OS MEUS DESEJOS PARA TODOS

RecadosOnline.com

sexta-feira, 21 de outubro de 2011

Notícias de blogs Católicos - 21-Outubro-2011

Transcrição de textos de vários blogs católicos que eu subscrevo: Fratres in Unum; Cefascast; Telefone Esperança Portugal – Leitura Orante; Biblía Católica News;

 

New post on Fratres in Unum.com


Desmitificando o Concílio: enfrentar a realidade para acordar a Bela Adormecida. Franciscanos da Imaculada promovem livro sobre Vaticano II.

by G. M. Ferretti

 

Na Idade da confusão [1], um livro que esclarece

Por Cristina Siccardi - Approfondimenti di “Fides Catholica”

Tradução: Giulia D'Amore, a quem agradecemos a gentileza.

A primeira apresentação do livro de Gnocchi-Palmaro [2], A Bela Adormecida. Porque depois do Vaticano II a Igreja entrou em crise. Porque despertará (Ed. Vallecchi), despertou um vivíssimo interesse entre as pessoas reunidas sábado, 15 de outubro, na maravilhosa e antiga Igreja de Todos os Santos dos Franciscanos da Imaculada, de Florença, onde foi celebrada, antes da conferência, a Santa Missa no rito tridentino oficiada pelo Pe. Serafino Lanzetta [Franciscano da Imaculada].

Estavam presentes, à mesa dos palestrantes, o próprio Pe. Lanzetta, o Prof. Pucci Cipriani, o Prof. Mario Palmaro e o Dr. Paolo Deotto, diretor de Riscossa Cristiana [3]. Este encontro foi melhor resposta para o artigo que Alberto Melloni [4] havia escrito no ‘Corriere fiorentino’ [5] um dia antes; jornal que dedicou, no dia da reunião, uma página inteira ao evento. O expoente da Escola de Bologna [6], que fez do Concílio Vaticano II um mito intocável, usou em seu artigo tons insolentes e rudes contra quem sustenta que a Igreja sofreu um trauma com seu XXI Concílio. A medicina nos ensina que dos traumas se consegue muitas vezes sarar somente descobrindo as causas que os geraram... Tampar o sol com a peneira [7] ou repetir enfurecidamente que o Concílio não é o problema, mas que, quando muito, os problemas surgiram porque as directrizes conciliares não foram executadas suficientemente (os progressistas) ou porque houve más interpretações deles (os neoconservadores) não é certamente um bom serviço à Igreja.

Melloni considera os católicos que amam toda a Igreja, portanto sua Tradição, como nostálgicos que ‘comovem’. Tem dó deles e deles se compadece como se se tratasse de frustrados que esperam uma revanche: “esperam uma desforra ao invés de compreender a sua posição por aquilo que é: um movimento que chama tradição e hábitos de sua própria juventude”; e, no entanto, a Igreja de Todos os Santos estava cheia de jovens e de estudantes, assim como esses mesmos jovens se interessam pela Tradição da Igreja através das ideias que livremente circulam na Internet. Não se trata absolutamente de nostálgicos. As estatísticas, por outro lado, falam por si. Melloni não sabe que nestas reuniões e nas missas tridentinas os mais velhos são sempre o percentual menor. Na realidade, todos estes católicos querem entender o que realmente aconteceu naquele Concílio Vaticano II que tantos problemas tem criado.

Ninguém, desprovido de má-fé, pode afirmar que a Igreja tenha se beneficiado das decisões pastorais do Concílio Vaticano II. Ninguém pode dizer que tenham aumentado as vocações, que tenha aumentado o zelo, que tenham se ampliado a Fé, a Esperança e a Caridade, que haja uma boa preparação catequética nas crianças e adolescentes, que a prática religiosa tenha aumentado, que as famílias tenham sido beneficiadas, que as leis dos Países ocidentais sejam respeitosas em relação à vida humana desde a sua concepção, que a evangelização, ordenada por Jesus Cristo aos seus Apóstolos, tenha assimilado linfa nova e vital... Nada disso. Então, realmente, como disse Ralph McInerny [8], no Vaticano II algo deu errado, mas não deu errado porque, como argumentou o estudioso americano, os documentos não foram acolhidos correctamente e sua interpretação foi falsificada, mas porque o Concílio, seguindo a cultura da época, quis se desfazer, disse o padre Serafino Lanzetta, do princípio da Cruz e do sacrifício, sustentando uma tese heterodoxa “em nome da pastoralidade. Isso originou a ambiguidade, e, portanto, o Concílio se submeteu, por sua própria natureza, a múltiplas interpretações. Muitos, como resulta da análise de Melloni, pensaram que a doutrina deva adaptar-se aos tempos e não vice-versa. Hans Küng [9] sustenta, em seu livro ‘Salvemos a Igreja’, que a Igreja está em crise não for falta de Fé e de correcta pregação, mas deriva de um problema de carácter político dentro da Cúria romana, portanto da teologia romana, da teologia metafísica. Küng, como Alberigo e Melloni, argumenta que o Vaticano II queria recuperar a Igreja do primeiro milénio, considerando-o um período ideal porque a Igreja era unida e compacta: Ocidente e Oriente juntos, sem cismas, sem Protestantismo. Mas como é possível, na Igreja, não considerar o segundo milénio? Benvinda seja, então, a análise divulgadora de Gnocchi e Palmaro, que esclarece muitos pontos, gerando, no entanto, em alguns, turbamento, irritação, nervosismo”, e, sem argumentações sérias, procuram desacreditar com irreverência aqueles que consideram ‘inimigos’.

Pe. Lanzetta, que aprecia neste livro o agradabilíssimo italiano, lembrou, como bem enfatizaram Gnocchi e Palmaro em seu livro, a formidável incidência da mídia sobre o mito do Vaticano II, e isto deriva de uma filosofia de matriz kantiana: a coisa existe se aparece. O ‘Avvenire d’Italia’ [10], no período do Concílio, registrava a crónica das assembleias conciliares: as realidades sagradas eram colocadas em praça pública, em uma espécie de mentalidade ‘democrática’ que satisfazia as necessidades liberais da cultura da época. E tais crónicas relatavam tudo o que parecia ‘novo’ e ‘revolucionário’, e não a essência da Fé. Emblemático resulta o fato de que o arcebispo brasileiro Helder Pessoa Câmara [11] (conhecido como Dom Helder, 1909-1999) preferisse realizar colectivas de imprensa a falar no Concílio, pois o reputava, justamente, mais eficaz, uma vez que os Padres Conciliares se deixavam influenciar por tudo que aparecia nos meios de comunicação de massa, mais do que por aquilo que haviam ouvido nas Sessões.

“O livro de Gnocchi e Palmaro”, afirmou Pe. Lanzetta, “não é uma inquisição, um processo a Galileu [12], mas simplesmente uma análise dos fatos; é tomar consciência de um problema real. Ocorre tomar consciência de que o Concílio não é o todo, não é o divisor de águas. A Fé católica não se origina em um Concílio”. A Fé não depende da adesão ao Concílio Vaticano II, porque este não é um dogma de Fé. A Bela Adormecida ajuda a perceber um problema que não pode mais ser negligenciado.

Paolo Deotto, então, declarou que ficou satisfeito de ler o livro de Gnocchi-Palmaro, porque há muito tempo recebe, em um ritmo insistente, correspondência dos leitores de Riscossa Cristiana, na qual se percebe o desejo de compreender as questões controversas do Concílio e “o desejo de ter uma Igreja próxima e respeitada”, que não se confunde com as outras realidades terrenas de consistência líquida ou gasosa. O fiel da primeira hora conciliar restava assombrado diante dos novos eventos eclesiásticos: padres trabalhadores, padres sindicalistas, padres sociólogos, padres politiqueiros, padres guerrilheiros... quando pelo contrário, ontem como hoje, precisamos de sacerdotes que sejam sacerdotes, “necessitamos deles”, afirmou Deotto, “como do ar que respiramos”.

A comunicação da época se apropriou da temática religiosa: o Concílio Vaticano II era uma grande novidade, e jornais e TV colocaram sob os holofotes uma Igreja que, através de alguns teólogos e alguns pastores, queria emancipar-se e estar nos salões [13] da sociedade. “A Igreja queria manter-se actualizada com os tempos”; sem antagonizar ninguém, quis agradar a todos para ser amiga de todos, não olhando mais para erros e heresias, mas apenas para as coisas que unem e não dividem, “bem distante de um santo Atanásio que permaneceu firme na Fé Católica e no Deus encarnado com todas as consequências que este Credo comporta”.

A intervenção do Prof. Palmaro foi, então, cheia de significado. Ele lembrou, antes de tudo, de ter nascido em 1968, e daqueles anos lembra, em particular, uma palavra que era sempre pronunciada e praticada: ‘debate’, continuamente invocado e reclamado. Desde então, se fazem debates sobre tudo e todos. “Todavia, hoje, há quem não queira mais os debates, embora os tenha apoiado muito. Daqui nasce a intolerância, a qual esconde uma grande fraqueza: não enfrentar a realidade. Eis, então, a idade do paradoxo: onde eu e Gnocchi pudemos expressar o nosso pensamento católico? Em jornais seculares e, em particular, no ‘Il Foglio’ [14], de Giuliano Ferrara. Aqui pudemos dar espaço a uma hermenêutica de fatos católicos. Estamos dentro do que, muito provavelmente, os historiadores do futuro definirão a ‘Idade da confusão’.

Nos acusam de fazer recair todas as culpas sobre o Vaticano II, e que procuramos todas as causas dos males neste particular Concílio. Não é verdade, porque dizemos que muitos problemas doutrinais precederam o Vaticano II, como bem destaca o Prof. Roberto de Mattei [15]. De fato, aos meus alunos faço ler a encíclica de São Pio X, a Pascendi Dominici Gregis [16], onde são evidenciados e condenados os erros dos modernistas. Esta tem um carácter de definição e jurídico, e há nela uma metafísica sólida, onde a teologia é acompanhada por um pragmatismo são, que não deixa espaço à imaginação ou às fantasias utópicas.

