OS MEUS DESEJOS PARA TODOS

RecadosOnline.com

quinta-feira, 2 de junho de 2011

Nº 938 - (153) - 2 DE JUNHO DE 2011 - SANTOS DE CADA DIA - 3º ANO

Nº 938

SANTOS MARCELINO, PEDRO e ERASMO

Mártires (304)

Marcelino y Pedro, Santos

Marcelino e Pedro, Santos

Os nomes de S. Marcelino e S. Pedro, mártires, são mencionados no cânone romano da Missa. S. Marcelino era sacerdote e S. Pedro exorcista. Ambos sofreram o martírio na perseguição de Diocleciano. Pelo ano de 304 foram decapitados na via Cornélia, na aldeola chamada Selva Negra, onde primeiramente foram enterrados, com a intenção de os cristãos os não localizarem nem os venerarem. Mas Deus velou pelo culto dos seus mártires e revelou a uma piedosa mulher, chamada Lucila, o lugar em que jaziam. Foram recolhidos os restos e trasladados para o cemitério da via Lavicana, no local chamado «entre os dois loureiros». Esse local ficou-se chamando desde então Selva Branca, e na Idade Média chegou a ser sé episcopal. Os dados mais seguros do martírio dá-no-los S. Dâmaso na inscrição que redigiu para o túmulo na via Lavicana. É inscrição em verso, na qual indica, segundo confissão do verdugo mesmo, as circunstâncias do martírio: «Marcelino e Pedro, escutai a história do vosso triunfo. Quando eu era menino, o próprio verdugo contou-me, a mim Dâmaso, que o perseguidor furioso ordenarem que vos fossem cortadas as cabeças no meio dum bosque, para ninguém saber onde estavam os vossos corpos. Mas vós, triunfantes, com as vossas próprias mãos vos preparastes para esta sepultura onde agora descansais. Depois de terdes descansado por breve tempo numa Selva Branca, revelastes a Lucila que teríeis gosto em descansar aqui». A cripta de S. Pedro e S. Marcelino foi descoberta por Stevenson, no fim do século passado. A câmara é ampla e suficiente para receber muitos devotos. No meio, diante da abside, há um pano de muralha conservado, onde estão os dois nichos dos corpos. Esta parte do muro respeitou-se intencionalmente, quando se derribaram as paredes a toda a volta para se fazer o santuário. Não se quis remover a sepultura dos dois santos e trasladar os seus corpos para outro sítio mais pomposo. Contentaram-se com revestir as paredes com pilastras de mármore. www.jesuitas.pt – Ver também http://es.catholic.net/santoral

• Erasmo de Fórmia, Santo
Bispo e Mártir

Erasmo de Formia, Santo

Erasmo de Fórmia, Santo

S. Erasmo foi bispo e mártir em Fórmia, no principio do século IV. Desde bem cedo se difundiu o seu culto no Lácio e Campânia. Entrou também na liturgia romana, graças sobretudo à fama que obteve o mosteiro do Monte Célio, em Roma, dedicado ao seu nome. Este mosteiro remonta sem dúvida ao século VI, pois nele foi educado o papa Adeodato, falecido em 619. Não temos noticias certas sobre a forma de seu martírio. Mas o facto da morte por Cristo deve bastar-nos, uma vez que as circunstâncias são sempre secundárias. Nosso Senhor Jesus Cristo sofreu em Si mesmo uma vez e continua sofrendo muitas vezes nos seus servos. Estas perseguições e mortes do justo são apenas externas e aparentes. Como o vento revolve e atinge o mar apenas na superfície, sem chegar nunca a remover as águas no interior do oceano, assim as torturas e a morte ficam na superfície do cristão, sem nunca chegarem à serenidade e vida do coração, do seu espírito imortal, que passa do patíbulo ao trono, do desterro ao seio de Deus. www.jesuitas.pt. Ver também http://es.catholic.net/santoral

