OS MEUS DESEJOS PARA TODOS

RecadosOnline.com

quinta-feira, 2 de abril de 2015

Nº 2341 - 2 ª PÁGINA - O ANTIGO TESTAMENTO - LIVRO DE JEREMIAS - (32) - 2 DE ABRIL DE 2015 - 7º ANO

Caros Amigos:
Desejo que o


ANO DE 2015

seja especial para todos vós,
tal como o desejo para mim.




O ANTIGO TESTAMENTO

2 DE ABRIL DE 2015

Nº 2341 - 2 ª PÁGINA
antoniofonseca1940@hotmail.com

Caros Amigos:



«IDE POR TODO O MUNDO E ENSINAI TODOS OS POVOS», 

pelos meios de que disponho. 

Durante esta transcrição tenho aprendido muita coisa que desconhecia e, que de certeza, também era e é desconhecida de muitos milhões de almas por este mundo fora. 
Não chego a todos, evidentemente, mas nem que consiga apenas tocar no coração de um só, 
sentir-me-ei compensado. 
Até que DEUS o permita vou continuar esta descrição e espero completá-la no pleno uso das minhas faculdades.
Obrigado a todos os que me seguem.

Sigamos, então, em frente:


miscelania 002

Mapa Antigo de ISRAEL - ANTIGO TESTAMENTO

miscelania 124
























Em cima mapas após a saída do Egipto e após a independência em 1948





Jerusalém actual

****************************************************
Caros Amigos:
Terminada no (dia 28-2-2015)
a transcrição do livro da PROFECIA DE ISAÍAS 
exactamente como tinha previsto na Véspera do dia da NATIVIDADE DO SENHOR - (DIA 24/12)/2014) e agora início um novo livro o de JEREMIAS com a respectiva Introdução e Resumo, ficando por isso a faltar menos 1 livro até ao fim.
 ASSIM DEUS ME AJUDE. a terminar esta tarefa.
Apesar de continuar a ser um trabalho cansativo e que requer muita disposição de espírito e muito cuidado na transcrição de todas as palavras que contêm os textos que me propus levar a cabo. Não fora as frequentes e malfadadas avarias que têm causado muitas interrupções no meu computador, possivelmente estaria já um pouco mais adiantado, embora soubesse à partida que iria ser uma tarefa bastante difícil para levar a cabo com os poucos conhecimentos técnicos que possuo, para não falar da idade, que conforme é sabido e Graças a Deus, atingi no passado dia 20 de Fevereiro os 75 anos - tudo isso tem sido ultrapassado com a Sua ajuda e a minha Fé em que poderei terminar esta tarefa – dure o tempo que durar, – pois Deus me tem dado Saúde e Força para a continuar.
Como já tive oportunidade de dizer anteriormente continuo a mencionar  os Livros já publicados e os que faltam, em cada dia.
Assim, pois já foram aqui publicados até agora, os textos dos seguintes livros:

GÉNESIS, ÊXODO, LEVÍTICO, NÚMEROS, DEUTERONÓMIO, constantes do PENTATEUCO, JOSUÉ, JUÍZES, RUTE, 1º e 2º de SAMUEL, 1º Reis e 2º Reis, 1º e 2º dos Paralipómenos ou Crónicas, ESDRAS, NEEMIAS, TOBIAS, JUDITE, ESTER, 1º dos MACABEUS, 2º dos MACABEUS (Livros históricos); JOB, SALMOS, PROVÉRBIOS, ECLESIASTES, CÂNTICO DOS CÂNTICOS, SABEDORIA, ECLESIÁSTICO (Livros Sapienciais ), ISAÍAS,

Faltando, pois publicar, os seguintes:

  JEREMIAS, JEREMIAS – Lamentações, BARUC, EZEQUIEL, DANIEL, OSEIAS, JOEL, AMÓS, ABDIAS, JONAS, MIQUEIAS, NAUM, HABACUC, SOFONIAS, AGEU, ZACARIAS e MALAQUIAS (Profetas).

Como dizia nas edições anteriores,
Poderei porventura dar conta do recado? 
Se calhar, não! Só Deus o sabe e decerto providenciará o que lhe aprouver! 
Sei, no entanto que se poderá dizer: trata-se de uma  tarefa ciclópica, impossível., etc.., para os minha IDADE, e, SE CALHAR, É… 
Continuo a desconhecer se conseguirei executar esta tarefa e sei os limites que poderão antepor-se-me, mas CREIO EM DEUS TODO-PODEROSO que não me desamparará em ocasião alguma. Com Fé e perseverança tudo se consegue e portanto irei até onde Deus me permitir, rezando todos os dias para que eu possa Evangelizar com os meios que tenho à disposição, durante o tempo que Deus Nosso Senhor Jesus Cristo entender.
Se no entanto, o vier a conseguir, darei muitas Graças a Deus.

»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»»


Como afirmei inicialmente, Envolvi-me nesta tarefa, pois considero ser um trabalho interessante, pois servirá para que vivamos mais intensamente a Vida de Jesus Cristo que se encontra sempre presente na nossa existência, mas em que poucos de nós (eu, inclusive) tomam verdadeira consciência da sua existência e apenas nos recordamos quando ouvimos essas palavras na celebração dominical e SOMENTE quando estamos muito atentos, – o que se calhar, é raro, porque não acontecendo assim, não fazemos a mínima ideia do que estamos ali a ouvir e daí, o desconhecimento da maior parte dos cristãos do que se deve fazer para seguir
caminho até Ele.


Como Jesus Cristo disse, aos Apóstolos, no dia da sua Ascensão ao Céu:

IDE POR TODO O MUNDO E
ENSINAI  TODOS OS POVOS”.

É apenas isto realmente, que eu estou tentando fazer. AF.


