OS MEUS DESEJOS PARA TODOS

RecadosOnline.com

sábado, 9 de julho de 2011

Nº 975 - (190) - 9 de Julho de 2011 - SANTOS DE CADA DIA - 3º ANO

Muitas Centenas (ou Milhares) de SANTOS E BEATOS

Nº 975

Nicolau Pieck e 19 companheiros, entre os quais,

 João de Colónia, Adriano Janszen, Tiago Lacops, João Lantsz,

Leonardo Vechel e Nicolau Jannssen

Santos mártires de gorcum  - holanda
Presbítero e Mártir

Nicolas Pieck y compañeros, Santos

Nicolas Pieck e companheiros, Santos

As guerras de religião do século XVI provocaram muitos mártires. Recordamos aqui os 19 santos que foram enforcados, a 9 de Julho de 1572, em Brielle, junto ao rio Mosa, na ilha de Voorne (Holanda do Sul). Na maior parte, vinham da cidade vizinha de Gorcum. Em Junho de 1572, os calvinistas, adversários dos espanhóis, tomaram Gorcum. Havia lá um convento de franciscanos e havia padres seculares que foram indignamente tratados, por fanatismo e por cobiça; queriam-se vasos sagrados, ouro e prata. Acrescente-se que os guardas estavam habitualmente embriagados. A 5 de Julho, veio uma ordem do almirante supremo, Barão de Marck, a transferir os presos para Brielle. Lá desembarcaram a 7, de manhã, seminus, e foram objecto das mofas da populaça. Depois, amontoaram-nos num calabouço subterrâneo, pouco iluminado, pouco ventilado e cheio de imundícies. Ouviam-se ministros protestantes falar de libertação possível, para quem renunciasse ao dogma da presença real na Sagrada Eucaristia. As autoridades ofereciam-se para os soltar, se abjurassem o papismo. O superior dos franciscanos era objecto de propostas manhosas. Por fim, um sacerdote apóstata de Liége foi encarregado de levar os presos a um convento de Agostinhos arruinado, onde havia traves que dariam excelentes forcas.

Nicolas Pieck y compañeros, Santos

 

Santi Martiri de Gorcum

No momento último, um sacerdote apostatou, o qual antes parecia sólido; pelo contrário, dois outros, que tinham tido numerosas fraquezas, morreram corajosamente. Foram 19 as vítimas: onze franciscanos, em particular o guardião do convento de Gorcum, Nicolau Pieck, que não tinha ainda trinta e oito anos, e com tão delicada constituição que uma picadela num dedo o fazia desmaiar (foi todavia ele quem mais contribuiu para manter a coragem dos confessores da fé – gostava de repetir: «Devemos sempre servir a Deus na alegria»); um dominicano, João de Colónia, pároco de Hoornaar; dois norbertinos ou premonstratenses, o pároco e o coadjutor de Monster, não longe de Brielle, Adriano Janszen e Tiago Lacops; João Lantsz, cónego regular de Santo Agostinho, reitor da beguinagem de Gorcum; quatro padres seculares, em particular os dois desta cidade, Leonardo Vechelque foi, juntamente com Nicolau Pieck, o animador do grupinho – e Nicolau Jannssen, chamado Poppel. Foram beatificados em 1675 e canonizados em 1867. Do livro SANTOS DE CADA DIA, www.jesuitas.pt. Ver também www.es.catolic e www.siticatollici.it

SANTA VERÓNICA GIULIANI

Religiosa (1660-1727)

Verónica Giuliani,  Santa

Verónica Giuliani, Santa

A 27 de Dezembro de 1660, em Marcatello, no ducado de Urbino, Francisco Giuliani e Benta Mancini saudavam o nascimento da sétima filha que, no dia seguinte, recebeu no baptismo o nome de Úrsula. As graças de saúde, piedade, paz e confiança em Deus, que inundaram Benta durante os meses precedentes, quando as outras maternidades a tinham tornado fraca e lânguida, dir-se-ia que pressagiavam destino excepcional para a recém-nascida; notou-se ao que se diz, que espontaneamente a criança recusava o seio materno nos dias de jejum, que se pôs a falar aos cinco meses, e que um dia escapou aos braços da mãe para glorificar a Santíssima Trindade quando a festa era celebrada. Benta, ao morrer, legou ás cinco filhas que deixava , como testamento espiritual, as cinco chagas de Nosso Senhor; Úrsula recebeu em quinhão a do lado; tinha quatro anos e vivia já em familiaridade com Jesus e Maria. O pai, excessivamente mundano e ávido de distrações para se interessar pelos filhos, confiou-os a um tio deles e partiu a caminho de Placência. Ursulazinha, entre as irmãs mais velhas, entregou-se a caprichos que. embora bem intencionados, não deixavam de ser repreensíveis; passava o tempo a adornar altarzinhos, fugindo a qualquer trabalho; chegou mesmo, um dia, a entrar em casa de um oleiro, do qual ouvira repreender o mau comportamento, e partiu-lhe, em castigo, todas as louças que lá se encontravam. A educação não ficou sendo mais cuidada quando Francisco, escolhido para superintendente das finanças do Duque de Parma, quis tomar conta da filha; era então uma adolescente que mal sabia ler, à qual era prescrito que nada se recusasse; tinha gosto em se disfarçar, visitava muitos primos da sua idade, praticava com eles a esgrima e… não hesitava por vezes em feri-los por querer, a fim de lhes evitar um perigo moral que sabia os ameaçava; tal facto, apesar da violência que nele se pode repreender, mostra o cuidado que ela tinha com a pureza. As inquietações de consciência, que sentiu durante vários anos, bem parecem, nas condições em que se deram, terem sido unicamente crise de escrúpulos. Voltando a Mercatello, aplicou-se Úrsula a fazer uma hora de oração e a rezar durante a noite; depressa resolveu entrar num convento e obteve a necessária licença; foi em Città di Castello, na Úmbria, que ela tomou o hábito de clarissa em 1677. A primeira impressão fora desgostosa, entre paredes austeras e rostos dos quais nenhum lhe atraia a simpatia; mas fez a profissão no ano seguinte, com a promessa de se tornar santa. Destes princípios só poucos pormenores possuímos; mas, a partir de 1693, graças ao diário que lhe mandou escrever o confessor e às notas que ele próprio redigiu, a vida de Úrsula, que se tornara Irmã Verónica, aparece-nos com todas as suas austeridades, as suas provas e as suas graças. manifestando devoção especial para com a paixão do Salvador, esforçava-se por renovar em si esses sofrimentos, até que a encontraram inanimada e lhe proibiram, tais penitências; foi-lhe também muito difícil obter a licença de jejuar bem a sério pelo espaço de três anos. Em 1693 recebeu de Nosso Senhor a coroa de espinhos; em 1697, na Sexta-feira Santa, contemplando as chagas do divino Crucificado, viu saírem delas raios que, transformando-se em lança e pregos, lhe imprimiram os estigmas; o santo Ofício, que tinha sido informado, prescreveu tal severidade para com a Santa que lhe foi proibida qualquer relação com o mundo exterior e ficou encerrada por 50 dias, sem poder assistir à Missa fora dos domingos, mas nestes sem comunhão. Estava às ordens duma irmã conversa que lhe mandava, de hora em hora, o que tinha de fazer; o cargo de mestra das noviças, que ela exercia precedentemente, foi-lhe, por isso mesmo retirado, Mas acabou-se por a deixar sossegada; o demónio, que por seu lado, não se considerava batido, impedindo-lhe que meditasse, apresentando-lhe cenas abomináveis ou tomando o exterior dela, para cometer actos repreensíveis e fazer que a santa fosse caluniada. Afinal, em 1704, Verónica retomou o cuidado das suas noviças, e depois, em 1716, foi eleita abadessa; ouviu da Santíssima Virgem estas palavras: «Não olhes nem para o passado nem para o futuro, governa a tua comunidade com amor e por amor, sem respeito humano nem busca de ti mesma, mas com Deus, em Deus e para Deus»; foi então para o mosteiro um período de grande prosperidade, até material; Verónica, todavia, começava a sofrer de hidropisia e possuía ainda, na sua própria casa, duas inimigas que só muito mais tarde reconheceram os próprios defeitos. A 6 de Junho de 1727, foi atacada de apoplexia e soube que a sua doença duraria 33 dias: a unção dos enfermos foi-lhe dada a 6 de Julho, mas esperou para morrer que lhe desse ordem o confessor; foi exactamente a 9 de Julho, sexta-feira. Foi beatificada em 1804 e canonizada em 1839. Do livro SANTOS DE CADA DIA, www.jesuitas.pt. Ver também www.es.catolic e www.siticatollici.it Ver também: Os Dois Corações na experiência mística de Verónica Giuliani.