• Eugénio I, Santo
Junho 2 - LXXV Papa

Eugenio I, Santo

Eugénio I, Santo

Nasceu em Roma. Morreu nesta cidade, em 2 de Junho de 657. Tem a sua festa em 2 de Junho. Como o imperador bizantino, Constante II, fez prisioneiro o Papa São Martinho I, desterrando-o, primeiro para Constantinopla e depois para a Crimeia, forçou o clero romano a eleger um novo papa, ainda em vida do pontífice anterior. Eleito em 10 de Agosto de 654, Eugénio foi sempre o substituto, pois, para todos, o verdadeiro papa, até à sua morte, foi São Martinho, mesmo prisioneiro. Talvez Eugénio I se começasse a sentir o verdadeiro papa quando S. Martinho escreveu, do seu desterro na Crimeia, recomendando aos fiéis e clero de Roma que obedecessem ao «pastor que já lhes havia sido proposto». No escasso tempo de pontificado teve de enfrentar o patriarca Pedro, de Constantinopla, que lhe propôs um acordo na questão do monoletismo, expondo-o de modo dúbio e inaceitável. Recusou e com essa atitude irritou o imperador, que o julgava mais acessível por ter sido ele a impor a sua eleição,. A sua morte prematura evitou, possivelmente, que tivesse o mesmo destino de São Martinho. Do livro “O PAPADO – 2000 anos de cristianismo” do Círculo de Leitores. Ver também livro SANTOS DE CADA DIA, de www.jesuítas.,pt e www.es.catholic e www.santiebeati.it.

• Nicolás (Nicolau) o Peregrino, Santo
Padroeiro de Trani

Nicolás el Peregrino, Santo

Nicolás o Peregrino, Santo

Contrariamente ao mais célebre São Nicolau, padroeiro de Bari, deste São Nicolau chamado o Peregrino, possuímos pouquíssimos dados. É o padroeiro da cidade de Trani, onde morreu em 1094, apenas quinze dias depois de sua chegada, proveniente de Taranto e antes ainda de Otranto. Havia nascido na Grécia e depois de haver passado alguns anos de solidão em Puglia, percorreu-a levando uma cruz na mão, repetindo continuamente a invocação: “Kyrie Eleison”. Depois de sua morte, fez numerosos milagres. Quatro anos depois, em 1098, no Sínodo Romano, o Bispo de Trani propôs à Assembleia que o venerável Nicolás fosse inscrito no catálogo dos Santos, pelos méritos que acumulou durante sua vida e pelos milagres conseguidos mediante sua intercessão depois de sua morte. O Papa Urbano II mediante um ‘Breve’ autorizou o Bispo de Trani a actuar ao respeito como o considerara oportuno. De regresso a Trani, o Bispo o canonizou e depois de edificar uma nova basílica, depositou ali o corpo do Santo. Em 1748 o Papa Bento XIV o incluiu no Martirológio Romano.

• Sadoc, Beato
Mártir

Sadoc, Beato

Sadoc, Beato

Sadoc sendo ainda jovem recebeu o hábito de mãos de santo Domingo -segundo a tradição. Foi enviado por ele desde o capítulo geral de Bolonha de 1221 junto com frei Pablo de Hungría (Vidas, Apénd. 1) a estender a Ordem na Hungría, sendo portanto considerado como um dos fundadores e impulsionadores desta província em que viveu durante muito tempo. Foi mais tarde trasladado a Sandomierz (Polónia) como superior da comunidade. Ali junto com a comunidade de quarenta e oito frades foram assassinados pelos tártaros enquanto cantavam a Salve ao final de Completas. Essa destruição foi recentemente comprovada em escavações feitas no convento de Sandomierz. Pío VII confirmou seu culto em 18 de Outubro de 1807.

SANTO POTINO, SANTA BLANDINA e mais 46 companheiros

Mártires de Lião (177)

