OS MEUS DESEJOS PARA TODOS

Imagens e Frases de Natal Religioso

quinta-feira, 10 de novembro de 2011

Blogs católicos: Telefone Esperança Portugal, Leitura Orante, etc.: 10-11-11

TELEFONE DA ESPERANÇA PORTUGAL

Dia 19 de Novembro: Celebramos o Dia da Tolerância

Publicada por Telefone da Esperança Portugal em 00:06

Etiquetas: 40o Aniversário do Telefone da Esperança, Dia da Tolerância, Eutrapélicas


Dia 19 de Novembro: Celebramos o Dia da Tolerância

Posted: 09 Nov 2011 04:08 PM PST

LEITURA ORANTE


Lc 17,20-25 - O Reino de Deus está em nosso meio

Posted: 09 Nov 2011 06:01 PM PST

"O Reino de Deus está no meio de vós!"

Graça e Paz a todos os que se reúnem aqui, na web, em torno da Palavra.

Juntos, rezamos ou cantamos o Salmo 94:

(Se, em grupo, pode ser rezado em dois coros ou um solista e os demais repetem)

- Venham, ó nações, ao Senhor cantar (bis)

- Ao Deus do universo, venham festejar (bis)

- Seu amor por nós, firme para sempre (bis)

- Sua fidelidade dura eternamente (bis)

- Toda a terra aclame, cante ao Senhor (bis)

- Sirva com alegria, venha com fervor (bis)

- Nossas mãos orantes para o céu subindo (bis)

- Cheguem como oferenda ao som deste hino (bis)

- Glória ao Pai, ao Filho e ao Santo Espírito (bis)

- Glória à Trindade Santa, glória ao Deus bendito (bis)

1. Leitura (Verdade)

O que diz o texto do dia?

Leio atentamente o texto, na minha Bíblia: Lc 17,20-25.
Os fariseus perguntaram a Jesus sobre o momento em que chegaria o Reino de Deus. Ele respondeu: "O Reino de Deus não vem ostensivamente. Nem se poderá dizer: 'Está aqui', ou: 'Está ali', pois o Reino de Deus está no meio de vós". E ele disse aos discípulos: "Dias virão em que desejareis ver um só dia do Filho do Homem e não podereis ver. Dirão: 'Ele está aqui' ou: 'Ele está ali'. Não deveis ir, nem correr atrás. Pois como o relâmpago de repente brilha de um lado do céu até o outro, assim também será o Filho do Homem, no seu dia. Antes, porém, ele deverá sofrer muito e ser rejeitado por esta geração. Jesus continua falando aos mestres fariseus, que lhe perguntam a data da vinda do Reino de Deus. Jesus evita falar em termos de época. Fala de forma diferente, dos sinais da presença do Reino. e aprofunda mais, dizendo-lhes que o Reino de Deus está dentro deles. O Reino de Deus está ativo neles e na pessoa de Jesus. Em seguida, aos discípulos, Jesus faz uma exortação à vigilância constante.

2. Meditação (Caminho)

O que o texto diz para mim, hoje?

Como discípulos e missionários devemos ser e estar atentos aos sinais do Reino de Deus. Como disseram os Bispos em Aparecida: " O fato de ser discípulos e missionários de Jesus Cristo para que nossos povos, n'Ele, tenham vida leva-nos a assumir evangelicamente e a partir da perspectiva do Reino as tarefas prioritárias que contribuem para a dignificação do ser humano e a trabalhar junto com os demais cidadãos e instituições para o bem do ser humano. O amor de misericórdia para com todos os que veem vulnerada sua vida em qualquer de suas dimensões, como bem nos mostra o Senhor em todos seus gestos de misericórdia, requer que socorramos as necessidades urgentes, ao mesmo tempo que colaboremos com outros organismos ou instituições para organizar estruturas mais justas nos âmbitos nacionais e internacionais. É urgente criar estruturas que consolidem uma ordem social, econômica e política na qual não haja iniquidade e onde haja possibilidade para todos. Igualmente, requerem-se novas estruturas que promovam uma autêntica convivência humana, que impeçam a prepotência de alguns e que facilitem o diálogo construtivo para os necessários consensos sociais. (DAp 384).

