujo baptistério recebeu as águas baptismais a oito dias do nascimento, sendo-lhe imposto o nome de Fernando. Os seus anos juvenis perpassaram no seio da família, transformado no encanto dos pais, por ser o primogénito e por parecer dotado de boa índole, probidade e integridade de costumes. Desde a sua mais tenra idade, professou especial devoção para com a Virgem Santíssima, a quem se consagrou e escolheu como preceptora, guia e sustentáculo da sua vida e morte. O historiador Súrio diz que ele visitava amiúde as Igrejas e mosteiros da cidade e que era compassivo com os pobres, a quem socorria nas necessidades. Juntamente com a formação religiosa, pensaram seus pais em educar intelectualmente o filho, confiando-o aos desvelos do mestre-escola da catedral, para que o iniciasse nos rudimentos da gramática, retórica, música, aritmética e astronomia, matérias que integravam o plano de estudos das escolas catedralícias daquele tempo. Dizem os seus biógrafos que o santo foi acometido na juventude pela violência das paixões; acrescentam, porém, que o «santo jovem nunca, nem por um instante, se rendeu às exigências» do mal. Estas crises passionais, que assaltam a juventude e para muitos jovens são um princípio duma vida de pecado, foram para o santo a pedra de toque que o moveu a encaminhar-se por outras sendas que estivessem ao abrigo do demónio da impureza. Daí a sua decisão de entrar no mosteiro de S. Vicente de Fora, situado nas cercanias de Lisboa e habitado por homens dignos de honra pela sua piedade, como eram esse Cónegos Regrantes de Santo Agostinho. Dois anos morou o santo neste mosteiro, até que, devido ás frequentes visitas de pessoas de família e amigos, que lhe perturbavam a paz e o recolhimento, pediu para ser mudado para a casa-mãe de Coimbra, na qual entrou aos 17 anos. Aqui levou vida tão fervorosa, que os antigos biógrafos asseguram ter nesta altura escalado Fernando os cimos da santidade. O intenso trabalho espiritual unia-se ao dos estudos. Ainda que muito amplos, tendiam só a assegurar o conhecimento mais perfeito da Sagrada Escritura. Atendendo ao ambiente politico-religioso do mosteiro de santa Cruz durante os tempos em que morou lá o santo, tiramos a conclusão de que a sua santidade e ciência foram mais produto da graça e do esforço pessoal, do quer imposições do meio ambiente. Numa atmosfera de lutas, intrigas e defecções dolorosas, vivia o jovem Fernando entregue à oração e ao estudo. Lá foi ordenado sacerdote em 1220. Todavia, mais de uma vez sonhou na possibilidade de abraçar outro género de vida mais perfeito, ao abrigo do ruído do mundo. A vida simples dos pobrezinhos, filhos de S. Francisco de Assis, do ermitério de Santo António dos Olivais, em Coimbra, atraiu-o irresistivelmente. Teve Fernando o seu primeiro contacto com esses frades ao hospedarem-se no mosteiro os futuros protomártires franciscanos de Marrocos, na sua passagem por Coimbra, quando se dirigiam para a África. Além disso, os frades dos Olivais vinham ao  mosteiro à procura de esmolas; atendia-os o jovem monge que, segundo o testemunho do padre Manuel Azevedo, tinha a seu cargo a hospedaria. A este cenóbio foram depois trazidos os corpos dos primeiros mártires de Marrocos. Que impressão causaram na alma de Fernando os despojos mortais daqueles intrépidos soldados da fé? Despertaram nele o desejo de se consagrar ao apostolado entre infiéis e morrer mártir de Cristo. Era impossível realizar os seus sonhos enquanto permanecesse em Santa Cruz de Coimbra, porque o mosteiro não tinha, no seu programa de vida, as missões entre infiéis e ele só podia levá-los a cabo no caso de professar numa ordem como a franciscana, mas para efectuar esta passagem tinha de contar com a autoridade dos superiores de ambas as Ordens (cf. S. Berardo e cc. mm., 16 de Janeiro).