+++++++++++++++++++++++

Mãos à obra, pois, continuemos:

ANTIGO TESTAMENTO


Profeta JEREMIAS



O profeta Jeremias (na frente) feito em pedra sabão por Aleijadinho 




PROFECIA DE JEREMIAS


*********************************************************


32

O PROFETA COMPROU UM  CAMPO 
POR ORDEM DO SENHOR

Palavra que foi dirigida a Jeremias pelo Senhor, no décimo ano do reinado de Sedecias, rei de Judá, que corresponde ao ano décimo oitavo do reinado de Nabucodonosor. 

exército do rei da Babilónia sitiava Jerusalém, e o profeta estava detido no cárcere do palácio real. 
Sedecias, rei de Judá, mandara-o prender, dizendo-lhe: 
«Por que profetizas desta forma?
Oráculo do Senhor
vou entregar esta cidade ao rei da Babilónia que se apoderará dela. 
E Sedecias, rei de Judá, não de livrará das mãos dos caldeus, mas cairá sob o poder do rei da Babilónia, e falará com ele boca a boca, e os seus olhos verão os dele. 
Sedecias será levado para a Babilónia, e ali permanecerá, até que Eu o visite - oráculo do Senhor -. 
Se entrardes em guerra com os caldeus, nada conseguireis»
Jeremias recebeu a palavra do Senhor, que lhe disse: 
«Eis que virá Hanameel, filho do teu tio Selum, a fim de te propor a compra do campo que tem em Anatot, porque tens prioridade na compra, por razão do parentesco». 
Hanameel, meu primo, veio portanto, procurar-me no cárcere, como o Senhor tinha anunciado. 
E disse-me: «Compra o meu campo de Anatot, na terra de Benjamim, porque compete-te a ti, por direito de herança, resgatá-lo. Compra-o, portanto». 
Compreendi que isto era a vontade do Senhor, e comprei o campo a meu primo Hanameel, de Anatot, pagando-lhe dezasseis siclos de prata. 
Lavrei, então, uma escritura, selei-a, chamei testemunhas, e pesei o dinheiro na balança. Tomei, a seguir, a escritura de venda selada, em que figuravam as cláusulas e estipulações do contrato, assim como a sua cópia aberta
Entreguei tudo a Baruc, filho de Néria, filho de Maasias, em presença de Hanameel, meu primo, das testemunhas signatárias do acto de venda e de todos os judeus que estavam no átrio da prisão. 
E dei esta ordem a Baruc, diante deles, dizendo:  
Assim fala o Senhor dos exércitos, o Deus de Israel
Toma estes documentos, esta escritura de venda selada e esta cópia aberta, e mete-os numa vasilha de barro, a fim de que se conservem por muito tempo. 
Porque, eis o que diz o Senhor dos exércitos, o Deus de Israel
Ainda se hão-de comprar casas, campos e vinhas desta terra». 
Depois que entreguei a Baruc, filho de Néria, o contrato de venda, dirigi ao Senhor esta oração: 
Ah! Senhor Deus, fostes Vós que fizestes o céu e a terra com a força do Vosso braço. 
Nada Vos é impossível. 
Concedeis os Vossos favores a milhares e castigais os filhos por causa dos pecados dos seus pais, ó Deus grande e poderoso, cujo nome é Senhor do Exércitos
Sois grande nos Vossos desígnios, poderoso nas Vossas realizações, os Vossos olhos estão abertos sobre todos os destinos dos homens, para retribuírdes a cada um segundo os seus actos e  os frutos do seu proceder. 
Vós que realizastes milagres e prodígios na terra do Egipto, e depois, até ao dia de hoje, em Israel e em todos os homens, e conquistastes, um nome glorioso, como tendes ainda hoje.
Vós que fizestes sair do Egipto o Vosso povo com prodígios e milagres e com a acção poderosa do Vosso braço, espalhando o terror por toda a parte (DT 4, 34). 
Vós que lhes destes esta terra, como tínheis prometido com juramento a seus pais, terra que mana leite e mel (Ex 3, 8)! 
 Eles entraram nesta terra e dela tomaram posse, mas não ouviram a Vossa voz, nem observaram a Vossa lei, não cumpriram nada do que lhes impusestes. 
Por isso, caíram sobre eles todas estas calamidades. 
Eis que as máquinas de guerra dos inimigos estão levantadas contra a cidade, a fim de a assaltarem
A cidade vai ser entregue nas mãos dos atacantes caldeus, pela espada, pela fome e pela peste. 
O que predissestes, realizou-se. 
Vêde! Não obstante, Vós, Senhor Javé, dissestes-me que comprasse o campo a peso de dinheiro, perante testemunhas, quando a cidade está prestes a cair nas mãos dos caldeus!».


Resposta do Senhor profetizando a destruição de Jerusalém



Foi dirigida a palavra do Senhor a Jeremias, nestes termos: 
«Eu sou, em verdade, o Senhor, e Deus de todas as criaturas. 
Haverá pois coisa alguma que Me seja impossível ? 
Portanto, isto diz o Senhor. 
Vou entregar esta cidade nas mãos dos caldeus e nas mãos de Nabucodonosor, rei da Babilónia, que a tomará. 
Os assaltantes caldeus penetrarão na cidade, pôr-lhe-ão fogo e incendiarão as casas, sobre cujos tectos foram feitos sacrifícios a Baal e libações a deuses estranhos, para Me irritarem. 
Porque os filhos de Israel e de Judá, outra coisa não fizeram, desde a sua juventude, senão o mal diante dos Meus olhos, sim, os israelitas só praticaram o que Me é odioso - oráculo do Senhor
Esta cidade, desde o dia em que foi construída até hoje, tornou-se objecto do Meu furor e da Minha indignação, de sorte que a afasto da Minha presença, por causa de todo o mal cometido pelos filhos de Judá e de Jerusalém. 
Voltaram-Me as costas, em vez de Me olharem. 
Admoestei-os constantemente, mas eles recusaram os Meus avisos. 
E colocaram no templo os seus ídolos abomináveis, e profanaram o lugar em que o Meu nome é invocado. 
Levantaram altares a Baal no vale do filho de Hinon, para aí queimarem os filhos e as filhas em honra de Moloc, coisa que nunca lhes mandei, nem Me passou pela mente, cometer semelhantes abominações e tornar Judá culpada de tal crime (Lc 18, 21)! 
Agora por causa disto, assim diz o Senhor, Deus de Israel, a esta cidade, da qual vós dizeis que será entregue nas mãos do rei da Babilónia, pela espada, pela fome e pela peste. Vou reunir os habitantes de todas as terras, para onde os exilei no Meu furor, na Minha ira, na Minha grande indignação: conduzi-los-ei a este lugar, a fim de que nela habitem em segurança.
 Eles serão o Meu povo, e Eu serei o seu Deus. 
Dar-lhes-ei um só coração e um mesmo destino, para que sempre Me reverenciem, para seu bem e para bem dos seus descendentes. 
Farei com eles uma aliança eterna e não deixarei de lhes fazer bem; infundirei no seu coração o Meu temor para que não se afastem de Mim. 
A Minha alegria será fazer-lhes bem; estabelecê-los-ei solidamente nesta terra, com toda a Minha alma e com todo o Meu coração
Porque isto diz o Senhor: Assim como fiz vir sobre este povo esta grande calamidade, também farei vir sobre ele todo o bem que lhe prometo. 
Serão comprados campos nesta terra, da qual dizem ser um deserto sem homens, nem animais, entregue nas mãos dos caldeus. 
E serão comprados por dinheiro e registados em escrituras seladas perante testemunhas, na terra de Benjamim, nos arredores de Jerusalém, nas cidades de Judá, nas montanhas, nas planícies e no Negeb, porque Eu mudarei a sorte dos cativos - oráculo do Senhor.



