OS MEUS DESEJOS PARA TODOS

RecadosOnline.com

domingo, 10 de março de 2013

Brasil Franciscano: A hora impossível de um Papa Francisco I

Brasil Franciscano: A hora impossível de um Papa Francisco I: Os quartos de Bento XVI estão vazios: com que o nome irá responder ao Escrutinador o próximo papa que irá dormir no seu leito? Após o anú...

Nº 1584-8 - Encontro diário com Deus - 10 de Março de 2013

Nº 1584-8

Do livro Encontro diário com Deus – Editora Vozes – Petrópolis - http://www.vozes.com.br

Pensamento do Dia

Não vos deixeis abater pelas derrotas.

Nada existe que não podeis dominar com a ajuda daquele que nos dá a força

Bv. Papa João Paulo II

Queridos jovens, muitas vezes a cruz assusta-nos, porque parece ser a negação da vida.

Na realidade, é o contrário! Ela é o “sim” de Deus ao ser humano, a expressão máxima do seu amor e a nascente da qual brota a vida eterna.

De facto, do coração aberto de jesus na cruz brotou esta vida divina, sempre disponível para quem aceita erguer os olhos para o Crucificado. Portanto, não posso deixar de vos convidar a aceitar a Cruz de Jesus, sinal do amor de Deus, como fonte de vida nova.

Fora de Cristo morto e ressuscitado não há salvação!

Só Ele pode libertar o mundo do mal e fazer crescer o Reino de justiça, de paz e de amor pelo qual todos aspiram.

 

Papa (Emérito) Bento XVI

_______________________________________________________________________________

NOTA:

Este livro foi adquirido em 11-2-2013 por mim, e, apesar de:

Todos os direitos reservados.

Julgo não estar a utilizar abusivamente parte dos textos ali publicados, para os editar diariamente no meu blog.

Se, no entanto, a Editora entender que não os devo publicar, agradeço que me informem de imediato, através do meu endereço:

http://confernciavicentinadesopaulo.bloghspot.com – Blogue SÃO PAULO (e Vidas de Santos)

Já que apenas tenho o intuito de dar a conhecer os Pensamentos do Dia, aos meus leitores, dando sempre o nome dos Autores dos mesmos, e, colocando sempre a hiperligação anunciada: http://www.vozes.com.br.

Obrigado e desculpem.

ANTÓNIO FONSECA

Nº 1585-2 - O ANTIGO TESTAMENTO - DEUTERONÓMIO (15) - 10 de Março de 2013

10 de Março de 2013
antoniofonseca1940@hotmail.com
2013

250px-12_staemme_israels_cs_thumb1_t[1]

Distribuição das Tribos em ISRAEL

Nº 1585

»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»
Caros Amigos:
Ver por favor a edição de, 12 de Novembro, deste Blogue.

Resolvi simplesmente começar a editar o ANTIGO TESTAMENTO que é composto pelos seguintes livros:
GÉNESIS, ÊXODO, LEVÍTICO, NÚMEROS (Estes já estão…) – Faltam apenas 1030 páginas…(mais ou menos) - Sejamos optimistas.
DEUTERONÓMIO, constantes do PENTATEUCO; JOSUÉ, JUÍZES, RUTE, 1º E 2º de SAMUEL, 1º e 2º Reis, (2) CRÓNICAS (paralipómenos), ESDRAS, NEEMIAS, TOBIAS, JUDITE, ESTER, 1º E 2. MACABEUS (Livros históricos); JOB, SALMOS, PROVÉRBIOS, ECLESIASTES, CÂNTICO DOS CÂNTICOS, SABEDORIA, ECLESIÁSTICO (Livros Sapienciais ); ISAÍAS, JEREMIAS, JEREMIAS – Lamentações, BARUC, EZEQUIEL, DANIEL, OSEIAS, JOEL, AMÓS, ABDIAS, JONAS, MIQUEIAS, NAUM, HABACUC, SOFONIAS, AGEU, ZACARIAS e MALAQUIAS (Profetas).
SÃO APENAS POUCO MAIS DE 40 LIVROS = 1260 PÁGINAS … (coisa pouca…)
Poderei porventura dar conta do recado? Se calhar, não!
Só Deus o sabe e decerto providenciará o que lhe aprouver!
SEI: que é uma tarefa ciclópica, impossível., etc., para os meus 73 anos (*) . Desconheço se conseguirei executar esta tarefa e sei os limites que poderão antepor-se-me, mas CREIO EM DEUS TODO-PODEROSO que não me desamparará em ocasião alguma.
Com Fé e perseverança tudo se consegue e portanto irei até onde Deus me permitir, rezando todos os dias para que eu possa Evangelizar com os meios que tenho à disposição, durante o tempo que Deus Nosso Senhor Jesus Cristo entender.
Se o conseguir, darei muitas Graças a Deus
»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»

