OS MEUS DESEJOS PARA TODOS

RecadosOnline.com

terça-feira, 12 de março de 2013

Assuntos de Fé (E NÃO SÓ…) - 12 de Março de 2013

 

A Fé Explicada


Jesus não teve irmão carnal

Posted: 03 Mar 2013 08:58 AM PST

Filed under: "Irmãos" de Jesus Tagged: "Irmãos" de Jesus

Estudo sobre os “Irmãos de Jesus”

Posted: 03 Mar 2013 08:53 AM PST

Em grego, no qual o evangelho segundo Marcos foi escrito, a palavra “irmão” é escrita como “adelphói”, do grego “adelphós”, significando membro seguidor de uma clã. Mesmo hoje, a palavra “irmão” é empregada com um significado mais extenso, incluindo amigos, aliados, discípulos e compatriotas. Não era diferente na época de Cristo. Esse sentido também é [...]

A IMPORTÂNCIA DA APOLOGÉTICA

Posted: 03 Mar 2013 08:26 AM PST

Etimologicamente, a palavra apologética (do grego apologèticos, apologia) significa justificação, defesa. Apologética é, pois, a justificação e defesa da fé católica. A apologética não só apresenta os títulos que tornam a Igreja Católica credora da nossa adesão, mas também enfrenta os adversários, respondendo aos seus ataques. E como os ataques variam com as épocas segue-se [...]

Tipos de Católicos

Posted: 03 Mar 2013 08:05 AM PST

Dizem que no Brasil – mas não é só no Brasil, não! – muitos católicos adotam um cristianismo original. Em vez de: católico-apostólico-romano, passa a ser: caótico-apostático-romântico … E bote isso tanto no masculino como no feminino! Comecemos pelo “católico-caótico”. A palavra “católico” é um adjetivo da língua grega que, no masculino, feminino e gênero [...]

TEOLOGIA PAULINA X TEOLOGIA DA PROSPERIDADE

Posted: 03 Mar 2013 07:31 AM PST

Ao analisar o texto de Atos 17:22-31 fiz alguns contrastes apontando o público alvo da mensagem Paulina e a base de sua teologia, traçando um paralelo com a chamada “Teologia da Prosperidade”. Vamos ver no que vai dar: TEOLOGIA DA MENSAGEM PAULINA Público alvo: Filósofos Estóicos (Esclarecidos), Epicureus (Gentios). (V.18). TEOLOGIA DA MENSAGEM DA [...]

ADORAÇÃO, IDOLATRIA OU VENERAÇÃO?

Posted: 03 Mar 2013 06:55 AM PST

” NÃO FARÁS PARA TI ESCULTURA ALGUMA DO QUE ESTÁ EM CIMA NOS CÉUS, OU ABAIXO SOBRE A TERRA, OU NAS ÁGUAS, DEBAIXO DA TERRA ” (Exo 20,4). ACUSAÇÃO CONTRA OS CATÓLICOS: Os católicos praticam idolatria, fazendo e adorando imagens, o que Deus proíbe na Bíblia. Eis o verdadeiro sentido desta proibição bíblica, no seu [...]

PROTESTANTE NÃO LÊ A BÍBLIA E QUANDO LÊ NÃO ENTENDE

Posted: 03 Mar 2013 05:49 AM PST

PROTESTANTES EVANGÉLICOS PIRANDO APÓS LEITURA DA BÍBLIA Dizem os protestantes que religião não serve para nada: Ísaias 42, 1: “Eis meu servo que eu amparo, meu eleito ao qual dou toda a minha afeição, faço repousar sobre ele meu espírito, para que às nações a verdadeira religião.” 2. Ele não grita, nunca eleva a [...]

----------------------------------------------------------------

Ciência confirma a Igreja


O que diz a ciência sobre a Torre de Babel? Existiu? Sobrou algo? Onde? Por que ruiu?

Posted: 03 Mar 2013 05:21 PM PST

Torre de Babel, representação artística

O episódio da Torre de Babel e dispersão da humanidade é um dos assuntos mais presentes na memória dos povos.
Prefigurou também momentos caóticos que se repetiriam em muitos lugares em épocas históricas posteriores, inclusive nos dias de hoje. Além de ser uma imagem da imensa confusão que vai prevalecer no fim do mundo.
Entretanto, sabe-se pouco sobre essa torre.
Como era ela: retangular, circular, elíptica? Quanto media de altura? Foi uma mera torre ou um templo?
Onde ficava? Existem ainda vestígios? Quem a concebeu?
Foi Deus quem puniu? Por que puniu? Deus derrubou a Torre? Se não foi Deus, quem foi?
Por que ela ficou como o símbolo da maldição? Para onde foram seus construtores?
Os homens que fizeram as pirâmides do Egito, dos maias ou outras semelhantes têm algo a ver com os arquitetos da Torre de Babel?

Significado e época

A Torre de Babel paradigmática, de que nos fala o Gênesis e da qual procede a diversidade das línguas humanas, está envolvida em densas nuvens de interrogações.
Sua construção constituiu sem dúvida um dos momentos mais pecaminosos da história da humanidade, deixando um rastro de desgraças que sofremos até hoje.


“Babel” significa “confusão”.

Visite nossas páginas de Quaresma, Semana Santa e Páscoa

† Veja e medite a VIA SACRA AQUI †

Estima-se que sua construção se deu por volta do ano 2.420 a.C., quer dizer, aproximadamente 130 anos após o Dilúvio.
Portanto, bem antes do início da Grande Pirâmide do Egito (por volta de 2.170 a.C.), do nascimento de Abraão (1.976 a.C.) e da fundação do reino de Babilônia (por volta de 1.894 a.C.).
Usamos a escala do tempo que aponta a criação de Adão no ano aproximado de 4.000 a.C.
A Torre de Babel é, pois, o mais antigo monumento de grande importância do qual se tem noticia.

O Gênesis

A Bíblia Sagrada é o documento mais digno de Fé e a fonte histórica mais séria e pormenorizada.
A Torre foi construída por descendentes próximos de Noé, num tempo em que o reduzido número da humanidade de então vivia reunido e falava uma mesma língua, provavelmente a mesma de Adão e Noé.

Segundo a tradição, Nemrod, bisneto do patriarca Noé, foi o “rei” que comandou a construção da Torre:

Nemrod dirigiu a construcao da Torre de Babel,
pintura de Frans Francken II, Museo del Prado, Madri

“Nemrod foi o primeiro homem poderoso da terra (Gênesis 10,8), e “Ele estabeleceu o seu reino primeiramente em Babilônia, Arac, Acad e em Calane, na terra de Senaar”. (Gênesis, 10,10).


