OS MEUS DESEJOS PARA TODOS

RecadosOnline.com

domingo, 8 de julho de 2012

1340 – 2 - A RELIGIÃO DE JESUS – XIV Domingo Comum – 8 de Julho de 2012

antoniofonseca1940@hotmail.com
1340-2
Do livro A Religião de Jesus, de José Mª Castillo – Comentário ao Evangelho do dia – Ciclo A (2010-2011) – Edição de Desclée De Brouwer – Henao, 6 – 48009 Bilbaowww.edesclee.cominfo@edesclee.com: tradução de espanhol para português, por António Fonseca
Estrela O texto dos Evangelhos, que inicialmente estavam a ser transcritos e traduzidos de espanhol para português, diretamente através do livro acima citado, são agora copiados mediante a 12ª edição do Novo Testamento, da Difusora Bíblica dos Missionários Capuchinhos, (de 1982, salvo erro..). No que se refere às Notas de Comentários continuam a ser traduzidas como anteriormente.AF.
8 de Julho – Domingo
XIV Domingo Comum – B
Mc 6, 1-6
Depois, partiu dali e foi para a Sua terra, acompanhado pelos discípulos. Chegado o sábado, começou a ensinar na sinagoga. Os numerosos ouvintes enchiam-se de assombro e diziam: «De onde é que isto lhe vem e que sabedoria é esta que Lhe foi dada? Como se operam tão grandes milagres por Suas mãos? Não é Ele o carpinteiro filho de Maria e irmão de Tiago, de José, de Judas e de Simão? E as Suas irmãs não estão aqui entre nós?» E ficaram perplexos a Seu respeito. Jesus disse-lhes: «Um profeta só é desprezado na sua pátria, entre os seus parentes e em sua casa». E não pôde ali fazer milagre algum. Apenas curou alguns  enfermos, impondo-lhes as mãos. Estava admirado com a falta de fé daquela gente.
1. – No reduzido ambiente e na sociedade fechada de um pequeno povoado da Galileia do século I, a família e a sinagoga eram (tinham que ser) as duas causas, através das quais, cada individuo que vinha a este mundo se associava, quer dizer, se integrava na sociedade judia do seu tempo. Ocorreu isto no caso de Jesus? Pelo que conta esta passagem, parece que não. Tanto a família como a sinagoga, são surpreendidas quando, depois de um tempo seguramente curto, se dão conta de que Jesus já não pensa, nem fala, nem vive como era de esperar de um vizinho da aldeia e um filho daquela família.
2. – O facto é que a conduta de Jesus se viu ali tão “desviada” que só merecia “desprezo”. E, por suposto, ninguém, nem sua família mais íntima, se fiou n’Ele. Isto é muito duro na vida duma pessoa. É o preço da liberdade. Sobretudo, a liberdade perante as pessoas a quem se sente vinculado afectivamente. A dolorosa estranheza de Jesus estava justificada.

3. – Os três sinópticos recordam este facto (Mt 13, 53-58; Lc 4, 16-30 e Mc 6, 1-6). Que importância tem este episódio? Se Jesus foi incompreendido onde melhor era conhecido, sem dúvida que Jesus foi visto como uma novidade que não se podia entender. E se além disso foi recusado, é porque foi visto como um sério perigo. Um perigo para aquela religião (a sinagoga) e para aquele modelo de sociedade (a família). Hoje o veríamos como uma novidade mais estranha. E como um perigo maior.

0000000000000000000000000000000000000000000000000000000
=======================================================
Viso - mapa
http://confernciavicentinadesopaulo.blogspot.com/
Compilação (e tradução dos comentários) por António Fonseca
http://bibliaonline.com.br/acf;
NOTA FINAL:
Continuo a esclarecer que os comentários aos textos do Evangelho, aqui expressos, são de inteira responsabilidade do autor do livro A RELIGIÃO DE JESUS e, creio eu… apenas retratam a sua opinião – e não a minha ou de qualquer dos meus leitores, que eventualmente possam não estar de acordo com ela. Eu apenas me limito a traduzir de espanhol para português os Comentários e
NEM EU NEM NINGUÉM ESTÁ OBRIGADO A ESTAR DE ACORDO.
Mais uma nota ainda:
Estes são os meus endereços atuais:
Para contactos normais: – antoniofonseca1940@hotmail.com
Para contactos sobre o blogue: - antoniofonseca40@gmail.com
Hiperligações normais que utilizo para textos insertos no blogue: - http://bibliaonline.com.br/acf; http://es.catholic.net; http://santiebeati.it; http://jesuitas.pt
Post para publicação em 8-07-2012 - 10,30 h
Até lá, se Deus quiser.
António Fonseca

Nº 1340 – 2ª Página – CARTAS DE SÃO PAULO – 2ª Carta aos Tessalonicenses - 8 de Julho de 2012 – (Domingo)

antoniofonseca1940@hotmail.com

»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»

»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»

»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»

Como afirmei inicialmente, Envolvi-me nesta tarefa, pois considero ser um trabalho interessante, pois servirá para que vivamos mais intensamente a Vida de Jesus Cristo que se encontra sempre presente na nossa existência, mas em que poucos de nós (eu, inclusive) tomam verdadeira consciência da sua existência e apenas nos recordamos quando ouvimos essas palavras na celebração dominical e SOMENTE quando estamos muito atentos, porque não acontecendo assim, não fazemos a mínima ideia do que estamos ali a ouvir e daí, o desconhecimento da maior parte dos cristãos do que se deve fazer para seguir o caminho até Ele.

