OS MEUS DESEJOS PARA TODOS

RecadosOnline.com

segunda-feira, 20 de fevereiro de 2012

Nº 1200-3ª Página - A RELIGIÃO DE JESUS – 7º DOMINGO DO TEMPO COMUM FEIRA - 19 DE FEVEREIRO DE 2012

NOTA PRÉVIA:

 Este texto  era para ter sido publicado ontem, DOMINGO, não o tendo sido, por lapso meu. As minhas desculpas .

Nº 1200-3

Do livro, A RELIGIÃO DE JESUS, de José Mª Castillo – Comentário ao Evangelho do dia – Ciclo B (2011-2012) – Edição de Desclée De Brouwer – Henao, 6 – 48009 Bilbao – www.edesclee.cominfo@edesclee.com: tradução de espanhol para português, por António Fonseca

Estrela O texto dos Evangelhos, que anteriormente (no Ano A) estavam a ser transcritos e traduzidos de espanhol para português, diretamente através do livro acima citado, são agora transcritos através da 12ª edição do Novo Testamento, da Difusora Bíblica dos Missionários Capuchinhos, (editada em 1982, salvo erro..). No que se refere às Notas de Comentários continuam a ser traduzidas como anteriormente. AF.

$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$

19 DE FEVEREIRO DE 2012

7ª SEMANA DO TEMPO COMUM

Mc 2, 1-12

Passados alguns dias, tendo Jesus voltado a Cafarnaum, soube-se que Se encontrava em casa. Juntou-se tanta gente que nem mesmo, nas imediações da porta, havia lugar. E Ele anunciava-lhes a palavra. Vieram, então, trazer-lhe um paralítico, transportado por quatro homens. Como não podiam levá-lo à presença de Jesus, devido à multidão, descobriram o telhado no sítio em que Ele se encontrava e, tendo feito uma abertura, arrearam o catre em que jazia o paralítico. Ao ver a fé deles, Jesus disse ao paralítico: «Meu filho, os teus pecados te são perdoados». Ora. havia entre a assistência alguns escribas que pensavam, de si para si: «Porque fala assim? Ele blasfema. Quem, pode perdoar pecados senão Deus?» Percebendo Jesus, em Seu espírito , que eles estavam a pensar assim, disse-lhes: «Porque pensais assim nos vossos corações? Qual é mais fácil, dizer ao paralítico: Os teus pecados te são perdoados, ou dizer-lhe: Levanta-te, toma o teu catre e anda? Pois bem, para que saibais que o Filho do Homem tem na terra poder de perdoar os pecados, ordeno-te – disse ao paralítico – levanta-te, toma o teu catre e vai para tua casa. No mesmo instante pôs-se de pé e, tomando o catre, saiu à vista de todos, de sorte que todos se maravilhavam e glorificaram a deus, dizendo: «Nunca vimos coisas assim».

1.Vendo a fé que tinham” os que traziam o enfermo, Jesus perdoa a este os seus pecados, quando o paralítico nem sequer havia pedido o perdão. A este homem, Jesus não lhe perguntou nada; nem que pecados tinha, nem se estava arrependido, nem se tinha o propósito de emenda. Jesus perdoa sem condições. Não exigiu confissão. Nem impôs penitência.

2. Pode assegurar-se que Jesus sabia os pecados daquele homem? Conhecia Jesus a intimidade de um individuo que seguramente via pela primeira vez? Cabe dizer que, como Deus que era, Jesus sabia tudo? Nós humanos não conhecemos (nem podemos conhecer) a Deus. Porque é o Transcendente e não está ao nosso alcance. Se Jesus é quem nos revela a Deus (Jo 1, 18; Mt 11, 27), mais lógico é dizer que Deus se porta com os pecadores como se portou Jesus.

3. Há quem diga que tudo isto é uma blasfémia. Os “letrados” de hoje reproduzem o comportamento dos “letrados” de antigamente. A resposta de Jesus foi dar a vida ao paralítico. Se uma pessoa tem poder para perdoar pecados, que o demonstre dando vida, não esgrimindo títulos ou cargos. Sem dúvida, os caminhos do Evangelho estão muito longe de nossos caminhos.

»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»««««««««««««««««««««««««««««««««««««««««««««««««««««

0000000000000000000000000000000000000000000000000000000

=======================================================

Viso - mapa

http://confernciavicentinadesopaulo.blogspot.

Compilação (e tradução dos comentários) por António Fonseca
http://bibliaonline.com.br/acf;
NOTA FINAL:
Continuo a esclarecer que os comentários aos textos do Evangelho, aqui expressos, são de inteira responsabilidade do autor do livro A RELIGIÃO DE JESUS e, creio eu… apenas retratam a sua opiniãoe não a minha ou de qualquer dos meus leitores, que eventualmente possam não estar de acordo com ela. Eu apenas me limito a traduzir de espanhol para português os Comentários e NEM EU NEM NINGUÉM ESTÁ OBRIGADO A ESTAR DE ACORDO.

Mais um esclarecimento, No passado dia 27 de Novembro, comecei uma nova página que tem saído diariamente (e procurarei que o seja sempre), na qual vou transcrevendo alguns capítulos do Evangelho de S. Marcos, - pela ordem com que são apresentados - para que, quem eventualmente esteja interessado possa seguir os factos relatados pelo Evangelista. Acho um trabalho interessante, porque serve para que vivamos mais intensamente a Vida de Jesus Cristo que se encontra sempre presente na nossa existência, mas que poucos de nós (eu, inclusive) tomam verdadeira consciência da sua existência e apenas nos recordamos quando ouvimos essas palavras na celebração dominical e SOMENTE quando estamos muito atentos, porque não acontecendo assim, não fazemos a mínima ideia do que estamos ali a ouvir e daí, o desconhecimento da maior parte dos cristãos do que se deve fazer para seguir o caminho até Ele.

Como Jesus Cristo disse, na sua Ascensão ao Céu: “IDE POR TODO O MUNDO E ENSINAI TODOS OS POVOS”.

É apenas isto que eu estou tentando fazer.

Desculpem e obrigado. AF

aarfonseca0491@hotmail.com

20-2-1940 - 20-2-2012 = 72 ANOS


Meus amigos:

Desculpem a imodéstia (ou vaidade - se assim lhe quiserem chamar - )
mas apesar de completar hoje mais um aniversário, sinto-me em plena forma, graças a Deus, pelo que espero continuar ainda durante mais algum tempo a escrever este blogue.

Reconheço que não é muito curial eu estar a lembrar a data (que aliás, está bem legível no Meu Perfil na coluna ao lado), mas faço-o apenas porque a esta hora já recebi imensos e-mails e sms de parabéns de familiares e amigo (e porventura também leitores...) que fazem o favor de não me esquecerem, pelo que estou muito grato a todos, que (ou já me cumprimentaram ou virão ainda a cumprimentar) e prometo-vos que continuarei com esta página, enquanto me sentir com forças para tal, que me são dadas por Deus a quem sempre Louvarei.

