OS MEUS DESEJOS PARA TODOS

RecadosOnline.com

sexta-feira, 11 de novembro de 2011

Nº 1100 (294) - (11-11-11) – 11 DE NOVEMBRO DE 2011 - SANTOS DE CADA DIA - 4º ANO

 

Nº 1100  (!!!)

-  (11-11-11… Coincidência ou não (!)…)  – não foi de propósito, garanto… Aliás, se bem repararem, sucedem 2 coincidências, isto é, a curiosidade dos Onzes seguidos, que registam o blogue Nº 1100 e o nº 294 (do presente ano) – (e, ainda, 11 Biografias de Santos, que somados entre si dão exatamente o número 6, que é também a soma dos 6 onzes.  Por isso mesmo, e de propósito agora, vou agendar a publicação deste blogue, para o dia 11-11-11, precisamente às 11 horas e 11 minutos…

Não sei o que é que isto quererá dizerse acaso existe alguma explicação concreta, - mas que, no mínimo, é curioso, terem-se verificado estas duas coincidências, acho que sim.

Os meus cumprimentos a todos os meus leitores. António Fonseca

************************************************************

SÃO MARTINHO DE TOURS

Bispo (316-397) SAN MARTÍN

Martín de Tours, Santo - Bispo
Conhecido também como São Martín Caballero

Nasceu S. Martinho no ano de 316, em Sabária da Panónia, atual Hungria. Seus progenitores foram certamente pagãos. O pai era oficial do exército romano e foi destinado a Pavia, onde o filho recebeu a primeira educação. Aos dez anos pediu para entrar na Igreja, contra a vontade dos seus, e pensava mesmo em retirar-se para o deserto. Para o libertar das influência cristãs, aos 15 anos o pai inscreveu-o no exército e obrigou-o ao juramento militar. Tratava o seu impedido em pé de igualdade, pois com ele comia, servia-o à mesa e até lhe limpava o calçado. Entre os 15 e os 18 anos, sendo ainda simples catecúmeno, devemos colocar o célebre episódio de Amiens, tão ingénuo e tão cristão.Era rigoroso Inverno e Martinho entrava na cidade, de volta dum passeio matutino. Um pobre, meio nu, estendeu-lhe a mão, pedindo esmola. Tirou a sua clâmide militar, cortou-a ao meio com a espada e entregou metade ao mendigo. A outra lançou-a às próprias costas. Naquela noite dormiu Martinho melhor do que nunca. O coração batia-lhe com os impulsos do bem praticado. Jesus Cristo apareceu-lhe vestido com o manto que ele tinha dado ao mendigo e disse-lhe: «Martinho, ainda catecúmeno, deu-me este vestuário». Era isto louvor e era também exortação a que entrasse definitivamente na Igreja pelo baptismo. Batizou-se provavelmente em Amiens, em 339, por altura da Páscoa, como era costume então. Continuou ainda dois anos no exército. Em 341, no acampamento de Worms, chamado pelo imperador Constante para receber uma gratificação, recusou-a e pediu licença para retirar-se do exército: «Até agora manejei as armas por ti; permite que daqui em diante as maneje por Deus». Martinho conhecia Santo Hilário e, logo que exonerado da obrigação militar, dirigiu-se a Poitiers. O santo Bispo pô-lo à prova durante algum tempo e depois decidiu-se a ordená-lo, convencido de que seria valiosos auxiliar. O nosso herói resistiu por humildade e só concordou, por então, em subir a exorcista. Em sonho comunicou-lhe Deus a vontade de que voltasse à pátria e evangelizasse os parentes. Santo Hilário deu-lhe licença, sob a condição de que voltasse, uma vez concluída a missão. Isto sucedeu pelo ano de 355. Na passagem pelos Alpes caiu nas mãos dos salteadores, confessou valentemente a sua fé de cristão e desarmou-os com a sua convicção profunda. Na Panónia converteu a mãe; voltou a Itália e soube que Santo Hilário tinha sido desterrado da sua diocese pelos gentios. Deteve-se