OS MEUS DESEJOS PARA TODOS

RecadosOnline.com

terça-feira, 24 de abril de 2012

Notícias de blogs católicos - 24 de Abril de 2012

 

A Aparição de La Salette e suas Profecias: “2012”: mais santos falam que não vivemos no fim do mundo, mas nas proximidades de um triunfo divino


“2012”: mais santos falam que não vivemos no fim do mundo, mas nas proximidades de um triunfo divino

Posted: 22 Apr 2012 10:30 PM PDT

continuação do post anterior

Sonhos e antevisões proféticas de São João Bosco

Também o grande Dom Bosco ficou famoso pelas suas luzes proféticas. Em diversos “sonhos” e cartas, ele viu e apontou a vinda de uma terrível crise na Igreja e no mundo.
Nessas ocasiões, o santo piemontês anunciou um grande triunfo da Igreja e uma era de paz que afasta qualquer veleidade de um fim do mundo próximo. E menos ainda para 2012!
Poderíamos citar vários documentos incontestáveis do fundador dos salesianos. A exiguidade do espaço nos leva a escolher um: o “sonho das duas colunas”.

O santo narrou ter visto “uma multidão incontável de naves dispostas em ordem de batalha, (...) carregadas de fuzis e armas de diferentes classes; de material incendiário e também de livros, e dirigem-se contra outra nave muito maior e mais alta, tentando cravar-lhe o esporão, incendiá-la, ou ao menos fazer-lhe o maior dano possível.
“Em meio da imensidão do mar levantam-se, sobre as ondas, duas robustas colunas, muito altas, pouco distantes a uma da outra. Sobre uma delas está a estátua da Virgem Imaculada, a cujos pés vê-se um amplo cartaz com esta inscrição: Auxilium Christianorum.
“Sobre a outra coluna, que é muito mais alta e mais grossa, há uma Hóstia de tamanho proporcionado ao pedestal e, debaixo dela, outro cartaz com estas palavras: Salus credentium”.


A nave maior representa a Igreja e o comandante supremo é o Papa. O Pontífice assume o seu leme e tenta ancorá-la nas duas colunas. Mas,

São João Bosco e o sonho das duas colunas

São João Bosco e o sonho das duas colunas

“as naves inimigas dispõem-se todas a assaltá-la, fazendo o possível por deter sua marcha e afundá-la. Umas com os escritos, outras com os livros, outras com materiais incendiários de que contam em grande abundância, materiais que tentam arrojar a bordo; outras com os canhões, com os fuzis, com os esporões: o combate torna-se cada vez mais encarniçado”.


No auge da batalha, o Papa cai ferido de morte e falece. Um satânico brado se levanta das naves revolucionárias. Porém, apenas morto o Pontífice, outro ocupa o posto vacante. Superando todos os obstáculos, ele guia a nave até as duas colunas, e a amarra nelas. Então se produz uma grande confusão.

Os inimigos “dão-se à fuga, dispersam-se, chocam-se entre si e destroem-se mutuamente. Umas ao afundar-se procuram afundar às demais”. A nave capitã ocupada pelo Papa permanece tranquila e segura. No mar reina uma calma absoluta. (Pietro Zerbino (a.c. di), “I sogni di Don Bosco”, Leumann: LDC, 1995/2ª ristampa, pp 53-55).


São João Bosco escreveu muitas previsões para o ano seguinte num Calendário famoso na Itália, publicado sob o curioso título Il Galantuomo.
Na edição para o ano 1873, o santo parece ter visado as interpretações abusivas sobre os acontecimentos vindouros, esclarecendo o significado profundo dos anúncios celestes.

David vence Golias, Gustave Doré

David vence Golias, Gustave Doré

Ele escreveu:

“A nossa fé vencerá o mundo, e nossa oração será a pedra de David que arrebentará a cabeça do gigante Golias, quer dizer, os inimigos do Papa e, por isso mesmo, de Jesus Cristo. Deus prometeu que os maus não vencerão a Sua Igreja; o céu e a terra passarão, mas a palavra de Deus não passará.
“A Igreja pode ser perseguida, combatida, mas jamais será superada; e quando os ímpios se julgarem certos da vitória, então estejamos atentos, porque esse será o sinal de que está próximo o dia em que a Igreja vestida de festa cantará o ‘Alelluia’ de seu triunfo e o ‘De profundis’ por seus inimigos.
“São Pedro estava na prisão em Jerusalém e Deus mandou um anjo para libertá-lo milagrosamente das mãos de seus inimigos. Em nosso tempo, Deus quer fazer um grande milagre. Rezemos e, quando menos pensemos, ouviremos um grande estrépito e será a Torre de Babel que cairá por terra, como um dia caíram os muros de Jericó ao som das trombetas”. (“Il Galantuomo”, ed. 1873, págs. 10-11)


Poderíamos ainda consagrar incontáveis páginas às mensagens celestes recebidas neste sentido através de santos, beatos e almas de escol.

São Maximiliano Maria Kolbe, OFM Conv

São Maximiliano Maria Kolbe, OFM Conv

São Maximiliano Kolbe: a estátua da Imaculada entronizada no coração de Moscou

A limitação de espaço obriga-nos a ficar por aqui, não sem antes citar um santo que precisaria ser mais conhecido no Brasil: São Maximiliano Kolbe. Em 1937, quando a Rússia gemia sob os massacres stalinistas, ele escreveu:

“Não acreditamos estar longe nem ser puro sonho o advento do dia grandioso em que a estátua da Imaculada será entronizada pela obra de seus apóstolos no próprio coração de Moscou!” (Cf. “L’Osservatore Romano”, 14-15 fevereiro 1937).


Impossível encontrar uma imagem mais expressiva do vindouro triunfo do Coração Sapiencial e Imaculado de Maria. Os boatos enganadores sobre 2012 resistem sequer a um início de comparação.

Continua no próximo post

================================


Boletim de 23 de Abril de 2012

A partir deste momento pode ler toda a actualidade em http://www.alternativaportugal.org


DESTAQUES

25 de Abril. Veladas pela Vida. Noite de Oração

Na noite do dia 25, às 21h30, a Palavra e a Oração vão espalhar-se por todo o País. Levaremos o sentido da Vida porta a porta, muralha a muralha, por todas as calçadas das cidades. À porta de hospitais e clínicas, em praças, jardins ou igrejas, os cristãos erguem as mãos em oração pela Vida. Rezaremos para que o Bem triunfe sobre o mal. Junte-se a centenas de pessoas que acreditam que Portugal vai encontrar o caminho da Vida...

Recolha de bens para ajudar grávidas e mães que se encontram carenciadas

A Plataforma Algarve pela Vida, no âmbito do apoio a várias grávidas e mães do distrito do Algarve, lançou uma campanha de recolha de fraldas descartáveis para todas as etapas do crescimento. Solicitamos a todos a generosidade na mobilização para esta causa social de apoio aos que nascem e às suas famílias que precisam, em alguns casos, de forma desesperada de ajuda

. A recolha destes bens está a ser feita em dois pontos do Algarve. Na zona do sotavento, os bens podem ser entregues na Avenida Duarte Pacheco, nº 145 – 1º Dto., em Almancil; e no barlavento, na Cáritas de Portimão, junto à sede do Corpo Nacional de Escutas, ao lado da Igreja do Colégio, em Portimão.

Alternativa Portugal: Construir o Futuro dos Portugueses!

Um grupo de portugueses, dos que não usam etiquetas nem coleiras partidárias, decidiu, nesta hora difícil que o País atravessa, constituir o movimento Alternativa Portugal para dar voz à defesa dos valores e princípios da civilização cristã e mobilizar os Portugueses para a meritória tarefa de salvar a Pátria que se encontra em grave perigo. Fazemo-lo para defender ideias e para preservar os valores morais e tradicionais da Vida, da Família e da Nação Portuguesa, que pretendemos servir acima de quaisquer conveniências ou proveitos.

ACTUALIDADE E NOTÍCIAS

OPINIÃO

Colabore na recolha de assinaturas pró Referendo Vida

A defesa da Vida será sempre um desígnio nacional.

É hora de despertar para defender a Vida sempre! Nesse sentido, prossegue a recolha de assinaturas a favor da realização de um "Referendo Vida" no qual, de uma assentada, esperamos banir o "aborto a pedido" e atalhar a eutanásia. Temos de intensificar o nosso trabalho, na certeza de que a Causa é justa. Quanto mais cedo conseguirmos terminar, mais vidas poderão salvar-se! Colabore connosco!