BENDITO E LOUVADO SEJA O SANTÍSSIMO NOME DE DEUS PAI, FILHO E ESPÍRITO SANTO,
POR TODOS OS SÉCULOS DOS SÉCULOS.
ÁMEN.

aarfonseca0491@hotmail.com

antoniofonseca40@gmail.com

http://confernciavicentinadesopaulo.blogspot.com


Nº 1201-2ª Página - EVANGELHO, SEGUNDO S. LUCAS - ANO B – 20 DE FEVEREIRO DE 2012

(18)
Nº 1201-2ª Página

EVANGELHO DE S. LUCAS
PRÓLOGO
MINISTÉRIO DE JESUS EM JERUSALÉM
Entrada messiânica de Jesus em Jerusalém – … Ao aproximar-Se de Betfagé, e de Betânia, junto do monte chamado das Oliveiras, enviou dois dos Seus discípulos, dizendo: «Ide à aldeia em frente e, ao entrardes nela, encontrareis um jumentinho preso, que ainda ninguém montou; soltai-o e trazei-Mo. E se alguém vos perguntar: Porque o soltais? respondereis assim: “O Senhor precisa dele”». Os enviados partiram e tudo se lhes deparou como Ele havia dito. Quando estavam a soltar o jumentinho, os donos disseram-lhes: «Porque soltais o jumentinho?» Responderam-lhe: «O Senhor precisa dele». Levaram-no a Jesus e, deitando as capas sobre o jumentinho, fizeram montar Jesus. Enquanto caminhava, estendiam as suas capas no caminho. Estando já próximo da descida do monte das Oliveiras, começou a multidão dos discípulos a louvar alegremente a Deus, em alta voz, por todos os milagres que tinham visto, dizendo: BENDITO SEJA O REI QUE VEM EM NOME DO SENHOR!» «PAZ NO CÉU E GLÓRIA NAS ALTURAS!». Alguns fariseus disseram-Lhe, do meio da multidão: «Mestre, repreende os Teus discípulos». Jesus retorquiu: «Digo-vos que, se eles se calarem, gritarão as pedras».
Jesus chora sobre Jerusalém – … Quando se aproximou, ao ver a cidade, chorou sobre ela e disse: «Se neste dia tivesses conhecido, tu também O que te pode trazer a paz! Mas isto ficou oculto aos teus olhos. Virão dias para ti em que os teus inimigos te hão-de cercar de trincheiras, sitiar-te-ão e estreitar-te-ão de todos os lados; hão-de esmagar-te contra o solo, bem como a teus filhos que estiverem dentro de ti, e não deixarão em ti pedra sobre pedra, por não teres reconhecido o tempo em que fostes visitada». Depois, entrando no Templo, começou a expulsar os vendedores, dizendo-lhes: «Está escrito! A Minha casa será casa de oração; mas vós fizestes dela um covil de ladrões». Ensinava todos os dias no Templo e os príncipes dos sacerdotes e os escribas, assim como os principais do povo, procuravam perdê-lo. Não sabiam, porém, como proceder, pois todo o povo ficava suspenso ao ouvi-Lo.
(Continua em, 21/2/2012, esta descrição do EVANGELHO DE SÃO LUCAS)


Transcrição de António Fonseca
A tempo: Por motivos técnicos não me foi possível editar o texto deste Evangelho (cap. 19 – Zaqueu e o publicano e a Parábola das moedas de ouro, que deveria ter sido publicado hoje. Fá-lo-ei, portanto no dia de amanhã (21). antes do capítulo 20 que será também publicado nesse dia. As minhas desculpas e obrigado.AF

Nº 1201 – 1ª Página – (51/2012) - SANTOS DE CADA DIA – 20 de Fevereiro de 2012

Ver Notas no final

email: aarfonseca0491@hotmail.com

Nº 1201 – 1ª Página – 2012

Tero_thumb_thumb_thumb_thumb_thumb_t[1]God-Remained-Posters_thumb_thumb_thu[2]

#####################################

13-2-12_thumb_thumb_thumb_thumb_thum

Jardim geométrico em Leers - Alemanha

##################################### #####################################

Euquério, Santo
Bispo de Orleães

Eusquerio de Orleans, Santo

Eusquério de Orleans, Santo

Estrela Em virtude de ser muito extensa a biografia inserta no livro SANTOS DE CADA DIA, transcrevo a tradução feita por mim em 20-2-2010, através de www.es.catholic.

Martirológio Romano: No cenóbio de santo Trudón, em Brabante, de Austrásia, trânsito de santo Eusquério, bispo de Orleans, que, desterrado por Carlos Martel por razão das calúnias de alguns invejosos, encontrou piedoso refúgio entre aqueles monges (c. 738). Etimologicamente: Eusquério = significa “de boa mão”. Vem da língua alemã. Natural de França e nascido de família nobre em redor do ano 690, em Orleães. Diz a lenda que sua mãe era piedosíssima e que pouco antes de ter ao filho teve um sonho angelical. Sim, uma criatura celeste lhe anunciava que ia a ser mãe de um futuro bispo muito santo. O caso é que nasceu como todos os meninos e com a ação de graças dos pais, como é normal. De menino se inicia no conhecimento das letras e quando jovem lhe entusiasmam os conhecimentos próprios do saber da época; Entra nas artes e nas ciências; Gosta de filosofia e prefere antes de tudo a teologia. No calor da devoção sincera com a Virgem começam a assinalar-se rasgos de profundidade na virtude. Quando Leodoberdo é bispo abraça o estado clerical. Logo se faz monge no mosteiro de Jumièges, na margem do Sena, perto de Ruão; ao que parece é um dos lugares santos de mais estrita observância. À oração e a penitência própria do mosteiro acresce o estudo dos sagrados cânones e dos santos Padres. Recebe a Ordem Sacerdotal e embrenha na Eucaristia com lágrimas nos olhos. Morto Severo, bispo de Orleães, é proposto para bispo da sede vacante. Tem que ser Carlos Martel, o rei merovíngio filho bastardo de Pipino de Heristal, quem quase o obrigue a aceitar, uma vez vencida a resistência pessoal a abandonar o silêncio do claustro e a companhia de seus irmãos monges. Pensava naquele momento que as «dignidades» bem poderiam ser causa de condenação. Parece que lhe vai bem o oficio de bispo, um tanto estranho para um monge. Desempenha seu ministério com um zelo pouco usual. Contam os cronistas que entra em cheio em cuidar a disciplina eclesiástica já que está convencido de que o bom exemplo é a primeira pregação ao povo. E assim sucedeu. Com um clero bem disposto, chegam cedo os frutos que pode recolher: há reforma nos costumes do povo; se dá uma volta à piedade sincera. Inclusive se trespassam os limites da diocese de Orleães que agradece de modo ostensível o recebimento a seu bispo-padre até nos lugares mais remotos. Não ia a estar isenta esta santa vida e labor de cruzes que purificam nem da ação dos que padecem o tique da inveja que sempre e em todo lugar foram muitos. Aqui também se levantam os ânimos de Carlos Martel, quando regressa de Aquitânia, voltando-os contra o seu protegido de outro tempo porque teve o valor de enfrentar o rei franco defendendo os bens da igreja ao utilizá-los como fundos para suas campanhas guerreiras. Os invejosos souberam aproveitar bem o momento e deitaram lenha ao fogo até levantar uma fogueira de tamanho natural. O resultado foi o desterro do bispo Eusquério que morre em 20 de Fevereiro do ano 743 na abadia de Tron onde passou em humilde e escondida santidade seus últimos seis anos.

42200 > Sant' Eucherio di Orleans Vescovo 20 febbraio MR

COMPLEMENTO

Quando Euquério nasceu em Orleães, os pais dedicaram-no ao serviço de Deus. Iniciou os seus estudos aos sete anos de idade e, em 714, ingressou na abadia beneditina de Jumièges. Levou durante vários anos uma vida de austeridade e obediência, como monge, até que a morte do tio veio abalar inesperadamente a sua existência tranquila. O seu tio Soavaric era Bispo de Orleães e após a sua morte o senado, o povo e o clero da cidade manifestaram ao governante franco, Carlos Martel, o desejo de que Euquério lhe sucedesse. Carlos concordou e enviou um representante para o escoltar até Orleães. Embora Euquério não quisesse partir, foi consagrado Bispo de Orleães em 721, contra sua vontade.

