OS MEUS DESEJOS PARA TODOS

RecadosOnline.com

quinta-feira, 10 de janeiro de 2013

A respeito do Facebook - 10 de Janeiro de 2013

 

Caro(ª) Amiga(ª):

Por este meio, venho em primeiro lugar, desejar que este Ano de 2013 seja um ano de recuperação económica para todos os Portugueses com a maior brevidade possível, já que não tive possibilidades de o desejar a muitos de vós por SMS ou mensagens escritas ou telefónicas, em devido tempo. Aproveito ainda para agradecer a quem não o fiz, os Votos que me enviaram.

Em segundo lugar, queria pedir desculpa por não contactar – ou responder – em mensagens por intermédio do Messenger (Hotmail, Gmail, Yahoo, etc.,) porque não disponho de tempo para o fazer (tantas são as mensagens que recebo diariamente) embora as vá lendo sempre que me é possível, embora com bastante atraso e as vá arquivando para mais tarde as reler e eventualmente responder.

Há muita gente que não sabe, mas eu sou autor desde Novembro de 2008, de um blogue atualmente chamado SÃO PAULO (e Vidas de Santos) – com o endereço http://confernciavicentinadesopaulo.blogspot.com, no qual diariamente venho colocando alguns posts. Acontece portanto, que utilizo a maior parte do tempo que estou no computador, para escrever ou transcrever os temas (que neste momento são 5, e três deles, são publicados todos os dias – um, todas as semanas, e outro 1, 2 ou 3 vezes por semana) além de, eventualmente acrescentar mais um dois temas importantes e muito atuais (sob o meu ponto de vista, claro).

Assim sendo, não disponho de muito tempo, como poderão compreender, para viajar pelo MSN, Google, Yahoo ou Facebook, embora o faça com alguma frequência e dispersamente.

Aqui há 2 anos (mais ou menos) inscrevi-me no Facebook  por causa de ter dois dos meus filhos a viver no estrangeiro (um em Espanha – onde ainda está) e o outro no Brasil, mas que já veio embora. Dado que eles passaram a utilizar o Facebook para contactar comigo ou vice-versa, comecei a utilizá-lo com alguma regularidade e, por efeito, da “bola de neve” o meu grupo de Amigos neste momento, ascende a cerca de 140. Há pouco tempo soube que além de vários grupos, existia um grupo formado por trabalhadores do SBN/SAMS (onde eu trabalhei) e resolvi convidá-los para o meu grupo.

Inesperadamente a administração do Facebook ou quem a representa, resolveu avisar-me de que dado que tinha contactado mais de 30 pessoas duma só vez, que estaria impedido de os contactar durante o espaço de 30 dias e nem sequer poderia aceitar novas amizades. Ora, acontece, que mesmo assim diariamente aparecem novos  convites (colocados pelo Facebook…) para aceitar Amizades (inclusivamente até me enviam para o Hotmail, os referidos convites), informando que os devo aceitar. A maior parte das vezes nem sequer respondo e arquivo-os. Porém, por vezes, aparece o nome de alguns dos referidos trabalhadores (ou outras pessoas, que eu conheço perfeitamente) e, quando eu respondo, o Facebook faz-me esta advertência:

  • A tua capacidade para enviar pedidos de amizade foi bloqueada durante 30 dias
    Continuaste a enviar pedidos de amizade a pessoas que não conheces, apesar de teres recebido um aviso. O envio de pedidos de amizade a pessoas que não conheces pessoalmente é contrário aos Termos do Facebook e pode ser considerado assédio. Se não alterares o teu comportamento, a tua capacidade para enviar pedidos de amizade pode ser permanentemente bloqueada. Saber mais.
    O bloqueio vai estar activo durante mais 11 dias e 18 horas.”

Imediatamente respondi nestes termos:

  1. António Fonseca
  2. PARA QUEM MODERA O FACEBOOK:
  3. QUERO CHAMAR A ATENÇÃO DE QUE NÃO ADMITO QUE ESTEJAM A TRATAR-ME POR TU, POIS NÃO OS CONHEÇO E PODIA SER VOSSO Avô:
  4. EM SEGUNDO LUGAR GOSTARIA DE SABER QUEM VOS AUTORIZOU A DECIDIR QUEM É MEU AMIGO OU DE QUEM QUERO SER AMIGO.
  5. ACONTECE QUE PRATICAMENTE 90 POR CENTO DAS PESSOAS QUE CONVIDO SÃO REALMENTE MINHA CONHECIDAS, OU PORQUE AS VEJO MUITAS VEZES, OU FORAM COLEGAS DE TRABALHO OU SÃO PESSOAS QUE RESPEITO E QUE ME RESPEITAM.
  6. ALIÁS, COMO PODEM VERIFICAR, NORMALMENTE NÃO SOU FREQUENTADOR ASSÍDUO DO FACEBOOK; NÃO UTILIZO O "CHAT" NEM PARTICIPO DE DEBATES OU POLÉMICAS SOBRE POLÍTICAS, FUTEBOL OU RELIGIÃO.
  7. A UTILIZAÇÃO QUE FAÇO É PARA DE VEZ EM QUANDO, DAR UMA OPINIÃO MUITO PESSOAL SOBRE QUAISQUER ASSUNTOS QUE VERSEM ESSES TEMAS E TAMBÉM PROCURO SER MUITO COMEDIDO NAS PALAVRAS E NAS OPINIÕES QUE EMITO.
  8. ALÉM DISSO, O QUE ACONTECE MUITAS VEZES É QUE PARA DESANUVIAR A MINHA MENTE, DISPONHO DE ALGUM TEMPO PARA JOGAR SLINGO, BUBBLE SAFARI OU OUTRO, MAS SEM ME VICIAR, PORQUE NÃO TENHO "PACHORRA" PARA ISSO.
Gostaria de dizer algo mais, mas já verifiquei que estão a tirar-me o espaço para continuar... fica para outra oportunidade”.

 

Dado que não estou disposto a ser novamente “enxovalhado” por pessoas que nem sequer se dignam identificarem-se, nem tão pouco, é possível contactá-las diretamente, pois se refugiam no anonimato, e além disso, parecem ser os “donos de tudo”, venho por este meio informar que a partir do próximo mês de Fevereirose entretanto, não houver qualquer resposta ou retratação sobre estes factos – provavelmente deixarei de utilizar essa rede social.

Assim, quero esclarecer os meus Amigos que desde agora prefiro aceitar os vossos contactos primordialmente através do endereço antoniofonseca1940@hotmail.com  ou também através do endereço antoniofonseca40@gmail.com.

Se quiserem poderão visitar ainda o meu blogue SÃO PAULO (e Vidas de Santos) – endereço http://confernciavicentinadesopaulo.blogspot.com

Ah! E também o http://youtube.antonio0491.com, onde eventualmente poderão ver algum vídeo que eu tenha para ali transferido.

Muito grato, pela atenção que me dispensarem, subscrevo-me com muita amizade

António Fonseca

(Vou fazer publicar este post no meu blogue, além de enviar por email a todos os meus Amigos)

Porto, 10-01-2013  -  16H10

Nº 1526-1 - (10-13) - SANTOS DE CADA DIA - 10 de Janeiro de 2013 - 5º ano

antoniofonseca1940@hotmail.com

Nº 1526


ImageProxyCA9NMG6W


Continuação de

Boas Festas


e bom


ANO  D 2 0 1 3


************************************************************

Nº 1526-1 - (10-13)

Imagem3189

»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»

I-Am-Posters

= E U  S O U =

»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»«««««««««««««««««««««««««««««««««

Nº 1526-1 – (10-13)

GONÇALO DE AMARANTE, Santo
Confessor (1262)

Gonzalo de Amarante, Beato

Gonçalo de Amarante, Beato

Pertencente à nobre família dos Pereiras, nasce Gonçalo no lugar de Arriconha, da freguesia de Tagilde, perto de Guimarães, nos inícios do século XIII e vive nos reinados de Dom Afonso II, Dom Sancho II e Dom Afonso III, isto é, o período da formação nacional, em que se agrupam e reforçam os elementos que hão-de acabar por ser os valores basilares da nacionalidade portuguesa através dos tempos. Destinado à vida eclesiástica, depois de receber educação cuidadosa no Convento beneditino do Pombeiro, vai para Braga, durante alguns anos e ali o ordena presbítero o próprio Arcebispo, que o tem em grande apreço. Tanto assim, que apesar da extrema juventude de Gonçalo, escolhe-o para abade de São Paio de Riba Vizela, junto à sua terra natal. Gradualmente se apura, na reflexão e no estudo, o espírito singular do jovem sacerdote, que não tarda a erguer-se ao plano superior dos homens notáveis da época. Vai, depois, em devota peregrinação a Roma, onde visita os túmulos dos Apóstolos São Pedro e São Paulo e donde parte para mais longínqua romagem – aos lugares santos de Jerusalém. É bem evidente haver-se lá inflamado, ainda mais, o seu zelo apostólico, pois, quando regressa ao País, é para correr as terras de Entre-Douro-e-Minho e pronunciar em numerosas localidades ardentes e fervorosas prédicas confirmadas com milagres. Professa no Convento dominicano de Guimarães. Para Gaspar Estaço, receberá mesmo a dignidade de cónego da Colegiada vimaranense. Mas não se fixa ainda; vai, com outros companheiros de hábito, instalar-se em Amarante, ou melhor; no lugar onde outrora existiu um agregado próspero que desapareceu entre os incidentes e devastações das guerras. Que faz então daí por diante Frei Gonçalo? Trata de edificar a capela de Nossa Senhora da Assunção, num rochedo suspenso sobre o Tâmega. Há quem também lhe atribua a construção de uma ponte sobre o mesmo rio. E torna-se o incansável protetor de toda a gente humilde daquela zona, que pede auxílio, necessita de enfermagem ou se acolhe à sua bondosa intercessão para obter conforto e assistência. Assim procede enquanto lhe dura a vida, e por isso, na altura da morte, que parece cair (segundo frei Luís de Sousa) a 10 de Janeiro de 1262, todos o choram; todos guardam o culto da sua lembrança e das suas virtudes.

