OS MEUS DESEJOS PARA TODOS

RecadosOnline.com

quarta-feira, 9 de novembro de 2011

Coragem: Defrontando a política cara a cara - 9-Novembro-2011

 

As Verdades que precisavam de ser ditas

Os meus Parabéns a este Português.

País

Popular confronta Vara à entrada do julgamento Face Oculta

 

Um popular confrontou hoje Armando Vara à entrada do julgamento do processo Face Oculta. "Todos os nossos políticos deviam ser julgados, porque a nossa geração e a dos meus filhos estão a pagar pela classe política", disse o popular.

2011-11-09 11:06:05

http://www.rtp.pt/noticias/?t=Popular-confronta-Vara-a-entrada-do-julgamento-Face-Oculta.rtp&headline=20&visual=9&article=497556&tm=8

 

 

Retirado do Telejornal da RTP, no noticiário desta noite, para publicar neste blogue, por

 

António Fonseca

Blogs católicos – 9 de Novembro de 2011

New post on Fratres in Unum.com


Paris: cinco mil católicos marcham contra a cristianofobia e as obras blasfemas.

by G. M. Ferretti

Por Catolicidad | Tradução: Fratres in Unum.com

O evento organizado em Paris pela Civitas e apoiado por diversos movimentos e associações católicas, no sábado, 29 de outubro de 2011, foi um grande sucesso. Ele contou com a participação de cerca de 5.000 pessoas - em sua maioria jovens –, que percorreram as ruas da capital francesa sob chuva, por trás de um cartaz com os dizeres: "A França é e deve continuar sendo católica". Diversos sacerdotes também participaram da marcha. O evento serviu para denunciar os ataques de ódio e desprezo sofridos pelo cristianismo e a figura de Cristo na comunidade chamada "cultural", a cristianofobia em geral e, particularmente, contra as obras de teatro blasfemas, tanto a que está sendo exibida como outra que se pretende apresentar. Foi uma longa e digna caminhada, com slogans, cantos e orações. As cifras dos manifestantes superaram as estimativas, que haviam sido calculavam em centenas ao invés de milhares de participantes. A prefeitura desviou o curso da marcha até um lugar estreito, muito distante de onde ocorreu a blasfêmia.

Evento improvisado posterior à marcha

Culminada a marcha e depois de vigorosos discursos, entre eles o de Alain Escada, secretário geral da Civitas, e do Padre de Cacqueray (FSSPX), a manifestação se dispersou. Mais tarde, vários desses participantes seguiram junto com alguns grupos ao Place du Châtelet, com vontade de protestar contra o teatro onde a obra se desenvolvia, diante da presença de Frédéric Mitterrand, "o ministro de Cultura."

A república é laica, a França é católica!

A república é laica, a França é católica!

O primeiro grupo de jovens católicos chegou ali pacificamente, porém, teve que dar marcha à ré porque a Compagnies Républicaines de Sécurité da Polícia Nacional da França os recebeu atirando gás lacrimogêneo contra a multidão, sem perdoar nem mesmo os sacerdotes presentes. Com grande tensão, frente a frente, os católicos se ajoelharam e começaram a rezar o rosário varonilmente. Os sacerdotes se encontravam na primeira linha à frente dos fiéis. Outros grupos dos manifestantes chegaram depois (cerca de 400 pessoas no total), e de novo se fez a mesma coisa que a noite anterior: orações, cantos e lemas, durante duas horas antes da dispersão geral às 23h. Como dado curioso informamos que durante a marcha um grupo de muçulmanos do Centro Zahra (chiítas) simpatizou com os católicos e se uniu a eles, a mesma coisa ocorrida em evento improvisado na Place du Châtelet, um pequeno grupo de islamistas de "Forsan Alizza".

G. M. Ferretti | novembro 8, 2011 at 4:28 pm | Categorias: Atualidades | Categories: Igreja | URL: http://wp.me/pgELf-4iO

///////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////

 

New post on Fratres in Unum.com


O caixa eletrônico ecumênico.

by G. M. Ferretti

IHU - Você sente a necessidade de rezar, mas está sozinho e talvez se esqueceu das orações? A tecnologia em nome da fé lhe socorre.

A reportagem é de Andrea Tarquini, publicada no jornal La Repubblica, 07-11-2011. A tradução é de Moisés Sbardelotto.

A ideia estreou nas secularíssimas Berlim e Frankfurt. Chama-se Gebetomat (máquina automática de orações). Quase um "caixa-eletrônico" do Pai Nosso, aberto a todas as religiões. Parece uma máquina automática de fotos: você entra, se senta, fecha a cortina. Na tela, você escolhe primeiro entre as religiões – isto é, cristãos de várias denominações, muçulmanos, judeus, budistas, hindus ou outras. Depois a língua, depois todas as orações disponíveis, do Pai Nosso em letão a hinos dos sufis, passando por louvores a Krishna. Pelo menos 300 orações em 65 línguas, escolha ampliável graças à eletrônica. Oliver Sturm, o inventor do "caixa-eletrônico" da fé, foi ajudado por adventistas de Gana residentes no país, pelas mesquitas do bairro turco de Neukölln, pelos museus etnológicos para a invocação dos espíritos dos Mares do Sul. Na Alemanha do papa, em que a Igreja Católica foi atingida por uma grave crise de vocações, quem sabe quantas pessoas despertarão para alguma fé por meio da máquina das orações, impessoal, mas prática.

G. M. Ferretti | novembro 9, 2011 at 8:36 am | Categorias: Atualidades | Categories: Atualidades | URL: http://wp.me/pgELf-4iY

////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////

New post on Fratres in Unum.com


Dissidentes católicos desafiam os bispos austríacos.

by G. M. Ferretti

Por Secretum Meum Mihi | Tradução: Fratres in Unum.com

VIENA (Reuters) - Dissidentes católicos austríacos anunciaram que pessoas leigas começarão a celebrar missas quando não houver um sacerdote disponível, em um chamado claro à desobediência em momentos em que os bispos do país celebram a sua conferência de outono. Um manifesto adotado por dezenas de ativistas durante o fim de semana enfatizou que os leigos pregarão, consagrarão e darão a comunhão nas paróquias sem sacerdotes, disse na segunda-feira Hans Peter Hurka, responsável do grupo Somos Igreja. "A lei da Igreja o proíbe. A pergunta que se faz é: pode a lei da Igreja prevalecer sobre a Bíblia? Somos da opinião, baseando-nos nas conclusões do Concílio Vaticano II, que isso (a proibição) não é possível", acrescentou. A Igreja Católica só permite que sacerdotes ordenados presidam a missa. Hurka destacou que os dissidentes levavam tempo planejando o encontro, mas que estavam encantados de que se realizasse precisamente antes de uma sessão ordinária de quatro dias da conferência dos bispos, que começava na segunda-feira. Disse que queria que os bispos, liderados pelo cardeal de Viena, Christoph Schoenborn, respondessem ao documento, o último de uma série de desafios expostos pelos reformistas católicos na Áustria. "Basicamente o esperamos porque os pedidos de reforma não são especialmente novos", declarou. Os bispos receberam uma cópia do manifesto no sábado, acrescentou. Schönborn, um ex-aluno e amigo próximo do Papa Bento XVI, descartou mudanças de grande alcance solicitadas por sacerdotes dissidentes liderados por seu ex-número dois, o padre Helmut Schueller. Considerado um possível futuro Papa, o cardeal disse que não levaria a sua diocese a romper com o Vaticano permitindo que o clero desobedecesse as normas da Igreja depois que um grupo de sacerdotes emitiu um "Chamado à Desobediência" para tentar fazer pressão por reformas. O grupo, que disse representar cerca de 10 por cento do clero austríaco, desafiou a Igreja doutrinando sobre temas tabu, como o celibato sacerdotal e a ordenação de mulheres. Os sacerdotes dissidentes, que têm um amplo respaldo público nas pesquisas de opinião, também dizem que romperão as normas da Igreja dando a Comunhão a protestantes e casando novamente católicos divorciados. Católicos austríacos reformistas têm desafiado durante décadas as políticas conservadoras de Bento XVI e seu predecessor João Paulo II, criando movimentos de protesto e pedindo mudanças que o Vaticano se nega a realizar. Grupos reformistas católicos na Alemanha, Irlanda e Estados Unidos fizeram exigências semelhantes. Um número recorde de 87.000 austríacos abandonou a Igreja em 2010, muitos em reação aos escândalos de abusos sexuais.

G. M. Ferretti | novembro 9, 2011 at 11:00 am | Categorias: Atualidades | Categories: Atualidades | URL: http://wp.me/pgELf-4j7

/////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////

 

New post on Fratres in Unum.com


Depois de Assis III. Algumas reflexões.

by G. M. Ferretti

por Roberto de Mattei

Como signatário de um apelo a Sua Santidade Bento XVI para que voltasse atrás da decisão de celebrar o 25º aniversário do primeiro encontro inter-religioso de Assis, havida a reunião, não posso deixar de manifestar algumas reflexões a respeito. Seja qual for o juízo que se queira dar sobre a terceira reunião de Assis, deve-se enfatizar que esta representou uma objetiva correção de rota em relação às duas reuniões precedentes, especialmente quanto ao perigo de sincretismo. Deve ser lido, a este respeito, com atenção, o discurso do Cardeal Raymond Leo Burke ao 'Congresso Peregrinos da Verdade para Assis', realizado no dia 1º de outubro passado em Roma, o qual oferece uma confiável chave para a interpretação do evento. Na 'jornada de reflexão, diálogo e oração pela paz e a justiça no mundo', que ocorreu em 27 de outubro, não houve nenhum momento de oração por parte dos presentes, nem em comum nem em paralelo, como ocorrera em 1986 com os vários grupos religiosos reunidos em diversos lugares da cidade de São Francisco. É sabido, em qualquer caso, que o então cardeal Ratzinger evitou participar da reunião, e a sua ausência foi interpretada como uma tomada de distância dos equívocos que a iniciativa era destinada a produzir.