Visite a Livraria da Alternativa Portugal

Livraria patriótica ao serviço da cultura. Clube do Livro com mais de 60 obras disponíveis para venda postal.


ALTERNATIVA PORTUGAL

Apartado 14178 | 1064-002 Lisboa | Portugal

www.alternativaportugal.org | E-mail: info@alternativaportugal.org

.



Esta mensagem foi enviada em 22-04-2012 20:09:31 para o e-mail aarfonseca@hotmail.com.Para garantir a recepção de todos os nossos boletins, aconselhamos que adicione info@alternativaportugal.org à sua agenda de endereços. Se recebe este correio electrónico é porque o subscreveu ou porque o seu endereço foi indicado por um amigo. Caso não pretenda receber mais informações, envie por favor uma mensagem para REMOVER e será automaticamente retirado desta lista de distribuição.

Se quiser ajudar a divulgar o movimento Alternativa Portugal, pode enviar esta mensagem para os seus contactos. Nós agradecemos.

Símbolo de copyright 2012 Alternativa Portugal

=============================================

CEFAScast


138 - Ladainha do Santo Nome de JESUS

Posted: 20 Apr 2012 01:44 AM PDT

Nesta semana trazemos esta linda oração. A Ladainha do Santíssimo Nome de JESUS!

Esta oração faz parte da Consagração Especial à Nossa Senhora segundo o método de São Luiz Maria de Montfort.

Se quiser saber mais sobre esta consagração clique aqui!


Shalom!

CLIQUE AQUI PARA BAIXAR O ÁUDIO

(Clique com o botão direito "Salvar como...")

Clique aqui para baixar no formato zip

MÚSICAS UTILIZADAS
Neste nome há poder - Padre Cleidimar
Neste nome há poder - Brais Oss

=====================================

Transcrição por intermédio de vários sites de blogs católicos em 24 de Abril de 2012 e publicados às 14,30 horas por

ANTÓNIO FONSECA

Nº 1265 - 2ª Página – ACTOS DOS APÓSTOLOS – Evangelista S. Lucas – 24 DE ABRIL DE 2012

 
++++++++++++++++++++++++
 
 
Nº 1265-2ª Página
 
 
ACTOS DOS APÓSTOLOS
 
 
VI – PRISIONEIRO DE CRISTO
 
 
28 h) Paulo em Malta – Depois de salvos é que soubemos que a ilha se chamava Malta. Os nativos trataram-nos com invulgar humanidade, pois acenderam uma grande fogueira, junto à qual nos recolheram a todos, por causa da chuva que estava a cair e por causa do frio. Paulo juntou um braçado de lenha seca e, ao lançá-la à fogueira, o calor fez saltar uma víbora que se lhe enroscou na mão. Quando os nativos viram a serpente pendurada na mão dele, disseram uns aos outros. «Com certeza esse homem é um assassino, pois conseguiu salvar-se do mar, mas a justiça divina não o deixou viver». Ele, então, sacudindo o réptil para o fogo, não sofrendo dano algum, enquanto eles esperavam que viesse a inchar ou a cair repentinamente morto. Depois de terem aguardado muito tempo e verem que nada de anormal lhe acontecia mudaram de opinião e começaram a dizer que ele era um deus. Nas proximidades daquele sítio, havia umas terras pertencentes ao Primeiro da ilha, que se chamava Públio, o qual nos recebeu e durante três dias nos hospedou da forma mais cordial. Ora, o pai de Públio estava retido no leito com febre e disenteria. Paulo foi vê-lo e depois de rezar, impôs-lhe as mãos e curou-o. Em consequência disso, os outros enfermos da ilha vieram também procurá-lo e foram curados. Eles, por sua vez, cumularam-nos de honras e, na altura da partida, proveram-nos do que era necessário.
 
 
De Malta a RomaVolvidos três meses, embarcámos num barco de Alexandria com o emblema dos Dióscoros, que tinham passado o inverno na ilha. Aportámos a Siracusa, onde ficámos três dias e, de lá contornando a costa, chegamos a Régio. No dia imediato, levantou-se o vento sul e em dois dias alcançámos Putéolos, onde encontrámos irmãos que nos convidaram a passar sete dias com  eles. E assim é que fomos para Roma. Os irmãos daquela cidade, prevenidos da nossa chegada, vieram ao nosso encontro até Foro de Ápio e Três Tabernas. Paulo, ao vê-los, deu graças a Deus e cobrou ânimo. Quando entrámos em Roma, Paulo foi autorizado a ficar em alojamento próprio com  o soldado que o guardava.
 
Paulo e os judeus de Roma Três dias depois ele convocou os principais dos judeus e, quando estavam todos reunidos, disse-lhes: «Irmãos, embora nada tenha feito contra o povo ou contra os costumes paternos, fui preso em Jerusalém e entregue às mãos dos romanos. Estes, depois de me terem interrogado, queriam libertar-me, por não haver em mim crime algum digno de morte. Mas, como os judeus se opuseram, fui constrangido a apelar para César, sem querer, de modo algum, acusar o meu país. Foi por este motivo que pedi para vos ver e falar, pois é por causa da esperança de Israel que estou envolto nestas cadeias». Eles responderam-lhe: «Nós não recebemos da Judeia carta alguma a teu respeito e não chegou aqui nenhum irmão que contasse ou dissesse qualquer mal de ti. Desejámos, porém, ouvir da tua boca o que pensas, pois quanto à seita a que pertences, sabemos todos que, por toda a parte, encontra oposição». Marcaram, então, o dia e vieram ter com, ele, em maior número, ao seu alojamento. Desde pela manhã até à tarde, Paulo não cessou de lhes dar o seu testemunho. Falou com eles do Reino de Deus e procurou convencê-los do que diz respeito a Jesus, invocando a lei de Moisés e os Profetas. Alguns deixaram-se persuadir com as palavras; outros, porém, mantiveram-se incrédulos. Estando em desacordo uns com os outros, começaram a separar-se. Paulo apenas disse estas palavras: «Com razão falou o Espírito Santo a vossos pais pela boca do profeta Isaías, dizendo:
 
«Vai ter com esse povo e dize-lhe:
 
Ouvireis com os vossos ouvidos, mas não compreendereis;
vereis com os vossos olhos, mas não distinguireis,
Porque o coração deste povo está endurecido;
Taparam os ouvidos e fecharam os olhos,
não fossem ver com os olhos,
ouvir com os ouvidos,
entender com o espírito e converter-se para eu os curar».
 
«Ficai agora sabendo: Esta salvação de Deus foi enviada aos pagãos que a hão-de escutar». Depois de ele ter dito estas palavras, os judeus retiraram-se, travando entre eles animada discussão.
 
 
Epílogo - Paulo permaneceu dois anos inteiros no alojamento que alugara, onde recebia todos os que iam procurá-lo, anunciando o Reino de Deus e ensinando o que diz respeito ao Senhor Jesus Cristo, com o maior desassombro e sem impedimento.
 
********************************************************************************************
 
Nota pessoal sobre os últimos versículos 30 e 31 dos Actos dos Apóstolos que acabo de transcrever:
 
30. Na prisão de Roma escreveu, São Paulo as quatro cartas chamadas do Cativeiro, no ano 62 ou 63 aos Filipenses (1,  3), Efésios (4, 1), Colossenses (4, 3) e Filémon (1, 2).
 
31. O leitor ficará, certamente, desapontado com a forma brusca e inesperada de terminar este livro. A todos nos acontece o mesmo. São muitas as explicações que se propõem para este facto. Parece-nos mais verosímil a que já repetimos várias vezes: com a chegada de Paulo a Roma, o autor dos Actos viu cumprido o seu plano. Este abarca-se no conjunto das duas obras lucanas: o Evangelho e os Actos. No Evangelho, a luz de Cristo vai da Galileia a Jerusalém, nos Actos, vai de Jerusalém a Roma. Chegado a este ponto, deixa os leitores em suspenso, pois o seu plano terminara. Entretanto, convém notar que o Evangelho chegara a Roma, muito antes de Paulo. Leia-se a Introdução à carta aos Romanos. Apesar disso, deve manter-se que Lucas traçou o seu plano, como acima ficou dito, também para demonstrar a vocação de Paulo e defendê-lo perante o sector judio-cristão, que lhe era muito adverso (cf Act 15; 21, 18-25; Gal 2). Os Actos são, assim uma apologia de Paulo. Por isso, apesar do título “Livro dos Actos dos Apóstolos» – e isto é uma nova surpresa para o leitor – este livro limita-se a falar de Pedro e de Paulo. É que o título deste livro não foi dado pelo autor. Só mais tarde começaram os cristãos a designá-lo por tal nome. Daqui se conclui que o autor não tinha intenção de narrar a vida de todos os Apóstolos. Destes através da Bíblia, apenas sabemos o que os Evangelhos e os Actos nos referem, juntamente com as notícias das Epístolas e as conjecturas que elas sugerem.
 