algum tempo em Milão, até que o ariano Maxêncio o desterrou da cidade, depois de o mandar açoitar. Julgou ter cegado o momento de viver como solitário e retirou-se para a ilha Galinária, diante de Albenga, na costa de Génova. Em Abril de 360, soube que Santo Hilário tinha voltado a Poitiers e foi para lá, conforme a promessa que fizera. Expôs ao bispo os seus desejos de solidão e conseguiu licença de retirar-se para um lugar chamado Ligugé, junto a Poitiers.Lá construiu uma cabana e permaneceu 11 anos, entregue à oração e penitência. Depressa se lhe vieram reunir discípulos, atraídos pela sua fama. O mosteiro de Ligugé, o mais antigo das Gálias, converteu-se em refúgio para todos os que fugiam do mundo e em escola para os pagãos que desejavam entrar na Igreja. Foi também seminário de apóstolos que iriam evangelizar as Gálias. No ano de 371, S. Martinho foi elevado contra a vontade à sé episcopal de Tours. Em seguida, fundou junto da cidade o mosteiro de Marmoutier, que foi o paço episcopal do Santo. Lá tinha uma cela de madeira com o seu jardinzinho, onde descansava depois das excursões apostólicas. Daqui saiu, entre outros, S. Patrício o Apóstolo da Irlanda. Marmoutier foi grande centro de civilização e evangelização. O zelo de S. Martinho estendeu-se por quase toda a França e nunca temeu enfrentar-se com os poderosos, como o imperador Valentiniano I. Interveio eficazmente no processo contra o famoso Prisciliano (erros sobre a Santissima Trindade, Cristo, tendência rigorista, etc.) e tratou familiarmente com o imperador Máximo. Sempre ativo e apostólico, a morte surpreendeu-o numa viagem pastoral. Soube que em Candes havia desavenças e rivalidades entre o clero, e foi lá implantar a paz de Cristo, pressentindo que não voltaria ao seu descanso de Marmoutier. Do seu próximo fim avisou-o uma febre altíssima. Mandou que o deitassem numa cama de cinza «a única, dizia aos discípulos, sobre que deve morrer um cristão». Estava deitado de costas sobre o chão duro. Os discípulos quiseram pô-lo de lado, proporcionando algum descanso ao doente. Mas eles suplicou-lhes que «o deixassem olhar para o céu, para os seus olhos verem o caminho por onde a alma havia de dirigir-se para o seu Deus». As lágrimas dos discípulos, que perdiam tão bom pai e mestre. pareceram, impressioná-lo um momento. Então voltou-se para Cristo e disse-lhe, humilde e resignado: «Senhor, se ainda posso fazer alguma coisa na terra, não recuso o trabalho. Quero somente a tua vontade». O demónio estava também a seu lado, e ele via-o monstruoso e cheio de raiva. Mas não tinha medo. Tinha vivido 80 anos e, desde os dez com a caridade de Cristo no coração. «Que fazes aqui? – increpou o espírito maligno –, mau animal? Não há em mim nada teu. Muito depressa serei recebido no seio de Abraão». E expirou com estas palavras nos lábios, a 8 de Novembro de 837. O seu corpo foi levado a Tours e enterrado no cemitério cristão, à entrada da cidade. A voz do povo canonizou-o. A sua vida, escrita por Sulpício Severo, chegou bem depressa a todo o Império; e durante a Idade Média faziam-se peregrinações ao túmulo de S. Martinho, quase tantas como aos sepulcros dos Apóstolos em Roma, A sua fama de taumaturgo transportava toda a espécie de enfermos e necessitados, com a esperança de alcançarem cura de qualquer doença que fosse, como se diz no Hino Iste Confessor, composto originariamente em honra do Santo: Quolibet morbo fuerint gravati Restituuntur. Veem-se curados de qualquer doença de que sofrerem. Do livro SANTOS DE CADA DIA, de www.jesuitas.pt

