OS MEUS DESEJOS PARA TODOS

RecadosOnline.com

sábado, 10 de março de 2012

O GAIATO - Jornal da “Obra da Rua” (5-3-1944 a 5-3-2012) - celebra o seu 68º aniversário.

 

FELIZ ANIVERSÁRIO

Estou neste momento, a ler o Jornal O GAIATO, jornal Quinzenário da Obra da Rua, “OBRA DE RAPAZES, PARA RAPAZES, PELOS RAPAZES” como a intitulou o seu fundador O Pai Américo, O Padre Américo (AMÉRICO MONTEIRO DE AGUIAR), nascido em Galegos - Penafiel em 23 de Outubro de 1887 e falecido em 16 de Julho de 1956 – “que curiosamente ou não” – tinha completado os mesmos 68 anos – apenas por uma diferença de pouco mais de 9 meses, por desígnio de Deus certamente.

A Obra da Rua que foi fundada mais ou menos, a partir de 1935 e só em  20 de Abril de 1943 abriu  a sua Casa-Mãe em Paço de Sousa (que aliás é verdadeiramente a segunda Casa do Gaiato) já que a primeira foi fundada em 7 de Janeiro de 1940 em Miranda do Corvo. Também em 1 de Janeiro de 1941 abriu o lar do Ex-Pupilo, das Tutorias e dos Reformatórios, em Coimbra que foi entregue aos Serviços Jurisdicionais de Menores em 1950. Só em 1942, o Padre Américo decidiu publicar a Obra da Rua e em 20 de Abril de 1943 tomou posse da antiga Casa Pia e da cerca do mosteiro beneditino de Paço de Sousa para aí estabelecer a segunda Casa do Gaiato, iniciando nesse mesmo mês a construção das primeiras casas que forma a Aldeia do Gaiato. Logo a seguir no semanário A Ordem sob o título “Casa do Gaiato do Porto” saem os seus primeiros escritos.

Finalmente em 5 de Março de 1944 aparece o primeiro número do Jornal O GAIATO, quinzenário da Obra da Rua, de que o Padre Américo é Fundador e Diretor.

Este jornal entrou em casa dos meus pais, logo no seu início, pouco depois de eu ter feito 4 anos de idade, e desde então nunca deixei de o receber e ler (quando fui para a escola primária (aos 6 anos), já soletrava o referido jornal, pelo que posso dizer com propriedade que foi nele que eu aprendi as primeiras letras). Encontrei muitas vezes, na minha infância e juventude, o Padre Américo, percorrendo as ruas do Porto, principalmente a área do Barredo que ele tanto amou, e fui a muitas das festas dos Gaiatos que se realizavam no Coliseu do Porto anualmente para angariação de donativos que permitiam a sobrevivência dos Rapazes. Mais tarde, quando casei, tornou-me assinante do jornal e assim permanecerei até à morte.

Infelizmente, e nos últimos anos, devido às voltas da vida, não tenho podido ir às festas do Gaiato, mas independentemente disso, não tenho deixado de colaborar sempre que me é possível, no envio de donativos eventuais anónimos – de pouca monta, pois não disponho de possibilidades para mais – e de contribuir também para a manutenção do jornal pagando anualmente a minha assinatura.

Pesa-me o facto de realmente não dispor de meios, porque desejaria imenso, fazer mais e se não fosse o facto de ter responsabilidades familiares, decerto o faria, como fez a viúva que deu tudo o que possuía, no Templo de Jerusalém, mas Deus levar-me-á isso em conta, tenho a certeza, tenho Fé de que tal suceda.

Para terminar, esta simples homenagem, transcrevo um Pensamento do Pai Américo, inserto  no Jornal aniversariante:

 

SENHOR DE INFINITA JUSTIÇA,

JUÍZ JUSTO DA MINHA HORA DERRADEIRA,

MISSIONÁRIO DO PAI ETERNO,

NINGUÉM JAMAIS DISSE AO MUNDO,

AO POVO QUE NELE VIVE,

ESTA VERDADE QUE A GUARDA DENTRO DE SI A SANÇÃO ETERNA DAS INJUSTIÇAS DO MUNDO.

EU ACREDITO NELA E NESSE ESPÍRITO A PREGO NO JORNAL MAIS TERRÍVEL QUE OS PORTUGUESES PODEM LER:

O GAIATO.

 

Post colocado em 10-3-2012  -  11,50 horas

António Fonseca

Nº 1220-4 - «REZAR NA QUARESMA» - 10 de Março de 2012–(Sábado)

2ª SEMANA DA QUARESMA

Sábado 

Lucas 15, 1-3.11-32

“Tínhamos de fazer uma festa e alegrar-nos, porque o teu irmão estava morto e voltou à vida...”

****************

Nesta parábola do filho pródigo,

na minha vida,

há cenas que se repetem.

Há um pai que (nos) ama incondicionalmente.

Que ama tanto que só pode respeitar a liberdade do filho que recusa o seu amor.

E há a (minha) liberdade mal usada.

Que traz miséria, degradação, desespero.

E há o abraço terno deste Pai que (me) traz de novo à vida.

Que devolve rumo,

dignidade e festa.

»»»»»»»»»»

Quando os amigos me abandonam,

quando os meus sonhos se tornam cinza,

quando os amores arrefecem…

Tu estás sempre à minha espera,

de braços abertos,

Com um sorriso que me devolve à vida.

 

edisal@edisal.salesianos.pt

http://www.edisal.salesianos.pt/

000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000

NOTA:

O livrinho “REZAR NA QUARESMA – Um Caminho de mudança” consta de leituras –

citação bíblica do Evangelho do dia;

uma frase bíblica em destaque;

uma imagem para ajudar a pensar;

uma meditação que faz a ponte entre o Evangelho e os dias de hoje;

uma proposta de oração.

Dai que, durante este período de Quaresma, tal como ocorreu nos 2 últimos anos (como acima refiro), diariamente será aqui transcrito o texto do respectivo dia, solicitando a devida vénia às Edições Salesianas.

