FELIZ PÁSCOA

https://www.recadosonline.com/img-33713.html https://img1.recadosonline.com/229/127.gif

quarta-feira, 31 de maio de 2017

IGREJAS DO PORTO - NOVA PÁGINA DE 2017 - (121) - 31 DE MAIO DE 2017

Meus Amigos:

Como já afirmei aqui no passado dia 1 de Fevereiro, tomei a iniciativa de publicar aqui uma descrição das Igrejas, Capelas e Oratórios que existem na cidade do Porto. Vou-me socorrer de várias fontes, nomeadamente Wikipedia, do livro Porto e as Igrejas editado pela Câmara Municipal do Porto em 2015, e possivelmente de outras fontes. 
Não quero fazer uma enciclopédia, nem nada que se pareça e não vou fazer plágios. Sempre que publicar algo sobre este assunto, darei nota das fontes a que recorrer, respeitando sempre a deontologia e os direitos de Autor.. 
A maior parte das Igrejas e Capelas (e suas histórias) que vão ser aqui mencionadas, nunca as visitei e decerto também, muitos de vós, não conhecem. 
Apesar da minha idade - ser já um pouco avançada - e dado que publicarei diariamente apenas uma monografia (ou História), tenciono completar todo este trabalho, se Deus me der vida e saúde.

Para já vou começar este trabalho-missão, através da transcrição dos textos do Livro 
"O Porto e as Igrejas" por ordem de paróquias.



Vigararia PORTO POENTE

Paróquia DO BONFIM  -  SENHOR DO BONFIM


121.  Capela do Instituto do Doloroso Coração de Maria


Rua do Bonfim, 293






Interior da Capela do Instituto do Doloroso Coração de Maria





O Instituto do Coração Doloroso de Maria, anteriormente denominado por Instituto de Nossa senhora Rainha da Paz, situa-se na Rua do Bonfim. Existe uma Capela Particular no seu interior, de formas e apresentação simples, é uma Casa de acolhimento de jovens e adultos do sexo feminino que se encontram em situação de apoio caritativo.

                         




Do Livro O PORTO E AS IGREJAS




ANTÓNIO FONSECA

Nº 3125 - MÊS DE MARIA - SÉRIE DE 2017 - (151) - SANTOS DE CADA DIA - 31 DE MAIO DE 2017 - DÉCIMO ANO DE PUBLICAÇÃO

Feliz Ano de 2017



Interior da Igreja da Comunidade de São Paulo do Viso









Caros Amigos:




Foto actual do autor




Nº 3125



Série - 2017 - (nº 151)


31 de MAIO de 2017


SANTOS DE CADA DIA

10º   A N O



 miscelania 008



LOUVADO SEJA PARA SEMPRE 
NOSSO SENHOR JESUS CRISTO 
E SUA MÃE MARIA SANTÍSSIMA



**********************************************************

Todos os Católicos com verdadeira Fé, 
deverão Comemorar e Lembrar 
os Santos e Beatos de cada dia, além de procurar seguir os seus exemplos

___________________________________________________________________________

===========================================

===========================================

MÊS DE MAIO MARIANO E DO ROSÁRIO


Como escreveu PAULO VI, quanto ao mês de MAIO:
MAIO é o mês em que nos templos e nas casas dos  Católicos de todo o mundo se deve rezar mais fervorosamente o Rosário e no qual todos os cristãos deverão Venerar a MARIA, Mãe de Deus.




VISITAÇÃO DE NOSSA SENHORA




Festa da VISITAÇÃO DE NOSSA SENHORA VIRGEM SANTA MARIA, em que a Mãe de Deus foi ao encontro da sua parenta ISABEL, que em avançada idade tinha concebido um  filho, e a saudou. No feliz encontro das duas futuras mães, O redentor que vinha ao mundo santificou o precursor ainda no seio de sua mãe, e MARIA, respondendo à saudação de ISABEL e exultando na alegria do ESPÍRITO SANTO, deu glória ao Senhor com um cântico de louvor, o "MAGNIFICAT".