BEATA JOANA SCOPELLI

Religiosa (1428-1491)

Juana Scopelli, Beata

Joana Scopelli, Beata

Esta carmelita nasceu em 1428, em Reggio, na Emília, Calábria. O pai chamava-se Simão e a mãe Margarida. A menina ambicionou, desde os primeiros anos, o véu do Carmo. Enquanto o esperava, mortificava-se com o cilício e uma cadeia de ferro. Tendo-lhe falecido os pais, quis fundar um novo mosteiro de carmelitas, mas sem recorrer aos seus bens pessoais. A caridade dos compatriotas forneceu-lhe os meios. Em 1485, o mosteiro estava instituído, com o nome de Nossa Senhora «do povo», Joana foi a prioresa. Consagrava cinco horas por dia à oração. Para obter uma graça do céu, tecia aquilo a que chamava túnica da Virgem Santa, com numerosas Ave-Marias, Salve-Rainhas e O gloriosa Domina. Dedicava grande apreço a S. João Baptista e a S. Jerónimo. Esta devoção tinha sido lançada, se se pode dizer, pelo Hieronymianus do jurisconsulto João de Andrea, livro aparecido antes de 1348, e pelas cartas apócrifas, escritas provavelmente pelos dominicanos de Itália do Norte, no século XIV, cartas de Santo Agostinho a S. Cirilo e de S. Cirilo a Santo Agostinho, as quais igualam Jerónimo ao Baptista. As orações da santa religiosa faziam que viesse pão para o refeitório desprovido. Tiraram da heresia albigense um jovem chamado Agostinho. Esta heresia albigense reeditava o maniqueísmo que por algum tempo seduzira, no século IV, santo Agostinho. Joana morreu em 1491, com sessenta e três anos. Em 1771, o culto dela foi confirmado pelo papa Clemente XIV. Do livro SANTOS DE CADA DIA, www.jesuitas.pt. Ver também www.es.catholic e www.sisicatollici.it

32 BEATAS MÁRTIRES DE ORANGE 

(já que outras 20 foram salvas à última hora, com a suspensão da decapitação a que todas tinham  sido condenadas). Entre elas havia

5 MARIANAS ou MARIAS ANAS; uma IFIGÉNIA; uma TEOTISTA e outra ANDREA

Beate Martiri di Orange (32 Religiosas francesas)

Em Julho de 1794, durante a revolução Francesa, foram presas e reunidas na prisão de Orange 52 religiosas do Vaucluse, «por terem querido destruir a República pelo fanatismo e pela perseguição». Poder-se-ia dizer igualmente: «por terem tentado roubar as torres de Notre Dame». A ordem do dia que seguiam, ao esperarem ser julgadas, foi encontrada: « 5 horas, levantar, meditação, orações da Missa; 7 horas: almoço; 8 horas; ladainha dos santos e outras orações: 9 horas: várias vão ao tribunal; dá-se um alegre adeus; as que ficam pedem pelas que partem e meditam nas palavras de Jesus no calvário…; 18 horas; o rufar do tambor anuncia estarem as condenadas a subir ao cadafalso; as prisioneiras rezam por si as orações dos agonizantes; quando o tambor pára, cantam o Te Deum…». Nenhuma tinha medo; nenhuma assinou o juramento que lhe pouparia a vida; cantavam um hino que tinha como refrão: «Bem longe da guilhotina / Me causar algum terror / O meu Deus fez-me ver nela / Um meio preciosíssimo / que por caminho novo / me conduz direito aos céus». Trinta e duas delas foram decapitadas; Duas cistercenses: Suor Maria di S. Enrico (Margherita Eleonora de Justamond); Suor Maddalena del Ss. Sacramento (Maddalena Francesca de Justamond)  Uma benedettina Suor Maria Rosa (Susanna Agata de Loye) 16 Ursulinas: Suor S. Melania (Maria Anna Maddalena de Guilhermier); Suor degli Angeli (Maria Anna Margherita de Rocher)Suor S. Sofia (Maria Gertrude de Ripert d’Alauzier)Suor S. Luigi (Silvia Agnese de Romillon)Suor S. Sofia (Maria Margherita de Barbegie d’Albarède)Suor S. Bernardo (Giovanna Maria de Romillon)Suor S. Francesco (Maria Anna Lambert)Suor S. Francesca (Maria Anna Depeyre)Suor S. Gervasio (Maria Anastasia de Roquart)Suor S. Michele (Maria Anna Doux)Suor S. Andrea (Maria Rosa Laye)Suora del Cuore di Maria (Dorotea Maddalena Giulia de Justamond)Suor Caterina di Gesù (Maria Maddalena de Justamond)Suor S. Basilio (Anna Cartier)Suor Chiara di S. Rosalia (Maria Chiara du Bac); Suora del Cuore di Gesù (Elisabetta Teresa Consolin); 13 Sacramentinas  Suor Ifigenia di S. Matteo (Francesca Maria Susanna de Gaillard)Suor Rosa di Santa Pelagia (Rosalia Clotilde Bès)Suor Teotista Maria (Maria Elisabetta Pellissier)Suor Rosa di San Saverio (Maddalena Teresa Talieu)Suor Marta del Buon Angelo (Maria Cluse)Suor Maddalena della Madre di Dio (Elisabetta Verchière)Suor dell’Annunciazione (Teresa Enrichetta Faurie); Suor S. Alessio (Anna Andreina Minute)Suor Amata di Gesù (Maria Rosa de Gordon)Suor Maria di Gesù (Margherita Teresa Charansol)Suor S. Gioacchino (Maria Anna Béguin-Royal)Suor S. Agostino (Margherita Bonnet)Suor S. Martino (Maria Chiara Blanc). Outras 20 salvaram a vida em virtude da Convenção mandar suspender as execuções. Entre as mártires, citaremos três sacramentinas com nomes que não foram nunca usados por qualquer santa: Ifigénia, Teotista e Andrea; houve também cinco Marias Anas ou Marianas. Do livro SANTOS DE CADA DIA, www.jesuitas.pt

