OS MEUS DESEJOS PARA TODOS

RecadosOnline.com

segunda-feira, 14 de setembro de 2015

Nº 2507 - (257-2015) - SANTOS DE CADA DIA - 14 DE SETEMBRO DE 2015 - 8º ANO

Caros Amigos:

Desejo a todos os meus leitores

UM BOM ANO DE 2015

Nº 2507 -  (257-2015) 

14 DE SETEMBRO DE 2015

SANTOS DE CADA DIA

8º ANO



 miscelania 008

LOUVADO SEJA NOSSO SENHOR JESUS CRISTO

**********************************************************

Comemorar e lembrar os
Santos de Cada Dia
é dever de todo o católico,
assim como procurar seguir os seus exemplos
___________________________________________________________________________
===========================================

===========================================

EXALTAÇÃO DA SANTA CRUZ

Festa da EXALTAÇÃO DA SANTA CRUZ que no dia seguinte à Dedicação da Basílica da Ressurreição, erigida sobre o sepulcro de Cristo, é exaltada e honrada como o troféu da sua vitória pascal e sinal de que há-de aparecer no céu para anunciar a todos a segunda vinda do Senhor

CORNÉLIO, Santo

Em Roma junto à Via Ápia, na cripta de Lucina do cemitério de Calisto, o sepultamento de São CORNÉLIO, papa e mártir, que se opôs tenazmente ao cisma de Novaciano e recebeu com grande caridade na comunhão da Igreja  muitos dos que tinham caído no cisma; exilado pelo imperador Galo para Civitavécchia, sofreu, segundo o testemunho de São CIPRIANO, tudo o que se podia sofrer. A sua memória celebra-se depois de amanhã, dia 16 de Setembro. (252)
CIPRIANO, Santo
Em Cartago, hoje na Tunísia, a paixão de São CIPRIANO bispo, admirável pela sua santidade e doutrina, que dirigiu excelentemente a Igreja em tempos muito adversos, encorajou os confessores da fé nas suas tribulações e, no tempo dos imperadores Valeriano e Galeno, depois de um atribulado exílio, consumou o seu martírio, diante duma grande multidão, morto ao fio da espada, por ordem do proconsul. A sua memória celebra-se depois de amanhã, 16 de Setembro. (258)
MATERNO, Santo
Em Colónia, na Germânia hoje Alemanha, São MATERNO bispo que conduziu à fé de Cristo os habitantes de Tongres, Colónia e Tréveris. (314)

JOÃO CRISÓSTOMO, Santo

Em Comana, no Ponto hoje Gumenek, Turquia, o dia natal de São JOÃO CRISÓSTOMO, cuja memória se celebrou ontem dia 12 de Setembro.(407)


PEDRO, Santo

No mosteiro de Bellevaux, Besançon, França, o passamento de São PEDRO bispo que sendo abade cisterciense foi elevado à sede episcopal de Moutiers, que dirigiu com ardente zelo, trabalhando também valorosamente pela concórdia entre os povos. (1174)


ALBERTO, Santo

Em Akko, na Palestina, Santo ALBERTO bispo que, transferido da Igreja de Vercelas para a igreja de JERUSALÉM, compôs uma regra para os eremitas do monte Carmelo e, quando celebrava a festa da EXALTAÇÃO DA SANTA CRUZ, foi passado à espada por um homem ímpio que ele tinha repreendido. (1215)

NOTBURGA, Santa

Em Ében, povoação do Tirol, hoje Áustria, Santa NOTBURGA virgem, que dedicada à vida doméstica, serviu a Cristo nos pobres, dando aos camponeses um admirável exemplo de santidade. (1313)
CLÁUDIO LAPLACE, Santo

Num barco-prisão ancorado ao largo de Rochefort - França, o Beato CLÁUDIO LAPLACE, presbitero e mártir que durante a Revolução Francesa, encerrado na galera por causa do sacerdócio, morreu contagiado por uma grave enfermidade. (1794)



