OS MEUS DESEJOS PARA TODOS

RecadosOnline.com

quarta-feira, 1 de junho de 2011

Notícias de CANÇÃO NOVA –1-6-2011

 

Transcrição do PDF que me foi enviado por Canção Nova – António Fonseca

COMUNIDADE CANÇÃO NOVA
JUNHO - 2011
NEWSLETTER Nº 11
Comunidade Canção Nova
Estrada da Batalha, 68
Apartado 199
2496 - 908 Fátima
Portugal
00351 249 530 600
cn.portugal@cancaonova.com


Somos pessoas necessitadas do Espírito Santo
Precisamos ser baptizados no Espírito Santo todos os dias. O nossos grupos de oração e as nossas comunidades precisam ser mananciais aos quais retornamos a cada semana, pois somos pessoas necessitadas do Espirito Santo Paráclito.
Os nossos grupos de oração e comunidades precisam ser como piscinas nas quais mergulhamos no Espírito Santo. Ao chegar secos, devemos mergulhar na oração, no louvor, na adoração a Deus, para enchermo-nos novamente. Toda a impureza e toda a contaminação contraídas durante a semana não irão permanecer, porque voltamos à fonte, ao manancial, ou seja, novamente mergulhemos. Estamos prontos para recomeçar.
A grande graça é unir o divino e o humano em nós, já que só com as forças humanas não se consegue quase nada. Por outro lado, Deus poderia, mas não quer, fazer nada sem a nossa participação. O segredo é unir o natural e o sobrenatural em todas as situações da nossa vida. Somos renovados no Espírito a cada dia, mantendo uma vida de oração, de participação nos sacramentos da confissão e da Eucaristia, renunciando a todo o pecado, vivendo a caridade com os irmãos, alimentando a alma com a Palavra de Deus e trabalhando pelo Reino de Deus, em união com a Igreja e os seus Pastores.
Deus o abençoe!
Monsenhor Jonas Abib
Fundador da Comunidade Canção Nova
(Excerto do livro "Orando com Poder" de Monsenhor Jonas Abib).
PÁGINA 2
COMUNIDADE CANÇÃO NOVA
Torne-se um
Benfeitor Evangelizador!
Saiba como:
249 530 600
benfeitor.cancaonova.pt
clube@cancaonova.pt
“O Espírito Santo abre-me a Deus,
ensina-me a rezar e ajuda-me a estar disponível para os outros” CIC [738-741]
O Espírito Santo quando age em nós liberta-nos daquilo que nos mantém cativos e a libertação é tão forte, que tudo muda.
Ficamos mais dispostos, mais alegres, temos um brilhozinho diferente no olhar , ou seja , somos de tal forma inflamados que a chuva pode cair, o vento pode soprar e a terra pode abrir-se, que continuamos firmes no caminhar, pois uma nova vida habita em nós.
Quando o pecado entra e permanece na nossa vida, é como se uma porta se fosse fechando lentamente impedindo a entrada do Espírito Santo, ao fecharmo-nos à sua acção deixamos de fazer o bem e de viver o amor.
Mas quando abrimos as portas do nosso interior ao Espirito Santo, o nosso coração transborda de amor por Deus e pelo próximo. E devido a isso, o nosso desejo é só de fazer o bem. Mesmo quando pecamos Ele ajuda-nos a reconhecer os nossos erros e a recomeçar!
Santo Agostinho diz que o Epírito Santo é “O silêncioso hóspede da nossa alma”. Para escutar a sua direcção, precisamos fazer silêncio no nosso interior.
Não sei como está a sua vida no presente, mas peça a Deus para que Ele venha acalmar as tempestades do seu coração, que ele venha retirar todo o ruído, para que você possa escutar a Sua voz e assim ser conduzido pelo Seu amor e sabedoria!
Disponibilize-se para receber este Hóspede que é tão criativo, e permita que Ele revolucione e transforme a sua vida!
Que Deus o abençoe
Sandra Pinto
Missionária da Comunidade Canção Nova, Portugal
O Espírito Santo nas nossas vidas
A vida de João Paulo II facilmente pode ser transformada em palavras escritas, como neste livro, mas o significado da sua presença no mundo nem sempre é simples de ser expresso. Letras, gestos e imagens muitas vezes são insuficientes para descrever o Papa que tornou possível a paz e a unidade mundial.
Por isso, e em decorrência de sua beatificação, esta obra foi escrita como uma forma de alento, uma maneira de prestar homenagem e eternizar a história do Papa “jovem”, desportista, poeta e exemplo de determinação, força e dignidade.
Com magnitude, assim como eram os actos de João Paulo II, o autor, padre Roger Araújo, narra a luta incessante do “Magno” pelo direito à vida, à paz, à justiça e à igualdade entre os povos, sem se esquecer de mencionar a sua mão forte, que jamais abandonou os fiéis e infiéis, indicando-lhes o caminho da verdade.
www.livraria.cancaonova.pt
João Paulo II: Uma Vida de Santidade
“Adquira na nossa livraria ou pelo telefone 249534932”
N E W S L E T T E R N º 1 1 P Á G I N A 3
A devoção ao Coração de Jesus existe desde os primeiros tempos da Igreja, em que se
meditava no Coração aberto de Jesus, de onde saiu sangue e água. Desse Coração nasceu a
Igreja, e por esse Coração foram abertas as portas do Céu.
O Sagrado Coração lembra-nos também como Jesus Se doou a Si mesmo de todo o coração,
ou seja de bom grado e com amor. Assim nos ensina que o bem deve ser feito com alegria
pois “ A felicidade está mais em dar do que em receber” (Act 20,35).
Como é necessária para a humanidade a mensagem que surge da contemplação do
Coração de Cristo ! De facto, de onde poderá ela tirar essa mensagem, a não ser daquela
fonte, de reservas de mansidão e de perdão necessárias para sanar os ásperos conflitos que
hoje vivemos
Já o nosso querido Papa Bento XVI expressa-nos que o Coração de Cristo é a fonte da vida,