Escrito e publicado em 24 de Abril de 2012 – 11,00 horas – por António Fonseca, no blogue SÃO PAULO (e Vidas de Santos) nº 1265.
 
=============================================================
 
Amanhã, dia 25/4/12, se Deus o permitir, encetarei a transcrição das CARTAS DE S. PAULO, com a Introdução e o nº 1 da Carta aos Romanos.

António Fonseca

Nº 1265 – 1ª Página – (110/2012) - SANTOS DE CADA DIA – 24 de Abril de 2012 - 4º ano – Terça-feira

Nº 1265 – 1ª Página – 2012
12-4-12_thumb2_thumb_thumb_thumb_thu
#####################################
A Terra vista da Lua
##################################### #####################################

24 DE ABRIL DE 2012

Terça-feira

Fidel (ou FIEL) de Sigmaringa, Santo

Sacerdote e Mártir,Padroeiro dos advogados – Mártir (1577-1622)

Fidel de Sigmaringen, Santo

Marcos Rei, era este o nome do santo antes de ser religioso, nasceu em 1577, em Sigmaringa, na Alemanha. Fez os primeiros estudos na universidade de Friburgo, onde brilhou tanto que mereceu o título de filosofo cristão. Fixou residência em Colmar, na Alsácia, onde exerceu com muita distinção e integridade a advocacia. Mas, pouco depois, deixou o mundo e retirou-se para os Capuchinhos de Friburgo, onde tomou o hábito em 1612 e recebeu o nome de Fiel. O novo religioso andou a passos de gigante pelo caminho da perfeição. Todavia não foi inacessível ao tentador. Este procurou apoderar-se do seu espírito; inquietou-o com dúvidas sobre o bem que poderia fazer se ficasse no mundo. Foi ter com o mestre de noviços, o qual lhe mostrou que as suas dúvidas vinham do espírito das trevas, e que era preciso dirigir-se ao Senhor a fim de conhecer a sua vontade. “Ó meu adorável Salvador!exclamou o zeloso noviçodai-me aquela alegria salutar e paz de espírito, cujas doçuras eu gozava nos felizes começos da minha vocação. Fazei, ó meu Deus, que descobrindo-me a vossa vontade, eu triunfe do meu inimigo e das minhas paixões”.

Fidel de Sigmaringen, Santo

Fidel de Sigmaringen, Santo

Viu claramente a origem das suas incertezas, o quem lhe deu novo ardor para os seus exercícios espirituais. Quis cortar para sempre com o mundo. Com permissão do superior, mandou chamar um notário, doou os seus bens ao seminário, em favor de muitos jovens eclesiásticos, a fim de lhes facilitar os meios de eles continuarem os estudos. Assim despojado de tudo, dispôs-se a entrar para sempre na feliz pobreza dos filhos de S. Francisco. Os superiores desejavam tornar úteis ao próximo as suas virtudes. Quando Fiel terminou o curso de teologia e foi elevado ao sacerdócio, encarregaram-no de pregar a palavra de Deus e ouvir confissões. Exerceu este ministério com, o maior fruto sobretudo em Weltkirchen, aonde o enviaram como superior do convento, e onde operou conversões prodigiosas de muitos calvinistas. Declarando-se nesta cidade uma doença contagiosa, Fiel consagrou-se inteiramente ao cuidado dos emprestados. A sua reputação tornou-se tal que, tendo a Congregação de Propaganda, estabelecida por Gregório XV, pedido ao provincial dos Capuchinhos missionários zelosos para deter a torrente de heresia que invadia a Suíça, foi posto à frente desta missão. Aceitou alegremente, pios esperava ter muito que sofrer. Contava mesmo com o martírio. Nas primeiras conferências que teve com os calvinistas, converteu dois homens célebres. Os seus adversários, não encontrando outro meio de responder ao poder da sua palavra e dos seus exemplos, resolveram matá-lo, sob pretexto de quererem libertar o país do jugo da Áustria, o que era, diziam eles, dificultado pelas pregações deste monge. Informado do que se passava, o grande missionário não tomou outra precaução que não fosse a de se confessar. E continuou os trabalhos apostólicos, querendo morrer com as armas na mão. Começou a assinar-se: “Irmão Fiel, que dentro em breve será pasto dos vermes”. A 24 de Abril de 1622 foi a Sévis, onde exortou os católicos a permanecerem na verdadeira crença. Enquanto pregava, um calvinista dirigiu contra ele um tiro de mosquete, que o não atingiu. Pediram-lhe que pusesse a sua vida em segurança, respondendo ele que não temia a morte e estava pronto a derramar o sangue pela causa de Deus. No mesmo dia partiu para Grusch, onde caiu nas mãos dum grupo de calvinistas que tinham um ministro à sua frente. Trataram-no como sedutor e quiseram-no obrigar a abraçar a pretendida reforma. “Eu vim, respondeu ele, para refutar os vossos erros e não para os abraçar; não renunciarei à doutrina católica,que é a doutrina de todos os séculos. Além disso, estai certos de que não temo a morte”. Tendo-o um deles lançado por terra, ferindo-o com a espada, Fiel levantou-se sobre os joelhos e disse esta oração: “Meu Jesus, tende piedade de mim; Santa Maria, Mãe de Deus, assisti-me”. Recebeu em seguida um segundo golpe. caindo por terra banhado em sangue; crivado logo depois com punhaladas, morreu mártir na idade de 45 anos. Bento XIII beatificou-o em 1729, e Bento XIV canonizou-o em 1745. S. Fiel foi o primeiro mártir dos missionários enviados pela Propaganda. Do livro SANTOS DE CADA DIA, DE WWW.JESUITAS.PT. VER TAMBÉM WWW.ES.CATHOLIC E WWW.SANTIEBEATI.IT

26900 > San Fedele da Sigmaringen Sacerdote e martire 24 aprile - Memoria Facoltativa MR