===============================================

+++++++++++++++++++++++++++++++++++


000000000000000000000000000000000000000000000

Local onde se processa este Blogue



miscelania 003

********************************

00000000000000000000000000000
Este texto deverá ser publicado em
2 de ABRIL de 2015







http://es.catholic.net; http://santiebeati.it; http://jesuitas.pt; http://bibliaonline.com.br/acf; http://wikipedia.org

Nº 2342 - (92-2015) 1ª PÁGINA - SANTOS DE CADA DIA - 2 de Abril de 2015 - 7º ANO

Caros Amigos:
Desejo a todos os meus leitores

UM BOM ANO DE 2015

 Nº 2342 - (92-2015) 1ª PÁGINA

2 de Abril de 2015

SANTOS DE CADA DIA

7º ANO
miscelania 125 miscelania 008miscelania 125
LOUVADO SEJA NOSSO SENHOR JESUS CRISTO
**********************************************************
Comemorar e lembrar os
Santos de Cada Dia
é dever de todo o católico,
assim como procurar seguir os seus exemplos.
___________________________________________________________________________
===========================================


===========================================




QUINTA-FEIRA SANTA
CEIA DO SENHOR

A ceia da Páscoa nos tempos de Jesus

Há milhares de anos, os judeus viviam na terra de Canaã, mas sobreveio uma grande carestia e tiveram de se mudar para viver no Egipto, onde o faraó lhes deu umas terras férteis onde puderam viver, graças à influência de um judeu chamado José, conhecido como o Sonhador.

Depois de muitos anos, os israelitas se multiplicaram muitíssimo no Egipto e o faraó teve medo de que se rebelassem contra seu reino. Ordenou matar a todos os meninos varões israelitas, afogando-os no rio Nilo. Moisés logrou sobreviver a essa matança, pois sua mãe o pôs numa canastra no rio e foi recolhido pela filha do faraó.
O faraó converteu em escravos aos israelitas, encomendando-lhes os trabalhos mais pesados.

Deus elegeu Moisés para que libertasse o seu povo da escravidão. Como o faraó não acedia em libertá-los, Deus mandou cair dez pragas sobre o Egipto.

A última dessas pragas foi a morte de todos os primogénitos do reino.
Para que a praga não caísse sobre os israelitas, Deus ordenou a Moisés que cada um deles marcasse a porta de sua casa com o sangue de um cordeiro e deu-lhe instruções específicas para isso: Na ceia, cada família devia comer inteiro um cordeiro assado sem partir os ossos. Não deviam deixar nada porque no dia seguinte já não estariam aí. Para acompanhar o cordeiro deviam comê-lo com pão ázimo e ervas amargas. As ervas amargas ajudaría a que tivessem menos sede, já que teriam que caminhar muito no deserto. O pão ao não ter levedura não se faria duro e o podiam levar para comer no caminho. Mandou que comessem de pé e vestidos de viagem, com todas suas coisas prontas, já que tinham que estar preparados para sair quando os avisassem.

No dia seguinte, o primogénito do faraó e de cada um dos egípcios amanheceu morto. Isto fez com que o faraó acedesse a deixar os israelitas em liberdade e estes saíram a toda a pressa de Egipto. O faraó cedo se arrependeu de os ter deixado ir e enviou a todo seu exército para os trazer de novo. Deus ajudou a seu povo abrindo as águas do mar Vermelho para que passassem e as fechou no momento em que o exército do faraó intentou passar.

Desde esse dia os judeus começaram a celebrar a Páscoa na primeira lua cheia de primavera, que foi quando Deus os ajudou a libertar-se da escravidão no Egipto.
Páscoa quer dizer “passagem”, ou seja, a passagem da escravidão para a  liberdade. A passagem de Deus por suas vidas.

Os judeus celebram a Páscoa com uma ceia muito parecida à que tiveram seus antepassados na última noite que passaram no Egipto.

A festa da Páscoa se chamava “Pesaj” e celebrava-se em recordação da libertação do povo judeu da escravidão de Egipto. Isto o faziam ao chegar a primavera, de 15 a 21 do mês hebreu de Nisán, na lua cheia.
(transcrição do texto de http:es.catholic.net - tradução de António Fonseca)

FRANCISCO DE PAULA, Santo

Eremita fundadora da Ordem dos Mínimos - Calábria - Itália - (1507)

São FRANCISCO DE PAULA, eremita, fundador da Ordem dos Mínimos, na Calábria, região de Itália. Prescreveu aos seus discípulos que vivessem de esmolas, não tivessem nada próprio nem tocassem o dinheiro e tomassem sempre só os alimentos quaresmais. Chamado pelo rei de França Luís XI para visitar a corte régia, assistiu-lhe à morte e faleceu em Plessis, próximo de Tours, com a fama de grande austeridade de vida.

ANFIANO ou APIANO, Santo

Mártir - Cesareia da Palestina - (306)

TEODORA, Santa

Virgem de Tiro - Cesareia da Palestina  - Mártir  -  (307)

ABÚNDIO, Santo

Bispo de Como - Ligúria - Lombardia - Itália - (468)


VÍTOR, Santo

Bispo- Cápua - Campânia - Itália - (554)


NICÉCIO, Santo

Bispo - Lião - Gália hoje França - (573) 


EUSTÁSIO, Santo

Abade do mosteiro de Luxeuil - Borgonha - França - (629)


JOÃO PAINE, Santo

Presbitero e mártir - Chelmsford - Inglaterra - (1582)


PEDRO CALUNGSOD, Santo
DIOGO LUÍS DE SAN VÍTORES, Beato

Presbiteros da Companhia de jesus e mártires - Tomhom - Guam - Oceânia - (1672)


LEOPOLDO DE GAICHE, Beato

Presbitero da Ordem dos Frades Menores - Spoleto - Úmbria - Itália - (1815)


DOMINGOS TUOC, Santo

Presbitero da Ordem dos Pregadores e mártir - Xuong Dien - Tonquim - Vietname - (1839)

ISABEL VENDRAMINI, Beata

Virgem e fundadora do Instituto das Irmãs Isabelinas da Ordem Terceira de São Francisco - Pádua - Véneto - Itália - (1860)

FRANCISCO COLL Y GUITART, Santo

Presbítero da Ordem dos Pregadores que foi expulso injustamente do claustro de Vich - Catalunha - Espanha - (1875)

