OS MEUS DESEJOS PARA TODOS

RecadosOnline.com

domingo, 10 de julho de 2011

Nº 976-2 - A RELIGIÃO DE JESUS - 10 DE JULHO DE 2011

Nº 976-2

Do livro A Religião de Jesus, de José Mª CastilloComentário ao Evangelho do diaCiclo A (2010-2011)Edição de Desclée De BrouwerHenao, 648009 Bilbaowww.edesclee.cominfo@edesclee.com:
tradução de espanhol para português, por António Fonseca

Estrela O texto dos Evangelhos, que inicialmente estavam a ser transcritos e traduzidos de espanhol para português, directamente através do livro acima citado, são agora copiados mediante a 12ª edição do Novo Testamento, da Difusora Bíblica dos Missionários Capuchinhos, (de 1982, salvo erro..). No que se refere às Notas de Comentários continuam a ser traduzidas como anteriormente.AF.
 
10 de Julho
 
15º DOMINGO COMUM
 
Mt 13, 1-23
 
Naquele dia, Jesus saiu de casa e sentou-Se à beira-mar. Reuniu-se a Ele uma tão grande multidão, que teve de subir para um barco e sentar-Se, enquanto toda a multidão se conservava na margem. O Semeador. - Falou-lhes de muitas coisas em parábolas, dizendo: «O semeador saiu para semear. Enquanto semeava, algumas sementes caíram à beira do caminho, e vieram as aves e comeram-nas. Outras caíram, em sítios pedregosos, onde não havia muita terra, e logo brotaram porque a terra era pouco profunda; mas, assim que o sol se ergueu, foram queimadas e, desprovidas de raízes, secaram. Outras caíram entre espinhos, e os espinhos cresceram e sufocaram-nas. Outras caíram em terra boa e derem fruto: Umas cem; outras; e outras trinta. Aquele que tiver ouvidos, oiça»! Duas razões para falar em parábolas - Aproximando-se d’Ele os discípulos, disseram-Lhe: «Porque lhes falas em parábolas»? Respondendo, disse-lhes: «A vós é dado conhecer os mistérios do reino dos céus, mas a eles não lhes é dado. Pois àquele que tem, dar-se-lhe-á, e terá em abundância; mas àquele que não tem, ser-lhe-á tirado mesmo o que tem. É por isso que lhes falo em parábolas; pois vêem sem ver e ouvem sem ouvir nem compreender. Cumpre-se neles a profecia de Isaías, que diz: Ouvindo, ouvireis, mas não compreendereis; e, vendo, vereis, mas não percebereis. Porque o coração deste povo tornou-se duro, e duros também os seus ouvidos; fecharam os olhos, não fossem ver com os olhos,ouvir com os ouvidos, compreender o coração, e converter-se para Eu os curar. Quanto a vós, ditosos os vossos olhos, porque vêem, e os vossos ouvidos, porque ouvem. Em verdade vos digo: Muitos profetas e justos desejaram ver o que estais vendo, e não vigoram, e ouvir o que estais ouvindo, e não ouviram». Explicação da parábola – «Escutai, pois, a parábola do semeador. Quando um homem ouve a palavra do reino e não compreende, chega o maligno e apodera-se do que foi semeado no seu coração. Aquele  que recebeu a semente em sítios pedregosos, é o que ouve a palavra, e a acolhe,  de momento, com alegria; mas não tem raiz em si mesmo, é inconstante; Se vier a tribulação ou a perseguição por causa da palavra, sucumbe logo. Aquele que recebeu a semente entre espinhos, é o que ouve a palavra; mas os cuidados deste mundo e a sedução da riqueza sufocam a palavra, que assim não produz fruto. E aquele que recebeu a semente em boa terra é o que ouve a palavra e a compreende: Esse dá fruto e produz ora cem, ora sessenta, ora trinta».
 
1. Para entender esta palavra, o primeiro que há a ter em conta é que a “palavra(logos, em grego; dabâr, em hebreu), nas culturas do antigo Oriente, não era meramente um “sinal” que transmite uma “ideia, mas era sim uma “força” que transmitia uma “realidade”. A realidade que expressava a palavra. Nesta parábola, o que Jesus explica é porque muitas vezes a palavra não é força, mas frustra-se e, por isso, resulta ineficaz ou a sua eficácia é diminuída ou limitada.
 
2. Tal como se fala disto na Bíblia, a ”palavra de Deus”, não se associa ao sacerdote (Zacarias, o pai de João Baptista, ficou sem palavra, mudo; Lc 1, 20), enquanto que a palavra veio sobre João, não no templo, mas sim no deserto (Lc 3, 2). E é que a palavra era o meio com que os profetas comunicam sua força ao povo (Am 1, 6).
 
3. Mas com Jesus, o tema da palavra dá um passo adiante que resulta decisivo: a palavra de Deus é a palavra de Jesus: “Mas eu digo-vos” (Mt S, 22, 28…). A palavra  de Jesus tem tal força, que faz milagres (Mt 8, 8, 16; Jo 4, 50-53), perdoa pecados (Mt 9, 1-7 par), transmite seu poder pessoal (Mt 18, 18; Jo 20, 23), perpetua sua presença (Mt 26, 26-29 par) (X. Léon-Dufour). Ora bem, tudo isto suposto, a pergunta que temos que enfrentar é forte: porquê, com tanta frequência, a palavra do Clero, dos catequistas, dos professores de religião, não é semente para nada? Porque essa palavra resulta tão inexpressiva, tão pesada, tão incómoda, tão rotineira? não será que, em lugar de “profetas” da palavra, temos “funcionários” do templo? não indicará tudo isto que nos havemos colado a uma religião rotineira e cómoda, ao mesmo tempo que nos vamos afastando de Jesus?