Continue lendo...

G. M. Ferretti | novembro 9, 2011 at 1:24 pm | Categorias: Diálogo Inter-religioso, Ecumenismo, Roberto de Mattei | Categories: Atualidades, Igreja | URL: http://wp.me/pgELf-4jb

///////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////

SSVP-CGI Notícias


Link to SSVP-CGI em português


MENSAGEM CIRCULAR DO PRESIDENTE GERAL PARA O GRUPO DA JUVENTUDE VICENTINA (GJV) REUNIDO EM MADRI, EM AGOSTO DE 2011

Posted: 03 Nov 2011 09:44 AM PDT

SSVP Michael Thio

Com o ano de 2011 tendo sido declarado “O ANO DA JUVENTUDE” e em conjunto com o “DIA MUNDIAL DA JUVENTUDE” que aconteceu em Madrid em Agosto de 2011 com a presença do Santo Padre, o Papa Bento XVI, o “ENCONTRO DA JUVENTUDE VICENTINA” aconteceu poucos dias antes do “Dia Mundial da Juventude”.

Leia mais...

)))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))

LEITURA ORANTE


Jo 2,13-22 - Purificar, limpar o templo

Posted: 08 Nov 2011 06:01 PM PST

Preparo-me para a Leitura Orante, fazendo uma rede de comunicação e comunhão em torno da Palavra com todas as pessoas que circulam neste ambiente
virtual.
  Graça e Paz a todos os que se reúnem aqui, na web, em torno da Palavra. Juntos, rezamos ou cantamos o Salmo 94:

(Se, em grupo, pode ser rezado em dois coros ou um solista e os demais repetem)

- Venham, ó nações, ao Senhor cantar (bis)

- Ao Deus do universo, venham festejar (bis)

- Seu amor por nós, firme para sempre (bis)

- Sua fidelidade dura eternamente (bis)

- Toda a terra aclame, cante ao Senhor (bis)

- Sirva com alegria, venha com fervor (bis)

- Nossas mãos orantes para o céu subindo (bis)

- Cheguem como oferenda ao som deste hino (bis)

- Glória ao Pai, ao Filho e ao Santo Espírito (bis)

- Glória à Trindade Santa, glória ao Deus bendito (bis)

1. Leitura (Verdade)

O que diz o texto do dia?
Leio atentamente, na Bíblia, o texto: Jo 2, 13-22.
Alguns dias antes da Páscoa dos judeus, Jesus foi até a cidade de Jerusalém. No pátio do Templo encontrou pessoas vendendo bois, ovelhas e pombas; e viu também os que, sentados às suas mesas, trocavam dinheiro para o povo. Então ele fez um chicote de cordas e expulsou toda aquela gente dali e também as ovelhas e os bois. Virou as mesas dos que trocavam dinheiro, e as moedas se espalharam pelo chão. E disse aos que vendiam pombas:
- Tirem tudo isto daqui! Parem de fazer da casa do meu Pai um mercado!
Então os discípulos dele lembraram das palavras das Escrituras Sagradas que dizem: "O meu amor pela tua casa, ó Deus, queima dentro de mim como fogo."
Aí os líderes judeus perguntaram:
- Que milagre você pode fazer para nos provar que tem autoridade para fazer isso?
Jesus respondeu:
- Derrubem este Templo, e eu o construirei de novo em três dias!
Eles disseram:
- A construção deste Templo levou quarenta e seis anos, e você diz que vai construí-lo de novo em três dias?
Porém o templo do qual Jesus estava falando era o seu próprio corpo. Quando Jesus foi ressuscitado, os seus discípulos lembraram que ele tinha dito isso e então creram nas Escrituras Sagradas e nas palavras dele.

O Evangelho nos fala do templo, que é símbolo da religião. Em Jerusalém, no tempo de Jesus, o templo era o lugar privilegiado de encontro com Deus. A celebração da Páscoa consumia grande quantidade de bois, ovelhas e pombas; com licença das autoridades do templo, um átrio se convertia em estábulo ou mercado. Para o tributo do templo ou para oferendas voluntárias, o povo que vinha de outros países tinha que trocar dinheiro. Jesus chega a Jerusalém por ocasião da festa de Páscoa, e expulsa todos do templo: os comerciantes, e também os próprios animais do sacrifício. Simbolicamente, ele expulsou o culto praticado ali. (Zc 14,21)
"O zelo por tua casa me devora", diz Jesus tomando as palavras do Salmo 69,10. Jesus quer purificar o templo que se transformara em lugar de comércio, de troca de moeda, de exploração do povo pobre e de enriquecimento da classe sacerdotal. A ação de Jesus podia ser interpretada por seus contemporâneos na linha dos protestos proféticos contra a profanação da casa de Deus. Purificar, limpar aquele templo era o sinal de que a era messiânica havia chegado. A ação de Jesus era grave porque o templo era o centro econômico, político e ideológico do judaísmo daquela época. Jesus estava atacando a raiz da estrutura social.

2. Meditação (Caminho)
O que o texto diz para mim, hoje?
A reação de Jesus diante dos vendedores e cambistas que comerciavam dentro do templo de Jerusalém, serve para nós como uma exortação para que não instrumentalizemos as coisas de Deus, como suporte dos nossos interesses. Ao mesmo tempo em que nós devemos respeitar a casa de Deus como um lugar sagrado, de recolhimento e oração, nós também precisamos fazer do nosso interior um templo sagrado onde habita Deus. Assim como Jesus expulsou os vendilhões do templo, nós também com toda determinação necessitamos expulsar do nosso coração tudo o que possa transformar o nosso interior numa casa de negócios, onde paire os pensamentos maus, interesseiros e as más intenções. "O zelo por tua casa me devora". O bem-aventurado Alberione transmitiu à Família Paulina uma espiritualidade integral que engloba toda a pessoa: mente, vontade e coração. Segundo ele, nossos pensamentos motivam nossos sentimentos e estes, determinam as nossas ações. Pense um pouco: o que tem ocupado os seus pensamentos? - As motivações que tenho são saudáveis para a minha vida e a dos meus irmãos? Tenho dificuldade em perdoar, deixando " inutilidades" no meu coração? Confio em Deus?


3.Oração (Vida)
O que o texto me leva a dizer a Deus?
Rezo, espontaneamente, com salmos e concluo com a oração do bem-aventurado Alberione, cuja festa celebramos no dia 26 de novembro.
"Jesus, Mestre:
que eu pense com a tua inteligência, com a tua sabedoria.
Que eu ame com o teu coração.
Que eu veja com os teus olhos.
Que eu fale com a tua língua.
Que eu ouça com os teus ouvidos.
Que as minhas mãos sejam as tuas.
Que os meus pés estejam sobre as tuas pegadas.
Que eu reze com as tuas orações.
Que eu celebre como tu te imolaste.
Que eu esteja em ti e tu em mim. Amém".

4.Contemplação (Vida e Missão)
Qual meu novo olhar a partir da Palavra? Sinto-me discípulo/a de Jesus?
Meu olhar, neste dia, será iluminado pela presença de Jesus Cristo, acolhido no meu coração, sua morada e Templo.

Bênção
- Deus nos abençoe e nos guarde. Amém.
- Ele nos mostre a sua face e se compadeça de nós. Amém.
- Volte para nós o seu olhar e nos dê a sua paz. Amém.
- Abençoe-nos Deus misericordioso, Pai e Filho e Espírito Santo. Amém. Irmã Patrícia Silva, fsp

Uma sugestão para gesto concreto:
- No blog da Leitura Orante - http://leituraorantedapalavra.blogspot.com/ - , no início, do lado direito, clique no selo TOPBLOG e vote quantas vezes quiser. Assim, você se demonstra missionário/a e coloca a Palavra de Deus no topo do blog e da sua vida. O blog já está entre os 100 classificados no 1º Turno.
- Se quiser receber em seu endereço eletrônico o Evangelho do Dia, acesse o seguinte endereço e preencha o formulário de cadastro - http://www.paulinas.org.br/loja/CentralUsuarioLogin.aspx

- Ou, receba também, assinando o RSS no blog http://leituraorantedapalavra.blogspot.com/

)))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))

info.pt@josemariaescriva.info

 
~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~
Aconteceu nesta data
~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~
:: 9 de novembro: Dedicação da Basílica de São João de Latrão de Roma ::
A Igreja celebra a festa da dedicação da Basílica de São João de Latrão, de Roma, primeira basílica da cristandade e a igreja que tem como bispo o sucessor de Pedro. “A nossa Santa Mãe a Igreja, escreve São Josemaria em Forja (n. 638) - em magnífica extensão de amor, vai espalhando a semente do Evangelho por todo o mundo. De Roma à periferia. - Ao colaborares nessa expansão, pelo orbe inteiro, leva a periferia ao Papa, para que a terra toda seja um só rebanho e um só Pastor: um só apostolado!


http://www.pt.josemariaescriva.info/artigo/9-11-2009


~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~
Relatos
~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~
:: Uma viagem de catequese na Península Ibérica (1972) ::
Anos 70. Terminado o Concílio, muitos lançaram-se em interpretações arbitrárias e arriscadas dos seus textos. S. Josemaria sentia a necessidade de pregar a verdade em voz alta, dar doutrina abundante para combater a confusão. Decidiu fazer uma viagem de catequese, como dizia. O projeto consistia em percorrer a Península Ibérica de uma ponta à outra detendo-se nos principais locais onde pudessem acorrer pessoas que estivessem em contacto com as obras apostólicas do Opus Dei.
http://www.pt.josemariaescriva.info/artigo/uma-viagem-de-catequese-na-peninsula-iberica