Um  dia, segundo o costume, os fradinhos de Santo António dos Olivais vieram ao mosteiro à procura de esmola, e Fernando, em segredo, confiou-lhes o seu propósito, dizendo-lhes: «Irmãos, receberia com entusiasmo, o hábito da vossa Ordem se me prometêsseis enviar-me, logo a seguir, à terra de sarracenos a fim de participar da coroa dos santos mártires». Eles deram-lhe a palavra e fixaram para a manhã seguinte a entrada na Ordem Franciscana. Naquela noite, segundo o biógrafo mais autorizado, arrancou Fernando, com muito custo, e à força de insistência, a licença do prior do mosteiro. Com o fim de vencer dificuldades por parte da família  e dalguns monges de Santa Cruz, combinou-se que Fernando mudasse o nome para António, que era o titular do ermitério onde residiam os franciscanos, e foi combinado ainda que fosse mandado quanto antes para a terra de infiéis. A cerimónia da imposição do hábito ao novo candidato foi rápida e simples, pois o prior, o mosteiro, a diocese e todo o reino estavam sob interdito imposto pelo arcebispo de Braga; neste estado, estava proibida a celebração pública tanto da santa Missa com o do ofício divino. No verão de 1220 vestia António a libré franciscana e nos princípios de Novembro desembarcava em Marrocos. Terrível doença o reteve todo o Inverno na cama e os superiores da missão julgaram conveniente repatriá-lo como medida de convalescença. Com esta intenção embarcou; mas um vento forte impeliu o navio para oriente, obrigando-o a atracar nas costas da Sicília. António refugiou-se no convento franciscano perto de mesma e dali, sem qualquer incumbência oficial, foi para o Capitulo Geral convocado para Assis pelo seráfico Fundador, que começou a 20 de Maio de 1221. António passou inadvertido no meio daquela multidão, de maneira que, terminado o Capitulo, ficou às ordens do Ministro geral. A pedido do santo,  o provincial da Romanha levou-o consigo. E do mesmo conseguiu ele licença para se retirar ao ermitério do Monte Paulo para consagrar-se à solidão. Aquela alma privilegiada não devia, no entanto, viver só para si, mas ser útil e proveitosa para os outros. E não tardou que se apresentasse a oportunidade de se revelar ao mundo, pregando um sermão em Forli, nas têmporas de Setembro de 1221, diante dos religiosos franciscanos e dominicanos que foram ordenados sacerdotes. A pedido do Superior falou, e de tal maneira que todos ficaram maravilhados com a torrente de sabedoria que brotava dos seus lábios. Aquela intervenção de António surpreendeu agradavelmente o provincial, que pensou em dedicá-lo imediatamente ao apostolado. O seu primeiro campo de acção apostólica foi a Romanha, região afectada pelos hereges cátaros e patarinos. António entrou na liça com eles, pondo em actividade todas as reservas espirituais acumuladas anteriormente na solidão e os seus extensos conhecimentos teológicos e bíblicos. Em Rimini encontrou forte oposição nos hereges, que impediam o povo de assistir aos sermões. Então recorreu o Santo à eficácia do milagre. Diante da apatia do público pela palavra de Deus, foi à costa do Adriático e começou a pregar aos peixes, dizendo: «Ouvi a palavra de Deus, vós peixes do mar e do rio, já que a não querem escutar os infiéis hereges». Falando ele assim, acudiram peixes em multidão mostrando as cabeças fora da água. Este milagre despertou grande entusiasmo na cidade, ficando os hereges envergonhados. Foi tão eficaz a acção apostólica de António contra eles, que os antigos biógrafos chamaram-lhe incansável martelo dos hereges. Passados uns anos de apostolado eficaz, foi nomeado professor de teologia. Informado S. Francisco da sabedoria e santidade que tinha, e convencido da necessidade de estudo dos seus frades para mais completo desenvolvimento da Ordem, enviou-lhe a seguinte carta: «A frei António, meu bispo, frei Francisco, saúde em Cristo: Apraz-me que interpreteis aos demais frades a sagrada teologia, contanto que este estudo não apague neles o espírito da santa oração e devoção, segundo os princípios da regra. Adeus». Com o beneplácito do santo fundador, foi Santo António o primeiro Leitor de teologia que teve a Ordem franciscana. Pouco durou esse magistério no estudo dos franciscanos de Bolonha, pois as necessidades gerais da Igreja reclamaram a sua presença para converter os hereges; mas, apesar do apurado zelo e da actividade incansável, a heresia mostrava-se cada dia mais pujante. Diante de tal perigo, mobilizou o Papa todos os pregados que – por zelo, ciência e santidade de vida – fossem capazes de lançar-se a uma cruzada eficaz de apostolado, a fim de convencer os hereges da falsidade da sua doutrina. Entre os escolhidos figurava Santo António.