450PX-~1

Templo e convento de Amarante

A festa litúrgica de São Gonçalo é concedida para Portugal pelos Papas Júlio III e Pio IV – que o beatifica, segundo se supõe, a pedido do Rei Dom João III, mas em 16 de Setembro de 1561, já depois da morte do Piedoso. O mesmo rei, em 1540, manda construir, no local da primitiva ermida, o sumptuoso templo e convento que ainda hoje existem. O corpo do Beato repousa na capela-mor, à esquerda de quem olha para o altar. O papa Clemente X estendeu o ofício e a missa de S. Gonçalo a toda Ordem Dominicana (1671).Espalha-se por toda a parte a fama dos milagres observados junto do seu túmulo. Era tal a multidão de peregrinos, trazidos pelas graças concedidas, que a vila repovoa-se gradualmente, até vir a converter-se num dos centros mais representativos e progressivos da região duriense. Pode-se dizer, pois, como um biógrafo sublinha, ser na verdade Gonçalo o segundo fundador de Amarante. E, num profundo sentimento que os séculos não enfraquecem. Amarante dedica-lhe, por isso mesmo, gratidão e devoção tão vivas hoje como há setecentos anos – quando partiu do mundo entre as bênçãos e louvores dum povo a quem restituíra a fé na vida e a vida da fé. A respeito da construção, em Amarante, da ponte sobre o Tâmega, que lhe é atribuída, eis o que encontrámos: Para evitar os perigos do rio e seus naufrágios, trata de atravessá-lo com uma sólida ponte que ele, com exortações e obra de suas próprias mãos, ajuda a construir. Tanta bondade e beneficência tornaram-no célebre, e muito popular a sua devoção, até no Brasil, como o celebra o Padre Vieira no seu longo e engenhoso sermão de S. Gonçalo. “Orava continuamente: mas porque, de ordinário, para remediar os trabalhos humanos, não bastam as mãos ociosas, posto que levantadas a Deus,… resolveu-se ao que nunca se atreveram os braços poderosos dos reis, que foi meterem debaixo dos pés dos passageiros a braveza e fúria do Tâmega, que a tantos tinha tragado”. E mais para o fim: “A ele encomendam os pastores os gados, os lavradores as sementeiras; a ele pedem o sol, a ele a chuva; e o santo, pelo império que tem sobre os elementos, a seu tempo e fora de tempo, os alegra com o despacho de sua petições”. Do Livro SANTOS DE CADA DIA, DE WWW.JESUITAS.PT

GUILHERME DE BURGES, Santo

Bispo (1209)

Guillermo de Bourges, Santo

Guillermo de Bourges, Santo

São Guilherme nasceu pelos meados do século XII.

Seu tio materno, Pedro o Eremita, pregador da 1ª cruzada, encarregou-se da educação dele. Mal tinha abraçado o acserdocio, klogo o fizeram cínego da Catedral de Soissonsm, e deopiois da de Pasris. Mas dignmidades pareciam-lhe titulos juito onerosos e os beneficios eclesisticos, de maior opulebcia, redes de maiores laços. Todos os seus anelos etranm pelo deserto de Grão-Monte, que o encatava. Florexcia ali, com todo o rigor da primitiva observancia, a nova Ordem religiosda que Santi estevão tinhja fundado no ano de 1076. Guilherme opediu para ser admitido no mosteiro. O Superior, tomado der espanto á vista de tão grande virtude, não pôde deixar de lhe tecer os maiores eliogios, diante do Papa Inocencio III e de muitos prelados.

Dispunha-se o SDanto para fazer a profissão no Grão-Monte, quando se levantou enorme contenda entre os religiosos do coro e os irmãos conversos.

Empregouno nosso Santo todos os cuidados e desvelos, paravrestabelecer a paz e a união; foram, porém, inuteis os esforços. Finalmente, resolveu passar-se à Ordemde de Cister. Tiomou o hábito na Abadia de OPointini. Veio a professar com todo o fervor.

No sacrificio da Missa enternecia-se tanto como se estivesse vendo o Crucuficiado no Calvario.

A solidão constituia todas as suas deklicias. Os Superiores, por´+em, atendneo ao grande conceito que faziam da sua sabedoria e piedade, nomeatram-no Abnade de Fontaine-Jean, e depiois de Chalis.

Não tionmha ele outro pensawmernto senãio o de se santificar com os seus Religiosos, quando no anode 1200 vagopu a catedra episcopal arquipeiscopal de Burges.

 Do Livro SANTOS DE CADA DIA, DE WWW.JESUITAS.PT

AGATÃO, Santo

Papa (681)

Agatn, Santo

Agatão, Santo

Nasceu em Palermo em data não conhecida, morreu em Roma em 10 de Janeiro de 681. Foi Papa da Igreja católica de 678 a 681. Após a morte de seu pai, reparte sua herança entre os pobres e ingressa como leigo no mosteiro beneditino de San Hermes (Palermo) não tomando as ordens sacerdotais até 677, quando contava com cem anos. No ano seguinte, em 27 de Junho, é eleito papa. Seu curto pontificado destaca-se pela convocatória do Sexto Concílio Ecuménico, celebrado em Constantinopla entre 680 e 681, e que sob a presidência do imperador bizantino Constantino IV condenou o monoteísmo e o mono-energismo, doutrinas que haviam sido toleradas até então pela Igreja, especialmente pelo papa Honório I o que supôs que o concílio ditasse a excomunhão deste. Mesmo assim conseguiu que Constantino IV abolisse o imposto de três mil escudos que, desde Justiniano I, os papas estavam obrigados a pagar para ver sua eleição confirmada pelo imperador. Faleceu em 10 de Janeiro de 681 e é venerado como santo tanto pela Igreja Católica como pela Igreja Ortodoxa. É o padroeiro de Palermo, sua cidade natal.

Do Livro SANTOS DE CADA DIA, DE WWW.JESUITAS.PT

FRANCISCA DE SALES ABIAT (Irmã), Beata

Religiosa (1844-1914)

Francisca de Sales (Leonia Aviat), Santa

Francisca de Sales (Leónia Aviat), Santa

Nasceu na França, na cidade de Sézanne, a 16 de Setembro de 1844. Seus pais, quando a menina estava prestes a completar 6 anos, confiaram a sua educação às religiosas da Visitação de Troyes. Foi o caminho providencial para esta criatura, que no baptismo recebeu o nome de Leónia, vir a ser co-fundadora de um novo instituto religioso. Com efeito, era capelão do mosteiro o Servo de Deus, P. Luís Brisson (1817-1908), que vivia preocupado com a triste sorte de muitas jovens que trabalhavam nas fábricas, expostas ao perigo de perder a fé e amoral.

Leónia ficou no convento até aos 16 anos. Voltou então para casa e portou-se como o anjo da família. Continuou fiel à vida de de piedade que levava no mosteiro, e os seus anseios eram retornar para lá como religiosa. Por isso recusou pretendentes a casamento. Também ela caiu na conta dos perigos que corriam as jovens vindas dos campos para trabalhar na cidade. Daqui se seguiu que – quando em 1866 bateu à porta do mosteiro de Troyes para ser recebida como religiosa – não foi difícil convencê-la de que o melhor era fazer parte do novo Instituto que o P. Brisson tratava de fundar com o nome de Oblatas de S. Francisco de Sales.

Aceitou e, desde o dia 18 de Abril de 1866, fez parte integrante da obra. Dois anos mais tarde, a 30 de Outubro de 1868 vestiu o hábito e tomou o nome de Irmã Francisca de Sales. A 11 de Outubro de 1871 fez a profissão e a 20 de Setembro do ano seguinte, contando apenas 28 anos de idade, foi eleita Superiora geral da nova congregação.