Vida de Bispo Euquério revelou-se um Bispo exemplar, cuidando do seu rebanho com bondade e caridade. Mas em breve se compreenderia a sua relutância em aceitar um cargo de tal relevância. Quando Carlos empreendeu uma campanha ambiciosa, confiscou os bens da Igreja para financiar as suas conquistas, ao que Euquério se opôs firmemente. Ofendido com a posição do  Bispo, Martel desterrou-o para Colónia.

Regresso à vida monástica – O povo de Colónia sentia grande admiração por Euquério pela sua misericórdia. Sentindo-se ameaçado pela popularidade crescente de Euquério, Carlos encerrou-o numa fortaleza perto de Liège, onde foi obrigado a viver sob liberdade condicional. O governador da fortaleza, porém, condoído pela santidade de Euquério, permitiu que ele se retirasse para o mosteiro de Saint-Trond, tendo aí vivido os últimos dias como sempre desejara: em oração e contemplação.

No seu rasto

Durante muitos séculos, monges como Euquério retiraram-se para mosteiros tranquilos, em busca da solidão e de Deus.

Em Portugal, os monges beneditinos tiveram grande importância no desenvolvimento e renovação do monaquismo e na cultura medieval, em mosteiros como Lorvão, Tibães e na célebre Abadia de Alcobaça. Hoje, existe um importante mosteiro beneditino no nosso país, que data de 1892, a Abadia de Singeverga. Este mosteiro, perto de Santo Tirso, é um refúgio de paz na vida agitada dos nossos dias. Aí, os monges:

* Procuram Deus, numa comunidade que vive de acordo com a regra de S. Bento, em silêncio, oração e trabalho.

* Rezam  e meditam várias horas por dia.

* Além de realizarem as tarefas quotidianas, sustentam-se a si próprios produzindo o famoso Licor de Singeverga, de que mantêm o segredo.

Esses monges recebem hóspedes e grupos interessados em partilhar as tradição monástica da oração, do silêncio e da contemplação. 

ORAÇÃO

Senhor, por vezes é-me dificil encontrar-Vos quando a agitação deste mundo me distrai. Busco a solidão, mas verifico que também o meu coração está agitado – repleto de ira, inveja, amargura – e não consegue ouvir-Vos. Ajudai-me a ultrapassar os obstáculos que me separam de Vós. Só Vos peço que me deixeis ouvir a Vossa voz nas profundezas do meu ser e usufruir da Vossa paz e do Vosso amor. Ámen.

(Oração contemporânea)

Durante o tempo de vida de Santo Euquério (séculos VII-VIII) ocorreram entre outros os seguintes acontecimentos: Carlos Martel impede os Muçulmanos de invadirem a Europa, em Poitiers (732); Reinado de Constantino V, em Bizâncio (668-685); Invasão muçulmana da Península Ibérica (711); Terramoto abala a Ásia Menor (740).

Amada, Beata

Religiosa (1200-1252)

Como Santa Clara, sua tia, e Frei Rufino (das Florinhas), seu tio, pertencia à família dos Offreducci, uma das mais distintas de Assis. Amada foi mundana até ao dia em que se converteu, ao visitar a tia no convento de São Damião. Decidiu nessa altura fazer-se imediatamente religiosa, sem mesmo voltar a casa e despedir-se dos seus. As austeridades que praticou no seu novo estado foram tais, escreve o seu biógrafo, “que devido a elas os seus dias vieram a abreviar-se”. Nascei e morreu em Assis, aproximadamente entre os anos 1200 e 1252. Do livro Santos de cada dia, de WWW.JESUITAS.PT

91164 > Beata Amata (de Corano) da Assisi 20 febbraio

Eleutério, Santo

Bispo, Confessor (456-531 ou 532)

Eleutério de Tournai, Santo
Bispo

Eleuterio de Tournai,  Santo

Eleutério de Tournai, Santo

Eleutério (ou Lehire) nasceu em Tournai, Bélgica, em 456. Contava entre os seus ascendentes um dos primeiros pagãos convertidos ao Cristianismo por diligências de S. Piat. Foi educado com o futuro São Medardo, que, segundo se diz, lhe predisse vir a ser elevado a bispo de Tournai, sua cidade natal. Tournai era então a residência dos reis francos; parece que a fé corria lá riscos, no princípio do reinado de Clóvis. As guerras contra os Romanos pareciam ir ter, como consequência, a guerra ao Cristianismo; o governador de Tournai julgou acertado expulsar as famílias cristãs. Em 486, Eleutério, então com trinta anos, teve de retirar-se para Blandin com os seus pais. Um pouco mais tarde, o casamento de Clóvis com Clotilde (493) garantiu aos fieis certa liberdade; a gente de Blandin aproveitou para construir uma igreja, cujo bispo, Teodoro, vitimado por uma faísca, foi substituído por Eleutério. Mas este, antes de receber a sagração episcopal, teve de ir a Roma para obter a aprovação do papa. Ao voltar , foi sagrado por São Remígio, bispo de Reims. A evangelização do povo não foi trabalho fácil; além de serem ainda numerosos os pagãos, havia opositores nalguns hereges que negaram a encarnação do Verbo. Deus, porém, manteve no seu lugar o seu Servo, concedendo-lhe o poder de fazer milagres. Três vezes empreendeu Eleutério a viagem a Roma, para se informar dos melhores meios para remediar os males da sua Igreja. Duma destas viagens trouxe ele relíquias de Santo Estevão, primeiro mártir; e de Santa Maria Egipcíaca. pelo ano de 520, reuniu um sínodo e, ao que parece, fez um discurso sobre o mistério da Encarnação. Todavia, este discurso, como outros que lhe são atribuídos, é considerado como pouco autêntico. O zelo de Eleutério, para manter o depósito da fé, custou-lhe a vida. Um dia, à saída da Igreja, foi atacado por hereges que lhe bateram imenso. Sobreviveu, porém, alguns dias a tais ferimentos. Faleceu a 20 de Fevereiro de 531 (ou a 30 de Junho de 532). Depois dele, o bispado de Tournai ficou reunido ao de Noyon, sob a autoridade de São Medardo. Eleutério, pela sua morte. mereceu o título de mártir, mas é venerado apenas como confessor. Depois das incursões normandas, foi duas vezes trasladado solenemente o seu corpo, em 1064 e em 1247. Do livro SANTOS DE CADA DIA, de www.jesuitas.pt. Ver também www.es.catholic e www.santiebeati.it

42100 > Sant' Eleuterio di Tournai Vescovo 20 febbraio MR

Ascolta da RadioMaria:

42050 > Sant' Eleuterio di Costantinopoli Martire 20 febbraio

Ascolta da RadioMaria:

Francisco e Jacinta Marto, Beatos

Confessores (1908-1919, 1910-1920)

(*) Nota prévia – A ordem pela qual estão indicados os santos de hoje, está conforme vem mencionada no Livro Santos de Cada Dia, do qual normalmente transcrevo todas as biografias que lá vêm, em prejuízo das que estão insertas nomeadamente no site www.es.catholic.net/santoral e, devo confessar que o faço, de propósito, porquanto como na maioria dos casos, procedo à sua tradução de espanhol para português – salvo casos pontuais (da sua grande extensão ou até de falta de tempo) tenho seguido à risca. Além disso hoje é um dia especial para mim, já que é o meu aniversário e fiz questão – no primeiro caso - de Francisco e Jacinta Marto, transcrever primeiro o texto do livro e de imediato fazê-lo em referência à tradução do site espanhol – só para se apreciar a diferença das redações respectivas… TRATA-SE APENAS DE UM “CAPRICHO” TALVEZ, DA MINHA PARTE, mas espero que me desculpem esta repetição