Como afirmei inicialmente, Envolvi-me nesta tarefa, pois considero ser um trabalho interessante, pois servirá para que vivamos mais intensamente a Vida de Jesus Cristo que se encontra sempre presente na nossa existência, mas em que poucos de nós (eu, inclusive) tomam verdadeira consciência da sua existência e apenas nos recordamos quando ouvimos essas palavras na celebração dominical e SOMENTE quando estamos muito atentos,o que se calhar, é raro, porque não acontecendo assim, não fazemos a mínima ideia do que estamos ali a ouvir e daí, o desconhecimento da maior parte dos cristãos do que se deve fazer para seguir o caminho até Ele.
Como Jesus Cristo disse, aos Apóstolos, no dia da sua Ascensão ao Céu:
IDE POR TODO O MUNDO E ENSINAI TODOS OS POVOS”.

É apenas isto que eu estou tentando fazer. AF.
+++++++++++++++++++++++

Nº 1585 - 2ª Página

10 de Março de 2013

ANTIGO TESTAMENTO

DEUTERONÓMIO
400px-1759_map_Holy_Land_and_12_Trib[2]

Mapa antigo de Israel

DEUTERONÓMIO

Segundo Discurso de MOISÉS

15  -  O ANO DA REMISSÃO – «De sete em sete anos, cumprirás a Lei da remissão. Eis a explicação desta remissão: nenhum credor poderá exigir o empréstimo que tiver feito ao seu próximo. Não exercerá contra o seu próximo e contra o seu irmão violência alguma quando for anunciada a remissão do Senhor. Contra o estrangeiro, poderás usar de constrangimento, mas, quanto às dívidas de teu irmão, farás remissão.

Tbuas-da-Lei---Moiss_thumb_thumb_thu



O Dez Mandamentos

Discursos de Moisés durante o Êxodo e Apêndice relatando a fim da sua atuação e a sua morte, antes de chegar à Terra Prometida

Textos do LivroDEUTERONÓMIOdo ANTIGO TESTAMENTO

0000000000000000000000000000000000000000000000000000000

10 de MARÇO de 2013 – 10.15 h
ANTÓNIO FONSECA

map-1195aeac0b2f22222222222222222[2],

http://es.catholic.net; http://santiebeati.it; http://jesuitas.pt; http://bibliaonline.com.br/acf
000000000000000000000000000000
+++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++

Nº 1584 - (3) - A VIDA DOS PAPAS DA IGREJA CATÓLICA - 10 de Março de 2013

Nº 1584 - (3)

BOM ANO DE 2013

===============

Caros Amigos:

Desde o passado dia 11-12-12 que venho a transcrever as Vidas do Papas (e Antipapas)

segundo textos do Livro O PAPADO – 2000 Anos de História.

*********************************

PAULO III

Paulop III

Paulo III

(1534-1549)

O cardeal Farnese foi eleito em 13 de Outubro de 1534, após um dia de escrutínio e por unanimidade, escolhendo o nome de Paulo III.