Compilação por
António Fonseca

NOTA FINAL: Desejo esclarecer que os comentários aos textos do Evangelho, aqui expressos, são de inteira responsabilidade do autor do livro A RELIGIÃO DE JESUS e, creio eu… apenas retratam a sua opinião – e não a minha ou de qualquer dos meus leitores, que eventualmente possam não estar de acordo com ela. Eu apenas me limito a traduzir de espanhol para português os Comentários e NEM EU NEM NINGUÉM ESTÁ OBRIGADO A ESTAR DE ACORDO. Desculpem e obrigado. AF.

Nº 976 - (191) - 10 DE JULHO DE 2011 - SANTOS DE CADA DIA - 3º ANO

55 (talvez mais…) SANTOS E BEATOS

Nº 976

SANTA FELICIDADE

Felicidade e 7 filhos

e seus 7 filhos

JANUÁRIO, FÉLIX, FILIPE, SILANO, ALEXANDRE, VITAL e MARCIAL

Santi Felice, Filippo, Vitale, Marziale, Alessandro, Silano e Gennaro

Mártires (ano 162)

Uma epígrafe do cemitério dos Santos Processo e Martiniano confere a este dia o nome significativo de dies martyrum, dia dos Mártires. de facto, em Roma era tão grande e tão antiga a devoção a Santa Felicidade e aos seus sete filhos, que o aniversário de tal martírio se considerava como a festa dos Mártires por excelência, e celebravam-se até quatro missas estacionais, nos quatro diversos cemitérios em que repousavam os restos de tão cristã família. Embora não possuamos as actas originais do martírio, suprem-nas dalgum modo os monumentos litúrgicos e epigráficos dos cemitérios romanos; e confirmam a substância da narrativa corrente. É réplica romana da história dos Macabeus (2 Mac 7). Santa Felicidade e os seus sete filhos foram imolados pela fé cerca do ano 162, no tempo de Marco Aurélio. os filhos adiantaram-se à mãe no caminho do céu. Para incutir medo aos cristãos, quis o paganismo executá-los com diversos tormentos e em diversos lugares. Januário, que era o mais velho, foi terrivelmente açoitado e moído com pranchas de chumbo; foi sepultado no cemitério de Pretextato. Félix e Filipe foram fustigados até morrer e enterrados no cemitério de Priscila. Silano foi lançado ao Tibre e recebeu honrada sepultura, com a mãe, no cemitério de Máximo. Os três últimos, Alexandre, Vital e Marcial, foram decapitados. Esta foi também a morte da Mãe. Por diferentes caminhos chegaram todos ao mesmo Juiz, que os esperava para lhes dar o prémio que merecia a invencível constância deles. O texto actual das Actas apresenta-nos a Mãe como heroína invencível. Não a assustam os tormentos, nem a morte própria, nem a dos seus filhos. «Não espereis, ó Públio, diz ao Prefeito de Roma, que uma débil complacência ou um temor cobarde faça esquecer a Felicidade o que ela deve ao seu Deus. Nem as vossas ameaças poderão aterrar-me nem as vossas promessas enganar-me. Trago no meu peito este Deus todo-poderoso; Sinto que me fortifica, e não permitirá nunca ser vencida a sua serva, pois não combato senão pela sua glória». Quando o Prefeito lhe diz que não arraste para a morte os seus sete filhos, responde: «Os meus filhos viverão, se se recusarem a sacrificar os vossos ídolos; mas se a mão deles se tornar sacrílega e os incensar, então o castigo de tal impiedade será a morte eterna». E, voltando-se para os filhos, diz-lhes: «Vedes, filhos meus, esse céu tão formoso e tão elevado? É lá que Jesus Cristo vos espera para vos coroar. Lutai generosamente pela sua glória e pela vossa, e mostrai-vos fiéis servos dum Rei tão grande e tão digno de todo o vosso afecto». Santo Agostinho entusiasma-se com as palavras e a atitude heroica desta mãe; «Grande espectáculo se oferece à vossa vista. Uma mãe que, ao contrário de todas as leis do mundo, deseja que os filhos morram antes dela. Todos desejam que os filhos apenas os sigam na morte. Esta mãe desejou morrer em último lugar. Porque não os perdia, mandava-os adiante. Não se fixava na vida que perdiam, mas na que principiavam a viver. desejavam viver uma vida temporal e começavam a viver uma vida eterna, Pouco é contemplar o martírio dos filhos; o verdadeiramente grande é como os exorta a morrer. Mãe foi mais nas virtudes incutidas do que nos filhos. Lutou na luta de todos eles e venceu na vitória de todos». O panegírico de S. Pedro Crisólogo é de eloquência áurea, como diz o cognome do santo: «Olhai para esta mãe, a quem a vida dos filhos enchia de ansiedade, a quem a morte dos filhos devolveu a segurança. Feliz aquela cujos filhos serão na glória futura uma espécie de candelabro de sete braços. Feliz dela, porque o mundo não pôde arrebatar-lhe nenhum daqueles que lhe pertenciam. No meio dos cadáveres mutilados e sangrentos daquelas ofertas queridas, passava mais alegre do que antigamente ao lado dos seus berços, porque via com os olhos duma fé uma palma em cada ferida, em cada suplício uma recompensa e sobre cada vítima uma coroa. Que mais direi? Não é verdadeira mãe aquela que não sabe amar os filhos como ela amou os seus». Do livro SANTOS DE CADA DIA, de www.jesuitas.pt

