OS MEUS DESEJOS PARA TODOS

RecadosOnline.com

sexta-feira, 31 de maio de 2013

Blog de Santo Afonso: Musical Wojtyla regressa aos palcos

Blog de Santo Afonso: Musical Wojtyla regressa aos palcos: Projeto de homenagem a João Paulo II conta com novas histórias e novo elenco numa digressão que começa no Porto, passa por Braga e regressa...

Annales Historiæ: Terroristas em potencial!

Annales Historiæ: Terroristas em potencial!

Annales Historiæ: Mais três vítimas da polícia política francesa

Annales Historiæ: Mais três vítimas da polícia política francesa: Esta é a história de três amigas que queriam simplesmente visitar a Santa Capela... Como o tempo estava bom e ameno, na fila de esp...

Annales Historiæ: Ainda sobre as prisões arbitrárias no colégio Buff...

Annales Historiæ: Ainda sobre as prisões arbitrárias no colégio Buff...: "Alunos, uma mulher grávida, um cego, um padre, senhoras catequistas e aposentados com idade superior a 70 anos... 93 pessoas, oposito...

Annales Historiæ: Primeiros gestos concretos de desobediência civil ...

Annales Historiæ: Primeiros gestos concretos de desobediência civil ...: O primeiro simulacro de casamento de Sena e Marne foi anunciado para sábado, 1º de julho, em Chenoise, perto de Provins. O Conselho Municip...

Annales Historiæ: A armadilha montada pelos policiais à paisana e os...

Annales Historiæ: A armadilha montada pelos policiais à paisana e os...: Fonte: Le Salon Beige Testemunho de um leitor: Domingo, 26 de maio, me encontro com meus amigos para a grande Manifestação para to...

Annales Historiæ: Para encerrar a noite, um pouco de boa música

Annales Historiæ: Para encerrar a noite, um pouco de boa música

Nº 1667-3 - Encontro diário com Deus


Do livro – Encontro diário com Deus - Editora Vozes – Petrópolis - http://www.vozes.com.


Nº 1667-3


Sexta-feira - 31 de Maio de 2013



Pensamento do Dia

Que Maria nos ajude a ter fé em Deus, a crer em Sua Palavra, a repelir sempre o mal e a escolher o bem.


Papa (Emérito) Bento XVI



_________________________________________________________

MARIA DE TODAS AS HORAS

Maria, Mãe de Jesus, Mãe de todas as mães;  

Mãe da humanidade que atravessa o vale das lágrimas e escala os caminhos íngremes dos montes mostrados por Teu Filho Jesus: 
nós queremos estar contigo. 
Tu foste querida e sonhada pelos planos de Deus 
para seres a Mãe da nossa esperança, Cristo Jesus. 
Antes que as ondas dos mares começassem a rugir, 
antes que as fontes jorrassem,  
antes que os céus tivessem seu azul, 
antes que tudo existisse, 
Maria, tu já estavas nos planos eternos e sábios do Altíssimo,  
que depois cobriu teu seio com sua santa e desejada sombra. 
Tu contemplas as nuvens dos céus e querias que elas chovessem o Justo, 
porque tu eras mulher de esperança. 
Teu corpo foi preservado da divisão 
entre o bem e o mal que dilacera nosso interior. 
Tu tens um nome belo: tu te chamas Maria Imaculada. 
Tu tens o gosto do intacto, 
tu tens no teu coração o relicário da paz, 
tu não podias conhecer corrupção: 
tu és a Maria da Glória. 
Tu és simplesmente Mãe! 
Mãe de Jesus e minha Mãe; 
abençoa e guarda todos os que querem ter no semblante 
os traços do teu Filho Jesus!



Frei Almir Ribeiro Guimarães, OFM

______________________________________________________________________________


NOTA:
Este livro foi adquirido em 11-2-2013 por mim, e, apesar de:
Todos os direitos reservados.
Julgo não estar a utilizar abusivamente parte dos textos ali publicados, para os editar diariamente no meu blog.
Se, no entanto, a Editora entender que não os devo publicar, agradeço que me informem de imediato, através do meu endereço:



http://es.catholic.net; http://santiebeati.it; http://jesuitas.pt; http://bibliaonline.com.br/acf

Nº 1667 - 2ª Página - O ANTIGO TESTAMENTO - SAMUEL I - 31 de Maio de 2013



31 de Maio de 2013
Nº 1667 - 2ª Página
antoniofonseca1940@hotmail.com
2013

250px-12_staemme_israels_cs_thumb1_t
Distribuição das Tribos em ISRAEL
Nº 1667
»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»
Caros Amigos:
Ver por favor a edição de, 12 de Novembro, deste Blogue.
Resolvi simplesmente começar a editar o ANTIGO TESTAMENTO que é composto pelos seguintes livros:
GÉNESIS, ÊXODO, LEVÍTICO, NÚMEROS, DEUTERONÓMIO, constantes do PENTATEUCO, JOSUÉJUÍZES, RUTE,– (Estes já estão…)
Faltam apenas 875 páginas…(mais ou menos) - Sejamos optimistas.
  1º E 2º de SAMUEL, 1º e 2º Reis, (2) CRÓNICAS (paralipómenos), ESDRAS, NEEMIAS, TOBIAS, JUDITE, ESTER, 1º E 2. MACABEUS (Livros históricos); JOB, SALMOS, PROVÉRBIOS, ECLESIASTES, CÂNTICO DOS CÂNTICOS, SABEDORIA, ECLESIÁSTICO (Livros Sapienciais ); ISAÍAS, JEREMIAS, JEREMIAS – Lamentações, BARUC, EZEQUIEL, DANIEL, OSEIAS, JOEL, AMÓS, ABDIAS, JONAS, MIQUEIAS, NAUM, HABACUC, SOFONIAS, AGEU, ZACARIAS e MALAQUIAS (Profetas).

