OS MEUS DESEJOS PARA TODOS

RecadosOnline.com

quinta-feira, 24 de novembro de 2011

http://www.pt.josemariaescriva.info; Doutrina Católica; Biblia Catolica News; Voz da Igreja e Fratres in Unum - 24-11-2011

 

http://www.pt.josemariaescriva.info

Artigos
~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~
:: É necessário falar com Deus ::
Apresentamos um artigo de F. Cancelli, sobre a importância da oração nos ensinamentos de S. Josemaria, publicado no L'Osservatore Romano de 16 de novembro de 2011.
http://www.pt.josemariaescriva.info/artigo/e-necessario-falar-com-deus
~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~
Relatos
~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~
:: S.O.S. para ter paz ::
Na festa de Cristo Rei do ano de 1952, S. Josemaria atravessava momentos de dificuldade económica e de contradições relacionadas com a sua pessoa. Decidiu então consagrar o Opus Dei e os seus apostolados ao Coração de Jesus.
http://www.pt.josemariaescriva.info/artigo/sos-para-ter-paz
~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~
De Roma
~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~
:: Bento XVI em Benim ::
20 de novembro, 2011. (Romereports.com) O Papa visitou Benim de 18 a 20 de novembro. Foi a sua viagem número 22 fora de Itália como Pontífice e foi, sem dúvida, a mais festiva.
http://www.pt.josemariaescriva.info/artigo/bento-xvi-em-benim
~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~
Notícias
~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~
:: Cruzando a noite ::
Em Novembro de 1937, durante a Guerra Civil espanhola, São Josemaria teve de fugir para continuar o seu trabalho apostólico. "Cruzando a noite" é um documentário que aborda estas circunstâncias. A partir de hoje, publicaremos as três partes deste vídeo.
http://www.pt.josemariaescriva.info/artigo/cruzando-a-noite
~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~
Testemunhos
~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~
:: Boémio e sem trapalhices ::
Miguel Aranguren é romancista e pai de quatro filhos. "Aprendi de S. Josemaria que, mesmo numa profissão boémia, não se podem oferecer coisas mal feitas a Deus".
http://www.pt.josemariaescriva.info/artigo/boemio-e-sem-trapalhices
~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~
Escrevem-nos
~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~
:: Retirou a providência cautelar ::
Após a morte inesperada do meu marido, o meu sogro interpôs-me uma providência cautelar, devido a certas verbas que tinha adiantado ao meu marido. Não podem imaginar como me senti. Fui ao advogado para contestar, porquanto uma boa parte destas verbas não estava em dívida.
http://www.pt.josemariaescriva.info/artigo/retirou-a-provideancia-cautelar-
~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~
Devoção universal
~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~
:: Deus nunca se esquece ::
Vivo na cidade de Barranquilha. Estava desesperado porque não encontrava trabalho. Não obstante ter um bom curriculum e de ir a entrevistas, não conseguia ser integrado nas vagas que me interessavam...
http://www.pt.josemariaescriva.info/artigo/deus-nunca-se-esquece
~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~
Multimédia
~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~
:: O caminho de S. Josemaria através dos Pirenéus ::
Este breve videoclip integra o DVD “Cruzando la noche ”, que mostra a travessia que S. Josemaria empreendeu no ano de 1937, através dos Pirenéus.
http://www.pt.josemariaescriva.info/artigo/o-caminho-de-s-josemaria-atraves-dos-pireneus
~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~

Doutrina Católica

TESTEMUNHO DE CONVERSÃO – Alessandro Ricardo Lima

Posted on 23/11/2011by Doutrina Católica

Amigos leitores, a paz!

Gostaria de compartilhar com vocês um bonito testemunho de conversão, ocorrido por conta do estudo sério da patrística e história da Igreja. Peçamos a Deus que cada vez mais conversões baseadas na plena razão e fé possam acontecer.

In corde Iesu,

Leandro Nascimento

Doutrina Católica.

__________________________________________________________________

Meu nome completo é Alessandro Ricardo Lima, sendo o terceiro filho de meus pais entre quatro irmãos.

Nasci em Brasilia e Fui batizado na Igreja Católica quando tinha quase um aninho e idade. A cerimônia aconteceu na Igreja São José ao lado da Praça Tiradentes, no centro do Rio de Janeiro.

Mesmo sendo batizado na Igreja Católica, não segui esta fé. Pois desde muito pequeno minha irmã mais velha que era Luterana me levava para a Escola Dominical. Cresci congregando na Igreja Evangélica de Confissão Luterana de Brasília (IECLB). Para agradar meu Pai fiz a primeira comunhão na Igreja Católica aos 15 anos. Mesmo sendo Luterano sempre tive muita admiração pelo exemplo de Vida de Nossa Senhora e lembro-me de gostar muito da figura de João Paulo II.

Durante determinada fase do final de minha adolescência me interessei em estudar Espiritismo, Magia e Alquimia, só por curiosidade. Jamais me enveredei por estes caminhos. Acreditava que para combater melhor estas doutrinas deveria conhecê-las melhor.

Quando terminei o segundo-grau fiz curso pré-vestibular onde conheci muitos jovens católicos. Foi nesta época que comecei a me interessar um pouco mais pela Igreja Católica. E participei de um grande encontro de jovens de duração de 3 dias, muito conhecido aqui em Brasília o “Segue-Me”. Fiz o V SEGUE-ME do Núcleo Verbo Divino.

Nesta época eu abandonei o Luteranismo e achava que havia me tornado católico. Era um jovem católico como muitos católicos que existem por aí, com um conhecimento muito superficial da doutrina da Igreja e sem conhecimento da memória cristã.

Em 1999 fui morar no Rio de Janeiro, pela influência de alguns parentes e amigos, comecei a frequentar a os cultos da congregação Maranata, fundada pelo sr. Paulo Brito. Lá me converti ao Pentecostalismo. Lá me rebatizaram.

Durante este ano, me tornei um fervoroso protestante, e como normalmente acontece não me faltou o ódio à Igreja Católica. Tive acesso a vários folhetos que “revelavam” as “mentiras” do catolicismo. E me empenhei muito em estudá-los e divulgá-los.
E nestas minhas pesquisas e estudos a Providência Divina cuidou que eu encontrasse o Site AgnusDei. O primeiro artigo deste site que abri foi um intitulado “Concordância Bíblia” de autoria do Professor Carlos Ramalhete. O artigo tratava da concordância Bíblica que a existia na doutrina dos sacramentos; mas uma frase deste artigo me chamou muito a atenção: “A Bíblia é filha da Igreja e não sua mãe”. Nossa! Fiquei iradíssimo com aquilo, pois como um protestante que tinha a Sola Scriptura correndo em suas veias poderia dormir com um barulho daquele?

Entrei em contato com o referido Professor e com o Carlos Martins Nabeto, que era o criador do site.

Comecei a travar com eles uma série de debates. Comecei a me assustar quando me deparava com os Escritos Patrísticos, pois lá via que os primeiros cristãos confessavam o Catolicismo e não as novidades trazidas com a Reforma.
Comecei a ver que o que me ensinavam no protestantismo, não era a doutrina católica, era o que eles acham que era o Catolicismo.

Comecei a ver que o que me mostravam no protestantismo não era a Igreja Católica, mas uma caricatura dela.

O fato decisivo foi quando apresentei aos referidos irmãos, um material que dizia que a Igreja Católica incluiu os livros “apócrifos” na Bíblia durante o Concílio de Trento, que me rebateram me mostrando fragmentos de atas conciliares onde a Igreja já há mais de 1000 anos antes desta data já havia canonizado tais livros; me deram como referência a Bíblia de Guttemberg, que era anterior à Reforma, e já incluía tais livros.
Como trabalhava no Centro do Rio, fui à Biblioteca Nacional afim de conhecer a Bíblia de Guttemberg. Vendo os microfilmes pude constatar que o material protestante que estava em minhas mãos e que eu divulgava como sendo luz e guia da Verdade, era mais uma obra enganadora do Maligno.
Foi neste dia que com muita tristeza por ter perseguido a Igreja de Deus, me converti ao Catolicismo.

Enfrentei muitos problemas por causa da minha conversão, principalmente por causa de amigos e parentes. Em 03/2000 voltei à Brasília, e comecei então a preparar a chegada do Site Ictis, pois eu acreditava que tinha a obrigação de esclarecer os “católicos” que pensam que são católicos e os protestantes que pensam que são Cristãos. Dediquei-me tremendamente ao estudo dos Escritos Patrísticos, e a cada leitura, a cada estudo, me tornava cada vez mais Católico e mais tinha certeza do caminho que havia abraçado.

Sou formado em Processamento de Dados pela União Educacional de Brasília (DF) e possuo Especialização em Gerência de Projetos em Engenharia de Software pela Universidade Estácio de Sá (RJ). Sou Analista de Sistemas (com várias certificações do Mercado) e Professor Universitário aqui em Brasília.

Hoje me dedico ao estudo das origens cristãs, procurando divulgar o que tenho descoberto e a fonte de minhas informações para quem sabe outros vejam o que eu não pude ver.
E ajudo a manter este Apostolado Católico que tem como objetivo apresentar aos seus visitantes o VERITATIS SPLENDOR, isto é, o ESPLENDOR DA VERDADE. Pois como disse Nosso Senhor: “Vós sois a luz do mundo. Não se pode esconder uma cidade situada sobre uma montanha, nem se acender uma luz para colocá-la debaixo do alqueire, mas sim para colocá-la sobre o candeeiro, a fim de que brilhe a todos que estão na casa.” (Mt 5,14-15).

Fonte:

Lima, Alessandro Ricardo. Apostolado Veritatis Splendor: Alessandro Ricardo Lima. Disponível em <http://www.veritatis.com.br/apologetica/92-testemunhos/681-alessandro-ricardo-lima>, desde 01 de julho de 2002.

0000000000000000000000000000000000000000000000

Doutrina Católica.

Palavras convencem, testemunhos arrastam

Posted on 23/11/2011by Doutrina Católica

Estes dias o Santo Padre Bento XVI proferiu palavras que em muito inquietou meu coração com relação ao chamado e a resposta que damos a Deus. Aquilo que ouvimos e proclamamos, o que pregamos e testemunhamos.

Em primeiro lugar nos dizia o Santo Padre: “Os cristãos respiram o espírito do seu tempo e sofrem a pressão dos costumes da sociedade em que vivem; mas, pela graça do Batismo, são chamados a renunciar às tendências nocivas imperantes e a caminhar contracorrente”.

Este primeiro comentário é bastante salutar e claro acerca da nossa realidade quotidiana, daquilo que nos envolve e por muitas vezes nos afasta da vontade de Deus, seja por força dos acontecimentos ou pelo nosso consentimento.

Me recordo aqui de uma historinha na qual é narrado que o peixe está no mar que tem água salgada, mas se pescarmos o peixe é necessário colocar sal no mesmo para que possamos comê-lo. Ora, porque o peixe não sai salgado do mar que é salgado? Por que ele não se mistura. Ele está ali, mas não se deixa entranhar por aquele ambiente. Somente extrai dele o necessário e o que é bom para sobreviver.

Assim devemos nos comportar. Estamos no mundo mas não somos do mundo. Não podemos deixar que o sal sem sabor do mundo preencha nossa vida. Pelo contrário, nós é que devemos ser sal na terra e luz no mundo.

Quantas vezes não somos tomados por notícias, por palavras, por acontecimentos, por atitudes que não condizem com nossa fé. Nos mais diversos lugares: Na escola, no trabalho, na rua e até mesmo em nossa casa.

Quantas vezes não somos questionados acerca da nossa fé, do modo de vida que levamos, sobre a Igreja, sobre Jesus, sobre Nossa Senhora, sobre a nossa fé.

Qual nossa postura? Baixamos a cabeça e deixamos a correnteza nos levar ou nadamos contra ela? Não é o mundo e os seus argumentos que devem nos surpreender a ponto de pararmos e ali ficarmos a contemplá-lo.

Somos nós que devemos surpreender, encantar, contradizer e iluminar o mundo. Somos nós que devemos chamar a atenção e fazer com que o mundo pare e contemple a beleza de ser de Deus, de ser casto, de ser um jovem, uma jovem que vive a alegria verdadeira, de ser uma família que defende a vida, de ser um casal que vive a fidelidade e a santidade no amor conjugal e na educação cristã de seus filhos, de sermos profissionais coerentes, honestos e justos, de sermos irmãos e vivermos a caridade.

E tudo isso só será possível se nós, cada um de nós, abraçarmos o plano de Deus para nossas vidas e fazer com que este plano tome forma, tome cor e seja o nosso cartão postal para o mundo. A vontade de Deus em nós, conhecida, acolhida e vivenciada, torna-se o nosso cartão postal.