Paulina do Corazón Agonizante de Jesus

(Amábile Lúcia Visintainer), Santa

Fundadora, 9 de Julho

Paulina del Corazón Agonizante de Jesús (Amabile Wisenteiner), Santa

Paulina del Corazón Agonizante de Jesús (Amabile Wisenteiner), Santa

Amábile Lúcia Visintainer, hoje Santa Paulina, nasceu em 16 de Dezembro de 1865 em Vígolo Vattaro, provincia de Trento, Itália, naquele tempo região do Sul de Tirol, sob o domínio de Áustria. Os pais, como toda a gente do lugar, eram óptimos cristãos, mas pobres. Em Setembro de 1875, a família de Napoleone Visintainer emigrou com muitos outros trentinos para o Brasil e no Estado de Santa Catarina, no actual município de Nova Trento, deram início à localidade de Vigolo. Amábile, depois da primeira comunhão, recebida mais ou menos aos 12 anos, começou a participar no apostolado paroquial: catecismo aos pequenos, visitas aos doentes, limpeza da capela de Vígolo. No dia 12 de Julho de 1890, juntamente com a amiga Virgínia Rosa Nicolodi, Amábile acolheu uma doente de cancro em fase terminal, dando início à Congregação das Irmãzinhas da Imaculada Conceição, aprovada pelo Bispo de Curitiba, D. José de Camargo Barros, aos 25 de Agosto de 1895. Em Dezembro desse mesmo ano, Amábile e as duas primeiras companheiras (Virgínia e Teresa Anna Maule) fizeram os votos religiosos e Amábile recebeu o nome de Irmã Paulina do Coração Agonizante de Jesus. A santidade e a vida apostólica de Madre Paulina e de suas Irmãs atraíram, muitas vocações, apesar da pobreza e das dificuldades em que viviam. Em 1903 a Madre Paulina foi eleita Superiora Geral vitalícia pelas Irmãs da nascente Congregação. Deixou Nova Trento e estabeleceu-se em S. Paulo, no bairro Ipiranga, onde se ocupou de crianças órfãs, filhas dos ex-escravos, e dos escravos idosos e abandonados. Em 1909, foi deposta do cargo de Superiora Geral pelo Arcebispo de S. Paulo, D. Duarte Leopoldo e Silva, e enviada a trabalhar com os doentes da Santa Casa e os velhinhos do Asilo S. Vicente de Paulo, em Bragança Paulista, sem poder nunca mais ocupar algum cargo na sua Congregação. Foram anos marcados pela oração, pelo trabalho e pelo sofrimento, tudo feito e aceite para que a Congregação das Irmãzinhas fosse por diante e «Nosso Senhor fosse conhecido, amado e adorado por todos em todo o mundo». Em 1918, com o consentimento de D. Duarte, foi chamada pela Superiora Geral, Madre Vicência Teodora, sua sucessora. à «Casa Mãe» no Ipiranga, e aí permaneceu até à morte, numa vida retirada, feita de oração e assistência às Irmãs doentes. A partir de 1938, a Madre Paulina começou a acusar graves distúrbios por causa dos diabetes. Após duas cirurgias, nas quais sofreu amputação do dedo médio e depois do braço direito, passou os últimos meses vítima da cegueira. Morreu aos 9 de Julho de 1942; e suas últimas palavras foram: «Seja feita a vontade de Deus». A espiritualidade inaciana, recebida de seus diretores espirituais, tem na Madre Paulina características próprias, que marcam a «Veneranda Madre Fundadora» como uma religiosa na qual se podem admirar as virtudes teologais, morais, religiosas em grau heroico. Fé profunda e confiança ilimitada em Deus, amor apaixonado a Jesus-Eucaristia, devoção terna e filial a Maria Imaculada, devoção e confiança no «nosso bom Pai São José» e veneração pelas autoridades da Igreja, religiosas e civis, caridade sem limites, traduzida em gestos de serviço aos irmãos mais pobres e abandonados. Terminado o capítulo de Agosto de 1909, começava o holocausto doloroso e meritório de Madre Paulina, a quem o Arcebispo de São Paulo decretara: «Viva e morra na Congregação como súbdita». E permaneceu na sombra até à morte, em união com Deus, como declarou ao seu director espiritual, Pe Luiz Maria Rossi, S.J..: «A presença de Deus me é tão intima que me parece impossível, perdê-la e esta presença dá à minha alma uma alegria que não posso explicar».O carisma deixado por Madre Paulina para a sua Congregação traduz-se na sensibilidade para perceber as exigências da realidade, para servir, na Igreja, os mais necessitados e os que estão em situação de maior injustiça, com simplicidade, humildade e vida interior. É um servir alimentado por uma espiritualidade eucarístico-marial, pela qual toda a Irmãzinha faz de Jesus-Eucaristia o centro de sua vida alimentada por uma terna devoção à Virgem Imaculada e ao bom Pai São José. Esta primeira Santa do Brasil foi beatificada pelo papa João Paulo II a 18 de Outubro de 1991, em Florianópolis, Estado de Santa Catarina, Brasil,e canonizada pelo mesmo Papa a 19 de Maio de 2002. Do livro SANTOS DE CADA DIA, www.jesuitas.pt. Ver também www.es.catholic e, ainda www.siticatollici.it

