OS MEUS DESEJOS PARA TODOS

RecadosOnline.com

sexta-feira, 13 de abril de 2012

Nº 1254 - 2ª Página – ACTOS DOS APÓSTOLOS – Evangelista S. Lucas – 13 DE ABRIL DE 2012 – Quinta-feira depois da Páscoa

 
++++++++++++++++++++++++
 
 
Nº 1254-2ª Página

 
 
ACTOS DOS APÓSTOLOS
 
 
VI – O EVANGELHO ALCANÇA A EUROPA
 
 
18 e) 2ª Fundação da Igreja de Corinto – Depois disso, Paulo afastou-se de Atenas e foi para Corinto. Encontrou ali um judeu chamado Áquila, natural do Ponto, recentemente chegado da Itália com Priscila, sua mulher, porque um édito de Cláudio ordenara que todos os judeus se afastassem de Roma. Foi procurá-los, e, como eram da mesma profissão, ficou em casa deles e começou a trabalhar. Eram tendeiros de ofício. Todos os sábados dissertava na sinagoga e esforçava-se por convencer tanto a judeus como a gregos. Quando Silas e Timóteo chegaram da Macedónia, Paulo entregou-se à pregação, afirmando e provando aos judeus que Jesus era o Messias. Mas perante a oposição e as blasfémias deles, sacudiu as suas vestes e disse-lhes: «Que o vosso sangue recaía nas vossas cabeças. Eu não sou responsável por isso. De futuro, dirigir-me-ei aos pagãos». Retirou-se dali e foi para casa de um certo Tício Justo, homem temente a Deus, cuja casa era contínua à sinagoga. No entanto, Crispo, o chefe da sinagoga, acreditou no Senhor, ele e todos os de sua casa; e muitos dos coríntios, que ouviam Paulo pregar, abraçaram também a fé e recebiam o baptismo. Certa noite, o Senhor disse a Paulo, numa visão: «Nada temas, continua a falar e não te cales, que Eu estou contigo e ninguém porá as mãos em ti para te fazer mal, pois tenho um povo numeroso nesta cidade». Então ele ficou lá durante um ano e seis meses a ensinar-lhes a palavra de Deus.
 
 
Perante o tribunal de Galião – Sendo o Galião procônsul de Acaia, levantaram-se os judeus, de comum acordo, contra Paulo e levaram-no ao tribunal. «Este homem, disseram eles, induz as pessoas a prestarem culto a Deus duma forma contrária à Lei». Paulo ia abrir a boca, quando Galião disse aos judeus: «Se se tratasse de uma injustiça ou grave delito, escutaria as vossas queixas, ó judeus, como é do meu dever. Mas, como se trata de um conflito doutrinal sobre palavras e nomes e sobre a vossa própria Lei, o assunto é convosco. Recuso-me a ser juiz em semelhante questão». E mandou-os sair do tribunal. Então todos se apoderaram de Sóstenes, o chefe da sinagoga, e puseram-se a bater-lhe diante do tribunal. E Galião não quis saber nada disso.
 
 
Regresso a Antioquia – Depois de se ter demorado algum tempo ainda, Paulo despediu-se dos irmãos e embarcou para a Síria, com Priscila e Águila, rapando a cabeça em Cêncreas, por causa de um voto que tinha feito. Chegaram a Éfeso, onde os deixou, e foi à sinagoga falar com os judeus. Estes pediram que prolongasse a sua estadia, mas não acedeu. Mas, despedindo-se, disse-lhes: «Voltarei novamente a ter convosco, se Deus quiser». E partiu de Éfeso. Desembarcou em Cesareia, subiu para saudar a Igreja e desceu a Antioquia.
 
 
f) 3ª Viagem missionária de Paulo – Depois de aí ter passado algum tempo, voltou a partir e percorreu, sucessivamente, a Galácia e a Frígia, fortalecendo a todos os discípulos.
 
A pregação de Apolo – Entretanto, chegou a Éfeso, um judeu chamado Apolo, natural de Alexandria, um homem eloquente e muito versado nas Escrituras. Fora instruído na “Via” do Senhor, e com o espírito cheio de fervor, pregava e ensinava com precisão o que dizia respeito a Jesus, embora só reconhecesse o baptismo de João. Começou a falar desassombradamente na sinagoga. Priscila e Áquila, ouvindo-o falar tomaram-no consigo e expuseram-lhe, com mais precisão, a “Via” do Senhor. Como ele queria partir para a Acaia, os irmãos encorajaram-no e escreveram aos discípulos para que o recebessem amigavelmente. Quando lá chegou, prestou grande auxilio aos fiéis, pois, com a graça de Deus, refutava, energicamente, os judeus, em público, demonstrando pelas Escrituras, que Jesus era o Messias.
.
=============================================================
 
 
Amanhã, dia 14/4/12, se Deus o permitir, prosseguirei esta transcrição.