!!!SÃO APENAS POUCO MAIS DE 40 LIVROS = 1260 PÁGINAS …!!! (coisa pouca…)
Poderei porventura dar conta do recado? Se calhar, não! Só Deus o sabe e decerto providenciará o que lhe aprouver!
SEI: que é uma tarefa ciclópica, impossível., etc., para os meus 73 anos (*) .
Desconheço se conseguirei executar esta tarefa e sei os limites que poderão antepor-se-me, mas CREIO EM DEUS TODO-PODEROSO que não me desamparará em ocasião alguma. Com Fé e perseverança tudo se consegue e portanto irei até onde Deus me permitir, rezando todos os dias para que eu possa Evangelizar com os meios que tenho à disposição, durante o tempo que Deus Nosso Senhor Jesus Cristo entender.
Se o conseguir, darei muitas Graças a Deus
»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»

Como afirmei inicialmente, Envolvi-me nesta tarefa, pois considero ser um trabalho interessante, pois servirá para que vivamos mais intensamente a Vida de Jesus Cristo que se encontra sempre presente na nossa existência, mas em que poucos de nós (eu, inclusive) tomam verdadeira consciência da sua existência e apenas nos recordamos quando ouvimos essas palavras na celebração dominical e SOMENTE quando estamos muito atentos, – o que se calhar, é raro, porque não acontecendo assim, não fazemos a mínima ideia do que estamos ali a ouvir e daí, o desconhecimento da maior parte dos cristãos do que se deve fazer para seguir o caminho até Ele.
Como Jesus Cristo disse, aos Apóstolos, no dia da sua Ascensão ao Céu:
IDE POR TODO O MUNDO E ENSINAI TODOS OS POVOS”.
É apenas isto que eu estou tentando fazer. AF.
+++++++++++++++++++++++
Nº 1667 - 2ª Página
31 de Maio de 2013
ANTIGO TESTAMENTO

SAMUEL
400px-1759_map_Holy_Land_and_12_Trib[2]

Mapa antigo de Israel

1º Livro de SAMUEL

(16)


16 - UNÇÃO DE DAVID -  O Senhor disse a Samuel: «Até quando chorarás Saul, tendo-O eu rejeitado para que não reine sobre Israel?  Enche o teu corno de óleo, e vem. Quero enviar-te a Isaí de Belém, porque escolhi um rei entre os seus filhos». Samuel respondeu: «Como hei-de ir? Se Saul souber tirar-me-á a vida». O Senhor disse: «Levarás contigo um novilho e dirás que vais oferecer um sacrifício ao Senhor. Convidarás Isaí para o sacrifício,  e Eu te revelarei o que deverás fazer. Ungirás para Mim aquele que Eu te indicar». Fez Samuel como o Senhor lhe ordenou. Ao chegar a Belém, os anciãos da cidade saíram-lhe ao encontro, inquietos, e disseram: «É de paz  a tua vinda «Sim, disse ele: venho oferecer um sacrifício ao Senhor; purificai-vos e acompanhai-me ao sacrifício». Ele mesmo purificou Isaí e os seus filhos e convidou-os ao sacrifício.  Logo que entraram, Samuel viu Eliab e pensou consigo: «Certamente é este o Ungido do Senhor». Mas o Senhor disse a Samuel: «Não te impressione o seu belo aspecto,  nem a sua alta estatura, porque Eu rejeitei-o. O que o homem vê não importa; o homem vê as aparências  mas o Senhor olha o coração» (Jer. 11, 20; 17, 10; 20, 12), Isaí chamou Aminadab e apresentou-o a Samuel, que disse: «Não é este o que o Senhor escolheu». Isaí trouxe-lhe também, Sama. E Samuel disse: «Não é ainda este que escolheu o Senhor». Isaí apresentou-lhe assim os seus sete filhos, mas Samuel disse-lhe: «O Senhor não escolheu nenhum deles». E ajuntou: «Estão aqui todos os teus filhos Isaí respondeu: «Resta ainda o mais novo que está apascentando as ovelhas». Samuel ordenou a Isaí: «Manda buscá-lo pois não nos sentaremos à mesa antes que ele tenha chegado». Isaí mandou buscá-lo. Era David, louro, de belos olhos e de formosa aparência. O Senhor disse: «Ei-lo, unge-o. É esse». Samuel tomou o corno de óleo e ungiu-o na presença dos seus irmãos. E a partir daquele dia o Espírito do Senhor apoderou-Se de David. E Samuel voltou para Ramá.

