OS MEUS DESEJOS PARA TODOS

RecadosOnline.com

segunda-feira, 10 de junho de 2013

Annales Historiæ: Mais um prefeito francês se recusa a celebrar o "c...

Annales Historiæ: Mais um prefeito francês se recusa a celebrar o "c...: Em um efeito cascata, mais um prefeito francês anunciou que não irá celebrar a paródia de casamento para pares homossexuais. O prefeito de ...

Annales Historiæ: Irlandeses lotam novamente as ruas de Dublin em de...

Annales Historiæ: Irlandeses lotam novamente as ruas de Dublin em de...: Depois de uma mega manifestação em janeiro - AQUI -, os irlandeses, que estão sob fogo cerrado da União Europeia para que se legalize o...

Jovem troca discurso de formatura por Pai-Nosso, apesar de proibição nos EUA

Jovem troca discurso de formatura por Pai-Nosso, apesar de proibição nos EUA

"A Liberdade em Cristo": Em dias em que estão queimando e matando Dentistas...

"A Liberdade em Cristo": Em dias em que estão queimando e matando Dentistas...: Em dias em que estão queimando e matando Dentistas, adolescentes cometendo atrocidades cada vez maiores...etc... e etc... Será que os Mandam...

Nº 1677 - 2ª Página - O ANTIGO TESTAMENTO - SAMUEL I - (26) - 10 de Junho de 2013


10 de Junho de 2013

Nº 1677 - 2ª Página
antoniofonseca1940@hotmail.com
2013

250px-12_staemme_israels_cs_thumb1_t
Distribuição das Tribos em ISRAEL

Nº 1677
»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»
Caros Amigos:
Ver por favor a edição de, 12 de Novembro de 2012, deste Blogue.

Resolvi simplesmente começar a editar o 
ANTIGO TESTAMENTO 
que é composto pelos seguintes livros:

GÉNESIS, ÊXODO, LEVÍTICO, NÚMEROS, DEUTERONÓMIO, constantes do PENTATEUCO, JOSUÉJUÍZES, RUTE,– (Estes já estão…)

Faltam apenas 875 páginas…(mais ou menos) - Sejamos optimistas.

  1º E 2º de SAMUEL, 1º e 2º Reis, (2) CRÓNICAS (paralipómenos), ESDRAS, NEEMIAS, TOBIAS, JUDITE, ESTER, 1º E 2. MACABEUS (Livros históricos); JOB, SALMOS, PROVÉRBIOS, ECLESIASTES, CÂNTICO DOS CÂNTICOS, SABEDORIA, ECLESIÁSTICO (Livros Sapienciais ); ISAÍAS, JEREMIAS, JEREMIAS – Lamentações, BARUC, EZEQUIEL, DANIEL, OSEIAS, JOEL, AMÓS, ABDIAS, JONAS, MIQUEIAS, NAUM, HABACUC, SOFONIAS, AGEU, ZACARIAS e MALAQUIAS (Profetas).

!!!SÃO APENAS POUCO MAIS DE 40 LIVROS = 1260 PÁGINAS …!!! (coisa pouca…)

Poderei porventura dar conta do recado? Se calhar, não! Só Deus o sabe e decerto providenciará o que lhe aprouver!
SEI: que é uma tarefa ciclópica, impossível., etc., para os meus 73 anos (*) .

Desconheço se conseguirei executar esta tarefa e sei os limites que poderão antepor-se-me, mas CREIO EM DEUS TODO-PODEROSO que não me desamparará em ocasião alguma. Com Fé e perseverança tudo se consegue e portanto irei até onde Deus me permitir, rezando todos os dias para que eu possa Evangelizar com os meios que tenho à disposição, durante o tempo que Deus Nosso Senhor Jesus Cristo entender.

Se o conseguir, darei muitas Graças a Deus

»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»

Como afirmei inicialmente, Envolvi-me nesta tarefa, pois considero ser um trabalho interessante, pois servirá para que vivamos mais intensamente a Vida de Jesus Cristo que se encontra sempre presente na nossa existência, mas em que poucos de nós (eu, inclusive) tomam verdadeira consciência da sua existência e apenas nos recordamos quando ouvimos essas palavras na celebração dominical e SOMENTE quando estamos muito atentos, – o que se calhar, é raro, porque não acontecendo assim, não fazemos a mínima ideia do que estamos ali a ouvir e daí, o desconhecimento da maior parte dos cristãos do que se deve fazer para seguir o caminho até Ele.
Como Jesus Cristo disse, aos Apóstolos, no dia da sua Ascensão ao Céu:

IDE POR TODO O MUNDO E ENSINAI TODOS OS POVOS”.

É apenas isto que eu estou tentando fazer. AF.

+++++++++++++++++++++++


Nº 1677 - 2ª Página

10 de Junho de 2013

ANTIGO TESTAMENTO

SAMUEL
400px-1759_map_Holy_Land_and_12_Trib[2]

Mapa antigo de Israel

1º Livro de SAMUEL


Rei David

(26)