3.Oração (Vida)

O que o texto me leva a dizer a Deus?

Rezo, espontaneamente, com salmos e concluo com a oração do bem-aventurado Alberione, cuja festa celebramos no dia 26 de novembro.
"Jesus, Mestre:
que eu pense com a tua inteligência, com a tua sabedoria.
Que eu ame com o teu coração.
Que eu veja com os teus olhos.
Que eu fale com a tua língua.
Que eu ouça com os teus ouvidos.
Que as minhas mãos sejam as tuas.
Que os meus pés estejam sobre as tuas pegadas.
Que eu reze com as tuas orações.
Que eu celebre como tu te imolaste.
Que eu esteja em ti e tu em mim. Amém".
4.Contemplação (Vida e Missão)
Qual meu novo olhar a partir da Palavra? Sinto-me discípulo/a de Jesus.
Meu olhar deste dia será de atenção aos sinais do Reino de Deus.

Bênção - Deus nos abençoe e nos guarde. Amém.
- Ele nos mostre a sua face e se compadeça de nós. Amém.
- Volte para nós o seu olhar e nos dê a sua paz. Amém.
- Abençoe-nos Deus misericordioso, Pai e Filho e Espírito Santo. Amém.
Irmã Patrícia Silva, fsp
Uma sugestão para gesto concreto:
- No blog da Leitura Orante - http://leituraorantedapalavra.blogspot.com/ - , no início, do lado direito, clique no selo TOPBLOG e vote quantas vezes quiser. Assim, você se demonstra missionário/a e coloca a Palavra de Deus no topo do blog e da sua vida. O blog já está entre os 100 classificados no 1º Turno.
- Se quiser receber em seu endereço eletrônico o Evangelho do Dia, acesse o seguinte endereço e preencha o formulário de cadastro - http://www.paulinas.org.br/loja/CentralUsuarioLogin.aspx

- Ou, receba também, assinando o RSS no blog http://leituraorantedapalavra.blogspot.com/

