OS MEUS DESEJOS PARA TODOS

RecadosOnline.com

quinta-feira, 17 de janeiro de 2013

* Elba Ramalho testemunha perseguição do Governo petista por sua posição a favor da vida e ser CONTRA o aborto. - 17 de Janeiro de 2013

 

 

 

* Elba Ramalho testemunha perseguição do Governo petista por sua posição a favor da vida e ser CONTRA o aborto.

janeiro 17th, 2013

Imprimir | Favoritos |Compartilhar

  • Print this article!
  • Google
  • Live
  • YahooMyWeb
  • Favorites
  • del.icio.us
  • Digg
  • Facebook
  • MySpace
  • Rec6
  • LinkedIn
  • Netvibes
  • Technorati
  • Yahoo! Buzz
  • TwitThis
  • Enviar artigo para amigo

______________________________________________________

HOLLANDE não contente com aos Abortistas & Companhia, já inventa campanha contra “vírus da religião”. !!!

 

Como diria OBELIX;  estes “gauleses” estão loucos….

* Socialistas da França anunciam campanha contra “vírus da religião”.

janeiro 10th, 2013

Manuel Valls e François Hollande

Manuel Valls e François Hollande

O governo socialista da França anunciou a criação de um “Observatório Nacional da Laicidade”, uma iniciativa que na prática se traduziria em uma violação à liberdade religiosa com a deportação de muçulmanos, judeus e cristãos que sejam considerados portadores de uma “patologia religiosa”.

O presidente Francois Hollande, que em sua campanha eleitoral ofereceu legalizar as uniões homossexuais equiparadas ao matrimônio, disse em 10 de dezembro que no ano 2013 se estabelecerá o chamado Observatório.

Este organismo, assinala um comunicado oficial da presidência, “terá como tarefa formular propostas sobre a transmissão da ‘moral pública’ para dar-lhe um lugar digno na escola”.

Embora o comunicado não especifique os alcances do Observatório, foi o Ministro do Interior, Manuel Valls, quem explicou sua missão. O funcionário indicou que “o objetivo não é combater as opiniões com a força, mas ser detector e compreender quando uma opinião se faz potencialmente violenta e chega ao excesso criminal. O objetivo é identificar quando é bom intervir para lutar com o que se converte em uma patologia religiosa”.

 

SÓ NOS FALTAVA MAIS ESTA, PARA VOLTARMOS AO TEMPO DOS ROMANOS E À PERSEGUIÇÃO AOS CRISTÃOS…

Mais um post  -  17-1-13  -  17H35

ANTÓNIO FONSECA

Mais notícias sobre Abortos, etc., etc., (2) - 17 de Janeiro de 2013

Blog Carmadélio

Artigos e Notícias selecionadas à luz da Fé Católica.

 

* De abortista radical a pró vida radical.Testemunho de Ramona Treviño.

ACI

Ramona Treviño ( na foto acima, no centro) se uniu à lista de homens e mulheres que sofrem uma conversão radical enquanto trabalham para abortistas. Em sua primeira aparição pública, protagonizou uma vigília de oração em frente ao seu ex-centro de trabalho durante a qual assegurou que como católica só quer dar glória a Deus e salvar vidas.

“Minha mensagem é que devemos glorificar a Deus, glorificar as coisas maravilhosas que todos vocês estão fazendo e seguiremos fazendo”, disse aos participantes da vigília nos subúrbios de um centro da transnacional abortista Planned Parenthood (PP) em Sherman, Texas.

“Há pessoas como eu em todo mundo esperando um milagre”, afirmou Treviño quem até maio foi gerente deste centro do PP, encarregado de conduzir as grávidas às clínicas abortistas da cadeia.

No dia 6 de maio ela renunciou ao trabalho que exerceu por três anos e à “metade dos ganhos da minha família”. Ela admite que durante todo o tempo que serviu no PP sentia um “puxão em meu coração, dentro e fora, e me envergonha dizer que o ignorei”.

Com efeito, embora na clínica de Treviño não sejam praticados abortos, ela “tinha que fornecer as referências (às grávidas que procuram abortar). Tinha que dar o número, difundir a informação sobre os lugares… onde podiam obter um aborto”.

Em uma entrevista com o grupo ACI, Treviño deu mais detalhes de sua história, assegurou que tentou em vão conciliar sua fé católica com seu trabalho no Planned Parenthood e descreveu que sua conversão coincidiu com a beatificação do Papa João Paulo II.
“Fui criada católica, mas em realidade não tive muita formação na fé. Quando eu era menina… sentia-me como se estivesse sendo chamada à vida religiosa. Mas não tinha a formação, como menina pequena, para responder a esse chamado”, recordou.

Em lugar de ser freira, Treviño ficou grávida durante a secundária. Abandonou os estudos e anos depois contraiu matrimônio católico. Treviño obteve então um trabalho de tempo parcial no Planned Parenthood.

Embora tivesse recebido formação católica para preparar-se para o matrimônio, ainda carecia de uma adequada compreensão dos problemas relacionados com a sexualidade e a vida humana, assim como da liderança do Planned Parenthood na indústria do aborto.

Treviño admite que se sentia incômoda em seu trabalho e seu momento mais difícil foi dar pela primeira vez um catálogo a uma mulher que queria abortar.

Treviño tinha encontrado a maneira de calar sua consciência rezando pelas mulheres e procurando justificar suas ações para não sentir-se responsável.

“Constantemente busquei alimentar minhas mentiras. Com o tempo percebia que não estava buscando salvar suas vidas, já não poderia negar isso a mim mesma”.

O ponto de quebra ocorreu em dezembro de 2010 quando escutou em uma rádio católica as experiências pós-aborto de várias mulheres que tinham terminado com as vidas de seus filhos em clínicas do Planned Parenthood.

Conheceu logo o caso de Abby Johnson, também ex-empregada do Planned Parenthood convertida agora em líder pró-vida.

Começou a rezar o Terço durante a Quaresma e, sem maior explicação –como ela sustenta–, compreendeu que não podia seguir trabalhando lá.

“Foi no domingo da Misericórdia, o dia em que beatificaram o Papa João Paulo II eu disse que deixaria de trabalhar. Quando recordei que era Domingo da Divina Misericórdia… não pude conter minhas lágrimas. Nesse momento senti que Deus me chamava”, indicou.

____________________________________

Jane Roe, a Pioneira do Aborto nos Estados Unidos converte-se e torna-se pró-vida!