BEATO PACÍFICO

Religioso (1230)

Pacífico, Beato

Pacífico, Beato

O trovador célebre, nascido nas Marcas (Itália), cognominado «o rei dos versos» desde que o Imperador o coroou como «Príncipe dos poetas», no Capitólio, converteu-se pela idade dos 50 anos, ouvindo pregar a S. Francisco. Este recebeu-o entre os seus, e em 1217 enviou-o a implantar a Ordem em Paris. Voltando à Itália (1223), Pacífico foi nomeado visitador das Clarissas. Veio a falecer na Bélgica, em 1230. Foi ele que deu, em primeira audição, o Cântico do Sol que o Pobrezinho acabava de compor (1225). De novo os habitantes de Assis se dilaceravam mutuamente, uns defendendo o bispo que excomungará o «podestà» , e os outros defendendo este último. Toda a gente estava a ouvir quando, com a sua bela voz, o antigo trovador entoou: «Louvado sejas tu Senhor, por todas as criaturas e particularmente pelo Senhor Irmão Sol, que dá o dia e nos ilumina». O «Podestà» levantara-se logo, escreve o Speculum; de mãos juntas, com as lágrimas nos olhos, escutava piedosamente: «Louvado sejas tu, Senhor, por aqueles que perdoam e perseveram na paz, porque, graças a ti, ó Altíssimo, serão coroados». A estas palavras, puseram-se todos a chorar. O «Podestà» foi lançar-se de joelhos aos pés do bispo: «Mesmo que tivesse matado o meu próprio filho, disse, não há homem no mundo a quem neste momento eu não quisesse perdoar, por amor de Deus e do seu servo Francisco. Estou portanto disposto Senhor, a dar-te a satisfação que pedires». O bispo levantou-se e abraçou-o com ternura, dizendo: «Também eu te peço perdão. Desculpa a minha falta de humildade e ter mais uma vez cedido à cólera». Do livro SANTOS DE CADA DIA, www.jesuitas.pt. Ver também www.es.catholic. e www.siticatollici.it. ou santiebeati.it

• Cristóvão de Lícia, Santo
Mártir

Cristóbal de Licia, Santo

Cristóbal de Lícia, Santo

 

São Cristóvão, popularíssimo gigante que antigamente se podia ver com sua barba e seu cajado em todas as portas das cidades: era crença comum que bastava olhar sua imagem para que o viajante se visse livre de todo perigo durante aquele dia. Hoje que se costuma viajar de carro, os automobilistas piedosos levam uma medalha de são Cristóvão junto ao volante. ¿Quem era? Com a história na mão pouco pode dizer-se dele, como muito que talvez um mártir de Ásia menor a quem já se rendia culto no Século V. Seu nome grego, «o portador de Cristo», é enigmático, e se emparelha com uma das lendas mais belas e significativas de toda a tradição cristã. Nos é pintado como um homem de estatura colossal, com grande força física, e tão orgulhoso que não se conformava em servir a amos que não fossem dignos dele. Cristóbal serviu primeiro a um rei, aparente senhor da terra, a quem Cristóbal viu tremendo um dia quando lhe mencionaram o demónio. Cristóbal então decidiu pôr-se ao serviço do diabo, verdadeiro príncipe deste mundo, e procurou a um bruxo que o apresentará. Mas no caminho o bruxo passou junto a uma Cruz, e tremendo a evitou. Cristóbal lhe perguntou então se ele temia as cruzes, respondendo-lhe este que não, mas que temia a quem havia morrido na Cruz, Jesus Cristo. Cristóbal lhe perguntou então se o demónio temia também a Cristo, e o bruxo lhe contestou que o diabo temia só a menção de uma Cruz onde morreu o tal Jesus Cristo. ¿Quem poderá ser esse raro personagem tão poderoso ainda depois de morrer? Se lança aos caminhos em sua busca e termina por ir ter junto à passagem de um rio (num vau) por onde passam incontáveis viajantes a que ele leva até à outra margem em troca de umas moedas. Ninguém lhe dá conta do homem morto na cruz que aterroriza o Diabo. Até que um dia cruza a corrente carregado com um insignificante menino a quem não se escusa de perguntar; ¿que vai a saber aquela frágil criatura? A meio do rio seu peso se faz insuportável e só à custa de enormes esforços consegue chegar à margem: Cristóbal levava aos ombros mais que o universo inteiro, ao próprio Deus que o criou e redimiu. Por fim havia encontrado a Aquele a quem buscava. -¿Quem és, menino, que me pesavas tanto que parecia que transportava o mundo inteiro?--Tens razão, lhe disse o Menino. Peso mais que o mundo inteiro, pois sou o criador do mundo. Eu sou Cristo. Me buscavas e me hás encontrado. Desde agora te chamarás Cristóforo, Cristóbal,(Cristóvão) o portador de Cristo. A qualquer que ajudes a passar o rio, me ajudas a mim. Cristóbal foi baptizado em Antioquia. Se dirigiu sem demora a pregar a Lícia e a Samos. Ali foi encarcerado pelo rei Dagón, que estava às ordens do imperador Décio. Resistiu aos apelos de Dagón para que se retratasse. Dagón lhe enviou duas cortesãs, Niceta e Aquilina, para o seduzir. Mas foram ganhas por Cristóbal e morreram mártires. Depois de vários intentos de tortura, ordenou mandá-lo degolar. Segundo Gualtério de Espira, a nação Síria e o mesmo Dagón se converteram a Cristo. São Cristóbal é um Santo muito popular, e poetas modernos, como Garcia Lorca e António Machado, o cantaram com inspiradas estrofes. Sua efígie, sempre colossal e gigantesca, decora muitíssimas catedrais, como a de Toledo, e nos inspira a todos protecção e confiança.
Seus admiradores, para simbolizar sua fortaleza, seu amor a Cristo e a excelência de suas virtudes, o representaram de grande corpulência, com Jesus sobre os ombros e com uma árvore cheia de folhas por báculo. Isto há dado lugar às lendas com que se há obscurecido sua vida. Se o considera padroeiro dos transportadores e automobilistas. Sua festividade na actualidade é o 10 de Julho, antigamente se o festejava em 25 do mesmo mês. Nota de António Fonseca: É também padroeiro de Rio Tinto, concelho de Gondomar, distrito do Porto. fontes de informação: santiebeati.it siame.com.mx