O primeiro campo de batalha foi Mompilher (Monpellier), onde ensinou António a sagrada teologia aos religiosos da sua Ordem; daí passou a Tolosa (Toulose) para exercer o mesmo ministério, que alternava com o apostolado entre o povo. «Dia e noite – diz Assídua – tinha discussões com os hereges; punha-lhes com grande clareza o dogma católico; refutava vitoriosamente os preceitos deles, revelando em tudo ciência admirável e força suave de persuasão que penetrava na alma dos seus contrários». De Tolosa passou o santo a Le Puy, Bourges, Limoges e Arles. Por causa de ocupar o cargo de custódio de Limoges, viu-se obrigado a assistir ao Capítulo Geral convocado por frei Elias, em Assis, para 30 de Maio de 1227, no qual foi eleito António ministro provincial de Romanha, cargo que desempenhou com êxito até ao ano de 1230. Por fins de 1229, mandou-o Deus a Pádua, diz Rolandinho - «dos confins da Hespéria e dos países do ocidente, isto é, das terras da Galiza, a Sevilha e Lisboa – o homem religioso e santo, célebre pelas suas virtudes e conhecimento literários, arca do Antigo Testamento e forma do novo e, se me é lícito usar esta expressão, poderoso em obras e palavras. Este habitou com os seus irmãos em Pádua; mas espiritualmente habitava o céu». Por indicação do cardeal de Óstia, dedicou-se ali António à composição de sermões para todas as festividades dos principais santos e para os domingos do ano. A solidão e o retiro do convento de Arcella, junto de Pádua, convidavam ao recolhimento e ao estudo necessários para levar a termo a composição duma obra de tão vastas proporções. Também se lhe atribuem uma exposição do Saltério e algumas outras obras. Ao chegar a Quaresma, suspendeu António o estudo para dedicar-se de novo à pregação. Era tão vivo o zelo a devorar-lhe o coração, que se propôs pregar durante os 40 dias contínuos da Quaresma, o que levou a cabo, apesar da hidropisia maligna que o afligia. Era tanto o entusiasmo do povo, que se lançava sobre ele para lhe cortar pedaços do hábito. Com o fim de impedir cenas destas, foi disposto que, terminado o sermão, desaparecesse António ocultamente ou saísse escoltado por um piquete de homens valentes que impedissem a aproximação. Consumido pelo esforço e pela enfermidade, retira-se Santo António à solidão de Arcella, em Camposampiero. Aí, a doença que o afligia anunciou o fatal desenlace. recebidos os santos sacramentos, cantou a Nossa Senhora ao mesmo tempo que fixava o olhar num ponto luminoso, invisível para os então presentes, esboçando nos lábios um sorriso beatifico. O religioso que assistia perguntou-lhe na intimidade que era o que via, ao que respondeu o santo: «Vejo o meu Senhor». Depois estendeu os braços, juntou as palmas das mãos em atitude humilde e dialogou com os religiosos a reza dos salmos penitenciais. Ao terminar , entrou em profundo êxtase que durou meia hora; voltando a si, fitou pela última vez os presentes, sorrindo-lhes, e a sua alma santíssima, desligada dos laços da carne, foi absorvida nos abismos dos resplendores divinos. Era sexta-feira, dia 13 de Junho de 1231. logo