JANE ROE, A PIONEIRA DO ABORTO, ESTÁ ARREPENDIDA

Jane Roe, nome fictício de Norma McCorvey, foi a primeira norte-americana a ganhar o “direito” de abortar. Depois da sentença, passou 30 anos militando à frente de campanhas pró-aborto. Todavia, Norma está hoje profundamente arrependida e trabalha para que o aborto volte a ser considerado crime nos EUA: “Foi lamentável o dia em que o Supremo Tribunal americano permitiu que as mulheres assassinassem os seus filhos”.

Em 22 de janeiro de 1973, o Supremo Tribunal dos Estados Unidos concedeu o direito de abortar a Jane Roe, nome fictício usado para proteger Norma McCorvey, uma jovem de 20 anos nascida em Dallas. Norma era solteira, pobre, maltratada e viciada em drogas. O Texas então era um dos estados que puniam a mulher que abortasse com até cinco anos de prisão. Embora a jovem não tivesse podido abortar na ocasião, devido à demora no veredicto, o caso “Roe vs. Wade” acabou estendendo ao país inteiro o direito ao aborto.

Trinta anos depois, Norma McCorvey, agora com 55 anos, engajou-se no movimento pró-vida e renega todo o seu passado; converteu-se ao catolicismo e fundou um grupo pró-vida chamado “Roe no more” (“Roe nunca mais”). (Em 2003, este grupo passou a chamar-se “Crossing-over”, “Travessia”, N. do T.). “Tudo mudou quando me converti ao cristianismo”, explica Norma numa entrevista concedida pelo telefone. Devagar e com a voz cansada, ela fala na sua associação em Dallas.

– Por que motivo abandonou a causa que vinha defendendo durante vinte anos?

Simplesmente compreendi que não podemos pegar e tirar a vida de uma criança, e isso não apenas para nós, que cremos em Deus. Na primeira vez em que fui à igreja, num sábado à noite, estava acompanhada de duas garotas pequenas, e senti que devia pertencer àquela comunidade e renegar tudo.

– Você se arrepende de tudo o que fez?

Por sorte, não cheguei a abortar. Hoje aconselho mulheres desesperadas. A minha missão na vida é ajudá-las e evitar que abortem.

– Você não admite o direito ao aborto em nenhuma hipótese, nem em casos de estupro ou perigo para a vida da mulher?

Não, não há nenhuma diferença. Continua a ser um assassinato, de um jeito ou de outro.

McCorvey permaneceu no anonimato por dezessete anos. Após o desfecho do caso, deu o filho para adoção e tentou seguir em frente. Era uma heroína para os grupos pró-aborto e um símbolo da degradação do país para a frente pró-vida.

Norma só revelou que tinha sido Jane Roe nos anos 80, quando escreveu um livro e passou a dedicar-se ativamente à defesa dos direitos que havia conquistado para todas as americanas, chegando mesmo a trabalhar como conselheira em clínicas de aborto. Ainda hoje guarda lembranças dessa época, em que pôde presenciar “a natureza aterrorizante do aborto e devastação que causa nas garotas e nas mulheres”.

Nessa época, conta agora, tentou suicidar-se várias vezes e, por ter na consciência o peso de ter sido responsável pela “perda de tantas vidas”, recorreu às drogas.

Em 1995, Norma deu uma guinada radical na sua vida, surpreendendo ativistas de ambas as partes. Batizou-se e uniu-se a um grupo cristão pró-vida chamado “Operação Resgate”. Conhecera-os quando a associação abrira um escritório bem ao lado da clínica onde trabalhava. Um sacerdote mudou a sua vida, e ela decidiu renunciar a tudo quanto havia sido nas últimas quatro décadas.

LESBIANISMO

Renunciou inclusive ao lesbianismo. Norma havia vivido com Connie Gonzales durante trinta anos quando ambas se converteram ao catolicismo. Continuam amigas e compartilham a profissão, mas Norma agora reconhece que a homossexualidade é um pecado.

Connie acompanha de perto todos os movimentos de Norma; é a sua sombra. Protege-a da imprensa, das críticas e do que mais for preciso. Filtra as suas ligações e vive basicamente para ela. Tem posições tão firmes quanto as de Norma. “Quando aconteceu o que aconteceu, não existiam grupos como nós que ajudassem as mulheres”, explica Connie.

Segundo ela, Norma caiu nas garras das advogadas abortistas porque não houve médicos ou ativistas para lhe dar apoio. “Agora, neste país, todos cuidam das mulheres, as pessoas importam-se com elas e defendem a vida. Não sei como é no resto do mundo”, conclui Connie em tom cético. “Sou ex-lésbica, ex-abortista, ex-Jane Roe”, disse Norma num documentário. “Sou uma ex-tudo; parece que quanto mais cresço, mais ‘ex’ fico”.

Para justificar os seus anos de ativismo abortista, assegura que foi manipulada por “advogadas ambiciosas” que usaram uma moça desesperada para se tornar famosas e atingir os seus objetivos, abandonando-a em seguida.

Era o ano de 1969. Ela estava só, havia abandonado os estudos e dado os filhos para a adoção. As advogadas Sarah Weddington e Linda Coffee convenceram-na a denunciar o fiscal de Dallas Henry Wade e a lutar pelo seu direito de abortar no Texas. Assim nasceu o caso Roe vs. Wade, que foi, de acordo com Norma, um cúmulo de mentiras. Para que a Justiça fosse mais rápida, disse às advogadas que fora violentada. Mais tarde, numa entrevista à televisão por ocasião dos 25 anos da sentença, confessou a farsa: a sua gravidez tinha sido fruto de “uma simples aventura”.

Começou a sentir certa aversão pelas campanhas abortistas e pela clínica no início dos anos 90; não suportava a pressão de todas as mulheres que a procuravam para lhe agradecer porque tinham podido abortar.

Quando começou a trabalhar com o grupo católico, toda a sua vida até aquele momento apareceu-lhe como um erro. “Ela caiu do cartaz com o símbolo do aborto diretamente nos braços de Deus”, diz o texto da página do seu movimento pró-vida. Assim, Norma converteu-se em porta-voz da sua causa e publicou um novo livro contrário ao aborto já desde a capa: “Won by Love” (“Vencida pelo amor”).

ANIVERSÁRIO

Em 22 de janeiro, dia do aniversário da decisão, Norma declarou ao subcomitê constitucional dirigido por John Ashcroft, pró-vida e então senador, que recolhia testemunhos para combater a decisão do Supremo Tribunal. “Este é o aniversário de uma tragédia”, disse o senador. “Perdemos 37 milhões de crianças que nunca conhecerão o calor do abraço de um pai ou a força do carinho de uma mãe”.