Supõe-se habitualmente que a Torre de Babel foi erguida no sul da Mesopotâmia. Ou seja, no atual Iraque, não longe da cidade de Babilônia, fundada muito depois; ou no máximo no sul do Irã.
Há outras teorias sobre o local, apoiadas em diversos raciocínios, porém também carentes de fundamentos arqueológicos ou materiais.
Lemos no Gênesis:

1. Toda a terra tinha uma só língua, e servia-se das mesmas palavras.
2. Alguns homens, partindo para o oriente, encontraram na terra de Senaar uma planície onde se estabeleceram.

“Façamos uma torre cujo cimo atinja os céus”,
quadro de Hendrick III van Cleve (1525-1589).

3. E disseram uns aos outros: “Vamos, façamos tijolos e cozamo-los no fogo.” Serviram-se de tijolos em vez de pedras, e de betume em lugar de argamassa.
4. Depois disseram: “Vamos, façamos para nós uma cidade e uma torre cujo cimo atinja os céus. Tornemos assim célebre o nosso nome, para que não sejamos dispersos pela face de toda a terra.”
5. Mas o senhor desceu para ver a cidade e a torre que construíram os filhos dos homens.
6. “Eis que são um só povo, disse ele, e falam uma só língua: se começam assim, nada futuramente os impedirá de executarem todos os seus empreendimentos.
7. Vamos: desçamos para lhes confundir a linguagem, de sorte que já não se compreendam um ao outro.”
8. Foi dali que o Senhor os dispersou daquele lugar pela face de toda a terra, e cessaram a construção da cidade.
9. Por isso deram-lhe o nome de Babel, porque ali o Senhor confundiu a linguagem de todos os habitantes da terra, e dali os dispersou sobre a face de toda a terra. (Gênesis, 11, 1-9)


Foi por causa do orgulho dos homens que empreenderam a construção da famosa Torre que Deus lhes confundiu a linguagem, fazendo com que não se entendessem pelos diferentes idiomas que falavam.
Incapazes de se porem de acordo, os homens se dispersaram em todas as direções.

Outros testemunhos

Estela de Nabucodonosor II, The Schøyen Collection

Fora da Bíblia, o testemunho mais explícito encontra-se gravado numa placa babilônica de pedra escura conservada hoje na famosa The Schøyen Collection, (MS 2063) com sede em Oslo e Londres.
Nessa placa o rei de Babilônia Nabucodonosor II mandou escrever, no ano 570 a.C.:

“Um antigo rei construiu o Templo das Sete Luzes da Terra, mas ele não completou a sua cabeça. Desde um tempo remoto, as pessoas tinham-no abandonado, sem poderem expressar as suas palavras. Desde aquele tempo terremotos e relâmpagos tinham dispersado o seu barro secado pelo sol; os tijolos da cobertura tinham-se rachado, e a terra do interior tinha sido dispersada em montes”.


Desta maneira, o próprio rei Nabucodonosor nos fornece, no ano 570 a.C., uma ideia do que tinha restado da Torre de Babel.
Também nos informa que ele próprio ordenou recolher os últimos elementos aproveitáveis para construir uma nova Torre, não sobrando nada da torre originária.
A nova Torre de Babel foi provavelmente o zigurat (torre-templo) conhecido como Marduk ou Etemenanki, na cidade de Babilônia. Para o imenso trabalho que significou, Nabucodonosor escravizou os judeus e levou-os para Babilônia.
A nova Torre de Babel representada na referida placa em pedra, tinha sete (ou oito) andares e 91 metros de altura. O historiador grego Heródoto a descreveu no ano 440 a. C.:

“A parede exterior da Babilônia é a principal defesa da cidade. Há, contudo, uma segunda parede interior. (...)
“O centro de cada divisão da cidade era ocupado por uma fortaleza. Numa ficava o palácio dos reis, (...) na outra estava o sagrado recinto de Belus, um cercado quadrado de 201 m de cada lado, com portões de latão sólido, que também lá estavam no meu tempo.

Maqueta do zigurat de Etemenanki, de Nabucodonosor II

“No meio do recinto estava uma torre de alvenaria sólida, de 201 m de comprimento e de largura, sobre a qual estava erguida uma segunda torre, e nessa uma terceira, e assim até oito.
“A ascensão até o topo está do lado de fora, por um caminho que rodeia todas as torres.
“Quando se está a meio do caminho, há um lugar para descansar e assentos, onde as pessoas podem sentar-se por algum tempo no seu caminho até o topo.
“Na torre do topo há um templo espaçoso, e dentro do templo está um sofá de tamanho invulgar, ricamente adornado, com uma mesa dourada ao seu lado. Não há estátua de espécie alguma nesse sítio”.


Esta segunda Torre de Babel acabou ruindo. O rei Alexandre Magno (356 a.C.—323 a.C.), conquistador vindo da Macedônia, mandou recolher os restos para reconstruí-la, desfazendo o que tinha sobrado.
Mais foi surpreendido pela morte na própria Babilônia. Nada foi concluído e o material foi dispersado.
Desta maneira, da Torre de Babel originária não sobraram nem os restos dos restos.
A segunda Torre de Babel feita por Nabucodonosor é por vezes confundida com a primeira. Registramos aqui estes dados históricos para efeitos de esclarecimento. Não voltaremos a falar dela, concentrando-nos apenas na primeira Torre.
Sobre ela, o historiador hebreu Flávio Josefo (37 ou 38 d.C. – 100 d.C.), em seu livro “Antiguidades Judaicas” (1.4.3) fornece a seguinte narração:

“Foi Nemrod quem os excitou a praticar semelhante afronta na presença de Deus. Ele foi o neto de Ham, filho de Noé, homem corajoso e de grande força de mando. Nemrod persuadiu-os a não atribuir sua obra a Deus, como se fossem felizes só pela somente por si próprios, e acreditarem que só seu esforço lhe daria a felicidade.
Ele foi transformando seu governo numa tirania, procurando afastar os homens do temor de Deus, e mantê-los numa constante dependência de seu poder...
Então a multidão estava sempre prestes a obedecer as ordens de Nemrod e julgar amostra de covardia se submeter a Deus.