Como Jesus Cristo disse, aos Apóstolos, no dia da sua Ascensão ao Céu:

IDE POR TODO O MUNDO E ENSINAI TODOS OS POVOS”.

É apenas isto que eu estou tentando fazer. AF.

+++++++++++++++++++++++

Nº 1340 - 2ª Página

8 de Julho de 2012

CARTAS DE S. PAULO

S.-Paulo_thumb_thumb1_thumb_thumb_th

2ª CARTA AOS TESSALONICENSES

2 

2 – A vinda do Senhor e seus sinaisNo que respeita à vinda do Senhor e à nossa união com Ele, pedimo-vos, irmãos, que não vos deixeis tão depressa e inconsideradamente abalar, nem alarmar por uma pretensa revelação, por uma palavra ou por qualquer carta que digam ter sido enviada por nós, como se o dia do Senhor já estivesse perto.

Que ninguém, de modo algum, vos engane, antes, há-de vir a apostasia e há-de manifestar-se o homem  da iniquidade, o filho da perdição, o adversário, aquele que se levanta contra tudo, o que leva o nome de Deus, ou o que se adora, a ponto de tomar lugar no templo de Deus e se apresentar como se fosse Deus.

Não vos lembrais, de que vos dizia estas coisas, quando ainda estava convosco? Agora, vós sabeis perfeitamente o que o detém, de modo que Ele só se manifestará a seu tempo. Porque o mistério da iniquidade já está em acção, esperando apenas o desaparecimento daquele que o impede.

Então aparecerá o ímpio, que o Senhor Jesus destruirá com o sopro da Sua boca e aniquilará com o resplendor da Sua aparição. A vinda do ímpio será acompanhada, graças ao poder de Satanás, de toda a sorte de milagres, de sinais e de prodígios enganadores, assim como de todas as seduções que o mal oferece àqueles que se perdem por não terem aberto os seus corações ao amor da verdade que os poderia ter salvo. Por isso, é que Deus lhes mandará uma potência enganadora, de modo que hão-de acreditar na mentira, a fim de serem condenados todos aqueles que não houverem acreditado na verdade mas tiverem sentido prazer na iniquidade.

Exortação à perseverança – Quanto a nós, devemos dar contínuas graças a Deus por vós, irmãos muito amados do Senhor, porque Deus vos escolheu desde o princípio, para a salvação pela acção santificadora do Espírito e pela fé que vem da verdade.

A isto é que Ele vos chamou por meio do nosso Evangelho: a posse da glória de nosso Senhor Jesus Cristo. Portanto, irmãos, permanecei firmes e conservai as tradições que de nós recebestes, tanto por palavra como por carta.

E o próprio nosso Senhor Jesus Cristo e Deus, nosso Pai, que nos amou e nos deu, pela graça, eterna consolação e excelente esperança, consolem os vossos corações e os tornem firmes em toda a espécie de boas obras e palavras.

*************************************************************

Post colocado em 8 de Julho de 2012 – 10,15 horas

ANTÓNIO FONSECA

Prosseguirei esta tarefa, amanhã se Deus quiser, já com o terceiro capítulo da 2ª CARTA AOS TESSALONICENSES. AF

Nº 1340–1ª Página - (190/12) – SANTOS DE CADA DIA – 8 de Julho de 2012 (Domingo) – 4º ano

    antoniofonseca1940@hotmail.com
    »»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»
    »»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»
    Nº 1340 - 1ª Página – 2012
    Imagem3189
    »»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»

     

    BEATOS GREGÓRIO GRASSI, FRANCISCO FOGOLLA, ANTÓNIO FANTOSATI

     Estrela Ver 7 de Julho

    Gregorio Maria GrassiFrancesco FoggolaAntonino Fantosati, Santo

    e 26 companheiros

    Mártires (na China pelos Boxers em 1900)

    Estrela Ver este blogue em 8 de Junho, onde se faz descrição da morte do Beato Leão Mangin e mais 55 companheiros)