Em 14.01.2005, ela entrou formalmente com uma petição no Supremo Tribunal para pedir a reversão da sentença do caso Roe vs. Wade, apresentando o testemunho legítimo de mais de mil mulheres abaladas psicologicamente pelo aborto e 5.300 páginas de evidências médicas.

McCorvey ainda não obteve resposta à sua petição. Diz que, se o Tribunal não quiser reverter a decisão, deverá ao menos julgar o mérito do caso. “Agora que conhecemos muito mais o assunto, suplico ao Tribunal que ouça as testemunhas e reavalie o caso Roe vs. Wade”.

Norma McCorvey não é a única que mudou. Os porta-vozes das associações abortistas dizem estar perdendo a batalha, embora, segundo pesquisas, a maioria dos americanos não queira voltar atrás na lei. Uma sentença invalidando o direito ao aborto em escala nacional está cada vez mais perto.

Fonte: El mundo (Panamá) / EWTN

__________________________________

Médico coreano enfrenta ameaças de morte depois de conversão pró-vida.

Depois de duas décadas vendo um grande número de pacientes chorando muitas lágrimas, já bastava para o obstetra Shim Sang-duk, que jurou que nunca mais realizaria abortos, um negócio financeiramente lucrativo na Coreia do Sul, noticiou o jornal Los Angeles Times. Mas recusar realizar abortos num país apelidado de “República do Aborto” carrega um preço excessivo para este médico: Shim tem de viver com ameaças de morte de mulheres que buscam aborto e não são atendidas. Ele também tem de viver sabendo que a perda de lucros provenientes de abortos poderá levar ao encerramento de suas atividades médicas.

Apesar disso, Shim continua fiel à sua decisão e está liderando um movimento de obstetras e ginecologistas para acabar com a prática do aborto na Coreia, transformando a profissão médica e incentivando o governo a impor uma antiga proibição ao aborto que é rotineiramente ignorada desde a década de 1970.
“Com o tempo, parei de sentir emoções”, Shim disse para o Los Angeles Times. “Vim a ver os resultados do meu trabalho exatamente como um pedaço de sangue. Durante a operação, eu sentia da mesma forma como se estivesse tratando cicatrizes e curando doenças”.

Shim atribuiu sua própria mentalidade pró-aborto em parte à antiga política de controle populacional da República da Coreia que durante décadas incentivava a profissão médica a fornecer aborto e contracepção às mulheres coreanas por motivos patrióticos.

“Eu apoiava o argumento do governo de que era certo fazer isso”, continuou Shim. “Era bom para o país. Estimulava a economia”.

O governo agora abandonou essa política, e está freneticamente agindo em direção oposta para salvar a nação de uma implosão demográfica provocada pelos próprios coreanos. Essa implosão ameaça minar a sobrevivência econômica e social da nação.

Contudo, a própria conversão de Shim na questão do aborto ocorreu porque ele observava a conduta das mulheres que haviam feito aborto. Ele notou que a maioria dessas pacientes chorava depois do aborto, mas as lágrimas o perturbavam porque elas eram bem diferentes das lágrimas das mães que haviam dado a luz. “Esse era um tipo diferente de lágrimas”, disse ele.
Shim realizou seu ultimo aborto a pedido de uma paciente antiga que lhe implorou que matasse seu bebê em gestação, muito embora ele já tivesse parado de realizar abortos. Depois de dar a ela aconselhamento extensivo, Shim cedeu, mas a mulher chorou como as outras mulheres, vistas por ele, que haviam feito aborto propositado, e essa foi a última vez que ele quebrou sua regra.
As pacientes que entram no salão de entrada da clínica de Shim podem ler um quadro que explica sua nova perspectiva pró-vida e sua posição na questão do aborto. “Os abortos, que rejeitam a valiosa vida de um feto, são a própria desgraça para o país e para a sociedade, bem como para as mulheres grávidas, famílias e médicos pediatras e ginecologistas”.

O aborto é um negócio lucrativo para os obstetras da Coreia do Sul. Considerando a taxa de natalidade excessivamente baixa (1.09) e a mentalidade de aborto do país, a prática se torna quase necessária do ponto de vista financeiro para os mais de 4.000 médicos pediatras e ginecologistas, pois aproximadamente de 43 por cento a três quartos das gravidezes acabam em abortos propositados, não nascimentos.

O Ministério da Saúde dá as estatísticas oficiais para o aborto em 350.000 bebês abortados por ano, enquanto os partos chegam a 450.000 bebês por ano. Contudo, um exame da Assembleia Nacional revelou em outubro que o número de abortos na Coreia pode ser muito mais elevado: 1.5 milhão por ano.
Aliás, mais de um terço das clínicas de obstetrícia e ginecologia são projetadas para realizar abortos.

A Associação Coreana de Obstetrícia e Ginecologia calcula que 60 por cento das clínicas de obstetrícia e ginecologia têm o equipamento para lidar com partos, enquanto o número de clínicas de obstetrícia e ginecologia em funcionamento continua a diminuir sem parar com mais de 200 clínicas tendo fechado suas portas entre 2005 e 2008.

A clínica de obstetrícia e ginecologia de Shim fazia um quarto de seus lucros da realização de abortos, e agora que ele parou de realizá-los, ele diz que muitas pacientes pararam de se consultar com ele — tantas que ele poderá também ter de fechar seu negócio. Algumas fizeram ameaças contra sua vida pelo fato de que ele recusou fazer um aborto nelas.

Apesar disso, Shim disse para o Times que sem aborto, ele se sente como “um jovem médico de novo”.

A fim de lutar contra o aborto tanto nas leis quanto na cultura, Shim fundou uma associação chamada Associação Coreana de Médicos Ginecologistas, que está incentivando outros médicos a abandonarem a prática de abortos e está exortando o cumprimento rigoroso da lei de aborto, com penas para os médicos que violam a lei.

Aproximadamente, 700 médicos deram seu apoio à nova organização, embora Shim tenha dito ao Times que até agora só 30 médicos concordaram em abandonar suas atividades de aborto.

Mesmo assim, a organização tem um site, que destaca as clínicas que não realizam abortos, e recentemente enviou panfletos informativos para 3.400 médicos coreanos lembrando-lhes que a criança em gestação ou “feto” tem o “direito de viver”.