Mas um ponto é essencial em tudo isso: Não basta somente falar, cantar, escrever, proclamar. É preciso viver o que falamos, viver o que cantamos, viver o que escrevemos, viver o que proclamamos. A nossa vida, a sua vida hoje é o palco, é o púlpito, é o livro , é o altar onde o Grande Autor irá fazer acontecer a maior de todas as manifestações em favor da humanidade: O SEU AMOR!

De palavras bonitas, de grande espetáculos, de luzes e sons, de grandes literaturas, o mundo está cheio. Mas falta-lhe a coerência, falta-lhe a vida, falta-lhe o sabor, falta-lhe a verdade e isso finda por esgotá-las em si mesmas.

Por isso nossa missão deve ser não só proclamar, mas testemunhar. E testemunhar com a nossa vida. Assim nos dizia também estes dias o Papa Bento XVI: Ora, “há que acolher a boa doutrina, mas esta corre o risco de ser desmentida por uma conduta incoerente”.

Diante disso meus irmãos, fica claro que não é só ler a Bíblia, não é só se debruçar sobre livros, escutar por horas música cristã. É preciso que o Espírito Santo renove em nós a disposição de sermos testemunhas daquilo que vimos e ouvimos. E o que vimos e ouvimos não é qualquer coisa. É a vida de Cristo que foi ofertada pelo Pai em favor de nós, pela nossa salvação. Vida esta que Cristo, por amor de nós atualiza todos os dias na Eucaristia.

Então, nós temos a missão de sermos coerentes com aquilo que Deus nos chama a viver. Devemos ser conscientes de que estamos no mundo, mas não pertencemos ao mundo. Que devemos nós arrastar o mundo para a salvação e não nos deixar conduzir para a perdição pelo mundo. Devemos conhecer, amar e proclamar as maravilhas que Deus realiza em nós, mas antes de tudo, devemos deixar que estas mesmas maravilhas que proclamamos, possam ser testemunhadas pela nossa vida, em atos concretos e que assim possamos nos tornar luzeiros para este mundo que jaz na UTI da salvação.

Deus os abençoe e nos dê a graça de viver com ousadia e coerência.

Texto de Fabiano de Medeiros
Colunista do Portal Católicos

0000000000000000000000000000000000

Voz da Igreja +


Depoimento de ex-"pastor" da IURD

Posted: 18 Nov 2011 03:58 AM PST

Depoimento de ex-"pastor" da IURD

Enviar por e-mail BlogThis!Compartilhar no Twitter Compartilhar no Facebook Compartilhar no Orkut

Temas: "igrejas evangélicas", denúncia, polêmica, testemunho, tira-dúvidas, vídeo

1 comentários:

M. E. B. disse...

ESSA COISA QUE SE DENOMINA IGREJA,MAS NA VERDADE É UMA INDUSTRIA DE FAZER DINHEIRO,TEM QUE RUIR... A IGREJA UNIVERSAL DO REINO DE DEUS SERVE AO DEMONIO, ISSO SIM É MOTIVO DE PREOCUPAÇÃO PARA TD A HUMANIDADE,PQ ESSE DEMONIO EM FORMA DE GENTE,QUE SE CHAMA EDIR MACEDO, QUER LEVAR TDS PARA ONDE ELE VAI... PRO INFERNO.
QUE DEUS TENHA MISERICORDIA NA HR DA SUA MORTE...

22 de novembro de 2011 12:37

0000000000000000000000000000000000

Biblia Catolica News


Link to Bíblia Católica News


Imagens católicas ou ídolos pagãos?

Posted: 21 Nov 2011 04:00 AM PST

Fonte: Veritatis Splendor As provas Bíblicas do uso de imagens e ícones na liturgia e devoção. Fiquei muito satisfeito com a visita de dois Testemunhas de Jeová à minha casa. Foi muito desafiante ver que os dois eram bem firmes sobre sua crença. Um homem e uma mulher, Bíblia na mão, desejosos em começar a [...]

Fonte: Veritatis Splendor

As provas Bíblicas do uso de imagens e ícones na liturgia e devoção.

Fiquei muito satisfeito com a visita de dois Testemunhas de Jeová à minha casa. Foi muito desafiante ver que os dois eram bem firmes sobre sua crença. Um homem e uma mulher, Bíblia na mão, desejosos em começar a discussão. Uma foto colorida da estátua de Nossa Senhora de Fátima – a que verteu lágrimas em Nova Orleans – estava em um lugar bem proeminente na parede da sala. Os TJs não perderam tempo.

“Eu era católica, sabia?”, ela iniciou, “até que compreendi que estava adorando ídolos ao invés de Jeová”, disse candidamente. “Me livrei de todos os ídolos que tinha, e centrei minha atenção na Bíblia”. Imaginei que se meus visitantes fossem Anglicanos ou algum outro ministro protestante poderíamos ter tido uma discussão mais racional sobre este assunto. Mas não com TJs. A maioria dos anglicanos da Austrália não relutaria em ver estátuas da rainha Vitória nos parques públicos. O mesmo se aplica ao capitão Cook e outros grandes personagens da história daquele país. Nem os protestantes dos Estados Unidos – clássicos ou pentecostais – acreditam que o Memorial Lincon em Washington é um templo pagão para adoração de um ídolo de fundição cujas características são de um presidente já morto.

Não. Todos sabem que aquelas estátuas possuem um propósito específico, isto é, relembrar a nós da pessoa que é honrada, suas virtudes e feitos pelo bem da nação. Se alguém pichar as estátuas da rainha Vitória ou de Abraham Lincon não estará simplesmente desfigurando um pedaço de ferro fundido, mas a memória da pessoa e, conseqüentemente, os valores da nação que por extensão estão representadas na pessoa da estátua. É por isso que imagens são feitas para honrar grandes homens e mulheres, e é por isso que temos fotos de nossos queridos em lugares especiais em nossas casas, e, às vezes, beijamos a figura de um filho ou filha morta, ou por saudade do noivo que está viajando, como expressão de carinho a ele ou ela.

Mas todas estas considerações são totalmente estranhas aos TJs. Tive de falar em uma língua que eles entendessem. Então comecei: “Estou satisfeito em saber que você se livrou de todos os ídolos de sua casa e centrou sua atenção na Bíblia. Isto é ótimo. Agora, diga-me, o que você me diria se eu adquirisse um Bíblia de você, e, ao invés, de ler, eu chutasse ela através da porta, rasgasse ela e terminasse fazendo aviõezinhos com suas páginas, que lançaria pela janela até a rua. Agora, o que você diria?” Terminei de dizer sorrindo.

Ela respondeu, “Diria que você não tem respeito pela Palavra de Deus, e irá receber a ira de Jeová…” “Por enquanto é só” – disse eu – “Mas o livro da Bíblia não é só… papel? Para quê esse exagero todo? Um dicionário, uma lista telefônica, um jornal e uma Bíblia são, estritamente falando, apenas papel e tinta! Porque vocês TJs seriam indiferentes se eu fizesse aviõezinhos de papel com papel de uma lista telefônica, mas não ficariam se eu os fizesse usando o papel de uma Bíblia?”

O rapaz estava doido para falar: “A Bíblia contém a mensagem de Jeová, e suas páginas devem ser tratadas com reverência e respeito pelo que representam. Uma lista telefônica ou um dicionário não representam da Palavra de Jeová Deus”, ele concluiu, com um toque de seriedade pontifícia. “Pois é por esta mesma maneira que temos imagens”, eu disse. “Não é o ferro ou madeira ou outro material usado que se faz importante, mas a personalidade representada, a mensagem que elas trazem”.

“Devemos ser guiados pelo Bíblia, sabia” disse a mulher, bem treinada na maneira de mudar de assunto. “E a Bíblia é muito, muito clara quanto imagens e ídolos, sabia? Veja Ex 20,2-5. Aqui você vê os mandamentos de Jeová contra qualquer forma de ídolo ou estátuas, como preferir chamá-las. Posso ler para você na sua própria Bíblia, se preferir?” Ela tomou minha Bíblia da mesa de café, e suas mãos bem treinadas passearam pelas páginas. Então, com uma face ardente, ela leu bem alto: “Eu sou o Senhor teu Deus que te tirou do Egito, da casa da servidão. Não terás outros deuses diante de mim. Não farás para ti imagens de escultura, nem figura alguma do que há embaixo da terra, nem do que há nas águas debaixo da terra. Não adorarás tais coisas, nem lhes prestarás culto. Porque eu o Senhor teu Deus sou um Deus ciumento”.

Ela parou por um momento, para ter certeza que eu ouvi a mensagem, e, com um estudado aceno com a cabeça terminou dizendo que… “Como você vê, Jeová Deus abomina idolatria… sabia?”

“Sim, sabia”, respondi. “Mas Deus não está condenando pinturas ou esculturas como uma arte, mas apenas as imagens ou outras representações que eram adoradas pelo povo. Você retirou o texto de seu contexto natural e transformou-o em um pretexto contra a Igreja Católica. Se você verificar outros textos paralelos, verá que o que Deus condena é a escultura de ídolos com o propósito de adoração destes mesmos ídolos, que são vistos como ?deuses? pelo povo idólatra, e não meramente imagens representando heróis nacionais ou santos. Veja, por exemplo, Ex 20,23 e 34,17; Lv 19, 4.26; Dt 4,23-24.27,15.” (o leitor desta carta verifique, por favor, estas passagens).

“Quer dizer”, falou o rapaz, “Que você está me dizendo que, se o povo não adorar as imagens como deuses mas simplesmente as honrar como representações de pessoas virtuosas, Jeová não levará em consideração?”

“Matou a charada, meu rapaz”, respondi. “O que estou querendo dizer para você é ainda mais: Deus nosso Senhor ordenou que imagens fossem esculpidas! Ele disse ao povo para ter mais respeito a elas que qualquer Britânico teria com a imagem da rainha Vitória, ou qualquer patriota americano teria com o memorial Lincon … sabia?” Conclui, com algo meio teatral.

A moça deu uma risada irônica que ecoou pela sala, como morcegos com um radar defeituoso em uma pequena garagem. “Mas você não encontra isto na Bíblia!!!”, bradou ela. “É uma invenção católica romana, porque Jeová Deus nunca se contradiria! Como poderia condenar ídolos e depois ordenar que fossem esculpidos? Não pode ser, sabia disso?”

“Claro que não pode ser!”, disse. “Isto não foi o que eu disse. Deus nosso Senhor condena a feitura de ÍDOLOS para adoração, mas ordena a escultura de IMAGENS para veneração”

O rapaz estava tão ansioso que sua transpiração atravessava sua nuca: eles achavam que finalmente tinham me encurralado. Deixei que eles tivessem alguns momentos de alegria, mas não muitos. “Posso mostrar a você na Bíblia”? perguntei.

“Seja nosso guia”, responderam em uníssono. Peguei a Bíblia na mesa do café, enquanto eles se sentavam alegres e triunfantes. “Aqui está”, disse. “Vocês sabem que o lugar mais sagrado mundo era o santuário que guardava a Arca da Aliança. Ela era tão sagrada que nenhum outro senão o sumo sacerdote podia toca-la. Ela continha as tábuas dos mandamentos. Em Ex 25,8 Deus diz: ?devem fazer um santuário para mim, e eu habitarei no meio deles?. Agora, notem que Deus não disse que o santuário deveria ser para simboliza-lo, mas para Ele próprio. Ali Ele habitaria, no meio do povo. Agora, os versos 10 a 16 nos falam sobre a Arca da Aliança. Nos vv 17-21 Deus diz: ?Farás também o propiciatório [uma tampa, um opérculo, para a Arca, no qual o sumo sacerdote aspergirá sangue na festa reconciliação] de ouro puro… Farás dois querubins de ouro batido nas duas extremidades do propiciatório, cubram ambos os lados, estendendo as asas e cobrindo o oráculo, e estejam olhando um para o outro com os rostos voltados para o propiciatório, na qual porás o testemunho que eu hei de dar.”

Esperei um momento, e conclui: “Claro, poderíamos questionar sobre o estilo atual destas imagens de querubins, mas o assunto que permanece é que Deus ordenou que eles fossem esculpidos e colocados na arca.”

Meus visitantes TJs estavam silenciosos, olhando para mim. “Não é incrível”, continuei, indiferente, “que Deus Nosso Senhor se renderia a tantos detalhes para descrever as imagens que Ele quisesse ter entre os mais sagrados objetos da terra, a Arca da Aliança?”

“Mas estes eram apenas um símbolo dos querubins do paraíso, sabia?”, disse a dama. “Não eram querubins reais, ou ídolos para ser adorados”.

