OS MEUS DESEJOS PARA TODOS

Imagens e Frases de Natal Religioso

domingo, 15 de maio de 2011

Nº 920 - (135) - 15 DE MAIO DE 2011 - SANTOS DE CADA DIA - 3º ANO

80 Santos e Beatos

Nº 920

SANTA DIONÍSIA e os SANTOS PAULO e ANDRÉ

Mártires (250 ou 251)

Pietro - Andrea - Paolo e Dionisia

Neste dia, contam as Actas deles (consideradas como dignas de crédito), um tal Nicómaco renegara Cristo, quando Paulo e André, acusados com ele mas conservando-se firmes na fé, tinham sido condenados à morte. Nicómaco saía do tribunal com o seu libellum (certificado de apostasia), quando caiu morto na rua: «Ah!, o mais infeliz dos homens pois, se tivesse continuado mais alguns minutos na terra, não se teria nunca perdido no outro mundo!». Foi Dionísia, jovem de 16 anos, quem assim falou. Deste modo se veio a saber que ela era cristã e houve pagãos que a levaram ao procônsul Optimus, que estava ainda no tribunal. Ela desafiou: «Não tenho medo de ti; tenho um amigo mais poderoso do que tu, o qual me ajudará nas torturas». Optimus prendeu-a imediatamente; mas ela, ouvindo a vozearia do povo, que lapidava Paulo e André, escapou-se e correu para junto dos corpos destes, exclamando: «Quero sofrer como vós para ser feliz convosco no céu». O procônsul mandou-a primeiro torturar; e depois foi-lhe cortada a cabeça. Isto a 15 de Maio de 250 ou 251. «Assim, acrescentam as Actas, depois de sofrerem os mesmos combates contra o século, o demónio e o procônsul, estes ilustres mártires mereceram, pela Graça de Cristo, as honras da vitória, sendo Dionisia morta à espada, Paulo e André lapidados. passou-se isto em Lâmpsaco nos idos de Maio, sendo imperador Décio (249-251), e sendo procônsul Optimus, e reinando sobre o mundo Nosso Senhor Jesus Cristo. Para Ele a honra, o poder e a glória. Ámen». Do livro SANTOS DE CADA DIA, de www.jesuitas.pt. Ver também www.es.catholic e www.santiebeati.it.

• Isidro Lavrador, Santo
Camponês

Isidro Labrador, Santo

Isidro Lavrador, Santo

Santo Isidro, pobre lavrador por sua condição, nasceu em Madrid, de pais pobres, mas tementes a Deus. Tendo desposado uma virtuosa donzela, chamada Maria, inspirou-lhe bem depressa os seus sentimentos e a sua devoção. O filho, que foi o único fruto deste casamento, ressentiu-se da piedade dos pais. Vendo Santo Isidro as formosas inclinações da mulher, propôs-lhe viverem como irmão e irmã; a isto se comprometeram, por voto. Obrigado a ganhar, pelo trabalho das mãos, o necessário para o sustento de sua pequena família, pôs-se ao serviço da casa dos Veras de Madrid, obrigando-se a cultivar as terras mediante salário. Levantava-se de madrugada e, antes de ir para o trabalho, dirigia-se em visita a algumas igrejas, onde ouvia todos os dias Missa. Como estava assalariado, fizeram saber ao amo que ele em vez de ir cedo para o trabalho, se punha a visitar igrejas. O amo quis examinar a verdade da denúncia e chegou a saber que o seu rendeiro ia todos os dias rezar a muitas igrejas; julgou pois que a sua fazenda não podia deixar de sentir-se de uma devoção que lhe roubava as primeiras horas do dia. Estando seguro de surpreendê-lo, depois de lhe dar tempo a que chegasse ao campo, apresentou-se lá todo irado, mas ficou muito espantado ao ver de longe duas charruas a seu lado, puxadas a bois brancos. Mas desde que se aproximou, as duas charruas desapareceram. O que vira abonançou-o; cumprimentou graciosamente o lavrador, e em tom afável disse-lhe: «Confessa-me sinceramente, Isidro, de quem eram essas duas charruas que trabalhavam contigo e desapareceram, à minha chegada?» «Não sei, respondeu o santo, que eu tenha outro socorro senão o de Deus; invoco-O no começo do meu trabalho, e nunca O perco de vista durante o dia». O senhor Vera compreendeu o que significava a sua visão, e qual era o merecimento do seu rendeiro; exortou-o a nada alterar em suas práticas de devoção; reconheceu que em toda a região não havia campo melhor cultivado. Tinha recebido um dom de oração muito sublime, o qual era principalmente contemplação. O seu amor à Santíssima Virgem parecia ter-se antecipado ao uso da razão; a Ave-Maria era a sua prece favorita; não falava da Mãe de Deus senão com entusiasmo. A sua caridade para com os pobres era extrema, e deve considerar.se um milagre a quantidade de esmolas que dava; e Deus fazia muitos milagres para autorizar as suas liberalidades e a sua confiança. Tendo um dia distribuído aos pobres tudo o que tinha, apareceu um, a quem não pôde resolver-se a recusar esmola; sua mulher, tendo buscado por todos os escaninhos, declarou-lhe a impossibilidade em que estavam, de o socorrer. «Tu não tens confiança, torna-lhe o Santo; procura com um pouco mais de fé e acharás que dar de esmola». O acontecimento acreditou a predição; uma abundância miraculosa se lhe deparou subitamente em casa, grande número de pobres foi contemplado; e esta mulher compreendeu quanto a caridade torna a confiança eficaz.