António Fonseca

aarfonseca0491@hotmail.com

http://bibliaonline.com.br/acf

Nº 1220-3ª Página - Recordando o Padre Salgueirinho – Vitral - 10 de Março de 2012

(Pde Mário Salgueirinho Barbosa)

Padre-Salgueirinho_thumb_thumb_thumb

18-Junho-1927 a 29-10-2011

 

 

O prometido é devido

Como devem ter reparado, ultimamente (talvez por falta de espaço ou tempo, ou outro motivo preponderante a Voz Portucalense não tem podido dar seguimento à publicação de Vitrais). Recorri já por várias vezes ao blogue que, ele escreveu, e que graças a Deus, vai permanecendo na Internet, e novamente segui o mesmo critério, e resolvi recolher os textos que foram ali publicados no mês de Março de 2009, em 15, e 31 do referido mês, e que focam diversos assuntos tais como; O primeiro é o sobre o Dia do Pai (que se celebrará, como é habitual, no próximo dia 19 (dia de S. José) e o segundo sobre um dos pecados capitais (Inveja)

Tuesday, March 31, 2009

A Inveja

Escreveu Corneille que “o invejoso não perdoa o mérito”.
O invejoso vê alguém na sua frente, no seu caminho, no seu campo de trabalho, no campo das letras ou das artes, em qualquer posição social e, perante o valor da pessoa, perante o mérito real de alguém, nunca perdoa: não reconhece, não aceita, não avalia. Apenas nega, destrói, minimiza, tenta aniquilar.
É significativa esta fábula simples do pirilampo e da cobra.
Uma cobra começou a perseguir um pirilampo inofensivo para matá-lo. O pirilampo fugiu durante um dia mas ela não desapareceu. Fugiu dois dias e ela não desistiu.
Então disse à cobra: - Posso fazer-lhe três perguntas?
 Podes, respondeu.
 Pertenço à tua cadeia alimentar?
 Não.
 Eu te fiz algum mal?
 Não.
 Então por que pensas acabar comigo?
 Por que não posso ver-te brilhar.
O motivo da perseguição da cobra era o brilho do pirilampo.
O que faz que a inveja persiga outros é o brilho luminoso da competência, da perfeição, do valor deles.
“Não há amizades, nem parentesco, nem qualidades, nem grandezas que possam enfrentar o rigor da inveja” - escreveu Cervantes.

posted by Maia @ 5:36 PM 0 comments

Sunday, March 15, 2009

Dia do Pai


Os tempos que correm são duros e frios, de ingratidão e de indiferença generalizada para com os pais, sobretudo para com o progenitor.
Do mesmo modo que se dedicam um dia às mães, também a dinâmica comercial criou o “dia do pai.”
Pelo que tenho observado nestes últimos anos, o dia do pai está moribundo pelo desinteresse a que está votado pela maior parte dos filhos.
Há pais e pais. Há aqueles que amam, e se entregam desveladamente aos filhos, até ao sacrifício, para fazê-los felizes. São aqueles que veem nos filhos uma bênção de Deus, que os perpetuam em ramificações de alegria, de honestidade e de expressões de amor.
Vivem vigilantes sobre a trajetória dos filhos, ajudando-os a vencer tentações e perigos no caminho de Deus.
Outros não têm consciência do valor do seu contributo para a sociedade, especialmente para o seu país. São pais por acaso, sem amor, sem interesse pela educação física e moral de seus filhos.
Perante a ingratidão cruel, a violência horrorosa e o desinteresse de alguns filhos para com seus pais, muitos casais têm medo de gerar filhos. Algumas vezes tenho ouvido este comentário: Pelo que se vê, qual a felicidade em ter filhos?
O “dia do pai” é uma pedra no charco, apelando aos filhos a manifestar carinho e gratidão para com seu pai, reconhecendo o sacrifício por ele assumido e correspondendo com um comportamento digno e reconfortante.
Se há pais desleixados, desinteressados pelos filhos, há tantos heróis que se privam de muita coisa para que o pão e a educação não faltem aos seus.
A todos lembro esta palavra de Alphonse Daudet: ”Se soubésseis, quando deixamos de ter os nossos pais, até que ponto lamentamos não lhes havermos dado mais do nosso tempo.”
E do nosso amor…

posted by Maia @ 5:28 PM 0 comments

Como já salientei anteriormente esclareço que a publicação não foi alteradaa não ser na grafia que está atualizada – mas a sua disposição é mantida “aliás como sempre faço” e as datas estão em sentido descendente.

Os meus cumprimentos. António Fonseca

Post para publicação em 10-3-2012  -  10,20 horas.

Nº 1220 - 2ª Página - EVANGELHO, SEGUNDO S. LUCAS - ANO B – 10 DE MARÇO DE 2012

 
(9)
 