onde passo a citar “As raízes desta devoção aprofundam-se no mistério da Encarnação; foi precisamente através do Coração
de Jesus que se manifestou de modo sublime o Amor de Deus pela humanidade. Por isso, o culto autêntico do Sagrado
Coração conserva o seu valor e atrai sobretudo as almas sequiosas da misericórdia de Deus, que nele encontram a fonte
inexaurível da qual haurir a água da Vida, capaz de irrigar os desertos da alma e fazer florescer a esperança.”
Caríssimos Irmãos e Irmãs, que neste mês de Junho, cada um possa aproximar-se cada vez mais em oblação ao Sagrado
Coração de Jesus, consolando-o. Que todos os dias, cada um se consagre ao Coração do Senhor que é o nosso Salvador e fonte
de todas as graças.
Que juntos como Igreja possamos dizer: “Sagrado Coração de Jesus que tanto nos amais fazei que Vos ame sempre e cada vez
mais”
Joaquim Dias
Missionário da Comunidade Canção Nova, Portugal
O Coração de Jesus a Fonte de Graças
Nesta trigésima edição revista e actualizada de “Orando com Poder”,
Monsenhor Jonas Abib ressalta a importância da oração, inclusive da
oração em línguas, como principal recurso para alcançar a vitória na
nossa vida, uma vez que o acto de orar traz em si o poder de Deus.
O livro revela ainda que é possível aprender a livrar-se dos factores que
impedem a prática da oração, como a incredulidade, e apresenta as
características fundamentais de um bom intercessor, citando inclusive os
que já estão no Céu, os santos.
Orando Com Poder, Mons. Jonas Abib
“Adquira na nossa
livraria ou pelo
telefone 249534932”
Mês de Junho
Dia - 11 de Junho
Vigilia de Pentecostes
na Igreja Franciscana do Calvário
Igreja do Calvário
Av Egas Moniz - Penafiel
Horário - 21h00
Dia - 11 de Junho
Vigilia de Pentecostes no Auditório
do Seminário de Leiria
Rua Joaquim Ribeiro de Carvalho, 60
Horário - 21h00
Eventos Canção Nova
www.eventos.cancaonova.pt
Para mais informações:
249530600
Grupos de Oração Canção Nova
- Lisboa -
Igreja N. Senhora da Encarnação
Largo do Chiado, 15
21h00
- Porto -
Igreja N.Sra. da Saúde
Campanhã.
Quinta-feira; 21h00 (semanal)
-Braga-
Igreja de S. Lázaro
Terça-feira, 21h00 (Semanal)
- Meirinhas, Pombal -
Igreja Paroquial das Meirinhas
Todas as Terças-feiras, 20h30
Umas das definições de tempo no dicionário é: Série ininterrupta e eterna de instantes! Quando comecei pesquisar sobre esta temática e enconteri esta definição, tive um “ataque de riso”, achei muito engraçadas as palavras ininterrupta e eterna, uma vez que muitos de nós quando falamos de “tempo“ ficamos presos nas definições relacionadas à espera, demora, algo que não chega ou não acontece, enquanto na verdade elas não param de chegar e não param de acontecer.
Deve estar a perguntar-se, o que faz alguém parar com as suas actividades e pesquisar sobre o “tempo”, parei e pesquisei por que me incluo muitas vezes no grupo das pessoas que param nas definições erradas.
Questiono-me, fico ansioso, quero agora, tenho pressa e fico triste com a demora. Sabe porquê? Por que muitas vezes falta-me a sensibilidade em perceber que na verdade as coisas não param de acontecer e que se por um minuto parasse de reclamar perceberia quantas coisas boas Deus tem feito ininterruptamente na minha vida.
Tenho percebido que a falta de sensibilidade está relacionada com o egoísmo, penso em mim, nos meus planos e sonhos e isso faz com que os meus olhos se fechem para tudo ao meu redor e os meus ouvidos deixem de ouvir a voz suave do Senhor que me indica o caminho e os passos a serem dados. Esperar o tempo de Deus! Isso significa ter uma atitude activa e não passiva como eu pensava, activa sim, uma vez que as coisas não param de acontecer e de mudar ao meu redor, isto é Deus a agir a todo instante.
Já conseguimos definir como se dá o “Tempo de Deus “, mas e agora o que fazer?
Agora é só esperar, mas com uma postura diferente, uma postura confiante de que Deus tem sempre o melhor para nós e ciente que o tempo dos homens às vezes é injusto, rápido ou lento demais, mas que o tempo de Deus é justo e permitirá que as coisas cheguem, entrem e aconteçam no momento certo nas nossas vidas, nem antes nem depois, no tempo certo. Partilhava com uma amiga sobre isso e no calor da conversa, precipitei-me e falei coisas sem pensar, tamanha era a minha pressa para que as coisas fossem resolvidas, essa pessoa indicou-me o caminho a seguir para ter calma e viver bem o tempo de Deus, ela disse: “o caminho para Jesus, é o caminho da capela“, então fique também com essa dica e deixe Jesus ensiná-lo a esperar.
A palavra tempo também é associada ao clima, vai chover, vai fazer sol ou vai ficar nublado?
Quero deixar aqui uma outra dica, permita que todos os tempos e climas passem pela sua vida, isto é Deus a fazer também, seja chuva ou sol, tempestade ou bonança, Deus esta sempre connosco!
Faço votos que esta partilha o ajude a viver de forma activa o tempo de Deus.
William Brizola
Missionário da Comunidade Canção Nova, Portugal
O Tempo de Deus
Mês de Julho
Dia - 02 de Julho
Noite Eucaristica
Freguesia São Vicente Pereira, Jusã
Horário - 21h00
Dia - 02 de Julho
Encontro de Jovens
Casa de Maria
Horário - 09h30 às 18h
Dia - 03 de Julho
Encontro da canção Nova
Igreja Paroquial Senhora da Hora - Porto
João Mendonça (perto do metro)
Horário: Inicio às 09h00 e encerramento 19h00 com a Eucarístia