Os esforços de Shim se juntam aos esforços oficiais do governo, que está finalmente aceitando as consequências de suas campanhas míopes de controle de população. Na semana passada, o Conselho Presidencial para o Futuro e Visão anunciou um projeto “Aumente o Número de Coreanos”, que dá privilégios e subsídios econômicos para mulheres que têm mais de dois filhos, e considera impor com um grau maior a lei que proíbe quase que totalmente os abortos, a fim de aumentar a taxa de natalidade da Coreia.

“Temos visto uma sociedade que promovia o aborto”, Kwak Seung-jun, líder do Conselho Presidencial, disse para os jornalistas na semana passada. “Há poucas pessoas que percebem que o aborto é ilegal. Temos de trabalhar para criar uma disposição onde o aborto seja desestimulado”.

Veja a cobertura relacionada de LifeSiteNews.com:
Demographic Implosion Spurs Panicked South Korea to Enforce Abortion Law
www.lifesitenews.com/ldn/2009/nov/09112512.html
Shanghai Starts Backpedaling One-Child Policy in Face of Demographic Implosion
http://www.lifesitenews.com/ldn/2009/jul/09072411.html

______________________________________________

* Testemunho de um médico abortista convertido em pró vida pela intercessão de Maria.

Visitas a Guadalupe e Medjugorje foram fundamentais para a conversão de John Bruchalski. O doutor passou das suas práticas rotineiras de aborto para fundar um dos maiores pró-vida nos Estados Unidos e emprega os ensinamentos do Bem-Aventurado Papa João Paulo II em uma nova abordagem saudável para os cuidados com a saúde.

O médico John Bruchalski com um de seus “filhos”. O doutor realizou muitos abortos antes de visitar Guadalupe e Medjugorje que o levaram a uma reflexão e deram a ele uma nova vida.

Para o médico americano John Bruchalski, 50 anos, nascido no estado de Virgínia, significou passar da tarefa rotineira de realizar abortos para uma visão completamente nova da medicina e a fundação do que hoje é agora uma prática pro-vida que está se desenvolvendo.

Embora criado em uma família católica devota, a saída da fé de John Bruchalski começou quando ele foi para uma faculdade “católica”. Ali ele foi influenciado por professores e amigos que afirmavam que a Igreja Católica poderia mudar com a cultura – que os seus ensinamentos sobre o casamento, divórcio, aborto, contracepção teriam finalmente de estar de acordo com os valores culturais contemporâneos.

No momento em que John Bruchalski entrou na escola médica em 1983 na University of South Alabama, a contracepção e o aborto pareciam-lhe: “o caminho para promover a saúde e a felicidade e a plenitude da vida reprodutiva de uma mulher”. Com o objetivo de ser o melhor ginecologista que pudesse, ele aprendeu os diferentes métodos de esterilização, aborto e reprodução artificial e começou a aplica-los durante a sua residência.

“Eu estava realizando abortos porque acreditava que era o menor dos males – até que percebi que as pessoas ficavam ainda mais destruídas após o procedimento. Pode ter havido uma breve pausa do stress e tensão, mas a maioria dos casais se separaram após o aborto”.

O médico recebeu mensagens de Nossa Senhora em Guadalupe e em Medjugorje

hn Bruchalski dando o seu testemunho em Medjugorje. Foto de Bernard Gallagher

Dr. John Bruchalski dando o seu testemunho em Medjugorje. Foto de Bernard Gallagher

Logo antes de começar a sua residência, John Bruchalski foi convencido por um amigo para ir a Guadalupe, no México, onde a Virgem Maria apareceu em 1531. Bruchalski disse que ouviu Nossa Senhora de Guadalupe – a quem os católicos reverenciam como a padroeira dos não-nascidos – dizer-lhe: “Por que você está me ferindo ??”

No entanto, ele ainda não estava pronto para responder.

“Tive que colocar isto no fundo de minha mente.”

Então, dois anos mais tarde, entre os seu segundo e terceiro ano de residência, a sua mãe o levou em uma peregrinação até Medjugorje. Ali ele redescobriu o amor por Jesus e Maria que seus pais tinham nutrido nele durante toda a sua infância.

“Foi a simplicidade das mensagens que me trouxe à conversão. Então eu tive uma experiência ali com uma jovem da Bélgica que estava lá rezando pela causa pró-vida. Ela me disse que tinha uma mensagem de Nossa Senhora para mim e começou a contar-me coisas sobre a minha vida. Foi uma mudança de vida para mim.”

Uma nova visão sobre a saúde. Não aos abortos.

De volta aos Estados Unidos, John Bruchalski começou a procurar uma maneira de integrar a sua fé redescoberta em sua profissão. Primeiro ele teve outra experiência importante:

"Coração Imaculado de Maria, livrai-nos da maldição do aborto"

2º Post colocado em 17-1-13  -  16H40

ANTÓNIO FONSECA

É preciso teimar, teimar, teimar para que o Povo Português reaja e ACORDE (1) - 17 de Janeiro de 2013

 

CONTINUO NA MINHA LUTA ENQUANTO PUDER E DEUS ME DEIXAR.

NÃO ME CALAREI

LEMBREM-SE CATÓLICOS DE PORTUGAL

ESTE É O ANO DA FÉ

A Igreja Católica, o Poder instituído legitmamente com o Voto, as Associações ou os Indivíduos que requereram os Referendos aprovados infelizmente pela Assembleia da República, há 2 anos, devem acordar para as realidades presentes.

Façamos as Petições que forem precisas – reúna-se o número de assinaturas necessárias para o fazer e obriguemos a que se faça NOVO REFERENDO – MAS SÉRIO – sobre Legalização do Aborto, legalização de drogas, legalização do casamentos entre pessoas do mesmo sexo, rapidamente.

VAMOS ACORDAR TODA A GENTE…

António Fonseca

____________________________________________________________________

Viver Santamente (adimilsonpur@gmail.com)

Agendar limpeza

16-01-2013

Newsletters

Para: antoniofonseca1940@hotmail.com

Imagem de Viver Santamente

De:
Viver Santamente (adimilsonpur@gmail.com)Este remetente está na lista segura.