O desentendimento tomou conta dos homens.
Quadro de Lodewyk Toeput (1550-1605)

Eles construíram uma torre, não poupando nenhum esforço e em nada sendo negligentes no trabalho.
E por causa das muitíssimas mãos empregadas, a torre subiu muito rapidamente, mais rápido do que se podia esperar.
Sua espessura era tão grande e estava tão solidamente construída, que, por causa disso, sua grande altura parecia, de qualquer ponto de vista, ser menor do que realmente era.
Foi feita de tijolos cozidos, cimentado com uma argamassa feita de betume que não permitia filtrações de água.
Quando Deus viu que agiam com tanta maldade Ele decidiu não exterminá-los totalmente, posto que não tinham progredido em sabedoria após a destruição dos pecadores que os precederam [no Dilúvio]; mas Ele gerou um tumulto entre eles fazendo que falassem línguas diferentes, e tornando-os incapazes de se entenderem um com o outro.
O local onde construíram a torre hoje é chamado Babilônia por causa da confusão das línguas, sendo que antes se compreendiam facilmente.
Pela palavra Babel, os hebreus entendem confusão...”


Tanto pelo que ensina a Bíblia quanto pelo que explica o historiador Flávio Josefo, vemos que a causa da punição foi o orgulho contido num sonho completamente laico de grandeza humana.
Movidos por ele os homens da Torre de Babel tencionaram erigir uma obra “cujo cimo atinja os céus” para assim tornarem “célebre o nosso nome” (Gen, 11, 4)
continua no próximo post

______________________________________________________________________________

 

 

Post  -  11-3-13  -  23h45

_

ANTÓNIO FONSECA

Nº 1587-1 - (71-13) - SANTOS DE CADA DIA - 12 de Março de 2013 - 5º ano

antoniofonseca1940@hotmail.com

Nº 1587

12 de MARÇO de 2013

Bom

ANO D E 2 0 1 3


ImageProxyCA5PQ4KQ_thumb_thumb_thumb[1]_thumb

Quaresma

************************************************************


Nº 1587-1 - (71-13)


Imagem3189

»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»


I-Am-Posters

E U  S O U

AQUELE  QUE  SOU

»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»«««««««««««««««««««««««««««««««««


Nº 1587-1 – (71-13)


#####################################
##################################### #####################################

LUÍS ORIONE, Beato

Fundador (1872-1940)

Nasceu em 1872, em Pontecurone (Alessândria, Itália), e faleceu em São Remo (também Itália), a 12 de Março de 1940. No dia 26 de Outubro de 1980, Sua Santidade João Paulo II beatificou-o na Praça de São Pedro e a ele se referiu com as seguintes palavras, na homilia então pronunciada:

«Dom Luís Orione aparece-nos como maravilhosa e genial expressão de caridade cristã… Foi, total e alegremente, sacerdote de Cristo, percorrendo a Itália e a América Latina, consagrando a própria vida àqueles que mais sofrem por causa da má sorte, da miséria e da maldade humana. Basta recordar a sua ativa presença entre as vítimas dos tremores de terra de Messina e de Márcia. Pobre entre os pobres, levado pelo amor de Cristo e dos irmãos mais necessitados, fundou a obrazinha da Divina Providência, as Irmãzinhas Missionárias da Caridade e, em seguida, as Sacramentinas Cegas e os Eremitas de Santo Alberto.

Abriu igualmente outras casas na Polónia (1923), nos Estados Unidos (1934) e na Inglaterra (1936), animado de autêntico espírito ecuménico. Depois, querendo concretizar de maneira visível o seu amor por Maria, erigiu em Cortona o grandioso santuário de Nossa Senhora da Guarda. Não posso deixar de sentir-me comovido pensando que Dom Orione teve sempre predileção pela Polónia e que sofreu enormemente quando em Novembro de 1939 a minha querida pátria foi invadida e retalhada. Sei que a bandeira polaca, branca e vermelha, que nesses dias trágicos ele transportou triunfalmente em cortejo para o santuário de Nossa Senhora, está ainda hoje dependurada numa parede do seu pobre quartinho de Cortona; foi ele mesmo que assim quis! E quando da sua última saudação, na tarde de 8 de Março de 1940, antes de se dirigir para São Remo, onde iria morrer, disse: – Gosto tanto dos Polacos, … e vós gostai sempre muito desses irmãos.

Muitas vezes a Divina Providência o socorreu prodigiosamente, como ele conta neste caso:

Certa ocasião vi-me obrigado a pagar uma letra bancária no valor de 25 mil liras, dívida que tinha contraído para pagar a factura do padeiro. Um dia chamou-me o Diretor do banco, nosso bom amigo, e disse-me que precisava urgentemente do dinheiro. Era um fim de semana e na segunda-feira tinha de ficar liquidada a soma.

Passei o domingo a rezar ao Senhor. Sentindo que não me ia escutar, dirigi-me a Nossa Senhora. Continuei a rezar e pareceu-me que também Ela se fazia surda.

Ocorreu-me então esta ideia. A minha mãe tinha-me dado os seus brincos, os que levou no dia do seu casamento. Toda a vida viveu tão pobre que a única coisa que me pôde deixar foram uns lençóis de linho e os brincos. Lembrei-me de os pendurar nas orelhas da imagem de Nossa Senhora da Divina Providência, que tínhamos na nossa capela de Tortosa. Assim, ver-se-ia obrigada a escutar-me.

Continuei a rezar com grande fé toda a tarde de Domingo e até durante a noite. Mas Nossa Senhora punha à prova a minha paciência. Tornou-se tão surdapensei eu – que nem sequer notou que lhe furei as orelhas. Sim, nem Jesus nem Nossa Senhora respondiam á minha angústia. Que mais poderia fazer? Tive a inspiração de me dirigir às Almas do Purgatório. Recordai sempre isto: Quando o Senhor não vos escutar imediatamente, recorrei à Santíssima Virgem. Se também, Ela não fizer caso, invocai a intercessão das benditas Almas do Purgatório e a graça cairá das mãos de Nossa Senhora. Todas as graças são-nos concedidas por Ela.

Chegou a segunda-feira e ainda continuava eu a rezar. Experimentei então a persuasão de que a minha oração seria escutada. Os empregados do Banco não tardariam a chegar…

Fui à capela e encomendei-me a Nosso Senhor, à Virgem Maria, e praticamente a todos os Santos do Céu de que me lembrei. Voltei para o meu quarto. Nesse momento Zanocchi, nosso porteiro, bateu à porta e disse-me:

- Chegou uma senhora que deseja com insistência encontrar-se consigo, o mais depressa possível. Vem vestida de luto, mas não me indicou o nome. Disse simplesmente que é uma benfeitora da casa.