Isidro Labrador, Santo

Isidro Lavrador, Santo

Não era somente a favor dos pobres que Deus autorizava a sua caridade; a compaixão pelos animais foi muitas vezes acompanhada de milagres. Indo um dia moer trigo, viu todo o campo coberto de neve e, sobre uma árvore, grande número de aves, prestes a morrerem de fome; impressionou-se muito, espalhou parte do trigo, dizendo com simplicidade e doçura; «Comei avezinhas. Deus dá abundantemente para todos». Um dos amigos, que o acompanhava, riu-se de tal simplicidade, e tomou-a por imbecilidade; mas penitenciou-se logo que viu, ao chegarem ao moinho, que os sacos de Santo Isidro se encontravam mais cheios do que antes de ter espalhado o trigo; o censor transformou-se em panegirista da maravilha. Santo Isidro passava os dias nesta santa obscuridade, desconhecido dos grandes do mundo, confundido entre os pobres lavradores. Tendo caído doente, previu o dia feliz em que o senhor queria terminar os seus trabalhos. Preparou-se para esta última hora, com novo fervor. Enfim, abrasado no amor de Deus, cheio de virtudes, cumulado de merecimentos, morreu a 15 de Maio de 1170, na idade de cerca de 55 ou 60 anos. Apenas expirou, Deus manifestou a glória do seu servo por grande número de milagres, que tornaram o seu túmulo glorioso e célebre por toda a Espanha; o seu corpo, ficou, todavia, por espaço de quarenta anos, enterrado sem distinção no cemitério da paróquia de Santo André de Madrid. Mas Santo Isidro apareceu em sonhos a um pobre homem que o tinha conhecido e disse-lhe que procedesse por forma a que o seu corpo fosse exumado do cemitério para ser colocado na igreja, em lugar mais decente. Tendo ele, por timidez ou desconfiança, negligenciado a ordem, foi punido com grave enfermidade, de que se não pôde curar, senão no dia da trasladação do santo corpo. O tempo decorrido desde esta trasladação tendo sido cheio de milagres seus, Paulo V, depois de todas as informações e formalidades ordinárias, resolveu publicar a bula da sua beatificação no ano de 1619. O zelo desenvolvido pelo rei Filipe III para apressar esta beatificação foi em breve recompensado. Voltava ele de Lisboa, quando enfermou em Casarubios dei Monte; os médicos desesperavam de lhe salvar a vida. Todos os remédios eram inúteis; foi preciso recorrer à poderosa intercessão do Santo Lavrador. Enquanto se estava celebrando a Missa em sua honra na igreja de Santo André, pela saúde do rei, um correio trouxe a notícia de que ele estava nos últimos momentos, e tinha já perdido todo o conhecimento. A consternação foi geral; mas a confiança na protecção do santo susteve as lágrimas, sobretudo quando se soube na cidade que, por ordem dos magistrados, se ia levar o caixão do santo ao quarto do rei enfermo. Colocaram o caixão sobre uma espécie de carro magnificamente adornado. O príncipe herdeiro saiu a receber a santa relíquia com toda a corte à entrada do parque, e acompanhou-a até ao quarto do rei, seu pai. O caixão foi colocado numa espécie de trono, junto ao doente. O rei, logo que a santa relíquia entrou no seu quarto, sentiu-se completamente curado.  O Papa Gregório XV, a instâncias de Filipe IV e para dar satisfação aos desejos de toda a Espanha, procedeu solenemente à sua canonização no dia 22 de Março do ano de 1622. Foram juntamente canonizados os santos Inácio de Loyola, Francisco Xavier, Teresa de Ávila e Filipe Néri. Santo Isidro é o Padroeiro principal da cidade de Madrid.Do livro SANTOS DE CADA DIA, de www.jesuitas.pt. Ver também www.es.catholic e www.santiebeati.it.