 

• Rufina e Segunda, Santas
Mártires de Roma

Rufina y Segunda, Santas

Rufina e Segunda, Santas

Martirológio Romano: Na via Cornélia, a nove miliários da cidade de Roma, santas Rufina e Segunda, mártires (s. inc.). Etimologicamente: Rufina = Aquela de cabeleira ruiva, é de origem latina Etimologicamente: Segunda = A número dois, é de origem latina  Um homem chamado Nicodemos foi visitar a Jesús de noite. Dele aprendeu que, a menos que não se "nasça de novo", ninguém pode ver as realidades de Deus. A reconciliação e o perdão se contam entre essas limpas fontes que abrem a um novo nascimento. Estas duas raparigas nasceram em Roma sob o imperador Valeriano, que levaria a cabo uma terrível perseguição contra os cristãos. Eram jovens. Estavam prometidas com seus noivos, chamados Armentário e Verino. Eles eram também cristãos, mas apostataram de sua fé no Senhor Jesús por medo à morte. Conseguiram das autoridades o libelo, um documento especial para estes casos. Pensavam que iam a fazer como eles. As duas raparigas tiveram que sair de Roma porque seus prometidos se puseram muito pesados e eram um desacordo contínuo. Se marcharam a Etri, onde havia uma quinta de recreio. Era um chalé fora da grande urbe. Seus noivos as descobriram e as denunciaram ante o governador Aequesilao. Ante sua presença, com todo o amor do mundo e nascendo de novo, ratificaram que eram cristãs. E sem nenhum julgamento, lhes cortaram as cabeças tal dia como hoje do ano 257. ¡Felicidades a quem leve estes nomes! Comentários al P. Felipe Santos: al Santoral">fsantossdb@hotmail.com

• Pedro Vincioli, Santo
Abade

Pedro Vincioli, Santo

Pedro Vincioli, Santo

Martirológio Romano: Em Perugia, da Umbría, são Pedro Vincioli, presbítero e abade, que reedificou uma antiga igreja dedicada a são Pedro que ameaçava ruína, e a ela uniu um mosteiro em que, vencendo grande oposição e com grande paciência, introduziu os usos e costumes cluniacenses (1007). Etimologicamente: Pedro = Aquele que é firme como a pedra, é de origem latino. Um dos monumentos mais importantes de Peregia á a igreja de são Pedro. Se vê a distância em virtude ou graças a seu campanário octogonal. Representa realmente algo belo com as linhas renascentistas de 1400 e 1500. Mas o mais antigo é a igreja de são Pedro Vincioli, que viveu no século X. Já havia outra igreja mais pequena em honra de são Pedro, que foi fundada por santo Escolano, Bispo e patrono de Peregia. Era a cidade um maremagnum de pagãos e alguns cristãos que rezavam em sua pequena igreja. A Pedro o encantava a arte que harmonizava com sua entrega pastoral a todo o mundo. O Papa o nomeou abade da igreja e do mosteiro ao mesmo tempo. Se há que definir ou entrelaçar a característica mais importante de Pedro, seria, sem dúvida, sua caridade para com os pobres e abandonados da cidade. Esteve a ponto de morrer a mãos de uns ladrões , mas esta vez se salvou da morte que, realmente, lhe sobreveio de forma natural em ano 1707.¡Felicidades a quem leve este nome! Comentários a P. Felipe Santos: al Santoral">fsantossdb@hotmail.com

Manuel Ruiz e Companheiros,

beatos Carmelo Volta, Pedro Soler, Nicolás Alberga, Engelberto Kolland,(*) Ascânio Nicanor, (*) presbíteros;

Manuel Ruiz, Francisco Pinazo e João Santiago Fernández,

religiosos da Ordem dos Irmãos Menores;

Francisco, Moocio e Rafael Massabki,(*) irmãos carnais.