    No fim do século XIX, a China entrou numa crise grave. Não tendo querido receber a civilização moderna, não podia manter o seu lugar no mundo. O jovem imperador Kouang-Sin experimentou reformas; a velha imperatriz retomou porém a autoridade, e recomeçou a política reacionária. vendo-se incapaz de abrir guerra contra as grandes potências, excitou no povo chinês a xenofobia, ou ódio aos estrangeiros, servindo-se duma sociedade secreta já antiga, cujos membros vieram a ser chamados Boxers ou pugilistas, porque se exercitavam fisicamente dando punhadas entre si. (Ver também, a 8 de Junho, o Beato Leão Mangin e 55 companheiros). Em 1900, ela julgou ter chegado o momento de lançar os amotinadores contra os europeus, dando àqueles o apoio dos soldados. Os cristãos foram naturalmente considerados como traidores à velha China e os Boxers perseguiram-nos com o seu ódio. Felizmente, muitos vice-reis recusaram a seguir as ordens de Pequim e a perseguição não se estendeu para além das províncias da capital. Graças à intervenção das potências, durou menos de dois meses, mas foi muito sangrenta: avaliou-se o número das vítimas em 20 000, das quais 2418 nos vicariatos apostólicos confiados aos franciscanos. Foram beatificados em 1946, vinte e nove, como vanguarda de tal legião de mártires. Três dentre eles sofreram o martírio em Heng- Chou-Fou e os restantes vinte e seis em Tai-Yuan-Fou, no Chan-Si. O bispo Gregório Grassi muito desenvolvera a missão do Chan-Si setentrional. Tinha ao seu lado outro prelado, Dom Francisco Fogolla. Trabalhavam também no vicariato apostólico os Padres Elias Facchini e Teodorico Balat, e o irmão André, alsaciano de grandes qualidades, em particular duma força hercúlea. Em Heng-Chou-Fou residia o vigário apostólico Dom António Fantosati (1), com os Padres Cesídio Giacomantonio (1) e José Maria Gambaro (1). Sete Missionárias de Maria tinham vindo também da Europa para fundar a missão de Tai-Yuan-Fou. Era superiora a madre Hermínia de Jesus. A este número juntaram-se ainda, todos de nacionalidade chinesa; 6 seminaristas e 8 empregados das casas dos missionários. No dia 9 de Julho de 1900, estão todos os futuros mártires reunidos e presos em Tai-Yuan-Fou. Ouve-se um ruído de gente que chega. Dom Gregório Grassi diz simplesmente: «A hora da morte chegou. Vou dar-vos a absolvição». Os Boxers estão presentes. Batem na cabeça das vítimas para os estontear e assim lhes prender as mãos atrás das costas. O Irmão André dirige-se a um deles: «Nunca me prostrei diante de nenhum chinês, vou-o fazer agora porque me vais abrir as portas do céu». E indo para a morte canta: «Louvai ao Senhor todos os povos». D. Francisco Fogolla, ferido brevemente na testa e num ombro, reclama um pouco de deferência: «Deixai que nos levantemos, depois seguiremos sem resistência». Mas os algozes instam com as vítimas dando-lhes punhadas e pauladas; algemam-nas duas a duas e levam-nas para o palácio do vice-rei, enquanto o povo grita: «À morte os diabos europeus». As religiosas cantam o Te Deum. Mais de 3 000 Boxers os esperavam. Este singular processo decorreu sem testemunhas nem advogados. Yu-Hsien, o vice-rei, aparece e dirige-se a D. Francisco: «- Há quanto tempo está na China?Há mais de 30 anos. – Porque prejudicastes o meu povo e com que fim propagais a vossa fé?Não prejudicamos ninguém, mas beneficiamos a muitos. Vivemos aqui para salvar almas. – Não é verdade, fizestes muito mal e vou matar-vos a todos – grita o vice-rei, lançando contra o bispo, ao qual fere duas vezes no meio do peito, berrando aos Boxers: «Matai, matai». Dá-se então o ataque e matança. Os mártires são decapitados e mutilados e, enquanto as franciscanas Missionárias de Maria levantam os véus para estender os pescoços, são trucidados o seminarista de dezasseis anos João Wang e o velho Padre Elias, recebendo o primeiro uma espadeirada na testa e o outro no peito. Arrancam-lhes o coração e acabam por lhes cortar a cabeça. Yu-Hsien mandou lançar os corpos na fossa comum. Mas no fim do ano de 1900, o vice-rei que lhe sucedeu, temendo uma expedição militar europeia, mandou desenterrar – na presença de dois chineses, um católico e outro protestante – os restos dos mártires e meteu-os em caixas, das quais uma parte foi dada a um padre que a depositou no cemitério dos Franciscanos. A 9 de Julho de 1902 foi celebrada Missa no pátio do tribunal e a 24 de Março de 1903 houve uma cerimónia de reparação, mandando as autoridades chinesas colocar duas lápides no sobredito pátio. E a 9 de Julho de 1903, realizou-se o funeral solene à custa do governo. A causa de beatificação de 1418 cristãos da China mortos pela fé foi introduzida em 1926. Para fazer chegar o processo o mais depressa possível a termo, foram escolhidos 29 nomes. Estes campeões da fé beatificou-os, a 24 de Novembro de 1946, Pio XII. As sete Franciscanas Missionárias de Maria são as primeiras beatas da Congregação, fundada em 1877 pela Madre Maria da Paixão. Do livro SANTOS DE CADA DIA , http://www.jesuitas.pt/. (*) Ver ainda blogue de 6 de Julho (ontem) e os sites acima assinalados. (1) Estas biografias foram também já ontem publicadas através de http://es.catholic.net/santoral

    OS SANTOS MONGES ABRAAMITAS

    Mártires ( em 832)