Texto do livro SANTOS DE CADA DIA, da Editorial A. O. de Braga:

O primeiro desejo de MARIA, após a anunciação do Anjo, foi ver a sua prima ISABEL, a anciã, que, sendo estéril, concebera um filho.
Este menino há-de ser JOÃO BAPTISTA, o Penitente do deserto, o Pregador de fogo que virá preparar a chegada de Jesus, o mensageiro fiel que desaparecerá quando aparecer o Rei.
Foi então que MARIA subiu, solícita, a auxiliar sua prima, avançada em anos. Ao entrar em casa de ISABEL saudou-a.
Que se passou nesse momento no coração desta santa mulher? Que inspiração divina a iluminou? Ainda antes de MARIA lhe fazer as suas confidências, percebeu que estava cheia do Espírito Santo que lhe revelou a divina maternidade de Maria e sentiu que, no seu ventre, o menino estremecia, movido de júbilo.
E dirigindo-se a Maria, exclamou em altas vozes:
« - Bendita sois Vós entre as mulheres e bendito é o fruto do vosso ventre. De onde me vem a graça de vir visitar-me a Mãe do meu Salvador? ... Bem-aventurada sois Vós, que acreditastes, porque se há-de realizar o que, pelo Senhor, Vos foi mandado anunciar».
Também Maria se sente cheia do Espírito Santo. E às bençãos de ISABEL responde com o MAGNIFICAT, o cântico de gratidão a Deus, todo serenidade e humildade, expressão máxima de confiança no poder e misericórdia do Altíssimo:

A minha alma glorifica o Senhor
e o meu espírito se alegra em Deus, meu Salvador.
Porque pôs os olhos na humildade de sua serva:
de hoje em diante me chamarão bem-aventurada todas as gerações.

O Todo-Poderoso fez em mim maravilhas:
Santo é o seu Nome.
O seu amor se estende de geração em geração
sobre aqueles que O temem.

Manifestou o poder do seu braço
e dispersou os soberbos.
Derrubou os poderosos do seu trono
e exaltou os humildes.

Aos famintos encheu de bens
e aos ricos despediu de mãos vazias.
Acolheu a Israel, seu servo, 
lembrado da sua misericórdia,
 como tinha prometido a nossos pais,
a Abraão e à sua descendência para sempre.

Vinte séculos de cristianismo repetiram rezando e cantando este hino. Na sua singeleza e ingenuidade parece um prelúdio da palavra que há-de ser pronunciada trinta anos mais tarde: «Bem-aventurados os pobres; bem aventurados os puros de coração»
Possui todavia, um valor ainda maior. Este cântico é prova bastante para demonstrar a visita do anjo e o supremo prodígio
 operado na Virgem Maria. 
Se não estivesse estado sob a acção do Espírito Santo, como poderia essa donzela ignorada, essa rapariguinha aldeã, aceitar o título de «bendita entre todas as mulheres», que lhe deu sua prima; e como se atreveria a afirmar que «todas as gerações lhe chamariam bem-aventurada»?
E o mais admirável é que as suas palavras realizaram-se e todos os séculos passam ante Ela cantando a sua felicidade sem igual de Mãe de Deus.

PETRONILA (Aurélia), Santa



Em Roma, no cemitério de Domitila, junto à Via Ardeatina, Santa PETRONILA (Aurélia)  virgem e mártir. (data incerta)



Texto do livro SANTOS DE CADA DIA da Editorial A. O,. de Braga:


 AURÉLIA PETRONILA é romana de sangue patrício. Descendente de Tito Flávio Petrónio, está aparentada com a família imperial dos Flávios. Além do seu nome patronímico, temos prova disso reparando que foi sepultada no cemitério de Flávia Domitila. (Era então regra absoluta, vinda dos costumes pagãos, não admitir no cemitério familiar qualquer pessoa fora da «gens»). Pertencia contudo ao ramo cristão, não reinante, dessa família.
PETRONILA foi provavelmente catequizada e baptizada por São PEDRO. Por esta razão, vários documentos dão-lhe o nome de «filha de Pedro». Esta virgem tinha pelo principe dos Apóstolos grande veneração e mereceu ser objecto da sua mais paternal ternura, de maneira que foi considerada sua filha espiritual adoptiva.
Nos tempos seguintes, a expressão filha de São Pedro enganou, e uma opinião errónea impôs-se até ao século XVII, segundo o qual PETRONILA foi verdadeira filha de São PEDRO, nascida antes da vocação apostólica deste último. E, dizendo-se a França a filha mais velha da Igreja, o que vem dos tempos de Clóvis, não admira que tenha tomado Santa PETRONILA como sua protectora; ainda hoje mantém essa nação culto especial junto da Santa na Basilica Vaticana. Quanto ao nome. PETRONILA vem de Petrónio e não de Pedro.
As Actas dos Santos NEREU e AQUILEU, exilados com FLÁVIA DOMITILA na ilha Pôncia,  e martirizados no tempo de Domiciano (81-96), contêm uma carta dirigida por MARCELO filho de MARCOS, prefeito de Roma, a estes santos quando estavam exilados. Este documento narra a cura milagrosa da nossa virgem PETRONILA que, segundo afirma, se consagrara ao serviço de São PEDRO. Atacada de paralisia, depressa se viu impossibilitada de fazer o seu trabalho. 
TITO, discipulo do Apóstolo, perguntou-lhe então: «Porque não a curas?» - «Porque é bom para ela estar assim». Mas para não parecer que estas palavras escondem, incapacidade: manda São PEDRO à paralítica: «Levanta-te e serve-nos». E esta fê-lo imediatamente.
Uma pintura a fresco das catacumbas de FLÁVIA DOMITILA em Roma, representa uma mulher, chamada VENERANDA, recebida no céu por «PETRONELLA MARI». Fica assim provado que PETRONILA era objecto de culto; ora é sabido que nessa época o culto só podia ser dos mártires. E temos a certeza de que se trata sem dúvida da nossa Santa, pois nas Actas de NEREU e AQUILEU especificam que PETRONILA foi, na verdade, sepultada na propriedade de DOMITILA. A Santa deve, portanto, incluir-se entre as virgens mártires. Foi descoberta em 1874, na Via Ardeatina, uma basílica edificada em honra da Santa no local onde teve sepultura. Com o tempo, o corpo de Santa PETRONILA foi levado para o Vaticano, como dissemos, e o papa LEÃO II (795-816) dotou o seu altar de ricas ornamentações.