Saí logo e encontrei-me com ela à porta do meu gabinete. Sem mais desculpas, disse-me:

- Dom  Orione, posso entrar no seu quarto?

- Entrar no meu quarto?…

- Sim, preciso de estar sozinha um momento. Tenho que tirar as meias. Escondidas nela trago 25 mil liras para lhe entregar. Vendi o restaurante da Pomba e está aqui o produto da venda. É para si.

Sem me dar tempo a refazer da impressão, acrescentou: – Tomei bilhete para Turim, porque pensava levar este dinheiro a Dom Bosco. Já no comboio pus-me a rezar o terço ofereço-o pelas benditas Almas do Purgatório, pedindo-lhes que me ajudassem e defendessem de qualquer perigo e especialmente para que não me roubassem o dinheiro. Enquanto me demorava nestas considerações, o comboio chegou a Pontecurone. Pareceu-me ouvir uma voz interior que me dizia: Porque ir a Turim? Podias descer em Tortosa e deixar dinheiro ao pobre Dom Orione. Ao aproximarmo-nos de Tortosa, a voz tornou-se mais insistente e parecia que uma mão invisível me forçava a descer da carruagem. Pensei para comigo que se Vossa Reverência, que anda por todo o mundo, não estivesse em casa, eu continuaria viagem para Turim.

A boa senhora passou para um quarto e ao cabo de dois minutos saiu com as 25 mil liras em notas de mil que foi contando, uma a uma.

Quando apalpei tão de perto a graça que Deus me acabava de conceder, por meio das benditas Almas do Purgatório, notei que um nó me apertava a garganta e comecei a soluçar. A senhora, pensando que me acontecia qualquer coisa de grave, disse-me com muita amabilidade: – Que tem, Dom Orione? Não se encontra bem? Dá-me licença para lhe preparar uma xícara de chá de tília?

Pouco a pouco, senti-me com forças para lhe explicar com  todos os pormenores o que tinha acontecido, e exclamei:

- Agora está bem claro que a senhora é a mão da Divina Providência.

Ainda estávamos a falar quando Zanocchi se aproximou para anunciar a chegada dum empregado do Banco.

- Espere um  momento – disse-lhe. Vamos primeiro rezar uma “Salve Rainha” pelas benditas Almas do Purgatório. Ajoelhámo-nos e rezámos juntos a “Salve Rainha” e um “De Profundis” pelas Almas. Ao terminar a oração, disse a Zanocchi:

- Já lhe pode dizer que venha. A senhora continuou connosco, enquanto efetuávamos o pagamento. Faltavam uns juros pela demora em devolver o pagamento. Também a senhora os quis pagar para que tudo ficasse plenamente liquidado!”

Uma vez disse Dom Orione numa prática sobre a confissão: “Ainda que um homem tenha deitado veneno na tigela da própria mãe, se se arrepender, é completamente perdoado”. Um homem mal encarado detém-no no caminho, diz que Dom Orione o conhece como ninguém, pede-lhe que o oiça de confissão,.. e o perdão fica completíssimo».

Transcrição direta através do livro SANTOS DE CADA DIA, de www.jesuitas.pt

JOSEFINA (ou FINA), Santa

Penitente (1353)

Josefina, cuja vida foi escrita por um autor quase contemporâneo, nasceu na aldeia de São Geminiano, na Toscana, Itália, na primeira metade do século treze. No momento em que parecia mais vigorosa e robusta, Josefina, que era muito bela, foi atingida quase subitamente opor uma doença grave. Uma espécie de contração dos nervos obrigou-a a ficar imóvel sobre o leito, Somente a cabeça não foi atingida pelo mal. Deus conservou-lhe a lucidez a fim de que se pudesse unir a Ele na oração e no sacrifício.

Permanecia de dia e de noite deitada sobre o lado, sempre na mesma posição, formando-se com o tempo uma grande chaga onde se desenvolveram os vermes. Algumas vezes, quando estava só, além das moscas e dos mosquitos, vinham os ratos mordê-la, sem que pudesse fazer o mais leve movimento para os afastar. Todo este conjunto de horroroso martírio curou cinco anos sem que Josefina proferisse uma palavra de queixa. Colada ao pobre leito por suas chagas, era uma limagem viva de Cristo pregado na cruz.

A sua pobreza tornou-se extrema. Tudo sofria com grande resignação. Durante a doença, foi provada por uma grande desgraça. Um dia sua mãe, ao entrar em casa, mal tinha transporto o limiar da porta, caiu pesadamente, como se  alguém a tivesse atirado ao chão. Josefina, que estava no andar superior, ouviu o ruído e chamou sua amiga Boaventura: Minha irmã, desce depressa para ver o que aconteceu à minha mãe”. Boaventura desceu e encontrou a pobre mulher sem movimento e sem vida. “Pobre Josefina!”, exclamou chorando, “que há-de ser de ti?” Tua mãe está morta, estendida por terra!” A estas palavras, a doente levantou os olhos ao céu para oferecer a Deus este terrível sacrifício.

Entretanto, aproximou-se o fim do exílio de Josefina. Tinha grande devoção a São Gregório papa, que lhe apareceu um  dia e lhe disse: «Minha filha, prepara-te, no dia da minha festa (então a 12 de março) virás ter connosco. O Esposo celeste espera.te na glória”.

A partir deste dia, o seu corpo foi enfraquecendo cada vez mais e a cabeça foi atacada de vivas dores. Ao aproximar-se a festa de São Gregório, preparou-se a doente como um a noiva se prepara para o dia das núpcias: confissão geral, Eucaristia e Unção dos enfermos, entretendo-se depois somente com Deus numa oração contínua. Foi encontrada morta na manhã de 12 de março de 1353, com os lábios num sorriso e o corpo a desaparecer debaixo dum manto dessas violetas a que, ainda hoje, na região Toscana, chamam finas em memória da santa.

Quando se levantou o corpo das tábuas que lhe tinham servido de leito, ficaram pegados à madeira, meio apodrecida, grandes pedaços de carne. Mas, ó maravilha! Exalava-se um perfume celeste de todas as úlceras.

Deste modo, diz o historiador, glorificava Deus a virgindade da sua heroica serva.

Depois das orações do costume, o clero queria dar-lhe sepultura, mas a gente opôs-se, ficando o corpo exposto durante três dias na capela-mor da igreja.