O católico é chamado a reagir: não pode salvaguardar o que a Igreja sempre renegou. No entanto, Melloni e alguns conservadores não querem que se fale. A acusação deles é forte, usam as armas da excomunhão, ou nos consideram pobres marinheiros que discutem em uma taberna. Outro paradoxo: não podemos mais dizer a alguém que é um herético, mas, contra os católicos que instauram um ‘debate’ sério, então se diz que eles são heréticos...”. Estamos diante do paradoxo de Epiménides [17], que afirmou: ‘Todos os cretenses são mentirosos’. Mas os cretenses eram muitos, supondo que todos fossem mentirosos: como Epiménides era um cretense, então Epiménides era um mentiroso. Sua afirmação era então verdadeira, mas isto é impossível porque um mentiroso não diz a verdade. Portanto, Epiménides é um mentiroso, e sua afirmação não é verdadeira. Negar uma asserção universal como ‘Todos os cretenses são mentirosos’ equivale a dizer que há pelo menos um cretense que diz a verdade. Da mesma forma, esses escritores e estudiosos católico têm que viver, portanto, o paradoxo de Epiménides.

Palmaro ressaltou, em fim, a importância da mudança da linguagem ocorrida durante o Concílio, e os documentos da Sessão estão embebidos de novas caracterizações linguísticas. Três foram as colunas da comunicação católica:

1. A língua latina. Esta deu uniformidade à linguagem e ao sentido das palavras. Tudo era definido em latim para evitar ambiguidades de expressão, oferecendo uma solidez sã ao longo do tempo.

2. A linguagem apologética. O latim não era compreendido por todos, por isso devia haver a transferência da comunicação por um clero preparado ao povo dos fiéis: narravam-se as vidas dos santos com os livros e com as homilias, defendiam-se as razões da Igreja, e nos sermões não se usavam as citações de um Rahner [18], mas de São Jerónimo, de São Francisco... Em suma, alimentava-se a Fé.

3. A linguagem jurídica. Os conceitos eram expressos em modo de definição.

Tais cânones, no Concílio Vaticano II não os encontramos mais. De fato, explicou Palmaro, os esquemas conciliares preparados pela Cúria de Roma que contemplavam ainda estas três colunas foram descartados.

Muitos aspectos, então, presentes nos documentos conciliares são a esta altura antiquados e ultrapassados; por exemplo, a relação entre o homem e o ambiente ou o homem e a técnica, ambos caracterizados pelo irracional optimismo dos anos Sessenta. Portanto, estamos diante de outro paradoxo: há muito mais novidade em levantar tais questões do que em quem, pelo contrário, está ancorado ao ‘moderno’ de então. Portanto, enfrentar essas temáticas resulta um drama psicológico para aquela geração que cresceu no mito do Concílio. Estamos diante de um novo Muro de Berlim que cairá, inexoravelmente, como acontece com as ideologias. A Igreja não nasceu de novo com uma fictícia e almejada Pentecostes, porque a Igreja teve e tem uma única Pentecostes, não decidida pelos homens. Então, de vemos nos armar de santa paciência. Os tempos da Igreja são longos: levou quase 50 anos para levantar questões como as de hoje, e o encantamento da Bela Adormecida será quebrado também graças a obras como a de Gnocchi e Palmaro, que, como muitos outros católicos que amam a Igreja, se colocam interrogações lícitas para as quais desejam ter respostas não vagas, ambíguas, ou fugazes, mas resolutivas, e operam com o espírito de quem não quer servir-se da Igreja, mas deseja servi-la.

Cristina Siccardi


[1] NdTª.: No original: Evo confusionale.

[2] NdTª.: Alessandro Gnocchi e Mario Palmaro.

[3] NdTª.: Riscossa Cristiana (Revanche Cristã): site católico de actualidades e cultura.

[4] NdTª.: Alberto Melloni é um histórico italiano, dedicando-se à História da Igreja, em particular ao Concilio Vaticano II.

[5] NdTª.: Corriere Fiorentino (Correio de Florença): jornal italiano online de crônica local, da cidade de Florença. Pertence ao célebre Corriere della Sera (Correio da Tarde), fundado em 1876.

[6] NdTª.: A chamada Escola de Bologna ‘congrega’ os defensores da Hermenêutica da Ruptura: Giuseppe Alberigo, Giuseppe Ruggieri, Maria Teresa Fattori, Alberto Melloni, Yves Chiron, David Berger, John O'Malley, Gilles Routhier e Cristoph Theobald, entre os principais expoentes.

[7] NdTª.: Foderarsi gli occhi: expressão que – originada da frase: ‘É inutile foderarsi gli occhi con la pancetta’, ou seja: ‘é inútil forrar os olhos com o bacon’ – quer dizer: fazer de conta que não é verdade. O nosso ‘tapar o sol com a peneira’.

[8] NdTª.: Ralph M. McInerny. What Went Wrong with Vatican II?: The Catholic Crisis Explained (Vaticano II. O que deu errado?: A Crise Católica Explicada).

[9] NdTª.: Hans Küng. é um teólogo suíço, filósofo, professor de teologia, escritor e sacerdote católico romano. No final da década de 1960, Küng iniciou uma reflexão rejeitando o dogma da Infalibilidade Papal, publicada no livro ‘Infallible? An Inquiry’ (‘Infalibilidade? Um inquérito’), em 18 de janeiro de 1970. Em consequência disso, em 18 de dezembro de 1979, foi revogada a sua licença pela Igreja Católica Apostólica Romana de oficialmente ensinar teologia em nome dela, mas permaneceu como sacerdote e professor em Tübingen até a sua aposentadoria em 1996. Küng defende o fim da obrigatoriedade do celibato clerical, maior participação laica e feminina na Igreja Católica, retorno da teologia baseada na mensagem da Bíblia.

[10] NdTª.: Avvenire d’Italia (Porvir da Itália): foi o primeiro jornal diário nacional de inspiração católica que apareceu no Reino da Itália. Foi publicado de 1896 a 1968. Em 1961, o novo diretor, Raniero La Valle, lhe deu uma direção progressista, contra a Igreja Tradicional. No plano internacional, tornou-se um jornal pacifista e antiamericano. La Valle era ligado ao card. Giacomo Lercaro, de Bologna. O jornal pertencia à Santa Sé, à Democrazia Cristiana (partido italiano de centro) e a algumas dioceses da Toscana e de Emília-Romanha. Foi fechado por questões económicas, não doutrinárias.

[11] NdTª.: Helder Pessoa Câmara, OFS. Foi um bispo católico, arcebispo emérito de Olinda e Recife. Foi um dos fundadores da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil e defensor dos direitos humanos durante o regime militar brasileiro. A Permanência faz uma boa e substancial biografia de dom Helder.

[12] NdTª.: Sic. Esta colocação é estranha, tendo em vista que a ‘perseguição a Galileu’ é um mito.

[13] NdTª.: no original ‘salotti buoni’. Ou seja os salões da burguesia. Que todos, afinal, querem frequentar. Até os comunistas.

[14] NdTª.: Il Foglio Quotidiano (conhecido como Il Foglio) é um jornal diário italiano de difusão nacional fundando em 1996 por Giuliano Ferrara. Este, em 2007, fez uma campanha por uma moratória contra o aborto, porque “Os mais de um bilhão de abortos praticados desde que as leis permitem a famosa interrupção voluntária da gravidez diz respeito a pessoas legalmente inocentes, criadas e destruídas pelo mero poder do desejo, desejo de não tê-los e de odiar-se até o ponto de amputar-se do amor. É o escândalo supremo do nosso tempo, é uma ferida catastrófica que lacera em profundidade as fibras e o possível encanto da sociedade moderna. É, além de tudo, em muitas partes do mundo onde o aborto é seletivo por sexo, e torna-se seletivo por perfil genético, uma obra de arte ideológica de racismo em marcha com a força da eugenética. Alegremo-nos, portanto, para o alto os corações, e depois de termos promovido a Pequena Moratória, promovamos a Grande Moratória do massacre dos inocentes. Aceitam-se zombarias, porque as boas consciências sabem usar a arma do sarcasmo melhor que as más, mas também a adesão a um apelo que fala por si, iluministicamente, com a evidência absoluta e verídica dos fatos de experiência e de razão”. (Giuliano Ferrara, Il Foglio, 19 dezembro de 2007).

[15] NdTª.: Roberto de Mattei. autor e historiados católico italiano, escreveu o ‘Il Concilio Vaticano II. Una storia mai scritta (‘Concílio Vaticano II. Uma história nunca escrita’), que ganhou a indicação a dois prémios: ‘Pen Club Italiano’ e ‘XLIV Premio Acqui Storia’, sendo que ganhou este último.

[16] NdTª.: Pascendi Dominici Gregis. É uma encíclica papal promulgada pelo Papa Pio X em Setembro de 1907. Seu subtítulo diz: Carta Encíclica do Papa Pio X sobre os erros do modernismo. O documento, assim, condena o modernismo católico, considerado uma “síntese de todas as heresias”, com sua junção de evolucionismo, relativismo, cripto-marxismo, cientificismo e psicologismo. Como consequência da Encíclica, o papa formulou o ‘juramento antimodernista’, obrigatório para todos os padres, bispos e catequistas e que foi abolido em 1967, pelo Papa Paulo VI. Este fato levou os católicos tradicionalistas a acusarem que o outrora combatido modernismo tornou-se na doutrina subjacente da ‘nova Igreja’. Um dos mais influentes filósofos modernistas foi Teilhard de Chardin, que pretendia reunir catolicismo com darwinismo e marxismo. Os católicos tradicionais vêem este documento como evidência de que a Igreja Católica e os papas anteriores ao Concílio Vaticano II já estavam atentos para a infiltração de inimigos da Tradição no seio da instituição. Muitos tradicionalistas consideram o Papa Paulo VI um modernista, como o norte-americano Rama Coomaraswamy, em ‘Ensaios sobre a Destruição da Tradição Cristã’ (São Paulo, 1990).

[17] NdTª.: Trata-se do ‘Paradoxo do Mentiroso’.

[18] NdTª.: Karl Rahner foi um sacerdote católico jesuíta de origem germânica e um dos mais influentes teólogos do século XX. Participou – a pedido de Papa João XXIII – como teólogo consultor do Concílio Vaticano II. Entrou na Comissão teológica e se tornou um personagem chave do Concílio, promovendo a “nova visão de uma ‘Igreja de todo o mundo’, não mais ‘fechada em trincheira’, mas activa e positivamente aberta ao diálogo com as outras confissões cristãs e com as grandes religiões do mundo; Rahner contribuiu a transportar a teologia católica para o fim da neoescolástica, com a valorização do laicato na Igreja e com a concessão, aos bispos de todo o mundo, de uma maior liberdade de iniciativa dentro da própria Igreja� ��. [La fatica di credere (A fadiga de crer). 1986.] Criou a revista Concilium.