David ao serviço de Saul - O Espírito do Senhor retirou-se de Saul, que era atormentado por um espírito mau, enviado pelo Senhor. Os criados de Saul disseram-lhe: «Se tu, nosso amo, deres ordens, teus servos, aqui presentes,  procurarão um homem que saiba tocar harpa, para que, quando o mau espírito estiver sobre ti, ele a toque a fim de te acalmar». Respondeu Saul: «Está bem, procurai-me um bom músico e trazei-mo». Um dos servos disse-lhe: «Conheço um filho de Isaí de Belém que sabe tocar muito bem; é valente e forte, fala bem, tem  belo rosto e o Senhor está com ele». Saul mandou mensageiros a Isaí dizendo: «Manda-me o teu filho David, o pastor». Isaí tomou um jumento carregado com pão, um odre de vinho e um cabrito, e enviou esses presentes a Saul, por meio de seu filho. David chegou à casa do rei e fez a sua apresentação. Saul afeiçoou-se por ele e fê-lo seu escudeiro. E mandou dizer a Isaí: «Rogo-te que deixes David comigo, porque achou graça diante de mim». E sempre que o espírito mau atormentava Saul, David tomava da harpa e tocava. Saul acalmava-se, sentia-se aliviado e o espírito mau deixava-o.

******************************

Estes são os textos do 1º Livro de “SAMUEL” do ANTIGO TESTAMENTO 


0000000000000000000000000000000000000000000000000000000
31 de MAIO de 2013 – 10.15 h
ANTÓNIO FONSECA
7map-1195aeac0b2f22222222222222222[2]
http://es.catholic.net; http://santiebeati.it; http://jesuitas.pt; http://bibliaonline.com.br/acf
000000000000000000000000000000
++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++

Nº 1667 - (151-13) – 1ª Página - SANTOS DE CADA DIA - 31 DE MAIO DE 2013 - 5º ANO





31 DE MAIO DE 2013


Quinta-feira

Ver Notas no final

e-mail: antoniofonseca1940@hotmail.com

Nº 1667 - (15-13) – 1ª Página

009

Nº 1667-1 - (151-13)

Imagem3189_thumb1_thumb_thumb_thumb_[1]IAmPosters_thumb122222222222222


»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»

E U   S O U


AQUELE   QUE   SOU

»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»««««««««««««««««««««««««««««««
*********************
##################################### #####################################




VISITAÇÃO DE NOSSA SENHORA

Festividade


Visitação de Nossa Senhora

«Como ia Cheia de Graça de Deus, inundou a casa de sua prima de bênçãos…»

Visitación de la Virgen
Visitação da Virgem

O primeiro desejo de Maria, após a anunciação do Anjo, foi ver a sua prima Isabel, a anciã que, sendo estéril, concebera um filho. Este menino há-de ser João Baptista, o Penitente do Deserto, o Pregador de Fogo que virá preparar a chegada de Jesus, o Mensageiro fiel que desaparecerá quando aparecer o Rei. Foi então que Maria subiu, solícita, a auxiliar sua prima, avançada em anos. Ao entrar em casa de Isabel, saudou-a. Que se passou nesse momento no coração desta santa mulher? Que inspiração divina a iluminou? Ainda antes de Maria lhe fazer as suas confidências, percebei que estava cheia do Espírito Santo que lhe revelou a divina maternidade de Maria e sentiu que, no seu ventre, o menino estremecia, movido de júbilo. E dirigindo-se a Maria, exclamou em altas vozes:
« – Bendita sois Vós entre as mulheres e bendito é o fruto do vosso ventre.
De onde me vem a graça de vir visitar-me a Mãe do meu Salvador?…
Bem-aventurada sois Vós, que acreditastes, porque se há-de realizar o que, pelo Senhor, Vos foi mandado anunciar».
Também Maria se sente cheia do Espírito Santo. E às bênçãos de Isabel responde com o Magnificat, o cântico de gratidão a Deus, todo serenidade e humildade, expressão máxima de confiança no poder e misericórdia do Altíssimo:

A MINHA ALMA GLORIFICA O SENHOR
E O MEU ESPÍRITO SE ALEGRA EM DEUS, MEU SALVADOR.
PORQUE PÔS OS OLHOS NA HUMILDADE DA SUA SERVA:
DE HOJE EM DIANTE ME CHAMARÃO BEM-AVENTURADA TODAS AS GERAÇÕES.
O TODO-PODEROSO FEZ EM MIM MARAVILHAS:
SANTO É O SEU NOME.
O SEU AMOR SE ESTENDE DE GERAÇÃO EM GERAÇÃO
SOBRE AQUELES QUE O TEMEM.
MANIFESTOU O PODER DO SEU BRAÇO
E DISPERSOU OS SOBERBOS.
DERRUBOU OS PODEROSOS DO SEU TRONO
E EXALTOU OS HUMILDES.
AOS FAMINTOS ENCHEU DE BENS
E AOS RICOS DESPEDIU DE MÃOS VAZIAS.
ACOLHEU A ISRAEL, SEU SERVO,
LEMBRADO DA SUA MISERICÓRDIA,
COMO TINHA PROMETIDO A NOSSOS PAIS,
A ABRAÃO E À SUA DESCENDÊNCIA PARA SEMPRE.