Notícias de info.pt@josemariaescriva.info–1-6-2011

  • Os desafios da liberdade‏

17Para aarfonseca@hotmail.com

De:
newsletter-josemariaescriva (info.pt@josemariaescriva.info)

Enviada:
quarta-feira, 1 de Junho de 2011 17:44:02

Para:
aarfonseca@hotmail.com

 
~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~
Notícias
~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~
:: O verdadeiro S. Josemaria Escrivá e a versão do filme ::
Um membro do Opus Dei que trabalhou com o seu fundador fala sobre a autencidade do retrato de S. Josemaria tal como aparece no filme 'Encontrarás dragões'
http://www.pt.josemariaescriva.info/artigo/o-verdadeiro-s-josemaria-escriva-e-a-verse3o-do-filme-1

NOTA DE António Fonseca: ESTA NOTÍCIA REFERE-SE AO FILME “ENCONTRARÁS DRAGÕES” para o qual eu tive o prazer de chamar a atenção na passada semana, para se ir ver.
~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~
Artigos
~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~
:: Cidadania no séc. XXI: Os desafios da liberdade ::
Publicamos a conferência que Paloma Durán, catedrática de Filosofia do Direito, deu aos participantes no congresso UNIV 2011. Nesta conferência glosa os desafios da liberdade no séc. XXI e frisa a importância da liberdade para melhorar a sociedade em que vivemos.
http://www.pt.josemariaescriva.info/artigo/cidadania-no-sec-xxi3a-os-desafios-da-liberdade


~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~
Escrevem-nos
~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~
:: Encontrar trabalho aos 63 anos ::
Em fins de Fevereiro, informaram o meu marido que o seu contrato de trabalho terminava. Como em todo o país, a situação económica está bastante difícil, a companhia onde trabalhava, que se situa numa pequena povoação, também está a sofrer as consequências da crise.
http://www.pt.josemariaescriva.info/artigo/encontrar-trabalho-aos-63-anos


~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~
Na imprensa
~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~
:: Quais são os seus dragões? ::
Todos somos capazes de vencer os nossos dragões: o ódio e o desejo de vingança. De facto, talvez seja esse o principal tema do filme: perante o mal do mundo, o sofrimento, cada um pode reagir, de modo pessoal e encontrar-lhe sentido.
http://www.pt.josemariaescriva.info/artigo/quais-se3o-os-seus-dragf5es3f


~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~
Perguntas e respostas
~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~
:: Josemaria teve a visão do Opus Dei tal como aparece no filme? ::
Substancialmente, sim, segundo o relato que nos deixou Escrivá. O facto histórico ocorreu na manhã de 2 de Outubro de 1928, enquanto realizava um retiro.
http://www.pt.josemariaescriva.info/artigo/josemaria-teve-a-visao-do-opus-dei-tal-como-aparece-no-filme


~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~
Perguntas e respostas
~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~
:: S. Josemaria teve alguma zaragata com um seminarista, quando estudava no seminário? Confesso que não gostei desta cena do filme..." ::
Existe um facto histórico que serviu de base a R. Joffé para construir a antítese entre as duas personagens Josemaria e Manolo.
As imagens mostram-nos que os dois partiram do mesmo ponto, depois, cada um, com a sua liberdade, foi traçando a vida de modo diverso, como fruto da luta pessoal contra os ‘dragões’ interiores.

http://www.pt.josemariaescriva.info/artigo/s-josemaria-teve-alguma-zaragata-com-um-seminarista2c-quando-estudava-no-seminario3f-confesso-que-ne3o-gostei-desta-cena-do-filme5c22-


~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~
Perguntas e respostas
~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~
:: Josemaria aparece sentado ao lado do leito de morte de um amigo da família que era judeu. Isto aconteceu realmente na sua vida? ::
Numa cena do filme vê-se São Josemaria em Madrid, a acompanhar um moribundo. Honório, no seu leito de norte, é um judeu que tinha desejado converter-se ao catolicismo mas não o fazia por respeito aos pais. Nessa cena o realizador, funde diversos acontecimentos históricos da vida de São Josemaria
http://www.pt.josemariaescriva.info/artigo/josemaria-aparece-sentado-ao-lado-do-leito-de-morte-de-um-amigo-da-familia-que-era-judeu-isto-aconteceu-realmente-na-sua-vida3f-


~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~
Perguntas e respostas
~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~
:: No final Manolo consegue ver um sentido para o sofrimento; o que é que produz nele essa mudança? Que sentido tem realmente o sofrimento, pelo menos para ele? ::
Roland Joffé, realizador e guionista do filme, numa entrevista à revista Mundo Cristiano, explica a diferente atitude dos dois protagonistas diante do sofrimento pela educação que tinham recebido
http://www.pt.josemariaescriva.info/artigo/no-final-manolo-consegue-ver-um-sentido-para-o-sofrimento-o-que-e-que-produz-nele-essa-mudane7a3f-que-sentido-tem-realmente-o-sofrimento2c-pelo-menos-para-ele3f-



~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~
Pode cancelar a sua assinatura clicando no seguinte link:
http://www.pt.josemariaescriva.info/subscription.php?id=10340&c=b8e2eec0390d&a=cc