~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~
Escrevem-nos
~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~
:: Mistérios da tecnologia? ::
No dia 6 de Outubro liguei o computador e, para minha surpresa, estava completamente limpo, como se tivesse sido acabado de comprar. Tinha ali a minha tese do Mestrado em que estou a trabalhar.
http://www.pt.josemariaescriva.info/artigo/misterios-da-tecnologia3f


~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~
Para falar com Deus
~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~
:: Um Juiz que é Pai e Amigo ::
"Achei graça ao ouvi-lo falar na 'conta' que Ihe pedirá Nosso Senhor. Não, para vós não será Juiz - no sentido austero da palavra - mas simplesmente Jesus".
- Esta frase, escrita por um Bispo santo, que consolou mais de um coração atribulado, bem pode consolar o teu.
http://www.pt.josemariaescriva.info/artigo/um-juiz-que-e-pai-e-amigo


~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~
De Roma
~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~
:: Bento XVI: a fé na vida eterna ::
2 de Novembro, 2011. Romereports. Durante a audiência geral, Bento XVI falou sobre a morte e recordou os fiéis defuntos.
http://www.pt.josemariaescriva.info/artigo/bento-xvi3a-a-fe-na-vida-eterna


~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~
Notícias
~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~
:: Como os primeiros cristãos ::
D. Javier Echevarría dirige-se aos fiéis da Prelatura do Opus Dei numa extensa carta, em que trata de alguns aspectos do espírito que Deus fez ver a S. Josemaria no dia 2 de outubro de 1928, e da sua atualidade.
http://www.pt.josemariaescriva.info/artigo/como-os-primeiros-criste3os


~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~
Relatos
~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~
:: Conheci São Josemaria no dia 2 de Novembro de 1948 ::
- Javi! E acrescentou já com uma voz muito débil, quando o Pe. Javier entrava na sala – Não estou bem. Foram as últimas palavras de Josemaria, Fundador do Opus Dei, aqui na terra. Era meio-dia de 26 de Junho de 1975, em Roma.
http://www.pt.josemariaescriva.info/artigo/2-de-novembro-de-19483a-javier-echevarria2c-actual-prelado-do-opus-dei2c-conhece-o-sao-josemaria
((((((((((((((((((((((((((((((((((((((((((((((((((((((((((((((

Transcrição de Fratres in Unum, Telefone Esperança Portugal-Leitura Orante, SSVP e info.pt@josemariaescriva.info detalhes
é da responsabilidade exclusiva do autor deste blogue SÃO PAULO (e Vidas de Santos),
António Fonseca

9-Novembro-2011 - Como construir o reino de paz? Bento XVI responde

De:

Contato

Católicos

Via Lumina

 

Como construir o reino de paz?

Como construir o reino de paz? Bento XVI responde

Como podemos construir este reino de paz de que Cristo é o rei? Como Jesus, os mensageiros de paz do seu reino devem colocar-se a caminho, devem responder ao seu convite – ‘Ide, pois, e fazei discípulos todos os povos [...] Eis que estou convosco todos os dias, até o fim do mundo’ (Mt 28,19)”, indicou o Papa Bento XVI na Catequese desta quarta-feira, 26.

O encontro acontece na véspera da Jornada de Reflexão, Diálogo e Oração pela Paz e Justiça no Mundo, marcada para esta quinta-feira, 27/10, em Assis, na comemoração dos 25 anos do primeiro histórico encontro convocado pelo Beato João Paulo II. Em virtude disso, a Catequese assumiu um modelo diferente, sob a forma de Celebração da Palavra.

Como cristãos, estamos convencidos de que a contribuição mais preciosa que podemos dar à causa da paz é aquela da oração. [...] O Senhor pode iluminar a nossa mente e os nossos corações e guiar-nos para sermos construtores da justiça e da reconciliação nas nossas realidades quotidianas e no mundo”, salientou.

Queridos irmãos e irmãs, como cristãos, desejamos invocar de Deus o dom da paz, desejamos rezar para que Ele nos torne instrumentos da sua paz em um mundo ainda lacerado pelo ódio, por egoísmos, por guerras. Desejamos pedir-Lhe que o encontro de amanhã, em Assis, favoreça o diálogo entre pessoas de diversas pertenças religiosas e leve um raio de luz capaz de iluminar a mente e o coração de todos os homens, para que o rancor dê espaço ao perdão, a divisão à reconciliação, a violência à delicadeza, e, no mundo, reine a paz”, afirmou.

Ele explicou que quis dar a esta Jornada o título “Peregrino da verdade, peregrinos da paz” para significar “o compromisso que desejamos solenemente renovar, juntamente com os membros de diversas religiões, e também com homens não crentes, mas sinceramente em busca da verdade, na promoção do verdadeiro bem da humanidade e na construção da paz. Como já tive oportunidade de recordar, ‘quem está em caminho rumo a Deus não pode deixar de transmitir a paz, quem constrói a paz não pode deixar de aproximar-se de Deus’”.

Liturgia da Palavra

O Evangelho proclamado (cf. Lc 10,1-3) narra que Jesus envia seus discípulos “como cordeiros em meio a lobos” (v. 3), sem bolsas, sacos ou sandálias (cf. v. 4).

“São João Crisóstomo, em uma das suas Homilias, comenta: ‘Enquanto formos cordeiros, venceremos, e, ainda que sejamos circundados por numerosos lobos, chegaremos a superá-los. Mas, se nos tornarmos lobos, seremos derrotados, porque estaremos privados do auxílio do pastor’. Os cristãos não devem nunca cair na tentação de se tornarem lobos entre os lobos; não é com o poder, com a força, com a violência que o reino de paz de Cristo se estende, mas com o dom de si, com o amor levado ao extremo, também com relação aos inimigos. Jesus não vence o mundo com a força das armas, mas com a força da Cruz, que é a verdadeira garantia da vitória. E isso tem como consequência, para quem deseja ser discípulo do Senhor, seu enviado, o estar pronto também para a paixão e o martírio, a perder a própria vida por Ele, para que, no mundo, triunfem o bem, o amor, a paz”, salientou.

Já no trecho do profeta Zacarias, também lido na Celebração, fala-se de um rei: “Eis que vem a ti o teu rei, justo e vitorioso” (v. 9). Esse rei é Jesus, aquele que nasce envolto em faixas em uma manjedoura e, antes de sua Paixão, Morte e Ressurreição, entra em Jerusalém, a Cidade Santa, montado em um jumento.

Ele é um rei pobre, o rei daqueles que são os pobres de Deus. [...] Jesus é o rei dos anawim, daqueles que têm o coração livre da ânsia do poder e riqueza material, da vontade e da busca de domínio sobre o outro. Jesus é o rei de quantos têm aquela liberdade interior que os torna capazes de superar a ganância, o egoísmo que está no mundo, e sabem que Deus somente é a sua riqueza. Jesus é rei pobre entre os pobres, brando entre aqueles que desejam ser brandos. Deste modo, Ele é o rei da paz, graças ao poder de Deus, que é o poder do bem, o poder do amor. [...] Um rei que realiza a paz sobre a Cruz, conjugando a terra e o céu e lançando uma ponte fraterna entre todos os homens. A Cruz é o novo arco da paz, sinal e instrumento de reconciliação, de perdão, de compreensão, sinal de que o amor é mais forte do que toda a violência e opressão, mais forte do que a morte: o mal se vence com o bem, com o amor”, destaca Bento XVI.

Segundo o Papa, o anúncio da paz acontece hoje na grande rede das comunidades eucarísticas que se estende sobre toda a terra. É um grande mosaico de comunidades, nas quais se torna presente o sacrifício de amor deste rei manso e pacífico; é o grande mosaico que constitui o “Reino de paz” de Jesus. “O Senhor vem na Eucaristia para tolher-nos do nosso individualismo, dos nossos particularismos que excluem os outros, para formar-nos em um só corpo, um só reino de paz em um mundo dividido”, ressalta.

A audiência

O encontro do Santo Padre com os cerca de 15 mil fiéis que foram ao Vaticano aconteceu às 10h30 (horário de Roma – 6h30 no horário de Brasília). Devido ao mau tempo em Roma, o encontro foi transferido da Praça de São Pedro para a Sala Paulo VI. Como esse local não comporta um número tão grande de pessoas, o Pontífice encontrou-se anteriormente, na Basílica de São Pedro, com os que não conseguiram lugar na Sala Paulo VI.

“Com alegria, vos acolho na Basílica de São Pedro e dou as minhas cordiais boas-vindas a todos vós que não conseguistes lugar na Sala Paulo VI. Vivei sempre unidos a Cristo e testemunhai com alegria o Evangelho. De coração, concedo a todos vós a minha Bênção”, disse aos peregrinos.

Bento XVI também lançou um apelo pelas vítimas do terramoto na Turquia.

Ao final da Catequese, na saudação aos fiéis de língua portuguesa, o Papa afirmou:

Uma saudação amiga e encorajadora para todos os peregrinos de língua portuguesa, com menção especial dos grupos brasileiros de Aracaju, Cachoeira Paulista, Gama, Recife e Rio de Janeiro. Conto com a vossa oração pelos Representantes das várias Religiões que amanhã se reúnem em Assis, a bem da justiça e da paz sobre a terra. Sobre vós e vossos familiares, desça a minha Bênção”.

