OS MEUS DESEJOS PARA TODOS

RecadosOnline.com

sexta-feira, 10 de agosto de 2012

Nº 1373-(2) - "2" - CARTAS DE SÃO PAULO - 10 DE AGOSTO DE 2012

antoniofonseca1940@hotmail.com

»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»
»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»
»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»

Como afirmei inicialmente, Envolvi-me nesta tarefa, pois considero ser um trabalho interessante, pois servirá para que vivamos mais intensamente a Vida de Jesus Cristo que se encontra sempre presente na nossa existência, mas em que poucos de nós (eu, inclusive) tomam verdadeira consciência da sua existência e apenas nos recordamos quando ouvimos essas palavras na celebração dominical e SOMENTE quando estamos muito atentos,o que se calhar, é raro, porque não acontecendo assim, não fazemos a mínima ideia do que estamos ali a ouvir e daí, o desconhecimento da maior parte dos cristãos do que se deve fazer para seguir o caminho até Ele.
Como Jesus Cristo disse, aos Apóstolos, no dia da sua Ascensão ao Céu:
IDE POR TODO O MUNDO E ENSINAI TODOS OS POVOS”.

É apenas isto que eu estou tentando fazer. AF.
+++++++++++++++++++++++

Nº 1363 - 2ª Página

31 de Julho de 2012

CARTAS DE S. PAULO

S.-Paulo_thumb_thumb1_thumb_thumb_th

CARTAS PASTORAIS

CARTA AOS HEBREUS

O SACERDÓCIO DE CRISTO É SUPERIOR AO LEVÍTICO

 
6 - Pelo que, deixando de lado os primeiros rudimentos da doutrina de Cristo, elevemo-nos a coisas mais perfeitas, sem lançar de novo o fundamento da conversão das obras mortas e da fé em Deus, da doutrina sobre os batismos e também da imposição das mãos, da ressurreição dos mortos e do juízo eterno.
É isto o que faremos, se Deus o permitir. Porque é impossível que aqueles que uma vez foram iluminados e provaram o dom celestial, tornando-se participantes do Espírito Santo e que, igualmente provaram a doçura da palavra de Deus e as virtudes do século futuro e apesar disso caíram, sejam outra vez renovados e levados ao arrependimento, pois de novo crucificaram o Filho de Deus em si mesmos e O expuseram à ignomínia.
Na verdade, a terra que absorve a chuva que cai muitas vezes sobre ela e produz fruto proveitoso para aquele que a cultiva, recebe a bênção de Deus. Mas a que produz espinhos e abrolhos é reprovada e está perto da maldição; acaba por ser queimada. Ainda que falemos assim, ó amados, esperamos de vós coisas melhores e mais vantajosas para a salvação.
Pois Deus não é injusto, para que Se esqueça da vossa obra e da caridade que mostrastes em Seu nome, vós que servistes os santos, e ainda os servis. Desejamos, porém, que cada um de vós mostre o mesmo zelo, mantendo intacta a sua esperança até ao fim, de modo que não vos tornais tíbios, mas imiteis aqueles que, pela fé e perseverança, se tornam herdeiros das promessas.
Promessa e juramento de Deus - Quando Deus fez a promessa a Abraão, como não tinha ninguém maior por quem jurar, jurou por Si mesmo, dizendo: «Em verdade, Eu te abençoarei e multiplicarei a tua posteridade». E assim, Abraão, esperando com paciência, alcançou a realização da promessa. Ora os homens juram pelo que é maior do que eles e o juramento é uma garantia que põe fim às suas contendas. Por isso, querendo Deus  mostrar solenemente aos herdeiros da promessa a imutabilidade da Sua resolução, interpôs um juramento, a fim de que, por erstas coisas imutáveis, nas quais é impossível que Deus minta, tenhamos uma poderosa incitação, nós, que nos refugiamos firmemente na esperança proposta. temos esta esperança como uma âncora segura e firme da alma, que penetra além do véu, onde Jesus entrou por nós, como precursor, na qualidade de Sumo Sacerdote eterno segundo a ordem de Melquisedec.
                                        *************************************************************                               
Este Post era para ser colocado em 31 de Julho de 2012 – 10,15 horas

ANTÓNIO FONSECA

Prosseguirei esta tarefa, amanhã se Deus quiser, já com o nº 7 da CARTA AOS HEBREUS. AF