GUILHERME APOR, Beato

Bispo e mártir - Gyor - Hungria - (1945)

NICOLAU CARNECKYI, Beato

Bispo e mártir - L'viv - Ucrânia - (1959)

MARIA DE SÃO JOSÉ ALVARADO 
(Laura Alvarado Cardozo), Beata

Virgem e fundadora da Congregação das Agostinhas Recoletas do Sagrado Coração - Maracay Venezuela - (1967)

JOÃO PAULO II, Santo

Juan Pablo II, Siervo de Dios

CCLXIV  Papa (2005)




Karol Wojtyla nasce em 18 de Maio de 1920, em Wadowice, a uns poucos quilómetros de Cracóvia, uma importante cidade e centro industrial ao norte da Polónia.
Seu pai, um homem profundamente religioso, era militar de profissão. Enviuvou quando Karol contava apenas com nove anos. Dele - segundo seu próprio testemunho - recebeu a melhor formação: «Bastava o seu exemplo para inculcar disciplina e sentido do dever. Era uma pessoa excepcional».
De jovem o interesse de Karol dirigiu-se para o estudo dos clássicos, gregos e latinos. Com o tempo foi crescendo nele um singular amor à filologia: em princípios de 1938 muda-se com seu pai para Cracóvia, para matricular-se na universidade Jaghellonica e cursar ali estudos de filologia polaca.
Sem embargo, com a ocupação da Polónia por parte das tropas de Hitler, facto acontecido em 1 de Setembro de 1939, seus planos de estudar filología se veriam definitivamente truncados.Nesta difícil situação, e com o fim de evitar a deportação para a AlemanhaKarol busca um trabalho. É contratado como operário numa cantera de pedra, vinculada a uma fábrica química, de nome Solvay.
Também naquela difícil época Karol iniciava-se no "teatro da palavra viva", uma forma muito singela de facer teatro: a actuação consistia essencialmente na recitação de um texto poético. As representações se realizavam na clandestinidade, num círculo muito íntimo, pelo risco de ver-se submetidos a graves sanções por parte dos nazis.
Outra importante ocupação de Karol por aquela época era a ajuda eficaz que prestava às famílias judias para que pudessem escapar da perseguição decretada pelo regime nacional-socialista. Pondo em risco sua própria vida, salvaria a vida de muitos judeus.
A princípios de 1941 morre seu pai. Karol contava por então com 21 anos de idade. Este doloroso acontecimento marcará um hiato importante no caminho de sua própria vocação: «depois da morte de meu pai - dirá o Santo Padre em diálogo com André Frossard -, pouco a pouco fui tomando consciência de meu verdadeiro caminho. Eu trabalhava na fábrica e, na medida em que o permitia o terror da ocupação, cultivava o meu gosto às letras e à arte dramática. Minha vocação sacerdotal tomou corpo no meio de tudo isto, como um facto interior duma transparência indiscutivel e absolutaNo ano seguinte, no Outono, sabia já que havia sido chamadoVia claramente que era o que devia abandonar e o objectivo que devia alcançar "sem olhar para trás"Seria sacerdote».
Havendo escutado e identificado com claridade o chamado do SenhorKarol empreende o caminho de sua preparação para o sacerdócio, ingressando ao seminário clandestino de Cracóvia, em 1942. Dadas as sempre difíceis circunstâncias, o facto de seu ingresso no seminário - que se havia estabelecido clandestinamente na residência do Arcebispo Metropolitano, futuro Cardeal Adam Stepan Sapieha - devia ficar ena mais absoluta reserva, pelo que não deixou de trabalhar como operário em Solvay. Anos de intensa formação transcorreram na clandestinidade até 18 de Janeiro de 1945, quando os alemães abandonaram a cidade ante a chegada da "armada vermelha".
Em 1 de Novembro de 1946, festa de Todos os Santos, chegou o dia ansiado: pela imposição das mãos de seu BispoKarol participava desde então - e para sempre - do sacerdócio do Senhor. De imediato o padre Wojtyla foi enviado a Roma para continuar no Angelicum seus estudos teológicos.
Dois anos mais tarde, culminados excelentemente os estudos previstos, volve à sua terra natal: «Regressava de Roma a Cracóvia - disse o Santo Padre em Dom e Mistério - com o sentido da universalidade da missão sacerdotal, que seria magistralmente expresso pelo Concílio Vaticano IIsobretudo na Constituição dogmática sobre a IgrejaLumen gentium. Não só o Bispomas também cada sacerdote deve viver a solicitude por toda a Igreja e sentir-se, de algum modo, responsável dela».
Como Vigário foi destinado à paróquia de Niegowic, onde além de cumprir com as obrigações pastorais próprias da paróquia, assumiu o ensino do curso de religião en cinco escolas elementares.
Passado un ano foi transferido para a paróquia de S. Florián. Entre seus novos trabalhos pastorais lhe tocou fazer-se encarregado da pastoral universitária de Cracóvia. Semanalmente ia dissertando - para a juventude universitária - sobre temas básicos que tocavam os problemas fundamentais sobre a existência de Deus e a espiritualidade do ser humano, temas que eram necessários aprofundar junto com a juventude no contexto do ateísmo militante, imposto pelo regime comunista de turno no governo de Polónia.
Dois anos depois, em 1951, o novo Arcebispo de Cracóvia, mons. Eugeniusz Baziak, quis orientar o labor do padre Wojtyla mais além da investigação e da docência. Não sem um grande sacrifício de sua parte, o padre Karol teve de reduzir notavelmente o seu trabalho pastoral para dedicar-se ao ensino de Ética e Teologia Moral na Universidade Católica de Lublín. A ele se encomendou a cátedra de Ética. Seu labor docente o exerceu posteriormente também na Faculdade de Teologia da Universidade Estatal de Cracóvia.
Nomeado Bispo pelo Papa Pio XII, foi consagrado em 23 de Setembro de 1958. Foi então destinado como Bispo auxiliar na diocese de Cracóvia, ficando a cargo da mesma em 1964. Dois anos depois, a diocese de Cracóvia seria elevada ao grau de Arquidiocese pelo Papa Paulo VI.
Seu labor pastoral como Bispo esteve marcada por sua preocupação e cuidado para com as vocações sacerdotais. Neste sentido, seu infatigável labor apostólico e seu intenso testemunho sacerdotal deram lugar a uma abundante resposta de muitos jovens que descobriram o seu chamado ao sacerdócio e tiveram a coragem de segui-lo.
Assim mesmo, já desde então destacava entre suas grandes preocupações a integração dos laicos nas tarefas pastorais.
Mons. Wojtyla terá uma activa participação no Concilio Vaticano II. Além de suas intervenções, que foram numerosas, foi eleito para formar parte de três comissões: Sacramentos e Culto Divino, Clero e Educação Católica. Assim mesmo formou parte do comité de redacção que teve a seu cargo a elaboração da Constituição Pastoral Gaudium et spes.
É criado Cardeal pelo Papa Paulo VI em 1967, um ano chave para a Igreja peregrina em terras polacas. Foi então que a Sede Apostólica pôs em marcha sua conhecida Ostpolitik, dando início a um importante "degelo" a nível das frias relações entre a Igreja e o Estado comunista. O flamante Cardeal Wojtyla assumiria um importante papel neste diálogo, e  sem dúvida respondeu a esta difícil e delicada tarefa com muita coragem e habilidade. Sua postura - a postura em representação da Igreja - era a mesma que havia sido tomada também por seus exemplares predecessores: a defesa da dignidade e direitos de toda a pessoa humana, assim como a defesa do direito dos fieis a professar livremente a sua fé.
Sua sagacidade e tenacidade lhe permitiram obter também outras significativas vitórias: após largos anos de esforços, contra a persistente oposição das autoridades, teve o grande gozo de inaugurar uma igreja em Nowa Huta, uma "cidade piloto" comunista. Os muros desta igreja, qual símbolo silencioso e eloquente da vitória da Igreja sobre o regime comunista, haviam sido levantados com mais de dois milhões de pedras talhadas voluntariamente pelos cristãos de Cracóvia.
Enquanto a pastoral de sua arquidiocese, em contínuo crescimento de cuidado plantava ao Cardeal muitos direitos. Ele motivou a que com habitual frequência reunisse o seu presbitério para analizar as diversas situações, com o objecto de responder adequada e eficazmente aos desafios que se iam apresentando.
Em 1975 assiste ao III Simpósio de Bispos Europeus. Ali é nele que se confia a colocação introdutória: «O Bispo como servidor da fé». Esse mesmo ano dirige os exercícios espirituais para Sua Santidade Paulo VI e para a Cúria vaticana. As práticas que deu naquela ocasião foram publicadas num livro intitulado Sinal de contradição.
João Paulo II. Sucessor de Pedro
Eleito pontífice em 16 de Outubro de 1978, escolheu os mesmos nomes que havia tomado o seu predecessor: João Paulo. Numa formosa e profunda reflexão, deixa pública em sua primeira encíclica (Redemptor hominis), dirá o mesmo sobre o significado deste nome:
«era o dia 26 de Agosto de 1978, quando ele (o então eleito Cardeal Albino Lucianideclarou ao Sacro Colégio que queria chamar-se João Paulo um binómio deste género não tinha precedentes na história do Papadodivisei nele um auspício eloquente da graça para o novo pontificado. Dado que aquele pontificado durou apenas 33 diasme toca a mim não só continuá-lo mas também, em certo modo, assumi-lo desde o seu mesmo ponto de partida. Isto precisamente ficou corroborado pela minha eleição daqueles dois nomes. Com esta eleição, seguindo o exemplo de meu venerado Predecessordesejo igualmente expressar meu amor pela singular herança deixada à Igreja pelos Pontífices João XXIII e Paulo VI e ao mesmo tempo meu pessoal disponibilidade a desenvolvê-la com a ajuda de DeusAtravés destes dois nomes e dois pontificados ligados com toda a tradição desta Sede Apostólica, com todos os Predecessores do século XX e dos séculos anteriores, enlaçando sucessivamente, ao largo das distintas épocas até as mais remotas, com a linha da missão e do ministério que confere a Sede de Pedro um posto absolutamente singular na IgrejaJoão XXIII e Paulo VI constituem uma etapa, a que desejo referir-me directamente como a umbral, a partir do qual quero, em certo modo em união com João Paulo I, prosseguir até ao futuro, deixando-me guiar pela confiança ilimitada e pela obediência ao Espírito que Cristo há prometido e enviado a sua Igreja (...). Com plena confiança no Espírito de Verdade entro pois na rica herança dos recentes pontificados. Esta herança está vigorosamente enraízada na consciência da Igreja de um modo totalmente novo, jamais conhecido anteriormente, graças ao Concílio Vaticano II».