A sua vida tinha sido pouco edificante, mas mudou completamente após ser ordenado aos 51 anos.

Homem culto e amante das artes, era um diplomata nato.

Logo que foi eleito, o imperador alemão e o rei francês procuraram atraí-lo para a sua órbita, mas Paulo III soube manter-se prudentemente neutro, enviando legados a ambos, convidando-os à reconciliação. Convocou-os depois para Nice, com vista a chegarem, a acordo, mas o melhor que conseguiu foi uma trégua de dez anos, confirmada em 18 de Setembro de 1544.

Dedicou-se então à abertura do Concilio de Trento, convocado em 1536, começando também pela reforma da Cúria e dos Tribunais Apostólicos, encarregando a Dictamen, que os regularia, a homens competentes.

Um dos pontos principais dessa reforma consistia na obrigação de residência permanente nas dioceses imposta aos bispos, que, deixando as almas entregues ao clero, usufruíam os proventos dos bispados, como meio de vida, residindo longe. Nessa mesma linha de reforma se deve a reorganização do Santo Ofício, ou Inquisição, pela bula Licet ab initio, de 1542, e a publicação do Índice dos Livros Proibidos, em 1543, em face do crescente número de publicações de ideias protestantes.

Finalmente, a 13 de Dezembro de 1545, deu-se início ao Concilio de Trento, com a presença de quatro cardeais, quatro arcebispos, 21 bispos e cinco gerais de ordens religiosas, com os teólogos pontifícios, Lainez e Salmeron, membros da Companhia de Jesus.

De Portugal estiveram presentes os dominicanos, Jorge de Santiago, Gaspar dos Reis, Jerónimo de Azambuja e, mais tarde, D. Frei Baltasar Limpo, bispo do Porto.

O primeiro decreto dogmático do concílio incide sobre as fontes da fé católica – a Sagrada Escritura e a tradição apostólica – anatematizando os que rejeitassem, no todo ou em parte, qualquer dos livros Sagrados. Dada a importância do assunto e para obstar ao perigo de traduções adulteradas, ficava proibida a impressão do texto sagrado, total ou parcialmente, sem a devida autorização da autoridade competente.

Prescreveu-se a todos os prelados a obrigação de criar cadeiras para o estudo da Sagrada Escritura em todas as igrejas, catedrais e colegiadas.

O concílio elaborou ainda decretos dogmáticos, face aos erros difundidos pelo luteranismo, como os referentes ao pecado original e à justificação. Quanto ao pecado original, transmite-se por herança e não por simples imitação, inerente à própria propagação do género humano, com a única exceção do privilégio da Santíssima Virgem. por sua vez, a justificação não pode basear-se apenas na fé, como pretendia Lutero, sob pena de se negar o livre-alvedrio e tirar qualquer mérito ou responsabilidade aos procedimentos humanos. Os 16 capítulos e 33 cânones que a expõem são uma obra-prima da prudência e clareza.

O decreto tridentário estabelece a justificação entre os extremos do protestantismo (pela fé) e do pelagianismo (pelas forças naturais), ou seja, a justificação consegue-se pela graça de Cristo, a qual não elimina a responsabilidade dos atos humanos.

Uma inesperada epidemia começou a fazer vítimas entre os participantes e o papa, que suspendeu o concílio, morria, entretanto, no Quirinal e era enterrado em, São Pedro.

Lutero tinha falecido em Fevereiro de 1546 e um ano depois, em Janeiro de 1547, morria Henrique VIII, deixando viva a sexta mulher, Catarina Parr. Durante a menoridade de Eduardo, seu sucessor, Thomas Cramer, arcebispo de Cantuária, deu o impulso necessário para a protestantizaçao da Inglaterra. A partir de então, o cisma transforma-se em heresia e a ruptura com Roma foi irremediável.

