OS MEUS DESEJOS PARA TODOS

RecadosOnline.com

sábado, 11 de agosto de 2012

Nº 1374-2 - "2" - CARTAS DE SÃO PAULO - 11 DE AGOSTO DE 2011

antoniofonseca1940@hotmail.com

»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»
»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»
»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»

Como afirmei inicialmente, Envolvi-me nesta tarefa, pois considero ser um trabalho interessante, pois servirá para que vivamos mais intensamente a Vida de Jesus Cristo que se encontra sempre presente na nossa existência, mas em que poucos de nós (eu, inclusive) tomam verdadeira consciência da sua existência e apenas nos recordamos quando ouvimos essas palavras na celebração dominical e SOMENTE quando estamos muito atentos,o que se calhar, é raro, porque não acontecendo assim, não fazemos a mínima ideia do que estamos ali a ouvir e daí, o desconhecimento da maior parte dos cristãos do que se deve fazer para seguir o caminho até Ele.
Como Jesus Cristo disse, aos Apóstolos, no dia da sua Ascensão ao Céu:
IDE POR TODO O MUNDO E ENSINAI TODOS OS POVOS”.

É apenas isto que eu estou tentando fazer. AF.
+++++++++++++++++++++++

Nº 1365 - 2ª Página

2 de Agosto de 2012

CARTAS DE S. PAULO

S.-Paulo_thumb_thumb1_thumb_thumb_th

CARTAS PASTORAIS

CARTA AOS HEBREUS

O SACRIFÍCIO DE CRISTO SUPERA OS SACRIFÍCIOS ANTIGOS

 
8 - O novo Santuário e a Nova Aliança  -  O ponto principal de tudo quanto acabamos de dizer é este: Temos um Sumo Sacerdote, que está sentado nos Céus à direita do trono da Majestade, ministro do santuário e do tabernáculo, erigido pelo Senhor e não pelo homem.
Todo o sacerdote é constituído para oferecer dons e sacrifícios. Por isso, é necessário que também tenha algumas coisas para oferecer.
Se Ele estivesse na terra, nem mesmo sacerdote seria, porque já existem aqui sacerdotes que oferecem os dons segundo a Lei, os quais celebram um culto que é imagem e sombra das coisas celestiais, como foi revelado a Moisés, quando estava para construir o tabernáculo. «Olha, - foi-lhe dito - faz todas as coisas conforme o modelo que te foi mostrado no monte». Mas o nosso Sumo Sacerdote recebeu um sacerdócio tanto mais elevado quanto Ele é mediador duma aliança mais excelente, a qual foi estabelecida sobre melhores promessas. Porque se a primeira aliança estivesse isenta, sem defeitos, certamente não haveria lugar para uma outra.
Sem dúvida alguma há uma censura nestas palavras: «Eis que virão dias, diz o Senhor, em que farei com a casa de Israel e com a casa de Judá uma nova aliança, não como a aliança que fiz com seus pais, no dia em que os tomei pela mão para os tirar do Egipto; porque eles não permaneceram fiéis à Minha aliança e Eu desinteressei-me deles, diz o Senhor. Esta será a aliança que farei com a casa de Israel depois daqueles dias, diz o Senhor; Imprimirei as Minhas leis no seu espírito e gravá-las-ei nos seus corações. Eu serei o seu Deus e eles serão o Meu povo. Ninguém ensinará o seu próximo nem o seu irmão, dizendo: Conhece o Senhor. Porque todos Me conhecerão desde o menor até ao maior, pois perdoar-lhes-ei as suas iniquidades e não Me lembrarei mais dos seus pecados».
Ao dizer: «Uma nova aliança», Deus declara antiquada a primeira; ora, o que se torna antiquado e envelhece, está prestes a desaparecer.