Enviada:
quarta-feira, 16 de Janeiro de 2013 03:37:24

Para:
antoniofonseca1940@hotmail.com

Viver Santamente


Mais de 1 milhão de pessoas na França saem às ruas para defender o matrimônio e dizer não às uniões gay

Posted: 15 Jan 2013 08:08 AM PST

PARIS, 15 Jan. 13 / 10:51 am (ACI/EWTN Noticias).- Mais de 1 milhão de pessoas se reuniram em Paris (França) na denominada "Marcha para Todos" em defesa do autêntico matrimônio e em contra do projeto de lei promovido pelo presidente François Hollande para legalizar as uniões homossexuais e a adoção de crianças por parte destes casais.
Os organizadores calculam que na marcha participaram entre 1,3 e 1,5 milhões de pessoas, embora diversos meios tenham divulgado que o número de participantes que lotaram as ruas parisinas esteve entre os 340 e 800 mil.
Na manifestação participaram milhares de casais acompanhados de seus filhos, vestidos com cores rosado, branco e azul, e levavam cartazes e balões impressos com a figura de uma família conformada por pai e mãe.
Nos cartazes havia frases como: "Os pais e as mães às ruas descendem e o matrimônio defendem", "Pai e Mãe: Não há nada melhor para uma criança", "Todos nascemos de um homem e de uma mulher", "Nem progenitor A, nem progenitor B: Papai e Mamãe!".
Estima-se que 200 mil pessoas chegaram à capital francesa em trem e ônibus desde diversas cidades para participar da marcha. A primeira hora da manhã da segunda-feira muitas deles já haviam retornado a seus lugares de origem.
Um total de 34 grupos, entre associações de família, católicas, protestantes, muçulmanas, jurídicas, infantis, e inclusive algumas organizações de homossexuais convocaram pessoas à marcha que superou todas as expectativas.
Sobre a manifestação, Cathering Vierling, membro do comitê organizador, assinalou ao grupo ACI: "Foi como um tsunami. Sentia-se algo poderoso, uma forte determinação de todos. O sentimento era de alegria e de júbilo, combinada com uma sensação de grande força".
"Pude ver muitos jovens e muita gente tomando os trens à meia-noite, algo que as famílias consideraram muito necessário para poder participar desta marcha que uniu a França", disse Vierling,
Uma representante do partidoa Democrata Cristão, Christine Boutin, em uma entrevista à emissora francesa BFM TV News advertiu que "se o governo, em concreto o Presidente não reage, haverá tensões muito importantes neste país".
Boutin disse que "as (34) associações foram capazes de reunir muita gente, há mais de 1 milhão de pessoas, isto nunca foi visto em 50 anos”. “Produziu-se uma mobilização tão importante” que "se o governo não escutar, haverá novos eventos, haverá uma cristalização de todas as insatisfações".
A "Marcha para todos" não só ocorreu em Paris mas também realizou-se em diferentes cidades do mundo como Tóquio, Moscou, Jerusalém, Varsóvia, Roma, Barcelona, Londres, Madri e Quebec.
Alguns socialistas também estiveram na grande manifestação, protestando contra seu próprio governo: "por favor retorne Jospin, todos ficaram loucos", faziam coro alguns recordando o ex-primeiro ministro francês.
Também foi possível ver alguns grupos que levavam o código civil francês e que elevavam em protesto, como símbolo de respeito seus direitos fundamentais assinalados pela legislação nacional.
A previsão é de que o debate desta polêmica lei, alentada pelo presidente Hollande e que foi uma de suas promessas da campanha eleitoral, realize-se na próxima terça-feira 29 de janeiro.
Um grupo de jovens mulheres se vestiu como revolucionárias francesas enquanto mostravam letreiros onde era possível ler a frase "não toque meu código civil", em alusão ao projeto socialista impulsionado por Hollande.
Fonte: ACI Digital

_____________________________________________

NOTA: Acho que não será preciso traduzir. De qualquer modo, neste momento, não tenho tempo de o fazer, mas fá-lo-ei logo que possível. ANTÓNIO FONSECA


El lugar de encuentro de los católicos en la red
Los problemas de los hijos de parejas gay

Donativos

Compartir:





|

Imprimir
|

Enviar
|

Comentar

Los problemas de los hijos de parejas gay
Polémicas en torno a una investigación de la Universidad de Texas; según el estudio serían menos saludables y más propensos al suicidio y a la traición
Autor: Marco Tosatti | Fuente: vaticaninsider.lastampa.it

En junio del año pasado, la revista científica estadounidense "Social Science Research", la "peer rewieved" más prestigiosa del sector, publicó dos estudios muy interesantes sobre los problemas de los niños que crecen dentro de una relación homosexual. Estos estudios modificaron el panorama del conocimiento al respecto. Las primeras investigaciones sobre este argumento (y tal vez estas sirvieron como base para las decisiones de la Corte Constitucional) afirmaban que no hay diferencia en el desarrollo afectivo y psicológico de los niños de parejas homosexuales y heterosexuales.
Hasta junio del año pasado, como explicaba Francesco Paravati (presidente de la Sociedad Italiana de Pediatría), los problemas relacionados con las «nuevas familias» eran fenómenos muy recientes, por lo que las investigaciones tenían un carácter preliminar y a menudo se realizaban con pequeños grupos y a breve plazo.
Uno de estos dos nuevos estudios es el del sociólogo de la Universidad de Texas, Mark Regnerus. Su estudio está dotado de un método inédito cuantitativa y cualitativamente. Se basó en una muestra mucho más grande y a nivel nacional; pero, sobre todo, dejó que fueran los «hijos» de padres homosexuales los que tomaran la palabra.
Entre los datos presentados, y que han creado polémicas, surgió que el 12% piensa en el suicidio (en contra del 5% de los hijos de parejas heterosexuales), son más propensos a la traición (40% contra 13%), a menudo son desempleados (28% contra 8%), recurren con mayor facilidad a la psicoterapia (19% frente a 8%) y requieren mayor asistencia social con respecto a sus contemporáneos. El 40 % de los casos indicó que ha contraído una enfermedad de transmisión sexual (en contra del 8%); son normalmente más pobres, menos saludables y más propensos al tabaquismo y a la criminalidad.
Además, el autor afirma que los estudios que se han publicado hasta ahora (y que sostienen la teoría de que no hay «ninguna diferencia» entre los niños que crecen en familias heterosexuales y "gay", «se basan en datos no casuales y poco representativos, usan muestras de dimensiones pequeñas que no permiten la generalización hacia la población más amplia de familias de homosexuales y lesbianas».
El movimiento LBGT de los Estados Unidos puso en marcha una fuerte campaña para deslegitimizar a Regnerus, que a menudo se ha mostrado a un paso del insulto y del linchamiento moral (con una violencia extraordinaria). Incluso reunieron firmas para pedir que la Universidad de Texas despidiera al investigador. Por ello comenzó una investigación interna para verificar la cientificidad del estudio. Sin embargo, el 29 de agosto del año pasado en el sitio web de la misma universidad apareció este comunicado: «La Universidad de Texas estableció que ninguna investigación formal puede ser justificada con respecto a las acusaciones de mala conducta científica presentadas en contra del profesor Mark Regnerus, con respecto a su artículo publicado en la revista "Social Science Research"». Según la Universidad, «no hay pruebas suficientes para justificar una investigación». Como sea, la investigación interna reconoció la legitimidad del trabajo del investigador y su fidelidad al protocolo previsto por la metodología para la investigación.
La Universidad de Texas se encuentra en el lugar 67 entre las mejores universidades del mundo, según el "US News and World Report. La investigación de Regnerus, además, fue aprobada por el "New York Times", que no es un dechado de simpatía para con las posturas tradicionales. El periódico escribió que «los expertos externos, en general, dijeron que la investigación fue rigurosa y que ofrece algunos de los mayores datos al respecto». La comisión "externa" estaba formada por un grupo de 18 científicos y profesores universitarios. Además, diferentes psicólogos y psiquiatras reconocieron la confiabilidad de los incómodos resultados.