Francisco Estrela e Jacinta Marto, Beatos
Videntes de Fátima Estrela (Francisco morreu em 4 de Abril de 1919)

Jacinta Marto, Beata

Jacinta Marto, Beata

O dia 13 de Maio de 1917 passou à história da Igreja e da Humanidade como o dia memorável em que três crianças portuguesas viram, em Fátima, a Virgem Maria sobre uma azinheira; Lúcia dos Santos, de 10 anos, e os seus primos Francisco, de 9 anos e Jacinta, de 7. A 13 de Maio de 2000, João Paulo II beatificou, no mesmo lugar, duas daquelas crianças, mortas prematuramente (Francisco e Jacinta), tornando-se, assim, os beatos mais jovens, não mártires, do calendário cristão. Francisco e Jacinta eram duas crianças normais, travessas. alegres, educadas num ambiente cristão de máxima simplicidade. A oração, sobretudo a recitação do rosário, formavam parte do dia. Na primavera de 1916, apareceu-lhes o Anjo da Paz, na “Loca do Cabeço” e junto ao poço da casa de Lúcia, ensinando-os a rezar ao Santíssimo Sacramento e dando-lhes a Sagrada Comunhão. A 13 de Maio de 1917, dá-se a primeira aparição da Virgem Maria, pedindo-lhes que voltem ao mesmo lugar nos próximos seis meses, no mesmo dia e à mesma hora, recomendando-lhes que rezassem o rosário todos os dias e anunciando-lhes sofrimentos futuros. De facto, estes começaram imediatamente, porque ninguém acreditou no que eles contaram (ainda que tenham combinado não dizer nada), a começar pela própria família e assim se iniciou o doloroso calvário daquelas três crianças. Em relação ao futuro dos videntes, logo na aparição do dia 13 de Junho, a Senhora anuncia: “… A Jacinta e ao Francisco levá-los-ei brevemente (para o céu). Não puderam comparecer à aparição de 13 de Agosto, porque o administrador de Vila Nova de Ourém os tinha levado à vila para os obrigar a desmentir tudo o que tinham dito, ameaçando-os até com a prisão e de facto estiveram presos dois dias, mas contentes de sofrer “por amor de Jesus”. As aparições continuaram a realizar-se até ao dia 13 de Outubro, na qual Nossa Senhora se despediu dos pastorinhos e se realizou o milagre do sol, presenciado por milhares de pessoas e veio confirmar a veracidade de tudo o que os videntes tinham dito. Francisco e Jacinta pouco tempo sobreviveram às aparições. Entretanto, as qualidades humanas e cristãs destas duas crianças acentuaram-se visivelmente e tornaram-se um exemplo de virtudes cristãs e maturidade sobrenatural. A doença que em Portugal se chamou “gripe espanhola” chegou a Aljustrel e Francisco foi uma das suas primeiras vítimas. Aguardou com serenidade o fim da sua vida, aceitando a doença com toda a lucidez e fortaleza cristãs. da doença de Francisco escreveu a irmã Lúcia: “Durante a doença, Francisco mostrou-se sempre alegre”. E ele próprio declarou: “Sofro para consolar a Nosso Senhor, e depois ir daqui para o céu…”. A 4 de Abril de 1919, foi contemplar a Deus face a face. Jacinta estava convencida de que depressa iria para o céu com o seu irmão. A mesma “gripe espanhola” a afectou tão fortemente que tiveram de interná-la no hospital de Vila Nova de Ourém,., mas não se verificaram grandes melhoras. Acabou por ser operada no hospital de D. Estefânia, em Lisboa, sem anestesia… Foram 15 meses de dores atrozes, até à sua morte, a 20 de fevereiro de 1920, aceites sempre com a serenidade dos Santos, sabendo que Deus aceitava os seus sofrimentos pela conversão dos pecadores. A irmã Lúcia evoca a mudança operada na sua prima, depois das aparições, declarando que se tinha tornado outra criança. “Aquilo que eu sentia junto de Jacinta, era aquilo que se sente ao lado duma pessoa santa, que em tudo parece comunicar com Deus. Jacinta refletia a presença de Deus em todos os seus atos”. A irmã Lúcia deixou-nos também o relato de algumas aparições da Santíssima Virgem à sua prima durante a doença, nas quais Nossa Senhora a confortava e lhe dava forças. Do Livro SANTOS DE CADA DIA, de www.jesuitas.pt.

Agora transcrição traduzida por mim, de www.es.catholic publicada em 20.2.2010.

Martirológio Romano: Em Aljustrel, perto de Fátima, em Portugal, beata Jacinta Marto, que, sendo ainda menina de tenra idade, aceitou com toda paciência a grave enfermidade que a afectava, demonstrando sempre uma grande devoção à Santíssima Virgem María (1920). Etimologicamente: Jacinta = Aquela que é bela como a flor do jacinto, é de origem grega. Em Aljustrel, pequeno povo situado a uns oitocentos metros de Fátima, Portugal, nasceram os pastorinhos que viram a Virgem Maria: Francisco e Jacinta, filhos de Manuel Pedro Marto e de Olímpia de Jesus Marto. Também nasceu ali a mais velha dos videntes, Lucía dos Santos, que morreu em 13 de Fevereiro de 2005.  °Francisco nasceu em dia 11 de Junho, de 1908. °Jacinta nasceu no dia 11 de Março, de 1910. Desde muito cedo, Jacinta e Francisco aprenderam a cuidar das más relações, e portanto preferiam a companhia de Lucía, prima deles, que lhes falava de Jesus Cristo. Os três passavam o dia juntos, cuidando das ovelhas, rezando e brincando. Entre 13 de Maio e 13 de Outubro de 1917, a Jacinta, Francisco y Lucía, lhes foi concedido o privilégio de ver a Virgem Maria na Cova de Iria. A partir desta experiência sobrenatural, os três se viram cada vez mais inflamados pelo amor de Deus e das almas, que chegaram a ter uma só aspiração: rezar e sofrer de acordo com o pedido da Virgem Maria. Se foi extraordinária a medida da benevolência divina para com eles, extraordinário foi também a maneira como eles quiseram corresponder à graça divina. Os meninos não se limitaram unicamente a ser mensageiros do anúncio da penitência e da oração, mas dedicaram todas suas forças para ser de suas vidas um anúncio, mais com suas obras que com suas palavras. Durante as aparições, suportaram com espírito inalterável e com admirável fortaleza as calúnias, as más interpretações, as injúrias, as perseguições e até alguns dias de prisão. Durante aquele momento tão angustioso em que foi ameaçado de morte pelas autoridades de governo (*) se não declarassem falsas as aparições, Francisco manteve-se firme para não atraiçoar a Virgem, infundindo este valor a sua prima e a sua irmã. Quantas vezes os ameaçavam com a morte eles respondiam: "Se nos matam não importa; vamos para o céu." Por seu lado, quando a Jacinta a levavam supostamente para a matar, com espírito de mártir, indicou a seus companheiros, "Não se preocupem, não lhes direi nada; prefiro morrer antes que isso."

Beato Francisco (6-11-1908 / 4-4-1919)
Francisco era de carácter dócil e condescendente. Gostava de passar o tempo ajudando ao necessitado. Todos o reconheciam como um rapaz sincero, justo, obediente e diligente. As palavras do Anjo na sua terceira aparição: "Consolai a vosso Deus", fizeram profunda impressão na alma do pequeno pastorinho. Ele desejava consolar a Nosso Senhor e à Virgem, que lhe havia parecido estavam tão tristes. Na sua enfermidade, Francisco confiou a sua prima: "¿Nosso Senhor ainda estará triste? Tenho tanta pena de que Ele esteja assim. Lhe ofereço quanto sacrifício eu puder." Na véspera de sua morte se confessou e comungou com os mais santos sentimentos. Depois de 5 meses de quase contínuo sofrimento, em 4 de Abril de 1919, primeira sexta-feira, às 10:00 a.m., morreu santamente o consolador de Jesus.