Nossa Senhora do Rosário de Chiquinquirá
Padroeira de Colômbia

Nuestra Señora del Rosario de Chiquinquirá

Nuestra Señora del Rosário de Chiquinquirá

Patrona de Colômbia

Durante séculos, o povo colombiano dá glória a Deus por meio de sua Mãe Santíssima Virgem María sob a invocação de Nuestra Señora del Rosário de Chinquinquirá. É este um dos mais importantes e frequentados santuários de Colômbia. A Virgem está representada num lençol, com o Menino nos braços e, como parece lógico, com o Santo Rosário na mão. A tradição conta que faz quatro séculos dom António de Santana, encomendador dos povos de Suta e Chiquinquirá, solicitou ao espanhol Alonso de Narváez (em 1560) que pintasse uma imagem da Virgem do Rosário, para a colocar numa pequena capela. A pintura foi realizada sobre uma tela de algodão de procedência indígena, media 44 polegadas de altura por 49 de largura, Alonso de Narváez usou cores do tempo, realizou uma imagem da Virgem do Rosário com o Menino Jesus, e aos lados pôs o Apóstolo Santo Andrés e a Santo António de Pádua. O quadro foi colocado na capela que possuía dom António em seus aposentos de Suta, esteve ali durante mais de uma década, mas a capela tinha o tecto de palha, o que provocou que a humidade deteriorasse a pintura até a deixar completamente borrada. Após a morte de Santana, sua viúva, mudou-se para Chiquinquirá, no ano 1577-78. A imagem foi levada a esse lugar, mas se encontrava em tão mau estado que foi abandonada num quarto, habitação que tempo atrás havia sido usada como oratório.  Ao começar o ano 1586, se estabeleceu em Chiquinquirá, uma piedosa mulher, María Ramos, nascida em Sevilha (Espanha), a senhora reparou o velho oratório e colocou no melhor lugar da capela, a deteriorada pintura da Virgem do Rosário. No día 26 de dezembro de 1586, María saía da capela, quando passou frente a ela uma mulher indígena chamada Isabel e seu pequeno filho. Nesse momento Isabel gritou a María "veja, veja Senhora..." Ela dirigiu o olhar para a pintura, a imagem aparecia rodeada de vivos resplendores, prodigiosamente as cores e seu brilho original haviam reaparecido, os rasgões e defeitos da tela haviam desaparecido. Com tão maravilhoso sucesso se iniciou a devoção a Nossa Senhora de Chiquinquirá. EWTN.com

Mártires de China (Agustín Zhao e 119 companheiros), Santos
Mártires de China

Mártires de China (Agustín Zhao y compañeros), Santos Santi Martiri Cinesi (Agostino Zhao Rong (e 119 Companheiros)3Santi Martiri Cinesi (Agostino Zhao Rong (e 119 Companheiros)4Santi Martiri Cinesi (Agostino Zhao Rong (e 119 Companheiros)

Mártires de China (Agustín Zhao e companheiros), Santos

AGUSTÍN ZHAO RONG (+ 1815)
e 119 COMPANHEIROS, MÁRTIRES NA CHINA (+ 1648 – 1930)