Nº 1099 (293) - 10 DE NOVEMBRO DE 2011 - SANTOS DE CADA DIA - 4º ANO

 
Nº 1099
SÃO LEÃO I, O MAGNO
Papa, Doutor da Igreja (461)
León Magno, Santo
León Magno, Santo
A história conhece-o pelo sobrenome de Magno ou o Grande. Oriundo da Toscana, era diácono da Sé apostólica no tempo de Celestino I e pessoa estimadíssima. João Cassiano, no prólogo da obra sobre a encarnação do Senhor, composta no ano de 440 a pedido do mesmo S. Leão, chama-lhe «ornamento da Igreja romana e do divino ministério». Foi eleito Papa no mesmo ano, quando se encontrava em França com missão política importante. Um mês mais tarde, assim falava ao povo romano reunido na Basílica de Latrão: «O afecto da vossa caridade não estava satisfeito até ser presente aquele que a necessidade duma grande viagem conservava longe daqui. Dou graças a Deus Nosso Senhor, e dá-las-ei sempre, como é devido ao auxilio do vosso fervor, pois fizestes de mim um juízo tão favorável, sem que de mim, houvesse qualquer título para o merecer. Peço-vos, pelas misericórdias do Senhor, que ajudeis com as vossas orações aquele que chamastes com os vossos desejos, a fim de o espírito da graça permanecer sobre mim e não chegardes a arrepender-vos da vossa eleição. Conceda.-nos a todos a paz Aquele que pôs nos vossos corações o impulso da unanimidade». No aniversário da sua entronização falará sempre com o mesmo espírito de humildade: «Ao trazer-nos este dia o aniversário daquele em que Deus quis que eu principiasse o meu cargo episcopal, encontro grande motivo para alegrar-me para a glória de Deus que, a fim de que mais O ame, me perdoou muito e, a fim de tornar a sua graça mais admirável, encheu dos seus dons um homem no qual não pôde encontrar mérito nenhum». Estes homens são os que Deus escolhe como instrumentos seus, para tudo o que é grande. Época de perturbação e revolta. O império romano aos pés dos bárbaros, e arruinado com ele o principal baluarte exterior da unidade da Igreja. No Oriente dominava uma nova heresia, o Monofisismo de Êutiques, que punha em Cristo uma só natureza, mistura da divina e humana. S. Leão era o homem requerido pelas necessidades da Igreja. A salvação do mundo estava então em reforçar e estender o primado romano, fundamento da unidade eclesiástica; e nisso empregou o papa um zelo tão ativo como universal. Era firme e inexpugnável na fé, destro teólogo e hábil diplomata. A sua carta a Flaviano, bispo de Constantinopla, foi a resplandecente estrela que dirigiu os católicos nas suas lutas contra o monofisismo. Foi ele o primeiro a estigmatizar o conciliábulo de Éfeso, do ano de 449, com o qualificativo de latrocinium (roubo violento) que lhe ficou na história. Com a mesma decisão com que aprovou os decretos dogmáticos do concílio de Calcedónia (451), rejeitou também, o cânone 28 em que se pretendia levantar a sé de Constantinopla acima de todas as outras sés patriarcais do Oriente. Roma não lhe deve menos na ordem temporal. Átila ultrapassara os Alpes e entrara na Itália. O Imperador fugia e os generais romanos escondiam-se. O Papa era a única força capaz de impedir a ruína universal. S. Leão saí ao encontro do conquistador bárbaro, acampado às portas de Mântua. Que sucedeu naquele dia? Só sabemos como certo que o bárbaro se abrandou ao ver diante de si, em atitude de suplicante, o Pontifice dos cristãos e retrocedeu com todo o seu exército. Isto sucedeu em 452. Pouco depois escrevia o Santo; «Queira Deus que estes males sirvam para emenda dos que sobrevivem, e que, cessando as desgraças, cessem também as ofensas. Será grande misericórdia de Deus apartar Ele os açoites e converter os corações». O império estava podre e os pecados não cessavam. A imperatriz Eudóxia chama o vândalo Genserico, que se apresenta nas bocas do Tibre com grande esquadra, como flagelo da ira de Deus contra os maus cristãos. O Papa conseguiu do verdugo, em 455, que perdoasse a vida aos Romanos e se abstivesse de incêndios e destruições. Roma salvou-se, mas o castigo foi terrível. Durante 15 dias esteve sujeita ao saque de mouros e vândalos,. que se espraiaram pelas suas ruas como feras. Apenas se salvou o que se acumulara nas três grandes basílicas urbanas. S. Leão rezava diante das relíquias de S. Pedro. Alguns anos depois dizia num sermão: «O meu coração está cheio de tristeza e de temor. Os homens correm grande perigo, quando são ingratos a Deus, quando lançam ao esquecimento as suas mercês e nem se arrependem depois do castigo, nem se alegram com o perdão… Há mais entusiasmo pelos demónios que pelos Apóstolos, e atraem mais público os espetáculos insensatos que os bem-aventurados mártires. Todavia, quem salvou esta cidade?