COMPLEMENTO

Marc Roy de seu verdadeiro nome, Fiel doutorou-se em filosofia pela Universidade de Friburgo, em 1603, e em seguida estudou direito ao mesmo tempo que se dedicava à docência. Durante seis anos, foi o tutor de um grupo de jovens aristocratas que viajavam pela Europa, de universidade. Além de ajudá-los nos estudos, ensinou-lhes a viver de acordo com a Palavra de Deus e a praticar a generosidade para com os pobres. Em 1611, Marc doutorou-se em direito civil e canónico e iniciou o exercício da advocacia, oferecendo os seus serviços aos necessitados. Depressa se revoltou contra as tácticas desonestas utilizadas pelos seus colegas advogados. Desistiu da carreira e foi ordenado padre. Ingressou na Ordem dos Franciscanos Capuchinhos e escolheu o nome de Fiel. Fiel dedicou-se a tratar dos doentes e fiz-se mesmo que curou muitas pessoas durante uma epidemia.
Espalhar a Palavra de DeusFiel foi também um pregador de talento. Em 1608, foi em missão à Suíça, que se convertera ao Protestantismo, acompanhado de outros frades. De início, teve grande êxito e fez muitas conversões. Mas as autoridades suíças julgaram que Fiel e os seus companheiros representavam a dinastia católica de Habsburgo, que estava empenhada em apoderar-se da Suíça e consideraram os missionários uma ameaça. A situação agravou-se e, a 24 de Abril de 1622, Fiel foi alvejado a meio de um sermão. Escapou ileso, mas 20 homens perseguiram-no e exigiram-lhe que abandonasse a sua Fé. Fiel respondeu: «Vim aqui para vos esclarecer e não para aceitar os vossos erros». Foi morto imediatamente.
No seu rasto
Antes de se tornar frade franciscano, Fiel ofereceu aos pobres representação legal.
Felizmente, hoje existem vários advogados que fazem o mesmo. Um exemplo é o da americana Nancy Mintie que, depois de se licenciar em direito, quis praticar advocacia num local onde as pessoas tivessem pouca ou nenhuma assistência jurídica. Assim, estabeleceu-se numa zona pobre de Los Angeles e, numa garagem nas traseiras de uma sopa dos pobres, criou um gabinete de apoio, oferecendo assistência jurídica gratuita a pessoas necessitadas. Também em Portugal pode ser encontrado apoio jurídico gratuito. Muitas juntas de freguesia possuem um gabinete jurídico de assistência às populações. A Misericórdia, através dos seus serviços de assistência social, pode também fornecer informações e apoio jurídico aos mais carenciados. Pense em formas de colocar a sua atividade profissional, os seus estudos, talentos ou interesses ao serviço dos que deles necessitam.
Oração
Ó Deus que abrasastes São Fiel em ardor seráfico da verdadeira Fé e Vos dignastes adorná-lo com a palma do martírio e a glória dos milagres, Vos pedimos, pelos seus méritos e intercessão, nos confirmeis, pela Vossa graça, na Fé e na caridade, de modo a permanecermos fieis no Vosso serviço até à morte. Por Nosso Senhor Jesus Cristo. Ámen.
(Oração da Liturgia das Horas)
No período da vida de São Fiel (1578-1622) ocorreram diversos acontecimentos dos quais se destacam: Colonos chegam a Jamestown na Virgínia (1607); William Gascoigne inventa o micrómetro (1639); Batalha de Alcácer Quibir (1578); William Harvey publica as suas descobertas sobre a circulação sanguínea (1628).

 

Maria de Santa Eufrásia Pelletier, Santa

Fundadora, Virgem (1796-1868)

María de Santa Eufrasia Pelletier, Santa

Maria de Santa Eufrásia Pelletier, Santa

Rosa Virgínia Pelletier viu a luz em Noirmoutier, França, a 31 de Julho de 1796, filha dum médico piedoso e caritativo, que morreu quando a nossa Santa, seu oitavo filho, não tinha mais de dez anos. Colocada como interna num colégio de Ursulinas, e depois em Tours numa comunidade religiosa em formação, Rosa não ocultou o seu desejo de abraçar mais tarde o caminho dos conselhos evangélicos. sendo jovem muito alegre, mas distintíssima e muito ponderada, orientou-se, no meio das provas dirigidas pelas suas mestras, para a congregação do Refúgio ou do Bom Pastor, fundada em 1641 por S. João Eudes. A Irmã Maria de Santa Eufrásiatinha 19 anos – aplicava-se principalmente a meditar a Sagrada escritura, mas também a examinar os pormenores da organização do instituto e dos seus progressos possíveis. O que tinha em vista, e realizou quando foi eleitora superiora em 1825, era o ramo das Madalenas, distinto das Penitentes e das Preservadas, constituindo verdadeira congregação de Religiosas recrutadas sobretudo entre as arrependidas. Os oito anos que decorreram entre a profissão religiosa da Irmã Maria e a sua eleição foram utilizados em penetrar a psicologia das penitentes: “Tratava essas jovens como se visse em cada uma tanta delicadeza e boa vontade, como ela pela sua parte lhes mostrava”. Foi durante os seus dois triénios que a Madre Maria de Santa Eufrásia organizou as suas Madalenas: encerradas como todas as outras internas, viviam à parte e seguindo uma vida dura; rezavam, o ofício e recebiam direção espiritual apropriada. O empenho da superiora não a isentava de melhorar o vestuário, a alimentação e as instalações do seu rebanho. Em Tours havia então, em 1830, 70 penitentes, 12 madalenas e 80 órfãs que requeriam ser preservadas. O pensamento que guiara a Madre Eufrásia na mais notável inovação deste apostolado foi a grande estima do valor santificante da vida religiosa; uma vida de oração, como a que ela propunha às Madalenas, “valia mais que mil belas palavras das irmãs, destinadas a converter essas pobres raparigas”. Para além mesmo desta iniciativa, o espírito de fé da Madre Pelletier teve sempre de exercitar-se, pois os revezes não faltaram: os traficantes da inocência feminina provocaram repetidamente revoltas ou ataques contra as religiosas. As desordens de 1830 causaram, a partida de bastantes noviças; mesmo a natureza da obra não deixava de exigir, da parte dos protetores, certa confiança na superiora; mas não deixava de haver hesitações em a oferecer às cegas. E os superiores eclesiásticos, temendo que a autoridade que tinham não fosse respeitada ao tratar-se de instituir um posto de superiora geral, não reservaram a oposição que sentiam. “Os princípios em Angers (lá se tinha ela fixado em 1831) foram muito custosos; sem móveis, sem cobertores, sem vestuários, por vezes sem alimentação, ficámos um ano sem Missa, fora do domingo e quinta-feira. O senhor Bispo tinha o ar de não saber da nossa existência, e outras pessoas, que desejavam fazer-nos bem, julgavam que nós éramos riquíssimas"! Mas o santo fervor não desfaleceu nunca. A Madre escrevia depois das espoliações e perseguições de 1848: “As lágrimas correm às torrentes, mas a paz mantém-se… O Pai de família vem semear entre nós cruzes bem pesadas; é para que, desenvolvendo-se em nós mais profundamente as raízes da humildade, nos possamos desenvolver e elevar-nos mais e mais”. A virtude cardeal de fortaleza explodiu na santa quando, tendo-se a congregação desenvolvido, foi preciso pensar em dar-lhe organização canónica definitiva. Tendo consciência do papel mundial do seu instituto, a fundadora pretendia colocá-lo sob a protecção da santa Sé e para isto ligá-lo diretamente a Roma, de maneira que nenhum bispo pudesse mudar fosse o que fosse nas constituições. Apoiada no bispo de Angers e apesar da oposição duma dúzia de bispos franceses, a Madre Pelletier conseguiu obter do papa Gregório XVI que desse à congregação um cardeal protetor. O cardeal Odescalchi – tinha contribuído para a restauração beneditina e dominicana na França e não havia quem o não considerasse homem santíssimo – veio a ficar superior geral. O desenvolvimento magnifico do Instituto, a partir deste ano de 1835, exigiu que a Madre Maria de Santa Eufrásia exercesse uma vigilância e uma atividade de cada momento; a unidade da obra – do seu espírito e dos esforços – tinha de manter-se. A formação de mais de uma centena de noviças exigia sobretudo muita solicitude maternal; isto para não falar das fundações na Europa, na África e na América, e dos cuidados que as tinham de acompanhar. A Santa dedicava a tudo isto valentia, gozo sobrenatural profundo e abandono nas mãos de Deus, admirável. “Tendo concebido todas as nossas na Cruz, amo-as acima da minha própria vida; depois, este amor está baseado em Deus e no conhecimento da minha miséria, pois reconheço que, se tivesse tanto tempo de profissão como elas, não suportaria nem as privações nem os trabalhos que elas suportam”. Como os santos todos, também a Madre Pelletier foi alma de muita oração. A atividade incansável não a impediu de se elevar até tão alto grau de união mística. “Quando não tiverdes senão Deus, minhas queridas filhas, a vossa oração será mais pura, a vossa prece mais fervorosa… Eu consentiria em estar muito tempo privada da felicidade do Céu, contanto que, na terra, tivesse Nosso Senhor para amar na Eucaristia e almas para salvar… Ah! minhas Filhas, quanta fé nos dão as cruzes"! A ela se deve a Congregação de Nossa Senhora da Caridade do Bom Pastor de Angers , também viva em Portugal. Em 1868, uma crise de fígado e um cancro só tarde descoberto evenceram as forças da Madre. A 24 de Abril , separou-se a alma do corpo, que iria ficar sem corrupção aparente durante várias dezenas de anos: “Sinto Deus em mim e a sofrer comigo”. Foi Pio XII quem a canonizou, a 2 de maio de 1940. Do livro SANTOS DE CADA DIA, DE WWW.JESUITAS.PT. VER TAMBÉM WWW.ES.CATHOLIC E WWW.SANTIEBEATI.IT

50675 > Santa Maria di S. Eufrasia (Rosa Virginia Pelletier) Fondatrice 24 aprile MR