António Fonseca

Nº 1254 – 1ª Página – (99/2012) - SANTOS DE CADA DIA – 13 de Abril de 2012 - 4º ano

Ver Notas no final
Nº 1254 – 1ª Página – 2012
#####################################
Páscoa do Senhor
##################################### #####################################

13 DE ABRIL DE 2012

Sexta-feira

Hermenegildo, Santo
Mártir e padroeiro dos convertidos

Hermenegildo, Santo

Hermenegildo, Santo

Hermenegildo e seu irmão, Recaredo eram filhos de Leovigildo, rei dos visigodos de Espanha, e de sua primeira esposa, Teodósia. Seu pai os educou na heresia ariana. Sem embargo, Hermenegildo se casou com uma católica, que com seu exemplo e orações converteram o mártir. Seu pai ao inteirar-se disto se enfureceu e o deserdou, e tomou prisioneiros a sua esposa e filho. Sem embargo, logo depois de um ano fizeram as pazes. Tempo depois, a segunda esposa de Leovigildo começou a despertar novas suspeitas contra Hermenegildo, que foi encarcerado em Tarragona acusado de heresia; se lhe oferecia a liberdade na condição de que se retratasse. O mártir pediu fervorosamente a Deus que o fortalecesse em seu combate pela fé, acrescentou mortificações voluntárias a seus sofrimentos e se vestiu com um saco, como os penitentes. Ao negar-se a receber a comunhão de mãos de um bispo ariano, seu pai o mandou matar. Hermenegildo recebeu a noticia com grande resignação e morreu instantaneamente de um só golpe de maça. São Gregório o Grande atribui aos méritos de Santo Hermenegildo a conversão de seu irmão Recaredo e de toda a Espanha visigótica.

31850 > Sant' Ermenegildo Martire 13 aprile MR

Ascolta da RadioMaria:

 

COMPLEMENTO

Hermenegildo nasceu no seio de uma família real. Seu pai, Leovigildo, era Rei de Espanha e sua mãe era princesa Teodósia. Como cristão ariano, Leovigildo acreditava que Jesus era mortal e não divino e educou o seu filho Hermenegildo nessas convicções. Em 579, Hermenegildo casou com a Princesa Indegundis, que se opunha à heresia ariana. Nessa altura o Rei Leovigildo voltara a casar e pensa-se que a sua segunda esposa maltratava Indegundis, num esforço para a converter ao arianismo. Por isso o Rei nomeou Hermenegildo Governador de Sevilha e o jovem casal abandonou o palácio. Indegundis acabou por converter o marido à crença ortodoxa. Em consequência, o Rei ordenou a seu filho que entregasse o seu cargo e propriedades.
Defesa da sua posição – Apesar da fúria de seu pai, Hermenegildo manteve-se firme e começou a organizar uma rebelião. Pediu apoio militar a Constantinopla, mas não foi possível enviar-lho. Alguns historiadores pensam que Hermenegildo pediu auxílio a um pequeno exército romano que controlava parte de Espanha, mas em vez de o ajudar, traiu-o. Nessa altura, o irmão de Hermenegildo foi reposto no cargo de Governador. Porém, com  o tempo, as reações deterioraram-se outra vez e pai e filho afastaram-se de novo. Hermenegildo foi acusado de heresia e preso em Tarragona. Conta-se que só seria libertado se apoiasse o arianismo e recebesse a comunhão das mãos de um Bispo ariano. Quando Hermenegildo recusou, o pai mandou-o matar.
No seu rasto
Hermenegildo encontrou paz e conforto na sua relação com Deus, apesar do seu pai lhe ter causado muitos problemas.
Tantas crianças têm de sobreviver no mundo de hoje sem o apoio e o amor dos pais. Muitas dessas crianças, confiadas a instituições, sentem-se abandonadas. É aí que o papel dos funcionários e voluntários das instituições de solidariedade é fundamental. São estas pessoas que vão oferecer um apoio direto e pessoal a cada criança ou jovem, tendo em atenção as suas necessidades especificas. São eles que vão fazer o papel da família e ajudar a criança ou jovem a transformar-se num adulto feliz e equilibrado. Talvez haja na vizinhança alguma instituição de recolha de crianças e jovens que necessite da sua ajuda, de um pouco do seu tempo e da sua experiência. Ou talvez na sua comunidade exista um menino ou uma menina a precisar de carinho e de saber que há adultos que se preocupam com ela.
Oração
Agradeço-Te meu Senhor, pelos meus filhos. Peço-Te que a sua relação contigo continue a crescer e que sempre acreditem que o Teu é o único caminho. Que se voltem para Ti nos bons e nos maus momentos e que saibam que Tu estás sempre disponível. Que a Tua bênção os acompanhe ao longo das suas vidas. Por Cristo Nosso Senhor. Ámen.
(Oração contemporânea)
 
 
No período da vida de Santo Hermenegildo (século VI) ocorreram diversos acontecimentos dos quais se destacam: Os persas retomam o controlo sobre as tribos afegãs (550); A dinastia Sui governa a China (581-618); As Igrejas do Ocidente e do Oriente terminam o seu primeiro cisma (519); Alexander de Trulles escreve livros de medicina (575).