"Não tenhais medo"
Foram estas as primeiras palavras que S. S. João Paulo II lançou ao mundo inteiro desde a Praça de S. Pedro, naquela memorável homília celebrada com ocasião da inauguração oficial de seu pontificado, em 22 de Outubro de 1978. E são certamente estas mesmas palavras as que há feito ressoar uma e outra vez nos corações de inumeráveis homens e mulheres de nosso tempo, alentando-nos - sem cair em pessimismos nem ingenuidades - a não ter medo "a verdade de nós mesmos", medo "do homem nem do que ele há criado": «"não tenhais medo de vós mesmos"». Desde o início de seu pontificado há sido esta sua firme exortação a confiar no homem, desde a humilde aceitação de sua contingência e também de seu ser pecador, mas dirigindo desde ali o olhar ao único horizonte de esperança que é o Senhor Jesus, vencedor do mal e do pecado, autor de uma nova criação, de uma humanidade reconciliada por sua morte e ressurreição. Seu chamado é, por isso mesmo, um chamado a não ter medo a abrir de par em par as portas ao Redentor, tanto dos próprios corações como também das diversas culturas e sociedades humanas.
Este chamado que há dirigido a todos os homens deste tempo, é por sua vez uma enorme exigência que ele mesmo se impôs amorosamente. Com efeito, «o Papa - disse ele de si mesmo -, que começou Seu pontificado com as palavras "Não tenhais medo"procura ser plenamente fiel a tal exortação, e está sempre disposto a servir o homem, as nações, e a humanidade inteira no espírito desta verdade evangélica».
Desde "um país longínquo"
«Chamaram-me de uma terra distante, distante mas sempre próxima na comunhão da Fé e Tradição cristãs». Foram estas, no início de seu pontificado, as palavras do primeiro Papa não italiano desde Adriano VI (1522).
João Paulo II nasceu em Polónia, uma extraordinária nação que por sua fidelidade à fé, posta no crisol da prova muitas vezes, chegou a ser considerada como um "baluarte da cristandade", do "Semper fidelis" com que orgulhosamente qualificam os católicos polacos a sua pátria. A personalidade de S. S. João Paulo II está selada pela identidade e cultura próprias de sua Polónia natal: uma nação con raízes profundamente católicas, cuja unidade e identidade, mais que em seus limites territoriais, se encontra em sua história comum, em sua língua e na fé católica.
Sua origem, ao mesmo tempo, o une aos povos eslavos, evangelizados faz onze séculos pelos santos irmãos Cirilo e Metódio. Será casualmente «recordando a inestimável contribuição dada por eles à obra do anúncio do Evangelho naqueles povos e, ao mesmo tempo, a causa da reconciliação, da convivência amistosa, do desenvolvimento humano e do respeito à dignidade intrínseca de cada nação», que sua S. S. João Paulo II proclamou aos santos Cirilo Metódio co-patronos de Europa, junto a S. Bento. A eles, está dedicada sua formosa encíclica Slavorum apostoli, em que faz explícita esta gratidão: «se sente particularmente obrigado a ele o primeiro Papa chamado à sede de Pedro desde Polónia e, portanto, de entre as nações eslavas».