San Martino di Tours Vescovo

SÃO MENAS DO EGIPTO 

Mártir

Menas de Egipto, Santo

Menas de Egipto, Santo

O egipcíaco Menas era soldado cristão. Quando os imperadores Diocleciano (284-305) e Maximiano (286-305), respectivamente do Oriente e do Ocidente, perseguiam o Cristianismo, estava Menas no deserto a fazer penitência. Celebrando-se um dia festas estrondosas no aniversário natalício dos imperadores, foi Menas ao teatro onde o povo se achava reunido e aí fustigou acremente e em voz alta, para todos ouvirem, as superstições gentílicas daquela multidão desaforada. Preso sem demora, foi azorragado impiedosamente . Passava-se isto na Frígia, onde era governador Pirro. Levado para o cavalete, aí foi atormentado durante muito tempo, até que, cansados, os carrascos o abandonaram para, logo em seguida, lhe aplicarem chamas nas feridas. Não ficaram ainda por aqui aqueles lobos ferozes, insaciáveis de sangue. Arrastaram-no ainda sobre espinhos duríssimos muito tempo, até que que lhe decepou a cabeça uma espadeirada, pondo desta forma termo a tão horríveis cenas. Não satisfeitos ainda, lançaram o cadáver a uma fogueira. Os cristãos retiraram-no dali e sepultaram-no, sendo mais tarde transladado para Constantinopla. Do livro SANTOS DE CADA DIA, de www.jesuitas.pt Ver também www.es.catholic e www.santiebeati.it

San Menna d'Egitto Eremita

Beata Alice (Maria Jadwiga) Kotowska Vergine e martire

 

• Bartolomeu o Jovem de Rossano, Santo
Novembro 11 Abade

Bartolome el Joven de Rossano, Santo

Bartolome el Joven de Rossano, Santo

Nos encontramos hoje com Bartolomé, nascido em Rossano (Calábria, Itália) no ano 980 e morto em 1055. Provinha de uma família de Constantinopla. Lhe puseram por nome Basilio.  Desde pequeno teve uma inclinação muito marcada pelo estado religioso. Encomendaram sua educação aos monges dum mosteiro. Em pouco tempo de fazer seus votos, o enviaram a Monte Cassino. O abade de então era Nilo. Os dois juntos foram para Roma a ver o Papa Gregório V, e ver a forma de solucionar os enfrentamentos a que deu lugar o autoproclamado papa João XVI. A pouco tempo morreu Nilo. Sucedeu-lhe Bartolomé. Em seguida mandou construir uma igreja à Virgem; esteve no concílio lateranense de 1044, em que demostrou seus dotes diplomáticos aplacando as quezílias entre o duque Adenolfo e o príncipe de Salerno. Entabulou uma grande amizade com os Papas Bento VIII e IX, logrando que Bento IX abdicasse e fosse para o mosteiro. Bartolomé morreu no ano 1055.
Foi uma pessoa muito inteligente. Escreveu um excelente livro titulado “Tipicón”, que é um código litúrgico-disciplinar para reger os mosteiros. E junto a esta obra há que citar também a magnífica biografia de seu amigo santo Nilo. Pío XII, no nono centenário de sua morte, o chamou “luminária da Igreja e ornamento da sede apostólica”. ¡Felicidades a quem leve este nome!

San Bartolomeo il Giovane di Grottaferrata (o di Rossano)

San Bertuino di Malone Vescovo

San Giovanni l'Elemosiniere Vescovo patriarca di Alessandria d’Egitto

Áudio da RadioVaticana: RadioRai: e RadioMaria:

• Marina Omura, Santa
Novembro 11 Virgem e Mártir,

Marina Omura, Santa

Marina Omura, Santa

Nasceu no Japão. Em 1626 ingressa na Terceira Ordem Dominicana, sendo de grande ajuda para os missionários. Presa em 1634, é submetida a vergonhosas humilhações e finalmente conduzida à fogueira, dando um sublime exemplo de "mulher forte". São muito escassos os dados que se conhecem sobre o nascimento, baptismo e família desta insigne mártir de Japão. Seus biógrafos nos dizem dela que «era exemplo para todos os cristãos de Omura».Se diz também dela que sua caridade era tal, que sua casa era o refúgio tanto dos missionários como dos cristãos persegui­dos. Ali acudiam quantos se achavam no transe da prova para recobrar o ânimo e as forças perdidas. Para ver mais sobre seus 15 companheiros mártires no Japão faz "click" AQUI

Santa Marina di Omura Vergine e martire

San Menna del Sannio Eremita

Áudio da RadioRai:

 

 