COMPLEMENTO

Batizada com o nome de Rose-Virginie Pelletier, Maria nasceu na ilha frabncesa de Moirmoutier em 1796. Na juventude foi estudar para Tours, onde ingressou no Instituto de Nossa Senhora da Caridade do Refúgio. Essa Ordem oferecia protecção a jovens e a mulheres que tinham  deixado a prostituição. Tomou o nome de Maria de Santa Eufrásia e dedicou-se à missão da Ordem, demonstrando grande espírito de liderança. Aos 29 anos foi eleita madre superiora do Convento de Tours. Em 1829, abriu na companhia de outras irmãs um novo convento em Angers. Regressou a Tours, mas em breve teve de voltar a Angers devido às dificuldades económicas dessa casa. Maria contava com o apoio de outras casas, mas a estrutura do Instituto exigia que cada convento se mantivesse independente.
De projeto a realidade Maria considerava que a estrutura autónoma dos conventos causava problemas e esperava criar um sistema centralizado. Teve de enfrentar a oposição de algumas irmãs e bispos que temiam perder influência sobre os conventos locais. Apesar de ser acusada de obstinada e ambiciosa, continuou a lutar pelo seu plano. Em 1835, o Convento de Maria em Angers foi finalmente reconhecido como a casa-mãe de uma nova Ordem, o Instituto de Nossa Senhora da Caridade do Bom Pastor. Continuaram a missão  de oferecer ajuda espiritual e material a mulheres abandonadas. Sob a sua direção, a Ordem cresceu rapidamente e quando Maria faleceu, em 1868, tinha mais de 100 conventos.
No seu rasto
 
A obra de Maria continua hoje através da sua Ordem, as Irmãs do Bom Pastor. Com 48 provinciados em todo o mundo, incluindo várias casas em Portugal, e mais de 5000 irmãs, a Ordem continua a ter como objectivo ajudara as jovens, especialmente aquelas que forma vítimas de opressão e de injustiça. Além disso, as irmãs lutam por mudar as estruturas políticas, e económicas e sociais que causam a esses problemas.
Algumas irmãs dedicam-se ao trabalho apostólico ativo, inserindo-se em programas comunitários que visam mudanças sociais. Outras seguem uma via contemplativa, dedicando-se a rezar pelas outras Irmãs e pelas mulheres que a Ordem tenta auxiliar. Entre as atividades da Ordem incluem-se:
* Cuidados e apoio a jovens, famílias e pessoas sem abrigo.
* Aconselhamento e trabalho pastoral em prisões, hospitais, lares de idosos e centros de acolhimento.
* Promoção de mais oportunidades económicas para as mulheres.
Junte-mo-nos às orações da Irmãs rezando por todas as jovens e mulheres que sofrem e necessitam de auxílio.
 
Oração
Deus de compaixão, possa cada batida do meu coração ser uma oração para obter a Tua graça e preocupação com todos os que estão perdidos neste mundo. Possa cada respiro meu ser uma oração pedindo a Tua misericórdia para aqueles que mais precisam. possam todos aqueles para quem olho ver-se a si próprios como Tu os vês a eles. Que todos aqueles que toco sintam a Tua mão. possam sentir-se valiosos devido à Tua presença eterna e misericordiosa. Esteja eu sempre aberta para receber o Teu amor e ser um instrumento do Teu amor no mundo. Ámen.
(De uma oração de Santa Maria Eufrásia Pelletier)
 
No período da vida de Santa Maria Eufrásia Pelletier (1796-1868) ocorreram diversos acontecimentos dos quais se destacam: George Eastman aperfeiçoa a câmara fotográfica “Kodak” (1888); Jenner descobre a vacina contra a varíola (1796); Vida de Tchaikovsky, compositor russo (1840-1893); Guerra Franco-Prussiana (1870).
 

Gregório de Elvira ou de Illiberis
Bispo

Gregorio de Elvira o de Illiberis

Gregório de Elvira ou de Illiberis

Em Elvira, antiga sé episcopal da Andaluzia, no século IV floresceu S. Gregório, prelado digno de eterna memória pelo zelo apostólico, eminente ciência, grande santidade e principalmente pela inflexível constância em não comunicar nunca com os hereges arianos. O arianismo penetrara até ao Ocidente depois de desolar toda a Igreja oriental. Foi protegido pela autoridade do imperador Constâncio, acérrimo defensor da impiedade e perseguidor atroz dos prelados católicos, sendo os mais zeloso dentre eles desterrados das suas sés. Para tranquilizar e extirpar uma discórdia tão perniciosa como geral, que pôs a Igreja em estado deplorável, convocou-se em Rimini um concílio no ano de 359, o qual, tendo um princípio santo, teve um fim muito desgraçado. Haviam concorrido a ele mais de 400 bispos do Ocidente, e já tinham passado sete meses de ausência das suas igrejas, sem que os negócios se resolvessem a contento de todos. Era a astúcia ariana, que punha obstáculos, valendo-se duma fórmula de palavras artificiosas, com que confundisse os católicos. Gregório a nada atendeu tanto com o a conservar a fé verdadeira nos termos precisos em que se definira no 1º Concílio geral de Niceia. Soube desarmar as capciosas invectivas dos arianos e tornar patentes os artifícios de linguagem, usados na fórmula de fé que propunham. Mantinha-se ele inflexível em não comunicar com os prelados suspeitos de heresia. Não o atemorizaram os castigos com que eram ameaçados todos os que resistiam a prestar o seu consentimento aos injustos decretos do Imperador. Santo Eusébio de Vercelli foi um dos insignes prelados que defenderam em Rimini a fé católica contra todo o poder dos arianos, sendo por isso desterrados das suas sés. Na carta que escreveu ao nosso Santo, elogia-lhe a constância em se ter recusado a tratar com os bispos que, no conflito de Rimini, tinham comunicado com Ursário e Valente, defensores da heresia. Finalmente, cheio de merecimentos, depois de governar a sua Igreja por muitos anos como zeloso pastor, morreu no Senhor pelos fins do século IV. Do livro SANTOS DE CADA DIA, DE WWW.JESUITAS.PT. VER TAMBÉM WWW.ES.CATHOLIC E WWW.SANTIEBEATI.IT