    Santi Monaci Abramati

    Estes santos chamavam-se abraamitas por terem vivido num mosteiro de Constantinopla chamado de santo Abraão. Em tempo do imperador Teófilo que perseguia os que veneravam as santas imagens, mandou-lhes ordens para que lhe entregassem, umas pinturas que se guardavam no mosteiro ou que eles mesmos as arrojassem ao fogo. Os religiosos recusaram obedecer a esta ordem e, além disso, dirigiram ao imperador uma memória em que provavam vir da tradição o culto das sagradas imagens e ser conforme ao espírito da santa Igreja. O imperador enfureceu-se com a resistência, ordenando que fossem todos lançados fora do mosteiro e expulsos de Constantinopla. Uma escolta de soldados foi executar esta medida violenta, obrigando os religiosos a sair e conduzindo-os ao Ponto Euxino, sempre debaixo de custódia. Não se satisfez com isto o fanatismo ímpio de Teófilo. Deu instruções para que fossem maltratados, a fim de compreenderem quanto custava desobedecer-lhe. A soldadesca cumpriu à risca as instruções do amo, e tanto que as vitimas sucumbiram todas aos tormentos com que as afligiram. Os corpos dos santos foram destroçados no próprio lugar do holocausto, que foi a 8 de Julho de 832. Deus, porém, indicou aos cristãos o sitio das veneráveis relíquias, que recolheram com a maior devoção e a que deram honrosa sepultura, operando o Senhor por esta ocasião, prodígios para mostrar aos homens quão luminosa e a esteira deixada pelos seus santos. Do livro SANTOS DE CADA DIA, de http://www.jesuitas.pt/

    Procópio de Cesareia, Santo

    Mártir

    Procopio de Cesarea, Santo

    Procópio de Cesareia, Santo

    A história do santo termina nos amanheceres do século IV. Hão saído vários decretos do imperador Diocleciano e cada versão é pior para os cristãos que o anterior. Em todo o lugar do Império se hão turvado as coisas até ao ponto de se criar um ambiente de perseguição aberta e já se fala de cárceres, cruzes, fogueiras e espadas contra os discípulos de Jesús; ao imperador lhe dão respeito porque desprezam aos deuses nacionais e prensam que acabaram pondo em perigo o fundamento de sua unidade. Por desgraça, bastantes hão sido frouxos; não hão perseverado ao chegar os tempos maus e por medo hão sacrificado aos ídolos; hão sido brandos. Procópio não há claudicado. Nasceu em Scitopolis já há alguns anos e agora vive em Jerusalém. O amor sincero ao Senhor Jesús, seu desejo de o imitar, lhe hão levado a viver bastante longe da marcha que leva o comum dos mortais que com farta frequência pensa em viver do modo mais cómodo possível, fugindo do que custa, e sendo amigos de cuidar que o estômago não sofra com privações, procurando o corpo algo mais do sono e descanso que pede, com o acrescento de conseguir todos os prazeres que à volta da esquina podem encontrar-se como oferta permanente. Assim é sua presença, fraco e seco como um asceta. Soube preparar a peleja última com a luta e o esforço diário.

    Procopio de Cesarea, Santo

    Procópio de Cesareia, Santo

    Tiene responsabilidades añadidas a la profesión de la fe cristiana. Lo han hecho Lector en la iglesia y lee con voz alta y pausada al pueblo lo que está escrito en el Libro Sagrado; como Exorcista, trata al poseso con la energía de quien tiene por el Señor el mando; le encomendó también el obispo la traducción oficial a la lengua vulgar -al arameo- los textos griegos de la Liturgia. Por la persecución que se ha iniciado, lo trasladan a Cesarea y allí comienza la encrespada lid contra los que aman al único Dios y rechazan a los ídolos de los paganos. Ante el gobernador Flaviano no tiene más palabra que negar la existencia de dioses, ni mejor actitud que negarse a ofrecer incienso a ídolos falsos y a los emperadores romanos. Así las cosas, Flaviano decide que es crimen de estado negar a las imágenes incienso y censurar la tetrarquía. Termina el episodio decapitando a Procopio. La mayor parte de los cristianos en Cesarea se ha motivado con el ejemplo. Acuden a decir a Flaviano que ellos también son cristianos y que no aceptan la imposición de llamar dioses a los falsos ídolos ni a la tetrarquía imperante en el Imperio Romano. No tenían otro modo de hacer causa común para proclamar y defender sus derechos humanos. Tantos son que el gobernador disimula, parece no oír las palabras y decide aparentar en público la claudicación de los cristianos con la simulación de que ofrecen el incienso que ni siquiera llegan a tocar las manos. Desea mantener a toda costa la apariencia del triunfo, pero quiere evitar también la masacre de los mejores y más honrados ciudadanos pacíficos. No sé por qué ni de donde forjaron los cristianos de otros tiempos más adelantados la leyenda de un Procopio extraño presentándolo como un personaje funesto, terrible perseguidor de los cristianos, convertido a lo Damasco, predicador luego como Pablo, soldado cruel en muchas batallas ganadas con una cruz que casi casi es talismán, de aventura en aventura, ladino en el tribunal y machacón testarudo ante el juez que termina mandándolo ejecutar entre tormentos tan inconcebibles como extravagantes. ¿Pretendían quizá acumular virtudes en el santo? o ¿fingirlas en la comunidad de Cesarea? Que ni lo uno ni lo otro se necesitaba es evidente. Yo prefiero quedarme con la figura sencilla del clérigo Procopio que cumple a diario su obligación de cuidar su alma y la de su gente y que, llegado el momento, muere sencillamente cumpliendo el último de sus compromisos.