• Teodoro o Estudita, Santo
Novembro 11 Abade

Teodoro el Estudita, Santo

Teodoro el Estudita, Santo

São Platão, Abade do mosteiro de Simbóleon no Monte Olimpo, em Bitinia, tinha um cunhado cujos três filhos foram a estabelecer-se em suas possessões de Sakkoudion, perto do Monte Olimpo, para levar aí vida eremítica. O mais fervoroso dos três irmãos era o mais velho, Teodoro, que ia cumprir vinte e dois anos. Os jovens persuadiram a São Platão para que renunciasse ao governo de sua abadia e se encarregasse de governar aos ermitãos de Sakkoudion. Mais tarde, São Teodoro foi enviado a Constantinopla para receber a ordenação sacerdotal. O jovem fez tais progressos na virtude e no saber, que seu tio Platão lhe confiou a direção da comunidade com o consentimento unânime. O jovem imperador Constantino IV se divorciou de sua esposa e se casou com Teódota, que era parente de São Platão e São Teodoro. Ambos protestaram contra esse abuso. Constantino, que desejava ganhar a Teodoro, lhe fez promessas e tratou especialmente bem a seus parentes. Como não obteve nenhum resultado, Constantino foi então aos banhos de Brusa, perto de Sakkoudion, com a esperança de que São Teodoro fosse fazer-lhe uma visita de cumprimentos; mas nem o abade, nem nenhum de seus monges se apresentaram a recebê-lo. O imperador regressou furioso a seu palácio e imediatamente enviou um pelotão de soldados com ordens de desterrar a Teodoro e a seus demais seguidores. Todos foram desterrados para Tessalónica, onde se publicou um édito que proibia aos habitantes dar-lhes asilo e ajudá-los, de sorte que nem os monges da região se atreveram a estender-lhes a mão. São Platão, já muito ancião, foi encerrado numa cela em Constantinopla. São Teodoro lhe escreveu desde Tessalónica um relato da viagem, em que lhe contava as vicissitudes que haviam atravessado ele e seus companheiros e expressava sua admiração por seu antigo mestre. O exílio só durou alguns meses. A forma em que terminou, é um exemplo característico da ambição brutal que reinava aí naquela época. Com efeito, o ano 797, Irene, a mãe do imperador, destronou a seu filho e mandou tirar-lhe os olhos. Irene, que reinou seis anos, chamou do desterro a Teodoro e seus companheiros. O santo regressou a Sakkoudion e reorganizou o mosteiro, mas no ano 799, como o mosteiro era uma presa fácil para os árabes, os monges refugiaram-se dentro das muralhas da cidade.  Então, se confiou a São Teodoro a direcção do célebre mosteiro de Studios, que o cônsul Studius havia construído em 463, numa viagem que fez de Roma a Constantinopla. Constantino Coprónimo havia expulsado os monges, de sorte que quando chegou São Teodoro apenas havia uma dezena. Bajo su gobierno, el monasterio llegó a tener un millar de habitantes, entre monjes y criados. En materia de legislación monástica, Teodoro fue quien más contribuyó a desarrollar la tradición procedente San Basilio. San Atanasio el Lauriota aplicó la legislación de San Teodoro en el Monte Athos y de ahí se extendió a Rusia, Bulgaria y Servia, donde todavía es la base de la vida monástica. San Teodoro fomentó los estudios y las artes; la escuela de caligrafía que fundó fue famosa durante largo tiempo. Los escritos del santo constituyen una serie de sermones, instrucciones, himnos litúrgicos y tratados de ascética monástica, en los que se muestra muy moderado, si se le compara con otros orientales. El santo dijo en cierta ocasión a un ermitaño: "No practiquéis la austeridad para satisfacer vuestro amor propio. Comed pan, bebed alguna vez, usad zapatos en invierno y comed carne cuanto os haga falta." Teodoro gobernó apaciblemente el monasterio durante ocho años, en medio del remolino de la política imperial, hasta que la cuestión del adulterio de Constantino volvió a surgir. El emperador Nicéforo I eligió al futuro San Nicéforo, que era entonces laico, para ocupar la sede patriarcal de Constantinopla. Como San Nicéforo no había recibido las órdenes, San Teodoro, San Platón y otros monjes se opusieron al nombramiento. El emperador los tuvo presos durante veinticuatro días, al cabo de los cuales, a instancias de Nicéforo y de un reducido grupo de obispos, restituyó la jurisdicción al sacerdote José, que había sido degrado por haber bendecido el matrimonio de Constantino IV con Teódota. San Teodoro y otros se negaron a mantener la comunión con José y a aceptar la decisión de que el matrimonio había sido válido. Así pues, San Teodoro, San Platón y José (que era hermano de San Teodoro y arzobispo de Tesalónica) , fueron aprisionados en la Isla de la Princesa. Teodoro explicó el asunto por carta al Papa, y