HÉRMIAS, Santo


Em Em Comana, no Ponto, hoje Gumenek, na Turquia, Santo HÉRMIAS soldado e mártir. (séc. III)

CÂNCIO, CANCIANO e CANCIANILA, Santos



Em Aquileia, hoje no Friúli Venézia, Itália, os santos CÂNCIO, CANCIANO e CANCIANILA mártires, que, presos pelo perseguidor quando saiam da cidade num carro, foram finalmente levados ao suplício. (séc. IV)



SÍLVIO, Santo



Em Toulouse, na Gália Narbonense, hoje FrançaSão SÍLVIO bispo que empreendeu a construção de uma basílica para honrar o túmulo de São SATURNINO. (400)


TIAGO SALOMÓNI, Beato


Em Forlí, na Emília-Romanha, Itália, o beato TIAGO SALOMÓNI presbitero que, sendo ainda adolescente falecido o seu pai e recebida sua mãe entre as monjas cistercienses, distribuiu os seus bens aos pobres e entrou na Ordem dos Pregadores, onde resplandeceu durante 45 anos dotado de insignes dons carismáticos, amigo dos pobres e homem de paz. (1314)


BAPTISTA DE VARANO 
(Camila Baptista de Varano), Santa


Em Camerino, no Piceno, hoje nas Marcas, Itália, Santa BAPTISTA DE VARANO (Camila Baptista de Varano) abadessa do mosteiro das Clarissas fundado por seu pai, onde experimentou grandes tribulações e consolações místicas. (1524))

ROBERTO THORPE e TOMÁS WATKINSON, Beatos



Em York, Inglaterra, os beatos mártires ROBERTO THORPE presbitero e TOMÁS WATKINSON que, no reinado de Isabel I, foram condenados à morte; o primeiro, porque era sacerdote e o segundo, pai de família já ancião, porque muitas vezes prestou auxílio aos sacerdotes; ambos receberam ao mesmo tempo no patíbulo a coroa do martírio. (1591)


NICOLAU BARRÉ, Beato

 

Em Paris, França, o beato NICOLAU BARRÉ presbitero, que foi docente de teologia e célebre director de almas no espírito do Evangelho e instituiu por todas as partes da França as Escolas Cristãs e da Caridade, bem como as Irmãs Mestras do Menino Jesus, destinadas à instrução gratuita da juventude mais carenciada. (1686)

FÉLIX (Tiago Amoroso)Santo


Em Nicósia, na Sicília, Itália, São FÉLIX (Tiago Amoroso) religioso que, depois de ter sido recusado durante 10 anos, ingressou finalmente na Ordem dos Capuchinhos, onde exerceu os mais humildes ofícios com grande simplicidade e inocência de coração. (1787)

MARIANO DE ROCCACASALE (Domingos) DI NICOLANTÓNIOBeato


Em Bellegra, Roma, Itália, o beato MARIANO DE ROCCACASALE (Domingos) DI NICOLANTÓNIO, religioso da Ordem dos Frades Menores que, exercendo o ofício de porteiro, abriu as portas do convento aos pobres e aos peregrinos, a quem socorreu de todos os modos com imensa caridade. (1866)


NOÉ MAWAGGALISanto

    

Em Mityana, Uganda, São NOÉ MAWAGGALI mártir, que, sendo fâmulo do rei, quando irrompeu a perseguição recusopu destemidamente empreender a fuga e espontaneamente apresentou o peito às lanças dos soldados, que, depois de o terem trespassado, o penduraram numa árvore, até chegar à morte por Cristo. (1886)



 ... E AINDA  ...