______________________________

Nota: Embora o texto que se segue, não diga respeito exatamente ao assunto que estou tentando levar a cabo, e tão pouco ser de Portugal, mas sim do Brasil, entendi que o devia colocar também aqui no meu blogue, NEM QUE SEJA A TÍTULO DE SOLIDARIEDADE.

ANTÓNIO FONSECA

Cristo em Nós


Pedido urgente de Pe. Lodi, do Pró-Vida de Anápolis!

Posted: 16 Jan 2013 04:08 AM PST

Hoje o Pró-Vida de Anápolis tem pouco mais de R$ 400,00 (quatrocentos 
reais). Não fizemos nenhum gasto extraordinário nos últimos meses, mas 
as doações têm sido pequenas e nem todos os sócios têm-se lembrado de 
contribuir. 
 
Para que possamos continuar mantendo a Casa da Gestante, com as irmãs 
religiosas, as hóspedes e os bebês, e para que possamos continuar 
imprimindo e enviando o boletim "Aborto! Faça alguma coisa pela vida", 
tenham a bondade de ajudar-nos financeiramente. 
 
As doações podem se feitas na Agência 0324-7, Conta Corrente 7070-X, 
Banco do Brasil, em nome de "Pró-Vida de Anápolis", CNPJ 01.813.315/0001-10. 
 
Tenham a bondade de enviar uma mensagem para 
escritorioprovida@terra.com.br informando seu depósito ou transferência, 
a fim de podermos fazer o devido lançamento contábil. 
Deus lhes pague. 
 
O escravo de Jesus em Maria, 
 --   
Pe. Luiz Carlos Lodi da Cruz
Presidente do Pró-Vida de Anápolis 
Telefax: 55+62+3321-0900 
Caixa Postal 456
75024-970 Anápolis GO 

Post colocado em 17-1-13  -  16H35

 

ANTÓNIO FONSECA

Nº 1533-1 - (17-13) - SANTOS DE CADA DIA - 17 de Janeiro de 2013 - 5º ano

antoniofonseca1940@hotmail.com

Nº 1533

Bom


ANO  D 2 0 1 3


************************************************************

Nº 1533-1 - (17-13)

Imagem3189

»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»

I-Am-Posters

= E U  S O U =

»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»«««««««««««««««««««««««««««««««««

Nº 1533-1 – (17-13)

#####################################

##################################### #####################################

ANTÃO, Santo
Abade (251-356)

Antonio, Santo

Santo Antão, cognominado o Grande, patriarca dos cenobitas, filho de pais piedosos e ricos, nasceu em 251, em Comã, no Egipto, e revelou desde a infância grande desejo de perfeição religiosa. A palavra da Igreja, a observação da natureza, a pureza dos costumes e a fuga do mundo serviram-lhe de guias. Motivos ascéticos fizeram que deixasse de dedicar-se aos estudos clássicos. Com 20 anos perdeu os pais. Assistindo uma vez à Santa Missa ouviu as palavras do Evangelho: “Se queres ser perfeito, vende tudo o que tens, dá-o aos pobres e segue-me” (Mt 19, 21). Antão observou este conselho e começou vida de asceta, Retirou-se para o deserto, onde se ocupou com oração e trabalho. O demónio não o poupou, não lhe deixando faltar incómodos espirituais e corporais. Antão, porém, recorreu às armas da oração e penitência e saiu vencedor. Depois, mudou a habitação mais para o interior do deserto, estabelecendo-se numa gruta abandonada. Um dia foi visitado por desconhecidos e amigos, que muito se admiraram da sua boa disposição e do poder com que sarava os doentes.

A fama da sua santidade atraiu muitas pessoas, que se lhe confiaram para a direção. Dentro de poucos anos, existiam já numerosos cenobitas na Tebaida. Todos eles reconheceram Antão como superior. Quando, em 311, Maximino decretou uma perseguição à Igreja, Antão não se expôs ao martírio, mas saiu da solidão para animar e confortar os irmãos em Cristo. Terminada a perseguição (312), retirou-se para o monte de Colzim (Morro de Santo Antão), onde continuou a vida de eremita. Em visões proféticas, Deus mostrou-lhe o futuro da Igreja, p. ex., a vinda do arianismo e a sua ação perniciosa.

Tanta era a estima de que na Igreja gozava, que o imperador Constantino e dos dois filhos, Constâncio e Constante, lhe dirigiram cartas em que lhe pediram orações.

Tendo já noventa anos, por inspiração do Espírito Santo, foi procurar S. Paulo eremita, que vivia no deserto havia já noventa anos, desconhecido completamente. Antão encontrou-o ainda vivo, mas já em vésperas de deixar este mundo. Deu-lhe sepultura e levou consigo a túnica feita de folhas de palmeira, que vestia só em ocasião de grandes festas.

Sentindo a morte aproximar-se, chamou os discípulos e dirigiu-lhes os últimos conselhos: «Deus chama por mim, meus filhos, e tenho desejo de entrar no céu. Lembrai-vos sempre dos meus ensinamentos. Evitai o veneno do pecado, respeitai a vossa fé. sede conscienciosos em observar a lei de Deus; vivei como se tivésseis de morrer todos os dias, e guardai a vossa alma isenta de todos os  maus pensamentos”. Depois pediu, que lhe sepultassem o corpo sem grande aparato, e não revelassem a ninguém o lugar onde jazia.

Antão morreu aos 17 de Janeiro de 356, com a idade de 105 anos, sem, contudo, ter dado sinal algum de caducidade.