    Eugénio III, Beato

    CLXVII Papa

    Eugenio III, Beato

    Eugénio III, Beato

    Nasceu em Montemagno (Itália). Chamava-se Bernardo Paganelli di Montemagno. Era monge cisterciense e abade do Mosteiro de São Vicente e Santo Atanásio. Faleceu em Tivoli, em 8 de Julho de 1153. Foi beatificado por Pio IX. Depois da morte de Lúcio II, atingido por uma pedra, Eugénio III, um humilde e ignorado monge de Cister, discípulo e amigo de São Bernardo Claraval foi o escolhido para cingir a tiara papal, sendo consagrado em 18 de fevereiro de 1145, no Mosteiro de Farfa, a quarenta quilómetros de Roma. São Bernardo, sabendo que havia muita agitação depois da morte do pontífice anterior, escreveu uma carta ao Colégio Cardinalício e, que dizia: «Deus vos perdoe. Que fizestes? Congo vos voltastes para um homem rústico que vivia escondido e, obrigando-o a largar a foice e a enxada, o arrastastes para o palácio e, alçando-o à cátedra, o revestis de púrpura e seda e lhe cingis a espada para juiz das nações? Não havia entre vós algum dotado de ciência e experiência a quem viesse melhor tudo isto? Parece certamente ridículo escolher um homenzinho andrajoso para presidir sobre os príncipes, mandar nos bispos e dispor de reinos e impérios. Ridículo, ou antes «milagre»? Depois, com a confiança que lhe dava o ter sido seu antigo mestre espiritual, escreve ao novo pontífice cinco cartas admiráveis, classificadas como “a sua obra suprema, verdadeiro diploma do papado”. Não seria fácil o pontificado de Eugénio III, com a euforia republicana, apoiado por Arnaldo de Brescia, enquanto em Roma os palácios dos magnates eram incendiados e pilhados. Impedido e entrar em São Pedro pelo novo senado, que pretendia destitui-lo de qualquer poder civil, Eugénio III refugiou-se em Viterbo durante oito meses. Nessa altura, São Bernardo ajuda-o escrevendo aos Romanos: «Porque provocais contra vós o rei da terra e o senhor do Céu, de modo tão intolerável e irracional, atacando sacrilegamente a sagrada Sé Apostólica? Vossos pais submeteram o orbe ao jogo da vossa urbe, e vós fazeis da vossa urbe o ludibrio e a fábula do orbe, expulsando o herdeiro de Pedro da cidade de Pedro».- De nada serviu a carta de São Bernardo, pois os Romanos continuavam contra ele. Eugénio III desloca-se, então, a França, onde Luís XVII preparava a II Cruzada pregada por Bernardo de Claraval, à qual dá o seu apoio e colaboração. De regresso a Roma, consegue que os camponeses de Campânia cortem o abastecimento de víveres a Roma e o Senado vê-se obrigado a capitular com cedências de ambas as partes. Vigoraria a nova constituição republicana, mas o povo e o senado jurariam fidelidade ao papa, aceitando a soberania pontifícia e não ultrapassando os seus poderes meramente municipais. Em dezembro de 1145, Eugénio III regressa a Roma, sendo bem recebido pelo povo e clero. Pouco depois, Arnaldo de Brescia, rival de São Bernardo, incita as multidões contra o papa, e Eugénio III, sentindo-se inseguro, dirige-se de novo para França em princípios de 1147. Em 1148 reúne um grande sínodo em Reims, que condena algumas heresias contra a natureza divina e a encarnação do Verbo. Em Novembro de 1149 entre em Roma com o apoio das tropas sicilianas, mas, não conseguido impor-se às ideias de Arnaldo de Brescia, vê-se coagido a retirar-se até 1153, quando, com o apoio de <Frederico I, o Barba Roxa, que sucedera a Conrado III, consegue o regresso definitivo. Piedoso, desprendido e sofredor, Eugénio III suscitou a devoção popular e, muito depois da sua morte, Pio IX confirma-lhe o culto em 1872. No pontificado de Eugénio III há um facto relevante para os Portugueses. Quando um contingente de cruzados anglo-normandos, flamengos e alemães se dirigia por mar para a Terra Santa, em mais uma cruzada, tiveram de aportar ao Rio Douro. Depois, chegados a Lisboa, auxiliaram D. Afonso Henriques na sua luta contra os mouros e, no dia 25 de Outubro de 1147, seria conquistada para a fé cristã aquela que seria a futura metrópole de um reino donde saíram contingentes de missionários e marinheiros que, mais do que cruzados, alargaram as fronteiras do cristianismo e deram novos mundos ao mundo. Do livro “O PAPADO – 2000 anos de Cristianismo”, do Círculo de Leitores. Ver também www.es.catholic e www.sasntiebeati.it