FILÓSOFO DE S. PEDRO, Santo



 San Filosofo di San Pietroburgo, “Nuovo Martire” della Chiesa Ortodossa Russa, è festeggiato al 31 maggio


TIAGO ZHOU WEN-MO, Beato


Giacomo Zhou Wen-mo nacque nel 1752 a Suzhou, nella provincia dello Jiangnan, in Cina, Rimasto orfano da bambino, venne allevato da sua nonna. Convertitosi al cattolicesimo, entrò nel seminario diocesano di Pechino e fu tra i primi a venire ordinato sacerdote.
All’epoca il vescovo di Pechino, Alexandre de Gouvea, stava meditando sulla necessità d’inviare un sacerdote missionario in Corea, luogo dove la Chiesa era sorta unicamente tramite alcuni letterati laici, entrati in contatto coi libri scritti dai missionari occidentali in cinese. Riconosciute in padre Giacomo le doti necessarie per quello scopo, gli diede l’incarico

VITAL DE ASSISSanto



San Vitale, monaco ed eremita, nacque a Bastia Umbra nel 1295, dopo aver trascorso la giovinezza compiendo orrendi peccati, pentitosi, cercò di espiare le colpe commesse recandosi in pellegrinaggio nei più importanti santuari italiani ed europei. Ritornato in Umbria, vestì l'abito benedettino e condusse un'esperienza di vita eremitica. Trascorse il resto della sua esistenza nell'eremo di Santa Maria di Viole, presso Assisi, nella più assoluta povertà, coprendosi di stracci, a piedi nudi e lasciando incolta la chioma; unico suo bene era un canestro usato per andare a prendere l'acqua in una vicina fonte. Morì il 31 maggio 1370. La fama della sua santità si sparse presto dappertutto e a causa dei numerosi prodigi compiuti a favore di quanti erano affetti da patologie ai genitali e alla vescica, divenne il protettore di questi ammalati


miscelania 003

»»»»»»»»»»»»»»»»
&&&&&&&&&&&
Local onde se processa este blogue, na cidade do Porto





Os meus cumprimentos e agradecimentos pela atenção que me dispensarem.

Textos recolhidos

In




MARTIROLÓGIO ROMANO
Ed. Conferência Episcopal Portuguesa - MMXIII

e através dos sites:


 Wikipédia.org; Santiebeati.it; es.catholic.net/santoral, 
e do Livro SANTOS DE CADA DIA, da Editorial de Braga, além de outros, eventualmente 

"""""""""""""""

Também no que se refere às imagens que aparecem aqui no fim das mensagens diárias, são recolhidas aleatoriamente ou através de fotos próprias que vou obtendo, ou transferindo-as das redes sociais e que creio, serem livres. 
Quanto às de minha autoria, não coloco quaisquer entraves para quem quiser copiá-las





MÊS DE MAIO MARIANO E DO ROSÁRIO


Por ser este mês de Maio

o Mês MARIANO

Vou aqui publicar todos os dias (até ao dia 31)

esta imagem.


ANTÓNIO FONSECA

terça-feira, 30 de maio de 2017

IGREJAS DO PORTO - NOVA PÁGINA DE 2017 - (120) - 30 DE MAIO DE 2017

Meus Amigos:

Como já afirmei aqui no passado dia 1 de Fevereiro, tomei a iniciativa de publicar aqui uma descrição das Igrejas, Capelas e Oratórios que existem na cidade do Porto. Vou-me socorrer de várias fontes, nomeadamente Wikipedia, do livro Porto e as Igrejas editado pela Câmara Municipal do Porto em 2015, e possivelmente de outras fontes. 
Não quero fazer uma enciclopédia, nem nada que se pareça e não vou fazer plágios. Sempre que publicar algo sobre este assunto, darei nota das fontes a que recorrer, respeitando sempre a deontologia e os direitos de Autor.. 
A maior parte das Igrejas e Capelas (e suas histórias) que vão ser aqui mencionadas, nunca as visitei e decerto também, muitos de vós, não conhecem. 
Apesar da minha idade - ser já um pouco avançada - e dado que publicarei diariamente apenas uma monografia (ou História), tenciono completar todo este trabalho, se Deus me der vida e saúde.

Para já vou começar este trabalho-missão, através da transcrição dos textos do Livro 
"O Porto e as Igrejas" por ordem de paróquias.