“Claro que não!”, respondi, enfaticamente. “Eram imagens de querubins, o que é precisamente o que a Igreja Católica ensina” Não são ídolos, de outro modo Deus estaria se contradizendo, condenando e ordenando a mesma coisa. O propiciatório e as imagens dos querubins representavam o trono de Deus no céu, de onde Ele governa o universo.

“Além disso, no v. 22 do mesmo capítulo do Êxodo, falando sobre o propiciatório com suas duas imagens de querubim, Deus diz: ?De lá te darei as minhas ordens, em cima do propiciatório e do meio dos dois querubins, que estão sobre a arca do testemunho, e te darei todas as coisas que por meio de ti intimarei aos filhos de Israel?”.

Meus visitantes estavam meio abalados. “Como vocês veem”, conclui, “Era entre duas imagens que Deus falava a seu povo. Certamente Deus não ordenaria a Moisés esculpir ídolos na Arca da Aliança, porque idolatria era – e é – uma abominação aos olhos do Senhor”.

Deixei alguns segundos se passarem, e toquei a trombeta para uma outra batalha: “Quando Salomão construiu o templo, foi para cumprir uma ordem de Deus para construir uma morada para Ele, Deus, representada pela Arca. Vejam em Rs 7 (ou 1 Samuel na sua Bíblia). O profeta Natan diz: ?Diz o Senhor: Edifique uma morada para que eu possa habitar? – note como Deus não diz uma casa para a Arca habitar, mas uma morada para Ele mesmo. Ele estava presente onde a Arca estava, e com as famosas imagens”

“Não havia idolatria no templo, Jeová abomina idolatria”, disse o rapaz, tentando achar um ponto essencial.

“Perfeitamente”, respondi. Estava surpreendido o quanto concordava com meus amigos TJs. “Quando Salomão terminou o templo o livro dos reis diz (1 Rs 6,22-35), ?Nada havia no templo que não estivesse coberto de ouro, também cobriu de orou o altar do oráculo?, mas agora vem a maravilha. ?Pôs no oráculo dois querubins feitos de madeira de oliveira, de dez côvados de altura… Pôs os querubins no meio do templo interior. Tinham as suas asas estendidas, de sorte que uma asa tocava a parede, e a asa do outro querubim tocava na outra parede; e as asas juntavam-se no meio do templo. Cobriu também de ouro os querubins?”.

Meus visitantes seguravam seus fôlegos. Continuei: “Vocês sabem o tamanho daqueles querubins? Os do propiciatório eram comparativamente pequenos, como as imagens dos católicos em suas casas, mas aquelas duas gigantes mediriam hoje 10 cúbitos (1 cúbito = 50 cm) de altura, o que seriam cerca de 5 metros de altura! Agora, é uma grande imagem, se me perguntarem! São maiores que as da Basílica de São Pedro no Vaticano…!”

Não dei trégua aos meus visitantes: “Mas não haviam somente imagens de querubins que ?Jeová? ordenou que fossem esculpidas para o Santo dos Santos: Também haviam esculturas nas paredes, assim como vocês veem nas Igrejas católicas e nos monumentos. Aqui está, o mesmo capítulo, versos 29 a 35: ?Fez adornar todas as paredes do templo em roda com várias molduras e relevos, figurando nelas querubins, palmas, e diversas figuras…?. Os mesmos querubins e palmas foram esculpidas nas portas do oráculo, que foram revestidos de ouro, e na entrada dos pilares do Templo: todas as imagens foram revestidas de ouro. Mesmo o famoso véu do templo tinha querubins desenhados nele, como vocês podem ler em 2 Cr 3,7.”

Tomei um pouco de ar e disparei: “Agora eu pergunto para vocês: Deus contradisse a si mesmo quando condenou a escultura de ídolos e logo depois ordenou a escultura de imagens colocadas no lugar mais sagrado do mundo, que Ele mesmo escolheu para habitar? Ou Ele sabia muito bem a diferença entre ÍDOLOS para adoração e IMAGENS para veneração?”

Meus visitantes tinham de dizer alguma coisa. O rapaz gaguejou: “Mas estas decorações foram ideia de Salomão, não de Jeová…” disse, meio que convencido.

“Nem tanto!” disse a ele. “As decorações seguem o rumo que Deus deu a Moisés para a Arca da Aliança e a Salomão para as imagens gigantes de querubins no Santo dos Santos. Além disso, Deus mesmo consagrou o templo e habitou nele, no dia da Dedicação. Você pode ver tudo isso no livro dos Reis. Vou ler somente alguns versos para vocês (eles não gostam muito quando católicos leem a Bíblia para eles, mas eles não tinham escolha)”.

“Sim, a dedicação do templo, vamos lá: ?Os sacerdotes trouxeram a Arca da Aliança do Senhor para este lugar, no oráculo do templo, para dentro do Santo dos Santos sob as asas dos querubins… Quando os sacerdotes saíram do santuário, uma nuvem encheu a casa do Senhor, e os sacerdotes não podiam mais ministrar por causa da nuvem: PORQUE A GLÓRIA DE DEUS TINHA ENCHIDO A CASA DO SENHOR?”.

“Vocês podem imaginar?”, comentei. “A glória do Senhor encheu uma morada repleta de imagens!”.

Meus visitantes ficaram pensando. E pensar é uma coisa muito boa para fazer: “Incrível, não é? A glória de Deus descendo sobre uma multidão de imagens, todas revestidas de ouro! Lembrem-se que o bezerro de ouro que os hebreus fizeram na no Monte Sinai também era revestido de ouro: isto foi condenado por Deus porque foi usado com o propósito de adoração como a um deus, mas não os querubins de ouro do santuário. Deus quis que eles fossem esculpidos para serem uma representação de Seu Trono no céu, tanto os querubins quanto os serafins

O bezerro era um ídolo, e devia ser destruído. Os querubins eram imagens, ordenadas por Deus para serem esculpidas, e glorificadas por sua própria presença. Esta é a diferença. Na Bíblia você pode ler que no livro da Sabedoria, 14,12-29, as grandes condenações à idolatria.”

Neste momento minha esposa entrou na sala carregando uma bandeja: café, chá, biscoitos, e água gelada (o verão na Austrália é muito quente). Assim que colocou os itens na mesa, pegou o fim da minha leitura e sabia exatamente de onde eu estava vindo. Antes de sair ela lançou um pequeno desafio aos TJs, para ver se eles tombariam. E eles tombaram. Ela disse: “Deus ordenou que imagens fossem esculpidas somente na Arca e no Santo dos Santos, certo? Com certeza não há em nenhum lugar na Bíblia onde as imagens representem alguma coisa santa? Mas Deus ordenou a Moisés que fizesse uma imagem de uma serpente e colocasse em uma vara. E, milagrosamente, aquele que fosse mordido por uma serpente seria curado pelo simples olhar para a serpente de bronze”

Minha esposa ainda completou: “Milagres ocorreram através de uma imagem! Incrível como Deus pode confundir Seus inimigos…”

Tive, então, de completar o assunto sobre a serpente: “Agora, o bonito é que os hebreus eram tão curvados à idolatria que começaram a adorar a serpente como a um deus. O resultado, o Rei Ezequias teve de destruí-la. Vejam em 2 Rs 18,4. Trabalho bem feito! Vamos examinar isto: enquanto eles a usaram como uma imagem milagrosa por onde Deus curava as pessoas estava tudo bem. Deus concedia cura através dela. Mas quando eles começaram a adorar a imagem como um deus, quando começaram a queimar incenso a ela como um sinal de adoração, ela tinha de ser destruída. Não porque era um imagem de escultura, mas por causa do mal uso que fizeram dela. O princípio permanece: o abuso não destrói o uso.”

“Mas, mas… estas coisas aconteceram somente nos dias das Escrituras dos hebreus, sabia?”, disse a moça TJ. “Estamos vivendo agora no tempo comum, e as escrituras cristãs gregas nos libertaram dos preceitos da lei antiga, sabia? Jesus aboliu tudo e recomeçou uma nova”.

“É só isso?”, eu perguntei. “Então, em sua opinião, Jesus veio para destruir, não para cumprir; para abolir, não para trazer a perfeição; para encobrir,não para fazer as profecias do Antigo Testamento tornarem-se realidade no Novo. Não, meus amigos, Jesus deixou muito claro no sermão da montanha que Ele ?não veio para destruir, mas para cumprir?. Ele também disse que o povo não devia crer que Ele veio ?destruir a lei e os profetas?. Isto está em Mt 5,17. o que os hebreus possuíam apenas em figura, nós temos em realidade. Mas não preste atenção só em mim: veja as palavras de Jesus quando Ele diz ?assim como Moisés levantou a serpente no deserto, assim deve o Filho do Homem ser erguido, e todos que nele acreditarem não cairão, mas terão a vida eterna? (Jo 3,16).

Meus visitantes provavelmente não tinham percebido ainda que a serpente de bronze era um prefiguração de Jesus na cruz para trazer cura espiritual e vida eterna para aqueles que olharem para Ele com os olhos da fé. “Mas”, iniciou o rapaz, “isto é muito interessante para os pontos de vista arqueológicos, claro, mas os cristãos primitivos não se reuniam em volta de uma serpente para veneração, sabia?”

“Seu sarcasmos não adiantou muito”, respondi. “Você entendeu perfeitamente bem que a serpente era um símbolo no Antigo Testamento – veja Adão e Eva – e Jesus tomou nossos pecados sobre Ele para nos reconciliar com Deus. As serpentes fizeram as pessoas sofrerem e morrerem, assim como os pecados nos fazem sofrer e morrer eternamente.. os hebreus foram curados fazendo a vontade de Deus assim como foi dito a Moisés, o representante de Deus na terra: olhando para a serpente em uma vara, após terem pedido o perdão de Deus por Moisés. Quando nos arrependemos, somos curados dos nossos pecados por fazer a vontade de Deus como nos foi dito pela Igreja, a representante de Deus na terra: olhando com os olhos espirituais para Jesus na cruz, e pedindo a misericórdia de Deus através de seus sacerdotes, a quem Deus deu o poder de perdoar pecados. Jo 20,23″.

“Mas foi a igreja católica quem inventou a confissão dos pecados por um padre, sabia?”, disse a jovem moça TJ. “Por favor, não mude de assunto”, respondi. “Fiz uma alusão à confissão somente para mostrar a realidade da crucificação de Jesus e a cura do povo no Novo Testamento sendo prefigurados pela serpente de bronze em um vara curando as pessoas no Antigo Testamento. Se vocês não podem ver isto, realmente me preocupo com vocês”.

“Não há nenhuma menção na Bíblia de que os primeiros cristãos dos tempos pré-constantinianos se preocupavam com pinturas, imagens ou outras ?obras de arte?”.

“Se você conhecesse a história dos primeiros cristãos, saberia que as catacumbas primitivas até hoje ainda possuem pinturas representando Jesus como o bom pastor, pão e peixe, a Arca de Noé e muitas outras representações. Se for à Roma, poderá vê-las se quiser. Um imenso número deles são da era pré-constantiniana. Você pode dizer que os primeiros cristãos não desenvolveram a arte de esculpir imagens ou pinturas religiosas nesta época: ora, eles eram perseguidos até a morte, e quando se é perseguido até a morte creio que não sobra muito tempo para desenvolver habilidades artísticas, você teria?”.

Não achei que meus visitantes estavam entendendo o que estava falando. Eles pareciam interessados em mudar o assunto para a Confissão. Mas eu não estava interessado em começar uma nova discussão. Quando nos dirigíamos em direção à porta, minha esposa disse a eles, “não é interessante São Paulo dizer que Jesus é a imagem de Deus? Ele geralmente usa a palavra ?ícone? para dizer ?imagem?. Veja na carta aos Hebreus 1,3″.

Como eles não comentaram, ela continuou: “E vocês sabiam qual foi o primeiro artista que produziu a primeira imagem, para ser respeitada e amada, ser cuidada e honrada, certamente, mas não para ser adorada como deus?” Nossos amigos subitamente pararam, cheios de curiosidade. “Quem foi este?”, disse o jovem. “Com certeza Jeová não gostaria de uma imagem de si mesmo. Quem foi?”.

“Você disse agora mesmo!”, respondeu minha esposa dando seu sorriso costumeiro. “Foi Deus mesmo o grande artista da primeira imagem de si mesmo – e não estou falando de Jesus…”

quando nossos visitantes chegaram à porta, ela concluiu: “Leiam em Gênesis 1,26-27: Deus disse, ?façamos o homem à nossa imagem e semelhança… Deus criou o homem em sua imagem. Na imagem de Deus foram criados os homens. Homem e mulher os criou?”. Agora eu tinha certeza que os TJs não tinham prestado atenção a isso. “Sim, meus amigos”, continuou, “em linguagem Bíblica, o casamento cristão é a primeira e maior imagem de Deus na terra – e Deus mesmo fez esta imagem, este ícone, esta representação dele mesmo, não para ser adorada, mas para ser amada, respeitada, honrada. Tenham um bom dia, e venham novamente!”.