que expirou, as crianças de Pádua correram a cidade gritando: «Morreu o santo! Morreu santo António!». Deus quis glorificar-lhe o sepulcro operando por sua intercessão grande número de milagres, o que levou as autoridades eclesiásticas a pensar em canonizá-lo. Fê-lo o papa Gregório IX, quando não tinha ainda passado um ano a contar da sua  morte. O mesmo Gregório IX concedeu-lhe então a missa de Doutor, que ininterruptamente foi celebrada na sua festa. Pio XII fez-se intérprete da tradição de séculos quando, no dia 16 de Janeiro de 1946, o proclamou Doutor da Igreja, atribuindo-lhe o título de Doutor Evangélico, por meio da Carta Apostólica que principia com  o seguinte elogio: «Alegra-te, feliz Lusitânia; salta de júbilo, Pádua ditosa, pois gerastes para a terra e para o céu um varão que bem pode comparar-se com um  astro rutilante, já que brilhando, não só pela santidade de vida e gloriosa fama de milagres, mas também pelo esplendor  que por todas as partes derrama a sua celestial doutrina, alumiou e ainda continua alumiando o mundo inteiro com luz fulgidissima». Santo António não perdeu actualidade e a sua memória é evocada constantemente pelo povo cristão, que vê nele o santo que ressuscita os mortos, que sara as enfermidades, que foi dotado com o dom de bilocaçao, que falou aos peixes, que converteu os hereges, que alivia o bolso dos ricos em proveito dos pobres necessitados, que assegura e multiplica as provisões, que suaviza os obstáculos que dificultam contraírem-se matrimónios, que encontra as coisas perdidas e que amigavelmente conversa com o Menino Jesus. A experiência quotidiana ensina que Santo António não desilude nunca a esperança dos devotos, confiados no seu valimento diante do trono do Altíssimo. Ocorrendo em 1981 os 750 anos a partir da morte de Santo António, foi aberto no mês de Janeiro o seu túmulo. Apareceu o esqueleto sem carne mas muito bem conservado, faltando-lhe apenas o antebraço esquerdo e o maxilar inferior, que em séculos passados lhe foram tirados para relíquias. Da análise do esqueleto, levada a cano pelos métodos mais modernos da electrónica, conclui-se que o santo: não viveu só 36 anos como até agora se pensava, mas 39 e nove meses; tinha de altura 1,68 m; era de perfil nobre, de corpo pouco robusto; a saliência nos ossos dos joelhos mostra que devia passar longas horas a rezar ajoelhado; o desenvolvimento dos ossos das pernas é sinal de ter andado muito. Em 1934 foi declarado padroeiro de Portugal, como já era considerado há muito. Com permanente presença honrosa na literatura e arte popular portuguesa, Santo António foi sempre o padrinho dos seus portugueses que, não tanto no título de igrejas paroquiais mas em muitíssimas capelas e muitíssimos altares, o veneraram sempre com fé das suas almas e o esplendor dos seus festejos. Na oratória portuguesa, prestou-lhe grande homenagem o Padre António Vieira, em nove dos seus geniais sermões. Nem faltaram também a honrá-lo igualmente a escultura, a pintura, a poesia, a música e o típico folclore português. Costuma-se-lhe rezar o seguinte responso em verso:

Se milagres desejais / recorrei a santo António. Vereis fugir o demónio / e as tentações infernais.

Pela sua intercessão / Foge a peste, o erro, a morte; O fraco torna-se forte / e torna-se o enfermo são.

Recupera-se o perdido / rompe-se a dura prisão; E, no auge do furacão / cede o mar embravecido.

Todos os males humanos / Se moderam, se retiram; Digam-no os que o viram / Digam-no os Paduanos.

V. Rogai por nós, bem-aventurado Santo António. R. Para que sejamos dignos das promessas de Cristo.

ORAÇÃO Deus eterno e todo-poderoso, que destes ao vosso povo em santo António de Lisboa um pregador insigne do Evangelho e um poderoso intercessor nas suas necessidades, concedei que pelo seu auxilio, sigamos fielmente os princípios da vida cristã para merecermos a vossa protecção em todas as necessidades. por Nosso Senhor Jesus Cristo. Ámen.  www.jesuitas.pt  Ver também http://es.catholic.net/santoral

¿Queres saber más? Consulta corazones.org

 

Fândila, Santo
Junho 13 Mártir

Fandila, Santo

Fândila, Santo

São Fândila nasceu em Espanha, em Cádis, no principio do século IX, no tempo da ocupação muçulmana. Depois dos estudos em Córdova, apaixonou-se pelo desejo de vida religiosa e entrou no mosteiro de Tabán. Como se impunha pela santidade de vida e dava exemplo das mais altas virtudes, os religiosos do mosteiro vizinho de São Salvador pediram que ele aceitasse ser capelão deles. Apesar da resistência viva, foi elevado à dignidade sacerdotal, o que não o impediu de continuar as penitências, vigílias e orações, e de se aplicar à humildade e à prática de todas as virtudes. Abrasado pelo zelo ardente pela defesa da fé, apresentou-se um dia diante do juiz e pregou-lhe energicamente a doutrina do Evangelho. Descobrindo os erros de Maomé, declarou-lhe que todos os que aderiam a esta religião seriam castigados com suplícios eternos. O juiz mandou logo prendê-lo e deu conta do incidente ao rei. Este, arrebatado por tal afronta, deixou-se levar duma ira tão violenta que, excedendo toda a moderação, mandou prender o bispo, chacinar os cristãos e vender-lhes as mulheres em  leilão. Felizmente, os governadores, reconhecendo não haver nenhuma proporção entre esta sentença e a causa que a provocara, não a puseram em execução. Unicamente foi preso e executado S. Fândila. Cortaram-lhe a cabeça e o corpo foi dependurado duma forca na margem do rio. isto passou-se pelo ano de 852.  www.jesuitas.pt  Ver também http://es.catholic.net/santoral

Gerardo, Santo
Junho 13 Monge

Gerardo, Santo

Gerardo, Santo

Irmão de Bernardo de Claraval (Clairvaux)

Etimologicamente significa “lança atrevida”. Vem da língua alemã.
São Bernardo de Claraval, o grande reformador da espiritualidade de todo o Medievo, logrou que toda sua família abraçasse o estado da vida religiosa.
Gerardo era um jovem aguerrido e sonhava ir a combater na guerra. Numa das batalhas caiu mal ferido.
Essa situação, nova em sua existência ardorosa e cheia de ilusões, o fez mudar muito. E dando-lhe voltas a sua cabeça e aos desejos de seu coração, pensou que o melhor era dedicar-se a amar a Deus e ao próximo. Pediu permissão para entrar em Claraval.
Sua grande dificuldade radicava em que não sabia ler nem escrever. Mas como na vida todos fazemos falta, o abade lhe concedeu o que ansiava.
Era um bom homem a que iam bem os negócios e a actividade no trabalho.
São Bernardo, com sua atinada inteligência e sua grande virtude, lhe confiou o cuidado material do mosteiro, a administração das coisas temporais, a organização da comunidade e todo o imenso trabalho das vinhas e da adega.
Ainda que não soubesse nada de letras, sem embargo, Deus lhe havia dado dons naturais e um sentido comum extraordinário para todo o que lhe ordenassem
Além disso, era um homem honesto a carta cabal no trato com todo o mundo. Se fiavam de suas palavras e não andava com adulações estúpidas que não conduzem a nenhum lado.
Se pode dizer que se revelou grande nas coisas pequenas. E não há que pedir-lhe mais peras à arvore. Cada um é quem é. Morreu antes de cumprir os 50 anos.
São Bernardo chorou amargamente a morte de seu irmão. Era o ano 1138.
¡Felicidades a quem leve este nome!