                       *************************************************************                               
Este Post era para ser colocado em 2 de Agosto de 2012 – 10,15 horas

ANTÓNIO FONSECA

Prosseguirei esta tarefa, amanhã se Deus quiser, já com o nº 8 da CARTA AOS HEBREUS. AF

Nº 1374-2 - "1" - CARTAS DE SÃO PAULO - 11 DE AGOSTO DE 2012

antoniofonseca1940@hotmail.com

»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»
»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»
»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»

Como afirmei inicialmente, Envolvi-me nesta tarefa, pois considero ser um trabalho interessante, pois servirá para que vivamos mais intensamente a Vida de Jesus Cristo que se encontra sempre presente na nossa existência, mas em que poucos de nós (eu, inclusive) tomam verdadeira consciência da sua existência e apenas nos recordamos quando ouvimos essas palavras na celebração dominical e SOMENTE quando estamos muito atentos,o que se calhar, é raro, porque não acontecendo assim, não fazemos a mínima ideia do que estamos ali a ouvir e daí, o desconhecimento da maior parte dos cristãos do que se deve fazer para seguir o caminho até Ele.
Como Jesus Cristo disse, aos Apóstolos, no dia da sua Ascensão ao Céu:
IDE POR TODO O MUNDO E ENSINAI TODOS OS POVOS”.

É apenas isto que eu estou tentando fazer. AF.
+++++++++++++++++++++++

Nº 1364 - 2ª Página

1 de Agosto de 2012

CARTAS DE S. PAULO

S.-Paulo_thumb_thumb1_thumb_thumb_th

CARTAS PASTORAIS

CARTA AOS HEBREUS

O SACERDÓCIO DE CRISTO É SUPERIOR AO LEVÍTICO

 
7 - Sumo Sacerdote ao estilo de Melquisedec - Este Malquisedec rei de Salém, sacerdote de Deus Altíssimo, que foi ao encontro de Abraão quando este voltava da derrota infligida aos reis, e o abençoou, ao qual Abraão deu o dízimo de todfos os despojos é, conforme o seu nome indica, primeiramente, rei de justiça e, depois, rei de Salém, isto é, rei da paz.
Sem pai, sem mãe, sem genealogia, sem princípio de dias nem fim de vida, assemelha-se assim ao Filho de Deus e permanece sacerdote eternamente.
Considerai quão grande é aquele a quem o patriarca Abraão deu o dízimo dos despojos. Os filhos de Levi que exerceram o sacerdócio têm ordem, segundo a Lei, de receber o dízimo do povo, isto é, dos seus irmãos, embora eles sejam, também, descendentes de Abraão. Mas Aquele cuja linhagem não é contada entre eles, recebeu o dízimo de Abraão e abençoou o detentor das promessas.
Ora, sem dúvida algunma, o inferior é que recebe a bênção do que é superior. E aqui os que recebem o dízimo são homens mortais; mas ali recebe-o Alguém de Quem se afirma que vive. E Levi, que recebe o dízimo, pagou-o, por asssim dizer, na pessoa de Abraão, pois ainda estava para ser gerado quando Melquisedec saiu ao encontro de seu pai.
Insuficiência do sacerdócio antigo: superioridade do novo  -  Se a perfeição tivesse sido realizada pelo sacerdócio levítico - porque sob este é que o povo recebeu a Lei - que necessidade havia de que aparecesse ainda outro sacerdote segundo a ordem de Melquisedec, e não segundo a ordem de Aarão? Mudado o sacerdócio, forçoso é, também, que se faça a mudança da lei. De facto, Aquele de Quem isto se disse, pertence a outra tribo, da qual nenhum membro fez o serviço do altar; pois é notório que Nosso Senhor nasceu da tribo de Judá, tribo esta da qual Moisés nada disse acerca do sacerdócio. E isto ainda é mais evidente quando aparece outro sacerdote à semelhança de Melquisedec, instituído não segundo o mandamento da lei carnal, mas segundo o poder de uma vida imortal. Porque d'Ele se dá este testemunho: «Tu és sacerdote eternamente segundo a ordem de Melquisedec». Assim, é abolido o mandamento precedente, devido à sua fraqueza e inutilidade, pois a lei nada levou à perfeição e nada mais foi que uma introdução a uma esperança melhor, mediante a qual nos aproximamos de Deus.