G. M. Ferretti | outubro 20, 2011 at 3:28 pm | Categorias: Franciscanos da Imaculada, Vaticano II | Categories: Actualidades, Igreja, Vaticano II | URL: http://wp.me/pgELf-4du

================================================================================

CEFAScast


75 Pregações do Padre Jonas!!!

Posted: 20 Oct 2011 10:50 AM PDT

Irmãos esta notícia recebi pela Juliana do Blog Caminhar Católico:


No próximo dia 21 de dezembro, o monsenhor Jonas Abib comemora seus 75 anos de vida.

Para celebrar essa data tão importante o Portal Canção Nova disponibiliza, desde o dia 7 de outubro, uma nova pregação por dia com o fundador da Comunidade Canção Nova para todos os internautas.

Assim, no dia 2 de dezembro você terá um arquivo pessoal com 75 palestras desse provecto símbolo de amor. Os arquivos estão em formato mp3.

Certamente é uma excelente oportunidade para você evangelizar e aproveitar para fazer importantes reflexões sobre a fé e a vida em Cristo. Aproveite.

Clique aqui e acesse a página de downloads no Portal Canção Nova.

+

=============================================================

LEITURA ORANTE


Lc 12,54-59 - Os sinais de Deus

Posted: 20 Oct 2011 07:01 PM PDT

Saudação

- A nós todos que navegamos por este espaço virtual,

a paz de Deus, nosso Pai,

a graça e a alegria de Nosso Senhor Jesus Cristo,

no amor e na comunhão do Espírito Santo.

- Bendito seja Deus que nos reuniu no amor de Cristo!

Preparo-me para a Leitura, rezando:

Jesus Mestre, que dissestes:

"Onde dois ou mais estiverem reunidos em meu nome,

eu aí estarei no meio deles",

ficai connosco,

aqui reunidos (pela grande rede da internet),

para melhor meditar

e comungar com a vossa Palavra.

Sois o Mestre e a Verdade:

iluminai-nos, para que melhor compreendamos

as Sagradas Escrituras.

Sois o Guia e o Caminho:

fazei-nos dóceis ao vosso seguimento.

Sois a Vida:

transformai nosso coração em terra boa,

onde a Palavra de Deus produza frutos

abundantes de santidade e missão.

(Bv. Alberione)

1. Leitura (Verdade)

O que diz o texto do dia?

Leio, atentamente, o texto, na Bíblia: Lc 12,54-59, e observo as palavras de Jesus ao povo.

Jesus disse também ao povo: - Quando vocês vêem uma nuvem subindo no oeste, dizem logo: "Vai chover." E, de fato, chove. E, quando sentem o vento sul soprando, dizem: "Vai fazer calor." E faz mesmo. Hipócritas! Vocês sabem explicar os sinais da terra e do céu. Então por que não sabem explicar o que querem dizer os sinais desta época? E Jesus terminou, dizendo: - Por que é que vocês mesmos não decidem qual é a maneira certa de agir? Se alguém fizer uma acusação contra você e levá-lo ao tribunal, faça o possível para resolver a questão enquanto ainda está no caminho com essa pessoa. Isso para que ela não o leve ao juiz, o juiz o entregue ao guarda, e o guarda ponha você na cadeia. Eu lhe afirmo que você não sairá dali enquanto não pagar a multa toda.

Jesus faz alusão à experiência dos lavradores que de acordo com o tempo distinguem se vai chover, fazer calor. Da mesma forma o tempo histórico tem seus sinais. Aqueles que sabem distinguir as intempéries e não sabem ler os sinais da sua época, com referência ao transcendente, são hipócritas. Jesus está ali, no meio deles, demonstra com inúmeros sinais o Reino de Deus e muitos ignoram, fecham os olhos e os ouvidos à verdade revelada. Ouvem, mas não escutam, vêem e não enxergam. O exemplo da acusação perante o tribunal é um convite à reconciliação enquanto é tempo.

2. Meditação (Caminho)

O que o texto diz para mim, hoje?

Entro em diálogo com o texto. Reflicto e actualizo.

Os bispos, na Conferência de Aparecida fizeram esta reflexão: “Jesus, o Bom Pastor, quer nos comunicar a sua vida e se colocar a serviço da vida. Vemos como ele se aproxima do cego no caminho (cf. Mc 10,46-52), quando dignifica a samaritana (cf. Jo 4,7-26), quando cura os enfermos (cf. Mt 11,2-6), quando alimenta o povo faminto (cf. Mc 6,30-44), quando liberta os endemoninhados (cf. Mc 5,1-20). Em seu Reino de vida Jesus inclui a todos: come e bebe com os pecadores (cf. Mc 2,16), sem se importar que o tratem como comilão e bêbado (cf. Mt 11,19); toca leprosos (cf. Lc 5,13), deixa que uma prostituta unja seus pés (cf. Lc 7,36-50) e, de noite, recebe Nicodemos para convidá-lo a nascer de novo (cf. Jo 3,1-15). Igualmente, convida a seus discípulos à reconciliação (cf. Mt 5,24), ao amor pelos inimigos (cf. Mt 5,44) e a optarem pelos mais pobres (cf. Lc 14,15-24).” (DAp 353).

Minha vida reflecte o que o texto diz? Prefiro não ouvir ou perceber as propostas e apelos de Deus? Fico adiando a minha reconciliação com Deus? Tenho inúmeros argumentos para “deixar pra depois”?

3.Oração (Vida)

Rezo com toda a Igreja a
Oração Missionária 2011
Deus Pai,
Criador do céu e da terra,
Enviai, por meio do vosso Filho,
O Espírito que renova todas as coisas,
Para que, no respeito e cuidado com a natureza,
Possamos recriar novos céus e nova terra,
E a Boa-Nova, que brilhou na Criação,
Seja conhecida até os confins do universo.
Amém.

Ir. Patrícia Silva, fsp
------------------------
Mês das Missões - 2011.
Tema: "Missões na Ecologia"
Veja mais sobre o tema e sugestões de reflexão em DVDs,
no blog: http://comunicacatequese.blogspot.com/
RSS - Se você quiser receber em seu endereço electrónico o Evangelho do Dia com a Leitura Orante, faça a assinatura. Basta colocar, no blog http://leituraorantedapalavra.blogspot.com/, no início da página, à direita, o seu e-mail. Depois, clique em Enviar.

4.Contemplação (Vida e Missão)

Qual meu novo olhar a partir da Palavra?
Vou olhar o mundo e a vida com os olhos de Deus.
Vou eliminar do meu modo de pensar e agir aquilo que não vem de Deus, que não é conforme o Projecto de Jesus Mestre. Bênção - Deus nos abençoe e nos guarde. Amém.
- Ele nos mostre a sua face e se compadeça de nós. Amém.
-Volte para nós o seu olhar e nos dê a sua paz. Amém.
- Abençoe-nos Deus misericordioso, Pai e Filho e Espírito Santo. Amém.

============================================================

Biblia Catolica News


Link to Bíblia Católica News


Se hoje estamos na noite escura, amanhã Ele nos liberta”

Posted: 20 Oct 2011 07:54 AM PDT

Papa recorda misericórdia infinita de Deus CIDADE DO VATICANO, quarta-feira, 19 de outubro de 2011 (ZENIT.org) – Na catequese de hoje, o Papa Bento XVI meditou sobre o Salmo 136, “um solene hino de louvor que celebra as inúmeras manifestações de bondade do Senhor para com os homens”. Partindo das tradições judaicas, o Pontífice explicou [...]


===========================================================

New post on Fratres in Unum.com


Padre cearense diz estar de luto pela morte de Kadafi.

by G. M. Ferretti

O Povo Online - “Mataram Kadafi, mas não poderão matar jamais a luta pela liberdade e pela vida… O Império americano e os países europeus mais uma vez cometem um grande crime, não somente contra o povo líbio, mas contra a humanidade. Kadafi morre como mártir”, disse para o Blog do Eliomar, nesta tarde de quinta-feira, 20, o padre Haroldo Coelho, ex-militante do PT e hoje membro do PSol cearense.

Ele culpou o “imperialismo norte-americano” pelo assassinato do ditador líbio e disse que o interesse dos EUA é no petróleo desse País. “Descanse em paz, Muammar Kadafi, a sua luta jamais será esquecida”, reiterou padre Haroldo, avisando estar de luto e prometendo celebrar missa em memória do ditador.

Agradecimento ao leitor Saulo M. Filho pelo envio da notícia

G. M. Ferretti | outubro 21, 2011 at 11:27 am | Categorias: Atualidades | Categories: Atualidades | URL:

===========================================================

New post on Fratres in Unum.com


Gherardini: “Com o novo Ordo, algo de intimamente ligado ao essencial e enraizado na Tradição foi diminuído”.

by G. M. Ferretti

Cônego da Basílica de São Pedro e postulante da causa de canonização do Beato Pio IX, Mons. Gherardini é padre da diocese de Prato (Itália) e está a serviço da Santa Sé desde 1965, especialmente como professor de eclesiologia e ecumenismo na Pontifícia Universidade Lateranense até 1995.

Cônego da Basílica de São Pedro e postulante da causa de canonização do Beato Pio IX, Mons. Gherardini é padre da diocese de Prato (Itália) e está a serviço da Santa Sé desde 1965, especialmente como professor de eclesiologia e ecumenismo na Pontifícia Universidade Lateranense até 1995.

Bento XVI, dando legitimidade ao uso do Ordo antigo, confirmou a unidade do Rito distinguindo "forma ordinária" e "forma extraordinária". Que as coisas fiquem claras: é um pouco difícil considerar como "extraordinária" a forma clássica com a qual, durante séculos, a Igreja expressou seu culto público. Mas isso não se opõe à doutrina sobre a unidade de ritos e a duplicidade de formas... A pessoa que se lançasse a uma análise rigorosamente crítica das duas formas normalmente não teria dificuldade em demonstrar que a forma dita "extraordinária" se distingue substancialmente, ao menos em algumas passagens, da forma dita "ordinária"... Sabemos que o ofertório é uma parte integrante do Sacrifício... E, no entanto, sob o pretexto não demonstrado e historicamente infundado de que se tratava d e fórmulas recentes, novas, individualistas e liturgicamente aberrantes, a Missa "de Paulo VI" aboliu o Ofertório. A ciência litúrgica tratou de demonstrar o contrário; todavia dispomos de manuscritos que provam o erro da análise: o "Suscipe Sancte Pater", o "Deus, qui humanae substantiae", o "Offerimus tibi Domine", o texto "In spititu humilitatis", o "Veni sanctificator", o "Suscipe sancta Trinitas", são orações atestadas por manuscritos do século IX. Não é necessário escrever muitas páginas, portanto, para demonstrar que com o novo Ordo algo de intimamente ligado ao essencial e enraizado na Tradição foi diminuído.