Vinte séculos de cristianismo repetiram rezando e cantando este hino. Na sua singeleza e ingenuidade parece um prelúdio da palavra que há-de ser pronunciada trinta anos mais tarde: «Bem-aventurados os pobres, bem-aventurados os puros de coração». Possui, todavia, um valor ainda maior. Este cântico é prova bastante para demonstrar a visita do anjo e o supremo prodígio operado na Virgem Maria. Se não tivesse estado sob a acção do Espírito Santo, como poderia essa donzela ignorada, essa rapariguinha aldeã, aceitar o título de «bendita entre as mulheres», que lhe deu sua prima; e como se atreveria a afirmar que «todas as gerações lhe chamariam bem-aventurada?» E o mais admirável é que as suas palavras realizaram-se e todos os séculos passam ante Ela cantando a sua felicidade sem igual de Mãe de Deus. www.jesuitas.pt. Ver também http://es.catholic.net/santoral e www.santiebeati.it (e outros, não mencionados aqui…)


PETRONILA ou (AURÉLIA), Santa
Século I
Petronilla

Aurélia Petronila é romana de sangue patrício. Descendente de Tito Flávio Petrónio, está aparentada com a família imperial dos Flávios. Além do seu nome patronímico, temos prova disso reparando que foi sepultada no cemitério de Flávia Domitila. (Era então regra absoluta, vinda dos costumes pagãos, não admitir no cemitério familiar qualquer pessoa fora da “gens”). Pertencia contudo ao ramo cristão, não reinante, dessa família. Petronila foi provavelmente catequizada por S. Pedro. Por esta razão, vários documentos dão-lhe o nome de «filha de Pedro». Esta virgem tinha pelo príncipe dos Apóstolos grande veneração e mereceu ser objecto da sua mais paternal ternura, de maneira que foi considerada sua filha espiritual adoptiva. Nos tempos seguintes, a expressão filha de S. Pedro enganou, e uma opinião errónea impôs-se até ao século XVII, segundo a qual Petronila foi verdadeira filha de S. Pedro, nascida antes da vocação apostólica deste último. E, dizendo-se a França a filha mais velha da Igreja, o que vem dos tempos de Clóvis, não admira que tenha tomado Santa Petronila como sua protetora; ainda hoje mantém essa nação culto especial junto da Santa na Basílica Vaticana. Quanto ao nome, Petronila vem de Petrónio e não de Pedro. As Actas dos Santos Nereu e Aquileu, exilados com Flávia Domitila na ilha Pôncia e martirizados no tempo de Domiciano (81-96), contêm uma carta dirigida por Marcelo, filho de Marcos, prefeito de Roma, a estes santos quando estavam exilados. Este documento narra a cura milagrosa da nossa virgem Petronila que, segundo afirma, se consagrara ao serviço de S. Pedro. Atacada de paralisia, depressa se viu impossibilitada de fazer o seu trabalho. Tito, discípulo do Apóstolo, perguntou-lhe então: «Porque não a curas?» – «Porque é bom para ela estar assim». Mas para não parecer que estas palavras escondem incapacidade: «Levanta-te, manda S. Pedro à paralítica, e serve-nos». Fê-lo imediatamente. Uma pintura a fresco das catacumbas de Flávia Domitila, em Roma, representa uma mulher, chamada Veneranda, recebida no céu por «Petronella mart». Fica assim provado que Petronila era objecto de culto; ora é sabido que nessa época o culto só podia ser dos mártires. E temos a certeza que se trata sem dúvida da nossa Santa, pois as Actas de Nereu e Aquileu especificam que Petronila foi, na verdade, sepultada na propriedade de Domitila. A Santa deve, portanto, incluir-se entre as virgens mártires. Foi descoberta em 1874, na via Ardeatina, uma basílica edificada em honra da Santa no local em que teve sepultura. Com o tempo, o corpo de Santa Petronila foi levado para o Vaticano, como dissemos, e o papa Leão III (795-816) dotou o seu altar de ricas ornamentações. www.jesuitas.pt

 • Félix de Nicosia, Santo 
Mayo 31 Religioso Capuchino, 31 de mayo
 • Bautista (Camila) Varano, Santa 
Mayo 31 Abadesa, 31 de mayo
 • Noé Mawaggali, Santo 
Mayo 31 Mártir, 31 de mayo
 • Mariano de Roccacasale, Beato 
Mayo 31 Religioso, 31 de mayo
 • Jacobo Salomoni, Beato 
Mayo 31 Presbítero, 31 de mayo
=====================================