BEATA IDA DE BOLONHA

Viúva (1040-1113)

Ida de Bolonia, Beata

Viúva (1040-1113)

Teve dois filhos e um genro cujos nomes ficaram na história. Os filhos, Godofredo de Bulhão e Balduíno I, tomaram parte gloriosa na primeira cruzada e foram os primeiros soberanos do reino franco de Jerusalém (1099-1187). O genro foi Henrique IV, imperador da Alemanha, cujo nome anda ligado à “questão das investiduras”. Vencido, foi pedir e obteve o perdão de S. Gregório VII em Canossa (1077). Mas, tornando-se mais forte, reabriu as hostilidades, apoderou-se de Roma e enviou o Papa a morrer no exílio (1085). Filha de Godofredo, duque da Baixa Lotaríngia, casou-se aos 17 anos com Eustáquio, conde de Bolonha. Os imensos domínios do conde iam do Luxemburgo atual até ao Atlântico. Piedosíssima, recebeu conselhos de Santo Anselmo, que a visitava em Bolonha e lhe escrevia cartas espirituais que se conservam. Gostava sobretudo de fazer belos paramentos litúrgicos. Rezava tanto que não faltou cronista que atribuísse, em boa parte, às suas orações o bom êxito da primeira cruzada. Dotou ricamente antigas abadias e fundou três novas. Numa destas, em Wast, foi enterrada e fez milagres segundo a tradição. Faleceu a 13 de Abril de 1113, com setenta e três anos. Do livro SANTOS DE CADA DIA, de www.jesuitas.pt. Ver também www.es.catholic e www.santiebeati.it

92025 > Beata Ida di Boulogne Contessa 13 aprile MR

 

SÃO MARTINHO I

Papa (656)

Martín l, Santo

Martinho l, Santo

Nascido em Tódi, Itália, apocrisiário (ou Núncio) em Constantinopla, veio a ser bispo de Roma (649) num período difícil: o jovem imperador bizantino Constante II pretendia impor brutalmente o seu parecer ou o do seu Patriarca, em matéria de dogma. Para ter a última palavra, por um documento chamado Typo, proibiu em 684 que se falasse de uma ou de duas energias, ou de uma ou duas vontades, em Cristo; mas o monotelismo (segundo o qual havia uma vontade única em Cristo) era considerado útil para conciliar os partidários do monofisismo (uma só natureza em Cristo): era a teoria em vigor na corte, a dos teólogos oficiais. Ora, devemos defender que Jesus é Deus e é homem; assumiu também vontade humana. Martinho não admitiu o Typo que punha, no mesmo plano, erro e verdade. Com grande coragem, convocou um concílio em Latrão (Outubro de 649), em que estiveram mais de cem bispos, sobretudo italianos, e uns trinta eclesiásticos gregos que tinham sido expulsos pelos Árabes. O concílio condenou o Typo e a Ecthese que o precedera. Foi enviada uma encíclica às Igrejas ocidentais. No Oriente, retomava o Papa contacto com numerosos prelados. E claramente fazia saber que era preciso acabar com o monotelismo. Esta ousada atividade do Pontífice Romano encontrou oposição. A 17 de Junho de 653, o exarca de Ravena, Calíope, criatura do imperador, mandou prender o Papa na basílica de Latrão. O motivo era menos que o vigário de Cristo pensava sobre o dogma, do que uma pretensa colaboração dele numa revolta do precedente exarca, Olímpio, falecido na Sicília. Martinho I foi levado preso a Óstia e a 17 de setembro chegava a Constantinopla. A viagem fora muito custosa; não tinha podido desembarcar nos portos, nem sequer lhe tinham permitido lavar-se; e os guardas comiam-lhes as provisões que trouxera. À chegada, deixaram que o poviléu o insultasse. Durante 93 dias foi mantido na prisão secreta Prandíara; em seguida, foi sujeito a um simulacro de julgamento. A sua destituição infamante fez-se num terraço, diante dos senadores e do imperador; Este, Sua Serenidade, assistia protegido por uma grade. Um magistrado pronunciou contra Martinho a pena capital e mandou-o transferir para outra cadeia. esfolou as pobres pernas, ao subir para a prisão, já entrevado. Duas mulheres, que tinham as chaves da cadeia, tiveram compaixão dele; uma deu-lhe a sua própria cama e cobertores; estava gelado de tanto frio e já não podia falar. Mas o Patriarca de Constantinopla, doente e temeroso do juízo de Deus, obteve de Constante II que Martinho não fosse executado. O Papa ficou ainda 83 dias cativo, mas com suficiente liberdade para conseguir escrever um memorial dirigido aos seus fiéis. depois, em Abril de 654, foi enviado clandestinamente para o Quersoneso, atual Crimeia. Sofreu fome entre os bárbaros que habitavam a região, e morreu, ao que parece, a 13 de Abril de 656. Ficou sendo celebrado liturgicamente, até há pouco, a 12 de Novembro; o outro Martinho, do dia 11, atraiu este para junto de si. Do livro SANTOS DE CADA DIA, de www.jesuitas.pt. Ver também www.es.catholic e www.santiebeati.it. ¿Queres saber mais? Consulta ewtn

26750 > San Martino I Papa e martire 13 aprile - Memoria Facoltativa MR

 

BEATA MARGARIDA DE MÉTOLA

( ou MARGARITA DE CIDADE CASTELLO)

Cega, Corcunda, Coxa (1320)