26  -  DAVID RESPEITA DE NOVO A VIDA DE SAUL -  Vieram novamente os de Zif a Gabaa ter com Saul, e disseram-lhe: «David está escondido na colina de Haquila, frente ao deserto». Saul desceu ao deserto de Zif com três mil homens escolhidos entre todo o Israel, para ir em busca de David. Acampo na colina de Haquila, ao oriente do deserto, à beira do caminho. David estava no deserto. E, sabendo que Saul o tinha seguido até ali, enviou espiões e soube com certeza que ele tinha chegado. Levantou-se então e foi secretamente ao lugar onde Saul se deitava ao lado de Abner, filho de Ner, chefe do seu exército. Saul dormia no acampamento, rodeado de toda a gente. David disse a Aquimelec, o heteu, e a Abisai, filho de Servia (1 Par 2, 16), e irmão de Joab: «Quem quer vir comigo ao acampamento de Saul?» Respondeu Abisai: «Eu descerei contigo». David e Abisai penetraram, pois, durante a noite, no meio das tropas. Saul dormia no acampamento, tendo a sua lança cravada no chão à sua cabeceira. Abner e a sua gente dormiam ao redor dele. Abisai disse a David: «Deus entregou hoje nas tuas mãos o teu inimigo; agora, pois, vou cravá-lo na terra com uma  só lançada sem precisar de um segundo golpe». Respondeu David: «Não o mates. Quem poderia, sem pecado, estender a mão contra o ungido do Senhor?» E ajuntou: «Vive o Senhor, que o há-de matar, quer morra de morte natural, quer pereça em batalha. Deus me livre de levantar a minha mão contra o ungido do Senhor ! Agora toma a lança que está à sua cabeceira com a bilha de água e vamo-nos» . Apanhou David a lança e a bilha de água que estavam à cabeceira de Saul e retiraram-se sem que ninguém os tivesse visto ou advertido pois todos dormiam um  profundo sono que o Senhor lhes tinha enviado (Gn 2, 21; 16, 12).
David passou para o outro lado, e parou ao longe no cimo do monte a grande distância. Então bradou aos soldados de Saul e a Abner, filho de Ner: «Não respondes Abner»? Respondendo este, disse: «Quem és tu que gritas assim e incomodas o rei ?» David disse a Abner: «Afinal não és tu um homem? Quem é igual a ti em Israel? Porque não guardaste o rei, teu senhor, visto que alguém entrou aí para o matar? Não cumpriste com a tua obrigação. Por Deus! Mereces a morte, porque não velaste pelo teu amo, o ungido do Senhor! Vê onde estão a lança do rei e a bilha de água que estavam junto à sua cabeceira!» Percebeu Saul a voz de David e disse: «É a tua voz, ó meu filho DavidDavid respondeu: «Sim, ó rei, meu Senhor». E ele acrescentou:  «Porque persegue o meu senhor o seu servo? Que fiz eu? Que delito cometi? Que o rei, meu senhor, se digne ouvir as palavras do seu servo: Se é o Senhor que te incita contra mim, receba Ele o perfume do meu sacrifício!  Mas se são homens, malditos sejam, diante do Senhor, porque me desterraram a fim e não pode sobre a terra  habitar na herança do Senhor! E dizem-me: «Vai servir os deuses estrangeiros»! «Agora, pois, não se derrame o meu sangue  longe da face do Senhor! O rei de Israel pôs-se em campanha contra mim, como quem persegue uma perdiz nos montes!» Saul disse: «Fiz mal! Vai, meu filho David, não te voltarei a fazer mal pois neste dia tiveste como preciosa a minha vida. Procedi insensatamente, cometi um grandíssimo pecado». David respondeu: «Aqui está a lança do rei; Manda um dos teus homens buscá-la! O Senhor recompensará cada um, segundo a sua fidelidade e justiça (Sl 7 , 9; 17, 21). Ele te havia entregue hoje em meu poder, mas eu não quis estender a minha mão contra o Seu ungido». «E assim como a tua vida foi preciosa diante de mim, assim seja a minha aos olhos do Senhor. Ele me salvará de qualquer tribulação». Saul disse a David«Bendito sejas, meu filho David, porque triunfarás, sem dúvida, em todas as tuas empresas». David retomou o seu caminho e Saul voltou para a sua casa.


******************************

Estes são os textos do 1º Livro de “SAMUEL” do ANTIGO TESTAMENTO 


0000000000000000000000000000000000000000000000000000000


10 de JUNHO de 2013 – 10.15 h
ANTÓNIO FONSECA


7map-1195aeac0b2f22222222222222222[2]


http://es.catholic.net; http://santiebeati.it; http://jesuitas.pt; http://bibliaonline.com.br/acf
000000000000000000000000000000
++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++

Nº 1677 - (161-13) – 1ª Página - SANTOS DE CADA DIA - 10 DE JUNHO DE 2013 - 5º ano




Nº 1677


10 DE JUNHO DE 2013


Domingo

Ver Notas no final

e-mail: antoniofonseca1940@hotmail.com

Nº 1677 - (161-13) – 1ª Página

009

Nº 1677-1 - (161-13)

Imagem3189_thumb1_thumb_thumb_thumb_[1]IAmPosters_thumb122222222222222


»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»

E U   S O U


AQUELE   QUE   SOU

»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»««««««««««««««««««««««««««««««
*********************
##################################### #####################################

SANTO ANJO DA GUARDA DE PORTUGAL

Anjo de Portugal - Gabriel

Os Anjos – que fazem parte desse mundo invisível, a que se estende também a acção criadora de Deus – vivem inteiramente dedicados ao louvor e ao serviço de Deus. A inteligência humana tem dificuldade em exprimir a natureza dessas criaturas espirituais. A sua missão, porém, é-nos conhecida através da Bíblia, que, em tantos passos, dá testemunho acerca da existência dos AnjosMensageiros de Deus em momentos decisivos da História da Salvação, os Anjos estão encarregados da guarda dos homens (Mt 18, 10; Act 12, 3) e da protecção da Igreja (Ap 12, 1-9). A fé cristã crê também possuir cada nação em particular um Anjo encarregado de velar por ela. Em Portugal, a devoção ao Anjo da Guarda é muito antiga. Tomou, porém, incremento especial com as Aparições do Anjo, em Fátima, aos Pastorinhos. Pio XII aprovou a comemoração do Anjo de Portugal no Calendário Litúrgico de Portugal. Ainda que no dia 13 de Maio já se tenha feito referência às aparições do Anjo de Portugal em Fátima, de novo aqui repetimos o seu relato:

I – Sou o Anjo da Paz. Três vezes apareceu o Anjo de Portugal aos pastorinhos de Fátima, um ano antes das visitas de Nossa Senhora. A primeira vez foi na Primavera de 1916. Estavam os pequenitos a brincar na Loca do Cabeço. De repente – conta Lúcia – aproxima-se deles «um jovem dos seus 14 ou 15 anos, mais branco que se fora de neve, que o Sol tornava transparente como se fora de cristal e duma grande beleza. Ao chegar junto de nós disse: – Não temais. Sou o Anjo da Paz. Orai comigo. E, ajoelhando em terra, curvou a fronte até ao chão e fez-nos repetir três vezes estas palavras: – Meu Deus, eu creio, adoro, espero e amo-Vos. Peço-Vos perdão para os que não crêem, não adoram, não esperam e não Vos amam. Depois erguendo-se, disse: – Orai assim. Os Corações de Jesus e Maria estão atentos à voz das vossas súplicas. Desde aí passávamos longo tempo, assim prostrados, repetindo esta oração, às vezes até cair cansados». Estava o mundo em guerra. O Anjo da Paz vem pedir as orações dos pastorinhos pela paz e ensina-lhes uma súplica, cuja primeira parte são actos de fé, esperança e caridade, e a segunda actos de reparação a Deus e de súplica pelos pecadores.

II – Sou o Anjo de Portugal. A segunda aparição foi no Verão, quando os pastorinhos se encontravam a brincar à sombra duma figueira, no poço do quintal dos pais de Lúcia. Foi aí que lhes apareceu pela segunda vez o anjo e lhes disse: « – Que fazeis? Orai! Orai muito! Os Corações de Jesus e Maria têm sobre vós desígnios de misericórdia. Oferecei constantemente ao Altíssimo orações e sacrifícios. – Como nos havemos de sacrificar? – perguntei. – De tudo o que puderdes, oferecei um sacrifício em acto de reparação pelos pecados com que Ele é ofendido e de súplica pela conversão dos pecadores. Atraí assim sobre a vossa pátria a paz. Eu sou o Anjo da sua guarda, o Anjo de Portugal. Sobretudo aceitai e suportai com submissão o sofrimento que o Senhor vos enviar. Estas palavras do Anjo gravaram-se em nosso espírito como uma luz que nos fazia compreender quem era Deus, como nos amava e queria ser amado, o valor do sacrifício e como ele Lhe era agradável, como, por atenção a ele, convertia os pecadores. Por isso desde esse momento começamos a oferecer ao Senhor tudo o que nos mortificava». O Anjo da Guarda de Portugal pede aos pastorinhos orações e sacrifícios , a fim de alcançarem a paz para a nação a que pertenciam e por cujo bem tanto Ele se interessa.

II – Consolai o vosso Deus. Estavam os pastorinhos no sítio da primeira aparição, a Loca do Cabeço, repetindo, de joelhos e com a cabeça no chão, a oração que o Anjo então lhes tinha ensinado. «Não sei – escreve Lúcia – quantas vezes tínhamos repetido esta oração, quando vemos que sobre nós brilha uma luz desconhecida. Erguemo-nos para ver o que se passava e vemos o Anjo tendo na mão esquerda um cálice sobre o qual está suspensa uma hóstia da qual caem algumas gotas de sangue dentro do cálice. O Anjo deixa suspenso no ar o cálice. Ajoelha junto de nós e faz-nos repetir três vezes: – Santíssima Trindade, Pai, Filho, Espírito Santo, adoro-Vos profundamente e ofereço-Vos o preciosíssimo Corpo, Sangue, Alma e Divindade de Jesus Cristo, presente em todos os sacrários da terra em reparação dos ultrajes, sacrilégios e indiferenças com que Ele mesmo é ofendido. E pelos méritos infinitos do seu Santíssimo Coração e do Coração Imaculado de Maria, peço-Vos a conversão dos pobres pecadores. Depois, levantando-se, tomou de novo o cálice e a hóstia e deu-me a hóstia a mim, e o que continha o cálice deu-o a beber à Jacinta e ao Francisco, dizendo ao mesmo tempo: Tomai e bebei o Corpo e o sangue de Jesus Cristo horrivelmente ultrajado pelos homens ingratos. Reparai os seus crimes e consolai o vosso Deus. De novo se prostrou em terra e repetiu connosco mais três vezes a mesma oração à Santíssima Trindade, e desapareceu»- O Anjo traz aos pastorinhos a Sagrada Eucaristia, ensina-lhes a fazer a Comunhão Reparadora e repete com eles seis vezes um lindíssimo acto de desagravo. Do livro SANTOS DE CADA DIA, de www.jesuitas.pt

SANTA OLÍVIA ( ou OLIVA)
Mártir

Oliva (u Olivia) de Palermo, Beata
Oliva (ou Olívia) de Palermo, Beata

Olívia era natural de Palermo, na Sicília. Quando Genserico, rei dos Vândalos, invadiu esta ilha, contava ela os seus treze anos, e em tão tenra idade sofreu muitíssimo ao presenciar as atrocidades que nas casas, pessoas e templos fizeram aqueles bárbaros. Levaram-na cativa para Tunes, onde foi posta à disposição do pérfido Amira, governador da cidade. Este valeu-se de mil meios para seduzir a casta virgem; mas, vendo que nem os afagos nem as ameaças serviam de coisa alguma, mandou açoitá-la com rigor e depois enviou-a para uma solidão espantosa, para que fosse pasto das feras. O Senhor assistiu-a em tal conjuntura; aquele deserto foi para a virgem um paraíso de celestiais delicias, em que a sua alma suspirava pelo momento de se unir ao seu sagrado esposo. Cumpriram-se os seus desejos, passados sete anos, depois dos quais quis o Senhor manifestar aquele tesouro oculto. Foi encontrada por uns caçadores que, convencidos pela santa, se converteram à fé, foram baptizados e tiveram o valor bastante para selar com o sangue. Esta conversão fez grande ruído; muitos seguiram o exemplo dos caçadores. isto chegou aos ouvidos de Amira. Possuído de cólera, mandou prendê-la, mas sucedeu a mesma maravilha com os soldados, pois foram convertidos de soldados do governador em soldados de Jesus Cristo. Cheia de alegria, a esforçada heroína entrou em Tunes como e triunfo, à frente dos novos convertidos, e dirigindo-se ao Palácio do Governador, disse-lhe com coragem cristã: «Porque enviais tropas a buscar-me? Julgais que venho por temer? Olhai e vede como os vossos soldados já pertencem a Jesus Cristo, e sofrerão antes mil mortes do que atraiçoar o santo baptismo que receberam». Em vista disso, mandou o governador que a metessem no cárcere e a deixassem morrer à forme. O mesmo efeito da assistência divina se mostrou nessa ocasião. Os anjos ministraram-lhe alimento, o cárcere encheu-se de luz celestial; por último, muitos dos presos, testemunhas destas maravilhas, converteram-se à fé e precederam a sua mestra no martírio. Com isto aumentou a cólera de Amira, que não podia sofrer ver-se escarnecido por uma tenra donzela, e condenou-a ao castigo dos escravos, experimentando toda a classe de tormentos na ilustre virgem. Por último, alcançou a coroa do martírio, sendo degolada. O Papa Alexandre VII canonizou-a em 1664. Do livro SANTOS DE CADA DIA  de  www.jesuitas.pt Ver também http://es.catholic.net/santoral e www.santiebeati.it