Quando fechamos a porta, desejamos que nossos visitantes pensassem sobre as passagens Bíblicas e nos argumentos que demos para que considerassem.

Os cristãos devem perceber que a veneração dos ícones, e depois das imagens, tem sido uma tradição cristã desde das épocas das catacumbas. A primeira vez que uma oposição ocorreu contra seu uso foi no século 8 pelo imperador Bizantino Leão, o Isáurico. Influenciado pelo islamismo e pelo maniqueísmo, foi o grande promotor da heresia conhecida como iconoclasmo. Esta heresia foi condenada no 2º Concílio de Nicéia em 787 d.C. e não retornaram até a revolta de Lutero em 1517. é interessante notar que nas igrejas ortodoxas, que quebraram a unidade com Roma séculos antes de Lutero, mantiveram a tradição do uso dos ícones na liturgia e nas devoções de maneira intacta até hoje.

Tradução de Rondinelly Ribeiro.

Posts relacionados:

*****************************************************************

A colocação dos posts dos sites citados no meu blogue, é de minha inteira responsabilidade

António Fonseca

24-11-11 - Biblia Catolica News; Fratres in Unum.com; LEITURA ORANTE; etc..

Biblia Catolica News


Link to Bíblia Católica News


34.000 católicos a mais por dia

Posted: 23 Nov 2011 04:00 AM PST

Revela o relatório anual da “Situação da Missão Global”, realizado em 2011 ROMA, terça-feira, 22 de novembro de 2011(ZENIT.org) – Segundo o relatório anual da ”Situação da missão global”, feito em 2011, a Igreja Católica reúne 1 bilhão e 160 milhões de fiéis em todo o mundo e todos os dias mais 34 000 pessoas se [...]

23 novembro 2011 Autor: Bíblia Católica | Postado em: Igreja

Revela o relatório anual da “Situação da Missão Global”, realizado em 2011

ROMA, terça-feira, 22 de novembro de 2011(ZENIT.org) – Segundo o relatório anual da ”Situação da missão global”, feito em 2011, a Igreja Católica reúne 1 bilhão e 160 milhões de fiéis em todo o mundo e todos os dias mais 34 000 pessoas se tornam parte.

***

Segundo o relatório anual da “Situação da Missão Global”, feito em 2011, a Igreja Católica reúne 1 bilhão e 160 milhões de adeptos em todo o mundo e todos os dias aderem mais 34 000 pessoas. Os dados do estudo, divulgado pela agência Analisis Digirtal, afirma que no mundo hoje, existem dois bilhões de pessoas, de um total de sete bilhões, que nunca foram alcançados pela mensagem do Evangelho. Outros dois bilhões e 680 milhões ouviram algumas vezes, ou conhece vagamente, mas não são cristãos.

“Apesar do fato de que Jesus Cristo fundou uma só Igreja, e pouco antes de morrer, rezava para que -todos fossem um- hoje existem muitas denominações cristãs: eram 1600 no início do séc.XX, e são 42 000 em 2011”, afirma o estudo. Os protestantes carismáticos são 612 milhões e crescem 37 mil ao dia. Os protestantes “clássicos” são 426 milhões e aumentam 20 mil por dia.

As Igrejas Ortodoxas somam 271 milhões de batizados e ganham cinco mil por dia. Anglicanos, reunidos principalmente na África e na Ásia, 87 milhões, e três mil a mais por dia. Aqueles que o estudo define “cristãos marginais” (Testemunhas de Jeová, mórmons, aqueles que não reconhecem a divindade de Jesus ou da Trindade) são 35 milhões e crescem dois mil ao dia.

“A forma mais comum de crescimento é ter muitos filhos e fazê-los aderir à sua tradição religiosa. A conversão é mais rara, no entanto, acontece para milhões de pessoas todos os anos, o mais comum é a de um cônjuge para a fé do outro”. Em 2011, os cristãos de todas as denominações farão circular mais de 71 milhões a mais de Bíblias no mundo (já há 1 bilhão e 741 milhões, algumas de forma clandestina). A cada ano 409 mil cristãos partem para evangelizar um país que não é o seu de origem, distribuídos em 4.800 organizações missionárias diversas.

Posts relacionados:

000000000000000000000000000000000000000000000000000000

New post on Fratres in Unum.com


“Alto lá!” ou “Agora vai?”. Vaticano criará comissão para acompanhar a construção das novas igrejas

by G. M. Ferretti

Crise? Que crise? A diocese de Orange, EUA, acaba de comprar a antiga igreja protestante "Christal Cathedral" por uma pechincha: 57 milhões de dólares.

Crise? Que crise? A diocese de Orange, EUA, acaba de comprar a antiga igreja protestante "Christal Cathedral" por uma pechincha: 57 milhões de dólares.

IHU - Uma equipe para dizer “alto lá!” às igrejas-garagens, a essas arquiteturas atrevidas que correm o risco de desnaturalizar muitos espaços modernos de culto católico. E para promover um canto que ajude verdadeiramente a celebração da missa. Nas próximas semanas, será criada, anexa à Congregação do Culto Divino, a “Comissão para a arte e a música sacra para a liturgia”. Não se trata de um simples escritório, mas de uma verdadeira equipe que terá a tarefa de colaborar com as comissões encarregadas de avaliar os projetos de construção de novas igrejas nas dioceses, assim como de aprofundar o tema da música e do canto que acompanham a celebração.

A reportagem é de Andrea Tornielli e está publicada no sítio Vatican Insider, 21-11-2011. A tradução é do Cepat.

O cardeal Antonio Cañizares Llovera, Prefeito para o Culto Divino, de acordo com Bento XVI, considera este trabalho como “muito urgente”. A realidade é evidente: nos últimos anos, as igrejas foram substituídas por construções que parecem mais salões multiuso que igrejas. E muitas vezes, os arquitetos, inclusive os mais famosos, não partem do que é a liturgia católica para fazer seus projetos e acabam fazendo construções de vanguarda que se parecem com tudo menos com uma igreja. Cubos de cimento, caixas de vidro, formas arriscadas, espaços confusos nos quais, uma vez dentro, se percebe tudo menos o sentido do sacro e do mistério, onde o tabernáculo está meio escondido e, às vezes, é preciso procurá-lo como se fosse um tesouro, ou onde as imagens sacras quase não têm lugar. A nova comissão, cujo regulamento será redigido nestes dias, dará indicações precisas às dioceses, ocupando-se apenas da arte para a liturgia, não da arte sacra em geral, assim como da música e do canto para a liturgia. Contará com os poderes jurídicos da Congregação para o Culto.

Como é do conhecimento de todos, em 27 de setembro passado, Bento XVI, com o Motu Proprio Quaerit Semper, havia transferido para a Rota Romana (que é o tribunal da Santa Sé) a competência sobre duas matérias com as quais se ocupava até então a Congregação para o Culto. A primeira delas tem a ver com a nulidade da ordenação sacerdotal que, como acontece com o matrimônio, pode ser anulado por causa de vícios de matéria ou de forma, de consenso ou de intenção, tanto por parte do bispo que ordena como por parte do clérigo que é ordenado. A segunda matéria é a dispensa nos casos de matrimônio contraídos, mas não consumados. Práticas que ocupavam bastante o dicastério de Cañizares.

No Motu Proprio, o Papa explicava que: “Nas circunstâncias atuais, pareceu conveniente que a Congregação para o Culto Divino e da Disciplina dos Sacramentos se dedique principalmente a dar um novo impulso à promoção da Sagrada Liturgia na Igreja, segundo a renovação desejada pelo Concílio Vaticano II a partir da Constituição Sacrosactum Concilium”. O dicastério deve, pois, dedicar-se “a dar um novo impulso à promoção da Sagrada Liturgia na Igreja”, sobretudo com o exemplo. Desde este ponto de vista, com respeito aos projetos iniciais, parece afastar-se cada vez mais a ideia de uma “reforma da reforma” litúrgica (expressão usada pelo próprio Ratzinger quando era cardeal), e prevalece, ao contrário, um projeto de amplas dimensões que, sem propor a introdução de modificações na missa, se ocupe em favorecer a “ars celebrandi” e a fidelidade aos pareceres e às instituições do novo missal.

Vale a pena, de fato, recordar que os abusos litúrgicos, verificados nas últimas décadas e que, em certo sentido, se converteram em uma prática comum, são levados a cabo em dissonância com as normas estabelecidas pela reforma litúrgica de Paulo VI. Assim, não é a reforma que deve ser retocada, mas é preciso aprofundar, e em alguns casos recuperar, o significado da liturgia bem celebrada. Por isso, a Congregação para o Culto pretende promover um trabalho de formação a partir de baixo, que envolva os sacerdotes, religiosos e catequistas. Seguindo o exemplo e o magistério de Bento XVI, teria que favorecer a recuperação do sentido do sagrado e do mistério da liturgia.

Alguns textos litúrgicos devem ser revisados, porque estão velhos, como o caso do Ritual da Penitência, publicado em 1974. Durante os anos que se seguiram, chegaram uma instrução apostólica, um motu proprio, o novo Código de Direito Canônico e o Novo Catecismo. Uma atualização, neste e em outros casos, terá que levá-la a cabo. A ideia na qual estava trabalhando o cardeal Cañizares é a de reafirmar o primado da graça sobre a ação humana, da necessidade de abrir espaço à ação de Deus na liturgia com respeito ao que se dá à criatividade humana. As ocasiões para refletir sobre estes temas serão muitas. No próximo ano, 2012, completam-se os 50 anos do Concílio Vaticano II e, no ano seguinte, se celebrarão os 50 anos do primeiro texto conciliar aprovado: a Constituição da Liturgia, a Sacrosanctum Concilium.

G. M. Ferretti | novembro 24, 2011 at 8:52 am | Categorias: Cúria Romana, Congregação para o Culto Divino e Disciplina dos Sacr | Categories: Atualidades, Cúria Romana, Igreja | URL: http://wp.me/pgELf-4nu

Comentário
See all comments

000000000000000000000000000000000000000000000000000000

A Igreja Primitiva (30 d.C – 313 d.C)

Posted on 24/11/2011by Doutrina Católica

A Igreja Primitiva (30 d.C – 313 d.C)

Juberto Santos

Era a Igreja formada pelos primeiros cristãos em áreas urbanas (forma organizada das cidades romanas), onde as transformaram (At 17,4). Eram as primeiras comunidades cristãs. Elas viviam escondidas, mas em união total. Todos continuavam firmes no ensino dos apóstolos, viviam em amizade uns com os outros, e se reuniam para as refeições e as orações. Os cristãos desta época tinham um sentimento de irmandade, caridade e fé, inegavelmente muito maior que o cristão de hoje. O melhor documento histórico para entendermos bem o período é o livro dos Atos dos Apóstolos, escrito por São Lucas Evangelista, onde vemos como essas comunidades se desenvolverem, suas dificuldades nos arredores da Palestina e parte da Ásia menor.

Ao ler At 2, 42-47, podemos perceber o dia-a-dia dos primeiros cristãos. Eles viviam em regime de comunhão de bens, se aplicavam também na Oração (sendo a força catalisadora para a mudança de vida à a oração precisa da razão, assim como a fé), a fração do pão (partilha do todo, segundo a necessidade de cada um – o “pão” – sendo visto como a totalidade da necessidade) e havia meditação na Doutrina dos Apóstolos (consideravam o estudo, a investigação e a reflexão para terem certeza daquilo que iriam acreditar). Sua atuação se dá em Atenas, Jerusalém, Éfeso, Corinto, Roma, Alexandria, Antioquia e Tessalónica. Eram as próprias comunidades que financiavam as peregrinações dos Apóstolos e Peregrinos Evangelizadores pelo mundo todo. Eles aceitavam a própria morte e torturas física por amor a Jesus.

Os primeiros cristãos mudavam as cidades, mexiam com o sistema, eram intelectuais… Podemos dividir esse período em: “Período Apostólico” (30-70 d.C), “Período Sub-apóstólico” (70-135 d.C) e “Período dos Mártires e da Institucionalização da Igreja” (135-313 d.C). O termo “Apóstolo” significa “enviado”, em grego. Missionários itinerantes, que tiveram contato com Jesus de Nazaré. Foram testemunhas oculares. Até o ano 100 d.C os cristãos ainda são bem desconhecidos. Os romanos os confundem com os judeus. Aos poucos, o cristianismo vai mostrando sua existência. Era o início da “Grande Igreja”.