Margarita de Ciudad Castillo, Beata

Margarita de Cidade Castello, Beata

No castelo de Métola, em Città di Castello, em Itália, viviam em 1287 os Condes D. Parísio e D. Emília, esperando o nascimento do primeiro herdeiro. Certos de que seria um menino, forte e belo, continuador do nome e das glórias da família, mandaram preparar grandes festejos. Convidaram os fidalgos das cidades vizinhas, prepararam banquetes e esplendorosos espetáculos. Os trovadores, os atores e os músicos aguardavam o minuto em que o menino viesse à luz do dia para desatarem num coro de louvores e de música. Quando tão grandes esperanças se debruçavam sobre a criança que havia de nascer, veio ao mundo uma menina disforme, cega e coxa, aleijada e feia. A notícia foi mantida oculta e toda a festa se desfez repentinamente. Os pais, envergonhados, ocultaram a infeliz, chamada Margarida, a principio no celeiro, depois no sótão e mais tarde numa cela pegada à capela que possuíam, no bosque. Os horríveis defeitos do corpo eram compensados pelas qualidades de alma. Dotada de inteligência e memória invulgares, aprendeu Margarida de cor muitas orações que repetia nas horas de soledade, para seu conforto. Morreu nessa altura na cidade um frade franciscano, de nome Tiago. Era tal a fama da sua santidade que lhe começaram a atribuir numerosos milagres. Um raio de esperança iluminou a vida dos Condes. Levaram a aleijadinha, que então contava 16 anos, ao túmulo do frade santo, para lhes pedirem ou quase exigirem um milagre. A menina, depois de longo tempo de oração silenciosa, proferiu estas palavras: Senhor, concedei-me a cura, se for da vossa santíssima vontade. Senhor, se quiserdes que leve a minha cruz até à morte, ficarei igualmente contente. Só Vos peço que se faça a Vossa vontade. O milagre não veio. No fim da oração, a menina continuava cega, corcunda, coxa e anã. Os desapiedados pais abandonaram a desgraçadinha na igreja e fugiram apressadamente para o castelo. Umas pobres mulheres, que ali vieram rezar, tiveram compaixão da menina. Desde essa altura passou ela a ser propriedade comum de toda a gente, andando de casa em casa, sustentada por caridade. A pobre cega, abandonada, como traste inútil, por todos, até pelas freiras dum convento, foi finalmente recolhida por uma família rica. Com memória prodigiosa, rezava de cor todos os dias os 150 salmos, os Ofícios de Nossa Senhora e de Santa Cruz. Consagrava especial devoção ao Menino Jesus e a São José, concorrendo poderosamente para a difusão do culto de tão amável santo. Alma inocente e pura, encantava a toda a gente pela sua alegria, inocência, desconhecimento do mal do mundo, abandono filial nas mãos de Deus e terna confiança nos amigos. Desculpava os defeitos alheios e acreditava na bondade de toda a gente. Apaixonada pelas crianças, atendia-as com carinho, ensinava-lhes a catequese e contava-lhes variadas histórias. Conduzida por mãos caridosas à cabeceira dos doentes, consolava-os, infundia-lhes resignação e conseguia que os pecadores mais endurecidos se reconciliassem com Deus. parecia ter recebido do céu a missão de difundir a paz, luz e graça. Atribuíam-lhe já em vida grandes milagres. tendo-se declarado um incêndio na casa duma família que a recebera, bastou deitar o seu manto sobre as labaredas para logo se pagarem. Prodígios ainda maiores sucederam depois da sua morte, ocorrida no dia 13 de Abril de 1320, quando Margarida contava 33 anos de idade. O povo começou desde logo a invocá-la como santa. A 9 de Junho de 1558, mais de dois séculos após a sua morte, o seu corpo foi encontrado fresco e incorrupto. A 19 de Outubro de 1609, o papa Paulo V reconheceu a sua santidade concedendo-lhe o título de Beata. É venerada na Ordem Dominicana e na Diocese de Santo Ângelo in Vado. Todos os limitados físicos, como a beata Margarida de Métola, podem ser integrados na sociedade e prestar-lhe serviço. Do livro SANTOS DE CADA DIA, de www.jesuitas.pt. Ver também www.es.catholic e www.santiebeati.it

90763 > Beata Margherita da Città di Castello Domenicana 13 aprile MR

Beato Albertini, abade


No mosteiro de Fonte Avellana, na Umbría, Itália, beato Albertini, ermitão e prior de um grupo de eremitas, que antepôs a solidão às honras e procurou conciliar as cidades que estavam inimizadas entre si. († 1294)

90691 > Sant' Albertino da Montone Abate 13 aprile MR

Santo Carádoco, presbítero e eremita


Em Saint-David, no território de Cambria, em Gales, santo Carádoco, presbítero e ermitão, que sendo tocador de harpa no palácio real, ao constatar que ali se queria mais aos cães que aos homens, decidiu servir a Deus sob a direção do abade Teliavo. († 1124)

49310 > San Caradoco Eremita nel Galles 13 aprile MR

Carpo, Pápilo, Agatónica, e companheiros, Santos
Mártires,

Carpo, Pápilo, Agatónica, y compañeros, Santos

Carpo, Pápilo, Agatónica, e companheiros, Santos

Martirológio Romano: Em Pérgamo, na provincia romana de Asia, na atual Turquia, santos mártires Carpo, bispo de Tiatira, Pápilo, diácono, Agatónica, hermana de Pápilo, e outros muitos que, pela dita de expressar sua confissão cristã, foram coroados com o martírio. ( s.II) As Atas dos santos Carpo, Papilo e Agatónica são a relação autêntica de uma testemunha ocular do martírio de Carpo e Papilo, que morreram na fogueira no anfiteatro de Pérgamo, e de Agatónica, uma mulher cristã que se arrojou às chamas. As atas, em sua forma atual, parecem incompletas. Agatónica havia sido condenada como os outros dois; mas, como esta parte falta no texto, dá impressão de que se suicidou. Os martírios ocorreram em tempo de Marco Aurélio e Lúcio Vero (161-169). Estas atas circulavam ainda em tempo de Eusébio (Hist. eccl. 4,15,48).