E isso não foi feito sem juramento. Os outros foram instituídos sacerdotes sem juramento, mas Este o foi com juramento d'Aquele que Lhe disse: «O Senhor jurou e não Se arrependerá: Tu és sacerdote eternamente.

Por isso mesmo, Jesus tornou-Se o fiador duma aliança superior. Além disso, existiram numerosos sacerdotes, porque a morte não permitia que permanecessem. Mas este, porque permanece eternamernte, possui um sacerdócio eterno.

Por isso, pode salvar perpetuamemte os que por Ele se aproximam de Deus, vivendo sempre para interceder em seu favor.

Tal é, com efeito, o Sumo Sacerdote que nos convinha; Santo, inocente, imaculado, separado dos pecadores e elevado acima dos Céus, que não tem necessidade, como os outros sacerdotes, de oferecer vítimas todos os dias, primeiro pelos Seus próprios pecados e depois pelos do povo, porque o fez duma só vez e para semopre, oferecendo-Se a Si mesmo. Com efeito, a lei constitui sacerdotes a homens débeis; mas a palavra do juramento, que é posterior à Lei, constitui o Filho, que é eternamente perfeito.

                       *************************************************************                               
Este Post era para ser colocado em 1 de Agosto de 2012 – 10,15 horas

ANTÓNIO FONSECA

Prosseguirei esta tarefa, amanhã se Deus quiser, já com o nº 8 da CARTA AOS HEBREUS. AF

Nº 1374-1 - (224-12) - SANTOS DE CADA DIA - 11 DE AGOSTO DE 2012


antoniofonseca1940@hotmail.com
»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»
»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»

                       Nº 1374-1  -  (224-12) 
Imagem3189
»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»
I-Am-Posters
= E U   S O U =
»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»«««««««««««««««««««««««««««««««««