Entretanto a Companhia de Jesus, que Paulo III aprovou em 27 de Setembro de 1540, ia ser o grande suporte da ação cultural e missionária da Igreja e São Francisco Xavier embarca para Goa e Japão, ao serviço de Portugal, em Abril de 1541.

Em 1540, Paulo III aprovou a Congregação dos Clérigos Regulares, fundada por São Jerónimo Emiliano, e outra Ordem dos Clérigos, fundada por Santo António Maria Zacarias, e a Ordem das Ursulinas, fundada por Santa Ângela de Merici.

No que se refere a Portugal, Paulo III concedeu a D. João III, pela bula Cum ad nihil magis, de 23 de Maio de 1536, a introdução do Tribunal da Inquisição em Portugal, composto por três inquisidores-gerais, os bispos de Lamego, Coimbra e Ceuta, mas gozando de autoridade limitada aos crimes de fé e com o prévio julgamento dos culpados, para se apurar a gravidade das suas faltas.

As restrições não agradaram a D. João III, que fez diligências em Roma para ter uma Inquisição livre, o que conseguiu pela  bula Meditatro cordis, de 16 de Julho de 1547, pelo que criou tribunais do Santo Ofício em Lisboa, Évora, Coimbra, Porto, Lamego, Tomar e Goa.

Este papa tem também uma curiosa ligação aos Açores, mais exatamente à cidade de Ponta Delgada, na ilha de São Miguel onde é venerada a imagem do Senhor Santo Cristo dos Milagres, pois esta imagem foi oferecida por Paulo III. De facto um grupo de jovens deslocou-se a Roma para pedir ao papa uma bula apostólica de modo a viverem canonicamente, segundo a regra de Santa Clara. no convento da Caloura, Paulo III acedeu e fez-lhes a oferta da imagem.

Por causa do assédio dos corsários, os condes de Vila Franca do Campo mandaram as jovens para Ponta Delgada com a imagem, após mandarem erigir em 1541 aquele que veio a ser chamado o Convento de Nossa Senhora da Esperança.

Como último papa do Renascimento, Paulo III apoiou o desenvolvimento das artes e foi no seu pontificado que Miguel Ângelo terminou, na Capela Sistina, a obra imortal o Juízo Final e se encarregou dos projetos de construção da cúpula de São Pedro e da restauração do Capitólio.

 

*****************************

JÚLIO III

Júlio III

Júlio III

(1550-1555)

O conclave reuniu-se em 29 de Novembro de 1549, mas a eleição só aconteceu em 8 de Fevereiro de 1550, com os 47 cardeais divididos entre partidários do imperador alemão e do rei de França.

Eleito com o nome de Júlio III, o povo recebeu-o com manifestações de regozijo, fazendo uma mascarada carnavalesca pelas ruas, com touros e corridas de jovens. O espetáculo agradou tanto a Júlio III que durante o seu pontificado algumas vezes o repetiu para contentar as multidões.

Foi um papa condescendente, afável, mostrando-se liberal com o povo.

Empenhou-se na reforma da Igreja e num consistório, em 10 de Março de 1550, afirmou que grande parte do mal estava na avareza dos principais representantes da Cúria, na injusta distribuição dos benefícios e no exagerado luxo dos eclesiásticos e que, por isso, a reforma teria de começar por aí.

Teve grande mérito ao reabrir o Concilio de Trento, no qual, na primeira fase, se havia distinguido na qualidade de representante do papa Paulo III, seu antecessor.

Neste concílio, de 1 de maio de 1551 a 28 de Maio de 1552, foram tratados assuntos de grande e inegável importância, tais como: o culto à eucaristia, a sua conservação nas igrejas e a obrigação de comunhão pascal anual, bem como a indispensável preparação para esse ato.

Debatido o sacramento da penitência, onde são de salientar as participações de Diogo Lainez e do teólogo dominicano Melchior Cano, ficaram firmadas a distinção entre penitência e baptismo e a obrigatoriedade da explicação verbal dos pecados, não bastando a confissão interior feita a Deus.