    Adriano III, Santo

    CIX Papa

    Adriano III, Santo

    Adriano III, Santo

    Nasceu em Roma. Era monge beneditino. Morreu, perto de Modena, em 7 de Setembro de 885. Tem a sua festa a 8 de Julho. Tinha o nome de Agapito, mas quando ascendeu ao pontificado em 19 de Maio de 884 resolveu mudá--lo para Adriano (o terceiro papa do mesmo nome), seguindo o que já tinha sido feito pelo papa João II (533-535), que antes da eleição se chamava Mercúrio e foi o primeiro a adoptar esta mudança de nome que, mais tarde, todos os papas seguiram. Viveu em contínuo sobressalto no seu breve pontificado, pois a luta dos diversos ducados italianos permitia a ameaça contínua dos sarracenos. Resistiu aos pedidos de Basílio, imperador de Bizâncio, a favor do patriarca Fócio, já excomungado, e foi duro nas relações com o Sacro Império Romano-Germânico, contrariando Carlos, o Gordo, que pretendia que fosse necessária a sua autorização para a eleição de um papa. Perante a insistência aceitou o convite para ir à Dieta de Worms, convocada por Carlos, o Gordo, para resolver a sucessão ao trono imperial. Adriano partiu para França e em Nonantole, perto de Módena, faleceu, sendo sepultado no mosteiro da cidade. Pouco tempo depois da sua morte foi proclamado santo, mas a sua canonização foi impugnada, até que em 2 de Dezembro de 1891, o seu culto foi reconhecido pelo papa Leão XIII, que decretou que em todos os dias 7 de Setembro se celebrasse uma missa dupla, pelos clérigos de Roma e de Modena.Do livro “O PAPADO – 2000 anos de Cristianismo”, do Círculo de Leitores. Ver também www.es.catholic e www.sasntiebeati.it

    Aquila e Priscila (Prisca), Santos

    Esposos Mártires

    Aquila y Priscila (Prisca), Santos

    Aquila e Priscila (Prisca), Santos

    O pouco que sabemos sobre Aquila e Priscila procede da Sagrada Escritura. Ambos eram discípulos de São Paulo. Como seu mestre, viajaram muito e mudaram com frequência de lugar de residência. A primeira vez que nos falam deles os Actos dos Apóstolos (18:1-3), acabavam de partir de Itália, pois o imperador Cláudio havia publicado um decreto pelo que proibia aos judeus habitar em Roma. Aquila era um judeu originário do Ponto. Ao sair de Itália, se estabeleceu em Corinto com sua esposa, Priscila. São Paulo foi a visitá-los ao chegar de Atenas. Ao ver que Aquila era, como ele, fabricante de tendas (pois todos os rabinos judeus tinham um oficio), decidiu viver com eles durante sua estadia em Corinto. Não sabemos se São Paulo os converteu então à fé ou ei já eram cristãos desde antes. Aquila e Priscila acompanharam São Paulo a Éfeso; aí ficaram, enquanto que o Apóstolo prosseguia sua viagem. Durante a ausência do Apóstolo, instruíram a Apolo, um judeu de Alexandria "muito versado nas Escrituras", que havia ouvido falar do Senhor a uns discípulos do Baptista. Durante sua terceira viagem a Éfeso, São Paulo se alojou em casa de Aquila e Priscila, onde estabeleceu uma igreja. O Apóstolo escreve: "Saúda a Priscila e Aquila e à igreja de sua casa." E acrescenta umas palavras de gratidão por todo o que haviam feito: "Meus colaboradores em Jesus Cristo, que expuseram a vida por salvar-me. Graças lhes sejam dadas, não só de minha parte, mas de parte de todas as igrejas dos gentios." Estas palavras se acham na epístola de São Paulo aos romanos, o qual prova que Aquila e Priscila haviam voltado a Roma e tinham também aí uma igreja em sua casa. Mas cedo voltaram a Éfeso, pois São Paulo lhe envia saudações em sua carta a Timóteo. O Martirológio Romano afirma que morreram na Ásia Menor, mas, segundo a tradição, foram martirizados em Roma. Uma lenda muito posterior relaciona a Santa Priscila com o "Titulos Priscae", quer dizer, com a igreja de Santa Prisca no Aventino.

    Quiliano, Santo

    Bispo e Mártir

    Quiliano, Santo

    Quiliano, Santo

    Em Herbipoli (hoje Würzburg), cidade de Austrásia, santo Quiliano, bispo e mártir, natural de Irlanda, desde onde viajou a esta região para pregar o Evangelho, e em que, por velar diligentemente para que se observasse nela a vida cristã, foi martirizado (s. VII ex.). Quiliano era um monge irlandês. No ano 686, antes ou depois de recebia a consagração episcopal, partiu a Roma com onze companheiros, e o Papa Conon o encarregou pregar o Evangelho em Franconia (Baden e Baviera). O santo, assistido pelo sacerdote Colmano e o diácono Totnano, converteu e batizou a numerosos pagãos em Würzburg. Entre ditos convertidos figurava o duque da cidade, Gosberto. Uma biografia medieval narra na forma seguinte o martírio de San Quiliano: O duque havia contraído matrimónio com Geilana, a viúva de seu irmão. San Quiliano lhe indicou que tal matrimónio era inválido, e o duque prometeu separar-se de Geilana; mas esta, enfurecida, aproveitou a ausência de seu esposo, que havia partido a uma campanha militar, para que seus esbirros decapitassem aos três prisioneiros. Consta com certeza que Quiliano, Coimano e Totnano evangelizaram realmente a Franconia e a Turíngia oriental e que foram mártires. O culto de San Quiliano existiu na Irlanda, assim como nas dioceses de Würzburg, Viena e algumas outras.