A Madre Francisca de Sales, impulsionada pelo desejo ardente de atrair almas para Cristo e consagrar-se ao bem do próximo, fez-se operária entre as operárias, às quais, embora ganhassem salários miseráveis, ensinava a alegrar-se com o desempenho do trabalho bem feito. Apesar de algumas dessas meninas não contarem mais de doze anos, unidas por uma alegre amizade, tornaram-se apóstolas entre as companheiras, e anualmente umas 400 ou 500 faziam exercícios espirituais com o P. Brisson. Esse Servo de Deus teve, pois, na Madre Superiora uma auxiliar de suma importância.

Ambos concordaram que era necessário proporcionar a essas pobres jovens alguma  instrução escolar em pensionatos onde pudessem alojar-se com segurança.

Estando a obra em Troyes bem fundada, a Madre foi mandada para Paris com o encargo de salvar da ruína um pensionato para meninas de famílias abastadas, pois o P. Brisson pretendia que a todas as classes da sociedade chegasse o espírito de S. Francisco de Sales. Isto foi para a Serva de Deus causa de não pouco sofrimento ao ver que o Instituto se afastava do ideal primitivo de atender somente a jovens necessitadas. Aceitou, no entanto, asas orientações do P. Brisson como manifestação da vontade de Deus, a que se submeteu com verdadeiro espírito de fé.

Depois de sete anos em, Paris, regressou em 1889 a Troyes, onde novas contrariedades a aguardavam. Com efeito, algumas religiosas da Congregação não a queriam como Superiora geral. Ficou assim quatro anos como simples Irmã, sem cargo de responsabilidade. Todavia, em 1893 foi reconduzida ao posto de Superiora Geral, cargo que ocupou até à morte.

A par de grandes sofrimentos, teve também horas de intensa alegria, como no dia 5 de Junho de 1872, em que a Santa Sé concedeu á nova Congregação o decreto de louvor. Podia, pois, dar-se ao trabalho de consolidar e desenvolver o novo Instituto sem incertezas nem, hesitações. Conseguiu abrir casas na Suíça, Áustria, Inglaterra, Itália e até na África Austral. Todavia, nem sempre os ventos sopraram à feição. Em 1903 desencadeou-se a perseguição religiosa na França. Os religiosos foram expulsos e as suas casas e bens confiscados. O P. Brisson, com 87 anos, nada podendo fazer, recolheu-se a casa da família. Cabia, pois, à Madre Francisca decidir o rumo a tomar. Aconselhou as suas religiosas a vestir-se à civil e salvar o que pudessem.

Ela, com o seu conselho, refugiou-se na Itália, na casa que tinham em Perúgia, e de lá continuou a dirigir as suas filhas distantes por meio de cartas repletas de amor e incentivos de coragem .

O dia 2 de Fevereiro de 1908 trouxe-lhe grande tristeza com a morte do P. Brisson. pelo contrário, a 4 de Abril de 1911, o seu coração rejubilou com a aprovação definitiva por parte da Santa Sé, das Constituições, que ela tinha redigido com  o saudoso P. Brisson. Agora restava-lhe só preparar-se mais cuidadosamente para também ela comparecer diante de Deus, o que sucedeu a 10 de janeiro de 1914, sendo assim poupada às agruras da primeira guerra mundial, que estalou meses depois.

Foi beatificada por João Paulo II a 27 de Setembro de 1992. AAS 49 (1957) 759-62; 71 (1979) 456-60'; DIP I, 1009.

Do Livro SANTOS DE CADA DIA, DE WWW.JESUITAS.PT

• Aldo, Santo

Eremita

Aldo, Santo

Aldo, Santo

Deste santo se conhece muito pouco, nem sequer o lugar e data de nascimento. Parece que viveu no século VIII, quando a humanidade estava ameaçada pelo islamismo. Se conhece sim o lugar de sua sepultura: em Pavia, primeiro na capela de São Columbano e depois na basílica de São Miguel. Uma antiga tradição no-lo apresenta como carvoeiro e eremita em Carbonaria, perto de Pavia. Como santo Aldo se encontra incluído nos Martirológios da Ordem beneditina, se supõe que foi monge em Bobbio, o famoso mosteiro fundado por são Columbano no ano 614. Os monges irlandeses de são Columbano não levavam uma vida eremítica em sentido estrito, mas o ermitão se afastava temporalmente dos homens para se dedicar à oração e encher a solidão exterior com a presença alegre de Deus. Mas não se afastava da comunidade a que edificava com o exemplo de sua vida devota e com a caridade. Podemos, pois, pensar que santo Aldo foi uma magnífica mistura do espírito beneditino e do espírito que levaram os fervorosos missionários que chegavam de Irlanda, a “ilha bárbara” que se transformou em “ilha de santos” pelo extraordinário florescimento do cristianismo. São Columbano havia levado a Europa uma corrente de nova espiritualidade. Quer dizer, se havia produzido um movimento inverso ao que havia levado a Boa Nova a Irlanda. Dezenas de monges e ermitãos irlandeses, convertidos em “peregrinos por Cristo”, num maravilhoso intercâmbio evangélico, de evangelizados se converteram em evangelizadores.

• Ana dos Anjos Monteagudo, Beata

Dominicana

Ana de los ngeles Monteagudo, Beata

Ana de los Ángeles Monteagudo, Beata

Nasceu em Arequipa em 26 de Julho de 1602, filha do espanhol Sebastián Monteagudo de Jara e da arequipeña Francisca Ponce de León. Conforme os costumes da época, Ana foi internada por seus pais no mosteiro de Santa Catalina. Volta ao lar por decisão de seus pais, não lhe satisfizeram os afagos do mundo nem as perspectivas de um vantajoso matrimónio. Desejava fazer-se religiosa e o pôs em prática ante a indignada reação de seus pais. Suportou com paciência e ânimo invicto as contrariedades e empreendeu a senda da perfeição. Em 1618 inicia o noviciado e acrescenta a seu nome o apelativo "de los Ángeles". A aspereza da vida conventual não a arreda. Vive com entusiasmo o ideal de Domingo de Gusmão e de Catalina de Siena. Com o tempo chega a ser Mestra de noviças e Prioresa (1647). Acomete com energia a reforma do mosteiro. Admoesta e corrige, anima e promove. Além disso das professas, habitavam por essa época no mosteiro perto de 300 pessoas, não todas imbuídas do desejo de perfeição. A obra de Ana de los Ángeles chocou com oposições tenazes. Soror Ana atendeu assim mesmo, abnegada e heroicamente, as vítimas de uma peste que assolou Arequipa. Teve altíssima oração, esmerada perfeição nas virtudes próprias da vida religiosa, serenidade e paciência nos sofrimentos. Faleceu em 10 de Janeiro de 1686. Beatificada em Arequipa por João Paulo II em 1985.

Beato Benincasa, abade

No mosteiro de Cava, na Campânia (hoje Itália), bato Benincasa, abade, que enviou cem monges a Sicília para restaurar a vida regular no abandonado cenóbio de Montreal (1194).
São Domiciano, bispo

Em Melitene, cidade de Arménia, são Domiciano, bispo, que trabalhou com afinco na conversão dos persas (c. 602)

Gil de Lorenzana (Bernardino de Bello), Beato

Eremita Franciscano

Gil de Lorenzana (Bernardino de Bello), Beato

Gil de Lorenzana (Bernardino de Bello), Beato

Gil, no século Bernardino De Bello, nasceu em Laurenzana, a sul de Itália, na região de Basilicata, no ano 1443, no seio de um lar modesto e cristão. Muito inclinado à piedade desde sua meninice quando chega à adolescência, obtém licença para viver retirado em um santuário que se encontrava no meio do campo, onde o jovem se entrega sobretudo à oração. Mas sua solidão é interrompida pela visita dos vizinhos do povo que querem ver por si mesmos ao jovem ermitão e começam a consultá-lo nas suas preocupações. Não se achando capaz de dar resposta a quem acodem a ele, decide deixar o santuário e colocar-se como jornaleiro com um rico agricultor, o qual lhe toma afecto e lhe permite passar em oração várias horas ao dia. Assim está um tempo até que amadurece sua própria vocação e se decide a pedir o hábito franciscano no convento de Lorenzana. Admitido ao noviciado, professa como irmão e é-lhe dado o encargo de trabalhar a horta dos frades. Tem a inspiração de pedir e obter licença para construir uma pequena cela no mais afastado da horta e ali poder passar em contemplação das coisas divinas as horas que não são de trabalho. E assim decorre sua vida: trabalho e oração altíssima, sendo evidentes à comunidade religiosa as virtudes do humilde irmão, que não saía de sua cela senão para o trabalho e para acudir à igreja onde adorava com amor de serafim ao Santíssimo Sacramento. Morreu em seu povo natal em 10 de Janeiro de 1518, estreitando em suas mãos o rosário da Virgem Maria. O papa Leão XIII confirmou seu culto em 27 de Junho de 1880.