Beata Jacinta: (3-10-1910/ 2-20-1920)
Jacinta era de clara inteligência; ligeira e alegre. Sempre estava correndo, saltando ou bailando. Vivia apaixonada pelo ideal de converter pecadores, a fim de os arrebatar do suplicio do inferno, cuja pavorosa visão tanto a impressionou. Uma vez exclamou: ¡Que pena tenho dos pecadores! !Se eu pudesse mostrar-lhes o inferno! Morreu santamente em 20 de Fevereiro de 1920. Seu corpo repousa junto com o do Beato Francisco, no cruzeiro da Basílica, em Fátima. Jacinta e Francisco seguiram sua vida normal depois das aparições. Lúcia começou a ir à escola tal como a Virgem lhe havia pedido, e Jacinta e Francisco iam também para a acompanhar. Quando chegavam ao colégio, passavam primeiro pela Igreja para saudar ao Senhor. Mas quando era tempo de começar as aulas, Francisco, conhecendo que não haveria de viver muito na terra, dizia a Lúcia, "Vão vocês para o colégio, eu ficarei aqui com Jesus Escondido. ¿Que proveito me fará aprender a ler se em breve estarei no Céu?" Dito isto, Francisco se ia tão perto como era possível do Tabernáculo. Quando Lúcia e Jacinta regressavam pela tarde, encontravam a Francisco no mesmo lugar, em profunda oração e adoração. Das três crianças, Francisco era o contemplativo e foi talvez ele que mais se distinguiu em seu amor reparador a Jesús na Eucaristia. Depois da comunhão recebida de mãos do Anjo, dizia: "Eu sentia que Deus estava em mim mas não sabia como era." Em sua vida se ressalta a verdadeira e apropriada devoção católica aos anjos, aos santos e a Maria Santíssima. Ele ficou assombrado pela beleza e a bondade do anjo e da Mãe de Deus, mas ele não se ficou por aí. Isso l levou a encontrar-se com Jesus. Francisco queria antes de tudo consolar a Deus, tão ofendido pelos pecados da humanidade. Durante as aparições, era isto o que impressionou ao jovem. Mais que nada Francisco queria oferecer sua vida para aliviar o Senhor que ele havia visto tão triste, tão ofendido. Inclusive, suas ânsias de ir para o céu foram motivadas unicamente pelo desejo de poder melhor consolar a Deus. Com firme propósito de fazer aquilo que agradasse a Deus, evitava qualquer espécie de pecado e com sete anos de idade, começou a aproximar-se, frequentemente ao Sacramento da Penitência. Uma vez Lúcia lhe perguntou, "Francisco, ¿que preferes mais, consolar ao Senhor ou converter aos pecadores?" E ele respondeu: "Eu prefiro consolar ao Senhor. ¿Não viste que triste estava Nossa Senhora quando nos disse que os homens não devem ofender mais ao Senhor, que está já tão ofendido? A mim me gostaria consolar ao Senhor e depois, converter aos pecadores para que eles não ofendam mais ao Senhor." E seguiu, "Cedo estarei no céu. E quando chegue, vou a consolar muito a Nosso Senhor e a Nossa Senhora." Através da graça que havia recebido e com a ajuda da Virgem, Jacinta, tão fervorosa em seu amor a Deus e seu desejo das almas, foi consumida por uma sede insaciável de salvar as pobres almas em perigo do inferno. A glória de Deus, a salvação das almas, a importância do Papa e dos sacerdotes, a necessidade e o amor pelos sacramentos - tudo isto era de primeira ordem em sua vida. Ela viveu a mensagem de Fátima para a salvação das almas em redor do mundo, demonstrando um grande espírito missionário. Jacinta tinha uma devoção muito profunda que a levou a estar muito perto do Coração Imaculado de Maria. Este amor a dirigia sempre e de uma maneira profunda ao Sagrado Coração de Jesus. Jacinta assistia à Santa Missa diariamente e tinha um grande desejo de receber a Jesús na Santa Comunhão em reparação pelos pobres pecadores. Nada a atraía mis que o passar tempo na Presença Real de Jesús Eucarístico. Dizia com frequência, "Quanto amo ele estar aqui, é tanto o que tenho que dizer a Jesús." Com um zelo imenso, Jacinta se separava das coisas do mundo para dar toda sua atenção às coisas do céu. Buscava o silêncio e a solidão para se dar à contemplação. "Quanto amo a nosso Senhor," dizia Jacinta a Lúcia, "às vezes sinto que tenho fogo no coração mas que não me queima."Desde a primeira aparição, as crianças buscavam como multiplicar suas mortificações Não se cansavam de buscar novas maneiras de oferecer sacrifícios pelos pecadores. Um dia, pouco depois da quarta aparição, enquanto caminhavam, Jacinta encontrou uma corda e propôs-se cingir a corda à cintura como sacrifício. Estando de acordo, cortaram a corda em três pedaços e ataram-se à cintura sobre a carne. Lúcia conta depois que este foi um sacrifício que os fazia sofrer terrivelmente, tanto assim que Jacinta apenas podia conter as lágrimas. Mas se se lhe falava para atirar, respondia em seguida que de nenhuma maneira pois isto servia para a conversão de muitos pecadores. Ao principio levavam a corda de dia e de noite mas numa aparição, a Virgem lhes disse: "Nosso Senhor está muito contente de vossos sacrifícios mas não quer que durmais com a corda. Levai-a somente durante o dia." Eles obedeceram e com maior fervor perseveraram nesta dura penitência, pois sabiam que agradavam a Deus e à Virgem. Francisco e Jacinta levaram a corda até à última enfermidade, durante a qual aparecia manchada em sangue. Jacinta sentia além disso uma grande necessidade de oferecer sacrifícios pelo Santo Padre. A ela se lhe havia concedido o ver numa visão os sofrimentos tão duros do Sumo Pontífice. Ela conta: "Eu o vi numa casa muito grande, ajoelhado, com o rosto entre as mãos, e chorava. Lá fora havia muita gente; alguns atiravam pedras, outros diziam imprecações e palavrões." Noutra ocasião, enquanto que na cova do monte rezavam a oração do Anjo, Jacinta se levantou precipitadamente e chamou a sua prima: "¡Vê! ¿Não vês muitos caminhos, sendeiros e campos cheios de gente que chora de fome e não têm nada para comer... E ao Santo Padre, numa igreja ao lado do Coração de María, rezando?" Desde estes acontecimentos, as crianças levavam em seus corações ao Santo Padre, e rezavam constantemente por ele. Inclusive, tomaram o costume de oferecer três Ave Marias por ele depois de cada rosário que rezavam (o que ainda se mantém hoje em dia, em todo o lado).. A Virgem María não deixava de escutar as ferventes súplicas destas crianças, respondendo-lhes a miúdo de maneira visivelmente. Tanto Francisco como Jacinta foram testemunhas de factos extraordinários: Num povo vizinho, a uma família havia caído a desgraça da prisão de um filho por uma denúncia que o à cadeia se não demonstrasse sua inocência. Seus pais, aflitos, mandaram Teresa, a irmã mais velha de Lúcia, para que suplicar às crianças que lhes obtivessem da Virgem a libertariam de seu filho. Lucía, ao ir para a escola, contou a seus primos o sucedido. Disse Francisco, "Vós ides para a escola e eu ficarei aqui com Jesus para lhe pedir esta graça." Na tarde Francisco disse a Lúcia, "Podes dizer a Teresa que faça saber que dentro de poucos dias o rapaz estará em casa." Com efeito, em 13 do mês seguinte, o jovem se encontrava de novo em casa. Noutra ocasião, havia uma família cujo filho havia desaparecido como pródigo sem que ninguém tivesse noticia dele. Sua mãe rogou a Jacinta que o recomendasse à Virgem. Alguns dias depois, o jovem regressou a casa, pediu perdão a seus pais e lhes contou sua trágica aventura. Depois