• João Dominici, Beato 
Arcebispo de Ragusa

Juan Dominici, Beato
Juan Dominici, Beato

Nasceu em Florença, em 1356, numa família honrada, mas de condição modesta. Com 18 anos, recebeu o hábito de Irmão Pregador no convento de Santa Maria Nova. Desconfiava-se porém, um pouco dele, porque era um tanto gago e não tinha muita instrução. Ora, se os Dominicanos são todos eloquentes e doutos. Mas, como Demóstenes, ele dominou a sua elocução e, à força de trabalho perseverante, servido por excelente memória, veio a tornar-se teólogo de valor. Devem-se-lhe comentários a S. Mateus, ao Cântico dos Cânticos, etc…. Dissertou sobre o amor de caridade (cf. 1 Cor 13). Escreveu também uma Régola dei governo di cura familiare, espécie de tratado de economia sobre o bom emprego das faculdades intelectuais e de todo o corpo, assim como dos bens temporais, e sobre a educação dos filhos. A obra mantém real interesse pedagógico. Do mesmo modo, a sua Lúcula noctis (Facho na noite) pôs os cristãos de guarda contra o falso humanismo, desprezador da divina sabedoria da Bíblia, dando vantagem ao paganismo. E acrescentemos, à sua bagagem literária, hinos ou laudes em italiano. Terminados os estudos na universidade de Paris, entregou-se ao ministério da palavra na Itália, sobretudo em Veneza, onde lhe aconteceu muitas vezes, durante a Quaresma, pregar duas vezes por dia. Na catedral de Florença , expôs, aproximando-as do Novo Testamento, as regras do direito que se encontram no livro VI das Decretais. Falou, diante duma multidão enorme, à razão de duas conferências por dia. O Beato Raimundo de Cápua, mestre geral dos Pregadores, animou-o a restaurar a estrita observância nos conventos dominicanos da Itália. Por morte de Inocêncio VII, Florença mandou-o ao conclave, a fim de exortar os cardeais a trabalharem eficazmente na paz da Igreja desolada pelo grande cisma. O novo PapaGregório XII, nomeou Joãocardeal de S. Sixto e arcebispo de Ragusa. Mas, como Gregório tinha jurado não criar novos cardeais, para facilitar o fim do cisma, alguns acharam estranha a elevação do pregador e lançaram-se em guerra contra o novo prelado. O dominicano, mantendo-se embora fiel a Gregório, exortava-o a que aceitasse a sua abdicação para o bem da paz. Mas não deixou o partido de Gregório quando o concílio de Pisa se pronunciou contra este pontífice. O Papa enviou-o em missões diplomáticas longínquas: elas não eram, porém, puro descanso, e teve mesmo de se disfarçar para fugir à morte nas suas viagens. Por fim, no Concílio de ConstançaGregório abdicou e João renunciou ao seu cardinalato. Mas o concílio manteve no lugar o nosso herói. O novo Papa, Martinho V, enviou Dominici como legado na Boémia e na Hungria: tinha de organizar a luta contra a heresia hussita. Nada conseguiu ele na Boémia, exasperada com a execução do seu profeta, João Huss. E o legado passou para a Hungria, onde pouco depois morreu, a 10 de Junho de 1419, em Buda. O seu culto foi confirmado por Gregório XVI, a 9 de Abril de 1832. Do livro SANTOS DE CADA DIA de www.jesuitas.pt Ver também http://es.catholic.net/santoral e www.santiebeati.it