Vigararia PORTO POENTE

Paróquia DO BONFIM  -  SENHOR DO BONFIM


120.  Capela da Senhora das Dores ou 
Capela da Quinta de Sacais


Rua António Granjo, 219












A Quinta de Sacais era uma das grandes propriedades que se situavam na periferia da cidade do Porto. 
As referências a esta Quinta remontam ao século XVI, sendo conhecida como a Quinta do Cativo
O Cativo seria o seu proprietário Dom Aires da Silva, que apesar de ter perdido a sua vida em Alcácer Quibir, pensava-se ter sido feito cativo pelos mouros. 
Apenas no século XVIII, passaria a chamar-se Quinta de Sacais, pertencendo ao cavaleiro da Ordem de Cristo Nicolau Francisco Guimarães
A enorme propriedade havia sido já dividida e a sul surgia agora um novo palacete que integra hoje o Museu Militar. 
Durante o século XIX e até ao início do século XX, teve diversos proprietários, entre eles, os irmãos António e Francisco Borges, fundadores do Banco Borges & Irmão
Entre 1912 e 1914, parte dos terrenos da quinta foram cedidos e vendidos por expropriação para a construção da Avenida Camilo, da Rua António Granjo e do Liceu Alexandre Herculano
Em 1914, arrendada por um grupo senhoras importantes da sociedade portuense para a residência do Bispo Dom António Barroso, até à sua morte em 1918
O distinto advogado portuense Júlio César da Fonseca Araújo adquire a propriedade em 1923, tendo esta sido herdade pelos seus descendentes até à actualidade. 
Apesar de ser referenciada como capela de Santa Bárbara, documentos em posse dos proprietários referem a Capela da Quinta de Sacais como Capela de Nossa Senhora das Dores
A capela encontra-se actualmente em perfeito estado de conservação conforme construção original.


                         




Do Livro O PORTO E AS IGREJAS




ANTÓNIO FONSECA

Lista de Papas por ordem de data

%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%

I - São PEDRO (42 a 47); II - São LINO; 67-76; III - ANACLETO I ou CLETO (76-88);

IV São CLEMENTE I (88-97); V - Santo EVARISTO I (97-105;

VI - Santo ALEXANDRE I (105-115); VII - São SISTO I (115-125);

VIII - São TELÉSFORO (125-136); IX - Santo HIGINO (136-140);

X - São PIO I (140-155); XI - Santo ANICETO (155-166);

XII - São SOTERO (166-175); XIII - Santo ELEUTÉRIO (175-189); XIV -

São VÍTOR I (189-199); XV - São ZEFERINO (199-217); XVI - São CALISTO I (217-222);

I -Santo HIPÓLITO (217-235) *Embora Anti-Papa foi considerado Santo*;

XVII - Santo URBANO I (222-230); XVIII - São PONCIANO (230-235);

XIX - Santo ANTERO (235-236); XX - São FABIÃO ou FABIANO (236-250);

XXI - São CORNÉLIO (251-253);

II - NOVACIANO (251) - II ANTI-PAPA;

XXII - São LÚCIO I (253-254); XXIII - Santo ESTÊVÃO (254-257);

XXIV - São SISTO II (257-258); XXV - São DIONÍSIO (259-268);

XXVI - São FÉLIX I (269-274); XXVII - Santo EUTIQUIANO (275-283);

XXVIII - São CAIO (283-296); XXIX - São MARCELINO (296-304);

VACATURA DA SANTA SÉ (305-308);

XXX - São MARCELO I (308-309); XXXI - Santo EUSÉBIO (309);

XXXII - São MILCÍADES ou MELQUÍADES (310-314);

XXXIII - São SILVESTRE I (314-335); XXXIV - São MARCOS (336);

XXXV - São JÚLIO I (337-352); XXXVI - São LIBÉRIO (352-366);

III - São FÉLIX II (335-358) - ANTI-PAPA;

XXXVII - São DÂMASO I (366-384);

IV - Santo URSINO (366-367) - ANTI-PAPA;

XXXVIII - São SIRÍCIO (384-399); XXXIX - Santo ANASTÁSIO I (399-401);

XL - Santo INOCÊNCIO I (401-417); XLI - São ZÓZIMO (417-418);

XLII - São BONIFÁCIO I (418-422);

V - EULÁLIO (418-419 - ANTI-PAPA;

XLIII - São CELESTINO I (422-432); XLIV - São SISTO III (432-440);

XLV - São LEÃO I MAGNO (440-461);

XLVI - Santo HILARIO ou HILARIÃO (461-468); XLVII - São SIMPLÍCIO (468-483); XLVIII - São FÉLIX III (483-492) (*) É considerado como Félix III, apesar o seu antecessor Félix II ter sido Anti-Papa; XLIX - São GELÁSIO I (492-496);

