OS MEUS DESEJOS PARA TODOS

RecadosOnline.com

terça-feira, 2 de novembro de 2010

Nº 1174–2 DE NOVEMBRO DE 2010- SANTOS DO DIA

 

COMEMORAÇÃO DOS FIÉIS DEFUNTOS

Fieles difuntos

Fiéis defuntos

A oração pelos mortos esteve em uso entre os cristãos desde as origens. A crença no purgatório e na eficácia da oração a fim de apressar a purificação das almas dos defuntos bastam para a explicar; é inútil tentar aproximá-la, tal como a temos, com as outras religiões; tais esforços nada provariam a não ser constituir o respeito pelos mortos um sentimento natural do homem, que na diversidade dos tempos e dos lugares apresenta analogias. Fora dos enterros e dos aniversários individuais, os cristãos rezavam por todos os defuntos, com a intenção de que aqueles que não tinham deixado na terra nem parentes nem filhos nem amigos, não ficassem todavia abandonados. Santo Agostinho menciona este uso e louva a bondade da Igreja que é a Mãe de todos os fiéis. Era normal atribuir um dia particular a estas orações solenes. A Igreja bizantina fixou-o no sábado que precedia o último domingo antes da Páscoa, que marca para ela o princípio da quaresma; e a Igreja siríaca, na sexta-feira dessa mesma semana. No Ocidente, o costume de consagrar um dia à oração pelos defuntos era quase geral nos mosteiros do século VII, mas os dias variavam a tratava-se primeiro que tudo de orar pelos irmãos. Mesmo certas Igrejas não monásticas tinham costumes análogos. No século IX, contudo, Amalário, tratado dos divinos ofícios , colocava o dos mortos depois do dos santos, considerando que os defuntos que, depois da morte, não eram logo colocados no número,ero dos santos e tinham necessidade de orações, se encontravam numa linha intermédia entre o Céu e a terra. Não se tratava , para Amalário, de colocar a comemoração dos fiéis defuntos, a 2 de Novembro, pois ele ignorava ainda a festa de Todos os Santos. Foi o abade de Cluny, Santo Odilon, quem decidiu que, do mesmo modo que era celebrada em toda a terra nas calendas de Novembro a festa de Todos os Santos, assim houvesse nos mosteiros clunienses a comemoração de todos os fiéis defuntos desde o começo do mundo até ao fim… Os seus biógrafos, Jotsaldo e S. Pedro Damião, contam que um peregrino de Aquitânia, voltando da Terra Santa, tinha encontrado um eremita que, ao saber da sua nacionalidade, lhe entregara um recado para Odilon: o eremita ouvira os demónios queixarem-se de as almas lhes serem arrebatadas pelas orações dos Clunienses. Esta notícia, ao que se diz, incitou o abade de Cluny a multiplicar os sufrágios pelos defuntos. O convento dos dominicanos de Valência, na Espanha, tinha um número de túmulos tão considerável que os religiosos, não podendo satisfazer todos os pedidos de Missas para o 2 de Novembro, tomaram o hábito de celebrar cada um duas ou três. O Ordinário tolerava este costume, que foi sancionado e estendido a toda a Espanha e a Portugal e às suas respectivas colónias por Bento XIV, em 1748. Em 1915, estendeu Bento XV este favor à Igreja Universal, pensando nos mortos da guerra, nas fundações espoliadas e nos pobres que, devido à carestia da vida, não podem encomendar Missas. PURGATÓRIO – Neste mês em que a piedade cristã procura sufragar as almas daqueles que, na graça de Deus, partiram deste mundo, convém reavivar a nossa fé na existência do Purgatório. A existência do Purgatório consta na tradição. Os Concílios de Lião e Florença definiram: «As almas daqueles que partiram desta vida com, verdadeiro arrependimento e no amor de Deus mas antes de terem satisfeito as suas faltas e omissões são purificadas depois da morte com penas purificadoras» (Denz. 464, 693). Contra os protestantes, que afirmavam a doutrina do Purgatório contrária à Escritura, definiu o Concílio de Trento: «há Purgatório e as almas aí detidas podem ser ajudadas pelos sufrágios dos fiéis» (Denz. 983). O Concílio Vaticano II lembra a mesma doutrina: «Esta venerável fé dos nossos maiores acerca da nossa união vital com os irmãos, que já estão na glória celeste ou que, após a morte, estão ainda em purificação, aceita-a este Sagrado Concílio com muita piedade e de novo propõe os decretos dos sagrados Concílios Niceno II, Florentino e Tridentino» (L. G. 51). A existência do Purgatório deduz-se da Sagrada Escritura. Judas Macabeu juntou 2 mil dracmas de para que enviou para o templo de Jerusalém para aí ser oferecido um sacrifício pelos soldados que tinham morrido no combate. Ele e os crentes daquele tempo estavam persuadidos que os defuntos podem ser livres dos seus pecados pela oração e sacrifício: «Considerava a magnifica recompensa que está reservada àqueles que adormecem piedosamente. santo e piedoso pensamento! Por isso mandou oferecer o sacrifício expiatório para que os mortos fossem absolvidos do pecado» (2 Mac 12, 45). Jesus Cristo, falando dos pecados contra o Espírito Santo (Mt 12, 32), diz que não serão perdoados nem neste mundo nem, no outro. Donde se concluí , por este modo de falar, que exceptuando este, dos outros pecados, que não sejam graves ou mortais, se pode obter perdão  o outro mundo. Ora este perdão, depois da morte já não se pode alcançar pelo mérito do arrependimento, porque a alma já não pode, então, ter méritos nem deméritos nenhuns, mas terá de obter-se por meio da purificação que permitam às almas irem depois, sem mancha, à presença de Deus puríssimo e santíssimo. Na Primeira Carta de S. Paulo aos Coríntios (1 Cor 11, 15) vem uma passagem que os comentadores, desde Orígenes (século III) , costumam  aplicar ao Purgatório: «As obras de cada um serão, no seu devido tempo, provadas e reveladas pelo fogo. se elas subsistirem (isto é, se forem boas) o seu autor receberá a paga; se porém forem queimadas, sofrerá o dano, mas ele será salvo por meio do fogo» (ou passando pelo fogo). Mesmo que não possamos afirmar que esta passagem de S. Paulo fale diretamente do Purgatório, contudo, dá-nos implicitamente a substância da doutrina católica sobre ele. Mas que o fogo do Purgatório seja igual ao do Inferno, nunca a Igreja o afirmou. trata-se duma simples opinião que ninguém está obrigado a seguir. O que apenas está definido é que existe o Purgatório, ou seja, um estado de purificação temporária para aqueles que, embora morrendo na graça de Deus, partiram deste mundo sem terem expiado totalmente as suas faltas (D. 456, 464, 70; 723; 777-779, 840, 983, 998). A verdade da existência do Purgatório chegou também até nós pela tradição. Os Santos e grandes Mestres da Igreja, desde os primeiros tempos, testemunham, a crença nesta verdade. As inscrições  e lápides sobre os sepulcros pedem orações pelos defuntos para que alcancem paz e descanso. Quer dizer, acreditam que há almas que sofrem na outra vida e que podem ser auxiliadas pelos nossos sufrágios. Isto é: sempre e em toda a parte os católicos fizeram profissão de fé na existência do Purgatório.