Eusébio (338) reproduz na sua História eclesiástica a circular que as Igrejas de Lião e de Viena dirigiram às da Ásia, a propósito destes mártires, do ano de 177. Lê-se nela: «É impossível descrever-vos o que foi a raiva dos pagãos contra nós e os tormentos que nos infligiram. Começaram por nos perseguir nas casa, na praça e nos banhos públicos. Depois vieram as agressões, as saraivadas de pedra, as espoliações e as encarcerações. Houve a seguir os interrogatórios na praça. E em seguida os suplícios a que assistiu multidão imensa, tripudiando de alegria, nos dois anfiteatros da cidade. Os nossos irmãos suportaram com facilidade sofrimentos que se poderiam interpretar como insuportáveis. Alguns, infelizmente!, apostataram – uns dez aproximadamente; escravos que, na tortura, nos foram apresentados como a praticar incestos e a comer carne de criança». A circular, que cita vários confessores da fé, menciona em particular Blandina e Potino. Este último, «o santo bispo de Lião, velho de 90 anos, foi levado de maca ao tribunal. Ao juiz, que lhe perguntava quem era o Deus dos cristãos, respondeu: «conhecê-Lo-ás quando de tornares digno d’Ele». Foi permitido aos presentes dar-lhe pontapés e atirar-lhe com tudo o que tinham à mão. Em seguida foi reconduzido à prisão, onde pouco depois deu o último suspiro. Blandina, escrava muito jovem, despertava reduzida confiança, em nós; mas cansou os algozes que se revezavam atormentando-a; limitava-se a dizer: «Sou cristã, e nada de mal se faz entre nós». Suspendida pelos braços a um poste, as alimárias nada quiseram com ela. Foi reconduzida à prisão, sendo reservada para o último dia das festas. Foi então flagelada, descarnada, queimada a fogo lento, metida numa rede e lançada a um touro, que se divertiu atirando-a ao ar; por último, executaram-na à espada». www.jesuitas.pt. Ver também http://es.catholic.net/santoral e www.jesuitas.pt

52999 > Beata Vergine Maria di San Luca Giovedì della VI settimana di Pasqua (celebrazione mobile)

Beata-Vergine-Maria-di-San-Luca_thum

92141 > San Comizio Martire 2 giugno
Comizio_thumb

55550 > Sant' Erasmo di Formia Vescovo e martire 2 giugno MR

 Erasmo-di-Formia_thumb

55600 > Sant' Eugenio I Papa 2 giugno MR
 Eugnio-I---Papa-657_thumb
90157 > Beato Giovanni Becchetti da Fabriano Sacerdote agostiniano 2 giugno MR

Beato-Giovanni-Becchetti-da-Fabriano 
94334 > Beato Giovanni de Barthulono Mercedario 2 giugno

Guido-Wido-dAcqui_thumb 
90996 > San Guido (Wido) d'Acqui Vescovo 2 giugno o seconda domenica di luglio MR

Marcelino-e-Pietro_thumb 
27550 > Santi Marcellino e Pietro Martiri 2 giugno - Memoria Facoltativa MR

Niceforo-de-Constantinopla_thumb 
92503 > San Niceforo Patriarca di Costantinopoli 2 giugno MR

Nicola-Il-Pellegrino_thumb 
90618 > San Nicola il Pellegrino 2 giugno MR

Beato-Pietro-Becchetti-da-Fabriano-e[2]
90175 > Beato Pietro Becchetti da Fabriano Sacerdote agostiniano 2 giugno MR

Potino-Blandina-e-46-companheiros_th 
60450 > Santi Potino,

Potino-Blandina-e-46-companheiros---

Blandina e compagni Martiri di Lione 2 giugno MR

Beato-Sadoc-e-48-companheiros_thumb
90779 > Beato Sadoc e 48 compagni - Paolo, vicario- Malachia, predicatore del convento
- Andrea, elemosiniere - Pietro, custode dell’orto - Giacomo, maestro dei novizi - Abele, sindaco - Simone, penitenziere – Clemente – Barnaba – Elia – Bartolomeo – Luca – Matteo – Giovanni – Filippo i diaconi:  - Gioacchino – Giuseppe – Stefano i suddiaconi:
- Taddeo,Mosè – Abramo - Basilio i chierici: – David – Aronne – Benedetto – Onofrio - Dominico - Michele - Mattia - Mauro- Timoteo i professi studenti: – Gordiano - Feliciano – Marco - Giovanni - Gervasio - Cristoforo - Donato - Medardo - Valentino i novizi: – Daniele – Tobia - Macario – Raffaele - Isaia i frati conversi: - Cirillo, sarto- Geremia, calzolaio- Tommaso, organista - Martiri domenicani 2 giugno MR

Recolha, transcrição e tradução de espanhol para português por

 António Fonseca