OS MEUS DESEJOS PARA TODOS

RecadosOnline.com

segunda-feira, 8 de novembro de 2010

Nº 1180 - 8 DE NOVEMBRO DE 2010 – SANTOS DO DIA

 

SANTO CARPO, SANTO PAPILO

e SANTA AGATÓNICA

Mártires (século III)

Em Pérgamo, cidade da província romana da Ásia, foram chamados ao Tribunal: Carpo, que provavelmente era bispo de Gordo, cidade da Lídia; Papilo, diácono da Igreja de Tiatira, na mesma região onde tinha pregado o Evangelho, ganhando muitos seguidores para Cristo; e Agatónica, mulher nova, temente a Deus e a mãe dalguns filhos – o seu nome grego significada «denodada vencedora». Mas deste martírio não consta bem determinado o ano, segundo estudos recentes, deu-se no século III, sendo imperador Décio (250-253). O procônsul da Ásia, que se chamava Óptimo, tinha a residência em Éfeso, mas de vez em quando, por motivos de ofício, demorava-se em Pérgamo. Encontrando-se nesta cidade, apresentaram-se os mártires de Cristo, Carpo, Papilo e Agatónica. Sentando-se o procônsul, perguntou as Carpo: « – Como te chamas? – O bem aventurado respondeu: – O meu primeiro nome e o mais nobre é cristão. Mas, se queres saber o que uso no mundo, chamo-me Carpo. – Disse o procônsul: – Tu não ignoras as ordens dos nossos imperadores a respeito do culto que deveis prestar aos deuses que regem o universo. Portanto aconselho que vos aproximeis para sacrificar. – Carpo respondeu: – Eu sou cristão e adoro a Cristo, Filho de Deus, que veio nestes últimos tempos livrar-nos da escravidão do demónio e salvar-nos. Portanto, não é possível sacrificar eu aos vossos ídolos. – E, com a alma e franqueza que vemos nos mártires, continuou a falar dos que adoram a Deus em espírito e verdade. – Estes, dizia ele – por meio do Salvador foram tornados participantes da vida divina e da glória eterna, ao passo que os adoradores do demónio vêm todos a perecer no Inferno. – Então, o procônsul mandou, sem rodeios, que fosse enforcado e que, com unhas de ferro o descarnassem todo. Ele, sujeitando-se a esta carnificina, não fazia senão repetir em alta voz: – Sou cristão! Sou cristão! – Por fim, reduzido a pedaços, perdeu os sentidos e calou-se. – Entretanto, deixando Carpo, dirigiu-se a Papilo, e disse-lhe: – És senador? - Não, sou simples cidadão.De que cidade?De Tiatira. – Tens filhos?Sim, e muitos pela graça de Deus. – Um dos circunstantes gritou: – Diz ter filhos, segundo a sua fé cristã. – Retorquiu o procônsul: – Porque mentes, então, dizendo ter filhos?Não minto, mas digo a verdade. tenho filhos segundo Deus em toda a província e na cidade.Então sacrificas? Que decides?Desde pequeno servi a Deus e nunca sacrifiquei aos ídolos. Sou cristão e basta. na verdade, nada poderei dizer que seja maior e mais belo que isto. – Enforcado também ele, foi arranhado, cortado e dilacerado com três pares de unhas de ferro sem dar um gemido; mas, como atleta cada vez mais vigoroso, aguentou até ao fim o encarniçamento. Diante da insuperável constância dos Mártires, o procônsul não conseguiu encontrar outra saída que não fosse mandar que os lançassem às chamas. Recebida a sentença e descidos do estrado, ansiavam por chegada ao anfiteatro para se encontrarem quanto antes livres deste mundo. Papilo, o primeiro a ser empalado e levantado, ao acender-se o fogo, recolheu-se em tranquila oração e expirou. Depois foi espetado Carpo. Sorria como se tivesse uma visão bem-aventurada. As chamas tinham subido e, então o Mártir pronunciou uma prece de ação de graças, dizendo: – «Sejas bendito, ó Senhor meu, Jesus Cristo, Filho de Deus, pois, embora eu seja pecador, tornaste-me digno de participar na tua herança». Depois o fumo e o fogo tiraram-lhe a vida. Em seguida foi a vez de Agatónica. Vira os seus dois companheiros ir para o martírio como para nobre banquete, e desejava ansiosamente participar nele. Disse-lhe o procônsul: – Que decides? Anda, sacrifica! Queres, porventura, seguir os conselhos dos teus  mestres? – Respondeu a Mártir: – Eu sou cristã, e nunca sacrifiquei aos demónios, mas só a Deus. – Nesta altura interveio o povo gritando: Tem compaixão de ti e dos teus filhos! – Disse o juiz: – Reflete bem , e efetivamente tem compaixão das tuas crianças, como to suplica o povo. – Agatónica respondeu: – Deus, que toma cuidado de todos, terá cuidado das minhas criancinhas.Sacrifica e não me obrigues a condenar-te à pena dos outros dois. – Respondeu Agatónica: Faz o que te aprouver. Eu vim para aqui disposta a padecer pelo nome de Cristo. A estas palavras o juiz condenou-a ao fogo. A Mártir, chegando ao lugar da execução, despojou-se dos seus vestidos e deu-os aos verdugos; a seguir, correu a estender-se sobre a estaca para se empalada. Então o povo, vendo uma mulher tão digna e tão bela condenada a uma morte cruel , horrorizado, exclamou: – Sentença dura! Decretos iníquos! Colocada na fogueira, enquanto as chamas a envolviam, Agatónica moribunda invocou três vezes o Senhor, dizendo: – Senhor, Senhor, Senhor, socorre-me Tu, pois sofro isto por Ti! E orando assim, expirou. depois os cristãos às escondidas furtaram as relíquias dos santos e guardaram-nas diligentemente para glória de Cristo e louvor dos mesmos Mártires. Do livro SANTOS DE CADA DIA, de www.jesuitas.pt