Nº 1373-1 - (223-12) - SANTOS DE CADA DIA - 10 de Agosto de 2012

antoniofonseca1940@hotmail.com
»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»
»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»

Nº 1373-1  -  (223-12) 
Imagem3189
»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»
I-Am-Posters
= E U   S O U =
»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»«««««««««««««««««««««««««««««««««


SÃO LOURENÇO
Mártir (258)
San Lorenzo 2
O papel dos diáconos na primitiva Igreja era de suma importância, comparável em muito àquele que hoje desempenham os Cardeais da Cúria. Havia sete que ajudavam em tudo o Romano Pontífice, especialmente na celebração dos divinos mistérios. O Arcediago ou primeiro dos diáconos era a personagem mais importante, logo abaixo do Papa; administrava todos os bens da Igreja. Tudo o que é temporal dependia dele; dirigia a construção dos cemitérios, recebia as esmolas e conservava os arquivos. Dele dependiam em grande parte todo o clero romano, os confessores , as viúvas, os órfãos e os pobres. Prevendo-se que viria a ocupar este cargo, olhava-se para ele já como imediato sucessor do pontífice reinante, do «seu papa», como dizem as inscrições. Referindo-se aos costumes da Igreja Romana no século III, diz Eulógio de Alexandria que o Arcediago subia ao trono pontifício em virtude dum costume inveterado e que ordená-lo sacerdote antes da sua eleição, seria tirar-lhe todas as possibilidades de ele chegar ao pontificado supremo. Este era o cargo que em Roma ocupava, em meados do século III, S. Lourenço, espanhol, natural de Huesca. O martírio impediu-lhe chegar ao papado, mas deu-lhe outra glória maior, a de testemunha sangrenta da fé em Cristo. O papa Sisto II tinha sido morto, com quatro dos seus diáconos, no dia 6 de Agosto do ano de 258 Estrela ver referência deste facto neste blogue do mesmo dia…) reinando Valeriano. Estava precisamente a celebrar os sagrados ritos no cemitério de Calisto. A tradição representa-nos S. Lourenço a conversar com o seu pontífice nos últimos momentos: «Para onde segues, pai, sem o teu filho? Para onde, ó sacerdote, sem o teu diácono?» – «Filho meu, respondeu o papa, não julgues que te abandono. Maiores são os combates que te esperam. Não chores. A separação será só de três dias». Os pormenores do martírio de S. Lourenço conhece-mo-los exatamente pelos escritores dos séculos IV e V, que parecem inspirar-se, mais que numas atas escritas, na tradição oral. Se houve atas escritas, devem ter-se perdido antes do século IV, pois Santo Agostinho e S. Máximo de Turim apelam só para a tradição. Mas esta tradição é segura, não distando nem um século do martírio. Santo Ambrósio foi o primeiro a escrever, no livro dos Ofícios, sobre o martírio de S. Lourenço. Depois temos o testemunho seguro do imortal Prudêncio, anterior aos sermões de Santo Agostinho e de São Máximo. «Lourenço, diz este poeta, era o primeiro dos sete varões que se aproximavam do altar do Pontífice; grande no grau levítico e mais nobre que os seus companheiros. Tinha as chaves das coisas sagradas; presidia ao arcano das coisas celestiais e, governando como fiel depositário, distribuía as coisas de Deus». Três dias depois do martírio do Papa, foi chamado à presença do prefeito Cornelius Saecularis, para entregar os livros de contas e o dinheiro que a Igreja possuía. Com previsão, tinha-o ele distribuído todo entre os pobres da comunidade cristã. Por isso, respondeu ao Prefeito: «Manda-me vir amanhã e trazer-te-ei tudo o que a Igreja possui de rico». No dias seguinte, apresenta-se de novo S. Lourenço e diz: «Vem comigo contemplar as riquezas que te apresento. Os pórticos estão cheios de vasos de ouro; os talentos dispostos ordenadamente brilham junto às paredes. Há estojos maravilhosos; há joias de beleza admirável. E apontava para o exército de coxos, cegos, crianças, pobres e doentes que alimentava a Igreja romana. Fazia Lourenço como Cornélia ao  mostrar ao povo os seus filhos, dizendo: «Estes são os meus tesouros». A resposta do Santo, cheia de fé, de caridade e de fina ironia, encheu de indignação o Prefeito: «Pagarás a fraude com a morte. Morrerás a fogo, em cima duma grelha». Ia cumprir-se a promessa do seu Pontífice. Segui-lo-ia ao fim de três dias, depois de maiores e longas provas. Na verdade, «estendido no assador de ferro, como diz Prudêncio, o seu rosto brilhava com beleza celestial e envolvia-o num fulgor louro. Parecia o legislador antigo, ao descer dos cumes do Sinai, ou Estevão, o Primeiro Mártir, quando, entre a chuvada de pedras, via a claridade de Deus. O odor da sua carne assada enchia a atmosfera; as chamas cravavam na carne o seu aguilhão pungente, mas outro fogo maior neutralizava-lhe o efeito devastador. Um fogo eterno e divino, Cristo, o fogo verdadeiro, que ilumina os justos e abraça os pecadores». A atitude heroica do mártir, no meio do fogo das grelhas, é uma das páginas mais gloriosas da primitiva Igreja cristã: «Já está cozido deste lado, diz ele ao verdugo, dá-lhe volta e come». No fim, esquece-se o mártir de si mesmo, dos seus verdugos, e dirige uma oração a Deus pela Igreja, Prudêncio interpretou de maneira grandiosa aqueles últimos momentos: «Ó Cristo, Deus único e verdadeiro; ó esplendor, ó Filho do Pai; Ó Criador do céu e da terra e fundador destas muralhas. Tu que puseste o cetro de Roma nos cumes da pujança, e decretaste que o mundo todo obedecesse à toga de Quirino…, tem compaixão, ó Cristo, dos teus romanos; faz que seja cristã a cidade por cujo ministério tu semeaste nas outras a salutar crença. Quando os membros rejeitam a superstição, não permaneça ímpia a cabeça; faça-se Rómulo cristão, seja crente Numa. Fuja Júpiter adúltero e triunfe a espada de Paulo». Meio século mais tarde, cumpriram-se os últimos desejos de S. Lourenço. O sucessor de Rómulo e Remo convertia-se ao Cristianismo e a cruz de Cristo começava a reinar sobre o cume do Capitólio. O Império abraçava oficialmente o Cristianismo e o sangue dos mártires, os seus corpos despedaçados, repartiam-se pelo Orbe inteiro como relíquias e tesouros preciosíssimos. A semente do Evangelho frutificava pujante e prolifera, com a regadura fecunda de tanto sangue inocente, derramado nos campos, nas ruas, nos circos e nas estradas. Roma cristã venera o hispano Lourenço com a mesma veneração e respeito com que honra os seus primeiros Apóstolos. Depois de S. Pedro e S. Paulo, a festa de S. Lourenço foi a maior da antiga liturgia romana. O que foi Santo Estevão em Jerusalém, isso mesmo foi S. Lourenço em Roma. Do livro SANTOS DE CADA DIA, DE www.jesuitas.pt. Áudio
da RadioVaticana: e da RadioRai:
SANTA FILOMENA
filomena-martir
Em Roma, na catacumba de Priscila, na via Salária, santa Filomena, virgem e mártir: O anúncio agora lido de Santa Filomena não vem do chamado Martirológio jerominiano (do século V), nem de qualquer texto antigo. A história desta santa começa a 25 de Maio de 1802, dia em que se descobriram certos ossos ao escavar-se na catacumba de Priscila. A 8 de Junho de 1805, foram dados ao cónego Francisco de Lucia que os levou para a sua paróquia de Mugnano, na diocese de Nola, Itália. Houve milagres, organizaram-se peregrinações e depressa se tornou universal a celebridade da Santa; o «cura» de Ars, S. João Maria Vianney, tinha por ela extraordinária devoção e a ela atribuía os seus próprios milagres; chamava-lhe sua encarregada de negócios, seu embaixador junto de Deus e aquela que lhe emprestava o nome. Tornou-se a «milagreira do século XIX». Atribuiu à Santa frequentes comunicações, aí por 1835, uma irmã Maria Luisa. E Dositeia, outra Irmã, atribuiu à mesma santa a cura da tísica, aos 25 anos; só veio a morrer já octogenária. Até papas, ao que se diz, veneraram e invocaram muito Santa Filomena. Ao descobrirem-se os ossos, o túmulo estava fechado por três tijolos que se tinham pintado com letras vermelhas: LUMENA PAX TECUM FI. Logo se estabeleceu a ordem das palavras, a fim de lhes dar