 
Nº 1220-2ª Página

EVANGELHO DE S. JOÃO
 
 
V – FESTA DOS TABERNÁCULOS
 
9 – CURA DUM CEGO DE NASCENÇA …Passando Jesus, viu um cego de nascença. E os Seus discípulos perguntaram-Lhe: «Rabbi, quem pecou, este ou os seus pais, para que nascesse cego?» Jesus respondeu: «Nem ele pecou nem seus pais; mas foi assim, para se manifestarem nele as obras de Deus. Convém que Eu faça as obras d’Aquele que Me enviou, enquanto é dia; a noite vem, na qual ninguém pode trabalhar. Enquanto estou no mundo, sou a Luz do mundo». Tendo dito isto, cuspiu na terra, fez lodo com a saliva e untou com ele os olhos do cego; e disse-lhe: «Vai lavar-te na piscina de Siloé (que significa o Enviado)». Foi, pois, lavou-se e voltou vendo. Então os vizinhos e aqueles que tinham visto que era cego diziam: «Não é este aquele que estava sentado a mendigar?» Uns diziam: «É este». E outros: «Parece-se com ele». Ele dizia: «Sou eu». Diziam-lhe então: «Como é que os teus olhos se abriram?» Ele respondeu: «O homem, chamado Jesus, fez lodo, untou-me os olhos e disse-me: Vai à piscina de Siloé, e lava-te. Então fui, lavei-me e vi». Disseram-lhe pois: «Onde está Ele?» Respondeu: «o sei». Levaram os fariseus o que dantes era cego. E era um sábado, quando Jesus fez o lodo e lhe abriu os olhos. Tornaram então os fariseus a perguntar-lhe como vira, e ele disse-lhes: «Pôs-me lodo sobre os olhos, lavei-me e vejo». Então, alguns dos fariseus diziam: «Este homem não é de Deus, pois não guarda o sábado». Diziam outros: «Como pode um pecador fazer tais prodígios?» E havia desacordo entre eles. Tornaram, pois, a dizer ao cego: «Tu que dizes d’Aquele que te abriu os olhos?» E ele respondeu: «Que é profeta». Os judeus, porém, não creram que ele tivesse sido cego e que agora visse enquanto não chamaram os pais dele. Perguntaram-lhes: «É este o vosso filho que dizeis ter nascido cego? Como é que vê agora?» Os pais responderam-lhes: «Sabemos que este é o nosso filho e que nasceu cego; mas como agora vê, não sabemos, nem quem lhe tenha aberto os olhos; tem idade, perguntai-lho e ele falará por si mesmo». Seus pais disseram isto porque temiam os judeus. porquanto os judeus já tinham resolvido que, se alguém confessasse ser Ele o Cristo, fosse expulso da sinagoga. por isso é que os seus pais disseram: «Tem idade, perguntai-lho a ele mesmo». Chamaram pois, pela segunda vez, o homem que tinha sido cego, e disseram-lhe: «Dá glória a Deus! Nós sabemos que esse homem é pecador». Ele respondeu: «Se é pecador, não sei; uma coisa sei, é que, havendo sido cego, agora vejo». E tornaram a dizer-lhe: «Que te fez  Ele? Como te abriu os olhos?» Respondeu-lhes: «Já vo-lo disse, e não ouvistes; para que quereis tornar a ouvir? Quereis vós, porventura, fazer-vos também Seus discípulos?» Então injuriaram-no e disseram-lhe: «Discípulo d’Ele sejas tu; nós somos discípulos de Moisés. sabemos bem que Deus falou a Moisés, mas Este não sabemos de onde é». O homem  respondeu: «Nisto está a maravilha, que vós não saibais de onde Ele é e me abrisse os olhos; ora nós sabemos que Deus não ouve os pecadores; mas se alguém é temente a Deus e faz a Sua vontade, a esse ouve. Desde o principio do mundo nunca se ouviu dizer que alguém abrisse os olhos a um cego de nascença. Se Ele não fosse de Deus nada poderia fazer». Responderam-lhe eles: «Tu nasceste inteiramente em pecado, e ensina-nos a nós?» E expulsaram-no. Jesus ouviu dizer que o tinham expulsado e, encontrando-o, disse-lhe: «Tu crês no Filho do Homem?» Ele respondeu: «Quem é Ele, Senhor, para que n’Ele creiaJesus disse-lhe: «Tu já o viste: é Ele que fala contigo». respondeu-lhe ele: «Creio Senhor» E prostrou-se diante d’Ele. Jesus disse-lhe: «Eu vim a este mundo para juízo, a fim de que os que não veem vejam, e os que veem sejam cegos». Alguns fariseus que estavam com Ele, ouvindo isto, disseram-Lhe: «Também nós somos cegos?» Respondeu-lhes Jesus: «Se fôsseis cegos, não teríeis pecado. mas como agora dizeis: Vemos! por isso, o vosso pecado permanece
 
 (10)
 
 
10 – O BOM PASTOR – … «Em verdade, em verdade vos digo que aquele que não entra pela porta, no curral das ovelhas, mas sobe por outra parte, é ladrão e salteador. Aquele que entra pela porta, é o pastor das ovelhas. A este o porteiro abre e as ovelhas ouvem a sua voz; e chama pelo nome as suas ovelhas, e leva-as para fora. E depois de fazer sair todas as ovelhas, vai adiante delas e as ovelhas seguem-no, porque conhecem a sua voz. Mas não seguirão um estranho, antes fugirão dele, porque não conhecem a voz dos estranhos». Jesus disse-lhes esta parábola, mas eles não entenderam o que lhes dizia. Tornou, pois, Jesus a dizer-lhes: «Em verdade, em verdade vos digo que Eu sou a porta das ovelhas. Todos quantos vieram antes de Mim são ladrões e salteadores; mas as ovelhas não os ouviram. Eu sou a porta; Se alguém entrar por Mim, salvar-se-á; entrará e sairá e achará pastagens. O ladrão não vem senão roubar, matar e destruir. Eu vim para que tenham vida, e a tenham, em abundância». «Eu Sou o Bom Pastor: O bom pastor dá a vida pelas suas ovelhas. Mas o mercenário, que não é pastor, de quem não são as ovelhas, vê vir o lobo, deixa as ovelhas e foge, enquanto o lobo as arrebata e dispersa, porque é mercenário e não se importa das ovelhas. Eu Sou o Bom  Pastor: conheço as Minhas ovelhas e as Minhas ovelhas conhecem-Me. Assim como o Pai Me conhece, também Eu conheço o Pai e dou a Minha vida pelas minhas ovelhas. Ainda tenho outras ovelhas que não são deste aprisco e também tenho de as conduzir; ouvirão a Minha voz e haverá um só rebanho e um só Pastor». «Por isto, o Pai ama-Me, porque dou a Minha vida, para tornar a tomá-la. Ninguém ma tira; sou Eu que a dou por Mim mesmo. tenho poder para a dar e para tornar a tomá-la; este mandamento recebi de Meu Pai». Tornou pois, a haver divisão, entre os judeus por causa dessas palavras. E muitos deles diziam: «Tem demónio e está fora de Si; porque O ouvis?» Diziam outros: «Estas palavras não são de um endemoninhado: pode porventura um demónio abrir os olhos aos cegos?».
 
 
Amanhã, dia 11/3/12, segue-se o Capítulo seguinte do Evangelho de SÃO JOÃO.

António Fonseca

aarfonseca0491@hotmail.com

Nº 1220 – 1ª Página – (70/2012) - SANTOS DE CADA DIA (2ª Semana da Quaresma) – 10 de Março de 2012 - 4º ano

Ver Notas no final
Nº 1220 – 1ª Página – 2012
Tero_thumb_thumb_thumb_thumb_thumb_t[1]God-Remained-Posters_thumb_thumb_thu[2]
#####################################
Quaresma
##################################### #####################################
João Ogilvie, Santo
Mártir escocês