… Foram porventura os jogos de circo, ou antes a proteção dos Santos? As orações dos Santos é que mitigaram o rigor da justiça divina e graças a eles, tendo nós merecido a ira, podemos esperar o perdão». Rico de méritos e universalmente estimado, Leão, morreu a 10 de Novembro de 461. Logo foi venerado como Santo e Bento XIV colocou-o entre os Doutores da Igreja, em 1754. Conservam-se 96 sermões seus autênticos, pregados geralmente nas festas do Senhor e dos Santos, e uma coleção de 143 cartas, sobre questões doutrinais ou litúrgicas. Sintetizando e completando: Foi o momento em que o império romano se desmoronou no Ocidente, e em que Francos, Visigodos, Vândalos e Borguinhões nele se instalaram, desta vez para não arredarem. Excepto os Francos, que se mantinham pagãos, todos estes bárbaros eram arianos e os reis deles contavam claramente com «arianizar» os povos conquistados. Quanto ao Oriente, metade dos bispos eram monofisitas. A Igreja inteira ia então tornar-se herética? Leão I foi o papa de quem se serviu Cristo, então, para cumprir a sua promessa: «as portas do inferno não prevalecerão contra ela». Tinha os talentos de homem de Estado, um coração nobre e magnânimo, coragem e tenacidade a toda a prova. Não parou ao defender os dogmas da Encarnação e da Trindade, tanto aos arianos, para quem Jesus era um homem divino, como contra os monofisitas, para quem o Filho de Deus apenas tomara a aparência da nossa natureza. Restringiu a autonomia das Igrejas particulares e impediu que Bizâncio, onde residia o Imperador, confiscasse em seu proveito o primado romano. É sabido também como, apresentando-se diante de Átila (452), o dissuadiu – por meio dum tributo, evidentemente ! – de ir pilhar, incendiar e destruir, talvez para sempre, a Cidade Eterna. O concílio de Calcedónia foi o triunfo da doutrina e da autoridade do grande pontífice. Os 500 bispos que o Imperador convocara, para resolverem sobre a questão do monofisismo, limitaram-se a ler a carta papal, exclamando ao mesmo tempo: «Roma falou por meio de Leão, a causa está decidida; causa finita est». Do livro SANTOS DE CADA DIA, de www.jesuitas.pt. Ver também www.es.catholic e www.santiebeati.it
• León Magno, Santo
Noviembre 10 XLV Papa,
León Magno, Santo
León Magno, Santo
Martirologio Romano: Memoria de san León I, papa, doctor de la Iglesia, que, nacido en Etruria, primero fue diácono diligente en la Urbe y después, elevado a la cátedra de Pedro, mereció con todo derecho ser llamado “Magno”, tanto por apacentar a su grey con una exquisita y prudente predicación como por mantener la doctrina ortodoxa sobre la encarnación de Dios, valientemente afirmada por los legados delConcilio Ecuménico de Calcedonia, hasta que descansó en el Señor en Roma, donde en este día tuvo lugar su sepultura en San Pedro del Vaticano (461). Etimología: León = Aquel hombre audaz, imperioso y valiente, es de origen latino
El Papa León, que nació en Toscana a fines del siglo IV, es recordado en los textos de historia por el prestigio moral y político que demostró ante la amenaza de los Hunos de Atila (a los que logró detener sobre el puente Mincio) y de los Vándalos de Genserico (cuya ferocidad mitigó en el saqueo de Roma del 455). Elevado al solio pontificio en el 440, en sus 21 años de pontificado (murió el 10 de noviembre del 461) llevó a cabo la unidad de toda la Iglesia alrededor de la sede petrina, impidiendo usurpaciones de jurisdicción, arrancando de raíz los abusos de poder, frenando las ambiciones del patriarcado constantinopolitano y del vicariato de Arles.
Desafortunadamente, no existen muchas noticias biográficas de él. Al Papa León no le gustaba hablar mucho de sí en sus escritos. Tenía una idea elevadísima de su función: sabía que encarnaba la dignidad, el poder y la solicitud de Pedro, jefe de los apóstoles. Pero su posición de autoridad y la fama de rigidez y hieratismo no le impedían comunicar el calor humano y el entusiasmo de un hombre de Dios, que se notan por los 96 Sermones y por las 173 cartas que han llegado hasta nosotros. Sobre todo las homilías nos muestran al Papa, uno de los más grandes de la historia de la Iglesia, paternalmente dedicado al bien espiritual de sus hijos, a los que les habla en lenguaje sencillo, traduciendo su pensamiento en fórmulas sobrias y eficaces para la práctica de la vida cristiana. Sus cartas, por el estilo culto, demuestran su rica personalidad. De espíritu comprensivo y previsor, se destacó también por su impulso doctrinal, participando activamente en la elaboración dogmática del grave problema teológico tratado en el concilio ecuménico de Calcedonia, pedido por el emperador de Oriente para condenar la herejía del monofisismo. Su famosa Epistola dogmatica ad Flavianum, leída por los delegados romanos que presidían la asamblea, presentó el sentido y también las fórmulas de la definición conciliar, creando así una efectiva unidad y solidaridad con la sede de Roma. León fue el primer Papa que recibió de la posteridad el epíteto de “magno”, grande, no sólo por las cualidades literarias y la firmeza con la que mantuvo en vida al decadente imperio de Occidente, sino por la solidez doctrinal que demuestra en sus cartas, en sus sermones y en las oraciones litúrgicas de la época en donde se ven evidentes su sobriedad y precisión características. Murió el año 461. Si quieres más información consulta San León Magno de Jesús Martí Ballester Este día también se festeja a Nuestra Señora de Almudena,Justo de Canterbury y Andrés Avelino, Santo
25000 > San Leone I, detto Magno Papa e dottore della Chiesa 10 novembre - Memoria MR
Áudio da RadioVaticana: RadioRai: e RadioMaria:
77090 > Beato Acisclo Pina Piazuelo Martire 10 novembre MR