QUATRO SANTOS COROADOS, irmãos SEVERO, SEVERIANO, CARPÓFORO e VITORINO e, ainda os santos mártires CLÁUDIO, NICÓSTRATO, SINFORIANO, CASTOR e SIMPLÍCIO

Los Cuatro Santos Coronados

Os Quatro Santos Coroados

Mártires (entre 284 e 305)

Foi na perseguição de Diocleciano, a mais cruel e inexorável  de todas, as que deram a sua vida pela fé cristã os irmãos Severo, Severiano, Carpóforo e Vitorino. Intimados a sacrificar aos ídolos, recusaram com firmeza, motivo porque foram açoitados crudelissimamente até exalarem nos tormentos o último suspiro Lançados os seus cadáveres aos cães, foram por estes respeitados. Vendo isto, os cristãos tomaram-nos, indo sepultá-los na Via Lavicana, não longa da cidade, junto do túmulo dos santos mártires Cláudio, Nicóstrato, Sinforiano Castor e Simplício, que tinham sido já sacrificados pelo mesmo imperador, pois, sendo embora peritíssimos na escultura, de nenhum modo puderam ser levados a fazer as estátuas dos ídolos. Transportados depois para junto duma imagem do Sol para a adorarem, disseram que nunca prestariam honras divinas a uma obra das mãos do homem. por isso foram presos, açoutados, maltratados e, por fim, lançados ao rio. Existe na cidade de Roma uma igreja com o título de «dos quatro santos coroados», visto os seus nomes terem sido por muito tempo desconhecidos, sendo só mais tarde revelados por Deus. Nessa igreja foi dada sepultura honrosa não só aos quatro mais também aos últimos cinco, junto dos quais tinham sido sepultados aqueles. É neste dia celebrada a sua festa pela Igreja. Este templo romano foi título cardinalício do cardeal-Rei D. Henrique. Do livro SANTOS DE CADA DIA, de www.jesuitas.pt  Ver também www.es.catholic e www.santiebeabti.it

 

BEATO JOÃO DUNS ESCOTO

(1266-1308)

Juan Duns Escoto, Beato

Juan Duns Escoto, Beato

Este franciscano nasceu em Maxton-on-Tweed, na Escócia, em 1266, e faleceu em Colónia, Alemanha, a 8 de Novembro de 1308. João é o seu nome de batismo: Duns é o apelido nobre; e Escoto, ou Scott ( = escocês) a indicação do seu país de origem. É um dos três doutores mais célebres da escolástica, sendo os dois outros S. Tomás de Aquino e S. Boaventura, aos quais ele muitas vezes se opõe. Ensinou em Cambridge, Oxford, Paris e por último em Colónia. «Fica-se pasmado, escreve Estevão Gilson, diante da imensidade do esforço realizado por este mestre, falecido com a idade de 42 anos». Foi a ele que a doutrina da Imaculada Conceição ficou devendo ser aceite nas escolas, onde ela era até então universalmente combatida. E ensinava que o Verbo teria encarnado, mesmo que Adão não tivesse pecado; mas neste caso não teria Ele sofrido. Paulo VI comparou a obra monumental de Duns Escoto a «uma grande catedral de arquitetura audaciosa, mas de construção tão sólida que pode desafiar os séculos»; dizia-se «persuadido de que este tesouro intelectual encerra armas próprias para combater eficazmente o ateísmo contemporâneo». Do livro SANTOS DE CADA DIA, de www.jesuitas.pt.Ver também www.es.catholic e www.santiebeabti.it