Ver Costumes e tradições, em www.es.catholic.

O altar de mortos

 

 

Do livro SANTOS DE CADA DIA, de www.jesuitas.pt. Ver também www.es.catholic e www.santiebeati.it

 

Margarita de Lorena, Santa
Novembro 2 Biografia

Etimológicamente significa “ perla”. Viene de la lengua griega.
Dice Jeremías: “El Señor dijo a Jeremías: Antes de formarte en el vientre te escogí, antes de salir del seno materno te consagre”.
Margarita fue una viuda del siglo XV.
A los diez años, durante un paseo que daba por el bosque contemplando su belleza, la sobrina del rey Renato de Sicilia, duque de Angio y Lorena, se escondió con algunas amigas para entregarse a la vida eremítica.
A tan corta edad, ya había leído la vida de los santos Padres que habían vivido en el desierto. Y se quedaba admirada de su perfección y de su santidad.
En 1463 era todavía una chica adolescente. Sufrió un golpe muy grande cuando supo que su tío había muerto.
Se volvió a Lorena, y contrajo matrimonio con el duque de Alençon.
La vida de la pareja no fue nada fácil al principio por motivos extraños a su intimidad.
Eran los tiempos de la Guerra de los Cien Años.
Su marido murió combatiendo en ella.
Margarita se quedó viuda a los 32 años, y con tres hijos.
Se entregó a su labor educativa sin la intromisión de sus parientes.
Una vez que ya los había educado y criado, quiso librarse del peso del ducado que había llevado durante 22 años.
Se retiró al castillo de Essai. Lo convirtió en su monasterio particular.. Después llegó a ser monasterio de las Clarisas, Tan abnegada y sacrificada llevó su vida de monja que el mismo obispo le llamó la atención para dejara la penitencia exagerada. Murió en el año 1521.
¡Felicidades a quien lleve este nombre!