© Gabinete de informação do Opus Dei na Internet

António Fonseca

Nº 937 - (152) - 1 DE JUNHO DE 2011 - SANTOS DE CADA DIA - 3º ANO


Nº 937
SÃO JUSTINO
Mártir (103-167)
Justino, Santo
Justino, Santo
S. Justino, filho de Prisco, nasceu em 103, na Palestina, na cidade de Siquém. Nascido nas trevas do paganismo, cursou as escolas filosóficas da sua terra e dedicou-se especialmente ao estudo do pensamento de Platão. para conseguir aprofundar cada vez mais o sistema do grande sábio grego, retirou-se para um ermo. Um dia apresentou-se-lhe um ancião, que lhe não era conhecido, mas de aparência sumamente simpática. Entre os dois entabulou-se uma conversa sobre a filosofia; o velho mostrou a Justino a insuficiência do sistema platónico, que não satisfazia o desejo do espírito de conhecer a verdade sobre a existência de Deus. Mostrou-lhe mais, que os antigos filósofos se basearam em princípios falsos e, não tendo uma ideia muito clara de Deus e da alma humana, não podiam servir de guias no caminho da verdade. Justino, ávido de conhecer a verdade, pediu ao hóspede lhe indicasse o meio pelo qual pudesse chegar ao conhecimento da verdade. O ancião respondeu-lhe: «Muito antes dos filósofos, existiram no mundo homens, amigos de Deus e ilustrados pelo Espírito divino. São os profetas, que predisseram as coisas futuras, e essas profecias cumpriram-se à letra. Os livros que deles possuímos, contêm doutrinas cheias de luz sobre a origem e fim de todos os seres. Ensinam a fé em um Deus Uno e Trino, Criador do céu e da terra, que mandou o Filho Unigénito para salvar o género humano. Eleva tua alma em profunda oração ao céu, para que se te abram as portas do santuário da verdade e da vida. As coisas de que te falei são incompreensíveis, a não ser que Jesus Cristo, o Filho de Deus, nos dê delas compreensão». Ditas estas palavras, o ancião desapareceu. Justino, muito impressionado com aquilo que tinha ouvido, e ao mesmo tempo ávido de conhecera a verdade, leu os livros dos profetas. Esta leitura fez-lhe luz no espírito e conduziu-o ao conhecimento de Jesus Cristo. Não muito tempo depois, teve ocasião de observar e admirar a grande virtude e constância dos cristãos, por altura duma grande perseguição, de que foram vítimas. Justino fez-se cristão, dirigiu-se para Roma e envidou todos os esforços na propaganda da fé entre os pagãos e na defesa da mesma contra os inimigos. Num memorandum, dirigido ao imperador romano, procurou desfazer os graves preconceitos que existiam, contra os cristãos. «Os cristãos – escrevei ele – vivem na carne, mas não segundo a carne; perseguidos pelo mundo, amam a todos; neles são condenados os vícios, que nos outros se descobrem; nos cristãos é perseguida a inocência, que não é reconhecida; são martirizados até à morte, e a morte dá-lhes a vida; pobres que são, enriquecem a muitos outros; falta-lhes tudo, e possuem tudo em abundância; são tratados com desprezo, e nisto se sentem honrados». S. Justino é o primeiro «Padre da Igreja»; é o primeiro e o mais antigo de que possuímos obras extensas, de grande valor apologético. Os escritos que deixou apresentam a doutrina em toda a pureza, mostram os santos mistérios em toda a beleza e majestade, e conservam as fontes puríssimas da tradição apostólica. A vida de S. Justino estava em perfeita concordância com os escritos. O zelo verdadeiramente apostólico mereceu-lhe o agrado de muitos filósofos do seu tempo, entre eles de Trifão e Crescêncio. O primeiro, nessa altura o judeu mais sábio da sua raça, teve que reconhecer a superioridade da argumentação de Justino; o segundo, filósofo cínico e ímpio, ficou tão desmoralizado que perdeu a estima de todos e do próprio imperador Antonino. Crescêncio jurou vingança a Justino e denunciou-o ao imperador Marco Aurélio, por causa da religião cristã. Justino, citado perante o tribunal, respondeu: Outro Deus não reconheço, a não ser aquele que criou o céu e a terra». À censura do prefeito Rústico, de ser discípulo de Jesus Cristo, replicou: «Não pode ser censurado aquele que obedece às leis de Jesus Cristo. para mim é grande honra e antes quero morrer, que negá-lo». Rústico perguntou-lhe ainda: «Crês que entrarás no céu?». Justino: Não só o creio, sei-o e disto tenho tanta certeza, que não me cabe a menor dúvida». À ameaça de ser condenado à terrível flagelação, Justino respondeu firmemente: «Um homem de bem não abandona a fé, para abraçar o erro e a impiedade. maior desejo não tenho, senão de padecer por aquele que entregou a vida por mim. os sofrimentos enchem a nossa alma de confiança na terrível Justiça divina de Nosso Senhor Jesus Cristo, perante o qual, por ordem de Deus, todo o mundo deverá comparecer. faz o que tencionas fazer; inútil é insistir connosco para que prestemos homenagem aos deuses». A estas palavras seguiu-se a flagelação e decapitação de Justino, e de muitos outros cristãos, no ano de 167. Justino, sem ser sacerdote, deixou à Igreja livros preciosíssimos , os quais constituem tesouro inigualável do tempo apostólico, monumento indestrutível da doutrina imutável da nossa santa Igreja. Consagrou a sua vida de cristão a escrever e a ensinar. Chegaram até nós três das suas obras: duas Apologias e um Diálogo. Aos filósofos, que tinham os cristãos por ignorantes, mostrou que sabia tanto com o eles, e convidou-os a ultrapassar os seus sistemas, para abraçarem o Evangelho. Os seus escritos contêm ainda – sobre as crenças e os usos dos cristão do tempo, sobre a celebração da sagrada Eucaristia, etc.. – informações de que não temos quase outra fonte. Foi preso por motivo de proselitismo. O rescrito de Trajano (117) em vigor, salvava-lhe a vida se renegasse a fé, mas Justino recusou-se terminantemente. www.jesuitas.pt. Ver também http://es.catholic.net/santoral e www.santiebeati.it.l
• Félix de Nicósia, Santo
Religioso Capuchinho
Félix de Nicosia, Santo
Félix de Nicósia, Santo