MÊS DE MAIO, MÊS DE MARIA



  • Nossa Senhora de Fátima, pediu aos Pastorinhos
  • “REZEM O TERÇO TODOS OS DIAS”
  • aos-ps-de-mARIA22222222222222
  • /////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////
  • NOTA:
  • Como decerto hão-de ter reparado, são visíveis algumas mudanças na apresentação deste blogue (que vão continuar… embora não pretenda eu que seja um modelo a seguir, mas sim apenas a descrição melhorada daquilo que eu for pensando dia a dia para tentar modificar para melhor, este blogue). Não tenho a pretensão de ser um “Fautor de ideias” nem sequer penso ser melhor do que outras pessoas. Mas acho que não fica mal, cada um de nós, dar um pouco de si, todos os dias, para tentar deixar o mundo um pouco melhor do que o encontramos, quando nascemos e começamos depois a tomar consciência do que nos rodeia. No fim de contas, como todos sabemos, esta vida é uma passagem, e se Deus nos entregou o talento para o fazer frutificar e não para o guardar ou desbaratar, a forma que encontrei no “talento” de que usufruo, é tentar fazer o melhor que posso, aliás conforme diz o Evangelho.

    A PARTIR DE HOJE AS PÁGINAS SERÃO NUMERADAS PELA ORDEM ABAIXO INDICADA:
    Pág. 1 – Vidas de SantosPág. 2 – O Antigo Testamento; e Pág. 3 – ENCONTRO DIÁRIO COM DEUS - Além disso, semanalmente (ao Domingo e alguns dias santificados – quando for caso disso –) a Pág. 4 – A Religião de Jesus; e a Pág. 5 - Salmos) e, ainda, ao sábado, a Pág. 6 – In Memoriam.


  • 00000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000




  • 00000000000000000000000000000000000000000000000000000000
  • Localização geográfica da sede deste Blogue, no Porto
  • Viso---mapa_thumb_thumb_thumb_thumb_[2]
  • ===================================
  • 0000000000000000000000000000000000000000000000
  • $$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$SS
  • quinta-feira, 30 de maio de 2013

    Contra o Aborto: Amor de uma mãe faz seu filho reviver

    Contra o Aborto: Amor de uma mãe faz seu filho reviver: Kate Ogg e seu marido, segurando seu filho, que havia sido declarado morto Esta belíssima história aconteceu há mais de 3 anos, mas val...

    Uma mulher na origem do “Corpus Christi” - 30 de Maio de 2013

    QUARTA-FEIRA, 29 DE MAIO DE 2013

    Uma mulher na origem do “Corpus Christi”