GABRIEL TAURINO DUFRESSE, Santo

Em Chengdu, Sichuan, China, São GABRIEL TAURINO DUFRESSE, bispo e mártir que culminou com o martírio por decapitação a intensa actividade apostólica a que se dedicou durante quarenta anos. (1815)


SABINO AYASTUY ERRASTI, Beato
JOAQUIM OCHOA SALAZAR, Beato e
FLORÊNCIO ARNAIZ CEJUDO, Beato

Em Madrid, Espanha, os beatos SABINO AYASTUY ERRASTI, JOAQUIM OCHOA SALAZAR e FLORÊNCIO ARNAIZ CEJUDO religiosos da Companhia de Maria e mártires. (1936)


MANUEL ÁLVAREZ ÁLVAREZ, Beato
TEÓFILO MONTES CALVO, Beato

Em Madrid, Espanha,  MANUEL ÁLVAREZ ÁLVAREZ, presbitero e TEÓFILO MONTES CALVO, religioso, ambos da Ordem dos Pregadores e mártires. (1936)




»»»»»»»»»»»»»»»»
&&&&&&&&&&&
Local onde se processa este blogue, na cidade do Porto


miscelania 003


Os meus cumprimentos e agradecimentos pela atenção que me dispensarem.

Textos recolhidos

In

MARTIROLÓGIO ROMANO
Ed. Conferência Episcopal Portuguesa - MMXIII

e

sites: Wikipédia.org; Santiebeati.it; es.catholic.net/santoral e outros





Blogue: SÃO PAULO (e Vidas de Santos) http://confernciavicentinadesopaulo.blogspot.com

ANTÓNIO FONSECA

PAPA À RENASCENÇA EM ENTREVISTA - 14 DE SETEMBRO DE 2015







Papa à Renascença: "Uma Igreja que não sai mantém Jesus preso"

14 Set, 2015 - 09:00 • Aura Miguel , no Vaticano
"Se uma igreja, uma
paróquia, uma diocese, um instituto, vive fechada em si mesmo, adoece",
diz Francisco em entrevista exclusiva à Renascença. "É importante que a
catequese não seja teórica."
O Papa Francisco está preocupado com a forma como a Igreja Católica está no mundo. Na entrevista exclusiva que deu à Renascença, o Papa diz que “uma Igreja que não sai mantém Jesus preso, aprisionado”. 



Sobre o Sínodo da Família, marcado para Outubro, o Papa sublinha que
“as pessoas que vivem uma segunda união não estão excomungadas e têm de
ser integradas na vida da Igreja”.



O Papa Francisco receia que a Igreja se feche em si e não seja
missionária. Diz mesmo, que “entre uma Igreja doente e uma Igreja
acidentada”, prefere “uma acidentada”.



Para o Papa, se a Igreja se fecha em si própria, perde capacidade de acção e fica reduzida aos ritos e normas. Na entrevista à Renascença,
Francisco recorre mesmo a uma analogia para se explicar: “Se uma pessoa
tem em sua casa uma divisão, um quarto, fechado durante muito tempo,
surge a humidade, o mofo e o mau cheiro”.



Para Francisco, o mesmo acontece à Igreja: “Se uma igreja, uma
paróquia, uma diocese, um instituto, vive fechada em si mesmo, adoece
(acontece o mesmo com o quarto fechado) e ficamos com uma Igreja
raquítica, com normas rígidas, sem criatividade, segura, mais que
segura, assegurada por uma companhia de seguros, mas não segura!”



Apesar dos riscos, o Santo Padre prefere o foco da Igreja no outro.



O Papa Francisco estende a necessidade de uma Igreja no meio do mundo
a uma outra necessidade que, na sua opinião, é complementar: a da
escuta interior de Jesus. Recorrendo-se do livro do Apocalipse,
Francisco diz: “Há uma coisa linda de Jesus, creio que no segundo
capítulo (no final do primeiro ou no segundo), em que está a falar a uma
Igreja e diz: “Estou à porta e chamo” - Jesus está a bater – “Se me
abres a porta, entro e vou comer contigo”. Mas eu pergunto: quantas
vezes, na Igreja, Jesus bate à porta, mas do lado de dentro, para que O
deixemos sair a anunciar o reino? Por vezes, apropriamo-nos de Jesus só
para nós, e esquecemo-nos que uma Igreja que não está em saída, uma
Igreja que não sai, mantém Jesus preso, aprisionado.”