Martirológio Romano: Em Nicósia, na Sicília, são Félix (Jacobo) Amoroso, religioso, que depois de haver sido recusado durante dez anos, finalmente ingressou na Ordem dos Irmãos Menores Capuchinhos, desempenhando humilíssimos ofícios com simplicidade e inocência de coração (1787). Etimologicamente: Félix = Aquele que se considera Feliz ou afortunado, é de origem latina. Nasceu no ano 1715 em Nicósia (Sicília), no seio de uma família humilde e muito religiosa. Cedo teve que trabalhar no oficio de sue defunto pai, que era sapateiro, para ajudar aos seus. Após receber várias negativas, conseguiu ser admitido na Ordem capuchinha. Feita a profissão, enviaram-no ao convento de seu povo, onde por espaço de mais de quarenta anos exerceu o oficio de irmão esmoler, desenvolvendo um intenso apostolado popular e itinerante, entre gente de todas as classes. Era analfabeto, mas tinha a ciência da caridade e da humildade. Suas maiores devoções foram a paixão de Cristo, a Eucaristia e a Virgem das Dores. Realizou sempre trabalhos humildes e destacou-e por sua obediência e paciência, espírito de sacrifício e amor às crianças e aos pobres e enfermos. Morreu em 31 de Maio de 1787 em Nicósia. O canonizou Bento XVI no ano 2005, e sua festa se celebra em 1 de Junho. São Félix (no século, Filippo Giacomo Amoroso) nasceu em Nicósia em 5 de Novembro de 1715. Seu pai era sapateiro remendão e ele mesmo trabalhou desde jovem numa sapataria. Muito piedoso e religioso desde sua infância, aspirava à vida religiosa e, quando morreram seus pais, foi aos capuchinhos solicitando o ingresso, mas não foi admitido. Perseverou em sua pretensão durante anos até que foi admitido em 1743 no convento de Mistretta, onde fez a profissão religiosa como irmão leigo e tomou o nome de frei Félix de Nicósia. Enviado ao convento de Nicósia, acompanhou primeiro o irmão esmoler pelas ruas da cidade e logo foi hortelão, cozinheiro, sapateiro, enfermeiro, porteiro e sobretudo, durante mais de quarenta anos, esmoler, oficio este que lhe permitiu pôr-se em contacto com muita gente a que edificou e fez muito bem. Sua espiritualidade diferente e grandes virtudes, como a humildade, a mansidão, a caridade, atraíram até ele a atenção dos fieis, que se encomendavam a suas orações e diziam receber de Deus por meio delas grandes favores, inclusive milagres. O guardião do convento submeteu muitas vezes à prova sua obediência e humildade, comprovando que frei Félix era com efeito tão santo como parecia. Levava uma vida austeríssima, com grandes jejuns e mortificações. Devotíssimo da eucaristia, passava não poucas horas da noite ante o sacrário, e era assim mesmo muito fervorosa sua devoção à Virgem María.  Cheio de méritos morreu em seu convento de Nicósia em 31 de Maio de 1787. Foi beatificado pelo papa Leão XIII em 12 de Fevereiro de 1888, e canonizado pelo papa Bento XVI em 23 de Outubro de 2005.
Aníbal María Di Francia , Santo
Aníbal María Di Francia , Santo
Aníbal María Di Francia. Este bem-aventurado nasceu em Messina no mesmo ano em que o seu compatriota, Padre Allamano, e foi beatificado na mesma Missa celebrada na Praça de S. Pedro. A espiritualidade dos dois beatos apresenta também traços comuns,. como se depreende da homilia do Santo Padre: «O mesmo fogo de amor para com o Senhor e pelos homens, assinalou toda a vida e obra do Beato Aníbal Maria di Francia. Impressionado, desde a adolescência, com a expressão evangélica “A messe é grande, mas os trabalhadores são poucos. Rogai, portanto, ao Senhor da messe que envie trabalhadores para a sua messe” (Mt 9, 38), ele despendeu todas as suas energias por esta nobilíssima causa. A multidão de pessoas ainda não atingidas pelo Evangelho e o número insuficiente dos evangelizadores, foram o tormento do seu coração de apóstolo e de sacerdote. Fundou para esta finalidade duas Famílias religiosas: os Rogacionistas e as Irmãs Filhas do Divino Zelo, e promoveu numerosas iniciativas para difundir entre os fiéis a consciência da necessidade de orar intensamente pelas vocações». A seguir, o Santo Padre fala da vivência espiritual do Servo de Deus: «Ele mesmo amou profundamente o seu sacerdócio; viveu-o com coerência, exaltou a sua grandeza no Povo de Deus. Repetia com frequência que a Igreja, para realizar a sua missão, tem necessidade de sacerdotes “numerosos e santos”, “segundo o Coração de Deus”. sentia que este é um problema de importância essencial e insistia para que a oração e a formação espiritual estivessem em primeiro lugar na preparação dos presbíteros; – caso contrário – escrevia – “todas as fadigas dos Bispos e dos Reitores dos Seminários se reduzem a um cultivo artificial de sacerdotes…”.Para ele, toda a vocação autêntica é fruto da graça e da oração, mesmo antes das necessárias mediações culturais e organizativas». João Paulo II encerra as suas considerações sobre o novo beato, apontando o que o mesmo realizou no campo social: «À oração pelas vocações ele uniu uma atenção concreta às necessidades espirituais e materiais dos Sacerdotes e Seminaristas. Em toda a parte onde havia necessidades, a que erra preciso socorrer: pequeninos sem família, meninas em graves perigos, mosteiros de contemplativas em dificuldades materiais, ele esteve presente com oportunidade de amor: de todos foi pai e benfeitor; pronto sempre a sacrificar-se, ajudado e sustentado pela graça». Resta apenas acrescentar que o beato era da família nobre dos Marqueses de Santa Catarina dell’Ionio. A perda do pai aos 15 meses marcou a sua alma e infundiu-lhe o especial amor e cuidados que teve com os órfãos e crianças abandonadas. Completados os estudos, foi ordenado Sacerdote a 16 de março de 1878, iniciando o seu ministério pastoral num bairro periférico de Messina, onde pôs em prática o seu principio de acção: «Espírito de dupla caridade: evangelização e socorro aos pobres». Em 1887 fundou a Congregação das Filhas do Divino Zelo, e dez anos depois, a 16 de maio, a Congregação dos Rogacionistas do Coração de Jesus. O «Rogate», que significa «Rogai» ou «Pedi», constitui o «quarto voto» dos membros das duas Congregações. Além, destas, fundou a Sagrada Aliança Sacerdotal, união espiritual de sacerdotes, Prelados e Bispos com a mesma finalidade de rezar pelas vocações sacerdotais. À sua morte, tinham aderido à Sagrada Aliança Sacerdotal,mais de 50 Cardeais, cerca de 400 Bispos, uns 60 Superiores Gerais e um milhar de Sacerdotes. Mas ele pretendia envolver todos os membros da Igreja nesta obra apostólica e por isso criou para os fiéis a «Pia União da Prece pelas Vocações». Faleceu santamente no dia 1 de Junho de 1927. AAS 82 (1880) 441-5; L’OSS. ROM. 14-10-1990; DIP III , 495-7. Do livro SANTOS DE CADA DIA, de www.jesuitas.pt. Ver também www.es.catholic.net/santioral e www.santiebeati.it
• João Pelingotto, Beato
Terceiro Franciscano
Juan Pelingotto, Beato
Juan Pelingotto, Beato
Martirologio Romano: En Urbino, del Piceno, en Italia, beato Juan Pelingotto, de la Tercera Orden de San Francisco, que, siendo comerciante, procuraba favorecer más a los otros que a sí mismo, y viviendo recluido en una celda, solamente salía para atender a pobres y enfermos (1304).
Etimológicamente: Juan = Dios es misericordioso, es de origen hebreo.