00000000000000000000000000000000000

Transcrição para este blogue por

António Fonseca

Nº 1098 (292) - 9 DE NOVEMBRO DE 2011 - SANTOS DE CADA DIA - 4º ANO


Nº 1098
DEDICAÇÃO DA BASÍLICA DE LATRÃO
Dedicación de la Basílica del Salvador
Dedicação da Basílica do Salvador
Basílica significa: "Casa do Rei"
Hoje a Igreja-Mãe chama-nos a todos para Roma a fim de, ao menos em espírito, celebrarmos com ela o aniversário da sua Dedicação: da Dedicação da Sé Catedral do Papa, que não é, como julgam muitos, a Basílica de S. Pedro do Vaticano. O Templo Latranense (ou Lateranense) é venerabilíssimo também pela antiguidade, poesia, arte e sobretudo pela fé que supõe nas almas e as congrega à volta do Sucessor de Pedro. Ao lado está o Batistério, o mais venerável e suntuoso de Roma de, pegado ao Templo, o palácio que foi morada dos Papas até eles irem para Avinhão e hoje é sede do Vicariato de Roma, quer dizer, do governo direto da diocese própria do Papa, governo que nos assuntos ordinários é exercido por um Cardeal «Vigário», isto é, que faz as vezes de Papa. Durante toda a antiguidade cristã e na Idade Média, para aqui acorreram como peregrinos os Santos, aqui foram celebrados cinco Concílios ecuménicos.
À volta das construções latranenses abrem-se duas grandes praças. No centro da menor levanta-se um obelisco de granito avermelhado, o mais antigo e o mais alto – mede 32 metros de altura – dos obeliscos egípcios, e o último que veio para a Cidade Eterna. Levantou-se ele a primeira vez em Tebas, no século XV antes de Cristo, diante do templo de Amão (Amon). Nem Augusto nem Constantino se atreveram a transportá-lo para Roma, com medo de que se lhes ficasse pelo caminho. Constantino intentou-o várias vezes, mas faleceu sem o conseguir. Seu filho Constantino II mandou construir, no ano de 357, uma nau para 3 000 remadores, que trouxeram o obelisco até ao rio Tibre. Foi logo colocado na «espinha» (muro central na arena) do Circo Máximo. No ano de 1587 apareceu fracturado em três pedaços, entre as ruínas do mesmo Circo. Em 1588, o papa Sisto V mandou-o colocar ao lado da Basílica de S. João de Latrão, que é a Basílica do primeiro Constantino. A cruz que encima o obelisco batizado, cristianizado, proclama a realeza suprema de Cristo sobre a cidade dos Césares. E do contíguo palácio, que foi do cônsul Pláucio Laterano, ficou a exercer-se do Vigário de Cristo e Vigário de Pedro. O palácio de Latrão entra pela primeira vez na história cristã no ano de 313, quando na sua área celebrou o papa Milcíades um concílio contra os Donatistas. Constantino acabava de o dar à Igreja. Nero tinha vindo em posse dele, pois matara o cônsul Pláucio Laterano e confiscara-lhe todos os bens. O palácio ficou desde então na posse da família imperial. Às mãos de Constantino chegou como dote de sua mulher Fausta, irmã de Maxêncio. O roubo de Nero iria ser, três séculos mais tarde, pacifica herança dos sucessores de S. Pedro, vítima este, como tantos outros cristãos, das iras do tirano. Por inspiração de S. Silvestre, Constantino transformou o palácio de Latrão na primeira Basílica dedicada ao Divino Salvador. Ao lado ergueu-se o palácio dos Papas durante os primeiros séculos da Idade Media. Numa faixa antiga, que se desenrola por cima das colunas do pórtico da entrada da Basílica, leem-se estes versos: «Por direito papal e imperial, estabeleceu-se que eu seja a Mãe de todas as Igrejas. Quando se concluiu toda a obra, determinaram dedicar-me ao Divino Salvador, dador do Reino Celestial. Por nossa parte, ó Cristo, a Ti nos dirigimos com humilde súplica, e Te pedimos que, deste ilustre templo, faças a tua residência gloriosa». Na mentalidade moderna, as igrejas têm carácter prático e social. São para nós, para o povo. Entre os antigos, o templo era para Deus, dom votivo que se oferecia à Divindade, mediante um rito sagrado e oficial que o dedicava , rito que recebia o nome de Dedicatio, dedicação. Em muitos templos clássicos, o povo não podia entrar no santuário, que era habitado pela Divindade. O mesmo se passava com o «Sancta Sanctorum» do Templo de Jerusalém. O altar para os sacrifícios levantava-se na escadaria exterior. A Dedicação das igrejas inspira-se neste conceito clássico: de que o templo é para Deus, um múnus, monumento ou dom votivo que se oferece à Majestade divina em ação de graças ou em memória dum santo. Os nomes antigos das igrejas coincidem, com este conceito sagrado. O templo é a casa de Deus, onde se Lhe levanta um altar. A Basílica é o palácio do Rei; Dominica é a casa do Senhor; Dominicum aureum era o nome que se deva à grande igreja de Antioquia. Os nomes «Convento», «Concílio», «Igreja» aludem à concorrência dos fieis para adorar, oferecer sacrifícios e orar a Deus. Daqui também o nome de «oratório» ou «casa de oração». A festa litúrgica do aniversário da Dedicação da Basílica do Salvador não se encontra até ao século XII e desconhece-se quais as suas origens. É porém, uma grande festa que tem em seu favor pelo menos oito séculos, antiguidade muito respeitável. S. Pio X elevou a festividade à categoria das mais solenes. Inclinemos-nos com respeito diante da Basílica e beijemos devotos o mármore do seu solo. Aqui se levantou, gloriosa e triunfante, a árvore da cruz no dia seguinte à vitória de Constantino, árvore que até então tinha estado oculta nos subterrâneos das catacumbas. «Com este sinal vencerás», tinha sido dito ao Imperador e aqui, também debaixo desta insígnia, os Romanos Pontíficesdurante séculos de lutas e triunfos, de humilhações e vitórias – só com a arma da Cruz combateram e venceram o mundo e o poder de inferno. A Basílica do Salvador é símbolo da unidade e vida da Igreja. Assim o mostrou Deus ao Papa Inocêncio III, quando duvidava entre conceder ou não a confirmação da Ordem Franciscana. Viu em sonhos, quase a desmoronar-se, a Basílica de Latrão, e viu S. Francisco de Assis acudindo a sustentá-la com os seus frades. Nela se reconheceram também S. Francisco e S. Domingos, e abraçaram-sem como irmãos, cheios dum mesmo ideal apostólico: a dilatação e a defesa do Evangelho. Entre as relíquias, mais ou menos autênticas, que se mostram nesta Basílica, está a mesa em que Nosso Senhor Jesus Cristo celebrou a Última Ceia, o copo de que sem perigo S. João Evangelista bebeu o veneno que lhe davam, e as cabeças de S. Pedro e de S. Paulo, com um pedaço do manto de púrpura que os soldados de Pilatos colocaram sobre os ombros do Salvador. A cadeira papal, em que S. Pedro se sentava, dizia-se que era a que se encontra em S. Pedro. A fachada da Basílica está coroada por quinze estátuas grandiosas, de seis metros de altura. No meio preside o Salvador, entre os Apóstolos. Dali reina e domina abençoando e mostrando o coração aberto a todos os homens que chama para o céu e para a felicidade eterna. Admira-se no Latrão o túmulo de D. Antão Martins de Carvalho, bispo do Porto, enviado ao Concílio de Basileia (continuado em Ferrara e Florença), no qual foi chefe do partido em favor do Papa Eugénio IV. Foi enviado a Constantinopla como embaixador junto de João Paleólogo. Pelos serviços prestados, subiu ao cardinalato. Foi arcipreste da Basílica Latranense, à qual ofereceu um órgão. Tomou parte na eleição de Nicolau V, dizendo à saída a substanciosa frase: «Nós elegemos Nicolau, mas foi Deus que lhe deu o pontificado». D. Antão, como se lê no sepulcro, morreu em Roma a 11 de Julho de 1447. Outra memória portuguesa: a grande estátua de S. Tomé, obra de Le Gros filho, paga por D. Pedro II: o Papa enviou , em 1703, um breve a agradecê-la. Representa o Apóstolo, apoiando o braço esquerdo num semicírculo, por cima dum retângulo, que emoldura uma cruz dominada pelo Espírito Sagrado. Trata-se da reprodução dum monumentozinho que se encontrava em Meliapor, terra espiritualmente do antigo Padroado Português. Do livro SANTOS DE CADA DIA, de www.jesuitas.pt.
• Dedicación de la Basílica del Salvador
Noviembre 9 Es la catedral del Papa que, al tomar posesión de ella, muestra el supremo poder o potestad eclesiástica de Roma y del mundo.
Dedicación de la Basílica del Salvador 
Basílica significa: "Casa del Rey"
De varias maneras se suele denominar este templo: Basílica "Constantiniana,"Del Salvador" y "De San Juan de Letrán". Es la catedral del Papa que, al tomar posesión de ella, muestra el supremo poder o potestad eclesiástica de Roma y del mundo; por ello a esta basílica se llama a sí misma en la escritura de su fachada "madre y cabeza de todas las iglesias de la Urbe y del Orbe". El nombre de Letrán le viene del palacio que tenían los "Laterani" en el monte Celio desde el siglo I a quienes la autoridad confiscó sus bienes por atreverse a conspirar contra Nerón. Parece ser que pasó a ser propiedad de Fausta, la esposa de Constantino; aconsejada, según dicen, por Osio de Córdoba, lo donó a los Papas para su residencia habitual, como de hecho lo fue a través de bastantes siglos hasta el periodo de Aviñon. Pero la longa historia no muy probada o la leyenda une esta basílica a la familia imperial también por otros motivos. Parece ser que el emperador que legalizó a la Iglesia contrajo el terrible e incurable mal de la lepra y fue curado milagrosamente por san Silvestre; en agradecimiento por la recuperación de la salud, entregó los terrenos necesarios para construirla y se prestó a dar la ayuda económica pertinente. Esta es la razón de llamarla también "Constantiniana". Se sabe que ya en el año 313 hubo en ella un sínodo porque la esposa de Constantino lo cedió al papa Milcíades; que el papa Dámaso fue ordenado en ella y que se dedicó el día 9 de Noviembre del año 324, dándole Silvestre el título de "El Salvador", hasta que en el siglo XIII se le añadieran los de San Juan Bautista y de San Juan Evangelista.