O Cristianismo nasceu e desenvolveu-se dentro do quadro político-cultural do Império Romano. Durante três séculos o Império Romano perseguiu os cristãos (época das perseguições), porque a sua religião era vista como uma ofensa ao Estado representava outro universalismo e proibia os fiéis de prestarem culto religioso ao soberano. Aos poucos se propagou em Roma e pelo império.

As principais e maiores perseguições foram as do imperador Nero, no século I (morte de Paulo, Pedro), a de Décio no ano 250, a de Valeriano (253-260) e a maior, mais violenta e última a de Diocleciano entre 303 e 304 que tinha por objetivo declarado acabar com o cristianismo e a Igreja. O balanço final desta última perseguição constituiu-se num rotundo fracasso, Diocleciano, após ter renunciado, ainda viveu o bastante para ver os cristãos viverem em liberdade.

No século IV, o Cristianismo começou a ser tolerado pelo Império, para alcançar depois um estatuto de liberdade e converter-se finalmente, no tempo do imperador Teodósio (379-395), em religião oficial do Estado (380). O imperador romano, por esta época, convocou as grandes assembleias dos bispos, a saber, os concílios e a Igreja puderam então dar início à organização de suas estruturas territoriais.

Alguns fatos importantes:

· O Concílio de Jerusalém (49 d.C) à Ele seria o marco definitivo da ruptura do judaísmo com o cristianismo. A admissão de gentios (não-judeus) era um fato de difícil compreensão para os cristãos-judeus, que ainda se encontravam em parte presos às velhas tradições e práticas antigas. Foi presidido pelo Apóstolo Pedro. Seria o Concílio de Jerusalém, o primeiro deles. Assim foi aceito o batismo de não-judeus. “A salvação é pela fé e pela graça, não pela observância da Lei” (At 15:7-11).

· Início do Monaquismo (séc. IV) à A Cristandade instrumentaliza a Igreja pelo Estado até um determinado ponto. Alguns bispos e os ascetas (eremitas) percebem esse perigo da “mundanização da Igreja”, pois o imperador está “na Igreja e não acima da Igreja” (Santo Ambrósio, bispo de Milão). Eremitas (Latim) / Anacoretas “ir para” (Grego) / Mônacos (Grego) à pessoas solitárias que fugiam do convívio das cidades e aldeias e iam para as margens do deserto. Esses bispos escrevem textos assinalando fronteiras, pois a igreja está no mundo, mas não é o mundo. Ela podia ser protegida pelo Estado, mas não queriam pagar com a sua submissão perante ele. Ela não é poder político. Primeiramente esse movimento é considerado “anárquico”, pois ele se automarginalizou, contudo, foi recuperado pela Igreja e deixou de ficar a margem.

Fonte: http://www.catequisar.com.br/texto/colunas/juberto/01.htm

000000000000000000000000000000000000000000000000000000

LEITURA ORANTE


Lc 21,20-28 - Motivação à esperança e à perseverança

Posted: 23 Nov 2011 06:01 PM PST

Hoje é Dia Nacional de Ação de Graças
Façamos de nosso dia um tempo para agradecer a Deus pelos seus dons!

Graça e Paz a todos os que se reúnem aqui, na web, em torno da Palavra.

Juntos, rezamos ou cantamos o Salmo 94:

(Se, em grupo, pode ser rezado em dois coros ou um solista e os demais repetem)

- Venham, ó nações, ao Senhor cantar (bis)

- Ao Deus do universo, venham festejar (bis)

- Seu amor por nós, firme para sempre (bis)

- Sua fidelidade dura eternamente (bis)

- Toda a terra aclame, cante ao Senhor (bis)

- Sirva com alegria, venha com fervor (bis)

- Nossas mãos orantes para o céu subindo (bis)

- Cheguem como oferenda ao som deste hino (bis)

- Glória ao Pai, ao Filho e ao Santo Espírito (bis)

- Glória à Trindade Santa, glória ao Deus bendito (bis)

1. Leitura (Verdade)

O que diz o texto do dia?

Leio atentamente o texto, na minha Bíblia: Lc 21,20-28, e observo as palavras de Jesus.

Jesus disse ainda:

- Quando vocês virem a cidade de Jerusalém cercada por exércitos, fiquem sabendo que logo ela será destruída. Então, os que estiverem na região da Judeia, que fujam para os montes. Quem estiver na cidade, que saia logo. E quem estiver no campo, que não entre na cidade. Porque aqueles dias serão os "Dias do Castigo", e neles acontecerá tudo o que as Escrituras Sagradas dizem. Ai das mulheres grávidas e das mães que ainda estiverem amamentando naqueles dias! Porque virá sobre a terra uma grande aflição, e cairá sobre esta gente um terrível castigo de Deus. Muitos serão mortos à espada, e outros serão levados como prisioneiros para todos os países do mundo. E os não-judeus conquistarão Jerusalém, até que termine o tempo de eles fazerem isso.
E Jesus continuou:
- Haverá sinais no sol, na lua e nas estrelas. E, na terra, todas as nações ficarão desesperadas, com medo do terrível barulho do mar e das ondas. Em todo o mundo muitas pessoas desmaiarão de terror ao pensarem no que vai acontecer, pois os poderes do espaço serão abalados. Então o Filho do Homem aparecerá descendo numa nuvem, com poder e grande glória. Quando essas coisas começarem a acontecer, fiquem firmes e de cabeça erguida, pois logo vocês serão salvos.

O objetivo deste texto que descreve o final do mundo, é motivar a esperança e a perseverança em nós. A destruição de Jerusalém pelos exércitos romanos teve característica de fim de mundo. Segundo as previsões proféticas, a intervenção salvífica de Deus, na história, seria acompanhada de fenômenos cósmicos. Não importa quando isto aconteça, mas importa que os discípulos de Jesus Cristo estejam preparados.

2. Meditação (Caminho)

O que o texto diz para mim, hoje?

Jesus recomenda que estejamos “firmes, de cabeça erguida e preparados” para este dia final. Os santos todos ofereceram orientações para este encontro com Deus. Os bispos, em Aparecida, disseram: “ Nestes últimos tempos, Ele nos tem falado por meio de Jesus seu Filho (Hb 1,1ss), com quem chega a plenitude dos tempos (cf. Gl 4,4). Deus, que é Santo e nos ama, nos chama por meio de Jesus a ser santos (cf. Ef 1,4-5).(DAp 130).

3.Oração (Vida)

O que o texto me leva a dizer a Deus? Rezo, com o bem-aventurado Tiago Alberione:

Invocações a Jesus Mestre

Jesus Mestre, santificai minha mente e aumentai minha fé.
Jesus, Mestre vivo na Igreja, atraí todos à vossa escola.
Jesus Mestre, libertai-me do erro,

dos pensamentos inúteis e das trevas eternas.
Jesus Mestre, caminho entre o Pai e nós,

tudo vos ofereço e de vós tudo espero.
Jesus, caminho da santidade, tornai-me vosso fiel seguidor.
Jesus caminho, tornai-me perfeito como o Pai que está nos céus.
Jesus vida, vivei em mim, para que eu viva em vós.
Jesus vida, não permitais que eu me separe de vós.
Jesus Vida, fazei-me viver eternamente na alegria do vosso amor.
Jesus verdade, que eu seja luz para o mundo.
Jesus caminho, que eu seja vossa testemunha autêntica

diante dos homens.
Jesus vida, fazei que minha presença contagie a todos

com o vosso amor e a vossa alegria.

4.Contemplação (Vida e Missão)
Qual meu novo olhar a partir da Palavra?
Meu novo olhar é para relativizar tudo que tem valor passageiro e valorizar o que não passa.

Bênção - Deus nos abençoe e nos guarde. Amém.
- Ele nos mostre a sua face e se compadeça de nós. Amém.
- Volte para nós o seu olhar e nos dê a sua paz. Amém.
- Abençoe-nos Deus misericordioso, Pai e Filho e Espírito Santo. Amém.


Uma sugestão para gesto concreto:
- No blog da Leitura Orante - http://leituraorantedapalavra.blogspot.com/ - , no início, do lado direito, clique no selo TOPBLOG e vote quantas vezes quiser. Assim, você se demonstra missionário/a e coloca a Palavra de Deus no topo do blog e da sua vida. O blog já está entre os 100 classificados no 1º Turno.
- Se quiser receber em seu endereço eletrônico o Evangelho do Dia, acesse o seguinte endereço e preencha o formulário de cadastro - http://www.paulinas.org.br/loja/CentralUsuarioLogin.aspx

- Ou, receba também, assinando o RSS no blog http://leituraorantedapalavra.blogspot.com/

Irmã Patrícia Silva, fsp

- Faça individualmente e partilhe com sua família, com seu grupo ou comunidade, o Retiro de Advento e Natal. Veja também em
http://viverecomunicarcristo.blogspot.com/p/retiro-advento-natal-2011-2012.html

000000000000000000000000000000000000000000000000000000

New post on Fratres in Unum.com


Um apelo semi-sério ao Papa: um ano sem homilias.

by G. M. Ferretti

Por Marco Tosatti, La Stampa. Tradução: Cepat.

Havia escrito o que vocês podem ser mais abaixo com a intenção de não publicá-lo; um escrito destinado ao lixo, melhor dito, aos “arquivos” dos escritos nunca publicados. Mas, há alguns dias, me caiu diante dos olhos uma notícia de agência, protagonista: o presidente do Pontifício Conselho para a Cultura, biblista de renome, inventor do Pátio dos Gentios, e disse a mim mesmo: então...

O cardeal Gianfranco Ravasi, convidado – na qualidade de biblista e intelectual – para abrir, na Pontifícia Universidade Gregoriana, um curso sobre a palavra, afirmava: “A palavra está sofrendo. Também para a comunidade eclesiástica, a Igreja e sua comunicação. A palavra é traída e humilhada”. Inclusive no púlpito. Ravasi chama à causa diretamente os sacerdotes. Porque “com frequência, os sermões são tão incolores, insípidos, inodoros, que são irrelevantes”. Em compensação, “é necessário recuperar a palavra que‘ofende’, fere, inquieta, julga”, a “palavra saudável, autêntica, que deixa marcas”. É preciso não esquecer que hoje, goste-se ou não, quem escuta “é filho da TV e da internet”.

E continua: Ravasi recorre a Voltaire e a Montesquieu, e diz que com eles “a eloquência sacra é como a espada de Carlos Magno, longa e plana: aquilo que não pode dar em profundidade, o dá em comprimento”. O tom do cardeal é leve, mas cortante. “O sacerdote não deve aceitar que a palavra seja humilhada. Está claro que a capacidade de falar é, em parte, dom natural, mas também existe a formação, o aspecto pedagógico, os instrumentos técnicos com os quais se dotar. E isto é algo que hoje falta nos seminários”.

Para terminar: “Umberto Eco estima que hoje os jovens utilizam apenas 800 palavras. Isto impõe a quem fala essencialidade, força, narração, cor”.

Então, tomei coragem e trouxe à tona o meu pedido, que espero seja formalmente correto, porque não tenho experiência no campo; é a primeira vez que escrevo a um papa.

“Santidade,

Permito-me fazer-lhe um pedido, simples, mas apenas até certo ponto.

Tem a ver com as homilias. Aquelas que ouvimos, cada domingo, quando vamos à missa.

É um pedido que, na realidade, contém várias sugestões, propostas e ideias; e como é costume ao se dirigir a você, com toda humildade, naturalmente.

A primeira ideia é um tanto radical. Proclamar um período (você pode decidir sua duração) de jejum de homilias. Isto é: estabelecer que, durante um ano nas igrejas (com exceção, obviamente, do Papa e dos bispos) não se façam homilias. Não me peça explicações nem razões. Não desejo ofender os sentimentos (bons) de ninguém. Peça explicações, caso desejar, a Giulio Andreotti, que – se não me falha a memória – procura(va) ir nas missas matutinas, exatamente para não ouvir homilias. Eu creio que, se a homilia fosse substituída por um breve momento de recolhimento e de meditação das palavras ouvidas nas Leituras, poderia ser benéfico para todos.

Segunda sugestão. Isto, obviamente, com um tom de brincadeira. Obrigar os sacerdotes a fazerem um curso de jornalismo e, em particular, de jornalismo de agência ou televisivo. Mais de uma vez nos disseram, durante a nossa presença já de longa data em redações, que em 50 linhas se pode descrever a história de uma vida. É possível que seja impossível escrever, no mesmo espaço, uma reflexão sobre o Evangelho do dia?