    Este texto contém a catequese que o Papa Bento XVI dirigiu aos grupos de peregrinos do mundo inteiro, reunidos na Praça de São Pedro, no Vaticano, na quarta-feira, 17 de novembro de 2010, para a audiência geral. Nesse mesmo dia, essa intervenção do Sumo Pontífice foi publicada pelo boletim diário de www.zenit.org.
    ***
    Queridos irmãos e irmãs:
    Também nesta manhã eu gostaria de vos apresentar uma figura feminina, pouco conhecida, à qual a Igreja, no entanto, deve um grande reconhecimento, não somente pela sua santidade de vida, mas também porque, com seu grande fervor, ela contribuiu para a instituição de uma das solenidades litúrgicas mais importantes do ano, a do Corpus Domini (em português, mais conhecida como Corpus Christi, N. da T.).
    Estamos falando de Santa Juliana de Cornillon, conhecida também como Juliana de Liège. Possuímos alguns dados sobre sua vida, sobretudo por meio de uma biografia, escrita provavelmente por um contemporâneo seu, que recolhe vários testemunhos de pessoas que conheceram diretamente a santa.
    Juliana nasceu entre 1191 e 1192, nas proximidades de Liège, na Bélgica. É importante sublinhar este lugar, porque naquela época a diocese de Liège era, por assim dizer, um verdadeiro "cenáculo eucarístico". Antes de Juliana, insignes teólogos haviam ilustrado lá o
    valor supremo do sacramento da Eucaristia e, sempre em Liège, havia grupos femininos generosamente dedicados ao culto eucarístico e à comunhão fervente. Guiadas por sacerdotes exemplares, tais mulheres moravam juntas, dedicando-se à oração e às obras de caridade.
    Órfã aos 5 anos de idade, Juliana, junto à sua irmã Inês, foi confiada aos cuidados das religiosas agostinianas do convento-leprosário de Mont-Cornillon. Foi educada sobretudo por uma freira cujo nome era Sabedoria e que acompanhou seu amadurecimento espiritual, até que a própria Juliana recebeu o hábito religioso e se converteu, também ela, em freira agostiniana. Adquiriu uma notável cultura, chegando até a ler as obras dos Padres da Igreja em latim, particularmente Santo Agostinho e São Bernardo. Além de uma inteligência vivaz, Juliana mostrava, desde o começo, uma propensão particular à contemplação; tinha um sentido profundo da presença de Cristo, que experimentava vivendo de maneira particularmente intensa o sacramento da Eucaristia e meditando com freqüência sobre as palavras de Jesus: "Eis que estou convosco todos os dias, até o fim dos tempos" (Mt 28,20).
    Aos 16 anos, teve uma primeira visão, que depois se repetiu muitas vezes em suas adorações eucarísticas. A visão apresentava a lua em seu pleno esplendor, com uma faixa escura que a atravessava diametralmente. O Senhor a fez compreender o significado do que lhe aparecera. A lua simbolizava a vida da Igreja na terra; a linha opaca representava, no entanto, a ausência de uma festa litúrgica, para cuja instituição se pedia a Juliana que trabalhasse de maneira eficaz, isto é, uma festa na qual os fiéis pudessem adorar a Eucaristia para aumentar sua fé, crescer na prática das virtudes e reparar as ofensas ao Santíssimo Sacramento.
    Durante cerca de 20 anos, Juliana - que, enquanto isso, havia se tornado a priora do convento - conservou em segredo esta revelação, que havia enchido seu coração de alegria. Depois contou a duas ferventes adoradoras da Eucaristia: a Beata Eva, que levava uma vida eremítica, e Isabel, que a havia seguido ao mosteiro de Mont-Cornillon. As três mulheres estabeleceram uma espécie de "aliança espiritual", com o propósito de glorificar o Santíssimo Sacramento. Também quiseram envolver um sacerdote muito estimado, João de Lausana, cônego da igreja de São Martinho de Liège, pedindo-lhe que interpelasse teólogos e eclesiásticos sobre o que elas carregavam no coração. As respostas foram positivas e motivadoras.
    O que aconteceu com Juliana de Cornillon se repete frequentemente na vida dos santos: para ter a confirmação de que uma inspiração vem de Deus, é necessário sempre submergir-se na oração, saber esperar com paciência, buscar a amizade e aproximar-se de outras almas boas e submeter tudo ao juízo dos pastores da Igreja. Foi precisamente o bispo de Liège, Roberto de Thourotte, quem, depois das dúvidas iniciais, acolheu a proposta de Juliana e das suas companheiras e instituiu, pela primeira vez, a solenidade doCorpus Domini em sua diocese. Mais tarde, outros bispos o imitaram, estabelecendo a mesma festa nos territórios confiados aos seus cuidados pastorais.
    Contudo, Deus frequentemente pede aos santos que superem provas, para que sua fé cresça. Isso aconteceu com Juliana, que teve de sofrer a dura oposição de alguns membros do clero e do próprio superior do qual seu mosteiro dependia. Então, por vontade própria, Juliana deixou o convento de Mont-Cornillon com algumas companheiras e, durante 10 anos, entre 1248 e 1258, foi hóspede de vários mosteiros de religiosas cistercienses. Ela edificava todos com sua humildade, nunca tinha palavras de crítica ou de reprovação para seus adversários, senão que continuava difundindo com zelo o culto eucarístico. Faleceu em 1258, em Fosses-La-Ville, na Bélgica. Na cela em que jazia, expuseram o Santíssimo Sacramento e, segundo as palavras do seu biógrafo, Juliana morreu contemplando, com um último arrebato de amor, Jesus Eucaristia, a quem sempre havia amado, honrado e adorado.
    Para a boa causa da festa do Corpus Domini, foi conquistado também Tiago Pantaléon de Troyes, que havia conhecido a santa durante seu ministério de arquidiácono em Liège. Foi precisamente ele quem, ao tornar-se papa com o nome de Urbano IV, em 1264, quis instituir a solenidade do Corpus Domini como festa de preceito para a Igreja universal, na quinta-feira depois de Pentecostes. Na bula de instituição, intitulada Transiturus de hoc mundo (11 de agosto de 1264), o Papa Urbano também evoca com discrição as experiências místicas de Juliana, respaldando sua autenticidade, e escreve: "Ainda que a Eucaristia seja solenemente celebrada todos os dias, consideramos justo que, ao menos uma vez por ano, faça-se dela mais honrada e solene memória. As demais coisas, de fato, das quais fazemos memória, nós as apreendemos com o espírito e com a mente, mas não obtemos por isso sua presença real. No entanto, nesta comemoração sacramental de Cristo, ainda que sob outra forma, Jesus Cristo está presente conosco em sua própria substância. De fato, enquanto estava a ponto de ascender ao céu, disse: 'Eis que estou convosco todos os dias, até o fim dos tempos' (Mt 28, 20)".
    O próprio Pontífice quis dar exemplo, celebrando a solenidade do Corpus Domini em Orvieto, cidade em que então residia. Precisamente por ordem sua, na catedral da cidade se conservava - e se conserva ainda hoje - o célebre corporal com as marcas do milagre eucarístico ocorrido no ano anterior, em 1263, em Bolsena. Um sacerdote, enquanto consagrava o pão e o vinho, teve fortes dúvidas sobre a presença real do Corpo e do Sangue de Cristo no sacramento da Eucaristia. Milagrosamente, algumas gotas de sangue começaram a escorrer da Hóstia consagrada, confirmando, dessa forma, o que a nossa fé professa. Urbano IV pediu a um dos maiores teólogos da história, São Tomás de Aquino - que naquela época acompanhava o Papa e se encontrava em Orvieto - que compusesse os textos do ofício litúrgico desta grande festa. Tais textos, em uso ainda hoje na Igreja, são obras-primas nas quais se fundem teologia e poesia. São textos que fazem as cordas do coração vibrar, para expressar louvor e gratidão ao Santíssimo Sacramento, enquanto a inteligência, adentrando-se com estupor no mistério, reconhece na Eucaristia a presença viva e verdadeira de Jesus, do seu sacrifício de amor que nos reconcilia com o Pai e nos dá a salvação.
    Ainda que, após a morte de Urbano IV, a celebração da festa do Corpus Domini tenha se limitado a algumas regiões da França, da Alemanha, da Hungria e da Itália Setentrional, o Papa João XXII, em 1317, restaurou-a para toda a Igreja. Desde então, a festa teve um desenvolvimento maravilhoso e ainda é muito especial para o povo cristão.
    Eu gostaria de afirmar com alegria que hoje, na Igreja, há uma "primavera eucarística": quantas pessoas dedicam seu tempo a estar diante do Tabernáculo, silenciosas, para desfrutar de um diálogo de amor com Jesus! É consolador saber que muitos grupos de jovens redescobriram a beleza de rezar em adoração diante da Santíssima Eucaristia.
    Rezo para que esta "primavera eucarística" se difunda cada vez mais em todas as paróquias, em particular na Bélgica, a pátria de Santa Juliana. O Venerável João Paulo II, na encíclica Ecclesia de Eucharistia, constatava que, "em muitos lugares, é dedicado amplo espaço à adoração do Santíssimo Sacramento, tornando-se fonte inesgotável de santidade. A devota participação dos fiéis na procissão eucarística da solenidade do Corpo e Sangue de Cristo é uma graça do Senhor que anualmente enche de alegria quantos nela participam. E mais sinais positivos de fé e de amor eucarísticos se poderiam mencionar" (n. 10).
    Recordando Santa Juliana de Cornillon, renovemos, também nós, a fé na presença real de Cristo na Eucaristia. Como nos ensina o Compêndio do Catecismo da Igreja Católica, "Jesus Cristo está presente na Eucaristia dum modo único e incomparável. De fato, está presente de modo verdadeiro, real, substancial: com o seu Corpo e o seu Sangue, com a sua Alma e a sua Divindade. Nela está presente em modo sacramental, isto é, sob as espécies eucarísticas do pão e do vinho, Cristo completo: Deus e homem" (Compêndio do Catecismo da Igreja Católica, 282).
    Queridíssimos amigos, a fidelidade ao encontro com o Cristo Eucarístico na Santa Missa dominical é essencial para o caminho de fé, mas tentemos também visitar frequentemente o Senhor presente no Tabernáculo! Contemplando, em adoração, a Hóstia consagrada, encontramos o dom do amor de Deus, encontramos a Paixão e a Cruz de Jesus, assim como sua Ressurreição. Precisamente por meio do nosso olhar em adoração, o Senhor nos atrai a Si, dentro do seu mistério, para transformar-nos como transforma o pão e o vinho (cf. Bento XVI, homilia na solenidade do Corpus Domini, 15 de junho de 2006). Os santos sempre receberam força, consolo e alegria no encontro eucarístico. Com as palavras do hino eucarístico Adoro te devote, repitamos diante do Senhor, presente no Santíssimo Sacramento: "Fazei-me crer cada vez mais em vós, que em Vós eu tenha esperança, que eu vos ame!".
    Obrigado.