de haver gasto quanto havia roubado, havia sido preso e metido na cadeia. Conseguiu evadir-se e fugiu a uns bosques desconhecidos, e, pouco depois, se achou completamente perdido. Não sabendo a que ponto dirigir-se, chorando se ajoelhou e rezou. Viu então a Jacinta que lhe tomou pela mão e o conduziu até um caminho, onde o deixou, indicando-lhe que o seguisse. Desta forma, o jovem pôde chegar até sua casa. Quando depois interrogaram a Jacinta se realmente havia ido a encontrar-se com o jovem, respondeu que não mas que havia rogado muito à Virgem por ele. Certamente que os prodigiosos acontecimentos dos que estas crianças foram protagonistas fizeram que todo o mundo se voltasse para elas, mas eles se mantinham simples e humildes. Quanto mas buscados eram pela gente, tanto mais procuravam ocultar-se. Um dia que se dirigiam tranquilamente pela estrada, viram que parava um grande automóvel diante de eles com um grupo de senhoras e senhores, elegantemente vestidos. "Olha,vêm visitar-nos..." começou Francisco. "¿Vamos?" pergunta Jacinta. "Impossível sem que o notem," responde Lucía: "Sigamos andando e vereis como não nos conhecem." Mas os visitantes os param: "¿Sois de Aljustrel?" "Sim, senhores" responde Lúcia. "¿Conheceis aos três pastores aos quais lhes apareceu a Virgem?" "Sim conhecemos" "¿Saberias dizer-nos onde vivem?" "Tomem este caminho e ali abaixo virem para a esquerda" lhes respondeu Lucía, descrevendo-lhes suas casas. Os visitantes marcharam, dando-lhes as graças e eles contentes, correram a esconder-se. Certamente, Francisco e Jacinta foram muito dóceis aos preceitos do Senhor e a as palavras da Santíssima Virgem Maria. Progrediram constantemente no caminho da santidade e, em breve tempo, alcançaram uma grande e sólida perfeição cristã. Ao saber pela Virgem María que suas vidas iam a ser breves, passavam os dias em ardente expectativa de entrar no céu. E de facto, sua espera não se prolongou. Em 23 de Dezembro de 1918, Francisco e Jacinta caíram gravemente enfermos pela terrível epidemia de bronco-pneumonia. Mas apesar de se encontrarem enfermos, não diminuíram em nada o fervor em fazer sacrifícios. Até ao final de Fevereiro de 1919, Francisco piorou visivelmente e do leito em que se viu prostrado não voltou a levantar-se. Sofreu com íntima alegria sua enfermidade e suas grandíssimas dores, em sacrifício a Deus. Como Lucía lhe perguntava se sofria. Respondia: "Bastante, mas não me importa. Sofro para consolar a Nosso Senhor e em breve irei para o céu."No dia 2 de Abril, seu estado era tal que se acreditou conveniente chamar o pároco. Não havia feito todavia a Primeira Comunhão e temia não poder receber ao Senhor antes de morrer. Havendo-se confessado pela tarde, quis guardar jejum até receber a comunhão. No seguinte dia, recebeu a comunhão com grande lucidez de espírito e piedade, e apenas tinha saído o sacerdote quando perguntou a sua mãe se não podia receber ao Senhor novamente. Depois disto, pediu perdão a todos por qualquer desgosto que lhes houvesse ocasionado. A Lúcia e Jacinta lhes cresceu: "Eu me vou ao Paraíso; mas desde ali pedirei muito a Jesus e à Virgem para que os leve também rapidamente para lá acima." no dia seguinte, em 4 de Abril, com um sorriso angelical, sem agonia, sem um gemido, expirou docemente. Não tinha ainda onze anos. Jacinta sofreu muito pela morte de seu irmão. Pouco depois disto, como resultado da broncopneumonia, declarou-se-lhe uma pleurisia purulenta, acompanhada por outras complicações. Um dia declara a Lúcia: "A Virgem veio ver-me e me perguntou se queria seguir convertendo pecadores. Respondi que sim e Ela acrescentou que irei cedo para um hospital e que sofrerei muito, mas que o padecerei tudo pela conversão dos pecadores, em reparação das ofensas cometidas contra Seu Coração e por amor de Jesús. Disse que mamã me acompanhará, mas que logo ficarei sozinha." E assim foi. Por ordem do médico foi levada ao hospital de Vila Nova onde foi submetida a um tratamento por dois meses. Ao regressar a sua casa, voltou como havia partido mas com uma grande chaga no peito que necessitava ser medicada diariamente. Mas, por falta de higiene, lhe sobreveio na chaga uma infecção progressiva que resultou a Jacinta um tormento. Era um martírio contínuo, que sofria sempre sem se queixar. Intentava ocultar todos estes sofrimentos aos olhos de sua mãe para não fazê-la padecer mais. E ainda a consolava dizendo-lhe que estava muito bem. Durante sua enfermidade confiou a sua prima: "Sofro muito; mas ofereço tudo pela conversão dos pecadores e para desagravar ao Coração Imaculado de Maria" Em Janeiro de 1920, um doutor especialista insiste com a mãe de Jacinta para que a levassem ao Hospital de Lisboa, para a atender. Esta partida foi desesperante para Jacinta, sobretudo por ter que se separar de Lucía. Ao despedir-se de Lucía lhe faz estas recomendações: ´Já falta pouco para ir para o céu. Tu ficas aqui para dizer que Deus quer estabelecer no mundo a devoção ao Imaculado Coração de Maria. Quando fores dizê-lo, não te escondas. Diz a toda a gente que Deus nos concede as graças por meio do Imaculado Coração de Maria. Que as peçam a Ela, que o Coração de Jesús quer que a seu lado se venere o Imaculado Coração de Maria, que peçam a paz ao Imaculado Coração, que Deus confiou a Ela. Se eu pudesse meter no coração de toda a gente a luz que tenho aqui dentro no peito, que me está abraçando e me faz gostar tanto do Coração de Jesús e do Coração de María." Sua mamã pôde acompanhá-la ao hospital, mas depois de vários dias teve ela que regressar a casa e Jacinta ficou sozinha. Foi admitida no hospital e em 10 de Fevereiro teve lugar a operação. Lhe tiraram duas costelas do lado esquerdo, onde ficou uma chaga larga como uma mão. As dores eram espantosas, sobretudo no momento da cura. Mas a paciência de Jacinta foi a de um mártir. Suas únicas palavras eram para chamar a Virgem e para oferecer suas dores pela conversão dos pecadores. Três dias antes de morrer disse à enfermeira, "A Santíssima Virgem me apareceu assegurando-me que cedo virá a buscar-me, e desde aquele momento me tirou as dores”. Em 20 de fevereiro de 1920, pelas seis da tarde ela declarou que se encontrava mal e pediu os últimos Sacramentos. Essa noite fez sua última confissão e rogou que lhe levassem pronto o Viático porque morreria muito cedo. O sacerdote não viu a urgência e prometeu levá-la no dia seguinte. Mas pouco depois, morreu. Tinha dez anos. Tanto Jacinta como Francisco foram trasladados para o Santuário de Fátima. Os milagres que foram parte de suas vidas, também o foram de sua morte. Quando abriram o sepulcro de Francisco, encontraram que o rosário que lhe haviam colocado sobre seu peito, estava enredado entre os dedos de suas mãos. E a Jacinta, quando 15 anos depois de sua morte, a iam a trasladar para o Santuário, encontraram que seu corpo estava incorrupto. Em 18 de Abril de 1989, o Santo Padre, João Paulo II, declarou a Francisco e Jacinta Veneráveis.Em 13 de Maio de 2000, o Santo Padre João Paulo II os declarou beatos na sua visita a Fátima, sendo as primeiras crianças não mártires em ser beatificados. Para ver mais sobre Jacinta e Francisca visitar
Corazones.org. ¡Felicidades a quem leve este nome!