• Gregório X, Beato

CLXXXIV Papa

Gregorio X, Beato

Gregório X, Beato

A personalidade de Teobaldo Visconti, que foi papa desde 1272 até 1276 com o nome de Gregório X, demonstra a verdade da afirmação de são Paulo: Deus elege o que é débil ao parecer dos critérios correntes dos homens, e sabe dar-lhe o vigor necessário para levar a cabo seu plano. Homem de natural retraído, especialista em direito canónico, havia nascido em Piacenza (Itália) em 1210. Nomeado sucessivamente diácono da catedral de Lyon e arquidiácono da de Liege, coerente com a consciência que o assistia de sua escassa experiência pastoral, recusou o bispado de sua cidade natal que lhe oferecia o papa Inocêncio IV. Sem embargo, a Santa Sede lhe encomenda mais tarde a pregação de uma cruzada, com o objecto de recuperar os santos lugares para a cristandade. Sendo já um homem idoso, recebeu na Palestina, onde promovia o movimento armado, a notícia de sua designação como papa. Ordenado em Roma como presbítero e bispo, subiu à cátedra de Pedro em 27 de Novembro de 1272. Naqueles anos se organiza um concílio ecuménico na cidade de Lyon, do qual participam os gregos, com quem não existia já, desgraçadamente, comunhão perfeita. As circunstâncias políticas favoreceram uma declaração de unidade por parte daquela assembleia sinodal; mas este instrumento teve validade efémera, dado que a fórmula adoptada adoecia de imprecisão nos seus termos. Este fracasso de Gregório X em seus propósitos nos recorda que a cruz não pode estar ausente no caminho de quem segue a Cristo. O fracasso crucifica os próprios esforços e os anseios íntimos, mas nos conduz a levantar o olhar do Pai e sua misericórdia. A unidade que intentou instaurar Gregório era um bem inapreciável, pelo qual pugna o Espírito de Deus, animando aos que creem num só Senhor Jesus Cristo. Mas as motivações humanas muitas vezes, como esta vez, não estão suficientemente purificadas para servir de veículo eficiente ao impulso do Espírito. A fugaz reunificação obtida pelo segundo concílio de Lyon há ficado como memorial de que a unidade é possível entre os cristãos, em particular entre os de Oriente e Ocidente; mas também de que seu autor é Deus e não as conveniências humanas. Gregório X morreu, com as palavras do arcanjo Gabriel em seus lábios, em 10 de Janeiro de 1276. Sobre sua vida cheia de amor à oração e à esmola escreveu o papa Bento XIV.

Gregório de Nisa, Santo

Gregorio de Nisa, Santo

Gregorio de Nisa, Santo

Martirológio Romano: Na cidade de Nisa, na região de Capadócia, são Gregório, bispo, irmão de são Basílio o Grande, admirável por sua vida e doutrina, que, por haver confessado a recta fé, foi expulso de sua sede pelo imperador ariano Valente (c. 394). São Gregório de Nisa (ou Nissa), a quem o sétimo Concílio ecuménico e segundo de Niceia chamaram «Pai dos Padres», era irmão dos santos Basílio o Grande, Pedro de Sebaste e de Macrina e filho dos santos Basílio e Emelia; esta última era, por sua vez, filha de um mártir. Gregório nasceu em Cesareia de Capadócia. Provavelmente ficou órfão muito cedo, pois seus irmãos mais velhos Basílio e Macrina, se encarregaram de sua educação. Numa carta a seu irmão mais novo, Pedro, são Gregório nomeia a Basílio «nosso irmão e mestre». A veneração que tinha por ele durou toda a vida. Terminada sua excelente preparação nas letras sagradas e profanas, Gregório tomou o oficio de retórico e se casou com uma jovem chamada Teosebeia. Quando era já leitor na Igreja, aceitou o posto de professor de retórica, disciplina em que era muito versado. Gregório não encontrou o cargo muito de seu gosto, pois seus alunos se interessavam mais pelas glórias militares, que nas académicas. São Gregório de Nazianzo escreveu-lhe uma dura carta, em que o exortava a renunciar a «essa infame honra». A carta teve o efeito apetecido. Gregório voltou ao serviço da Igreja e foi ordenado sacerdote. Alguns autores chegam a dizer que deixou de viver com sua esposa, mas a afirmação carece de fundamento. Naquela época, o celibato sacerdotal não era de preceito nem sequer na Igreja de Ocidente; em todo caso, não sabemos com certeza se Teosebeia seguiu vivendo com são Gregório ou se entrou no convento de santa Macrina. São Gregório de Nazianzo, que professava o maior respeito a Teosebeia, a chamava sua «santa e bendita irmã» e no panegírico que pronunciou na sua morte, a qualifica de «glória da Igreja e bênção de nossa geração». Según parece, san Gregorio pasó sus primeros años de sacerdocio en el retiro, tal vez en Iris del Ponto. Entre tanto, su hermano Basilio, que era obispo de Cesárea, tenía que hacer frente a la herejía y a la oposición; entre sus enemigos se contaba su propio tío, Gregorio, obispo del Ponto. Esta división en el seno de la familia escandalizó profundamente al joven Gregorio, el cual, con la intención de hacer la paz, falsificó una carta de reconciliación de su tío a su hermano. Naturalmente el fraude se descubrió pronto; san Basilio reprendió a su hermano, por más que el incidente no dejó de divertirle un tanto.Parece que san Basilio fue quien sugirió el nombre de su hermano para que ocupase la sede de Nisa en 372, pues su política consistía en hacer nombrar prelados ortodoxos en las regiones cercanas a su diócesis para combatir eficazmente la herejía. Así pues, el mismo san Basilio consagró a su hermano, muy contra la voluntad de éste, como obispo de la sede en los confines de la Baja Armenia. Las dificultades empezaron a surgir cuando san Gregorio llegó a Nisa. La ciudad estaba llena de arrianos y uno de los miembros de la corte del emperador había tratado de hacer que se nombrara obispo de la diócesis a un amigo suyo. A pesar de toda su buena voluntad, san Gregorio carecía de tacto y no tenía la menor noción de cómo se gobernaba una diócesis. Con la intención de ayudar a su hermano Basilio, convocó un sínodo de obispos de la provincia de Ancira; pero como Gregorio no supo manejar a los delegados, el sínodo hizo más mal que bien a su hermano. Nada tiene, pues, de extraño que Basilio se haya opuesto al nombramiento de san Gregorio como delegado ante el Papa san Dámaso, diciendo que carecía de experiencia en los asuntos eclesiásticos y era muy mal diplomático.Apoyado por los arrianos, Demóstenes, gobernador del Ponto, convocó a una reunión, en la que un tal Filocarres acusó a san Gregorio de abuso de las propiedades de la Iglesia y de irregularidad en su elección episcopal. Este se dejó arrestar por los soldados, sin oponer resistencia, pero después consiguió escapar de la brutalidad de sus carceleros y refugiarse en sitio seguro. Sus enemigos alegaron que su fuga era la señal de su culpabilidad; pero san Basilio escribió una violenta carta para hacer notar que el tesorero de la Iglesia había declarado inocente a Gregorio. No obstante eso, un sínodo de obispos de Galacia y del Ponto depuso a san Gregorio, quien anduvo errante hasta el año 378, cuando el emperador Graciano arrojó de la sede al usurpador y llamó al desterrado. El pueblo le recibió con un gran júbilo, que poco después quedó empañado por la muerte de san Basilio y la de santa Macrina. San Gregorio presintió la muerte de su hermana y, la víspera, tuvo con ella una larga conversación, que más tarde relató en sus escritos.A la muerte de san Basilio, la influencia de san Gregorio empezó a aumentar, lo mismo que su actividad; asistió al Concilio de Antioquía, convocado contra los errores de los melecianos; los obispos ahí reunidos le enviaron a Palestina y Arabia con la misión de poner fin a los desórdenes que la herejía meleciana había provocado. Para facilitar su trabajo, el emperador le concedió el libre uso de los caballos y carruajes del correo imperial. San Gregorio ocupó un sitio muy destacado en el Concilio ecuménico de Constantinopla, el año 381. Era considerado como «la columna de la Iglesia»; estar de su parte era estar con la ortodoxia. El Concilio, que había sido convocado por el emperador Teodosio, manifestó su conformidad con el credo de Nicea y combatió el arrianismo. La asamblea confió a san Gregorio una especie de derecho inquisitorial sobre el Ponto. Hacia el fin de su vida, el santo visitó nuevamente Palestina; los abusos de los peregrinos y la atmósfera herética que encontró allí le llevaron a la conclusión de que, en tales condiciones, las peregrinaciones no constituían una devoción recomendable. En una carta o tratado sobre las peregrinaciones a Jerusalén hace notar que éstas no constituyen un precepto evangélico y añade que él personalmente no había sacado ningún provecho de la visita a los Santos Lugares.El emperador designó tres diócesis supremas en oriente: la de Gregorio de Nisa, la de Heladio de Cesárea y la de Otreyo de Mitilene. Este honor ganó a san Gregorio la envidia y mala voluntad de Heladio, quien se consideraba como obispo metropolitano y llevó a mal que otro prelado fuese su igual. En una de sus cartas, el santo describe la falta de cortesía con que Heladio le había tratado. Pero en Constantinopla era muy honrado y consultado. Ahí predicó las oraciones fúnebres de san Melecio de Antioquía, de la princesa Pulqueria y de la emperatriz Flaccila, así como un sermón con motivo de la entronización de san Gregorio de Nazianzo. Más tarde predicó también el sermón de la dedicación de la gran iglesia que el prefecto Rufino había erigido cerca de Calcedonia. Es cosa cierta que san Gregorio vivió hasta edad muy avanzada, pero ignoramos la fecha exacta de su muerte. La veneración de que san Gregorio fue objeto durante su vida y después de su muerte, no tiene eco entre los escritores eclesiásticos modernos, quienes ven en él menos al enemigo del arrianismo, que al causante principal de las cláusulas que el Concilio de Constantinopla insertó en el Credo de Nicea. En todo caso, debemos reconocer que san Gregorio ejerció una gran influencia sobre el segundo Concilio ecuménico y que su ortodoxia es indiscutible. Pero hay que admitir igualmente que se inclinaba a la doctrina universalista, donde se sostiene que todas las cosas serán restauradas en Cristo al fin del mundo. Los escritos del santo demuestran que conocía a fondo a los filósofos paganos. San Gregorio utilizó a Platón, de la misma manera que los escolásticos usaron a Aristóteles. La influencia de Orígenes se deja sentir en sus escritos para los que adoptó, en gran parte, las interpretaciones alegóricas de la Sagrada Escritura. Sus obras literarias, admirables por la elegancia del lenguaje, ofrecen una síntesis exacta de la fe cristiana y son particularmente interesantes por la mezcla de ideas ordinarias con especulaciones místicas y poéticas muy complicadas. Entre las numerosas obras del santo, se destacan el «Discurso Catequético» o instrucción sobre le fe, dos libros contra Eunomio y Apolinar, que constituyen una fuente muy importante para el estudio de las doctrinas de esos dos herejes y muchos comentarios sobre la Sagrada Escritura. Entre las obras ascéticas, hay que mencionar el libro sobre la virginidad, muchos sermones sobre la vida y la conducta del cristiano, así como numerosos panegíricos. Uno de éstos narra la vida y la muerte de santa Macrina; otro, la de tres damas de Jerusalén y un tercero describe en forma muy moderna las bellezas de una «villa» en Galacia donde estuvo san Gregorio. Tanto san Gregorio como san Basilio poseían un sentido de las bellezas naturales que se encuentra muy de cuando en cuando entre los escritores de los primeros siglos.