Su culto fue aprobado por S.S. Bendedicto XV el 13 de noviembre de 1918.
Juan Pelingotto nació en Urbino en 1240, hijo de un rico mercader de telas que bien pronto, si bien de mala gana, hubo de permitirle dedicarse libremente a los ejercicios de piedad. A los once años ya lo había iniciado en el comercio.
Vistió el hábito de la Tercera Orden de la penitencia en la iglesia de Santa María de los
Ángeles, la primera iglesia franciscana de Urbino, y como fiel imitador del Seráfico Padre, vivía austeramente. El amor por los pobres lo movía a privarse aun de lo necesario para socorrerlos; humildísimo, al caer en la cuenta de que sus conciudadanos lo tenían en grande estima, para despistarlos se hizo el loco, pero mientras más procuraba ocultarse, más manifiestas hacía Dios sus virtudes.
En 1300 fue a Roma para ganar el jubileo decretado por Bonifacio VIII. Era la primera vez
que iba a la ciudad eterna y no era conocido por nadie; sin embargo, un desconocido al
encontrarse con él, lo señaló a sus compañeros diciendo: “¿No es este aquel santo hombre de Urbino?”. Otros varios hechos manifestaron claramente que el Señor quería hacer conocer su santidad. De regreso a su ciudad natal, intensificó su vida espiritual deseando ardientemente la patria celestial. Fue atacado por una gravísima enfermedad que lo redujo pronto a las últimas, y lo hizo perder hasta el habla, que recuperó completamente sólo en los últimos días de su vida terrena. Supo ser imitador del Seráfico Padre incluso en el dolor.
El demonio no cesaba de molestar con horribles tentaciones a este terciario penitente que siempre había guardado intacta la pureza de su alma. Andaba repitiendo: “¿Por qué me molestas? ¿Por qué me echas en cara cosas que nunca he cometido y en las cuales nunca he consentido?”. Y abandonándose confiado en los brazos de la misericordia divina, con voz fuerte dijo: “Y ahora, vamos con toda confianza!”. Uno de los presentes dijo: “Padre, ¿a
dónde vas?”. “Al Paraíso!”, respondió. Dicho esto, su rostro se puso bellísimo, sus miembros se distensionaron y, poco después expiró serenamente. Era el primero de junio de 1304; tenía 64 años de edad.
Juan había pedido que se le sepultara en la iglesia de San Francisco, pero en un primer
tiempo no se cumplió su voluntad: tuvo solemnes funerales y fue sepultado en el cementerio franciscano, en el claustro del convento. Dios glorificó bien pronto a su fiel servidor. Tantas fueron las gracias que se decían obtenidas por su intercesión, tanto era el concurso de los fieles a su sepulcro, que los hermanos exhumaron sus restos y los llevaron a la iglesia de San Francisco. Aumentándose los prodigios se erigió un altar sobre su tumba, donde se celebraron misas en su honor.
Su culto continuó a través de los siglos.
• João Baptista Scalabrini, Beato
Junho 1 - Bispo e Fundador
Juan Bautista Scalabrini, Beato
Juan Bautista Scalabrini, Beato
Fundador das Congregações de
Missionários de São Carlos (Scalabrinianos) e das
Irmãs Missionárias de São Carlos Borromeo (Scalabrinianas)
Martirologio Romano: En Piacenza, en Italia, beato Juan Bautista Scalabrini, obispo, quien trabajó incansable por el bien de su iglesia, mostrado un especial interés por los sacerdotes, agricultores y obreros. En favor de los emigrantes a los países de América fundó las Congregaciones de Misioneros y de Hermanas Misioneras de San Carlos (1905).
Etimológicamente: Juan = Dios es misericordioso, es de origen hebreo.