San León III le, contestó alabando su prudencia y su constancia. Los enemigos de Teodoro habían hecho correr en Roma el rumor de que este había caído en la herejía y estaba despechado por no haber sido nombrado patriarca, de suerte que San León III prefirió abstenerse de un juicio definitivo. Los monjes estuditas fueron dispersados en diferentes monasterios y muy matratados. El destierro de San Teodoro y sus compañeros duró dos años, hasta la muerte del emperador Nicéforo, ocurrida el año 811 Teodoro y el patriarca Nicéforo se reconciliaron, ya que su actitud en el doloroso problema de la veneración de las imágenes era idéntica. En nuestro artículo sobre San Nicéforo (13 de marzo) hemos dado ya ciertos detalles sobre la segunda persecución iconoclastaque tuvo lugar durante el reinado de Leo V, el Armenio. San Teodoro negó abiertamente que el emperador tuviera derecho a inmiscuirse en los asuntos eclesiásticos y, el Domingo de Ramos cuando San Nicéforo había sido ya expulsado, ordenó a sus monjes que saliesen a la calle en solemne Procesión con las sagradas imágenes, cantando un himno que comienza así: "Reverenciamos tu sagrada imagen, bendito santo." Desde ese momento, San Teodoro se convirtió en el jefe del movimiento ortodoxo. Como continuase en la defensa del culto a las imágenes, el emperador le desterró a Misia, desde donde continuó exhortando a los fieles por cartas de las que se conservan algunas. Cuando se descubrió su correspondencia, el emperador le desterró a Bonita, en la Anatolia, y mandó decir al carcelero, Nicetas, que flagelase a su víctima. Aquél vio conmovido la alegría con que San Teodoro se despojaba de su túnica y ofrecía al látigo su cuerpo consumido por los ayunos y, lleno de compasión, hizo salir de la mazmorra a todos los presentes, colocó una zalea de borrego sobre el lecho del santo y descargó sobre ella los golpes para que los oyesen los que se hallaban afuera. Finalmente, Nicetas se rasguñó los brazos para manchar con su sangre el látigo y salió a mostrarlo a los otros. San Teodoro pudo escribir más cartas a los fieles, a los patriarcas y una al Papa Pascual, a quien decía: "Escucha, obispo apostólico, pastor que Dios ha puesto para guiar el rebaño de Jesucristo: tú has recibido las llaves del Reino de los Cielos, tú eres la piedra sobre la que ha sido edificada la Iglesia, tú eres Pedro, puesto que ocupas su sede. Ven en ayuda nuestra". El Pontifice escribió a Constantinopla algunas cartas, que resultaron infructuosas. Entonces, San Teodoro le escribió para agradecerle con estas palabras: "Tú has sido desde el principio la fuente pura de la ortodoxia, tú eres el puerto seguro de la Iglesia universal, su amparo contra las acometidas de los herejes y la ciudad de refugio que Dios nos ha dado". San Teodoro y su fiel discípulo Nicolás, estuvieron presos en Bonita du :rante tres años. Sus sufrimientos eran indecibles: en el invierno, el frío era muy intenso; en el verano, se ahogaban de calor y padecían hambre y sed, pues los guardias sólo les echaban por una claraboya un trozo de pan cada tercer día. San Teodoro afirma que muchas veces creyó morir de hambre y añade: Pero Dios es todavía demasiado misericordioso con nosotros." Probablemente hubiesen muerto de hambre, si un oficial de la corte que visitó la cárcel por casualidad, no hubiese ordenado que se les diese bien de comer. El emperador interceptó una carta en la que el santo exhortaba a los fieles a desafiar a la infame secta de los iconoclastas, ordenó al prefecto del oriente que castigase al autor. El prefecto no se dejó ganar por la compasión, como el carcelero Nicetas y mandó azotar al monje Nicolás, a quien Teodoro había dictado la carta, y a éste le condenó a sufrir cien azotes. Después de la tortura, los verdugos dejaron al santo tirado en el suelo durante largo tiempo, expuesto a los rigores del frío de febrero. San Teodoro no pudo comer ni dormir durante muchos días y, si escapó con vida, fue gracias a Nicolás que olvidó sus propios sufrimientos, le alimentó gota a gota con una cucharita y le vendó sus heridas, no sin antes cortarle los trozos de carne infectada en las llagas. San Teodoro sufrió lo indecible durante tres meses. Antes de que estuviese totalmente restablecido, se presentó un oficial imperial con el encargado de conducirle a Esmirna, junto con Nicolás. Durante el día caminaban a marchas forzadas y, por la noche, se los encadenaba. El arzobispo de Esmirna, que era un iconoclasta furibundo, mandó vigilar estrechamente al santo y llegó a decirle que iba a pedir que el emperador le mandase decapitar o, por lo menos, cortarle la lengua. Pero