Terceira possibilidade (também tem um tom de brincadeira, mas...): solicitar à Congregação correspondente a redação de um documento em que estabeleça taxativamente que o tempo dedicado à homilia não deve ultrapassar os cinco minutos. Um santo, ou um padre da Igreja, disse certa vez: “nos primeiros cinco minutos fala Deus, nos outros cinco fala o homem, nos restantes mais de cinco minutos fala o diabo”. Tendo a acreditar que, na realidade, depois dos primeiros cinco minutos em muitos púlpitos continua falando o homem; e, lamentavelmente, nem todos estão à Sua altura, ao escrever e pronunciar os discursos. E a experiência nos torna palpável – sem culpa de ninguém, os sacerdotes estão animados pelos melhores sentimentos, e estão cheios de santo entusiasmo – que uma homilia que se alonga, se perde, divaga, toca muitos pontos diversos, o que, muitas vezes, não ajuda a manter a concentração e a tensão espiritual criadas pelas Leituras. Pelo contrário. Naturalmente, estariam isentos o Papa, os cardeais, os patriarcas e os arcebispos metropolitanos. Sobre os bispos e os abades, pode-se discutir...

Esperamos que estas linhas sejam lidas por alguém.

G. M. Ferretti | novembro 23, 2011 at 7:48 pm | Categorias: Atualidades | Categories: Atualidades | URL: http://wp.me/pgELf-4nc

Comentário
See all comments

»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»«««««««««««««««««««««««««««««««««««««««««««

 

Os textos acima insertos foram-me enviados pelos sites indicados: Biblia Catolica News; Fratres in Unum.com; LEITURA ORANTE; etc.., mas a sua disposição neste blogue é de minha inteira responsabilidade.

 

António Fonseca

AP - Alternativa Portugal - 24 de Novembro de 2011

AP Informação


25 de Novembro. Veladas pela Vida

Na noite de 25 de Novembro, às 21h30, a Palavra e a Oração vão espalhar-se por todo o País. Levaremos o sentido da vida porta a porta, muralha a muralha, por todas as calçadas das cidades. Porque Cristo anunciou a Palavra sem medo... Estaremos presentes em várias cidades entre as quais: Braga, Guimarães, Leiria, Lisboa (Clínica dos Arcos), Almada, Barreiro, Aveiro, Beja, Bragança, Caldas da Rainha, Castelo Branco, Covilhã, Estoril, Évora, Figueira da Foz, Funchal, Horta, Oliveira de Azeméis, Portalegre, Portimão, Santa Maria da Feira, Santarém, Torres Novas, Torres Vedras, Viana do Castelo, Vila Franca de Xira... Rezaremos para que o Bem triunfe sobre o mal.

Cerca de 80 mil famílias já pedem comida

Já são cerca de 80 mil as famílias portuguesas que sobrevivem à custa de alimentos fornecidos pelas Cáritas diocesanas, Conferências Vicentinas e outras instituições de solidariedade (IPSS). Só a Cáritas assiste com regularidade, nas vinte dioceses do País, quase 30 mil famílias, sendo que mais de 5 mil começaram a pedir apoio este ano.

Mártires do comunismo proclamados santos

"Os mais de 1500 mártires e confessores elevados aos altares da Igreja Russa são apenas uma migalha do exército de santos ortodoxos que permitiram o triunfo histórico espiritual da Igreja face às perseguições comunistas sem precedentes".

Personalidades de prestígio subscrevem apelo pela Vida

Foi recentemente apresentado em Nova Iorque e em diversas cidades europeias o "San Jose Articles", um documento assinado por trinta e duas personalidades de prestígio que defendem o reconhecimento do direito à vida desde a concepção.

Ministro da Saúde rejeita alterar lei do aborto

O ministro da Saúde descartou a possibilidade de alterar a lei do aborto em Portugal, embora reconheça os "custos significativos" que tem para o Serviço Nacional de Saúde.

Recolha de assinaturas pró Referendo Vida

A defesa da Vida será sempre um desígnio nacional. É hora de despertar para defender a Vida sempre! Nesse sentido, prossegue a recolha de assinaturas a favor da realização de um "Referendo Vida" no qual, de uma assentada, esperamos banir o "aborto a pedido" e atalhar a eutanásia. Temos de intensificar o nosso trabalho, na certeza de que a Causa é justa. Quanto mais cedo conseguirmos terminar, mais vidas poderão salvar-se! Colabora connosco!

Visite a Livraria da Alternativa Portugal

Livraria patriótica ao serviço da cultura. Clube do Livro com mais de 50 obras disponíveis para venda postal.


ALTERNATIVA PORTUGAL

Apartado 14178 | 1064-002 Lisboa | Portugal

www.alternativaportugal.org | E-mail: info@alternativaportugal.org


Enviado em 24-11-2011 para aarfonseca@hotmail.com. Se recebe este correio é porque o subscreveu ou porque o seu endereço foi indicado por um amigo. Caso não pretenda receber mais informações, envie por favor uma mensagem para REMOVER e será automaticamente retirado desta lista de distribuição.

Se quiser ajudar a divulgar o movimento Alternativa Portugal, pode enviar esta mensagem para os seus contactos. Nós agradecemos.

© Alternativa Portugal

====================================

 

Correspondendo ao pedido manifestado “Se quiser ajudar a divulgar o movimento Alternativa Portugal, pode enviar esta mensagem para os seus contactos. Nós agradecemos.  © Alternativa Portugal  publico o Newsletter de Alternativa Portugal. que acabo de receber.

 

António Fonseca.

Nº 1113 - (328) - 24 DE NOVEMBRO DE 2011 - SANTOS DE CADA DIA - 4º ANO

Nº 1113

SANTA EANFLEDA

Rainha

Eanfleda era filha do rei dos Nortumbrianos, Santo Edvino e de Santa Etelburga de Kent. Nasceu, diz-nos Santo Beda, «na noite sacro-santa do domingo de Páscoa». O pai acabava de ser ferido por um sicário enviado pelo rei dos Saxões Ocidentais (20 de Abril de 626). Agradecendo ele aos deuses este nascimento, o bispo Paulino persuadiu-o que era melhor dar graças a Cristo. Edvino prometeu servir a Jesus, se se curasse e pudesse vencer o rei dos Saxões. Confiou a filha a Paulino, que a batizou pelo Pentecostes. Tendo morrido Edvino em combate a 12 de Outubro de 633, Paulino retirou-se para Kent com Eanfledinha. Mais tarde, por 643, esta casou-se com Oswy, rei da Nortúmbria. Deste casamento nasceu Santa Eanfleda, segunda abadessa de Whitby. Eanfleda empenhava-se em conservar o costume de Kent quanto à celebração da Páscoa, o que introduzia por vezes uma semana de diferença entre a sua data e a data do marido. Ela regulava-se pelo calendário romano do seu capelão, chamado precisamente Romanus, formado em Kent, sem questionar com Santo Aidano e com os Nortumbrianos. A mesma obteve a fundação dum mosteiro em Gilling, destinado a expiar o assassínio de Santo Oswin, rei de Deira. Santo Wilfredo encontrou nela uma protetora, que o colocou muito jovem em Lindisfarne e mais tarde apoiou o seu projeto de peregrinação a Roma, recomendando-o ao rei de Kent. O papa Vitaliano, por 667, escrevia a Oswy para suavemente a persuadir a tomar em tudo o uso de Roma, e enviava à rainha uma cruz com relíquias das cadeias de S. Pedro e de S. Paulo. Já em 664, numa conferência em Whitby, Oswy se tinha declarado pelo costume da Igreja patrocinada pelo celestial porteiro. Tendo Oswy falecido a 15 de Fevereiro de 671, Eanfleda retirou-se para o mosteiro de Whitby, onde sua filha Eanfleda era abadessa: Oswy já lá repousava. Eanfleda figura já no martirológio de Wilson do século XVII. Do livro Santos de cada dia, de www.jesuitas.pt

80700 > Sant’ Enfleda Regina di Bernicia, badessa 24 novembre

SANTAS FLORA e MARIA

Mártires (851)

Flora y María, Santas

Flora e María, Santas

Flora, nascida em Córdova de pai maometano e mãe cristã, tinha sido batizada clandestinamente e praticava em segredo a sua religião. Quando ficou órfã, seu irmão denunciou-a ao cádi que a mandou prender e castigar com severidade. Foi açoitada barbaramente, bateram-lhe na cabeça e entregaram-na em seguida ao denunciador para que a fizesse apostatar. Conseguiu ela, no entanto, escapar-se e foi procurar asilo na casa duma irmã que tinha em Ossaria. Os mouros do califado de Córdova andavam então desenfreados, e as pessoas que escondiam cristãos em suas casas expunham-se aos piores aborrecimentos. Receando qualquer desgraça, a irmã de Flora e a gente da casa avisaram a refugiada que tinha de sair. A pobre rapariga voltou a Córdova, mas, como animal cercado, não sabia onde se dirigir. Entrou na igreja de Santo Acisclo para chorar. Por sorte, encontrava-se lá outra rapariga,  chamada Maria, que estava a rezar. Dias antes, seu irmão, Valabonso, tinha sido executado; ela própria andava a ser procurada e talvez estivesse em vésperas de ser presa. Não vendo outra saída senão a morte, resolveram ambas ir juntas ao encontro dela, para a afrontarem mais decididamente. Foram apresentar-se ao cádi e declararam abertamente que nunca renegariam a sua fé. O Cádi mandou-as lançar num cárcere juntamente com mulheres de má vida. Santo Eulógio, que perto delas estava preso, conseguiu enviar-lhe palavras de conforto. Tal como desejavam, não foram separadas e sofreram juntas o martírio em 24 de Novembro de 851. Seis dias depois, santo Eulógio foi solto, e no Memorial dos Santos, onde narra o que referimos, atribui ter sido libertado graças à intercessão das Santas Flora e Maria. Alguns anos depois, Eulógio também derramou o sangue pela fé. Do livro SANTOS DE CADA DIA, de www.jesuitas.pt.

79000 > Sante Flora e Marta (Maria) di Cordova Martiri 24 novembre MR

BEATA MARIA ANA SALA

Religiosa (1829-1891)

María Ana Sala, Beata

María Ana Sala, Beata

Nasceu em Brivio (povo italiano da província de Lecco) em 21 de abril de 1829. Foi uma das primeiras alunas da nascente escola das Irmãs Marcelinas no povo de Vimercate. Foi acolhida pela Madre Marina Videmari, rapidamente se distinguindo pelo exemplar de sua vida e por seu aproveitamento escolar. Em 1848, entrou a formar parte da nova Congregação, compreendeu de imediato que seu ideal e sua missão teriam que ser no ensino, a educação, a formação das jovens na escola e na família. Sor María Ana se santificou na simplicidade por sua total fidelidade ao Carisma da congregação que havia eleito. De sua vida e exemplo, surgem três ensinamentos: a necessidade de formação de um bom carácter firme, sensível, equilibrado; o valor santificador do compromisso no próprio dever, assinalado pela obediência e a importância essencial da obra educativa. Sua pedagogia foi a que seu diretor espiritual, Monsenhor Luís Biraghi, lhe recomendou: estar perto, estar junto às jovens em cada momento e circunstância, participando de sua vida quotidiana, nas aulas, na capela, no refeitório, no recreio, no dormitório.  Entre suas melhores alunas, se recorda a jovem Judith Alghisi Montini, que depois seria mãe do futuro papa Paulo VI. Maria Ana Morreu santamente em 24 de novembro de 1891. Foi beatificada por João Paulo II em 1980.