Martírio de Santo Carpo, Pápilo, Agatónica e companheiros

Carpo era bispo de Gurdos, na Lídia, enquanto que Pápilo era diácono em Tiatira, na mesma provincia, e Agatónica era sua irmã: foram levados ante o governador romano de Pérgamo, e convidados a comer a carne oferecida aos ídolos. Carpo, sem embargo, replicou: “Eu sou cristão, venero a Cristo, Filho de Deus, que veio ao mundo nos últimos tempos para nossa salvação [...] mas a estes ídolos não ofereço sacrifícios”. Passados sucessivos interrogatórios, foi finalmente condenado à flagelação.Também Pápilo respondeu de modo similar ao governador: “Desde minha juventude sirvo ao Senhor e não ofereci mais sacrifícios aos ídolos: sou cristão, e não poderás obter outra coisa de mim mais que isto, porque não há outra palavra maior e mais bela que eu possa dizer”. Depois de que Pápilo foi torturado, foram convidados novamente a consumir a carne usada no sacrifício pagão, e à sua negativa, condenados a morrer queimados na fogueira. Estando Carpo a ponto de morrer exclamou: “Bendito sejas, Ó Senhor Jesus Cristo, Filho de Deus, porque te dignaste fazer me partícipe da glória inclusive a mim, um pecador”. Agatónica era uma mãe cristã que padeceu a perseguição no mesmo período; a quem se exortou salvar sua própria vida pelo bem de seus filhos, ela respondeu: “Meu filho tem um Deus que pode ter piedade dele, porque Ele é quem provê a todas as criaturas”. Foi assim destinada a sofrer a mesma sorte que seu irmão Pápilo e que o bispo Carpo, com a mesma motivação. A antiguidade do culto aos três mártires está atestada na “História Eclesiástica” do célebre Eusébio de Cesareia, e pelo Breviário Sírio. O Martirológio Romano recolheu esta memória inscrevendo-a em 13 de abril, e acrescentando-a muitos presuntos companheiros de martírio. Reproduzido com autorização de Santiebeati.it - responsável da tradução: Xavier Villalta

92743 > Santi Carpo, Papilo, Agatonica e compagni Martiri 13 aprile MR

Francisco Dickenson e Milón Gerard, Beatos
Presbíteros e Mártires,

Francisco Dickenson y Milón Gerard, Beatos

Francisco Dickenson y Milón Gerard, Beatos

Martirológio Romano: Em Rochester, em Inglaterra, beatos Francisco Dickenson e Milón Gerard, presbíteros e mártires que, após haver-se formado no Colégio dos Ingleses de Reims, regressaram a sua pátria para exercer clandestinamente o ministério sacerdotal, por causa do qual, durante o reinado de Isabel I, ambos foram condenados à forca e depois esquartejados. ( 1590). Data de beatificação: 15 de dezembro de 1929 pelo Papa Pío XI, dentro de um grupo de 107 mártires de Inglaterra e Gales. Mártir, nasceu no ano 1550 em Wigan, e foi executado em Rochester 13 (30?) de abril de 1590. Talvez fosse um dos membros da familia Gerard de Ince, no ano 1576 foi tutor dos filhos de Edward Tyldesley, em Morleys, Lancashire. Em 1579 foi os seminários de Douai e Reims, onde foi ordenado sacerdote em 7 de abril de 1583, e logo ficou como professor até 31 de agosto de 1589, quando partiu para Inglaterra com 5 companheiros. Em Dunquerque os marinheiros se negaram a tomar mais de dois passageiros, de modo que os missionários tiveram que eleger, e Gerard e Francisco Dickenson, o de maior idade (segundo parece) e o mais jovem, foram os ganhadores. Ainda que seu destino fosse Londres, seu curso foi mudado e levados ao porto de Dover, onde foram interrogados e presos sob suspeita (em 24 de novembro). Um boletim contemporâneo disse que eles trataram de se escapar sem sorte já que caíram em mãos dos perseguidores, mas esta história não é compatível com os arquivos oficiais. Estes mostram que os presos deram no inicio nomes falsos e respostas ambíguas, mas cedo decidiram que o melhor era confessar tudo. Depois de muitas torturas na pior das prisões de Londres manejada pelo infame Ricardo Topcliffe, foram condenados como traidores e "enviados a Rochester, onde foram enforcados e esquartejados e deram um esplêndido testemunho de fé católica", diz o Padre John Curry, SJ, que escreveu sobre o acontecido pouco depois.