Comentários a P. Felipe Santos: al Santoral">al Santoral">al Santoral">fsantossdb@hotmail.com

Aquilina de Síria, Santa
Junho 13   -  Mártir

Aquilina de Siria, Santa

Aquilina de Síria, Santa

Mártir

Etimologicamente significa “águia, sem lábio”. Vem da língua grega.
Quando a simplicidade vai de par com o espírito de infância, teu coração se humaniza. Brecha luminosa em teu caminho, teu canto se eleva a Deus: "Tu que dás de comer a pássaros e fazes crescer os lírios do campo, concede-nos alegrarnos con lo que tú nos colmas, y que esto nos baste".
Los emperadores romanos no sabían a ciencia cierta qué hacer con esta fuerza pujante del cristianismo. No podían ni soñar que cuantos más morían, más cristianos surgían dentro de su imperio.
Era para ellos la principal preocupación. Fue el caso de esta niña inocente llamada Aquilina.
Había nacido en Biblis de Palestina, Asia Menor. Por suerte para ella, unos misioneros abanderados del Resucitado, pasaban por allá.
Ella, al verlos, les dijo que estaba preparada para recibir el bautismo porque amaba mucho a Jesús.
Los misioneros escucharon su petición. La bautizaron. Apenas se hubo hecho cristiana, s entregó a ayudar a la gente resplandeciendo ante todos, a pesar de su edad, por su pureza y candidez.
Pero la persecución se notaba ya en el ambiente. Iba a empezar en seguida.
El emperador, enterado por su policía deque había una chica cristiana, que era una joya, mandó que la llevasen ante su presencia.
Y la historia se repite. La condujeron a los dioses para que ofreciera sacrificios.
Ella se negó en rotundo. Entonces, sin entrañas ni amor, mandó que la degollaran. Era el 13 de junio del año 304.
¡Felicidades a quien lleve este nombre!

Comentarios al P. Felipe Santos: al Santoral">al Santoral">al Santoral">fsantossdb@hotmail.com

Mariana Biernacka, Beata
Junho 13   -  Laica Mártir

Mariana Biernacka, Beata

Mariana Biernacka, Beata

En el día de la fiesta de San Anthonio de Padua, gran figura de la cristiandad, el calendario litúrgico también cita una figura de nuestro tiempo.
Ésta es Mariana Biernacka (1888-1943), una de los 108 mártires polacos del nazismo que Juan Pablo II beatificó el 13 de junio de 1999, durante uno de sus viajes a Polonia.
La historia de esta mujer, es muy similar a la de Maximiliano Kolbe, franciscano, quien fue canonizado por Juan Pablo II.
En Naumowicze, Grodno (Polonia), esta viuda nacida Ortodoxa y conversa al Catolicismo a la edad de 17 años, se ofreció a ser ejecutada en lugar de su de su nuera que estaba embarazada.
Con este gesto de amor, Mariana con cincuenta y cinco años de edad, el 13 de junio de 1943 salvó dos vidas de la barbarie de la guerra.
Para ver más sobre los 108 mártires Polacos durante la segunda guerra mundial haz "click"
AQUI

http://es.catholic.net/santoral  e  www.jesuitas.pt

Recolha, transcrição e tradução parcial por António Fonseca