sentido: Pax tecum Filumena», «A paz esteja contigo, Filomena». Não houve cuidado de perguntar, na altura, se estavam presentes os restos duma mártir chamada Filomena. Nos símbolos pintados à volta das letras – âncora, palma, seta, folhas de hera, etc. – viu-se a indicação do suplicio: Filomena foi considerada como vítima de setas; e a «ampola de sangue» encontrada junto dos ossos tirou todas as dúvidas sobre ter existido essa Santa e ter sido mártir. As referidas eram, porém, explicações um tanto fantasiosas. Há muito que se sabia que as chamadas «ampolas de sangue» não contêm sangue e não indicam corpos de mártires! Os símbolos já não encerram mistério: a âncora lembra a cruz, a palma indica o triunfo no céu de qualquer bom cristão, as setas e as heras manifestam a separação das palavras umas das outras. Quanto à desordem dos termos ou parte deles não é facto casual, é coisa frequente: os coveiros (fossores) do século IV tornavam a empregar os restos das sepulturas encontradas mas evitando que as inscrições fossem julgadas como pertencentes aos novos ossos, que elas ficavam cobrindo. Em 1802, a inscrição deveria ter sido interpretada não como dizendo respeito aos ossos colocados por trás. É claro que Deus pode ouvir, como queira, qualquer oração, seja qual for o intermediário que se use. Ouvir-nos, não é primariamente dar-nos a certeza sobre a existência do Santo indicado. Assim, diante das dificuldades, a Sagrada Congregação dos Ritos determinou, em 1951: «A festa de Santa Filomena, virgem e mártir, deve ser retirada de todo e qualquer calendário». Ultimamente, porém, foi permitido celebra-la com qualquer «liturgia comum» (não como própria) da Santa. Conforme o papa João Paulo II explicou a um Bispo da Índia que lhe pedia esclarecimentos, o que se mantém é o seguinte: Estão proibidos em todas as dioceses a Missa própria e o Ofício litúrgico (cheio de fantasias) que antigamente se usavam. Pode celebrar-se Missa em honra de Santa Filomena, usando o formulário do comum das Virgens mártires, Não está proibido expor ao culto a imagem da santa. Do livro SANTOS DE CADA DIA, DE www.jesuitas.pt.
Amadeo de Silva y Meneses, Beato
Agosto 10 Sacerdote Fundador,
amadeo-silva
Lorenzo, Santo
Agosto 10 Mártir,
lorenzo-diacono
Filomena, Santa
Agosto 10 Mártir,
filomena-martir
Francisco Drzewiecki, Beato
Agosto 10 Presbítero y Mártir,
francisco-drzewiecki
Lázaro Tiersot, Beato
Agosto 10 Presbítero y Mártir
lazaro-tiersot
arcangel-calatafino
 Beato Agostino Ota Martire del Giappone 
Beato Agostino Ota 
Beato Arcangelo Piacentini da Calatafimi 1
 San Besso Martire
San Besso1San Besso4San Besso5
San Blano Vescovo
San Blano
Beato Edoardo (Edward) Grzymala Sacerdote e martire
Beato Edoardo (Edward) Grzymala 
Sant' Erico (Erik) IV Re di Danimarca, martire
Sant' Erico (Erik) IV
Beato Francesco Drzewiecki Sacerdote orionino, martire 
 Beato Francesco Francois (Sebastiano da Nancy)
San Geraint II Re del Cornwall
San Geraint II
Beati Giovanni Martorell SoriaBeati Pietro Mesonero Rodriguez
 Beato Giuseppe Toledo Pellicer Sacerdote e martire
Beato Giuseppe Toledo Pellicer
Santi Ireneo ed Aurelio Martiri, venerati a Cutigliano
Santi Ireneo ed Aurelio
San Lorenzo Diacono e martire 10 agosto -
San Lorenzo 1San Lorenzo 3San Lorenzo 4San Lorenzo 5
Santi Martiri Alessandrini 
Santa Plettrude VII-VIII secolo
Santa Plettrude
00000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000
Localização geográfica da sede deste Blogue, no Porto
Viso---mapa_thumb_thumb_thumb_thumb_[2]
http://confernciavicentinadesopaulo.blogspot.com
***************************************************************************************************************
Responsabilidade exclusiva de ANTÓNIO FONSECA
email: antoniofonseca1940@hotmail.com
Obrigado. António Fonseca
Sites utilizados: http://bibliaonline.com.br/acf; http://es.catholic.net; http://santiebeati.it; http://jesuitas.pt/
WWWWWWWWWWWWWWWWWWWWWWWWWWWWWWWWWWWWWWWWW
Porto, 10-8-2012 – 10,00 H
ANTÓNIO FONSECA