Beato Francesco Fernández de Capillas, sacerdote da Ordem dos Frades Pregadores;Beato Pietro Sans i Yordà, O.P, Vescovo, 1747. Beato Francesco Serrano, O.P., Sacerdote, Beato Gioacchino Royo, O.P., Sacerdote, Beato Giovanni Alcober, O.P., Sacerdote, Beato Francesco Díaz, O.P., Sacerdote, 28 ottobre 1748. Beato Giovanni Gabriele Taurin Dufresse, M.E.P., Vescovo, preso em 18 maggio 1815, justiçado em 14 setembro 1815. Beato Agostino Zhao Rong, Sacerdote diocesano 1815. Beato Giovanni da Triora, O.F.M., Sacerdote, 7 febbraio 1816. Beato Giuseppe Yuan, Sacerdote diocesano il 24 giugno 1817. Beato Francesco Regis Clet della Congregazione della Missione, 17 febbraio 1820. Beato Taddeo Liu, Sacerdote diocesano, 30 novembre 1823. Beato Pietro Liu, laico 17 maggio 1834. Beato Gioacchino Ho, laico catequista, 9 luglio 1839. Beato Augusto Chapdelaine, M.E.P., sacerdote della Diocesi di Coutances. febbraio 1856. Beato Lorenzo Bai Xiaoman, laico, 25 febbraio 1856. Beata Agnese Cao-Guiying, 1 marzo 1856. Il 28 gennaio 1858,  Martiri di MaoKou: Beato Girolamo Lu Tingmei, Beato Lorenzo Wang Bing, Beata Agata Lin Zao. Il 29 luglio 1861 Martiri di Qingyanzhen (Guizhou): Beato Giuseppe Zhang Wenlan, seminarista, Beato Paolo Chen Changpin, seminarista, Beato Giovanni Battista Luo Tingying, laico, Beata Marta Wang-Luo Mande, laica.  Martiri di Guizhou: Beato Giovanni Pietro Néel, Sacerdote delle Missioni Estere di Parigi, Beato Martino Wu Xuesheng, laico catequista, Beato Giovanni Zhang Tianshen, laico catechista, Beato Giovanni Chen Xianheng, laico catechista,
Beata Lucia Yi Zhenmei, laica catechista. a) Martiri dello Shanxi, uccisi il 9 luglio 1900, che sono Frati Minori Francescani: Beato Gregorio Grassi, Vescovo, Beato Francesco Fogolla, Vescovo, Beato Elia Facchini, Sacerdote, Beato Teodorico Balat, Sacerdote,
Beato Andrea Bauer, Religioso Fratello; b) Martiri dell'Hunan Meridionale, uccisi il 7 luglio 1900, che sono essi pure Frati Minori Francescani: Beato Antonino Fantosati, Vescovo, Beato Giuseppe Maria Gambaro, Sacerdote, Beato Cesidio Giacomantonio, Sacerdote ( 4 luglio). Ai martiri francescani del Primo Ordine si aggiungono sette Francescane Missionarie di Maria, delle quali 3 francesi, 2 italiane,1 belga e 1 olandese:  Beata Maria Ermellina di Gesù (al sec.: Irma Grivot), Beata Maria della Pace (al sec.: Maria Anna Giuliani), Beata Maria Chiara (al sec.: Clelia Nanetti), Beata Maria di Santa Natalia (al sec.: Giovanna Maria Kerguin), Beata Maria di San Giusto (al sec.: Anna Moreau), Beata Maria Adolfina (al sec.: Anna Dierk), Beata Maria Amandina (al sec.: Paola Jeuris). Dei martiri cinesi della famiglia francescana fanno pure parte 11 Francescani secolari, tutti cinesi: Beato Giovanni Zhang Huan, seminarista, Beato Patrizio Dong Bodi, seminarista, Beato Giovanni Wang Rui, seminarista, Beato Filippo Zhang Zhihe, seminarista, Beato Giovanni Zhang Jingguang, seminarista, Beato Tommaso Shen Jihe, laico, domestico, Beato Simone Qin Cunfu, catechista laico, Beato Pietro Wu Anbang, laico, Beato Francesco Zhang Rong, laico agricoltore, Beato Mattia Feng De, laico neofita, Beato Pietro Zhang Banniu, laico operaio. Ad essi si aggiungono alcuni fedeli laici cinesi: Beato Giacomo Yan Guodong, agricoltore, Beato Giacomo Zhao Quanxin, domestico, Beato Pietro Wang Erman, cuoco. Beato Leo Mangin, S.J., sacerdote, Beato Paolo Denn, S.J., sacerdote, Beato Remigio Isoré, S.J., sacerdote,  Beato Modesto Andlauer, S.J., sacerdote. I nomi e l'età dei laici cristiani cinesi sono i seguenti: Beata Maria Zhu nata Wu, di circa 50 anni, Beato Pietro Zhu Rixin, di 19 anni,
Beato Giovanni Battista Zhu Wurui, di 17 anni, Beata Maria Fu Guilin, di 37 anni, Beata Barbara Cui nata Lian, di 51 anni, Beato Giuseppe Ma Taishun, di 60 anni, Beata Lucia Wang Cheng, di 18 anni, Beata Maria Fan Kun, di 16 anni, Beata Maria Chi Yu, di 15 anni, Beata Maria Zheng Xu, di 11 anni, Beata Maria Du nata Zhao, di 51 anni, Beata Maddalena Du Fengju, di 19 anni, Beata Maria Du nata Tian, di 42 anni, Beato Paolo Wu Anjyu, di 62 anni, Beato Giovanni Battista Wu Mantang, di 17 anni, Beato Paolo Wu Wanshu, di 16 anni, Beato Raimondo Li Quanzhen, di 59 anni, Beato Pietro Li Quanhui, di 63 anni, Beato Pietro Zhao Mingzhen, di 61 anni, Beato Giovanni Battista Zhao Mingxi, di 56 anni, Beata Teresa Chen Tinjieh, di 25 anni, Beata Rosa Chen Aijieh, di 22 anni,  Beato Pietro Wang Zuolung, di 58 anni, Beata Maria Guo nata Li, di 65 anni, Beato Giovanni Wu Wenyin, di 50 anni, Beato Zhang Huailu, di 57 anni, Beato Marco Ki-T'ien-Siang, di 66 anni, Beata Anna An nata Xin, di 72 anni, Beata Maria An nata Guo, di 64 anni, Beata Anna An nata Jiao, di 26 anni, Beata Maria An Linghua, di 29 anni, Beato Paolo Liu Jinde, di 79 anni, Beato Giuseppe Wang Kuiju, di 37 anni, Beato Giovanni Wang Kuixin, di 25 anni, Beata Teresa Zhang nata He, di 36 anni, Beata Lang nata Yang, di 29 anni, Beato Paolo Lang Fu, di 9 anni, Beata Elisabetta Qin, nata Bian, di 54 anni, Beato Simone Qin Cunfu, di 14 anni, Beato Pietro Liu Zeyu, di 57 anni, Beata Anna Wang, di 14 anni, Beato Giuseppe Wang Yumei, di 68 anni, Beata Lucia Wang nata Wang, di 31 anni, Beato Andrea Wang Tianqing, di 9 anni, Beata Maria Wang nata Li, di 49 anni, Beato Chi Zhuze, di 18 anni, Beata Maria Zhao nata Guo, di 60 anni, Beata Rosa Zhao, di 22 anni, Beata Maria Zhao, di 17 anni, Beato Giuseppe Yuang Gengyin, di 47 anni, Beato Paolo Ge Tingzhu, di 61 anni, Beata Rosa Fan Hui, di 45 anni. Beato Alberico Crescitelli Beato Luigi Versiglia, Vescovo, Beato Callisto Caravario, Sacerdote. Todos eles foram proclamados santos da Igreja em 1 de Outubro do ano 2000 pelo Papa João Paulo II.Reproduzido com autorização de
Vatican.va – Ver sites www.es.catholic.net e www.santiebeati.it