L - Santo ANASTÁSIO I (496-498) - LI - São SÍMACO (498-514);

VI - LOURENÇO (498 e 501-505) ANTI-PAPA;

LII - Santo HORMISDAS (514-523); LIII - São JOÃO I (523-526);

LIV - São FÉLIX IV (526-530);

VII - DIÓSCORO (530) - ANTI-PAPA;

LV - BONIFÁCIO II (530-532); LVI - JOÃO II (533-535); LVII - Santo AGAPITO I (515-536); LVIII - São SILVÉRIO (536-536); LIX - VIGILIO (537-555); LX - PELÁGIO I (556-561);

LXI - JOÃO III (561-574); LXII - São BENTO I (575-579); LXIII - PELÁGIO II (579-590); LXIV - São GREGÓRIO I MAGNO (590-604); LXV - SABINIANO (604-606);

LXVI - BONIFÁCIO III (607); LXVII - São BONIFÁCIO IV (608-615);

LXVIII - São DEODATO I ou ADEODATO (615-618); LXIX - BONIFÁCIO V (619-625); LXX - HONÓRIO I (625-638); LXXI - SEVERINO (640); LXXII - JOÃO IV (640-642); LXXIII - TEODORO I (642-649); LXXIV - São MARTINHO I (649-655);

LXXV - Santo EUGÉNIO I (654-657);

LXXVI - São VITALINO ou VITALIANO (657-672);

LXXVII - DEODATO II ou ADEODATO (672-676); LXXVIII - DONO (676-678);

LXXIX - Santo AGATÃO (678-681); LXXX - São LEÃO II (682-683);

LXXXI - São BENTO II (684-685); LXXXII - JOÃO V (685-686);

LXXXIII - CÓNON (686-687); LXXXIV - São SÉRGIO I (687-701);

VIII - TEODORO (687) - ANTI-PAPA; IX - PASCOAL (687) - ANTI-PAPA;

LXXXV - JOÃO VI (701-705); LXXXVI - JOÃO VII (705-707); LXXXVII - SISÍNIO (708); LXXXVIII - CONSTANTINO I (708-715); LXXXIX - São GREGÓRIO II (715-731);

XC - São GREGÓRIO III (731-741); XCI - São ZACARIAS (741-752);

XCII - ESTÊVÃO II (752-757); XCIII - São PAULO I (757-767);

X - CONSTANTINO II (767-769) - ANTI-PAPA;

XCIV - ESTÊVÃO III (768-772);

XI - FILIPE (768) - ANTI-PAPA;

XCV - ADRIANO I (772-795); XCVI - São LEÃO III (795-816);

XCVII - ESTÊVÃO IV (816-817); XCVIII - São PASCOAL I (817-824);

XCIX - EUGÉNIO II (824-827); C - VALENTIM (827); CI - GREGÓRIO IV (827-844);

CII - SÉRGIO II (844-847);

XII - JOÃO (844) - ANTI-PAPA;

CIII - São LEÃO IV (847-855); CIV - BENTO III (855-858);

XIII - ANASTÁSIO (855) - ANTI-PAPA;

CV - São NICOLAU I MAGNO (858-867); CVI - ADRIANO II (867-872);

CVII - JOÃO VIII (872-882); CVIII - MARINHO I (882-884);

CIX - Santo ADRIANO III (884-885); CX - ESTÊVÃO V (885-891);

CXI - FORMOSO (891-896); CXII - BONIFÁCIO VI (896);

CXIII - ESTÊVÃO VI (896-897); CXIV - ROMANO (897); CXV - TEODORO II (897);

CXVI - JOÃO IX (898-900); CXVII - BENTO IV (900-903); CXVIII - LEÃO V (903);

XIV - CRISTÓVÃO (903-904) - ANTI-PAPA;

CXIX - SÉRGIO III (904-911); CXX - ANASTÁSIO III (911-913);

CXXI - LANDON (913-914); CXXII - JOÃO X (914-928); CXXIII - LEÃO VI (928);

CXXIV - ESTEVÃO VII (928-931); CXXV - JOÃO XI (931-935);

CXXVI - LEÃO VII (936-939) CXXVII - ESTEVÃO VIII (939-942);

CXXVIII - MARINHO II (942-946); CXXIX - AGAPITO II (946-955);

CXXX - JOÃO XII (955-964); CXXXI - LEÃO VIII (963-965);

CXXXII - BENTO V (964-966); CXXXIII - JOÃO XIII (965-972);

CXXXIV - BENTO VI (973-974);

XV - BONIFÁCIO VII (974 e 984-985) - ANTI-PAPA;