Mártires em Damasco

Manuel Ruiz y Compañeros, Beatos

Manuel Ruiz e Companheiros, Beatos

Martirológio Romano: Em Damasco, na Síria, morte dos mártires beatos Manuel Ruiz, presbítero, e companheiros, dos quais sete eram da Ordem dos Irmãos Menores e os outros três, que eram irmãos carnais, pertenciam à Igreja maronita. Entregues fraudulentamente por um traidor, sofreram toda classe de vexações por causa de sua fé, conseguindo a palma do martírio con uma morte gloriosa (1860). Etimologicamente: Manuel = Deus está connosco, é de origem hebraica, Na noite de 9 a 10 de Julho de 1860, foram martirizados em Damasco pelos drusos muçulmanos oito frades franciscanos e três católicos maronitas seculares, irmãos de sangue. A todos eles, onze no total, os beatificou Pío XI em 10 de Outubro de 1926. Cujos nomes são: beatos Carmelo Volta, Pedro Soler, Nicolás Alberga, Engelberto Kolland,(2) Ascânio Nicanor,(1) presbíteros; Manuel Ruiz, Francisco Pinazo e Juan Santiago Fernández, religiosos da Ordem dos Irmãos Menores; Francisco, Moocio e Rafael Massabki, (3) irmãos de sangue. Em 9/10 de Julho de 1860, chegaram a seu apogeu as matanças de cristãos que os drusos e os turcos levavam a cabo em toda Síria. Damasco sobretudo foi testemunha de uma horrorosa carniçaria, na que pelo ferro e pelo fogo perderam a vida muitos centos de cristãos, vítimas do furor anticristão de turbas fanatizadas.  Havia na época oito religiosos franciscanos no convento de Damasco, um era natural do Tirol e os outros sete espanhóis, a saber: o padre Manuel Ruiz, superior da casa, nascido em San Martín de Ollas (Santander) em 1804, que tomou o hábito franciscano na Província da Imaculada Conceição; o padre Carmelo Bolta, pároco dos católicos de Damasco, natural de Real de Gandía (Valência), nascido em 1803, filho da Seráfica Província de Valência, ativo e profundamente instruído; o padre Engelberto Kolland, nascido em Ramsau em 1827, da Província de San Leopoldo (Áustria), alegre, conhecedor de seis idiomas, e tenente cura do padre Carmelo; o padre Nicanor Ascânio, de Villarejo, provincia de Madrid, nascido em 1814, religioso enclaustrado que se ordenou como sacerdote do clero secular, a quem sendo vigário das Concepcionistas de Aranjuez, a venerável soror Patrocinio predisse seu martírio e até mandou esculpir sua imagem, e que se incorporou no Colégio de Priego quando este e fundou; o padre Nicolás M. Alberca y Torres, de Aguilar da Frontera (Córdoba), nascido em 1830, varão inocentíssimo e exemplar religioso; o padre Pedro Nolasco Soler, natural de Lorca (Múrcia), nascido em 1827; frei Francisco Pinazo Peñalver, nascido em Alpuente (Valência) em 1812 e filho da Seráfica Província de Valência, e frei Juan S. Fernández, nascido em Carballeda (Orense) no ano 1808; estes dois últimos, enclaustrados, que se incorporaram na Custódia de Terra Santa. Todos os oito se achavam no convento de Damasco aquele dia nefasto em que, apesar das boas palavras do governador, receavam as matanças.

Manuel Ruiz y Compañeros, Beatos

Manuel Ruiz y Compañeros, Beatos

Como los religiosos Paúles y las Hermanas de la Caridad, fueron los franciscanos invitados a refugiarse en el palacio de Ab-el-Kader, mas los frailes, que ningún mal habían hecho a nadie y veían a muchos cristianos temerosos refugiados en el convento franciscano, no quisieron abandonarlo. Cuando oyeron arreciar los golpes en las puertas que amenazaban con echarlas a tierra, se reunieron en la iglesia haciendo fervorosísima oración para que Jesús no los abandonara en tan grave trance, y luego buscaron refugio. El padre Manuel, superior de la comunidad, para evitar toda profanación, sumió el Santísimo Sacramento que había de ser su Viático, ¡y ya era tiempo!, porque los turcos invadían el sagrado recinto. -- «¡Hazte musulmán o mueres!», le dijo un soldado; y él respondió con fortaleza: -- «Mil veces antes la muerte». Colocó su cabeza sobre el altar y se consumó el primer sacrificio. A cada religioso que sorprendían en la celda, en las terrazas, en los claustros, repicaban las campanas, y así uno tras otro fueron martirizados a golpes o a tiros, de cien diversos modos, cebándose su rabia y furor en la mansedumbre de los ocho franciscanos, admirables en sus respuestas, dignas de los primeros cristianos. Sus cadáveres mutilados fueron arrojados en lugares inmundos, siendo algún tiempo después sacados de allí y colocados honoríficamente. Estos ocho invictos confesores de Cristo, junto con tres católicos maronitas, hermanos de sangre: Francisco, Abdel Moti y Rafael Masabki, fueron beatificados solemnemente por Su Santidad Pío XI el 10 de octubre de 1926.

• Nicanor Ascânio, Beato (*)
Mártir Franciscano

Nicanor Ascanio, Beato

Nicanor Ascânio, Beato

Beatificado por Pío XI el 10 de Outubro de 1926. Nicanor Ascânio nasceu em Villarejo de Salvanes, provincia de Madrid, em 1814. Aos 16 anos tomou o hábito dos Irmãos Menores, continuou seus estudos e se ordenou sacerdote. Foi director das Irmãs Concepcionistas e pároco em sua terra natal. Oração, penitência, zelo da glória do Senhor, desejo de consagrar-se por inteiro às missões fizeram dele um sacerdote modelo. (*) Ver biografia de Manuel Ruiz e companheiros, citada anteriormente, neste mesmo blogue.