Este augusto templo ha sido la sede de muchos concilios -más de veinticinco- desde el siglo IV al XVI y, de ellos, cinco han sido ecuménicos. Allí se firmó, ya en tiempos más cercanos, el Tratado de Letrán, el 11 de marzo de 1929, con el que Pío XI logró la libertad del papa de todo soberano temporal y con ello el libre ejercicio de su misión evangelizadora, firmándolo con Mussolini. Esta basílica podría contar una larga serie histórica de virtudes, pero también habla de sacrilegios, saqueos, incendios, terremotos e incluso el abandono de sus papas sobre todo el tiempo del destierro de Aviñon. Buscando un sentido a esos hechos, uno se pregunta si no serán las fuerzas del infierno que se ponen de pie, rabiosas, con la intención de acabar con el templo de piedras que es símbolo del poder espiritual supremo e indefectible en la Iglesia. También hay que decir que tanto el Renacimiento como el barroco dejaron en ella su huella artística perenne y restauradora, y que Sixto V y León XIII la hicieron realmente suntuosa, por no hablar de que hasta allí fue Francisco de Asís en 1210 a solicitar del Papa Inocencio III la aprobación de su Orden.
Cuando con su consagración se dedica a Dios y a su culto, se indica que pasa a ser propiedad y sede de la Majestad divina; con esa ceremonia se indica que pasa a ser "la morada de Dios entre los hombres". A los católicos, mirándola a ella, se nos hace próximo el misterio de la salvación, pareciéndonos actual aquella escena evangélica en la que Jesucristo llamó a aquel Zaqueo, agarrado a la rama de la higuera, que se siente interpelado por Dios para habitar en su casa y comer con él a pesar de ser sólo un pobre publicano despreciable y pecador. Es como si el mismo Dios quisiera darnos a entender que, por medio de todo el culto que allí se realiza la Misa, que es el sacrificio redentor de la Cruz, con los sacramentos, con la escucha de su palabra que se hace actual por la predicación-, quisiera recordarnos su vehemente deseo a los hombres de incorporarnos a Él haciéndonos piedras vivas, bien unidas por la caridad, de su Esposa mística -la Iglesia-como las piedras físicas se unen en la construcción material de la basílica. De hecho, esta idea ya está expresada en el Apocalipsis cuando presenta a la Nueva Jerusalén. Y ¿por qué no decirlo? La Basílica, con su grandeza y su miseria, es también un símbolo de la Iglesia de todos los tiempos donde hubo, hay y habrá persecuciones y flaquezas, intereses humanos y divinos, política, arte, espíritu, dogma y santidad. Consulta también Dedicación de la Basílica del Salvador de Letrán de Jesús Martí Ballester
Si quieres más información en
ewtn encontrarás un sitio hermoso para seguir navegando
21950 > Dedicazione della Basilica Lateranense 9 novembre - Festa MR
Áudio da RadioVaticana: e RadioRai:
Nossa Senhora de Almudena
Invocação mariana
Nuestra Señora de la Almudena
Nuestra Señora de la Almudena
É tradição que a primitiva Imagem a trazia consigo o Apóstolo Santiago quando veio de Jerusalém a Espanha a pregar o Evangelho, instaurando-se então a devoção a tão bela Imagem na Villa que, mais tarde, chegaria a ser Capital de Espanha. Ao conquistar os muçulmanos Madrid, nos anos 714, a Imagem de Nossa Senhora foi escondida pelos cristãos numa cova feita nas muralhas da Villa, para evitar profanações e cumprindo assim o decreto do Arcebispo de Toledo, D. Raimundo. Em prova de devoção, ocultaram, junto com a Virgem, duas velas acesas, tapando depois a cova com uma grossa parede de cal e pedra. Alfonso VI conhece a existência de uma Imagem de Santíssima Virgem, escondida pelos cristãos séculos atrás, o Monarca fez - ao que parece - voto de a encontrar incansavelmente para a restituir ao culto dos fiéis, se Deus lhe concedesse a vitória sobre os Sarracenos, e conseguisse tomar a Cidade. Mas, uma vez libertada esta e não obstante suas pesquisas, não conseguia localizar o sitio onde a Imagem estava oculta. Por isso, e em seu desejo de que a Virgem Santa María fosse venerada até que a conseguisse achar, mandou pintar uma Imagem, inspirando-se nos traços que a tradição atribuía àquela e, não se sabe se pelo desejo do artista ou por gosto do próprio Rei casado naquele momento com Dona Constanza, filha de Enrique I de França-, pintaram em sua mão uma flor de lis. A Imagem foi pintada sobre os muros da antiga Mesquita muçulmana. Após as cerimónias de purificação e dedicação do Templo, ficou exposta ao culto no quadro hoje conhecido por Nossa Senhora da Flor de Lis. Una vez conquistado Toledo, em maio de 1085, Alfonso VI voltou a insistir na busca da Imagem oculta pelos cristãos, celebrando-se uma piedosa novena ou rogativa pelo êxito das pesquisas que finalizou com uma devota procissão presidida pelo Monarca e os Prelados; e ao passar a comitiva frente a almudena, estabelecida pelos mouros; caíram umas pedras, deixando a descoberto a Imagem chamada desde então de Almudena- que, é tradição, conservava acesas duas candeias, com que foi escondida ao ser ocultada 369 anos antes. Era o dia 9 de novembro de 1085. Levada à Igreja de Santa María, foi colocada solenemente no Altar mor, onde permaneceu até ao dia 25 de Outubro de 1868 em que, por demolição do Templo, foi instalada no Convento das Religiosas Bernardas do Santíssimo Sacramento, em cuja Igreja esteve exposta ao culto até 29 de maio de 1911, data em que se trasladou com a maior solenidade a Cripta da Nova Catedral que construía em honra de sua Invocação junto ao lugar da muralha onde foi achada a Imagem por Alfonso VI, existindo hoje na cova onde a Virgen esteve oculta, uma Imagem de pedra que comemora o facto. Há poucos anos, ao fazer uma escavação para construir um edifício, se encontraram os restos da antiga muralha árabe, então chamada Magerit, a poucos metros do lugar onde hoje está a Imagem que recorda a aparição e, por seu carácter histórico, o Ayuntamiento de Madrid teve o singular acerto de declarar aquele terreno como "lugar não edificável" para que possa ficar sempre a descoberto os restos da citada muralha. Durante os anos 1936-39, período em que teve lugar a guerra civil espanhola, Nossa Senhora de Almudena permaneceu intacta na Cripta. De novo foi levada a Imagem para a Igreja das Religiosas Bernardas da rua de Sacramento (Atualmente Igreja Arcebispal Castrense) e finalmente, trasladada em 2 de fevereiro de 1954 a Santa Igreja Catedral de Santo Isidro -na rua Toledo-.
Obtidas de Roma as necessárias bulas e como o culminar de seu patronato sobre a Villa de Madrid, Santa María la Real de la Almudena foi coroada Canonicamente em 1948, por mão do Excelentíssimo e Reverendíssimo Senhor bispo de Madrid-Alcalá e patriarca das Índias Dr. D. Leopoldo Eloy Garay, sendo madrinha a Sra. Carmen Polo de Franco. A brilhante cerimónia assistiram entre inumeráveis personalidades, o chefe de Estado, Francisco Franco e sua Excelência Reverendíssima o Núncio de Sua Santidade; ferventes devotos de Santa María la Real de la Almudena foram, entre outros, Santo Ildefonso de Toledo, Santo Isidro Lavrador, e sua esposa, Santa María de la Cabeza, obtendo-se por meio desta venerada Invocação inumeráveis favores, que acrescentaram de dia a dia a confiança dos fieis nesta belíssima Imagem de Nossa Senhora, entre s que se contaram os Monarcas de Espanha, a nobreza e, muito especialmente, o povo madrileno.
Agripino de Nápoles, Santo
Agripino de Nápoles, Santo
Dice el Martirologio Romano: "En Nápoles de Campania, San Agripino, obispo, célebre por sus milagros.  En el siglo IX, el autor de la Gesta episcoporum neapolitanorum nos da la sucesión de los obispos de Nápoles, haciendo breves elogios de cada uno en términos vagos. El de Agripino, sexto de la lista, más cálido que el de los otros, nos revela la popularidad del santo: "Agripino, obispo, patriota, defensor de la ciudad, no cesa de rogar a Dios por nosotros, sus servidores.Acrecentó el rebaño de los que creen en el Señor y los reunió en el seno de la Santa Madre Iglesia. Por eso mereció oír las palabras: Bien está siervo bueno, puesto que has sido fiel en las cosas pequeñas, te constituiré sobre las grandes; entra en el gozo de tu Señor. Sus restos fueron transportados finalmente a la Estefanía, en donde reposan con honor". Agripino vivió a fines del siglo III. No se puede precisar nada, ni dar el más mínimo detalle sobre su actividad. La traslación a la que hace mención el autor de la Gesta, la efectuó el obispo Juan, que gobernó la sede durante años. Sus reliquias, que estaban en un oratorio de las catacumbas de San Genaro, fueron llevadas a la Estefanía, iglesia construida al fin del siglo V. En 1744, el cardenal José Spinelli, deseando identíficar las reliquias de su catedral, encontró una urna de mármol con esta inscripción: "Reliquias dudosas que se piensa sean del cuerpo de San (divus) Agripino". Durante los siglos IX y X, muchos autores consignaron el relato de los milagros obtenidos por la intercesión de San Agripino, quien en la actualidad es ca si tan famoso como San Genaro.
90317 > Sant' Agrippino di Napoli Vescovo 9 novembre MR