São João de Jerusalém, bispo

Em Jerusalém, são João, bispo, que em tempo da controvérsia acerca da doutrina ortodoxa trabalhou denodadamente em favor da fé católica e da paz na Igreja (417).
Santo Marciano, presbítero

Em Constantinopla, santo Marciano, presbítero, que se distinguiu na ornamentação das igrejas e na ajuda prestada aos pobres (471).

• María Dolores Rodriguez Sopeña, Beata

Janeiro 10 - Fundadora

Mara Dolores Rodriguez Sopea, Beata

María Dolores Rodriguez Sopeña, Beata

Martirológio Romano: Em Madrid, capital de Espanha, beata María Dolores Rodríguez Sopeña, virgem, que deu mostras de sua grande caridade cristã ao dedicar-se aos mais abandonados da sociedade de seu tempo, aproximando-se especialmente dos subúrbios das maiores cidades, e para anunciar o Evangelho e atender aos pobres e aos operários em questões sociais, fundou o Instituto das Damas Catequistas e a Obra da Doutrina (1918). Dolores Rodríguez Sopeña nasce em Vélez Rubio (Almería), em 30 de Dezembro de 1848, quarta entre sete irmãos. Seus pais, Tomás Rodríguez Sopeña e Nicolasa Ortega Salomón, castelhanos, se haviam trasladado desde Madrid a essa localidade por motivos de trabalho. Dom Tomás havia terminado sua carreira judicial demasiado jovem, pelo que não podia exercer e consegue um emprego como administrador das quintas dos marqueses de Vélez. Sua infância e adolescência transcorrem em distintos povos das Alpujarras pois, quando seu pai começa a exercer como magistrado sofre ao longo de sua carreira diversas mudanças. Contudo, ela define esta etapa de sua vida como um «lago de tranquilidade». Em 1866, seu pai é nomeado Fiscal da Audiência de Almería. Dolores tem 17 anos. Ali começa a frequentar a sociedade, mas a ela não lhe chamavam a atenção as festas nem a vida social; seu interesse é fazer bem aos outros. Em Almería tem suas primeiras experiências apostólicas: atende, material e espiritualmente, a duas irmãs enfermas de tifo e a um leproso, tudo isso às escondidas por medo a que a proibissem seus pais. Também visita aos pobres das Conferencia de São Vicente de Paulo com sua mãe. Três anos mais tarde, seu pai é transferido para a Audiência de Porto Rico, onde viaja com um de seus filhos enquanto o resto da família se instala em Madrid. Na capital Dolores ordena melhor sua vida: elege um diretor espiritual e colabora ensinando a doutrina na cadeia de mulheres, no hospital da Princesa e nas Escolas Dominicais. Em 1872, a família se reúne em Porto Rico. Dolores tem 23 anos e permanecerá na América até aos 28. Começa seu contacto com os jesuítas. O P. Goicoechea foi seu primeiro diretor espiritual. Ali funda a Associação de Filhas de Maria e Escolas para as pessoas de cor onde se alfabetiza e ensina o catecismo. Em 1873, seu pai é nomeado Fiscal da Audiência de Santiago de Cuba. São tempos difíceis, pois estala um cisma religioso na ilha. Por este motivo, sua ação se reduz a visitar aos enfermos do hospital militar. Pede a admissão nas Irmãs da Caridade, mas não o consegue por sua falta de vista. Com a idade de 8 anos havia sido operada aos olhos e esta doença a acompanhará toda a vida. Ao terminar o cisma começa a trabalhar nos bairros marginais e funda o que ela denomina «Centros de Instrução», pois neles não só se ensinava o catecismo mas também cultura geral e inclusive se prestava assistência médica. Para esta obra consegue muitas colaboradoras e a estabelece em três bairros diferentes. Em Cuba morre sua mãe, seu pai pede a retirada e voltam a Madrid em 1877. Em Madrid organiza sua vida em três frentes: o cuidado da casa e de seu pai, o apostolado, o mesmo que fazia antes de deixar a Península, e sua vida espiritual: elege diretor espiritual e começa a fazer anualmente os Exercícios Espirituais de santo Ignácio. Em 1883 morre seu pai e se reavivam suas lutas vocacionais. Por indicação de seu diretor, o P. López Soldado SJ ingressa no convento das Salesas, pese a que nunca se havia planeado uma vida inteiramente contemplativa. Aos dez dias deixa o convento pois comprovou não ser sua vocação. Ao sair se dedica com mais intensidade ao apostolado. Abre uma «Casa Social» onde se tramitam os diversos assuntos que saem em suas visitas ao hospital e à cadeia. Numa de suas visitas a uma das presas que acabava de ficar em liberdade, conhece o Bairro das Injúrias. Corre o ano 1885. Dolores tinha 36 anos. Ao ver a situação moral, material e espiritual da gente, começa a visitar o bairro todas as semanas e convida a muitas de suas amigas. Aí começará a que logo se denominará «Obra das Doutrinas», antecedente de seus «Centros Operários». A sugestão do bispo de Madrid, D. Ciríaco Sancha, em 1892 funda uma Associação de Apostolado Secular hoje denominado «Movimento de Laicos Sopeña». No ano seguinte recebe a aprovação civil. A Obra se estende em 8 bairros da capital. Em 1896 inicia sua atividade fora de Madrid. Pese a oposição da Associação, aceita fundar a Obra em Sevilha. Fruto de muitos mal entendidos, demite como Presidenta em Madrid no ano seguinte e se estabelece em Sevilha. Em só quatro anos realiza 199 viagens por toda Espanha para estabelecer e consolidar a Obra das Doutrinas. Por sua vez, acompanha o P. Tarín, SJ, em algumas missões por Andaluzia. No ano 1900 participa numa peregrinação a Roma pelo Ano Santo. Faz um dia de retiro no sepulcro de São Pedro e ali recebe a confirmação de fundar um Instituto Religioso que desse continuidade à Obra das Doutrinas e que ajudara a sustentar espiritualmente a Associação laical. O Cardeal Sancha, então já arcebispo de Toledo, lhe propõe fundar ali. Em 24 de Setembro de 1901, em Loyola, depois de uns Exercícios Espirituais realizados junto com 8 companheiras, se levanta ata de fundação do «Instituto de Damas Catequistas» (hoje «Instituto Catequista Dolores Sopeña»), ainda que a fundação oficial foi em 31 de Outubro em Toledo. Uma de suas grandes intuições foi fundar, ao mesmo tempo, uma Associação civil, hoje chamada «Obra Social e Cultural Sopeña - OSCUS», que, em 1902, consegue o reconhecimento do governo. Em 1905 recebe da Santa Sede o Decretum laudis e, dois anos mais tarde, em 21 de Novembro de 1907, a aprovação das Constituições concedida diretamente por S.S. Pío X. operários fortemente influenciados pelo anticlericalismo e não podia pretender-se o ensino da religião diretamente. Isto também determina que as religiosas deste Instituto não levem hábito e nem sequer um sinal religioso externo. Muda seus meios e seus métodos para poder conseguir o fim: acercar-se dos operários «afastados da Igreja», que não haviam podido receber instrução cultural, moral nem religiosa e unir os «distanciados socialmente», então, «a classe operária e do povo» com a «alta e acomodada». Isto o resume em duas linhas de ação: dignificar ao trabalhador e criar fraternidade. Detrás de sua entrega ao serviço dos outros está uma fé profunda e autêntica, uma rica espiritualidade. Seu compromisso pela dignidade da pessoa brota de sua experiência de um Deus Pai de todos, que nos ama com uma ternura infinita e deseja que vivamos como filhos e irmãos. Dali seu grande desejo de «Fazer de todos uma só família em Cristo Jesus.» Sua grande união com Deus lhe permite descobri-lo presente em tudo e em todos, especialmente nos mais necessitados de dignidade e afecto. Sair ao encontro de cada pessoa em sua situação, introduzir-se nos bairros marginais da época, era inconcebível para uma mulher a finais do século XIX. O segredo de sua audácia é sua fé, essa confiança sem limites, que ela reconhece como seu maior tesouro e que afaz sentir-se instrumento em mãos de Deus, instrumento ao serviço da fraternidade, do amor, da misericórdia, da igualdade, da dignidade, da justiça, da paz... Em poucos anos, estabelece comunidades e Centros nas cidades mais industrializadas de então. Em 1910 se celebra o primeiro Capítulo Geral e é reeleita Superiora Geral. Em 1914 funda em Roma e em 1917 viajam as primeiras Catequistas para abrir a primeira casa na América, concretamente no Chile. No ano seguinte, em 10 de Janeiro de 1918, Dolores Sopeña morre em Madrid com fama de santidade. No dia 11 de Julho de 1992, João Paulo II declara heroicas suas virtudes sendo beatificada em 23 de Março de 2003. Atualmente a Família Sopeña, formada pelas três instituições que deixou fundadas, quer dizer, o Instituto Catequistas Dolores Sopeña, o Movimento de la Laicos Sopeña e a Obra Social e Cultural Sopeña, está presente em Espanha, Itália, Argentina, Colômbia, Cuba, Chile, Equador, México e República Dominicana. Reproduzido com autorização de Vatican.va