Juan Ogilvie, Santo

Juan Ogilvie, Santo

O padre Juan Ogilvie procedia de uma família nobre. Nasceu em Drum-na-Kelth (Escócia), no ano 1579 e foi educado no calvinismo. Aos treze anos seu pai o enviou a França, Itália e Alemanha para lhe dar uma educação mais completa. Ali teve os primeiros contactos com o catolicismo dado que as controvérsias religiosas eram muito populares nesses lugares. Se converteu ao catolicismo e foi recebido na igreja do colégio escocês de Lovaina em 1596, aos dezassete anos. Abraçar a fé católica significava para Juan a ruptura com a família e a perda de apoio que dela recebia, a renúncia a uma carreira brilhante e a perseguição reservada aos traidores. Em 15 de Novembro de 1599 ingressou no noviciado dos jesuítas em Brno, estudou filosofia em Gratz, foi professor do colégio dos jesuítas em Viena e finalmente estudou a teologia em Olmutz, sendo ordenado sacerdote em París o ano 1610. Depois de três anos de vida pastoral na cidade de Ruão conseguiu permissão para ir a Inglaterra. Chegou a Escócia, sob a guia de um ex-oficial, dedicado ao comércio de cavalos, com o pseudónimo de Juan Watson e fingindo-se tratador de cavalos, pois as leis contra os sacerdotes que ingressavam na Grã Bretanha eram muito severas. Desembarcou em Novembro de 1613 no porto de Leith. Concentrou sua atividade em Renfrewshire, Edimburgo e Glasgow, enfrentando mil perigos. A comunidade católica do padre Ogilvie começou a crescer na clandestinidade e se fez famoso pela insistência com que pregava o fervor na vida católica; com grandes perigos, visitava aos católicos: sir James MacDonald recordava com satisfação as visitas na prisão do padre Ogilvie, que foi atraiçoado e preso em Glasgow em 14 de Outubro de 1614.

Juan Ogilvie, Santo

Juan Ogilvie, Santo

Foi submetido a torturas e interrogatórios prolongados para que denunciasse aos católicos, chegando a ser privado do sono por oito dias consecutivos. Sendo interrogado sobre se a jurisdição do Papa se estendia à autoridade do rei em matéria espiritual, o afirmou constantemente declarando que estava disposto a morrer para o defender. Em todos os julgamentos que se prolongaram durante meses, já em Glasgow, já em Edimburgo, o padre não retrocedeu porque não podia, nem queria atraiçoar a Deus. A noticia de seu heroísmo correu por toda Escócia, de tal maneira que os perseguidores e especialmente o arcebispo anglicano teriam dado qualquer coisa para que renegasse de sua fé e aceitasse a supremacia do rei. Ainda que os guardas começassem a tratá-lo com maior rigor, o padre Ogilvie pôde escrever em latim um relato sobre sua prisão; quando o terminou, conseguiu fazê-lo deslizar por debaixo da porta a alguns católicos que haviam entrado na cadeia. No fim declarou: Salvarei minha vida somente se posso salvá-la sem ser forçado a perder Deus. Não podendo conservar ambas as coisas, perco voluntariamente o bem menor, para conservar o maior. Foi sentenciado a morrer como traidor. Os verdugos ofereceram-lhe a liberdade se renegasse da fé. Morreu enforcado em 10 de março de 1615, em Glasgow. Foi beatificado em 1929 pelo papa Pío XI e canonizado em 1976 pelo papa Paulo VI.

44375 > San Giovanni Ogilvie Martire MR

Ascolta da RadioVaticana:

COMPLEMENTO
 
Quando João Ogilvie nasceu, em 1580, o Catolicismo era muito atacado no seu país. Filho de um nobre, foi criado como presbiteriano. Em 1592 a família mandou-o estudar para o estrangeiro, onde se começou a interessar pelo Catolicismo. Converteu-se quando estava de visita à Bélgica e, em 1599, ingressou na Companhia de Jesus. O jovem jesuíta passou a maior parte da década seguinte na Áustria e foi ordenado sacerdote em 1610. Entretanto, na Escócia, o Rei Jaime VI abolira a prática do Catolicismo e forçou os dois últimos jesuítas escoceses a abandonarem o país, em 1611. Após a sua ordenação, João pediu para regressar a casa para celebrar a missa e procurar os católicos ainda existentes. Em 1613, recebeu autorização para levar a cabo a perigosa missão.
Espalhando a Palavra – Para evitar ser capturado, João escondeu a sua identidade enquanto percorria a Escócia rezando missa em segredo. Mas em Outubro de 1614 foi traído e preso em Glasgow. No primeiro julgamento, João foi acusado de traição porque não reconhecia a autoridade do Rei como líder espiritual da Escócia. Quando lhe perguntaram se assinaria uma declaração afirmando a autoridade papal, replicou: “Sim e com o meu sangue se for preciso”. No segundo julgamento, tentaram obrigar João a trair outros católicos, mas recusou-se veementemente. Durante a dura provação, suportou torturas quase constantes, mas apesar do terrível sofrimento a nunca vacilou. O seu sentido de humor era notável, respondendo de forma humorística às autoridades e àqueles que o provocavam. João acabou por ser considerado culpado de traição e foi executado mo dia 10 de Março de 1615. Ao longo dos séculos, o seu martírio tem sido uma fonte de inspiração para os católicos escoceses.
 
No seu rasto
 
Durante o tempo que passou na prisão, João mostrou aos seus captores o poder do seu humor. Não temia a morte, por isso podia encontrar humor na pior das crises. Com humor, João conseguiu melhorar a sua disposição e conquistar o apoio do público.
Recentemente, os médicos têm vindo a estudar a forma como o humor ajuda os pacientes. Uma das primeiras pessoas  a popularizar esse conceito foi o jornalista americano Norman Cousins, após contrair uma doença dos tecidos, rara e dolorosa, em 1964. Quando a medicina tradicional não conseguiu aliviar a dor, descobriu que rir o ajudava a sentir-se melhor e começou a ver filmes dos Irmãos Marx como remédio, Cousins registou as suas experiências e os médicos iniciaram uma investigação sobre os efeitos físicos positivos do riso, incluindo um aumento seguido de abrandamento do ritmo cardíaco e da circulação sanguínea, que produz relaxamento e estímulo do sistema imunológico. A Bíblia diz “Um coração alegre é a saúde do corpo” (Prov. 17:22) e o povo afirma que “rir é o melhor remédio”.
 
Oração
 
Senhor misericordioso, infundiste em João o Espírito Santo, dando-Lhe a coragem de Te servir a todo o custo. Através do Seu exemplo e orações, concede-me a força para fazer a Tua vontade todos os dias da minha vida, e abençoa-me com o sentido de humor e a constância que João mostrou mesmo nas horas mais negras. Possa eu encontrar esta força interior através do amor de Nosso Senhor Jesus Cristo.. Ámen.
(Oração contemporânea)
 
No período da vida de São João Ogilvie (1580-1615) ocorreram diversos acontecimentos dos quais se destacam: John Wintrop funda Boston (1630); Isaac Newton descobre a lei da gravidade (1665); ÉR executada em Inglaterra Maria Stuart, rainha da Escócia (1587); Colonos holandeses instalam-se em New Amsterdam, mais tarde Nova Iorque (1624).
 