ISABEL DA TRINDADE

Isabel de la Trinidad, Beata

Isabel de la Trinidad, Beata

Etimologicamente significa “juramento de Deus”. Vem da língua hebraica.
Te encontras hoje ante uma mística de altos voos. Dessas pessoas que não se sabe se vivem na terra ou estão vivendo fisicamente aqui mas sua mente e coração estão no céu. Nasceu em Bourges, França, em 1880. Lhe custou muito em sua educação e maturidade pessoal acabar com o mau génio que tinha. Isto lhe ocorreu após a morte do pai.
Aos 14 anos, fez voto de virgindade. Poucos anos depois começou a escrever suas revelações místicas ou sobrenaturais.. Aos 21 anos ingressou no convento carmelitano de Dijon.
Nada mais que senão este:"Louvor de glória da Santíssima Trindade e crescer de dia para dia na estrada de amor aos Três".
Apesar de sua juventude, exerceu e exerce uma grande influência na vida das pessoas mais sensibilizadas com o mundo de Deus. Seus livros “Elevações, Retiros, Notas Espirituais e suas Cartas constituem uma experiência mística trinitária excepcional.
Sua contemplação, sua solidão e seus arrebatamentos místicos nos fazem ver sua união com Deus trinitário.
De seus livros tiramos algumas frases dignas de se reter na memória e no coração crentes:"Crer que um ser que se chama O Amor habita em nós em todo o instante do dia e da noite e que nos pede que vivamos em sociedade com Ele, eis aqui, vos confio, o que tenho feito de minha vida meu céu antecipado".
"Meu Esposo quer que eu seja para Ele uma humanidade adicional na qual eu possa seguir sofrendo para glória do Pai e para ajudar a Igreja".
Morreu no ano 1906 por causa de uma úlcera de estômago. Subiu aos altares em 25 de novembro de 1984.
¡Felicidades a quem leve este nome!

Godofredo de Amiens, Santo

Bispo, 8 Novembro

Godofredo de Amiens, Santo

Godofredo de Amiens, Santo

Etimologicamente significa “paz de Deus”. Vem da língua alemã.
Em junho de 2002 se fala muito da Convenção Europeia como uma forma de chegar a sua própria identidade, tendo em conta as raízes de seu passado... Há que ter confiança nos valores da solidariedade, a subsidiariedade e a transparência... A liberdade religiosa deve ser reconhecida a nível da Comunidade Europeia.
Veio ao mundo no ano 1066 em Soissons e morreu aqui mesmo em 1115.
De jovem viu que sua vocação se inclinava para ser monge. Aos 30 vivia muito feliz como um simples religioso na abadia de Mont-Martin.
Em poucos anos soube dar prosperidade à abadia e a todos os arredores.
Quando o arcebispo se inteirou de quem era este monge, ofereceu-lhe que se fizesse cargo da abadia de são Remígio, a mais importante de sua diocese.
Godofredo o contestou dizendo-lhe que não queria. Se o fizesse, seria como um homem que deixa a sua mulher para ir com outra mais guapa.
Não obstante, se pensou o tema da obediência e, no fim aceitou não ser abade mas sim bispo de Amiens.
Proveniente de uma vida monacal, forjada na austeridade, começou por reformar ao clero que estava sumido na simonía e não administrava os sacramentos. Uma grande degradação moral e religiosa.
E não somente quis reformar o clero, mas também se pôs duro com os senhores que acampavam por seus foros.
Estes últimos se uniram para lhe fazer a vida impossível. Se encontrou cedo sem amigos.
Por isso, uma noite saiu fugindo à Cartuxa para se esconder e viver em paz.
O encontraram e obrigaram a voltar à diocese. Mas estava já extenuado de forças e morreu pouco depois na abadia de São Crispim de Soissons.