             No final da audiência, o Papa cumprimentou os peregrinos em vários idiomas. Em português, disse:
    Queridos irmãos e irmãs:
    Santa Juliana de Cornillon nasceu perto de Liège, na Bélgica, no último decênio do século doze. Tinha dezesseis anos, quando, numa visão, lhe apareceu a lua no máximo do seu esplendor mas cingida com uma faixa escura que a atravessava diametralmente. O Senhor fez-lhe compreender que a lua simbolizava a vida da Igreja sobre a terra, a faixa negra exprimia a ausência duma festa litúrgica na qual os cristãos pudessem adorar a Eucaristia para aumentar a sua fé e reparar as ofensas ao Santíssimo Sacramento. Por outras palavras, faltava a Festa do Santíssimo Corpo e Sangue de Cristo, que hoje temos, instituída pelo Papa Urbano IV cinqüenta anos depois da referida visão e por influência dela; este Papa, durante o seu ministério de arquidiácono precisamente em Liège, tinha conhecido Santa Juliana e deixara-se conquistar para a boa causa da Festa do Corpo de Deus.
    Amados peregrinos de língua portuguesa, a minha saudação cordial a todos vós, em especial aos grupos brasileiros de Curitiba e de Propriá. O céu cubra de graças os passos da vossa vida e os preserve do pecado, para que os vossos corações possam, domingo a domingo, hospedar Jesus Eucaristia no meio dos homens. Sobre vós, vossos familiares e comunidades eclesiais, desça a minha bênção.
    Tradução: Aline Banchier.
    ©Libreria Editrice Vaticana

    Catequese do Papa Francisco

    Blog Evangelizando


    Posted: 29 May 2013 07:38 AM PDT
    Catequese do Papa Francisco – A Igreja, família de Deus