Eduardo Juan María Poppe, Beato
Eduardo Juan Maria Poppe, Beato

Martirológio Romano: Na cidade de Moerzeke-les-Termonde, perto de Gante, na Bélgica, beato Eduardo Poppe, presbítero, que com seus escritos e sua pregação propagou por Flandres, em tempos difíceis, a formação cristã e a devoção à Eucaristia (1924). Etimologicamente: João = Deus é misericordioso, é de origem hebraica. Nació en Moerzeke, Bélgica, en el seno de una familia muy devota el 18 de Diciembre de 1890. En mayo de 1909 ingresa en el seminario de San Nicolás, en Waas, donde se distingue por su gran deseo de "...realizar del modo más perfecto la voluntad de Dios". En septiembre de 1910 es llamado al ejército y ahí inicia sus estudios de filosofía. Al estallar la Primera Guerra Mundial (1914-1918) es reclutado como enfermero, donde da muestras de caridad hasta el grado de enfermar de fatiga. Estando en el ejército recibe la orden sacerdotal en 1916 e inicia su labor pastoral como vice-párroco de la iglesia de Santa Coleta (Gante), ubicada en un barrio obrero. Ahí da muestra de ejemplar virtud al atender y socorrer a pobres, marginados, moribundos y niños. Su fortaleza espiritual la adquiere al pasar mucho tiempo ante el Sagrario. Al final de la Primera Guerra Mundial, por motivos de salud, se vio obligado a dejar su parroquia, trasladándose a la zona rural, donde fue capellán de una comunidad religiosa. Se dedicó a la contemplación, al estudio, a predicar en la región de Flandes y a escribir ensayos contra el marxismo, el materialismo y la secularización. Fue creador de métodos apostólicos de vanguardia, asimismo, promovió asociaciones sacerdotales, de seglares, de renovación litúrgica y de catequesis, entre otras. Forma un Circulo del Catecismo, así como una Liga de Comunión. Confesor y predicador incansable, exclamó, ante la pregunta de un sacerdote al verle frente al altar: "...le estoy haciendo compañía a Nuestro Señor. Me encuentro demasiado cansado para hablarle, así que estoy descansando a su lado". De gran influencia en su vida sacerdotal, fue la visita que realizó en 1920 a la tumba de Santa Teresita del Niño Jesús, la carmelita de Lisieux, de esta religiosa aprendió a profundizar su vida espiritual. En 1922 viaja a Leopoldsburgo, en donde se encargó de los clérigos de todo el país que realizaban el servicio militar. Extenuado, muere debido a los continuos ayunos y penitencias, así como por su ardua labor catequética.  Juan Pablo II 1o beatifica el 3 de octubre de 1999, afirmando que el Beato Eduardo Poppe: "...consagró su vida a Cristo en el ministerio sacerdotal. Se convierte hoy en modelo para los sacerdotes.

Enrique de Bolzano, Beato
Enrique de Bolzano, Beato

Nascido em Bolzano pelo ano 1250, levou a dura vida de um pobre artesão sapateiro. Numa data não muito precisa mudou-se para Treviso com sua mulher e filho. Em seus últimos anos viveu numa pobreza extrema e aceitando esmola. Tanto em Bolzano como em Treviso foi notória suas contínuas visitas à igreja (em Treviso visitava todas as igrejas da cidade todos os dias) sendo ainda um ávido assistente à Missa. Mais admirável todavia era sua vida penitente: dormia numa cama dura, usava roupas ásperas e realizava longas vigílias de oração. Quando morreu, completamente só em seu quarto no ano 1315, os trevisanos diziam que havia morrido um santo. A seus funerais assistiram muitíssimas pessoas que foram testemunhas de grandes prodígios. Durante todo o ano posterior a sua morte milhares de peregrinos visitavam a cidade, um bispo do comité investigador registou em muito pouco tempo trezentos quarenta e seis milagres, a maior parte foram curas contadas por testemunhas oculares. Um deles foi o biógrafo do Beato EnriquePier Domenico di Baone, que logo seria bispo de Treviso. O culto do Beato Enrique foi aprovado em 23 de Julho de 1750 pelo Papa Bento XIV, para a diocese de Treviso, e posteriormente Pío VII, o aprovou para lá de Trento.

Bogumilo de Gniezno, Santo
Bogumilo de Gniezno, Santo

Martirológio Romano: Em Dobrowo, em Polónia, morte de são Bogumilo, bispo de Gniezno, que, depois de renunciar a sua sede, levou neste lugar vida eremítica, consumado por sua austeridade (1182) Después de las numerosas instancias realizadas en los siglos XVII y XVIII, iniciadas por el arzobispo Matteo Lubienski (1641-52), la papa Pío XI aprobó con el decreto firmado el 27 mayo de 1925 el culto al beato Bogumilo y estableció que Polonia lo recuerde el día 10 junio. El centro del culto a Bogumilo, ya existente en el siglo XV, era la iglesia parroquial del Santísima Trinidad en Dobrowo, dónde se encontraba su tumba. Los primeros documentos de ese culto son los decretos de los años 1443 y 1462, emanados por los arzobispos de Gniezno para reglamentar la concurrencia «al tumbam S. Bogumili». Aproximadamente en el año 1580, ejecutando el «recognitio corporis», se encontraron en la tumba el cayado pastoral y el anillo que certificaban su dignidad episcopal, dignidad que también es sustentada en los cuadros de la iglesia de Dobrowo, en los que Bogumilo es representado como obispo con la mitra, el cayado pastoral y usando el hábito camaldulense, por lo que se arguye que pertenecía a esa orden. Una biografía, escrita en Dobrowo alrededor de 1584, que nos informa que Bogumilo era descendiente de la familia de san Adalberto, se cuenta que fue arzobispo de Gniezno en los años 1170-82, pero que, por presiones de los poderosos señores de la zona, renunció a la dignidad episcopal retirándose a una ermita, dónde finalizó sus días, luego de haber donado sus bienes a Dobrowo, a las aldeas circunstante y a los Cistercienses, Orden a la que perteneció su hermano Bogufal. Es natural que Bogumilo también fuera venerado en aquella orden, de modo particular en Koronowo. En este lugar fue redactada otra biografía, según la cual Bogumilo fue arzobispo de Gniezno en los años 1167 -72. Por esta fuente sabemos que él nació en Kozmin en el año 1116, hizo los primeros estudios en Gniezno bajo la tutela de su tío, el arzobispo Giovanni, terminando sus estudios en París. De regreso en Polonia, destinó una parte de sus bienes a la construcción de la iglesia a Dobrowo. Recomendado por su tío, fue ordenado. Al principio fue el párroco de su ciudad natal, y posteriormente pasó a ser el decano de Gniezno, luego de la muerte de su tío el año 1167, lo sucede él en la cátedra episcopal. Dotado del espíritu contemplativo, aspiró poder seguir las huellas de san Romualdo. Conseguido el consentimiento del papa Alejandro III, renunció a la dignidad arzobispal y se retiró a un lugar desierto cerca de Dobrowo, dónde murió el 10 junio de 1182, confortado por una visión de la Virgen. Su cuerpo, primero enterrado en la iglesia de Dobrowo, fue trasladado en 1668 a Uniejów donde es venerado. Se cree que esta biografía puede fundamentarse en un documento de 1232 en el que el príncipe Vladimiro Odonicz confirmó a los Cistercienses de Sulejów la posesión de las tierras en Dobrowo y aldeas aledañas, que fueran donadas por el arzobispo Bogumilo a su hermano Bogufal y pasados por lo tanto al obispo Cristiano, cisterciense, quien los cedió a la abadía de Sulejów. La dificultad en poder dar credibilidad los datos de estas biografías, consiste en el hecho que ni Dlugosz en su trabajo «Vitae archiepiscoporum atque episcoporum universi Regni Poloniae». Ni los anuncios necrológicos citan algún Bogumilo en la sede de Gniezno en esa época. De hecho, en los años 1153-99, la sede episcopal fue ocupada por Juan Zdzislao y Pedro. Algún historiador identifica a Bogumilo con Pedro: de hecho, Bogumilo sería, la variación eslava del nombre. También Pedro desciende de la familia de san Adalberto y tenía sus bienes en los alrededores del río Warta. Esta hipótesis, sin embargo, se contradice por la circunstancia eremítica de vida de Bogumilo, los datos indican que el arzobispo Pedro murió el 19 de agosto, mientras ocupaba aún la sede episcopal, no se lo menciona como ermitaño ni como ex arzobispo, y además, según un documento de 1219, este Pietro era director del monasterio de San Vicente en Wroclaw y pertenecía a la familia Labeclz (Labendz). Algún otro identifica al beato de Dobrowo con el arzobispo Bogumilo que murió en 1092, asumiendo su cargo en 1080, tras haber sucedido a Gregorio VII: teoría que demolería la tradición cisterciense. Otros, en cambio, como Martinus Baronius, Abraham Bzowski y el camaldulense Taddeo Mini, confunden a Bogumilo con Wloscibor que debía ser y nunca fue arzobispo; ya que, habiendo sido elegido en el año 1279, éstos, elegidos por el capítulo en el año 1279, inmediatamente fue desterrado por el príncipe Przemyslaw II y, después de haber renunciado a la dignidad episcopal, murió en un monasterio próximo a Dobrowo. Pero también esta hipótesis tiene errores: en la historia de los obispos de Gniezno del siglo XIII no se menciona a Bogumilo. La teoría más probable parece la de Pietro David, según la cual el ermitaño de Dobrowo no había sido nunca arzobispo, tan sólo un abad benedictino a Mogilno, muerto el 28 noviembre de 1179. Él habría renunciado a su dignidad como abad y pasó el resto de su vida en una ermita. Su nombre señalaría la afiliación a la familia de san Adalberto y sus bienes estaban en las proximidades de Dobrowo. También es fácil de explicar la transformación del abad en arzobispo, confirmado por la tradición. responsável da tradução: Xavier Villalta