Uma nação provada na sua fé

"O novo Papa era um homem que havia podido conhecer «desde dentro, os dois sistemas totalitários que hão marcado tragicamente nosso século: o nazismo de uma parte, com os horrores da guerra e dos campos de concentração, e o comunismo, de outra, com seu regime de opressão e de terror». Ao largo daqueles anos de prova, a personalidade de Karol foi forjada no crisol da dor e do sofrimento, sem perder jamais a esperança, nutrida na fé. Esta experiência vivida em sua juventude nos permite compreender sua grande «sensibilidade pela dignidade de toda pessoa humana e pelo respeito de seus direitos, começando pelo direito à vida». Sua encíclica Evangelium vitae é a expressão magisterial mais firme e acabada desta profunda sensibilidade humana e pastoral.
Graças àquelas dramáticas experiências que viveu naqueles tempos terríveis «é fácil entender também minha preocupação pela família e pela juventude». Esta preocupação, por sua parte, teve a sua mais ampla expressão magisterial na encíclica Familiaris consortio.

Improntas do pontificado de João Paulo II

A vida cristã e a TrindadeDeus é Pai, Filho e Espírito Santo
Papa João Paulo II quis fazer evidente desde o início do seu pontificado a relação existente - ainda que talvez tantas vezes esquecida ou relegada - da vida da Igreja (e de cada um de seus filhos) com a Trindade, dedicando suas primeiras encíclicas a aprofundar em cada uma das três pessoas da Trindade: uma a Deus Pai, rico em misericórdia (1980); outra ao Filho, Redentor do mundo (1979); e outra ao Espírito SantoSenhor e dador de vida (1986). Este é o mistério central da fé cristã: Deus é um só, mas à vez três Pessoas. Recorda assim as bases da verdadeira fé, e com ela o fundamento da autêntica vida da Igreja e de cada um de seus filhos: em efeito, não se entende a vida do cristão se não é em relação com Deus, PaiFilho e Espírito SantoComunhão de Amor.

"Totus Tuus"... um Papa selado pelo amor à Mãe
Totus Tuus, o Todo teu (com evidente referência a Maria), foi o lema eleito por Sua Santidade João Paulo II ao assumir o leme da barca de Pedro. Deste modo se consagrava a Ela, se acolhia a seu terno cuidado e intercessão, convidando-a a selar com sua amorosa presença maternal a inteira trajectória de seu pontificado. Por ocasião da Eucaristia celebrada em 18 de Outubro de 1998, aos vinte anos de sua eleição e aos 40 anos de haver sido nomeado bispo, reiterará na Praça de S. Pedro esse "Totus Tuus" ante o mundo católico.
Em outra ocasião havia dito o mesmo com respeito a esta frase: «Totus TuusEsta fórmula não tem somente um carácter piedoso, não é uma simples expressão de devoção: é algo mais. A orientação até uma devoção tal se afirmou em mim no período em que, durante a Segunda Guerra Mundial, trabalhava como operário em uma fábrica. Num primeiro momento me havia parecido que devia afastar-me um pouco da devoção mariana da infância, em benefício de um cristianismo cristocêntrico. Graças a S. Luís Grignon de Montfort compreendi que a verdadeira devoção à Mãe de Deus é, sem embargo, cristocéntrica, mais ainda, que está profundamente radicada no Mistério trinitário de Deuse nos mistérios da Encarnação e a RedençãoAssim pois, redescobri com conhecimento de causa a nova piedade mariana, e esta forma madura de devoção à Mãe de Deus me há seguido através dos anos: seus frutos são a Redemptoris Mater e a Mulieris dignitatem».
Outro sinal de seu amor filial a Santa Maria é seu escudo pontifício: sobre um fundo azul, uma cruz amarela, e sob o madeiro horizontal direito, uma "M", também amarela, representando a Mãe que estava "ao pé da cruz", onde - no dizer de S. Paulo - em Cristo estava Deus reconciliando o mundo consigo. En sua surpreendente simplicidade, seu escudo é, pois, uma clara expressão da importância que o Santo Padre lhe reconhece a Santa Maria como eminente cooperadora na obra da reconciliação realizada por seu Filho.
Seu escudo se alça ante todos como uma perene e silenciosa profissão de um amor terno e filial à Mãe do Senhor Jesus, e à vez, é um constante convite a todos os filhos da Igreja para que reconheçamos seu papel de cooperadora na obra da reconciliação, assim como sua dinâmica função maternal para com cada um de nós. Com efeito, «entregando-se filialmente a Maria", o cristão, como o apóstolo João, "acolhe entre suas coisas próprias" Mãe de Cristo e a introduz em todo o espaço de sua vida interior, é dizer, no seu "eu" humano e cristão: "A acolheu em sua casa". Assim o cristão, trata de entrar no raio de acção daquela "caridade materna", com que a Mãe do Redentor "cuida dos irmãos de seu Filho", "a cuja geração e educação coopera" segundo a medida do dom, própria de cada um pela virtude do Espírito de Cristo. Assim se manifesta também aquela maternidade segundo o espírito, que há chegado a ser a função de Maria aos pés da Cruz e no cenáculo».
O aprofundamento da teologia e da devoção mariana - em fiel continuidade com a ininterrupta tradição católica - é uma impronta muito especial da pessoa e pontificado do Santo Padre.

Homem do perdão; apóstolo da reconciliação

Talvez muitos jovens desconheçam o atentado que o Santo Padre sofreu aquele já longínquo 13 de Maio de 1981, às mãos de um jovem turco, de nome Alí Agca. Então, guardando-o milagrosamente da morte, se manifestou a Providência divina que concedia a seu eleito uma invalorável ocasião para experimentar en si mesmo a dor e sofrimento humano - físico, psicológico e também espiritual - para poder melhor associar-se à cruz do Senhor Jesus e solidarizar-se mais ainda com tantos irmãos doentes. Fruto desta experiência vivida com um profundo horizonte sobrenatural será sua formosa Carta Apostólica Salvifici doloris.