Em Barcelona, cidade de Espanha, beato Acisclo Pina Piazuelo, religioso da Ordem de São João de Deus e mártir, que durante a furiosa perseguição foi assassinado por ódio à religião (1936).
90559 >

SANTO ANDRÉ AVELINO
Sacerdote (1521-1608)
Andrés Avelino, Santo
Andrés Avelino, Santo
Muito popular em Roma e na Itália, é invocado de modo particular contra a morte repentina e a apoplexia. Nasceu em Castronovo em 1521, formou-se em direito e foi ordenado sacerdote em Nápoles. A seguir, passou a advogar nos tribunais eclesiásticos. Uma pequena mentira, em que deslizou, causou-lhe tanto remorso que, renunciando para sempre à profissão de advogado, resolveu dedicar-se exclusivamente à conversão das almas. Confiaram-lhe a reforma duma comunidade de religiosas, e conseguiu-o plenamente. Na mesma ocasião, teve a infelicidade de atrair sobre si a vingança dum libertino que tentou assassiná-lo. Ferido e com o rosto desfigurado, André conseguiu que o vice-rei perdoasse ao agressor que, pouco depois, foi morto por um marido ultrajado. Santo André Avelino entrou para a Ordem dos Teatinos em 1556; nela exerceu durante dez anos cargo de Mestre de Noviços, fundou casas dessa Ordem em Placença (ou Piazenza) e Milão; recusou um bispado que lhe ofereceu Gregório XIV, e regressou a Nápoles, onde as suas virtudes, pregações e milagres lhe suscitaram a admiração geral. Foi amigo de S. Carlos Borromeo, converteu numerosas pecadoras públicas, foi diretor espiritual de várias pessoas de categoria e contou entre os seus discípulos Scúpoli, o célebre autor do Combate espiritual. Ele próprio escreveu muito sobre assunto de ascetismo e edificação. Foi acometido dum ataque de apoplexia aos pés do altar, quando recitava as primeiras orações da missa, e morreu algumas horas mais tarde, depois de ter lutado, como aliás tinha predito, até aos últimos momentos, com o demónio. Faleceu em 10 de Novembro de 1608. Do livro SANTOS DE CADA DIA, de www.jesuitas.pt. Ver também www.es.catholic. e www.santiebeati.it
35250 > Sant' Andrea Avellino Sacerdote 10 novembre MR