93063 > Beato Enrico (Henryk) Hlebowicz Sacerdote e martire 9 novembre MR

ISABEL DA TRINDADE (BEATA)
Religiosa (1880-1906)
Isabel de la Trinidad, Beata
Estrela Ver biografia em 8 de Novembro neste blogue
Maria Isabel Catez, em religião Irmã Isabel da Trindade, nasceu em Bourges, França, a 18 de Julho de 1880, sete anos mais nova que Santa Teresa do Menino Jesus, cuja influência havia de experimentar profundamente. Ao fazer a sua primeira Confissão, sentiu o mistério do amor infinito, que ela virá a chamar «a sua missão sobre a terra». Suavemente impressionada, decidiu ao preparar-se para a Primeira Comunhão, que fez aos 10 anos, corrigir os seus defeitos; natureza ardente, caprichosa, sensibilidade apaixonada, enorme afectividade. Não atingira ainda os 14 anos e já escolhera Cristo para seu único Esposo. Confirmou-se na sua vocação com a leitura da História de uma Alma, autobiografia de Santa Teresinha. Deste livro copiou por seu punho e letra o «Oferecimento ao Amor Misericordioso» e três poesias. Os seus ardentes desejos de entrar no Carmelo foram sufocados por sua mãe, que lhe não permitiu a realização do seu projeto antes de atingir a maioridade. Quinze dias após ter completado os 21 anos, a 2 de Agosto de 1901, entrou no Carmelo de Dijon, onde viria a falecer a 9 de Novembro de 1906. Teresa faleceu com 24 anos, após 9 de vida religiosa; Isabel aos 26 anos de idade e 5 de religiosa. Alguns dias antes da sua morte, perguntaram-lhe como procederia ela no Céu para «fazer bem à terra», à imitação da sua irmã, a carmelita de Lisieux, respondeu: «No Céu, creio que a minha missão será atrair as almas para o recolhimento interior, ajudando-as a sair de si mesmas para aderir a Deus, por um movimento todo simplicidade e amor; mantê-las nesse grande silêncio interior que permite a Deus imprimir-Se nelas e transformá-las n'Ele». Esta divina intimidade assumiu nela uma característica particular; a união e o louvor da Santissima Trindade, que habita em nós pela graça. escreve um seu biógrafo: «A Irmã Isabel da Trindade foi verdadeiramente a alma de uma ideia: ser, para a Santissima Trindade, um louvor de Glória». Esta ânsia encontra-se expressa na sua oração à Santíssima Trindade, uma das mais belas e líricas páginas da espiritualidade contemporânea. Reproduzimos estas passagens: « Ó meu Deus, Trindade que eu adoro, ajudai-me a esquecer inteiramente, para me fixar em Vós, imóvel e tranquila, como se a minha alma já estivesse na eternidade; que nada possa perturbar a minha paz, nem fazer-me sair de Vós, ó meu Imutável, mas que cada minuto me faça mergulhar mais na profundidade do vosso Mistério. Dai a paz à minha alma; fazei dela o vosso Céu, a vossa morada querida, o lugar do vosso repouso. Que eu nunca Vos deixe só; mas esteja lá, toda desperta na minha Fé, toda em adoração, toda entregue à vossa ação criadora... Ó meu Três, meu Tudo, minha beatitude, Solidão infinita, Imensidade onde eu me perco, entrego-me a Vós como uma presa; sepultai-Vos em mim para que eu me sepulte em Vós enquanto espero ir contemplar, à vossa luz, o abismo das vossas grandezas». A vida trinitária já na terra exigiu-lhe esforço de oração contínua e de purificação pelo sofrimento. «O amor habita em nós - escreve ela - por isso o meu único exercício é entrar no meu íntimo e perder-me n'Aqueles que lá se encontram. A felicidade da minha vida é a intimidade com os hóspedes da minha alma». Encontrar o Céu na própria alma foi o seu ideal: «É aí que eu gosto de O procurar, pois Ele jamais me deixa. Deus em mim e eu n'Ele: é essa a minha vida. Ó Jesus,. que nada possa distrair-me de Vós: nem as preocupações, nem os prazeres, nem o sofrimento. Que a minha vida seja uma oração contínua». O sofrimento, que lhe bateu à porta, sobretudo no último ano de vida, foi o elemento purificador de todos os apegos humanos, como ela escreve: «Eu experimento alegrias desconhecidas, as alegrias da dor: que suaves e doces são! Que inefável felicidade saboreia a minha alma, pensando que o Pai me predestinou para ser conforme ao seu Filho Crucificado! O meu divino Esposo quer que eu seja para Ele uma humanidade de acréscimo, na qual Ele possa ainda sofrer a glória de seu Pai, para ajudar nas necessidades da sua Igreja». Numa carta à sua mãe, que à maneira francesa tratava por «tu», assim se expressa: «Ele escolheu a tua filha para associá-la à sua grande obra de redenção. Ele marcou-a com o selo da sua Cruz e sofre nela, como que uma extensão da sua Paixão... Não ambiciono chegar ao Céu, somente pura como um Anjo, mas transformada em Jesus Crucificado». Esta crucifixão atingiu-a sobretudo nos últimos nove meses de vida, por meio de uma doença que a transformou numa hóstia de imolação. No Céu, para onde voou, consumou-se a união desta grande Mestra da vida espiritual: «Sinto tanto amor sobre a minha alma: é como um oceano no qual eu mergulho, me perco; é a minha visão sobre a terra enquanto espero o face a face na luz. Ele está em mim, eu estou n'Ele, só tenho a amá-Lo, a deixar-me amar, todo o tempo através de todas as coisas: acordar no Amor, mover-se no Amor, adormecer no Amor, a alma na sua Alma, o coração no seu Coração, os olhos nos seus Olhos, para que, pelo seu contacto, Ele me purifique e me liberte da minha miséria». Esta libertação para a união perfeita e completa verificou-se ao fim duma breve carreira de 26 anos de idade. Isabel da Trindade foi beatificada pelo Santo Padre João Paulo II, no dia 25 de Novembro, festa de Cristo Rei, de 1984. Do livro SANTOS DE CADA DIA, de www.jesuitas.pt.
Isabel de la Trinidad, Beata
Etimologicamente significa “juramento de Deus”. Vem da língua hebraica. Te encontras hoje ante uma mística de altos voos. Dessas pessoas que não se sabe se vivem na terra ou estão vivendo fisicamente aqui mas sua mente e coração estão no céu. Nasceu em Bourges, França, em 1880. Lhe custou muito em sua educação e maturidade pessoal acabar com o mau génio que tinha. Isto lhe ocorreu após a morte do pai. Aos 14 anos, fez voto de virgindade. Poucos anos depois começou a escrever suas revelações místicas ou sobrenaturais.. Aos 21 anos ingressou no convento carmelitano de Dijon. Nada mais que senão este:"Louvor de glória da Santíssima Trindade e crescer de dia para dia na estrada de amor aos Três". Apesar de sua juventude, exerceu e exerce uma grande influência na vida das pessoas mais sensibilizadas com o mundo de Deus. Seus livros “Elevações, Retiros, Notas Espirituais e suas Cartas constituem uma experiência mística trinitária excepcional.
Sua contemplação, sua solidão e seus arrebatamentos místicos nos fazem ver sua união com Deus trinitário. De seus livros tiramos algumas frases dignas de se reter na memória e no coração crentes:"Crer que um ser que se chama O Amor habita em nós em todo o instante do dia e da noite e que nos pede que vivamos em sociedade com Ele, eis aqui, vos confio, o que tenho feito de minha vida meu céu antecipado". "Meu Esposo quer que eu seja para Ele uma humanidade adicional na qual eu possa seguir sofrendo para glória do Pai e para ajudar a Igreja". Morreu no ano 1906 por causa de uma úlcera de estômago. Subiu aos altares em 25 de novembro de 1984. ¡Felicidades a quem leve este nome!
76725 > Beata Elisabetta della Trinità Catez Carmelitana 9 novembre MR
76860 > Sante Eustolia e Sopatra Monache 9 novembre MR
 
94029 >
Beato Francesco Giuseppe Martin Lopez Arroyave Coadiutore salesiano, martire 9 novembre