Juan Bautista Scalabrini nació y fue bautizado el 8 de julio de 1839 en Fino Monasco (Como, Italia). Era el tercero de ocho hijos de una familia muy religiosa, de clase media. Estudió en el instituto «Volta de Como». Ingresó en el seminario diocesano, donde realizó sus estudios de filosofía y teología. Recibió la ordenación sacerdotal el 30 de mayo de 1863. Durante sus primeros años de sacerdocio fue profesor y luego rector del seminario comasco de San Abundio; en 1870 fue nombrado párroco de San Bartolomé.
Nombrado obispo de Piacenza por el Papa Pío IX, recibió la consagración episcopal el 30 de enero de 1876. Desarrolló una actividad pastoral y social muy amplia: visitó cinco veces las 365 parroquias de la diócesis, a la mitad de las cuales sólo se podía llegar a caballo o a pie; celebró tres sínodos, uno de ellos dedicado al culto eucarístico, difundiendo entre todos los fieles la comunión frecuente y la adoración perpetua; reorganizó los seminarios y reformó los estudios eclesiásticos, anticipando la reforma tomista de León XIII; consagró doscientas iglesias; fue incansable en la administración de los sacramentos y en la predicación; impulsó al pueblo a profesar un amor activo a la Iglesia y al Papa, fomentando la verdad, la unidad y la caridad.
Practicó de forma heroica la caridad asistiendo a enfermos del cólera, visitando a los enfermos y a los encarcelados, socorriendo a los pobres y a las familias en desgracia, y siendo generoso en el perdón. Salvó del hambre a miles de campesinos y obreros, despojándose de todo, vendiendo sus caballos, así como el cáliz y la cruz pectoral que le regaló el Papa Pío IX.
Fundó un instituto para sordomudas, sociedades de mutua ayuda, asociaciones obreras, cajas rurales, cooperativas y otras formas de Acción católica.
Pío IX lo definió «apóstol del catecismo », porque hizo lo posible para que lo enseñaran en todas las parroquias bajo forma de escuela, incluso para los adultos. Ideó y presidió el primer Congreso catequístico nacional de 1889 y fundó el primer periódico catequístico italiano.
Ante el desarrollo dramático de la emigración italiana, que se convirtió en fenómeno de masas, desde el comienzo de su episcopado se hizo apóstol de millones de italianos, que vivían en otros países, a menudo en condiciones de semi-esclavitud, y corrían el peligro de abandonar su fe o la práctica religiosa.
El 28 de noviembre de 1887, fundó la congregación de los Misioneros de San Carlos (Scalabrinianos), aprobada por León XIII, para proporcionar asistencia religiosa, moral, social y legal a los emigrantes. Impulsó a santa Francisca Javier Cabrini, la madre de los emigrantes, a partir rumbo a América en 1889 para encargarse de los niños, los huérfanos y los enfermos italianos. Él mismo fundó, el 25 de octubre de 1895, la congregación de Hermanas Misioneras de San Carlos Boromeo (Scalabrinianas). De sus enseñanzas nacieron en 1961 las Misioneras Seglares Escalabrinianas.
Su intensa actividad episcopal tenía su origen e inspiración profunda en una fe ilimitada en Jesucristo. Su programa era: «Hacerme todo a todos para ganarlos a todos para Cristo». Estaba profundamente enamorado de la Eucaristía: pasaba horas en adoración delante del Santísimo; durante la jornada le hacía muchas visitas y hasta quiso ser sepultado con todo lo necesario para la celebración de la santa misa.
Sentía gran pasión por la cruz y una tierna devoción a la Virgen, que se manifestaba en sus homilías y peregrinaciones a santuarios marianos. Este amor le llevó a entregar las joyas de su madre para la corona de la Virgen.
Falleció el 1 de junio de 1905, fiesta de la Ascensión del Señor. Sus últimas palabras fueron: «¡Señor, estoy listo. Vamos!».
Fue beatificado por S.S. Juan Pablo II el 9 de noviembre de 1997.
Reproducido con autorización de Vatican.va
• Alfonso Navarrete, Beato
Junho 1 - Mártir no Japão
Alfonso Navarrete, Beato
Alfonso Navarrete, Beato
Mártir
Martirologio Romano: En Omura, en Japón, beatos mártires Alfonso Navarrete, de la Orden de Predicadores, Fernando de San José de Ayala, de la Orden de los Ermitaños de San Agustín, y León Tanaka, religioso de la Compañía de Jesús, que fueron degollados a causa de la fe cristiana, por decisión del supremo mandatario Hideta (1617).
Etimológicamente: Alfonso = Aquel guerrero totalmente preparado para el combate, es de origen germánico.

Nace en Logroño, España, el 21 de septiembre de 1571.
Es hijo del convento de San Pablo de Valladolid. Embarca para Manila en 1598 y vuelve a España en 1602, pero vuelve a Filipinas al frente de una expedición misionera en 1611.
Fue enviado inmediatamente al Japón, siendo allí vicario provincial de la misión. El mismo se presentó voluntariamente a confesar su fe y a sufrir el martirio, muriendo decapitado, después de numerosos tormentos, en la isla de Tokasima el 1 de junio de 1617.
Sus virtudes más salientes fueron la piedad, la misericordia, la gratitud y la devoción al rosario.
Encabeza la lista de los numerosos mártires beatificados por Pío IX el 7 de julio de 1867.
• Iñigo (Ignácio) de Oña, Santo
Junho 1 - Abade
Iñigo de Oña, Santo
Iñigo de Oña, Santo
Abade
Martirologio Romano: En el monasterio de Oña, en el territorio de Burgos, de la región de Castilla, en Hispania, san Enecón (o Iñigo), abad, varón pacífico, cuya muerte fue llorada también por judíos y musulmanes (c. 1060).
Etimológicamente: Iñigo = Ignacio = Aquel que es ardiente, es de origen latino.