Ludovico Jacob, Santo
Monge carmelita

COMPLEMENTO
 
Nascido em 1608, filho de Jean Jacob e Claudine Mareschal, Ludovico Carolo é hoje mais conhecido como Ludovico Jacob. O jovem que se viria a tornar um dos mais importantes homens de letras do seu tempo, entrou na Ordem dos Carmelitas da Antiga Observância aos 18 anos. Só aos 31 anos, quando estava em Roma, descobriu o seu verdadeiro chamamento. Há muito intrigado com  as antigas inscrições, entretinha-se a catalogar as escritas dos primeiros cristãos nas paredes das catacumbas. Também, completou o grande catálogo da Biblioteca do Vaticano, Bibliotheca Pontifica, que fora iniciado pelo bibliotecário do cardeal Mazarino. Este trabalho cimentou a sua reputação como arquivista e quando regressou a França foi nomeado  bibliotecário o cardeal de Retz.
Reputação duradoura – A sua posição junto do cardeal de Retz fez com que, mais tarde, tivesse a honra de ser nomeado conselheiro real e esmoler do Rei menino Luís XIV. Anos depois, tornou-se bibliotecário de Achille de Harley, primeiro presidente do parlamento francês. Ludovico era mais do que um bibliotecário, apesar de ter gerido algumas das mais importantes bibliotecas da Europa. Foi autor de cerca de 87 livros e manuscritos, incluindo relatos de acontecimentos importantes no seio da Igreja e catálogos de autores seus contemporâneos e de livros publicados, preciosos para os historiadores dos nossos dias. Também escreveu uma importante biografia de Jeanne de Cambry, uma irmã agostinha. Quando faleceu, foram encontradas as suas notas sobre a história da Ordem Carmelita, mais tarde usada por outros escritores.
 
No seu rasto
 
Ludovico Jacob passou a maior parte da sua vida tentando fazer com que todos os interessados tivessem acesso ao mundo do conhecimento.
Hoje, a Biblioteca do Vaticano segue esse mesmo principio. Houve um tempo em que era necessário viajar até Roma e provar ser um erudito credenciado para poder usar a biblioteca. Atualmente, as pessoas que trabalham na Biblioteca estão empenhadas em permitir a consulta, através da Internet, de parte das suas vastas coleções, de formas a partilhar o conhecimento por todo o mundo. Para tal:
 
* Desenvolveram um sistema de servidores múltiplos para poderem chegar aos estudiosos independentemente da localização geográfica.
* Digitalizaram imagens de livros raros e de obras de arte em reproduções fiéis,  a cores.
* Desenvolveram programas de uso fácil para simplificar a investigação.
* Criaram meios para que os especialistas possam examinar imagens de manuscritos.
 
Oração
 
Meu Deus, que pelo Espírito Santo concedeis a alguns a palavra da sabedoria, a outros a palavra do conhecimento e a outros a palavra da Fé; Louvamos o Vosso Nome pelos dons da graça manifestados no Vosso servo Ludovico, e oramos para que a Vossa Igreja nunca seja destituída desses dons, por Jesus Cristo Nosso Senhor, que convosco vive e reina na Unidade do Espírito Santo, pelos séculos dos séculos. Ámen.
(Oração contemporânea)
 
No período da vida de São Ludovico Jacob (1608-1670) ocorreram diversos acontecimentos dos quais se destacam: Populariza-se na China a porcelana Ming (1640); Vida de Vivaldi, violinista e compositor italiano (1678-1741); É construído o Taj Mahal em Agra, Índia (1630-1652); Isaac Newton descobre a lei da gravidade (1665).

Macário de Jerusalém, Santo

Bispo (335)

Macario de Jerusalén, Santo

Macário de Jerusalém, Santo

Bispo de Jerusalém (312-34).

Macário, embora pertencente a uma família judaica, foi educado nos sãos princípios da religião de Jesus Cristo. E subiu ao sacerdócio logo que atingiu a idade necessária. Dois anos depois, tendo vagado a Sé de Jerusalém, foi unanimemente aclamado e consagrado bispo e patriarca; isto no ano de 313. Deu exuberantes exemplos de virtude e ciência. Em 321 escreveu uma célebre carta a santo Alexandre, felicitando-o por ter segunda vez condenado a heresia ariana. Concorreu em 325 ao famoso concílio 1º de Niceia, no qual se distinguiu pela sabedoria profunda. Constantino e sua mãe Santa Helena veneraram este santo, que no ano de 329 descobriu, com outros, os sagrados instrumentos da Paixão do nosso Salvador. Os Lugares Santos foram sumptuosamente aformoseados por Constantino, a instâncias do santo bispo Macário. Faleceu no ano de 334. Do livro SANTOS DE CADA DIA, de www.jesuitas.pt. Ver também www.es.catholic e www.santiebeati.it

44300 > San Macario di Gerusalemme Vescovo MR

Ascolta da RadioRai:

 
Maria Eugénia Milleret, Beata
 
Fundadora (1817-1898)

María Eugenia de Jesús Milleret Brou, Santa

María Eugenia de Jesús Milleret Brou, Santa

Martirológio Romano: Em Paris, em França, beata María Eugenia Milleret de Brou, virgem, fundadora da Congregação de Irmãs da Assunção, para a educação cristã de meninas. Etimologia: Eugénia = aquela que é bem nascida, é de origem grego Nascida numa família burguesa, em 1817 em Metz (França), após a derrota definitiva de Napoleão e a Restauração da Monarquia, Ana-Eugenia Milleret não parecia estar destinada a traçar um caminho espiritual na Igreja de França. Seu pai, liberal e seguidor das ideias de Voltaire, desenvolve sua atividade como banqueiro e na vida política. Ana-Eugenia, dotada de uma grande sensibilidade, recebe de sua mãe uma educação que lhe dá um carácter forte e o sentido do dever. A vida familiar desenvolve nela uma curiosidade intelectual e o espírito romântico, um interesse pelas questões sociais e um amplo olhar. PARA SABER MAIS SOBRE SANTA MARIA EUGÉNIA DE JESUS MILLERET BROU, ver sites HTTP://ES.CATHOLIC.NET/SANTORAL, e www.jesuitas.pt - www.santiebeati.it