Transcrição direta através do livro SANTOS DE CADA DIA, de www.jesuitas.pt

INOCÊNCIO I, Santo

Papa (417)

Inocêncio, nascido em Albano, perto de Roma, sucedeu ao papa Santo Anastásio I, em 402. Mostrou-se ardoroso defensor das prerrogativas romanas, assegurou ao bispo de Tessalónica a preeminência sobre os outros bispos da Ilíria oriental, continuou a obra de São Cirício na organização da disciplina eclesiástica (celibato eclesiástico, administração dos sacramentos e jurisdição dos sínodos provinciais), e procurou, embora em vão, estabelecer a paz entre o fraco imperador Honório e Alarico, rei dos Godos, e interveio em favor de São João Crisóstomo, exilado. Mas os seus esforços não puderam embargar Alarico de pôs a saque Roma em 410. Confirmou as atas de dois concílios realizados na África contra os pelagianos, e deu muitas provas de sabedoria e de ciência nas sua respostas às consultas dos bispos.

ÂNGELA SALAWA, Beata, Santo

Virgem (1881-1922)

Ângela nasceu em Siepraw (Polónia), de pais muito pobres mas cristãos exemplares a 9 de Setembro de 1881. Aos 16 anos foi para Cracóvia como empregada domestica. Inscreveu-se na associação de santa Zita. Fiel às moções do Espírito Santo e aos conselhos dos diretores espirituais, progrediu rapidamente nos caminhos da santidade.

 

  • ____________________________________________________________________________________________________
  • Nossa Senhora de Fátima, pediu aos Pastorinhos:
  • “REZEM O TERÇO TODOS OS DIAS”



  • Tero1 - Cpia
  • /////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////
  • NOTA:
  • Como decerto hão-de ter reparado, são visíveis algumas mudanças na apresentação deste blogue (que vão continuar… embora não pretenda eu que seja um modelo a seguir, mas sim apenas a descrição melhorada daquilo que eu for pensando dia a dia para tentar modificar para melhor, este blogue). Não tenho a pretensão de ser um “Fautor de ideias” nem sequer penso ser melhor do que outras pessoas. Mas acho que não fica mal, cada um de nós, dar um pouco de si, todos os dias, para tentar deixar o mundo um pouco melhor do que o encontramos, quando nascemos e começamos depois a tomar consciência do que nos rodeia. No fim de contas, como todos sabemos, esta vida é uma passagem, e se Deus nos entregou o talento para o fazer frutificar e não para o guardar ou desbaratar, a forma que encontrei no “talento” de que usufruo, é tentar fazer o melhor que posso, aliás conforme diz o Evangelho.


    Assim, a principiar pela imagem principal, a partir de hoje, e se possível todos os dias, ela será modificada mediante o que eu for encontrando passível de aproveitamento para isso. A partir de Quarta-feira de Cinzas, acrescentei mais 2 páginas (uma que vigorará só na Quaresma e outra que será diária) – São elas VIVER A QUARESMA e ENCONTRO DIÁRIO COM DEUS e, por conseguinte haverá mais 2 números a incluir que serão o 7 e o 8.
  • (sendo a Pág. 1Vidas de Santos; Pág. 2O Antigo Testamento; e Pág. 3O Papado – 2000 anos de história). Além disso, semanalmente (ao Domingo e alguns dias santificados – quando for caso disso –) a Pág. 4A Religião de Jesus; e a Pág. 5 - Salmos) e, ainda, ao sábado, a Pág. 6In Memorian.
  • Outros assuntos que venham aparecendo emergentes dos acontecimentos que surjam tanto em Portugal, como no estrangeiro; e, ainda, alguns vídeos musicais (ou outros) que vão sendo recolhidos através do Youtube e foram transferidos para o meu canal “antónio0491” que se encontra inserido logo após o Título e sua descrição.

    Registe-se também que através de Blogs Católicos, União de Blogs Católicos, etc., estou inscrito em muitos blogs que se vão publicando em Portugal, Brasil, e outros países, que, por sua vez, também publicarão este blogue. Há ainda mais algumas alterações que já fiz e vou continuando a efetuar na parte lateral do blogue, retirando ou colocando vários complementos.

    Como também já deve ser do conhecimento de muitos, encontro-me inscrito na rede social, Google + Facebook, e outros, individualmente e, também ali poderão encontrar este blogue. O meu correio electrónico foi modificado e será inscrito no início de cada página (pelo menos na primeira, de cada dia).

    Para terminar, gostaria de que os meus leitores se manifestassem, bastando para tal marcar o quadrado que entendam, que segue sempre abaixo de cada publicação, como aliás eu faço, relativamente aos blogues que vou vendo sempre que me é possível, com o que ficaria muito grato
    Desculpem e Obrigado mais uma vez – António Fonseca

    0000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000




  • 00000000000000000000000000000000000000000000000000000000

    Localização geográfica da sede deste Blogue, no Porto
    Viso---mapa_thumb_thumb_thumb_thumb_[2]
    http://confernciavicentinadesopaulo.blogspot.com
    ===================================
    0000000000000000000000000000000000000000000000
    $$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$


    «««««««««««««««««««««««««««««««««««««««««««««««««««««««»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»

  • Meus endereços:
  • Nome do blogue: SÃO PAULO (e Vidas de Santos)
  • Endereço de Youtube: antonio0491@youtube.com
  • António Fonseca
  • ___________________________________________________________________________________________________________________________________________________

    Nº 1587-7 - REZAR NA QUARESMA - 4ª SEMANA - 3º FEIRA -12 de Março de 2013

    1587-7

    edisal@edisal.salesianos.pt

    http://www.edisal.salesianos.pt/

    Digitalizar0008_thumb_thumb_thumb_th[1]_thumb_thumb_thumb_thumb_thumb_thumb

    12 de MARÇO de 2013

    4ª SEMANA DA QUARESMA

    (3ª Feira)

    João 5, 1-3a.5-16

    Queres ser curado?

    ****************

    Digitalizar0003_thumb_thumb_thumb_th_thumb_thumb_thumb_thumb_thumb_thumb

    Jesus pergunta ao paralítico se quer ser curado.

    Pode parecer uma pergunta idiota…

    Quem é que, estando doente, não quer ficar são?

    Muitas vezes, nós.

    Habituámos-nos a ter o coração paralítico e temos medo à mudança.