• Dimpna (ou Difna), Santa
Mayo 15 Mártir, padroeira dos enfermos mentais

Dimpna (o Difna), Santa

Dimpna (ou Difna), Santa

Etimologicamente significa “ cervo pequeno, veadinho”. Vem da língua irlandesa.
A devoção a Santa Dimpna se fez muito popular por causa das curas de epilépticos e lunáticos com suas relíquias. Desde então é considerada padroeira dos enfermos mentais. No século XIII se construiu em Gheel uma enfermaria para enfermos mentais que hoje em dia é um moderno hospital psiquiátrico. Ali se veneram as relíquias da santa. Dimpna é filha única de um rei pagão irlandês. Era belíssima e muito parecida a sua mãe. Quando esta morreu o rei viúvo ficou desconsolado até ao ponto de ficar mentalmente perturbado. Seus cortesãos lhe sugeriram que se voltasse a casar. Ele aceitou mas buscava a uma mulher que fosse uma réplica exata de sua defunta esposa. Não a encontrando, um conselheiro sugeriu-lhe que se case com sua filha que tanto se parecia a sua mãe. Ainda que ao principio o rei tenha recusado a ideia, pelo seu estado de obsessão, terminou por aceitar. A filha recusou e se manteve firme como uma rocha. "Definitivamente não. Se tivesses algo de decência não me proporias esta união. Sabes que sou cristã. Tu te atas a tuas crenças pagãs. Ao menos permite-me viver segundo minhas próprias convicções"  Ele tratou de a convencer com afagos, pedidos; quando isso não deu resultado, a ameaçou e jurou fazê-la pagar por sua recusa. Dimpna logrou una prorrogação de 40 dias. Nesse tempo foi ter com o Padre Gereberto que a aconselhou guardar sua distância. Depois de pensar melhor, o padre aconselhou-a que fugisse do palácio. O Padre Gereberto, Dimpna junto com outros cruzaram o mar e chegaram a Antuérpia, na costa de Bélgica. Ficaram no povoado de Gheel, perto de um santuário dedicado a São Martinho de Tours. Por três meses viveu entre eles. Mas o rei por meio de espias logrou conhecer seu paradeiro e foi em pessoa a Gheel. Tratou uma vez mais de a atrair, com promessas, oferecendo-lhe dinheiro e prestigio. Dimpna sabia que aquela proposta ofendia a Deus. Além disso, com o consentimento do Padre Gereberto, havia feito um voto de virgindade.  Para a isolar de seu apoio moral, o rei mandou matar a Padre Gereberto. Mas Dimpna ainda se manteve firme: "Nada, nada me induzirá a ofender a Jesus Cristo". Enfurecido, o rei mandou a seus vassalos que a matassem. Mas eles, por primeira vez, recusaram obedecer-lhe. Eles conheciam que a princesa era virtuosa e a respeitavam. Não podiam dispor-se a matá-la. Então o rei com sua própria arma cortou a cabeça de sua filha. Dimpna morre mártir aos 15 anos de idade. Além dos patronatos já assinalados, também é a patrona dos sonâmbulos, das vítimas de incesto e das vítimas de violação.

ORAÇÃO: - Senhor, Deus nosso, Amavelmente adoptaste a Santa Dimpna como patrona daqueles aflitos com desordens mentais e nervosas. Ela é fonte de inspiração e símbolo do amor para todos que pedem sua intercessão. Por favor concede, Senhor, através das orações desta pura e jovem mártir, alivio e consolo a todos os que sofrem tais provas, e em especial àqueles pelos que nós oramos. (Aqui se mencionam os nomes daqueles quem se queira orar). Nós te suplicamos, Senhor, ouvir as orações que Santa Dimpna apresenta em nosso nome. Concede a todos aqueles, pelos que nós oramos, paciência em seus sofrimentos e resignação ante tua vontade. Por favor enche-os da esperança, e concede-lhes o alivio e cura que tanto desejam. Te pedimos por Cristo nosso Senhor que sofreu a agonia e Getsemaní. Ámen.