44400 > Santa Maria Eugenia di Gesù (Anna Milleret de Brou) Fondatrice MR


Los 40 mártires de Sebaste

Os 40 mártires de Sebaste

Os 40 Mártires de Sebaste, na Arménia, dão-nos importantíssima lição: a importância sem par da perseverança final. Não basta lutar; é preciso chegar até ao fim, pois não será coroado senão quem termine como bom soldado de Cristo. Eram 40 soldados; todos tinham confessado várias vezes a fé; todos tinham, sido presos; todos tinham sofrido vários tormentos; todos, segundo parecia, estavam a tocar com a mão na palma da vitória. Mas, quando faltavam poucos minutos – talvez segundos – para chegar à meta, um fraquejou e perdeu a coroa gloriosa do martírio. “Quem, depois de deitar a mão ao arado, olha para trás, não é apto para o reino de Deus” (Lc 9, 62) Estamos no ano de 320, em Sebaste, durante a perseguição de Licínio, que tinha ficado com a parte oriental do Império Romano. Unido a Constantino, tinha promulgado, em 313, o édito de Milão, que dava liberdade à Igreja. Mas Licínio continuava na alma a ser pagão, e não se passou muito tempo sem que revelasse por fora o que era interiormente; inimigo acérrimo dos cristãos. Começou proibindo-lhes as reuniões nas Igrejas e aos bispos que saíssem dos seus territórios para evangelizar ou celebrar concílios. Confiscou os bens às comunidades cristãs e até aos particulares, e expulsou da corte e do exército todos os que se recusassem a sacrificar aos ídolos. Enchiam-se as cadeias de confessores decididos da fé, as montanhas e solidões de fugitivos; aos mais insólitos e refinados suplícios foram sujeitos eclesiásticos, simples cidadãos e militares. Em Sebaste, expulsaram do exército e prenderam 40, entre oficiais e soldados, cujas glórias nos contaram excelsos oradores, como S. Basílio e S. Gregório Nisseno. E os próprios militares escreveram da cadeia uma carta coletiva, que se conserva e foi assinada em nome de todos por Melécio. Com fé viva e serena, falam-nos do desprezo a que votam o mundo e a existência cá na terra, da ressurreição e da vida eterna, considerando-as como facto tangível e quase já conseguido. Como agora sofrem e morrem juntos, escrevem eles, desejam e pedem aos “santos bispos, sacerdotes, diáconos, confessores e a todos os cristãos” que os seus corpos descansem também juntos. Exortam à paz e à união fraterna; despedem-se dos pais, esposas, dos filhos, das noivas e de todos e de cada um dos irmãos das Igrejas a que pertencem. Tinham, recebido a sagrada comunhão na cadeia e sentiam-se bem preparados para lo último combate, que devia ser terrível, duma crueldade refinada. Antes de serem lançados às chamas, tiveram de passar a noite, imóveis e nus, num tanque gelado, conforme diz Santo Efrém. Soprava um vento frio de Norte, o gelo pegava-se à carne tiritante; a pele enroxava e gretava, com horrendo espanto. Os calafrios marcavam a passagem da vida, que se ia, para a entrada lenta na morte. Naquela angústia e agonia suprema, um infeliz desfaleceu. Correu para as pias de água temperada, que estavam perto, talvez nas termas do ginásio, para reavivarem, os que à última hora, saindo do tanque gelado, corressem para elas manifestando apostatar e renunciar à fé em Cristo. Mas o traidor chegou tarde; não conseguiu reagir com a água quente e morreu com perda da vida terrena e, sabe Deus, talvez da salvação eterna. O guarda do palácio, nessa altura, conversava com o piquete da guarda. De repente levantou os olhos e viu descer do alto uma fila de anjos com coroas nas mãos, os quais paravam acima dos mártires cristãos. As coroas eram somente 39. Porquê? Pensou então no desertor e, querendo substitui-lo, tirou o vestuário e foi-se lançar no tanque gelado, entre os heróis, exclamando: “Sou cristão, também eu sou cristão!” O sol do novo dia encontrou-os todos mortos, excepto um que mais resistira e respirava ainda um pouco.Em cima de carros, foram levados a queimar perto do rio, onde ardia fogueira imensa. A água arrastar-lhes-ia depois os restos e as cinzas. Iam os carros devagar, transportando 39 cadáveres. O soldado que não morrera ficou abandonado, havendo ainda a esperança de que viesse a renegar. mas estava presente a mãe, muito pobre, diz Santo Efrém. Ao ver que o filho abandonado ia faltar o triunfo definitivo da morte por Cristo, cheia de santo entusiasmo, esquecendo-se da sua fraqueza tornou-se forte, abraçou e levantou o filho, e, ajudada por outra mulher, pegou nele às costas e correu atrás dos carros, até o colocar já morto no meio dos companheiros. Não há nada mais invejável: expirar conduzido pela própria mãe, santa e heroica, e voar ao céu com a palma do martírio. Chamavam-se os mártires: VIVIANO, MILITÃO, CÂNDIDO, LEÔNCIO, CLÁUDIO, NICOLAU, LISINÍACO, TEÓFILO, QUIRÃO, DÓNULO, DOMINICANO, EUNOICO, SISÍNIO, HERÁCLIO, ALEXANDRE, JOÃO, ATANÁSIO, VALENTE, HELIANO, ECDÍCIO, ACÁCIO, HÉLIO, TEÓDULO, CIRILO, FLÁVIO, SEVERIANO, VALÉRIO, CUDIÃO, SACERDÃO, PRISCO, EUTÍQUIO, ÊUTIQUES, ESMARAGDO, FILOTÍMAN, AÉCIO, XANTETE, ANGIAS, HESÍQUIO, CAIO e GORGÓNIO. Do livro SANTOS DE CADA DIA, de www.jesuitas.pt. Ver também www.es.catholic e www.santiebeati.it