• María de Jesús Crucificado Petkovic, Beata
Virgem

María de Jesús Crucificado Petkovic, Beata

María de Jesús Crucificado Petkovic, Beata

Martirológio Romano: Em Roma, beata María de Jesús Crucificado Petkovic, virgem, que havendo nascido em Blato, na ilha de Korcula, em Croácia, se dedicou à oração e às obras de misericórdia, e para servir especialmente aos pobres, enfermos e abandonados, fundou a Congregação das Filhas da Misericórdia, que agregou à Terceira Ordem de São Francisco (1966). Nasceu em 10 de Dezembro de 1892 em Blato, na ilha de Korcula (Croácia). Era a sexta de oito filhos de António e María Petkovic. Seus pais levavam uma vida exemplar e educaram cristãmente a todos seus Filhos. Muito cedo María mostrou sua inclinação à piedade e à misericórdia. Ao ver os sofrimentos, a fome e as penúrias da gente, decidiu esforçar-se por proteger aos pobres, "irmãos eleitos e amados pelo Senhor", como costumava chamá-los.  El 8 de septiembre de 1906, día de la Natividad de la Santísima Virgen, con ocasión de la visita pastoral del obispo, María entró a formar parte de la asociación de Hijas de María, de la que fue secretaria y luego presidenta. Leyendo las palabras de Jesús al joven rico, el 21 de noviembre sucesivo, sintió la vocación a entregarse totalmente a Cristo. Desde ese momento renovó cada día su promesa de amor al Señor. Luego entró a formar parte de la Tercera Orden Secular de San Francisco y cuando Dios le inspiró dar vida a un instituto religioso femenino quiso darle la Regla y la espiritualidad franciscana. Impulsada por su vivo deseo de ayudar a los necesitados, y siguiendo las orientaciones del obispo de Dubrovnik, monseñor Josip Marcelic, en el día de la Anunciación del año 1919 fundó la congregación de Hijas de la Misericordia, para "la educación e instrucción de la juventud femenina". El mismo obispo, en 1928, la erigió canónicamente como instituto de derecho diocesano. Al inicio la madre Petkovic dudaba entre la clausura y la actividad apostólica, pero optó por esta última, inspirada por las palabras de san Francisco: "No vivir sólo para sí mismo, sino también para el bien del prójimo". El 6 de diciembre de 1956 la congregación llegó a ser de derecho pontificio y fueron aprobadas sus Constituciones. La madre María de Jesús Crucificado Petkovic trató de transmitir a sus religiosas la profunda devoción que sentía desde niña hacia Jesucristo crucificado. En una carta, escrita el 31 de agosto de 1953, a todas las Hijas de la Misericordia, las invitaba a "seguir a Cristo, escuchar a Cristo, humillarse en Cristo, sufrir silenciosamente en Cristo, arder en Cristo, perdonar en Cristo, amar en Cristo, sacrificarse en Cristo (...). Para quien ama al dulcísimo Jesucristo, nuestro Señor, será dulce incluso la palabra "sufrir" por amor a él. Sufrir, porque no hay verdadero amor sin sacrificios y sufrimientos por la persona amada. Cristo con la cruz y el sufrimiento ha salvado al mundo entero". Era una mujer fuerte en las adversidades, tierna en sus afectos, pero sobre todo profundamente enamorada de Jesús crucificado, al que dedicó toda su vida y su obra. Sintió durante toda su existencia esta constante presencia del Crucificado. Lo tenía siempre ante sus ojos, y en su corazón, por eso afloraba continuamente a sus labios. Las principales virtudes que practicó y recomendó eran las que brillaban en Cristo crucificado: la pobreza, la humildad, la abnegación, hasta el sacrificio total de sí por el prójimo, sintetizado en una palabra: amor. La madre Petkovic experimentaba una grandísima alegría en su servicio a los pobres, marginados y despreciados, porque reconocía en ellos el rostro de Jesús doliente. Por eso, nunca se cansaba de exhortar a las hermanas a que mostraran con su conducta y sus sacrificios que en ellas se había encarnado el amor, la bondad y la misericordia de Dios. Sacaba su fuerza espiritual de la oración. Su vida se puede resumir en dos palabras: "Oración y apostolado". Desde el inicio, la oración constituyó el alma y el gran dinamismo de su amplia actividad. El "estar" con el Señor plasmaba el "ir" a los hermanos. La unión íntima con Dios se prolongaba en la comunión con el prójimo.  Sentía un profundo aprecio por las directrices y los consejos de los pastores de la Iglesia, ante los cuales siempre se manifestó muy dócil y obediente. En especial seguía con fidelidad las indicaciones del obispo y del Romano Pontífice. En una carta circular explica a sus religiosas el significado de la Regla y de las Constituciones: "Son la palabra y la ley de nuestro Señor... La Regla santa, el libro de la vida, el camino de la cruz, la llave y el vínculo de la amistad eterna". La fama de santidad, de la que gozó durante su vida, se confirmó también después de su muerte, acontecida en Roma el 9 de julio de 1966. Las Hijas de la Misericordia cuentan hoy con 429 religiosas, que trabajan en doce países de Europa y América. Se dedican a la educación de los niños y la juventud, a la asistencia a las personas ancianas y enfermas, y al apostolado parroquial. Fue beatificada el 6 de junio de 2003. Reproduzido com autorização de Vatican.va