SANTA CLARA DE ASSIS
(1253)
Santa Chiara2
Pouco antes de nascer Santa Clara, rezando sua mãe a pedir feliz parto, ouviu uma voz que lhe dizia: «Mulher, não tenhas medo, porque darás à luz quem, com as suas chamas, iluminará o mundo». Esta a razão por que depois se deu à menina o nome de Clara: aquela que resplandece. Desde muito cedo revelou uma abnegação de que são capazes apenas as almas que imensamente amam. Não contente com dar aos pobres o supérfluo, chegava até a privar-se do necessário para os socorrer. Desde a mais tenra infância, tinham-na enlevado os mistérios do reino sobrenatural, e o chamamento do espírito tinha-a erguido acima dos gostos próprios da idade. Mesmo das distrações familiares costumava separar-se para rezar o Pai-nosso. Teve a educação do seu tempo e da sua classe elevada: conhecimentos elementares da leitura e escrita; trabalhos de agulha em que era primorosa; e direção da vida doméstica. Não lhe bastava cumprir a meias os seus deveres. Com previsão certeira, descobria as coisas dotadas de verdadeiro valor, unindo a esta qualidade um temperamento emotivo, sedento de beleza moral. A direção definitiva da sua vida ficou a devê-la a S. Francisco de Assis. Viram-se pela primeira vez na quaresma de 1212. Clara andava então pelos 18 anos. A sua família era uma das mais nobres do território de Assis; tinha um castelo nos arredores e uma casa senhorial no interior da cidade. O pai desejava vê-la casada, mas, quando lhe falava em projetos matrimoniais, ela ou não escutava ou mudava de assunto. Sentia quão necessário lhe era conservar a sua liberdade e consagrar a pureza a Jesus Cristo. S. Francisco ouvira falar de Clara, do trato delicado que tinha com os pobres. Desejou conhecê-la, «porque, diz o velho cronista, desejava arrancar esta nobre presa das garras do mundo perverso e depositá-la, como glorioso troféu, diante do altar de Deus». Clara, por seu lado, depois de ouvir a pregação de Francisco, teve a certeza de ter encontrado o seu guia espiritual. Cada vez que tratava com o seu novo diretor de consciência, voltava mais resolvida a romper com o século, mantendo no interior «uma visão das felicidades eternas, em comparação das quais o mundano é vil e desprezível; e a sua alma unicamente se derretia, mais e mais, com o santo anelo de tomar por esposo o rei dos céus». A dificuldade estava na família. Os pais queriam a todo o custo que ela se casasse. Mas, durante a quaresma, Clara firmou-se na resolução contrária. E no domingo de Ramos, no fim da tarde, fugiu do palácio e foi para a Porciúncula, onde a esperava S. Francisco. Naquela noite, Clara consagrou-se a Deus e Francisco cortou-lhe o cabelo, como testemunho do voto por ela feito. Ao amanhecer o novo dia, Francisco levou-a ao mosteiro de beneditinas de S. Paulo de Bastia, até encontrar casa própria para as religiosas franciscanas. Vieram procurar a jovem os seus parentes; refugiou-se na igreja e, quando iam a lançar-lhe as mãos, tirou o véu, mostrando a cabeça rapada. Agarrando-se ao altar, declarou publicamente os seus desposórios com Nosso Senhor Jesus Cristo. Passado isto, deixaram-na em paz. Na semana seguinte, veio juntar-se-lhe sua irmã mais nova, Inês, resolvida também a deixar o mundo e consagrar-se a Deus. Não foi tão feliz quanto Clara. Vieram, em seguida, os seus parentes, tiraram-na da igreja, arrastaram-na pela rua até que, já aborrecidos com gritos e lágrimas, a deixaram livre. S. Francisco obteve para elas o Oratório de S. Damião e a pequena morada contígua, que pertencia aos beneditinos do Monte Subásio. S. Damião ficou sendo, a partir dessa altura, casa gémea da Porciúncula. Depressa vieram outras damas nobres, dilacerando, como diz o seu primeiro biógrafo, com disciplinas o invólucro alabastrino do seu corpo. Francisco não deu a Clara nenhuma regra de vida; unicamente lhe inculcou o espírito de pobreza e a confiança na solicitude infinita de Deus. Por isso, foi S. Damião, segundo frase de Clara, «a torre forte da insigne pobreza». A comunidade não admitia nenhuma renda fixa. A esmola e o trabalho eram os dois pilares fortes. Clara