Elias do Socorro, Beato
Mártir

Elías del Socorro, Beato

Elías del Socorro, Beato

Mateo Elías Nieves nasce em Yuriria (Guanajuato - México). Filho de modestos agricultores, muito cedo manifestou o desejo de ser sacerdote, mas aos doze anos seu pai era assassinado por uns salteadores, e lhe resultou necessário deixar os estudos para poder ganhar algum dinheiro com que contribuir ao sustento da família. Em 1904, não obstante sua escassa preparação e a sua idade adulta, conseguiu ser admitido no seminário agostiniano de Yuriria. As dificuldades por causa dos estudos iniciados por quem aos 21 anos abandonava as fainas do campo foram superadas com vontade e esforço. Nas provenientes da carência de recursos económicos e da débil constituição física - esteve a ponto de perder a vista - nunca faltou quem lhe deitasse a mão. Em reconhecimento à ajuda do alto em tantos momentos de sua vida e movido de sua filial devoção a Maria, ao professar em 1911 mudou o nome de Mateo Elías pelo de Elías del Socorro. Ordenado sacerdote em 1916, exerce seu ministério em diversas localidades de Bajío, até que em 1921 é nomeado vigário paroquial de La Cañada de Caracheo (Gto.), um povoado nos arrabaldes de "Culiacán". Neste centro de escassos recursos económicos, desprovido de serviços sanitários e de escola pública não se limitou à assistência espiritual de sua grei. Havendo conhecido o trabalho manual e a indigência, não lhe pesaram nem as privações nem a pobreza, que compartilhou com ânimo generoso, jovial disponibilidade e confiança na Providência. Foi precisamente durante estes anos quando nasce o movimento popular dos "cristeros". O P. Nieves, que se manteve à margem desta revolução armada, quando em finais de 1926 se chegou à efetiva perseguição da Igreja, apesar de seu carácter tímido, em vez de obedecer à ordem do governo de passar a viver nas cidades, se estabeleceu na gruta de um monte próximo, assegurando assim a seus fieis a assistência religiosa. Esta clandestinidade forçada, levada adiante durante catorze meses finalizará na manhã em que tropeçou com um destacamento de soldados, aos que chamou a atenção que sob o vestido branco de camponês se entrevia o escuro que empregava em seu ministério pastoral noturno. Interrogado, declarou sua condição de sacerdote, sendo preso imediatamente junto com um par de rancheiros que se ofereceram a acompanhá-lo. Ao amanhecer de 10 de marzo de 1928 militares e prisioneiros se puseram a caminho em direção ao pequeno centro urbano de Cortazar. Na primeira paragem o capitão à frente do destacamento deu a ordem de passar pelas armas aos dois acompanhantes do Padre, testemunhas incómodas, que depois de se confessarem morreram vitoriando a Cristo Rei. Na seguinte parada, já próximos ao povoado, o capitão se dirige ao Padre dizendo-lhe: "Agora toca-lhe a si., vamos a ver se morrer é como dizer missa". O P. Nieves pediu uns momentos para se recolher, depois deu a bênção aos soldados e começou a recitar o credo enquanto estes preparavam as armas para o fuzilar. Suas últimas palavras foram um sonoro "Viva Cristo Rei". Seus restos descansam na igreja paroquial de la Cañada. Foi solenemente beatificado em 12 de outubro de 1997.

90154 > Beato Elia del Soccoro (Matteo Nieves) Sacerdote agostiniano, martire MR

Juan (João) de Mata, São
Fundador

Juan de Mata, San

Juan de Mata, San

Este santo é o fundador da Comunidade da Santíssima Trindade, ou Padres Trinitários, que tem 75 casas no mundo com 580 religiosos. Nasceu em França, nos limites com Espanha, em 1160. Durante seus primeiros anos se dedicou aos estudos de bacharelato e à equitação e ao desporto da natação.Mas as duas atividades que mais lhe agradavam eram a oração e o dedicar-se a ajudar os pobres. Frequentemente se retirava para uma ermida afastada do povo e ali passava vários dias dedicado à meditação. Seu pai o enviou a París e lá obteve o doutorado e logo foi ordenado sacerdote. As antigas crónicas dizem que durante a celebração de sua Primeira Missa teve uma visão celestial: viu a uns pobres cristãos prisioneiros dos maometanos e com perigo de renunciar a sua religião, e observou como um religioso vestido de branco e com uma cruz vermelha e azul no peito os livrava e os salvava de perder sua fé. Com isto acreditou sentir um convite celestial a fundar uma comunidade para libertar cristãos. João foi a consultar a São Félix de Valois, que vivia retirado meditando e rezando e depois de vários dias de rezar com ele, lhe narrou a ideia que tinha de fundar uma comunidade de religiosos para libertar cativos. A São Félix lhe pareceu muito boa ideia e os dois se foram a Roma a conseguir a permissão do Papa. Inocêncio III não era muito amigo de fundar novas congregações religiosas mas as orações destes dois santos lograram a boa vontade do Pontífice e lhes concedeu sua aprovação. Juan foi consagrado bispo e os religiosos se lhes concedeu um hábito branco com uma cruz roja e azul no peito. Superior Geral da Comunidade foi nomeado em favor dos prisioneiros, e assim nosso santo fez várias viagens a África a libertar cativos. Os piratas maometanos chegavam às costas espanholas e francesas e levavam prisioneiros a todos os que encontravam. E havia o grave perigo de que aqueles pobres escravos, no meio de tão terríveis sofrimentos, renegassem de sua fé para que não os tratassem mal. Por isso San Juan de Mata se propôs resgatá-los. No ano 1201 Juan de Mata e seus religiosos conseguiram resgatar em Marrocos 186 prisioneiros. No ano seguinte em Tunes resgataram 110 prisioneiros. Por cada um havia que pagar uma maior soma de dinheiro, e os Padres Trinitários iam de cidade em cidade e de campo em campo conseguindo com que pagar o resgate dos pobres escravos. San Juan de Mata teve que sofrer muito por parte dos maometanos que lhe tinham muita antipatia pelos sábios conselhos que dava aos escravos cristãos para que não deixassem tirar sua santa religião. Um dia em que Juan voltava de África com 120 prisioneiros cristãos que havia libertado da escravidão dos muçulmanos, um grupo de piratas maometanos assaltou seu barco, destruiu o timão e rasgou as velas (telas pelas quais o vento empurrava a embarcação). Os passageiros acreditaram que iam a naufragar no mar, mas o santo fez umas novas velas unindo os mantos de todos eles, e se pôs a rezar, e assim sem timão, mas cheio de confiança em Deus, e suplicando que Nosso Senhor fizesse de piloto, e colocando-se na proa do barco com um crucifixo nas mãos,conseguiu ter uma próspera viagem e desembarcaram sãos e salvos em Ostia (Itália). Os últimos anos passou-os em Roma dedicado à pregação e a conseguir ajudas para os pobres e morreu santamente em 1213. Este santo se preocupou sempre em ocultar os atos mais admiráveis de sua vida. Ele cumpria aquele antigo principio: "Há que amar e permanecer oculto e a não ser conhecido". Um religioso de sua comunidade, o Padre Juan Gil, resgatou em 1580 a Miguel de Cervantes, autor de Quixote, que estava preso dos muçulmanos desde 1575. Em 21 de Outubro de 1666 o Papa Alexandre VII autorizou o culto a San Juan de Mata, e hoje em dia são muitos os que no mundo inteiro seguem recebendo de Deus o mesmo chamamento que ele recebeu do céu: ir a ajudar os que sofrem em cadeias e prisões. Os trinitários o festejam em 17 de Dezembro