• Engelberto Kolland, Beato (*)
Mártir Franciscano

Engelberto Kolland, Beato

Engelberto Kolland, Beato

Beatificado por Pío XI em 10 de Outubro de 1926. Engelberto Kolland (2), jovem religioso, caiu mártir de Cristo na idade de 33 anos. Havia nascido em 21 de Setembro de 1827 em Ramsau, na Áustria, filho de Cayetano e de María Sporer, de condição modesta mas ricos em virtudes cristãs. O pai, no Verão, deixava a seus filhos em casa de María Brugger para ir a Estiria com sua esposa a trabalhar como lenhador e ganhar um pedaço de pão. Os filhos estavam em mãos seguras, na escola da Senhora Brugger, cresceram bons, instruídos e fervorosos cristãos. Engelberto tinha um carácter vivaz e inquieto mas no momento da oração se acalmava e se punha em atitude tão devota que parecia um santo. O arcebispo de Salzburgo, numa visita às paróquias de Zell, conheceu o pequeno Engelberto, vislumbrou nele sintomas de vocação e que poderia chegar a ser um óptimo sacerdote, o admitiu gratuitamente no seminário diocesano. Depois de quatro anos foi retirado porque era demasiado inquieto. Ao voltar a família, trabalhou com seu pai por um ano, logo retomou os estudos porque sentia em seu coração uma voz misteriosa que o chamava ao serviço de Deus. Um dia se encontrou pela rua um grupo de jovens noviços franciscanos. Observou atentamente, e ficou impressionado por sua modéstia e seu recolhimento. Voltando-se a seus companheiros exclamou : “Eu serei pronto como um deles !”. Manteve sua palavra. Depois de alguns meses tomou o hábito religioso na Ordem dos Irmãos Menores. (*) Ver biografia de Manuel Ruiz e companheiros, citada anteriormente, neste mesmo blogue.

• Francisco, Abdel Moti e Rafael Masabki, Beatos (*)
Mártires Maronitas

Francisco, Abdel Moti y Rafael Masabki, Beatos

Francisco, Abdel Moti e Rafael Masabki, Beatos

Segundo consta no Directório Santoral Franciscano, em 10 de Julho, se recorda a 8 frades franciscanos e 3 católicos maronitas seculares, da família Masabki,- que foram martirizados em Damasco em 1860.  No ano 1860 é um período impresso na mente de todos os cristãos e não cristãos de Síria e do Líbano, pois nela se perpetraram crimes que, se bem não sejam os únicos, foram os mais sangrentos dos cometidos sob o Império Otomano. Os cristãos neste tempo, uma vez mais, foram o alvo do extremismo e da impiedade. Muitos destes homens foram massacrados em Damasco e no Líbano pelos agentes da autoridade turca com o propósito de amedrontar os crentes e os submeter ao regime imperante. Grupos de extremistas e fundamentalistas religiosos percorriam as tuas invadindo as casas dos cristãos para os obrigar a renunciar a suas crenças e usurpar-lhes seus bens. En la noche del 9 al 10 de Julio de 1860, llegó a su apogeo la matanza de cristianos que los drusos y los turcos realizaron en toda Siria. Damasco, sobre todo, fue testigo del asesinato de cientos de personas víctimas del furor anticristiano.  Los tres hermanos Masabki, Francisco, Abdel Moti y Rafael,(3) pertenecían a una familia maronita muy conocida en Siria. Uno de ellos era profesor en la Escuela de los Padres Franciscanos, los otros dos eran comerciantes; habían acudido al convento en busca de asilo y protección.  Cuando oyeron arreciar los golpes en las puertas del Convento, se reunieron en la iglesia haciendo oración para que Jesús no los abandonara. El padre Manuel Ruiz, superior de la comunidad, para evitar toda profanación protegió el Santísimo Sacramento, porque los turcos invadían el sagrado recinto. “¡Hazte musulmán o mueres!” le dijo un soldado; y él respondió con fortaleza: “Mil veces antes la muerte”. Colocó su cabeza sobre el altar y se consumó el primer sacrificio. Mientras los tres hermanos se encontraban rezando ante la imagen de la Madre Dolorosa, uno de los jefes anarquistas preguntó por los Masabki. Francisco se dio a conocer, inquiriendo qué querían de ellos. El jefe insitó a que toda la familia Masabki abjurara de su fe y se convertirse al islam. Frente a este planteo Francisco le contestó: “Señor hemos nacido cristianos y queremos morir cristianos”, mirando a sus hermanos, les alentó a no temer y a confesar su fe. Todos respondieron ratificando su fe cristiana, afirmando que también deseaban morir en esa condición. Inmediatamente se recrudeció la violencia y los tres hermanos fueron brutalmente asesinados junto a los frailes franciscanos el 10 de Julio de 1864. A todos ellos, once en total, los beatificó Pío XI el 10 de octubre de 1926.(*) Ver biografia de Manuel Ruiz e companheiros, citada anteriormente, neste mesmo blogue.