Adeodato, Santo

LXVIII Papa, 8 Novembro

Adeodato, Santo

Adeodato, Santo

O Papa Adeodato I, o Deusdedit, foi pontífice num momento en que se começava a sentir cada vez mais claro e forte o sentimento de intolerância e de independência para com o poder bizantino.
Houve levantamentos em Rávena, em Nápoles e na própria Roma. Os territórios governados pelos Lombardos, pelo contrário, gozavam de certa tranquilidade.
Poucas são as notícias históricas: filho do subdiácono romano Estevão, foi durante quarenta anos sacerdote em Roma antes de suceder na cátedra pontifícia ao Papa Bonifácio IV em 19 de Outubro de 615.
Morreu em novembro de 618, amado e chorado pelos romanos, que puderam apreciar o bom coração durante as grandes calamidades que atormentaram Roma durante os três anos de seu pontificado: o terramoto, que deu o golpe de graça aos marmóreos edifícios do Foro, já desbastados pelas continuas invasões dos bárbaros, e uma terrível epidemia chamada elefantíase.
Fue el primer Papa que estableció con testamento donaciones para distribuir al pueblo con ocasión de los funerales del sumo pontífice. En Roma el Papa no sólo era el obispo y el pastor espiritual, sino también el guía civil, el juez, el supremo magistrado, el que garantizaba el orden. A la muerte de todo pontífice los romanos se sentían sin protección, expuestos a las invasiones de los bárbaros nórdicos o a las venganzas del imperio de Oriente. La teoría medieval de los "dos soles", el Papa y el emperador, que deberían gobernar unidos al mundo cristiano, no era aceptada en Constantinopla.
El Papa Adeodato se demostró un hábil mediador y paciente interlocutor con el otro "sol" que en realidad de verdad fue muy poco solícito con Italia, excepción hecha de la vez que envió al exarca Eleuterio a dominar la revolución de Ravena y de Nápoles. Fue la única ocasión en que el Papa Adeodato, ocupado en aliviar la suerte de los habitantes de Roma por las calamidades ya referidas, tuvo un contacto, aunque indirecto, con el emperador.
Tuvo fama de ser un taumaturgo: curaba las formas más graves de peste con sólo apoyar sus labios sobre las llagas inmundas de los enfermos. Baronio pone en el Martirologio Romano un episodio que confirma la fama de santidad que rodeaba al venerable pontífice "dado por Dios" (como dice la etimología del nombre) como guía de los cristianos en una época tan atormentada: durante una de sus visitas a los enfermos, los más abandonados, esto es lo más atacados por la terrible enfermedad de la lepra, habría curado a uno de estos infelices después de haberlo abrazado y besado cariñosamente.
El Liber pontificalis, recordando dos hechos de su pontificado, afirma que Adeodato amó mucho a su clero, al que defendió respecto del clero monástico o regular, privilegiado desde cuando Gregorio Magno les había confiado a los monjes importantes cargos en el apostolado misionero y en la misma organización eclesial. El segundo hecho se refiere a la facultad de celebrar una segunda misa el mismo día (binación).
De él se conoce el sello de plomo con el que solía marcar los documentos oficiales: el Buen Pastor entre las ovejas y los símbolos cristológicos de alfa y omega. Fue el primero que lo usó. Su forma es redonda, grande como una moneda y en latín se llama bulla, de la que deriva bula. Dejó un regalo de plata a cada clérigo presente en sus funerales.

María Crucificada (Isabel María) Satellico, Beata

Virgem Clarissa, 8 Novembro

María Crucificada (Isabel María) Satellico, Beata

María Crucificada (Isabel María) Satellico, Beata

(1706‑ 1745), Virgem da Segunda Ordem. Beatificada por João Paulo II em 10 de Outubro de 1993.
Isabel María nasceu em Veneza, filha de Pedro Satellico e Lucía Mander, em 31 de dezembro de 1706, se educou ao lado de seus pais e de um tio sacerdote. De saúde débil mas especialmente dotada para a música e canto, e grande disposição para a oração.
Recebida entre as Clarissa de Ostra Vetere como educanda prestou serviço como diretora de canto e organista. Aos 19 anos de idade foi recebida no noviciado e tomou o nome de María Crucificada, por sua devoção à Santíssima Virgem e à Paixão de Cristo.
À sublime contemplação unia grande austeridade e penitência, com as quais se fazia mais plenamente participante da Paixão do Senhor. Seu ideal foi a perfeita conformação a Cristo Crucificado, unida à caridade para com o próximo, e uma filial devoção à Santíssima Virgem. Eleita abadessa, se distinguiu por sua solicitude para com as irmãs e com os pobres.
Morreu em 8 de novembro de 1745.