Eustaquio (José) Kugler, Beato
Eustáquio (José) Kugler, Beato

Ni el miedo frente a la presión nazi ni el rechazo a las personas discapacitadas que se vivía en su país con el Nacionalsocialismo de Hitler pudieron apagar la intensa espiritualidad y el amor a los limitados físicos que tuvo el hermano Eustaquio Kugler. La diócesis de Regensburg celebra su beatificación este domingo, en una ceremonia presidida por monseñor Angelo Amato, prefecto de la Congregación para la Causa de los Santos y enviado por el papa Benedicto XVI. Su nombre de pila era José. A los 16 años, mientras trabajaba en una construcción, cayó de un andamio, a la altura de 4 metros y tuvo una distorsión en el pie y una herida que lo hicieron cojear toda su vida. El hermano Kugler, (1867 – 1946) ingresó a los 26 años a la orden de San Juan de Dios, luego de haber entrado en contacto con esta comunidad durante la construcción de un hospital en Reichenbach (Alemania). Durante casi toda su vida religiosa fue prior de diversas comunidades y de su Provincia religiosa. Cargo al que era reelegido por voluntad de los propios miembros de la orden de San Juan de Dios. Tenía un gran sentido de la justicia y un talento para la organización. Bajo su mando estaban 16 hospitales con 2.500 personas asistidas. En 1929 se inauguró un magno hospital (masculino y femenino) con su iglesia en Regensburg, en honor a San Pío V. Se preocupó que se atendieran principalmente a los pobres. Escribió los criterios para acompañar a los enfermos en los hospitales que se rigen en la actualidad. Aún con esta responsabilidad, pasaba las noches caminando por los pasillos del hospital velando por las necesidades de los enfermos, desde las más pequeñas.  “Los que trabajamos en el campo de la discapacidad sabemos que las personas se abren sólo con quienes tienen el corazón abierto hacia ellas. El hermano Eustaquio Kugler, fue un gran modelo de este enfoque”, afirma Ubli Doblinger, actual responsable de la pastoral del centro para personas discapacitadas de Reichenbach, en un video editado por Max Kronawitter.  Para el postulador de su beatificación, el hermano Félix Lizaso, Kugler vivió su llamado en medio de dos importantes pilares: “Una realidad existencial profunda en la comunidad, con una vida de fe y espiritualidad y una vida de entrega a los enfermos”, dijo en diálogo con Zenit. Como muchas otras órdenes religiosas y la misma Iglesia, los hermanos de San Juan de Dios eran acechados por los nazis. También lo eran los mismos enfermos que ellos atendían. Muchos fueron deportados ya que los nazis los consideraban un tumor para la sociedad, pero el hermano Kugler puso todo su empeño por salvarlos de la cámara de gas. El 17 de agosto de 1943 hubo un gran bombardeo sobre Ratisbona. Los alrededores del hospital fueron destruidos. En cambio, este centro de salud quedó intacto. “Podemos decir que aquí hay un santo, que nos ha salvado de la guerra y de las bombas”, decía un pastor evangélico. Cuenta el padre Lizaso que un día Hitler pasó frente al hospital. Todos corrieron a asomarse a las ventanas para verlo. El hermano Kugler en cambio, no quiso mirarlo y decía a sus hermanos “nuestro Fuhrer vive ahí”, señalándoles el sagrario. “Nunca iba a ningún sitio si no era con el rosario en la mano. Era un hombre muy recto. Con espíritu de oración, de recogimiento, de humildad”, asegura su postulador. Sufrió mucho por la devastación nazi. Soportó más de 30 interrogatorios de la Gestapo. Fue tal su impresión que durante uno de estos cayó desmayado.  “Además de no delatar a ningún hermano, ni a otras personas, mantuvo gran silencio en su comunidad sobre los interrogatorios y trato recibido. Ni se quejó ni insultó a los policías” testimonia Lizaso. Hubo hermanos que abandonaron la orden, deslumbrados por las ideologías nazis. Esto golpeó profundamente a Eustaquio. Pero guardando la calma, se refería a los nazis diciendo: “Esos árboles no crecerán hasta el cielo”. “No era una persona de oficiales estudios teológicos, pero sí de una espiritualidad ascética profunda, una innegable vivencia mística por su vida interior y profundidad de fe, que acompañaba a sus actos en auténtica respuesta de amor a Dios”, asegura su postulador. El hermano Kugler murió en 1946 de un tumor en el estómago. Han pasado más de 60 años después de su tránsito. Hoy sus hermanos, así como miles de fieles en Regensburg admiran de él su sencillez, su sabiduría y su espíritu de servicio. Fue beatificado el 4 de octubre de 2009 durante el pontificado de S.S. Benedicto XVI. Está disponible en el sitio web de la Orden Hospitalarioa San Juan de Dios un hermoso vídeo sobre el Beato Eustaquio.