49320 > Beati Francesco Dickenson e Miles Gerard Martiri 13 aprile MR

Ida de Lovaina, Beata
Monja,

Ida de Lovaina, Beata

Ida de Lovaina, Beata

Martirológio Romano: No mosteiro cisterciense de Roosendaal, em Brabante, Países Baixos, beata Ida, virgem, que desde jovem sofreu por parte de seu pai antes de entrar na vida religiosa, e com a austeridade quotidiana imitou em sue corpo a Cristo sofredor. ( 1290) Viveu no século XIII em Lovaina, onde seu pai era dono de um florescente comércio de vinhos que vivia nas obras académicas e da cidade de Lovaina e a preocupação de só acumular riqueza e disfrute dos bens terrenais. Ida no principio não se distinguia das meninas de sua idade. Mas desde os 18 anos de idade começou uma vida de penitência e de oração; manifestou sua intenção de converter-se em monja ao que seu pai se opôs completamente. Ela não viveu mais no interior da casa, se construiu uma choça miserável, no exterior. Além disso, recebeu em seu corpo os sinais das feridas do Senhor (estigmas). Trataram de ocultar as cicatrizes, mas as dores que ela sentia eram muitas vezes muito notórios. Seus pais e toda a familia se envergonhavam dela, e trataram mediante o ataque e o menosprezo em fazê-la mudar de opinião. Finalmente a determinação de Ida triunfou, incorporou-se na abadia cisterciense de Roosendaal em Mechelen (Malinas). O facto de que toda sua gente lhe haja dado as costas, a ajudou a concentrar-se mais em entregar todo seu amor ao Senhor mediante a oração. Era notório o poder de sua oração, a gente dizia que ela brilhava por sua santidade, a tal ponto que inclusive à noite podia ler ou coser, isto possivelmente seja uma lenda dourada, o certo é que ela se dedicou à oração, à contemplação e ao trabalho manual, incluindo a transcrição dos livros preferidos, mas nunca evitou as tarefas mais humildes, sempre disponível para servir as irmãs. Os fenómenos místicos continuaram, com frequentes momentos de êxtases, se lhe atribuem vários milagres e muitas conversões. Falecida em 13 de abril de um ano em redor de 1290, por suposto, o lugar de descanso final foi seu convento. Este foi destruído em 1576 pelos Geuzen1. Em 1600 foi reconstruído, mas o culto e veneração à Beata Ida não se reativou senão em 1719 em que seu nome foi incluído em vários calendários publicados por mosteiros beneditinos e cistercienses.
1 Gauzen ou Mendigos nome tomado por insurgentes calvinistas neerlandeses na Guerra dos Oitenta Anos contra Espanha e a Igreja Católica. responsável da tradução: Xavier Villalta

92024 > Beata Ida di Lovanio Monaca a Val-des-Roses 13 aprile MR

João Lockwood e Eduardo Catherick, Beatos
Presbíteros y Mártires,

Juan Lockwood y Eduardo Catherick, Beatos

Juan Lockwood y Eduardo Catherick, Beatos

Martirológio Romano: Em York, Inglaterra, beatos Juan Lockwood e Eduardo Catherick, presbíteros e mártires em tempo do rei Carlos I. O primeiro, de oitenta e sete anos, que já havia sido condenado duas vezes à pena capital por ser sacerdote, quis preceder no patíbulo a seu companheiro mais jovem, que estava algo angustiado ante a morte, para o animar a culminar o glorioso martírio. ( 1642). Data de beatificação: 15 de dezembro de 1929 pelo Papa Pío XI, dentro de um grupo de 107 mártires de Inglaterra e Gales. O Beato Juan Lockwood, também conhecido como São João Lascellas, nasceu em redor de 1555 em Sowerby, Yorkshire, Inglaterra. Era o filho mais velho de Christopher Lockwood e de Clara, filha mais velha de Christopher Lascelles. Com seu irmão Francisco (segundo entre os irmãos), chegou a Reims em 4 de Novembro de 1579, e ao ponto que foi enviado a Douai a estudar Filosofia. Francisco foi ordenado em 1587, mas João ingressou no Colégio Inglês, em Roma, em 4 de Outubro de 1595, finalmente foi ordenado sacerdote em 26 de Janeiro de 1597 e enviado de missão em 20 de Abril de 1598. Depois de haver sido tomado prisioneiro em 1610 é desterrado mas regressa, e novamente é preso e condenado à morte, mas é libertado. Durante quarenta e quatro anos exerceu seu ministério em Inglaterra, de forma clandestina. Finalmente foi capturado em Wood End, Gatenby e executado, junto com Edmundo Catherick, em York em 13 de abril de 1642. Beato Eduardo Catherick O Beato Eduardo Catherick era nascido em Carlton, perto de Richmond, Yorkshire, no ano 1605. Logo de estudar em Douai e de receber sua ordenação sacerdotal, retorna a Inglaterra em 1635, pôde exercer seu ministério durante sete anos, até que foi preso, encarcerado, julgado e condenado à morte. Conheceu a quem seria seu companheiro no martírio, o P. Juan Lockwood, no calabouço. Contra eles não houve outra acusação que a de ser sacerdotes católicos.