    Preferimos arrastar a vida na mediocridade de sempre a encontrar este Jesus que nos põe de pé e convida à renovação.

     

    »»»»»»»»»»

    Vem, Senhor Jesus ao meu encontro!

    Preciso de ouvir a Tua voz

    que me oferece cura, vida nova, perdão.

    Vem abraçar-me com o teu amor.

    Vem soltar-me do pecado

    que me paralisa.

     

    Digitalizar0015

    NOTA:

    Adquiri no dia 11 de Fevereiro no JORNAL VOZ PORTUCALENSE, este livrinho “REZAR NA QUARESMA – Ano C” que menciona na sua pós-capa, o seguinte:

    A Quaresma é um tempo para dar mais qualidade à vida.

    Para encontrar de uma forma fresca e nova o Jesus dos evangelhos.

    Este livro é um convite a fazeres desta Quaresma um caminho que leva à mudança,

    à liberdade interior, a uma fé mais feliz.

    Em cada dia da Quaresma encontras duas páginas que contêm:

    • Uma citação bíblica usada na liturgia desse dia;
    • Uma frase bíblica em destaque;
    • Uma imagem para te ajudar a pensar;
    • Uma meditação que faz a ponte entre a Bíblia e a tua vida;
    • Uma proposta de oração.

    Não tenhas medo desta aventura da fé

    ________________________________

    Conforme tenho dito e escrito aqui neste 3 últimos anos, creio que não estou a ir além do permitido, ao incluir neste meu blogue as referidas leituras e imagens (que certamente não estarão tão bem impressas como no referido livro) – desde que faça alusão à sua publicação através das Edições Salesianas, mesmo até porque este blogue embora seja público, não deverá (com muita pena minha), alcançar grande número de leitores, apesar de servir talvez, por isso mesmo, para fazer um pouco de propaganda para o referido livro poder ser adquirido por mais gente… penso eu.

    Dai que, durante este período de Quaresma, eu tenha decidido efetuar aqui a transcrição dos textos diariamente, sob a forma acima expressa, pelo que solicito a devida vénia às Edições Salesianas.

    ------------------------------------------

    António Fonseca

    Endereço principal: antoniofonseca1940@hotmail.com

    Endereço secundário: antoniofonseca40@gmail.com

    Endereço do blogue: http://confernciavicentinadesopaulo.blopgspot.com

    Nº 1586 - (3) - A VIDA DOS PAPAS DA IGREJA CATÓLICA - (83) - 12 de Março de 2013

    Nº 1586 - (3)

    BOM ANO DE 2013

    ===============

    Caros Amigos:

    Desde o passado dia 11-12-12 que venho a transcrever as Vidas do Papas (e Antipapas)

    segundo textos do Livro O PAPADO – 2000 Anos de História.

    *********************************

    GREGÓRIO XIII

    Gregorio XIII

    Gregório XIII

    (1572-1585)

    Foi eleito em 14 de Maio de 1572, tomando o nome de Gregório XIII.

    Na sua juventude teve um filho ilegítimo, Giacomo, a quem deu o governo do Castelo de Santo Ângelo, depois de ser papa.

    Empenhado na reforma do clero, serviu-se da Companhia de Jesus, à qual entregou a responsabilidade de alguns «Colégios», como o Colégio Germânico, que agregaria o Colégio Húngaro e o Colégio Inglês, que veio a ficar conhecido como «Seminário dos Mártires». O Colégio Romano, fundado por Santo Inácio de Loiola, teve-o como segundo fundador, dadas as ampliações que nele patrocinou, transformando-o em universidade, que ainda hoje ostenta o seu nome: Universidade Gregoriana.

    Criou também colégios para as igrejas orientais (Grego, Arménio e Maronita), bem como outros fora de Roma. A ele se ficou a dever a reforma do calendário universal. Com efeito, o calendário juliano (desde a reforma de Júlio César no ano 46 a. C) então vigente, apresentava uma diferença de dez dias entre o ano civil e o ano solar, devido a não terem sido levados em conta os 11 e 12 segundos que faltavam às 6 horas complementares dos 365 dias do ano civil. Essa diferença em relação ao equinócio da Primavera representava um inconveniente na marcação das festas religiosas móveis, sobretudo a Páscoa.

    Em 1577, Gregório XIII nomeia uma comissão para o estudo do problema, constituída pelos mais insignes cientistas da época, sob a responsabilidade do cardeal Sirleto e do jesuíta alemão Cristóvão Calvo. Cinco anos depois o trabalho estava concluído e o papa ordenou que o dia seguinte, 4 de Outubro de 1582, passasse a ser considerado como o dia 15.

    Pare evitar, no futuro, o mesmo inconveniente, seriam suprimidos os dias bissextos nos anos centenários que não fossem múltiplos de 400 (ou seja, três dias em cada quatro séculos).

    Todos os estados acolheram esta reforma, com exceção dos protestantes e as Igrejas Orientais.

    No entanto, o calendário gregoriano acabou por ser aceite em 1700 pelos estados protestantes da Holanda, Alemanha e Suíça, em 1757 pela Inglaterra e Suécia; em 1918 pela Rússia e em 1927 pela Turquia.

    No pontificado de Gregório XIII, a missionação continuou a ser grandemente eficaz, sobretudo na Ásia, América e África, com Portugal a distinguir-se numa epopeia missionaria desde o Japão ao Brasil.

    Pouco antes de morrer, já Portugal perdera a independência em 1580, Gregório XIII recebeu uma embaixada de quatro príncipes japoneses de sangue real e alguns missionários jesuítas dessa prometedora cristandade, que após a morte de São Francisco Xavier contava já com 200 000 cristãos.

    Gregório XIII empenhou-se no embelezamento de Roma, reconstruiu a universidade, ergueu as fontes monumentais da Praça Novara e do Panteão, ultimou as obras do Capitólio e deu início às obras do Palácio do Quirinal.

    Gregório XIII foi sepultado no Vaticano, na chamada Capela Gregoriana, concluída no seu pontificado.

    *****************************

    SISTO V

    Sisto V

    Sisto V

    (1585-1590)

    O cardeal Peretti foi eleito em 24 de Abril de 1585 e tomou o nome de Sisto V.

    Logo na tomada de posse suprimiu o costume de atirar moedas de ouro ao povo e os banquetes, mandando distribuir esmolas aos pobres.

    Começou por combater o banditismo em Roma e acelerar o desenvolvimento económico dos Estados Pontifícios, melhorando as condições de vida dos mais desprotegidos.