(*) Nota de António FonsecaEste foi um dos benefícios (!) da instauração da Repúblicaa perseguição religiosaque agora em que se passaram 100 anos tem vindo a ser tão glorificada e festejada por governantes e muitas entidades de nomeada neste triste Portugal – e que alguns parecem querer RESSUSCITAR, (Deus nos livre)…com a aprovação de leis iniquas (aborto, homossexualidade), ataques ao Santo Padre, - porque infelizmente existem “padres” pedófilos e “cristãos” homossexuais que reiteram o “direito de o serem” – direito dado por quem?… – vejam por favor as Epístolas de S. Paulo … “roubo descarado” dos benefícios às escolas fundadas pela Igreja, através das Misericórdias, e não só, que vêm sendo espoliadas dos proventos que lhes são devidos… etc., etc.. BREVEMENTE VOLTAREI A ESTE ASSUNTO. COLOCANDO OS DEVIDOS PONTOS NOS iiiSAntónio Fonseca

53070 > Beata Giacinta Marto Veggente di Fatima 20 febbraio MR

Júlia Rodzinska, Beata
Religiosa e Mártir,

Julia Rodzinska, Beata

Júlia Rodzinska, Beata

Martirológio Romano: Em Stutthof, perto de Gdynia (Danzig), na Polónia, beata Júlia Rodzinska, virgem da Congregação de Irmãs de Santo Domingo e mártir, que durante a ocupação militar de sua pátria em tempo de guerra foi confinada num campo de concentração, onde, depois de ter contraído uma grave doença passou à glória (1945). O Papa João Paulo II beatificou em 13 de junho de 1999 em Varsóvia, durante sua sétima viagem apostólica a Polónia, 108 mártires vítimas da perseguição contra a Igreja polaca durante a ocupação alemã nazi, de 1939 a 1945. O ódio racial forjado pelo nazismo, provocou mais de cinco milhões de vítimas entre a população civil polaca, muitos de eles eram religiosos, sacerdotes, bispos e laicos católicos comprometidos.Recolhendo informação e testemunhos se pôde abrir vários processos de beatificação, o primeiro foi aberto pelo bispo de Wloclawek, de onde um grande número de vítimas padeceu o martírio; a este processo confluíram logo outros e o número de Servos de Deus, que inicialmente era de 92 paulatinamente chegou a 108. De entre esses nomes destaca no dia de hoje o da religiosa professa dominicana Júlia Rodzinska, que nasceu em 16 de março de 1899 na Polónia e que na pia batismal recebeu o nome de Stanislava.Dela se sabe que ingressou na ordem dominicana no ano 1916 e realizou sua profissão solene em 5 de agosto de 1924. Como educadora foi conhecida como “mãe dos órfãos”, além disso era chamada “a apóstola do Rosário”.Foi presa em 12 de Julho de 1943, sofreu por dois anos no campo de concentração de Stutthof, onde morreu a 20 de fevereiro de 1945, depois de haver contraído o tifo, enfermidade que açoitava o campo de concentração já que carecia de elementares condições higiénicas. Contraiu a enfermidade enquanto consolava e apoiava as prisioneiras judias já contagiadas e isoladas.É a única religiosa dominicana incluída neste numeroso grupo de mártires. responsável da tradução para espanhol: Xavier Villalta

91512 > Beata Giulia Rodzinska Domenicana, martire 20 febbraio MR

• Leão de Catânia
Bispo,

León de Catania

León de Catânia

Martirológio Romano: Em Catânia, de Sicília, são Leão, bispo, que se ocupou sobretudo do cuidado dos pobres (c. 787). Santo Leão, bispo de Catânia, na Sicília, havia nascido em Rávena, na metade do século VIII. Foi chamado o Taumaturgo, pelos muitos milagres que fazia. Seus pais o educaram para as glórias humanas.Mas eram distintas as aspirações de Leão. Pôs-se sob a direção do bispo de Rávena, que vendo sua pureza de costumes e seu zelo apostólico, decidiu conferir-lhe a ordenação sacerdotal.Pôde disfrutar dele pouco tempo, pois tendo morrido Sabino, bispo de Catânia, se decidiram os eleitores por Leão, não sem antes ter pedido a Deus acerto na eleição. Leão se opunha, mas o obrigaram a aceitar.Depois de sua resistência, pôs todo seu empenho em cumprir sua missão apostólica. Se dedicou à reforma de costumes, à instrução religiosa de seus fieis, a defender a verdade ante os hereges, ao cuidado de todos.Vivia, como feitas para ele, as recomendações de São Pedro na sua primeira Carta: "Apascentai o rebanho de Deus que vos foi confiado, não por força mas com brandura, segundo Deus. Nem por sórdido lucro, mas com prontidão de ânimo. Não como dominadores sobre a herdade, mas servindo de exemplo ao rebanho. Assim recebereis a coroa imarcescível da glória".De todas as partes acudiam a vê-lo e ouvi-lo. Todos queriam tocar seu manto para ser curados. Os imperadores conseguiram que fosse a Constantinopla, para tê-lo perto, para escutar seus sábios conselhos e pedir-lhe orações ante Deus.Regeu a diocese como um verdadeiro sucessor dos apóstolos durante 16 anos e em fins do século VIII, cheio de merecimentos, adormeceu no Senhor. O povo chorou sua morte como a de um pai e zeloso pastor. Foi sepultado num mosteiro que ele mesmo havia feito construir fora das muralhas de Catânia. Seu sepulcro foi muito venerado, sobretudo antes que os árabes ocupassem a Sicília. A fama de suas virtudes e de seus muitos milagres o converteu no centro de muitas peregrinações.

92495 > San Leone di Catania Vescovo 20 febbraio MR

Ascolta da RadioVaticana:

 

• Mártires de Tiro, Beatos
Mártires

Mártires de Tiro, Beatos

Mártires de Tiro, Beatos

Martirológio Romano: Comemoração de cinco santos mártires que pereceram na cidade de Tiro, em tempo do imperador Diocleciano, os quais, açoitados primeiro e logo expostos desnudos às feras, mostraram sua firme e inamovível constância apesar de sua juventude. Um deles, de apenas vinte anos, orava com os braços estendidos em forma de cruz, e todos, finalmente, foram degolados (303). Eusébio que foi testemunha destes martírios, os narra nos seguintes termos: "Vários cristãos egípcios que se haviam estabelecido na Palestina e outros em Tiro, deram provas de sua paciência e de sua constância na fé. Depois de haver sido golpeados inumeráveis vezes, coisa que suportaram com grande paciência, foram atirados aos leopardos, ursos selvagens, javalis e touros. Eu estava presente quando essas bestas, sedentas de sangue humano, fizeram sua aparição na arena; mas, em vez de devorar ou destroçar os mártires, se mantiveram a distância deles, sem lhes tocar, e se voltaram em troca contra os domadores e quantos se achavam perto; só respeitaram aos soldados de Cristo, apesar de que estes obedecendo às ordens recebidas, agitavam os braços para provocar as feras. Algumas vezes, estas se lançaram sobre eles com sua habitual ferocidade, mas voltavam sempre atrás, como movidas por uma força sobrenatural. O facto se repetiu várias vezes, com grande admiração dos espectadores. Os verdugos substituíram duas vezes as feras, mas foi em vão. Os mártires permaneciam impassíveis. Entre eles se achava um jovem de menos de vinte anos, que não se movia de seu sitio e conservava uma serenidade absoluta; com os olhos elevados ao céu e os braços em cruz, enquanto que os ursos e os leopardos com as fauces abertas ameaçavam devorá-lo de um momento para o outro; só por um milagre de Deus se explica que não lhe tocassem. Outros mártires se achavam expostos aos ataques de um touro furioso, que já havia ferido e golpeado a vários domadores, e deixando-os meio mortos; mas o touro não atacou os mártires; ainda que parecesse que ia a lançar-se sobre eles: suas patas rasgavam furiosamente o solo e agitava a cornadura em todas direções, mas sem chegar a investir aos mártires, apesar dos verdugos o incitarem com capas vermelhas. Depois de várias tentativas inúteis com diferentes feras, os santos foram finalmente decapitados e seus corpos atirados ao mar. Outros que se negaram a oferecer sacrifícios aos deuses, morreram à paulada, queimados e também executados em distintas formas." Os factos sucederam no ano 303.