Palavras de Monsenhor Brunero Gherardini à Revista Catholica, nº 113.

 

G. M. Ferretti | outubro 21, 2011 at 4:00 pm | Categorias: Novus Ordo Missae, Summorum Pontificum | Categories: Atualidades, Igreja, Novus Ordo Missae, Summorum Pontificum | URL: http://wp.me/pgELf-4dQ

==========================================================================

CEFAScast


115P7 - Cristofobia - Parte 2

Posted: 21 Oct 2011 12:46 AM PDT

Trazemos então a parte 2 da palestra sobre a Cristofobia no mundo atual moderno.
Se você ainda não escutou a parte 1,
CLIQUE AQUI e ouça a primeira parte antes desta.
É impressionante constatar que o cristianismo é a religião, o grupo mais perseguido da história, principalmente a moderna, e todas estas informações sobre isso são acobertadas ou ignoradas... E a perseguição continua crescendo assustadoramente em várias áreas do nosso mundo moderno...

CLIQUE AQUI PARA BAIXAR O ÁUDIO DA PALESTRA

Renomear mp3 para:
115P7 - Cristofobia - Parte 2.mp3
As palavras de Cristo são cada vez mais atuais:
(
Livro de Mateus, capítulo 10:)

17.
Cuidai-vos dos homens. Eles vos levarão aos seus tribunais e açoitar-vos-ão com varas nas suas sinagogas.

18.
Sereis por minha causa levados diante dos governadores e dos reis: servireis assim de testemunho para eles e para os pagãos.

19.
Quando fordes presos, não vos preocupeis nem pela maneira com que haveis de falar, nem pelo que haveis de dizer: naquele momento ser-vos-á inspirado o que haveis de dizer.

20.
Porque não sereis vós que falareis, mas é o Espírito de vosso Pai que falará em vós.

21.
O irmão entregará seu irmão à morte. O pai, seu filho. Os filhos levantar-se-ão contra seus pais e os matarão.

22.
Sereis odiados de todos por causa de meu nome, mas aquele que perseverar até o fim será salvo.

24.
O discípulo não é mais que o mestre, o servidor não é mais que o patrão.

25.
Basta ao discípulo ser tratado como seu mestre, e ao servidor como seu patrão. Se chamaram de Beelzebul ao pai de família, quanto mais o farão às pessoas de sua casa!

26.
Não os temais, pois; porque nada há de escondido que não venha à luz, nada de secreto que não se venha a saber.

27.
O que vos digo na escuridão, dizei-o às claras. O que vos é dito ao ouvido, publicai-o de cima dos telhados.

28.
Não temais aqueles que matam o corpo, mas não podem matar a alma; temei antes aquele que pode precipitar a alma e o corpo na geena.

29.
Não se vendem dois passarinhos por um asse? No entanto, nenhum cai por terra sem a vontade de vosso Pai.

30.
Até os cabelos de vossa cabeça estão todos contados.

31.
Não temais, pois! Bem mais que os pássaros valeis vós.

32.
Portanto, quem der testemunho de mim diante dos homens, também eu darei testemunho dele diante de meu Pai que está nos céus.

33.
Aquele, porém, que me negar diante dos homens, também eu o negarei diante de meu Pai que está nos céus.

37.
Quem ama seu pai ou sua mãe mais que a mim, não é digno de mim. Quem ama seu filho mais que a mim, não é digno de mim.

38.
Quem não toma a sua cruz e não me segue, não é digno de mim.

39.
Aquele que tentar salvar a sua vida, perdê-la-á. Aquele que a perder, por minha causa, reencontrá-la-á.

LINKS COM NOTÍCIAS ATUAIS QUE ENVOLVEM A CRISTOFOBIA

BBC quer apagar Cristo da história
Extermínio de Cristão no Egito
Mártires de Cristo lá e cá
Outono bárbaro contra Cristãos no Egito
Menina cristã de 12 anos é estuprada durante 8 meses...
Apple, Google, Facebook e outras mídias... Aumenta a censura a conteúdo cristão na internet
Foi a Igreja quem inventou a saúde pública
Cristianismo ameaçado no ocidente moderno

MÚSICAS UTILIZADAS NESTE PROGRAMA

Debaixo dos Salgueiros - Padre Zezinho - Álbum Canta Coração
Vida de Cristão - Alexandre Soul

+

This posting includes an audio/video/photo media file: Download Now

»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»««««««««««««««««««««««««««««««««««««««««««««««««««««

 

Todas estas notícias foram postadas por

António Fonseca, em exclusivo para este blogue: SÃO PAULO (e Vidas de Santos)

Um Aniversário e um Pedido aos meus leitores - 21 de Outubro de 2011

 

Primeiro  o Aniversário

 

Hoje – 21 de Outubro de 2011 – celebra mais um Aniversário

o Reverendo Padre Doutor MANUEL CORREIA FERNANDES,

Imagem2144

que se digna presidir à Paróquia da Senhora do Porto e à Comunidade de S. Paulo do Viso,

além de ser ainda Diretor da VOZ PORTUCALENSE,

(apesar de exercer outros cargos…)

a quem desejo aqui e agora (como Amigo e Paroquiano)

manifestar os meus sinceros desejos  do seu 72º Aniversário,

cheio das Bênçãos do Senhor e muita PAZ, SAÚDE e AMOR (a Deus e aos homens),

e que esta data se venha a repetir por muitos anos e bons,

Deus assim o permita

António Fonseca

000000000000000000000000000000000000000000000000000000

 

Em seguida, uma triste notícia

 

O Reverendo Padre MANUEL SALGUEIRINHO BARBOSA,

Imagem2145

que colaborou durante mais de 40 anos,

primeiro com o falecido Padre ANTÓNIO INÁCIO GOMES e Fundador destas Paróquia e Comunidade,

e, posteriormente ao falecimento deste,

também tem colaborado com o nosso atual Pároco, acima citado,

encontra-se gravemente doente e, desde 5 de Outubro e está internado no IPO,

pelo que solicito de todos vós, as vossas orações para que em breve, se Deus o permitir,

regresse ao nosso convívio, aliviando os seus sofrimentos,

ou então que o leve em Paz para junto de Si, de Sua Mãe Maria Santíssima

e de todos os Anjos e Santos 

António Fonseca

===================================

0000000000000000000000000000000000000000000000

«««««««««««««««««««««««««««««««««««««««««««««««««««««««»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»

Nº 1079 - (273)–21 DE OUTUBRO DE 2011 - SANTOS DE CADA DIA - 3º ANO

 

Nº 1079

90485 > Sant' Agatone d'Egitto Eremita 21 ottobre

• Bertoldo de Parma, Santo
Outubro 21 Irmão Leigo,

Bertoldo de Parma, Santo

Bertoldo de Parma, Santo

Etimologia: Bertoldo = O chefe esplêndido. Vem da língua alemã. Foi um irmão leigo do século XII.  Leigo é aquele membro de uma Orden religiosa que não é sacerdote. Entre os nomes grandes deste dia, estão santa Ursula e companheiras mortas em Colónia por defender sua virgindade. Bertoldo provinha de uma família estrangeira que se havia estabelecido em Parma, em que nasceu e morreu no ano 1106. O pai era inglês e a mãe bretã. Viviam em Itália como pobres artesãos no trabalho que lhes aparecia. Chegaram a Itália fugindo das invasões normandas que faziam estragos em Inglaterra. A princípio se estabeleceram en Milão. O pai começou a trabalhar de sapateiro. A vida era dura. Então emigraram para Parma onde nasceu Bertoldo em 1072. Aos sete anos trabalhava ajudando a seu pai arranjando sapatos. Aos 12 sentiu que Deus o chamava para viver numa Ordem religiosa entregue plenamente a Deus. O pai lhe pôs dificuldades, pois havia posto grandes esperanças em seu amado filho. Bertoldo tinha uma ideia clara de sua vocação e ao mesmo tempo muito firme. Foi para o convento dos monges beneditinos. Viveu a Regra com pontualidade e zelo. Era obediente e humilde. Foi como peregrino a Roma e a França. Fez numerosas curas.
¡Felicidades a quem leve este nome! Comentários a P. Felipe Santos:
fsantossdb@hotmail.com

90486 > San Bertoldo di Parma 21 ottobre

Carlos I da Áustria (ou Carlos de Habsburgo)

Karl of Austria.jpg Carlos I de Habsburgo, Beato

Carlos I da Áustria e IV da Hungria ou Carlos I de Habsburgo-Lorena nasceu no dia 17 de agosto de 1887 em Persenbeug (Baixa Áustria) e morreu no Funchal no dia 1º de abril de 1922. O seu nome de baptismo era Karl Franz Josef Ludwig Hubert Georg Maria von Habsburg-Lothringen. Foi o último Imperador da Áustria, Rei da Hungria e Boêmia, entre 1916 e 1918. Ficou conhecido como Carlos I da Áustria, IV da Hungria e III da Boémia. A Igreja Católica o designa como Beato Carlos da Áustria, Imperador. Primogénito do Arquiduque Otto e da Princesa Josefa de Saxónia. Sucedeu seu tio avô Francisco José I. Antes de ascender ao trono prestou serviços no exército. Converteu-se em sucessor em 1914 após o assassinato do seu tio, o Arquiduque Francisco Ferdinando em Sarajevo, Bósnia, motivo para o início da Primeira Guerra Mundial. Sem suficiente capacidade de manobra, durante o ano de 1917, manteve a revelia da Alemanha uns polêmicos contatos com o governo francês para tratar de alcançar a paz por separado com os aliados através de seu cunhado, o Príncipe Sexto de Borbón-Parma, que fracassaram. Com a derrota da Áustria-Hungria na guerra e iniciada a dissolução do Império, renunciou ao cargo de chefe de Estado em 11 de novembro de 1918 mas não aos seus direitos como chefe da dinastia e ao trono. Partiu para o exílio na SuíçaEm 1921, com escasso apoio político, participou de uma conspiração para restaurar a monarquia na Hungria. Sem embargo, o almirante Miklós Horthy o traiu e conseguiu retirar-lhe o trono, expulsou de seu país e converteu-se em regente de uma Hungria que se definia como "reino com o trono vago".  O imperador Carlos morreu de pneumonia na ilha da Madeira no ano de 1922. Seus restos ainda permanecem na ilha, na Igreja de Nossa Senhora do Monte, com permissão dos seus sucessores. Ver www.wikipedia.com