No campo disciplinar, reafirmou-se a jurisdição episcopal, as suas obrigações pastorais e a necessidade de reforma do clero.

Com espírito ecuménico, convidaram os protestantes a comparecer em Trento para exporem a sua doutrina, mas estes revelaram não estar interessados em aclarar a verdade.

A situação política agravou-se e houve nova interrupção do concílio, mas Júlio III persistiu em dar realidade à reforma eclesiástica. Assim: mudança radical no funcionamento dos conclaves, para evitar intromissões politicas; os cardeais deveriam ser verdadeiros conselheiros e consultores do papa; os bispos ficariam obrigados a residir no seu bispado e a visitá-lo pastoralmente; a admissão ao sacerdócio devia ser mais exigente e rigorosa. Foi nomeada uma comissão para a efetivação desta reforma, tendo Júlio III trabalhado intensamente com ela.

No campo internacional o papa destacou-se com o apoio a Maria Stuart, quando esta, em 1553, se propunha restabelecer na Inglaterra a fé católica, entretanto desviada para o protestantismo, Júlio III enviou a Inglaterra o cardeal Reginaldo Polo para ajudar a rainha a concretizar a desejada união, que chegou a ser oficialmente decretada em Janeiro de 1555. Pouco depois chegou a Roma uma embaixada inglesa para estreitar as relações com a Igreja Católica.

Entretanto, Júlio III faleceu sem ver concretizada a desejada união.

O pontificado fica ainda marcado pela sua confiança na Companhia de Jesus, ao confirmar, em 1550, a sua aprovação e ao entregar-lhe o Colégio germânico de Roma.

Em quatro séculos de existência formaram-se na Companhia mais de 7000 alunos, entre os quais um papa,Estrela  29 cardeais, 57 arcebispos, 330 bispos e 50 mártires.

Neste pontificado deu-se a expansão missionaria, tanto no Oriente como na America Latina. No Oriente, o grande apóstolo São Francisco Xavier, que morreu em 1552, depois de intensa atividade em Goa e no Japão, e na América Latina a construção pelos missionários jesuítas padre Manuel da Nóbrega e beato José Anchieta, do Colégio de São Paulo, de onde viria a nascer a atual grande cidade brasileira de São Paulo.

Júlio III morreu deixando a Igreja lançada na Contra-Reforma e na cristianização dos novos mundos.

Estrela Também o papa FRANCISCO I eleito em 13-3-2013 veio da Companhia de Jesus!!!

*********************************

MARCELO II

Clemente VII_thumb[1]

Marcelo II

(1555)

O cardeal Marcelo Cervino, homem de comprovada virtude, humilde e piedoso, foi eleito papa em 10 de Abril de 1555, tomando o nome de Marcelo II.

Esperava-se dele uma reforma eclesiástica para a qual estava disposto e capacitado. De facto, começou por abolir os festejos habituais pela altura da eleição papal, mandando distribuir pelos pobres o que neles se devia ter gasto e lançou-se afanosamente na continuação do concílio.

Infelizmente para a Igreja, uma morte prematura, levou-os aos 54 anos de idade, tendo sido apenas papa 21 dias.

Aprovou a Companhia de Jesus, de quem esperava ajuda para a reforma que pretendia efetuar.

Um seu sobrinho, São Roberto Belarmino, também jesuíta, veio a ser um grande Doutor da Igreja e influente na Contra-Reforma.

O nome deste papa ficou célebre pela missa polifónica intitulada Missa papae Marcelli, da autoria do famoso compositor Palestrina.

O historiador Pietro Sarpi deixou dele testemunho: «Homem grave, severo e constante, que, contra o costume dos seus antecessores, quis conservar o seu nome de baptismo, em prova de firmeza e como para dar a entender que nova dignidade não o tinha feito mudar».

**********************************

Continua:…

Este Post era para ser colocado em 10-3-2013 – 10H30

ANTÓNIO FONSECA