    Pedro Vigne, Beato

    Presbítero e Fundador

    Pedro Vigne, Beato

    Pedro Vigne, Beato

    Pedro Vigne nasceu em 20 de Agosto de 1670 em Privas (França), pequena cidade muito marcada ainda pelas consequências das guerras de religião do século anterior, entre católicos e protestantes. Seu pai Pedro Vigne, honrado comerciante em têxtil, e sua mãe, Francisca Gautier, casados na Igreja Católica, hão feito baptizar a seus cinco filhos na paróquia católica de Santo Tomás de Privas. Duas filhas morreram muito cedo. Pedro e seus dois irmãos mais velhos, João Francisco e Eleonora, vivem com seus pais numa relativa comodidade. Aos 11 anos, Pedro é chamado pelo Cura da paróquia para firmar como testemunha as actas paroquiais de Autismo, matrimónio e sepultura. Después de haber recibido una educación e instrucción de buen nivel, al final de su adolescencia, de repente su vida está transformada por la toma de conciencia de la presencia de Jesucristo en la Eucaristía. Esta experiencia le orienta definitivamente hacia Jesús que entrega su vida en la Cruz por nuestro amor y que, por la Eucaristía, no cesa de darse a todos. En 1690 entra en el seminario sulpiciano de Viviers. Ordenado sacerdote, el 18 de Septiembre de 1694, en Bourg Saint Andéol, por el obispo de Viviers, está destinado como coadjutor a Saint Agrève. Durante seis años ejerce allí su ministerio sacerdotal en amistad con su párroco y en cercanía con los fieles. Siempre atento para discernir a través de los acontecimientos la voluntad del Señor sobre su vida, se siente llamado a vivir otra cosa. Al principio su itinerario espiritual parece ser un poco vacilante, pero se hará cada vez más firme y seguro. Su deseo de ser misionero entre la gente sencilla le decide a entrar en la Congregación de los Lazaristas, en Lyon, en 1700. Allí recibe una sólida formación a la pobreza y a las «misiones populares» y empieza a recorrer pueblos y ciudades con sus compañeros para evangelizar al pueblo cristiano. En 1706 deja voluntariamente a los Lazaristas. Más que nunca le mueve la pasión de las almas, sobre todo la gente de los pueblos y caseríos. Después de un breve tiempo de búsqueda, su vocación se delinea con firmeza y adquiere un rumbo firme. Pedro será «misionero itinerante», aplicando su propio método pastoral a la vez que somete siempre su ministerio a la autorización de sus superiores jerárquicos. Incansablemente, y durante más de treinta años, recorre, andando o a caballo, los caminos del Vivarais, del Dauphiné y más aún. Para hacer conocer, amar y servir a Jesucristo se enfrenta con el cansancio de los viajes y el rigor del clima. Predica, visita a los enfermos, catequiza a los niños, administra los sacramentos y va hasta llevar a hombros «su» confesionario para estar siempre dispuesto a ofrecer la misericordia de Dios. Celebra la Misa, expone al Santísimo, enseña a los fieles a adorar. María, «Hermoso sagrario de Dios entre los hombres» tiene también un lugar de predilección en su oración y enseñanza. En el transcurso de una de sus misiones, en 1712, llega a Boucieu le Roi cuya topografía le permite levantar un Vía Crucis. Con la ayuda de los feligreses de la zona construye 39 estaciones que, a través del pueblo, el campo y la montaña, enseñan a los cristianos a seguir a Jesús desde la Cena hasta Pascua y Pentecostés. Boucieu va a ser su residencia, fuera de las misiones. Allí reúne a algunas mujeres que encarga de «acompañar a los peregrinos» del Vía Crucis para ayudarles a meditar y a orar. Es allí que funda la Congregación de las Hermanas del Santísimo Sacramento. El 30 de Noviembre de 1715, en la iglesia, les entrega la cruz y el hábito religioso. Les invita a hacer turnos para adorar a Jesús presente en la Eucaristía, y a vivir juntas fraternalmente. Les confía la tarea de enseñar a la juventud. Atento a la necesidad de instruir a los niños para darles la oportunidad de acceder a la fe y adoptar comportamientos cristianos, Pedro Vigne abre escuelas y crea un seminario de «Regentas», modo de llamar entonces a las maestras de escuela. Una vida tan intensa necesita apoyos. Cuando el Padre Pedro va a Lyon para comprar, nunca deja de ir a casa de sus antiguos maestros de San Sulpicio para encontrar a su confesor y a su director espiritual. Atraído pronto por la espiritualidad eucarística de los Sacerdotes del Santísimo Sacramento, fundados por Monseñor d´Authier de Sisgaud, el 25 de Enero de 1724, en Valence, le admiten como cofrade en esta sociedad sacerdotal y beneficia de su ayuda espiritual y temporal. A la vez que asume el acompañamiento de su joven Congregación, Pedro Vigne continúa sus viajes apostólicos y, para prolongar los frutos de sus misiones también escribe libros: reglamentos de vida, obras de espiritualidad y sobre todo las «meditaciones sobre el libro más hermoso que es Jesucristo sufriendo y muriendo en la Cruz». El vigor de este caminante de Dios, la intensidad de su actividad apostólica, sus largas horas de adoración, su vida de pobreza, testimonian no solo de una robusta constitución física sino de un amor apasionado por Jesucristo que amó a los suyos hasta el extremo (cf. Jn 13, 1). Sin embargo, a los 70 años acusa los efectos del cansancio. En el transcurso de una misión en Rencurel, en las montañas del Vercors, un fuerte malestar le obliga a interrumpir su predicación. A pesar de todos sus esfuerzos para celebrar aún la Eucaristía y exhortar a los fieles a vivir el amor a Jesús, se da cuenta que su fin se acerca, expresa todavía su inmenso ardor misionero y entra en profunda oración. Un sacerdote, y dos Hermanas llegadas rápidamente, acompañan sus últimos momentos. El 8 de Julio de 1740 se reúne con Aquel que tanto amó, adoró y sirvió. Su cuerpo fue transportado a Boucieu donde descansa aún en la pequeña iglesia. Fue beatiricado el 3 de octubre de 2004. Reproduzido com autorização de Vatican.va