91648 > Beato Carlo I d’Asburgo Imperatore e re 21 ottobre

• Celina (Celia o Cilina) de Laon, Santa
Octubre 21 Madre de San Remigio,

Celina (Celia o Cilina) de Laon, Santa

Celina (Celia o Cilina) de Laon, Santa

Martirologio Romano: En Laon, ciudad de la Galia, santa Cilina, madre de los santos obispos Principio de Soissons y Remigio de Reims (post 458). Etimología: Celina = que viene del cielo, viene de la lengua latina. Lo mismo que Santa Silvia, madre del Papa Gregorio el Grande, y muchas otras madres de santos que también alcanzaron la santidad, Celina fue famosa a causa de su hijo, puesto que dio al mundo ese gran santo, Remigio o Remi, obispo de Reims. De acuerdo con el pseudo Venancio Fortunato, Celina y su esposo pertenecían a la nobleza. En cierta ocasión, un monje llamado Montano, que tres veces consecutivas había recibido un aviso celestial en sueños, vaticinó a Celina que daría a luz un hijo que llegaría a ser un hombre de grandísimos méritos. A su debido tiempo, Remigio vino al mundo. Hinemar de Reims complementó estos datos tan escasos en el siglo nueve: Celina y Emilio, su marido, habían tenido dos hijos: Principio, quien llegó a ser obispo de Soissons, y su hermano Emilio, quien a su vez tuvo un hijo, Lupo, sucesor de su tío Principio en la sede de Soissons, a la que gobernó hasta la muerte de Remigio (Duchesne, Fastes Episcopaux, vol. III, 1915, pp. 89-90). Cuando el monje Montano anunció el nacimiento del niño, Celina quedó desconcertada, puesto que tanto ella como su marido ya eran entrados en años. Pero Montano, que era ciego, reiteró su profecía y aun agregó estas palabras: "Cuando hayas parido al niño cuyo nacimiento te anuncio, me frotarás los ojos con unas gotas de la leche de tus pechos y así recuperaré la vista". Fue el propio Remigio, a los pocos días de nacido, quien puso su manecita mojada con la leche del pecho de su madre, en los ojos de Montano, y éste obtuvo la gracia de volver a ver. Hinemar hace la advertencia de que, al nacer, Remigio quedó limpio de toda culpa por obra del Espíritu Santo. Había sido concebido "en la iniquidad, como todo hombre", pero contrariamente a lo que sucede en la condición humana, "su madre no lo parió en los delitos de la prevaricación, sino en la gracia de la remisión". Por esa razón, Remigio se asemejaba a San Juan Bautista (Luc. 1, 15) y a Isaac (Gen. XVII, .Nació en el país de Laon y se le impuso el nombre de Remigio porque estaba destinado a regir, a dirigir la nave de su Iglesia a merced de las olas tempestuosas y también sería el "Remedio" (otro significado de su nombre) tconra la justa cólera de Dios o bien contra la ferocidad de los paganos. Luego de cursar breves estudios en los que destacó sobremanera, Remigio tuvo deseos de imitar el ejemplo del monje Montano, se retiró al convento y se separó para siempre de Celina. De acuerdo con uno de los párrafos del testamento de San Remigio, su madre había sido sepultada en Labrinacum (Lavergny), cerca de Laon, en el Aisne. La traslación de sus restos a Laon, según Molanus y Vermeulen, los editores del Martirologio de Usuardo (ed. Du Sollier, Anvers, 1714, p. 194) tuvo lugar un 5 de abril.  Actualmente, en la diócesis de Reims se conmemora a Santa Celina el 22 de octubre.

74600 > Santa Celina Madre di S. Remigio 21 ottobre MR


90272 >
Santa Celina di Meaux Vergine 21 ottobre

91314 > Santa Cordula Martire a Colonia 21 ottobre


91799 >
San Dasio, Zotico e Caio (Gaio) Martiri a Nicomedia 21 ottobre MR

SÃO GASPAR DEL BÚFALO

Fundador (1786-1863)

Filho do empregado do príncipe Altiéri, Gaspar nasceu em 1786 e estudou no Colégio Romano; pensou entrar na Companhia de Jesus, estabelecida em 1814. Foi ordenado sacerdote em 1808 e, porque se recusou a prestar juramento de fidelidade a Napoleão, passou cinco anos no cárcere. reapareceu, desde que terminou a aventura imperial de Bonaparte, e foi encarregado por Pio VII de pregar missões na Itália do Centro. O carácter um pouco teatral que lhes dava e a sua eloquência trovejante produziram grandes resultados. para ajudar no seu labor apostólico, fundou em 1818 o Instituto dos Padres do Preciosíssimo Sangue. Faleceu a 28 de Dezembro de 1836. Do livro SANTOS DE CADA DIA, de www.jesuitas.pt.

San Gaspare Del Bufalo Sacerdote

Áudio da RadioVaticana:  RadioRai: e da RadioMaria:

SÃO GONÇALO DE LAGOS

Religioso (1370-1422)

Estrela
(Ver dia 27 de Outubro, neste Livro SANTOS DE CADA DIA)

Nasceu em Lagos, no Algarve, um pouco depois de 1370. Tomou o hábito de Santo Agostinho no convento da Graça, em Lisboa, onde vinha pôr a salvo os seus vinte anos de virtude e pureza, quase de anjo, e já vitoriosa de repetidos assaltos. Exercitou-se ainda em jejuns e outras penitências, enquanto se aplicava às letras, para que sentia grande atrativo; mas sem qualquer vaidade, chegando assim a recusar a láurea doutoral e outras distinções honrosas. Dedicou-se depois à pregação, em correrias apostólicas; e, com o mesmo zelo, a manter a observância regular, quando superior de alguns mosteiros da sua ordem. Foi o último o de Torres Vedras, onde  morreu a 15 de Outubro de 1422, depois de exortar os seus súbditos à observância religiosa e mais virtudes cristãs. Ali mesmo ficou o seu jazigo e melhorado desde 1784, tomando-o a vila de Torres Vedras por seu padroeiro, depois de beatificado, por Pio VI em 1798. Mas em Portugal é-lhe tributado o culto de santo. Ao que parece, a escolha que fez Torres Vedras do seu padroeiro deve-se em última análise à carta que D. João II, encontrando-se no Algarve em 1495, escreveu à câmara da dita vila, exaltando a memória de Frei Gonçalo e celebrando a felicidade que essa terra possuía conservando o seu milagroso corpo. O mesmo fez a cidade de Lagos, sua terra natal, onde os pescadores, sobretudo, mais invocam e experimentam a sua especial proteção. Não obstante, com o andar dos anos, o culto de S. Gonçalo foi-se obliterando, até que, em 1942, por iniciativa da Juventude Militar Católica de Lagos, foi restaurado o antigo nicho, com nova imagem e respetiva lápide, seguindo-se várias solenidades, para se retomar a sua festa, que atualmente é a 27 de Outubro. Os Padres Agostinhos celebram-no em Portugal a 21 do mesmo mês. Do livro SANTOS DE CADA DIA, de www.jesuitas.pt

Beato Gonsalvo da Lagos

94758 > Beato Guglielmo da Montreal Mercedario 21 ottobre

SANTO HILARIÃO

Eremita (por 372)