O corpo, descoberto em 561, foi transportado para Alexandria, e em 635 para Constantinopla. Hoje repousa na igreja de S. Julião, em Arles. A arte cristã apresenta Santo Antão com um porco, o qual significa o demónio, cujas tentações o santo venceu com tanto heroísmo durante 90 anos.

Santo Atanásio, na biografia que escreveu de Santo Antão, destaca oito ensinamentos que o grande patriarca da Tebaida deu aos seus discípulos. São os seguintes:

  • 1. Nada pode haver mais útil para o cristão, do que pensar todos os dias: Hoje estou a começar a servir a Deus, e o dia de hoje pode ser o meu último.
  • 2. Vida pura e fé viva na presença de Deus são os meios mais eficazes para evitar o pecado.
  • 3. Quem quer vencer as tentações não confie em si, mas em Deus.
  • 4. O melhor remédio contra a tibieza é a lembrança de que a vida é curta e incerto o fim dela.
  • 5. O inimigo infernal é muito fraco para quem sabe desarmá-lo; treme diante do jejum, da oração, da humildade e de outras boas obras. Só o sinal da cruz tem força bastante para confundir-lhe as artimanhas e ilusões.
  • 6. Não convém esquadrinhar as coisas futuras, mas muito convém confiar em Deus.
  • 7. A luz do espírito é muito superior à luz material.
  • 8. Um olhar impuro basta para abrir as portas do inferno.
  • 9. Um monge é como o peixe. Este morre, saindo da água; aquele, quando abandona a solidão.

 

Do livro SANTOS DE CADA DIA, de www.jesuitas.pt.

ROSALINA DE VILLENEUVE, Beata

Virgem (1329)

Roselina (Rosalina) de Villeneuve, Santa

Os pais de Rosalina eram de nobre linhagem. Na juventude encontra ela neles forte oposição, quando se quis consagrar ao Senhor. Tinha sido educada pelas clarissas, mas preferiu à regra delas a austeridade da regra cartuxa. Tendo vinte e cinco anos, foi recebida no mosteiro de Bertrand e, passados mais dez anos, ficou sendo prioresa de Celle-Roubaud, na Provença, fundação de seu irmão, Hélio de Villeneuve.

As suas austeridades foram excessivas; aconteceu-lhe passar uma semana inteira sem comer; tomava cruéis disciplinas e apenas se concedia a si três ou quatro horas de sono. Quando lhe perguntavam qual o meio de ir para o céu, respondia muitas vezes: «Conhecer-se bem cada um a si mesmo». Teve frequentemente visões e êxtases, e tinha o dom extraordinário de ler no fundo dos corações. Morreu a 17 de Janeiro de 1329.

Do livro SANTOS DE CADA DIA, de www.jesuitas.pt.

 

SULPÍCIO, Santo

Sulpicio el Po, Santo

Sulpício o Pío, Santo

Martirológio Romano: Em Bourges, cidade de Aquitânia, são Sulpício, chamado o Pío, bispo, que havendo passado do palácio real ao episcopado, sua maior preocupação foi o cuidado dos pobres (647). São Sulpício II, chamado «o Pío», foi bispo de Bourges, na França centro-setentrional. Sua vida, escrita pouco depois de sua morte, narra uma versão bastante clássica de sua juventude, quer dizer, a passagem de uma vida agitada à renúncia a seus bens e a completa doação aos pobres, seguida de uma conduta muito austera: rígidos jejuns, oração noturna, recitação quotidiana do saltério inteiro. A data de sua eleição como bispo, situada habitualmente antes de 627, porque nesse ano participou do Concílio de Clichy, e consagrou a são Desidério como bispo de Cahors. Os dois mantinham uma regular correspondência epistolar. Foi um pastor amadíssimo por seu povo, a que defendia da tirania de Lullo, ministro do rei Dagoberto. Os reis merovíngios eram neste período veladores da Igreja, mas Sulpício, organizando um jejum de três dias, intentou convencer o novo soberano, Clodoveo II, de tratar a seu povo com maior suavidade. Pouco tempo antes de morrer, já extenuado pela fadiga, pediu ao rei ser substituído no ministério episcopal, para poder dedicar-se mais intensamente ao cuidado dos pobres. Morreu em 647, e em seus funerais viram-se espetaculares manifestações de luto, tanto que o clero teve que apurar a celebração das exéquias. À sua memória se dedicou o célebre seminário parisiense de Saint-Sulpice (em que, entre outros, estudasse São João Baptista de La Salle). responsável da tradução: Xavier Villalta

Jenaro (Januário) Sánchez Delgadillo, Santo

Sacerdote e Mártir,

Jenaro Snchez Delgadillo, Santo

Jenaro Sánchez Delgadillo, Santo

Martirológio Romano: Na cidade de Tocolatlán, no México, são Jenaro Sánchez Delgadillo, presbítero, mártir durante a perseguição mexicana (1927). Data de canonização: 21 de maio de 2000 pelo Papa João Paulo II. Nasceu em 19 de setembro de 1886 em Agualele, povoação próxima a Zapopan, Jalisco. Seus pais foram Cristóbal Sánchez e Júlia Delgadillo, de condição humilde e cristãos observantes, que no povo gozavam de estima por ser pessoas muito boas. Jenaro chegou a Tamazulita no ano de 1923, acompanhado de seus pais.Neste lugar exerceu seu ministério até ao martírio, em Janeiro de 1927. Perante a perseguição desencadeada pelo governo de Calles, especialmente contra os sacerdotes, o Padre Jenaro sentiu em seu coração a impossibilidade de desempenhar convenientemente seu ministério, e chorou quando se deu ordem de cerrar os templos. Desde antes de chegar a Tamazulita havia sentido já o primeiro impacto da perseguição quando foi encarcerado por ler no templo paroquial de Zacoalco, Jalisco, a carta pastoral de seu bispo, Monsenhor Francisco Orozco e Jiménez. A carta era um protesto do prelado pelos artigos persecutórios que contra a Igreja e seus ministros continha la Constituição de 1917. Ao suspender-se el culto público o P. Jenaro teve que exercer seu ministério sacerdotal a escondidas. Em várias ocasiões comentou com alguns deles: Nesta perseguição vão morrer muitos sacerdotes e talvez eu seja um dos primeiros". E assim foi. Em 17 de Janeiro de 1927 o P. Jenaro andava no campo com um grupo de vizinhos. Ao regressar ao rancho, o Padre e seus acompanhantes deram conta que uns soldados os andavam buscando. Ao chegar ao rancho o sacerdote foi preso e levado a Tecolotlán. O chefe dos soldados, mandou soltar a todos menos ao sacerdote, e puseram-lhe uma arreata ao pescoço. O P. Jenaro disse: "Bom amigos, vão pendurar-me; eu os perdoo e que meu Pai Deus também os perdoe, e sempre ¡Que viva Cristo Rei!". Logo os soldados puxaram a corda com violência de maneira que a cabeça do Padre Jenaro foi contra o ramo da árvore onde haviam pendurado a soga. Assim esteve o corpo até à madrugada e antes de que amanhecesse voltaram os soldados, atiraram uma bala no ombro esquerdo, desceram-no e estando no chão o cadáver, um soldado trespassou-o com a baioneta Perto das onze da manhã deram aviso à mãe do sacerdote e dona Júlia chegou e abraçou o cadáver de seu filho e, colocando-o sobre seus joelhos, chorou amargamente. A noticia da morte moveu os habitantes dos arredores a mudar-se em massa a Tecolotlán. Ao ver tal quantidade de gente as autoridades temeram uma reação violenta da multidão, pelo que ordenaram a imediata sepultura do P. Jenaro. Sua recordação e testemunho ficou gravado na memória da Igreja de México e os fieis não deixaram de invocar sua intercessão. O Papa João Paulo II canonizou-o junto a outros 24 mártires mexicanos no Jubileu do ano 2000, em 21 de maio.