50640 > San Gregorio di Elvira Vescovo 24 aprile MR

Benito Menni, Santo
Fundador

Benito Menni, Santo

Benito Menni, Santo

Martirológio Romano: Em Dinan, em França, são Benito (Ángel) Menni, presbítero da Ordem de São João de Deus, fundador da Congregação das Irmãs Hospitalárias do Sagrado Coração de Jesús (1914). Etimologicamente: Benito = Aquele a quem Deus bendiz, é de origem latina. Etimologicamente: Ángel = Aquele que é portador de uma mensagem, é de origem grega. A cidade de Milão foi seu berço, havendo nascido e sido batizado no mesmo dia 11 de março de 1841. Pôs-se-lhe o nome composto de Ángel-Hércules, que foi como uma premonição do espírito e força, que havia de caracterizar sua personalidade. Era o quinto de quinze filhos do matrimónio formado por Luis Menni e Luisa Figini. Em seu lar cálido e acolhedor achou o apoio e estímulo para seu desenvolvimento intelectual e personalidade. A chamada de Deus seguiu-a cedo: fino de consciência, deixou um bom trabalho num banco e, altruísta ante o que sofre, se ofereceu a ajudar à mudança dos soldados feridos que chegavam da batalha de Magenta, perto de Milão. Admirado da entrega que então descobriu nos Irmãos de São João de Deus, aos 19 anos pediu o ingresso na Ordem Hospitalária. Com o nome de Bento iniciou a vida religiosa e se consagrou a Deus e à assistência dos enfermos; com o mesmo nome o veneraremos como São Bento Menni. Durante seus estudos de enfermeiro e sacerdote foi forjando sua personalidade religioso-hospitalária, que pôs á disposição dos superiores, quer dizer da causa em favor da sociedade mais necessitada, como eram tantos enfermos. Espanha, o berço da Ordem Hospitalária (ou Hospitaleira), vivia entre lutas políticas em declarada hostilidade contra o religioso, enquanto a obra de João de Deus havia ficado praticamente extinta; necessitava de um impulso renovador, e Bento Menni será a pessoa providencial para sua realização. Destinado a Espanha em 1867, levou a cabo suas duas grandes obras: a restauração da Ordem de São João de Deus e a fundação da Congregação feminina, "Irmãs Hospitalárias do Sagrado Coração de Jesús". Seu espírito magnânimo, capacidade e disposição o ajudaram a superar muitas dificuldades e tomar grandes iniciativas de especial consideração em prol dos enfermos e sua assistência integral. Mandado pelo então Geral da Ordem Juan M. Alfieri, que sempre foi seu apoio, e com a bênção do papa Pío IX antes de sair de Roma, Bento Menni manifesta desde o primeiro momento sua forte vontade e espírito decidido. Aos poucos meses abre com êxito o primeiro hospital infantil de Espanha em Barcelona (1867), que constitui o inicio de sua extraordinária obra restauradora, que dirigirá durante 36 anos. Desde o primeiro momento, graças a seu empenho vocacional, se lhe uniram numerosos e generosos seguidores, com os quais por sua vez poderá dar continuidade às novas instituições hospitalárias, que se multiplicarão por Espanha, Portugal e México, continuando depois por todo o novo mundo. Com a chegada a Granada (1878), Bento Menni entra em contacto com dois jovens, María Josefa Recio e María Angustias Giménez, as quais serão em 1881 a semente de uma nova Instituição sanitária, apenas feminina, com característica específica para a assistência psiquiátrica. Em Ciempozuelos, Madrid, tem sua origem e se constituí a Casa Mãe da "Congregação das Irmãs Hospitalárias do Sagrado Coração de Jesús", a qual é aprovada pela Santa Sede em 1901. Como sinal de sua identidade no serviço hospitalário lhes transmite seu lema em seis palavras: "rogar, trabalhar, padecer, sofrer, amar a Deus e calar". Muito cedo, sem embargo, a nova fundação estende suas alas de caridade misericordiosa e se estabelece por diversos países de Europa e América Latina, e mais tarde por África e Ásia. Actualmente, em que tem lugar a canonização de Bento Menni, seu fundador, se acham presentes em 24 nações com mais de 100 Centros hospitalários. Bento Menni, enquanto Fundador e Padre espiritual, infundiu em seu espírito característico juandediano, continuando durante mais de 30 anos sua direcção e formação ascético-hospitalária. A magna obra que Bento Menni realizou como restaurador e fundador se estendeu, chamado pela Santa Sede, em favor de toda a Ordem sendo nomeado primeiro Visitador Apostólico da mesma (1909-1911) e em continuação como Superior Geral (1911), a cujo cargo, sem embargo, teve que renunciar um ano depois por incompreensões e por motivos de saúde. Seus dois últimos anos os passou em humildade e purificação, morrendo santamente, cheio de méritos, em Dinán, França, em 24 de abril de 1914. Seus restos, trasladados por seus Irmãos de Espanha a Ciempozuelos, hoje são venerados sob o altar central da "Capela dos Fundadores" na Casa Mãe de suas Filhas Hospitalárias de Ciempozuelos. Aberto seu processo de santidade na diocese de Madrid, onde está enterrado, nos anos 1945-1947, suas virtudes foram reconhecidas como heroicas pela Congregação para as Causas dos Santos em 11 de maio de 1982, pelo que passou a ser considerado " Venerável". Reconhecida como milagrosa a cura em favor de Dona Assunção Cacho, foi proclamado "Beato" na Basílica vaticana pelo papa João Paulo II em 23 de junho de 1985. Ante sua entrega fecunda e rectidão santa e santificadora, com sua vida ofertada a Deus e aos enfermos com unção e generosidade total, o testemunho de Bento Menni hoje cobra atualidade com sua canonização, sendo proposto à Igreja universal como modelo e exemplo, em especial dentro do campo da saúde e da enfermidade. A humanização e a evangelização são desafios ante o novo milénio. Santo Benito Menni vem a recordar e iluminar as palavras de Cristo, "Estava enfermo e haveis tido cuidado de mim. Vinde, benditos de meu Pai". No campo sanitário se utilizam os benefícios do progresso técnico, mas não poucas vezes falta o coração à assistência. Com frequência o interesse sanitário está mais orientado para a enfermidade do que para o enfermo, considerado ele próprio mais como um número ou um caso clínico, que como uma pessoa ou um irmão, imagem de Deus que sofre, a quem assistir. Foi canonizado em 21 de novembro de 1999 por S.S. João Paulo II. Reproduzido com autorização de Vatican.va

90348 > San Benedetto Menni Religioso 24 aprile MR


Ivo ou Ives de Huntingdonshire, Santo
Bispo

Ivo o Ives de Huntingdonshire, Santo

Ivo ou Ives de Huntingdonshire, Santo

Segundo uma lenda medieval, santo Ivo foi um bispo persa que gozava de grande honra e prestigio entre os seus, e levava uma forte vida de disciplina muito cara a si próprio. Juntamente com três companheiros foi a Inglaterra e se estabeleceram-se em ermidas afastadas para viver em paz, penitência e solidão. Morreram no século VII e com o tempo foram esquecidos pelas pessoas. Sem embargo, por volta do ano 1001 levaram-se a cabo umas descobertas interessantes: alguns ossos pertencentes a santo Ivo. Goselin, em sua Vida de santo Ivo diz que o culto de Ivo se propagou durante um século. Seguindo as narrações dos sonhos de um campesino, seus ossos foram identificados e pertenciam a santo Ivo. Foram trasladados para a abadia de Ramsey, em que se fizeram muitos milagres. Um século mais tarde, apareceu uma luz sobre a abadia. Todos a interpretaram como um significado claro de que eram os ossos de santo Ivo. Estes deveriam ser levados a Slepe onde se fundaria uma nova abadia que daria a conhecer melhor a relíquia de santo Ivo. Na arte aparece este santo como um sereno e prudente eremita persa a que se concede a honra de ser bispo. Hoje é venerado em Huntingdonshire. ¡Felicidades a quem leve este nome! Comentários ao P. Felipe Santos: al Santoral">al Santoral">fsantossdb@hotmail.com

91796 > Sant' Ivo Vescovo in Inghilterra 24 aprile

Maria de Cleofás, Santa
Discípula de Jesus

María de Cleofás, Santa

Maria de Cleofás, Santa

Martirológio Romano: Em Jerusalém, comemoração das santas mulheres Maria de Cleofás e Salomé, que, junto com Maria Madalena, muito de manhã do dia de Páscoa se dirigiram ao sepulcro do Senhor para ungir seu corpo e receberam o primeiro anúncio da Ressurreição (s. I). Etimologicamente: Maria = Aquela senhora bela que nos guia, é de origem hebraica. Nos grandiosos acontecimentos da Redenção, durante o dramático epílogo sobre o Calvário, um coro silencioso e triste de “piedosas mulheres” espera um pouco longe que tudo haja terminado: “Estavam junto à cruz de Jesus sua mãe, a irmã de sua mãe, María de Cleofás e María de Magdala” diz o evangelista são João. Era o grupo das que “o seguiam desde quando estava na Galileia para o servir, e muitas outras que haviam vindo de Jerusalém junto com ele”. Entre as espectadoras se encontra, pois, a santa que hoje se venera, cuja contínua e vigilante presença perto do Salvador lhe mereceu um posto particular na devoção dos cristãos, mais que seu parentesco com a Santíssima Virgem e são José. A María de Cleofás – assim chamada pelo marido Clopa ou Cleofás— comummente se a considera a mãe dos “irmãos do SenhorSantiago o Menor, apóstolo e bispo de Jerusalém, e José. O historiador palestino Hegesipo diz que Cleofás era irmão de são José e pai de Judas Tadeu e de Simão. Este último foi eleito para suceder a Santiago o Menor na sede episcopal de Jerusalém. A identificação de Alfeu com Cleofás levou a alguns exegetas a considerar a María de Cleofás cunhada da Virgem María, e mãe de três apóstolos.