90692 >

Beato Gabriele Ferretti Francescano 9 novembre MR

76870 >
San Giorgio Vescovo 9 novembre MR

76880 >
Beato Giorgio Napper Sacerdote e martire 9 novembre MR


Juana de Signa, Beata
Virgem reclusa, 9 Novembro
Juana de Signa, Beata
Juana de Signa, Beata
Virgem reclusa da Terceira Ordem (1244‑1307). Pío VI concedeu em sua honra oficio e missa em 17 de setembro de 1798.
La parte más antigua de la ciudad de Signa, en lo alto del cerro, de aspecto medieval, se llama comúnmente “la Beata”. Recuerda y honra así a diario a la Beata de Signa por antonomasia, la Beata Juana. Nació en Signa en 1244, hija de padres humildes, y como Santa Juana de Arco y Santa Bernardita de Lourdes, en su juventud fue pastora sencillísima, de vida y alma sin mancha. A veces reunía junto a sí a otros pastores y les hablaba de las cosas del cielo y del amor a las virtudes.
Hacia los treinta años pudo realizar su ideal de vida religiosa haciéndose reclusa voluntaria a ejemplo de la Beata Veridiana, reclusa de Castel Fiorentino. Después de haber recibido de los Hermanos Menores en Carmignano el hábito de la Tercera Orden Franciscana, se hizo encerrar entre paredes en una celdita junto al río Arno. Allí permaneció en penitencia durante cuatro decenios. Desde aquel estrecho refugio derramó dones de misericordia sobre cuantos recurrían a ella: sanó enfermos, consoló afligidos, convirtió pecadores, iluminó a dudosos, ayudó a los necesitados. Su fama perdura hasta nuestros días debido también a los milagros póstumos y a las gracias recibidas.  Las leyendas pintorescas sobre Juana se refieren a su juventud como pastora. Una, por ejemplo, dice que durante las tempestades y los aguaceros, ella reunía su rebaño junto un gran árbol, que prodigiosamente era librado de la lluvia, del granizo y de los rayos. Por eso, cuando se acercaba la tempestad, los otros pastores corrían a donde ella con sus animales. Juana aprovechaba aquellas ocasiones para enseñar a sus compañeros con palabras sencillas y eficaces el modo de salvar su alma y de merecer el Paraíso. Otras veces cuando el río Arno crecido impedía el paso de una a otra orilla, a Juana se le vio extender sobre las aguas amenazadoras su rojizo manto y sobre él atravesar el río, como si fuera una barca segura. Juana vivió como reclusa una vida más angelical que humana. De la caridad de los fieles recibía lo necesario para la vida. Se ejercitó en la más rigurosa austeridad en la ferviente oración, en la asidua contemplación, en estáticos coloquios con su amado. El Señor glorificó la santidad de su sierva fiel con numerosos prodigios realizados especialmente en favor de enfermos, para los cuales obtenía de Dios la curación del cuerpo y del alma. Murió en su celda, a los 63 años, el 9 de noviembre de 1307. Se dice que en el momento de su muerte las campanas de las iglesias sonaron a fiesta para solemnizar el ingreso de Juana a la gloria del cielo.

90500 >

Beata Giovanna di Signa Vergine 9 novembre MR


Gracia (Graciano) de Cáttaro, Beato
Gracia (Graciano) de Cáttaro, Beato
El beato Gracia vino a la luz en Mula (Muo), Montenegro, una pequeña aldea en la pintoresca bahía de Cáttaro, en las costas dálmatas, a muy poca distancia de la capital, hoy Kotor, el centro más importante del golfo y de la diócesis. En el año 1423 Cáttaro se sometió espontáneamente al gobierno de Venecia, si bien manteniendo con orgullo una relativa independencia, ya que se reservaba el derecho de hacer sus propias leyes y elegir sus magistrados. Como consecuencia de esta vinculación con la Serenísima, pronto se convirtió en un puerto vivaz y rico, poblado de numerosos comerciantes, marineros y pescadores. Inició así el período de esplendor que aún en la actualidad se manifiesta en su arquitectura de claro sabor veneciano. Gracia era un hombre de mar y como tal permaneció hasta la edad de treinta años. En uno de sus viajes entró en una iglesia de Venecia, donde le conmovió tanto el sermón pronunciado por el agustino Simón da Camerino, que decidió entrar en su misma Orden. Fue aceptado como hermano no clérigo en el convento de Monte Ortone, cercano a la ciudad de Padua. Este convento era la cuna de una de las nuevas congregaciones de la Orden formadas en Italia, distinguiéndose junto a las demás por su particular celo en el campo disciplinar. En 1433 fue aceptado por el Prior general Gerardo de Rímini, que de momento lo incorporó a la provincia de las Marcas de Treviso, con la condición de no recibir más que hermanos firmemente decididos a mantener con fidelidad los ideales propios de la reforma. El hermano Gracia, que trabajaba en el jardín, no tardó en ganarse la estima y el reconocimiento de la comunidad entera. Al incorporarse dos conventos más al movimiento de Monte Ortone, éste quedó oficialmente eregido en Congregación. Entre 1472 y 1474 es Simón de Camerino quien aparece como Vicario en los registros generales. Unos años más tarde Gracia fue trasladado a San Cristobal de Venecia, y en esta ciudad murió el 8 de noviembre de 1508. Fuera de las pocos datos hasta aquí referidos y del culto que se le siguió tributando tanto en la Orden como en su tierra de origen, no conocemos otras noticias de Gracia. Las biografías en lengua italiana del Lazzerini (1643) y la latina de Eliseo de Jesús y María (1677) carecen de fundamentos bien documentados. No obstante, los reiterados relatos acerca de su austeridad de vida y de la fuerza prodigiosa de su intercesión resultan testimonios válidos de una auténtica fama de santidad. La continuidad de su culto fue reconocida por León XIII en 1889. Desde 1810 los restos mortales del beato Gracia descansan en la iglesia de Mula.

90165 >
Beato Grazia (Graziano) da Cattaro Religioso agostiniano 9 novembre MR


BEATO LUÍS MORBIÓLI
Leigo (1533-1583)
Nasceu em Bolonha, Itália, em 1533. Converteu-se durante uma doença que teve aos 30 anos. Até então, sendo grande jogador, grande beberrão e muito libertino, escandalizara toda a gente. Passou os últimos 20 anos da vida, usando túnica branca, sem cortar o cabelo nem a barba, e na companhia dum burro. Dormia junto dele ao ar livre. De dia, quando entrava na igreja, o seu companheiro esperava-o, piedosamente prostrado fora. No resto do tempo, Luís esculpia imagens piedosas para ganhar o pão ou, montado no burro, percorria Bolonha e arredores, de crucifixo na mão, convidando os seus concidadãos a pensarem nos novíssimos. Do livro SANTOS DE CADA DIA, de www.jesuitas.pt.
90426 > Beato Ludovico (Luigi) Morbioli Confessore 9 novembre MR
María del Carmen del Niño Jesús, Beata
Fundadora, Novembro 9
María del Carmen del Niño Jesús, Beata
María del Carmen del Niño Jesús, Beata
Fundadora das Irmãs Franciscanas dos Sagrados Corações. Nasceu em Antequera, diocese de Málaga (España), em 30 de Junho de 1834. Seus pais, Salvador González García e Juana Ramos Prieto, bons cristãos e de elevada posição social, a levaram a batizar no dia seguinte de seu nascimento à paróquia de Santa María la Mayor da cidade.  Carmencita, a sexta dos nove filhos que chegaram a adultos, destacou-se cedo por sua simpatia, inteligência, bondade de coração, sensibilidade e entrega às necessidades alheias, piedade, amor à Eucaristia e à santíssima Virgem. Foi uma menina e jovem encantadora, que se distinguiu por fazer felizes a quantos a rodeavam; soube pôr paz e fazer o bem ante as necessidades alheias.  Llegó a la juventud con una personalidad tan definida, que suscitaba la admiración de todos los que la conocían. Así entró por los caminos difíciles que la Providencia le fue marcando. Con un profundo deseo de seguir la voluntad de Dios en su vida, la buscó en la oración, la reflexión y la dirección espiritual.  Tuvo que afrontar serias dificultades a la hora de las grandes opciones de la vida: primero, la oposición de sus padres ante un posible matrimonio contrario a las garantías que don Salvador deseaba para su hija; más tarde, ante el propósito de ingresar en las Carmelitas Descalzas, disgusto, contrariedad y nueva oposición de los suyos. Carmen se mantuvo firme, poniendo su fe y su confianza en Dios. Don Salvador veía que Carmen tenía algo especial, que no era como todas; por ello repetía frecuentemente: "Mi hija es una santa".  Al fin, a impulsos del amor que fuertemente latía en su corazón, pero no a ciegas sino convencida de que Dios lo quería y la llamaba a una misión, Carmen, a los 22 años, salta todos los obstáculos y contrae matrimonio con Joaquín Muñoz del Caño, once años mayor que ella, cuya conducta tanto preocupaba, y con razón, a don Salvador.  Aquel matrimonio fue la piedra de toque para descubrir el temple espiritual, la fortaleza y la capacidad de amor de Carmen. Comulgaba diariamente; de la Eucaristía sacaba fuerza, entereza, caridad y sabiduría para penetrar, con la profundidad con que lo hacía, el sentido de la vida espiritual.  Cuidó la vida de matrimonio; siguió visitando y socorriendo a los necesitados y enfermos, en sus casas o en el hospital, y llevándoles, junto con el don material, consuelo y luz para el alma, comprensión para sus sufrimientos y alimento para soportar una vida dura llevada en la escasez de lo imprescindible. Socorros que prestaba personalmente y asociada a la Conferencia de san Vicente de Paúl, a la que perteneció.  Don Joaquín, el esposo, con sus rarezas, sus celos y sus intemperancias, hizo sufrir mucho a Carmen. Ella jamás dejó escapar una crítica, una queja o un comentario de reproche en contra de su marido, ni siquiera cuando entregó sus propios bienes para salvarlo de una penosa situación. Las personas más cercanas a la casa compadecían el sufrimiento de Carmen, pero sobre todo admiraban su virtud.  Después de veinte años de paciente espera, de amor, de oración y de penitencia, vio cumplida su esperanza y compensados sus sacrificios con la conversión de su esposo. Más tarde se le oiría repetir: "Todos mis sufrimientos los doy por bien empleados con tal que se salve un alma".  Cuatro años de "vida nueva" confirmaron la autenticidad de la conversión y preparación de don Joaquín para su salida de este mundo. Con su muerte, terminó la misión de esposa de doña Carmen, pero, hecha para cosas grandes, tenía que iluminar otra faceta de la vida. Ya viuda, sedienta de "Absoluto", se entregó más plenamente a Dios. Animada por el espíritu franciscano, profundizaba cada vez más el sentido de fraternidad universal, de pobreza y de amor a la humanidad de Cristo. La Tercera Orden franciscana seglar, a la que pertenecía, admirada por su virtud, piedad y dedicación a los necesitados, la eligió maestra de novicias.
No tuvo hijos; pero ello no le impidió tener un corazón de madre siempre disponible para los que la necesitaban. Una y otra vez se preguntaba: ¿Puedo hacer algo por ellos? Con realismo, empezó por donde le era posible. Hizo un ensayo de colegio en su casa y prosiguió sus visitas a los pobres y enfermos.  Incansable, tuvo valor para decir otra vez al Señor, como en sus años jóvenes: ¿Qué quieres que haga? Consultó, reflexionó, oró. Ayudada por su director espiritual, el capuchino fray Bernabé de Astorga, el 8 de mayo de 1884 fundó el instituto religioso de las Hermanas Franciscanas de los Sagrados Corazones.  Atrás quedaba como estela luminosa la ejemplaridad de su vida seglar como joven, esposa y viuda. Con un gran peso de madurez y de virtud probada, afrontó como fundadora los inicios de una obra en la Iglesia. La madre Carmen fue siempre un modelo de religiosa.  La Congregación, dentro de la familia franciscana, tiene unas notas peculiares y una espiritualidad propia, basada en el misterio del amor del Corazón de Cristo y en la fidelidad al Corazón de María. De estas fuentes sacaba la madre Carmen inspiración para acercarse a quienes la necesitaban, y para impulsar y orientar la fuerza apostólica de la Congregación hacia la educación de la infancia y la juventud, el cuidado y la asistencia de los enfermos, ancianos y necesitados, con un estilo que recuerda el de san Francisco de Asís: "Sin apagar el espíritu".  La madre Carmen vio aumentar la Congregación en número de hermanas y de casas, que se extendían por la geografía española en Andalucía, Castilla y Cataluña. Como obra de Dios, tenía que ser probada y lo fue en la persona de su fundadora. Dificultades, humillaciones e incomprensiones, tanto más dolorosas cuanto de procedencia más cercana, recayeron sobre la madre Carmen sin arredrarla. Quien la conoció a fondo, pudo decir: "Esta mujer tiene más fe que Abraham".  Cada golpe de la tribulación la fue introduciendo en el misterio de Cristo muerto y resucitado por la salvación del mundo. Por eso, decía a las hermanas: "La vida del Calvario es la más segura y provechosa para el alma". Con esta actitud serena de abandono en las manos de Dios se ocupaba de los asuntos de la Congregación. Llegó a abrir hasta once casas; su interés por todas y cada una de las hermanas fue constante.  Si toda su vida estuvo orientada a Dios, en la recta final aceleró el paso; hablaba mucho del cielo. Así, desprendida de todo, mirando la imagen de la Virgen del Socorro, murió en el convento de Nuestra Señora de la Victoria, en Antequera, primera casa de la Congregación, el 9 de noviembre de 1899.  Superó con una altura espiritual extraordinaria todas las situaciones que la vida puede presentar a una mujer: niña y joven piadosa, alegre y caritativa; esposa entregada a Dios y fiel a su marido, sin escatimar esfuerzos en los largos años de su difícil matrimonio; viuda magnánima y de profunda espiritualidad; y religiosa ejemplar consagrada al Señor.  Todas las etapas de su vida parecen tener un denominador común: profunda raíz en el amor de Dios, y firme voluntad de crear comunión en cuantos la rodeaban. Su congregación de Hermanas Franciscanas de los Sagrados Corazones traduce la fraternidad franciscana en sencilla y abnegada vida de familia, confiada siempre en la providencia del Padre y atenta al Espíritu que la mantiene en verdadera unión.  Fue beatificada el 6 de mayo del 2007, el Delegado de S.S. Benedicto XVI para esta celebración fue el cardenal J. Saraiva Martins. Texto reproducido con autorización de Vatican.va