dava o exemplo em tudo; servia à mesa e cuidava das doentes. De noite, levantava-se para acender as lâmpadas e fazer oração. A cama que tinha era um montão de varas; a comida, o pão e água, quando não passava dias inteiros sem comer. Numa Quinta-feira Santa teve um êxtase que lhe durou 24 horas. Quando Gregório IX quis que aceitasse a posse dalgumas rendas, Clara respondeu: «Santíssimo Padre, não é isso o que prometemos». – «Mas, não posso eu desligar-vos da vossa promessa?», respondeu o papa. Clara, inspirada pelo Espírito Santo, desarmou o Pontífice com esta resposta: «Desligai-me, peço-vos, das minhas culpas, mas não de imitar Nosso Senhor Jesus Cristo». Gregório IX concedeu-lhe o privilégio da altíssima pobreza, que mais tarde Inocêncio IV estendeu a todas as comunidades de Senhoras Pobres. S. Damião foi milagre que irradiou pureza, como o Sol irradia os seus raios. As mulheres queriam ser puras como Clara, e os homens aprendiam a respeitar a pureza das mulheres. «De toda a parte, escreve o primeiro biógrafo, corriam as mulheres ao cheiro dos seus perfumes». Veio ter com ela a morte no verão de 1253. O papa Inocêncio IV visitara-a, estando ela de cama; mas desejou beijar-lhe o pé, o que obteve estendendo-lho Inocêncio. pedindo em seguida a bênção com indulgência plenária, o papa respondeu: «Queira Deus, filha minha, que não necessite eu, mais tarde que tu, da misericórdia divina». Na sua prolongada enfermidade cheio de lágrimas, a agonizante murmurava, falando com a sua alma: «Sai sem medo, que bom guia tens para o caminho. Ó Senhor! Louvo-Te, glorifico-Te por me terdes criado». Clara acaba por olhar fixamente para a porta, que se abre para deixar passar uma procissão e virgens com vestidos brancos, e franjas de ouro à volta do cabelo luzidios. A mais alta, a mais bela, a que leva na fronte uma coroa real, avança até à cama, inclina-se para a moribunda, abraça-a e esconde-a entre os seus véus de luz. Nos braços de Maria, subiu à região das eternas claridades. É representada de custódia do Santíssimo Sacramento na mão, a deter os mouros às portas de Assis. Por lhe ter sido atribuído ver de longe o sepulcro de S. Francisco, foi ela declarada padroeira da televisão. Do livro SANTOS DE CADA DIA, de www.jesuitas,.pt
Áudio da RadioVaticana: RadioRai: e da RadioMaria
SANTA SUSANA
(mártir nos primeiros séculos)
Santa Susanna di Roma1
Susana é nome de origem hebraica e significa «lírio». O livro de Daniel (c. 13) fala-nos duma Susana que esteve para ser mártir da pureza. O Martirológio Jeronimiano traz, a 11 de Agosto: «Em Roma, nas Duas Casas, perto das termas de Diocleciano, a morte de Santa Susana». Segundo o autor da Paixão (sem valor) de Santa Susana, as duas casas eram as do pai de Susana, o sacerdote Gabínio, e do bispo de Roma, Gaio, tio da jovem. Susana tinha sido pedida em casamento nada menos que para o filho do imperador Diocleciano. Recusando-se ela, foi esganada na sua casa, pegada à de Gaio. Foi depositado o seu corpo no cemitério dos Iordani ou de Santo Alexandre (Via Salária). Mas os calendários e os Itinerários nada dizem a seu respeito. O título de Gaio, já antigo no tempo do concílio de 499, passou em 595 a chamar-se de Santa Susana. Escavações feitas revelaram uma casa do século III. Uma inscrição desaparecida indicava que Susana repousava lá, com o pai, o sacerdote Gabínio. Mas ela era talvez posterior à lenda. A igreja atual de Santa Susana, via XX Settembre, tem pinturas em honra da Susana romana e da sua homónima bíblica. Do livro SANTOS DE CADA DIA, de www.jesuitas,.pt.
BEATO MAURÍCIO TORNAY
Mártir (1910-1949)
Beato Maurizio (Maurice) Tornay3