Aquele facto foi também uma magnífica oportunidade para mostrar ao mundo inteiro que ele, fiel discípulo ol Mestre, é um homem que não só chama a viver o perdão e a reconciliação, mas que ele mesmo o vive: uma vez recuperado, num gesto autenticamente cristão e de enorme grandeza de espírito, o Santo Padre se acercou a seu agressor - recluso na prisão - para oferecer-lhe o perdão e constituir-se ele mesmo num testemunho vivo de que o amor cristão é maior que o ódio, de que a reconciliação - ainda que exigente - pode ser vivida, e de que este é o único caminho capaz de converter os corações humanos e de trazer-lhes a paz tão ansiada.

Servidor da comunhão e da reconciliação

O desejo de convidar a todos os homens a viver um processo de reconciliação com Deus, com os irmãos humanos, consigo mesmos e com a inteira obra da criação deu pé a numerosas exortações neste sentido. Ocupa um singular lugar sua Exortação Apostólica Post-Sinodal Reconciliatio et paenitentiae - sobre a reconciliação e a penitência na missão da Igreja hoje (se nutre da reflexão conjunta que fizeram os bispos do mundo reunidos en Roma no ano 1982 para a VI Assembleia Geral do Sínodo de Bispos)-, e tem um peso singularmente importante a declaração que fizera no Congresso Eucarístico de Téramo, o 30 de Junho de 1985: «Pondo-me à escuta do grito do homem e vendo como manifesta nas circunstâncias da vida uma nostalgia de unidade com Deus, consigo mesmo e com o próximo, hei pensado, por graça e inspiração do Senhor, propor com força esse dom original da Igreja que é a reconciliação».

A preocupação social de S.S. João Paulo II

A encíclica Centesimus annus, que comemora o centésimo ano desde o início formal do Magistério Social Pontificio com a publicação de encíclica Rerum novarum de S.S. León XIII, se há constituído no último grande aporte de S.S. João Paulo II no que toca ao dito Magistério. Nela escrevia: «... desejo antes de tudo satisfazer a divida de gratidão que a Igreja inteira h contraído com o grande Papa (León XIII) e com seu "imortal Documento". É também meu desejo mostrar como a rica seiva, que sobe desde aquela raiz, não se esgotou com o passo dos anos, mas que, pelo contrário,se fez mais fecunda».

Indubitavelmente enriquecido por sua própria experiência como operário, e em sua particular cercania com seus companheiros de labuta, a grande preocupação social do actual Pontífice já havia encontrado outras duas ocasiões para manifestar-se ao mundo inteiro no que toca ao magistério: a encíclica Laborem exercens, sobre o trabalho humano, e a encíclica Sollicitudo rei socialis, sobre os problemas actuais do desenvolvimento dos homens e dos povos.

A nova evangelização: tarefa principal da Igreja

Desde o início de seu pontificado o Papa João Paulo II tem estado empenhado em chamar e comprometer a todos os filhos da Igreja na tarefa de uma nova evangelização: «nova em seu ardor, em seus métodos, em sua expressão».

Mas, como recorda o Santo Padre, «se a partir da Evangelii nuntiandi se repete a expressão nova evangelização, isso é somente no sentido dos novos reptos que o mundo contemporâneo apresenta à missão da Igreja» ... «Há que estudar a fundo - disse o Santo Padre - en que consiste esta Nova Evangelização, ver seu alcance, seu conteúdo doutrinal e implicações pastorais; determinar os "métodos" mais apropriados para os tempos en que vivemos; buscar uma "expressão" que a acerque mais à vida e às necessidades dos homens de hoje, sem que por ele perca nada de sua autenticidade e fidelidade à doutrina de Jesus e à tradição da Igreja».

Nesta tarefa o Papa João Paulo II tem uma profunda consciência da necessidade urgente do apostolado dos laicos na Igreja, preocupação que se reflete claramente na sua Encíclica Christifideles laici e no impulso que surgiu dando ao desenvolvimento dos diversos Movimentos eclesiais. Por isso mesmo, na tarefa da nova evangelização «a Igreja trata de tomar uma consciência mais viva da presença do Espírito que actua nela (...) Um dos dons do Espírito a nosso tempo é, certamente, o florescimento dos movimentos eclesiais, que desde o início de meu pontificado hei assinalado e sigo assinalando como motivo de esperança para a Igreja e para os homens».

Mas S.S. João Paulo II não entende a nova evangelização simplesmente como uma "missão hacia afuera": a missão hacia adentro (é dizer, a reconciliação vivida no âmbito interno da mesma Igreja) há sido também destacada pelo Santo Padre como uma urgente necessidade e tarefa, pois ela é um sinal de credibilidade para o mundo inteiro. Desde esta perspectiva há que compreender também o forte empenho ecuménico alentado pelo Santo Padre, muito na linha.

"Que todos sejam um"

O Santo Padre, como Cristo o Senhor faz dois mil anos, segue elevando também hoje ao Padre esta fervente súplica: «¡Que todos sejan um (Ut unum sint)… para que o mundo creia!». Como incansável artesão da reconciliação, o actual Sucessor de Pedro há vindo trabalhado desde o início de seu pontificado por lograr a unidade e reconciliação de todos os cristãos entre si, sem que ele signifique de nenhum modo claudicar a Verdade: «O diálogo - disse Sua Santidade aos bispos austríacos, em 1998 -, a diferença de uma conversação superficial, tem como objectivo o descobrimento e o reconhecimento comum da verdade. (…) A fé viva, transmitida pela Igreja universal, representa o fundamento do diálogo para todas as partes. Quem abandona esta base comum elimina de todo diálogo na Igreja a possibilidade de converter-se em diálogo de salvação. (…) ninguém pode desempenhar sinceramente um papel num processo de diálogo se não está disposto a expor-se à verdade e a crescer nela».

Renovado impulso à catequese
Como disse o Santo Padre, a Encíclica Redemptoris missio quer ser - depois de Evangelii nuntiandi - «uma nova síntese de ensino sobre a evangelização do mundo contemporâneo». Por outro lado, a Exortação Apostólica Catechesi tredendae é uma tentativa - já desde o início de seu pontificado - de dar um novo impulso ao labor pastoral da catequese. O Santo Padre, desde que assumiu seu pontificado, tem mantido as catequeses de quarta-feira iniciadas por seu predecessor Paulo VI. Nelas há desenvolvido principalmente o conteúdo do "Credo". Neste mesmo sentido o Catecismo da Igreja Católica -aprovado pelo Santo Padre em 1992 - quis ser «o melhor dom que a Igreja pode fazer a seus Bispos e a todo o Povo de Deus», tendo em conta que é um «valioso instrumento para a nova evangelização, onde se compendia toda a doutrina que a Igreja tem de ensinar».