49330 > Beati Giovanni Lockwood e Edoardo Catherick Martiri 13 aprile MR

Sabas Reyes Salazar, Santo
Mártir Mexicano

Sabas Reyes Salazar, Santo

Sabas Reyes Salazar, Santo

Nasceu em Cocula, Jalisco (Arquidiocese de Guadalajara), em 5 de Dezembro de 1883. Vigário de Tototlán, Jal. (Diocese de San Juan de los Lagos). Simples e fervoroso, tinha especial devoção à Santíssima Trindade. Também invocava frequentemente as almas do purgatório. Procurou muito a formação dos meninos jovens, tanto na catequese como no ensino de ciências, ofícios e artes, especialmente na música. Cumprido e abnegado em seu ministério. Exigia muito respeito em tudo o referente ao culto e gostava que com prontidão se cumprisse qualquer dever. Quando, pelo perigo que havia para os sacerdotes, o aconselhavam que saísse de Tototlán, ele replicava: «A mim aqui me deixaram e aqui espero, a ver que dispõe Deus». Na Semana Santa de 1927 chegaram as tropas federais e los agrários buscando ao Sr. Cura Francisco Vizcarra e a seus ministros. Só encontraram ao padre Reyes e nele concentraram todo seu ódio. O tomaram preso, o ataram fortemente a uma coluna do templo paroquial, o torturaram três dias por meio da fome e da sede e com sadismo inqualificável, lhe queimaram as mãos porque estavam consagradas. Em 13 de Abril de 1927, Quarta-feira Santa, foi conduzido ao cemitério. Balearam-no, mas antes de morrer, mais com a alma que com a voz, pôde gritar o sacerdote mártir: «¡Viva Cristo Rei!». Os 25 santos canonizados em 21 de Maio de 2000 foram: - 1 - Cristobal Magallanes Jara, Sacerdote; 2 - Roman Adame Rosales, Sacerdote; 3 - Rodrigo Aguilar Aleman, Sacerdote; 4 - Julio Alvarez Mendoza, Sacerdote; 5 - Luis Batis Sainz, Sacerdote; 6 - Agustin Caloca Cortés, Sacerdote; 7 - Mateo Correa Magallanes, Sacerdote; 8 - Atilano Cruz Alvarado, Sacerdote; 9 - Miguel De La Mora De La Mora, Sacerdote; 10 - Pedro Esqueda Ramirez, Sacerdote; 11 - Margarito Flores Garcia, Sacerdote; 12 - José Isabel Flores Varela, Sacerdote; 13 - David Galvan Bermudez, Sacerdote; 14 - Salvador Lara Puente, Laico; 15 - Pedro de Jesús Maldonado Lucero, Sacerdote; 16 - Jesus Mendez Montoya, Sacerdote; 17 - Manuel Morales, Laico; 18 - Justino Orona Madrigal, Sacerdote; 19 - Sabas Reyes Salazar, Sacerdote; 20 - José Maria Robles Hurtado, Sacerdote; 21 - David Roldan Lara, Laico; 22 - Toribio Romo Gonzalez, Sacerdote; 23 - Jenaro Sanchez Delgadillo; 24 - David Uribe Velasco, Sacerdote; 25 - Tranquilino Ubiarco Robles, Sacerdote Para ver as biografias dos Mártires Mexicanos do século XX. Faz Click AQUI Reproduzido com autorização de Vatican.va

90129 > San Sabas Reyes Salazar Martire Messicano 13 aprile MR

Scubilion Rousseau, Beato
Irmão Cristão de La Salle

Scubilion Rousseau, Beato

Scubilion Rousseau, Beato

Martirológio Romano: Na ilha da Reunião, no Oceano Índico, beato Scubilión (Juan Bernardo), religioso do Instituto das Escolas Cristãs, que ensinou incansavelmente as crianças e ofereceu ajuda aos pobres e esperança aos escravos (1867). Data de beatificação: 2 de Maio de 1989 Jovem cristão, Juan Bernardo Rousseau faz o catecismo em seu povo natal de Borgonha, França, quando lhe apresentam aos Irmãos que acabam de abrir uma escola numa cidade vizinha. Entra no Noviciado de París em 1822. Depois de dez anos de ensino nas escolas elementares, em França, o irmão Scubilion sai de França em 1833 para consagrar os trinta e quatro anos de vida que ficam os escravos da ilha da Reunião, no Oceano Índico. O chamam o "Catequista dos escravos"; inaugura classes de noite para eles e são numerosos os que vêm, ainda depois de uma dura jornada de trabalho. Inventa programas e técnicas especialmente adaptadas a suas necessidades e a suas capacidades, para poder ensinar-lhes o essencial da doutrina e da moral cristãs e prepará-los para receber os sacramentos.  Ganha sua amizade com suas atitudes cordiais e cheias de respeito para com eles. Depois da emancipação dos escravos em 1848, continua ocupando-se deles e os ajuda a adaptar-se a sua nova vida de liberdade e de responsabilidade. Durante os últimos anos de sua vida, apesar de sua saúde delicada, colabora com o clero local quando vai a visitar os enfermos, granjeando-se o coração dos pecadores, animando as vocações e até fazendo o que parece curas milagrosas. Quando falece é venerado em toda a ilha como a um santo. Nascido em Annay la-Côte, França, em 21 de Março de 1797. Entrado no Noviciado em 24 de Dezembro de 1822 Falecido na ilha da Reunião, em 13 de Abril de 1867. Beatificado em 2 de Maio de 1989