San Iñigo, decoroso ornamento de la Orden de San Benito, nació en Calatayud, ciudad antiquísima y muy noble de la corona de Aragón.
Sus padres fueron mozárabes, esto es, cristianos mezclados con los árabes, los cuales dieron a Iñigo una educación con forme a las piadosas máximas del Evangelio. Llegado el ilustre joven a edad competente, dejó su patria, sus padres y sus cuantiosos bienes, y se retiró a los montes Pirineos, donde pasó algún tiempo. en la contemplación de las grandezas divinas; mas llegando a su noticia la santidad de los monjes que vivían en el célebre monasterio de san Juan de la Peña, establecido en lo alto de las montañas de Jaca, resolvió abrazar la regla de san Benito.
Hecha ya su solemne profesión, cuando era amado y venerado de todos los monjes por sus eminentes virtudes, alcanzó licencia del esclarecido abad, llamado Paterno, para retirarse a un espantoso desierto de las montañas de Aragón, donde resucitó con sus austeridades las imágenes de penitencia que se leen de los solitarios de la Tebaida, de la Nitria y de la Siria; y donde atraía a gran número de gentes que aprovechaban sus saludables instrucciones.
Mas habiendo fallecido por este tiempo el primer abad del monasterio de Oña, llamado García, y desean do el rey Sancho nombrar un digno sucesor del difunto, envió tres veces embajadores al santo para que aceptase aquel cargo y aun pasó el mismo rey personal mente al desierto y logró al fin rendirle y traerlo consigo a aquel monasterio.
En su gobierno practicó con gran eminencia todas las virtudes del más perfecto prelado, a los pobres oprimidos pagaba sus créditos, buscábales para mantenerlos y vestirlos, libró a muchos presos de las cárceles, redimió cautivos y obró esclarecidos milagros.
Cuando le acometió su última enfermedad en un pueblo llamado Solduengo y tomó al anochecer el camino para Oña a fin de consolar a sus hijos, se le aparecieron dos ángeles en figura de dos hermosísimos niños vestidos de blanco con sus hachas encendidas, los cuales le acompañaron hasta el monasterio. Era el 1 de junio de 1057.
En la hora de su muerte se llenó el ámbito de su celda de un resplandor celestial y se oyó una voz que dijo: Ven, alma dichosa, a gozar de la bienaventuranza de tu Señor.
Celebráronse con gran pompa sus funerales, y no sólo los cristianos, sino también los judíos y los moros concurrieron a sus exequias y rasga ron sus vestiduras con grandes muestras de sentimiento.
Fue canonizado por el Papa Alejandor IV el año 1259.


 
90865 > Beato Alfonso NavarreteFerdinando di San Giuseppe de Ayala,, e Leone Tanaka, Martire 1 giugno MR
Alfonso Navarrete, Ferdinando di San Giuseppe de Ayala, Leone Tanaka
55510 > Santi Ammone, Zenone, Tolomeo, Ingene e Teofilo Martiri 1 giugno MR
Ammone, Zenone, Tolomeo, Ingene e Teofilo
55500 > Sant' Annibale Maria Di Francia Sacerdote, Fondatore 1 giugno MR
Annibale Maria di Francia
94336 > Beato Arnaldo Arench Martire mercedario 1 giugno
Beato Arnaldo Arench
92751 > San Caprasio di Lérins Abate 1 giugno MR
Caprasio di Lérins
55505 > Santi Caritone e compagniCaríto, Evelpisto e Gerace, Peone e Liberiano, Martiri 1 giugno MR
Caritone e companheiros Carito, Evelpisto, Gerace, Peone e Liberato
55560 > San Domenico Ninh Martire 1 giugno MR
Domenico Ninh
55542 > Sant' Enecone Abate 1 giugno MR
Enecone
55521 > Beato Ferdinando di S. Giuseppe Martire in Giappone 1 giugno MR
Beato Ferdinando di S. Giuseppe
55535 > San Floro di Lodeve Vescovo 1 giugno MR
Floro di Lodeve
92382 > San Fortunato di Spoleto Sacerdote 1 giugno MR
Fortunato di Spoleto
55525 > Beato Giovanni Battista Scalabrini Vescovo, fondatore 1 giugno MR
Beato Giovanni Battista Sacalabrini
55544 > Beato Giovanni Battista Vernoy de Montjournal Martire 1 giugno MR
Beato Giovanni Battista Vernoy de Montjournal
92231 > Beato Giovanni Pelingotto Terziario francescano 1 giugno MR
Beato Giovanni Pelingotto
93340 > Beato Giovanni Storey Laico coniugato, martire 1 giugno MR
Beato Giovanni Storey
55546 > San Giuseppe Tuc Martire 1 giugno MR
Giuseppe Tuc
23200 > San Giustino Martire 1 giugno - Memoria MR
Giustino
55515 > Santi Ischirione e 5 soldati Martiri di Licopoli 1 giugno MR
Ischirione e 5 soldados
94349 > Beato Leone Tanaca Martire giapponese 1 giugno MR
Beato Leone Tanaca
55530 > San Procolo Martire 1 giugno MR
Procolo
55540 > San Ronan (Ronano) di Quimper Vescovo 1 giugno MR
Ronan (Ronano) di Quiimper
92829 > San Simeone di Siracusa Eremita 1 giugno MR
Simeone de Siracusa
90139 > San Teobaldo Roggeri 1 giugno MR
Teobaldo Roggeri
92669 > San Vistano Re di Mercia e martire 1 giugno MR
Vistano
http://es.catholic.net/santoral e www.jesuitas.pt
Recolha, transcrição e tradução incompleta, por absoluta falta de tempo, por António Fonseca. As minhas desculpas.