Na entrevista à Renascença, o Papa Francisco refere
que esta é uma das razões que o levaram a convocar o Jubileu da
Misericórdia, dizendo que “espera que muita gente sinta a Igreja como
mãe. Porque pode acontecer à Igreja o mesmo que aconteceu à Europa, não
é? Ficar demasiadamente avó, em vez de mãe, incapaz de gerar vida”,
refere o Papa Francisco.



Quem vive segunda união não está excomungado



Na entrevista à Renascença, o Papa Francisco
sublinhou a necessidade de se encontrar uma solução para as famílias que
neste momento vivem numa situação contrária às indicações da Igreja.



Citando o Papa Emérito Bento XVI, Francisco afirma que no Sínodo
sobre a Família, de Outubro, “vai-se falar de todas as possibilidades de
ajudar estas famílias. Que uma coisa fique clara – e que o Papa Bento
deixou bem esclarecido: as pessoas que vivem uma segunda união não estão
excomungadas e têm de ser integradas na vida da Igreja. Isso ficou
claríssimo”.



Francisco adianta que há vários passos que podem ser dados como o
“aproximarem-se da missa, da catequese, na educação dos filhos, nas
obras de caridade... Há mil coisas, não é?”



Neste sentido de aproximação, o Papa Francisco explicitou na entrevista à Renascença
o porquê da simplificação dos processos de nulidade de casamento na
Igreja Católica, que decidiu no âmbito do Jubileu da Misericórdia. Para o
Papa, trata-se de “simplificar... facilitar a fé às pessoas. E que a
Igreja seja mãe”.



Para Francisco, há uma necessidade de “agilizar os processos nas mãos
do bispo. Um juiz, um defensor do vínculo, só uma sentença, porque até
agora havia duas sentenças. Não, agora, é só uma. Se não houver apelo,
já está. Se houver apelo, vai para o metropolita, mas agilizar. E também
a gratuidade dos processos”, explica.



“É importante que a catequese não seja teórica”



No âmbito da visita “ad limina” dos bispos portugueses ao Vaticano, o
Papa pediu propostas convincentes para os jovens portugueses.



Na entrevista à Renascença, o Papa Francisco
concretiza o seu pensamento e fala da necessidade de uma nova catequese.
“É importante que a catequese não seja puramente teórica. Isso não
serve. A catequese é dar-lhes doutrina para a vida e, portanto, tem de
incluir três linguagens, três idiomas: o idioma da cabeça, o idioma do
coração e o idioma das mãos”.



O Papa defende que a catequese deve assumir estas linguagens para
“que o jovem pense e saiba qual é a fé, mas que, por sua vez, sinta com o
seu coração o que é a fé e, por sua vez, faça coisas. Se falta à
catequese uma destas três línguas, destes três idiomas, não avança”,
resume.



Argumenta que “a metodologia catequética, às vezes, não é completa”,
pelo que defende que é necessário “procurar uma metodologia da catequese
que junte as três coisas: as verdades que se devem crer, o que se deve
sentir e o que se faz, o que se deve fazer, tudo junto”.


O Papa Francisco defende o respeito pelos tempos dos jovens,
através de um acompanhamento “oportuno e prudente”. Para o Papa, “um
jovem é inquieto. Não quer que o incomodem e, nesse sentido, pode-se
dizer que ‘o vestido da primeira comunhão não lhes serve’. As crianças,
pelo contrário, quando vão comungar, gostam do vestido da primeira
comunhão. É uma ilusão. Os jovens têm outras ilusões que, muitas vezes,
são muito boas, mas há que respeitar, porque eles mesmos não se
entendem, porque estão a mudar, estão a crescer, estão à procura, não é?
Por isso, é preciso deixar o jovem crescer, há que o acompanhar,
respeitar e falar-lhe muito paternalmente”.
=============
ANTÓNIO FONSECA