S. Manços (ou Mâncio)

Mancio (ou Manços) - Évora

A referência mais antiga que se conhece é uma doação feita em 1195 por D. Telo Peres ao mosteiro de Villa Nueva de San Mâncio (Manços), na diocese de Palência, província eclesiástica de Toledo. A par deste dado, conservam-se duas lendas. A primeira assevera que Manços, romano, cristão fervoroso ao serviço duma família judia na região de Évora, foi por seus amos maltratado até à morte, em ódio da fé. Enterrado junto dum caminho, apareceu a um viandante, a quem narrou as peripécias do seu martírio. Metido em sepulcro de pedra, mereceu, por seus milagres, que depois lhe erigissem sumptuosa Igreja. A segunda contada por André de Resende, mantendo a origem romana do mártir, conta que foi discípulo de Cristo, esteve na última ceia e se encontrava no Cenáculo por ocasião da descida do Espírito Santo. Enviado pelos Apóstolos, foi martirizado em Évora, sendo bispo, em tempo do governador Valídio. A fantasia dos hagiógrafos posteriores povoou de pormenores ainda mais inverosímeis a biografia do presumível fundador da cristandade eborense. A primeira tradição não é anterior aos tempos da reconquista. O seu culto, em Évora, remonta aos fins do século XIII. Em 1592, sendo arcebispo D., Teotónio de Bragança, veio de Villanueva uma relíquia do mártir. É possível que a relação de S. Manços de Villa Nueva com o de Évora date de tempos recuados, talvez do século XIII. Do livro SANTOS DE CADA DIA, de www.jesuitas.pt. Ver também www.es.catholic e www.santiebeati.it.

93711 > Santi 50 Martiri Mercedari di Maleville 15 maggio

50 Martiri Mercedari di Maleville

Santi 50 MARTIRI MERCEDARI DI MALEVILLE
+ Maleville, Francia, 1563
Nel convento mercedario di Maleville presso Rodez in Francia, tutti nello stesso giorno, 50 Santi padri furono martirizzati dagli Ugonotti. Trucidati barbaramente per la difesa del...
www.santiebeati.it/dettaglio/93711


93009 > Sant’ Achilleo (Achilio) il Taumaturgo Vescovo di Larissa 15 maggio MR

Achilleo (Acchilio) il Taumaturgo

Sant’ ACHILLEO (ACHILIO) IL TAUMATURGO Vescovo di Larissa
Cappadocia III sec. – Larissa, Grecia, IV secolo
Sant’Achilleo fu vescovo di Larissa in Tessalia e presenziò al Primo Concilio di Nicea. Pieno di zelo e ricco di ogni virtù, si dedicò all’evangelizzazione dei popoli pagani. Godet...
www.santiebeati.it/dettaglio/93009


94973 > Sant' Alvardo Martire 15 maggio

Alvardo

Sant' ALVARDO Martire
+ 15 maggio 1043
www.santiebeati.it/dettaglio/94973


90770 > Beato Andrea Abellon Domenicano 15 maggio

Andrea Abellon

Beato ANDREA ABELLON Domenicano
Saint Maximin, 1335/75 - Aix, 1450
Nativo di s. Massimino in Provenza, entrò giovanissimo nel locale convento di s. Massimino dedicato a s. Maria Maddalena. Maestro di teologia e attivo predicatore, promosse energic...
www.santiebeati.it/dettaglio/90770


92398 > Beata Berta di Bingen Madre di san Ruperto 15 maggio

Berta di Bingen (Mãe de S. Ruperto)

Beata BERTA DI BINGEN Madre di san Ruperto
† Bingen (Germania), IX secolo
www.santiebeati.it/dettaglio/92398


94700 > Santi Bohtiso, Isacco e Simeone Martiri in Persia 15 maggio

Bothiso - Isacco e Simeone

Santi BOHTISO, ISACCO E SIMEONE Martiri in Persia
www.santiebeati.it/dettaglio/94700


92759 > San Caleb (o Elesbaan, Elsebaan) Re d’Etiopia 15 maggio MR

Caleb (ou Elesbaan, ou Elsebaan)

San CALEB (O ELESBAAN, ELSEBAAN) Re d’Etiopia
+ Gerusalemme, 555 circa
www.santiebeati.it/dettaglio/92759