la persecución terminó el año 820 con el asesinato de quien la había provocado. El sucesor de Leo, Miguel el Tartamudo, fingió al principio suma moderación y levantó las sentencias de destierro. San Teodoro el Estudita regresó al cabo de siete años de prisión y escribió una carta de agradecimiento al emperador, exhortándole permanecer unido a Roma -la primera de las Iglesias- y a permitir el culto de las imágenes. Pero Miguel se negó a permitir el culto de las imágenes y a devolver sus cargos al patriarca, al abad de Studios y a todos los prelados ortodoxos que no estuviesen de acuerdo con esa medida. San Teodoro, después de hacer vanos intentos por convencer al emperador, partió de Constantinopla (en realidad era una forma de destierro) e hizo un recorrido por los monasterios de Bitinia para alentar y reconfortar a sus partidarios, "El invierno ha pasado ya -les decía-, pero aún no ha llegado la primavera. El cielo se despeja hay buenas esperanzas. El fuego está ya apagado, pero las cenizas humean todavía." La influencia de San Teodoro llegó a ser tan grande, que los monjes en general y los estuditas en particular se convirtieron en el baluarte de la ortodoxia. Algunos de los discípulos del santo fueron a reunirse con él en monasterio de la península de Akrita. A principios de noviembre de 826, San Teodoro enfermó ahí. Al cuarto día de su enfermedad, pudo ir hasta la iglesia a celebrar el santo sacrificio, pero el mal fue en aumento, y el santo dictó a su secretario sus últimas instrucciones. Dios le llamó a Sí el siguiente domingo 11 de noviembre. Sus restos fueron transportados al monasterio de Studios dieciocho años más tarde. En el oriente hay gran veneración por San Teodoro el Estudita. El Matirologio Romano dice que es "famoso en toda la Iglesia". El santo merece elogio como legislador monástico, como defensor de la suprema autoridad Roma y como valiente propugnador del culto de las imágenes, por el que sufrió. San Teodoro hizo la guerra a los iconoclastas por motivos teológicos no porque considerara las imágenes como un adorno esencial de las iglesias, ya que desaprobaba absolutamente la representación pictórica de los vicios, de las virtudes y otros "excesos injustificados de la fantasía religiosa". Por otra parite, no creía que la devoción a las imágenes fuese absolutamente necesaria (él mismo parece haberla practicado muy poco), sino sólo una ayuda para los "hermanos más débiles". En sus instrucciones sobre la oración habla de la unión de mente y el corazón con Dios sin la ayuda exterior de las imágenes. Pero comprendía claramente que negar la validez del culto a las imágenes, equivalía negar la validez de ciertos principios teológicos esenciales. Se conservan muchos escritos de San Teodoro, entre los que hay cartas, tratados sobre la vida monástica y el culto de las imágenes, sermones y cierto número de himnos. Dichos escritos reflejan su integridad y despego del mundo, que rayan en ese puritanismo que caracterizó a muchos de sus discípulos y que en algunos de sus sucesores llegó a extremos que turbaron la paz de la Iglesia.  En PG., vol. XCIX, hay dos biografías de San Teodoro y otros documentos relerentes a él, así como sus escritos. Su vida estuvo tan íntimamente relacionada con las controversias de la época que, para comprenderla, hay que referirse a las obras de historia general de Iglesia. Véase Pargoire, L´Eglise Byzantine de 527 a 874 (1923); Hefele-Leclercq, Histoire des Concites, particularmente lib. 18, vol. III, pte. 2; Mons. Mann, Lives of the Popes vol. II, pp. 795-858; y Bréhier, La Querelle des lmages (1904). Entre las obras más directamente relacionadas con San Teodoro, mencionaremos a J. Hausherr, St Théodore.,. d´apres ses catécheses (1926), en la colección Orientalia Christiana, n. 22; Alice Gardner Teodore of Studium (1905); H. Martin, St Théodore (1906); Dobschütz, Methodius una Studiten, en Byzantinische Zeitschrilt, vol. XVIII (1909), pp. 41-105; y G. A. Schn´ Der hl. Theodor van Studion (1900). En Analecta Bollandiana hay varios artículos San Teodoro. El P. C. Van de Vorst publicó por primera vez el elogio del santo Teófanes (vol. XXXI, 1912) y otro texto griego sobre la traslación de sus reliquias ( XXXII), así como un estudio de sus relaciones con Roma y otro sobre el "catecismo breve de San Teodoro (vol. XXXIlI). Véase también en DAR., el artículo sobre la actitud del santo en la controversia iconoclasta (vol. VII, cc. 272-284). El príncipe Max de Sajonia publicó una excelente semblanza de tipo popular, titulada Der hl. Theodor (1929); y cf. N. H. Baynes y C. L. B. Moss, Brzantium (1948).