• Baudolino de Alessandria, Santo
Noviembre 10 Ermitaño,
Baudolino de Alessandria, Santo
Baudolino de Alessandria, Santo
Martirologio Romano: Na aldeia de Foro, no Piemonte (Itália), santo Baudelino, ermitão (s. VIII). Nascido na nobreza, doou toda sua fortuna aos pobres e viveu como um ermitão numa cabana nas margens do rio Tanaro. Deus lhe outorgou os dons da profecia e da clarividência; animais selvagens se acostumaram a ir a sua choça para o ouvir falar de Deus. Uma lenda, conta que pelo ano 1174 um camponês logo após pedir ajuda ao protetor da cidade, alimentou a uma vaca com o último grão que restava e levou-a para fora das muralhas até encontrar o exército inimigo. As forças imperiais o capturaram e a vaca foi sacrificada para ser cozinhada. Quando os imperiais encontraram o estômago da vaca cheio de grão, perguntaram a Gagliaudo o motivo de alimentar ao animal com tão cobiçado alimento. Respondeu que se havia visto forçado a fazê-lo, já que havia tanto cereal acumulado, que não havia mais sitio onde o guardar na cidade. O Imperador, temendo que o assédio se prolongasse demasiado, o deu por terminado, e a cidade se salvou. Muitas histórias giram em torno a ele, algumas delas indicam que foi nomeado bispo. Morreu por causas naturais no ano 740
91332 > San Baudolino di Alessandria Eremita 10 novembre MR
91003 > San Costantino (Costanzo) Cachai Martire 10 novembre
 
90409 > Santo Demetriano di Antiochia Vescovo 10 novembre MR
Na Pérsia, trânsito de santo Demetriano, bispo de Antioquia, deportado ao desterro pelo rei Sapor I (c. 260).
94148 > Sant' Elaeth Re inglese 10 novembre
95498 > Beati Johannes Prassek, Hermann Lange e Eduard Muller Martiri di Lubecca 10 novembre
Justo de Canterbury, Santa
Justo de Canterbury, Santa
Martirologio Romano: Em Canterbury, Inglaterra, santo Justo, bispo, enviado a esta ilha pelo papa são Gregório I Magno juntamente com outros monges, para ajudar a santo Agostinho na evangelização de Inglaterra, aceitando mais tarde o episcopado desta sede (627). Etimologia: Justo = Aquele que é justo, honrado, integro e probo, é de origem latino Santo Justo formava parte do grupo de missionários que o Papa São Gregório Magno enviou no ano 601 a ajudar a Santo Agostinho em Inglaterra. Dados seus méritos, três anos depois Santo Agostinho o consagrou primeiro bispo de Rochester. O rei Etelberto construiu ali uma igreja dedicada a Santo André, porque os missionários romanos vinham da igreja de Santo André de la Colina Coeli. Quando São Lourenço sucedeu a Santo Agostinho na sede de Canterbury, Santo Justo escreveu junto com ele e com São Militão de Londres uma carta aos bispos e abades irlandeses, convidando-os a adoptar certos costumes romanos. Os mesmos santos escreveram outra semelhante aos britânicos cristãos. A propósito desta última, disse ironicamente Beda: "Todavía pode ver-se o que na realidade conseguiram com isso". No ano 616, depois da morte do rei Etelberto, se desatou uma reação dos pagãos em Kent e entre os saxões do este. Vendo isso, São Lourenço, Santo Justo e São Militão, decidiram retirar-se algum tempo, pois não podiam fazer nenhum bem enquanto que durasse a oposição dos príncipes pagãos. Santo Justo e São Militão partiram para a Gália. Um ano mais tarde, Santo Justo voltou a Inglaterra, já que São Lourenço, movido por uma aparição de São Pedro, havia conseguido converter o rei Edbaldo de Kent. Santo Justo foi eleito arcebispo de Canterbury no ano 624. O Papa Bonifácio V enviou-lhe o pálio, junto com uma carta em que lhe delegava o direito patriarcal de consagrar bispos para Inglaterra. Na dita carta, o Pontífice deixa ver a estima que professava a Santo Justo, pois fala da "perfeição a que há chegado a vossa obra", da promessa de Deus de estar com quem o serve fielmente ("sua misericórdia se há comprazido em manifestar particularmente em vosso ministério o cumprimento dessa promessa") e da "grande paciência" de Santo Justo. A carta conclui desta maneira: "Assim pois, irmão meu, deveis esforçar-vos por conservar com perfeita lealdade o que a Santa Sede os há confiado, em prenda do qual vos enviamos este símbolo de autoridade (quer dizer, o pálio) para que o leveis sobre os ombros... Que Deus vos guarde, queridíssimo irmão". Santo Justo morreu pouco depois. Antes de morrer, consagrou a São Paulino e o mandou acompanhar a Etelburga de Kent quando esta partiu para o norte a contrair matrimónio com o rei Edwino de Nortumbría, que era pagão. Como o faz notar Beda, essa aliança foi a ocasião para que o país abraçasse a fé". A diocese de Southwark celebra a festa de Santo Justo.
90430 > San Giusto di Canterbury Vescovo 10 novembre MR
Santos Narsete, bispo, e José, mártires