53320 > Santi Cassio e Vittorino Martiri 15 maggio MR

 Cassio e Vittorino

Santi CASSIO E VITTORINO Martiri
sec. III
www.santiebeati.it/dettaglio/53320


90963 > Santa Cesarea Eremita ad Otranto 15 maggio

Cesarea

Santa CESAREA Eremita ad Otranto
www.santiebeati.it/dettaglio/90963

94287 > Beati Diego da Valdieri e Clemente da Bressanone Francescani, martiri 15

 Beato Diego da Valdieri e Clemente da Bressanone

Beati DIEGO DA VALDIERI E CLEMENTE DA BRESSANONE Francescani, martiri
+ San Secondo di Pinerolo, 15 maggio 1655
Diego nacque a Valdieri. Entrò tra i Minori Riformati di san Francesco. Fu predicatore emissionario. Fu inviato nelle valli pinerolesi a predicare contro i valdesi, assieme alconfr...
www.santiebeati.it/dettaglio/94287


90771 > Beato Egidio da Vauzela Domenicano 15 maggio

Egidio de Vauzela (Vouzela) ou de Santarém

Beato EGIDIO DA VAUZELA Domenicano
Vauzela, 1190 - Santarem, 1265
Nato a Vaozela in Portogallo da una nobile famiglia, fu presto avviato alla carriera ecclesiastica, cumulando diversi benefici e spendendone le rendite in una vita tutt'altro che r...
www.santiebeati.it/dettaglio/90771


90470 > Sant' Ellero (Ilaro) di Galeata Abate 15 maggio

Ellero (Ilaro) di Galeata

Sant' ELLERO (ILARO) DI GALEATA Abate
Tuscia, 476 - 15 maggio 558

Nato in Tuscia nel 476, a dodici anni Ellero decise di darsi a vita solitaria: lasciò la casa paterna, si inoltrò sull'Appennino e scelse per propria dimora un mon...
www.santiebeati.it/dettaglio/90470


90578 > Sant' Eutizio di Ferento Martire 15 maggio

Eutizio di Ferento

Sant' EUTIZIO DI FERENTO Martire
www.santiebeati.it/dettaglio/90578


93697 > Beato Girolamo da Mondovì Mercedario 15 maggio

Girolamo da Mondovi

Beato GIROLAMO DA MONDOVì Mercedario
Originario di Mondovì (Italia), il Beato Girolamo, lasciò gli onori del mondo e con grande gioia, su consiglio della Madonna, abbracciò l’Ordine Mercedario. Passò la sua vita nel c...
www.santiebeati.it/dettaglio/93697

 
53300 > Sant' Isidoro l'agricoltore Laico 15 maggio MR


Isidoro l'agricoltore

Sant' ISIDORO L'AGRICOLTORE Laico
Madrid (Spagna), ca. 1080 - 15 maggio 1130

Nacque a Madrid intorno al 1070 e lasciò giovanissimo la casa paterna per essere impiegato come contadino. Grazie al suo impegno i campi, che fino allora rendevano poco, ...
www.santiebeati.it/dettaglio/53300

91109 > San Liberatore Vescovo e martire 15 maggio

Liberatore

San LIBERATORE Vescovo e martire
www.santiebeati.it/dettaglio/91109


53310 > Santi Pietro, Andrea, Paolo e Dionisia Martiri 15 maggio MR

Pietro - Andrea - Paolo e Dionisia

Santi PIETRO, ANDREA, PAOLO E DIONISIA Martiri
sec. III
www.santiebeati.it/dettaglio/53310


92773 > San Reticio Vescovo 15 maggio MR

Reticio

San RETICIO Vescovo
IV secolo
www.santiebeati.it/dettaglio/92773


92774 > San Ruperto di Bingen Eremita 15 maggio MR

 
Ruperto di Bingen

San RUPERTO DI BINGEN Eremita
IX secolo
www.santiebeati.it/dettaglio/92774

90943 > San Severino di Settempeda (di San Severino Marche) Vescovo 15 maggio

 Severino di Settempeda (di San Severino Marche)

San SEVERINO DI SETTEMPEDA (DI SAN SEVERINO MARCHE) Vescovo
Sec. V-VI
www.santiebeati.it/dettaglio/90943


90964 > San Simplicio di Fausania Vescovo e martire 15 maggio MR

Simplicio di Fausania

San SIMPLICIO DI FAUSANIA Vescovo e martire
A celebrare il nome del santo vescovo a Olbia è la basilica che gli è dedicata, uno dei massimi monumenti romanici della Sardegna, completamente in granito, risalente all'XI secolo...
www.santiebeati.it/dettaglio/90964


92776 > San Witesindo di Cordova Martire 15 maggio MR

Witesindo di Cordova

San WITESINDO DI CORDOVA Martire
+ Cordova, Spagna, 855
www.santiebeati.it/dettaglio/92776

Sites: http://.es.catholic  -  www.santiebeati.it  -  www.jesuitas.pt

Compilação, transcrição e tradução (quando possível) por

António Fonseca