ORACIÓN
Me dirijo confiadamente a ti, oh mi Dios, Padre, Hijo y Espíritu Santo, admirado por el ejemplo extraordinario de fe y entrega de tu fiel Siervo Eustaquio Kugler, que consagró enteramente su vida al servicio de la caridad, por amor, en favor de los enfermos y desprotegidos. Su ejemplo de vida santa y de servicio total a la hospitalidad estimula mi fe y mi confianza en ti, para pedirte, por su intercesión, esta intención personal... que ahora te indico. Haz que, favorecido por tu bondad, yo te reconozca como mi Dios y Señor y que tu Siervo Eustaquio Kugler sea glorificado para nuestro ejemplo e intercesión. Por Jesucristo nuestro Señor. Amén

Si usted tiene información relevante para la canonización del Beato Eustaquio, contacte a:  Frt. Félix Lizaso Berruete, OH  Barmherzigen Brüder - Bayerische Ordensprovinz. Südliches Schlosondell 5  80638 München, ALEMANIA www/es.catholic.net/santoral e www.jesuitas.pt e www.santiebeati.it.

=================================


  • Nossa Senhora de Fátima, pediu aos Pastorinhos
  • “REZEM O TERÇO TODOS OS DIAS”
  • aos-ps-de-mARIA22222222222222
  • /////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////
  • NOTA:
  • Como decerto hão-de ter reparado, são visíveis algumas mudanças na apresentação deste blogue (que vão continuar… embora não pretenda eu que seja um modelo a seguir, mas sim apenas a descrição melhorada daquilo que eu for pensando dia a dia para tentar modificar para melhor, este blogue). Não tenho a pretensão de ser um “Fautor de ideias” nem sequer penso ser melhor do que outras pessoas. Mas acho que não fica mal, cada um de nós, dar um pouco de si, todos os dias, para tentar deixar o mundo um pouco melhor do que o encontramos, quando nascemos e começamos depois a tomar consciência do que nos rodeia. No fim de contas, como todos sabemos, esta vida é uma passagem, e se Deus nos entregou o talento para o fazer frutificar e não para o guardar ou desbaratar, a forma que encontrei no “talento” de que usufruo, é tentar fazer o melhor que posso, aliás conforme diz o Evangelho.
    A PARTIR DE HOJE AS PÁGINAS SERÃO NUMERADAS PELA ORDEM ABAIXO INDICADA:
    Pág. 1 – Vidas de SantosPág. 2 – O Antigo Testamento; e Pág. 3 – ENCONTRO DIÁRIO COM DEUS - Além disso, semanalmente (ao Domingo e alguns dias santificados – quando for caso disso –) a Pág. 4 – A Religião de Jesus; e a Pág. 5 - Salmos) e, ainda, ao sábado, a Pág. 6 – In Memoriam.


  • 00000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000




  • 00000000000000000000000000000000000000000000000000000000
  • Localização geográfica da sede deste Blogue, no Porto
  • Viso---mapa_thumb_thumb_thumb_thumb_[2]
  • ===================================
  • 0000000000000000000000000000000000000000000000
  • $$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$SS



  • DIA DE PORTUGAL, DE CAMÕES E DAS COMUNIDADES - 10-6-13,

    Felizmente, nem os "inteligentes" da troika, nem o Governo Português se lembrou de acabar com este Feriado - pelo menos, por agora  - em Portugal, por isso festejaremos esta data.
    Curiosamente, em Lisboa e arredores, este ano, (e a modos de vingança...) os lisboetas terão praticamente UMA SEMANA DE FERIADOS CONTÍNUA, ou seja, anteontem foi sábado, ontem Domingo, hoje é o dia de Portugal, amanhã é Terça-feira e se calhar muita gente não trabalha, Quarta-feira é véspera de Santo António e Quinta-feira, dia 13. Depois vem sexta-feira e logo a seguir sábado e outra vez Domingo. Vai ser um "fartote". 
    Como é que o Senhor Vítor Gaspar irá descalçar esta bota? 
    É bem feito, mandou acabar 
    com o dia do Corpo de Deus (além do Dia de Todos os Santos), dia 5 de Outubro e dia 1º de Dezembro) e em troca tem que aguentar com 9 dias de feriado... em Lisboa, pelo menos.