María de Cleofás, Santa

María de Cleofás, Santa

Cleofás (Alfeu) é, além disso, um dos discípulos que no dia da ressurreição de Jesús, enquanto iam para Emaús, foram alcançados por Jesús a quem reconheceram na “fracção do pão”. Quando o esposo se afastava de Jerusalém, com o coração cheio de melancolia e desilusão, a esposa María de Cleofás, seguindo o impulso de seu coração, ia apressada à tumba do Redentor para lhe render a extrema homenagem da unção ritual com vários unguentos. Com efeito, na sexta-feira pela tarde havia ficado atrás com María Magdalena para ver “onde o deixavam”. Diz o evangelista Marcos: “María Magdalena e María, a mãe de Santiago o menor e de José viam onde o punham”. Passado o sábado, muito de manhã, quando o marido regressava a casa, María de Cleofás e as outras companheiras “compraram perfumes e foram para fazer as unções”; mas o anjo lhes anunciou: “Não está aqui, Ressuscitou”. Às piedosas mulheres, que foram ao sepulcro com seus unguentos e com sua dor, lhes correspondeu o privilégio de conhecer as primeiras a noticia da ressurreição: “¿Porque buscais entre os mortos ao que vive?”.Se Cristo não ressuscitou - dirá São Paulonossa fé não vale nada e nós seríamos uns mentirosos… Mas Cristo ressuscitou e é a primícia dos outros que agora dormem e ressuscitarão”. Esta alegre notícia a levaram aos “Doze e a todos os outros” umas poucas mulheres, entre elas María de Cleofás. Sugerimos ler o Artigo Os irmãos de Jesús.

49100 > Santa Maria di Cleofa 24 aprile MR

Maria Isabel Hesselblad, Beata
Religiosa Brigidina,

María Isabel Hesselblad, Beata

Maria Isabel Hesselblad, Beata

Martirológio Romano: Em Roma, beata Maria Isabel Hesselblad, virgem, que, oriunda de Suécia, depois de vários anos de trabalhar num hospital restaurou a Ordem de Santa Brígida, notável por sua solicitude na contemplação, na caridade para com os necessitados e a unidade dos cristãos (1957) Etimologicamente: Maria = Aquela senhora bela que nos guia, é de origem hebraica. Etimologicamente: Isabel = Aquela a quem Deus dá saúde, é de origem hebraica. A Beata nasceu num pequeno povo de Fâglavik, na provincia de Âlvsborg, Suécia, em 4 de junho de 1870. Foram seus pais o Sr. Augusto Roberto Hesselblad e a Sra. Cajsa Pettesdotter Dag, foi a quinta de treze filhos. Recebeu o batismo na Igreja Luterana de sua Paróquia de Hundene, Suécia e transcorreu sua infância por diversos lugares, seguindo a sua familia que por motivos económicos buscavam lugares de trabalho. No ano de 1886, para ganhar o pão e contribuir ao sustento de sua familia, foi trabalhar em Kârlosborg e depois nos Estados Unidos de América onde frequentou a escola de enfermagem no Hospital Roosevelt em Nova York. Aí se dedicou a assistir aos enfermos a domicilio, este trabalho foi muito duro para ela porque não se sentia bem de saúde, sem embargo o contacto com os enfermos católicos e a sede que tinha por buscar a verdade contribuíram a ter viva em sua alma a busca do redil de Cristo. A oração, o estudo e a devoção filial pela Mãe do Redentor a conduziram decididamente para a Igreja Católica e em 15 de agosto de 1902, no Convento da Visitação em Washington, recebeu o sacramento do baptismo sob “condição" das mãos do P. Juan Hagen, S.I., que foi também seu diretor espiritual. Em Roma recebeu o sacramento da Confirmação e viu claramente que devia dedicar-se à unidade dos cristãos. Visitou também o templo e a casa de Santa Brígida de Suécia (+ 1373), recebendo uma grande e profunda impressão a tal grau que quando se encontrava em oração nesse lugar, escutou uma voz que lhe dizia: "É aqui onde desejo que te ponhas a meu serviço". Regressou aos Estados Unidos sem embargo ainda que não se encontrava bem de saúde deixou tudo e em 25 de março de 1904 se estabeleceu em Roma na casa de Santa Brígida, onde foi recebida carinhosamente pelas monjas que viviam aí. No silêncio y na oração conheceu profundamente o amor de Cristo, cultivou e difundiu a devoção de Santa Brígida e de Santa Catarina de Suécia, teve sempre uma crescente preocupação espiritual por seu país pela Igreja. Em 1906 São Pío X lhe concedeu levar o hábito da Ordem do Santíssimo Salvador de Santa Brígida e de professar seus votos religiosos como filha espiritual da santa de Suécia. Seu sonho de dar vida em Roma a uma comunidade Brigidina não se realizou, sem embargo, floresceu um novo ramo do antigo tronco Brigidino, e assim, em 9 de setembro de 1911 a Beata começando com 3 jovens postulantes inglesas, refundou a Ordem do Santíssimo Salvador de Santa Brígida com a missão de orar e trabalhar especialmente pela união dos cristãos de Escandinávia com a Igreja Católica. Em 1931 teve a grande alegria de obter perpetuamente por parte da Santa Sede, a igreja e a casa de Santa Brígida em Roma que chegaram a ser o centro da Ordem. Durante e depois da segunda Guerra Mundial a Beata realizou uma intensa Obra de caridade a favor dos pobres e dos perseguidos por leis de racismo; promoveu um movimento pela paz com católicos e não católicos, trabalhando fortemente no ecumenismo. Desde o inicio de sua Fundação atendeu sua preocupação a formação de suas filhas espirituais para as que foi mãe e mestra. Lhes recomendava a união com Deus, a ardente flama de se assemelhar ao Divino Salvador, o amor à Igreja e ao Romano Pontífice e de fazer oração para que existisse um só redil e um só Pastor acrescentado: "Este é o fim primário de nossa vocação". A Beata foi fiel toda sua vida ao Senhor, isto o comprovamos em seus escritos de 1904 onde diz "Amado Senhor, não te peço que me ensines o caminho, te seguirei fortemente de tua mão na obscuridade, nos momentos de angústia e de medo, cerrarei os olhos para te fazer ver quanta fé tenho em ti Esposo de minha alma". A esperança em Deus e na sua providência sustentou-a em cada momento de sua vida, sobretudo nas horas de prova, da preocupação e da cruz. Pôs sempre em primeiro lugar as coisas do céu às da terra, a vontade de Deus à sua vontade e o bem do próximo à própria utilidade. Contemplando o amor infinito do Filho de Deus que se imolou por nossa salvação, alimentou em seu coração a chama da caridade que manifestou com a bondade de suas obras. A suas filhas dizia continuamente: "Devemos nutrir um grande amor para com Deus e para com o próximo, um amor forte, ardente, que queime todas as imperfeições, suporte fortemente um acto de impaciência, uma palavra fervente e com isto se presta a chegar com ternura a um acto de caridade". A Beata se assemelhava a um jardim no cual o sol da caridade faz florescer obras de misericórdia espirituais e corporais. Sempre teve atenções para com suas filhas religiosas, se preocupou pelos pobres, pelos enfermos, pelos judeus perseguidos, pelos sacerdotes, pelas crianças a que ensinava a doutrina cristã, por sua familia de origem e por toda a gente de Suécia e de Roma. Foi uma mulher humilde e serviçal com todos os que lhe pediam ajuda, sempre teve a alegria de dividir com os outros os dons que recebia do Senhor. Foi prudente nas iniciativas pelo Reino de Deus no falar, no aconselhar e em corrigir.Teve grande respeito pela liberdade religiosa dos não cristãos e dos não católicos que recebeu em sua casa. Praticou a justiça para com Deus e para com o próximo, a temperança, o domínio de si, o afastar-se das honras das coisas do mundo, a humildade, a castidade, a obediência, a fortaleza nas tribulações, a perseverança na oração e no serviço a Deus, a fidelidade em sua consagração religiosa.Caminhou com Deus abraçando a cruz de Cristo que a acompanhou desde sua juventude. "Para mim, afirmava a Beata, o caminho da cruz foi o mais formoso que hei visto porque nele conheci a meu Senhor e Salvador", junto aos sofrimentos morais padeceu também ininterruptamente sofrimentos físicos. A cruz chegou a ser a maneira particular dolorosa e pesada nos últimos anos de sua vida. Devido à sua constância na oração viveu serenamente a vontade de Deus e assim se preparou ao encontro definitivo com o Esposo Divino que a chamou mas primeiras horas de 24 de abril de 1957. Viveu e morreu em fama de santidade, esta fama cresceu também depois de sua morte, e pela mesma se começou sua causa aos altares. Foi beatificada em 9 de abril de 2000 por S.S. João Paulo II. Reproduzido com autorização de Vatican.va