Com S.S. João Paulo II até ao terceiro milénio

Papa João Paulo II, mediante sua Carta apostólica Tertio millenio adveniente, convidou a toda cristandade a preparar-se para o que será uma grande celebração e comemoração: três anos hão sido dedicados por desejo explícito do Sumo Pontífice à reflexão e aprofundamento em torno a cada uma das Pessoas divinas do Mistério da Santíssima Trindade: 1997 foi dedicado ao Filho, 1998 ao Espírito Santo e 1999 ao Pai. Deste modo a Igreja se prepara a celebrar com um grande Jubileu os dois mil anos do nascimento de Jesus Cristo, o Filho eterno do Pai que - de Maria Virgem e por  obra do Espírito Santo - «nasceu do Povo eleito, em cumprimento da promessa feita a Abraão e recordada constantemente pelos profetas».

Dele, e do cristianismo, nos recordamos na sua mesma Carta ao Papa: «Estes (os profetas de Israel) falavam em nome e em lugar de Deus. (…) Os livros da Antiga Aliança são assim testemunhas permanentes de uma atenta pedagogia divina. Em Cristo esta pedagogia alcança sua meta: Ele não se limita a falar "em nome de Deus" como os profetas, mas que é Deus mesmo quem fala no seu Verbo eterno feito carne. Encontramos aqui o ponto essencial pelo que o cristianismo se diferencia das outras religiões, nas que desde o princípio se expressou a busca de Deus por parte do homem. O cristianismo começa com a Encarnação do Verbo. Aqui não é só o homem quem busca a Deus, mas que é Deus quem vem em Pessoa a falar de sí ao homem e a mostrar-lhe o caminho pelo qual é possível alcançá-lo. (…) O Verbo Encarnado é, pois, o cumprimento do anseio presente em todas as religiões da humanidade: este cumprimento é obra de Deus e vai mais além de toda a expectativa humana».

Este acontecimento histórico central para a humanidade inteira, acontecimento porque Deus que se faz homem para dizer «a palavra definitiva sobre o homem e sobre a história», é o que a Igreja se prepara a celebrar com um grande Jubileu, e deste modo se prepara a transpor o umbral do novo milénio. Sua Santidade, o "doce Cristo sobre a terra", como ícone visivel do Bom Pastor vai à cabeça da Igreja que peregrina neste tempo de profundas transformações, constituindo-se para todos seus filhos e filhas que com valor querem escuta-lo e segui-lo, em rocha segura e guia firme … "¡Não tenhais medo!"… são as palavras que também hoje brotam com insistência dos lábios de Pedro, homem de frágil figura, mas eleito e fortalecido por Deus para suster o edifício da Igreja toda com uma fé firme e uma esperança invencível.

(O que se segue é um artigo intitulado «S. S. João Paulo II: "Profeta do sofrimento"», cujo autor é Mons. Cipriano Calderón Polo)

«S. S. João Paulo II, é nesta etapa final do segundo milénio, o Pastor universal do povo de Deus, guia segura para atravessar o "umbral da esperança" que nos introduzirá no terceiro milénio da evangelização...

«¿Como se apresenta ao mundo de hoje o Papa esta encruzilhada decisiva da história? «Sua imagem característica é agora a de profeta do sofrimento, um sacerdote, um evangelizador que realiza em sua amável pessoa a doutrina que ele mesmo explicou na carta apostólica Salvifici doloris (11 de Fevereiro de 1984) e em tantos discursos sobre o significado da dor humana.

«João Paulo II, nas celebrações litúrgicas, nas audiências, nas viagens apostólicas, em todas as suas actividades, aparece como um ícone de sofrimento, dando à Igreja um testemunho formidável da força evangelizadora da dor física e moral.

«Em sua pessoa de Vigário de Cristo se cruzam as debilidades físicas: essas "debilidades do Papa" as que ele mesmo se referiu no dia de Natal de 1995 desde a janela de seu despacho; as penas e dores cada vez mais crescentes dos homens e mulheres de nosso tempo, de todos os povos, especialmente daqueles mais pobres de América Latina, África e Ásia; os sofrimentos de toda a Igreja, que naturalmente se acumulam no vértice da mesma. E a tudo ele se une a fadiga pastoral produzida por uma entrega sem reservas ao ministério Petrino, ao que o Papa Wojtyla segue oferecendo generosamente todas as suas energias, sem deixar-se render pela idade ou pelos quebrantos de saúde.

«O Santo Padre caminha até ao ano 2000, à frente da humanidade, levando a cruz de Jesus. Assim se parece mais com o divino Redentor.
«Ele mesmo fez notar numa alocução dominical -Ángelus- pronunciada desde o seu quarto do hospital Gemelli"¿Como me apresentarei eu agora - comentava - aos poderosos do mundo e a todo o povo de Deus? Me a presentarei com o que tenho e posso oferecer: com o sofrimento. Compreendidizia - que devo conduzir a Igreja de Cristo até ao terceiro milénio, com a oração, com múltiplas iniciativas (como a que actualmente está vivendo toda a Igreja: um triénio de preparação proposto em sua carta (Tertium millenium adveniente); mas vi que isto não basta: necessito levá-la também com o sofrimento"».
Nasceu para o Reino de Deus, em 2 de Abril de 2005, Em 28 de Junho do mesmo ano se iniciou a sua causa para a beatificação.
Oração para implorar favores por intercessão do Servo de Deus João Paulo II Oh Trindade Santa, Te damos graças por ter concedido à Igreja o Papa João Paulo II e porque nele hás reflectido a ternura de Tua paternidade, a glória da cruz de Cristo e o esplendor do Espírito de amor. Ele, confiando totalmente em tua infinita misericórdia e na maternal intercessão de Maria, nos há mostrado uma imagem viva de Jesus Bom Pastor, indicando-nos a santidade, alto grau da vida cristã ordinária, como caminho para alcançar a comunhão eterna Contigo. Concede-nos, por sua intercessão, e se é Tua vontade, o favor que imploramos, com a esperança de que seja pronto incluído no número de teus santos. Ámen.
In: http://es-catholic.net/santoral - 2-04-2009

*************************
*******************
*******************************

miscelania 004
_____________________________________

Local onde se processa este blogue, na cidade do Porto
miscelania 003

Os meus cumprimentos e agradecimentos pela atenção que me dispensarem.

ANTÓNIO FONSECA
In
MARTIROLÓGIO ROMANO da CEP – www.liturgia.pt
http://jesuitas.pt;