San Teodoro Studita Abate

• Verano, Santo
Novembro 11 bispo

,

Etimologicamente significa “estio”. Vem da língua latina. O Senhor disse: “Ainda que vossos pecados fossem como a erva, branquearão como a neve; ainda que fossem vermelhos como o carmesim, como a lã ficarão”. Te parecerá raro este nome entre os milhares e milhares de nomes de santos que há nos calendários. Foi um bispo do século V. Existe em Roma o Campo de Verano, isto é, o Campo da Primavera. Hoje está junto à basílica de são Lourenço, o cemitério ais visitado pelos romanos. São Verano foi bispo de França, um século depois de outro grande bispo, o mais querido e famoso em França, são Martinho de Tours. Foi bispo da Provenza, hoje e sempre tão predileta para os pintores por causa de seus tons e de sua luminosidade. O lugar em que exerceu seu apostolado episcopal se chama Vence. Era filho de Euquério, bispo de Lyon, e tinha um irmão que se chamava Solonio. O pai ajudou incansavelmente com sua entrega e seu bom exemplo a que seus filhos fossem santos no episcopado. Para os preparar bem, os enviou ao mosteiro melhor daquelas cercanias, o de Lérins. Com o tempo, e dada sua boa preparação intelectual e religiosa, foram nomeados respectivamente bispo de Vence e de Genebra. Os Papas os apreciam muito, sobretudo Leão I e Hilário. Verano lhes escrevia a miúdo. Numa de suas cartas, lhes dizia:"Eu, Verano, escrevo ao Papa, a que represento no apostolado; Escrevo a sua beatitude e lhe rogo que reze por mim".

San Verano di Vence Vescovo

 