• Vitória e Anatólia, Santas
Virgens e Mártires

Victoria y Anatolia, Santas

Victoria y Anatólia, Santas

Martirológio Romano: Em Sabina, santas Anatólia e Vitória, mártires (s. inc.).Etimologia: Vitória = Aquela que resulta vencedora, é de origem latino. Anatólia = amanhecer, é de origem grega. Estas duas raparigas eram muito amigas. Vitória tinha noivo e se ia a casar pronto com ele. Queria que Anatólia, também muito guapa, fizesse o mesmo. Inclusive Eugénio, noivo de Vitória, quis procurar-lhe um noivo. Mas ela insistia uma e outra vez:" É inútil que me o digais. Não me casarei nunca". Sua amiga lhe respondia que são Pedro esteve casado e que os sacerdotes ensinam que o matrimónio é agradável ao Senhor. e ela repetia:"O mais agradável é a virgindade". ¿Como o sabes?, voltava a perguntar. E respondia: "Disse o meu anjo da guarda". Apareceu-lhe o anjo e lhe disse: "O matrimónio é bom, mas a virgindade é melhor; o matrimónio é de prata e a virgindade é de ouro". Estas palavras comoveram tanto a Vitória que, desde esse instante, deixou aparte seu noivado para seguir virgem. Então, os dois jovens encerraram as duas irmãs em suas casas de campo respectivas e trataram de as vencer pela fome. Mas ao não obter os resultados desejados as denunciaram ao imperador por ser cristãs. Toda a razão foi inútil. Desesperado o noivo, se lançou sobre Anatólia e a estrangulou. O noivo de Vitória queria ganhá-la com prendas. Mas como seguia empenhada em sua virgindade, disse ao governador que enviasse o verdugo para que lhe desse morte. São duas mártires dos primeiros séculos. Seu martírio teve lugar entre Roma e Rieti. ¡Felicidades a quem leve estes nomes! “Deus cura e o médico passa a factura” ( Franklin). Comentários a P. Felipe Santos: fsantossdb@hotmail.com

• Amalberga, Santa
Viúva

Amalberga, Santa

Amalberga, Santa

Martirológio Romano: Em Tamise, na Flandres, santa Amalberga, a quem santo Wilibrordo impôs o véu das virgens consagradas (s. VIII).  Também é conhecida como Amalburga, Amélia ou Amália. Personagem do século VII, parente do Beato Pipino de Landen. Sendo muito jovem se casou com o Conde Witger, com quem teve três filhos que são santos da Igreja Católica: Gudula, Emeberto e Reinaldo, a quem educou ela pessoalmente ensinando-lhes tudo inclusive seu amor a Deus. Sendo já maiores, ela e seu esposo ingressaram em mosteiros Beneditinos, o Conde ao mosteiro de Lobbes e Amalberga ao de Maubeuge onde ela levou uma vida ascética e de oração. Ao enviuvar recebeu o véu de mãos de Santo Wilibrordo. Morreu no ano 690 e foi enterrada junto a seu marido, no mosteiro de Lobbes. Desde 1073 seus restos estão na igreja da abadia de São Pedro Gante, Bélgica.

• Canuto de Dinamarca, Santo
Mártir

Canuto de Dinamarca, Santo

Canuto de Dinamarca, Santo

Martirológio Romano: Em Odense, cidade de Dinamarca, santo Canuto, mártir, rei de ardente zelo, que deu grande esplendor ao culto em seu reino, promoveu o estado clerical e assentou solidamente as igrejas de Lund e Odense, sendo finalmente assassinado por uns sediciosos (1086). Etimologicamente: Canuto = Aquele que é imprescindível, é de origem germânica. Canuto IV o Santo (em danés,ou Dinamarquês) Knud den Hellige) (1040 - 1086) reinou na Dinamarca desde 1080 até seu assassinato em 1086. Era filho natural de Sven II rei de Inglaterra. Sucedeu a seu irmão Harald III Hen.  Desde jovem ressaltam nele as melhores qualidades para a luta e possuí apreciados dotes de conquistador. Peleja contra os piratas que destroçam as costas do reino e logra limpar os mares; sai vencedor nas sangrentas guerras contra os ventos pagãos. Cresce mais e mais sua estima entre o povo. Mas a morte de seu pai usurpa o trono seu irmão Harald porque a nobreza prefere um rei frouxo e estúpido, que morre aos dois anos. Então é quando sobe ao trono Canuto, correndo o ano 1080. Se esfuerza por restablecer las buenas costumbres ya que se ha encontrado con un reino que aún sufre los tropiezos del paganismo. Purga al pueblo de vicios y desórdenes. Guerrea contra Estonia y añade a Dinamarca los territorios de Curlandia y Samogitia. Parece que no por ambición, sino por piedad; de hecho, inmediatamente manda misioneros que evangelicen a los habitantes de esas tierras. Como suele suceder en un rey, se casó con Adela, hija de Roberto, conde de Flandes, de quien tuvo a Carlos el Bueno.  Dispone las cosas del reino con leyes humanas, sabias y prudentes. Hace por los menesterosos, construye hospitales, su tesoro es para los pobres. Favorece la misión de la Iglesia con la construcción de templos y patrocinando monasterios.
Precisamente la cuestión de los diezmos le indispone con los nobles. Intenta desarraigar en el pueblo la mala costumbre de atribuir únicamente a los pecados de los clérigos la causa de las calamidades que periódicamente afligen al pueblo, las enfermedades, catástrofes y todo tipo de desórdenes naturales. Por su parte, adopta actitudes penitenciales. Tiene una piedad grande que le lleva a traer después de invadir Inglaterra, las reliquias de san Albano. Entre todas las actitudes religiosas destaca su amor y veneración por la Eucaristía. Sinceramente es capaz de poner a los pies de Cristo crucificado su espada, su corona y las insignias reales ¡y lo hace!  Es traicionado por su hermano Olao. Un día que asiste a la Misa en Odense, en la isla de Fünen y en la iglesia de san Albano, acompañado por algunos leales, los rebeldes capitaneados por Blacon rodean la Iglesia. Después de haber confesado y comulgado, muere asaeteado, perdonando a sus enemigos. Fue un 10 de enero del 1087. Es canonizado y proclamado primer santo de Dinamarca el año 1.100. El Papa Clemente X reconoce su culto para toda la Iglesia. En nuestra época puede resultarnos extraña la figura de un santo rudo, peleón, invasor de tierras extrañas y exigente sin contemplaciones. Parece convencernos más su bondad con los pobres, su compasión con el débil, su piedad y penitencia. Pero él hizo lo que pudo para ser leal consigo mismo, bueno con su pueblo y fiel con la Iglesia. Eso era lo que le pedía el siglo de hierro, aquel oscuro tiempo bárbaro y turbulento.