SÃO MALAQUIAS

Bispo (1094-1148)

 

Nasceu em Armagh, Irlanda, pelo ano de 1094. Ficou célebre devido a uma profecia sobre os Papas, cuja autenticidade é contestada. Malaquias, depois de restaurar a ilustre abadia de Bangor (1123) e a diocese de Cannor (1124-1127) , que tinham sido destruídas pela invasão dos Vikings, veio a ser, em 1129, arcebispo de Armagh. Os anos que se seguiram (1129-1137) foram para ele anos de sofrimentos. Vieram dos senhores que tinham como próprios os bens da Igreja e tentaram repetidamente assassiná-lo. Em 1139, partiu para Roma, parando na ida e na volta em Claraval, na casa de seu amigo S. Bernardo. Rogou ao Papa que lhe tirasse o seu cargo, para ir viver como monge em Claraval. A isto respondeu o papa nomeando-o legado pontifício, o que o transformava em primeiro responsável pela Igreja da Irlanda. Foi o como tal que ele mostrou tudo quanto era capaz de fazer (1140-1148), transformando o seu país num dos mais religiosos da cristandade. Malaquias retomou caminho de Roma, em 1148; mas caiu doente chegando a Claraval, e lá morreu duas semanas mais tarde, a 2 de Novembro de 1148. S. Bernardo fechou-lhe os olhos, celebrou a Missa das exéquias e, seguidamente, escreveu-lhe a biografia. Do livro SANTOS DE CADA DIA, de www.jesuitas.pt

BEATO PIO CAMPIDELLI

Religioso (1868-1889)

Pio Campidelli, Beato

Pio Campidelli, Beato

 

Em Trebbio (Itália), no dia 29 de Abril de 1868, nasceu um menino que no baptismo recebeu os nomes de Luis Nazareno Francisco. Seus pais eram humildes agricultores. Em 1874, morreu o chefe da  família e a criança foi educada pela mãe e pelos Padres da paróquia. Aos 14 anos, sentindo-se chamado à vida religiosa e sacerdotal e havendo conhecido alguns Padres Passionistas, que tinham pregado uma missão na sua terra, pediu para ser admitido nessa ordem. Superadas várias dificuldades levantadas pela família, no dia 27 de Maio de 1882 vestiu o hábito religioso em Santa Maria di Casale, tomando o nome de Irmão Pio de S. Luís. Passados dois anos, fez a profissão religiosa, acrescentando o quarto voto próprio da sua Ordem de «promover, segundo as próprias forças, a devoção à Paixão de Nosso Senhor Jesus Cristo». Entregando-se com todas as forças aos estudos preparatórios para o sacerdócio, pôs igual empenho em observar com perfeição todas as Regras do Instituto e crescer na prática das virtudes. Eram notórios o seu fervor eucarístico, amor e devoção a Nossa Senhora, alegria e caridade no trato com os confrades e demais pessoas. No dia 17 de Dezembro de 1887 recebeu a tonsura e as quatro ordens menores, conforme as prescrições daquele tempo. Preparava-se para o sub-diaconato, mas não o recebeu porque um ataque de tuberculose pulmonar o prostrou de cama. Consciente de que o seu fim estava próximo. ofereceu generosamente a vida pela Igreja, pelo Sumo Pontifice, pela conversão dos pecadores,  pela sua Romanha. Passou as últimas horas de vida como que elevado em êxtase, louvando  Deus e lamentando a ingratidão dos pecadores. Contando 20 anos e seis meses, entregou a alma ao Pai celeste no dia 2 de Novembro de 1889. Foi beatificado no dia 17 de Novembro de 1985. AAS 80 (1988) 1097-1100). Do livro SANTOS DE CADA DIA, de www.jesuitas.pt

Acindino e companheiros,

Santos Pegaso, Aftonio, Elpidoforo, Anempodisto

além de mais de sete  mil cristãos
Novembro 2  - Mártires de Pérsia,

Acindino y compañeros, Santos

Acindino e companheiros, Santos

Santo Acindino sofreu o martírio na Pérsia juntamente com os Santos Pegaso, Aftonio, Elpidoforo, Anempodisto, e outros sete mil cristãos em tempos do Rei Sapor II (310-381). Estes santos pertenciam à corte de Sapor, e secretamente cristãos. Quando o rei iniciou a perseguição contra os cristãos, Os pagãos invejosos os denunciaram. Convocados à presença de Sapor para o interrogatório, os santos mártires confessaram sua fé na Santíssima Trindade valentemente. Então o rei ordenou que fossem castigados com látegos.
Sapor decretou que Acindino, Pegaso, Anempodisto e Elpidoforo fossem decapitados, e que não se permitisse aos cristãos enterrar seus corpos.
Uma notável multidão, glorificando a Cristo, acompanhou a estes santos quando eram conduzidos para fora da cidade para a execução. Então por ordem de Sapor, os soldados massacraram a todos os cristãos na procissão (aproximadamente sete mil), inclusive santo Elpidoforo.
Acindino, Pegaso, e Anempodisto foram queimados a no dia seguinte com a mãe do imperador. Uns cristãos, foram de noite secretamente ao lugar da execução, e encontraram os corpos dos santos mártires indemnes, e os sepultaram dignamente.