Milcíades (Melquíades), Santo

XXXII Papa

Milciades (Melquiades), Santo

Milciades (Melquiades), Santo

Martirológio Romano: Em Roma, no cemitério de Calixto, na via Ápia, são Melquíades, papa, oriundo de África, que conheceu a paz concedida pelo imperador Constantino à Igreja, mas vítima dos ataques dos donatistas, se distinguiu por seus esforços encaminhados a obter a concórdia (314). Desconhece-se a data do seu nascimento; foi eleito Papa em 310 ou 311; morreu em 10 ou 11 de janeiro de 314. Depois do desterro do Papa Santo Eusébio, a Sede de Roma esteve vacante por um tempo, provavelmente por causa das complicações surgidas devido aos apóstatas (lapsi), e que não oram resolvidas pelo exílio de Eusébio e Heráclio. Em 2 de julho del 310 ou 311, Melquíades (seu nome também se escreve Milcíades), nativo de África, foi elevado ao pontificado. Existe incerteza quanto ao ano exato, posto que o Catálogo Liberiano de Papas (Duchesne, “Liber Pontificalis”, I, 9)2 de julho de 311 como a data da consagração do novo Papa (ex die VI non. iul. a cons. Maximiliano VIII solo, quod fuit mense septembri Volusiano et Rufino); mas em contradição a isto se diz que a morte do Papa ocorreu em 2 de Janeiro de 314, e que a duração do pontificado são três anos, seis meses e oito dias; possivelmente devido ao erro de um escrivão, deveria dizer «ann. II» em lugar de «ann. III»; e, portanto, o ano de sua elevação ao papado foi muito provavelmente em 311. Cerca de este tiempo (el 311 ó 310), un edicto de tolerancia firmado por los emperadores Galerio, Licinio y Constantino puso fin a la gran persecución de los cristianos, y se les permitió vivir como tales y asimismo reconstruir sus lugares de culto religioso (Eusebio de Cesarea, Hist. Eccl., VIII.17; Lactancio, Cómo murieron los perseguidores, 34). Sólo en aquellos países de Oriente que estaban bajo el dominio de Maximino Daia continuó la persecución de los cristianos. El emperador le dio ahora al Papa Melquíades en Roma el derecho a que se le restituyeran, por mediación del prefecto de la ciudad, todas las edificaciones eclesiásticas y posesiones que habían sido confiscadas durante las persecuciones. El Papa ordenó a los dos diáconos romanos, Strato y Casiano, que discutieran el asunto con el prefecto, y que tomaran posesión de las propiedades eclesiásticas (Agustín, Breviculus collationis cum Donatistis, III, 34); así fue posible una sólida reorganización de la administración eclesiástica y de la vida religiosa de los cristianos en Roma. Melquíades hizo que los restos de su predecesor, Eusebio, fueran regresados de Sicilia a Roma y los mandó enterrar en una cripta en las catacumbas de San Calixto. El siguiente año, el Papa atestiguó el triunfo final de la Cruz con la derrota de Marco Aurelio Maxentio y la entrada a Roma del emperador Constantino (ahora converso al cristianismo), tras la victoria en el Puente Milviano (27 de octubre de 312). Después, el emperador obsequió a la Iglesia Romana con el Palacio de Letrán, el cual entonces se convirtió en la residencia del Papa y, consecuentemente, también en la sede de la administración central de la Iglesia Romana. La basílica contigua al palacio, o que fue construida allí después, se convirtió en la iglesia principal de Roma. En el 313, los donatistas vinieron a Constantino con la petición de que nombrara a obispos de Galia como jueces en la controversia del episcopado africano respecto a la consagración en Cartago de los dos obispos, Cæciliano y Mayorino. Constantino escribió sobre esto a Melquíades, y también a Marco, pidiéndole al Papa, junto con tres obispos de Galia, que diera una audiencia en Roma a Cæciliano y su oponente, y que resolviera el caso. El 2 de octubre de 313, se reunieron en el Palacio Lateranense, bajo la presidencia de Melquíades, un sínodo de dieciocho obispos de Galia e Italia, que, después de considerar meticulosamente la controversia donatista por tres días, decidieron a favor de Cæciliano, cuya elección y consagración como obispo de Cartago fue declarada legítima. En la biografía de Melquíades, en el Liber Pontificalis, se dice que en aquellos tiempos se encontraban los maniqueos en Roma; esto es muy posible, ya que el maniqueísmo comenzó a difundirse en Occidente en el siglo IV. La misma fuente atribuye a este Papa un decreto que prohibía terminantemente que los cristianos ayunaran los domingos o los jueves, «porque estos días eran guardados por los paganos como ayuno sagrado». Esta razón es sorprendente; es muy probable que salga del autor del “Liber Pontificalis”, quien con este supuesto decreto remonta una costumbre romana de su tiempo a una ordenanza de Melquíades. El “Liber Pontificalis” es, probablemente, no menos arbitrario al atribuir a este Papa el mérito de un decreto que indicaba que la Oblación consagrada por el Papa en una Misa solemne (refiriéndose al Pan Eucarístico) debía ser llevada a diferentes iglesias en Roma. Tal costumbre ciertamente existió en Roma (Duchesne, Culto cristiano, Londres, 1905, 185); pero no hay nada definitivo que muestre que haya sido introducida por Melquíades, como afirma el “Liber Pontificalis”. Tras su muerte, el 10 u 11 de enero (el Catálogo Liberiano la registra como III id. jan.; el “Depositio Episcoporum” como IIII id. jan.), de 314, Melquíades fue sepultado en la catacumba de san Calixto y fue venerado como santo. De Rossi lo considera como altamente probable esta localización de la cripta de este Papa (Roma Sotterranea, II, 188 sq.). ¡Felicidades a quien lleve este nombre! Nota: En el actual Martirologio Romano se lo recuerda el 10 de enero, pero por tradición en muchos santorales y diócesis se lo recuerda el 10 de diciembre.