    61250 > Sant' Adriano III Papa 8 luglio MR

    Adriano III - Papa
    90925 > Sant' Alberto da Genova Monaco, eremita 8 luglio

    Alberto da Genova
    95200 > Sant' Ampelio di Milano Vescovo 8 luglio

    Ampelio di Milano
    61150 > Santi Aquila e Priscilla Sposi e martiri, discepoli di San Paolo 8 luglio MR

    Santi Aquila e Priscilla (Prisca)

    61220 > Sant' Auspicio di Toul Vescovo 8 luglio MR

    Auspicio di Toul

    92091 > San Disibodo Eremita 8 luglio MR

    Disibodo
    61275 > Sant' Edgaro il Pacifico Re d'Inghilterra 8 luglio

    Edgaro il Pacifico

    61300 > Beato Eugenio III Papa 8 luglio MR

    Beato Eugénio III - Papa
    61320 > San Giovanni Wu Wenyin Martire 8 luglio MR

    Giovanni Wu Wenyin
    91255 > Beato Giulio Monaco di Montevergine 8 luglio

    Beato Giulio
    61210 > Santa Gliceria Martire ad Eraclea 8 luglio MR

    Gliceria
    61350 > Sant' Illuminato da Rieti Eremita in Umbria 8 luglio

    Illuminato da Rieti
    91822 > San Kilian (Chiliano) Vescovo e martire 8 luglio MR

    Kilian (Chiliano)
    61230 > Santa Landrada Badessa di Bilsen 8 luglio MR

    Landrada
    90934 > San Lorenzo Illuminatore di Farfa Abate 8 luglio

    Lorenzo Illuminatore di Farfa
    61310 > Beato Mancio Araki Martire 8 luglio MR

    Beato Mancio Araki
    61240 > Santi Monaci Abramiti Martiri 8 luglio MR

    Santi Monaci Abramati
    90206 > San Palmerio Martire 8 luglio

    Palmerio
    92656 > San Pancrazio di Taormina Vescovo e martire 8 luglio MR

    Pancrazio di Taormina
    92090 > Beato Pierre (Pietro) Vigne Sacerdote, fondatore 8 luglio

    Beato pierre (Pietro) Vigne
    94097 > Beato Pietro l’Eremita Benedettino 8 luglio

    Beato Pietro l'Eremita
    61400 > San Procopio di Cesarea di Palestina Martire 8 luglio MR

    Procopio di Cesarea di Palestina

     
     
    00000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000
    Localização geográfica da sede deste Blogue, no Porto
    Viso---mapa_thumb_thumb_thumb_thumb_[2]
    http://confernciavicentinadesopaulo.blogspot.com
    ***************************************************************************************************************
    NOTA:
    Como podem verificar, existem umas alterações – que aliás, já vinham sendo estudadas há algum tempo, - dado que não me agradava muito a forma como vinha processando estes textos, pelo tempo e pelo trabalho que originava. Assim, a partir de agora e, enquanto “não mudar de ideias”, continuarei a utilizar a recolha dos nomes dos santos através do livro “SANTOS DE CADA DIA” de www.jesuítas.pt, e dos sites http://es.catholic.net/santoral e http://santiebeati.it., os textos (originais, sem tradução) e imagens ali publicados. Independentemente disso, poderei pontualmente efetuar a recolha através de outros sites, que serão referenciados, sempre que os utilizar. Só quando tiver possibilidade é que efetuarei traduções ou transcrições completas – estas, principalmente no caso em que ainda não as tenha efetuado em menções dos anos anteriores.
    Quanto aos textos editados por MMI IMP S.r.l./IMP BV – impressa na União Europeia (Ver blogue nº 1153 – 3/1/12) na Coleção de Histórias de Santos que nos inspiraram, intitulada “Pessoas Comuns – Vidas Extraordinárias” também deixarei de os transcrever, embora possa referir os seus nomes
    Continuarei ainda, a procurar colocar os nomes por Ordem alfabética (quando isso me for possível, pois de momento, ainda não resolvi o problema que a formatação está causando) – evidentemente após a inserção de um dia especial, dedicado a Jesus Cristo, a Nossa Senhora, Anjos ou algum Santo, em particular, que ocorram em cada dia.
    Peço-vos a melhor compreensão e as minhas maiores desculpas e obrigado.
    Responsabilidade exclusiva de ANTÓNIO FONSECA
    email: antoniofonseca1940@hotmail.com
    Obrigado. António Fonseca
    Sites utilizados: http://bibliaonline.com.br/acf; http://es.catholic.net; http://santiebeati.it; http://jesuitas.pt/
    WWWWWWWWWWWWWWWWWWWWWWWWWWWWWWWWWWWWWWWWW
    Porto, 8-7-2012 – 10,00 H
    ANTÓNIO FONSECA