Nº 1373-(2) - CARTAS DE SÃO PAULO - 10 DE AGOSTO DE 2012

antoniofonseca1940@hotmail.com
Caros Amigos: Queiram ler por favor a NOTA que publiquei no passado dia 8/8 no ínício do Nº 1372 de SANTOS DE CADA DIA, onde explico os factos que deram origem à interrupção e ao reinício de publicação do blogue em 29 de Julho. Desculpem e Obrigado pela atenção. António Fonseca

»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»
»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»
»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»

Como afirmei inicialmente, Envolvi-me nesta tarefa, pois considero ser um trabalho interessante, pois servirá para que vivamos mais intensamente a Vida de Jesus Cristo que se encontra sempre presente na nossa existência, mas em que poucos de nós (eu, inclusive) tomam verdadeira consciência da sua existência e apenas nos recordamos quando ouvimos essas palavras na celebração dominical e SOMENTE quando estamos muito atentos,o que se calhar, é raro, porque não acontecendo assim, não fazemos a mínima ideia do que estamos ali a ouvir e daí, o desconhecimento da maior parte dos cristãos do que se deve fazer para seguir o caminho até Ele.
Como Jesus Cristo disse, aos Apóstolos, no dia da sua Ascensão ao Céu:
IDE POR TODO O MUNDO E ENSINAI TODOS OS POVOS”.

É apenas isto que eu estou tentando fazer. AF.
+++++++++++++++++++++++

Nº 1362 - 2ª Página

30 de Julho de 2012

CARTAS DE S. PAULO

S.-Paulo_thumb_thumb1_thumb_thumb_th

CARTAS PASTORAIS

CARTA AOS HEBREUS

O SACERDÓCIO DE CRISTO É SUPERIOR AO LEVÍTICO

 
5 - Porque todo o Sumo Sacerdote escolhido de entre os homens é constituido a favor dos homens, nas coisas concernentes a Deus, para oferecer dons e sacrifícios pelos pecados. Pode compadecer-se dos ignorantes e dos que erram, pois tam,bém ele está cercado de fraqueza, e, por isso, deve oferecer sacrifícios, tanto pelos seus próprios pecados, como pelos do povo.
E ninguém usurpe para si esta honra; somente a tome o que é chamado por Deus, como Aarão.
Assim também Cristo não Se glorificou a Si mesmo fazendo-Se Sumo Sacerdote, mas foi glorificado porquele que Lhe disse: «Tu és Meu Filho, hoje Te gerei». Como também diz em outro lugar. «Tu és sacerdote eternamente, segundo a ordem de Melquisedec».
O Qual, quando vivia na carne, ofereceu, com grande clamor e lágrimas, orações e súplica Àquele que O podia salvar da morte, e foi atendido pela Sua piedade. Apesar de Filho de Deus, aprendeu a obedecer, sofrendo, e, uma vez atinguida a perfeição tornou-Se para todos os que lhe obedecem fonte de salvação eterna, tendo sido proclamado por Deus Sumo Sacerdote segundo a ordem de Melquisedec.

Exortação prática: Normas de vida cristã: - Teríamos muitas coisas a dizer sobre isto e coisas dificeis de explicar, porque vos tornastes lentos em compreensão. Pois vós, que há muito tempo devieis ser mestres, necessitais ainda que alguém vos ensine os primeiros rudimentos dos oráculos de Deus, e tornaste-vos tais que necessitais de leite em vez de uma comida sólida. Ora, o que se alimenta de leite é incapaz de entender a doutrina da justiça, porque ainda é menino. A comida sólida, porém, é para os adultos para aqueles que se habituaram a ter os sentidos exercitados para distinguir o bem do mal.
                                        *************************************************************                               
Este Post era para ser colocado em 30 de Julho de 2012 – 10,15 horas

ANTÓNIO FONSECA

Prosseguirei esta tarefa, amanhã se Deus quiser, já com o nº 6 da CARTA AOS HEBREUS. AF