42070 > Beati Cinque martiri di Tiro 20 febbraio MR

Zenobio prete della Chiesa di Sidone, i vescovi e martiri Tirannione, Silvano, Peleo e Nilo

• Pedro de Treia, Beato
Presbítero Franciscano,

Pedro de Treia, Beato

Pedro de Treia, Beato

Data de beatificação: Culto aprovado em 11 de setembro de 1793 pelo Papa Pío VI Em Treia, antigo município romano, na Província de Macerata, em 1225, nasceu outro dos santos franciscanos que povoaram uma época os campos de Itália, sobretudo a região das Marcas. Ainda que as virtudes sejam sempre as mesmas, a personalidade destas personagens medievais franciscanas sempre é diversa e interessante, e constituem um vasto florilégio de tipos humanos e fisionomias espirituais. O beato Pedro de Treia representa o tipo de contemplativo, cuja maior glória está em suas conquistas ascéticas. Também foi religioso ativo, sobretudo no ministério da palavra, como pregador irresistível. As Florecillas (ou Florinhas) o qualificam como “estrela brilhante na província da Marca e homem celestial”. E o martirológio franciscano diz dele que foi “célebre por sua santidade e sua pregação, insigne por sua devoção e seus milagres”. Por algum tempo participou do movimento religioso da Congregação Celestina, mas não aderiu à corrente secessionista dos “hereges fratricelos”. Muito jovem entrou na Ordem, desejoso de imitar as virtudes de São Francisco, seguia suas pisadas inclusive materialmente, permanecendo por longo tempo no monte Alvernia, opção que apresentava um claro sinal, porquanto foi o Calvário místico de São Francisco, que ali havia recebido as Chagas, e sobre essas rochas se dedicou, mais que ao ensino e pregação, à meditação e à ascese, entre êxtases e visões.Pedro foi também apóstolo da pregação, percorreu a região das Marcas fascinando com sua sagrada eloquência as multidões. Teve o dom de comover os pecadores, que mediante uma boa confissão, arrependidos, eram por ele conduzidos a Deus.São famosos seus êxtases e visões. Em Ancona o superior do convento o encontrou na igreja em oração, elevado da terra. Mais tarde, no convento de Forano, foi Pedro quem observou uma cena admirável na qual a Santíssima Virgem colocava afectuosamente o Menino Jesús nas mãos do co-irmão Conrado de Ofida. Pedro de Treia e Conrado de Ofida, ambos das Marcas, ambos franciscanos, ambos honrados como beatos, não somente foram co-irmãos e companheiros de apostolado, mas também verdadeiros companheiros de alma, cuja santidade procedia por caminhos iguais, e se alentava mutuamente numa santa emulação. Viveu nos conventos de São Francisco de Ancona, em Forano e em Sirolo. Pedro morreu em 19 de fevereiro de 1304, no convento de Sirolo, aos 79 anos de idade. Seus restos repousam na igreja do Rosário de Sirolo (AN).

90710 > Beato Pietro da Treja 20 febbraio

 

São Serapião, monge mártir

Em Alexandria, no Egipto, comemoração de são Serapião, mártir, que, em tempo do imperador Décio, foi vítima de atrozes tormentos e, depois de desconjuntar-lhe todos os membros, foi precipitado desde o alto de sua própria casa (c. 248). ...[ler hagiografia]

42020 > San Serapione Martire 20 febbraio MR

Ascolta da RadioRai:

São Tiranião, bispo e mártir

Em Antioquia, na Síria, comemoração de são Tiranião, bispo de Tiro e mártir, que, educado na fé cristã desde sua mais tenra idade, alcançou a coroa da glória ao ser destroçado com garfos de ferro, junto com o presbítero Zenóbio (311).

42120 > San Tirannione Martire 20 febbraio MR



42050 > Sant' Eleuterio di Costantinopoli Martire 20 febbraio

Ascolta da RadioMaria:


42150 > Sant' Ulrico Eremita venerato ad Haselbury 20 febbraio


42250 > San Zenobio Sacerdote e martire 20 febbraio MR

 


0000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000

  • 00000000000000000000000000000000000000000000000000000000

  • Localização geográfica da sede deste Blogue, no Porto

  • Viso---mapa_thumb_thumb_thumb_thumb_[2]

  • http://confernciavicentinadesopaulo.blogspot.com

  • ===================================

  • 0000000000000000000000000000000000000000000000

  • $$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$SS

    «««««««««««««««««««««««««««««««««««««««««««««««««««««««»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»

  • 1 - A integração dos textos editados MMI IMP S.r.l./IMP BV – impressa na União Europeia (Ver blogue nº 1153 – 3/1/12) que se refiram a alguns dos Santos hoje incluídos, continuara a ser efetuada diariamente desde que eu possua as respectivas pagelas na Coleção de Histórias de Santos que nos inspiraram, intitulada “Pessoas Comuns – Vidas Extraordinárias pelo que peço as minhas desculpas. AF.Hoje POR EXEMPLO foi incluído como

  • Complemento na vida de

  • Euquério, SantoEstrela

  • 2 - Sites utilizados: Os textos completos são recolhidos através do livro SANTOS DE CADA DIA, de www.jesuitas.pt. em que também incluo imagens recolhidas através de http://es.catholic.net/santoral,; em seguida os textos deste mesmo site sem tradução e com imagens, e por último apenas os nomes e imagens de HTTP://santiebeati.it.

  • 3 - Como já devem ter reparado, de vez em quando, segundo a sua importância há uma exceção da 1ª biografia, (ou biografias do Livro Santos de Cada Dia – já traduzidas – por natureza) que mais sobressaem, – quando se trate de um dia especial, dedicado a Jesus Cristo, a Nossa Senhora, Anjos ou algum Santo, em particular – todos os restantes nomes surgem por Ordem alfabética, uma, duas ou três vezes, conforme figurem nos três sites indicados, que poderão ser consultados - se assim o desejarem – pelos meus eventuais leitores. LOGICAMENTE E POR ESSE FACTO, DIARIAMENTE, O ESPAÇO OCUPADO, NUNCA É IGUAL, ACONTECENDO POR VEZES QUE É DEMASIADO EXTENSO.

  • Peço-vos a melhor compreensão e as minhas maiores desculpas e obrigado.

  • Responsabilidade exclusiva de ANTÓNIO FONSECA

    email: aarfonseca0491@hotmail.com

    http://bibliaonline.com.br/acf; http://es.catholic.net; http://santiebeati.it; http://jesuitas.pt