92854 >

92049 > Beato Monaldo da Capodistria 9 novembre
Orestes de Capadócia, Santo
Mártir, 9 Novembro
Orestes de Capadocia, Santo
Orestes de Capadócia, Santo
Etimologicamente significa “habitante dos montes”. Vem da língua grega. Há cristãos e homens e mulheres de boa vontade que fazem dom de si mesmos e dão testemunho do ser humano não está destinado ao desespero. Dejando aparte la etimología de los dioses griegos, hoy nos encontramos con un joven que, desde la más remota antigüedad cristiana es venerado como un mártir. En el concilio de Nicea se tienen noticias de un monje que participó en él y que provenía del monasterio de san Orestes, en Capadocia. Se sabe que Diocleciano dispersó a los cristianos que había allá por entonces. Si había un monasterio levantado en su honor, se impone la razón de que existió. En la Edad Media se le compuso una obra de teatro o “pasión”, en la que se narra la vida, obra y milagros de este mártir por confesar su fe en Cristo. Dicen que era médico. Uno de los consejos que le daba a sus enfermos era que se apartaran de la idolatría. Les ayudaba tanto en lo físico como en lo espiritual.
Y como solía suceder, alguien lo denunció a las autoridades de que era cristiano. El, sin dudar lo más mínimo, dijo la pura y simple verdad. Pero amenazó al pueblo y a las autoridades de que iba a ocurrir algo importante. Cuando nadie lo esperaba, dio un fuerte soplido y las estatuas de los dioses se cayeron al suelo como hojas que leva el viento. Sus reliquias siguen el monasterio que lleva su nombre en Capadocia. ¡Felicidades a quien lleve este nombre!

91412 >

San Pabo Confessore 9 novembre


SÃO TEODORO
Mártir
É um soldado que foi decapitado na Província do Ponto por confessar a fé cristã. Era já venerado no século IV. Achaita (Tchorum, Turquia) onde se encontra o seu túmulo, atraiu durante muito tempo os peregrinos. A lenda depressa lhe embelezou a memória, atribuindo-lhe toda a espécie de aventuras, em particular, como a S. Jorge, ter matado um dragão. Com S. Jorge e S. Demétrio, é um dos «três grandes soldados mártires», para os Orientais. Do livro SANTOS DE CADA DIA, de www.jesuitas.pt.
91809 > San Teodoro Martire venerato a Rastiglione 9 novembre
 



Ursino e Monaldo, Santos
Biografias, 9 de novembro
 
Etimologicamente significam “ursinho e muito feliz”. Vêm da língua alemã. Diz o Salmo: “ Deus é nosso refúgio e nossa forças, poderoso defensor no perigo. Por isso não tememos ainda que mude a terra”. Deus, em cada tempo e lugar, se vale dos homens para que estes, em seu nome, façam prodígios no mundo inteiro. Según san Gregorio de Tours, tan dado a escribir la biografía de los santos, fue enviado especialmente a Francia por el Papa con la misión expresa de evangelizar la iglesia de Bourges de Aquitania Trabajó duramente día y noche para dar a conocer la Palabra de Dios y el conocimiento del Evangelio. Su cuerpo está enterrado en un campo que, en el año 560, fue a visitar el gran obispo de París, san Germán. Monaldo fue un santo franciscano que ha pasado a la historia de la Iglesia por sus muchas obras que, desgraciadamente, se han perdido. De ellas quedan solamente un “Suma” de derecho civil y canónico que se llamó la “Monaldina”. Murió en el convento de Istria, ciudad del antiguo estado de Venecia, el 9 de noviembre de 1305.Su cuerpo está enterrado en la iglesia de Nuestra Señora delos Angeles de la ciudad de los innumerables canales. Dios fue para los dos el refugio y la fortaleza para hacer obras de evangelización. ¡Felicidades a quien lleve estos nombres!



92982 >

Sant' Ursino (Orsino) di Bourges Vescovo 9 novembre MR
 
76840 >
San Vitone di Verdun Vescovo 9 novembre MR


000000000000000000000000000000000000000000000000000000000
Localização geográfica da sede deste Blogue, no Porto
Viso---mapa_thumb_thumb_thumb_thumb_[1]
===================================
0000000000000000000000000000000000000000000000
$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$


«««««««««««««««««««««««««««««««««««««««««««««««««««««««»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»


WWW.ES.CATHOLIC.NET/SANTORAL
WWW. SANTIEBEATI.IT
Sites utilizados: Os textos completos são recolhidos através do livro SANTOS DE CADA DIA, de www.jesuitas.pt. em que também incluo imagens recolhidas através de http://es.catholic.net/santoral,; em seguida os textos deste mesmo site sem tradução e com imagens, e por último apenas os nomes e imagens de HTTP://santiebeati.it.
NOTA INFORMATIVA: Como já devem ter reparado, de vez em quando, segundo a sua importância há uma exceção da 1ª biografia, que mais sobressai, – quando se trate de um dia especial, dedicado a Jesus Cristo, a Nossa Senhora, Anjos ou algum Santo, em particular – todos os restantes nomes (que não constem do livro citado – nem tampouco dos outros sites) surgem por Ordem alfabética, uma, duas ou três vezes, conforme figurem nos três sites indicados, que poderão ser consultados - se assim o desejarem – pelos meus eventuais leitores. LOGICAMENTE E POR ESSE FACTO, DIARIAMENTE, O ESPAÇO OCUPADO, NUNCA É IGUAL, ACONTECENDO POR VEZES QUE É DEMASIADO EXTENSO. As minhas desculpas e obrigado.
Responsabilidade exclusiva de ANTÓNIO FONSECA