No dia da sua beatificação, a 16 de Maio de 1993, João Paulo II afirmou acerca dele: «Para responder generosamente ao apelo de Deus, Maurício Tornay descobre que é preciso ir até ao fim, viver o amor de modo heroico. O amor de Deus não afasta dos homens. Impele à missão. No espírito de Santa Teresa de Lisieux, Maurício Tornay só tem um desejo: “Conduzir as almas a Deus”. No espírito da sua Ordem, na qual cada um põe em risco a própria vida para arrancar homens à tempestade, ele pede para partir para o Tibete, a fim de conquistar homens para Cristo. Começa por se fazer tibetano com os Tibetanos; ama esse país, que se torna a sua segunda pátria; aplica-se em aprender a língua, a fim de comunicar melhor Cristo. Como o bom Pastor que dá a vida pelas suas ovelhas, Maurício Tornay ama o seu povo, a ponto de jamais querer abandoná-lo». Maurício Tornay nasceu na Suíça, a 31 de Agosto de 1910. Desejando corresponder ao apelo de Deus, entrou na Congregação dos Cónegos regulares do Grande São Bernardo. A 8 de Setembro de 1935 fez a profissão solene e no ano seguinte partiu para as missões da China. Fundos os estudos teológicos, em 1938 recebeu a ordenação sacerdotal em Hanoy. Depois de sete anos à frente duma escola, em 1945 foi nomeado pároco em Yercalo no Tibete livre. Entregou-se à sua comunidade com grande zelo e caridade apostólica. Todavia os Lamas, decididos a acabar com os cristãos no seu território, moveram-lhe uma guerra sem tréguas, forçando-o a retirar-se para Pamé, não longe de Yerkalo. Como o trabalho se tornava cada vez mais difícil, o intrépido religioso, com a aprovação dos Superiores, decidiu ir a Lassa, capital do Tibete, solicitar do Governo a devida licença para o trabalho apostólico. sabia os perigos que corria com essa arrojada viagem, mas o amor de Deus e o zelo apostólico impeliam-no a ir. No dia 11 de Agosto de 1949, foi interceptado pelos Lamas que opuseram termo à sua vida. Os cristãos, sabedores do sucedido, começaram a venerá-lo como verdadeiro mártir. Depois dos devidos processos canónicos, a 11 de Julho de 1992, a Santa Sé reconheceu a veracidade do martírio, o que levou à beatificação do Servo de Deus. AAS 85 (1993) 180-2; L’OSS. ROM. 23.5.1993. Do livro SANTOS DE CADA DIA, de www.jesuitas,.pt.
WWW.ES.CATHOLIC.NET/SANTORAL
Clara de Assis, Santa
Agosto 11 Virgen y Fundadora,
sant_clara_de_asis
Alejandro el Carbonero, Santo
Agosto 11 Mártir y Obispo,
alejandro-carbonero
Susana, Santa
Agosto 11 Mártir,
susana-santa
Luis Biragui, Beato
Agosto 11 Sacerdote Fundador,
luis_biragui
Mauricio Tornay, Beato
Agosto 11 Presbítero y Mártir,
mauricio-tornay
Rafael Alonso Gutiérrez, Beato
Agosto 11 Mártir Laico,
rafael-alonso-gutierrez
Carlos Díaz Gandía, Beato
Agosto 11 Mártir Laico,
carlos-diaz
gaugerico-cambrai
Equicio, Santo
Agosto 11 Abad,
equicio-valeria
Rufino de Assis, Santo
Agosto 11 Obispo y Mártir,
rufino-asis
Tiburcio de Roma, Santo
Agosto 11 Mártir,
tiburcio-roma
 Sant' Alessandro il Carbonaio
 Santa Attratta Badessa
San Cassiano di Benevento
Santa Chiara Vergine
Santa Chiara1 Santa Chiara3Santa Chiara4
 Santa Degna Venerata a Todi
Santa Degna
Sant' Eliano di Filadelfia
 Sant' Equizio Abate
Santa Filomena di Roma1Santa Filomena di Roma2Santa Filomena di Roma3
San Gaugerico di Cambrai
Beato Giovanni Enrico Newman2Beato Giovanni Enrico Newman4Beato Giovanni Giorgio Rehm
Beato Giovanni Giorgio Rehm
Beati Giovanni Sandys, Stefano Rowsham e Guglielmo Lampley 
 Beato Maurizio (Maurice) Tornay Sacerdote e martire
Beato Michele (Miguel) Domingo Cendra
San Primo Martire Seconda domenica di agosto
Beati Raffale Alonso GutierrezbEATO Carlo Diaz Gandia
 Beato Robaldo Rambaudi Domenicano 
Beato Robaldo Rambaudi 
San Rufino di Assisi Vescovo e martire
San Rufino di Assisi 
Santa Susanna di Roma4Santa Susanna di Roma2Santa Susanna di Roma5Santa Susanna di Roma3
San Taurino di Evreux 
Santi Teobaldo d'Inghilterra e ompagno
 San Tiburzio Martire
San Tiburzio
00000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000
Localização geográfica da sede deste Blogue, no Porto
Viso---mapa_thumb_thumb_thumb_thumb_[2]
http://confernciavicentinadesopaulo.blogspot.com
***************************************************************************************************************
Responsabilidade exclusiva de ANTÓNIO FONSECA
email: antoniofonseca1940@hotmail.com
Obrigado. António Fonseca
Sites utilizados: http://bibliaonline.com.br/acf; http://es.catholic.net; http://santiebeati.it; http://jesuitas.pt/
WWWWWWWWWWWWWWWWWWWWWWWWWWWWWWWWWWWWWWWWW
Porto, 11-8-2012 – 10,00 H
ANTÓNIO FONSECA