• Fidel Chojnacki, Beato
Mártir Capuchinho

Fidel Chojnacki, Beato

Fidel Chojnacki, Beato

Martirológio Romano: No campo de concentração de Dachau, perto de Munich, de Baviera, na Alemanha, beato Fidel Chojnacki, religioso da Ordem dos Irmãos Menores Capuchinhos, mártir, o qual, expatriado de Polónia em tempo de guerra, foi internado no dito campo por haver confessado a Cristo, sendo martirizado com terríveis tormentos, pelo que mereceu a glória eterna (1942). Nasceu em Lodi no día de todos os Santos de 1906, sendo o último de seis irmãos. No baptismo, que recebeu três dias depois, recebeu o nome de Jerónimo.Na familia recebeu uma educação religiosa exemplar, frequentando a paróquia de Santa Cruz. Terminada a escola superior, inscreveu-se na academia militar. Acabados os estudos, não logrou encontrar trabalho. Graças à ajuda de parentes, conseguiu uma ocupação durante um ano em Szczuczyn Nowogrodzki no instituto da Previsão Social (ZUS) e sucessivamente na Central de Correios de Varsóvia. Era um empregado muito apreciado por causa de sua fidelidade. Entretanto, junto com seu tio, o padre Estanislao Sprusinski, colaborava na gestão da Accão Católica. Participó en la campaña contra el alcohol, siendo el mismo abstemio. En su actividad dentro de la Acción Católica, sintió la necesidad de una vida interior más profunda. Por esta razón entró en la Tercera Orden de San Francisco, radicada en la iglesia de los Capuchinos de Varsovia. Sus nobles dotes de carácter le ganaron la confianza de la gente, logrando en ocasiones reconciliar a personas enemistadas. En ese tiempo trabó amistad con el hoy Beato padre Aniceto Koplinski, el famoso limosnero de Varsovia. Las relaciones constantes con los capuchinos hicieron nacer en él la vocación religiosa. El 27 de agosto 1933, en Nowe Miasto, recibió el hábito capuchino y el nombre religioso de Fidel. No obstante sus 27 años y su experiencia de la vida, denotaba grande franqueza y simplicidad, relacionándose amigablemente con todos. En el período del noviciado se preocupó de conocer los principios de la vida interior y se dedicó con empeño al propio perfeccionamiento espiritual. Emitió los votos temporales el 28 de agosto de 1934 y partió para Zakroczym donde estudió la filosofía. Aquí, con el consentimiento de los superiores, fundó un Círculo de Colaboración Intelectual para los Clérigos. Continuó ocupándose del problema de la abstinencia del alcohol y fundó un Círculo de los Abstemios. Además cooperó con la Orden Tercera Franciscana. Al principio de 1937 superó con valoración óptima el examen final de filosofía. El 28 de agosto de 1937 emitió los votos perpetuos. Seguidamente comenzó el estudio de la teología en el convento de Lublin. Meses después de estallar la II Guerra mundial, escribía el 18 de diciembre de 1939 una carta a su tío, el padre Estanislao Sprusinski, manifestando una cierta desazón y abatimiento por el hecho de no poder vivir y estudiar normalmente. El 25 de enero de 1940, fue arrestado y encarcelado en el Castillo de Lublin. Soportó con serenidad e incluso con un cierto buen humor las duras condiciones de la cárcel, con falta de movimiento, de espacio y de aire. A los 5 meses, el 18 de junio de 1940, fue trasladado junto con todo el grupo al campo de concentración de Sachsenhausen, cerca de Berlín. Se trataba de un campo modelo, de verdadero cuño prusiano, sobre todo con una disciplina y un orden que acababan en el aniquilamiento del individuo. Aquí el Siervo de Dios perdió su optimismo. El trato inhumano de los prisioneros le afectaba, induciéndolo al pesimismo. El 14 de diciembre de 1940, con un convoy de sacerdotes y religiosos, fue trasladado al campo de concentración de Dachau, cerca de Munich, donde su estado de ánimo siguió empeorando. Se le imprimió en un brazo el número de matrícula 22.473. Las noticias de las continuas victorias del frente militar alemán no dejaban entrever a los prisioneros esperanzas de salir del campo. El hambre, el trabajo y las persecuciones eran cada vez más insoportables. La capacidad de superarse le abandonaba junto con la energía vital. Un trabajo muy superior a sus fuerzas, el hambre, la penuria del vestido le procuraron a fray Fidel una grave enfermedad pulmonar. Una mañana de invierno de 1942, mientras transportaba junto con un compañero una pesadísima olla de café de la cocina, resbaló de modo que el café hirviendo le salpicó causándole quemaduras graves. El castigo duro que le impuso el jefe del bloque debilitó más todavía su estado psicológico. El padre Cayetano Ambrozkiewicz, el compañero de desventura que logró sobrevivir, narra así el adiós del Siervo de Dios: "No olvidaré nunca aquella tarde de domingo del verano de 1942, cuando fray Fidel dejó nuestra barraca nº 28 para irse al bloque de los inválidos. Se hallaba tan quieto y absorto, en sus ojos había reflejos de serenidad, pero ya no eran reflejos de este mundo. Nos besó a todos, despidiéndose con palabras de San Francisco y diciendo: Alabado sea Jesucristo; hasta la vista en el cielo". Algún tiempo después, el 9 de julio de 1942, se extinguió en la enfermería del campo. Su cuerpo fue quemado en un horno crematorio. Beatificado por João Paulo II em Varsóvia (Polónia), em 13 de Junho de 1999 com outros 107 mártires polacos.