Paulo de Tebas, Santo

Ermitão

Pablo de Tebas, Santo

Pablo de Tebas, Santo

Martirológio Romano: Em Tebaida (hoje Egito), são Paulo, eremita, um dos primeiros em abraçar a vida monástica (s. IV). A vida deste santo foi escrita pelo grande sábio São Jerónimo, no ano 400. Nasceu no ano 228, em Tebaida, uma região que fica junto ao rio Nilo no Egito e que tinha por capital a cidade de Tebas. Foi bem educado por seus pais, aprendeu grego e bastante cultura egípcia. Mas aos 14 anos ficou órfão. Era bondoso e muito piedoso. E amava enormemente a sua religião. No ano 250 estalou a perseguição de Décio, que tratava não tanto de que os cristãos chegassem a ser mártires, mas sim de os fazer renegar de sua religião. Paulo se viu ante estes dois perigos: ou renegar de sua fé e conservar suas quintas e casas, ou ser atormentado com tão diabólica astúcia que o conseguissem acobardar e o fizessem passar para o paganismo para não perder seus bens e não ter que sofrer mais torturas. Como via que muitos cristãos renegavam por medo, e ele não se sentia com a suficiente força de vontade para ser capaz de sofrer toda classe de tormentos sem renunciar a suas crenças, dispôs-se a esconder-se. Era prudente. Mas um seu cunhado que desejava ficar com seus bens, foi e o denunciou ante as autoridades. Então Paulo fugiu para o deserto. Lá encontrou umas cavernas onde vários séculos atrás os escravos da rainha Cleópatra fabricavam moedas. Escolheu por vivenda uma dessas covas, perto da qual havia uma fonte de água e uma palmeira. As folhas da palmeira lhe proporcionavam vestes. Seus frutos lhe serviam de alimento. E a fonte de água lhe acalmava a sede. Ao princípio o pensamento de Paulo era ficar por ali unicamente o tempo que durasse a perseguição, mas logo se deu conta de que na solidão do deserto podia falar tranquilamente a Deus e escutá-lo tão claramente as mensagens que Ele lhe enviava desde o céu, que decidiu ficar ali para sempre e não voltar jamais à cidade onde tantos perigos havia de ofender a Nosso Senhor. Se propôs ajudar ao mundo não com negócios e palavras, mas com penitências e oração pela conversão dos pecadores. Disse São Jerónimo que quando a palmeira não tinha fruto, cada dia vinha um corvo e lhe trazia meio pão, e com isso vivia nosso santo ermitão. (A Igreja chama ermitão ao que para sua vida numa "ermida", ou seja numa habitação solitária e retirada do mundo e de outras habitações). Depois de passar ali no deserto orando, jejuando, meditando, por mais de setenta anos seguidos, já acreditava que morreria sem voltar a ver rosto humano algum, e sem ser conhecido por ninguém, quando Deus dispôs cumprir aquela palavra que disse Cristo: "Todo o que se humilha será engrandecido" e sucedeu que naquele deserto havia outro ermitão fazendo penitência. Era Santo António Abade. E uma vez a este santo lhe veio a tentação de crer que ele era o ermitão mais antigo que havia no mundo, e uma noite ouviu em sonhos que lhe diziam: "Há outro penitente mais antigo que tu. Empreende a viagem e o lograrás encontrar". António madrugou para partir de viagem e depois de caminhar horas e horas chegou à porta da cova onde vivia Paulo. Este ao ouvir ruído lá fora acreditou que era uma fera que se acercava, e tapou a entrada com uma pedra. António chamou por muito longo tempo suplicando-lhe que movesse a pedra para poder saudá-lo. No fim Paulo saiu e os dois santos, sem se haver visto nunca antes, se saudaram cada um por seu respectivo nome. Logo se ajoelharam e deram graças a Deus. E nesse momento chegou o corvo trazendo um pão inteiro. Então Paulo exclamou: "Vê como Deus é bom. Cada dia me manda meio pão, mas como hoje vieste tu, o Senhor me envia um pão inteiro." Se puseram a discutir quem devia partir o pão, porque esta honra correspondia ao mais digno. E cada um se cria mais indigno que o outro. Por fim decidiram que o partiriam tirando cada um de um extremo do pão. Depois desceram à fonte e beberam água cristalina. Era todo o alimento que tomavam em 24 horas. Meio pão e um pouco de água. E depois de conversarem de coisas espirituais, passaram toda a noite em oração. Na manhã seguinte Paulo anunciou a António que sentia que ia a morrer e lhe disse: "Vai ao teu mosteiro e me traz o manto que Santo Atanásio, o grande bispo, te deu. Quero que me amortalhem com esse manto". Santo António se admirou de que Paulo soubesse que Santo Atanásio lhe havia dado esse manto, e foi buscá-lo. Mas temia que ao voltar o pudesse encontrar já morto. Quando já vinha de volta, contemplou numa visão que a alma de Paulo subia ao céu rodeado de apóstolos e de anjos. E exclamou: "Paulo, Paulo, ¿porque te foste sem me dizer adeus?". (Depois António dirá a seus monges: "Eu sou um pobre pecador, mas no deserto conheci a um que era tão santo como um João Baptista: era Paulo o ermitão"). Quando chegou à cova encontrou o cadáver do santo, ajoelhado, com os olhos mirando o céu e os braços em cruz. Parecia que estivesse rezando, mas ao não ouvi-lo nem sequer respirar, se acercou e viu que estava morto. Morreu na ocupação à qual havia dedicado a maior parte das horas de sua vida: orar ao Senhor. António se perguntava como faria para cavar uma sepultura ali, se não tinha ferramentas. Mas de pronto ouviu que se acercavam dois leões, como com mostras de tristeza e respeito, e eles, com suas garras cavaram um túmulo entre a areia e foram embora. E ali depositou Santo António o cadáver de seu amigo Paulo. São Paulo morreu no ano 342 quando tinha 113 anos de idade e quando levava 90 anos orando e fazendo penitência no deserto pela salvação do mundo. Se lhe chama o primeiro ermitão, por haver sido o primeiro que foi para um deserto a viver totalmente retirado do mundo, dedicado à oração e à meditação. Santo António conservou sempre com enorme respeito a vestidura de São Paulo feita de folhas de palmeira, e ele mesmo se revestia com ela nas grandes festividades. São Jerónimo dizia: "Se o Senhor me pusesse a escolher, eu preferiria a pobre túnica de folhas de palmeira com a qual se cobria Paulo o ermitão, porque ele era um santo, e não o luxuoso manto com o qual se vestem os reis tão cheios de orgulho". São Paulo o ermitão com sua vida de silêncio, oração e meditação no meio do deserto,há movido a muitos a afastar-se do mundo e a dedicar-se com mais seriedade na solidão a buscar a satisfação e a eterna salvação. Oh Senhor: Tu que moveste a São Paulo o primeiro ermitão a deixar as vaidades do mundo e ir para a solidão do deserto a orar e meditar, concede-nos também a nós, dedicar muitas horas em nossa vida, afastados do bulício mundano, a orar, meditar e a fazer penitência por nossa salvação e pela conversão do mundo. Ámen.

Pedro Orseolo, Santo

Monge eremita

Pedro Orseolo, Santo

Pedro Orseolo, Santo

A vocação de São Pedro Orseolo ou Urseolo é uma das mais estranhas que regista a história eclesiástica. Nascido de uma distinta família veneziana, no ano 928, parece haver sido nomeado, aos vinte anos, comandante em chefe da frota de Veneza. No desempenho de seu oficio, realizou uma vitoriosa campanha contra os piratas que infestavam o Adriático. É impossível determinar até que ponto esteve envolto Pedro na insurreição popular do ano 976, que culminou no assassinato do Duque Pedro Candiani IV e no incêndio de uma grande parte da cidade. O testemunho de São Pedro Damiano, que atribui a responsabilidade a Pedro Orseolo, está sujeito a reservas. Em todo caso, o certo é que Pedro foi eleito para suceder a Candiani, e as principais autoridades da atualidade louvam a energia e o tacto que despregou durante sua breve administração. "Era um homem santo, mas possuía, como todos os de sua raça, as grandes qualidades de chefe de Estado que encontramos em quem o precedeu no trono ducal”. Seu primeiro cuidado foi reparar os danos causados pelo incêndio. Empreendeu a construção de um palácio e de uma igreja, e renovou os tratados com Istria. Mas o principal serviço que rendeu a seu Estado foi o arranjo com Gualdrada, a esposa de Pedro Candiani... Graças a isso, Gualdrada retirou todas suas acusações contra Veneza. As queixas de Gualdrada haviam provocado uma grande crise, que desapareceu com o arranjo. E então aconteceu o inesperado: na noite de 1 de Setembro de 978, Pedro de Orseolo partiu secretamente de Veneza e se refugiou na abadia beneditina de Cuxa, no Rosellón, entre Espanha e França. Segundo parece, sua esposa, com quem havia estado casado trinta e dois anos, e seu filho, que um dia seria Duque de Veneza, viveram longo tempo sem saber dele. Sem embargo, a resolução de Pedro não deve ser tão inesperada como parece; há razões para crer que ele e sua esposa haviam vivido como irmão e irmã, desde o nascimento de seu único filho, e há quem sustente que uma carta de Raterio a Pedro demonstra que este pensava já na vida religiosa no ano 968. Em todo caso, está fora de dúvida que Orseolo levou em Cuxa uma vida de intenso ascetismo e abnegação, sob a direção do santo abade Guarino. Mais tarde, desejoso de maior solidão, construiu uma ermida, provavelmente por conselho de São Romualdo, que foi o grande propagador desta forma particular de vocação beneditina. São Pedro morreu no ano 987. Se diz que em sua tumba se obraram grandes milagres. Seu culto foi confirmado em 1731 pelo Papa Clemente XII.