• Vicenta María (Luisa) Poloni, Beata
Novembro 11 Fundadora,

Vicenta María (Luisa) Poloni, Beata

Vicenta María (Luisa) Poloni, Beata

Martirológio Romano: Em Verona, Itália, beata Vicenta María Poloni, fundadora do Instituto das Irmãs da Misericórdia de Verona. (1855) Etimologicamente: Vicenta = Aquela que é vencedora, é de origem latina. Etimologicamente: María = Aquela senhora bela que nos guia, é de origem hebraica.  Em 21 de setembro de 2008 foi beatificada Vicenta María Poloni Vicenta María Poloni, fundadora do Instituto das Irmãs da Misericórdia de Verona, nascida em Verona em 26 de Janeiro de 1802 e morta em 11 de novembro de 1855.  A casa onde nasceu Luisa (Luigia) Poloni se encontra no número 8 da “Piazza delle Erbe”, onde os pais atendem um negócio de comestíveis e ervanária. Sua família, sustentada por profundos princípios cristãos e tocada por muitos acontecimentos dolorosos, é para Luigia o lugar mais rico de estímulos e de formação. Sua inteligência prática e concreta, sua atitude reservada e amável, qualidades que a caracterizam, facilitam sua disposição ao serviço sério e gratuito. Desde muito jovem, se entrega aos irmãos em grave necessidade e aos numerosos sobrinhos que a veem como a uma mamã. Após a morte do pai, graves problemas económicos desequilibram a família. Luigia então desenvolve e pratica qualidades de manager, na condução e na administração da família, sem descuidar a assistência como voluntária, na Instituição do Asilo de anciãos da cidade. O sacerdote Carlos Steeb, seu diretor espiritual, que a aprecia muito e confia nas suas qualidades, lhe diz: “Minha filha, o Senhor a quer Fundadora de um Instituto de Irmãs da Misericórdia, nenhuma dificuldade a atemorize ou a detenha, para Deus nada é impossível”. Luigia, segura de que seu caminho, já marcado por uma caridade insone, lhe dava um desígnio que só Deus conhece, com simplicidade e confiança filial no Pai misericordioso, contesta: “Eu sou a mais incapaz de todos mas o Senhor se serve, às vezes, dos instrumentos mais débeis para levar a cabo seus desígnios: que se cumpra sua vontade”.  Em 2 de novembro de 1840, Luigia Poloni, avalizada e acompanhada pelo padre Carlos Steeb, inicia o Instituto de Irmãs da Misericórdia. Seu serviço humilde e precioso às pessoas anciãs e aos órfãos abandonados, encontra sua mais alta expressão no serviço de Mãe e Mestra de numerosas jovens que, imitando seu exemplo, aprendem a doar na humildade, simplicidade e caridade sua vida a Deus como irmãs da Misericórdia. Luigia Poloni, que ao emitir os votos religiosos toma o nome de Irmã Vicenta María, morre em 11 de novembro de 1855, deixando como último testamento de seu afecto para com suas irmãs uma só coisa: A caridade. Instituto Irmãs da Misericórdia de Verona, fundado em 2 de novembro de 1840 em Verona, Itália, pelo beato Carlos Steeb (sua comemoração em 15 de dezembro), e a beata Madre Vicenta María Poloni, o Instituto Irmãs da Misericórdia de Verona tem como carisma honrar a Nosso Senhor Jesus Cristo, servindo-o corporal e espiritualmente nas pessoas dos pobres, meninos, jovens, anciãos, enfermos, encarcerados e abandonados, mediante suas catividades e obras em escolas, paróquias, hospitais, asilos para anciãos, salas de primeiros auxílios em bairros necessitados, cárceres, etc..

Beata Vincenza Maria (Luigia) Poloni Religiosa

 

Beato Vincenzo Eugenio Bossilkov Martire

 

000000000000000000000000000000000000000000000000000000000

Localização geográfica da sede deste Blogue, no Porto

Viso---mapa_thumb_thumb_thumb_thumb_[1]

http://confernciavicentinadesopaulo.blogspot.com

===================================

0000000000000000000000000000000000000000000000

$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$

«««««««««««««««««««««««««««««««««««««««««««««««««««««««»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»

WWW.JESUITAS.PT.

WWW.ES.CATHOLIC.NET/SANTORAL

WWW. SANTIEBEATI.IT

Sites utilizados: Os textos completos são recolhidos através do livro SANTOS DE CADA DIA, de www.jesuitas.pt. em que também incluo imagens recolhidas através de http://es.catholic.net/santoral,; em seguida os textos deste mesmo site sem tradução e com imagens, e por último apenas os nomes e imagens de HTTP://santiebeati.it.

NOTA INFORMATIVA: Como já devem ter reparado, de vez em quando, segundo a sua importância há uma exceção da 1ª biografia, que mais sobressai, – quando se trate de um dia especial, dedicado a Jesus Cristo, a Nossa Senhora, Anjos ou algum Santo, em particular – todos os restantes nomes (que não constem do livro citado – nem tampouco dos outros sites) surgem por Ordem alfabética, uma, duas ou três vezes, conforme figurem nos três sites indicados, que poderão ser consultados - se assim o desejarem – pelos meus eventuais leitores. LOGICAMENTE E POR ESSE FACTO, DIARIAMENTE, O ESPAÇO OCUPADO, NUNCA É IGUAL, ACONTECENDO POR VEZES QUE É DEMASIADO EXTENSO. As minhas desculpas e obrigado.

Responsabilidade exclusiva de ANTÓNIO FONSECA