CXXXV - BENTO VII (974-983); CXXXVI - JOÃO XIV (983-984);

CXXXVII - JOÃO XV (985-996); CXXXVIII - GREGÓRIO V (996-999);

XVI - JOÃO XVI (997-998) - ANTI-PAPA;

CXXXIX - SILVESTRE II (999-1003); CXL - JOÃO XVII (1003);

CXLI - JOÃO XVIII (1003-1009); CXLII - SÉRGIO IV (1009-1012);

XVII - GREGÓRIO VI (1012) - ANTI-PAPA;

CXLIII - BENTO VIII (1012-1024); CXLIV - JOÃO XIX (1024-1032);

CXLV - BENTO IX (1032-1044, 1045 e 1047-1048)(**); CXLVI - SILVESTRE III - (1045)

CXLVII - GREGÓRIO VI (1045-1046); CXLVIII - CLEMENTE II (1046-1047);

CXLIX - DÂMASO II (1048); CL - São LEÃO IX (1049-1054)

(**) Possível Anti-Papa, embora apareça em algumas listas como Papa legítimo, apesar de ter causado alguns problemas com SILVESTRE III e com DÃMASO II;

CLI - VÍTOR II (1055-1057); CLII - ESTEVÃO IX (1057-1058);

XVIII - BENTO X (1058- 1059) -ANTI-PAPA;

CLIII - NICOLAU II (1059-1061); CLIV - ALEXANDRE II (1061-1073);

XIX - HONÓRIO II (1061-1072) - ANTI-PAPA;

CLV - São GREGÓRIO VII (1073-1085);

XX - CLEMENTE III (1080-1084) ANTI-PAPA;

CLVI - BEATO VÍTOR III (1086-1087); CLVII - BEATO URBANO II (1088-1099); CLVIII - PASCOAL Ii (1099-1118);

XXI - TEODORICO (1100) - ANTI-PAPA; XXII - ALBERTO (1102 - ANTI-PAPA;

XXIII - SILVESTRE IV (1105-1111) - ANTI-PAPA;

CLIX - GELÁSIO II (1118-1119);

XXIV - GREGÓRIO VIII (1118-1121) - ANTI-PAPA;

CLX - CALISTO II (1119-1124); CLXI - HONÓRIO II (1124-1130);

XXV - CELESTINO II (1124); - ANTI-PAPA;

CLXII - INOCÊNCIO II (1130-1143);

XXVI - ANACLETO II (1130-1138) - ANTI-PAPA; XXVII - VÍTOR IV (1138) - ANTI-PAPA;

CLXIII - CELESTINO II (1143-1144); CLXIV - LÚCIO II (1144-1145);

CLXV - BEATO EUGÉNIO III (1145-1153); CLXVI - ANASTÁSIO IV (1153-1154); CLXVII - ADRIANO IV (1154-1159); CLXVIII - ALEXANDRE III (1159-1181);

XXVIII - VÍTOR IV (1159-1164) - ANTI-PAPA; XXIX - PASCOAL III (1164-1168) - ANTI-PAPA; XXX - CALISTO III - (1168-1178) - ANTI-PAPA;

XXXI - INOCÊNCIO III (1179-1180); - ANTI-PAPA;

CLXIX - LÚCIO III (1181-1185); CLXX - URBANO III (1185-1187);

CLXXI - GREGÓRIO VIII (1187); CLXXII - CLEMENTE III (1187-1191);

CLXXIII - CELESTINO III (1191-1198); CLXXIV - INOCÊNCIO III (1198-1216);

CLXV - HONÓRIO III (1216-1227); CLXXVI - GREGÓRIO IX (1227-1241);

CLXXVII - CELESTINO IV (1241); CLXXVIII - INOCÊNCIO IV (1243-1254);

CLXXIX - ALEXANDRE IV (1254-1261); CLXXX - URBANO IV (1261-1264);

CLXXXI - CLEMENTE IV (1265-1268); CLXXXII - BEATO GREGÓRIO X (1271-1276); CLXXXIII - BEATO INOCÊNCIO V (1276); CLXXXIV - ADRIANO V (1276);

CLXXXV - JOÃO XXI (1276-1277) CLXXXVI - NICOLAU III (1277-1280);

CLXXXVII - MARTINHO IV (1281-1285); CLXXXVIII - HONÓRIO IV (1285-1287); CLXXXIX - NICOLAU IV (1288-1292); CXC - SÃO CELESTINO V (1294);

CXCI - BONIFÁCIO VIII (1294-1303) CXCII - BEATO BENTO XI (1303-1304);

CXCIII - CLEMENTE V (1305-1314); CXCIV - JOÃO XXII (1316-1334);