Hilarión de Gaza, Santo

Hilarión de Gaza, Santo

A figura de Santo Hilarião tornou-se popularíssima na Idade Média sobretudo por causa dos seus milagres. Hoje tem para nós especial interesse e dá-nos oportunas lições. Jovem rico e com futuro, soube desfazer-se de quanto lhe pesava, a fim de voar para as alturas da perfeição evangélica; retirou-se das relações com o mundo e buscou no deserto o paraíso. Teve a sorte de encontrar um grande cantor das suas façanhas em S. Jerónimo e hoje podemos seguir passo a passo o decorrer simples da sua vida pura e transparente como a água de regato escondido. Nasceu Santo Hilarião em Tabada, perto de Gaza, na Palestina, cidade mediterrânica aberta às estradas infinitas do mar. Seus pais eram pagãos e aos dez anos enviaram-no para Alexandria, a fim de beber lá as águas mais puras e fortes da filosofia e da arte. Os planos de Deus eram outros. Alexandria tinha-se aberto à luz da verdade cristã e contava grande e fervorosa comunidade. Sobretudo floresciam nela grandes sábios e mestres do saber simples do Evangelho. Orígenes e Clemente tinham tido ilustres continuadores e a escola catequética da Alexandria seguia cada vez mais florescente. Hilarião encontrou o sábio Áquila, ilustre figura da catequese e ciência bíblica cristã. A sua palavra comoveu-o e descobriu-lhe horizontes infinitos de luz e verdade. Hilarião encontrou a sabedoria de Cristo e foi batizado. Outro mestre enchia com a sua potente voz – a voz da vida e do exemplo – as igrejas e reuniões cristãs de Alexandria. Era Antão, que há vinte anos vivia separado na solidão do deserto, como poderoso íman que atrai a si as partículas mais pequenas de metal puro e bom. O jovem Hilarião sentiu-se entusiasmado pelas coisas que se contavam, do grande Antão. Foi à busca dele, ao retiro de Arsinoé, seguindo o curso do rio Nilo; conquistado com a palavra e a vida dele, pediu-lhe que o admitisse entre os seus discípulos. Antão resistiu a que ele estivesse mais de dois meses, porque era muito jovem para ficar definitivamente no deserto. O que é certo é que a Providência queria Hilarião para que levasse à Palestina a vida que ele tinha inaugurado no Egipto. Ao despedir-se, disse-lhe Antão: «Persevera, jovem, até ao fim, para conseguires saborear o fruto doce dos teus trabalhos». Hilarião voltou à Palestina e entrou em Gaza com o tesouro da sua juventude e da sua fé cristã. Os pais tinham morrido; ele vendeu o rico património que lhe tinham deixado, distribuiu-o todo entre os pobres, segundo o conselho do Evangelho, e retirou-se para o vizinho deserto de Majuma, lugar abrupto e impenetrável. Diante o mar, atrás rochas escarpadas, dos lados uma lagoa, palmeiras, cedros e figueiras bravas. Ainda que a sua compleição fosse débil, segundo o testemunho de S. Jerónimo, ali ficou apenas com um saco grosseiro, a cogula de peles e uma manta. Construiu uma choça de juncos e ramos, que fortificou com pedras, tendo de altura cinco pés e de largura quatro. A cama era o chão e a enxerga uns juncos da lagoa vizinha, Comia uma só vez por dia, ao pôr do Sol, e não mais que cinco figos. Nunca lavou nem mudou a túnica até ela lhe cair aos pedaços. Para a festa da Páscoa, cortava as unhas e o cabelo. Não tinha ainda vinte anos quando principiou esta vida de rigor, que pouco a pouco lhe foi roubando as forças do corpo, a vivacidade dos olhos, a cor agradável e graciosa da face. Mais tarde consentiu em comer um pedaço de pão e em adubar as ervas com azeite. Com este regime de penitência prolongadas orações e trabalho constante, passou os primeiros anos do seu isolamento, buscando a harmonia do próprio ser e a obediência da carne ao espírito. Se o corpo pedia o que lhe tocava e a tentação levantava a voz, respondia resoluto o soldado de Cristo: «Eu farei, burrinho, que não escoiceies; não te alimentarei com cevada mas com palha; farei que sofras fome e sede, e porei aos teus ombros uma carga pesada». Diminuía a ração e aumentava o trabalho; suco de ervas, figos de dois ou de três dias; tecia cestinhos de vime, cultivava a terra e orava. Passados 22 anos de luta, de esquecimento e de solidão, o mundo começou a dar conta dele. A luz não se podia esconder debaixo do alqueire. Acorreu a gente ao deserto, pediam-lhe orações, milagres e direção. A voz do Espírito soou então aos seus ouvidos, chamando-o para mais longe. Acabava de morrer o grande Antão. O nosso santo partiu para o Egito; já não é um jovem de 20 anos. O rosto está emagrecido, pálido, os olhos encovados, mas no seu interior arde a chama da fé e do amor. Visitou os desertos dum e doutro lado do Nilo, repassou pelos lugares habitados por seu mestre Antão; chorava de consolado, beijava as paredes da cela e pisava a esteira dele para recolher o calor da caridade. Visitou Alexandria, cidade da sua juventude e seu baptismo, e quis ficar num deserto próximo. Veio a saber que os emissários de Julião Apóstata o procuravam para dar-lhe a morte; diante disso, resolveu embarcar para o Ocidente. Arribou à Sicília; viveu muito tempo no promontório de Pachinum; subiu em seguida para a Dalmácia e navegou de novo até à ilha de Chipre; cheia de recordações santas de Paulo e de Barnabé. O bispo dela era um santo, o grande Santo Epifânio. Os dois fizeram-se amigos desde o primeiro momento. Hilarião admirou a ciência de santo Epifânio e este a santidade do peregrino. Quando morreu Santo Hilarião, pelo ano de 372, Santo Epifânio foi o seu primeiro panegirista. Na morte não tinha deixado senão uma túnica de esparto, um manto, uma cogula e um Evangelho. Seu discípulo Esíquio recolheu tão preciosas relíquias e transportou o cadáver para a Palestina. A gente de Gaza saiu a receber o santo, que foi honrado da mesma maneira que os mártires. Santo Hilarião foi dos primeiros confessores venerados como santos; na verdade, esta honra reserva-se no principio só para os mártires. Deixou-nos S. Jerónimo um facto sobre a sua morte, que depois recolheram todos os autores ascéticos. A parte sensível resistia a dar o passo definitivo para a eternidade, já agonizante, dizia a si mesmo: «Sai, minha alma. De que tens medo? Há uns setenta anos que serves a Cristo e agora tens medo de morrer?». Grande ensinamento este último de tão insigne varão. Tinha militado toda a sua vida como fiel soldado debaixo da bandeira de Cristo, sempre na primeira linha. Podia com razão olhar alegre para o dia da vitória. A carne resistia a morrer; o juízo de Deus talvez se lhe apresentasse com o terrível. Mas ele podia consolar-se com a sua vida de austeridade, de amor e apostolado. felizes de nós, se naquela hora, de que depende a nossa sorte definitiva e eterna, pudermos também animar-nos com as mesmas palavras de Santo Hilarião: «Há uns 70 anos que serves a Cristo. De que tens medo?».  Do livro SANTOS DE CADA DIA, de www.jesuitas.pt.

Hilarión de Gaza, Santo
Octubre 21 Eremita,

Hilarión de Gaza, Santo

Hilarión de Gaza, Santo

Martirologio Romano: En la isla de Chipre, san Hilarión, abad, que, siguiendo las huellas de san Antonio Abad, primero llevó vida solitaria cerca de la ciudad de Gaza y después fue fundador y ejemplo de la vida eremítica en esta región (c. 371). Etimología: Hilarión = Aquel que sonríe, viene de la lengua latina. Fecha de canonización: Información no disponible, la antigüedad de los documentos y de las técnicas usadas para archivarlos, la acción del clima, y en muchas ocasiones del mismo ser humano, han impedido que tengamos esta concreta información el día de hoy. Si sabemos que fue canonizado antes de la creación de la Congregación para la causa de los Santos, y que su culto fue aprobado por el Obispo de Roma, el Papa. Conocemos su vida por el testimonio de muy antiguos escritores, sobre todo por San Jerónimo, en su Vita Patrum. Nació en Tabatha, cerca de Gaza, en Palestina, de familia pagana y rica. Como había muchos bienes, fue a estudiar a Alejandría, emporio del saber humano del tiempo. Allí, entre la vida blanda pagana, el eclecticismo en las doctrinas, el lujo de los palacios, las diatribas en el foro y el bullicio de los mercados, conoció a los cristianos de la comunidad fundada por San Marcos, cuna del gran orador San Atanasio, su contemporáneo. Recibió el don de la fe y se bautizó, sin duda ayudado por la influencia y ejemplo de los buenos discípulos de Jesucristo.
Toma la fe recibida con todas las consecuencias. Esta es la diferencia entre los mediocres y los santos. Cuando oyó hablar del abad Antonio, lo busca en el delta del Nilo, en la Arcadia, convive un tiempo con él y se siente llamado por Dios a imitarle en la vida de oración, cabalgando con la soledad y la penitencia por amor a Jesucristo. Por eso, a su vuelta al hogar paterno, cuando sus padres han muerto y es dueño de una pingüe herencia, nada dificulta el arranque de su nuevo proyecto de vida. Es la hora de «vender» lo que se tiene y de «darlo» a los pobres para tener un «tesoro en el cielo». Pobreza extrema en el retiro de Majuma, oración profunda, penitencia grande, ayunos, consejos a quien lo pide y servicio amplio al necesitado hasta el milagro.  Tiene deseos de huir del aura popular que lo rodea, ansía la soledad y la busca, embarcándose para Sicilia; pero allí también sus milagros le delatan. El retorno a Alejandría es inútil porque la persecución de Juliano el Apóstata ha destruido, en el año 362, el monasterio de Majuma. Se traslada a Dalmacia donde se le une Hesiquio. Vivió sus últimos cinco años en Chipre entre paganos que no le facilitan en nada la existencia, pero le respetan por su virtud y por curar al jefe con un milagro. Sintiéndose morir, deja escrito al discípulo Hesiquio que le entrega sus bienes en herencia: el Evangelio, su túnica, su cogulla y un pequeño manto.
¿Se valora hoy la herencia de quien fue rico y es santo?