Na Pérsia, santos mártires Narsete, bispo, ancião venerável, e José, discípulo seu, jovem, os quais, por não querer adorar ao sol como lhes mandava o rei Sapor II, foram degolados (343).
SANTA NATALENA ou LENA
Era já venerada em Pamiers, na França, no tempo das cruzadas. O santuário onde ela então era invocada foi destruído durante as guerras da religião (século XVI). Era filha, diz a lenda, de Frédelas, rei de Pamiers, que, ao nascer ela, furioso por não ser antes um rapaz, mandou à parteira que a fosse deitar num ribeiro. Esta levou-a à senhora dum castelo que a educou na piedade e, ao morrer, lhe legou os seus bens. Lena pôs-se a gastá-los em esmolas e boas obras. Mas, quando Frédelas veio a saber que a bela jovem, que distribuía tantos benefícios, era a sua filha salva das águas, a fera, que ele continuava a ser, mandou-lhe cortar a cabeça. Do livro SANTOS DE CADA DIA, de www.jesuitas.pt
77100 > Santa Ninfa Martire 10 novembre
Santo Orestes, mártir

Em Tiana, de Capadócia, santo Orestes, mártir (s. III/IV).
94714 > Sant' Osnat Vergine irlandese 10 novembre
Santo Probo, bispo
Em Ravena, da província de Flaminia, santo Probo, bispo, a cujo nome o bispo santo Maximiano dedicou a célebre basílica Clasense (s. III/ IV).
76950 > Santo Tibério Martire 10 novembre

 

000000000000000000000000000000000000000000000000000000000
Localização geográfica da sede deste Blogue, no Porto
Viso---mapa_thumb_thumb_thumb_thumb_[1]_thumb
===================================
0000000000000000000000000000000000000000000000
$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$


«««««««««««««««««««««««««««««««««««««««««««««««««««««««»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»

WWW.ES.CATHOLIC.NET/SANTORAL
WWW. SANTIEBEATI.IT
Sites utilizados: Os textos completos são recolhidos através do livro SANTOS DE CADA DIA, de www.jesuitas.pt. em que também incluo imagens recolhidas através de http://es.catholic.net/santoral,; em seguida os textos deste mesmo site sem tradução e com imagens, e por último apenas os nomes e imagens de HTTP://santiebeati.it.
NOTA INFORMATIVA: Como já devem ter reparado, de vez em quando, segundo a sua importância há uma exceção da 1ª biografia, que mais sobressai, – quando se trate de um dia especial, dedicado a Jesus Cristo, a Nossa Senhora, Anjos ou algum Santo, em particular – todos os restantes nomes (que não constem do livro citado – nem tampouco dos outros sites) surgem por Ordem alfabética, uma, duas ou três vezes, conforme figurem nos três sites indicados, que poderão ser consultados - se assim o desejarem – pelos meus eventuais leitores. LOGICAMENTE E POR ESSE FACTO, DIARIAMENTE, O ESPAÇO OCUPADO, NUNCA É IGUAL, ACONTECENDO POR VEZES QUE É DEMASIADO EXTENSO. As minhas desculpas e obrigado.
Responsabilidade exclusiva de ANTÓNIO FONSECA