92534 > Beato Giovanni Bernardo Rousseau (fratel Scubilione) Religioso lasalliano 13 aprile MR

Urso de Ravena, Santo
bispo,

Urso de Ravena, Santo

Urso de Ravena, Santo

Martirológio Romano: Em Rávena, da Flaminia, Itália, santo Urso, bispo, que trasladou a sede episcopal desde Classe para esta cidade e dedicou a igreja catedral na festa de Páscoa sob o título de santa Anástasis1. Neste mesmo dia, passados alguns anos, emigrou para a glória da ressurreição. ( c.425) Urso, bispo de Classe, local permanente da sede episcopal em Ravena em torno ao ano 402, quando o imperador Honório, por razões de segurança estratégica põe na mesma cidade a capital de Ocidente. No catálogo Episcopal da Igreja de Ravena o nome de Urso precede imediatamente o de São Pedro Crisólogo, logo, supondo a exatidão da fonte episcopal, isto coloca a Urso em inícios do século V. Em Ravena Urso construiu a "Ecclesia Catholica”, quer dizer a catedral, (mesma que posteriormente foi chamada "Basílica Ursiana"), e a dedicou à Ressurreição de Nosso Senhor no dia de Páscoa. Segundo Agnello, Urso morreu depois de vinte e seis anos de episcopado em 13 de abril de um ano em redor de 425. Mas em Ravena tradicionalmente se celebra no domingo de Páscoa, aniversário da dedicação feita por Urso em dia de Páscoa do templo que hoje está dedicado à sua memória. Segundo a tradição Urso era de origem siciliana, detalhe que explicaria o culto a santos sicilianos em Ravena durante o século V. Reproduzido com autorização de Santiebeati.it responsável da tradução: Xavier Villalta

1Anástasis é um nome da palavra grega para Ressurreição de Cristo. Num significado mais restrito, se refere à descida de Cristo aos infernos, ou ao Limbo dos Patriarcas, com o fim de permitir sua entrada no céu. Este episódio se descreve de maneira mais breve no Novo Testamento (Mateus 27:52-53) e é mencionado no Credo Apostólico. Na liturgia cristã a miúdo se usa esta palavra, consagrando-se inclusive igrejas à Anástasis, sendo a mais famosa a de Constantinopla. Também a Basílica do Santo Sepulcro de Jerusalém se denomina de Anástasis.

90129 > San Sabas Reyes Salazar Martire Messicano 13 aprile MR



92623 > Beato Giacomo (Jacopo) da Certaldo Religioso 13 aprile



90714 > San Marice 13 aprile



91214 > San Marzio Abate in Alvernia 13 aprile



95460 > Beato Serafino Morazzone Sacerdote 13 aprile

 

000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000

  • 00000000000000000000000000000000000000000000000000000000
  • Localização geográfica da sede deste Blogue, no Porto
  • Viso---mapa_thumb_thumb_thumb_thumb_[2]
  • ===================================
  • 0000000000000000000000000000000000000000000000
  • $$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$SS
  • «««««««««««««««««««««««««««««««««««««««««««««««««««««««»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»
  • 1 - A integração dos textos editados MMI IMP S.r.l./IMP BV – impressa na União Europeia (Ver blogue nº 1153 – 3/1/12) que se refiram a alguns dos Santos hoje incluídos, continuara a ser efetuada diariamente desde que eu possua as respectivas pagelas na Coleção de Histórias de Santos que nos inspiraram, intitulada “Pessoas Comuns – Vidas Extraordinárias pelo que peço as minhas desculpas. AF.
  • Hoje POR EXEMPLO foi incluído como
  • Complemento na vida de
  • (Hermenegildo, Santo)Estrela
  • 2 - Sites utilizados: Os textos completos são recolhidos através do livro SANTOS DE CADA DIA, de www.jesuitas.pt. em que também incluo imagens recolhidas através de http://es.catholic.net/santoral,; em seguida os textos deste mesmo site sem tradução e com imagens, e por último apenas os nomes e imagens de HTTP://santiebeati.it.
  • 3 - Como já devem ter reparado, de vez em quando, segundo a sua importância há uma exceção da 1ª biografia, (ou biografias do Livro Santos de Cada Dia – já traduzidas – por natureza) que mais sobressaem, – quando se trate de um dia especial, dedicado a Jesus Cristo, a Nossa Senhora, Anjos ou algum Santo, em particular – todos os restantes nomes surgem por Ordem alfabética, uma, duas ou três vezes, conforme figurem nos três sites indicados, que poderão ser consultados - se assim o desejarem – pelos meus eventuais leitores. LOGICAMENTE E POR ESSE FACTO, DIARIAMENTE, O ESPAÇO OCUPADO, NUNCA É IGUAL, ACONTECENDO POR VEZES QUE É DEMASIADO EXTENSO.
  • Peço-vos a melhor compreensão e as minhas maiores desculpas e obrigado.
  • Responsabilidade exclusiva de ANTÓNIO FONSECA
    http://bibliaonline.com.br/acf; http://es.catholic.net; http://santiebeati.it; http://jesuitas.pt

    António Fonseca