74650 > Sant' Ilarione di Gaza Abate 21 ottobre MR


94554 >
Sant' Ilarione di Moglena Vescovo 21 ottobre

94398 > Beato Giuliano Nakaura Sacerdote jesuíta, martire 21 ottobre

Laura de Santa Catalina de Siena, Beata
Outubro 21 Religiosa fundadora

Laura de Santa Catalina de Siena, Beata

Laura de Santa Catalina de Siena, Beata

Martirológio Romano: No lugar de Belencito, perto de Medellín, na Colômbia, beata Laura de Santa Catalina de Siena Montoya y Upeguí, virgem, que, com notável sucesso, se dedicou a anunciar o Evangelho entre os povos indígenas que ainda desconheciam a fé em Cristo e fundou a Congregação das Irmãs Missionárias de María. Etimologia: Laura = Aquela que triunfa, vem da língua latina- Data de beatificação: 25 de abril de 2004.  La Madre Laura de Santa Catalina de Siena (Laura Montoya Upegui), estando aquí, en la Basílica de San Pedro en el mes de noviembre del año 1930, después de una viva oración eucarística escribe: «Tuve fuerte deseo de tener tres largas vidas: La una para dedicarla a la adoración, la otra para pasarla en las humillaciones y la tercera para las misiones; pero al ofrecerle al Señor estos imposibles deseos, me pareció demasiado poco una vida para las misiones y le ofrecí el deseo de tener un millón de vidas para sacrificarlas en las misiones entre infieles! Mas, ¡he quedado muy triste! y le he repetido mucho al Señor de mi alma esta saetilla: ¡Ay! Que yo me muero al ver que nada soy y que te quiero!».  Esta gran mujer que así escribe, la Madre Laura Montoya, maestra de misión en América Latina, servidora de la verdad y de la luz del Evangelio, nació en Jericó, Antioquia, pequeña población colombiana, el 26 de Mayo de 1874, en el hogar de Juan de la Cruz Montoya y Dolores Upegui, una familia profundamente cristiana. Recibió las aguas regeneradoras del Bautismo cuatro horas después de su nacimiento. El sacerdote le dio el nombre de María Laura de Jesús. Dos años tenía Laura cuando su padre fue asesinado, en cruenta guerra fratricida por defender la religión y la patria. Dejó a su esposa y sus tres hijos en orfandad y dura pobreza, a causa de la confiscación de los bienes por parte de sus enemigos. De labios de su madre, Laura aprendió a perdonar y a fortalecer su carácter con cristianos sentimientos.
Desde sus primeros años, su vida fue de incomprensiones y dolores. Supo lo que es sufrir como pobre huérfana, mendigando cariño entre sus mismos familiares. Aceptando con amor el sacrificio, fue dominando las dificultades del camino. La acción del Espíritu de Dios y la lectura espiritual especialmente de la Sagrada Escritura, la llevaron por los caminos de la oración contemplativa, penitencia y el deseo de hacerse religiosa en el claustro carmelitano. Tenía sed de Dios y quería ir a El “como bala de cañón ”. Esta mujer admirable crece sin estudios, por las dificultades de pobreza e itinerancia a causa de su orfandad, hasta la edad de 16 años cuando ingresa en la Normal de Institutoras de Medellín, para ser maestra elemental y de esta manera ganarse el sustento diario. Sin embargo, llega a ser una erudita en su tiempo, una pedagoga connotada, formadora de cristianas generaciones, escritora castiza de alto vuelo y sabroso estilo, mística profunda por su experiencia de oración contemplativa.  En 1914, apoyada por monseñor Maximiliano Crespo, obispo de Santa Fe de Antioquia, funda una familia religiosa: Las Misioneras de María Inmaculada y Santa Catalina de Sena, obra religiosa que rompe moldes y estructuras insuficientes para llevar a cabo su ideal misionero según lo expresa en su Autobiografía: Necesitaba mujeres intrépidas, valientes, inflamadas en el amor de Dios, que pudieran asimilar su vida a la de los pobres habitantes de la selva, para levantarlos hacia Dios  MAESTRA CATEQUISTA DE LOS INDIOS Su profesión de maestra la llevó por varias poblaciones de Antioquia y luego al Colegio de La Inmaculada en Medellín. En su magisterio no se contenta con el saber humano sino que expone magistralmente la doctrina del Evangelio. Forma con la palabra y el ejemplo el corazón de sus discípulas, en el amor a la Eucaristía y en los valores cristianos. En un momento de su trayectoria como maestra, se siente llamada a realizar lo que ella llamaba “la Obra de los indios”: En 1907 estando en la población de Marinilla, escribe: “me vi en Dios y como que me arropaba con su paternidad haciéndome madre, del modo más intenso, de los infieles. Me dolían como verdaderos hijos”. Este fuego de amor la impulsa a un trabajo heroico al servicio de los indígenas de las selvas de América.  Busca recursos humanos, fomenta el celo misionero entre sus discípulas, escoge cinco compañeras a quienes prende el fuego apostólico de su propia alma. Aceptando de antemano los sacrificios, humillaciones, pruebas y contradicciones que se ven venir, acompañadas por su madre Doloritas Upegui, el grupo de “Misioneras catequistas de los indios” sale de Medellín hacia Dabeiba el 5 de Mayo de 1914. Parten hacia lo desconocido, para abrirse paso en la tupida selva. Van, no con la fuerza de las armas, sino con la debilidad femenina apoyada en el Crucifijo y sostenida por un gran amor a María la Madre y Maestra de esta Obra misionera. “Ella, la Señora Inmaculada me atrajo de tal modo, que ya me es imposible pensar siquiera en que no sea Ella como el centro de mi vida”. La celda carmelitana, objeto de sus ansias en el tiempo de su juventud, le pareció demasiado fría ante aquellas selvas pobladas de seres humanos sumidos en la infidelidad, pero amados tiernamente por Dios. “Siento la suprema impotencia de mi nada y el supremo dolor de verte desconocido, como un peso que me agobia”. Comprende la dignidad humana y la vocación divina del indígena. Quiere insertarse en su cultura, vivir como ellos en pobreza, sencillez y humildad y de esta manera derribar el muro de discriminación racial que mantenían algunos líderes civiles y religiosos de su tiempo. La solidez de su virtud fue probada y purificada por la incomprensión y el desprecio de los que la rodeaban, por los prejuicios y las acusaciones de algunos prelados de la iglesia que no comprendieron en su momento, aquel estilo de ser “religiosas cabras”, según su expresión, llevadas por el anhelo de extender la fe y el conocimiento de Dios hasta los más remotos e inaccesibles lugares, brindando una catequesis vivencial del Evangelio. Su Obra misionera rompió esquemas, para lanzar a la mujer como misionera en la vanguardia de la evangelización en América latina. El quemante “SITIO”- Tengo sed- de Cristo en la Cruz , la impulsa a saciar esta sed del crucificado :”¡Cuánta sed tengo! ¡Sed de saciar la vuestra Señor! Al comulgar nos hemos juntado dos sedientos: Vos de la gloria de vuestro Padre y yo de la de vuestro corazón Eucarístico! Vos de venir a mí, y yo de ir a Vos” Mujer de avanzada, elige como celda la selva enmarañada y como sagrario la naturaleza andina, los bosques y cañadas, la exuberante vegetación en donde encuentra a Dios. Escribe a las Hermanas: ”No tienen sagrario pero tienen naturaleza; aunque la presencia de Dios es distinta, en las dos partes está y el amor debe saber buscarlo y hallarlo en donde quiera que se encuentre.” Redacta para ellas las “Voces Místicas”, inspirada en la contemplación de la naturaleza, y otros libros como el Directorio o guía de perfección, que ayudan a las Hermanas a vivir en armonía entre la vida apostólica y la contemplativa. Su Autobiografía es su obra cumbre, libro de confidencias íntimas, experiencia de sus angustias, desolaciones e ideales, vibraciones de su alma al contacto con la divinidad, vivencias de su lucha titánica por llevar a cabo su vocación misionera. Allí muestra su “pedagogía del amor”, pedagogía acomodada a la mente del indígena, que le permite adentrarse en la cultura y el corazón del indio y del negro de nuestro continente. La Madre Laura centra su Eclesiología en el amor y la obediencia a la Iglesia. Vive para la Iglesia a quien ama entrañablemente, y para extender sus fronteras no mide dificultades, sacrificios, humillaciones y calumnias. Esta infatigable misionera, pasó nueve años en silla de ruedas sin dejar su apostolado de la palabra y de la pluma. Después de una larga y penosa agonía, murió en Medellín el 21 de octubre de 1949. A su muerte dejó extendida su Congregación de Misioneras en 90 casas distribuidas en tres países, con un número de 467 religiosas. En la actualidad las Misioneras trabajan en 19 países distribuidas en América, África y Europa. Por todo lo que vivió hizo y significo la Madre Laura en su época y por todo lo que seguirá significando para la sociedad, la Congregación y la Iglesia, hoy la Congregación por ella fundada se llena de alegría al ver concretizado y culminado su proceso de Beatificación, abierto el 4 de julio de 1963, en la capilla de la Curia Arquidiocesana de Medellín, en el cual se nombró el tribunal eclesiástico para buscar diligentemente los escritos de la Sierva de Dios Laura Montoya Upegui, instruir el proceso informativo sobre su fama de santidad, virtudes en general y posibles milagros realizados por la Sierva de Dios. Hoy este proceso que duro cuarenta años ha llegado a su culminación, cuando el 25 de abril de 2004, S.S. Juan Pablo II la proclamara beata de la Iglesia. Reproducido con autorización de Vatican.va

92026 > Beata Laura di Santa Caterina da Siena Montoya y Upegui Fondatrice 21 ottobre MR


90222 >
Santa Letizia 21 ottobre

74570 > San Malco Eremita 21 ottobre MR


74630 >
San Mauronto di Marsiglia Vescovo 21 ottobre MR


91705 >
Sant' Odilia Martire 21 ottobre


• Pedro Capucci, Beato
Octubre 21 Presbítero Dominico,

Pedro Capucci, Beato

Pedro Capucci, Beato

Martirologio Romano: En la ciudad de Cortona, en la Toscana, beato Pedro Capucci, presbítero de la Orden de Predicadores, el cual, meditando sobre la muerte, se ejercitó en la vida espiritual y con su predicación exhortó a los fieles a evitar la muerte eterna (1445). Fecha de Beatificación: El culto fue confirmado por el Papa Pío VII. Poseemos muy pocos datos acerca de la vida del Beato Pedro, debido a que los archivos del convento de Cortona, donde vivió la mayor parte de su vida, quedaron destruidos durante un incendio.  Nació en Tiferno (Cita di Castello), en 1390 en el seno de la familia Capucci. A los quince años tomó el hábito de Santo Domingo. En el convento de Cortona, donde hizo el noviciado bajo la dirección del Beato Lorenzo de Ripafratta, conoció a San Antonino y a Fray Angélico.  El Beato Lorenzo le recomendó que se dedicase más bien a la contemplación que a la acción, pero las lecciones del Breviario hacen notar que Pedro estaba siempre pronto a ejercitar los ministerios sacerdotales con cuantos se lo pidiesen, tanto dentro como fuera del monasterio.  Se refieren varios milagros obrados por este beato. Una vez, encontró en la calle a un hombre de mala vida y le detuvo para decirle: "¿Qué maldad estás tramando?, ¿Cuánto tiempo vas a seguir añadiendo pecado sobre pecado? No te quedan más que veinticuatro horas de vida, al fin de las cuales, tendrás que dar cuenta a Dios de tus actos". El hombre se intranquilizó, pero no hizo caso. Aquella misma noche sufrió un grave accidente y, en seguida mandó llamar al Beato Pedro, con quien se confesó humildemente antes de morir.  El beato solía predicar con una calavera en la mano. Su culto fue confirmado por Pío VII.

90810 > Beato Piero Capucci Domenicano 21 ottobre MR

• Pedro Yu Tae-ch’l, Santo
Octubre 21 Niño Mártir,

Pedro Yu Tae-ch’l, Santo

Pedro Yu Tae-ch’l, Santo

Martirologio Romano: En Seúl, en Corea, san Pedro Yu Tae-ch’l, mártir, que a los trece años exhortaba a los compañeros de cárcel a aceptar los tormentos, consumando su martirio al recibir cien azotes y ser estrangulado (1839). Fecha de canonización: 6 de mayo de 1984, por S.S. Juan Pablo II. Desde los primeros siglos, siempre ha sido muy difícil encontrar información segura sobre los mártires, ya que, aunque constituyen el grupo más grande de los santos, los cristianos probablemente nunca han considerado correcto recopilar los detalles de su existencia terrena, sino más bien poner debida atención en su último testimonio de fe cristiana, el cual lo realizó con el derramamiento de su sangre. Este problema subsiste incluso con mártires de los tiempos modernos, especialmente si vivía en algún rincón remoto del planeta, o si murió a una edad temprana. Y éste es indisputablemente el caso del mártir que recordamos hoy: San Pedro Yu Tae-ch’l, de nacionalidad coreana y muerto con apenas trece años.  Pedro nació en 1826 en Ipjeong, cerca de Seúl. A la edad de trece años (aproximadamente, porque no sabemos la fecha exacta de su nacimiento), fue encarcelado en Seúl por los enemigos de la fe cristiana. Durante su permanencia en la cárcel no paró de exhortar a los demás presos a resistir las torturas a las que eran sometidos. El padeció muchos sufrimientos, y consumó su martirio por estrangulación.  Fue beatificado en 1925 y canonizado por S.S. Juan Pablo II el 6 de mayo de 1984, con 102 mártires que regaron con su sangre el suelo de Corea. El grupo, conocido como "Santos Andrés Kim Taegön, Pablo Chöng Hasang y compañeros" es recordado el 20 de septiembre. Reproducido con autorización de Santiebeati.it  - responsable de la traducción: Xavier Villalta