90591 > Beata Maria Anna Sala Vergine 24 novembre MR

78940 > Sant' Alberto di Lovanio Vescovo e martire 24 novembre MR

 

• Andrés Dung-Lang e 116 companheiros, Santos
Novembro 24 117 Mártires vietnamitas dos séculos XVIII e XIX,

Andrés Dung-Lag y compañeros, Santos

Andrés Dung-Lang e 116 companheiros, Santos

Mártires de Vietname

Esta memória obrigatória dos cento dezassete mártires vietnamitas dos séculos XVIII e XIX, proclamados santos por João Paulo II na praça de São Pedro em 19 de junho de 1988, celebra a mártires que já haviam sido beatificados anteriormente em quatro ocasiões distintas: sessenta e quatro, em 1900, por Leão XIII; oito, por Pio X, em 1906; vinte, em 1909, pelo mesmo Pio X; vinte e cinco, por Pio XII, em 1951. Não só são significativos o número insuperado na história das canonizações mas também a qualificação dos santos (oito bispos, cinquenta sacerdotes, cinquenta e nove laicos), a nacionalidade (noventa e seis vietnamitas; onze espanhóis; dez franceses, o estado religioso (onze dominicanos; dez da Sociedade das Missões Estrangeiras de Paris; outros do clero local, mais um seminarista), o estado laical (muitos pais de família, uma madre, dezasseis catequistas, seis militares, quatro médicos, um cantor de coro; além de camponeses, pescadores e chefes de comunidades cristãs). Seis deles foram martirizados no século XV, os demais, entre 1835 e 1862; quer dizer, no tempo do domínio dos três senhores que governavam Tonkín, Annam e Cochinchina, hoje integradas na nação de Vietname. Em grande parte (setenta e cinco) foram decapitados; os restantes morreram estrangulados, queimados vivos, esquartejados, ou faleceram na prisão por causa das torturas, negando-se a pisar a cruz de Cristo ou a admitir a falsidade de sua fé. Destes cento dezassete mártires, a fórmula de canonização foi posta em relevo seis nomes particulares, em representação das distintas categorias eclesiais e das diferentes origens nacionais. O primeiro, de que encontramos uma carta no oficio de leitura, é Andrés Dung-Lac. Nasceu no norte de Vietname em 1795; foi catequista e depois sacerdote. Foi morto em 1839 e beatificado em 1900. Outros dois provinham do centro e do sul do Vietname. O primeiro, Tomás Tran-VanThien, nascido em 1820 e preso enquanto iniciava sua formação sacerdotal, foi assassinado aos dezoito anos em 1838; o outro é Manuel Le-Van-Phung, catequista e pai de família, morto em 1859 (beatificado em 1909). Entre os missionários estrangeiros são mencionados dois espanhóis e um francês. O dominicano espanhol Jerónimo Hermosilla, chegado ao Vietname em 1829, vigário apostólico de Tonkín oriental, foi morto em 1861 (beatificado em 1909); o outro dominicano, o bispo vasco Valentin de Berriochoa, que chegou a Tonkín em 1858, aos trinta e quatro anos, foi morto em 1861 (beatificado em 1906).  O francês Jean-Théophane Vénard, da Sociedade das Missões Estrangeiras de Paris, chegou a Tonkín em 1854 e foi assassinado aos trinta e dois anos (beatificado em 1906): suas cartas inspiraram a santa Teresa de Lisieux a rezar pelas missões, pelo que foi proclamada padroeira junto com são Francisco Javier.

LISTA DOS 117 MÁRTIRES DE VIETNAME

1 Andrés DUNG-LAC, Sacerdote 21-12-1839 - 2 Domingo HENARES, bispo O.P. 25-06-1838 - 3 Clemente Ignacio DELGADO CEBRIAN, bispo O.P. 12-07-1838 - 4 Pedro Dumoulin BORIE, bispo M.E.P. 24-11-1838 - 5 José María DIAZ SANJURJO, bispo O.P. 20-07-1857 - 6 Melchior GARCIA SAMPEDRO SUAREZ, bispo O.P. 28-07-1858 - 7 Jerónimo HERMOSILLA, bispo O.P. O1-11-1861 - 8 Valentin BERRIOCHOA, bispo O.P. 01-11-1861 - 9 Esteban Teodoro CUENOT, bispo M.E.P. 14-11-1861 -10 Francisco GIL DE FEDERICH, Sacerdote O.P. 22-O1-1745 - 11 Mateo ALONSO LECINIANA, Sacerdote O.P. 22-O1-1745 - 12 Jacinto CASTANEDA, Sacerdote O.P. 07-11-1773 - 13 Vicente LE OUANG LIEM, Sacerdote O.P. 07-11-1773 - 14 Emanuel NGUYEN VAN TRIEU, Sacerdote 17-09-1798 - 15 Juan DAT, Sacerdote 28-10-1798 - 16 Pedro LE TuY, Sacerdote 11-10-1833 - 17 Francisco Isidoro GAGELIN, Sacerdote M.E.P. 17-10-1833 - 18 José MARCHAND, Sacerdote M.E.P. 30-11-1835 - 19 Juan Carlos CORNAY, Sacerdote M.E.P. 20-09-1837 - 20 Vicente DO YEN, Sacerdote O.P. 30-06-1838 - 21 Pedro NGUYEN BA TUAN, Sacerdote 15-07-1838 - 22 José FERNANDEZ, Sacerdote O.P. 24-07-1838 - 23 Bernardo VU VAN DUE, Sacerdote 01-08-1838 - 24 Domingo NGUYEN VAN HANH (DIEU), Sacerdote O.P. 01-08-1838 - 25 Santiago Do MAI NAM, Sacerdote 12-08-1838 - 26 José DANG DINH (NIEN) VIEN, Sacerdote 21-08-1838 - 27 Pedro NGUYEN VAN TU, Sacerdote O.P. 05-09-1838 - 28 Francisco JACCARD, Sacerdote M.E.P. 21-09-1838 - 29 Vicente NGUYEN THE DIEM, Sacerdote 24-11-1838 - 30 Pedro VO BANG KHOA, Sacerdote 24-11-1838 - 31 Domingo TUOC, Sacerdote O.P. 02-04-1839 .- 32 Tomás DINH VIET Du, Sacerdote O.P. 26-11-1839 - 33 Domingo NGUYEN VAN (DOAN) XUYEN, Sacerdote O.P. 26-11-1839 - 34 Pedro PHAM VAN TIZI, Sacerdote 21-12-1839 - 35 Pablo PHAN KHAc KHOAN, Sacerdote 28-04-1840 - 36 José DO QUANG HIEN, Sacerdote O.P. 09-05-1840 - 37 Lucas Vu BA LOAN, Sacerdote 05-06-1840 - 38 Domingo TRACH (DOAI), Sacerdote O.P. 18-09-1840 - 39 Pablo NGUYEN NGAN, Sacerdote 08-11-1840 - 40 José NGUYEN DINH NGHI, Sacerdote 08-11-1840 - 41 Martín TA Duc THINH, Sacerdote 08-11-1840 - 42 Pedro KHANH, Sacerdote 12-07-1842 - 43 Agustín SCHOEFFLER, Sacerdote M.E.P. 01-05-1851 - 44 Juan Luis BONNARD, Sacerdote M.E.P. 01-05-1852 - 45 Felipe PHAN VAN MINH, Sacerdote 03-07-1853 - 46 Lorenzo NGUYEN VAN HUONG, Sacerdote 27-04-1856 - 47 Pablo LE BAo TINH, Sacerdote 06-04-1857 - 48 Domingo MAU, Sacerdote O.P. 05-11-1858 - 49 Pablo LE VAN Loc, Sacerdote 13-02-1859 - 50 Domingo CAM, Sacerdote T.O.P. 11-03-1859 - 51 Pedro DOAN LONG QUY, Sacerdote 31-07-1859 - 52 Pedro Francisco NERON, Sacerdote M.E.P. 03-11-1860 - 53 Tomás KHUONG, Sacerdote T.O.P. 30-01-1861 - 54 Juan Teofano VENARD, Sacerdote M.E.P. 02-02-1861 - 55 Pedro NGUYEN VAN Luu, Sacerdote 07-04-1861 - 56 José TUAN, Sacerdote O.P. 30-04-1861 - 57 Juan DOAN TRINH HOAN, Sacerdote 26-05-1861 - 58 Pedro ALMATO RIBERA, Sacerdote O.P. 01-11-1861 - 59 Pablo TONG VIET BUONG, Laico 23-10-1833 - 60 Andrés TRAN VAN THONG, Laico 28-11-1835 - 61 Francisco Javier CAN, Catequista 20-11-1837 - 62 Francisco DO VAN (HIEN MINH) CHIEU, Catequista 25-06-1838 - 63 José NGUYEN DINH UPEN, Catequista T.O.P. 03-07-1838 - 64 Pedro NGUYEN DicH, Laico 12-08-1838 - 65 Miguel NGUYEN HUY MY, Laico 12-08-1838 - 66 José HOANG LUONG CANH, Laico T.O.P. 05-09-1838 - 67 Tomás TRAN VAN THIEN, Seminarista 21-09-1838 - 68 Pedro TRUONG VAN DUONG, Catequista 18-12-1838 - 69 Pablo NGUYEN VAN MY, Catequista 18-12-1838 - 70 Pedro VU VAN TRUAT, Catequista 18-12-1838 - 71 Agustín PHAN VIET Huy, Laico 13-06-1839 - 72 Nicolás BUI DUC THE, Laico 13-06-1839 - 73 Domingo (Nicolás) DINH DAT, Laico 18-07-1839 - 74 Tomás NGUYEN VAN DE, Laico T.O.P. 19-12-1839 - 75 Francisco Javier HA THONG MAU, Catequista T.O.P. 19-12-1839 - 76 Agustín NGUYEN VAN MOI, Laico T.O.P. 19-12-1839 - 77 Domingo Bui VAN UY, Catequista T.O.P. 19-12-1839 - 78 Esteban NGUYEN VAN VINTI, Laico T.O.P. 19-12-1839 - 79 Pedro NGUYEN VAN HIEU, Catequista 28-04-1840 - 80 Juan Bautista DINH VAN THANH, Catequista 28-04-1840 - 81 Antonio NGUYEN HUU (NAM) QUYNH, Laico 10-07-1840 - 82 Pietro NGUYEN KHAC Tu, Catequista 10-07-1840 - 83 Tomás TOAN, Catequista T.O.P. 21-07-1840 - 84 Juan Bautista CON, Laico 08-11-1840 - 85 Martín THO, Laico 08-11-1840 - 86 Simón PHAN DAc HOA, Laico 12-12-1840 - 87 Inés LE THi THANH (DE), Laica 12-07-1841 - 88 Mateo LE VAN GAM, Laico 11-05-1847 - 89 José NGUYEN VAN Luu, Catequista 02-05-1854 - 90 Andrés NGUYEN Kim THONG (NAM THUONG), Catequista 15-07-1855 - 91 Miguel Ho DINH HY, Laico 22-05-1857 - 92 Pedro DOAN VAN VAN, Catequista 25-05-1857 - 93 Francisco PHAN VAN TRUNG, Laico 06-10-1858 - 94 Domingo PHAM THONG (AN) KHAM, Laico T.O.P. 13-01-1859 - 95 Lucas PHAM THONG (CAI) THIN, Laico 13-01-1859 - 96 José PHAM THONG (CAI) TA, Laico 13-01-1859 - 97 Pablo HANH, Laico 28-05-1859 - 98 Emanuel LE VAN PHUNG, Laico 31-07-1859 - 99 José LE DANG THI, Laico 24-10-1860 - 100 Mateo NGUYEN VAN (NGUYEN) PHUONG, Laico 26-05-1861 - 101 José NGUYEN DUY KHANG, Catequista T.O.P. 06-11-1861 - 102 José TUAN, Laico 07-01-1862 - 103 José TUC, Laico 01-06-1862 - 104 Domingo NINH, Laico 02-06-1862 - 105 Domingo TORI, Laico 05-06-1862 - 106 Lorenzo NGON, Laico 22-05-1862 - 107 Pallo (DONG) DUONG, Laico 03-06-1862 - 108 Domingo HUYEN, Laico 05-06-1862 - 109 Pedro DUNG, Laico 06-06-1862 - 110 Vicente DUONG, Laico 06-06-1862 - 111 Pedro THUAN, Laico 06-06-1862 - 112 Domingo MAO, Laico 16-06-1862 - 113 Domingo NGUYEN, Laico 16-06-1862 - 114 Domingo NHI, Laico 16-06-1862 - 115 Andrés TUONG, Laico 16-06-1862 - 116 Vicente TUONG, Laico 16-06-1862 - 117 Pedro DA, Laico 17-06-1862 _______________________O.P. : Ordem dos Pregadores (Dominicanos) - T.O.P.: Terceiro da Ordem dos Pregadores - M.E.P.: Sociedade das Missões Estrangeiras de Paris


92870 > Santi Martiri Vietnamiti (Andrea Dung Lac e 116 compagni) 24 novembre - Memoria MR

Áudio da RadioVaticana: e RadioRai:

• Bálsamo de Cava, Beato
Novembro 24 Abade,

Bálsamo de Cava, Beato

Bálsamo de Cava, Beato

Martirológio Romano: No mosteiro de Cava, na Campânia, beato Bálsamo, abade, que no meio das turbulências e contradições de seu tempo desempenhou seu cargo com sabedoria e prudência (1232). Etimologia: Bálsamo = aquele de alma perfumada. Vem da língua latina. Foi um abade do século XIII. A história da abadia da Trindade de Cava, junto a Salerno, foi fundada cerca do ano mil. A história de seus abades é muito interessante para os historiadores e gente dedicada ao estudo e à investigação. Isto se deve à manutenção perfeita de suas bibliotecas que contêm nada menos que mil anos de história. Bálsamo foi um abade desse mosteiro que encerra uma série de homens impressionantes para hoje e sempre. Se sabe que a abadia de Cava teve uma grande influência e importância em toda a Idade Média pela capacidade de trabalho de seus monges e por seu alto grau de santidade. Ele foi um dos mais ilustres. Dirigiu o mosteiro com suma maestria, com sabedoria e com um trato especial para os irmãos. Esteve nela 25 anos: desde 1208 a 1232, ano de sua morte. Era um homem de letras. Por isso, havia ganho a amizade dos Papas e dos próprios imperadores. Federico II o chamava carinhosamente “o martelo do mundo”. Este imperador favoreceu muito este mosteiro e deu ao abade a potestade de julgar a quem atentasse contra a abadia.¡Felicidades a quem leve este nome!