90022 > Beata Maria Elisabetta Hesselblad 24 aprile MR

Salomé, Santa
Mãe dos Apóstolos Santiago e João

Salomé, Santa

Salomé, Santa

Etimologicamente significa “paz”. Vem da língua hebraica. Um cristão que põe sua confiança no homem, não chega a nenhum porto com segurança e muito menos ao coração de Deus, o primeiro a que devemos amar e o primeiro em que se deve confiar. Salomé foi uma cristã das primeiras que se sentiu fascinada pela revolução que trouxe Cristo ao mundo. Pertence ao século I. Era a esposa de Zebedeu, um dos marinheiros mais conhecidos de Betsaida, Israel. Era também a mãe de dois dos primeiros discípulos que o Senhor elegeu para o ministério, Santiago e João. Esta mulher não se contentava com admirar a Jesús simplesmente. O seguia por todas partes e, além disso, prestava um serviço estimável a todos os seguidores de Cristo o Senhor. Ela, como toda mãe, queria que seus dois filhos estiveram um à direita e outro à esquerda de Jesús. Não havia compreendido ainda nada do reino que Jesús veio a pregar e implantar na terra. Ela sonhava com um Messias poderoso, aguerrido e triunfador. Depois se daria conta de todo o contrário. No dia da Paixão, ela estava ao pé mesmo da Cruz. Igualmente, o pouco que tivera de dinheiro, o empregou para comprar aromas para embalsamar o corpo de Jesús. Foi também a mulher que ficou impactada quando o domingo de Ressurreição, ao ir à tumba, a encontrou vazia. Na alba da preciosa manhã em que Cristo ressuscitou, teve a sorte de ver muito antes que outros que o que havia dito ao Senhor se havia cumprido tal e como o disse. ¡Felicidades a quem leve este nome!

74850 > Santa Salomè Madre degli apostoli Giacomo e Giovanni 24 aprile MR

Wilfrido de York, Santo
Bispo

Wilfrido de York, Santo

Wilfrido de York, Santo

Martirológio Romano: Em York, em Northumbria, santo Wilfrido, bispo, que, depois de trabalhar com todo esmero, foi obrigado a abandonar sua sede e morreu entre os monges de Ripon, de quem foi abade durante um tempo (709). Etimologicamente: Wilfirdo = Aquele que sai vitorioso, é de origem germânica. São Wilfrido, bispo de York, se distinguiu por seu zelo em defender em Inglaterra os usos romanos. Ofereceu asilo ao piedoso Dagoberto II, filho de São Sigeberto, rei de Austrásia, destronado pelo mordomo de palácio Grimoaldo. Encarregou-se da educação do jovem príncipe; e este, voltando a seu reino, recebeu com grandes honras ao santo bispo, obrigado por sua vez a abandonar sua pátria como consequência das vexações do rei Egfrido. Dali, São Wilfrido foi a Roma a reclamar a proteção do Papa, e voltou a Inglaterra, onde Egfrido o fez encarcerar. Recuperada a liberdade, mas não podendo obter a execução do julgamento do Papa, foi para Sussex a pregar o Evangelho. Foi posto então em posse da diocese de Hexham, retomou o governo de los mosteiros que havia fundado e morreu visitando-os, no ano 709, na idade de 75 anos.

50680 > San Vilfrido di York Vescovo 24 aprile MR

Santo Alexandre, mártir


Em Lyon, na Gália, santo Alejandro, mártir, que três dias depois da paixão de santo Epipódio foi sacado da cadeia, açoitado e cravado numa cruz até expirar (178).

Santo Antimo, bispo

Em Nicomédia, em Bitinia, santo Antimo, bispo, e companheiros, mártires na perseguição sob o imperador Diocleciano. Antimio, por confessar a Cristo, recebeu a glória do martírio ao ser decapitado, e da multidão de seus companheiros, uns foram degolados, outros queimados vivos, outros abandonados em alto mar sobre navios, segundo dispôs o juiz (303).

90553 > Sant' Antimo di Nicomedia Martire 24 aprile MR

Santo Deodato, abade


Nas cercanias de Blois, na Gália Lugdunense, santo Deodato, diácono e abade, que depois de levar vida anacoreta, reuniu discípulos a que presidiu (s. VI).

50660 > San Deodato di Blois Abate 24 aprile MR

Santo Egberto, monge e presbítero

Na ilha de Iona, em Escócia, santo Egberto, presbítero e monge, que se preocupou na evangelização de várias zonas de Europa e convenceu, já ancião, aos monges de Iona para que aceitassem o cômputo romano do dia de Páscoa, entrando a celebrar a eterna festa no termo da missa da solenidade pascal (729).

79150 > Sant' Egberto di Northumbria Monaco 24 aprile MR

São Guillermo Firmato, eremita

Em Mortain, em Normandia, são Guillermo Firmato, eremita, que antes havia sido canónico e médico em Tours, mas depois de uma peregrinação a Jerusalém, se retirou à solidão até sua morte (1103).

50690 > San Guglielmo Firmato Eremita a Mantilly 24 aprile MR

São Melito, abade e bispo


Em Canterbury, em Inglaterra, são Melito, bispo, que, sendo abade, foi enviado pelo papa são Gregório I Magno a Inglaterra, onde foi ordenado bispo dos saxões orientais por santo Agostinho, e, depois de sofrer muitas tribulações, acedeu à sede de Canterbury (624).

50670 > San Mellito di Canterbury Arcivescovo 24 aprile MR

93717 > Santi 3 Martiri Mercedari di Parigi 24 aprile

 

94722 > Sant' Elia Iorest e Sava Brancovici Vescovi 24 aprile (Chiese Orientali)


50650 > Sant' Erminio Martire, venerato a Perugia 24 aprile



94425 > San Lupicino Recluso a Lipidiacum 24 giugno



65700 > Santi Maurizio, Giorgio e Tiberio Martiri a Pinerolo 24 aprile




 

 

 

000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000

  • 00000000000000000000000000000000000000000000000000000000
  • Localização geográfica da sede deste Blogue, no Porto
  • Viso---mapa_thumb_thumb_thumb_thumb_[2]
  • ===================================
  • 0000000000000000000000000000000000000000000000
  • $$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$SS
  • «««««««««««««««««««««««««««««««««««««««««««««««««««««««»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»
  • 1 - A integração dos textos editados MMI IMP S.r.l./IMP BV – impressa na União Europeia (Ver blogue nº 1153 – 3/1/12) que se refiram a alguns dos Santos hoje incluídos, continuará a ser efetuada diariamente desde que eu possua as respectivas pagelas na Coleção de Histórias de Santos que nos inspiraram, intitulada “Pessoas Comuns – Vidas Extraordinárias pelo que peço as minhas desculpas. AF.
  • Hoje POR EXEMPLO foi incluído como
  • Complemento na vida de
  • ( Fidel (ou FIEL) de Sigmaringa e Maria de Santa Eufrásia Pelletier, Santos)Estrela
  • 2 - Sites utilizados: Os textos completos são recolhidos através do livro SANTOS DE CADA DIA, de www.jesuitas.pt. em que também incluo imagens recolhidas através de http://es.catholic.net/santoral,; em seguida os textos deste mesmo site sem tradução e com imagens, e por último apenas os nomes e imagens de HTTP://santiebeati.it.
  • 3 - Como já devem ter reparado, de vez em quando, segundo a sua importância há uma exceção da 1ª biografia, (ou biografias do Livro Santos de Cada Dia – já traduzidas – por natureza) que mais sobressaem, – quando se trate de um dia especial, dedicado a Jesus Cristo, a Nossa Senhora, Anjos ou algum Santo, em particular – todos os restantes nomes surgem por Ordem alfabética, uma, duas ou três vezes, conforme figurem nos três sites indicados, que poderão ser consultados - se assim o desejarem – pelos meus eventuais leitores. LOGICAMENTE E POR ESSE FACTO, DIARIAMENTE, O ESPAÇO OCUPADO, NUNCA É IGUAL, ACONTECENDO POR VEZES QUE É DEMASIADO EXTENSO.
  • Peço-vos a melhor compreensão e as minhas maiores desculpas e obrigado.
  • Responsabilidade exclusiva de ANTÓNIO FONSECA
    http://bibliaonline.com.br/acf; http://es.catholic.net; http://santiebeati.it; http://jesuitas.pt