92968 > San Pietro Yu Tae-ch’ol Giovane martire 21 ottobre MR

94762 > Beato Ponzio de Clariana Mercedario 21 ottobre

94761 > Beati Raimondo e Guglielmo da Granada Mercedari 21 ottobre


93648 >
Beato Sancio d’Aragona Arcivescovo di Toledo, martire 21 ottobre


74580 >
San Severino di Bordeaux Vescovo 21 ottobre MR

SANTA ÚRSULA e as 11 000 Virgens

Úrsula y compañeras, Santa
Úrsula e companheiras, Santa
No século IX descobriu-se em Colónia, numa igreja do século IV, uma epígrafe confusa, cujo princípio «XI M» se podia ler Onze Mártires ou Onze Mil. Adoptou-se a segunda leitura; e ficou entendido que fora para honrar 11 000 virgens martirizadas nesse local que a sobredita igreja foi construída. Na narrativa, chamada Paixão, fabricada para contar a história delas, lia-se que tinham fugido da Inglaterra com Úrsula, filha do rei, para escapar aos Saxões pagãos, que, segundo Úrsula ficara sabendo na oração, iam invadir esse país. Por desgraça, quando o navio com elas chegou a Colónia, já lá estava Átila com os seus Hunos. Ele quis casar-se com a princesa Úrsula e destinou para esposas dos seus guerreiros as outras. Mas tendo todas recusado sacrificar a própria virgindade, todas foram assassinadas; e ficou havendo, disse-se, mais de 11 000 «virgens e mártires» no paraíso. O bom êxito deste romance foi enorme. Santa Úrsula tornou-se popular na Europa inteira; a universidade de Paris e o instituto de Santa Ângela Merici (Ursulinas) tomaram-na como padroeira. Todas as igrejas quiseram ter relíquias das Onze Mil Virgens; graças a um antigo cemitério descoberto em Colónia em 1106, foi possível satisfazer tantos pedidos. Do livro SANTOS DE CADA DIA, de www.jesuitas.pt. Ver também www.es.catholic e www.santiebeati.it. Comentários ao P. Felipe Santos: fsantossdb@hotmail.com

Úrsula y compañeras, Santa
Octubre 21 Mártir,

Úrsula y compañeras, Santa

Úrsula y compañeras, Santa

Martirologio Romano: En la ciudad de Colonia, en Germania, conmemoración de las santas vírgenes que entregaron su vida por Cristo, en el lugar de la ciudad donde después se levantó una basílica dedicada a santa Úrsula, virgen inocente, considerada como la principal del grupo (c. s. IV). Etimología: Úrsula = aquella que es como una osita. Viene de la lengua latina. Fecha de canonización: Información no disponible, la antigüedad de los documentos y de las técnicas usadas para archivarlos, la acción del clima, y en muchas ocasiones del mismo ser humano, han impedido que tengamos esta concreta información el día de hoy. Si sabemos que fue canonizado antes de la creación de la Congregación para la causa de los Santos, y que su culto fue aprobado por el Obispo de Roma, el Papa. En el siglo IX se descubrió en Colonia, Alemania, en una iglesia del siglo VI, un epígrafe enrollado que comienza así:" Martirio de Ursula y 11.000 vírgenes". Es un documento que engloba el martirio de estas vírgenes en el lugar sobre el que se construyó una preciosa iglesia. En la “Pasión” teatral inventada para narrar su historia, se puede ver que ellas provenían de Inglaterra con Ursula, hija del rey, escapando de los sajones paganos que estaban invadiendo el país.
Cuando su barco llegó a Colonia, Atila el terrible estaba por entonces allí con los Hunos. Atila, duro, fuerte, de mal carácter y muy pasional quiso casarse con la bella joven Ursula. Las otras se las entregaría a sus soldados para que las violaran o hicieran lo que quisieran con ellas.
Pero el fanfarrón no esperaba la respuesta de estas chicas. Cuando se les acercó y les hizo sus proposiciones, éstas respondieron todas al unísono con la negativa más rotunda que se puede imaginar. Enfurecido Atila, las mandó matar de la manera más dura posible. Durante toda la Edad Media corría de pueblo en pueblo un romance en el que se contaba la historia de estas mártires. Tuvo un éxito increíble. El Instituto de Angela de Mérici, ursulinas, la tomó como patrona de sus obras de apostolado. Gracias a un cementerio descubierto en Colonia, se pudieron ver los restos de estas valientes chicas que prefirieron la muerte antes que ofender al Señor. Sus reliquias abundan en muchos templos. El culto a santa Ursula y a sus compañeras se extendió muy pronto, y se levantaron muchas iglesia en su honor. En el siglo XIII la Sorbona la adoptó como patrona y lo mismo ocurrió en las universidades de Coimbra y de Viena. Comentarios al P. Felipe Santos: fsantossdb@hotmail.com

74550 > Sant' Orsola e compagne Martiri 21 ottobre MR

Áudio da RadioRai: e  RadioMaria:

• Vendelino, Santo
Outubro 21 Eremita,

Vendelino, Santo

Vendelino, Santo

Martirológio Romano: Em Tréveris, de Austrásia, em território que hoje pertence a Alemanha, santo Vendelino, eremita (s. VII). Príncipe de Escócia, nascido no ano 534, filho do rei Forchado e da Rainha Irelina. Foi educado pelo bispo local, Vendelino decidiu abandonar a vida da família real, e consagrar-se a Deus. Vestido de peregrino, Vendelino saiu de seu castelo no meio da noite, e deixou a vida mundana para trás.
Peregrinou a muitos lugares sagrados, chegando a Roma em 574. Durante uma audiência com o Papa Bento I, que lhe disse que seguisse seu desejo de ter uma vida unida a Deus. Viveu por uns tempos em Einsidel, Alemanha e logo como ermitão no bosque de Westerich. Durante uma viagem aos santuários em Tréveris, segundo informações, conheceu a um rico ladrão de caminhos. O ladrão o admoestou que fosse um mendigo quando obviamente era muito capaz de ganhar a vida. Trabalhou para o ladrão como porqueiro, até que encontrou que não havia tempo para suas orações. Foi transferido a criar gado, Vendelino de novo teve tempo para a oração. Sem embargo, o rebanho que atendia cresceu tão rápido que cedo se encontrou outra vez com excesso de trabalho. Desta vez foi transferido a cuidar ovelhas, um trabalho tradicionalmente destinado às crianças ou aos homens mais velhos, já que era menos exigente fisicamente. Ainda quando seu rebanho cresceu, tinha tempo para a oração. A lenda diz que Deus transportava a Vendelino e seus rebanhos à antiga ermida muitas vezes, e logo regressava pela noite.
No ano 590 era ermitão em Tréveris, e em 597 era abade em Tholey, onde faleceu por volta do ano 617.

 

Vendelino, Santo
Octubre 21 Eremita,

Vendelino, Santo

Vendelino, Santo

Martirologio Romano: En Tréveris, de Austrasia, en territorio que hoy pertenece a Alemania, san Vendelino, eremita (s. VII). Príncipe de Escocia, nacido en el año 534, hijo del rey Forchado y la Reina Irelina. Fue educado por el obispo local, Vendelino decidió abandonar la vida en la familia real, y consagrarse a Dios. Vestido de peregrino, Vendelino salió de su castillo en el medio de la noche, y dejó la vida mundana atrás. Peregrinó a muchos lugares sagrados, llegando a Roma en 574. Durante una audiencia con el Papa Benedicto I, quien le dijo que siguiera su deseo de tener una vida unida a Dios. Vivió por un tiempo en Einsidel, Alemania y luego como ermitaño en el bosque de Westerich.
Durante un viaje a los santuarios en Tréveris, según los informes, conoció a un rico ladrón de caminos. El ladrón le amonestó que fuera un mendigo cuando obviamente era muy capaz de ganarse la vida. Trabajó para el ladrón como un porquero, hasta que encontró que no había tiempo para sus oraciones. Fue transferido a criar ganado, Vendelino de nuevo tuvo tiempo para la oración. Sin embargo, el rebaño que atendía creció tan rápido que pronto se encontró de nuevo con exceso de trabajo. Esta vez fue transferido a cuidar ovejas, un trabajo tradicionalmente asignado a los niños o a los hombres mayores, ya que era menos exigente físicamente. Aun cuando su rebaño creció, tenía tiempo para la oración. La leyenda dice que Dios trasportaba a Vendelino y sus rebaño a la antigua ermita muchas veces, y luego los regresaba por la noche. Para el año 590 era ermitaño en Tréveris, y para el año 597 era abad en Tholey, donde falleció alrededor del año 617.

74620 > San Vendelino Eremita 21 ottobre MR

74610 > San Viatore di Lione Monaco in Egitto 21 ottobre MR


91584 > Santa Zaira Martire 21 ottobre

 

 

0000000000000000000000000000000

Quero manifestar aqui os meus desejos de um

Muito Feliz Aniversário,

cheio das Bênçãos do Senhor e muita

PAZ, SAÚDE e AMOR (a Deus e aos homens),

ao Reverendo Padre Doutor MANUEL CORREIA FERNANDES,

Pároco da Igreja da Senhora do Porto

e da Comunidade de S. Paulo do Viso,

Director da VOZ PORTUCALENSE, (além de outros cargos)

que hoje completa 71 anos de idade,

e que Deus permita que o seja por muitos mais anos, o

NOSSO PASTOR

António Fonseca

===================================

0000000000000000000000000000000000000000000000

$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$

«««««««««««««««««««««««««««««««««««««««««««««««««««««««»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»

WWW.JESUITAS.PT.

WWW.ES.CATHOLIC.NET/SANTORAL

WWW. SANTIEBEATI.IT

Sites utilizados: Os textos completos são recolhidos através do livro SANTOS DE CADA DIA, de www.jesuitas.pt. em que também incluo imagens recolhidas através de http://es.catholic.net/santoral,; em seguida os textos deste mesmo site sem tradução e com imagens, e por último apenas os nomes e imagens de HTTP://santiebeati.it.

NOTA INFORMATIVA: Como já devem ter reparado, de vez em quando, segundo a sua importância há uma exceção da 1ª biografia, que mais sobressai, – quando se trate de um dia especial, dedicado a Jesus Cristo, a Nossa Senhora, Anjos ou algum Santo, em particular – todos os restantes nomes (que não constem do livro citado – nem tampouco dos outros sites) surgem por Ordem alfabética, uma, duas ou três vezes, conforme figurem nos três sites indicados, que poderão ser consultados - se assim o desejarem – pelos meus eventuais leitores. LOGICAMENTE E POR ESSE FACTO, DIARIAMENTE, O ESPAÇO OCUPADO, NUNCA É IGUAL, ACONTECENDO POR VEZES QUE É DEMASIADO EXTENSO. As minhas desculpas e obrigado.

Responsabilidade exclusiva de ANTÓNIO FONSECA