Marciano de Síria, Santo
Novembro 2 Ermitão,

Marciano de Siria, Santo

Marciano de Síria, Santo

São Marciano nasceu en Cyrrhus, na Síria. Seu pai pertencia a uma família patrícia. Marciano abandonou a casa paterna e partiu de sua pátria.
Como não gostava de fazer as coisas a meias, se retirou a um deserto entre Antioquia e o Eufrates. Aí escolheu o rincão mais escondido e se encerrou numa estreita cela, tão baixa e tão reduzida de tamanho, que não podia estar de pé nem encostado sem se encolher.
Tal soledad era como un paraíso para él, pues podía consagrarse enteramente al canto de los salmos, la lectura espiritual, la oración y el trabajo. Sólo se alimentaba de pan y aun eso en pequeña cantidad sin embargo, jamás pasaba el día entero sin comer, pues quería tener fuerzas para hacer lo que Dios le pedía que hiciera.
La luz sobrenatural que recibía en la contemplación, le dio un amplio conocimiento de las grandes verdades y misterios de la fe. No obstante su gran deseo de vivir ignorado de los hombres, su fama llegó a otros países y, al fin, tuvo que admitir por discípulos Eusebio y Agapito.
Con el tiempo, fue aumentando el número de sus discípulo y nombró abad a Eusebio. En cierta ocasión le visitaron a un tiempo San Flaviano patriarca de Antioquía y otros obispos para rogarle que les hiciese una exhortación, como tenía por costumbre. La dignidad de su auditorio impresionó a Marciano, quien no supo qué decir durante unos momentos. Como los obispos le incitasen a hablar, les dijo: "Dios nos habla a cada momento a través de las creaturas y del universo que nos rodea. Nos habla también por su Evangelio, en el que nos enseña a cumplir nuestro deber para con los demás y con nosotros mismos. ¿Qué otra cosa podría yo deciros?"
San Marciano obró varios milagros y su fama de taumaturgo le molestaba mucho, de suerte que jamás prestaba oídos a quienes acudían a su intercesión para obtener un milagro. Así, en cierta ocasión en que un habitante le pidió que bendijese un poco de aceite para curar a su hija enferma, el santo se negó absolutamente, sin embargo, la enferma recobró la salud en ese mismo instante.
Marciano vivió hasta edad muy avanzada. En sus últimos años, sufrió mucho a causa de la importunidad de los que querían conservar su cuerpo cuando muriese. Algunos de éstos, entre los que se contaba su sobrino Alipio, llegaron incluso a construir capillas en diferentes sitios para darle sepultura. San Marciano resolvió el problema al pedir a Eusebio que le enterrase en un sitio secreto.
El sitio de su sepultura no fue descubierto sino hasta cincuenta años después de su muerte. Entonces se trasladaron sus reliquias a un sitio que se convirtió en lugar de peregrinación.
Todo lo que sabemos acerca de San Marciano procede de la Historia Religiosa de Teodoreto. Puede verse el texto griego, con una traducción latina comentada, en Acta Sanctorum, nov., vol. I.

20550 > Commemorazione di tutti i fedeli defunti  MR

90984 > Santi Abati di Agauno 
93015 > Santi Acindino (Acendino), Pegasio, Aftonio, Elpidiforo, Anempodisto e compagni Martiri in Persia  MR
75990 > Sant' Ambrogio Abate  MR
93404 > Santi Carterio, Stiriaco, Tobia, Eudosio, Agapio e compagni Martiri  MR
20550 > Commemorazione di tutti i fedeli defunti  MR
93669 > Beati Corrado e Voislao Martiri in Prússia
75985 > San Donnino di Vienne Vescovo  MR
76005 > San Giorgio di Vienne Vescovo  MR
76020 > Beato Giovanni Bodey Martire  MR
76000 > San Giusto di Trieste Martire  MR
37650 > San Malachia di Armagh (Mael Madoc ua Morgair) Vescovo  MR
90418 > San Marciano di Siria Confessore  MR
90417 > Beata Margherita di Lorena Vedova 2 novembre MR
90635 > Beato Pio Campidelli 2 novembre MR
76025 > Santa Vinfreda (Gwenfrewi, Winfred of Wales) Vergine e martire  MR
93125 > San Vittorino Vescovo e martire  MR

 

Recolha através dos sites:
www.santiebeati.it; www.es.catholic e www.jesuitas.pt
António Fonseca