    Incrementou a agricultura e a indústria da seda, construiu novos aquedutos para fornecer água potável à cidade e abriu novos arruamentos.

    No campo da assistência social, criou um asilo para pobres e construiu um grande hospital com capacidade para dois mil enfermos.

    No aspeto cultural e artístico, mandou erguer à frente da Basílica de São Pedro, o obelisco monolítico de 40 metros trazido do Egipto no tempo do imperador Calígula e construir o Palácio de Latrão; tratou do acabamento do Quirinal, da restauração das célebres colunas de Trajano e de Antonino Pio e do acabamento da cúpula da Basílica de São Pedro, com uma altura interior de 119 metros.

    No campo das letras, ampliou a Biblioteca Vaticana, com uma tipografia anexa. Na Universidade de Roma,onde fora professor, mandou terminar o edifício já começado e criou as universidades de Fermo, Gratz e Quito, além de diversos colégios.

    A sua reforma da Cúria romana é significativa. Criou 15  repartições especiais, as congregações cardinalícias, encarregadas de tratar com autonomia as tarefas deque lhes eram cometidas.

    O Colégio Cardinalício foi reformado, passando a ter 70 cardeais, seis cardeais-bispos, 50 cardeais-presbíteros e 14 cardeais-diáconos, medida que foi válida até 1958.

    Preocupou-se com a recolha de todas as constituições pontifícias desde Leão Magno (440-461) e com a refundição de uma edição da Vulgata, conhecida por «Sistina», que continha muitos erros.

    Como grande devoto da Santíssima Virgem, pela bula Gloriosae restabeleceu as festas da Apresentação de Maria, aprovou a de Nossa Senhora do Carmo e concedeu ao geral da Companhia de Jesus, amplas facilidades para as congregações marianas.

    No campo político não foi tão feliz, pois, tendo apoiado Isabel I, de Inglaterra, para fazer retroceder o protestantismo, viu o seu sonho desfeito com a destruição da Invencível Armada, para a qual tinha contribuído monetariamente.

    Esta Invencível Armada, um sonho de grandeza de Filipe II de Espanha (I de Portugal), concentrou-se em Lisboa com uma esquadra de 130 unidades navais e 22 000 soldados e marinheiros que integravam 12 navios e 5 000 soldados portugueses, sob o comando do duque de Medina Sidónia. A frota zarpou em meados de Julho de 1588 rumo aos Países Baixos, para daí lançar o ataque às Ilhas Britânicas, que os esperavam com 250 barcos e 26 000 homens, comandados por Lord Howard de Effingham, com Francis Drake como seu lugar-tenente, e o resultado foi um grande revés para o prestigio da Espanha e, para Portugal, a perda dos seus barcos e homens.

    Sisto V faleceu, depois de um pontificado em que engrandeceu a Igreja e os Estados Pontifícios.

    ************************************

    URBANO VII

    Urbano VII

    Urbano VII

    (1590)

    O cardeal Castagna, um dos preferidos de Filipe II, de Espanha, foi eleito em 15 de Setembro de 1590, tomando o nome de Urbano VII.

    Homem piedoso, logo após a eleição mandou que os párocos organizassem lista dos mais necessitados para os socorrer, pois, como dizia «a eles pertencia o tesouro da Igreja».

    Pagou as dívidas que os Romanos tinham contraído nos montes de Piedade do Estado eclesiástico e ordenou aos padeiros de Roma que fizessem fogaças de pão maiores e as vendessem mais baratas, indemnizando-os das suas perdas, com dinheiro do seu bolso.

    Para moderar o luxo proibiu os seus camareiros de usarem sedas, e para dar trabalho aos pobres mandou concluir as obras públicas já iniciadas.

    Nomeou uma comissão de cardeais para a reconstrução do «Datário Apostólico», lutou contra o nepotismo, proibindo os seus familiares de ocuparem cargos na Cúria e de usarem o titulo de «Excelência», que era costume dar aos parentes próximos do papa.

    Doze dias depois de ter sido eleito, faleceu, acometido por um ataque de malária, sem chegar a ser coroado.

    O seu testamento revela a preocupação esmoler, pois legou todo o património paterno a uma confraria com o fim  de ser distribuído como dotes de casamento a raparigas pobres,.

    Em sinal de reconhecimento, a Ordem da Anunciata fez transportar os seus restos mortais para a sua igreja, erigindo-lhe um monumento condigno.

    Um papa que teve pouco tempo de pontificado mas que deixou uma ideia imorredoira do seu valor e do seu querer o bem dos outros.

     

    **********************************

    Continua:…

    Este Post era para ser colocado em 12-3-2013 – 10H30

    ANTÓNIO FONSECA

    Nº 1587-2 - O ANTIGO TESTAMENTO - DEUTERONÓMIO (17) - 12 de Março de 2013

    12 de Março de 2013
    antoniofonseca1940@hotmail.com
    2013

    250px-12_staemme_israels_cs_thumb1_t[2]

    Distribuição das Tribos em ISRAEL

    Nº 1587

    »»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»
    Caros Amigos:
    Ver por favor a edição de, 12 de Novembro, deste Blogue.

    Resolvi simplesmente começar a editar o ANTIGO TESTAMENTO que é composto pelos seguintes livros:
    GÉNESIS, ÊXODO, LEVÍTICO, NÚMEROS (Estes já estão…) – Faltam apenas 1030 páginas…(mais ou menos) - Sejamos optimistas.
    DEUTERONÓMIO, constantes do PENTATEUCO; JOSUÉ, JUÍZES, RUTE, 1º E 2º de SAMUEL, 1º e 2º Reis, (2) CRÓNICAS (paralipómenos), ESDRAS, NEEMIAS, TOBIAS, JUDITE, ESTER, 1º E 2. MACABEUS (Livros históricos); JOB, SALMOS, PROVÉRBIOS, ECLESIASTES, CÂNTICO DOS CÂNTICOS, SABEDORIA, ECLESIÁSTICO (Livros Sapienciais ); ISAÍAS, JEREMIAS, JEREMIAS – Lamentações, BARUC, EZEQUIEL, DANIEL, OSEIAS, JOEL, AMÓS, ABDIAS, JONAS, MIQUEIAS, NAUM, HABACUC, SOFONIAS, AGEU, ZACARIAS e MALAQUIAS (Profetas).
    SÃO APENAS POUCO MAIS DE 40 LIVROS = 1260 PÁGINAS … (coisa pouca…)
    Poderei porventura dar conta do recado? Se calhar, não!
    Só Deus o sabe e decerto providenciará o que lhe aprouver!
    SEI: que é uma tarefa ciclópica, impossível., etc., para os meus 73 anos (*) . Desconheço se conseguirei executar esta tarefa e sei os limites que poderão antepor-se-me, mas CREIO EM DEUS TODO-PODEROSO que não me desamparará em ocasião alguma.
    Com Fé e perseverança tudo se consegue e portanto irei até onde Deus me permitir, rezando todos os dias para que eu possa Evangelizar com os meios que tenho à disposição, durante o tempo que Deus Nosso Senhor Jesus Cristo entender.
    Se o conseguir, darei muitas Graças a Deus
    »»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»