Antonio, Santo
Enero 17 Abad

Jenaro Sánchez Delgadillo, Santo
Enero 17 Sacerdote y Mártir

Roselina (Rosalina) de Villeneuve, Santa
Enero 17 Religiosa

Sulpicio el Pío, Santo
Enero 17 Obispo

22300 > Sant' Antonio Abate 17 gennaio - Memoria MR

 
94309 > Beato Enrico da Comentina Patriarca di Costantinopoli, martire 17 gennaio

 
93952 > Beata Eufemia Domitilla 17 gennaio


38190 > Beato Gamelberto 17 gennaio MR

 
38170 > San Giuliano Saba Eremita 17 gennaio MR

 
90133 > San Jenaro (Gennaro) Sanchez Delgadillo Martire Messicano 17 gennaio MR

 
38180 > San Marcello Vescovo di Die 17 gennaio MR

 
91613 > Santa Neosnadia Vergine 17 gennaio


95421 > Nostra Signora di Pontmain 17 gennaio

 
90540 > Santa Roselina di Villeneuve Vergine e monaca certosina 17 gennaio MR

 
38165 > Santi Speusippo, Elasippo, Melesippo e Leonilla Martiri 17 gennaio MR

 
38185 > San Sulpizio il Pio Vescovo di Bourges 17 gennaio MR

 

 

 

0000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000

____________________________________________________________________

  • Nossa Senhora de Fátima, pediu aos Pastorinhos:
    “REZEM O TERÇO TODOS OS DIAS”
  • Tero1 - Cpia
    /////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////
    NOTA:
    Como decerto hão-de ter reparado, são visíveis algumas mudanças na apresentação deste blogue (que vão continuar… embora não pretenda eu que seja um modelo a seguir, mas sim apenas a descrição melhorada daquilo que eu for pensando dia a dia para tentar modificar para melhor, este blogue). Não tenho a pretensão de ser um “Fautor de ideias” nem sequer penso ser melhor do que outras pessoas. Mas acho que não fica mal, cada um de nós, dar um pouco de si, todos os dias, para tentar deixar o mundo um pouco melhor do que o encontramos, quando nascemos e começamos depois a tomar consciência do que nos rodeia. No fim de contas, como todos sabemos, esta vida é uma passagem, e se Deus nos entregou o talento para o fazer frutificar e não para o guardar ou desbaratar, a forma que encontrei no “talento” de que usufruo, é tentar fazer o melhor que posso, aliás conforme diz o Evangelho.
    Assim, a principiar pela imagem principal, a partir de hoje, e se possível todos os dias, ela será modificada mediante o que eu for encontrando passível de aproveitamento para isso. Em conformidade com o que digo, na minha 1ª postagem de hoje (e a última de ontem, 31 de Dezembro) editarei diariamente, pelo menos, mais três páginas, (sendo a Pág. 1Vidas de Santos; Pág. 2O Antigo Testamento; e Pág. 3O Papado – 2000 anos de história). Além disso, semanalmente (ao Domingo e alguns dias santificados – quando for caso disso –) a Pág. 4A Religião de Jesus; e a Pág. 5 - Salmos) e, ainda, ao sábado, a Pág. 6In Memorian.
    Outros assuntos que venham aparecendo emergentes dos acontecimentos que surjam tanto em Portugal, como no estrangeiro; e, ainda, alguns vídeos musicais (ou outros) que vão sendo recolhidos através do Youtube e foram transferidos para o meu canal “antónio0491” que se encontra inserido logo após o Título e sua descrição.
    Registe-se também que através de Blogs Católicos, União de Blogs Católicos, etc., estou inscrito em muitos blogs que se vão publicando em Portugal, Brasil, e outros países, que, por sua vez, também publicarão este blogue. Há ainda mais algumas alterações que já fiz e vou continuando a efetuar na parte lateral do blogue, retirando ou colocando vários complementos.
    Como também já deve ser do conhecimento de muitos, encontro-me inscrito na rede social, Google + Facebook, e outros, individualmente e, também ali poderão encontrar este blogue. O meu correio electrónico foi modificado e será inscrito no início de cada página (pelo menos na primeira, de cada dia).
    Para terminar, gostaria de que os meus leitores se manifestassem, bastando para tal marcar o quadrado que entendam, que segue sempre abaixo de cada publicação, como aliás eu faço, relativamente aos blogues que vou vendo sempre que me é possível, com o que ficaria muito grato
    Desculpem e Obrigado mais uma vez – António Fonseca
    0000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000
  • 00000000000000000000000000000000000000000000000000000000
    Localização geográfica da sede deste Blogue, no Porto
    Viso---mapa_thumb_thumb_thumb_thumb_[2]
    http://confernciavicentinadesopaulo.blogspot.com
    ===================================
    0000000000000000000000000000000000000000000000
    $$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$
    «««««««««««««««««««««««««««««««««««««««««««««««««««««««»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»
  • Meus endereços:
  • Nome do blogue: SÃO PAULO (e Vidas de Santos)
  • Endereço de Youtube: antonio0491@youtube.com
  • António Fonseca