XXXII - NICOLAU V - ANTI-PAPA (1328-1330);

CXCV - BENTO XII (1334-1342); CXCVI - CLEMENTE VI (1342-1352);

CXCVII - INOCÊNCIO VI (1352-1362); CXCVIII - BEATO URBANO V (1362-1370); CXCIX - GREGÓRIO XI (1370-1378); CC - URBANO VI (1378-1389);

CCI - BONIFÁCIO IX (1389-1404); CCII - INOCÊNCIO VII (1404-1406);

CCIII - GREGÓRIO XII (1406-1415);

XXXIII - CLEMENTE VII - ANTI-PAPA (1378-1394);

XXXIV - BENTO XIII - ANTI-PAPA (1394-1420);

XXXV - ALEXANDRE V - ANTI-PAPA (1409-1410);

XXXVI - JOÃO XXIII ANTI-PAPA (1410-1415);

XXXVII - CLEMENTE VIII ANTI-PAPA (1423-1429);

CCIV - MARTINHO V (1334-1342);

XXXVIII - BENTO IV ANTI-PAPA (1425-1430);

CCV - EUGÉNIO IV (1431-1447);

XXXIX - FÉLIX V ANTI-PAPA (1439-1449);

CCVI - NICOLAU V (1447-1465); CCVII - CALISTO III (1455-1458);

CCVIII - PIO II (1458-1464); CCIX - PAULO II (1464-1471); CCX - SISTO IV (1471-1484); CCXI - INOCÊNCIO VIII (1484-1492); CCXII - ALEXANDRE VI (1492-1503);

CCXIII - PIO III (1503); CCXIV - JÚLIO II (1503-1513); CCXV - LEÃO X (1513-1521); CCXVI - ADRIANO VI (1522-1523); CCXVII - CLEMENTE VII (1523-1534);

CCXVIII - PAULO III (1534-1549); CCXIX - JÚLIO III (1550-1555);

CCXX - MARCELO II (1555); CCXXI - PAULO IV (1555-1559);

CCXXII - PIO IV (1559-1565); CCXXIII - SÃO PIO V (1566-1572);

CCXXIV - GREGÓRIO XIII (1572-1585); CCXXV - SISTO V (1585-1590);

CCXXVI - URBANO VII - (1590); CCXXVII - GREGÓRIO XIV (1590-1591);

CCXXVIII - INOCÊNCIO IX (1591); CCXXIX - CLEMENTE VIII (1592-1605);

CCXXX - LEÃO XI (1605); CCXXXI - PAULO V (1605-1621):

CCXXXII - GREGÓRIO XV (1623-1644); CCXXXIII - URBANO VIII (1623-1644); CCXXXIV - INOCÊNCIO X (1644-1655); CCXXXV - ALEXANDRE VII (1655-1667); CCXXXVI - CLEMENTE IX (1667-1669); CCXXXVII - CLEMENTE X (1670-1676); CCXXXVIII - BEATO INOCÊNCIO XI (1676-1689);

CCXXXIX - ALEXANDRE VIII (1689-1691); CCXL - INOCÊNCIO XII (1691-1700);

CCXLI - CLEMENTE XI (1700-1721); CCXLII - INOCÊNCIO XIII (1721-1724);

CCXLIII - BENTO XIII (1724-1730); CCXLIV - CLEMENTE XII (1730-1740);

CCXLV - BENTO XIV (1740-1758); CCXLVI - CLEMENTE XIII (1758-1769);

CCXLVII - CLEMENTE XIV (1769-1774); CCXLVIII - PIO VI (1775-1799);

CCXLIX - PIO VII (1800-1823); CCL - LEÃO XII (1823-1829); CCLI - PIO VIII (1829-1830); CCLII - GREGÓRIO XVI (1831-1846); CCLIII - BEATO PIO IX (1846-1878);

CCLIV - LEÃO XIII (1878-1903); CCLV - SÃO PIO X (1903-1914);

CCLVI - BENTO XV (1914-1922); CCLVII - PIO XI (1922-1939);

CCLVIII - PIO XII (1939-1958); CCLIX - SÃO JOÃO XXIII (1958-1963);

CCLX - PAULO VI (1963-1978); CCLXI - JOÃO PAULO I - (1978);

CCLXII - SANTO JOÃO PAULO II;

CCLXIII - BENTO XVI - PAPA DESDE 18 DE ABRIL DE 2005 até 28 DE FEVEREIRO DE 2013 data em que renunciou passando a ser PAPA EMÉRITO;

CCLXIV - FRANCISCO - Eleito em 28 de Fevereiro de 2013

por renúncia de BENTO XVI - Papa Emérito

Etiquetas