91315 > Sant' Amalberga Vergine 10 luglio MR

Amalberga 
61575 > Sant' Amalberga di Maubeuge Vedova e monaca 10 luglio

Amalberga di Mauberge
90699 > Santa Anatolia

Anatolia, Audace e Vitória

Ascolta da RadioVaticana:

61680 > Santi Antonio Nguyen Hûu (Nam) Quynh e Pietro Nguyen Khac Tu Martiri 10 luglio MR

Santi Antonio Nguyen Hûu (Nam) Quynh e Pietro Nguyen Khac Tu
61630 > Sant' Apollonio di Sardi Martire 10 luglio MR

Apollonio di Sardi
93830 > Beato Arnaldo da Camerino Mercedario 10 luglio

Beato Arnaldo da Camerino
91993 > Beato Ascanio Nicanore (Ver Beati Emmanuele Ruiz e companheiros) Francescano, martire 10 luglio

Beato Ascânio Nicanore
91099 > Sant' Audace

Ascolta da RadioVaticana:

91729 > Beato Bernardo da Quintavalle 10 luglio

Beato Bernardo da Quintavalle
61640 > Santi Bianore e Silvano Martiri 10 luglio MR

Santi Bianore e Silvano

92376 > San Canuto IV Re di Danimarca 10 luglio MR

Canuto IV - Rei da Dinamarca
91994 > Beati Emanuele Ruiz e compagni 

Beati Emanuele Ruiz e compagni

Padri francescani:
Emanuele Ruiz, nato a Santander (Spagna) il 5 maggio 1804, 56 anni, superiore della Comunità; Carmelo Volta, nato nella provincia di Valencia il 29 maggio 1803, 57 anni;
Engelberto Kolland,

Beato Engelberto Kolland

nato a Salisburgo (Austria) il 21 settembre 1827, 33 anni;
Beato Ascânio Nicanore

Ascanio Nicanore, nato nella provincia di Madrid nel 1814, 46 anni; Pietro Soler, nato nella Múrcia (Spagna) il 28 aprile 1827, 33 anni; Nicola Alberga, nato nella provincia di Cordova il 10 settembre 1830, 30 anni; Fratelli professi francescani:Francesco Pinazo, nato nella provincia di Valencia il 24 agosto 1802, 58 anni; Giovanni Giacomo Fernandez, nato in Galizia (Spagna) il 29 luglio 1808, 52 anni; E poi i tre fratelli, laici di religione maronita: Francesco, Abd-el-Mooti e Raffaele Massabki. Martiri Francescani di Damasco 10 luglio MR
92098 > Beato Engelberto Kolland Francescano, martire 10 luglio

Beato Engelberto Kolland
61610 > Santi Felice, Filippo, Vitale, Marziale, Alessandro, Silano e Gennaro

Santi Felice, Filippo, Vitale, Marziale, Alessandro, Silano e Gennaro

Ascolta da RadioMaria:

Martiri 10 luglio MR
92717 > Beati Francesco, Abdel-Mooti e Raffaele Massabki Martiri maroniti 10 luglio

Beati Francesco, Abdel-Mooti e Raffaele Massabki
61620 > Santi Gennaro e Marino Martiri 10 luglio MR

Santi Gennaro e Marino

93032 > Santi Leonzio, Maurizio, Daniele, Antonio, Aniceto, Sisinno e compagni Martiri 10 luglio MR

Santi Leonzio, Maurizio, Daniele, Antonio, Aniceto, Sisinno e mais companheiros
61670 > Beate Maria Gertrude da S. Sofia de Ripert d'Alauzin e Agnese del Gesù (Silvia) de Romillon Martiri 10 luglio MR

Beate Maria Gertrude da S. Sofia de Ripert d'Alauzin e Agnese del Ges 
94374 > Beato Nicola Alberga Sacerdote francescano, martire 10 luglio

Beato Nicola Alberga
90392 > Beato Pacifico 10 luglio

Beato Pacifico
61660 > San Pascario di Nantes Vescovo 10 luglio MR

Pascario di Nantes
91329 > San Pietro (Vincioli) da Perugia Monaco 10 luglio MR

Pietro (Vincioli)

61600 > Sante Rufina e Seconda

Santas Rufina e Segunda

Ascolta da RadioRai:  Martiri di Roma 10 luglio MR
91668 > San Silvano (Silano) Martire 10 luglio

Silvano (Silano)
90643 > Santa Vittoria

Ascolta da RadioVaticana: Martire 10 luglio MR

sites de referência: http://es.catholic.net/santoral; www.beatiesanti.it; e www.jesuitas.pt (SANTOS DE CADA DIA)

Recolha, transcrição e tradução em alguns casos, de espanhol para português, por António Fonseca