Santo Petrónio, bispo

Na cidade de Die, na região da Gália Vienense (hoje França), santo Petrónio, bispo, que antes havia abraçado a vida monástica na ilha de Lérins (depois de 463).

Santo Valério, eremita

Na cidade de Limoges, em Aquitânia, santo Valério (Valéry), que levou vida solitária (s. VI).

Gonzalo de Amarante, Beato
Enero 10 Presbìtero Dominico

Gregorio de Nisa, Santo
Enero 10 Obispo

Milciades (Melquiades), Santo
Enero 10 XXXII Papa

Gregorio X, Beato
Enero 10 CLXXXIV Papa

Guillermo de Bourges, Santo
Enero 10 Abad y Obispo

Agatón, Santo
Enero 10 LXXIX Papa

Aldo, Santo
Enero 10 Eremita

Ana de los Ángeles Monteagudo, Beata
Enero 10 Dominica

Gil de Lorenzana (Bernardino di Bello), Beato
Enero 10 Eremita Frenciscano

Francisca de Sales (Leonia Aviat), Santa
Enero 10 Fundadora

María Dolores Rodriguez Sopeña, Beata
Enero 10 Fundadora

Pablo de Tebas, Santo
Enero 10 Ermitaño

Pedro Orseolo (Urséolo), Santo
Enero 10 Monje eremita

San Gregorio de Nisa, obispo
En la ciudad de Nisa, en la región de Capadocia, san Gregorio, obispo, hermano de san Basilio el Grande, admirable por su vida y doctrina, que, por haber confesado la recta fe, fue expulsado de su sede por el emperador arriano Valente (c. 394).


San Juan de Jerusalén, obispo
En Jerusalén, san Juan, obispo, que en tiempo de la controversia acerca de la doctrina ortodoxa trabajó denodadamente en favor de la fe católica y de la paz en la Iglesia (417).


San Petronio, obispo
En la ciudad de Die, en la región de la Galia Vienense (hoy Francia), san Petronio, obispo, que antes había abrazado la vida monástica en la isla de Lérins (después de 463).


San Marciano, presbítero
En Constantinopla, san Marciano, presbítero, que se distinguió en la ornamentación de las iglesias y en la ayuda prestada a los pobres (471).


San Valerio, eremita
En la ciudad de Limoges, en Aquitania, san Valerio (Valéry), que llevó vida solitaria (s. VI).


San Domiciano, obispo
En Melitene, ciudad de Armenia, san Domiciano, obispo, que trabajó con ahínco en la conversión de los persas (c. 602)


San Arconte, obispo
En la región de Viviers, cerca del Ródano, san Arconte, obispo (c. 745).

Beato Benincasa, abad
En el monasterio de Cava, en la Campania (hoy Italia), beato Benincasa, abad, que envió cien monjes a Sicilia para restaurar la vida regular en el abandonado cenobio de Monreale (1194).

91427 > Sant' Agatone Papa 10 gennaio MR

 
36800 > Sant' Aldo Eremita 10 gennaio


90750 > Beata Anna degli Angeli Monteagudo Domenicana 10 gennaio MR

 
36870 > Sant' Arconzio di Viviers Vescovo 10 gennaio MR

 
90850 > Beato Benincasa Abate di Cava 10 gennaio MR

 
36850 > San Domiziano di Melitene Vescovo 10 gennaio MR

 

36880 > Beato Egidio (Bernardino) Di Bello Eremita francescano 10 gennaio MR

 
90575 > Santa Francesca Salesia (Leonia Aviat) Religiosa, fondatrice 10 gennaio MR


36820 > San Giovanni Vescovo 10 gennaio MR


44200 > San Gregorio di Nissa Vescovo 10 gennaio MR

 
36775 > Beato Gregorio X Papa 10 gennaio MR

 
36900 > San Guglielmo di Bourges Vescovo 10 gennaio MR

 
90749 > Beato Gundisalvo (Gonzalo, Gonsalvo) di Amarante Domenicano 10 gennaio MR

 
90854 > Beata Marchesina Luzi Vergine e martire 10 gennaio


36840 > San Marciano di Costantinopoli Sacerdote 10 gennaio MR

 
91482 > Beata Maria Dolores Rodriguez Sopena 10 gennaio MR

 

81050 > San Milziade (o Melchiade) Papa 10 gennaio MR

 
37750 > San Paolo di Tebe Eremita 10 gennaio MR

 
36830 > San Petronio Vescovo di Die 10 gennaio MR

 
91342 > San Pietro Orseolo (Urseolo) Monaco 10 gennaio MR

 
93929 > Beato Raimondo de Fosso Mercedario 10 gennaio

 
36860 > San Valerio Eremita 10 gennaio MR

 

0000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000

____________________________________________________________________

  • Nossa Senhora de Fátima, pediu aos Pastorinhos:
    “REZEM O TERÇO TODOS OS DIAS”
  • Tero1 - Cpia
    /////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////
    NOTA:
    Como decerto hão-de ter reparado, são visíveis algumas mudanças na apresentação deste blogue (que vão continuar… embora não pretenda eu que seja um modelo a seguir, mas sim apenas a descrição melhorada daquilo que eu for pensando dia a dia para tentar modificar para melhor, este blogue). Não tenho a pretensão de ser um “Fautor de ideias” nem sequer penso ser melhor do que outras pessoas. Mas acho que não fica mal, cada um de nós, dar um pouco de si, todos os dias, para tentar deixar o mundo um pouco melhor do que o encontramos, quando nascemos e começamos depois a tomar consciência do que nos rodeia. No fim de contas, como todos sabemos, esta vida é uma passagem, e se Deus nos entregou o talento para o fazer frutificar e não para o guardar ou desbaratar, a forma que encontrei no “talento” de que usufruo, é tentar fazer o melhor que posso, aliás conforme diz o Evangelho.
    Assim, a principiar pela imagem principal, a partir de hoje, e se possível todos os dias, ela será modificada mediante o que eu for encontrando passível de aproveitamento para isso. Em conformidade com o que digo, na minha 1ª postagem de hoje (e a última de ontem, 31 de Dezembro) editarei diariamente, pelo menos, mais três páginas, (sendo a Pág. 1Vidas de Santos; Pág. 2O Antigo Testamento; e Pág. 3O Papado – 2000 anos de história). Além disso, semanalmente (ao Domingo e alguns dias santificados – quando for caso disso –) a Pág. 4A Religião de Jesus; e a Pág. 5 - Salmos) e, ainda, ao sábado, a Pág. 6In Memorian.
    Outros assuntos que venham aparecendo emergentes dos acontecimentos que surjam tanto em Portugal, como no estrangeiro; e, ainda, alguns vídeos musicais (ou outros) que vão sendo recolhidos através do Youtube e foram transferidos para o meu canal “antónio0491” que se encontra inserido logo após o Título e sua descrição.
    Registe-se também que através de Blogs Católicos, União de Blogs Católicos, etc., estou inscrito em muitos blogs que se vão publicando em Portugal, Brasil, e outros países, que, por sua vez, também publicarão este blogue. Há ainda mais algumas alterações que já fiz e vou continuando a efetuar na parte lateral do blogue, retirando ou colocando vários complementos.
    Como também já deve ser do conhecimento de muitos, encontro-me inscrito na rede social, Google + Facebook, e outros, individualmente e, também ali poderão encontrar este blogue. O meu correio electrónico foi modificado e será inscrito no início de cada página (pelo menos na primeira, de cada dia).
    Para terminar, gostaria de que os meus leitores se manifestassem, bastando para tal marcar o quadrado que entendam, que segue sempre abaixo de cada publicação, como aliás eu faço, relativamente aos blogues que vou vendo sempre que me é possível, com o que ficaria muito grato
    Desculpem e Obrigado mais uma vez – António Fonseca
    0000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000
  • 00000000000000000000000000000000000000000000000000000000
    Localização geográfica da sede deste Blogue, no Porto
    Viso---mapa_thumb_thumb_thumb_thumb_[2]
    http://confernciavicentinadesopaulo.blogspot.com
    ===================================
    0000000000000000000000000000000000000000000000
    $$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$
    «««««««««««««««««««««««««««««««««««««««««««««««««««««««»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»
  • Meus endereços:
  • Nome do blogue: SÃO PAULO (e Vidas de Santos)
  • Endereço de Youtube: antonio0491@youtube.com
  • António Fonseca