Beati 108 mártitres polacos

Ecco i loro nomi: 93051- Adam Bargielski, Sacerdote, 8 settembre 93052- Aleksy Sobaszek, Sacerdote, 1° agosto 92952- Alfons Maria Mazurek, Sacerdote, 28 agosto 93059- Alicja Maria Jadwiga Kotowska, Vergine, 11 novembre 91527- Alojzy Liguda, Sacerdote, 8 dicembre 92902- Anastazy Jakub Pankiewicz, Sacerdote, 20 aprile - 92954- Anicet Koplinski, Sacerdote, 16 ottobre 93109- Antoni Beszta-Borowski, Sacerdote, 15 luglio 91470- Antoni Julian Nowowiejski, Vescovo, 28 maggio 93060- Antoni Leszczewicz, Sacerdote, 17 febbraio 92962- Antoni Rewera, Sacerdote, 1° ottobre 38690- Antoni Swiadek, Sacerdote, 25 gennaio 93053- Antoni Zawistowski, Sacerdote, 4 giugno 93054- Boleslaw Strzelecki, Sacerdote, 2 maggio 93055- Bronislaw Komorowski, Sacerdote, 22 marzo 93108- Bronislaw Kostkowski, Seminarista, 27 novembre 92906- Brunon Zembol, Religioso, 21 agosto 90106- Czeslaw Jozwiak, Laico, 24 agosto 93056- Dominik Jedrzejewski, Sacerdote, 29 agosto 93057- Edward Detkens, Sacerdote, 10 ottobre 93062- Edward Grzymala, Sacerdote, 10 agosto 90107- Edward Kazmierski, Laico, 24 agosto 90103- Edward Klinik, Laico, 24 agosto 37490- Emil Szramek, Sacerdote, 13 gennaio 92956- Fidelis Chojnacki, Religioso, 9 luglio 92957- Florian Stepniak, Sacerdote, 12 agosto 93058- Franciszek Dachtera, Sacerdote, 23 agosto 92237- Franciszek Drzewiecki, Sacerdote, 10 agosto 90104- Franciszek Kesy, Laico, 24 agosto 37060- Franciszek Rogaczewski, Sacerdote, 11 gennaio 93090- Franciszek Roslaniec, Sacerdote, 14 ottobre 93091- Franciszek Stryjas, Padre di famiglia, 31 luglio 93092- Grzegorz Boleslaw Frackowiak, Religioso, 5 maggio 93063- Henryk Hlebowicz, Sacerdote, 9 novembre 91469- Henryk Kaczorowski, Sacerdote, 6 maggio 92955- Henryk Krzysztofik, Sacerdote, 4 agosto
90060- Hilary Pawel Januszewski, Sacerdote, 25 marzo 92574- Jan Antonin Bajewski, Sacerdote, 8 maggio 93093- Jan Nepomucen Chrzan, Sacerdote, 1 luglio 90105- Jarogniew Wojciechowski, Laico, 24 agosto  93069- Jerzy Kaszyra, Sacerdote, 18 febbraio 92577- Jozef Achilles Puchala, Sacerdote, 19 luglio 93065- Jozef Cebula, Sacerdote, 28 aprile 93112- Jozef Czempiel, Sacerdote, 19 maggio 92576- Jozef Innocenty Guz, Sacerdote, 6 giugno 92954- Jozef Jankowski, Sacerdote, 16 ottobre 90845- Jozef Kowalski, Sacerdote, 4 luglio 93066- Jozef Kurzawa, Sacerdote, 23 maggio 93094- Jozef Kut, Sacerdote, 18 settembre 36760- Jozef Pawlowski, Sacerdote, 9 gennaio 93067- Jozef Stanek, Sacerdote, 23 settembre 93095- Jozef Straszewski, Sacerdote, 12 agosto 93068- Jozef Zaplata, Religioso, 19 febbraio 91512- Julia Rodzinska, Religiosa, 20 febbraio 92578- Karol Herman Stepien, Sacerdote, 19 luglio 92072- Katarzyna Celestyna Faron, Vergine, 9 aprile 91469- Kazimierz Gostynski, Sacerdote, 6 maggio 36760- Kazimierz Grelewski, Sacerdote, 9 gennaio 93061- Kazimierz Sykulski, Sacerdote, 1 dicembre 92904- Krystyn Gondek, Sacerdote, 23 luglio 93070- Leon Nowakowski, Sacerdote, 31 ottobre 93096- Leon Wetmanski, Vescovo, 10 ottobre 93072- Ludwik Mzyk, Sacerdote, 23 febbraio 92573- Ludwik Pius Bartosik, Sacerdote, 12 dicembre 93071- Ludwik Roch Gietyngier, Sacerdote, 30 novembre 93110- Maksymilian Binkiewicz, Sacerdote, 24 agosto 92905- Marcin Oprzadek, Sacerdote, 18 maggio 93073- Maria Antonina Kratochwil, Vergine, 2 ottobre 93075- Maria Ewa Noiszewska, Vergine, 19 dicembre 93074- Maria Klemensa Staszewska, Vergine, 27 luglio 93075- Maria Marta Wolowska, Vergine, 19 dicembre 93055- Marian Gorecki, Sacerdote, 22 marzo 36080- Marian Konopinski, Sacerdote, 1° gennaio 93097- Marian Skrzypczak, Sacerdote, 5 ottobre 92076- Marianna Biernacka, Laica, 13 giugno 93101- Michal Czartoryski, Sacerdote, 6 settembre 93098- Michal Ozieblowski, Sacerdote, 31 luglio 93111- Michal Piaszczynski, Sacerdote, 20 dicembre 93099- Michal Wozniak, Sacerdote, 16 maggio 93081- Mieczyslaw Bohatkiewicz, Sacerdote, 4 marzo 93100- Mieczyslawa Kowalska, Vergine, 25 luglio 93113- Narcyz Putz, Sacerdote, 5 dicembre 92903- Narcyz Turchan, Sacerdote, 19 marzo 92951- Natalia Tulasiewicz, Laica, 31 marzo 92575- Piotr Bonifacy Zukowski, Sacerdote, 10 aprile 93076- Piotr Edward Dankowski, Sacerdote, 3 aprile 93105- Roman Archutowski, Sacerdote, 18 aprile 93077- Roman Sitko, Sacerdote, 12 ottobre 91534- Stanislaw Kubista, Sacerdote, 26 aprile 93102- Stanislaw Kubski, Sacerdote, 18 maggio 93090- Stanislaw Mysakowski, Sacerdote, 14 ottobre 93081- Stanislaw Pyrtek, Sacerdote, 4 marzo 93053- Stanislaw Starowieyski, Padre di famiglia, 4 giugno 92020- Stanislaw Tymoteusz Trojanowski, Religioso, 28 febbraio 93103- Stefan Grelewski, Sacerdote, 9 maggio Symforian Ducki, Religioso, 11 aprile Tadeusz Dulny, Seminarita, 6 agosto Wincenty Matuszewski, Sacerdote, 23 maggio Wladyslaw Bladzinski, Sacerdote, 8 settembre Wladyslaw Demski, Sacerdote, 28 maggio Wladyslaw Goral, Vescovo, 26 aprile Wladyslaw Mackowiak, Sacerdote, 4 marzo Wladyslaw Maczkowski, Sacerdote, 20 agosto Wladyslaw Miegon, Sacerdote, 15 settembre Wlodzimierz Laskowski, Sacerdote, 8 agosto Wojciech Nierychlewski, Sacerdote, 7 febbraio Zygmunt Pisarski, Sacerdote, 30 gennaio Zygmunt Sajna, Sacerdote, 17 settembre

90785 > Beato Adriano Fortescue Cavaliere di Malta, terziario domenicano, martire 9 luglio MR

Beato Adriano Fortescue
93831 > Beato Domenico Serrano Cardinale 9 luglio

Beato Domenico Serrano
94188 > Sant' Eusanio Martire a Furci 9 luglio

Eusanio
61550 > Santa Faustina Martire 9 luglio

Faustina
92956 > Beato Fedele Gerolamo (Fidelis Jerome) Chojnacki Religioso e martire 9 luglio MR

Beato Fedele Gerolamo (Fidelis Jerome) Chojnacki
61500 > Sante Floriana e Faustina Martiri di Roma 9 luglio

Santi Floriana e Faustina
61460 > San Gioacchino He Kaizhi Martire 9 luglio MR

Gioacchino He Kaizhi
90058 > Beata Giovanna Scopelli Vergine 9 luglio MR

Beata Giovanna Scopelli
91631 > Beata Maria di Gesù Crocifisso Petkovic Religiosa, fondatrice 9 luglio MR

Beata Maria di Gesú Crocifisso Petkovic
90024 > Santi Martiri Cinesi (Agostino Zhao Rong e 119 Compagni) 9 luglio - Memoria Facoltativa MR

Santi Martiri Cinesi (Agostino Zhao Rong (e 119 Companheiros)4
91732 > Santi Martiri Cinesi vittime dei Boxer 9 luglio MR

Santi Martiri Cinesi vitima dei Boxer

93406 > Santi Martiri di Gorcum in Olanda 19 sacerdoti e religiosi 9 luglio MR

Santi Martiri de Gorcum

93426 > Beate Melania Marianna Maddalena de Guilhermier e Marianna Margherita degli Angeli de Rocher Martiri orsoline di Orange 9 luglio MR

Beate Melania Marianna Maddalalena de Guilhermier e Marianna Margherita degli Angeli de Rocher

90251 > Santa Paolina del Cuore Agonizante di Gesù (Amabile Wisenteiner) Religiosa, fondatrice 9 luglio MR

Paolina de Cuore Agonizzante di Gesú (Amabile Wisenteiner)
33500 > Santa Veronica Giuliani

Vweronica Giuliani

Ascolta da RadioVaticana:
Ascolta da RadioRai:
Ascolta da RadioMaria:

Vergine 9 luglio MR

http://es.catholic.net/santoral - www.siticatollici.it - www.jesuitas.pt - Livro Santos de cada dia

Recolha, transcrição e tradução parcial de espanhol para português

por António Fonseca