91963 > Beato Giovanni Delle Celle Abate

• Juan de Vallumbrosa, Beato
Monge

Juan de Vallumbrosa, Beato

Juan de Vallumbrosa, Beato

Etimologicamente significa “Deus é misericórdia”. Vem da língua hebraica. Este monge descobriu em sua própria vida o que são tentações por dedicar-se a coisas que não estavam de acordo com a regra beneditina que professou livremente. Nasceu em Florença e morreu no ano 1380. A história de Juan nos recorda que teve muitas tentações, não só contra o sexo, mas também por suas leituras contínuas acerca de livros proibidos. Todas estas leituras o levaram á prática de necromancia e das Artes Negras. Antes de que o descobrissem, havia exercido o cargo de abade do mosteiro. Quando o submeterem a julgamento, negou seu pecado contra a humildade e a bondade de Deus. O encarceraram até que, finalmente, confessou seus pecados. Seu encarceramento o fez pensar muito. Se considerou um pecador e culpável de quanto havia negado antes. Desde este momento, se dedicou a fazer penitência com severidade e uma austeridade digna de encómio para os irmãos monges. Estes lhe rogavam de vez em quando que voltasse à vida de comunidade. Ele, sem embargo, preferia ficar na prisão como um anacoreta até que chegasse o instante de sua morte. Em sua solidão alcançou uma grande santidade. Dedicava seu tempo, além da oração e da penitência, a escrever formosos livros. ¡Felicidades a quem leve este nome!

Simplício Santo
Papa

Simplicio Santo

Simplício Santo

São Simplício nasceu em Tivoli (Itália) e exerceu seu ministério pontifício de 468 a 483, um período de graves dificuldades para a vida da Igreja e do Estado. Em 476, Odoacro, depois de haver eliminado a Orestes, deportou o filho Rómulo, último representante imperial. O confinou numa vila perto de Nápoles e lhe assinou uma renda anual de 6.000 libras de ouro, e as insígnias imperiais foram enviadas ao imperador de Oriente, Zenón. Tampouco este se encontrava vivendo seus melhores dias, porque precisamente em 475-476 teve que fazer frente à rebelião de Basilisco. Logrou vencê-lo só com a ajuda de Teodorico, rei dos ostrogodos, que depois destronou a Odoacro. Esta série de acontecimentos prejudicava também a vida da Igreja no Ocidente e no Oriente, pois Odoacro e Teodorico eram seguidores da heresia ariana, e Basilisco era monofisita. O monofisismo havia sido suscitado por Dióscoro, patriarca de Alexandria do Egito, e sobretudo pelo monge Eutiquio. Sua tese central, e que lhe dá o nome, era que em Cristo não há senão uma só natureza, a divina. Apesar da importante e enérgica intervenção de são Leão Magno, a heresia triunfou no chamado “latrocínio de Éfeso” de 449; mas aos dois anos a doutrina ortodoxa ficou confirmada com claridade no concilio de Calcedónia, que assumiu como artigo de fé o documento de são Leão Magno. Este concílio emanou também o famoso Canon 28, que reconhecia uma certa preeminência no patriarcado de Constantinopla. Os enviados do Papa a julgaram como uma inovação perigosa, e foi combatida também por são Simplício. A controvérsia sobre O monofisismo durou por algum tempo: responsável disso foi o imperador Zenón que em 482 intentou um impossível compromisso com seu Henoticon, contra o qual o Papa Simplício tomou uma clara posição. Além desta defesa da doutrina cristã genuína, são Simplício tem o mérito de haver restaurado e dedicado algumas igrejas romanas como a de santo Esteban Rotondo e santa Bibiana. Também salvou da destruição alguns mosaicos pagãos que se encontravam na igreja de santo Andrés. As relíquias de são Simplício repousam em sua cidade natal, Tivoli.

43650 > San Simplicio Papa MR

Ascolta da RadioVaticana:
Ascolta da RadioRai:

44380 > Sant' Attala Abate di Bobbio MR

 
92625 > Santi Caio ed Alessandro Martiri ad Apamea MR

 
44370 > San Drottoveo Abate a Parigi MR

 

44350 > San Vittore Martire in Africa MR

 

 


  • 0000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000

  • 00000000000000000000000000000000000000000000000000000000
  • Localização geográfica da sede deste Blogue, no Porto
  • Viso---mapa_thumb_thumb_thumb_thumb_[2]
  • ===================================
  • 0000000000000000000000000000000000000000000000
  • $$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$SS
  • «««««««««««««««««««««««««««««««««««««««««««««««««««««««»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»
  • 1 - A integração dos textos editados MMI IMP S.r.l./IMP BV – impressa na União Europeia (Ver blogue nº 1153 – 3/1/12) que se refiram a alguns dos Santos hoje incluídos, continuara a ser efetuada diariamente desde que eu possua as respectivas pagelas na Coleção de Histórias de Santos que nos inspiraram, intitulada “Pessoas Comuns – Vidas Extraordinárias pelo que peço as minhas desculpas. AF.
  • Hoje POR EXEMPLO foi incluído como
  • Complemento na vida de
  • João Ogilvie e Ludovico Jacob, SantosEstrela
  • 2 - Sites utilizados: Os textos completos são recolhidos através do livro SANTOS DE CADA DIA, de www.jesuitas.pt. em que também incluo imagens recolhidas através de http://es.catholic.net/santoral,; em seguida os textos deste mesmo site sem tradução e com imagens, e por último apenas os nomes e imagens de HTTP://santiebeati.it.
  • 3 - Como já devem ter reparado, de vez em quando, segundo a sua importância há uma exceção da 1ª biografia, (ou biografias do Livro Santos de Cada Dia – já traduzidas – por natureza) que mais sobressaem, – quando se trate de um dia especial, dedicado a Jesus Cristo, a Nossa Senhora, Anjos ou algum Santo, em particular – todos os restantes nomes surgem por Ordem alfabética, uma, duas ou três vezes, conforme figurem nos três sites indicados, que poderão ser consultados - se assim o desejarem – pelos meus eventuais leitores. LOGICAMENTE E POR ESSE FACTO, DIARIAMENTE, O ESPAÇO OCUPADO, NUNCA É IGUAL, ACONTECENDO POR VEZES QUE É DEMASIADO EXTENSO.
  • Peço-vos a melhor compreensão e as minhas maiores desculpas e obrigado.
  • Responsabilidade exclusiva de ANTÓNIO FONSECA
    http://bibliaonline.com.br/acf; http://es.catholic.net; http://santiebeati.it; http://jesuitas.pt