    Catequese
    Praça de São Pedro, Vaticano
    Quarta-feira, 29 de maio de 2013
    Queridos irmãos e irmãs, bom dia!
     Quarta-feira passada eu abordei o vínculo profundo entre o Espírito Santo e a Igreja. Hoje gostaria de começar algumas reflexões sobre o mistério da Igreja, mistério que todos nós vivemos e do qual fazemos parte. Quero utilizar expressões contidas nos textos do Concílio Vaticano II.
    Hoje, a primeira: a Igreja como Família de Deus.
     Nos últimos meses, mais de uma vez eu fiz referência à Parábola do Filho Pródigo, ou melhor, do Pai Misericordioso (cf. Lc 15:11-32). O filho mais novo deixa a casa do pai, desperdiça tudo e decide voltar porque percebe que cometeu um erro, mas já não é considerado digno de ser filho e pensa em poder ser recebido de volta como servo. Mas o pai corre ao seu encontro e o abraça, lhe restitui de volta sua dignidade de filho e faz festa. Esta parábola, como outras no Evangelho, mostra bem o desígnio de Deus para a humanidade.
    Qual é este plano de Deus? É fazer de todos nós uma única família de filhos, em que cada um se sinta próximo e amado por Ele, como na parábola do Evangelho, sinta o calor de ser família de Deus. Neste grande projeto, encontra sua raiz na Igreja, que não é uma organização fundada por pessoas, mas – como nos recordou tantas vezes o Papa Bento XVI – é obra de Deus, nasceu exatamente deste plano de amor que se concretiza progressivamente na história. A Igreja nasce do desejo de Deus de chamar todo homem à comunhão com Ele, à Sua amizade e a participar como filhos de sua vida divina. A própria palavra “Igreja”, do grego ekklesia, significa “convocação”: Deus nos chama, nos impulsiona a sair do individualismo, da tendência de nos fechar em nós mesmos e nos chama a fazer parte de sua família. E este chamado tem origem na própria criação. Deus nos criou para que vivêssemos em uma relação de profunda amizade com Ele e até mesmo quando o pecado quebrou esta relação com Deus, com os outros e com a criação, Deus não nos abandonou. Toda a história da salvação é a história de Deus que busca o homem, oferece-lhe seu amor, o acolhe. Ele chamou Abraão para ser o pai de uma multidão, escolheu o povo de Israel para firmar uma aliança que abraçasse todas as nações e enviou, na plenitude dos tempos, seu Filho, para que seu plano de amor e salvação fosse realizado em uma nova e eterna aliança com toda a humanidade. Quando lemos os Evangelhos, vemos que Jesus reúne em torno de si uma pequena comunidade que acolhe a sua palavra, segue-o, compartilha sua jornada, se torna Sua família e com esta comunidade Ele prepara e constrói Sua Igreja.
    Onde nasce a Igreja, então? Nasce do supremo ato de amor na Cruz, do lado trespassado de Jesus, de onde jorram sangue e água, símbolo dos sacramentos da Eucaristia e do Batismo. Na família de Deus, na Igreja, a seiva vital é o amor de Deus que se constitui em amá-Lo e amar os outros, todos, sem distinção e medida. A Igreja é uma família em que se ama e é amado.
    Quando se manifesta a Igreja? Celebramos esse momento há dois domingos. Se manifesta quando o dom do Espírito Santo enche o coração dos Apóstolos e os impele a sair e começar o caminho para anunciar o Evangelho, espalhar o amor de Deus.
    Mesmo hoje em dia, alguém diz: “Cristo sim, a Igreja não”. Como aqueles que dizem “eu acredito em Deus, mas não nos sacerdotes”. Mas é a Igreja que nos leva a Cristo, que nos leva a Deus, a Igreja é a grande família dos filhos de Deus. Claro que há também aspectos humanos, naqueles que a compõem, pastores e fiéis, há defeitos, imperfeições, pecados e o Papa também os tem e são muitos, mas o belo é que, quando nos damos conta de que somos pecadores, encontramos a misericórdia de Deus, que sempre perdoa. Não se esqueça: Deus sempre perdoa e nos recebe em seu amor de perdão e misericórdia. Alguns dizem que o pecado é uma ofensa a Deus, mas também uma oportunidade de humilhação para perceber que não há nada mais belo: a misericórdia de Deus. Pensemos nisso.
    Nos perguntemos hoje: quanto amo a Igreja? Rezo por ela? Eu me sinto parte da família da Igreja? O que faço para que seja uma comunidade onde todos se sintam acolhidos e compreendidos, sintam a misericórdia e o amor de Deus que renova a vida? A fé é um dom e um ato que nos afeta pessoalmente, mas Deus nos chama a viver a nossa fé juntos, como família, como Igreja.
    Peçamos ao Senhor, de maneira especial neste Ano da Fé, que as nossas comunidades, toda a Igreja, sejam cada vez mais verdadeiras famílias que vivem e levam o calor de Deus.

    Men and Women: No Comment

    Men and Women: No Comment

    O rei está nu

    O rei está nu

    Mais de um milhão protestam contra a lei de “matrimônio” gay na França

    Mais de um milhão protestam contra a lei de “matrimônio” gay na França

    A Igreja nos leva a Cristo, recorda o Papa ante aqueles que dizem “Cristo sim, Igreja não”

    A Igreja nos leva a Cristo, recorda o Papa ante aqueles que dizem “Cristo sim, Igreja não”