Isaías Boner, Beato

Sacerdote Augustino, 8 Novembro

Isaías Boner, Beato

Isaías Boner, Beato

Em 8 de novembro de 1471 morria em Cracóvia (Polónia). Havia sido professor de teologia na universidade, mestre de vida religiosa e espiritual, amigo e confidente dos santos e beatos do denominado felix saeculum Cracoviae, como Juan Kancio († 1474) o canónico regular Estanislao Kazimiercyk, o Casimiritano († 1489), de todos conhecido por seu zelo apostólico, vida austera, piedade mariana, e seu saber unir a quietude da oração con a ânsia agostinha da procura.
Se ignora o ano preciso de seu nascimento, mas se sabe que em 1415 vestiu o hábito Agostinho no convento de Sta. Catalina de Cracóvia. Eram os momentos obscuros do cisma de Ocidente e do triunfo das doutrinas heréticas de Hus, que não tardariam em incendiar o fogo da guerra sócio-religiosa na próxima Boémia.
En 1419 fue enviado a estudiar a Padua, y allí permaneció casi cuatro años, obteniendo el lectorado en teología y recibiendo la ordenación sacerdotal. De vuelta a Polonia fue encargado de dirigir a los jóvenes estudiantes profesos, asistiéndolos espiritualmente como maestro y como profesor de Sagrada Escritura en el estudio del convento. Nombrado visitador provincial, recorrió la provincia de Baviera. En 1443 consiguió el grado académico de magister en la Universidad Jaguelónica de su ciudad natal. En 1452 lo encontramos de nuevo en Ratisbona como delegado del P. General para presidir la celebración del capítulo de la Provincia.
Fuera de estos cargos de responsabilidad dentro de la Orden, prueba de la estima de que aun fuera de su patria gozaba entre los suyos el magister Poloniae, su principal actividad fue la enseñanza de las ciencias sagradas en la universidad de Cracovia, donde fue apreciado y querido por sus contemporáneos.
A su muerte fue sepultado en el claustro del convento. En torno a sus restos creció el culto popular, y comenzaron a serle atribuidos milagros y gracias. Y aunque el título de beato del que disfruta entre los suyos – en 1617 fue incluido entre los santos protectores de Polonia -, aún no ha sido ratificado por Roma, su tumba en la cripta de la iglesia de Sta. Catalina sigue siendo meta de un incesante peregrinar de devotos, muchos de ellos estudiantes universitarios.
Fueron varias las ocasiones en que se intentó iniciar la instrucción de la causa, pero lamentablemente en ninguna de ellas se consiguió llevarla a término.
Por fin, el 20 de diciembre de 1994, de común acuerdo con el cardenal de Cracovia Francisco Macharski, la postulación general de la Orden solicitó oficialmente la apertura del proceso sobre la fama de santidad del denominado “beato”, virtudes heroicas y culto ininterrumpido.
Ultimados los trámites de ley, el 21 de diciembre de 1996 se clausuró la información cognoscitiva diocesana, el 1 de febrero de 1997 se obtenía de la Congregación de los Santos el nihil obstat para proceder, y el 5 de diciembre del mismo año el correspondiente decreto de validez del proceso llevado a cabo en Cracovia.

76800 > Sant' Adeodatr I (o Deusdedit) Papa  MR
76770 > San Chiaro di Tours MR
76460 > Beato Giovanni Duns Scoto MR
94778 > Beati Giovanni Jover e Pietro Escribà Martiri mercedari
76780 > Santi Giuseppe Nguyen Dinh Nghi, Paolo Nguyen Ngan e compagni Martiri  MR
76750 > San Goffredo di Amiens Vescovo  MR
90170 > Beato Isaia Boner da Cracóvia  (?)
90824 > Beata Maria Crocifissa Satellico Clarissa  MR
90427 > Santi Quattro Coronati Martiri  MR
90533 > San Severo di Cagliari Vescovo e martire 8 novembre
76825 > Tutti i Santi della Chiesa di Bologna 
93286 > San Villeado di Brema Vescovo  MR

 

Sites: www.es.catholic; www.santiebeati.it e www.jesuitas.pt

António Fonseca