90415 > Beato Balsamo di Cava Abate 24 novembre MR

São Colmano, bispo
Em Cluain Uama (hoje Clyne), de Hibernia (hoje Irlanda), são Colmano, bispo (600).


78920 >
San Colman di Cloyne Vescovo 24 novembre MR


SÃO COLUMBANO

Monge (540-615)

Columbano, Santo

Columbano, Santo

Estrela Esta biografia foi já publicada, ontem dia 23/11 neste blogue.

Foi uma das personalidades marcantes da sua época; homem apaixonadamente dedicado à causa de Cristo, extremamente inteligente, heroico e perseverante, amante da poesia e da natureza, amigo dos animais e sempre fiel aos usos e ao amor da sua terra. Nascido na Irlanda, cerca do ano de 540, Columbano recebeu a sua formação no mosteiro de Bangor, sob a direção rígida e austera de S. Comgall. Cerca do ano de 590, desembarcou em França com doze monges de Bangor. Ia, a convite do rei de Borgonha , pregar o Evangelho sob o aspecto mais rigoroso e fundar mosteiros segundo o modelo irlandês. Os primeiros foram os de Annegray, Fontaine e Luxeuil. A seguir ergueram-se outros em Coutances, Faremoutiers, Jouarre, Saint.Gall, etc.. A regra que lhes impôs predominou nas Gálias até à sua substituição pela de S. Bento. Columbano mandava os monges doentes debulhar trigo nas areias; os saudáveis, queria ele que se extenuassem antes de recolher ao leito: «Devem adormecer enquanto vão para lá e levantar-se antes de terem dormido o bastante». A influência de Luxeuil nessa época foi considerável; desse convento saíram vários bispos santos e grandes missionários. Columbano dirigiu-o durante cerca de vinte anos. Procurou instalar a piedade e a virtude na corte de Austrásia. Censurava os bispos por não celebrarem a festa da Páscoa na mesma data que na Irlanda; escrevia ao papa cartas cheias de veemência, apesar de se afirma «o mais humilde dos homens» e de assinar: «Columbano, o pecador». Importou do seu país o uso da confissão particular que chegou a impor nas Igrejas de Borgonha. Apesar de venerado por tofos, desagradava a muitos. Por isso, a rainha Brunilde e o rei Thierry, a quem ele censurava as suas desordens, acabaram por expulsá-lo dos seus Estados em 610, sem encontrarem grande oposição. Agilulfo, o rei dos Lombardos, cedeu-lhe então o território de Bóbio, na Itália; foi lá que Columbano construiu o seu último mosteiro, em 614, e morreu no ano seguinte. Do livro SANTOS DE CADA DIA, de www.jesuitas.pt. Esta biografia foi já ontem publicada neste blogue sob texto – não traduzido – de www.es.catholic. Ver também www.santibeati.it

São Crisógono, mártir
Em Aquileia, no território de Veneza, comemoração de são Crisógono, mártir, a quem se dá culto em Roma no dia de aniversário da dedicação da igreja cujo título leva seu nome (304).

SAN CRISÓGONO

90980 > San Crisogono di Aquileia Vescovo e martire 24 novembre MR

91483 > Sant' Ermogene di Agrigento Vescovo 24 novembre

• Fermina (Firmina) de Amélia, Santa
Novembro 24 Mártir,

Fermina (Firmina) de Amelia, Santa

Fermina (Firmina) de Amélia, Santa

Martirológio Romano: Em Amélia, cidade da Umbria, santa Firmina, mártir (303).  Etimologia: Firmina = firme. Vem da língua latina. Fermina foi uma mártir do século III. Quando há falta de muitos dados históricos sérios, existem, pelo contrário, muitas lendas acerca da vida de alguns santos. Segundo as narrações tradicionais, Fermina era romana, e viveu no século III. Deve ter nascido no seio de uma família chamada Pisoni. Seu pai era o governador da cidade, e sua mãe uma cristã cheia de amor a Deus e ao próximo. A jovem devia ter 16 anos quando estalou a perseguição em Roma, a sempre e traída perseguição de Diocleciano. Vendo o perigo que se avizinhava, saiu da cidade, mas antes vendeu todas suas coisas – com grande alegria e desprendimento – e as entregou aos pobres. Para chegar à nova região da Umbria italiana, teve que embarcar num barco no Tibre de Civitavecchia. Como viu muitas necessidades entre os cristãos que eram dura e cruelmente perseguidos, ficou com eles para os ajudar em tudo aquilo que fosse necessário. Quando chegou a Amélia, entregou-se a uma vida de oração e de penitência. Sua felicidade ia a durar pouco tempo. Descoberta pelas autoridades, levaram-na aos tribunais. E julgada de má maneira, foi condenada a morte, Em Amélia se conserva sua memória. ¡Felicidades a quem leve este nome!

78900 > Santa Firmina (o Fermina) di Amelia Martire 24 novembre (o 30 novembre) MR


91718 >
San Flaviano di Ricina Vescovo e martire 24 novembre

91821 > San Hoardon Vescovo di Leon 24 novembre


94788 >
Beato Luigi de la Pena Martire mercedario 24 novembre

Beatas Nicetas de santa Prudência Plaja Xifra e companheiras, religiosas mártires

No Picadero de Paterna, no território de Valência, em Espanha, beatas Nicetas de santa Prudência Plaja Xifra e companheiras, virgens do Instituto das Irmãs Carmelitas da Caridade e mártires, todas as quais foram consideradas dignas de entrar com Cristo Esposo no convite eterno, levando suas lâmpadas acesas (1936). Seus nomes são: beatas Paula de Santa Anastácia Isla Alonso, Antonia de Santo Timoteo Gosens Sáez de Ibarra, Daria de Santa Sofia Campillo Paniagua, Erundina de Nuestra Señora del Monte Carmelo Colino Vega, Consolada del Santísimo Sacramento Cuñado González, Concepción de San Ignacio Odriozola Zabalía, Feliciana de Nuestra Señora del Monte Carmelo de Uribe Orbe, Concepción de Santa Magdalena Rodríguez Fernández, Justa de María Inmaculada Maiza Goicoechea, Clara de Nuestra Señora de la Esperanza Urrutia y Cándida de Nuestra Señora de los Ángeles Cayuso González.

93481 > Beate Niceta di Santa Prudenzia Plaja Xifra e 11 compagne Vergini e martiri 24 novembre MR

Plaja, Niceta (Prudenzia). Campillo Paiuagua, Daria (Sofìa), Gosens Sàez de Ibarra, Antonia (Timotea), Isla Alonso, Paola (Paolina).

Cunado Gonzàlez, Maria Consuelo (Sacramento). Colino Vega, Erundina. Uribe y Orbe, Feliciana Cayuso Gonzàlez, Candida

Ezcurra Urrutia, Chiara.Odriozola, Maria Concezione. Mayza Goicochea, Giusta e Rodriguez Fernàndez, Concezione.

 

Pedro Vo Dang Khoa e Vicente Ngyen Tho Diem, Santos
Novembro 24 Sacerdotes e Mártires,

Pedro Dumoulin-Borie y compañeros, Santos

Pedro Dumoulin-Borie e companheiros, Santos

Martirológio Romano: Na cidade de Dông Hoy, em Annam, santos mártires Pedro Dumoulin- Borie, bispo da Sociedade de Missões Estrangeiras de Paris, Pedro Vo Dang Khoa e Vicente Ngyen Tho Diem, presbíteros, dos quais, por ordem do imperador Minh Mang, o primeiro foi degolado e os outros estrangulados (1838). Este jovem, amante das missões, nasceu em 20 de fevereiro de 1808 em Beynat de Corrèze. Seus pais eram contra qualquer das decisões de seu filho. Lhe disseram em sua cara que não seria nem missionário, nem de Trapa, nem médico. Não podia sair de França. O queriam perto de si mesmos. Egoísmo de pais. Tudo o que lhe consentiam, era que fosse cura mas sem sair do país. Seguindo os conselhos dos pais, entrou um belo dia no seminário maior de Tulle. Ele, sem embargo, tinha as ideias muito claras acerca de sua vida futura:"Seguirei minha vocação por onde queira que me chamem, ainda que seja nas missões estrangeiras". Com a passagem do tempo, a ocasião se lhe apresentou propicia em outubro de 1829. Durante o tempo dos motins e revoltas em Paris, lhe deram o tratamento de senhor porque o tomaram por um suíço. Nesta ocasião Deus o livrou do perigo porque seu acento era tipicamente francês. Chegou ao sacerdócio em 21 de novembro de 1830. Sem ter a menor dúvida, embarcou no norte de França, no porto Le Havre com destino a Mónaco . Era 18 de julho de 1831. Daqui continuou seu rumo para terras longínquas do Oriente. Desembarcou em Saigão porque uns contrabandistas chineses atacaram o barco. Neste país se desencadeou uma revolução persecutória. Ele, com toda a força interior que levava em seu espírito, começou a evangelizar a região que se lhe havia confiado. Entretanto prenderam-no as hordas inimigas em 1838. E é curioso que estando na mesma cadeia, recebeu o encargo de ser nomeado bispo. O próprio verdugo que devia dar-lhe morte, não o queria fazer. Mas teve que o fazer recorrendo para isso a uma bebedeira. Seus restos se conservam na Sala dos mártires do Seminário das Missões Estrangeiras de Paris. Para ver mais sobre os 117 mártires no Vietname faz "click" AQUI

93414 > Santi Pietro Dumoulin-Borie, Pietro Vo Dang Khoa e Vincenzo Nguyen The Diem Sacerdoti e martiri 24 novembre MR


78930 > San Porziano Abate in Alvernia 24 novembre MR

São Protásio, bispo
Em Milão, da província de Ligúria, santo Protásio, bispo, que defendeu ante o imperador Constante a causa de santo Atanásio e tomou parte no Concílio de Sárdica (352).

 SAN 
PROTASIO

93354 > San Protasio Vescovo di Milano 24 novembre MR

São Romano, presbítero
No lugar de Blaye, no território de Bordéus, na Aquitânia, são Romano, presbítero (385).

78910 > San Romano di Blaye 24 novembre MR

 

00000000000000
00000000000000000000000
0000000000000000000000000000000000000
000000000000000000000000000000000000000000000000000000000
Localização geográfica da sede deste Blogue, no Porto
Viso---mapa_thumb_thumb_thumb_thumb_[2]
===================================
0000000000000000000000000000000000000000000000
$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$


«««««««««««««««««««««««««««««««««««««««««««««««««««««««»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»


WWW.ES.CATHOLIC.NET/SANTORAL
WWW. SANTIEBEATI.IT
Sites utilizados: Os textos completos são recolhidos através do livro SANTOS DE CADA DIA, de www.jesuitas.pt. em que também incluo imagens recolhidas através de http://es.catholic.net/santoral,; em seguida os textos deste mesmo site sem tradução e com imagens, e por último apenas os nomes e imagens de HTTP://santiebeati.it.
NOTA INFORMATIVA: Como já devem ter reparado, de vez em quando, segundo a sua importância há uma exceção da 1ª biografia, que mais sobressai, – quando se trate de um dia especial, dedicado a Jesus Cristo, a Nossa Senhora, Anjos ou algum Santo, em particular – todos os restantes nomes (que não constem do livro citado – nem tampouco dos outros sites) surgem por Ordem alfabética, uma, duas ou três vezes, conforme figurem nos três sites indicados, que poderão ser consultados - se assim o desejarem – pelos meus eventuais leitores. LOGICAMENTE E POR ESSE FACTO, DIARIAMENTE, O ESPAÇO OCUPADO, NUNCA É IGUAL, ACONTECENDO POR VEZES QUE É DEMASIADO EXTENSO.
As minhas desculpas e obrigado.
Responsabilidade exclusiva de ANTÓNIO FONSECA