    Como afirmei inicialmente, Envolvi-me nesta tarefa, pois considero ser um trabalho interessante, pois servirá para que vivamos mais intensamente a Vida de Jesus Cristo que se encontra sempre presente na nossa existência, mas em que poucos de nós (eu, inclusive) tomam verdadeira consciência da sua existência e apenas nos recordamos quando ouvimos essas palavras na celebração dominical e SOMENTE quando estamos muito atentos,o que se calhar, é raro, porque não acontecendo assim, não fazemos a mínima ideia do que estamos ali a ouvir e daí, o desconhecimento da maior parte dos cristãos do que se deve fazer para seguir o caminho até Ele.
    Como Jesus Cristo disse, aos Apóstolos, no dia da sua Ascensão ao Céu:
    IDE POR TODO O MUNDO E ENSINAI TODOS OS POVOS”.

    É apenas isto que eu estou tentando fazer. AF.
    +++++++++++++++++++++++

    Nº 1587 - 2ª Página

    12 de Março de 2013

    ANTIGO TESTAMENTO

    DEUTERONÓMIO
    400px-1759_map_Holy_Land_and_12_Trib[2]

    Mapa antigo de Israel

    DEUTERONÓMIO

    Segundo Discurso de MOISÉS

    17 – PUNIÇÃO DA IDOLATRIA – «Não imolarás ao Senhor, teu Deus, um animal graúdo ou miúdo, que tenha qualquer tara ou defeito, porque isso é uma abominação aos olhos do Senhor, teu Deus.

    Se suceder encontrar-se no meio de ti, numa das cidades que te dará o Senhor, teu Deus, um homem ou uma mulher que faça o que é mal aos olhos do Senhor,  teu Deus, violando a sua aliança, servindo a outros deuses e prostrando-se diante deles ou diante do sol ou da lua, ou do que quer que seja da milícia celeste, contrariamente à Minha lei, logo que tiveres conhecimento do ocorrido e o caso te for relatado, procederás a minucioso inquérito. Se de facto for verdade, se se provar que essa abominação foi cometida em Israel, mandarás conduzir às portas da cidade o homem ou a mulher culpados de um tal crime e apedrejá-lo-ás até que morram. Aquele que incorrer na pena capital será executado depois do depoimento de duas ou de três testemunhas; mas não poderá ser condenado sobre o depoimento duma só testemunha. As mãos das testemunhas serão as primeiras a feri-lo para lhe dar a morte, e, por último, as mãos do povo. Extirparás, assim, o mal do meio de ti (Jo 8, 7; Act 7, 58)

    O Tribunal Supremo – Se  não tiveres capacidade para te pronunciares sobre um caso judiciário, de morte, de direito civil ou de ferimento corporal, ou sobre qualquer litígio levado aos tribunais, dirigir-te-ás ao lugar que o Senhor, teu Deus, tiver escolhido. Irás ter com os sacerdotes, descendentes de Levi, e será julgado pelo juiz em exercício nessa altura; consultá-los-ás e eles esclarecer-te-ão sobre a sentença que deves dar. Agirás, então, de acordo com a decisão que eles te comunicarem no lugar escolhido pelo Senhor e terás cuidado de te conformares com  as suas instruções (Mt 23, 3). Procederás segundo as inscrições que te derem e segundo a sentença que te ditarem, sem te afastares do seu parecer nem, para a direita nem para a esquerda. Se alguém, temerariamente, desobedecer à decisão do sacerdote que estiver, nesse tempo, ao serviço do Senhor, teu Deus, ou à do juiz, será punido de morte. Assim extirparás o mal do meio de Israel, a fim de que, sabendo-o, o povo não incorra em semelhante temeridade.

    Os deveres do Rei – Quanto tiveres entrado na terra que o Senhor, teu Deus, te há-de dar e tiveres tomado posse dela e ali te estabeleceres, se, então, disseres: «Quero ter sobre mim um rei como o têm todos os povos que me rodeiam», porás sobre ti o rei que o Senhor teu Deus, tiver escolhido e este será um dos teus irmãos. Não poderás escolher para rei de Israel um estrangeiro que não seja teu irmão. mas que esse rei não tenha grande número de cavalos e não reconduza o povo ao Egipto, porque o Senhor declarou-vos que, de futuro, não retomaríeis esse caminho. Guarde-se, também, o rei de ter muitas mulheres, para que o seu coração não se perverta, e que acumule, igualmente, oiro e prata em excesso. Quando subir ao trono de sua realeza, escreverá, para seu uso, num livro, uma cópia desta doutrina, aconselhando-se com os sacerdotes descendentes de Levi. Terá de a guardar sempre junto de si e de a ler durante toda a sua vida, para se habituar a venerar o Senhor, seu Deus, e a respeitar todas as suas prescrições. Assim não se ensoberbecerá para com  os seus irmãos e não se afastará deles nem para a direita nem para a esquerda. Deste modo, conservará durante muito tempo a sua realeza, ele e seus filhos, no meio de Israel».

     

    Tbuas-da-Lei---Moiss_thumb_thumb_thu[2]

    O Dez Mandamentos

    Discursos de Moisés durante o Êxodo e Apêndice relatando a fim da sua atuação e a sua morte,

    antes de chegar à Terra Prometida

    Textos do LivroDEUTERONÓMIOdo ANTIGO TESTAMENTO

    0000000000000000000000000000000000000000000000000000000

    12 de MARÇO de 2013 – 10.15 h
    ANTÓNIO FONSECA

    map-1195aeac0b2f22222222222222222[2],

    http://es.catholic.net; http://santiebeati.it; http://jesuitas.pt; http://bibliaonline.com.br/acf
    000000000000000000000000000000
    +++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++