    DIA DE PORTUGAL, DE CAMÕES E DAS COMUNIDADES PORTUGUESAS

    250PX-~1

    Luís Vaz de Camões (Lisboa[?], c. 1524 — Lisboa, 10 de junho de 1580) foi um célebre poeta de Portugal, considerado uma das maiores figuras da literatura em língua portuguesa e um dos grandes poetas do Ocidente.
    Luís de Camões representava o génio da pátria na sua dimensão mais esplendorosa, significado que os republicanos atribuíam ao 10 de Junho, apesar de nos primeiros anos da república ser um feriado exclusivamente municipal. Com o 10 de Junho, os republicanos de Lisboa tentaram invocar a glória das comemorações camonianas de 1880, uma das primeiras manifestações das massas republicanas em plena monarquia[1].
    Pouco se sabe com certeza sobre a sua vida. Aparentemente nasceu em Lisboa, de uma família da pequena nobreza. Sobre a sua infância tudo é conjetura mas, ainda jovem, terá recebido uma sólida educação nos moldes clássicos, dominando o latim e conhecendo a literatura e a história antigas e modernas. Pode ter estudado na Universidade de Coimbra, mas a sua passagem pela escola não é documentada. Frequentou a corte de Dom João III, iniciou a sua carreira como poeta lírico e envolveu-se, como narra a tradição, em amores com damas da nobreza e possivelmente plebeias, além de levar uma vida boémia e turbulenta. Diz-se que, por conta de um amor frustrado, se autoexilou em África, alistado como militar, onde perdeu um olho em batalha. Voltando a Portugal, feriu um servo do Paço e foi preso. Perdoado, partiu para o Oriente. Passando lá vários anos, enfrentou uma série de adversidades, foi preso várias vezes, combateu bravamente ao lado das forças portuguesas e escreveu a sua obra mais conhecida, a epopeia nacionalista Os Lusíadas. De volta à pátria, publicou Os Lusíadas e recebeu uma pequena pensão do rei Dom Sebastião pelos serviços prestados à Coroa, mas nos seus anos finais parece ter enfrentado dificuldades para se manter.
    Logo após a sua morte a sua obra lírica foi reunida na coletânea Rimas, tendo deixado também três obras de teatro cómico. Enquanto viveu queixou-se várias vezes de alegadas injustiças que sofrera, e da escassa atenção que a sua obra recebia, mas pouco depois de falecer a sua poesia começou a ser reconhecida como valiosa e de alto padrão estético por vários nomes importantes da literatura europeia, ganhando prestígio sempre crescente entre o público e os conhecedores e influenciando gerações de poetas em vários países. Camões foi um renovador da língua portuguesa e fixou-lhe um duradouro cânone; tornou-se um dos mais fortes símbolos de identidade da sua pátria e é uma referência para toda a comunidade lusófona internacional. Hoje a sua fama está solidamente estabelecida e é considerado um dos grandes vultos literários da tradição ocidental, sendo traduzido para várias línguas e tornando-se objeto de uma vasta quantidade de estudos críticos.

    250px-Flag_of_Portugal_svg


    Dia de Portugal, de Camões e das Comunidades Portuguesas, celebrado a 10 de Junho, é o dia em que se assinala a morte de Luís Vaz de Camões em 1580, e também um feriado nacional de Portugal.
    Durante o regime ditatorial do Estado Novo de 1933 até à Revolução dos Cravos de 25 de Abril de 1974, era celebrado como o Dia da Raça: a raça portuguesa ou os portugueses.
    Na sequência dos trabalhos legislativos após a Proclamação da República Portuguesa de 5 de Outubro de 1910, foi publicado um decreto em 12 de Outubro estipulando os feriados nacionais. Alguns feriados foram eliminados, particularmente os religiosos, de modo a diminuir a influência da igreja católica[1] e laicizar a sociedade.
    Neste decreto ficaram consignados os feriados de 1 de JaneiroDia da Fraternidade Universal31 de Janeiro, que evocava a revolução falhada do Porto, e portanto foi consagrado aos mártires da República; 5 de OutubroDia dos heróis da República1 de Dezembro, o Dia da Autonomia (Restauração da Independência) e o Dia da Bandeira; e 25 de Dezembro, que passou a ser considerado o Dia da Família, tentando também laicizar a festa religiosa do Natal.[1]
    O decreto de 12 de Junho dava ainda a possibilidade de os municípios e concelhos escolherem um dia do ano que representasse as suas festas tradicionais e municipais. Lisboa escolheu para feriado municipal o 10 de Junho, em honra de Camões, uma vez que a data é apontada como sendo a da morte do poeta que escreveu Os Lusíadas.[1]

     

    Monumento a Luís de Camões em Lisboa

    Dia da Raça e Dia das Comunidades

    10 de Junho começou a ser particularmente exaltado com o Estado Novo, o regime instituído em Portugal em 1933 sob a direcção de António de Oliveira Salazar. Foi a partir desta época que o dia de Camões passou a ser festejado a nível nacional. A generalização dessas comemorações deveu-se bastante à cobertura dos meios de comunicação social[1].
    Durante o Estado Novo, o 10 de Junho continuou sendo o Dia de Camões. O regime apropriou-se de determinados heróis da república, não no sentido laico que os republicanos pretendiam, mas num sentido nacionalista e de comemoração colectiva histórica e propagandística[1].
    Até ao 25 de Abril de 1974, o 10 de Junho era conhecido como o Dia de Camões, de Portugal e da Raça, este último epíteto criado por Salazar na inauguração do Estádio Nacional do Jamor em 1944. A partir de 1963, o 10 de Junho tornou-se numa homenagem às Forças Armadas Portuguesas, numa exaltação da guerra e do poder colonial[1]. Com uma filosofia diferente, a Terceira República converteu-o no Dia de Portugal, de Camões e das Comunidades Portuguesas em 1978.
    http://pt.wikipedia.org/wiki/Dia_de_Portugal

    COMPILAÇÃO E TRANSCRIÇÃO DESTES TEXTOS ATRAVÉS DA WIKIPEDIA, POR

    ANTÓNIO FONSECA
    10-6-13